Parte II Elementos básicos do microscópio. II Encontro da Rede Mineira de Química - UFSJ - Maio de 2012

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Parte II Elementos básicos do microscópio. II Encontro da Rede Mineira de Química - UFSJ - Maio de 2012"

Transcrição

1 Parte II Elementos básicos do microscópio 18

2 Elementos básicos do microscópio Condensadora Lente Objetiva Tela fluorescente Objeto Plano focal Primeira imagem 19

3 Canhões de Elétrons Além da fonte de elétrons, é importante ter o controle do feixe de elétrons e direcionálo no sistema de iluminação do MET. Termiônico Emissão de campo (FEG) 20

4 Termoiônico 21

5 Termoiônico Catodo Wehnelt Anodo É possível controlar independentemente o aquecimento do filamento e a polarização do Wehnelt O Wehnelt atua como uma lente eletrostática. 22

6 Termoiônico Quando a corrente de emissão do canhão aumenta, a polarização do Wehnelt também aumenta... 23

7 Como observar a saturação do feixe... Um filamento de LaB 6 A imagem do filamento também pode ser utilizada para fazer o alinhamento do canhão... 24

8 Canhões por Emissão de Campo (FEG) Catodo Anodo: é positivamente carregado (lentamente) por vários kv em relação à ponta do filamento. Produz a voltagem de extração (tunelamento) Anodo: Os elétrons são acelerados e produz o crossover. Controla o tamanho e a posição do feixe (pouco flexível). Acrescentar lentes eletromagnéticas torna o feixe mais controlável e permite maior brilho (β) 25

9 5.3B Emissão de Campo (FEG) Vácuo é extremamente importante 26

10 Comparação entre os canhões 27

11 Lentes eletromagnéticas Se nossos olhos fossem lentes eletromagnéticas nós enxergaríamos assim: Ao passo que o desejado é: 28

12 Indução Campo magnético Atuam para: demagnificar a imagem fonte que incide sobre a amostra; aumentam a imagem ou padrão de difração obtidos da amostra para visualização. 29

13 Tipos de lentes Lentes projetoras Condensadora Lente Objetiva Tela fluorescente Objeto Plano focal Primeira imagem A objetiva é a lente mais importante, pois ela é a responsável por gerar a imagem e o padrão de difração a serem ampliados pelos outros conjuntos de lentes. 30

14 Tipos de lentes objetivas Peças polares separadas é o tipo mais comum, pois podemos fazer a duas partes trabalhem diferentes. 31

15 Tipos de lentes objetivas Tipo snorkel Tipo top-entry Não permite técnicas analiticas 32

16 r F r r r r r = q( E + v B) F v r F r B v F F e e v e v 33

17 Plano Eucêntrico Por causa do trajeto dos elétrons durante sua travessia pelo eixo das lentes é preciso definir um plano objeto que servirá de referência para as medidas tomadas. Escolhemos o plano eucêntrico para isso. Plano eucêntrico: Aquele em que a imagem de sua amostra não se move ao se promover a inclinação da amostra. Altura eucêntrica Plano imagem 34

18 Aberturas Buracos circulares feitos em lâminas metálicas, geralmente de Mo ou Pt. Tem a função de limitar a coleta de raios pelas lentes para: Melhorar o contraste; Controlar a resolução; Controlar o ângulo de coleta; Selecionar raios difratados ou regiões específicas da amostra. Também podem ser discos individuais. 35

19 Aberturas exemplo abertura da condensadora Amostra λ Plano imagem Plano focal 36

20 Aberturas exemplo imagem de campo claro Amostra λ Plano imagem Plano focal 37

21 Aberturas exemplo imagem de campo escuro Amostra λ Plano imagem Plano focal 38

22 Limitações As limitações existentes em lentes eletromagnéticas que efetivamente alteram o desempenho de um microscópio são: Aberração esférica; Aberração cromática; Astigmatismo Existem outras limitações, mas de efeito quase desprezível em relação as três acima. 39

23 Limitações - Aberração esférica As linhas de campo são mais intensas na região das bordas da lente. Como conseqüência os elétrons que atravessam a lente pelas bordas sofrem maior desvio do que os que passam pelo meio. 40

24 Limitações - Aberração esférica λ Plano imagem Plano focal Foi traçado considerando que o campo das lentes é homogêneo ao longo de seu diametro. 41

25 Limitações - Aberração esférica λ Plano focal 42

26 Limitações - Aberração esférica Os efeitos da aberração esférica (C s ): Lente Limita o tamanho da imagem fonte formada no crossover. (condensadora) Plano de mínima confusão Diametro do disco = 0,5 C s β 3 Plano imagem gaussiano Diametro do disco = 2C s β 3 Na objetiva ela corrompe os detalhes que queremos observar Todas as lentes abaixo da objetiva atuarão ampliando os erros causados pela Cs da objetiva. 43

27 Limitações - Aberração esférica r O raio do disco de intensidades em condições reais é dado por: r = C s β 3 44

28 Limitações - Aberração esférica - Correção A correção é alcançada por divergir os feixes fora do eixo da lente. Atingida por complexos conjuntos de hexapolos e octopolos elétricos. 45

29 Limitações - Aberração cromática Está relacionada ao fato do feixe (na formação da imagem) não ser monocromático. 1- Pela distribuiçao inicial gerada no canhão. W 3 E (ev) a 100 kv LaB 6 FEG 1,5 0,3 λ λ c 3 em ~ 0,003% Correção: Utilização de um monocromador. 46

30 Limitações - Aberração cromática 2 - Ou pela perda de energia dos elétrons ao interagir com amostras grossas. Amostra Elétrons com perda de energia Elétrons sem perda de energia Plano de mínima confusão. Plano imagem gaussiano A largura da distribuição nesse caso fica entre 15 e 25 ev para amostras com espessura entre nm. Correção: Utilização de um filtro de energia ou trabalhar com amostras finas. 47

31 Limitações - Astigmatismo Ocorre quando o foco no eixo vertical ocorre em um ponto diferente do eixo horizontal Disco de mínima confusão Foco horizontal Foco vertical Causas: Distribuição não homogênea de linhas de campo; Assimetria das bobinas por problemas de usinagem; Sujeira nas aberturas (aberturas não circulares). Correção: Aplicação de campo magnético auxiliar gerado por 4, 6 ou 8 bobinas defletoras. 48

32 Limitações resumo As limitações existentes em lentes eletromagnéticas que efetivamente alteram o desempenho de um microscópio são: Aberração esférica; Aberração cromática; Astigmatismo Todas corrigíveis, embora as duas primeiras necessitem de investimento alto ($) para a correção. 49

