20/8/2012. Raduan. Raduan

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "20/8/2012. Raduan. Raduan"

Transcrição

1 MÉTODOS DE ESTUDO: CÉLULAS E TECIDOS 1

2 2

3 3

4 Etapas na preparação de amostras de tecidos para estudo histológico 4

5 Fixação Finalidades: Evitar a autólise; Impedir a atividade e proliferação de bactérias; Endurecer as células resistir as próximas etapas; afinidade das estruturas celulares pelos corantes usados na M.O. e contrastes na M.E. Preservar a morfologia e composição dos tecidos. Fixação Agentes Fixadores: Físicos: Frio (Congelação); Calor Químicos Formaldeído (+comum); Aldeído glutárico Tetróxido de ósmio Microscopia eletrônica Misturas fixadoras (Bouin,etc) Inclusão Incluídos (protegidos) em parafina ou resina plástica M.O. Incluídos em resinas do tipo epóxi (Araldite, Epon) M.E. OBS.: Envolvem e penetram nas células. 5

6 Inclusão OBS.: Antes da inclusão a amostra sofre: Desidratação ([ ] etanol = 70% Absoluto) Diafanização (clareamento = benzol, xilol ou toluol) Microtomia Micrótomo Microscopia óptica: cortes de 1 a 6 µm, geralmente; Microscopia eletrônica: cortes de 0,02 a 0,1 µm, geralmente; Micrótomo de congelação (obtenção rápida de cortes, histoquímica, etc). Coloração A maioria dos tecidos é incolor; Facilita a visualização dos componentes teciduais; Propicia contraste entre os componentes celulares; 6

7 Corantes básicos O grupamento químico responsável pela cor (cromóforo) = catiônico Combinam-se com grupamentos ácidos (aniônicos) das moléculas celulares. Ex.: DNA, RNA (Basófilas = afinidade por corantes básicos) Corantes básicos Azul de toluidina Azul de metileno Hematoxilina Corantes ácidos Cromóforo = aniônico Combinam-se com grupamentos básicos (catiônicos) das moléculas celulares. Ex.: Componentes básicos das proteínas citoplasmáticas (acidófilas = afinidade por corantes ácidos). 7

8 Corantes ácidos Orange G Fucsina ácida Eosina HEMATOXILINA & EOSINA (H&E) Coloração dupla + utilizada na rotina histológica; Hematoxilina: cora em azul os núcleos celulares e estruturas de natureza ácida (basófilas); Eosina: cora em diversas tonalidades de vermelho o citoplasma e o colágeno do material extracelular (acidófilas). MICROSCÓPIOS 8

9 Microscópio óptico Parte mecânica Suporte para a parte óptica Parte óptica Condensador Objetiva Ocular Microscópio óptico Microscópio óptico Ampliação total da imagem = Aumento da objetiva x Aumento da ocular 9

10 Microscópio óptico Poder de resolução (sistema óptico) = capacidade de separar detalhes Microscópio óptico Limite de resolução = menor distância que deve existir entre 2 pontos para que eles apareçam, individualizados. Ex.: 2 partículas separadas por 0,3 µm aparecem individualizadas em um sistema óptico com limite resolutivo de 0,2 µm, porém aparecem como partícula única quando o limite resolutivo é de 0,5 µm Microscópio óptico Limite de resolução (LR) LR = K x λ AN K = constante de valor 0,61; AN = abertura numérica (AN= n x sen α; n=índice de refração; α= semiângulo da abertura) 10

11 Microscópio óptico O que determina a riqueza de detalhes da imagem formada por um sistema óptico é o seu limite de resolução, e não o seu poder de aumentar o tamanho dos objetos. Microscópio de Contraste de fase Transforma diferenças de fase dos raios luminosos em diferenças de intensidade; Traduzida de fase de intensidade luminosa = perceptível Microscópio de Contraste de fase Utilizado no estudo de células e tecidos vivos; Estruturas celulares Escuras = fase positiva Claras = fase negativa 11

12 12

13 Microscópio Confocal A iluminação é feita por um delgado feixe de raios laser, que varre ponto por ponto um determinado plano da célula = corte óptico ; A imagem é formada exclusivamente pelas estruturas que estão no plano de varredura imagem muito nítida. 13

14 Microscópio de fluorescência Utiliza fonte de luz ultravioleta; Luz UV espécime Luz visível Estruturas marcadas com corantes fluorescentes Ex.:Alaranjado de acridina (DNA verde-amarelado; RNA vermelho-alaranjado) Citoesqueleto (cultura de fibroblastos) M. eletrônica Citoesqueleto (cultura de fibroblastos) RITC-phalloidin M. fluorescência 14

15 Microscópio eletrônico Apresenta alta resolução; Riqueza de detalhes; Utiliza feixes de elétrons; Cortes ultra-finos (20 a 100 nm) Microscópio eletrônico Transmissão Aquecimento do cátodo (filamento de tungstênio) no vácuo = elétrons acelerados por uma de potencial de 60 a 100 kv placa perfurada feixes de elétrons lentes eletromagnéticas (condensadora) objeto lentes ( objetiva) lente (projetora) tela fluorescente ou filme fotográfico Microscópio eletrônico de transmissão 15

