Ficha de Trabalho Prático Nº1- Parte II Gestão de Redes Internet. Ferramentas SNMP.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ficha de Trabalho Prático Nº1- Parte II Gestão de Redes Internet. Ferramentas SNMP."

Transcrição

1 Universidade do Minho - Dep. to Informática MIECOM, 4º Ano - 2º Semestre, 2009/2010 Gestão de Redes Ficha de Trabalho Prático Nº1- Parte II Gestão de Redes Internet. Ferramentas SNMP. Objectivos: Familiarização com a arquitectura e filosofias do modelo de gestão preconizado pelo Internet-standard Network Management Framework (INMF), dando especial relevo ao Simple Network Management Protocol (SNMP) e às Management Information Bases (MIBs). Além disso, os alunos devem solidificar os conceitos inerentes aos seguintes aspectos deste framework de gestão: a. Arquitectura do sistema, i.e., quais as entidades intervenientes e qual a sua função; diferenças entre o conceito de objecto 1 de gestão e instância de objecto de gestão; b. A evolução das normas integrantes, desde a primeira versão de 1991 até ao SNMPv3; c. Structure of Management Information (SMI); d. Os mecanismos de segurança integrados. Observações: A primeira parte deste trabalho deverá ser realizada ao longo de 4-6 horas efectivas de trabalho. A segunda parte deverá ser realizada ao longo de horas efectivas de trabalho. Requisitos: Ter competências sólidas sobre o INMF. Saber utilizar a inteligência com um nível de competência mínimo. AVISOS: Não serão tolerados atropelos aos direitos de autor, à moral, ética e bons costumes do bom aluno e programador... 1 Ou variável de gestão.

2 1. O Jogo... Pretende-se que sejam criadas duas aplicações de software que funcionem independentemente uma da outra mas que estejam de acordo com um protocolo aplicacional e que utilizem o modelo administrativo, modelo de dados e modelo comunicacional segundo o INMFv2. Uma das aplicações é um agente SNMP (ou Gerador) que implementará uma MIB especial para monitorização de interfaces virtuais que geram chaves (sequências de caracteres) e outra aplicação será um manager SNMP (ou Monitor) que tentará descobrir as chaves geradas no agente no mais curto espaço de tempo possível. A MIB implementada no Gerador será identificada pelo OID.999 em baixo do ramo normalizado.experimental e incluirá os seguintes objectos de gestão: LockString (do tipo DisplayString, OID.1) Uma pequena string que identifica o programa Monitor que tem bloqueado o agente para uso privado. O valor desta string só deve ser conhecida entre o Gerador e o Monitor para qual está bloqueado. Quando o Gerador não está bloqueado o valor deverá ser igual a public. LockTime (do tipo Counter32, OID.2) O número de décimos de segundo que passaram desde que o valor do objecto LockString foi alterado de public para um outro valor privado. Quando o valor de LockString passar para public, LockTime deve ficar com o valor 0 (zero). O valor deste objecto deve ser actualizado a cada décimo de segundo. IfNumber (do tipo Integer32, OID.3) Número de interfaces virtuais implementados pelo programa Gerador. IfTable (do tipo Sequence Of IfEntry, OID.4) Tabela de interfaces virtuais, cada um a gerar continuamente uma chave (stream de caracteres). o IfEntry (OID IfTable.1) Linha/sequência de objectos assim definidos: IfIndex (do tipo InterfaceIndex, OID IfEntry.1) O índice do interface virtual dentro da tabela. IfKeyChar (do tipo DisplayString com SIZE [1], OID IfEntry.2) O caracter da chave, que num dado instante, está a ser disponibilizado para leitura num determinado interface. As chaves dos interfaces virtuais são caracterizadas indepentemente umas das outras através dos seguintes parâmetros: Índice valor do índice do interface da tabela de interfaces virtuais a que está associada a chave. Valor stream que pode ter entre 5 e 20 caracteres (cada caracter tem um valor binário entre 0 e 255). Ritmo velocidade a que os caracteres individuais da chave são disponibilizados no respectivo interface virtual; este parâmetro pode ter um dos seguintes valores (em caracteres/minuto): 600, 300, 150, 75, 50, 40, 30, 20, 10 e 5. O Gerador deve ser implementado como um agente SNMPv2c (programa servidor a correr em background) e que deve ser configurado, no mínimo, pelo utilizador através dos seguintes parâmetros (que podem ser introduzidos na linha de comando, num interface web ou num ficheiro de configuração, ou numa combinação de vários destes métodos): Porta UDP para estar à escuta dos programas Monitores. Número de interfaces da Tabela de Interfaces Virtuais a ser implementada. Parâmetros das chaves de cada interface virtual. Trabalho Prático Nº1 Parte II Gestão de Redes Internet. Ferramentas SNMP. 2

