PROJETO HORTA: A MEDIAÇÃO ESCOLAR PROMOVENDO HÁBITOS ALIMENTARES SAUDÁVEIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO HORTA: A MEDIAÇÃO ESCOLAR PROMOVENDO HÁBITOS ALIMENTARES SAUDÁVEIS"

Transcrição

1 123 PROJETO HORTA: A MEDIAÇÃO ESCOLAR PROMOVENDO HÁBITOS ALIMENTARES SAUDÁVEIS Michell Pedruzzi Mendes Araújo 1 Rogério Drago 2 Resumo: Baseado na premissa de valorizar o trabalho prático e o papel do outro no processo de aprendizagem, o projeto Horta Escolar foi inserido no Centro de Ensino Charles Darwin, objetivando melhor inserção do ensino dos vegetais na disciplina de Ciências. A horta foi preparada desde o início pelos próprios alunos que participaram ativamente do processo, sob a orientação dos professores. Percebeu-se que alguns alunos passaram a mudar seus hábitos alimentares nada saudáveis, o que torna o projeto viável e adequado para ser adotado nos próximos anos na instituição e em outras escolas particulares ou públicas. Através do trabalho pôde-se perceber que a horta didática inserida no ambiente escolar pode ser uma ferramenta bastante eficaz na formação integral do estudante, pois aborda diversas áreas de conhecimento como a educação alimentar e ambiental, podendo ser desenvolvido durante todo o processo de ensino/aprendizagem. Palavras-chave: Ensino. Trabalho prático. Educação alimentar. Introdução O ensino das ciências naturais no ensino fundamental é restrito, muitas vezes, a aulas teóricas e expositivas, mas a importância de atividades práticas é inquestionável na Ciência e precisa ocupar lugar de destaque no seu ensino 3. O aspecto formativo das atividades práticas experimentais tem sido negligenciado, inúmeras vezes, ao caráter superficial, mecânico e repetitivo em detrimento aos aprendizados teórico-práticos que se mostrem dinâmico, processuais e significativos. 4 1 Licenciado em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Espírito Santo. 2 Doutor em Educação, professor do Centro de Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Espírito Santo. 3 SMITH, K. A. Experimentação nas Aulas de Ciências. In: CARVALHO, A. M. P.; VANNUCCHI, A. I. ; BARROS, M. A.; GONÇALVES, M. E. R.; REY, R. C. Ciências no Ensino Fundamental: O conhecimento físico. São Paulo: Scipione SILVA, L. H. de A.; ZANON, L. B. A experimentação no ensino de Ciências. In: SCHNETZLER, R.P.; ARAGÃO, R. M. R. Ensino de Ciências: fundamentos e abordagens. Piracicaba: CAPES/UNIMEP, 2000.

2 124 Tiba 5 ressalta que uma boa aula é como uma refeição, quanto mais atraentes estiverem os pratos que o cozinheiro oferecer, mais desejarão saboreá-lo. Com a aula o processo é o mesmo, quanto mais o educador se dedicar ao conteúdo, quanto melhor for sua didática, mais o aluno terá prazer em aprender. Quanto mais o professor preparar a sua aula teórica, dando continuidade na prática, mais o conhecimento será acessível ao aluno e maior será o gosto pela biologia, que é nosso caso. De acordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais 6, a participação ativa dos estudantes nos processos de aprendizagem com atividades práticas representa importante elemento para a compreensão ativa e conceitual. Assim, baseamo-nos na premissa de que o importante no processo de ensino é estudar as possibilidades e assegurar as condições (sistemas de relações, tipos de atividade) para que cada criança possa se desenvolver com a ajuda de professores ou colegas mais capazes em um nível superior (cognitivo e afetivo) de sua personalidade. A horta escolar, nesse contexto, pode-se consistir num laboratório para o aluno corrigir-se, aprender com os próprios erros, como relata Kalmikova: Quando existe um elevado nível de conscientização das operações mentais, tem lugar um relatório verbal adequado do processo de solução do problema, uma consideração, tanto positiva quanto negativa da informação que chega de fora, questão que possibilitará aprender sobre a base da experiência própria e dos próprios erros e de corrigir a atividade, avaliando os erros, atividade relacionada com a auto-avaliação dos resultados. 7 Diversas transformações ocorreram no país e estão relacionadas à crescente modernização e urbanização. Tais mudanças acabam por gerar modificações no estilo de vida e nos hábitos alimentares da população, sendo estas mudanças consideradas como favorecedoras para o desenvolvimento das doenças crônicas não-transmissíveis. 5 TIBA, I. Ensinar aprendendo: como superar os desafios do relacionamento professor-aluno em tempos de globalização. São Paulo: Gente, BRASIL. Ministério de Educação e Cultura. Parâmetros Curriculares Nacionais Brasília: MEC, KALMIKOVA, Z. I. La capacidad de aprendizaje y los princípios de estructuración de los métodos para su diagnóstico. In IIIASOV, I. I. ; LIAUDIS, V. Ya. Antología de la Psicologia Pedagógica y de las Edades. La Habana Pueblo y Educación, 1986, p. 335.

3 A alimentação desempenha um papel fundamental durante todo o ciclo de vida dos seres vivos. Entre as diversas etapas da vida pode-se destacar a idade escolar, que constitui num período onde a criança apresenta um metabolismo muito mais intenso quando comparado ao do adulto (DANELON et al., 2006) 8. A escola aparece como espaço privilegiado para o desenvolvimento de ações de melhoria das condições de saúde e do estado nutricional das crianças (RAMOS; STAIN, 2000) 9, sendo um local estratégico para a concretização de iniciativas de promoção da saúde, como o conceito da Escola Promotora da Saúde, que incentiva o desenvolvimento humano saudável e as relações construtivas e harmônicas. O consumo de hortaliças pode ser desenvolvido numa instituição do ensino com o envolvimento dos alunos. Além da satisfação de poder aproveitar na alimentação escolar as hortaliças que ajudou a cultivar, o aluno aprende o seu valor nutritivo, bem como seus benefícios para a sua saúde. De acordo com Bianco citado por Kurek e Butzke (2006) 10, uma horta bem planejada e organizada pode oferecer inúmeras vantagens, dentre elas: fornece hortaliças que têm vitaminas e minerais essenciais para a saúde; propicia uma alimentação de qualidade, saudável e variada; diminui os gastos com a alimentação; permite a colaboração dos educandos, enriquecendo seus conhecimentos e aprimorando experiências; é fonte de renda familiar quando a produção é maior que o consumo; melhora a aparência e o valor nutritivo das refeições; e permite produção em curto espaço de tempo. Observa-se que a obesidade infantil vem crescendo mundialmente em países desenvolvidos e em desenvolvimento, com sérias repercussões na saúde da população infanto-juvenil, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). É muito comum nas escolas do Espírito Santo, e de todo o Brasil, o consumo de lanches e alimentos gordurosos por parte das crianças desde muito cedo. 8 DANELON, M. A. S.; DANELON, M. S.; SILVA, M. V. Serviços de alimentação destinados ao público escolar: análise da convivência do Programa de Alimentação Escolar e das cantinas. Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas, v. 13, n.1, p , RAMOS M; STEIN, L. M. Desenvolvimento do comportamento alimentar infantil. Jornal de Pediatria. Rio de Janeiro, v. 76, supl. 3, p , KUREK, M.; BUTZKE, C. M. F. Alimentação escolar saudável para educandos da educação infantil e ensino fundamental. Revista de Divulgação Técnico-Científica do ICPG. Santa Catarina, v. 3, n. 9, p ,

4 126 Pensando nisso, os professores de Ciências do Centro de Ensino Charles Darwin tentaram criar uma conduta para reverter essa situação nas séries iniciais de ensino fundamental. A horta escolar como proposta de ação mediada Baseado na premissa de valorizar o trabalho prático, os professores de Ciências do Centro de Ensino Charles Darwin da unidade de Campo Grande 11 adotaram o projeto Horta Escolar objetivando melhor inserção do ensino dos vegetais na disciplina de Ciências para os alunos do 4º ano do ensino fundamental. O Centro de Ensino Charles Darwin de Cariacica localiza-se num terreno de grandes espaços ociosos. Para realizar uma mudança no ambiente, pensou-se em realizar o plantio de hortaliças, bem como de algumas plantas medicinais. Essa mudança no ambiente proporcionou um processo de encantamento nos alunos, principalmente nessa faixa etária, onde eles vivem num momento único que é do lúdico. Certamente as experiências vividas por eles serão muito significativas e jamais serão esquecidas. FOTO 1: Alunos manipulando o alface da horta Os alunos do Centro de ensino Charles Darwin de Cariacica, em sua maioria, apresentam uma condição financeira melhor que alunos da rede pública, pois 11 A escola autorizou o uso do seu nome.

