S.N.M.P. Filipe Pedrosa, José Teixeira, Francisco Oliveira

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "S.N.M.P. Filipe Pedrosa, José Teixeira, Francisco Oliveira"

Transcrição

1 S.N.M.P. Filipe Pedrosa, José Teixeira, Francisco Oliveira Departamento de Ciência de Computadores, FCUP de Maio de 2004

2 Conteúdo 1 Teoria e conceitos sobre SNMP O que é o SNMP? Agentes e Gestores SNMP e UDP Comunidades SNMP SMI(Structure Managment Information) MIB(Managment Information Base) Operações SNMP get get-next get-bulk(snmpv2 e SNMPv3) set get, get-next, get-bulk e set Error Responses trap notification(snmpv2 e SNMPv3) inform(snmpv2 e SNMPv3) report(snmpv2 e SNMPv3) RMON(Remote Monitoring) Objectivos do trabalho e da demonstração 16 3 Avaliação do SNMP através de algumas peças de software SNMP NetSNMP OpenNMS Processo experimental A experiência O software utilizado Agentes: Gestores: Outros Net-SNMP SNMP get SNMP getnext SNMP getbulk SNMP set traps SNMP OpenNMS Alguma informação sobre o OpenNMS Processo de descoberta Capabilities Daemon (capsd) Configuração de protocolos SNMP Processo de recolha de informação Configuração do OpenNMS Equipamentos/Programas Instalação OpenNMS OpenNMS- Passos de configuração: Erros encontrados e soluções

3 7 Conclusões NetSNMP OpenNMS SNMP Biliografia e páginas web 38 2

4 1 Teoria e conceitos sobre SNMP 1.1 O que é o SNMP? O SNMP(Simple Network Management Protocol) como o nome indica, é um protocolo simples de gestão de redes. O SNMP foi introduzido em 1988, numa altura em havia uma necessidade de um standard para gerir o dispositivos IP(Internet Protocol). Ao contrário do seu predecessor SGMP(Simple Gateway Management Protocol) que só servia para gerir routers, o SNMP pode ser usado para gerir uma maior diversidade de dispositivos. O SNMP foi desenhado com vista a fornecer um conjunto simples de operações que permitia gerir estes dispositivos remotamente. Estas operações para além de permitirem manipular dispositivos compatíveis com SNMP, também servem para obter informação acerca do actual estado do dispositivo, servindo também como ferramenta de monitorização. Por exemplo, o SNMP pode ser usado para desligar interfaces de um router, ou verificar a velocidade a que uma determinada interface está a funcionar. Actualmente existem três versões de SNMP: SNMP versão 1 (SNMPv1) em que a segurança é baseada em comunidades, que mais não são do que palavras chave, que permite a qualquer aplicação baseada em SNMP que saiba este palavra chave, o acesso à um dispositivo SNMP. Tipicamente existem três comunidades nesta versão, são elas: read-only, read-write e trap. De notar ainda que não é usado qualquer algoritmo de cifra nesta versão. SNMP versão 2 (SNMPv2), esta versão é muitas vezes referida como SNMPv2 baseada em palavras de comunidade(community string-based SNMPv2). Tecnicamente esta versão é chamada SNMPv2c. Nesta versão são usadas as já referidas palavras de comunidade para autenticação. Esta autenticação é feita em texto não cifrado. SNMP versão 3 (SNMPv3), esta versão implementa uma autenticação segura e permite uma canal de comunicação privado entre entidades geridas. Esta versão já usa cifras, permitindo um grau de segurança que não havia até então. 1.2 Agentes e Gestores No mundo SNMP existem dois tipos de entidades: agentes e gestores. Ou seja, o SNMP baseia-se num modelo agente/gestor. A maior parte do processamento e armazenamento de dados está a cargo do sistema de gestão, a que se dá o nome de gestor neste protocolo, e um subconjunto complementar dessas funções reside no sistema gerido, a que se dá o nome de agente. Um gestor é um servidor que está a correr algum tipo de software que tem a capacidade de efectuar tarefas de gestão de rede. Os gestores são muitas vezes referidos por NMSs(Network Management Stations), normalmente dá-se este nome a sistemas que correm software a partir do qual é possível efectuar todas as tarefas de gestão de rede, por isto mesmo, essas peças de software são também elas conhecidas por NMSs. Um NMS é responsável por obter informação dos agentes e por receber notificações destes, estes dois processos são também referidos como polling e trap receiving respectivamente. Os agentes comunicam com os NMS através de traps(notificações assíncronas), estas mensagens são despoletadas por uma mudança de estado no agente. Os NMSs são responsáveis por analisar o conteúdo de uma trap e agir de acordo com a informação que contém. Por exemplo, quando uma das interfaces de um router se desliga, este pode enviar uma trap ao NMS, o NMS pode seguidamente notificar a pessoa responsável pela gestão da rede. 1.3 SNMP e UDP O SNMP usa o UDP(User Datagram Protocol) como protocolo de transporte. Neste protocolo não se estabelecem ligações entre entre os intervenientes, ou contrário do que acontece no 3

5 Figura 1: Esquema de troca de mensagens TCP(Transmission Control Protocol). O que leva a que não haja maneira de verificar se um pacote enviado chegou ao destino. Este tipo de controlo é feito a nível da aplicação usando uma estratégia de timeout s, isto é, o NMS quando envia uma pedido espera pela resposta um determinado tempo, se esta não chegar não causa grandes problemas. No entanto a perda de pacotes no envio de traps pode ser um problema, isto porque, o NMS não tem maneira de saber se lhe foi enviada alguma trap e o agente não tem maneira de saber se a trap chegou ao destino(os NMS não respondem às traps dos agentes). Figura 2: SNMP e UDP A vantagem em usar UDP é que este é bastante leve para uma rede, especialmente se pensarmos em redes congestionadas. O SNMP também é usado para tentar descobrir problemas numa rede, se este fosse implementado em TCP, para além de não contribuir para resolver problemas, ainda os agravaria. Isto acontece dado à natureza do TCP que inunda a rede de retransmissões para se tentar defender das perdas. 1.4 Comunidades SNMP As versões SNMPv1 e SNMPv2c usam a noção de comunidades para estabelecer confiança entre os gestores e os agentes. Os agentes são configurados com três nomes de comunidade: read-only, read-write e trap. Estes nomes são palavras chave que controlam diferentes tipos de actividades, a 4

6 comunidade read-only pode ler valores, mas não os pode modificar, a comunidade read-write pode ler e escrever. A comunidade de traps permite receber traps do agente. Normalmente o hardware compatível com SNMP e o software SNMP, já têm palavras de comunidade predefinidas, tipicamente public para a comunidade read-only, private para a comunidade read-write. As comunicações entre agentes e gestores, na versão SNMPv1 e SNMPv2c, não nenhum canal seguro, logo as palavras de comunidade trocados entre os agentes de gestores não são cifradas. Uma maneira de minorar o problema é usando firewalls, configurando a firewall para só aceitar pacotes UDP que tenham sido enviados de determinados endereços, no entanto isto não resolve o problema. A SNMPv3 já implementa comunicação segura entre os intervenientes no protocolo. Os agentes enviam as traps para endereços definidos na sua configuração. É possível configurar um agente para enviar traps de autenticação falhada(authentication-failure) quando alguém tenta aceder à informação do agente com uma palavra de comunidade falsa. 1.5 SMI(Structure Managment Information) Structure Managment Information define os nomes dos objectos geridos e especifica os tipos de dados associados.um objecto gerido é qualquer componente de um sistema que faz parte de uma rede e que contém informação de gestão de rede, que pode ser acedida ou até modificada provocando alterações na rede ou dando informações acerca da rede. A informação recolhida pelo gestor é a informação fornecida pelos objectos geridos. O SMI pode ser visto como o sintaxe usado para definição dos objectos geridos. No paradigma de gestão de redes gestor/agente, os objectos geridos devem estar acessíveis fisicamente e logicamente. Acessível fisicamente significa que alguma entidade deve verificar o endereço e quantificar a informação de gestão de rede fisicamente. Acessível logicamente significa que a informação de gestão de rede deve ser armazenada e que portanto esta informação é recuperável e modificável(o SNMP executa a recuperação e modificação desta informação). A SMI(estrutura de informação de gestão) organiza, nomeia e descreve a informação de modo a que o acesso lógico a esta informação seja possível. Para que os agentes e gestores troquem informação entre si é necessário que ambos a entendam, independentemente da forma como a representam internamente. Para que isto aconteça é necessário a existência de um padrão para o sintaxe abstracto e outro padrão para o sintaxe de transferência. O sintaxe abstracto define especificações para a notação de dados. O sintaxe de transferência define codificações(transmitiveis) para os elementos do sintaxe abstracto. A definição de objectos geridos é constituída por três atributos: O nome ou identificador do objecto define um objecto gerido. Há duas formas de nomes, a forma numérica e forma human readable. Os objectos geridos são organizados numa hierarquia em forma de árvore. Esta estrutura é a base do esquema do nomes do SNMP. O identificador de um objecto é constituído por uma série de inteiros baseados nos nodos da árvore e separados por pontos. A cada nó da árvore, estão associados inteiros e nomes, cada nó representa um objecto. Na referência a um objecto os inteiros podem ser substituidos pelo nome do nó. Por exemplo iso.org.dod.internet e referem-se ao mesmo objecto. A estrutura de nomes está exemplificada na figura 3. Numa árvore de objectos o topo da árvore tem o nome de raíz, qualquer nó com filhos dá pelo nome de sub-árvore, os nós sem filhos são os nós folha. No contexto SNMP os nós sub-árvore são chamados grupos, isto porque agrupam objectos. Um objecto pode ser escalar ou ter vários valores associando-se a uma tabela. Numa referência a um objecto para além do seu identificador, indica-se também a instância do objecto que se pretende, através se um sufixo colocado a seguir ao identificador. Caso o objecto seja escalar este sufixo é 0, se não for escalar o sufixo identifica a instância que se pretende. Mais concretamente, a descrição de um sistema é tem o seguinte identificador , e é um escalar e que portanto a seu valor é referido acrescentando.0 ao identificador ficando