16 Microscópio eletrônico Varredura Bobina de varredura feixe de elétrons incide ponto por ponto do objeto Microscópio eletrônico de varredura HISTOQUÍMICA E CITOQUÍMICA 16

17 HISTOQUÍMICA E CITOQUÍMICA Métodos utilizados para a localização intracelular das diversas substâncias que compõem as células e tecidos. HISTOQUÍMICA E CITOQUÍMICA Reações químicas específicas, ou interação macromolecular de alta afinidade compostos insolúveis, corados, ou elétrondensos localização de substâncias específicas (M.O. ou M. E.) HISTOQUÍMICA E CITOQUÍMICA Lipídios Corantes + solúveis nos lipídios do que no líquido que o corante está dissolvido; Sudan IV vermelho Sudan negro preto 17

18 HISTOQUÍMICA E CITOQUÍMICA Ácido desoxirribonucléico (DNA) Reação de Feulgen Hidrólise do DNA (ácido clorídrico) DNA com radicais aldeído livres + reativo de Schiff composto insolúvel e vermelho *Intensidade da cor proporcional ao teor de DNA HISTOQUÍMICA E CITOQUÍMICA Ácido ribonucléico (RNA) Afinidade por corantes básicos (azul de toluidina ou azul de metileno); Ribonuclease Utiliza-se 2 preparações HISTOQUÍMICA E CITOQUÍMICA Polissacarídeos Glicogênio P.A.S. (Periodic Acid-Schiff) Amilase Utiliza-se 2 preparações 18

19 IMUNOCITOQUÍMICA Direta Anticorpo marcado (peroxidase, ferritina, etc) Indireta Antianticorpo marcado (peroxidase, ferritina, etc) 19

HISTOLOGIA E SEUS MÉTODOS DE ESTUDO

HISTOLOGIA E SEUS MÉTODOS DE ESTUDO HISTOLOGIA E SEUS MÉTODOS DE ESTUDO Histologia Estudo dos tecidos do corpo e como eles se organizam para constituir órgãos. Tecidos fundamentais tecido epitelial, tecido conjuntivo, tecido muscular e tecido

Leia mais

Técnica Básicas para Análises de Células e Tecidos

Técnica Básicas para Análises de Células e Tecidos Técnica Básicas para Análises de Células e Tecidos Visão panorâmica da célula Algumas grandezas... 1km 1.000m 1m 100 cm 1cm 10 mm 1mm 1000 µm 1 µm 1000 nm 1Å (Angstron Angstron) 10 10-10 m Visão panorâmica

Leia mais

Métodos de estudo e Técnicas: como estudar as células

Métodos de estudo e Técnicas: como estudar as células Histologia (Enfermagem) Métodos de estudo e Técnicas: como estudar as células Prof a Dr a. Iêda Guedes Métodos de estudo e Técnicas: como estudar as células A Célula Processamento do material biológico

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE DESENVOLVIMENTO DO CENTRO-OESTE UNIDESC CURSOS DE MEDICINA VETERINÁRIA & CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Disciplina de Biologia Celular

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE DESENVOLVIMENTO DO CENTRO-OESTE UNIDESC CURSOS DE MEDICINA VETERINÁRIA & CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Disciplina de Biologia Celular CENTRO UNIVERSITÁRIO DE DESENVOLVIMENTO DO CENTRO-OESTE UNIDESC CURSOS DE MEDICINA VETERINÁRIA & CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Disciplina de Biologia Celular INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA BIOLOGIA CELULAR Médico Veterinário

Leia mais

Citologia, Histologia e Embriologia

Citologia, Histologia e Embriologia FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - FUPAC FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERLÂNDIA Citologia, Histologia e Embriologia Educação Física 1º P Prof. Msc Ana Paula de Souza Paixão O que significa

Leia mais

Embriologia e Histologia Animal I

Embriologia e Histologia Animal I Embriologia e Histologia Animal I Professora: Daniela Brum Embriologia FASE DIVISÃO INICIAL: multiplicação céls indiferenciadas FASE EMBRIONÁRIA: rápido crescimento e diferenciação para formação tecidos,

Leia mais

Introdução à Histologia e Técnicas Histológicas. Prof. Cristiane Oliveira

Introdução à Histologia e Técnicas Histológicas. Prof. Cristiane Oliveira Introdução à Histologia e Técnicas Histológicas Prof. Cristiane Oliveira Visão Geral Corpo humano organizado em 4 tecidos básicos: Epitelial Conjuntivo Muscular Nervoso Visão Geral - Tecidos consistem

Leia mais

Técnicas histológicas

Técnicas histológicas Técnicas histológicas Profa Simone Marcuzzo Histologia Estudo da estrutura e inter-relação dos constituintes teciduais de um organismo Células e material extracelular Tecidos Macroscopia e microscopia

Leia mais

Disciplina Biologia Celular

Disciplina Biologia Celular Disciplina Biologia Celular Profª Cristina Lacerda Soares Petrarolha Silva Curso de Biotecnologia FISMA / FEA Aula 3: Tecnologia da Biologia Celular Parte II Bio Cel Profª Cristina 1 1- Citoquímica Estudo

Leia mais

Observações Iniciais. Microscopia Aula Revisão. Observações Iniciais. Unidades de Medidas Usadas. Formação da Imagem. Unidades de Medidas Usadas

