Financiamento dos Sistemas de Seguros de Depósito

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Financiamento dos Sistemas de Seguros de Depósito"

Transcrição

1 7 de Novembro de 2006 Financiamento dos Sistemas de Seguros de Depósito Documento para Discussão Elaborado pelo Comitê de Pesquisas e Orientação Associação Internacional de Seguradores de C/O BANK FOR INTERNATIONAL SETTLEMENTS CENTRALBAHNPLATZ 2, CH-4002 BASILÉIA, SUÍÇA TEL: FAX:

2 Índice I. Sumário Executivo II. Introdução e Objetivo 6 III. Uma Análise Racional para o financiamento de Seguradores de Depósito 7 IV. Métodos de Financiamento do Segurador de 8 V. Fontes de Fundos para o Sistema de Seguro de depósitos VI. Avaliações do Seguro de depósitos VII. Determinação do Tamanho Ideal da Reserva do Seguro de depósitos VIII. Gerenciamento dos Fundos de Seguro de depósitos IX. Transparência e Divulgação aplicadas ao Financiamento X. Outros Tipos de Acordos de Financiamentos disponíveis aos Seguradores de Depósito XI. Considerações Finais

3 Bibliografia Anexos...34 I. Sumário Executivo A Associação Internacional de Seguradores de (IADI) foi criada em 2002 com a missão de contribuir para o aprimoramento da eficácia do seguro de depósitos, através da promoção da orientação e cooperação internacional. Como parte de seu trabalho, a IADI responsabiliza-se por pesquisar sugestões de orientação sobre as questões de seguro de depósitos. Os acordos de financiamento consistentes são importantes para a eficácia do sistema de seguro de depósitos, para a manutenção da confiança pública nesses fundos, assim como no sistema bancário. Financiamentos inadequados podem causar atrasos dispendiosos na solução de falência bancária, além da perda de credibilidade no sistema de seguro de depósitos. O objetivo deste documento é examinar várias abordagens para o financiamento, utilizados pelos seguradores de depósitos, e fornecer orientação sobre o plano dos mecanismos do financiamento e características relacionadas aos sistemas de seguro de depósitos. A. Definições e Conceitos-Chave Os termos-chave e as definições associadas são aqueles utilizados neste documento para discussão. A base de avaliação é dos depósitos nos quais os prêmios são avaliados. Somente os depósitos podem ser incluídos, mas pode incluir, ainda, todos os tipos de depósitos potencialmente seguráveis ou todos os depósitos. O financiamento contingente é aquela que pode ser exigida caso o segurador não tenha recursos suficientes para cobrir os sinistros do seguro de depósitos. Um sistema ex-ante de financiamento envolve acumulação e manutenção avançada de um recurso para cobrir os sinistros do seguro de depósitos. Os recursos são prêmios cobrados dos membros do sistema de seguro de depósitos. Um sistema de seguro de depósitos explícito é aquele onde a extensão

4 da cobertura do seguro de depósitos está explícita e publicamente declarada. O sistema ex-post significa que os recursos para cobrir os sinistros são cobrados dos membros somente quando uma instituição falir, havendo, assim, a necessidade de cobrir tais reclamações. Um sistema híbrido combina elementos de financiamento prévio e posterior. Um sistema de seguro de depósitos implícito é aquele onde há um entendimento implícito de que, tanto a indústria quanto o governo cobrirão as perdas do seguro de depósitos, mas uma garantia explícita de assim fazer não está em cogitação. O sistema implícito tem, ainda, a desvantagem de que não existe um entendimento avançado sobre riscos suportados pelos depositantes, instituições ou governo. O risco moral é o incentivo para o aumento da tomada de riscos devido ao seguro. Um prêmio é a quantia que a instituição membro paga para o seguro de depósitos em um certo período de tempo, tal qual um ano. O prêmio que avalia a instituição-membro está relacionado ao risco que este causa ao sistema. Um índice de reserva pretendida do segurador de depósito é o índice do fundo reservado à base de avaliação. B. Escopo e sugestão de orientação Esta seção resume as principais sugestões da IADI, em relação à orientação para o financiamento dos sistemas de segurador de depósito; eles são reflexos de e estão adaptados a diversas circunstâncias. 1. Um sistema de seguro de depósitos (cujo acrônimo em inglês é DIS ) deve ter um pronto acesso aos fundos adequados para assegurar o reembolso imediato dos avisos de sinistro dos depositantes. 2. Os planejadores podem escolher entre as abordagens ex ante, ex-post e mistas (p.ex. híbridas); entretanto, em muitas circunstâncias, é preferível uma abordagem ex ante,

5 especialmente para sistemas recém-estabelecidos. A desvantagem dos sistemas que dependem principalmente do financiamento ex-post é que eles extrapolam os ciclos financeiros. As instituições-membro podem ser convocadas para realizar pagamentos importantes para o sistema quando estiverem aptos a fazê-los, pelo menos. 3. O custo de um DIS deve ser suportado pelos bancos-membro, uma vez que estes e seus clientes são os beneficiários diretos do DIS. Entretanto, o impacto dos níveis de prêmios sobre a situação financeira da indústria bancária deve ser levado em consideração. 4. Na avaliação dos prêmios, a base de avaliação e o critério utilizado devem estar claros para todos os participantes. Enquanto é possível levar em consideração, em relação à estrutura do prêmio, os perfis de risco individual dos bancos, reconhecer-se-ia que, procedendo desta forma, pode acrescentar consideráveis complexidades administrativas. Já que os sistemas de risco ajustado exigem consideráveis recursos, é aconselhável tão-somente introduzi-lo quando houver certeza de que possa ser sustentado. 5. É importante que os planejadores levem em consideração o impacto da implantação e operação do fundo de seguro de depósitos sobre a base de capital e capacidade de concessão dos bancos-membro. 6. Um fundo de reserva de seguro de depósitos pode ser criado e mantido em, pelo menos, duas formas. A primeira abordagem é empregar um índice de prêmio estável sobre um extenso período. De outra forma, os sistemas de prêmio podem ser projetados para manter um índice ou variação de reserva pretendida; o índice de reserva pretendida deve ser suficiente para cobrir as possíveis perdas do segurado, em circunstâncias normais. 7. Diversos fatores precisam ser levados em consideração para a abordagem do índice de reserva pretendida, incluindo as características do setor bancário, tais como, quantidade e tamanho dos bancos, responsabilidades dos bancos-membro e exposição do segurador aos riscos destas, probabilidade de falhas e características de perdas tipicamente sofridas pelo segurador. Os seguradores de depósito podem estar expostos a

6 desenvolvimentos inesperados, que podem ter um ônus sobre a adequação do financiamento. 8. É possível que a abordagem de reserva pretendida gere mais fundos que as exigências do DIS. Em tais casos, é aconselhável ter um mecanismo em mãos para solucionar tal situação. Um mecanismo de reembolso para fundos de lucros acumulados deve levar em consideração fatores, tais como, a base de avaliação de cada banco, contribuições anteriores ao fundo e perfis de risco das instituições-membro. 9. Caso haja mais de um tipo de instituição financeira que aceite depósitos, é possível ter um fundo geral para todas as instituições, ou um fundo separado para cada categoria. No último caso, é necessário assegurar-se de que o sistema não introduza distorções competitivas. 10. O segurador de depósito pode se assegurar de que seus fundos são bem-administrados, e encontram-se prontamente disponíveis para cobrir perdas que eventualmente surjam. Isto pode ser efetuado através da implementação de políticas e procedimentos de investimentos adequados, instituição sólida de controles internos, práticas de riscos mitigados, sistemas de informação e relatórios. 11. A responsabilidade na prestação de contas e a integridade de um DIS podem ser adquiridas através da certificação de que o sistema é transparente e a informação sobre seus recursos é divulgada de forma periódica, consistente e precisa. Apesar disso, os planejadores precisam determinar o equilíbrio adequado entre o desejo de promover a responsabilidade na prestação de contas e um gerenciamento consistente, através da divulgação e da necessidade de assegurar a confiança e a estabilidade do sistema financeiro. 12. O segurador de depósito pode não ter recursos suficientes para solucionar tais situações. Os meios de obtenção de recursos complementares devem ser levados em consideração. II. Introdução e objetivo O objetivo deste documento é fornecer conselhos úteis sobre a projeção de acordos de financiamento para os sistemas de seguro de