7 Figura 3: Esquema de nomes de objectos Tipo e sintaxe. O SMI especifica que a ASN.1(Abstract Syntax Notation One) define o sintaxe abstracto. Ou seja, a ASN.1 define os elementos básicos da linguagem e fornece regras para combinar elementos em mensagens. A ASN.1 foi desenvolvido com o objectivo de fornecer uma forma de definir informação estruturada de uma forma que fosse independente da máquina. Para este efeito a ASN.1 define tipos de dados básicos e tipos de dados que são baseados em combinações dos tipos de dados básicos. Dois exemplos de tipos de dados básicos da ASN.1 são os inteiros e as strings. A ASN.1 define os dados de forma muito semelhante ao que acontece na definição de variáveis numa linguagem de programação de alto nível. A ASN.1 usa alguns termos únicos para definir os seus procedimentos, termos esses que incluem definições de tipos, atribuições de valores, definições de macros, evocações e definições de módulos. Para além disto a ASN.1 contém algumas palavras chave ou sequências de caracteres reservadas, como por exemplo INTEGER, OBJECT e NULL que têm significado especial e aparecem escritas em maiúsculas. Um exemplo de uma definição de um objecto usando ASN.1 é a definição do objecto sysdescr da MIB-II: sysdescr OBJECT-TYPE SYNTAX DisplayString (SIZE (0..255)) ACCESS read-only STATUS mandatory DESCRIPTION "A textual description of the entity. This value should include the full name and version identification of the system s hardware type, software operating-system, and networking software. This must contain only printable ASCII characters." ::= { system 1 } Em que OBJECT-TYPE é uma macro usada para definir objectos. 6

8 Esta presente na tabela 1 o sumário de algumas convenções de escrita da ASN.1. Elementos Tipos Valores Macros Módulos Palavras chave ASN.1 Convenção Letra maiúscula no inicio da palavra. Letra minúscula no início da palavra. Toda a palavra em letras maiúsculas. Letra inicial em maiúsculas. Toda a palavra em letras maiúsculas. Tabela 1: Sumário de algumas convenções de ASN.1 A ASN.1 dá um significado especial a alguns caracteres, na tabela caracteres e o significado que têm para a ASN.1. 2 está uma lista de Caracteres Significado Número com sinal. Comentário. ::== Atribuição. Opções de uma lista. {} Delimitam uma lista. [] Delimitam uma etiqueta. () Delimitam uma expressão de subtipos... Indica uma amplitude. Tabela 2: Significado de alguns caracteres para a ASN.1 Codificação. As BER(Basic Encoding Rules) definem um padrão para converter as definições de ASN.1 em codificação de 8bits(linguagem máquina) permitindo assim a comunicação entre sistemas. As BER são necessárias porque as descrições de ASN.1 são legíveis por humanos e devem ser traduzidas de maneira diferente para os vários tipos de sistemas. No entanto uma representação BER é sempre igual para qualquer descrição ASN.1 independentemente do sistema que recebeu ou enviou a informação. É desta forma que a comunicação entre sistemas é assegurada, independentemente da sua arquitectura. Pode-se dizer portanto que o a sintaxe ASN.1 é usada na representação interna da informação de gestão e as BER são usadas na representação externa da informação de gestão. 1.6 MIB(Managment Information Base) Managment Information Base Pode ser vista como um armazém de informação virtual. Um armazém físico tem controlo de inventário, também MIB tem de ter esquemas de controlo de inventário. O SMI especifica estes esquemas. Tal como uma grande empresa pode ter vários armazéns também existem diferentes tipos de MIBs. Qualquer tipo de informação de estado ou estatística acessível pelo NMS está definida numa MIB. Uma MIB é definida por um conjunto de objectos geriveis, que por sua vez são definidos usando a SMI. Uma MIB é um agrupamento lógico de objectos geridos que pertencem a uma determinada tarefa de gestão. Por outro lado uma MIB pode ser vista como uma especificação que define os objectos geridos que um vendedor ou um dispositivo suporta. Existem MIBs disponíveis para uso público, como é o caso das internet standards MIBs. E outras desenvolvidos por fabricantes de hardware, que apenas se adequam a esse harware, são chamadas as enterprise MIBs. Um exemplo destas MIBs são MIBs da Cisco desenvolvidas para os seus routers. 7

9 As árvores tais como a presente na figura 3 fornece a estrutura de gestão sendo os ramos e as folhas os objectos geridos. Um dos ramos com especial interesse é o ramo internet que tem o identificador Este ramo tem os filhos directory(1), mgmt(2), experimental(3), private(4), security(5), snmpv2 (6), e mail(7). Sendo a sub-árvore mgmt de bastante importância, já que se encarrega de todos os documentos Internet-approved(ou seja, encarrega-se dos padrões estabelecidos), como é o caso dos Internet standards MIB-I( RFC 1156) e MIB-II(RFC 1213). Os objectos com prefixo no identificador são objectos geridos da MIB-I e MIB-II. Estas duas MIBs são as MIB de gestão de sistemas numa rede por excelência, ou seja, englobam as informações e tarefas de gestão que todos os sistemas de rede possuem. A primeira MIB, a MIB-I, foi publicada em 1990 e dividiu os objectos geridos em oito grupos de modo a simplificar a atribuição e implementação dos OID, e esses grupos eram System, Interfaces, Address Translation, IP, ICMP, TCP, UDP, e EGP, em 1991 a MIB-II substituiu a MIB-I. 1.7 Operações SNMP O SNMP inclui um conjunto de comandos de gestão e respostas que permitem efectuar as operações de gestão. Maior parte das operações SNMP são executadas pelo gestor. As operações executadas pelos agentes são apenas operações de notificação. Uma operação SNMP compreende a execução de um ou mais comandos SNMP que podem ou não ter respostas associadas. Os agentes e os gestores usam a seguinte estrutura para o PDU(Protocol Data Unit): Conteúdo Versão do SNMP palavra chave de comunidade(community string) Um ou mais PDUs SNMP PDU SNMP Request ID (número de sequência) Error Status Error Index (se 0 indica o índice do OID que causou o erro) Lista de OIDs e valores Trap PDU Valores são Null para gets Enterprise (tipo de objecto que originou a trap) Agent address(endereço do agente que o envia) Generic trap type Specific code Time stamp Lista de OIDs e valores(relevantes para o NMS) Para dar exemplos das várias operações do SNMP, vão ser referidos alguns comandos que fazem parte dum pacote de software que dá pelo nome de Net-SNMP, anteriormente conhecido por UCD-SNMP. 8

10 Figura 4: Operação Get get Esta operação é iniciada pelo NMS que envia um pedido ao agente. O agente recebe o pedido e processa-o, pode haver a possibilidade de não ser possível responder ao pedido, nesta situação o pedido e ignorado pelo agente. Se for possível ao agente processar o pedido este envia ao NMS um get-response. O NMS indica, ao agente, a informação que necessita através do OID, ou seja o identificador do objecto. Um exemplo do comando correspondente a esta operação é o snmpget(do pacote net-snmp), que recebe como argumentos o endereço do agente SNMP, a palavra de comunidade e o identificador do objecto. Por exemplo: $ snmpget cisco.ora.com public system.syslocation.0=" " Para objectos que estão definidos como tabelas em vez de um 0 coloca-se o número da linha que se pretende. Esta operação permite obter informação de apenas um objecto MIB get-next A operação get-next permite recolher um conjunto de valores de uma MIB, enviando uma série de comandos. Ou seja, por cada objecto MIB que queremos recolher, os comandos get-next e getresponse são gerados. O comando get-next percorre uma árvore por ordem lexicográfica. Visto que o OID é uma sequência de inteiros é fácil para uma agente começar na raíz da sua árvore de objectos e percorrer os objectos até encontrar o OID que procura. Quando o NMS recebe a resposta do agente para o comando get-next que enviou, o NMS envia outro comando get-next. O NMS continua a fazer isto até receber um erro do agente, este erro significa que se chegou ao fim da MIB, ou seja, já não há mais objectos para percorrer. Um exemplo de um comando de unix do pacote net-snmp que usa esta operação é o snmpwalk. Este comando é invocado da mesma maneira que o snmpget mas em vez de se especificar o OID, basta especificar o ramo da árvore a partir do qual queremos que sejam percorridos os objectos. $snmpwalk cisco.ora.com public system system.sysdescr.0 = "Cisco Internetwork Operating System Software..IOS (tm) 2500 Software (C2500-I-L), Version 11.2(5), RELEASE SOFTWARE (fc1)..copyright (c) by cisco Systems, Inc... Compiled Mon 31-Mar-97 19:53 by ckralik" system.sysobjectid.0 = OID: enterprises system.sysuptime.0 = Timeticks: ( ) 3 days, 3:35:07.23 system.syscontact.0 = " " system.sysname.0 = "cisco.ora.com" system.syslocation.0 = " " system.sysservices.0 = 6 9