Observações Iniciais. Microscopia Aula Revisão. Observações Iniciais. Unidades de Medidas Usadas. Formação da Imagem. Unidades de Medidas Usadas Professor, Enfº. Laudineide de Carvalho Gomes Matipó, fevereiro de 2014. e-mail: laudineic.gomes@hotmail.com Faculdade Vértice Univértix Curso: Medicina Veterinária Aula Revisão Page 2 Observações Iniciais

Leia mais

Introdução à microscopia. Luis Lamber5 P. da Silva Departamento de Biologia Celular Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto- USP

Introdução à microscopia. Luis Lamber5 P. da Silva Departamento de Biologia Celular Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto- USP Introdução à microscopia Luis Lamber5 P. da Silva Departamento de Biologia Celular Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto- USP Visualizando células - Microscopia Eduard Strasburger 1880 Célula vegetal

Leia mais

Contrastar e diferenciar Naturalmente incolor Maioria solúvel em água ou álcool

Contrastar e diferenciar Naturalmente incolor Maioria solúvel em água ou álcool Contrastar e diferenciar Naturalmente incolor Maioria solúvel em água ou álcool COLORAÇÃO 1 2 1 minuto 1 minuto Água corrente CORANTES NATURAIS: Origem vegetal = hematoxilina, orceína, açafrão, índigo

Leia mais

Introdução à Histologia

Introdução à Histologia Introdução à Histologia Prof. a Dr a. Sara Tatiana Moreira UTFPR Campus Santa Helena 1 Histórico Bichat (1771-1802) Pioneiro da histologia e pai da histologia moderna Sem o uso de microscópio, examinou

Leia mais

PROF. ROMMEL BARRETO Mestre em Morfologia (UFRJ)

PROF. ROMMEL BARRETO Mestre em Morfologia (UFRJ) Microscopia PROF. ROMMEL BARRETO Mestre em Morfologia (UFRJ) Preparação das lâminas histológicas Remoção dos fragmentos de órgãos Fixação Desidratação (Álcool etílico) Concentração crescente (70%, 80%,

Leia mais

Microscopia e o Espectro Eletromagnético

Microscopia e o Espectro Eletromagnético Microscopia e o Espectro Eletromagnético O limite de resolução inferior de um microscópio é determinado pelo fato de que, nestes instrumentos, se utiliza ondas eletromagnéticas para a visualização Não

Leia mais

Técnicas de Biologia Celular e Molecular. Prof a. DSc. Patricia Castelo Branco do Vale

Técnicas de Biologia Celular e Molecular. Prof a. DSc. Patricia Castelo Branco do Vale Técnicas de Biologia Celular e Molecular Prof a. DSc. Patricia Castelo Branco do Vale Dimensões em Biologia As células podem ser classificadas como: Macroscópicas: visíveis ao olho humano Microscópicas:

Leia mais

Mundo Microbiano. Prof. Everlon Cid Rigobelo

Mundo Microbiano. Prof. Everlon Cid Rigobelo Mundo Microbiano Prof. Everlon Cid Rigobelo Capacidade de Visualizar os Microorganismos O Progressão da Microscopia e a Microbiologia O Princípios da Microscopia óptica O Visualização de Células Intactas

Leia mais

1 - Metodologia e equipamentos

1 - Metodologia e equipamentos 1 - Metodologia e equipamentos Fernanda Piculo Gabriela Marini Débora Cristina Damasceno Yuri Karen Sinzato Angélica Mércia Pascon Barbosa Selma Maria Michelin Matheus Marilza Vieira Cunha Rudge Sérgio

Leia mais

Introdução a Histologia. Profa. Dra. Constance Oliver Profa. Dra. Maria Célia Jamur

Introdução a Histologia. Profa. Dra. Constance Oliver Profa. Dra. Maria Célia Jamur Introdução a Histologia Profa. Dra. Constance Oliver Profa. Dra. Maria Célia Jamur O QUE É HISTOLOGIA? A histologia é o estudo da estrutura do material biológico e das maneiras como os componentes individuais

Leia mais

MICROSCOPIA E O ESTUDO DA CÉLULA

MICROSCOPIA E O ESTUDO DA CÉLULA Citologia e Histologia MICROSCOPIA E O ESTUDO DA CÉLULA PROFESSORA: Fernanda Guimarães E-MAIL: guimaraes.biologia@gmail.com NÍVEIS DE ORGANIZAÇÃO BIOLÓGICA Estruturas microscópicas Invisíveis a olho nu

Leia mais

Métodos Cito-Histoquímicos

Métodos Cito-Histoquímicos Ciências Biomédicas Laboratoriais Métodos Cito-Histoquímicos Aula 3 2016/17 João Furtado jffurtado@ualg.pt Gab. 2.06 na ESSUAlg Sumário Hematoxilina Introdução Tipos de hematoxilina (alumínica, férrica

Leia mais

Aplica-se à observação de microorganismos vivos, sem preparação prévia (coloração)

Aplica-se à observação de microorganismos vivos, sem preparação prévia (coloração) Campo Escuro Campo Escuro Constitui uma técnica especializada de iluminação que utiliza a luz oblíqua para reforçar o contraste em espécimes que não estão bem definidas sob condições normais de iluminação

Leia mais

Métodos de estudo em microscopia de luz e eletrônica

Métodos de estudo em microscopia de luz e eletrônica Métodos de estudo em microscopia de luz e eletrônica Microscopia O microscópio é um instrumento que permite observar objetos não visíveis a olho nu. Isto se consegue através de um sistema óptico composto

Leia mais

HISTOLOGIA. Introdução ao Estudo dos Tecidos

HISTOLOGIA. Introdução ao Estudo dos Tecidos HISTOLOGIA Introdução ao Estudo dos Tecidos NÍVEIS DE ORGANIZAÇÃO DOS SERES VIVOS Existem vários níveis hierárquicos de organização entre os seres vivos, começando pelos átomos e terminando na biosfera.