33 Como ver elétrons Independente de quão trabalhosas e desgastantes são as horas a frente de um microscópio eletrônico de transmissão, o resultado é uma imagem e/ou um padrão de difração. Essas imagens e padrões de difração são na verdade diferentes distribuições eletrônicas resultantes do fenômenos de espalhamento de elétrons do mesmo objeto. Precisam ser vistas de alguma maneira!! Como nossos olhos não são sensíveis a elétrons, precisamos encontrar um jeito de traduzir as distribuições de intensidade eletrônicas em distribuições de luz visível. Precisamos ver elétrons!! Após visualizadas e, se consideradas interessantes, precisam ser registradas e provavelmente impressas. 50

34 Como ver elétrons O olho humano não é capaz de ver elétrons...embora possa detectá-los (mas não é aconselhável olhar diretamente para um feixe de elétrons!) Como fazer então para enxergá-los?? A interface entre elétrons e nossos olhos pode ser feita pelo uso de telas fluorescentes e alguns tipos de detectores. Nessa apresentação discutiremos: Telas fluorescentes; Detectores de elétrons; Em que situação utilizar qual detector; Formas de registrar os resultados. 51

35 Telas fluorescentes Como converter a energia do feixe eletrônico em luz visível?? Utilizando o fenômeno de catodoluminescência: Processo de conversão da energia dos elétrons (raios catódicos) em luz visível (luminescência). A intensidade da luz é intensidade do feixe. proporcional à 52

36 Telas fluorescentes O primeiro requerimento de telas para ver eletróns é que a luz proveniente delas seja emitida com comprimentos de onda adequados ao olho humano 53 ZnS emite luz com λ = 450 nm, mas quando modificado por impurezas emite a 550 nm. O segundo requerimento - O grão que compõe a tela deve ser menor que 100 µm.

37 Telas fluorescentes A grande causa de danos para as telas são feixes muito intensos, provenientes de amostras finas, que as atingem diretamente. Dicas para aumentar a vida útil da tela: Só use o modo difração com a abertura adequada; Só use modo difração com as lentes C2 desfocadas; Se mesmo assim o spot central for muito intenso coloque um beam stop enquanto observa o padrão na tela. 54

38 Detectores de elétrons Além de telas existem alternativas para detecção de elétrons. Detectores semicondutores; Detectores fotomultiplicadores cintilantes. Região de depleção A energia do feixe cria pares elétron buracos. Esses pares são separados por uma tensão reversa externa ou pelo próprio campo da junção. O feixe incidente cria uma corrente no detector. Eficiência de conversão líquida de 2X10 4 para cada 100 k-ev. 55

39 Detectores semicondutores Vantagens: Fácil fabricação; Baratos para reposição; Versatilidade de formatos. Desvantagens : Corrente de escuro; São danificados pelo feixe eletrônico. Ruído intrínseco redução na DQE DQE Detection quantum efficency = S R S R saída saída entrada entrada 2 56

40 Detectores cintiladores fotomultiplicadores Cintilador emite luz visível quando atingido por elétrons catodo luminescência Material para o cintilador é uma liga de itrío-alumínio dopada com césio (YAG). Tempo de decaimento de nanosegundos. Uma vez convertido em luz, o sinal é amplificado por um sistema fotomultiplicador 57

41 Detectores cintiladores fotomultiplicadores Vantagens: Ganho da ordem de 10 n, onde n é o número de dynodes; A maioria dos modelos comerciais apresenta uma DQE ~0,9; O nível de ruído é baixo e tem largura de faixa na ordem de MHz. Desvantagens: Não são tão robustos como os detectores semicondutores; São caros; Não são produzidos em formatos tão versáteis como os semicondutores; A eficiência de conversão é bem menor do que em semicondutores ~ 4000 fótons para cada 100 kev. 58

42 Cameras de TV e Dispositivos de carga acoplados (CCD) Ao invés de telas fluorescentes, podemos utilizar cameras de TV para visualizar uma imagem de TEM diretamente. As melhores cameras são as CCD. CCDs são dispositivos que armazenam carga gerada por luz ou feixes eletrônicos. A leitura do arranjo é feita pela mudança do potencial aplicado, fazendo a carga ser transferida em série de um pixel para outro, ao longo de uma linha até um amplificador de saída. Milhares ou milhões de pixels eletricamente isolados uns dos outros. 59

43 Cameras de TV e Dispositivos de carga acoplados (CCD) Vantagens: baixo ruído; DQE > 0,5 mesmo para baixos níveis de sinal de entrada; Ideais para padrões de difração que se expandem em grandes limites de intensidade. Desvantagem: O preço!!$$$$$$ O copo de Faraday Trata-se de um detector que mede a corrente eletrônica total do feixe. 60 Não é usado para a tomada de imagens, mas para avaliação da performance da fonte de elétrons.

44 Qual detector é usado para qual sinal? Detectores semicondutores são sensíveis a elétrons com energias maiores que 5 kev são usados principalmente para altas energias. Para baixas energias cintiladores fotomultiplicadores sistemas que exigem resposta rápida TVs com alta taxa de varredura. E para registrar as imagens??? Filmes fotográficos ainda são a principal escolha!!! Existe um compromisso de tamanho de grão com a velocidade do filme. Filmes rápidos tem grãos maiores. Em geral utiliza-se filmes rápidos, para minimização de danos devido ao feixe e borrões. O tamanho de grão muda de 4 µm para 5 µm a perda em resolução não significativa. Na prática uma foto de 10 cm X 10 cm tem cerca de 10 7 pixels. 61

45 Resolução X aumento (amplificação) Resolução é uma questão mais crítica do que aumento Não adianta olhar de perto se não é possível ver nada!! 62

46 Como saber a resolução do seu equipamento? Através da melhor resolução interpretável. Resolução de ponto. Experimentalmente obtida pelo primeiro anel escuro da transformada de Fourier de uma imagem de uma fina região amorfa no melhor foco. 63

ANDRÉ LUIZ PINTO CBPF

ANDRÉ LUIZ PINTO CBPF 1 MICROSCOPIA ELETRÔNICA ANDRÉ LUIZ PINTO CBPF Roteiro Introdução Fundamentos Fontes de elétrons Lentes de elétrons Interação elétron-matéria Microscópio Eletrônico de Varredura Microscópio Eletrônico

Leia mais

Microscopia eletrônica de Transmissão: Aspectos básicos e aplicações. Douglas Rodrigues Miquita Centro de Microscopia da UFMG