3 O Gerador deve utilizar obrigatoriamente a string public como valor inicial da community string (CS) para leitura e escrita. Assim que um Monitor bloqueia o Gerador, ambos devem passar a utilizar a string definida pelo Monitor para novo valor de LockString como nova CS de leitura e escrita e que apenas deve ser conhecida por esse Monitor e pelo Gerador. O Gerador deve criar mensagens de log (que devem ficar em ficheiro nome configurável ou devem ser enviadas para o stdout ou stderror). Cada mensagem deve ocupar uma linha de printout e deve utilizar a seguinte sintaxe: time::operation-type::operation-parameters, em que time é a data+hora do sistema local na altura em que a operação começou a ser executada, operation-type identifica o tipo de operação e operation-parameters indica os parâmetros relevantes para a operação registada. Mais em detalhe, o tipo de operação pode ser: locking quando o Gerador bloqueia o acesso a um só Monitor depois de receber um snmpset-request válido e de ter mudado o valor da variável LockString; o novo valor de LockString deve ser registdo nos operation-parameters. unlocking quando o Gerador desbloqueia o acesso para que todos os Monitores possam tentar bloquear a sua utilização; isto pode acontecer quando o Monitor que tem o bloqueio faz um snmp-set-request do valor public para LockString ou quando o Gerador conclui que deixou de haver comunicação com o Monitor que o tinha bloqueado (provavelmente através de um mecanismo de timeout); o operation-parameters deve ser igual, neste último caso, a timenout, enquanto no primeiro caso não precisa de se registar nada. snmp-out quando o Gerador recebe uma mensagem SNMP; o operation-parameters deve registar o tipo de operação SNMP recebida, a label de identificação do pedido, a identificação do emissor (IP+Porta UDP), o valor da CS, todos os OIDs e, no caso dum snmp-set-request, os valores associados. snmp-in quando o Gerador envia uma mensagem SNMP para um Monitor; o operationparameters deve registar o tipo de operação SNMP enviad, a label de identificação do pedido original, a identificação do receptor (IP+Porta UDP), o valor da CS, todos os OIDs e valores associados. discard quando o Gerador, depois de receber uma mensagem SNMP decide ignorar o pedido; o operation-parameters deve registar o tipo de operação SNMP recebida, a label de identificação do pedido e a identificação do emissor (IP+Porta UDP). change quando o Gerador actualiza qualquer valor das instâncias dos objectos da MIB implementada; em operation-parameters deve registar o OID (ou pequena string descritiva) e valor da instância do objecto modificado. error quando o Gerador quiser registar uma operação interna relevante que condiziu a um estado de erro em qualquer valor na MIB, a um erro de seguraça ou a um estado de erro na máquina de estados do protocolo aplicacional ou de comunicação. O Monitor deve utilizar um sistema de log análogo mas em que a operação do tipo change não é necessária sendo trocada por uma operação do tipo eureka que deve ser registada quando o Monitor descobre uma chave de um dos interfaces. Neste caso, operation-parameters deve registar o índice da do interface que continha a chave no Gerador e o valor da própria chave. No caso das operações locking e unlocking, o Monitor deve registar a operação apenas quando receber a mensagem snmp-response válida e correspondente ao seu pedido original para bloquear ou desbloquear o Gerador. Segue-se uma descrição sequencial do funcionamento normal dos Geradores e Monitores e respectivo mecanismo de interação. 1. O Gerador é posto em execução pelo utilizador segundo configuração específica. Os valores das instâncias dos objectos LockString, LockTime e IfNumber devem ser inicializados a public, 0 (zero) e 0 (zero), respectivamente. A CS inicial deve ser igual a public. Trabalho Prático Nº1 Parte II Gestão de Redes Internet. Ferramentas SNMP. 3

4 2. O Monitor é posto em execução por outro utilizador segundo configuração específica, incluindo identificação do Gerador a contactar. A CS inicial deve ser igual a public. 3. O Monitor deve tentar bloquear o Gerador mas só deve tentar enviar um snmp-set-request depois de confirmar que o Gerador está desbloqueado, i.e., depois de confirmar que o valor de LockString é public. 4. Assim que o Gerador receber um snmp-set-request válido deve bloquear a sua utilização a esse Monitor e passar a utilizar como CS de escrita e leitura o valor incluído no pedido (a CS public deixa de funcionar). Deve modificar o valor de LockString em conformidade, enviar a respectiva mensagem snmp-response ao Monitor em causa e iniciar o contador LockTime. O bloqueio à utilização do Gerador por outros Monitores é implícita, isto é, é conseguida pela mudança da CS. 5. Depois de confirmado o bloqueio do Gerador, o Monitor deve tentar descobrir o valor completo de todas as chaves dos interfaces virtuais do Gerador através de mecanismos de polling adequado. Sempre que descobrir a sequência completa de uma chave o Monitor deve registar uma operação de eureka e publicar o valor da chave. Quando todas as chaves estiverem descobertas o Monitor deve desbloquear o Gerador enviando uma mensagem de snmp-set-request para o Gerador com o valor de public para a variável LockString. Depois de receber a confirmação de que o valor de LockString ficou com o valor original o Monitor deve terminar a sua execução. Para tornar o sistema mais imune a ataques de DOS o Gerador deve apenas processar a mensagem SNMP mais recente em intervalos de décimo de segundo e ignorar ( discard ) todas as que forem recebidas durante esse intervalo. 2. Avaliação O trabalho irá ser avaliado nas seguintes componentes: Qualidade da estrutura e estratégia da solução de software adoptada. Qualidade da MIB definida (o relatório tem que incluir a definição da MIB com os objectos já explicados. Qualidade do Relatório. Qualidade do código e respectivos comentários. Qualidade da Apresentação/Defesa dos programas. Domínio das tecnologias necessárias à execução correcta da solução. Percepção que o Docente tem do empenho do aluno. A nota final do trabalho é o resultado da ponderação de todas estas componentes da avaliação. 3. Relatório Elabore o relatório do trabalho para ser entregue fisicamente e por . A primeira página do texto do relatório deve conter apenas, bem visível: Identificação do Grupo e dos elementos individuais (nome e número). Identificação do Trabalho/Parte em questão. Data da entrega. Trabalho Prático Nº1 Parte II Gestão de Redes Internet. Ferramentas SNMP. 4

5 O texto do relatório deve conter, no mínimo, as seguintes secções: i. Índice. ii. Introdução pequena explicação do problema e seus principais requisitos e a forma como moldaram a solução proposta. iii. Modelo proposto explicação da arquitectura da solução implementada. iv. Funcionalidades explicação das funcionalidades (incluindo os argumentos/parâmetros de execução) implementadas na solução. v. MIB experimental texto e explicação da MIB exprimental definida segundo os requisitos enunciados. vi. Interface explicação de todas as formas de interface com as aplicações. vii. Código explicação das partes/classes/funções mais relevantes do código. viii. Exemplos apresentação de exemplos de utilização das aplicações construídas. ix. Resultados e Auto-avaliação apresentação e análise dos resultados experimentais. x. Melhorias apresentação de melhorias possíveis aos programas. xi. Conclusão conclusões finais sobre a actividade de execução do trabalho e dos resultados conseguidos. 4. Bibliografia específica e material de apoio Material de apoio: Manuais do ucd-snmp e scottty. MIBs em /usr/share/snmp/mibs e /aplicacoes/mibs Recurso Recurso Recurso Bibliografia: M. Rose, The Simple Book, Second Edition, Prentice Hall, B. Dias, Gestão de Redes, PAPCC, Universidade do Minho, W. Stallings, SNMP, SNMPv2, SNMPv3, and RMON 1 and 2, Addison-Wesley, D. Mauro, K. Schmidt, Essential SNMP, O Reilly, Ver outros recursos na secção da Bibliografia na página da disciplina e no CD fornecido no início do semestre. Trabalho Prático Nº1 Parte II Gestão de Redes Internet. Ferramentas SNMP. 5

