Gerência de Redes de Computadores

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gerência de Redes de Computadores"

Transcrição

1 Gerência de Redes de Computadores 04 - Remote Monitoring SNMP e MIBs em agentes só permitem analisar valores isolados (nos agentes) Como medir o tráfego em um segmento de rede? tráfego = 137 kbps tráfego = 55 kbps tráfego =? 1 2 Ouvem a rede continuamente Podem ouvir várias redes Não interferem nas redes monitoradas Todos os pacotes são ouvidos Podem ser aplicadas filtragens tipo de pacote, protocolo, origem, destino,... Produção de dados estatísticos distribuição por tipo de pacote percentual de colisões taxas de transferência Armazenagem de pacotes para análise monitor 3 4

2 Um monitor para cada sub-rede Monitores devem ser acessíveis pelo gerente monitores gerente router Definir a informação a armazenar significado dos dados tipos dos dados estrutura geral da informação Definir formas de acesso leitura/escrita configuração relatar eventos Implementar como um dispositivo dedicado como serviço adicionado a um elemento da rede 5 6 RMON: Remote Monitoring Norma para monitores de redes Define uma (imensa) MIB Dados são acessados via SNMP Efetua a monitoração contínua de redes Versões: RMON v1: monitoração MAC (ethernet, token ring,...) RMON v2: monitora camadas mais elevadas Operação off-line autônoma (independe do gerente) diminui o tráfego de rede Monitoração proativa diagnósticos contínuos monitoração de desempenho pode gerar alarmes enviados ao gerente Monitor: agente RMON ou sonda RMON 7 8

3 Informações de valor agregado dados estatísticos informações históricas Acesso por múltiplos gerentes diferentes objetivos de gerência tolerância a falhas Compatibilidade com padrões informação na forma de MIBs acesso via protocolo SNMP Monitor é acessado remotamente para configuração geral invocação de ações Configuração indicar tipo e forma dos dados a coletar manipulação de tabelas de controle Ações: leitura e escrita de valores invocação de value triggered commands 9 10 Composta de 19 grupos Cada grupo consiste de uma ou mais tabelas de dados (read-only) uma ou mais tabelas de controle (read-write) Tabelas de dados valores coletados da rede e processados Tabelas de controle indicam que dados devem ser coletados cada linha representa uma função de coleta Podem ser fundidas em uma só tabela 11 12

4 Vários gerentes podem acessar uma sonda acessos concorrentes podem saturar a sonda um gerente pode monopolizar a sonda Para o controle de múltiplos gerentes cada linha da tabela de controle possui um owner propriedade: IP do gerente, localização, telefone, etc. informação de propriedade não limita o acesso o monitor pode ser proprietário de algumas linhas Complexo e pouco claro (Stallings 96!) Inserção e remoção de linhas nas tabelas de controle Cada linha de tabela de controle possui OwnerString: o proprietário da linha de controle EntryStatus: situação daquela linha: valid create request under creation invalid Demais informações xyzcontroltable xyzcontrolindex xyzcontrolparameter xyzcontrolowner xyzcontrolstatus 1 5 Monitor Valid(1) 2 26 Manager alpha Valid(1) 3 19 Manager gamma Valid(1) xyzdatatable XyzDataControlIndex XyzDataIndex xyzdatavalue Através do método SNMP set set [index, (tipo, valor), (tipo, valor),...] erro badvalue em caso de dado inválido ou impossibilidade de criação tratamento de conflitos em acessos simultâneos torna-se necessário 15 16

5 Seqüência de passos para criar linhas 1. se a linha solicitada não existe (índice inexistente), ela é criada e seu status recebe o valor createrequest ; 2. imediatamente após a criação o monitor muda o status da linha para undercreation ; 3. as novas linhas permanecem nesse estado até o gerente terminar de criar todas a linhas desejadas; 4. ao final o gerente seta o campo de status das linhas criadas por ele para o valor valid ; 5. tentativas de criar linhas cujos índices já existem resultam em erro. mib-2 rmon (16) statistics (1) history (2) alarm (3) host (4) hosttopn (5) matrix (6) filter (7) capture (8) event (9) tokenring (10) Uma tabela para cada subrede monitorada subrede referenciada por sua interface Informações mais importantes: carga da subrede saúde da subrede (erros, colisões) pacotes fora de tamanho (undersize, oversize) Mais detalhado que mib-2.interfaces Amostragens do tráfego nas interfaces ao longo do tempo de operação Cada linha da tabela de controle define um conjunto de amostras Cada linha da tabela de dados corresponde a uma amostra Defaults cada amostra dura 1800 segundos as 50 últimas amostras são mantidas 19 20