Microscopia eletrônica de Transmissão: Aspectos básicos e aplicações. Douglas Rodrigues Miquita Centro de Microscopia da UFMG Microscopia eletrônica de Transmissão: Aspectos básicos e aplicações. Douglas Rodrigues Miquita Centro de Microscopia da UFMG Parte I Introdução aos aspectos básicos Por que precisamos de TEM 2 Prólogo

Leia mais

Aplicações da Mecânica Quântica

Aplicações da Mecânica Quântica Aplicações da Mecânica Quântica LASER I Amplificação da luz por emissão estimulada da radiação As bases teóricas para o laser foram estabelecidas por Einstein em 1917. O primeiro laser foi construído em

Leia mais

Microscopia e o Espectro Eletromagnético

Microscopia e o Espectro Eletromagnético Microscopia e o Espectro Eletromagnético O limite de resolução inferior de um microscópio é determinado pelo fato de que, nestes instrumentos, se utiliza ondas eletromagnéticas para a visualização Não

Leia mais

O Elétron como Onda. Difração de Bragg

O Elétron como Onda. Difração de Bragg O Elétron como Onda Em 1924, de Broglie sugeriu a hipótese de que os elétrons poderiam apresentar propriedades ondulatórias além das suas propriedades corpusculares já bem conhecidas. Esta hipótese se

Leia mais

Introdução à Nanotecnologia

Introdução à Nanotecnologia Introdução à Nanotecnologia Ele 1060 Aula 6 2010-01 Microscopia Importância Visualizar objetos muitos pequenos Caracterizar materiais; Estudar propriedades; Observar defeitos; Investigar comportamentos.

Leia mais

O espectro eletromagnético

O espectro eletromagnético Difração de Raios X O espectro eletromagnético luz visível raios-x microondas raios gama UV infravermelho ondas de rádio Comprimento de onda (nm) Raios Absorção, um fóton de energia é absorvido promovendo

Leia mais

Técnicas de microscopia eletrônica de varredura para caracterização de materiais PMT-5858

Técnicas de microscopia eletrônica de varredura para caracterização de materiais PMT-5858 Técnicas de microscopia eletrônica de varredura para caracterização de materiais PMT-5858 Prática Laboratorial Prof. Dr. André Paulo Tschiptschin (PMT-EPUSP) DEPENDÊNCIA ENTRE OS CONCEITOS BÁSICOS DE OPERAÇÃO

Leia mais

Microscopia para Microeletrônica

Microscopia para Microeletrônica QuickTime and a Photo - JPEG decompressor are needed to see this picture. Microscopia para Microeletrônica Prof. Dr. Antonio Carlos Seabra acseabra@lsi.usp.br Microscopia Tipos de análise Morfológica (espessura,

Leia mais

TÉCNICAS DE MICROSCOPIA ELETRÔNICA DE VARREDURA PARA CARACTERIZAÇÃO DE MATERIAIS PMT-5858

TÉCNICAS DE MICROSCOPIA ELETRÔNICA DE VARREDURA PARA CARACTERIZAÇÃO DE MATERIAIS PMT-5858 TÉCNICAS DE MICROSCOPIA ELETRÔNICA DE VARREDURA PARA CARACTERIZAÇÃO PMT-5858 3ª AULA Interação entre elétrons e amostra Prof. Dr. André Paulo Tschiptschin (PMT-EPUSP) 1. INTERAÇÃO ELÉTRONS AMOSTRA O QUE

Leia mais

NOTA: Os primeiros aparelhos emitiam radiação praticamente na faixa de Raios X duros, sendo extremamente perigosos, podendo causar danos biológicos.

NOTA: Os primeiros aparelhos emitiam radiação praticamente na faixa de Raios X duros, sendo extremamente perigosos, podendo causar danos biológicos. As colisões dos elétrons com alta energia cinética no tubo fluorescente provocam transições eletrônicas que envolvem orbitais internos. Raios X moles (de maior λ e fraco poder de penetração, e.g. λ=150å

Leia mais

EXERCÍCIOS SOBRE REFRAÇÃO

EXERCÍCIOS SOBRE REFRAÇÃO EXERCÍCIOS SOBRE REFRAÇÃO TODOS SÃO BEM DIFÍCEIS FAÇA UM OU DOIS POR DIA CONSULTE A RESOLUÇÃO SOMENTE EM ÚLTIMO CASO LUTE E NÃO DESISTA FACILMENTE... BOM TRABALHO!!! 1. (UERJ/2013) Um raio luminoso monocromático,

Leia mais

Prof. Joel Brito Edifício Basílio Jafet - Sala 102 Tel

Prof. Joel Brito Edifício Basílio Jafet - Sala 102 Tel Prof. Joel Brito Edifício Basílio Jafet - Sala 102 Tel. 3091-6925 jbrito@if.usp.br Alguns recados da disciplina Critérios de aprovação 3 experimentos + 1 projeto da turma Média dos experimentos + nota

Leia mais

NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA

NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA Prof. Carlos R. A. Lima CAPÍTULO 3 PROPRIEDADES CORPUSCULARES DA RADIAÇÃO Edição de novembro de 2011 CAPÍTULO 3 PROPRIEDADES CORPUSCULARES DA RADIAÇÃO ÍNDICE 3.1- Efeito

Leia mais

Introd. Física Médica

Introd. Física Médica Introd. Física Médica O Efeito Foto Elétrico (EFE) Introdução a Física Médica O Efeito Foto Elétrico (EFE) Introdução a Fís sica Médica Heinrich HERTZ descobriu o Efeito FotoElétrico (1887): Quando a luz

Leia mais

Estrutura física da matéria Difração de elétrons

Estrutura física da matéria Difração de elétrons O que você pode aprender sobre este assunto... - Reflexão de Bragg - Método de Debye-Scherer - Planos de rede - Estrutura do grafite - Ondas de matéria - Equação de De Broglie Princípio: Elétrons acelerados

Leia mais

MicroscopiaElectrónica SEM, TEM

MicroscopiaElectrónica SEM, TEM 12 MicroscopiaElectrónica SEM, TEM http://en.wikipedia.org/wiki/scanning_electron_microscope http://www.mos.org/sln/sem/ http://mse.iastate.edu/microscopy/choice.html http://en.wikipedia.org/wiki/transmission_electron_microscope

Leia mais

Dosimetria e Proteção Radiológica

Dosimetria e Proteção Radiológica Dosimetria e Proteção Radiológica Prof. Dr. André L. C. Conceição Departamento Acadêmico de Física (DAFIS) Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica e Informática Industrial (CPGEI) Universidade

Leia mais

NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA

NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA Prof. Carlos R. A. Lima CAPÍTULO 3 PROPRIEDADES CORPUSCULARES DA RADIAÇÃO Primeira Edição junho de 2005 CAPÍTULO 3 PROPRIEDADES CORPUSCULARES DA RADIAÇÃO ÍNDICE 3.1- Efeito