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Gestão de redes. Protocolo SNMP. Maio de 2010 1 Gestão de redes Gestão de redes refere-se neste contexto às actividades relacionadas com a manutenção do bom funcionamento de um conjunto

Leia mais

Action.NET. SNMP Manager Communication Protocol. Manual de Referência

Action.NET. SNMP Manager Communication Protocol. Manual de Referência SCLN212, Bloco D, Sala 101 Brasília DF CEP: 70.865-540 +55 61 3340-8486 contato@spinengenharia.com.br www.spinegenhria.com.br Action.NET SNMP Manager Communication Protocol Versão1.0.1 Manual de Referência

Leia mais

Lista 3 Exercícios de Gestão de Redes

Lista 3 Exercícios de Gestão de Redes 1. Quais os fatores que contribuem para o sucesso de uma operação de gerenciamento? O sucesso de uma operação de Gerenciamento depende dos seguintes fatores: O sistema de gerenciamento invocador deve ter

Leia mais

Monitorização da Rede. Simple Network Management Protocol (SNMP).

Monitorização da Rede. Simple Network Management Protocol (SNMP). Capítulo 15 Monitorização da Rede. Simple Network Management Protocol (SNMP). Uma das mais importantes tarefas de um administrador de uma rede informática é monitorizar o tráfego na rede, Detectar perdas

Leia mais

Gerenciamento de Equipamentos Usando o Protocolo SNMP

Gerenciamento de Equipamentos Usando o Protocolo SNMP Gerenciamento de Equipamentos Usando o Protocolo SNMP Diego Fraga Contessa, Everton Rafael Polina Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento - CP Eletrônica S.A. Rua da Várzea 379 - CEP 91040-600 - Porto

Leia mais

Desafios de Gerência e Segurança de Redes

Desafios de Gerência e Segurança de Redes Desafios de Gerência e Segurança de Redes Elias Procópio Duarte Jr. DInfo /UFPR Itaipu - Julho de 2003 E.P. Duarte Jr. - UFPR Roteiro Sistemas Integrados de Gerência de Redes Funcionalidade O Desafio da

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II Slide 1 Gerenciamento de Redes Gerenciamento de redes inclui o fornecimento, a integração e a coordenação de hardware, software e elementos humanos para monitorar, testar, configurar,

Leia mais

Guia de Rede. Configuração do Windows Utilizar um Servidor de Impressão Monitorizar e Configurar a Impressora Apêndice

Guia de Rede. Configuração do Windows Utilizar um Servidor de Impressão Monitorizar e Configurar a Impressora Apêndice Guia de Rede 1 2 3 4 Configuração do Windows Utilizar um Servidor de Impressão Monitorizar e Configurar a Impressora Apêndice Leia este manual cuidadosamente antes de utilizar o equipamento e mantenha-o

Leia mais

Gerência de Redes de Computadores - SNMPv1 & SNMPv2c

Gerência de Redes de Computadores - SNMPv1 & SNMPv2c Gerência de Redes de Computadores - SNMPv1 & SNMPv2c Prof.: Helcio Wagner / Iguatemi Eduardo Agosto de 2009. p.1/50 Gerência Internet = Introdução Nos primórdios da Internet, as únicas ferramentas utilizadas

Leia mais

The Simple Network Management Protocol, version 1

The Simple Network Management Protocol, version 1 SNMPv1 The Simple Network Management Protocol, version 1, 2007 1 O Protocolo A versão original do SNMP derivou do Simple Gateway Monitoring Protocol (SGMP) em 1988 RFC1157, STD0015 A Simple Network Management

Leia mais

Registo de resultados 1:

Registo de resultados 1: Licenciaturas em Informática e Gestão de Empresas, Engenharia de Telecomunicações e Informática e Engenharia Informática Redes Digitais III Relatório do 1º Guião Laboratorial para avaliação: Gestão de

Leia mais

MIB (Management Information Base) Objetos Gerenciados Um objeto gerenciado é a visão abstrata.

MIB (Management Information Base) Objetos Gerenciados Um objeto gerenciado é a visão abstrata. MIB (Management Information Base) Objetos Gerenciados Um objeto gerenciado é a visão abstrata. A MIB é o conjunto dos objetos gerenciados. Basicamente são definidos três tipos de MIBs: MIB II, MIB experimental

Leia mais

Gerência e Segurança de Redes

Gerência e Segurança de Redes Gerência e Segurança de Redes Modelos filipe.raulino@ifrn.edu.br SNMP e CMIP SNMP x CMIP O ambiente de gerenciamento OSI é composto por gerentes, agentes e objetos gerenciados. Um gerente transmite operações

Leia mais

INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES

INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES 1 INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES Parte 7 Introdução à Gerência de Redes Prof. Pedro S. Nicolletti (Peter), 2013 Resumo 2 Conceitos Básicos de SNMP Introdução Arquitetura MIB Segurança SNMPv1, SNMPv2

Leia mais

INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES

INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES 1 Resumo 2 INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES Parte 7 Introdução à Gerência de Redes Introdução Segurança SNMPv1, SNMPv2 Segurança SNMPv3 Prof. Pedro S. Nicolletti (Peter), 2013 Introdução 3 4 Com o

Leia mais

Um sistema SMS 1 simplificado

Um sistema SMS 1 simplificado 1 Introdução Um sistema SMS 1 simplificado Projecto de Redes de Computadores I - 2007/2008 LEIC IST, Tagus Park 10 de Setembro de 2007 Pretende-se com este projecto que os alunos implementem um sistema

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Princípios de Gerência de Redes Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Maio de 2011 1 / 13 Introdução Foi mostrado que uma rede de computadores consiste

Leia mais

Este manual utiliza duas unidades de medição. Este equipamento utiliza a versão métrica.