6 hosts estatísticas sobre hosts na sub-rede hosttopn estatísticas sobre hosts segundo algum critério armazena dados sobre os N primeiros hosts em termos de tráfego, erros, tipos de pacotes, etc. matrix armazena dados sobre tráfego entre pares de hosts tokenring suporte a informações de redes token-ring Alarmes são registrados na MIB gerados pelo grupo alarm tratados pelo grupo event podem ser enviados ao gerente via traps Cada entrada da tabela contém OID da variável a ser monitorada intervalo de amostragem parâmetros de limiar (threshold) Um exemplo: + de 500 erros de CRC nos últimos 5 minutos Pequenas flutuações no valor monitorado poderiam gerar alarmes continuamente excesso de alarmes sem utilidade Usa dois limiares de disparo do alarme inferior: valor mínimo em condições normais superior: valor máximo em condições normais Gerar alarmes somente quando valor ultrapassar o limite superior valor descer abaixo do limite inferior de forma alternada! Alarme é gerado quando: valor maior que o limiar superior (risingthreshold) valor menor que o limiar inferior (fallingthreshold) valor lim sup lim inf disparos tempo 23 24

7 Permite regras de filtragem dos pacotes dois tipos de filtros: data filter: padrões de bits nos pacotes status filter: status dos pacotes (válido, erro de CRC,...) filtros podem ser combinados operações lógicas AND, OR, sequências Os pacotes filtrados constituem um fluxo chamado canal (channel) podem disparar eventos podem ser armazenados no grupo capture Uso correto da sonda e do gerente evitar uso abusivo de alarmes e eventos uso inteligente de filtros e captura risco de saturar a sonda e a rede poder de processamento da sonda é limitado Problemas de interoperabilidade discrepância entre MIBs de fabricantes distintos muitas funções são parcialmente implementadas RMON v1 limitado à camada MAC ethernet e token-ring poucos recursos de configuração Ache a Internet a descrição das MIBs RMON e RMON-II e elenque pelo menos 20 OIDs de cada uma que você considere importante para uma gerência/supervisão. RMON v2 suporte às demais camadas (3 a 7) monitoração de protocolos de aplicação visibilidade de tráfego vindo de fora (IP) tabelas replicadas para cada protocolo Outras inovações grupo MIB de configuração da sonda 27 28

RMON REMOTE NETWORK MONITORING. Baseado em slides gentilmente cedidos pelo Prof. João Henrique Kleinschmidt da UFABC.

RMON REMOTE NETWORK MONITORING. Baseado em slides gentilmente cedidos pelo Prof. João Henrique Kleinschmidt da UFABC. RMON REMOTE NETWORK MONITORING Baseado em slides gentilmente cedidos pelo Prof. João Henrique Kleinschmidt da UFABC. RMON: Conceitos Básicos 2 A RMON fornece um modo efetivo e eficiente de monitorar o

Leia mais

RMON Remote Network Monitoring

RMON Remote Network Monitoring RMON Remote Network Monitoring!"#$%&'(() $&*+, -. / /01 / 2 34 São dispositivos usados para estudar o trafego na rede como um todo, Produzem informação de sumário, incluindo estatísticas de erro, estatísticas

Leia mais

RMON e RMON2 Remote Network Monitoring

RMON e RMON2 Remote Network Monitoring RMON e RMON2 Remote Network Monitoring Luciano Paschoal Gaspary O protocolo SNMP e a MIB-II ainda são amplamente utilizados para o gerenciamento de equipamentos de rede. Agentes de software presentes nesses

Leia mais

Protocolos de gerenciamento

Protocolos de gerenciamento Protocolos de gerenciamento Os protocolos de gerenciamento têm a função de garantir a comunicação entre os recursos de redes homogêneas ou não. Com esse requisito satisfeito, operações de gerenciamento

Leia mais

Administração de Redes I (LI) Ano, Semestre: 2, 1

Administração de Redes I (LI) Ano, Semestre: 2, 1 Administração de Redes I (LI) Ano, Semestre: 2, 1 Pedro M. M. Marques pedromarques.eng@gmail.com 1 OBJECTIVOS Compreender a importância da manutenção na conservação do bom estado de uma rede de comunicação;

Leia mais

Top-Down Network Design

Top-Down Network Design Top-Down Network Design Chapter Nine Developing Network Management Strategies Copyright 2010 Cisco Press & Priscilla Oppenheimer Gerencia da Rede Contribui para atingir os objetivos dos requisitos Contribui

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Rede de Computadores II Slide 1 SNMPv1 Limitações do SNMPv1 Aspectos que envolvem segurança Ineficiência na recuperação de tabelas Restrito as redes IP Problemas com SMI (Structure Management Information)

Leia mais

Apostila do Material da Cisco Gerenciamento de Redes

Apostila do Material da Cisco Gerenciamento de Redes Apostila do Material da Cisco Gerenciamento de Redes 7.1.1 Com o que se parece uma rede? A visualização de uma rede é importante. Uma rede é um conjunto de dispositivos que interagem entre si para fornecer