5 geralmente pertencem à classe média alta. Na maioria das vezes, as famílias com uma renda alta apresentam pais que trabalham muito e que muitas vezes deixam seus filhos grande parte do tempo sozinhos e por isso acabam recorrendo a fontes alimentares rápidas como fast foods, frituras, lanches, pizzas, macarrões instantâneos, enlatados, dentre outros. Dessa forma, houve interesse em realizar esse projeto na escola para pesquisar, através de questionários, a qualidade da alimentação dessas crianças e também de conscientizar os pais das mesmas, a fim de que essa situação possa ser revertida. A escola é um local próprio para a aplicação de programas de educação em saúde em larga escala, incluindo programas de educação nutricional, devido à grande concentração de pessoas de diferentes faixas etárias e pertencentes aos vários estratos sociais. Estes programas devem consistir em processos ativos, lúdicos e interativos, que favoreçam mudanças de atitudes e das práticas alimentares. Entendendo a importância da escola na formação dos alunos para a promoção de hábitos alimentares saudáveis e, consequentemente, nas famílias desses alunos, o projeto horta na escola ganha mais mérito. Tal projeto deveria ser adotado por todas as escolas nas séries iniciais, principalmente nas escolas públicas, onde as hortaliças poderiam fazer parte da merenda escolar, porque conscientiza esses alunos sobre a importância de uma boa alimentação e melhora o ensino de ciências, tornando-o mais dinâmico. O projeto horta na escola foi desenvolvido no Centro de Ensino Charles Darwin durante um período de oito meses (de abril a novembro de 2008). Houve um engajamento expressivo dos alunos do 4º ano do ensino fundamental que executaram o projeto. A horta foi preparada desde o início pelos alunos com a supervisão dos professores de ciências, os alunos fizeram um minhocário, prepararam um adubo orgânico com restos alimentares trazidos de casa, plantaram, acompanharam o crescimento das hortaliças (coentro, salsa, cebolinha, couve, alface) e legumes (cenoura), relataram sobre o crescimento vegetal, tiraram suas conclusões e colheram as hortaliças. No dia anterior à mostra cultural, dia 07/11/2008, prepararam um sanduíche 127

6 128 natural utilizando as hortaliças e o consumiram. No dia posterior os alunos apresentaram num stand os resultados sobre a qualidade da alimentação da turma e para cada visitante eles ofereciam uma hortaliça para levar para casa. As crianças visitavam a horta uma vez por semana até o nascimento dos embriões. Posteriormente, eles passaram a visitá-la uma vez por dia, haja vista que precisavam regar os canteiros. A turma foi dividida em seis grupos, cada grupo ficou com um canteiro e em cada canteiro era plantado um vegetal específico (couve, coentro, salsa, cebolinha, alface ou cenoura). O Projeto Horta possibilitou às crianças um contato maior com as Ciências na prática. A vivência deste projeto foi uma experiência muito rica para os alunos, instigou a curiosidade destes e introduziu noções de Ciências Naturais desde a Educação Infantil. Ao analisar o processo de gênese, construção e consolidação do projeto, apoiamo-nos em Vygotsky no que diz respeito à zona de desenvolvimento proximal, segundo o próprio autor: Implantar [algo] na criança... é impossível... só é possível treiná-la para alguma atividade exterior como, por exemplo, escrever à máquina. Para criar uma zona de desenvolvimento proximal, isto é, para engendrar uma série de processos de desenvolvimento interior, precisamos dos processos corretamente construídos de aprendizagem escolar. 12 É esse o nosso objetivo nesse trabalho: contribuir para a construção dos processos de aprendizagem escolar, a partir da vivência prática dos conhecimentos teóricos. A zona de desenvolvimento proximal fornece valiosas informações a educadores, na medida em que coloca a descoberto o curso interno do desenvolvimento do aluno, permitindo ao professor orientar a instrução não para processos de maturação que já foram completados, mas para aqueles que estão em estado de formação, ou seja, que estão apenas começando a se desenvolver. A horta educativa foi implantada na escola visando tornar mais prático e dinâmico o ensino dos vegetais, tornar o ensino das ciências mais agradável, 12 VEER, R. V. D.; VALSINER, J. Vygotsky: uma síntese. São Paulo: Loyola, 2001, p. 358.

7 129 integrar os alunos onde a participação de cada um foi fundamental, incentivar o trabalho em grupo, incentivar o consumo de hortaliças e de leguminosas nas casas desses alunos e na própria escola, promovendo um incentivo a uma alimentação mais saudável e equilibrada, ou seja, a horta proporcionou o desenvolvimento de uma conscientização ligada à mediação pedagógica num processo que permitiu a assimilação dos conteúdos pelos alunos e o professor foi o mediador durante aquisição do conhecimento. Assumindo o papel de mediador pedagógico, o professor age como provocador, contraditor, facilitador e orientador. Torna-se também unificador do conhecimento cotidiano e científico de seus alunos, assumindo sua responsabilidade social na construção e reconstrução do conhecimento científico das novas gerações, em função da transformação da realidade. A horta promoveu também a conscientização dos pais através de questionários, nos quais estavam contidas ricas informações sobre a importância de uma alimentação saudável e os problemas advindos da falta da mesma. A horta pode assumir um papel importante no resgate da cultura alimentar de cada região. Para fortalecer o vínculo positivo entre a educação e a saúde, devemos promover um ambiente saudável melhorando a educação e o potencial de aprendizagem ao mesmo tempo em que promovem a saúde. O projeto, diante do exposto, teve como objetivo geral desenvolver a prática do cultivo de hortaliças no centro de ensino Charles Darwin, de maneira que a horta escolar servisse de laboratório para o professor integrar os alunos ao ambiente em que ele vive priorizando o consumo de alimentos saudáveis e naturais e estimulando uma alimentação saudável. Como objetivos específicos, buscou-se: Conscientizar alunos e pais acerca da importância de se ter uma alimentação rica e equilibrada. Construir a noção de que o equilíbrio do ambiente é fundamental para a sustentação da vida em nosso planeta. Valorizar o trabalho em equipe, ou seja, o papel do outro no processo de aprendizagem.

8 2001). 14 Os alunos e professores eram os personagens principais da horta, uma vez 130 Produzir adubos orgânicos. Desenvolver de forma lúdica e interdisciplinar conteúdos das diversas áreas do conhecimento. Metodologicamente, para alcance dos objetivos propostos, os alunos do 4º ano do ensino fundamental acompanharam de abril a novembro de 2008 a horta escolar desde as etapas iniciais. Visitaram a horta, regularmente, uma vez por semana. A horta foi planejada no pátio do Centro de Ensino Charles Darwin e seis canteiros foram feitos, utilizamos adubo orgânico e minhocas do minhocário produzidos pelos próprios alunos no laboratório de Ciências, com a supervisão dos professores. A turma foi dividida em seis grupos, onde cada grupo ficou responsável por um canteiro desde a primeira etapa do desenvolvimento da horta. Com isso, valorizamos o trabalho em equipe, ou seja, proporcionou-se uma troca entre os envolvidos no processo no sentido de se entender o papel do outro, afinal, Vygotsky (2001, p. 480) 13 enfatiza que através da imitação na atividade coletiva, orientada pelos adultos a criança está em condição de fazer bem mais, e fazer compreendendo com autonomia. O que a criança faz hoje com auxílio do adulto fará amanhã por conta própria. Desse modo, atividades coletivas orientadas por um adulto são imprescindíveis para a determinação da zona de desenvolvimento imediato da criança (VYGOTSKY, que foi valorizado neste projeto o conceito de zona de desenvolvimento proximal da criança, que é, para Vygotsky: a distância entre o nível de desenvolvimento real, que se costuma determinar através da solução independente de problemas, e o nível de desenvolvimento potencial, determinado através da solução de problemas sob a orientação de um adulto ou em colaboração com companheiros mais capazes VYGOTSKY, L. S. Psicologia pedagógica. São Paulo: Martins Fontes, VYGOTSKY, L. S. Psicologia pedagógica. São Paulo: Martins Fontes, VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1998, p. 112.

9 131 Fundamentando nosso trabalho em Vygotsky, partimos para o desenvolvimento do projeto, dividido em sete etapas que serão descritas a seguir: Produção de adubo orgânico e construção de um minhocário: Os professores orientaram aos alunos para que trouxessem de casa restos alimentares de origem vegetal e animal para a produção de adubo orgânico, assim como pediram para os alunos e para todos os funcionários da escola que trouxessem minhocas de seus terrenos. Os alunos executaram a construção do minhocário e também a produção do adubo. Tais elementos: adubo e minhocas são fundamentais para uma boa plantação e foram muito utilizados pelos alunos durante a preparação da terra. Visitação à horta: Reconhecimento do espaço em que foi feito o plantio. Nesta etapa, os professores conversaram com os alunos, abordando questões como que é uma horta, para que serve e o que se pode plantar nela. Os professores exploraram o espaço da horta, mostrando suas partes e os instrumentos que foram utilizados para a semeadura. Cada grupo conheceu o seu canteiro e aprendeu como manusear, com segurança, o ancinho, a pá, o regador e a sementeira. Preparação da terra: FOTO 2: A preparação dos canteiros Depois de uma aula teórica sobre plantio, os alunos começaram a preparar a terra afofando-a, desmanchando os torrões que se formam e molhando-a. Adubaram-na com o adubo orgânico produzido com restos alimentares trazidos de

10 132 casa. Apresentação das hortaliças aos alunos: Aula instrutiva em que os professores explicaram às crianças as características e o valor nutricional das hortaliças que foram plantadas na horta e a função das vitaminas que estão contidas nelas. Foi dada a cada grupo uma quantidade de semente das seguintes plantas: cenoura, coentro, salsa, cebolinha, couve e alface. Plantio das hortaliças: Durante esta etapa os alunos plantaram as sementes dadas a cada grupo nos seus respectivos canteiros. Aprenderam a fazer as covas para colocação da semente. Depois de plantadas a semente regou-se os canteiros e ficou combinado que cada grupo ficaria responsável de molhar o seu canteiro ao final das aulas, uma vez por dia. Acompanhamento da plantação: Os alunos passaram a registrar em um caderno específico o desenvolvimento das plantas, desde o primeiro broto até a colheita final. Contaram a quantidade de plantas viáveis, a quantidade que morreu e a cada aula um grupo falava sobre o seu canteiro, sobre a importância para a saúde do consumo daquela hortaliça ou daquele legume. FOTO 3: Alunos e funcionários do Darwin observando o crescimento dos vegetais