11 A sequência get-next retorna 7 variáveis MIB. Cada um destes objectos faz parte do grupo system como está definido no RFC Como referido acima o get-next é funciona com base na ordenação lexicográfica da árvore de objectos MIB. Assim dado um nome de um grupo, neste caso o system, o agente começa na raíz e percorre a árvore usando um procedimento semelhante a uma procura de profundidade-primeiro. Figura 5: Operação Get-next get-bulk(snmpv2 e SNMPv3) A operação get-bulk foi introduzida pelo versão 2 do SNMP. Esta operação permite à aplicação de gestão recolher uma secção de uma tabela de uma só vez. O operação get pode tentar recolher mais de um objecto de uma só vez, mas o tamanho das mensagens é limitado pela capacidade do agente. Se o agente não conseguir enviar toda a informação que a aplicação de gestão pediu, então dá um erro e não envia nenhuns dados. A operação get-bulk por outro lado diz ao agente para ele apenas enviara a quantidade de informação máxima que conseguir. Isto significa ser possível obter informação incompleta. A operação get-bulk usa dois campos; não-repetidos e repetições-máximas, para proceder à recolha de informação. O valor n de não-repetidos diz à operação get-bulk que a informação dos primeiros n objectos pode ser recolhida usando uma operação get-next. O valor m de repetições-máximas diz à operação get-bulk para tentar até m operações get-next para recolher informação dos restantes objectos. Um exemplo de um comando unix que usa esta operação é o comando snmpbulkget. $ snmpbulkget -v2c -B 1 3 linux.ora.com public sysdescr ifinoctets ifoutoctets system.sysdescr.0 = "Linux linux Thu May 27 19:33:18 EDT 1999 i686" interfaces.iftable.ifentry.ifinoctets.1 = interfaces.iftable.ifentry.ifoutoctets.1 = interfaces.iftable.ifentry.ifinoctets.2 = interfaces.iftable.ifentry.ifoutoctets.2 = interfaces.iftable.ifentry.ifinoctets.3 = 0 interfaces.iftable.ifentry.ifoutoctets.3 = 0 10

12 Neste execução do comando está ser pedida informação de três objectos, o número total de valores que vamos obter é dado pelo fórmula n + (m * r), em que n é o número de não-repetidos, que pode ser visto como o número de objectos escalares(objectos com apenas um valor) no pedido, neste caso vai ser 1 já que o único objecto escalar é o sysdescr, m é o número de repetiçõesmáximas, que neste caso é arbitrariamente 3, e r é o número de objectos não escalares no pedido, que neste caso são 2, ifinoctets e ifoutoctets, o que dá um resultado de 1+(3*2)=7, que é o número total valores que vamos obter. Como esta operação não está definida na versão 1 do SNMP é pois necessário especificar a versão do SNMP que queremos usar na chamada do comando com a opção -v2c. Os valores não-repetidos e repetições-máximas são especificados respectivamente usando a opção -B set A operação set é usada para mudar o valor de um objecto gerido, ou para criar uma nova linha numa tabela. Só os objectos que forem definidos como read-write e write-only podem ser alterados ou criados usando o set. É possível a um NMS fazer set a mais do que um objecto ao mesmo tempo. Figura 6: Operação Set Para exemplificar o uso desta operação segue-se um exemplo usando os comandos snmpget e snmpset. $ snmpget cisco.ora.com public system.syslocation.0 system.syslocation.0 = "" $ snmpset cisco.ora.com private system.syslocation.0 s "Atlanta, GA" system.syslocation.0 = "Atlanta, GA" $ snmpget cisco.ora.com public system.syslocation.0 system.syslocation.0 = "Atlanta, GA" O comando snmpset necessita da read-write community string(private), um endereço de agente (cisco.ora.com), a identificação do objecto(system.syslocation.0), o tipo de dados com o qual se vai actualizar o objecto(s-string) e os dados( Atlanta, GA ). O tipo de dados que um objecto aceita está definido na MIB get, get-next, get-bulk e set Error Responses As mensagens de erro que o agente pode enviar como resposta, ajudam o NMS a saber se os pedidos get, get-next e set foram processados correctamente. Qualquer uma das operações provoca mensagens erro de resposta. As mensagens resposta de erro da versão SNMPv1 são as indicadas na tabela 3. Estas mensagens de erro contudo não são muito robustas. Para resolver este problema a versão SNMPv2 define mensagens reposta de erro adicionais que são válidas para as seguintes operações: 11

13 Nome da mensagem noerror(0) toobig(1) nosuchname(2) badvalue(3) readonly(4) generr(5) Descrição A operação foi executada com sucesso. A resposta ao pedido é demasiado grande para caber numa resposta. Não foi encontrado nenhum objecto com o OID especificado. Um objecto read-write ou write-only foi mudado para um valor inconsistente. Este erro geralmente não é utilizado. É equivalente ao erro no- SuchName. Este erro é gerado sempre que o erro que ocorre não corresponde a nenhum dos erros acima especificados. Tabela 3: Mensagens resposta de erro da versão SNMPv1 get, set, get-next, e get-bulk. Contudo é necessário que quer agente quer NMS suportem a versão 2 do SNMP. Na tabela 4 estão as mensagens resposta de erro que foram introduzidas pela versão 2 do SNMP trap Uma trap é uma notificação assíncrona do agente para o NMS, este tipo de notificação são usadas para informar o NMS que houve uma alteração no agente. Figura 7: Operação Trap O agente possui na sua configuração o endereço para onde deve enviar as traps que normalmente está associado a um NMS. Os NMS não respondem a traps. Visto que o SNMP usa UDP e que as traps foram desenhadas para encontrar problemas na rede, é fácil uma trap não chegar ao destino. No entanto esta operação não deixa de ter uma grande utilidade, porque mais vale o agente tentar comunicar o problema ao NMS do que simplesmente não ter nenhuma reacção. Algumas das situações que podem ser comunicadas por traps. Uma interface de rede do dispositivo perdeu a ligação à rede Uma interface de rede do dispositivo recuperou a ligação à rede Tentativa de estabelecimento de uma comunicação com um modem rack falhou. A ventoinha de um switch ou router deixou de funcionar. Estes são apenas algumas das situações. Quando um NMS recebe uma trap este precisa de saber o que significa e a informação que contém. Uma trap é identificada pelo identificador genérico de traps há 7 números de traps genéricas(0-6). Os vários tipos de traps estão descritos na tabela 5. A trap genérica 6 engloba 12

14 Nome da mensagem noacess(6) wrongtype(7) wronglength(8) wrongencoding(9) wrongvalue(10) nocreation(11) inconsistentvalue resourceunavailable(13) commitfailed(14) undofailed(15) authorizationerror(16) notwritable(17) inconsistentname(18) Descrição Houve uma tentativa de mudar um valor inacessível. Isto acontece quando a variável tem um tipo de ACCESS de not-accessible. Um objecto foi actualizado com um valor que não corresponde ao tipo de dados com que o objecto foi definido. Este erro acontece quando se tenta, por exemplo, substituir o valor de um objecto que é de tipo INTEGER por uma string. O valor do objecto foi mudado por um valor que não corresponde exactamente à especificação do objecto. Por exemplo, uma string pode ser definida para ter um número máximo de caracteres. Este erro ocorre quando se tenta substituir o valor do objecto do tipo string por uma string que excede o tamanho definido. Houve uma tentativa de substituir um valor de um objecto usando uma codificação errada. Uma variável foi substituída por um valor que não percebe. Este erro ocorre, por exemplo, quando um objecto é definido com uma enumeração e o tipo do valor com que se tentou substituir o valor do objecto, não corresponde a nenhum dos tipos enumerados. O objecto de que se tentou mudar o valor não está definido na MIB. Um objecto está inconsistente e portanto não aceita novos valores. Não há recursos no sistema para executar o pedido. Uma mensagem de resposta é enviada com este erro, sempre que uma operação de set falha. A operação de set falhou e o agente não conseguiu repor os valores que foram mudados antes a operação falhar. Um comando SNMP não pode ser autenticado, ou seja, palavra chave de comunidade errada. O objecto não aceita uma operação de set, apesar de ser suposto aceitar. Houve uma tentativa de efectuar set a uma variável, mas esta falhou porque a variável se encontra num estado qualquer de inconsistência. Tabela 4: Mensagens resposta de erro que foram introduzidas pela versão 2 do SNMP 13