Este manual utiliza duas unidades de medição. Este equipamento utiliza a versão métrica. Guia de Rede Para uma utilização segura e correcta, certifique-se de que lê as Informações de Segurança em "Referência de Cópia" antes de utilizar o equipamento. Introdução Este manual contém instruções

Leia mais

Manual do GesFiliais

Manual do GesFiliais Manual do GesFiliais Introdução... 3 Arquitectura e Interligação dos elementos do sistema... 4 Configuração do GesPOS Back-Office... 7 Utilização do GesFiliais... 12 Outros modos de utilização do GesFiliais...

Leia mais

Laboratório Configuração do SNMP

Laboratório Configuração do SNMP Topologia Tabela de Endereçamento Objetivos Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-Rede Gateway padrão R1 G0/1 192.168.1.1 255.255.255.0 N/A S0/0/0 192.168.2.1 255.255.255.252 N/A R2 S0/0/0 192.168.2.2

Leia mais

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia UNISUL 2013 / 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Engenharia Elétrica - Telemática 1 Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia Aula 4 Ferramentas de Gerência de Redes Sistema de Gerência

Leia mais

Curso de extensão em Administração de redes com GNU/Linux

Curso de extensão em Administração de redes com GNU/Linux Eduardo Júnior Administração de redes com GNU/Linux Curso de extensão em Administração de redes com GNU/Linux Eduardo Júnior - ihtraum@dcc.ufba.br Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento

Leia mais

Introdução PROGRAMA A. FUNDAMENTOS & ARQUITECTURAS DE GESTÃO Apresentação da motivação para a normalização. Principais arquitecturas normalizadas

Introdução PROGRAMA A. FUNDAMENTOS & ARQUITECTURAS DE GESTÃO Apresentação da motivação para a normalização. Principais arquitecturas normalizadas Introdução PROGRAMA A. DE GESTÃO Apresentação da motivação para a normalização. Principais arquitecturas normalizadas pela OSI, IETF e DMTF. B. TECNOLOGIAS & MECANISMOS AVANÇADOS Apresentação do estado

Leia mais

Departamento de Sistemas e Informática. Licenciatura em Engenharia Informática Industrial EDP

Departamento de Sistemas e Informática. Licenciatura em Engenharia Informática Industrial EDP Departamento de Sistemas e Informática Licenciatura em Engenharia Informática Industrial Projecto ARC Ano Lectivo de 2006/2007 EDP Processamento das Leituras dos Contadores de Electricidade dos Consumidores

Leia mais

MANUAL DO UTILIZADOR DE REDE

MANUAL DO UTILIZADOR DE REDE MANUAL DO UTILIZADOR DE REDE Guardar o registo de impressão na rede Versão 0 POR Definições de notas Ao longo do Manual do utilizador, é utilizado o seguinte ícone: Notas sobre como enfrentar situações

Leia mais

Universidade Católica do Salvador CURSO DE BACHARELADO EM INFORMÁTICA

Universidade Católica do Salvador CURSO DE BACHARELADO EM INFORMÁTICA Universidade Católica do Salvador CURSO DE BACHARELADO EM INFORMÁTICA O Protocolo SNMP Por Lécia de Souza Oliveira Índice Página 2... O que é SNMP? Histórico Página 3 e 4... Estrutura Geral do Sistema

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. Capítulo 9. Gerenciamento de rede 9-3. 2005 by Pearson Education

Redes de computadores e a Internet. Capítulo 9. Gerenciamento de rede 9-3. 2005 by Pearson Education Redes de computadores e a Internet Capítulo 9 Gerenciamento de rede 9-3 Gerenciamento de rede Objetivos do capítulo: Introdução ao gerenciamento de redes Motivação Componentes principais Ambiente de gerenciamento

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores SNMP Simple Network Management Protocol 1 Histórico No final dos anos 70 não haviam protocolos de gerenciamento. A única ferramenta efetivamente usada para gerenciamento foi o Internet

Leia mais

Universidade Técnica de Lisboa Instituto Superior Técnico. Guia de Laboratório de Gestão de Redes e Sistemas Dsitribuídos

Universidade Técnica de Lisboa Instituto Superior Técnico. Guia de Laboratório de Gestão de Redes e Sistemas Dsitribuídos Universidade Técnica de Lisboa Instituto Superior Técnico Guia de Laboratório de Gestão de Redes e Sistemas Dsitribuídos Teresa Maria Sá Ferreira Vazão Vasques LERCI LEIC Versão 3.0 Setembro de 2005 Conteúdo

Leia mais

Especificação Técnica ACSS

Especificação Técnica ACSS Especificação Técnica ACSS ET.ACSS.011-2011 Serviço de Registo de Requisições de MCDT Interface para recepção de requisições electrónicas ICS DESCRITORES Sistema de recepção de requisições de meios complementares

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº7 Análise do tráfego na rede Protocolos TCP e UDP Objectivo Usar o Ethereal para visualizar

Leia mais

Anderson Alves de Albuquerque

Anderson Alves de Albuquerque SNMP (Simple Network Management Protocol) Anderson Alves de Albuquerque 1 Introdução: O que é SNMP (Basicamente): Através de variáveis ou estruturas certos acontecimentos podem ser contabilizados (contados).

Leia mais

Enunciado de apresentação do projecto

Enunciado de apresentação do projecto Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2 o Semestre de 2009/2010 Enunciado de apresentação do projecto FEARSe Índice 1 Introdução... 2 2 Cenário de Enquadramento... 2 2.1 Requisitos funcionais...