Leia mais

MENSAGEM PREGÃO ELETRÔNICO N. 29/2008 ESCLARECIMENTO 04

MENSAGEM PREGÃO ELETRÔNICO N. 29/2008 ESCLARECIMENTO 04 MENSAGEM Assunto: Esclarecimento 04 Referência: Pregão Eletrônico n. 29/2008 Objeto: Aquisição de 6 (seis) switches, conforme especificações do Edital e seus Anexos. PREGÃO ELETRÔNICO N. 29/2008 ESCLARECIMENTO

Leia mais

Gerência de Redes de Computadores. 05 Gerência de Hospedeiros (Hosts)

Gerência de Redes de Computadores. 05 Gerência de Hospedeiros (Hosts) Gerência de Redes de Computadores 05 Gerência de Hospedeiros (Hosts) UFCG / DSC / JPS * 05 GERÊNCIA DE HOSPEDEIROS 1 TIPOS DE HOSPEDEIROS DOIS TIPOS DE HOSPEDEIROS o Servidores o Estações Clientes HÁ GRANDE

Leia mais

MONITORAMENTO REMOTO DE REDES: RMON

MONITORAMENTO REMOTO DE REDES: RMON Rios Eletrônica- Revista Científica da FASETE ano 4 n. 4 dezembro de 2010 MONITORAMENTO REMOTO DE REDES: RMON Faculdade Sete de Setembro (FASETE) dielslima@gmail.com Faculdade Sete de Setembro (FASETE)

Leia mais

3. O protocolo SNMP 1

3. O protocolo SNMP 1 3. O protocolo SNMP 1 Veicula informações de gerência transporte de valores das MIBs Interações sem conexão Mensagens em UDP/IP portas 161 e 162 pacotes de tamanho variável Mensagens auto-contidas formato

Leia mais

3. O protocolo SNMP. Managed system. Management system. resources. management application. MIB objects. SNMP manager UDP IP. IP link.

3. O protocolo SNMP. Managed system. Management system. resources. management application. MIB objects. SNMP manager UDP IP. IP link. 3. O protocolo SNMP Veicula informações de gerência transporte de valores das MIBs Interações sem conexão Mensagens em UDP/IP portas e 162 pacotes de tamanho variável Mensagens auto-contidas formato Type

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Instituto de Ciências Exatas Departamento de Ciência da Computação Lista de exercícios Gerência de Redes,Turma A, 01/2010 Marcelo Vale Asari 06/90708 Thiago Melo Stuckert do Amaral

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Gestão de redes. Protocolo SNMP. Maio de 2010 1 Gestão de redes Gestão de redes refere-se neste contexto às actividades relacionadas com a manutenção do bom funcionamento de um conjunto

Leia mais

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia UNISUL 2013 / 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Engenharia Elétrica - Telemática 1 Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia Aula 4 Ferramentas de Gerência de Redes Sistema de Gerência

Leia mais

Descritivo Técnico. SLAView - Descritivo Técnico Build 5.0 release 4 16/02/2011 Página 1

Descritivo Técnico. SLAView - Descritivo Técnico Build 5.0 release 4 16/02/2011 Página 1 Descritivo Técnico 16/02/2011 Página 1 1. OBJETIVO O SLAview é um sistema de análise de desempenho de redes IP por meio da monitoração de parâmetros de SLA (Service Level Agreement, ou Acordo de Nível

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Princípios de Gerência de Redes Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Maio de 2011 1 / 13 Introdução Foi mostrado que uma rede de computadores consiste

Leia mais

MONITORAÇÃO DE REDE. Prof. José Augusto Suruagy Monteiro

MONITORAÇÃO DE REDE. Prof. José Augusto Suruagy Monteiro MONITORAÇÃO DE REDE Prof. José Augusto Suruagy Monteiro 2 Capítulo 2 de William Stallings. SNMP, SNMPv2, SNMPv3, and RMON 1 and 2, 3rd. Edition. Addison-Wesley, 1999. Baseado em slides do Prof. Chu-Sing

Leia mais

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia UNISUL 2013 / 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Engenharia Elétrica - Telemática 1 Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia Aula 3 Gerenciamento de Redes Cenário exemplo Detecção de

Leia mais

LDAP - Tópicos. O que é um Diretório? Introdução. História do LDAP. O que é o LDAP? 5/22/2009

LDAP - Tópicos. O que é um Diretório? Introdução. História do LDAP. O que é o LDAP? 5/22/2009 LDAP - Tópicos Leoncio Regal Dutra Mestre em Engenharia Elétrica Telecomunicações leoncioregal@gmail.com Introdução Definições Funcionamento Segurança Otimizações do LDAP Exemplos Conclusão 2 Introdução