7 depósitos. Descreve a experiência dos membros 1 da IADI, associados e observadores, assim como conselhos a partir da literatura especializada existente. Os objetivos do seguro de depósitos são manter a confiança pública no sistema bancário e fornecer proteção aos titulares de depósito, especialmente os menores depositantes. É um componente integral de uma rede financeira geral segura, cujo objetivo é manter a integridade do sistema financeiro. Para ter credibilidade, um sistema de seguro de depósitos (DIS) deve estar na posição de agir com eficiência e rapidez caso um banco não consiga agir. Entre outras coisas, isto exige que um DIS possua um mecanismo de financiamento seguro, para que possa reembolsar imediatamente os depositantes. Uma abordagem é estabelecer um fundo para administrar prováveis falências; isto se refere a financiamento ex ante. Em relação a financiamento ex-post, o sistema é projetado para que o segurador não eleve os fundos até que seja exigido. (p.ex., caso um banco entre em falência), mas tenha mecanismos prontos para assim agir. Também é possível ter sistemas híbridos, combinando elementos das abordagens anteriores. Este documento se concentra, primeiramente, nos méritos relativos às diversas abordagens de financiamento; entretanto, também menciona diversas questões, incluindo opções para: fontes de financiamento, cálculo das metas de reservas, administração de fundos, base de avaliação e cálculo dos prêmios. III. Uma Análise Racional para o financiamento do Seguro de depósitos Os principais objetivos da política pública de um sistema de seguro de depósitos são contribuir para a estabilidade financeira, através da proteção do sistema financeiro contra a insolvência do banco, e assegurar a segurança e liquidez dos depósitos dos menores depositantes. Alguns seguradores de depósito possuem uma maior autorização, que inclui a responsabilidade para solucionar as instituições financeiras que estão insolventes, em tempo hábil e de maneira menos dispendiosa. 2 1 Os membros do Sub-Comitê da IADI para o Desenvolvimento de Orientações para os Sistemas de Financiamento do Seguro de depósitos são: Coréia (presidência), Canadá, México, Tailândia, Rússia, Filipinas e Turquia. 2 A insolvência ocorre quando muitos depositantes, duvidando da capacidade do banco em honrar suas dívidas, tentam sacar seus investimentos. Para atender às exigências dos depositantes, o banco deve alienar seus bens ativos da maneira mais

8 Com o objetivo de cumprir seu mandato eficientemente, é necessário que o segurador de depósito possua tanto recursos financeiros adequados em mãos quanto um mecanismo de financiamento, segundo os quais possam ser prontamente obtidos. Os recursos financeiros são necessários para: cobrir a reembolso dos depositantes, caso uma instituição esteja insolvente, cobrir despesas subsidiárias referentes ao reembolso dos depositantes, e solucionar a instituição insolvente, caso o segurado tenha responsabilidade para tal. Os acordos inapropriados de financiamento podem tornar vulnerável o sistema financeiro dos bancos, atrasar a extinção dos bancos insolventes e ocasionar aumentos significantes nos custos sociais (referência bibliográfica FSF Working Group, 2001 ). Deve-se lembrar, ainda, que um DIS não pode salvaguardar por si só o sistema bancário, outros componentes também são necessários, como um poderoso programa de supervisão e a concessão dos últimos recursos. O tipo de financiamento utilizado possui uma importante influência sobre o projeto geral do sistema de seguro de depósitos. Os mecanismos determinarão muitas características do DIS, sejam os fundos ex ante, ex post ou a combinação destes. A fonte do financiamento também é relevante para a projeção do sistema, seja a partir de instituições seguradas ou do setor público. Ao mesmo tempo, diversos elementos, tais como: autorizações, sistema de avaliação, políticas de investimentos e partilha de prejuízos, podem ter implicações nos acordos de financiamento. IV. Métodos de Financiamento do Seguro de A. Financiamento ex ante O financiamento ex ante exige a acumulação e manutenção de um fundo para cobrir os sinistros de seguro de depósitos e as despesas referentes, antes da ocorrência da insolvência. É estabelecida por seus rápida possível para salvar as perdas com o risco da insolvência. O seguro de depósitos pode evitar que o banco se torne insolvente através do fornecimento de garantia aos depositantes de que seus investimentos estão protegidos. O seguro de depósitos pode, ainda, mitigar o risco de contágio, quando a insolvência se torna generalizada e ameaça as instituições financeiras. Quando uma instituição financeira está insolvente, o segurador de depósito reembolsa os depositantes, seja através da transferência contratos de depósitos para uma instituição financeira mais sólida, ou efetuando o pagamento direto aos depositantes. É essencial que isto seja feito de maneira diligente. Um segurador de depósito pode ter o poder de solucionar uma instituição insolvente através do fornecimento de assistência financeira, ou fechamento e liquidação e reembolso dos depositantes.

9 membros através de contribuições, prêmios de seguro e outros meios. Um sistema ex ante é mais baseado em normas e oferece uma certeza maior os fundos são programados para estarem prontos antes do necessário. O conhecimento de que os fundos foram elevados antecipadamente, e de que o fundo é bem-administrado, pode tranqüilizar os depositantes de que os seus depósitos estão cobertos. Isto minimiza o risco de saques repentinos e agravamento destes em bancos insolventes. O fundo de garantia em um sistema ex ante está financiado através do pagamento de prêmios ao segurador de depósito. A tributação e arrecadação dos prêmios ex ante exige o estabelecimento de regras, a coleta de dados, outras informações, entre outros. Um financiamento de seguros no sistema ex ante também possui a vantagem de ser mais justo que o sistema ex post, pois todos os seus membros, incluindo aqueles insolventes, auxiliam no apoio ao sistema financeiro através de pagamentos ao fundo. O financiamento ex ante evita situações em que instituições financeiras gerenciadas de maneira prudente subsidiem aquelas não tão bem administradas, através do DIS. Como forma de contraste, em um sistema ex post puro, no caso de insolvência, o segurador de depósito precisaria angariar prêmios das instituições sobreviventes e lhes impor cobranças. Um sistema de financiamento ex ante alastra, com o tempo, o custo das perdas de seguro, uma vez que os prêmios são arrecadados levando em consideração as perdas esperadas em longo prazo. Além disso, possui uma característica anti-cíclica e divisora para o setor; os fundos continuam acumulando prêmios durante circunstâncias econômicas mais fortes, quando a perda pode ser baixa, com uma barreira contra futuras necessidades, quando as circunstâncias econômicas possam ser menos favoráveis e as perdas, maiores. Assim, evita outro enfraquecimento do setor bancário em geral, ao tempo da insolvência, devido às instituições remanescentes não serem acionadas para validarem os depósitos de uma instituição insolvente, que é a característica de um sistema ex post puro. Este último tem uma desvantagem marcante os membros são acionados para fornecer capital, em um período inadequado, quando seus demonstrativos financeiros podem estar mais frágeis do que o normal. A partir da perspectiva de uma instituição-membro, comparado com o sistema ex post, o sistema ex ante pode parecer, à primeira vista, mais dispendioso, já que envolve uma despesa inicial explícita, em oposição a uma despesa improvável, e pode limitar a capacidade da