Leia mais

4. MICROSCOPIA ELETRÔNICA DE TRANSMISSÃO, TÉCNICAS ESPECTROSCÓPICAS, NANOINDENTAÇÃO.

4. MICROSCOPIA ELETRÔNICA DE TRANSMISSÃO, TÉCNICAS ESPECTROSCÓPICAS, NANOINDENTAÇÃO. Nanoidentação. 49 4. MICROSCOPIA ELETRÔNICA DE TRANSMISSÃO, TÉCNICAS ESPECTROSCÓPICAS, NANOINDENTAÇÃO. 4.1 Microscopia Eletrônica de Transmissão (TEM) A microscopia eletrônica de transmissão é uma ferramenta

Leia mais

Lista de exercícios 7 Campos Magnéticos. Letra em negrito são vetores; i, j, k são vetores unitários

Lista de exercícios 7 Campos Magnéticos. Letra em negrito são vetores; i, j, k são vetores unitários Lista de exercícios 7 Campos Magnéticos Letra em negrito são vetores; i, j, k são vetores unitários 1. Um elétron com uma velocidade v = (2,0 x 106 m/s)i + (3,0 x 106 m/s)j está se movendo em uma região

Leia mais

Raios-x. Proteção e higiene das Radiações Profª: Marina de Carvalho CETEA

Raios-x. Proteção e higiene das Radiações Profª: Marina de Carvalho CETEA Raios-x Proteção e higiene das Radiações Profª: Marina de Carvalho CETEA Materiais Radioativos 1896 o físico Francês Becquerel descobriu que sais de Urânio emitia radiação capaz de produzir sombras de

Leia mais

CARGA ESPECÍFICA DO ELÉTRON

CARGA ESPECÍFICA DO ELÉTRON DEPARTAMENTO DE FÍSICA DO ESTADO SÓLIDO - IFUFBa 009 ESTRUTURA DA MATÉRIA I (FIS101) EMN CARGA ESPECÍFICA DO ELÉTRON 1. Objetivo do Experimento Estudar a deflexão de elétrons em um campo magnético e determinar

Leia mais

TÉCNICAS DE MICROSCOPIA ELETRÔNICA PARA CARACTERIZAÇÃO DE MATERIAIS PMT-5858

TÉCNICAS DE MICROSCOPIA ELETRÔNICA PARA CARACTERIZAÇÃO DE MATERIAIS PMT-5858 TÉCNICAS DE MICROSCOPIA ELETRÔNICA PARA CARACTERIZAÇÃO DE MATERIAIS PMT-5858 4ª AULA Formação de Imagem Prof. Dr. Antonio Ramirez Londoño (LNLS) Prof. Dr. André Paulo Tschiptschin (PMT) OBJETIVOS: 1. COMO

Leia mais

Física Laboratorial Ano Lectivo 2003/04 OSCILOSCÓPIO

Física Laboratorial Ano Lectivo 2003/04 OSCILOSCÓPIO 1. Introdução OSCILOSCÓPIO O osciloscópio (fig. 1) é o mais útil e versátil dos instrumentos utilizados para testes de circuitos electrónicos, uma vez que nos permite visualizar a evolução de uma diferença

Leia mais

NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA

NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA Prof. Carlos R. A. Lima CAPÍTULO 3 PROPRIEDADES CORPUSCULARES DA RADIAÇÃO Edição de janeiro de 2009 CAPÍTULO 3 PROPRIEDADES CORPUSCULARES DA RADIAÇÃO ÍNDICE 3.1- Efeito

Leia mais

Geração Fotovoltaica. Pedro A. B. G. Mol

Geração Fotovoltaica. Pedro A. B. G. Mol Geração Fotovoltaica Pedro A. B. G. Mol Índice Introdução Efeito Fotovoltaico Tecnologias existentes Conexão com a Rede Elétrica Impactos Ambientais Conclusões Introdução Tem como objetivo gerar energia

Leia mais

Instrumentação Espacial. Parte I

Instrumentação Espacial. Parte I Instrumentação Espacial Parte I Introdução Magnetômetros (ok) Giroscópios (ok) Acelerômetros (ok) Radar (ok) Telescópios Sensor solar Espectrômetros Atuadores magnéticos (magnetorquer) Rodas de reação

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Física Departamento de Física. FIS01184 Física IV-C Área 1 Lista 1

Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Física Departamento de Física. FIS01184 Física IV-C Área 1 Lista 1 Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Física FIS01184 Física IV-C Área 1 Lista 1 1.A luz do Sol no limite superior da atmosfera terrestre tem uma intensidade de

Leia mais

Descoberta dos Raios-X

Descoberta dos Raios-X Descoberta dos Raios-X 1895 - Wilhelm Conrad Roentgen Experimentos com tubo de raios catódicos brilho em um cristal fluorescente perto do tubo mesmo mantendo o tubo coberto Raios invisíveis, natureza desconhecida:

Leia mais

Origens históricas dos raios-x. Tubos de Crookes

Origens históricas dos raios-x. Tubos de Crookes Origens históricas dos raios-x Tubos de Crookes http://www.answers.com/topic/crookes-tube Origens históricas dos raios-x Tubo de Raios-X http://www.colegiosaofrancisco.com.br/alfa/energianuclear/imagens/energia-nuclear99.jpg

Leia mais

LABORATÓRIO ATIVIDADES 2013/1

LABORATÓRIO ATIVIDADES 2013/1 LABORATÓRIO ATIVIDADES 2013/1 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO LABORATÓRIO MÓDULO I ELETRICIDADE BÁSICA TURNO NOITE CURSO TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL CARGA HORÁRIA EIXO TECNOLÓGICO CONTROLE

Leia mais

Estimativa do Comprimento de Onda de um LED

Estimativa do Comprimento de Onda de um LED Universidade São Judas Tadeu Faculdade de Tecnologia e Ciências Exatas Cursos de Engenharia Laboratório de Física e Eletricidade: Estimativa do Comprimento de Onda de um LED Autor: Prof. Sandro Martini

Leia mais

EXPERIMENTO 12: MEDIDA DA RAZÃO CARGA/MASSA DO ELÉTRON

EXPERIMENTO 12: MEDIDA DA RAZÃO CARGA/MASSA DO ELÉTRON EXPERIMENTO 12: MEDIDA DA RAZÃO CARGA/MASSA DO ELÉTRON 12.1 OBJETIVO Medir a razão carga/massa do elétron pelo método de Thomsom usando um osciloscópio didático adaptado. 12.2 INTRODUÇÃO A razão e/m foi