Leia mais

Gerência de Redes. Introdução. filipe.raulino@ifrn.edu.br

Gerência de Redes. Introdução. filipe.raulino@ifrn.edu.br Gerência de Redes Introdução filipe.raulino@ifrn.edu.br Introdução Sistemas complexos com muitos componentes em interação devem ser monitorados e controlados. 2 Introdução A de gerência de redes surgiu

Leia mais

Um IDS utilizando SNMP e Lógica Difusa

Um IDS utilizando SNMP e Lógica Difusa Grupo de Trabalho em Segurança GTS2007 Um IDS utilizando SNMP e Lógica Difusa Apresentador: Émerson Virti Autores: Émerson Virti, Liane Tarouco Índice 1. Motivação 2. Conceitos 3. IDS Proposto 4. Testes

Leia mais

Gerência de Redes. Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com

Gerência de Redes. Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com Gerência de Redes Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com Plano de Aula Histórico Introdução Gerenciamento de Redes: O que é Gerenciamento de Redes? O que deve ser gerenciado Projeto de Gerenciamento

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

CCNA 1 Conceitos de Ethernet. Kraemer

CCNA 1 Conceitos de Ethernet. Kraemer CCNA 1 Conceitos de Ethernet Conceitos de Ethernet Introdução ao Ethernet Formato do quadro CSMA/CD Tipos de colisão Tipos de erro Autonegociação Introdução ao Ethernet É essencial ter um entendimento

Leia mais

ICORLI. INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET

ICORLI. INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET 2010/2011 1 Protocolo TCP/IP É um padrão de comunicação entre diferentes computadores e diferentes sistemas operativos. Cada computador deve

Leia mais

Metodologia para Análise de Tráfego de Gerenciamento SNMP

Metodologia para Análise de Tráfego de Gerenciamento SNMP Metodologia para Análise de Tráfego de Gerenciamento SNMP Ewerton Monteiro Salvador Grupo de Redes de Computadores Instituto de Informática - UFRGS 26/06/2006 Grupo de Redes de Computadores 1 Agenda Introdução

Leia mais

Nesta sessão introduziremos os conceitos básicos do Cacti, e como fazer para instalá-lo em seu computador.

Nesta sessão introduziremos os conceitos básicos do Cacti, e como fazer para instalá-lo em seu computador. Cacti é uma ferramenta gráfica de gerenciamento de dados de rede que disponibiliza a seus usuários uma interface intuitiva e bem agradável de se usar, sendo acessível a qualquer tipo de usuários. Este

Leia mais

1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4

1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4 TCP/IP Brito INDICE 1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4 1.1.1.1 Camada de Transporte... 4 1.1.1.2 TCP (Transmission Control Protocol)... 4 1.1.1.3 UDP (User Datagram Protocol)...

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

CA Nimsoft para monitoramento de redes

CA Nimsoft para monitoramento de redes DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA CA Nimsoft para monitoramento de redes agility made possible sumário resumo executivo 3 Visão geral da solução 3 CA Nimsoft Monitor sondas especializadas 3 Sonda de conectividade de

Leia mais

Revisão Gerenciar consiste em supervisionar e controlar seu funcionamento para que ele satisfaça aos requisitos tanto dos seus usuários quanto dos

Revisão Gerenciar consiste em supervisionar e controlar seu funcionamento para que ele satisfaça aos requisitos tanto dos seus usuários quanto dos Revisão Gerenciar consiste em supervisionar e controlar seu funcionamento para que ele satisfaça aos requisitos tanto dos seus usuários quanto dos seu proprietários. A sua rede deve está rigorosamente

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula Complementar - EQUIPAMENTOS DE REDE 1. Repetidor (Regenerador do sinal transmitido) É mais usado nas topologias estrela e barramento. Permite aumentar a extensão do cabo e atua na camada física

Leia mais

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Protocolo O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Máquina: Definem os formatos, a ordem das mensagens enviadas e recebidas pelas entidades de rede e as ações a serem tomadas

Leia mais

Administração e Gerência de Redes Aula 2 Sistema de Gerência de Redes

Administração e Gerência de Redes Aula 2 Sistema de Gerência de Redes Administração e Gerência de Redes Aula 2 Sistema de Gerência de Redes Professor: Paulo Cesar E-mail: pccbranco@gmail.com Situação Vigente Manter uma rede funcional e operando, implica em lidar com uma

Leia mais

Gerência de Redes de Computadores e de Telecomunicações

Gerência de Redes de Computadores e de Telecomunicações Gerência de Redes de Computadores e de Telecomunicações Profa. Elizabeth Sueli Specialski, Dra. Elizabeth Sueli Specialski graduou-se em Matemática pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do