10 instituição cobrir suas próprias perdas. Além disso, existe um custo inoportuno ao banco que efetua o pagamento do prêmio e à economia em geral, no sentido de que se deve levar em consideração como os recursos, representados pelos prêmios de seguro, poderiam ter sido empregados. Alguns observadores sustentam que a desvantagem de um sistema ex ante está no aumento do risco moral 3, como em qualquer sistema de seguro; por assim dizer, cria um incentivo para que as instituiçõesmembro assumam mais risco do que, de outra forma fariam. Não está claro, entretanto, que o risco moral seja maior sobre um sistema ex ante. O risco moral pode ser contido e reduzido por meio de supervisão bancária, onde, ao ativar o prêmio de seguro, uma instituição efetue o pagamento de acordo com seu perfil de risco, uma boa governança corporativa e pressão do mercado, através de credores não-. Um sistema ex ante pode reduzir o incentivo para as instituições monitorarem as instituições que assumam risco, caso não relacionem estes aos seus possíveis custos de seguro. A incorporação de alguns elementos de um sistema ex post, tais como avaliações especiais quando o fundo de seguro de depósitos cai abaixo de um certo patamar, como conseqüência dos pagamentos de depósito tornarem este relacionamento mais explícito, além de aumentar a pressão que surge. O público deveria ser encorajado a se focar nos benefícios e limitações de um DIS. B. Financiamento Ex Post Em um sistema ex post, os fundos somente são obtidos quando uma instituição seja insolvente; neste momento, as instituições-membro contribuem e são avaliadas; não há contribuições antecipadas. Os sistemas ex post quase não têm responsabilidades explícitas, em relação à partilha de custos para reembolsar depositantes. Um sistema ex post é um pouco injusto porque uma instituição insolvente não terá contribuído para o custo do reembolso de seus depositantes; custo este suportado pelas instituições sobreviventes. Um sistema ex post é menos oneroso durante o período em que há poucas ou nenhuma falência porque os prêmios não estão sendo continuamente arrecadados. Os defensores do financiamento ex post argumentam que, em longo prazo, esta abordagem é menos 3 A expressão risco moral se refere à situação onde um órgão segurado assume, intencionalmente, os riscos adicionais, em razão de estar segurado. O seguro pode criar uma divergência entre o custo público e privado de se assumir riscos, e cria um incentivo a assumir riscos suplementar.

11 dispendiosa que o financiamento ex ante, já que evita os custos administrativos associados com a arrecadação de prêmios em andamento e a administração do portfolio de um fundo. Estes sistemas exigem uma eficiente supervisão bancária, e operam de forma mais eficaz em um ambiente relativamente estável, com poucas falências. Alguns países europeus, que não passaram por crises financeiras nas décadas de 80 e 90, tais como, Áustria, Holanda, Suíça e Reino Unido, operam em sistemas ex post, e não mantêm o fundo para compensar as falências bancárias. 4 Enquanto os custos iniciais aos membros de um sistema ex post são baixos, em relação ao sistema ex ante, os custos gerais para economia podem ser maiores. O financiamento inadequado pode ocasionar atrasos na extinção das instituições insolventes e significar aumentos dos custos gerais, em termos de interrupção do sistema financeiro, conforme demonstrado pelas experiências de diversos países. 5 Sem um fundo de garantia, o nível de risco das instituições-membro aumenta, já que eles foram acionados para efetuar contribuições relativamente altas, dentro de um curto período de tempo, para reembolsar os depositantes de uma instituição insolvente. Em alguns casos, a competitividade da indústria financeira de um país pode estar comprometida. Caso ocorra uma falência durante um declínio econômico, os membros sobreviventes podem realizar grandes contribuições em um período inoportuno, quando sua própria situação financeira estiver sob pressão. Esta característica pro-cíclica dos sistemas ex post podem aumentar a volatilidade do sistema financeiro, além de causar um risco sistemático maior que o necessário. Os sistemas ex post acarretam muitos riscos financeiros para o governo. Isto porque quando uma falência ocorre, pode permanecer sobre pressão durante vários trimestres, incluindo de bancos sobreviventes, até o fornecimento de assistência financeira. Esta pressão poderia ser mais intensa no período de economia fraca, 4 O Estudo dos Sistemas de garantia de depósito em instituições de crédito na Europa, elaborado pela Comissão européia de 2002, identificou 9 países europeus que utilizam o sistema ex ante, sendo 3 com o sistema ex post e 6 como o sistema híbrido. O estudo examinou os 15 países da União Européia, incluindo o Principado de Liechtenstein, Islândia e Noruega. Outros países que utilizam o sistema ex post são Chile e Israel. 5 A experiência nos Estados Unidos em solucionarem as crises de investimento e empréstimo, durante os anos 80 e início dos anos 90 figuram são um exemplo (Fórum para Estabilidade Financeira, 2001).

12 quando as finanças do governo são menos robustas. Os bancos sobreviventes podem argumentar que não causaram a falência, e que a realização de diversos pagamentos, sob tais circunstâncias, pode prejudicar, de maneira desnecessária, a sua posição, assim como o sistema financeiro num todo. A cobertura das obrigações de seguro de depósitos dos bancos pode ocasionar uma retirada mais geral. O reembolso imediato dos depositantes pode ser difícil sobre o sistema ex post, já que os sistemas, procedimentos e pessoal capacitado podem não estar prontos para arrecadar e distribuir os fundos exigidos. Um comprometimento, por parte das autoridades, para arrecadar os fundos dos bancos sobreviventes, seguido da falência, pode resultar na falta de credibilidade especialmente durante os períodos de necessidade financeira. Levando em consideração tais afirmações, sugere-se que um sistema ex ante pode ser mais eficiente na prevenção das falências financeiras. C. Financiamento Híbrido O financiamento híbrido combina as características das captações ex ante e ex post. Incorpora-se um fundo ex ante, financiado por prêmios e contribuições, além de incluir um mecanismo para obtenção de fundos ex post das instituições-membro, através de prêmios especiais, taxações ou empréstimos, caso necessitem. Os sistemas híbridos são relativamente comuns. Um fundo de depósito ex ante pode ser estabelecido com o segurador que detém os poderes para compensar qualquer déficit do fundo. 6 Com um fundo ex ante, diante de muitas circunstâncias adversas, tais como falência ou crise sistemática, as perdas podem exceder os fundos de reserva, e um aumento temporário nos prêmios ou acesso as linhas de crédito do governo podem ser apropriadas. Assim, na prática, a melhor escolha pode não estar entre o financiamento de fundo ex ante e ex post puros, mas na proporção relativa da confiança que o sistema de seguro de depósitos tem em ambos. 6 Um exemplo desta abordagem é a Corporação de Garantia para Seguros de do Canadá.

13 D. Permutas associadas às abordagens de financiamento O fundo ex ante possui diversas vantagens. Em primeiro lugar, garante a fusão de fundos prontamente disponíveis, que permite o rápido reembolso aos depositários. Em segundo lugar, é mais justo arrecadar prêmios antes de uma possível falência, já que todos os membros, incluindo as instituições falidas, ajudariam na cobertura dos custos do sistema. Além disso, o fundo ex ante evita o efeito pro-cíclico do fundo ex post. E, finalmente, a existência de um fundo que possa reembolsar os depositários reforça a confiança pública nos sistemas de seguro de depósitos e bancários. Em comparação, o financiamento ex ante aparenta ser o melhor mecanismo para a conquista dos objetivos de um sistema de seguro de depósitos. Avaliação Relativa do financiamento ex ante versus Avaliações ex post 7 Financiamento ex ante VI. Eficácia Liquidez do Segurador de Depósito - Solvência do Segurador de Depósito - Transparência e Partilha de Informações - Condutiva para supervisão, permitida para controle e medida de - risco Ajuste do risco seccional cruzado dos prêmios para lealdade e - incentivos corretos Regularização dos prêmios através do tempo para uma estabilização - aprimorada Capacidade para financiamento de suporte do governo (conforme a maioria dos sistemas é publicamente - administrado) Confiança dos depositários - Eficiência Custos operacionais - Questões referentes à Avaliações ex post 7 Roy, Jean Uma Análise Preliminar das Questões de Seguro de depósitos (Ottawa: página da IADI na Internet, páginas 7-8).