11 133 Colheita: No final do ano (novembro de 2008), os alunos fizeram a colheita do que foi plantado. Colheram as hortaliças, lavaram-nas, retirando insetos e outros integrantes da fauna associada à horta. Nesse mesmo dia ao invés dos alunos lancharem alimentos gordurosos provenientes da cantina, fizemos sanduíches naturais utilizando a cenoura, a salsinha, cebolinha e o alface. Os alunos participaram de todo o processo e muito se entusiasmaram. Convidamos uma nutricionista para dar uma palestra sobre a alimentação saudável. No dia seguinte, 08/11/2008, ocorreu a mostra cultural na escola e a turma ficou responsável pelo tema Alimentação saudável. Cada pessoa que visitava o Stand do 4º ano recebia como lembrança uma hortaliça. Todos os funcionários da escola receberam uma hortaliça, uma vez que muitos profissionais se envolveram com todo o processo. Ouvindo os sujeitos do nosso estudo através de questionários Para avaliar qual o impacto da horta no estudo desses alunos foram aplicados três questionários (2 para os alunos e 1 para a família do aluno). Através desses questionários aplicados aos alunos e pais foi possível avaliarmos não só o interesse dos mesmos a respeito da importância dos vegetais no nosso dia-a-dia (especialmente na alimentação - Gráfico 2) como também, o desenvolvimento de aptidões como o trabalho em grupo, sendo essencial para o sucesso final do projeto aliado a uma tomada de conscientização ecológica por parte dos alunos. Além disso, pode-se verificar se os alunos aprendem mais Ciências com a implantação de projetos como o da Horta na escola (Gráfico 1). Das perguntas feitas aos pais e alunos nos questionários, foram destacadas quatro de maior relevância: 1) O estudo dos vegetais tornou-se mais interessante: a) Com a construção da Horta; b) Quando o conteúdo foi visto em sala de aula. 1) Você sabia que uma boa alimentação (rica em vegetais) pode evitar

12 134 algumas doenças cardiovasculares? a) Sim; b) Não. 1) Você acha que o trabalho em equipe é: a) Indispensável, pois dependemos muito de nossos companheiros; b) Não é necessário. Prefiro fazer sozinho sempre. 1) Seu filho come verduras ou legumes regularmente? a) Sim; b) Não. A primeira pergunta demonstrou que todos os alunos (100%) preferiram como método de aprendizagem o preparo da Horta ao invés da metodologia tradicional de ensino na sala de aula (Gráfico 1). A segunda pergunta revelou que a maioria dos alunos (95%) tem ciência sobre a importância de uma dieta rica em vegetais para a prevenção de doenças (Gráfico 2). Em relação à relevância do trabalho em grupo (Pergunta 3), a maioria dos alunos (94,73% ou 18 alunos) demonstrou que o trabalho em equipe foi importante e essencial para que o projeto da Horta fosse efetivamente concretizado (Gráfico 3). Na quarta pergunta feita aos pais dos alunos, a maioria deles (56%) respondeu que seus filhos utilizam em suas dietas verduras e legumes regularmente (Gráfico 4) Com a construção da Horta. Com o conteúdo visto em sala de aula. 0 GRÁFICO 1: REFERENTE À PERGUNTA DO QUESTIONÁRIO 1: O ESTUDO DOS VEGETAIS TORNOU-SE MAIS IMPORTANTE:

13 135 5% SIM NÃO 95% GRÁFICO 2: REFERENTE À PERGUNTA DO QUESTIONÁRIO 2: VOCÊ SABIA QUE UMA BOA ALIMENTAÇÃO (RICA EM VEGETAIS) PODE EVITAR ALGUMAS DOENÇAS CARDIOVASCULARES? Indispensável, pois dependemos muito de nossos companheiros. Não é necessário. Prefiro fazer sozinho sempre. GRÁFICO 3 : REFERENTE À PERGUNTA DO QUESTIONÁRIO 1: VOCÊ ACHA QUE O TRABALHO EM EQUIPE É:

14 136 GRÁFICO 4: REFERENTE À PERGUNTA DO QUESTIONÁRIO 3: SEU FILHO COME VERDURAS OU LEGUMES REGULARMENTE? 44% 56% SIM NÃO Para demonstrar a opinião dos sujeitos desse estudo, pais e alunos, foram feitas perguntas abertas e algumas respostas foram selecionadas. Primeira pergunta: Você como pai ou responsável, acredita ser importante o projeto HORTA ESCOLAR em nossa escola? Por quê? Todos os 18 pais responderam sim. Respostas das famílias: 1) Aproxima a criança do cultivo das hortaliças e também traz o interesse pelo alimento, ao ponto de querer provar para ver se é gostoso. Opinião da família do Davi. 2) O projeto Horta escolar é importante porque é necessário desenvolver nas crianças o hábito de uma alimentação saudável, desde o seu cultivo até o seu consumo final. Família da Lorena. 3) Porque desperta nos alunos o interesse pelas verduras e hortaliças e a importância delas na sua alimentação. Desperta também o sentido de coletividade e de cooperação. Família da Fernanda. 4) Porque poderá despertar no aluno a vontade de consumir o que plantou e valorizar o trabalho do agricultor. Família do Henrique. 5) Para conscientizar, estimular e valorizar a presença desses alimentos em sua dieta diária. Família do Marcelo. 6) Conhecendo as verduras, as crianças procuram também saber o sabor de cada uma e formar um bom hábito alimentar. Família da Maiara.

15 137 Segunda pergunta: Discuta com a sua família sobre alimentação. Para vocês o que é uma alimentação saudável? 1. É uma alimentação equilibrada e variada como: Arroz, feijão, carne branca, legumes frutas, leite e ovos. Fernanda e família. 2. Alimentação saudável é comer diariamente frutas, verduras, legumes, carne, leite, dentre outros. Deve-se evitar consumir pratos gordurosos e produtos industrializados. Gabriela e família. 3. Uma alimentação saudável é comer diariamente frutas, legumes, cereais, carnes, verduras e etc. Henrique e família. Considerações finais Através do trabalho pôde-se perceber que a horta didática inserida no ambiente escolar pode ser uma ferramenta bastante eficaz na formação integral do estudante, pois o tema exposto aborda diversas áreas de conhecimento, podendo ser desenvolvido durante todo o processo de ensino/aprendizagem. Percebeu-se nitidamente que alguns alunos passaram a mudar, ou pelo menos tentar mudar, seus hábitos alimentares nada saudáveis, o que torna o projeto viável e adequado para ser adotado nos próximos anos no Centro de Ensino Charles Darwin e em outras escolas particulares ou públicas. Ver o alface crescer e depois comê-lo, por exemplo, pode dar às crianças uma noção da produção bem diferente daquela que elas aprendem ao acompanhar a mãe ao armazém ou ao supermercado. Ao tomar essa medida, as crianças passam a valorizar o ambiente em que vivem, passam a valorizar o trabalho do produtor agrícola e passam a dar valor a uma alimentação mais saudável e nutritiva. Pode-se dizer que a atividade prática escolhida para a realização deste projeto causou empolgação, despertou a curiosidade dos alunos, levando-os a participar da aula. Ao possibilitar o contato com o objeto de estudo, percebemos que os alunos puderam aprimorar os conhecimentos científicos já adquiridos. A horta didática pode desenvolver um importante papel no resgate da cultura, assim como da cidadania, também é um importante elemento na consciência dos

16 138 envolvidos no projeto a preservação do meio ambiente. Concomitantemente, o desenvolvimento desse projeto permitiu uma reflexão sobre uma das principais necessidades formativas básicas dos professores faladas por Carvalho; Gil-Pérez 16, que é saber programar atividades capazes de culminar numa aprendizagem efetiva, ou seja, realizar uma atividade que proporcione uma concepção e um interesse preliminar pela tarefa, levando em consideração as ideias que os educandos já possuem colocando-as em questão mediante contra-exemplos, inoculando novos conceitos e reelaborando os já adquiridos. Isto é horta escolar: pensar, aprender, ensinar, criar e conscientizar. Conclui-se que a horta escolar constitui uma importante ferramenta no ensino das ciências naturais nas séries iniciais do ensino fundamental. O exercício de aplicações pedagógicas, em situações reais, envolvendo cidadania e consciência sobre a educação ambiental, nos mostrou que o educando é um excelente multiplicador de ideias, levando informação e consciência às suas respectivas famílias. É importante que propostas pedagógicas como a horta escolar se tornem vigentes no ensino de ciências para quebrar a barreira existente entre teoria e prática. Propõe-se, com esse estudo, a continuidade desse projeto na instituição referida e que a horta escolar se torne um instrumento pedagógico vigente principalmente em escolas públicas, onde a horta pode incrementar alguns pratos, os tornando mais apetitosos e saudáveis. O presente estudo defende a continuidade dos projetos de pesquisa nas instituições, independentemente da troca de funcionários das mesmas. No Centro de ensino em questão o projeto Horta educativa se torna vigente até esse ano de Assim, projetos de pesquisa como este não podem e não devem ser situações isoladas e descontínuas. REFERÊNCIAS: 16 CARVALHO, A. M. P.; GIL-PÉREZ, D. Formação de professores de Ciências. São Paulo: Cortez, 1995.