Leia mais

EFEITO FOTOELÉTRICO. Propriedade corpuscular da radiação eletromagnética Reforço à teoria quântica de Planck (quanta de energia)

EFEITO FOTOELÉTRICO. Propriedade corpuscular da radiação eletromagnética Reforço à teoria quântica de Planck (quanta de energia) EFEITO FOTOELÉTRICO Elétrons são emitidos da matéria após absorverem a energia de uma radiação eletromagnética (de baixos comprimentos de onda visível ou UV) que incida sobre ela. Descoberto acidentalmente

Leia mais

Fonte luminosas e Fotodetectores

Fonte luminosas e Fotodetectores MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Campus São José Área de Telecomunicações Fonte luminosas e

Leia mais

Análise comparativa do efeito Compton com raios-γ e raios-x. Cristine Kores e Jessica Niide Professora Elisabeth Yoshimura

Análise comparativa do efeito Compton com raios-γ e raios-x. Cristine Kores e Jessica Niide Professora Elisabeth Yoshimura Análise comparativa do efeito Compton com raios-γ e raios-x Cristine Kores e Jessica Niide Professora Elisabeth Yoshimura Estrutura da apresentação Introdução ao Efeito Compton Objetivos Experimento com

Leia mais

Aplica-se à observação de microorganismos vivos, sem preparação prévia (coloração)

Aplica-se à observação de microorganismos vivos, sem preparação prévia (coloração) Campo Escuro Campo Escuro Constitui uma técnica especializada de iluminação que utiliza a luz oblíqua para reforçar o contraste em espécimes que não estão bem definidas sob condições normais de iluminação

Leia mais

FÍSICA DAS RADIAÇÕES 2

FÍSICA DAS RADIAÇÕES 2 FÍSICA DAS RADIAÇÕES 2 Diagnóstico por imagens Radiologia convencional/digital II Geradores de raios X 1 Transformadores de alta tensão Rede elétrica do hospital 420 V Tensão de aceleração para imagens

Leia mais

Interferência de ondas: está relacionada com a diferença de fase entre as ondas. A diferença de fase entre duas ondas pode mudar!!!!

Interferência de ondas: está relacionada com a diferença de fase entre as ondas. A diferença de fase entre duas ondas pode mudar!!!! Interferência de ondas: está relacionada com a diferença de fase entre as ondas. Construtiva: em fase Destrutiva: fora de fase A diferença de fase entre duas ondas pode mudar!!!! Coerência: para que duas

Leia mais

Técnicas de Caracterização de Materiais DEMEC TM049 Prof Adriano Scheid

Técnicas de Caracterização de Materiais DEMEC TM049 Prof Adriano Scheid Técnicas de Caracterização de Materiais DEMEC TM049 Prof Adriano Scheid Análise Metalográfica Análise Metalográfica Histórico Henry Clifton Sorby 1863 observou pela primeira vez uma microestrutura em microscópio.

Leia mais

20/8/2012. Raduan. Raduan

20/8/2012. Raduan. Raduan MÉTODOS DE ESTUDO: CÉLULAS E TECIDOS 1 2 3 Etapas na preparação de amostras de tecidos para estudo histológico 4 Fixação Finalidades: Evitar a autólise; Impedir a atividade e proliferação de bactérias;

Leia mais

QUÍMICA I. Teoria atômica Capítulo 6. Aula 2

QUÍMICA I. Teoria atômica Capítulo 6. Aula 2 QUÍMICA I Teoria atômica Capítulo 6 Aula 2 Natureza ondulatória da luz A teoria atômica moderna surgiu a partir de estudos sobre a interação da radiação com a matéria. A radiação eletromagnética se movimenta

Leia mais

GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELETRÔNICA. FÍSICA IV Óptica e Física Moderna. Prof. Dr. Cesar Vanderlei Deimling

GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELETRÔNICA. FÍSICA IV Óptica e Física Moderna. Prof. Dr. Cesar Vanderlei Deimling GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELETRÔNICA FÍSICA IV Óptica e Física Moderna Prof. Dr. Cesar Vanderlei Deimling O plano de ensino Bibliografia: Geração de ondas eletromagnéticas Propriedades das ondas eletromagnéticas

Leia mais

Lista de Exercícios 3 Corrente elétrica e campo magnético

Lista de Exercícios 3 Corrente elétrica e campo magnético Lista de Exercícios 3 Corrente elétrica e campo magnético Exercícios Sugeridos (16/04/2007) A numeração corresponde ao Livros Textos A e B. A22.5 Um próton desloca-se com velocidade v = (2i 4j + k) m/s

Leia mais

Efeito Fotoelétrico. Elétron ejetado. luz. Originalmente observado por Hertz em 1887

Efeito Fotoelétrico. Elétron ejetado. luz. Originalmente observado por Hertz em 1887 Efeito Fotoelétrico Efeito Fotoelétrico Elétron ejetado luz Originalmente observado por Hertz em 1887 Elétrons ejetados???? Efeito fotoelétrico: emissão de elétrons por uma placa (catodo) quando exposta

Leia mais

Difração de raios X. Ciência dos Materiais

Difração de raios X. Ciência dos Materiais Difração de raios X Ciência dos Materiais A descoberta dos raios X Roentgen 1895 Mão da Sra. Roentgen Mão do Von Kolliker 1ª radiografia da história Tubo de Crookes 3-99 DIFRAÇÃO DE RAIOS X Difração de

Leia mais

Aquisição de Imagens

Aquisição de Imagens Aquisição de Imagens Etapas típicas envolvidas no processamento de imagens. Aquisição da imagem Pré-processamento Segmentação Reconhecimento dos objetos e regiões Princípios da Visão Humana Referência:

Leia mais

QUESTÕES DE FÍSICA MODERNA

QUESTÕES DE FÍSICA MODERNA QUESTÕES DE FÍSICA MODERNA 1) Em diodos emissores de luz, conhecidos como LEDs, a emissão de luz ocorre quando elétrons passam de um nível de maior energia para um outro de menor energia. Dois tipos comuns

Leia mais

Aula 4 Ondas Eletromagnéticas

Aula 4 Ondas Eletromagnéticas Aula 4 Ondas Eletromagnéticas Física 4 Ref. Halliday Volume4 Relembrando... Ótica Geométrica Lei da Reflexão Lei de Refração (Lei de Snell) Onde n é o índice de refração e é adimensional. Relembrando...