Leia mais

Protocolo Ethernet e Dispositivos de Interconexão de LANs

Protocolo Ethernet e Dispositivos de Interconexão de LANs Protocolo Ethernet e Dispositivos de Interconexão de LANs Prof. Rafael Guimarães Redes de Alta Velocidade Tópico 4 - Aula 1 Tópico 4 - Aula 1 Rafael Guimarães 1 / 31 Sumário Sumário 1 Motivação 2 Objetivos

Leia mais

Gerenciamento de Redes de Computadores. Resolução de Problemas

Gerenciamento de Redes de Computadores. Resolução de Problemas Resolução de Problemas É preciso que o tempo médio entre as falhas sejam o menor possível. É preciso que o tempo médio de resolução de um problema seja o menor possível Qualquer manutenção na rede tem

Leia mais

Gerenciamento de Equipamentos Usando o Protocolo SNMP

Gerenciamento de Equipamentos Usando o Protocolo SNMP Gerenciamento de Equipamentos Usando o Protocolo SNMP Diego Fraga Contessa, Everton Rafael Polina Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento - CP Eletrônica S.A. Rua da Várzea 379 - CEP 91040-600 - Porto

Leia mais

OptiView. Total integração Total controle Total Network SuperVision. Solução de Análise de Rede. Ninguém melhor que os. Engenheiros de Rede e a Fluke

OptiView. Total integração Total controle Total Network SuperVision. Solução de Análise de Rede. Ninguém melhor que os. Engenheiros de Rede e a Fluke Ninguém melhor que os OptiView Solução de Análise de Rede Total integração Total controle Total Network SuperVision Engenheiros de Rede e a Fluke Networks para saber o valor de uma solução integrada. Nossa

Leia mais

Universidade Católica do Salvador CURSO DE BACHARELADO EM INFORMÁTICA

Universidade Católica do Salvador CURSO DE BACHARELADO EM INFORMÁTICA Universidade Católica do Salvador CURSO DE BACHARELADO EM INFORMÁTICA O Protocolo SNMP Por Lécia de Souza Oliveira Índice Página 2... O que é SNMP? Histórico Página 3 e 4... Estrutura Geral do Sistema

Leia mais

Laboratório Configuração do SNMP

Laboratório Configuração do SNMP Topologia Tabela de Endereçamento Objetivos Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-Rede Gateway padrão R1 G0/1 192.168.1.1 255.255.255.0 N/A S0/0/0 192.168.2.1 255.255.255.252 N/A R2 S0/0/0 192.168.2.2

Leia mais

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP:

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP: Aula 4 Pilha de Protocolos TCP/IP: Comutação: por circuito / por pacotes Pilha de Protocolos TCP/IP; Endereçamento lógico; Encapsulamento; Camada Internet; Roteamento; Protocolo IP; Classes de endereços

Leia mais

TCP é um protocolo de TRANSMISSÃO, responsável pela confiabilidade da entrega da informação.

TCP é um protocolo de TRANSMISSÃO, responsável pela confiabilidade da entrega da informação. Protocolo TCP/IP PROTOCOLO é um padrão que especifica o formato de dados e as regras a serem seguidas para uma comunicação a língua comum a ser utilizada na comunicação. TCP é um protocolo de TRANSMISSÃO,

Leia mais

Segurança de Rede Prof. João Bosco M. Sobral 1

Segurança de Rede Prof. João Bosco M. Sobral 1 1 Sinopse do capítulo Problemas de segurança para o campus. Soluções de segurança. Protegendo os dispositivos físicos. Protegendo a interface administrativa. Protegendo a comunicação entre roteadores.

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Redes e Sub-redes Altair M. Souza IP Endereçamento (relembrar) Classe A: Começa com os bits 0xxxxxxx: Primeiro octeto de 1 até 126 (em decimal). Classe B: Começa com os bits 10xxxxxx:

Leia mais

5º Semestre. AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento)

5º Semestre. AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento) Disciplina: Gerência de Redes Professor: Jéferson Mendonça de Limas 5º Semestre AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento) 2014/1 Agenda de Hoje Evolução da Gerência

Leia mais

Mobilidade em Redes 802.11

Mobilidade em Redes 802.11 Mobilidade em Redes 802.11 Prof. Rafael Guimarães Redes sem Fio Aula 14 Aula 14 Rafael Guimarães 1 / 37 Sumário Sumário 1 Motivação e Objetivos 2 O protocolo MAC 802.11 3 Quadro 802.11 4 802.11: Mobilidade

Leia mais

SMTP, POP, IMAP, DHCP e SNMP. Professor Leonardo Larback

SMTP, POP, IMAP, DHCP e SNMP. Professor Leonardo Larback SMTP, POP, IMAP, DHCP e SNMP Professor Leonardo Larback Protocolo SMTP O SMTP (Simple Mail Transfer Protocol) é utilizado no sistema de correio eletrônico da Internet. Utiliza o protocolo TCP na camada

Leia mais

Especificação Técnica

Especificação Técnica Especificação Técnica Última atualização em 31 de março de 2010 Plataformas Suportadas Agente: Windows XP e superiores. Customização de pacotes de instalação (endereços de rede e dados de autenticação).