15 Tipo de trap Descrição coldstart(0) Indica que o agente reinicializou o sistema. Todas as variáveis de gestão vão ser reinicializadas. Este tipo de trap pode ser usado para determinar quando foi adicionado novo hardware à rede. Quando um dispositivo é ligado envia uma traps deste tipo. warmstart(1) Indica que o agente se reinicializou. As variáveis de gestão não foram reinicializadas. linkdown(2) Esta trap é enviada quando uma interface do dispositivo perde a ligação à rede. O primeiro par objecto valor identifica a interface. linkup(3) Esta trap é enviada quando uma interface do dispositivo recupera a ligação à rede. O primeiro par objecto valor identifica a interface. authenticationfailure (4) Indica que alguém tentou recolher informação do agente com uma palavra chave de comunidade errada. egpneighborloss (5) Indica que se perdeu a ligação a um vizinho EGP(Exterior Gateway Protocol). enterprisespecific (6) Indica que a trap é uma entreprise-specific trap. Para processar esta trap o NMS tem de descodificar o número que especifica a trap, que faz parte da mensagem SNMP. Tabela 5: tipos de traps da versão SNMPv1 todas as traps que não são as 0-5. As traps que não se enquadram nas traps 0-5 são as chamadas entreprise-specific traps, que são traps definidas por fabricantes de hardware ou utilizadores, estas traps são identificadas pelo enterprise ID(identificação do objecto algures no ramo enterprises da MIB) e um número de trap escolhido pelo fabricante ou utilizador. As traps contém informação em forma de objectos MIB. Para as traps 0-5 o conhecimento do que a trap significa está embebido no NMS ou no software que recebe as traps. Os objectos e respectivos valores das enterprise-specific traps são determinados por quem definiu a trap. Um exemplo de uma definição de uma enterprise trap é a rdbmsoutofspace que é definida no RFC 1697: rdbmsoutofspace TRAP-TYPE ENTERPRISE rdbmstraps VARIABLES { rdbmssrvinfodiskoutofspaces } DESCRIPTION "An rdbmsoutofspace trap signifies that one of the database servers managed by this agent has been unable to allocate space for one of the databases managed by this agent. Care should be taken to avoid flooding the network with these traps." ::= 2 A enterprise é rdbmstraps o número da trap é 2. Esta trap contém o valor da variável rdbmssrvinfodiskoutofspaces cuja definição é a seguinte: rdbmssrvinfodiskoutofspaces OBJECT-TYPE SYNTAX Counter ACCESS read-only STATUS mandatory DESCRIPTION "The total number of times the server has been unable to obtain disk space that it wanted, since server startup. This would be inspected by an agent on receipt of an rdbmsoutofspace trap." ::= { rdbmssrvinfoentry 9 } 14

16 De todas as vezes que o RDBMS não consegue alocar espaço para a base de dados, o agente envia uma trap notification(snmpv2 e SNMPv3) Com o objectivo de normalizar o formato PDU das traps SNMPv1 (as traps SNMPv1 têm um formato PDU diferente das operações get e set) a versão SNMPv2 introduz o tipo NOTIFICATION- TYPE. O formato PDU é idêntico ao do formato PDU das operações get e set. Assim a definição das traps é feita de maneira diferente, um exemplo é a definição do tipo notificação genérica linkdown. linkdown NOTIFICATION-TYPE OBJECTS { ifindex, ifadminstatus, ifoperstatus } STATUS current DESCRIPTION "A linkdown trap signifies that the SNMPv2 entity, acting in an agent role, has detected that the ifoperstatus object for one of its communication links left the down state and transitioned into some other state (but not into the notpresent state). This other state is indicated by the included value of ifoperstatus." ::= { snmptraps 3 } O primeiro objecto é uma interface(idindex) que transitou da condição de linkdown para outra qualquer condição inform(snmpv2 e SNMPv3) A versão SNMPv2 introduziu uma nova operação chamada inform, esta operação permite comunicação gestor para gestor. Esta operação é útil quando há a necessidade de existirem vários gestores numa rede. Quando uma mensagem inform é enviada de gestor para outro o receptor envia uma resposta que informa que a mensagem foi recebida. Esta operação também pode ser usada par enviar traps SNMPv2 para um NMS, o que permite ao agente receber uma notificação quando o NMS recebe a trap report(snmpv2 e SNMPv3) Esta operação foi definida para a versão SNMPv2 mas nunca foi implementada nesta versão. Contudo faz parte da versão SNMPv3 e tem por objectivo permitir aos motores SNMP comunicarem uns com os outros. Serve principalmente para reportar problemas com o processamento de mensagens SNMP. 1.8 RMON(Remote Monitoring) As MIBs RMONv1(RMON) e o RMONv2 estão definidos nos RFC 2819 e 2021 respectivamente. A versão 1 do RMON fornece ao NMS estatísticas a nível de pacotes de toda a rede LAN ou WAN. A versão 2 do RMON adiciona estatísticas a nível da rede a de aplicações, à versão 1 do RMON. Estas estatísticas podem ser recolhidas de várias maneiras. Uma delas é colocar sondas RMON em todos os segmentos da rede que se quer monitorizar. Existe hardware de rede com funcionalidades RMON, por exemplo os routers cisco e os switchs da 3com que podem servir como sondas RMON. A MIB RMON foi concebida para ser possível uma sonda RMON executar num modo offline que permite à sonda recolher estatísticas da rede que monitoriza sem ser necessário que um NMS esteja constantemente a pedir informação. A qualquer altura o NMS pode requerer as estatísticas que a sonda tem vindo a recolher. Outra das funcionalidades que é possível atribuir às sondas 15

17 RMON, é definir valores que quando atingidos ou ultrapassados provoquem o envio de traps ao NMS. A MIB RMONv1 define os seguintes grupos. rmon OBJECT IDENTIFIER ::= { mib-2 16 } statistics OBJECT IDENTIFIER ::= { rmon 1 } history OBJECT IDENTIFIER ::= { rmon 2 } alarm OBJECT IDENTIFIER ::= { rmon 3 } hosts OBJECT IDENTIFIER ::= { rmon 4 } hosttopn OBJECT IDENTIFIER ::= { rmon 5 } matrix OBJECT IDENTIFIER ::= { rmon 6 } filter OBJECT IDENTIFIER ::= { rmon 7 } capture OBJECT IDENTIFIER ::= { rmon 8 } event OBJECT IDENTIFIER ::= { rmon 9 } Como referido acima, estes objectos referem-se a estatísticas a nível de pacotes. RMONv2 define mais objectos. A MIB 2 Objectivos do trabalho e da demonstração Dada as potencialidades deste protocolo e sabendo que o seu uso na gestão de redes grandes facilita e muito a tarefa de uma equipa de gestão de redes, tentou-se dar uma ideia daquilo que é possível fazer com este protocolo. Tendo isto em mente tentou-se analisar algumas opções de software livre que fazem uso deste protocolo para gestão de redes. Existem peças de sofware complexas que tentam reunir todas as tarefas de gestão num sistema com vista a ser possível uma administração centralizada, essas peças de software que são conhecidas de por NMS podem ser bastante complexas de instalar mas facilitam bastante as tarefas de um administrador. O objectivo era portanto dar um quadro geral das utilizações possíveis deste protocolo, bem como dar exemplos de uso de alguns pacotes de software desenvolvidos a pensar neste protocolo. Gestores no Linux: Existe uma oferta de produtos muito grande de gestores para Linux. Desde os pequenos scripts até às suites profissionais, de produtos de código aberto a software proprietário de custo elevadíssimo, temos muito por onde escolher. Na tabela 6 e 7 enunciamos alguns dos NMS disponíveis para Linux. GxSMP Tkined OpensNMS MRTG Também conhecido por Gnome Snmp. Contem um construtor para a interface de gestão. O mais popular em Linux. O mais fácil de personalizar. Tabela 6: NMS s de código aberto Hp OpenView IBM Tivoli Netview BMC CA Unicenter Advetnet OptManager Familia SNMP da HP; Muito usada. A solução da IBM; Vocacionada para o B2B. Solução da Castle Rock.Tabém muito usada. Especializada para sistemas unix. Com uma interface espectacular;difícil de Instalar. Tabela 7: NMS s proprietários Agentes no Linux: Existe uma variedade de gestores para máquinas Linux. Quase todas as suites NMS referidas anteriormente comportam um agente a instalar nas máquinas a gerir/monitorizar. Como o SNMP é um protocolo aberto e standard podemos usar na mesma os NMS com outros 16

18 agentes como o SNMPResearch Concord ou o Net-snmp net-snmp.sourceforge.net. De referir que quase todos os dispositivos ip como hubs, switchs, routers, impressoras que suportam SNMP vem com um agente que pode ser configurado de modo a trabalhar com os gestores. De referir também que em Linux ao contrário do Windows o gestores SNMP padrão não são parte integrante do kernel. Assim não se aumenta desnecessariamente o tamanho do mesmo, ganha-se uma maior facilidade em configurar e extender o agente e ainda se tiram benefícios em termos de segurança. 3 Avaliação do SNMP através de algumas peças de software SNMP 3.1 NetSNMP Como gestores das máquinas Linux escolhemos os o Net-snmp pois é de código-aberto, gratuito e extremamente robusto. A comunidade aceita também o net-snmp como o agente SNMP padrão em redes Linux. O Net-SNMP é um pacote de software que inclui: Um agente extensível Uma biblioteca para desenvolvimento (c/python/perl). Utilitários para trocar informação com os agentes (request/set). Utilitários para gerar e tratar traps (generate/handle). Utilitários que reimplementam os conhecidos utilitários unix df e netstat numa versão SNMP. Um Tk/perl MIB Browser Ps: No anexo 1 encontrará informação de como instalar e configurar o net-snmp. 3.2 OpenNMS O opennms é um NMS bastante complexo, feito em jsp este NMS não utiliza somente o protocolo SNMP para monitorização de redes. Este NMS usa alguns métodos para descobrir entidades de rede que são passíveis de serem geridas, que fazem uso de pedidos ICMP. Na secção OpenNMS está a análise deste software. 4 Processo experimental 4.1 A experiência Após consolidarmos vários conceitos fundamentais do SNMP, partimos para a sua análise em detalhe. Para tal montamos uma pequena rede com vários computadores pessoais, um hub e um routers a rede está exemplificada na figura 8. De seguida usando um programa de capturas de rede, analisámos as mensagens trocadas entre os vários agentes e gestores instalados e configurados nas máquinas ligadas à rede. 4.2 O software utilizado Agentes: Para os computadores pessoais usamos o agente do net-snmp, configurando-o como um deamon. Para o router usamos o seu agent built-in após sua activação. 17