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Rede de Computadores II Slide 1 SNMPv1 Limitações do SNMPv1 Aspectos que envolvem segurança Ineficiência na recuperação de tabelas Restrito as redes IP Problemas com SMI (Structure Management Information)

Leia mais

GESTÃO Falhas Contabilidade Configuração Desempenho Segurança. FALHAS Determinar a falha Isolar a falha da rede Reconfigurar a rede Corrigir a falha

GESTÃO Falhas Contabilidade Configuração Desempenho Segurança. FALHAS Determinar a falha Isolar a falha da rede Reconfigurar a rede Corrigir a falha SCENÁRIO Recursos Controlo de custos Protocolos diversos Exigência dos utilizadores Diversidade de aplicações Controlo de acesso a aplicações e bases de dados Aumento qualitativo e quantitativo da area

Leia mais

SMTP, POP, IMAP, DHCP e SNMP. Professor Leonardo Larback

SMTP, POP, IMAP, DHCP e SNMP. Professor Leonardo Larback SMTP, POP, IMAP, DHCP e SNMP Professor Leonardo Larback Protocolo SMTP O SMTP (Simple Mail Transfer Protocol) é utilizado no sistema de correio eletrônico da Internet. Utiliza o protocolo TCP na camada

Leia mais

Capítulo 9. Gerenciamento de rede

Capítulo 9. Gerenciamento de rede 1 Capítulo 9 Gerenciamento de rede 2 Redes de computadores I Prof.: Leandro Soares de Sousa E-mail: leandro.uff.puro@gmail.com Site: http://www.ic.uff.br/~lsousa Não deixem a matéria acumular!!! Datas

Leia mais

Gerência de Redes. Arquitetura de Gerenciamento. filipe.raulino@ifrn.edu.br

Gerência de Redes. Arquitetura de Gerenciamento. filipe.raulino@ifrn.edu.br Gerência de Redes Arquitetura de Gerenciamento filipe.raulino@ifrn.edu.br Sistema de Gerência Conjunto de ferramentas integradas para o monitoramento e controle. Possui uma interface única e que traz informações

Leia mais

GUIÃO DE Protocolos em Redes de Dados. Ficha de Laboratório nº 1

GUIÃO DE Protocolos em Redes de Dados. Ficha de Laboratório nº 1 GUIÃO DE Protocolos em Redes de Dados Ficha de Laboratório nº 1 Bruno Simões, Paulo Sousa, Fernando Vicente, Nuno Neves, Luís Rodrigues e Hugo Miranda DI-FCUL GU PRD 02 1 Março 2002 Departamento de Informática

Leia mais

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015)

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Protocolo HTTP. Gestão de redes. Protocolo SNMP. 1 Transferência de Ficheiros em Rede Com o surgimento dos documentos de hiper texto em rede, o protocolo mais usado

Leia mais

Inteligência de Gestão de Redes e Serviços (2011/12)

Inteligência de Gestão de Redes e Serviços (2011/12) Departamento de Ciências e Tecnologias da Informação Inteligência de Gestão de Redes e Serviços (2011/12) Laboratório 1 (versão 3.0): Criação de serviços usando Parlay/OSA Notas prévias à realização do

Leia mais

Network Management. Joao.Neves@fe.up.pt. João Neves, 2009

Network Management. Joao.Neves@fe.up.pt. João Neves, 2009 Network Management Joao Neves Digitally signed by Joao Neves DN: cn=joao Neves, o=feup, ou=deec, email=joao.neves@fe. up.pt, c=pt Date: 2009.12.16 00:12:07 Z G tã de Gestão d R Redes d Joao.Neves@fe.up.pt

Leia mais

Administração de Redes I (LI) Ano, Semestre: 2, 1

Administração de Redes I (LI) Ano, Semestre: 2, 1 Administração de Redes I (LI) Ano, Semestre: 2, 1 Pedro M. M. Marques pedromarques.eng@gmail.com 1 OBJECTIVOS Compreender a importância da manutenção na conservação do bom estado de uma rede de comunicação;

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Gerenciamento de Redes Prof. Thiago Dutra Agenda n Introdução n O que Gerenciar? n Definição n Modelo de Gerenciamento n Infraestrutura de Gerenciamento

Leia mais

3. O protocolo SNMP 1

3. O protocolo SNMP 1 3. O protocolo SNMP 1 Veicula informações de gerência transporte de valores das MIBs Interações sem conexão Mensagens em UDP/IP portas 161 e 162 pacotes de tamanho variável Mensagens auto-contidas formato

Leia mais

Cap. 02 Modelo de Informação

Cap. 02 Modelo de Informação Cap. 02 Modelo de Informação 2.1 Padrões de Gerência de Redes 2.2 Arquitetura da Solucão SNMP 2.3 Objetos, Instâncias e MIBs 2.4 MIB-2 2.5 Structure of Management Information (SMI v1) 2.6 SMI V2 Luís F.

Leia mais

Programação 2ºSemestre MEEC - 2010/2011. Programação 2º Semestre 2010/2011 Enunciado do projecto

Programação 2ºSemestre MEEC - 2010/2011. Programação 2º Semestre 2010/2011 Enunciado do projecto Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Programação 2º Semestre 2010/2011 Enunciado do projecto O projecto a desenvolver pelos alunos consistirá numa sistema de monitorização,

Leia mais

Apresentação de SISTEMAS OPERATIVOS

Apresentação de SISTEMAS OPERATIVOS Apresentação de SISTEMAS OPERATIVOS Curso Profissional de Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos MÓDULO V Configuração Avançada de Sistemas Operativos Servidores Duração: 42 tempos Conteúdos

Leia mais

Grupo I [6,6v] Responda com os valores que se observam depois da chamada acontecer. 1 Falta na mensagem de resposta. Valor retornado na chamada

Grupo I [6,6v] Responda com os valores que se observam depois da chamada acontecer. 1 Falta na mensagem de resposta. Valor retornado na chamada Número: Nome: Pági 1 de 6 LEIC/LETI 2013/14, Repescagem do 1º Teste de Sistemas Distribuídos, 1/7/14 Responda no enunciado, apes no espaço fornecido. Identifique todas as folhas. Duração: 1h30m Grupo I

Leia mais

1. Contratos de aluguer automóvel

1. Contratos de aluguer automóvel 1. Contratos de aluguer automóvel Pretende-se desenvolver um Sistema Informático para apoio à gestão de Contratos de Aluguer automóvel de Longa-duração (SICAL) que permita efectuar, cancelar e modificar

Leia mais

3 ao Quadrado - Agenda Web

3 ao Quadrado - Agenda Web 3 ao Quadrado - Agenda Web Relatório de Gestão de Projectos de Software - Grupo A - LEIC 2001/2002 http://gnomo.fe.up.pt/gps01a João Montenegro - ei97023@fe.up.pt André Teixeira - ei97024@fe.up.pt Carlos

Leia mais

Sincronização. Tempo e Relógios. Sincronização de Relógios - Algoritmo de Cristian - Algoritmo de Berkeley - Network Time Protocol