Leia mais

ETI/Domo. Português. www.bpt.it. ETI-Domo Config 24810180 PT 29-07-14

ETI/Domo. Português. www.bpt.it. ETI-Domo Config 24810180 PT 29-07-14 ETI/Domo 24810180 www.bpt.it PT Português ETI-Domo Config 24810180 PT 29-07-14 Configuração do PC Antes de realizar a configuração de todo o sistema, é necessário configurar o PC para que esteja pronto

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

Endereço Físico (cont.)

Endereço Físico (cont.) O Protocolo ARP Endereço Físico Cada interface de rede (NIC network interface card) vem com um identificador único de fábrica. Este identificador é o endereço físico ou endereço de hardware da interface.

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT 15.565 Integração de Sistemas de Informação: Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais 15.578 Sistemas de Informação Global:

Leia mais

ARQUITETURAS DE GERENCIAMENTO. Baseado em slides gentilmente cedidos pelo Prof. João Henrique Kleinschmidt da UFABC.

ARQUITETURAS DE GERENCIAMENTO. Baseado em slides gentilmente cedidos pelo Prof. João Henrique Kleinschmidt da UFABC. ARQUITETURAS DE GERENCIAMENTO Baseado em slides gentilmente cedidos pelo Prof. João Henrique Kleinschmidt da UFABC. Introdução 2 A gerência de redes é decomposta nas tarefas de monitoração e controle das

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04. Prof. André Lucio

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04. Prof. André Lucio FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04 Prof. André Lucio Competências da aula 3 Servidor de DHCP. Servidor de Arquivos. Servidor de Impressão. Aula 04 CONCEITOS

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

MIB (Management Information Base) Objetos Gerenciados Um objeto gerenciado é a visão abstrata.

MIB (Management Information Base) Objetos Gerenciados Um objeto gerenciado é a visão abstrata. MIB (Management Information Base) Objetos Gerenciados Um objeto gerenciado é a visão abstrata. A MIB é o conjunto dos objetos gerenciados. Basicamente são definidos três tipos de MIBs: MIB II, MIB experimental

Leia mais

Módulo 8 Ethernet Switching

Módulo 8 Ethernet Switching CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 8 Ethernet Switching Comutação Ethernet 2 Segmentação de Redes Numa Ethernet o meio de transmissão é compartilhado Só um nó pode transmitir de cada vez. O aumento

Leia mais

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores Apresentação do professor, da disciplina, dos métodos de avaliação, das datas de trabalhos e provas; introdução a redes de computadores; protocolo TCP /

Leia mais

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1)

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1) Cenário das redes no final da década de 70 e início da década de 80: Grande aumento na quantidade e no tamanho das redes Redes criadas através de implementações diferentes de hardware e de software Incompatibilidade

Leia mais

Laboratório - Visualização das tabelas de roteamento do host

Laboratório - Visualização das tabelas de roteamento do host Laboratório - Visualização das tabelas de roteamento do host Topologia Objetivos Parte 1: Acessar a tabela de roteamento de host Parte 2: Examinar as entradas da tabela de roteamento de host IPv4 Parte

Leia mais

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede Interconexão de redes locais Existência de diferentes padrões de rede necessidade de conectá-los Interconexão pode ocorrer em diferentes âmbitos LAN-LAN LAN: gerente de um determinado setor de uma empresa

Leia mais

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF REDES ESAF 01 - (ESAF - Auditor-Fiscal da Previdência Social - AFPS - 2002) Um protocolo é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que possibilitam a comunicação através de uma rede.

Leia mais

Comunicando através da rede

Comunicando através da rede Comunicando através da rede Fundamentos de Rede Capítulo 2 1 Estrutura de Rede Elementos de comunicação Três elementos comuns de comunicação origem da mensagem o canal destino da mensagem Podemos definir

Leia mais

FICHA INFORMATIVA E DE TRABALHO MÓDULO 0773 - REDE LOCAL INSTALAÇÃO

FICHA INFORMATIVA E DE TRABALHO MÓDULO 0773 - REDE LOCAL INSTALAÇÃO CURSO EFA 2012 / 2013 Formando: Data: / / ÁREA/Assunto: Formador / Mediador: Avaliação Formando Formador FICHA INFORMATIVA E DE TRABALHO MÓDULO 0773 - REDE LOCAL INSTALAÇÃO Standard IEE 802 Para que as