Leia mais

INTERFERÊNCIA E DIFRAÇÃO DA LUZ

INTERFERÊNCIA E DIFRAÇÃO DA LUZ INTERFERÊNCIA E DIFRAÇÃO DA LUZ INTRODUÇÃO A luz é uma onda eletromagnética; portanto é constituída por campos elétrico e magnético que oscilam, periodicamente, no tempo e no espaço, perpendiculares entre

Leia mais

Aplicações de Semicondutores em Medicina

Aplicações de Semicondutores em Medicina Aplicações de Semicondutores em Medicina Conceitos da Instrumentação Nuclear Luiz Antonio Pereira dos Santos CNEN-CRCN PRÓ-ENGENHARIAS UFS-IPEN-CRCN Aracaju Março - 2010 Aplicações da instrumentação Tomografia

Leia mais

3 Trabalhando com imagens digitais

3 Trabalhando com imagens digitais 3 Trabalhando com imagens digitais Neste capítulo, é apresentada a importância da utilização de imagens digitais em aplicações de computação gráfica. Se o objetivo destas aplicações for criar uma cena

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM ESPECTRÔMETRO INFRAVERMELHO PARA MEDIÇÃO DE PROPRIEDADES ÓPTICAS DE ÓXIDOS E SEMICONDUTORES

DESENVOLVIMENTO DE UM ESPECTRÔMETRO INFRAVERMELHO PARA MEDIÇÃO DE PROPRIEDADES ÓPTICAS DE ÓXIDOS E SEMICONDUTORES DESENVOLVIMENTO DE UM ESPECTRÔMETRO INFRAVERMELHO PARA MEDIÇÃO DE PROPRIEDADES ÓPTICAS DE ÓXIDOS E SEMICONDUTORES MARCUS V.S. DA SILVA, DENIS. F.G. DAVID, I. M. PEPE, Laboratório de Propriedades Ópticas-

Leia mais

Preparação de Amostras para MET em Ciência dos Materiais

Preparação de Amostras para MET em Ciência dos Materiais Preparação de Amostras para MET em Ciência dos Materiais I Escola de Microscopia Eletrônica de Transmissão do CBPF/LABNANO Junho/2008 Ana Luiza Rocha Sumário 1. Condições de uma amostra adequada para MET

Leia mais

Material: 1 lâmpada incandescente 1 resistor 10 Ω 2 multímetros

Material: 1 lâmpada incandescente 1 resistor 10 Ω 2 multímetros Um corpo negro trata se de um objeto que emite, na forma de radiação eletromagnética, toda energia que lhe é fornecida. Embora tal definição seja uma conveniência teórica, muitos objetos na natureza se

Leia mais

Fonte de plasma - DCP

Fonte de plasma - DCP Fonte de plasma - DCP Dois anodos de grafite e um catodo de tungstênio, em forma de Y invertido Plasma é formado, colocando-se momentaneamente os eletrodos em contato Ocorre ionização, gerando corrente

Leia mais

Física Experimental C. Coeficiente de Atenuação dos Raios Gama

Física Experimental C. Coeficiente de Atenuação dos Raios Gama Carlos Ramos (Poli USP)-2016/Andrius Poškus (Vilnius University) - 2012 4323301 Física Experimental C Coeficiente de Atenuação dos Raios Gama Grupo: Nome No. USP No. Turma OBJETIVOS - Medir curvas de atenuação

Leia mais

Capítulo 2 Diodos para Microondas

Capítulo 2 Diodos para Microondas Capítulo 2 Diodos para Microondas O objetivo deste capítulo é apresentar os principais diodos utilizados na faixa de microondas, bem como algumas de suas aplicações. Os diodos estudados são: Diodo Túnel

Leia mais

EXPERIMENTO 8 DIFRAÇÃO EM FENDA ÚNICA E EM FENDAS MÚLTIPLAS

EXPERIMENTO 8 DIFRAÇÃO EM FENDA ÚNICA E EM FENDAS MÚLTIPLAS EXPERIMENTO 8 DIFRAÇÃO EM FENDA ÚNICA E EM FENDAS MÚLTIPLAS Nesta atividade de laboratório você irá observar e analisar os efeitos provocados quando luz incide em uma fenda simples ou num sistema de muitas

Leia mais

RAIOS-X (RAIOS RÖNTGEN)

RAIOS-X (RAIOS RÖNTGEN) RAIOS-X (RAIOS RÖNTGEN) Descobertos por Wilhelm Röntgen (1895) Primeiro prêmio Nobel em física (1901) Radiação extremamente penetrante (

Leia mais

Detecção / Observação em Raios-X e Raios-γ. M a r i a L u i z a L i n h a r e s D a n t a s P r o f. J o r g e M e l e n d e z

Detecção / Observação em Raios-X e Raios-γ. M a r i a L u i z a L i n h a r e s D a n t a s P r o f. J o r g e M e l e n d e z Detecção / Observação em Raios-X e Raios-γ M a r i a L u i z a L i n h a r e s D a n t a s P r o f. J o r g e M e l e n d e z São Paulo, 18 de Abril de 2013 OBSERVAÇÃO EM ALTAS ENERGIAS: OS DESAFIOS Apenas

Leia mais

Difracção de electrões

Difracção de electrões Difracção de electrões Objectivos: i) Verificar que electrões com energias da ordem de -0 kev são difractados por um filme de grafite, exibindo o seu carácter ondulatório; ii) verificar a relação de de

Leia mais

RAIOS-X (RAIOS RÖNTGEN)

RAIOS-X (RAIOS RÖNTGEN) RAIOS-X (RAIOS RÖNTGEN) Descobertos por Wilhelm Röntgen (1895) Primeiro prêmio Nobel em física (1901) Radiação extremamente penetrante (

Leia mais

Letras em Negrito representam vetores e as letras i, j, k são vetores unitários.

Letras em Negrito representam vetores e as letras i, j, k são vetores unitários. Lista de exercício 3 - Fluxo elétrico e Lei de Gauss Letras em Negrito representam vetores e as letras i, j, k são vetores unitários. 1. A superfície quadrada da Figura tem 3,2 mm de lado e está imersa

Leia mais

Fontes Emissoras Ópticas

Fontes Emissoras Ópticas Fontes Emissoras Ópticas Diodo Emissor de Luz LED - Light Emitting Diode Emissão espontânea de luz Dispositivos semicondutores Diodo Laser LASER- Light Amplification by Emmiting Stimuled Emission of Radiation

Leia mais

Introdução: A teoria de Einstein para o efeito fotoelétrico

Introdução: A teoria de Einstein para o efeito fotoelétrico Introdução: Esta experiência tem por objetivo a caracterização do efeito fotoelétrico e a medida da constante de Planck com auxílio de uma célula fotoelétrica. A emissão de elétrons provocada por ação