17 BRASIL. Ministério de Educação e Cultura. Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília: MEC, CARVALHO, A. M. P.; GIL-PÉREZ, D. Formação de professores de Ciências. São Paulo: Cortez, DANELON, M. A. S.; DANELON, M. S.; SILVA, M. V. Serviços de alimentação destinados ao público escolar: análise da convivência do Programa de Alimentação Escolar e das cantinas. Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas, v. 13, n. 1, p , GÓES, M. C. R. de; SMOLKA, A. L. B. (Orgs.). A significação nos espaços educacionais. Campinas: Papirus, IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de orçamentos familiares 2002/2003. Antropometria e análise do estado nutricional de crianças e adolescentes no Brasil. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, KALMIKOVA, Z. I. La capacidad de aprendizaje y los princípios de estructuración de los métodos para su diagnóstico. In IIIASOV, I. I. ; LIAUDIS, V. Ya. Antología de la Psicologia Pedagógica y de las Edades. La Habana Pueblo y Educación, KUREK, M.; BUTZKE, C. M. F. Alimentação escolar saudável para educandos da educação infantil e ensino fundamental. Revista de Divulgação Técnico-Científica do ICPG. Santa Catarina, v. 3, n. 9, p , RAMOS M; STEIN, L. M. Desenvolvimento do comportamento alimentar infantil. Jornal de Pediatria. Rio de Janeiro, v. 76, supl. 3, p , SILVA, L. H. de A.; ZANON, L. B. A experimentação no ensino de Ciências. In: SCHNETZLER, R.P.; ARAGÃO, R. M. R. Ensino de Ciências: fundamentos e abordagens. Piracicaba: CAPES/UNIMEP, SMITH, K. A. Experimentação nas Aulas de Ciências. In: CARVALHO, A. M. P.; VANNUCCHI, A. I. ; BARROS, M. A.; GONÇALVES, M. E. R.; REY, R. C. Ciências no ensino fundamental: o conhecimento físico. São Paulo: Scipione TIBA, I. Ensinar aprendendo: como superar os desafios do relacionamento professor-aluno em tempos de globalização. São Paulo: Gente, VEER, R. V. D.; VALSINER, J. Vygotsky: uma síntese. São Paulo: Loyola, VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, Psicologia pedagógica. São Paulo: Martins Fontes,

PROJETO HORTA E ALIMENTAÇÃO SAÚDAVEL

PROJETO HORTA E ALIMENTAÇÃO SAÚDAVEL PROJETO HORTA E ALIMENTAÇÃO SAÚDAVEL Público Alvo Destinado a alunos de Educação Infantil Duração: O projeto se caracteriza por ser uma atividade continuada, portanto, não tem hora ou tempo de duração

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR JOSÉ EDSON DOMINGOS DOS SANTOS. 1. PROF. GERENCIADOR DE TEC. EDUCACIONAIS E RECURSOS MIDIÁTICOS: Edvaldo M.

ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR JOSÉ EDSON DOMINGOS DOS SANTOS. 1. PROF. GERENCIADOR DE TEC. EDUCACIONAIS E RECURSOS MIDIÁTICOS: Edvaldo M. GOVERNO DO ESTADO DO MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO E APOIO À EDUCAÇÃO COORDENADORIAS DE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS NÚCLEO DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL-

Leia mais

PALAVRAS CHAVE: Educação em saúde, hortas, interdisciplinaridade

PALAVRAS CHAVE: Educação em saúde, hortas, interdisciplinaridade PROJETO HORTA NA ESCOLA DESENVOLVENDO NOVAS METODOLOGIAS DE EDUCAÇÃO A PARTIR DOS PRINCÍPIOS DA EDUCAÇÃO POPULAR EM SAÚDE Área Temática: Saúde Responsável: Karem Cristina de Arruda Calvette Instituição:

Leia mais

PROJETO 2 EDUCAÇÃO AMBIENTAL E ALIMENTAR COM A HORTA ESCOLAR

PROJETO 2 EDUCAÇÃO AMBIENTAL E ALIMENTAR COM A HORTA ESCOLAR PROJETO 2 EDUCAÇÃO AMBIENTAL E ALIMENTAR COM A HORTA ESCOLAR JUSTIFICATIVA Uma vez que a sobrevivência da sociedade dependerá da alfabetização cultural, social e ecológica e, sendo a Terra nossa casa maior,

Leia mais

PROJETO EDUCANDO COM A HORTA: CORES AROMAS E SABORES. NEI João Machado da Silva

PROJETO EDUCANDO COM A HORTA: CORES AROMAS E SABORES. NEI João Machado da Silva PROJETO EDUCANDO COM A HORTA: CORES AROMAS E SABORES NEI João Machado da Silva Justificativa Aproveitar racionalmente a pequena disponibilidade de espaço de terra do NEI João Machado da Silva na produção

Leia mais

Implantação e manutenção de uma horta comunitária na APAE de Bambuí MG

Implantação e manutenção de uma horta comunitária na APAE de Bambuí MG VIII SEMANA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO IFMG-CAMPUS BAMBUÍ II MOSTRA DE EXTENSÃO Implantação e manutenção de uma horta comunitária na APAE de Bambuí MG Bruno Dorneles de Oliveira¹; Eduardo Castelar Silva

Leia mais

Palavras chaves: Alimentação saudável. Educação. Meio ambiente.

Palavras chaves: Alimentação saudável. Educação. Meio ambiente. GT - 32 EDUCAÇÃO DO CAMPO A IMPORTÂNCIA DA HORTA ESCOLAR PARA A PRENDIZAGEM DOS ALUNOS E O DESENVOLVIMENTO DA SUSTENTABILIDADE Gilmara Teixeira Costa (Graduanda Pedagogia / gilmara-teixeira- 01@hotmail.com/UEPB)

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL JOAQUIM GONÇALVES LEDO

ESCOLA ESTADUAL JOAQUIM GONÇALVES LEDO 1 ESCOLA ESTADUAL JOAQUIM GONÇALVES LEDO PROJETO INTERDISCIPLINAR HORTA EM GARRAFA PET: UMA ALTERNATIVA PARA A EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE IVINHEMA/MS - DISTRITO DE AMANDINA 2013 2 ESCOLA ESTADUAL

Leia mais

CONFECÇÃO DE HORTA ORGÂNICA EM UM COLÉGIO ESTADUAL DE MARINGÁ PARANÁ

CONFECÇÃO DE HORTA ORGÂNICA EM UM COLÉGIO ESTADUAL DE MARINGÁ PARANÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 CONFECÇÃO DE HORTA ORGÂNICA EM UM COLÉGIO ESTADUAL DE MARINGÁ PARANÁ Jéssica Gonçalves Alves 1 ; Rafael Henrique Marcon Pereira 2 ; Selson Garutti 3 RESUMO:

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014 Atividades Pedagógicas Agosto 2014 EM DESTAQUE Acompanhe aqui um pouco do dia-a-dia de nossos alunos em busca de novos aprendizados. ATIVIDADES DE SALA DE AULA GRUPO II A GRUPO II B GRUPO II C GRUPO II

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari*

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari* AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari* Resumo: Vasconcellos, Jorge** As mudanças ocorridas em nosso pais, principalmente a crescente modernização e urbanização,

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA As Histórias do Senhor Urso 2. EPISÓDIO(S) TRABALHADO(S): O pé de maçã 3. SINOPSE DO(S) EPISÓDIO(S) ESPECÍFICO(S) O episódio O pé de maçã faz parte

Leia mais

CAPACITAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS NAS COZINHAS E HORTA DAS ESCOLAS DO MUNICÍPIO DE ARARUNA PB

CAPACITAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS NAS COZINHAS E HORTA DAS ESCOLAS DO MUNICÍPIO DE ARARUNA PB CAPACITAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS NAS COZINHAS E HORTA DAS ESCOLAS DO MUNICÍPIO DE ARARUNA PB MACEDO, Géssica da Silva¹; BRASIL, Edvânia da Silva Pereira²; MOREIRA, Jarbas Sobreira³; SILVA, Poliane

Leia mais

O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de

O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de vida. A infância e adolescência são idades ideais para

Leia mais

AVALIANDO E CONSCIENTIZANDO HÁBITOS SAUDÁVEIS NA CRECHE PÚBLICA EM CAMPINA GRANDE-PB

AVALIANDO E CONSCIENTIZANDO HÁBITOS SAUDÁVEIS NA CRECHE PÚBLICA EM CAMPINA GRANDE-PB AVALIANDO E CONSCIENTIZANDO HÁBITOS SAUDÁVEIS NA CRECHE PÚBLICA EM CAMPINA GRANDE-PB Elvira Bezerra Pessoa Profª Dra.Universidade Estadual da Paraíba bioelvira@gmail.com Adeilson Paulino de Barros Graduando

Leia mais

Horta nas Escolas: Promoção da Saúde e Melhora da Qualidade de Vida

Horta nas Escolas: Promoção da Saúde e Melhora da Qualidade de Vida 13 Horta nas Escolas: Promoção da Saúde e Melhora da Qualidade de Vida Léa Yamaguchi Dobbert Graduada em Arquitetura e Urbanismo PUCCAMP Cleliani de Cassia da Silva Graduada em Nutrição UNIP Estela Marina

Leia mais

PRODUÇÃO AGROECOLÓGICA COMO FERRAMENTA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA

PRODUÇÃO AGROECOLÓGICA COMO FERRAMENTA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA PRODUÇÃO AGROECOLÓGICA COMO FERRAMENTA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA Rachel de Souza Melo 1 - rachelmelo2@hotmail.com; Romário Roberto Xavier de Araújo 2 - romarioaraujo124@gmai.com; Catarina de Medeiros

Leia mais

ERVAS AROMATIZANTES: BRINCANDO COM OS SENTIDOS. Paula Fernanda da Silva¹; Evanoel Fernandes Nunes 2 ; Giulianna Paiva Viana de