Leia mais

CONTROLE DE REDE. Prof. José Augusto Suruagy Monteiro

CONTROLE DE REDE. Prof. José Augusto Suruagy Monteiro CONTROLE DE REDE Prof. José Augusto Suruagy Monteiro 2 Capítulo 3 de William Stallings. SNMP, SNMPv2, SNMPv3, and RMON 1 and 2, 3rd. Edition. Addison-Wesley, 1999. Baseado em slides do Prof. Chu-Sing Yang

Leia mais

LABORATÓRIO VIII. Introdução ao SNMP e Logging pt. I Documento versão 0.1. Aluno: Paulo Henrique Moreira Gurgel #5634135

LABORATÓRIO VIII. Introdução ao SNMP e Logging pt. I Documento versão 0.1. Aluno: Paulo Henrique Moreira Gurgel #5634135 LABORATÓRIO VIII Introdução ao SNMP e Logging pt. I Documento versão 0.1 Aluno: Paulo Henrique Moreira Gurgel #5634135 Orientado pela Professora Kalinka Regina Lucas Jaquie Castelo Branco Agosto / 2010

Leia mais

CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO 2. SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO 3. COMUNICAÇÃO

CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO 2. SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO 3. COMUNICAÇÃO CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO O controlador CDE4000 é um equipamento para controle de demanda e fator de potência. Este controle é feito em sincronismo com a medição da concessionária, através dos dados

Leia mais

Gerenciamento de Redes - Evolução. Gerenciamento de Rede. Gerenciamento de Rede NOC NOC

Gerenciamento de Redes - Evolução. Gerenciamento de Rede. Gerenciamento de Rede NOC NOC s - Evolução 1970s 1970s 1980s 1980s Dispositivos 1990s 1990s Browser A Web Server Mainframe Estação Gerenciadora Browser C Browser B NOC (Network( Operation Center) Conjunto de atividades para manter

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Camada de Aplicação A camada de Aplicação é a que fornece os serviços Reais para os usuários: E-mail, Acesso a Internet, troca de arquivos, etc. Portas

Leia mais

Gerência e Segurança de Redes

Gerência e Segurança de Redes Gerência e Segurança de Redes Modelos filipe.raulino@ifrn.edu.br SNMP e CMIP SNMP x CMIP O ambiente de gerenciamento OSI é composto por gerentes, agentes e objetos gerenciados. Um gerente transmite operações

Leia mais

Capítulo 2: Introdução às redes comutadas (configuração switch)

Capítulo 2: Introdução às redes comutadas (configuração switch) Unisul Sistemas de Informação Redes de Computadores Capítulo 2: Introdução às redes comutadas (configuração switch) Roteamento e Switching Academia Local Cisco UNISUL Instrutora Ana Lúcia Rodrigues Wiggers

Leia mais

Para funcionamento do Netz, alguns programas devem ser instalados e alguns procedimentos devem ser seguidos. São eles:

Para funcionamento do Netz, alguns programas devem ser instalados e alguns procedimentos devem ser seguidos. São eles: Instalação do Netz Para funcionamento do Netz, alguns programas devem ser instalados e alguns procedimentos devem ser seguidos. São eles: Instalação do Java SE 6, que pode ser instalado através da JDK.

Leia mais

Redes de Computadores. Revisões

Redes de Computadores. Revisões Redes de Computadores Revisões Classifique, com V ou F, as afirmações seguintes! A comunicação entre sistemas (ex: computadores), tendo em vista a execução de aplicações telemáticas, só é possível se existir

Leia mais

Um sistema de comunicação necessita de um método de identificação de seus computadores. Numa rede TCP/IP, cada computador recebe um

Um sistema de comunicação necessita de um método de identificação de seus computadores. Numa rede TCP/IP, cada computador recebe um Endereçamento IP Um sistema de comunicação necessita de um método de identificação de seus computadores. Numa rede TCP/IP, cada computador recebe um endereço inteiro de 32 bits (endereço IP). Precisa ser

Leia mais

Acesso Ethernet com Hubs

Acesso Ethernet com Hubs Acesso Ethernet com Hubs O dado é enviado de um por vez Cada nó trafega a 10 Mbps Acesso Ethernet com Bridges Bridges são mais inteligentes que os hubs Bridges reuni os quadros entre dois segmentos de

Leia mais

Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012

Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012 Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012 As redes de computadores possibilitam que indivíduos possam trabalhar em equipes, compartilhando informações,

Leia mais

Sub-Redes, VLSM e CIDR

Sub-Redes, VLSM e CIDR Sub-Redes, VLSM e CIDR Sub-Redes Sub-Redes Mecanismo introduzido originalmente para minimizar o problema do crescimento das tabelas de rotas na Internet (RFC 950/1985). Reduz o tamanho das tabelas de rotas

Leia mais

Lista 3 Exercícios de Gestão de Redes

Lista 3 Exercícios de Gestão de Redes 1. Quais os fatores que contribuem para o sucesso de uma operação de gerenciamento? O sucesso de uma operação de Gerenciamento depende dos seguintes fatores: O sistema de gerenciamento invocador deve ter