Sincronização. Tempo e Relógios. Sincronização de Relógios - Algoritmo de Cristian - Algoritmo de Berkeley - Network Time Protocol Sincronização Tempo e Relógios Sincronização de Relógios - Algoritmo de Cristian - Algoritmo de Berkeley - Network Time Protocol 1 O papel do tempo Crucial na ordenação de eventos Tempo Real? - Função

Leia mais

Arquitecturas Tolerantes a faltas em Sistemas Distribuídos

Arquitecturas Tolerantes a faltas em Sistemas Distribuídos Arquitecturas Tolerantes a faltas em Sistemas Distribuídos Replicação de Servidores Transacções Atómicas Protocolos de Replicação Replicação passiva vs. activa Replicação de máquinas de estados vs. Replicação

Leia mais

REDES INTEGRADAS DE TELECOMUNICAÇÕES II 2005 / 2006

REDES INTEGRADAS DE TELECOMUNICAÇÕES II 2005 / 2006 UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Faculdade de Ciências e Tecnologia Departamento de Engenharia Electrotécnica REDES INTEGRADAS DE TELECOMUNICAÇÕES II 2005 / 2006 Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e

Leia mais

Informação Útil Já disponível o SP1 do Exchange Server 2003

Informação Útil Já disponível o SP1 do Exchange Server 2003 Novidades 4 Conheça as principais novidades do Internet Security & Acceleration Server 2004 Membro do Microsoft Windows Server System, o ISA Server 2004 é uma solução segura, fácil de utilizar e eficiente

Leia mais

Objetivo Geral - Apender conceitos, protocolos e técnicas na gerencia de redes

Objetivo Geral - Apender conceitos, protocolos e técnicas na gerencia de redes Aula 5 - Projeto de Lei 2126/11 (Marco Civil da Internet). Gerência de Redes de Computadores Objetivo Geral - Apender conceitos, protocolos e técnicas na gerencia de redes Objetivos Específicos - Entender

Leia mais

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015)

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Desenvolvimento de aplicações de rede UDP e TCP 1 Protocolo UDP ( User Datagram Protocol ) Tal como o nome indica, trata-se de um serviço de datagramas, ou seja

Leia mais

GereComSaber. Desenvolvimento de Sistemas de Software. Universidade do Minho Conselho de Cursos de Engenharia Licenciatura em Engenharia Informática

GereComSaber. Desenvolvimento de Sistemas de Software. Universidade do Minho Conselho de Cursos de Engenharia Licenciatura em Engenharia Informática Universidade do Minho Conselho de Cursos de Engenharia Licenciatura em Engenharia Informática Desenvolvimento de Sistemas de Software Ano Lectivo de 2009/10 GereComSaber Ana Duarte, André Guedes, Eduardo

Leia mais

Protocolos em Redes de Dados

Protocolos em Redes de Dados GUIÃO DE Protocolos em Redes de Dados Fichas de laboratório: OSPF Hugo Miranda e Luís Rodrigues DI-FCUL GU PRD 02 2 Março 2002 Departamento de Informática Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa

Leia mais

Módulo 3936 ASP.NET. Financiado pelo FSE

Módulo 3936 ASP.NET. Financiado pelo FSE EISnt Centro de Formação Profissional, Engenharia Informática e Sistemas, Novas Tecnologias, Lda Avª D. João I, nº 380/384 Soutelo 4435-208 Rio Tinto Portal Internet : www.eisnt.com E-Mail : formação@eisnt.com

Leia mais

Cap. 02 Modelo de Informação

Cap. 02 Modelo de Informação Cap. 02 Modelo de Informação 2.1 Padrões de Gerência de Redes 2.2 Arquitetura da Solucão SNMP 2.3 Objetos, Instâncias e MIBs 2.4 MIB-2 2.5 Structure of Management Information (SMI v1) 2.6 SMI V2 Luís F.

Leia mais

Capítulo 9 Gerenciamento de rede

Capítulo 9 Gerenciamento de rede Capítulo 9 Gerenciamento de rede Nota sobre o uso destes slides ppt: Estamos disponibilizando estes slides gratuitamente a todos (professores, alunos, leitores). Eles estão em formato do PowerPoint para

Leia mais

Instituto Superior Politécnico Gaya Escola Superior de Ciência e Tecnologia

Instituto Superior Politécnico Gaya Escola Superior de Ciência e Tecnologia Instituto Superior Politécnico Gaya Escola Superior de Ciência e Tecnologia Engenharia Informática Redes e Computadores 2006/2007 Levantamento e Inventariação de Rede Privada Rafael Esteves Alves Forno

Leia mais

Protocolos de gerenciamento

Protocolos de gerenciamento Protocolos de gerenciamento Os protocolos de gerenciamento têm a função de garantir a comunicação entre os recursos de redes homogêneas ou não. Com esse requisito satisfeito, operações de gerenciamento

Leia mais

Gerenciamento da rede ATM. Prof. José Marcos C. Brito

Gerenciamento da rede ATM. Prof. José Marcos C. Brito Gerenciamento da rede ATM Prof. José Marcos C. Brito 1 Princípios Gerais O SNMP (Simple Network Management Protocol) é o protocolo mais utilizado. Se o dispositivo ATM é gerenciado de uma estação de gerenciamento

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Instituto de Ciências Exatas Departamento de Ciência da Computação Lista de exercícios Gerência de Redes,Turma A, 01/2010 Marcelo Vale Asari 06/90708 Thiago Melo Stuckert do Amaral

Leia mais

A Camada de Transporte

A Camada de Transporte A Camada de Transporte Romildo Martins Bezerra CEFET/BA s de Computadores II Funções da Camada de Transporte... 2 Controle de conexão... 2 Fragmentação... 2 Endereçamento... 2 Confiabilidade... 2 TCP (Transmission

Leia mais

Revisão Gerenciar consiste em supervisionar e controlar seu funcionamento para que ele satisfaça aos requisitos tanto dos seus usuários quanto dos

Revisão Gerenciar consiste em supervisionar e controlar seu funcionamento para que ele satisfaça aos requisitos tanto dos seus usuários quanto dos Revisão Gerenciar consiste em supervisionar e controlar seu funcionamento para que ele satisfaça aos requisitos tanto dos seus usuários quanto dos seu proprietários. A sua rede deve está rigorosamente