Leia mais

FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - FUPAC

FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - FUPAC FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - FUPAC FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERLÂNDIA Biologia Celular Prof. Msc Ana Paula de Souza Paixão Biomedicina 1º P O que significa o termo Biologia Celular

Leia mais

Concurso Público. Prova de Múltipla Escolha Técnico de Laboratório (junto à Seção de Laboratório Histologia)

Concurso Público. Prova de Múltipla Escolha Técnico de Laboratório (junto à Seção de Laboratório Histologia) Concurso Público Prova de Múltipla Escolha Técnico de Laboratório (junto à Seção de Laboratório Histologia) Nome (Legível): RG nº Data: 23/10/2013 Este caderno contém 10 (dez) páginas, que deverão ser

Leia mais

MICROSCOPIA. Prof a. Marta Gonçalves Amaral, Dra.

MICROSCOPIA. Prof a. Marta Gonçalves Amaral, Dra. MICROSCOPIA Prof a Marta Gonçalves Amaral, Dra. HISTÓRICO Século XIV: uso lentes para correção da visão Galileu no século XVI criou a lupa Século XVI o holandês Antonie van Leeuwnhoek ("lêiven-ruk ) criou

Leia mais

Técnica Básicas para Análises de Células e Tecidos

Técnica Básicas para Análises de Células e Tecidos Técnica Básicas para Análises de Células e Tecidos Visão panorâmica da célula Algumas grandezas... 1km 1.000m 1m 100 cm 1cm 10 mm 1mm 1000 m 1 m 1000 nm 1Å (Angstron) 10-10 m 1 Visão panorâmica da célula

Leia mais

Processamento Histológico

Processamento Histológico Universidade Estadual do Ceará UECE Faculdade de Veterinária FAVET Laboratório de Histologia de Efeitos Causados por Veneno de Serpentes - Histovesp Processamento Histológico Histologia e Embriologia Geral

Leia mais

PROCESSOS PATOLÓGICOS GERAIS. Prof. Archangelo P. Fernandes

PROCESSOS PATOLÓGICOS GERAIS. Prof. Archangelo P. Fernandes PROCESSOS PATOLÓGICOS GERAIS Prof. Archangelo P. Fernandes www.profbio.com.br Aula 1: Conceitos gerais para o estudo de Patologia. Grego: pathos = sofrimento e logos = estudo Investigação das causas das

Leia mais

Técnico de Laboratório Biomedicina. Laboratório Anatomia Patológica

Técnico de Laboratório Biomedicina. Laboratório Anatomia Patológica Técnico de Laboratório Biomedicina Laboratório Anatomia Patológica Caderno de Questões Prova Objetiva 2015 01 No método utilizado para demonstrar a presença de elementos infecciosos, filamentos conjuntivos,

Leia mais

Microbilogia de Alimentos I - Curso de Engenharia de Alimentos Profª Valéria Ribeiro Maitan

Microbilogia de Alimentos I - Curso de Engenharia de Alimentos Profª Valéria Ribeiro Maitan 10 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PUC Goiás ESCOLA DE ENGENHARIA CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS Aula nº 2- Preparações Microscópicas: Preparações a Fresco Introdução O olho humano é incapaz

Leia mais

Disciplina Biologia Celular

Disciplina Biologia Celular Disciplina Biologia Celular Profª Cristina Lacerda Soares Petrarolha Silva Curso de Biotecnologia FISMA / FEA Aula 2: Tecnologia da Biologia Celular Parte I Bio Cel Profª Cristina 1 Tamanho das céls e

Leia mais

HISTOLOGIA. Informática Biomédica. Introdução a Histologia

HISTOLOGIA. Informática Biomédica. Introdução a Histologia HISTOLOGIA Informática Biomédica Introdução a Histologia Prof. Luis Lamberti P. da Silva O QUE É HISTOLOGIA? É o estudo dos tecidos e do modo como os seus componentes individuais (células e matriz extracelular)

Leia mais

Métodos Cito-Histoquímicos

Métodos Cito-Histoquímicos Ciências Biomédicas Laboratoriais Métodos Cito-Histoquímicos Aula 2 2016/17 João Furtado jffurtado@ualg.pt Gab. 2.06 na ESSUAlg Métodos Cito-Histoquímicos Evidenciação específica de estruturas celulares,