14 administração dos fundos - Otimização do nível quantidade pretendido - Otimização da qualidade-riscoretorno : vantagem relativa, -: desvantagem relativa - - Enquanto há países com sistemas ex post, sem realizar alteração para sistemas ex ante, os sistemas recém-criados adotaram o financiamento ex ante. De fato, mais de 80% por cento dos sistemas de seguro de depósitos mundiais envolvem um financiamento ex ante (os sistemas africano e asiático são universalmente ex ante, enquanto Eslovênia e território de Gibraltar adotaram os sistemas ex post). A recente ênfase no financiamento ex ante é um exemplo de convergência internacional das melhores práticas para as redes de segurança financeira. Até 2003, em um total de oitenta e oito que detinham os sistemas de seguro de depósitos, somente catorze possuíam um sistema explícito não financiado (ex post) 8. Além das considerações já mencionadas, ao determinar o mecanismo de financiamento mais apropriado para um determinado país, seus planejadores devem levar em consideração os diversos aspectos de seu sistema econômico e financeiro. As características de um sistema de seguro de depósitos apropriado são influenciadas por seus objetivos políticos públicos, estado geral da economia, perfis dos depositários, diferentes aspectos do setor financeiro, entre outros fatores. Os objetivos dos participantes das redes de segurança financeira são relevantes e diferem de um país para o outro. Por exemplo, o sistema ex post pode ser suficiente no caso da proteção de pequenos depositários contra a falência de um banco em particular, em invés da manutenção e estabilidade de um sistema financeiro. Caso o sistema financeiro seja forte e haja um histórico longo de supervisão bancária eficaz, o fundo ex ante pode não ser necessário. Existem provas de que altos níveis de cobertura de depósito, combinados com um sistema não financiado, podem enfraquecer a disciplina do mercado e 8 Demirgũç-Kunt, Asli, Edward J. Kane e Luc Kaeven Determinantes da Adoção e Projeção do Seguro de depósitos, Documento de Pesquisa Política No (Washington DC: Banco Mundial). Os sistemas não financiados estão localizados principalmente na Europa. Países com sistemas não financiados incluem: Áustria, Bahrain, Chile, Gibraltar, Ilha de Man, Itália (neste último, os bancos pagam contribuições anuais para as despesas de operação do segurador), Liechtenstein, Luxemburgo, Holanda, Eslovênia, Suíça, Tailândia, e Reino Unido.

15 encorajar uma tomada de risco indevida. 9 Além disso, um sistema de projeção fraco pode causar um impacto negativo no desenvolvimento financeiro de um país. 10 Recentes Constatações dos Sistemas de Seguro de depósitos Ano Adotado Países que estabeleceram um Sistema explícito 2006 Hong Kong, Singapura 2005 Indonésia, Malásia 2003 Malta, Paraguai, Rússia, Zimbábue 2002 Albânia 2001 Nicarágua, Sérvia e Montenegro, Eslovênia 2000 Chipre, Jordânia, Vietnã 1999 Bahamas, Equador, El Salvador, Guatemala, Honduras, Cazaquistão, México (Camarões, República da África Central, República do Chade, Guiné Equatorial, República Gabonesa, República do Congo: legislação do seguro de depósitos retificada por dois dos seis países da Comunidade Econômica e Monetária da África Central acrônimo do inglês CEMAC ) Bósnia-Herzegovina, Estônia, Gibraltar, Jamaica, Letônia, Ucrânia 1997 Argélia, Croácia 1996 Bielorrússia, Coréia, Lituânia, Macedônia, Romênia, República Eslovaca, Suécia 1995 Brasil, Bulgária, Omã, Polônia Fonte: Demirguc-Kunt, Kane e Laeven. (2006) e IADI (2006). V. Fontes de para o sistema de seguro de depósitos As fontes dos fundos para o sistema de seguro de depósitos, 9 Demirgüç-Kunt, Asli e Harry Huizinga Projeção da Disciplina de Mercado e Rede de Segurança Financeira, Documento de Pesquisa Política No. 21(Washington DC: Banco Mundial). 10 Cull, Robert, Lemma W. Senbet e Marco Sorge Seguro de depósitos e Desenvolvimento Financeiro, Documento de Pesquisa Política No (Washington DC: Banco Mundial).

16 principalmente para a cobertura das restituições do depositante, custos de extinção e despesas monetárias, surgiram do setor público, privado ou de ambos. Muitos países operam um sistema que conta com um amplo financiamento. A. Fontes Privadas As instituições-membro deveriam ser a principal fonte do financiamento. Geralmente, as instituições pagam prêmios obrigatórios, como uma das condições de ingresso ao quadro de membros. Os valores dos prêmios são determinados tanto com relação à base do depósito segurado quanto ao total da base do depósito. Os planejadores, em países que utilizam depósitos como base para determinação de prêmios, geralmente têm a visão de que as instituições com um percentual mais elevado de depósitos se beneficiam mais. Por outro lado, alguns questionam que a utilização dos depósitos totais possui a vantagem de facilitar a operação, além de prevenir mudanças especulativas, pelos bancos, entre depósitos e não. Para nivelar fundo, seguido de uma falência, talvez seja necessário introduzir prêmios especiais ou taxações. B. Fontes Públicas Além de prêmios arrecadados dos membros, muitos sistemas de seguros de depósito possuem instrumentos implantados para ter acesso ao fundo do setor público, caso sejam necessários; o que pode levar a forma de contribuições iniciais, quando o sistema é estabelecido, empréstimo bancário ou do governo, para cobrir circunstâncias especiais, e doações para cobrir perdas. Diversos países se apoiaram em fundos do governo, para a injeção inicial de capital, a fim de implantar o sistema; o que foi o caso, por exemplo, dos Estados Unidos, Rússia, Chile, entre outros. Já que a promoção da estabilidade do sistema financeiro e a operação da rede de segurança financeira são importantes objetivos do governo, que beneficiam o país como um todo, argumenta-se que é apropriado que setor público conceda ao sistema algum suporte financeiro, através do fornecimento de capital inicial para estabelecer um fundo e/ou financiamento financeiro nas situações de crise. O governo pode fornecer sistemas de financiamento contingentes, até mesmo para sistemas financiados ex ante. Alguns seguradores de depósito possuem uma linha de crédito do banco central, ou diretamente com o governo. Em alguns casos, o governo pode ter um papel indireto,

17 através da garantia de empréstimo ao setor privado, por meio do segurador de depósito. Em linhas gerais, é menos dispendioso para o segurador obter fundos do setor público do que do setor privado, uma vez que aquele pode arrecadar fundos, a baixo custo, de acordo com sua classificação de crédito. Além disso, durante situações de crise, pode ser mais difícil arrecadar fundos diretamente do setor privado. O financiamento suplementar do setor privado, ou empréstimos com as garantias do governo, devem ser reembolsados na íntegra, periodicamente, conforme o fundo se restabeleça. Caso necessário, serão introduzidas taxações especiais sobre os membros, à medida que o sistema financeiro se fortaleça. Os procedimentos de acesso às fontes de fundos do setor público, caso estes sejam exigidos, precisam ser considerados no momento em que o sistema de seguro de depósitos é indicado. O sistema não pode ser indicado de tal forma que o recurso esperado, para apoio público, seja freqüente, já que isto pode diminuir a confiança pública no sistema e encorajar a tomada de risco indevida, através das instituiçõesmembro. Resumindo, os sistemas de seguro de depósitos podem ser financiados de diversas formas. Muitos são financiados ex ante, e envolvem uma mistura de capital público e privado. Características do projeto de sistemas de seguro de depósitos explícitos Número de países com cada característica em uma determinada categoria (a partir de 2003) De acordo com o nível da receita de renda per capita Renda alta Renda média alta Renda média baixa Renda baixa Total da proporção em moeda estrangeira entre bancos cobertos Co-seguro pré-existente Pagamento por depositante Esquema permanente Prêmios ajustáveis por risco Quadro de membros compulsório Fonte dos fundos