Leia mais

Difração de Elétrons

Difração de Elétrons UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Licenciatura em Ciências Exatas SLC-567 Práticas de Ensino de Ciências do Primeiro Grau Profº Euclydes Marega Jr. Difração de Elétrons Carlos Alberto de Souza Claudio Bonse Bretas

Leia mais

Eletromagnetismo para Geociências. Experiência 1 Força elétrica sobre um feixe de elétrons. 1 o semestre de 2010

Eletromagnetismo para Geociências. Experiência 1 Força elétrica sobre um feixe de elétrons. 1 o semestre de 2010 4310291 Eletromagnetismo para Geociências Experiência 1 Força elétrica sobre um feixe de elétrons 1 o semestre de 2010 10 de março de 2010 1. Força elétrica sobre um feixe de elétrons Objetivos: Estudar

Leia mais

PLASMA X LCD. Marcelo de Souza Freitas Mestrado em Telecomunicações Universidade Federal Fluminense

PLASMA X LCD. Marcelo de Souza Freitas Mestrado em Telecomunicações Universidade Federal Fluminense PLASMA X LCD Marcelo de Souza Freitas Mestrado em Telecomunicações Universidade Federal Fluminense ROTEIRO Introdução Funcionamento do LCD Funcionamento do Plasma Comparação entre as tecnologias Conclusão

Leia mais

DIFRAÇÃO DA LUZ DE UM LASER POR FENDAS

DIFRAÇÃO DA LUZ DE UM LASER POR FENDAS Experimento 6 INTERFERÊNCIA E DIFRAÇÃO DA LUZ DE UM LASER POR FENDAS 6.1 OBJETIVOS Estudo da figura de difração da luz por uma fenda fina em função da largura da fenda. Estudo da figura de interferência

Leia mais

Kit de aberrações de lentes e óptica de Fourier (2015)

Kit de aberrações de lentes e óptica de Fourier (2015) Apostila Kit de aberrações de lentes e óptica de Fourier (Lambda Scientific System, Inc) (www.lamdasys.com) (2015) 1. Introdução Num sistema óptico ideal, todos os raios de luz de um ponto do plano objeto

Leia mais

Como funciona a lâmpada fluorescente

Como funciona a lâmpada fluorescente A TELA DE PLASMA A grande inovação desse tipo de aparelho está na forma como são ativados os pixels, os pequenos pontos luminosos que formam a imagem na tela. Na televisão tradicional, isso é feito por

Leia mais

Definição de uma Imagem Digital

Definição de uma Imagem Digital Definição de uma Imagem Digital Por que um objeto é visível? vel? http://www.luminous-landscape.com/tutorials/color_and_vision.shtml O olho humano o dispositivo de entrada da informação visual Funciona

Leia mais

Características Gerais dos Detectores de Radiação

Características Gerais dos Detectores de Radiação Características Gerais dos Detectores de Radiação Princípio básico: transferência da energia da radiação incidente para o material do detector Transferência de energia: excitação ou ionização dos átomos

Leia mais

Aula 19 Condução de Eletricidade nos Sólidos

Aula 19 Condução de Eletricidade nos Sólidos Aula 19 Condução de Eletricidade nos Sólidos Física 4 Ref. Halliday Volume4 Sumário Semicondutores; Semicondutores Dopados; O Diodo Retificador; Níveis de Energia em um Sólido Cristalino relembrando...

Leia mais

TÓPICOS EM CARACTERIZAÇÃO DE MATERIAIS DIFRAÇÃO DE RAIOS X

TÓPICOS EM CARACTERIZAÇÃO DE MATERIAIS DIFRAÇÃO DE RAIOS X TÓPICOS EM CARACTERIZAÇÃO DE MATERIAIS DIFRAÇÃO DE RAIOS X Histórico Raios X: São emissões eletromagnéticas; Busca (desde 1887): Heinrich Rudolf Hertz : ele produziu as primeiras ondas eletromagnéticas

Leia mais

Aula 9 A Difração. Física 4 Ref. Halliday Volume4. Profa. Keli F. Seidel

Aula 9 A Difração. Física 4 Ref. Halliday Volume4. Profa. Keli F. Seidel Aula 9 A Difração Física 4 Ref. Halliday Volume4 Sumário Difração de fenda única circular A difração de Raios-X Relembrando... Uma única fenda com Largura Finita A figura de difração de fenda simples com

Leia mais

Utilização de sensores e transdutores óticos

Utilização de sensores e transdutores óticos Utilização de sensores e transdutores óticos Princípios de Funcionamento Tipos e Aplicações Universidade de Caxias do Sul - UCS Valner Brusamarello Sensores e Transdutores Óticos Contextualização O que

Leia mais

Conceitos básicos de Eletromagnetismo para a Luz Interação da Luz com a Matéria Sólida - Interações Atômicas e Eletrônicas

Conceitos básicos de Eletromagnetismo para a Luz Interação da Luz com a Matéria Sólida - Interações Atômicas e Eletrônicas Propriedades Óticas Tópicos Conceitos básicos de Eletromagnetismo para a Luz Interação da Luz com a Matéria Sólida - Interações Atômicas e Eletrônicas Metais Não-metais Propriedades: cor, opacidade, translucidez,

Leia mais

MICROSCOPIA ELETRÔNICA DE VARREDURA E MICROANÁLISE QUÍMICA PMT-5858

MICROSCOPIA ELETRÔNICA DE VARREDURA E MICROANÁLISE QUÍMICA PMT-5858 MICROSCOPIA ELETRÔNICA DE VARREDURA E MICROANÁLISE QUÍMICA PMT-5858 1ª AULA Introdução Óptica Eletrônica Prof. Dr. André Paulo Tschiptschin (PMT-EPUSP) PMT-5858 - TÉCNICAS DE MICROSCOPIA ELETRÔNICA DE

Leia mais

Dicas de Física - Walfredo

Dicas de Física - Walfredo Dicas de Física - Walfredo Questão 01) A figura abaixo representa uma região do espaço onde existe um campo elétrico uniforme (E), criado por duas placas paralelas, submetidas a uma diferença de potencial

Leia mais

Assistente de Laboratório Microscopia Eletrônica

Assistente de Laboratório Microscopia Eletrônica Concurso Público Assistente de Laboratório Microscopia Eletrônica Caderno de Questões Prova Objetiva 2015 01 A técnica em que um detector semicondutor captura e amplifica o sinal recebido da amostra proporcionalmente

Leia mais

Seleção de comprimento de onda com filtros de interferência

Seleção de comprimento de onda com filtros de interferência Seleção de comprimento de onda com filtros de interferência O que você pode aprender... Energia do fóton Absorção de fóton Efeito fotoelétrico externo Função trabalho Fotocélula Filtro de interferência

Leia mais

Nome: Jeremias Christian Honorato Costa Disciplina: Materiais para Engenharia

Nome: Jeremias Christian Honorato Costa Disciplina: Materiais para Engenharia Nome: Jeremias Christian Honorato Costa Disciplina: Materiais para Engenharia Por propriedade ótica subentende-se a reposta do material à exposição à radiação eletromagnética e, em particular, à luz visível.