ERVAS AROMATIZANTES: BRINCANDO COM OS SENTIDOS. Paula Fernanda da Silva¹; Evanoel Fernandes Nunes 2 ; Giulianna Paiva Viana de ERVAS AROMATIZANTES: BRINCANDO COM OS SENTIDOS Paula Fernanda da Silva¹; Evanoel Fernandes Nunes 2 ; Giulianna Paiva Viana de Andrade Souza 3. 1,2 Licenciandos em Ciências Biológicas e Bolsistas do PIBID/BIOLOGIA/UFRN;

Leia mais

PROJETO HORTA: SEMENTINHAS DO AMANHÃ. CEI CIDADE TIRADENTES DRE Guaianases 2013

PROJETO HORTA: SEMENTINHAS DO AMANHÃ. CEI CIDADE TIRADENTES DRE Guaianases 2013 PROJETO HORTA: SEMENTINHAS DO AMANHÃ CEI CIDADE TIRADENTES DRE Guaianases 2013 Projeto Horta Destina-se às crianças dos berçários e dos minigrupos, funcionários do CEI Cidade Tiradentes, incluindo os das

Leia mais

Associação Sócio-Cultural Idéia Solidária

Associação Sócio-Cultural Idéia Solidária PROJETO COMER BRINCANDO HISTÓRICO: No CEI Vó Xinha desde 2010 vem sendo desenvolvido a cultura do plantio de horta. As crianças que passaram e as que estão no CEI, sempre tiveram a oportunidade de manusear

Leia mais

TÍTULO: AUTORES: ÁREA TEMÁTICA: RESUMO

TÍTULO: AUTORES: ÁREA TEMÁTICA: RESUMO TÍTULO: HORTA COMUNITÁRIA NOS ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO PITIMBU/PB. AUTORES: Wedja S.da Silva; Marcelo R.da Silva; Macilene S.da Silva; Analice M. da Silva; Francisco B. Silva; Jaidenilson V.de

Leia mais

SILVEIRA-FILHO, José 1. Educação da Prefeitura Municipal de Fortaleza. jsilveira.filho@yahoo.com.br

SILVEIRA-FILHO, José 1. Educação da Prefeitura Municipal de Fortaleza. jsilveira.filho@yahoo.com.br A HORTA ORGÂNICA ESCOLAR COMO ALTERNATIVA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL E DE CONSUMO DE ALIMENTOS SAUDÁVEIS PARA ALUNOS DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE FORTALEZA, CEARÁ, BRASIL. SILVEIRA-FILHO, José 1 1 Professor MagDou13,

Leia mais

EDUCANDO COM A HORTA ESCOLAR PEDAGÓGICA

EDUCANDO COM A HORTA ESCOLAR PEDAGÓGICA EDUCANDO COM A HORTA ESCOLAR PEDAGÓGICA Sabrina Sgarbi Tibolla 1 ;Sabrina dos Santos Grassi 2 ; Gilson Ribeiro Nachtigall 3 INTRODUÇÃO A horta escolar é uma estratégia de educar para o ambiente, para a

Leia mais

Dicas para uma alimentação saudável

Dicas para uma alimentação saudável Dicas para uma alimentação saudável NECESSIDADE FISIOLÓGICA ATO DE COMER SOCIABILIZAÇÃO Comida Japonesa PRAZER CULTURAL Alimentação aliada à saúde Hábitos alimentares pouco saudáveis desde a infância,

Leia mais

HORTA ESCOLAR: COMO ALTERNATIVA PARA A EDUCAÇÃO AMBIENTAL

HORTA ESCOLAR: COMO ALTERNATIVA PARA A EDUCAÇÃO AMBIENTAL HORTA ESCOLAR: COMO ALTERNATIVA PARA A EDUCAÇÃO AMBIENTAL Resumo Gilivã Antonio Fridrich 1 - COLÉGIO SANTOS ANJOS Grupo de Trabalho Educação e Meio Ambiente Agência Financiadora: não contou com financiamento

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE Resumo ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NICOLITTO, Mayara Cristina UEPG maycris_nic@hotmail.com CAMPOS, Graziela Vaneza de UEPG

Leia mais

Experiências significativas no desenvolvimento de Projetos Especiais HORTAS COMUNITÁRIAS NA ALFABETIZAÇÃO SOLIDÁRIA Luciene Aparecida Pinto Costa

Experiências significativas no desenvolvimento de Projetos Especiais HORTAS COMUNITÁRIAS NA ALFABETIZAÇÃO SOLIDÁRIA Luciene Aparecida Pinto Costa Experiências significativas no desenvolvimento de Projetos Especiais HORTAS COMUNITÁRIAS NA ALFABETIZAÇÃO SOLIDÁRIA Luciene Aparecida Pinto Costa Pereira Fundação Integrada Municipal de Ensino Superior

Leia mais

ENSINO-APRENDIZAGEM PARA A CIDADANIA: EXPERIÊNCIA DO PROJETO AGROECOLÓGICO EM ESCOLAS PÚBLICAS EM POMBAL/PB

ENSINO-APRENDIZAGEM PARA A CIDADANIA: EXPERIÊNCIA DO PROJETO AGROECOLÓGICO EM ESCOLAS PÚBLICAS EM POMBAL/PB ENSINO-APRENDIZAGEM PARA A CIDADANIA: EXPERIÊNCIA DO PROJETO AGROECOLÓGICO EM ESCOLAS PÚBLICAS EM POMBAL/PB Introdução Marcos Antonio Lopes do Nascimento Universidade Federal da Paraíba marcosal99@yahoo.com.br

Leia mais

EXPERIÊNCIA AGROECOLOGICA NA ESCOLA ESTADUAL DE APLICAÇÃO PROFESSOR MANUEL CAIADO NO ANO DE 2014

EXPERIÊNCIA AGROECOLOGICA NA ESCOLA ESTADUAL DE APLICAÇÃO PROFESSOR MANUEL CAIADO NO ANO DE 2014 EXPERIÊNCIA AGROECOLOGICA NA ESCOLA ESTADUAL DE APLICAÇÃO PROFESSOR MANUEL CAIADO NO ANO DE 2014 Ana Maria Lisboa Lima Acadêmica do Curso de Geografia UEG/ Câmpus Goiás anninha_lisboa@hotmail.com Janaína

Leia mais

10. SUGESTÕES DE PROPOSTAS PARA IMPLANTAÇÃO NO MUNICÍPIO DE HORTOLÂNDIA/SP

10. SUGESTÕES DE PROPOSTAS PARA IMPLANTAÇÃO NO MUNICÍPIO DE HORTOLÂNDIA/SP 10. SUGESTÕES DE PROPOSTAS PARA IMPLANTAÇÃO NO MUNICÍPIO DE HORTOLÂNDIA/SP Políticas e Ambiente Escolar Padronização dos ambientes físicos de todas as escolas, procurando proporcionar espaços saudáveis

Leia mais

PRÁTICAS EDUCACIONAIS NO ENSINO DE CIÊNCIAS NA BUSCA DA SUSTENTABILIDADE

PRÁTICAS EDUCACIONAIS NO ENSINO DE CIÊNCIAS NA BUSCA DA SUSTENTABILIDADE PRÁTICAS EDUCACIONAIS NO ENSINO DE CIÊNCIAS NA BUSCA DA SUSTENTABILIDADE NUNES, M.A.C.; NUNES, Z.C.; LOPES, A.T.N. 1 PRÁTICAS EDUCACIONAIS NO ENSINO DE CIÊNCIAS NA BUSCA DA SUSTENTABILIDADE Maria Aparecida

Leia mais

VAMOS APRENDER PLANTANDO: HORTA ESCOLAR COMO RECURSO DIDÁTICO

VAMOS APRENDER PLANTANDO: HORTA ESCOLAR COMO RECURSO DIDÁTICO VAMOS APRENDER PLANTANDO: HORTA ESCOLAR COMO RECURSO DIDÁTICO Lisângela Costa dos Santos¹ Jaílson Severino dos Santos ² Valdilene Maria da Silva ² 1-Supervisora PIBIB Ciências-CAV 2- Bolsistas PIBID Ciências-CAV

Leia mais

HORTA ESCOLAR: UMA FERRAMENTA PARA O ENSINO/APRENDIZAGEM DE CIÊNCIAS NO ENSINO FUNDAMENTAL

HORTA ESCOLAR: UMA FERRAMENTA PARA O ENSINO/APRENDIZAGEM DE CIÊNCIAS NO ENSINO FUNDAMENTAL I Congreso Latinoamericano de Investigación en Didáctica de las Ciencias Experimentales DESAFÍOS DE LA EDUCACIÓN CIENTÍFICA HOY Formar sujetos competentes para un mundo en permanente transformación Comunicaciones

Leia mais

Oficina 23 - HORTA NA ESCOLA

Oficina 23 - HORTA NA ESCOLA Oficina 23 - HORTA NA ESCOLA Introdução Inúmeras atividades educativas podem ser desenvolvidas, nos anos iniciais do Ensino Fundamental, abordando como tema a Horta, pois este assunto possibilita o desenvolvimento

Leia mais

Projeto Planeta Azul Ponto de Apoio Especial sobre Alimentação

Projeto Planeta Azul Ponto de Apoio Especial sobre Alimentação Projeto Planeta Azul Ponto de Apoio Especial sobre Alimentação (...) A verdade, em matéria de saúde, está na adaptação e no respeito à Natureza (...). Mokiti Okada Para uma alimentação saudável, podemos

Leia mais

ESCOLA DO CAMPO: PROJETO HORTA ORGÂNICA

ESCOLA DO CAMPO: PROJETO HORTA ORGÂNICA ESCOLA DO CAMPO: PROJETO HORTA ORGÂNICA Lilian Pchek 1 Marciane Maria Mendes 2 Resumo Este trabalho tem por objetivo mostrar e familiarizar os alunos e professores quanto à possibilidade da interdisciplinaridade

Leia mais

Justificativa. Meio ambiente conforme o Dicionário Aurélio é aquilo que cerca ou envolve os seres vivos ou as coisas.