18 Privada Conjunta Pública Administração Oficial Conjunta Privada Fontes: Demirgüç-Kunt, Karacaovali and Laeven (2005) Características do projeto de sistemas de seguro de depósitos explícitos Número de países com cada característica em uma determinada categoria (a partir de 2003, em porcentagem) De acordo com o nível da receita de renda per capita Renda alta Renda média alta Renda média baixa Renda baixa Total da proporção em moeda estrangeira entre bancos cobertos Co-seguro pré-existente Pagamento por depositante Esquema permanente Prêmios ajustáveis por risco Quadro de membros compulsório Fonte dos fundos Privada Conjunta Pública Administração Oficial Conjunta Privada Fonte: Demirgüç-Kunt, Karacaovali and Laeven (2005) VI. Opções para financiamento inicial do sistema de seguro de depósitos Para operar um sistema de seguro de depósitos, é necessário algum capital inicial. A fonte para implementação deste sistema depende em parte de quem o introduz e quais seus objetivos. Normalmente, o governo injeta seguros de depósito em conjunto com objetivos de política pública para promover a estabilidade financeira do setor (gerando, por conseqüência, um equilíbrio maior na economia), além

19 de proteger os ativos dos pequenos depositantes. Sob tais circunstâncias, é mais provável que o segurador do depósito seja uma instituição pública ou agência. Deste modo, o fundo de capital será fornecido pelo governo. O financiamento inicial para estabelecer um DIS geralmente é fornecido pelo governo ou por uma agência pública; porém, outras fontes, como associações bancárias, podem fazer o mesmo. No caso da Corporação de Seguro de Deposito Federal (FDIC) e a Corporação de Seguros de Depósito do Canadá (CDIC), o financiamento inicial foi pago enquanto o segurador estava em condições de fazê-lo. O FDIC não possui capital social porque todo o montante foi pago. Quanto ao CDIC, governo recebeu o pagamento do empréstimo do financiamento de capital dez anos depois da celebração do contrato em Em alguns países, os financiamentos iniciais foram obtidos através de organizações internacionais, como o FMI ou o Banco Mundial. 11 VI. Como ter acesso ao financiamento contingencial Um sistema de seguro de depósitos, por si mesmo, não será capaz de sustentar uma crise grande financeira. Até mesmo se uma crise não sistemática ocorrer, o DIS pode não possuir fundos necessários para honrar seus compromissos. A lacuna existente entre os recursos e as obrigações financeiras pode ser coberta, fornecendo ao segurador acesso ao financiamento contingencial ou subsidiário oferecido pelo governo e pelo mercado. O financiamento subsidiário pode permitir o reembolso dos depósitos de seguro e ser pago através de contribuições especiais de instituições sobreviventes. Se um mecanismo de financiamento contingencial for bem administrado, será importante que as regras de uso sejam definidas com clareza, para que os fundos públicos não sejam sobrecarregados ou usados de forma inapropriada. O financiamento contingencial pode ser improvisado no momento em que for necessário ou previamente planejado. Possuir um mecanismo adequado é mais vantajoso que contar apenas com o fundo improvisado. Os termos e condições do financiamento podem ser planejados com maior cuidado. O acesso a fundos pode ser pago antecipadamente e a existência de um recurso financeiro pode aumentar a segurança do sistema. Isso pode facilitar o fechamento e a extinção de bancos falidos em uma base oportuna, além de ajudar a canalizar os custos associados com a falência. No caso de um sistema 11 O número de países oferecendo garantias de depósito explícitas eram 20 em 1980, passando a 95 em junho de Visite o site da IADI:

20 novo, que não acumulou recursos suficientes, uma reserva pode ser crucial. Há um grande número de fontes em potencial para obtenção de fundo de contingência como, por exemplo, o setor privado (por meio de financiamentos ou títulos de dívida, com ou sem garantias do governo), tesouro nacional, banco central ou outra agência governamental. O tesouro nacional ou banco central são as fontes mais comuns para adquirir os fundos. As organizações internacionais como o FMI e o Banco Mundial, também podem ser utilizados em alguns casos. Se o governo não for capaz de mobilizar recursos financeiros com a rapidez desejada, devido aos aspectos legais ou outros impedimentos, pode ser necessário que o empréstimo seja feito com o banco central ou uma organização internacional; porém, nesses casos, uma garantia fornecida pelo governo é necessária. No futuro, poderá ser possível realizar empréstimos com o banco central em vez de realizá-los com o governo ou através da emissão de títulos com garantidos pelo governo. Em casos isolados, o seguro de depósitos pode ser feito com empresas privadas para obter uma ou várias linhas de crédito com bancos sólidos. A emissão de títulos ou a compra de obrigações com opção de venda são opções para quitar as obrigações ou debêntures, podendo ser utilizados, se necessário. Apesar de ser mais comum uma agência do governo efetuar o seguro de depósitos, uma garantia dada pelo governo pode baixar os custos dos empréstimos para o setor privado; já que a taxa de crédito da instituição financeira utilizada pode aumentar. Em alguns casos, a falta de uma garantia do governo pode obstruir o acesso ao crédito do setor privado. As soluções de financiamento subsidiário também podem ser fornecidas pelo setor privado, sendo a Alemanha um exemplo de caso. Antes da introdução da diretiva da UE em 1994, quando foi exigido que os países membro possuíssem sistema de depósito compulsório, a Alemanha possuía um sistema voluntário baseado no setor bancário, que não envolvia supervisão governamental ou o acesso ao seu financiamento subsidiário. Em situações não críticas, o seguro de depósitos pode obter acesso ao financiamento subsidiário dos mercados financeiros. Alguns investidores podem desejar emprestar mais dinheiro ao segurador do depósito ou comprar títulos de dívidas contraídos por ele. Em situações mais graves, grandes bancos internacionais podem fornecer fundos se

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR Viana do Castelo, 11de Fevereiro www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida em resumo

Leia mais

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS)

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) África do Sul: Taxa predominante cobrada pelos bancos de contas garantidas prime. Alemanha: Taxa sobre crédito de conta-corrente de

Leia mais

Sugestões do FGC para uma Orientação Internacional de Seguro Depósito

Sugestões do FGC para uma Orientação Internacional de Seguro Depósito Sugestões do FGC para uma Orientação Internacional de Seguro Depósito (Abril, 2002) Ana Carla Abraão Costa Economista Os sistemas de seguro depósito, a par dos problemas de perigo moral e seleção adversa

Leia mais

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos 2012 1 2 Sobre a COSEC O que é o Seguro de Créditos

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Conselho de Administração Diretoria Geral Gerenciamento de Capital Diretoria de Controladoria, Operações, Jurídico, Ouvidoria e Cobrança Diretoria de Tesouraria, Produtos e Novos Negócios Operações Bancárias

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ Introdução O Gerenciamento do Risco de Liquidez no Grupo Didier Levy, considerando as empresas BEXS Banco de Câmbio S/A e BEXS Corretora de Câmbio S/A está

Leia mais

*Os pontos de vista expressados aqui são meus e não necessariamente representam aqueles do FDIC.

*Os pontos de vista expressados aqui são meus e não necessariamente representam aqueles do FDIC. Orientação Geral para Mandatos de Seguro de Depósito Eficazes Considerações importantes no Projeto de um Mandato Eficaz Disponibilidade de Recursos para um Sistema Eficaz de Seguro de Depósitos: Financiamentos,

Leia mais

Sistemas de Financiamento de Seguro de Depósitos: Comentários

Sistemas de Financiamento de Seguro de Depósitos: Comentários Sistemas de Financiamento de Seguro de Depósitos: Comentários Jean Roy, HEC-Montreal 1 IADI 2006, Rio de Janeiro Introdução Muito embora os sistemas financeiros tenham se beneficiado enormemente do progresso

Leia mais

Parceria para Governo Aberto Open Government Partnership (OGP)

Parceria para Governo Aberto Open Government Partnership (OGP) Parceria para Governo Aberto Open Government Partnership (OGP) 1ª Conferência Anual de Alto-Nível da Parceria para Governo Aberto - OGP Roberta Solis Ribeiro Assessoria Internacional - CGU Conselho da

Leia mais

Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil

Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil Objeto Estabelecer uma política adequada de gerenciamento de riscos financeiros, de modo a resguardar as empresas do grupo Endesa Brasil de

Leia mais

POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O difícil caminho até o Grau de Investimento Jedson César de Oliveira * Guilherme R. S.

POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O difícil caminho até o Grau de Investimento Jedson César de Oliveira * Guilherme R. S. POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O difícil caminho até o Grau de Investimento Jedson César de Oliveira * Guilherme R. S. Souza e Silva ** Nos últimos anos, tem crescido a expectativa em torno de uma possível

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14

Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14 Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13

Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13 Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

MAIS PROTEÇÃO PARA O SEU NEGÓCIO. CÁ DENTRO E LÁ FORA.

MAIS PROTEÇÃO PARA O SEU NEGÓCIO. CÁ DENTRO E LÁ FORA. MAIS PROTEÇÃO PARA O SEU NEGÓCIO. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Porquê a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida COSEC em resumo

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I. Introdução à Administração Financeira

Administração Financeira e Orçamentária I. Introdução à Administração Financeira Administração Financeira e Orçamentária I Introdução à Administração Financeira Conteúdo O Campo das Finanças A Função Financeira na Empresa As Funções do Administrador Financeiro O Objetivo da Empresa

Leia mais

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central Solidez para o Sistema Financeiro Nacional Facilidades para os tomadores de empréstimos

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central Solidez para o Sistema Financeiro Nacional Facilidades para os tomadores de empréstimos Sistema de Informações de Crédito do Banco Central Solidez para o Sistema Financeiro Nacional Facilidades para os tomadores de empréstimos Transparência para a sociedade istema de Informações de Crédito

Leia mais

A Reforma no Seguro de Depósitos nos Estados Unidos

A Reforma no Seguro de Depósitos nos Estados Unidos Comentários de Martin J. Gruemberg, Vice Presidente, FDIC Quinta Conferência Anual da Associação Internacional de Seguradores de Depósito Rio de Janeiro, Brasil 16 de novembro de 2006 Boa tarde. Obrigado

Leia mais

www.pwc.com.br Gerenciamento de capital e ICAAP

www.pwc.com.br Gerenciamento de capital e ICAAP www.pwc.com.br Gerenciamento de capital e ICAAP Como desenvolver uma abordagem eficaz de gerenciamento de capital e um processo interno de avaliação da adequação de capital (ICAAP) A crise financeira de

Leia mais

São Paulo, 09 de agosto de 2013.

São Paulo, 09 de agosto de 2013. São Paulo, 09 de agosto de 2013. Discurso do Presidente Alexandre Tombini no VIII Seminário Anual sobre Riscos, Estabilidade Financeira e Economia Bancária. Senhoras e senhores: É com grande satisfação

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia GERENCIAMENTO DE RISCOS Pilar III Basiléia 3º Trimestre 2015 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil O futuro é (deveria ser) o sucesso Como estar preparado? O que você NÃO verá nesta apresentação Voltar

Leia mais

Es t i m a t i v a s

Es t i m a t i v a s Brasileiros no Mundo Es t i m a t i v a s Ministério das Relações Exteriores - MRE Subsecretaria Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior - SGEB Departamento Consular e de Brasileiros no Exterior

Leia mais

Gerenciando a Crise. 10 º Congresso Internacional de Gestão Porto Alegre, 20 de julho de 2009

Gerenciando a Crise. 10 º Congresso Internacional de Gestão Porto Alegre, 20 de julho de 2009 Gerenciando a Crise 10 º Congresso Internacional de Gestão Porto Alegre, 20 de julho de 2009 Apresentação de Martin Forst & Hanna Kleider Divisão de Gestão e Desempenho do Setor Público Diretoria de Governança

Leia mais

S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS RELATÓRIO SOBRE REGIME DE CAPITALIZAÇÃO PÚBLICA PARA O REFORÇO DA ESTABILIDADE FINANCEIRA E DA DISPONIBILIZAÇÃO DE LIQUIDEZ NOS MERCADOS FINANCEIROS (REPORTADO A 25 DE MAIO DE 2012) O presente Relatório

Leia mais

PROPOSTAS PARA APRIMORAMENTO DA PROTEÇÃO DOS CONSUMIDORES DE PRODUTOS E SERVIÇOS FINANCEIROS

PROPOSTAS PARA APRIMORAMENTO DA PROTEÇÃO DOS CONSUMIDORES DE PRODUTOS E SERVIÇOS FINANCEIROS PROPOSTAS PARA APRIMORAMENTO DA PROTEÇÃO DOS CONSUMIDORES DE PRODUTOS E SERVIÇOS FINANCEIROS O Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor Idec, organização sem fins lucrativos e independente de empresas,

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

Transparência, Performance e Financiamento de Autoridades de Supervisão de Fundos de Pensão: Boas Práticas Internacionais. Flávia Pereira da Silva

Transparência, Performance e Financiamento de Autoridades de Supervisão de Fundos de Pensão: Boas Práticas Internacionais. Flávia Pereira da Silva Transparência, Performance e Financiamento de Autoridades de Supervisão de Fundos de Pensão: Boas Práticas Internacionais Flávia Pereira da Silva ROTEIRO FMI: Governance Nexus, a importância da governança

Leia mais

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB O NÚCLEO DE ECONOMIA EMPRESARIAL ESPM-SUL PESQUISA E APOIO 1. Despesas em

Leia mais

de monitoramento das 5 Metas do Todos Pela Educação

de monitoramento das 5 Metas do Todos Pela Educação De Olho nas Metas 2011Quarto relatório de monitoramento das 5 Metas do Todos Pela Educação Investimentos em Educação: comparação internacional Brasil investiu US$ 2.416 por aluno/ ano em 2008. Média dos

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Pilar 3

Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Gerenciamento de Riscos Pilar 3 2º Trimestre de 2014 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO DE LIQUIDEZ

Leia mais

CRESCER COM SEGURANÇA. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt

CRESCER COM SEGURANÇA. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt CRESCER COM SEGURANÇA. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Porquê a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida 2 Sobre a COSEC Quem somos

Leia mais

Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES

Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES JANEIRO 2013 ÍNDICE DE CONTEÚDOS Introdução...1 Antes das Três Linhas: Supervisão do Gerenciamento

Leia mais

Gestão de Desempenho no Uso de Energia: o Brasil está pronto para a ISO 50001?

Gestão de Desempenho no Uso de Energia: o Brasil está pronto para a ISO 50001? Oportunidades e desafios na expansão da oferta e no uso da energia - recursos, tecnologia e gestão Gestão de Desempenho no Uso de Energia: o Brasil está pronto para a ISO 50001? São Paulo, 27 de novembro

Leia mais

Análise de Risco de Bancos. Palestra Ocepar

Análise de Risco de Bancos. Palestra Ocepar Análise de Risco de Bancos Palestra Ocepar Abril/2009 Programação Análise recente do setor bancário Concentração Bancária Spread Bancário Crise Internacional Modelo de Análise de Bancos Perspectivas 2

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

Comunicado Oficial Reunião de Ministros e Diretores São Paulo Brasil 8-9 de novembro de 2008

Comunicado Oficial Reunião de Ministros e Diretores São Paulo Brasil 8-9 de novembro de 2008 Comunicado Oficial Reunião de Ministros e Diretores São Paulo Brasil 8-9 de novembro de 2008 1. Nós, os Ministros da Fazenda e Diretores dos Bancos Centrais do G-20, realizamos nossa décima reunião anual

Leia mais

Os Princípios de Prevenção aos Crimes de Lavagem de Dinheiro para Bancos Correspondentes

Os Princípios de Prevenção aos Crimes de Lavagem de Dinheiro para Bancos Correspondentes Os Princípios de Prevenção aos Crimes de Lavagem de Dinheiro para Bancos Correspondentes 1 Introdução O Grupo de Instituições Financeiras Wolfsberg 1 ¹ considera que estes princípios constituem uma orientação