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

Endereçamento IP. Rede 2 Roteador 2 1

Endereçamento IP. Rede 2 Roteador 2 1 O protocolo TCP/IP é roteável, isto é, ele foi criado pensando-se na interligação de diversas redes onde podemos ter diversos caminhos interligando o transmissor e o receptor -, culminando na rede mundial

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DO SALVADOR TELEPROCESSAMENTO E REDES PROF: MARCO ANTÔNIO CÂMARA ALUNO: ANDREI GALVÃO DO NASCIMENTO

UNIVERSIDADE CATÓLICA DO SALVADOR TELEPROCESSAMENTO E REDES PROF: MARCO ANTÔNIO CÂMARA ALUNO: ANDREI GALVÃO DO NASCIMENTO UNIVERSIDADE CATÓLICA DO SALVADOR TELEPROCESSAMENTO E REDES PROF: MARCO ANTÔNIO CÂMARA ALUNO: ANDREI GALVÃO DO NASCIMENTO Introdução ao SNMP No final dos anos 70 as redes de computadores cresceram de simples

Leia mais

Gerenciamento de Redes e Interconexões

Gerenciamento de Redes e Interconexões Gerenciamento de Redes e Interconexões Prof. Marcos Monteiro, MBA http://www.marcosmonteiro.com.br contato@marcosmonteiro.com.br 1 Porque gerenciar? Controlar a complexidade Dimensao da rede Melhorar a

Leia mais

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP A internet é conhecida como uma rede pública de comunicação de dados com o controle totalmente descentralizado, utiliza para isso um conjunto de protocolos TCP e IP,

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Redes 2 O que acontece na camada de rede Transporta segmentos do hospedeiro transmissor para o receptor Roteador examina campos de cabeçalho em todos os datagramas

Leia mais

Redes de Computadores. Mário Aquino mario.aquino@bol.com.br Yahoo Groups: prof_marioaquino

Redes de Computadores. Mário Aquino mario.aquino@bol.com.br Yahoo Groups: prof_marioaquino Redes de Computadores Mário mario.aquino@bol.com.br Yahoo Groups: prof_marioaquino Modelo OSI e os dispositivos OSI Dispostivos de redes Aplicação Apresentação Sessão Transporte Gateway Rede Enlace Física

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 6: Switching Uma rede corporativa

Leia mais

Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet. Edgard Jamhour

Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet. Edgard Jamhour Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet Edgard Jamhour Ethernet não-comutada (CSMA-CD) A Ethernet não-comutada baseia-se no princípio de comunicação com broadcast físico. a b TIPO DADOS (até 1500

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Entrada/Saída Material adaptado, atualizado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Problemas Entrada/Saída Grande

Leia mais

Capítulo 8 - Comutação Ethernet. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página

Capítulo 8 - Comutação Ethernet. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página Capítulo 8 - Comutação Ethernet 1 Bridging da Camada 2 CCNA1_8_1_1_pt[1].swf Ao acrescentarmos mais hosts em um segmento, aumentamos o domínio de colisão e o número de retransmissões. Uma solução é dividir

Leia mais

Redes de Computadores Aula 17

Redes de Computadores Aula 17 Redes de Computadores Aula 17 Aula passada Protocolos de acesso múltiplo Slotted Aloha, Desempenho Aloha Aula de hoje CSMA, CSMA/CD Endereçamento Mapeando endereços, ARP Ethernet Protocolos de Múltiplo

Leia mais

Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Conexão de Redes. Protocolo TCP/IP. Arquitetura Internet.

Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Conexão de Redes. Protocolo TCP/IP. Arquitetura Internet. Origem: Surgiu na década de 60 através da DARPA (para fins militares) - ARPANET. Em 1977 - Unix é projetado para ser o protocolo de comunicação da ARPANET. Em 1980 a ARPANET foi dividida em ARPANET e MILINET.

Leia mais

Arquitetura TCP/IP. Filosofia da Internet

Arquitetura TCP/IP. Filosofia da Internet Arquitetura TCP/IP Filosofia da Internet foi projetada p/: ser aberta o bastante p/ permitir a execução em uma grande variedade de equipamentos de resistir a possíveis danos que prejudicassem seu funcionamento

Leia mais

Introdução Introduç ão Rede Rede TCP/IP Roteame Rotea nto nto CIDR

Introdução Introduç ão Rede Rede TCP/IP Roteame Rotea nto nto CIDR Introdução as Redes TCP/IP Roteamento com CIDR LAN = Redes de Alcance Local Exemplo: Ethernet II não Comutada Barramento = Broadcast Físico Transmitindo ESCUTANDO ESCUTANDO A quadro B C B A. DADOS CRC

Leia mais