19 Figura 8: Diagrama da rede experimental Gestores: Para podermos analisar o protocolo, o papel do gestor é executado através da linha de comandos usando os utilitários snmpget, snmpgetnext, snmpbulkget, snmpset e trapd disponibilizados pelo net-snmp. Experimentamos também posteriormente vários NMS como o activesnmp, OpenNMS, adventnet, etc Outros Como programa de capturas Ethernet usamos o Ethereal. 5 Net-SNMP O pacote de software Net-SNMP para além de permitir transformar qualquer terminal unix num agente SNMP, traz também um conjunto de programas que implementam as operações SNMP existentes. Este pacote foi usado para analisar o funcionamente do protocolo SNMP ao nível mais baixo, isto é, para analisar as operações SNMP. Com o objectivo de analisar as operações SNMP executou-se cada um dos comandos fornecidos pelo o pacote e procedeu-se à captura das mensagens trocados. As capturas efectuadas bem como uma pequena análise do comando, encontram-se na secção referente ao comando. 5.1 SNMP get Exemplo de uma operação get usando os comandos do net-snmp: $ snmpget v2c -c redes system.sysuptime.0 = Timeticks: ( ) 67 days, 21:48:39.77 Capturas correspondentes na figura 9 e

20 Figura 9: Captura do pacote correspondente a um pedido snmp get 19

3. O protocolo SNMP 1

3. O protocolo SNMP 1 3. O protocolo SNMP 1 Veicula informações de gerência transporte de valores das MIBs Interações sem conexão Mensagens em UDP/IP portas 161 e 162 pacotes de tamanho variável Mensagens auto-contidas formato

Leia mais

The Simple Network Management Protocol, version 1

The Simple Network Management Protocol, version 1 SNMPv1 The Simple Network Management Protocol, version 1, 2007 1 O Protocolo A versão original do SNMP derivou do Simple Gateway Monitoring Protocol (SGMP) em 1988 RFC1157, STD0015 A Simple Network Management

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Gestão de redes. Protocolo SNMP. Maio de 2010 1 Gestão de redes Gestão de redes refere-se neste contexto às actividades relacionadas com a manutenção do bom funcionamento de um conjunto

Leia mais

3. O protocolo SNMP. Managed system. Management system. resources. management application. MIB objects. SNMP manager UDP IP. IP link.

3. O protocolo SNMP. Managed system. Management system. resources. management application. MIB objects. SNMP manager UDP IP. IP link. 3. O protocolo SNMP Veicula informações de gerência transporte de valores das MIBs Interações sem conexão Mensagens em UDP/IP portas e 162 pacotes de tamanho variável Mensagens auto-contidas formato Type

Leia mais

Monitorização da Rede. Simple Network Management Protocol (SNMP).

Monitorização da Rede. Simple Network Management Protocol (SNMP). Capítulo 15 Monitorização da Rede. Simple Network Management Protocol (SNMP). Uma das mais importantes tarefas de um administrador de uma rede informática é monitorizar o tráfego na rede, Detectar perdas

Leia mais

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia UNISUL 2013 / 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Engenharia Elétrica - Telemática 1 Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia Aula 4 Ferramentas de Gerência de Redes Sistema de Gerência

Leia mais

Gerenciamento de Redes - Evolução. Gerenciamento de Rede. Gerenciamento de Rede NOC NOC

Gerenciamento de Redes - Evolução. Gerenciamento de Rede. Gerenciamento de Rede NOC NOC s - Evolução 1970s 1970s 1980s 1980s Dispositivos 1990s 1990s Browser A Web Server Mainframe Estação Gerenciadora Browser C Browser B NOC (Network( Operation Center) Conjunto de atividades para manter

Leia mais

Gerência de Redes de Computadores - SNMPv1 & SNMPv2c

Gerência de Redes de Computadores - SNMPv1 & SNMPv2c Gerência de Redes de Computadores - SNMPv1 & SNMPv2c Prof.: Helcio Wagner / Iguatemi Eduardo Agosto de 2009. p.1/50 Gerência Internet = Introdução Nos primórdios da Internet, as únicas ferramentas utilizadas

Leia mais

Administração de Redes I (LI) Ano, Semestre: 2, 1

Administração de Redes I (LI) Ano, Semestre: 2, 1 Administração de Redes I (LI) Ano, Semestre: 2, 1 Pedro M. M. Marques pedromarques.eng@gmail.com 1 OBJECTIVOS Compreender a importância da manutenção na conservação do bom estado de uma rede de comunicação;

Leia mais

Universidade Católica do Salvador CURSO DE BACHARELADO EM INFORMÁTICA

Universidade Católica do Salvador CURSO DE BACHARELADO EM INFORMÁTICA Universidade Católica do Salvador CURSO DE BACHARELADO EM INFORMÁTICA O Protocolo SNMP Por Lécia de Souza Oliveira Índice Página 2... O que é SNMP? Histórico Página 3 e 4... Estrutura Geral do Sistema

Leia mais

Introdução PROGRAMA A. FUNDAMENTOS & ARQUITECTURAS DE GESTÃO Apresentação da motivação para a normalização. Principais arquitecturas normalizadas

Introdução PROGRAMA A. FUNDAMENTOS & ARQUITECTURAS DE GESTÃO Apresentação da motivação para a normalização. Principais arquitecturas normalizadas Introdução PROGRAMA A. DE GESTÃO Apresentação da motivação para a normalização. Principais arquitecturas normalizadas pela OSI, IETF e DMTF. B. TECNOLOGIAS & MECANISMOS AVANÇADOS Apresentação do estado

Leia mais

MIB (Management Information Base) Objetos Gerenciados Um objeto gerenciado é a visão abstrata.

MIB (Management Information Base) Objetos Gerenciados Um objeto gerenciado é a visão abstrata. MIB (Management Information Base) Objetos Gerenciados Um objeto gerenciado é a visão abstrata. A MIB é o conjunto dos objetos gerenciados. Basicamente são definidos três tipos de MIBs: MIB II, MIB experimental

Leia mais

Gerência e Segurança de Redes

Gerência e Segurança de Redes Gerência e Segurança de Redes Modelos filipe.raulino@ifrn.edu.br SNMP e CMIP SNMP x CMIP O ambiente de gerenciamento OSI é composto por gerentes, agentes e objetos gerenciados. Um gerente transmite operações

Leia mais

Lista 3 Exercícios de Gestão de Redes

Lista 3 Exercícios de Gestão de Redes 1. Quais os fatores que contribuem para o sucesso de uma operação de gerenciamento? O sucesso de uma operação de Gerenciamento depende dos seguintes fatores: O sistema de gerenciamento invocador deve ter

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores SNMP Simple Network Management Protocol 1 Histórico No final dos anos 70 não haviam protocolos de gerenciamento. A única ferramenta efetivamente usada para gerenciamento foi o Internet

Leia mais

Action.NET. SNMP Manager Communication Protocol. Manual de Referência

Action.NET. SNMP Manager Communication Protocol. Manual de Referência SCLN212, Bloco D, Sala 101 Brasília DF CEP: 70.865-540 +55 61 3340-8486 contato@spinengenharia.com.br www.spinegenhria.com.br Action.NET SNMP Manager Communication Protocol Versão1.0.1 Manual de Referência

Leia mais

Desafios de Gerência e Segurança de Redes

Desafios de Gerência e Segurança de Redes Desafios de Gerência e Segurança de Redes Elias Procópio Duarte Jr. DInfo /UFPR Itaipu - Julho de 2003 E.P. Duarte Jr. - UFPR Roteiro Sistemas Integrados de Gerência de Redes Funcionalidade O Desafio da

Leia mais

Ficha de Trabalho Prático Nº1- Parte II Gestão de Redes Internet. Ferramentas SNMP.

Ficha de Trabalho Prático Nº1- Parte II Gestão de Redes Internet. Ferramentas SNMP. Universidade do Minho - Dep. to Informática MIECOM, 4º Ano - 2º Semestre, 2009/2010 Gestão de Redes Ficha de Trabalho Prático Nº1- Parte II Gestão de Redes Internet. Ferramentas SNMP. Objectivos: Familiarização

Leia mais

Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos

Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos Setembro 2006 Arquitecturas de Gestão Arquitectura de Gestão SNMPv1 (Parte II) Sumário???? Módulo II: Arquitecturas de Gestão Conceito de arquitectura de Gestão

Leia mais

INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES

INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES 1 INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES Parte 7 Introdução à Gerência de Redes Prof. Pedro S. Nicolletti (Peter), 2013 Resumo 2 Conceitos Básicos de SNMP Introdução Arquitetura MIB Segurança SNMPv1, SNMPv2

Leia mais

Registo de resultados 1:

Registo de resultados 1: Licenciaturas em Informática e Gestão de Empresas, Engenharia de Telecomunicações e Informática e Engenharia Informática Redes Digitais III Relatório do 1º Guião Laboratorial para avaliação: Gestão de

Leia mais

Gerenciamento de Equipamentos Usando o Protocolo SNMP

Gerenciamento de Equipamentos Usando o Protocolo SNMP Gerenciamento de Equipamentos Usando o Protocolo SNMP Diego Fraga Contessa, Everton Rafael Polina Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento - CP Eletrônica S.A. Rua da Várzea 379 - CEP 91040-600 - Porto

Leia mais

INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES

INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES 1 Resumo 2 INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES Parte 7 Introdução à Gerência de Redes Introdução Segurança SNMPv1, SNMPv2 Segurança SNMPv3 Prof. Pedro S. Nicolletti (Peter), 2013 Introdução 3 4 Com o

Leia mais

Centro Universitário Fundação Santo André. Disciplina Redes de Computadores. Módulo 08

Centro Universitário Fundação Santo André. Disciplina Redes de Computadores. Módulo 08 Centro Universitário Fundação Santo André Disciplina Redes de Computadores Módulo 08 2006 V1.0 Conteúdo Arquitetura de Gerenciamento Porque Gerenciar a Rede Corporativa? Componentes MIB - Management Information

Leia mais

Nesta sessão introduziremos os conceitos básicos do Cacti, e como fazer para instalá-lo em seu computador.