Leia mais

Introdução à Biologia Celular, Histologia e Embriologia e seus métodos de estudo

Introdução à Biologia Celular, Histologia e Embriologia e seus métodos de estudo Morfologia Biologia Celular, Histologia e Embriologia Docentes Prof. Dr. Cesar Martins: cmartins@ibb.unesp.br Prof. Dr. Cláudio Oliveira Prof. Dr. Rafael H Nóbrega Introdução à Biologia Celular, Histologia

Leia mais

Métodos Cito-Histoquímicos

Métodos Cito-Histoquímicos Ciências Biomédicas Laboratoriais Métodos Cito-Histoquímicos Aula 4 2016/17 João Furtado jffurtado@ualg.pt Gab. 2.06 na ESSUAlg Sumário Hidratos Carbono Introdução Simples e Glicoconjugados Evidenciação

Leia mais

VISITA DIRIGIDA AO LABORATÓRIO DE HISTOTECNOLOGIA

VISITA DIRIGIDA AO LABORATÓRIO DE HISTOTECNOLOGIA VISITA DIRIGIDA AO LABORATÓRIO DE HISTOTECNOLOGIA MÉTODOS DE OBTENÇÃO DE PREPARAÇÕES HISTOLÓGICAS 01- COLHEITA DE MATERIAL Fragmentos de órgãos e tecidos a serem processados devem ser obtidos imediatamente

Leia mais

TÉCNICAS CITOLÓGICAS

TÉCNICAS CITOLÓGICAS Psicologia e Saúde Unidade curricular: Biologia Humana I 6ª aula PL TÉCNICAS CITOLÓGICAS INTRODUÇÃO: Entende-se por técnicas citológicas o conjunto de operações a que é preciso submeter o material biológico

Leia mais

Onde a vida surgiu? https://www.youtube.com/watch?v=nu6wmxjndeo

Onde a vida surgiu? https://www.youtube.com/watch?v=nu6wmxjndeo Onde a vida surgiu? https://www.youtube.com/watch?v=nu6wmxjndeo Unicelulares Pluricelulares Arranjos ordenados Tecidos 4 bilhões de anos atrás Atmosfera: vapor d água, amônia, metano, hidrogênio, sulfeto

Leia mais

Catálogo Insumo

Catálogo Insumo Catálogo - 2016 Insumo w w w. o p a t o l o g i s t a. c o m. b r Índice: Álcool / Xilol / Formol Alcoômetro Bandeja para microscopia Berço Bomba de líquidos Caixa arquivo Caneta marcadora Cassete plástico

Leia mais

Como as células são estudadas? Métodos de Estudo da Célula Biomoléculas:Estrutura e Função 28/03/2017. Microscópio. Robert Hooke (1665): Termo Célula

Como as células são estudadas? Métodos de Estudo da Célula Biomoléculas:Estrutura e Função 28/03/2017. Microscópio. Robert Hooke (1665): Termo Célula Universidade de São Paulo Escola de Engenharia de Lorena Departamento de Biotecnologia Como as células são estudadas? Curso: Engenharia Ambiental Métodos de Estudo da Célula Biomoléculas:Estrutura e Função

Leia mais

Preparação do Material Biológico para Observação em TEM

Preparação do Material Biológico para Observação em TEM Preparação do Material Biológico para Observação em TEM 16º Workshop SEMAT/UM - Caracterização Avançada de Materiais Sandra Mariza Monteiro (smonteir@utad.pt) Preparação do Material Biológico para Observação

Leia mais

1. Elementos dos tecidos conjuntivo propriamente dito. Observação de mastócitos e de fibras elásticas

1. Elementos dos tecidos conjuntivo propriamente dito. Observação de mastócitos e de fibras elásticas 1. Elementos dos tecidos conjuntivo propriamente dito Observação de mastócitos e de fibras elásticas Material: Mesentério Técnica: azul de toluidina Obs: O mesentério é a membrana fina que prende as alças

Leia mais

Primeira aula. Apresentação da Disciplina. Características do sangue. Coleta de sangue. Extensão sanguínea e coloração. Hemograma

Primeira aula. Apresentação da Disciplina. Características do sangue. Coleta de sangue. Extensão sanguínea e coloração. Hemograma Primeira aula Apresentação da Disciplina Características do sangue Coleta de sangue Extensão sanguínea e coloração Hemograma Profa Elvira Shinohara Tecido líquido e renovável Plasma Células sanguíneas

Leia mais

TECIDO CONJUNTIVO São responsáveis pelo estabelecimento e

TECIDO CONJUNTIVO São responsáveis pelo estabelecimento e Prof. Bruno Pires TECIDO CONJUNTIVO São responsáveis pelo estabelecimento e do corpo. Isso ocorre pela presença de um conjunto de moléculas que conectam esse tecido aos outros, por meio da sua. Estruturalmente

Leia mais

Microbiologia FFI0751

Microbiologia FFI0751 Microbiologia FFI0751 Profa. Dra. Ilana L. B. C. Camargo Laboratório de Epidemiologia e Microbiologia Molecular (LEMiMo) Grupo de Cristalografia Profa. Dra. Nelma Regina Seginini Bossolan Grupo de Biofísica

Leia mais

MICROBIOLOGIA. Observação de bactérias - colorações

MICROBIOLOGIA. Observação de bactérias - colorações MICROBIOLOGIA Observação de bactérias - colorações Como o índice de refração do protoplasma bacteriano difere muito pouco do meio circundante, é difícil o exame direto de preparações não coradas, a não