Leia mais

Enunciados dos Trabalhos de Laboratório. Instituto Superior Técnico - 2005/2006. 1 Introdução. 2 Configuração de Redes

Enunciados dos Trabalhos de Laboratório. Instituto Superior Técnico - 2005/2006. 1 Introdução. 2 Configuração de Redes Enunciados dos Trabalhos de Laboratório Instituto Superior Técnico - 2005/2006 1 Introdução A empresa XPTO vende serviços de telecomunicações. O seu portfólio de serviço inclui: acesso à Internet; serviço

Leia mais

LABORATÓRIO VIII. Introdução ao SNMP e Logging pt. I Documento versão 0.1. Aluno: Paulo Henrique Moreira Gurgel #5634135

LABORATÓRIO VIII. Introdução ao SNMP e Logging pt. I Documento versão 0.1. Aluno: Paulo Henrique Moreira Gurgel #5634135 LABORATÓRIO VIII Introdução ao SNMP e Logging pt. I Documento versão 0.1 Aluno: Paulo Henrique Moreira Gurgel #5634135 Orientado pela Professora Kalinka Regina Lucas Jaquie Castelo Branco Agosto / 2010

Leia mais

CONTROLE DE REDE. Prof. José Augusto Suruagy Monteiro

CONTROLE DE REDE. Prof. José Augusto Suruagy Monteiro CONTROLE DE REDE Prof. José Augusto Suruagy Monteiro 2 Capítulo 3 de William Stallings. SNMP, SNMPv2, SNMPv3, and RMON 1 and 2, 3rd. Edition. Addison-Wesley, 1999. Baseado em slides do Prof. Chu-Sing Yang

Leia mais

Especificações de oferta Monitorização da infra-estrutura remota

Especificações de oferta Monitorização da infra-estrutura remota Descrição dos serviços Especificações de oferta Monitorização da infra-estrutura remota Este serviço oferece serviços de Monitorização da infra-estrutura remota Dell (RIM, o Serviço ou Serviços ) conforme

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES 09/2013 Cap.3 Protocolo TCP e a Camada de Transporte 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica. Os professores

Leia mais

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO. Licenciatura em Engenharia Informática e Computadores Alameda e Taguspark

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO. Licenciatura em Engenharia Informática e Computadores Alameda e Taguspark UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Licenciatura em Engenharia Informática e Computadores Alameda e Taguspark Sistemas Distribuídos e Engenharia de Software Projecto de 2010/2011

Leia mais

Conceptronic C100BRS4H Guia de Instalação Rápida. Parabéns pela compra do seu Router de Banda Larga com 4 portas da Conceptronic.

Conceptronic C100BRS4H Guia de Instalação Rápida. Parabéns pela compra do seu Router de Banda Larga com 4 portas da Conceptronic. Conceptronic C100BRS4H Guia de Instalação Rápida Parabéns pela compra do seu Router de Banda Larga com 4 portas da Conceptronic. O seguinte Guia de Instalação de Hardware explica-lhe passo-a-passo como

Leia mais

Software da Impressora

Software da Impressora Software da Impressora Acerca do Software da Impressora O software Epson inclui o controlador de impressão e o EPSON Status Monitor 3. O controlador de impressão é um software que permite controlar a impressora

Leia mais

Programação III / Estruturas de Dados. Enunciado do Trabalho Prático

Programação III / Estruturas de Dados. Enunciado do Trabalho Prático Programação III / Estruturas de Dados Enunciado do Trabalho Prático 1. Objectivo Pretende-se implementar uma base de dados que sirva para ajudar uma agência de viagens a planear as viagens a realizar pelos

Leia mais

Departamento de Engenharia Informática Engenharia de Software, Sistemas Distribuídos. Requisitos para a 3ª entrega do projecto.

Departamento de Engenharia Informática Engenharia de Software, Sistemas Distribuídos. Requisitos para a 3ª entrega do projecto. Departamento de Engenharia Informática Engenharia de Software, Sistemas Distribuídos Requisitos para a 3ª entrega do projecto Loja Virtual 5 de Maio de 2008 Índice Índice...2 1 Sumário...3 2 Requisitos...3

Leia mais

REDES INTEGRADAS DE TELECOMUNICAÇÕES II 2010 / 2011

REDES INTEGRADAS DE TELECOMUNICAÇÕES II 2010 / 2011 Departamento de Engenharia Electrotécnica REDES INTEGRADAS DE TELECOMUNICAÇÕES II 2010 / 2011 Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores 4º ano 8º semestre 2º Trabalho prático: Dominó

Leia mais

Gerência de Redes Apresentação da Disciplina

Gerência de Redes Apresentação da Disciplina Gerência de Redes Apresentação da Disciplina Cássio D. B. Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br cassio.orgfree.com Objetivos Apresentação dos principais conceitos relacionados a gerência de redes de computadores.

Leia mais

Guia de Instalação do "Google Cloud Print"

Guia de Instalação do Google Cloud Print Guia de Instalação do "Google Cloud Print" Versão A POR Definições de notas Ao longo deste manual do utilizador, é utilizado o estilo de nota seguinte: As Notas indicam o que fazer se ocorrerem determinadas

Leia mais

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2 o Semestre de 2007/2008 Requisitos para a 1 a entrega Loja Virtual 1 Introdução O enunciado base do projecto conjunto das disciplinas de Engenharia de Software

Leia mais

Licenciatura em Eng.ª Informática Complementos de Redes - 3º Ano - 2º Semestre. Trabalho Nº 4 - VoIP

Licenciatura em Eng.ª Informática Complementos de Redes - 3º Ano - 2º Semestre. Trabalho Nº 4 - VoIP Trabalho Nº 4 - VoIP 1. Introdução A utilização de tecnologia VoIP como alternativa às redes telefónicas tradicionais está a ganhar cada vez mais a aceitação junto dos utilizadores, e está sobretudo em

Leia mais

Ataque Distribuído de Negação de Serviço por Reflexão Amplificada usando Simple Network Management Protocol

Ataque Distribuído de Negação de Serviço por Reflexão Amplificada usando Simple Network Management Protocol Ataque Distribuído de Negação de Serviço por Reflexão Amplificada usando Simple Network Management Protocol Tiago Fonseca João Gondim Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília Agenda

Leia mais

Base de dados I. Uma base de dados é um simples repositório de informação relacionado com um determinado assunto ou finalidade

Base de dados I. Uma base de dados é um simples repositório de informação relacionado com um determinado assunto ou finalidade Base de dados I O que é? Uma base de dados é um simples repositório de informação relacionado com um determinado assunto ou finalidade Para que serve? Serve para gerir vastos conjuntos de informação de

Leia mais

Copyright 2008 GrupoPIE Portugal, S.A.