Nesta sessão introduziremos os conceitos básicos do Cacti, e como fazer para instalá-lo em seu computador. Cacti é uma ferramenta gráfica de gerenciamento de dados de rede que disponibiliza a seus usuários uma interface intuitiva e bem agradável de se usar, sendo acessível a qualquer tipo de usuários. Este

Leia mais

Protocolo de Gerenciamento SNMPv1, MIB-2 e RMON

Protocolo de Gerenciamento SNMPv1, MIB-2 e RMON Protocolo de Gerenciamento SNMPv1, MIB-2 e RMON Componentes de Gerenciamento Agente e Gerente Base de Informação (MIB) Internet Protocolo de Comunicação (SNMP) Entidades de Gerenciamento Processo de Aplicação

Leia mais

Centro Universitário Fundação Santo André. Disciplina Redes de Computadores. Módulo 08

Centro Universitário Fundação Santo André. Disciplina Redes de Computadores. Módulo 08 Centro Universitário Fundação Santo André Disciplina Redes de Computadores Módulo 08 2006 V1.0 Conteúdo Arquitetura de Gerenciamento Porque Gerenciar a Rede Corporativa? Gerenciamento TCP/IP Componentes

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II Slide 1 Gerenciamento de Redes Gerenciamento de redes inclui o fornecimento, a integração e a coordenação de hardware, software e elementos humanos para monitorar, testar, configurar,

Leia mais

Network Management. Joao.Neves@fe.up.pt. João Neves, 2009

Network Management. Joao.Neves@fe.up.pt. João Neves, 2009 Network Management Joao Neves Digitally signed by Joao Neves DN: cn=joao Neves, o=feup, ou=deec, email=joao.neves@fe. up.pt, c=pt Date: 2009.12.16 00:12:07 Z G tã de Gestão d R Redes d Joao.Neves@fe.up.pt

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Rede de Computadores II Slide 1 SNMPv1 Limitações do SNMPv1 Aspectos que envolvem segurança Ineficiência na recuperação de tabelas Restrito as redes IP Problemas com SMI (Structure Management Information)

Leia mais

Integração de Gerências SNMP em. um Ambiente Distribuído

Integração de Gerências SNMP em. um Ambiente Distribuído TET Departamento de Engenharia de Telecomunicações Orientador: Luiz Cláudio Schara Magalhães Integração de Gerências SNMP em um Ambiente Distribuído Autores: Cesar Henrique Pereira Ribeiro Matrícula: 100.41.040-8

Leia mais

Cap. 02 Modelo de Informação

Cap. 02 Modelo de Informação Cap. 02 Modelo de Informação 2.1 Padrões de Gerência de Redes 2.2 Arquitetura da Solucão SNMP 2.3 Objetos, Instâncias e MIBs 2.4 MIB-2 2.5 Structure of Management Information (SMI v1) 2.6 SMI V2 Luís F.

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. Capítulo 9. Gerenciamento de rede 9-3. 2005 by Pearson Education

Redes de computadores e a Internet. Capítulo 9. Gerenciamento de rede 9-3. 2005 by Pearson Education Redes de computadores e a Internet Capítulo 9 Gerenciamento de rede 9-3 Gerenciamento de rede Objetivos do capítulo: Introdução ao gerenciamento de redes Motivação Componentes principais Ambiente de gerenciamento

Leia mais

Redes de Computadores. 1 Questões de múltipla escolha. TE090 - Prof. Pedroso. 30 de novembro de 2010. Exercício 1: Considere:

Redes de Computadores. 1 Questões de múltipla escolha. TE090 - Prof. Pedroso. 30 de novembro de 2010. Exercício 1: Considere: TE090 - Prof. Pedroso 30 de novembro de 2010 1 Questões de múltipla escolha Exercício 1: Considere: I. O serviço de DNS constitui-se, em última instância, de um conjunto de banco de dados em arquitetura

Leia mais

Gerência de Redes de Computadores

Gerência de Redes de Computadores Gerência de Redes de Computadores 04 - Remote Monitoring SNMP e MIBs em agentes só permitem analisar valores isolados (nos agentes) Como medir o tráfego em um segmento de rede? tráfego = 137 kbps tráfego

Leia mais

Gestão de redes e SNMP. Laboratório de Redes 2008/2009

Gestão de redes e SNMP. Laboratório de Redes 2008/2009 Gestão de redes e SNMP Laboratório de Redes 2008/2009 Gestão de redes: Motivação Num mundo perfeito as redes não necessitariam de gestão, simplesmente funcionariam No entanto... O equipamento tende a avariar

Leia mais

Para iniciar um agente SNMP, usamos o comando snmpd. Por padrão, aceita requisições na porta 161 (UDP).

Para iniciar um agente SNMP, usamos o comando snmpd. Por padrão, aceita requisições na porta 161 (UDP). EN3610 Gerenciamento e interoperabilidade de redes Prof. João Henrique Kleinschmidt Prática SNMP 1 MIBs RMON No Linux os arquivos MIB são armazenados no diretório /usr/share/snmp/mibs. Cada arquivo MIB

Leia mais

DHCP. Definindo DHCP: Fundamentação teórica do DHCP. Esquema visual

DHCP. Definindo DHCP: Fundamentação teórica do DHCP. Esquema visual Definindo DHCP: DHCP O DHCP é a abreviatura de Dynamic Host Configuration Protocol é um serviço utilizado para automatizar as configurações do protocolo TCP/IP nos dispositivos de rede (computadores, impressoras,

Leia mais

Para iniciar um agente SNMP, usamos o comando snmpd. Por padrão, aceita requisições na porta 161 (UDP).

Para iniciar um agente SNMP, usamos o comando snmpd. Por padrão, aceita requisições na porta 161 (UDP). EN3610 Gerenciamento e interoperabilidade de redes Prof. João Henrique Kleinschmidt Prática SNMP Net-SNMP (http://www.net-snmp.org) é um conjunto de aplicações usado para implementar SNMPv1, SNMPv2 e SNMPv3.

Leia mais

Guia de Rede. Configuração do Windows Utilizar um Servidor de Impressão Monitorizar e Configurar a Impressora Apêndice

Guia de Rede. Configuração do Windows Utilizar um Servidor de Impressão Monitorizar e Configurar a Impressora Apêndice Guia de Rede 1 2 3 4 Configuração do Windows Utilizar um Servidor de Impressão Monitorizar e Configurar a Impressora Apêndice Leia este manual cuidadosamente antes de utilizar o equipamento e mantenha-o

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Instituto de Ciências Exatas Departamento de Ciência da Computação Lista de exercícios Gerência de Redes,Turma A, 01/2010 Marcelo Vale Asari 06/90708 Thiago Melo Stuckert do Amaral

Leia mais

Protocolos de gerência. Gerenciamento TCP/IP SNMP. Informações de gerência. Gerenciamento TCP/IP. Limitações de SNMP

Protocolos de gerência. Gerenciamento TCP/IP SNMP. Informações de gerência. Gerenciamento TCP/IP. Limitações de SNMP Protocolos de gerência SNMP Simple Network Management Protocol Criado pela IETF em 1988 Projetado para monitorar redes simples Dominante em redes TCP/IP CMIP Common Management Information Protocol Proposto

Leia mais

O endereço IP (v4) é um número de 32 bits com 4 conjuntos de 8 bits (4x8=32). A estes conjuntos de 4 bits dá-se o nome de octeto.

O endereço IP (v4) é um número de 32 bits com 4 conjuntos de 8 bits (4x8=32). A estes conjuntos de 4 bits dá-se o nome de octeto. Endereçamento IP Para que uma rede funcione, é necessário que os terminais dessa rede tenham uma forma de se identificar de forma única. Da mesma forma, a interligação de várias redes só pode existir se

Leia mais

Protocolos de gerenciamento

Protocolos de gerenciamento Protocolos de gerenciamento Os protocolos de gerenciamento têm a função de garantir a comunicação entre os recursos de redes homogêneas ou não. Com esse requisito satisfeito, operações de gerenciamento

Leia mais

Redes de Computadores. Mário Aquino mario.aquino@bol.com.br Yahoo Groups: prof_marioaquino

Redes de Computadores. Mário Aquino mario.aquino@bol.com.br Yahoo Groups: prof_marioaquino Redes de Computadores Mário mario.aquino@bol.com.br Yahoo Groups: prof_marioaquino Modelo OSI e os dispositivos OSI Dispostivos de redes Aplicação Apresentação Sessão Transporte Gateway Rede Enlace Física

Leia mais

Gerência de Redes. 1. Introdução

Gerência de Redes. 1. Introdução Gerência de Redes Fabiano Rocha Abreu, Herbert Domingues Pires Departamento de Engenharia de Telecomunicações Universidade Federal Fluminense (UFF-RJ) - Campus da Praia Vermelha, Escola de Engenharia -

Leia mais

GESTÃO DE SISTEMAS E REDES SIMPLE NETWORK MANAGEMENT PROTOCOL (SNMP)

GESTÃO DE SISTEMAS E REDES SIMPLE NETWORK MANAGEMENT PROTOCOL (SNMP) GESTÃO DE SISTEMAS E REDES SIMPLE NETWORK MANAGEMENT PROTOCOL (SNMP) OUTLINE SIMPLE NETWORK MANAGEMENT PROTOCOL ESTRUTURA DA INFORMAÇÃO DE GESTÃO PROTOCOLO SNMPV1 SNMPV2 SNMPV3 SNMP NO IOS SNMP NO PACKET

Leia mais

Comunicação entre computadores o Modelo OSI

Comunicação entre computadores o Modelo OSI Comunicação entre computadores o Modelo OSI Antes de avançar, vamos ver o significado de alguns conceitos. A nível das tecnologias de informação, há um conjunto de normas, padrões e protocolos que são

Leia mais

Gerência de Redes Padrões de Gerenciamento

Gerência de Redes Padrões de Gerenciamento Gerência de Redes Padrões de Gerenciamento Cássio D. B. Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br cassio.orgfree.com Sumário Padronizações Gerência OSI Gerência TCP/IP SNMP MIB-II RMON SNMPv2 11/5/2007 Gerência

Leia mais

RMON REMOTE NETWORK MONITORING. Baseado em slides gentilmente cedidos pelo Prof. João Henrique Kleinschmidt da UFABC.