Leia mais

Mesentério Glândulas de insetos Membranas fetais

Mesentério Glândulas de insetos Membranas fetais MÉTODOS DE ESTUDO EM BIOLOGIA CELULAR II - CITOQUÍMICA Sistemas de estudos in vitro Preparações citológicas Citoquímica Autorradiografia Imunocitoquímica Cultura Fertilização Manipulações Célula Tecido

Leia mais

Cap. 7: Citologia Marco inicial para o estudo dos seres vivos. Equipe de Biologia

Cap. 7: Citologia Marco inicial para o estudo dos seres vivos. Equipe de Biologia Cap. 7: Citologia Marco inicial para o estudo dos seres vivos Equipe de Biologia Disponível em: . Acesso em: 07 Fev. 2012 O que seria da Biologia sem os microscópios? Inventado

Leia mais

Profa. Carmen Saramago

Profa. Carmen Saramago UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE INSTITUTO BIOMÉDICO DEPARTAMENTO DE MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA INTRODUÇÃO À MICROBIOLOGIA Profa. Carmen Saramago

Leia mais

CÉLULAS. 8 ano Profª Elisete

CÉLULAS. 8 ano Profª Elisete CÉLULAS 8 ano Profª Elisete Quanto ao número de células Os seres vivos podem ser: UNICELULARES apresentam uma única célula. Ex: bactérias e protozoários. PLURICELULARES apresentam mais células. Ex: seres

Leia mais

Organização Geral das Células

Organização Geral das Células Faculdade Vértice Univértix Cursos: Medicina Veterinária Organização Geral das Células Aula Revisão Professor, Enfº. Laudineide de Carvalho Gomes Matipó, fevereiro de 2015. e-mail: laudineic.gomes@hotmail.com

Leia mais

Técnicas de Caracterização de Materiais DEMEC TM049 Prof Adriano Scheid

Técnicas de Caracterização de Materiais DEMEC TM049 Prof Adriano Scheid Técnicas de Caracterização de Materiais DEMEC TM049 Prof Adriano Scheid Análise Metalográfica Análise Metalográfica Histórico Henry Clifton Sorby 1863 observou pela primeira vez uma microestrutura em microscópio.

Leia mais

Unidade II: Métodos de Estudo em Biologia Celular

Unidade II: Métodos de Estudo em Biologia Celular Unidade II: Métodos de Estudo em Biologia Celular Disciplina: Biologia Celular e Molecular Centro de Ciências da Saúde Profa. Dra. Marilanda Ferreira Bellini marilanda.bellini@usc.br Pró Reitoria de Pesquisa

Leia mais

Raios-x. Proteção e higiene das Radiações Profª: Marina de Carvalho CETEA

Raios-x. Proteção e higiene das Radiações Profª: Marina de Carvalho CETEA Raios-x Proteção e higiene das Radiações Profª: Marina de Carvalho CETEA Materiais Radioativos 1896 o físico Francês Becquerel descobriu que sais de Urânio emitia radiação capaz de produzir sombras de

Leia mais

A CÉLULA EUCARIÓTICA

A CÉLULA EUCARIÓTICA A CÉLULA EUCARIÓTICA ... A célula é a unidade básica, estrutural e funcional de todos os seres vivos... A maioria das células têm um tamanho de 10 a 100 micrómetros e formas variadas De acordo com a estrutura

Leia mais

Preparações temporárias e definitivas

Preparações temporárias e definitivas Preparações temporárias e definitivas Em microscopia óptica as preparações podem ser temporárias ou definitivas, se apresentam, respectivamente, curta ou longa duração. Índice da ficha A. Preparações temporárias

Leia mais

Aplicações da Mecânica Quântica

Aplicações da Mecânica Quântica Aplicações da Mecânica Quântica LASER I Amplificação da luz por emissão estimulada da radiação As bases teóricas para o laser foram estabelecidas por Einstein em 1917. O primeiro laser foi construído em

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO/2014

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO/2014 UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO/2014 Edital n o 044/2014 Especialidade: TÉCNICO EM LABORATÓRIO/ANATOMIA PATOLÓGICA/HISTOTECNOLOGIA

Leia mais

O QUE QUERO OBSERVAR E PORQUÊ???

O QUE QUERO OBSERVAR E PORQUÊ??? MÉTODOS DE ESTUDO DA CÉLULAC I - MICROSCOPIAS O QUE QUERO OBSERVAR E PORQUÊ??? M I C R O S C O P I A S Início (1600): - Incorporação do microscópio aos estudos anatômicos; - Desenvolvimento de técnicas

Leia mais

Partículas sujeitas à análise: célula eucariótica; organelas citoplasmáticas; cromossomos; células agregadas (ex: células tumorais); bactérias;

Partículas sujeitas à análise: célula eucariótica; organelas citoplasmáticas; cromossomos; células agregadas (ex: células tumorais); bactérias; O QUE É: Processo no qual células, ou outras partículas biológicas, são forçadas a passar, num filete único, por sensores que são capazes de analisar as características físicas ou químicas das células

Leia mais

COLORAÇÕES HISTOPATOLÓGICAS ESPECIAIS

COLORAÇÕES HISTOPATOLÓGICAS ESPECIAIS COLORAÇÕES HISTOPATOLÓGICAS ESPECIAIS As preparações histopatológicas envolvem etapas de coloração cujo propósito baseia-se em permitir a distinção morfológica do material celular presente na amostra.