Copyright 2008 GrupoPIE Portugal, S.A. WinREST Sensor Log A Restauração do Séc. XXI WinREST Sensor Log Copyright 2008 GrupoPIE Portugal, S.A. 2 WinREST Sensor Log Índice Índice Pag. 1. WinREST Sensor Log...5 1.1. Instalação (aplicação ou serviço)...6

Leia mais

COLIBRI Ambiente Colaborativo Multimédia MÓDULO MOODLE. Rui Ribeiro colibri@fccn.pt. FCCN - Dezembro 2010

COLIBRI Ambiente Colaborativo Multimédia MÓDULO MOODLE. Rui Ribeiro colibri@fccn.pt. FCCN - Dezembro 2010 COLIBRI Ambiente Colaborativo Multimédia MÓDULO MOODLE FCCN - Dezembro 2010 Rui Ribeiro colibri@fccn.pt Módulo COLIBRI Concebido por: José Coelho Universidade Aberta Apoiado por: Rui Ribeiro FCCN Vitor

Leia mais

Sistemas Informáticos

Sistemas Informáticos Sistemas Informáticos Sistemas Distribuídos Eng.ª Sistemas de Informação Escola Superior de Tecnologia e Gestão - IPVC Ano Lectivo 2005-2006 1.º Semestre Gestão de Nomes 1 - Objectivos - Os nomes são fundamentais

Leia mais

Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos

Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos Setembro 2006 Arquitecturas de Gestão Arquitectura de Gestão SNMPv1 (Parte II) Sumário???? Módulo II: Arquitecturas de Gestão Conceito de arquitectura de Gestão

Leia mais

Guião para as ferramentas etwinning

Guião para as ferramentas etwinning Guião para as ferramentas etwinning Registo em etwinning Primeiro passo: Dados de quem regista Segundo passo: Preferências de geminação Terceiro passo: Dados da escola Quarto passo: Perfil da escola Ferramenta

Leia mais

3. O protocolo SNMP. Managed system. Management system. resources. management application. MIB objects. SNMP manager UDP IP. IP link.

3. O protocolo SNMP. Managed system. Management system. resources. management application. MIB objects. SNMP manager UDP IP. IP link. 3. O protocolo SNMP Veicula informações de gerência transporte de valores das MIBs Interações sem conexão Mensagens em UDP/IP portas e 162 pacotes de tamanho variável Mensagens auto-contidas formato Type

Leia mais

Serviço de instalação e arranque da solução de armazenamento de rede HP StoreEasy 5000

Serviço de instalação e arranque da solução de armazenamento de rede HP StoreEasy 5000 Serviço de instalação e arranque da solução de armazenamento de rede HP StoreEasy 5000 Serviços HP Dados técnicos O Serviço de instalação e arranque da solução de armazenamento de rede HP StoreEasy 5000

Leia mais

ARQUITETURAS DE GERENCIAMENTO. Baseado em slides gentilmente cedidos pelo Prof. João Henrique Kleinschmidt da UFABC.

ARQUITETURAS DE GERENCIAMENTO. Baseado em slides gentilmente cedidos pelo Prof. João Henrique Kleinschmidt da UFABC. ARQUITETURAS DE GERENCIAMENTO Baseado em slides gentilmente cedidos pelo Prof. João Henrique Kleinschmidt da UFABC. Introdução 2 A gerência de redes é decomposta nas tarefas de monitoração e controle das

Leia mais

Seu manual do usuário NOKIA 6630 http://pt.yourpdfguides.com/dref/381534

Seu manual do usuário NOKIA 6630 http://pt.yourpdfguides.com/dref/381534 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas sobre a no manual do usuário (informação,

Leia mais

Módulo 3936 ASP.NET. Financiado pelo FSE

Módulo 3936 ASP.NET. Financiado pelo FSE 2 EISnt Centro de Formação Profissional, Engenharia Informática e Sistemas, Novas Tecnologias, Lda Avª D. João I, nº 380/384 Soutelo 4435-208 Rio Tinto Portal Internet : www.eisnt.com E-Mail : formação@eisnt.com

Leia mais

Enunciado do Projecto

Enunciado do Projecto C O M P U T A Ç Ã O M Ó V E L 2 0 0 7 / 2 0 0 8 Enunciado do Projecto 17 de Março de 2008 1. Objectivos Desenvolver uma aplicação num domínio aplicacional específico que envolva replicação e sincronização

Leia mais

Gestão de Redes LAN/WAN com OpenView NNM

Gestão de Redes LAN/WAN com OpenView NNM Gestão de Redes LAN/WAN com OpenView NNM Relatório de Estágio Dinis Alexandre M. Félix Real Seguros SA. Orientador: Prof. Raul Oliveira Julho 2005 De forma a garantir a salvaguarda dos interesses da empresa,

Leia mais

Prova Escrita de Aplicações Informáticas B

Prova Escrita de Aplicações Informáticas B EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Aplicações Informáticas B 12.º Ano de Escolaridade Prova 703/1.ª Fase 11 Páginas Duração da Prova: 120 minutos.

Leia mais

FIG I. Para configurar o MULTICENTRAL para ligação a várias centrais temos que ( ver FIG I ):

FIG I. Para configurar o MULTICENTRAL para ligação a várias centrais temos que ( ver FIG I ): CS. M ARKETING Janeiro 2012 PG 1 O MULTICENTRAL é uma versão do que permite em um único software receber registos de chamadas de várias centrais. Numa versão multicentral podemos criar várias centrais

Leia mais

Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW. Free Powerpoint Templates Page 1

Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW. Free Powerpoint Templates Page 1 Segurança na Web Capítulo 6: Firewall Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW Page 1 Introdução Qual a função básica de um firewall? Page 2 Introdução Qual a função básica de um firewall? Bloquear

Leia mais