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

COMUNICADO À IMPRENSA

COMUNICADO À IMPRENSA 27 NOVEMBRO 2012 PODE A ECONOMIA MUNDIAL SUPORTAR UM OUTRO 2011? Novo relatório global destaca os riscos de um déficit de $168 bilhões anualizado em seguros afetando as economias de alto crescimento Uma

Leia mais

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais SET/14

Ranking Mundial de Juros Reais SET/14 Ranking Mundial de Juros Reais SET/14 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração da NBC T 1 citada nesta Norma para NBC TG ESTRUTURA CONCEITUAL. RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.213/09 Aprova a NBC TA 320 Materialidade no Planejamento e

Leia mais

Guia do Estudante Erasmus - Período de Estudos

Guia do Estudante Erasmus - Período de Estudos ESTE ANO VOU CONHECER NOVAS PESSOAS ESTE ANO VOU ALARGAR CONHECIMENTOS ESTE ANO VOU FALAR OUTRA LÍNGUA ESTE ANO VOU ADQUIRIR NOVAS COMPETÊNCIAS ESTE ANO VOU VIAJAR ESTE ANO VOU SER ERASMUS Guia do Estudante

Leia mais

4Pro. Telemóvel Telefone Internet Televisão

4Pro. Telemóvel Telefone Internet Televisão 4Pro A oferta mais competitiva, desenhada para empresas e profissionais que lhe garante os melhores resultados 2 cartões de telemóvel com comunicações ilimitadas para todas as redes nacionais, para uma

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 63 março de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 63 março de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 63 março de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico A concentração bancária no Brasil é uma ameaça à justiça econômica e social 1 Quais as ameaças

Leia mais

Seu guia completo para nossos serviços móveis

Seu guia completo para nossos serviços móveis Seu guia completo para nossos serviços móveis Entre na maior comunidade de serviços móveis das Ilhas do Canal Guernsey GRÁTIS www.jtglobal.com Pesquise por Jtsocial A JT oferece mais Custo/benefício A

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

WP WGFA 2/06 Add. 1 Rev. 1

WP WGFA 2/06 Add. 1 Rev. 1 International Coffee Organization Organización Internacional del Café Organização Internacional do Café Organisation Internationale du Café WP WGFA 2/06 Add. 1 Rev. 1 10 janeiro 2007 Original: inglês P

Leia mais

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 INSTRUMENTOS FINANCEIROS NA POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 As novas regras e legislação para os investimentos futuros da política de coesão da UE durante o período de programação

Leia mais

Necessidade de visto para. Não

Necessidade de visto para. Não País Necessidade de visto para Turismo Negócios Afeganistão África do Sul Albânia, Alemanha Andorra Angola Antígua e Barbuda Arábia Saudita Argélia. Argentina Ingresso permitido com Cédula de Identidade

Leia mais

Quero um empréstimo É uma ordem!

Quero um empréstimo É uma ordem! Quero um empréstimo É uma ordem! 2 de abril de 2014 Por Jesus Gonzalez-Garcia e Francesco Grigoli A participação estatal em bancos ainda é comum no mundo todo, apesar do grande número de privatizações

Leia mais

A pergunta de um trilhão de dólares: Quem detém a dívida pública dos mercados emergentes

A pergunta de um trilhão de dólares: Quem detém a dívida pública dos mercados emergentes A pergunta de um trilhão de dólares: Quem detém a dívida pública dos mercados emergentes Serkan Arslanalp e Takahiro Tsuda 5 de março de 2014 Há um trilhão de razões para se interessar em saber quem detém

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

18/08/2015. Governança Corporativa e Regulamentações de Compliance. Gestão e Governança de TI. Governança Corporativa. Governança Corporativa

18/08/2015. Governança Corporativa e Regulamentações de Compliance. Gestão e Governança de TI. Governança Corporativa. Governança Corporativa Gestão e Governança de TI e Regulamentações de Compliance Prof. Marcel Santos Silva A consiste: No sistema pelo qual as sociedades são dirigidas, monitoradas e incentivadas, envolvendo o relacionamento

Leia mais

Preçário dos Cartões Telefónicos PT

Preçário dos Cartões Telefónicos PT Preçário dos Cartões Telefónicos PT Cartão Telefónico PT 5 e (Continente)... 2 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma dos Açores)... 6 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma da Madeira)... 10 Cartão

Leia mais

Cafés e Restaurantes. Telefone Internet Televisão

Cafés e Restaurantes. Telefone Internet Televisão Cafés e Internet A solução HORECA que lhe dá tudo O pacote é a solução para o segmento HORECA que conjuga os melhores conteúdos de desporto nacional e internacional, com telefone e internet. Chamadas ilimitadas

Leia mais

ECB-PUBLIC PARECER DO BANCO CENTRAL EUROPEU. de 24 de março de 2015. sobre o regime do mediador de crédito (CON/2015/12)

ECB-PUBLIC PARECER DO BANCO CENTRAL EUROPEU. de 24 de março de 2015. sobre o regime do mediador de crédito (CON/2015/12) PT ECB-PUBLIC PARECER DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 24 de março de 2015 sobre o regime do mediador de crédito (CON/2015/12) Introdução e base jurídica Em 14 de janeiro de 2015 o Banco Central Europeu (BCE)

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

O incumprimento entre empresas aumenta, em comparação com 2011

O incumprimento entre empresas aumenta, em comparação com 2011 Lisboa, 29 de Maio de 2013 Estudo revela que os atrasos nos pagamentos entre empresas na região da Ásia - Pacífico se agravaram em 2012 - As empresas estão menos optimistas relativamente à recuperação

Leia mais

Desafios para Implementação da Gestão de Energia Dificuldades e incentivos para implementar a ISO 50.001

Desafios para Implementação da Gestão de Energia Dificuldades e incentivos para implementar a ISO 50.001 Desafios para Implementação da Gestão de Energia Dificuldades e incentivos para implementar a ISO 50.001 George Alves Soares Chefe da Assessoria Corporativa e de Novos Negócios em Eficiência Energética

Leia mais

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 INSTRUMENTOS FINANCEIROS NA POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 A Comissão Europeia aprovou propostas legislativas no âmbito da política de coesão para 2014-2020 em outubro de 2011

Leia mais

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1 Governança de TI ITIL v.2&3 parte 1 Prof. Luís Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR ITIL 1 1 ITIL Gerenciamento de Serviços 2 2 Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de Serviços 3 3 Gerenciamento de Serviços

Leia mais

154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO

154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO 154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO Washington, D.C., EUA, 16 a 20 de junho de 2014 Tema 5.5 da Agenda Provisória CE154/24, Rev. 1 30 de maio de 2014 Original: inglês SITUAÇÃO E NÍVEL AUTORIZADO DO FUNDO

Leia mais

Condições para Crédito a Descoberto DEGIRO

Condições para Crédito a Descoberto DEGIRO Condições para Crédito a Descoberto DEGIRO Conteúdo Condições para crédito a descoberto... 3 Artigo 1. Definições... 3 Artigo 2. Relação contratual... 3 2.1 Aceitação... 3 2.2 Bureau krediet registratie

Leia mais

Contribuições referentes à Audiência Pública ANEEL 072/2012

Contribuições referentes à Audiência Pública ANEEL 072/2012 Contribuições referentes à Audiência Pública ANEEL 072/2012 Objetivo: obter subsídios para o aprimoramento do mecanismo de garantias financeiras associadas à liquidação financeira do Mercado de Curto Prazo

Leia mais

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária Alcance 1. Uma entidade que prepara e apresenta Demonstrações Contábeis sob o regime de competência deve aplicar esta Norma

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

Cisco Systems Incorporation

Cisco Systems Incorporation Cisco Systems Incorporation 1. Principais Características Matriz: Cisco Systems Inc. Localização: São José, Califórnia, Estados Unidos Ano de fundação: 1984 Internet: www.cisco.com Faturamento (2000):

Leia mais

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil País Afeganistão África do Sul Albânia Alemanha Andorra Angola Antígua e Barbuda Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Austrália

Leia mais

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS AUDITORIA INTERNA DA ATLAS A auditoria interna serve à administração como meio de identificação de que todos os processos internos e políticas definido pela ATLAS, assim como sistemas contábeis e de controle

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave ISO14004 uma diretriz ISO 14004:2004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Prof.Dr.Daniel Bertoli Gonçalves FACENS 1 Seu propósito geral é auxiliar as

Leia mais

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A.