Leia mais

Estrutura física da matéria Difração de elétrons

Estrutura física da matéria Difração de elétrons O que você pode aprender sobre este assunto... - Reflexão de Bragg - Método de Debye-Scherer - Planos de rede - Estrutura do grafite - Ondas de matéria - Equação de De Broglie Princípio: Elétrons acelerados

Leia mais

Água A água é uma substância química cujas moléculas são formadas por dois átomos de hidrogênio e um de oxigênio (H2O). É abundante no planeta Terra,

Água A água é uma substância química cujas moléculas são formadas por dois átomos de hidrogênio e um de oxigênio (H2O). É abundante no planeta Terra, A Química da Vida Água A água é uma substância química cujas moléculas são formadas por dois átomos de hidrogênio e um de oxigênio (H2O). É abundante no planeta Terra, onde cobre grande parte de sua superfície

Leia mais

Citohistologia Animal

Citohistologia Animal Citohistologia Animal Aula 1 Introdução Profa. Melissa Kayser Visão Geral Corpo humano organizado em 4 básicos: tecidos Epitelial Muscular Nervoso Conjuntivo Visão Geral - Tecidos consistem em celúlas

Leia mais

O citoplasma (citosol) e o citoesqueleto

O citoplasma (citosol) e o citoesqueleto O citoplasma (citosol) e o citoesqueleto O citosol é a porção liquida do interior das células e de organismos intracelulares. O termo foi introduzido em 1965, como o conteúdo liberado quando células eram

Leia mais

Tecido: comunidade organizada de células. estabelecimento de interações

Tecido: comunidade organizada de células. estabelecimento de interações Tecido: comunidade organizada de células estabelecimento de interações moléculas de adesão permitem que as células mantenham o contato umas com as outras e com componentes da matriz extracelular Interações

Leia mais

Citologia e envoltórios celulares

Citologia e envoltórios celulares Citologia e envoltórios celulares UNIDADE 2 ORIGEM DA VIDA E BIOLOGIA CELULAR CAPÍTULO 7 Aula 1/3 A descoberta da célula Teoria celular Microscopia Microscópio Óptico Microscópio Eletrônico Técnicas de

Leia mais

Noções Básicas em Microscopia Óptica

Noções Básicas em Microscopia Óptica Disciplina: Microbiologia Geral Noções Básicas em Microscopia Óptica Os microrganismos são pequenos demais para serem vistos a olho nú; Deve-se observá-los através de um microscópio. Latim Micro Pequeno

Leia mais

TÉCNICA EM LABORATÓRIO / ANATOMIA PATOLÓGICA

TÉCNICA EM LABORATÓRIO / ANATOMIA PATOLÓGICA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO TÉCNICA EM LABORATÓRIO / ANATOMIA PATOLÓGICA Parte I: MÚLTIPLA ESCOLHA 01 Assinale a opção cuja

Leia mais

AULA PRÁTICA 05. Tecidos Conectivos - Matriz e Classificação LÂMINA Nº 90 - DIFERENTES CORTES DE PELE - ORCEÍNA

AULA PRÁTICA 05. Tecidos Conectivos - Matriz e Classificação LÂMINA Nº 90 - DIFERENTES CORTES DE PELE - ORCEÍNA AULA PRÁTICA 05 Tecidos Conectivos - Matriz e Classificação LÂMINA Nº 90 - DIFERENTES CORTES DE PELE - ORCEÍNA Pela técnica da HE, as fibras elásticas coram-se mal e irregularmente. Para a observação destas

Leia mais

Métodos Cito-Histoquímicos

Métodos Cito-Histoquímicos Ciências Biomédicas Laboratoriais Métodos Cito-Histoquímicos Aula 5 2016/17 João Furtado jffurtado@ualg.pt Gab. 2.06 na ESSUAlg Sumário Tecido Conjuntivo Introdução Matriz extracelular Fibras de Colagénio

Leia mais

Aula2 MICROSCÓPIO ÓTICO: RESOLUÇÃO E MODALIDADES DE OBSERVAÇÃO. Fabiana Silva Vieira

Aula2 MICROSCÓPIO ÓTICO: RESOLUÇÃO E MODALIDADES DE OBSERVAÇÃO. Fabiana Silva Vieira Aula2 MICROSCÓPIO ÓTICO: RESOLUÇÃO E MODALIDADES DE OBSERVAÇÃO META Conceituar ampliação e resolução. Apresentar algumas técnicas de observação em microscopia ótica. OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno

Leia mais

Conceitos Básicos de Óptica Geométrica

Conceitos Básicos de Óptica Geométrica Conceitos Básicos de Óptica Geométrica FRENTE 2 MÓDULOS 1, 2 E 3 Introdução Óptica é a parte da Física que estuda a luz e os fenômenos luminosos. Seu desenvolvimento se deu com a publicação da Teoria Corpuscular

Leia mais

Biomoléculas e processos Passivos/Ativos na célula

Biomoléculas e processos Passivos/Ativos na célula Biomoléculas e processos Passivos/Ativos na célula ICB Dep. Mofologia Disciplina: Biologia Celular Bases moleculares e Macromoleculares Substâncias Inorgânicas/Orgânicas Processos Celulares Passivos/Ativos

Leia mais

Trabalho de biologia. Nome: Naiheverton e wellinton. Turma:103

Trabalho de biologia. Nome: Naiheverton e wellinton. Turma:103 Trabalho de biologia Nome: Naiheverton e wellinton Turma:103 VITAMINAS São compostos orgânicos imprescindível para algumas reações metabólicas especificas,requeridos pelo corpo em quantidade minimas para

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia. Célula Procariótica. Prof. Macks Wendhell Gonçalves, Msc.