RMON REMOTE NETWORK MONITORING. Baseado em slides gentilmente cedidos pelo Prof. João Henrique Kleinschmidt da UFABC. RMON REMOTE NETWORK MONITORING Baseado em slides gentilmente cedidos pelo Prof. João Henrique Kleinschmidt da UFABC. RMON: Conceitos Básicos 2 A RMON fornece um modo efetivo e eficiente de monitorar o

Leia mais

Gerenciamento de Redes e Interconexões

Gerenciamento de Redes e Interconexões Gerenciamento de Redes e Interconexões Prof. Marcos Monteiro, MBA http://www.marcosmonteiro.com.br contato@marcosmonteiro.com.br 1 Porque gerenciar? Controlar a complexidade Dimensao da rede Melhorar a

Leia mais

CA Nimsoft para monitoramento de redes

CA Nimsoft para monitoramento de redes DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA CA Nimsoft para monitoramento de redes agility made possible sumário resumo executivo 3 Visão geral da solução 3 CA Nimsoft Monitor sondas especializadas 3 Sonda de conectividade de

Leia mais

Protótipo de Software de Gerência SNMP Para o Ambiente Windows NT

Protótipo de Software de Gerência SNMP Para o Ambiente Windows NT Protótipo de Software de Gerência SNMP Para o Ambiente Windows NT Aluno : André Mafinski Orientador : Prof. Sérgio Stringari ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO - Introdução; - Gerenciamento de Redes; - Considerações;

Leia mais

Capítulo 9. Gerenciamento de rede

Capítulo 9. Gerenciamento de rede 1 Capítulo 9 Gerenciamento de rede 2 Redes de computadores I Prof.: Leandro Soares de Sousa E-mail: leandro.uff.puro@gmail.com Site: http://www.ic.uff.br/~lsousa Não deixem a matéria acumular!!! Datas

Leia mais

Redes de Computadores I Conceitos Básicos (6 a. Semana de Aula)

Redes de Computadores I Conceitos Básicos (6 a. Semana de Aula) Redes de Computadores I Conceitos Básicos (6 a. Semana de Aula) Prof. Luís Rodrigo lrodrigo@lncc.br http://lrodrigo.lncc.br 2013.09 v2 2013.09.10 (baseado no material de Jim Kurose e outros) Arquiteturas

Leia mais

Capítulo 9 Gerenciamento de rede

Capítulo 9 Gerenciamento de rede Capítulo 9 Gerenciamento de rede Nota sobre o uso destes slides ppt: Estamos disponibilizando estes slides gratuitamente a todos (professores, alunos, leitores). Eles estão em formato do PowerPoint para

Leia mais

Aula 07 - Ferramentas para Administração e Gerência de Redes

Aula 07 - Ferramentas para Administração e Gerência de Redes Arquitetura do Protocolo da Internet Aula 07 - Ferramentas para Administração e Gerência de Redes Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Revisão AS ou SA; IGP e EGP; Vetor de Distância,

Leia mais

Capítulo 8 - Aplicações em Redes

Capítulo 8 - Aplicações em Redes Capítulo 8 - Aplicações em Redes Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 31 Roteiro Sistemas Operacionais em Rede Modelo Cliente-Servidor Modelo P2P (Peer-To-Peer) Aplicações e Protocolos

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos e as características do protocolo SNMP.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos e as características do protocolo SNMP. Simple Network Management Protocol (SNMP) Este tutorial apresenta os conceitos básicos e as características do protocolo SNMP. (Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 25/04/2005).

Leia mais

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP Introdução ao TCP/IP 2 Modelo TCP/IP O Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD) desenvolveu o modelo de

Leia mais

Anderson Alves de Albuquerque

Anderson Alves de Albuquerque SNMP (Simple Network Management Protocol) Anderson Alves de Albuquerque 1 Introdução: O que é SNMP (Basicamente): Através de variáveis ou estruturas certos acontecimentos podem ser contabilizados (contados).

Leia mais

Utilizar o Cisco UC 320W com o Windows Small Business Server

Utilizar o Cisco UC 320W com o Windows Small Business Server Utilizar o Cisco UC 320W com o Windows Small Business Server Esta nota de aplicação explica como implementar o Cisco UC 320W num ambiente do Windows Small Business Server. Índice Este documento inclui

Leia mais

Gerenciamento da rede ATM. Prof. José Marcos C. Brito

Gerenciamento da rede ATM. Prof. José Marcos C. Brito Gerenciamento da rede ATM Prof. José Marcos C. Brito 1 Princípios Gerais O SNMP (Simple Network Management Protocol) é o protocolo mais utilizado. Se o dispositivo ATM é gerenciado de uma estação de gerenciamento

Leia mais

LABORATÓRIO VIII. Introdução ao SNMP e Logging pt. I Documento versão 0.1. Aluno: Paulo Henrique Moreira Gurgel #5634135

LABORATÓRIO VIII. Introdução ao SNMP e Logging pt. I Documento versão 0.1. Aluno: Paulo Henrique Moreira Gurgel #5634135 LABORATÓRIO VIII Introdução ao SNMP e Logging pt. I Documento versão 0.1 Aluno: Paulo Henrique Moreira Gurgel #5634135 Orientado pela Professora Kalinka Regina Lucas Jaquie Castelo Branco Agosto / 2010

Leia mais

Gestão de Redes LAN/WAN com OpenView NNM

Gestão de Redes LAN/WAN com OpenView NNM Gestão de Redes LAN/WAN com OpenView NNM Relatório de Estágio Dinis Alexandre M. Félix Real Seguros SA. Orientador: Prof. Raul Oliveira Julho 2005 De forma a garantir a salvaguarda dos interesses da empresa,

Leia mais

Redes de Computadores I Conceitos Básicos

Redes de Computadores I Conceitos Básicos Redes de Computadores I Conceitos Básicos (6 a. Semana de Aula) Prof. Luís Rodrigo lrodrigo@lncc.br http://lrodrigo.lncc.br 2011.02 v1 2011.09.05 (baseado no material de Jim Kurose e outros) Arquiteturas

Leia mais

Sistemas Operativos I

Sistemas Operativos I Componentes de um Sistema Operativo Maria João Viamonte / Luis Lino Ferreira Fevereiro de 2006 Sistema Operativo Um Sistema Operativo pode ser visto como um programa de grande complexidade, responsável

Leia mais

Este manual utiliza duas unidades de medição. Este equipamento utiliza a versão métrica.

Este manual utiliza duas unidades de medição. Este equipamento utiliza a versão métrica. Guia de Rede Para uma utilização segura e correcta, certifique-se de que lê as Informações de Segurança em "Referência de Cópia" antes de utilizar o equipamento. Introdução Este manual contém instruções

Leia mais

PROTÓTIPO TIPO DE UM SOFTWARE AGENTE SNMP PARA REDE WINDOWS

PROTÓTIPO TIPO DE UM SOFTWARE AGENTE SNMP PARA REDE WINDOWS UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU BACHARELADO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO PROTÓTIPO TIPO DE UM SOFTWARE AGENTE SNMP PARA REDE WINDOWS Acadêmico: Luciano Waltrick Goeten Orientador: Prof. Sérgio Stringari

Leia mais

Administração e Gerência de Redes Aula 2 Sistema de Gerência de Redes

Administração e Gerência de Redes Aula 2 Sistema de Gerência de Redes Administração e Gerência de Redes Aula 2 Sistema de Gerência de Redes Professor: Paulo Cesar E-mail: pccbranco@gmail.com Situação Vigente Manter uma rede funcional e operando, implica em lidar com uma

Leia mais

USO GERAL DOS PROTOCOLOS SMTP, FTP, TCP, UDP E IP

USO GERAL DOS PROTOCOLOS SMTP, FTP, TCP, UDP E IP USO GERAL DOS PROTOCOLOS SMTP, FTP, TCP, UDP E IP SMTP "Protocolo de transferência de correio simples (ou em inglês Simple Mail Transfer Protocol ) é o protocolo padrão para envio de e- mails através da

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DO SALVADOR TELEPROCESSAMENTO E REDES PROF: MARCO ANTÔNIO CÂMARA ALUNO: ANDREI GALVÃO DO NASCIMENTO

UNIVERSIDADE CATÓLICA DO SALVADOR TELEPROCESSAMENTO E REDES PROF: MARCO ANTÔNIO CÂMARA ALUNO: ANDREI GALVÃO DO NASCIMENTO UNIVERSIDADE CATÓLICA DO SALVADOR TELEPROCESSAMENTO E REDES PROF: MARCO ANTÔNIO CÂMARA ALUNO: ANDREI GALVÃO DO NASCIMENTO Introdução ao SNMP No final dos anos 70 as redes de computadores cresceram de simples