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. 31 de dezembro de 2014 com o relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes

Leia mais

www.pwc.com Reunião Técnica: Norma contábil - IFRS 15: Receitas de contratos com clientes e as mudanças no reconhecimento de receita.

www.pwc.com Reunião Técnica: Norma contábil - IFRS 15: Receitas de contratos com clientes e as mudanças no reconhecimento de receita. www.pwc.com Reunião Técnica: Norma contábil - IFRS 15: Receitas de contratos com clientes e as mudanças no reconhecimento de receita. Outubro 2014 IFRS 15 Objetivo do Projeto Principal Objetivo Padronizar

Leia mais

Geografia Econômica Mundial. Organização da Aula. Aula 4. Blocos Econômicos. Contextualização. Instrumentalização. Tipologias de blocos econômicos

Geografia Econômica Mundial. Organização da Aula. Aula 4. Blocos Econômicos. Contextualização. Instrumentalização. Tipologias de blocos econômicos Geografia Econômica Mundial Aula 4 Prof. Me. Diogo Labiak Neves Organização da Aula Tipologias de blocos econômicos Exemplos de blocos econômicos Algumas características básicas Blocos Econômicos Contextualização

Leia mais

CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL

CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL 1. O que é a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF)? A Lei de Responsabilidade Fiscal é um código

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.477. I - bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de câmbio e caixas econômicas;

CIRCULAR Nº 3.477. I - bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de câmbio e caixas econômicas; CIRCULAR Nº 3.477 Dispõe sobre a divulgação de informações referentes à gestão de riscos, ao Patrimônio de Referência Exigido (PRE), de que trata a Resolução nº 3.490, de 29 de agosto de 2007, e à adequação

Leia mais

+Gás Brasil. A energia que pode revolucionar a economia brasileira. São Paulo, 17 de Outubro de 2012

+Gás Brasil. A energia que pode revolucionar a economia brasileira. São Paulo, 17 de Outubro de 2012 +Gás Brasil A energia que pode revolucionar a economia brasileira São Paulo, 17 de Outubro de 2012 A hora do gás na agenda nacional Mudanças tecnológicas, econômicas e políticas globais e locais impõem

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Entradas a) contas à receber b) empréstimos c) dinheiro dos sócios

FLUXO DE CAIXA. Entradas a) contas à receber b) empréstimos c) dinheiro dos sócios FLUXO DE CAIXA É a previsão de entradas e saídas de recursos monetários, por um determinado período. Essa previsão deve ser feita com base nos dados levantados nas projeções econômico-financeiras atuais

Leia mais

Regulamento - Perfil de Investimentos

Regulamento - Perfil de Investimentos Regulamento - Perfil de Investimentos 1. Do Objeto Este documento estabelece as normas gerais aplicáveis ao Programa de Perfil de Investimentos (Multiportfólio) da CargillPrev. O programa constitui-se

Leia mais

Manual do agente de crédito Banco Solidario

Manual do agente de crédito Banco Solidario Manual do agente de crédito Banco Solidario Trechos relacionados a evitar o superendividamento dos clientes, traduzidos do espanhol A filosofia Viver Solidário pode ser aplicada a tudo na vida. Em nossa

Leia mais

Orientação Geral para Mandato Efetivo de Seguro de Depósito

Orientação Geral para Mandato Efetivo de Seguro de Depósito 01-09-2006 Orientação Geral para Mandato Efetivo de Seguro de Depósito Esboço de Consulta Preparado pelo subcomitê de Orientação Geral para Mandato de Seguro de depósito Efetivo Comitê de Pesquisa e Orientação

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Notas de orientação 9: Sugestão de checklist para estabelecer o escopo do Relatório da EITI

Notas de orientação 9: Sugestão de checklist para estabelecer o escopo do Relatório da EITI Notas de orientação 9 3 de julho de 2015 Estas notas de orientação foram produzidas pela Secretaria Internacional da EITI para ajudar os países implementadores a publicarem dados eletrônicos do Relatório

Leia mais

Declaração de Helsinque Associação Médica Mundial

Declaração de Helsinque Associação Médica Mundial A. Introdução Declaração de Helsinque Associação Médica Mundial Princípios éticos para as pesquisas médicas em seres humanos Adotado pela 18ª Assembléia Médica Mundial Helsinque, Finlândia, junho do 1964

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 02 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

AVISO N.º 03/2012 de 28 de Março

AVISO N.º 03/2012 de 28 de Março Publicado no Diário da República, I.ª Série, n.º 60, de 28 de Março AVISO N.º 03/2012 de 28 de Março Havendo necessidade de regulamentar a concessão e a classificação das operações de créditos pelas instituições

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS E INVESTMENT BANKING EFICÁCIA COMPROVADA HOJE. PREPARADO PARA O AMANHÃ. ADAPTIV RISKBOX: CONTROLE AVANÇADO DE RISCOS

MERCADO DE CAPITAIS E INVESTMENT BANKING EFICÁCIA COMPROVADA HOJE. PREPARADO PARA O AMANHÃ. ADAPTIV RISKBOX: CONTROLE AVANÇADO DE RISCOS MERCADO DE CAPITAIS E INVESTMENT BANKING EFICÁCIA COMPROVADA HOJE. PREPARADO PARA O AMANHÃ. ADAPTIV RISKBOX: CONTROLE AVANÇADO DE RISCOS EFICÁCIA COMPROVADA HOJE. PREPARADO PARA O AMANHÃ. MELHORES PRÁTICAS

Leia mais

DECLARAÇÃO DE POSICIONAMENTO DO IIA: O PAPEL DA AUDITORIA INTERNA

DECLARAÇÃO DE POSICIONAMENTO DO IIA: O PAPEL DA AUDITORIA INTERNA Permissão obtida junto ao proprietário dos direitos autorais, The Institute of Internal Auditors, 247 Maitland Avenue, Altamonte Springs, Florida 32701-4201, USA, para publicar esta tradução, a qual reflete

Leia mais

Manual básico para entender as opções binárias

Manual básico para entender as opções binárias Manual básico para entender as opções binárias 1 índice 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 O QUE SÃO AS OPÇÕES BINÁRIAS CRIAR UMA CONTA NA EMPIREOPTION COMO DEPOSITAR COMO ABRIR UMA OPERAÇÃO COMO SACAR DINHEIRO QUEM

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

A formação da União Europeia

A formação da União Europeia A formação da União Europeia A EUROPA DOS 28 Como tudo começou? 1926: 1º congresso da União Pan- Europeia em Viena (Áustria) 24 países aprovaram um manifesto para uma organização federativa na Europa O

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO. Requisitos e Diretrizes para a Integração de Sistemas de Gestão PAS 99:2012

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO. Requisitos e Diretrizes para a Integração de Sistemas de Gestão PAS 99:2012 Risk Tecnologia Coleção Risk Tecnologia SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO Requisitos e Diretrizes para a Integração de Sistemas de Gestão PAS 99:2012 Aplicável às Atuais e Futuras Normas ISO 9001, ISO 14001,

Leia mais

Notas de orientação sobre despesas sociais Requisito 4.1(e)

Notas de orientação sobre despesas sociais Requisito 4.1(e) Estas notas foram publicadas pela Secretaria Internacional da EITI para oferecer orientação para os países implementadores sobre como satisfazer os requisitos do Padrão da EITI. Aconselhamos os leitores

Leia mais

Política Institucional Gerenciamento de Capital

Política Institucional Gerenciamento de Capital P a g e 1 1 P a g e 2 Índice: 1. Objetivos... 2 2. Estrutura... 3 Diretoria BNY Mellon Serviços Financeiros Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A e BNY Mellon Banco S.A... 4 Diretor Responsável

Leia mais