Justificativa. Meio ambiente conforme o Dicionário Aurélio é aquilo que cerca ou envolve os seres vivos ou as coisas. Justificativa Meio ambiente conforme o Dicionário Aurélio é aquilo que cerca ou envolve os seres vivos ou as coisas. A Escola de Ensino Fundamental Mondrian, fundada em 2011, começou suas atividades em

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Horta Educativa

Mostra de Projetos 2011. Horta Educativa Mostra de Projetos 2011 Horta Educativa Mostra Local de: Cornélio Procópio. Categoria do projeto: Projetos finalizados. Nome da Instituição/Empresa: Escola Municipal João Paulo II - Educação Infantil e

Leia mais

LEITURA E ESCRITA: ALIMENTAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE

LEITURA E ESCRITA: ALIMENTAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE LEITURA E ESCRITA: ALIMENTAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE Renata Angélica dos SANTOS, Cristiana Alves da SILVA, Maria Marta L. FLORES, Dulcéria TARTUCI, Ângela Aparecida DIAS, Departamento de Educação,

Leia mais

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL E HORTA ORGÂNICA: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL DOS ANOS INICIAIS

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL E HORTA ORGÂNICA: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL DOS ANOS INICIAIS 37 ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL E HORTA ORGÂNICA: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL DOS ANOS INICIAIS RESUMO Kathya Regina Araya Bruno 10 Fábio Augusto Rodrigues e Silva 11 De acordo com os Parâmetros Curriculares

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS PAIS

A IMPORTÂNCIA DOS PAIS 1 A IMPORTÂNCIA DOS PAIS NA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR ELABORADO POR LUCILEIDE RODRIGUES DOS SANTOS Gerente de Supervisão e Avaliação DAE SEED/SE 2 EQUIPE DAE SEED/SE Edneia Elisabete Cardoso Diretora DAE - SEED/SE

Leia mais

O Programa Municipal de Nutrição, implantado em 07/04/2006, tem como. objetivo principal investir em ações de educação nutricional, promovendo

O Programa Municipal de Nutrição, implantado em 07/04/2006, tem como. objetivo principal investir em ações de educação nutricional, promovendo Secretaria Municipal de Saúde de São José dos Campos - SP Departamento de Políticas de Saúde Programa Municipal de Nutrição Atividades desenvolvidas em 2006 e 2007 O Programa Municipal de Nutrição, implantado

Leia mais

PROJETO: DE ONDE VEM? PARA ONDE VAI? Sustentabilidade e Consumismo EMEI GUIA LOPES DRE FO

PROJETO: DE ONDE VEM? PARA ONDE VAI? Sustentabilidade e Consumismo EMEI GUIA LOPES DRE FO PROJETO: DE ONDE VEM? PARA ONDE VAI? Sustentabilidade e Consumismo EMEI GUIA LOPES DRE FO Como tudo começou A EMEI Guia Lopes possui uma área verde privilegiada e a criação de uma horta era uma vontade

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

Avaliação da viabilidade de implantação de hortas comunitárias em instituições filantrópicas por meio de projetos de extensão

Avaliação da viabilidade de implantação de hortas comunitárias em instituições filantrópicas por meio de projetos de extensão Avaliação da viabilidade de implantação de hortas comunitárias em instituições filantrópicas por meio de projetos de extensão Anderson Mendes ARAUJO¹; Roberta FONSECA²; Luciano Donizete GONÇALVES³; Alisson

Leia mais

PROGRAMA DE BOLSA ACADÊMICA DE EXTENSÃO PBAEX / EDIÇÃO 2016 CAMPUS AMAJARI ANEXO III

PROGRAMA DE BOLSA ACADÊMICA DE EXTENSÃO PBAEX / EDIÇÃO 2016 CAMPUS AMAJARI ANEXO III PROGRAMA DE BOLSA ACADÊMICA DE EXTENSÃO PBAEX / EDIÇÃO 2016 CAMPUS AMAJARI ANEXO III FORMULÁRIO DA VERSÃO ELETRÔNICA DO PROJETO / ATIVIDADE DE EXTENSÃO PBAEX 2016 01. Título do Projeto Implantação e desenvolvimento

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Eu e a Terra - Horta da Escola

Mostra de Projetos 2011. Eu e a Terra - Horta da Escola Mostra de Projetos 2011 Eu e a Terra - Horta da Escola Mostra Local de: Umuarama Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais Nome da Instituição/Empresa: Colégio Estadual

Leia mais

Escola: Escola Municipal Rural Sucessão dos Moraes

Escola: Escola Municipal Rural Sucessão dos Moraes Projeto Novos Talentos Escola: Escola Municipal Rural Sucessão dos Moraes Oficina: Comer bem, para viver melhor! Cristiane da Cunha Alves Tatiane Garcez Bianca Maria de Lima Danielle Costa INTRODUÇÃO/JUSTIFICATIVA

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL ATRAVÉS DA VERMICOMPOSTAGEM EM UMA ESCOLA DA REDE ESTADUAL DE ENSINO EM CUITÉ PB

EDUCAÇÃO AMBIENTAL ATRAVÉS DA VERMICOMPOSTAGEM EM UMA ESCOLA DA REDE ESTADUAL DE ENSINO EM CUITÉ PB EDUCAÇÃO AMBIENTAL ATRAVÉS DA VERMICOMPOSTAGEM EM UMA ESCOLA DA REDE ESTADUAL DE ENSINO EM CUITÉ PB Hugo Cassio L. de Souza 2 ; Kleyton Samuel L. de Souza 3 ; Alisson da Costa Silva 1 ; José Leonaldo F.

Leia mais

Projeto Curricular de Escola

Projeto Curricular de Escola Projeto Curricular de Escola QUADRIÉNIO 2014-2018 Somos aquilo que comemos. Hipócrates Cooperativa de Ensino A Colmeia 2 Índice Introdução... 4 Identificação do Problema... 5 Objetivos... 6 Estratégias/Atividades...

Leia mais

A MOTIVAÇÃO É A ESSÊNCIA PARA APRENDER MATEMÁTICA

A MOTIVAÇÃO É A ESSÊNCIA PARA APRENDER MATEMÁTICA A MOTIVAÇÃO É A ESSÊNCIA PARA APRENDER MATEMÁTICA Sandro Onofre Cavalcante sandro-professor@hotmal.com José Carlos Lourenço FIP Faculdade Integrada de Patos JCLS956@hotmail.com Adriano Alves da Silveira

Leia mais

PROJETO HORTA. Público Alvo Destinado a alunos de Educação Infantil ao 1 o Ciclo do Ensino Fundamental.

PROJETO HORTA. Público Alvo Destinado a alunos de Educação Infantil ao 1 o Ciclo do Ensino Fundamental. PROJETO HORTA Público Alvo Destinado a alunos de Educação Infantil ao 1 o Ciclo do Ensino Fundamental. Duração: O projeto se caracteriza por ser uma atividade continuada, portanto, não tem hora ou tempo

Leia mais

ANÁLISE DAS LANCHEIRAS DE PRÉ-ESCOLARES¹ BOEIRA,

ANÁLISE DAS LANCHEIRAS DE PRÉ-ESCOLARES¹ BOEIRA, ANÁLISE DAS LANCHEIRAS DE PRÉ-ESCOLARES¹ BOEIRA, Giana²; GÖRSKI, Bruna²; PAZ, Fabiane²; ORSOLIN, Giulianna²; ROSA, Izabel²; TONETTO, Priscila²; SACCOL, Ana Lúcia de Freitas² ¹ Trabalho desenvolvido durante

Leia mais

MEIO AMBIENTE E O JARDIM GEOMÉTRICO

MEIO AMBIENTE E O JARDIM GEOMÉTRICO MEIO AMBIENTE E O JARDIM GEOMÉTRICO Carla Bem PEREIRA 1 Carla Medeiros Roussenq LEAL 2 Daniele Lopes NETO 3 Josiane Piovezan PACHECO 4 Lara Nascimento de CAMPOS 5 RESUMO: O artigo apresenta a implantação

Leia mais

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA. Educação alimentar e nutricional: possibilidades de fortalecimento da aprendizagem escolar.