Leia mais

Theory Portugues BR (Brazil) Por favor, leia as instruções gerais que se encontram no envelope separado antes de iniciar este problema.

Theory Portugues BR (Brazil) Por favor, leia as instruções gerais que se encontram no envelope separado antes de iniciar este problema. Q3-1 LHC - Grande Colisor de Hádrons (10 pontos). Por favor, leia as instruções gerais que se encontram no envelope separado antes de iniciar este problema. Neste problema, iremos estudar a física do acelerador

Leia mais

Lista de Problemas rad.)

Lista de Problemas rad.) Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Física FIS01044 UNIDADE III Difração Lista de Problemas Problemas extraídos de HALLIDAY, D., RESNICK, R., WALKER, J. Fundamentos

Leia mais

ZAB Física Geral e Experimental IV

ZAB Física Geral e Experimental IV ZAB0474 - Física Geral e Experimental IV Experimentos 1 Polarização 2 Difração 3 Espectro Atômico 4 Luminescência Experimento 1 - Polarização Objetivo: Medir a intensidade da luz que atravessa um conjunto

Leia mais

A IMAGEM DE TELEVISÃO

A IMAGEM DE TELEVISÃO STV 18 AGO 2008 1 A IMAGEM DE TELEVISÃO a televisão, basicamente, reproduz imagens estáticas a seqüência dessas imagens, em rápida sucessão, nos dá a sensação de movimento cada uma das imagens, ou quadro,

Leia mais

interação feixe de elétrons-amostra [3] Propriedades do elétron:

interação feixe de elétrons-amostra [3] Propriedades do elétron: [3] Propriedades do elétron: 1> Comprimento de onda do feixe de elétrons (λ): V [kv] λ [pm] 1 38,7 5 17,3 10 12,2 15 9,9 20 8,6 25 30 120 200 7,6 6,9 3,3 2,5 λ = λ = 2 e V m 1,5 h e 2 + ( ) 6 2 V + 10

Leia mais

INTRODUÇÃO À ASTROFÍSICA LIÇÃO 17 ÓPTICA E TELESCÓPIOS

INTRODUÇÃO À ASTROFÍSICA LIÇÃO 17 ÓPTICA E TELESCÓPIOS Introdução à Astrofísica Lição 16 Óptica e Telescópios INTRODUÇÃO À ASTROFÍSICA LIÇÃO 17 ÓPTICA E TELESCÓPIOS Nessa lição iremos estudar a chamada óptica geométrica, de maneira que possamos ter uma compreensão

Leia mais

Cap. 22 Óptica Ondulatória

Cap. 22 Óptica Ondulatória Cap. 22 Objetivos Usar o modelo de onda luminosa Reconhecer as evidências da natureza da onda luminosa Calcular padrões de interferência produzido por fendas duplas e redes de difração Compreender como

Leia mais

ELÉTRONS EM ÁTOMOS. Depois do modelo de Rutherford: Como é o comportamento dos elétrons nos átomos? Rutherford: estrutura planetária, com o

ELÉTRONS EM ÁTOMOS. Depois do modelo de Rutherford: Como é o comportamento dos elétrons nos átomos? Rutherford: estrutura planetária, com o ELÉTRONS EM ÁTOMOS Depois do modelo de Rutherford: Como é o comportamento dos elétrons nos átomos? Rutherford: estrutura planetária, com o núcleo correspondendo ao sol no nosso sistema solar e os elétrons

Leia mais

Difracçãoderaios-X XRD, PXRD

Difracçãoderaios-X XRD, PXRD 8 Difracçãoderaios-X XRD, PXRD http://en.wikipedia.org/wiki/powder_diffraction A difracção de raios-x fornece informação sobre características estruturais de materiais Idealmente, numa amostra em pó, qualquer

Leia mais

ITA / IME. 2º LABORATÓRIO/2015 FÍSICA (Prof. Elder) Nome: Matrícula:

ITA / IME. 2º LABORATÓRIO/2015 FÍSICA (Prof. Elder) Nome: Matrícula: ITA / IME 2º LABORATÓRIO/2015 FÍSICA (Prof. Elder) Nome: Matrícula: G:\2015\REPROGRAFIA\Geral\Espelho.doc CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN 2º LABORATÓRIO/ ITA-IME Questão

Leia mais

Quantização da Carga, Luz e Energia

Quantização da Carga, Luz e Energia Quantização da Carga, Luz e Energia Prof. Jaime Urban 1 / 13 Quantização da Carga Elétrica Primeiras medidas de e e de e/m Michael Faraday (1791-1867) Condução da eletricidade em ĺıquidos - Lei da eletrólise

Leia mais

Dispositivos de Entrada e Saída

Dispositivos de Entrada e Saída Dispositivos de Entrada e Saída Aula baseada no material do prof. Dr. Neil Paiva Dispositivos de Entrada Teclado Scanner Tela Sensível ao Toque (e saída) Mouse Leitores de código de barras automação de

Leia mais

TEORIAS ATÔMICAS. Menor partícula possível de um elemento (Grécia antiga) John Dalton (1807)

TEORIAS ATÔMICAS. Menor partícula possível de um elemento (Grécia antiga) John Dalton (1807) TEORIAS ATÔMICAS Átomo Menor partícula possível de um elemento (Grécia antiga) John Dalton (1807) 1. Os elementos são constituídos por partículas extremamente pequenas chamadas átomos; 2. Todos os átomos

Leia mais

Definição. OBJETIVA é um conjunto de lentes que leva a luz ao material sensível ou sensor da câmera. São classificadas pela:

Definição. OBJETIVA é um conjunto de lentes que leva a luz ao material sensível ou sensor da câmera. São classificadas pela: OBJETIVAS Definição OBJETIVA é um conjunto de lentes que leva a luz ao material sensível ou sensor da câmera. São classificadas pela: 1. Distância Focal 2. Luminosidade 3. Poder de Resolução Distância

Leia mais

25 Problemas de Óptica

25 Problemas de Óptica 25 Problemas de Óptica Escola Olímpica - Gabriel Lefundes 25 de julho de 2015 Problema 1. O ângulo de deflexão mínimo um certo prisma de vidro é igual ao seu ângulo de refração. Encontre-os. Dado: n vidro

Leia mais