Leia mais

Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux

Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux Redes de Computadores Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Endereços e nomes Quaisquer duas estações

Leia mais

O que são DNS, SMTP e SNM

O que são DNS, SMTP e SNM O que são DNS, SMTP e SNM O DNS (Domain Name System) e um esquema de gerenciamento de nomes, hierárquico e distribuído. O DNS define a sintaxe dos nomes usados na Internet, regras para delegação de autoridade

Leia mais

Sistemas Multimédia. Arquitectura Protocolar Simples Modelo OSI TCP/IP. Francisco Maia famaia@gmail.com. Redes e Comunicações

Sistemas Multimédia. Arquitectura Protocolar Simples Modelo OSI TCP/IP. Francisco Maia famaia@gmail.com. Redes e Comunicações Sistemas Multimédia Arquitectura Protocolar Simples Modelo OSI TCP/IP Redes e Comunicações Francisco Maia famaia@gmail.com Já estudado... Motivação Breve História Conceitos Básicos Tipos de Redes Componentes

Leia mais

Curso de extensão em Administração de redes com GNU/Linux

Curso de extensão em Administração de redes com GNU/Linux Eduardo Júnior Administração de redes com GNU/Linux Curso de extensão em Administração de redes com GNU/Linux Eduardo Júnior - ihtraum@dcc.ufba.br Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento

Leia mais

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes EN-3610 Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes Ferramentas de Gerenciamento de Redes Prof. João Henrique Kleinschmidt Gerenciamento baseado na Web Web browser Acesso ubíquo Interface Web vs Gerenciamento

Leia mais

SMTP, POP, IMAP, DHCP e SNMP. Professor Leonardo Larback

SMTP, POP, IMAP, DHCP e SNMP. Professor Leonardo Larback SMTP, POP, IMAP, DHCP e SNMP Professor Leonardo Larback Protocolo SMTP O SMTP (Simple Mail Transfer Protocol) é utilizado no sistema de correio eletrônico da Internet. Utiliza o protocolo TCP na camada

Leia mais

Objetivo Geral - Apender conceitos, protocolos e técnicas na gerencia de redes

Objetivo Geral - Apender conceitos, protocolos e técnicas na gerencia de redes Aula 5 - Projeto de Lei 2126/11 (Marco Civil da Internet). Gerência de Redes de Computadores Objetivo Geral - Apender conceitos, protocolos e técnicas na gerencia de redes Objetivos Específicos - Entender

Leia mais

RMON Remote Network Monitoring

RMON Remote Network Monitoring RMON Remote Network Monitoring!"#$%&'(() $&*+, -. / /01 / 2 34 São dispositivos usados para estudar o trafego na rede como um todo, Produzem informação de sumário, incluindo estatísticas de erro, estatísticas

Leia mais

Application Notes: SNMP. Configuração do protocolo SNMP

Application Notes: SNMP. Configuração do protocolo SNMP Application Notes: SNMP Configuração do protocolo SNMP Application Notes: SNMP Configuração do protocolo SNMP. Data 10/05/2010, Revisão 1.1 Introdução Desenvolvimento Configurando o Protocolo SNMP Traps

Leia mais

Laboratório Configuração do SNMP

Laboratório Configuração do SNMP Topologia Tabela de Endereçamento Objetivos Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-Rede Gateway padrão R1 G0/1 192.168.1.1 255.255.255.0 N/A S0/0/0 192.168.2.1 255.255.255.252 N/A R2 S0/0/0 192.168.2.2

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Redes de Computadores Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Nível de Aplicação Responsável por interagir com os níveis inferiores de uma arquitetura de protocolos de forma a disponibilizar

Leia mais

Gerência de Redes de Computadores e de Telecomunicações

Gerência de Redes de Computadores e de Telecomunicações Gerência de Redes de Computadores e de Telecomunicações Profa. Elizabeth Sueli Specialski, Dra. Elizabeth Sueli Specialski graduou-se em Matemática pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do

Leia mais

Modelo OSI, TCP/IP e outros protocolos de comunicação

Modelo OSI, TCP/IP e outros protocolos de comunicação Modelo OSI, TCP/IP e outros protocolos de comunicação 43 O Modelo OSI Para que sistemas diferentes possam comunicar em rede, é necessário garantir que todos eles respeitem as mesmas regras. Para isso,

Leia mais

LABORATÓRIO IX. SNMP Parte II Autenticação e Traps Documento versão 0.1. Aluno: Paulo Henrique Moreira Gurgel #5634135

LABORATÓRIO IX. SNMP Parte II Autenticação e Traps Documento versão 0.1. Aluno: Paulo Henrique Moreira Gurgel #5634135 LABORATÓRIO IX SNMP Parte II Autenticação e Traps Documento versão 0.1 Aluno: Paulo Henrique Moreira Gurgel #5634135 Orientado pela Professora Kalinka Regina Lucas Jaquie Castelo Branco Agosto / 2010 Laboratório

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº7 Análise do tráfego na rede Protocolos TCP e UDP Objectivo Usar o Ethereal para visualizar

Leia mais

Universidade Técnica de Lisboa Instituto Superior Técnico. Guia de Laboratório de Gestão de Redes e Sistemas Dsitribuídos

Universidade Técnica de Lisboa Instituto Superior Técnico. Guia de Laboratório de Gestão de Redes e Sistemas Dsitribuídos Universidade Técnica de Lisboa Instituto Superior Técnico Guia de Laboratório de Gestão de Redes e Sistemas Dsitribuídos Teresa Maria Sá Ferreira Vazão Vasques LERCI LEIC Versão 3.0 Setembro de 2005 Conteúdo

Leia mais

GUSTAVO CARVALHO GOMES HABILITAÇÃO DE INFORMAÇÕES DE GERENCIAMENTO SNMP PARA O SISTEMA WIRELESS DA UFLA

GUSTAVO CARVALHO GOMES HABILITAÇÃO DE INFORMAÇÕES DE GERENCIAMENTO SNMP PARA O SISTEMA WIRELESS DA UFLA GUSTAVO CARVALHO GOMES HABILITAÇÃO DE INFORMAÇÕES DE GERENCIAMENTO SNMP PARA O SISTEMA WIRELESS DA UFLA Monografia de Graduação apresentada ao Departamento de Ciência da Computação da Universidade Federal

Leia mais

Arquitectura(s) de gestão IETF

Arquitectura(s) de gestão IETF Arquitectura(s) de gestão IETF As arquitecturas definidas pelo IETF para a gestão de redes assentes no protocolo IP, possuem a seguinte característica geral: simplicidade Motivações para a gestão na Internet

Leia mais

ETI/Domo. Português. www.bpt.it. ETI-Domo Config 24810180 PT 29-07-14

ETI/Domo. Português. www.bpt.it. ETI-Domo Config 24810180 PT 29-07-14 ETI/Domo 24810180 www.bpt.it PT Português ETI-Domo Config 24810180 PT 29-07-14 Configuração do PC Antes de realizar a configuração de todo o sistema, é necessário configurar o PC para que esteja pronto

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 16

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 16 REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 16 Índice 1. SISTEMA OPERACIONAL DE REDE...3 1.1 O protocolo FTP... 3 1.2 Telnet... 4 1.3 SMTP... 4 1.4 SNMP... 5 2 1. SISTEMA OPERACIONAL DE REDE O sistema

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Gerenciamento de Redes Prof. Thiago Dutra Agenda n Introdução n O que Gerenciar? n Definição n Modelo de Gerenciamento n Infraestrutura de Gerenciamento

Leia mais

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação 1 Introdução à Camada de Transporte Camada de Transporte: transporta e regula o fluxo de informações da origem até o destino, de forma confiável.

Leia mais

Redes de Computadores. 1 Questões de múltipla escolha. TE090 - Prof. Pedroso. 17 de junho de 2015

Redes de Computadores. 1 Questões de múltipla escolha. TE090 - Prof. Pedroso. 17 de junho de 2015 TE090 - Prof. Pedroso 17 de junho de 2015 1 Questões de múltipla escolha Exercício 1: Suponha que um roteador foi configurado para descobrir rotas utilizando o protocolo RIP (Routing Information Protocol),

Leia mais

Especificação do Sistema Operativo CAMES - CAixa Mágica Enterprise Server

Especificação do Sistema Operativo CAMES - CAixa Mágica Enterprise Server Especificação do Sistema Operativo CAMES - CAixa Mágica Enterprise Server Versão: 1.06 Data: 2010-11-15 SO CAMES 1 ÍNDICE A Apresentação do CAMES - CAixa Mágica Enterprise Server - Sistema Operativo de

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Princípios de Gerência de Redes Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Maio de 2011 1 / 13 Introdução Foi mostrado que uma rede de computadores consiste

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Ferramentas de gestão de rede Adriano Lhamas, Berta Batista, Jorge Pinto Leite Maio de 2007 Ferramentas de gestão de rede Necessidade O Internet Activities Board recomenda que todas as implementações IP

Leia mais

ZS Rest. Manual Avançado. Instalação em Rede. v2011

ZS Rest. Manual Avançado. Instalação em Rede. v2011 Manual Avançado Instalação em Rede v2011 1 1. Índice 2. Introdução... 2 3. Hardware... 3 b) Servidor:... 3 c) Rede:... 3 d) Pontos de Venda... 4 4. SQL Server... 5 e) Configurar porta estática:... 5 5.

Leia mais