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA. Educação alimentar e nutricional: possibilidades de fortalecimento da aprendizagem escolar. CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA Educação alimentar e nutricional: possibilidades de fortalecimento da aprendizagem escolar. Adriana Alves Paranhos Trabalho apresentado como requisito para

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 TÍTULO DO PROGRAMA Balinha e Dentinho. 2 EPISÓDIO TRABALHADO Um punhado de sementes mágicas. 3 SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO O episódio Um punhado de sementes mágicas

Leia mais

PRATICANDO OS RCNEI PROJETO OS SERES VIVOS PLANTAS E A EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO

PRATICANDO OS RCNEI PROJETO OS SERES VIVOS PLANTAS E A EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO PRATICANDO OS RCNEI PROJETO OS SERES VIVOS PLANTAS E A EDUCAÇÃO INFANTIL Morgana Bica Szadkoski 1 e Laís Ferraz Teixeira Ávila 1 Ricardo Antonini 2 RESUMO O trabalho aqui apresentado é o resultado de estudos

Leia mais

PROEJA FIC: PROMOVENDO INTERDISCIPLINARIDADE NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE JOVENS E ADULTOS, ATRAVÉS DO APROVEITAMENTO INTEGRAL DOS ALIMENTOS RESUMO

PROEJA FIC: PROMOVENDO INTERDISCIPLINARIDADE NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE JOVENS E ADULTOS, ATRAVÉS DO APROVEITAMENTO INTEGRAL DOS ALIMENTOS RESUMO Anais do II Colóquio Nacional - A Produção do Conhecimento em Educação Profissional. Natal: IFRN, 213. PROEJA FIC: PROMOVENDO INTERDISCIPLINARIDADE NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE JOVENS E ADULTOS, ATRAVÉS

Leia mais

O ENSINO POR PROBLEMATIZAÇÃO COMO PRESSUPOSTO METODOLÓGICO NA EDUCAÇÃO NUTRICIONAL

O ENSINO POR PROBLEMATIZAÇÃO COMO PRESSUPOSTO METODOLÓGICO NA EDUCAÇÃO NUTRICIONAL O ENSINO POR PROBLEMATIZAÇÃO COMO PRESSUPOSTO METODOLÓGICO NA EDUCAÇÃO NUTRICIONAL Maresa Radassa Veiga de Sousa¹, Cíntia Kelly Lima Farias², Fabrício André Lima Cavalcante³, Márcia Adelino Silva Dias

Leia mais

LINGUAGENS DA INFÂNCIA: PROJETO RECICLAR

LINGUAGENS DA INFÂNCIA: PROJETO RECICLAR LINGUAGENS DA INFÂNCIA: PROJETO RECICLAR ANNA PAULA SILVA (PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS), ELIANE FERREIRA PINTO (PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS). Resumo A reciclagem tem como principal foco a conscientização

Leia mais

LUDICIDADE EM SALA DE AULA: O JOGO DA PIRÂMIDE ALIMENTAR COMO UMA PROPOSTA PARA O ESTUDO DOS ALIMENTOS E DA NUTRIÇÃO NO ENSINO MÉDIO

LUDICIDADE EM SALA DE AULA: O JOGO DA PIRÂMIDE ALIMENTAR COMO UMA PROPOSTA PARA O ESTUDO DOS ALIMENTOS E DA NUTRIÇÃO NO ENSINO MÉDIO LUDICIDADE EM SALA DE AULA: O JOGO DA PIRÂMIDE ALIMENTAR COMO UMA PROPOSTA PARA O ESTUDO DOS ALIMENTOS E DA NUTRIÇÃO NO ENSINO MÉDIO Luciana Araújo Montenegro (Universidade Federal do Rio Grande do Norte)

Leia mais

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Camila Turati Pessoa (Universidade Federal de Uberlândia) camilatpessoa@gmail.com Ruben de Oliveira

Leia mais

PROJETO EDUCANDO COM A HORTA ESCOLAR E A GASTRONOMIA PEHEG

PROJETO EDUCANDO COM A HORTA ESCOLAR E A GASTRONOMIA PEHEG PROJETO EDUCANDO COM A HORTA ESCOLAR E A GASTRONOMIA PEHEG CUIABÁ / MT 2013 EQUIPE GESTORA: INES WALKER EHRENBRIENK - DIRETORA NELY PEREIRA DA SILVA CARNEIRO - COORDENADORA JULIANA MOURA ALVES DAS NEVES

Leia mais

APRENDENDO A ENSINAR: A SALA DE AULA COMO UM ESPAÇO DE REFLEXÃO

APRENDENDO A ENSINAR: A SALA DE AULA COMO UM ESPAÇO DE REFLEXÃO APRENDENDO A ENSINAR: A SALA DE AULA COMO UM ESPAÇO DE REFLEXÃO PAIXÃO LINHARES 1, MARÍLIA e MACEDO REIS 2, ERNESTO 1 Laboratório de Ciências Físicas, UENF 2 Coordenação de Física, CEFET-Campos Palavras

Leia mais

HORTA VERTICAL EM GARRAFAS PET NA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS (APAE)/ AREIA - PB

HORTA VERTICAL EM GARRAFAS PET NA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS (APAE)/ AREIA - PB HORTA VERTICAL EM GARRAFAS PET NA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS (APAE)/ AREIA - PB Tatiana Ferreira de Lima Brito; Universidade Federal da Paraíba (UFPB); tathattinha@hotmail.com Introdução

Leia mais

Palavras Chave: Material Concreto. Aprendizagem e Ensino de Matemática.

Palavras Chave: Material Concreto. Aprendizagem e Ensino de Matemática. O USO DO MATERIAL CONCRETO NO ENSINO DA MATEMÁTICA Francisca Marlene da Silva Bolsista da PRAE-FECLESC/UECE Déborah Almeida Cunha Bolsista da PRAE-FECLESC/UECE Aline Araújo da Silva Graduanda-FECLESC/UECE

Leia mais

INTERDISCIPLINARIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: A MATEMÁTICA NA NATUREZA. Palavras-chave: Educação infantil; Matemática; Interdisciplinaridade.

INTERDISCIPLINARIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: A MATEMÁTICA NA NATUREZA. Palavras-chave: Educação infantil; Matemática; Interdisciplinaridade. INTERDISCIPLINARIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: A MATEMÁTICA NA NATUREZA Cibelli Batista Belo- cibellibatistabelo@gmail.com Izabel Passos Bonete- ipbonete@irati.unicentro.br Joyce Jaqueline Caetano- joyce.tardo@yahoo.com.br

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

O Significado da Avaliação

O Significado da Avaliação 49 O Significado da Avaliação 1 INTRODUÇÃO Angela Maria Dal Piva Avaliar faz parte do ato educativo. Avalia-se para diagnosticar avanços e entraves, para interferir, agir, problematizar, e redefinir os

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2010

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2010 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2010 Institui diretrizes para a promoção da alimentação saudável nas escolas de educação infantil, fundamental e de nível médio das redes pública e privada, em âmbito nacional.

Leia mais

Preferências alimentares individuais; Disponibilidade dos alimentos no mercado; Influência das propagandas no mercado, na televisão.

Preferências alimentares individuais; Disponibilidade dos alimentos no mercado; Influência das propagandas no mercado, na televisão. Nutrição na Infância e Adolescência A alimentação e a nutrição constituem requisitos básicos para a promoção e a proteção da saúde, possibilitando a afirmação plena do potencial de crescimento e desenvolvimento

Leia mais

Palavras-chave: Concepção de professores, contextualização, interdisciplinaridade. Resumo 1. INTRODUÇÃO

Palavras-chave: Concepção de professores, contextualização, interdisciplinaridade. Resumo 1. INTRODUÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO E INTERDISCIPLINARIDADE: CONCEPÇÕES DE PROFESSORES NO ENSINO DE GASES Helena Cristina Aragão de Sá 1 (FM) Roberto Ribeiro da Silva 2 (PQ) 1 SEEDF/E.C. 803 - Recanto das Emas, helenaaragaosa@gmail.com

Leia mais

Hábitos saudáveis na creche

Hábitos saudáveis na creche 11 Hábitos saudáveis na creche Elvira Bezerra Pessoa: elvirabe@gmail.com Patrícia Edióne da Silva Graduada edionne.jp@hotmail.com Adeilson Paulino de Barros UEPB 1.INTRODUÇÃO No Brasil o atendimento á

Leia mais

ALIMENTAÇÃO DAS CRIANÇAS NA ESCOLA

ALIMENTAÇÃO DAS CRIANÇAS NA ESCOLA ALIMENTAÇÃO DAS CRIANÇAS NA ESCOLA (1) Elvira Bezerra Pessoa/ UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAIBA elvirabe@gmail.com (2) Mirela Danubia Dos Santos Lima/ UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAIBA bioelvira@gmail.com

Leia mais

Oficina : Experiências de Ciências para o Ensino Fundamental: uma abordagem vigotskiana

Oficina : Experiências de Ciências para o Ensino Fundamental: uma abordagem vigotskiana UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE FÍSICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE FÍSICA Oficina : Experiências de Ciências para o Ensino Fundamental: uma abordagem vigotskiana Introdução

Leia mais

Estatística: Como motivar este estudo através de reportagens do cotidiano

Estatística: Como motivar este estudo através de reportagens do cotidiano 1 Estatística: Como motivar este estudo através de reportagens do cotidiano Lenice Mirandola da Rocha Colégio Militar de Porto Alegre Brasil lenice@portoweb.com.br Terezinha Ione Martins Torres Faculdade

Leia mais

PESQUISA SOBRE HÁBITOS ALIMENTARES NA ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL ANDRÉ VIDAL DE NEGREIROS EM CUITÉ-PB.

PESQUISA SOBRE HÁBITOS ALIMENTARES NA ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL ANDRÉ VIDAL DE NEGREIROS EM CUITÉ-PB. 1 PESQUISA SOBRE HÁBITOS ALIMENTARES NA ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL ANDRÉ VIDAL DE NEGREIROS EM CUITÉ-PB. ¹Thatiany de Sousa Pereira; ¹ Sebastião Ângelo da Silva; ¹Adeilma Fernandes de Sousa

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS ALTERNATIVOS EM EXPERIMENTOS PRÁTICOS DE QUÍMICA E SUA RELAÇÃO COM O COTIDIANO.

A UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS ALTERNATIVOS EM EXPERIMENTOS PRÁTICOS DE QUÍMICA E SUA RELAÇÃO COM O COTIDIANO. A UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS ALTERNATIVOS EM EXPERIMENTOS PRÁTICOS DE QUÍMICA E SUA RELAÇÃO COM O COTIDIANO. Alessandra Ramos Barbosa Joseane Ataíde de Jesus RESUMO Reconstruir o aprender requer mudanças

Leia mais

Pesquisa. Consumo de Frutas e Hortaliças

Pesquisa. Consumo de Frutas e Hortaliças Pesquisa Consumo de Frutas e Hortaliças Pesquisa Quantitativa Consumo de Frutas e Hortaliças Elaborado por CONNECTION RESEARCH Maio 2011 2 Objetivos da pesquisa. Estudar os hábitos alimentares da população

Leia mais

ENVELHECER COM SABEDORIA Alimente-se melhor para Manter a sua Saúde e Independência

ENVELHECER COM SABEDORIA Alimente-se melhor para Manter a sua Saúde e Independência ENVELHECER COM SABEDORIA Alimente-se melhor para Manter a sua Saúde e Independência 1. ALIMENTE-SE MELHOR Prevê-se que em 2025 1, só na Europa, o grupo etário mais idoso (acima dos 80 anos), passe de 21,4

Leia mais

Projeto Alimentação. EMEF M BOI MIRIM III DRE Campo Limpo

Projeto Alimentação. EMEF M BOI MIRIM III DRE Campo Limpo Projeto Alimentação EMEF M BOI MIRIM III DRE Campo Limpo 2013 ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL 2012 JUSTIFICATIVA A ADOÇÃO DE HÁBITOS ALIMENTARES POUCO SAUDÁVEIS PELAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES VEM AUMENTANDO CONSIDERAVELMENTE.

Leia mais

EXPLICAÇÕES SOBRE A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO

EXPLICAÇÕES SOBRE A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO EXPLICAÇÕES SOBRE A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO Elementos Textuais: INTRODUÇÃO: Introduzir significa apresentar. Descrever o trabalho baseando-se nas seguintes colocações: o quê fez, por que

Leia mais

PROJETO INTERDISCIPLINAR

PROJETO INTERDISCIPLINAR PROJETO INTERDISCIPLINAR "O Campo no Colégio" Ano Letivo 2012/2013 11 NOTA INTRODUTÓRIA O contacto com a Natureza assume um papel de extrema importância na vida do ser humano. A agricultura, a jardinagem

Leia mais

Difusão de conhecimentos técnicos sobre cultivo de hortaliças e adoção de novas metodologias de ensino com o emprego de horta escolar

Difusão de conhecimentos técnicos sobre cultivo de hortaliças e adoção de novas metodologias de ensino com o emprego de horta escolar VII Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - Campus Bambuí VII Jornada Científica e I Mostra de Extensão 21 a 23 de outubro de 2014 Difusão de conhecimentos técnicos sobre cultivo de hortaliças e adoção de

Leia mais

A MATEMÁTICA DA SAÚDE

A MATEMÁTICA DA SAÚDE A MATEMÁTICA DA SAÚDE Isabel Cristina Thiel Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC isabelthiel@gmail.com Andressa Dambrós Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC dessa.dambros@gmail.com

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA

EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA Aline Mendes da SILVA, Marcilene Cardoso da SILVA, Reila Terezinha da Silva LUZ, Dulcéria TARTUCI, Maria Marta Lopes FLORES, Departamento de Educação UFG - Campus

Leia mais

ALIMENTAÇÃO ESCOLAR : MUNICIPALIZAÇÃO É FATOR DECISIVO NA EDUCAÇÃO. VELLOSO, Cleusa Bandeira de Oliveira

ALIMENTAÇÃO ESCOLAR : MUNICIPALIZAÇÃO É FATOR DECISIVO NA EDUCAÇÃO. VELLOSO, Cleusa Bandeira de Oliveira ALIMENTAÇÃO ESCOLAR : MUNICIPALIZAÇÃO É FATOR DECISIVO NA EDUCAÇÃO VELLOSO, Cleusa Bandeira de Oliveira SILVEIRA, Alberto Esteves Antunes Universidade de Passo Fundo RESUMO A municipalização da alimentação

Leia mais

CURIOSIDADE DE CRIANÇA: CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NUMA TURMA DE PRÉ-ESCOLA 1

CURIOSIDADE DE CRIANÇA: CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NUMA TURMA DE PRÉ-ESCOLA 1 CURIOSIDADE DE CRIANÇA: CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NUMA TURMA DE PRÉ-ESCOLA 1 SILVEIRA, Lidiane 2 ; LIMA, Graziela Escandiel de 3 1 Relato de experiência 2 Pedagoga, Especialista em Alfabetização, professora

Leia mais

EDUCANDO A PARTIR DE UM SISTEMA ALTERNATIVO DE IRRIGAÇÃO. Silvia C. M. Ferreira 1 (PF), Willany C. Cardoso 2 (PF).

EDUCANDO A PARTIR DE UM SISTEMA ALTERNATIVO DE IRRIGAÇÃO. Silvia C. M. Ferreira 1 (PF), Willany C. Cardoso 2 (PF). EDUCANDO A PARTIR DE UM SISTEMA ALTERNATIVO DE IRRIGAÇÃO Silvia C. M. Ferreira 1 (PF), Willany C. Cardoso 2 (PF). 1 Orientadora professora do CEM S. J. Ribamar/FAPEMA, acadêmica química/ufma. 2 Orientadora

Leia mais

ATIVIDADES PARA EDUCAÇÃO ALIMENTAR E NUTRICIONAL: EDUCAÇÃO BÁSICA E EDUCAÇÃO INFANTIL. Maria Cristina Faber Boog

ATIVIDADES PARA EDUCAÇÃO ALIMENTAR E NUTRICIONAL: EDUCAÇÃO BÁSICA E EDUCAÇÃO INFANTIL. Maria Cristina Faber Boog ATIVIDADES PARA EDUCAÇÃO ALIMENTAR E NUTRICIONAL: EDUCAÇÃO BÁSICA E EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Cristina Faber Boog Aqui você encontrará um repertório de atividades para educação alimentar e nutricional na

Leia mais

Palavras-chave: Informática na Educação, Computador na Escola, Blogs

Palavras-chave: Informática na Educação, Computador na Escola, Blogs O USO DO BLOG NO PROCESSO EDUCACIONAL: RELATO DE EXPERIÊNCIA DA ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL PROFESSORA CÂNDIDA ZASSO DE NOVA PALMA. Franciele Liliane Vendruscolo 1 Kássia Quadros Ferreira 2

Leia mais

TÍTULO: O ENSINO DA ARTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FONTE DE PRAZER E APRENDIZAGEM

TÍTULO: O ENSINO DA ARTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FONTE DE PRAZER E APRENDIZAGEM TÍTULO: O ENSINO DA ARTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FONTE DE PRAZER E APRENDIZAGEM CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA DE

Leia mais

GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO BRASILEIRA

GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO BRASILEIRA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DA POLÍTICA DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO SEPN 511- Bloco C Edifício Bittar IV 4º andar - Brasília/DF CEP:70750.543

Leia mais

mhtml:file://c:\documents and Settings\Angela Freire\Meus documentos\cenap 2...

mhtml:file://c:\documents and Settings\Angela Freire\Meus documentos\cenap 2... Page 1 of 6 O lúdico na educação infantil Com relação ao jogo, Piaget (1998) acredita que ele é essencial na vida da criança. De início tem-se o jogo de exercício que é aquele em que a criança repete uma

Leia mais

Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO

Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO Unidade I: BRASILEIRA 0 Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO BRASILEIRA O Guia Alimentar é um instrumento que define as diretrizes alimentares a serem utilizadas

Leia mais

Portal de conteúdos Linha Direta

Portal de conteúdos Linha Direta Portal de conteúdos Linha Direta Tecnologias Educacionais PROMOVEM SÃO Ferramentas Recursos USADAS EM SALA DE AULA PARA APRENDIZADO SÃO: Facilitadoras Incentivadoras SERVEM Necessárias Pesquisa Facilitar

Leia mais

FORMAÇÃO DE HÁBITOS DE CONSUMO DE HORTALIÇAS: IMPORTÂNCIA DOS PAIS E DA ESCOLA

FORMAÇÃO DE HÁBITOS DE CONSUMO DE HORTALIÇAS: IMPORTÂNCIA DOS PAIS E DA ESCOLA UFPB-PRAC XIV Encontro de FORMAÇÃO DE HÁBITOS DE CONSUMO DE HORTALIÇAS: IMPORTÂNCIA DOS PAIS E DA ESCOLA NASCIMENTO, Islânia Nunes do 2 SANTOS, Joel Cabral dos 2 COSTA, Núbia Pereira da 3 Centro de Ciências

Leia mais

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA Thaís Koseki Salgueiro 1 ; Ms. Ozilia Geraldini Burgo 2 RESUMO: Este projeto tem como objetivo apresentar o trabalho de campo desenvolvido

Leia mais

A IMPLANTAÇÃO DE HORTA ORGÂNICA COMO INSTRUMENTO PARA A FORMAÇÃO DE ALUNOS PARTICIPATIVOS

A IMPLANTAÇÃO DE HORTA ORGÂNICA COMO INSTRUMENTO PARA A FORMAÇÃO DE ALUNOS PARTICIPATIVOS A IMPLANTAÇÃO DE HORTA ORGÂNICA COMO INSTRUMENTO PARA A FORMAÇÃO DE ALUNOS PARTICIPATIVOS 1 AMARAL, Anelize Queiroz; 2 JUNIOR, Élio Jacob H.; 2 SADRAQUE, Caetano; 1 MIGUEL,, Kassiana & 2 LARA, Juliete

Leia mais

REVISTA CONTEÚDO O JOGAR E O BRINCAR EM UM CONTEXTO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

REVISTA CONTEÚDO O JOGAR E O BRINCAR EM UM CONTEXTO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL O JOGAR E O BRINCAR EM UM CONTEXTO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Nara Fernanda de Campos 1 RESUMO Considerando os jogos e as brincadeiras infantis como uma ferramenta ideal ao aprendizado, podemos dizer

Leia mais