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia. Célula Procariótica. Prof. Macks Wendhell Gonçalves, Msc. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia Célula Procariótica Prof. Macks Wendhell Gonçalves, Msc mackswendhell@gmail.com Roteiro Células procarióticas não possuem envoltório nuclear

Leia mais

Técnicas de microscopia eletrônica de varredura para caracterização de materiais PMT-5858

Técnicas de microscopia eletrônica de varredura para caracterização de materiais PMT-5858 Técnicas de microscopia eletrônica de varredura para caracterização de materiais PMT-5858 Prática Laboratorial Prof. Dr. André Paulo Tschiptschin (PMT-EPUSP) DEPENDÊNCIA ENTRE OS CONCEITOS BÁSICOS DE OPERAÇÃO

Leia mais

Organização do sistema motor

Organização do sistema motor A organizaç organização bá básica do Sistema Motor Organizaç Organização do sistema motor Figura 11.1. Diagrama de blocos descritivo do sistema motor. As cores de cada bloco diferenciam as estruturas efetoras,

Leia mais

Citoplasma. ocorrem as reações químicas. 1. Contém uma substância gelatinosa onde. 2. Local onde estão submersas as organelas.

Citoplasma. ocorrem as reações químicas. 1. Contém uma substância gelatinosa onde. 2. Local onde estão submersas as organelas. CITOLOGIA Citoplasma 1. Contém uma substância gelatinosa onde ocorrem as reações químicas. 2. Local onde estão submersas as organelas. Citoesqueleto 1. Formado por proteínas que mantém a forma celular;

Leia mais

Interferência de ondas: está relacionada com a diferença de fase entre as ondas. A diferença de fase entre duas ondas pode mudar!!!!

Interferência de ondas: está relacionada com a diferença de fase entre as ondas. A diferença de fase entre duas ondas pode mudar!!!! Interferência de ondas: está relacionada com a diferença de fase entre as ondas. Construtiva: em fase Destrutiva: fora de fase A diferença de fase entre duas ondas pode mudar!!!! Coerência: para que duas

Leia mais

Biologia. Alexandre Bandeira (Rebeca Khouri) Citologia

Biologia. Alexandre Bandeira (Rebeca Khouri) Citologia Citologia Citologia 1. (UNESP) Em cada um dos gráficos A e B, há três curvas, porém apenas uma delas, em cada gráfico, representa corretamente o fenômeno estudado. No gráfico A, o fenômeno estudado é a

Leia mais

Vamos iniciar o estudo da unidade fundamental que constitui todos os organismos vivos: a célula.

Vamos iniciar o estudo da unidade fundamental que constitui todos os organismos vivos: a célula. Aula 01 Composição química de uma célula O que é uma célula? Vamos iniciar o estudo da unidade fundamental que constitui todos os organismos vivos: a célula. Toda célula possui a capacidade de crescer,

Leia mais

HISTOLOGIA. Tecido Conjuntivo

HISTOLOGIA. Tecido Conjuntivo HISTOLOGIA Tecido Conjuntivo Tecido Conjuntivo Constituição: Células Matriz Extracelular: Fibras colágenas, elásticas e reticulares Substância Fundamental Amorfa glicosaminoglicanas e proteínas Líquido

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Física Departamento de Física. FIS01184 Física IV-C Área 1 Lista 1

Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Física Departamento de Física. FIS01184 Física IV-C Área 1 Lista 1 Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Física FIS01184 Física IV-C Área 1 Lista 1 1.A luz do Sol no limite superior da atmosfera terrestre tem uma intensidade de

Leia mais

NOÇÕES DE ESCALA C I T O L O G I A

NOÇÕES DE ESCALA C I T O L O G I A NOÇÕES DE ESCALA C I T O L O G I A NOÇÕES DE ESCALA C I T O L O G I A MICROSCOPIA C I T O L O G I A MICROSCÓPIO ÓPTICO CITOLOGIA MICROSCÓPIO ÓPTICO C I T O L O G I A MICROSCÓPIO ÓPTICO C I T O L O G I

Leia mais

6. Resposta: C Comentário: A estrutura que se quer observar, multiplicado pelo aumento do microscópio, tem que ser igual, no mínimo, ao limite de

6. Resposta: C Comentário: A estrutura que se quer observar, multiplicado pelo aumento do microscópio, tem que ser igual, no mínimo, ao limite de 1. Comentário: Bactérias são seres constituídos de células procarióticas, de modo a não apresentarem núcleo delimitado por carioteca, mas sim um nucleoide, onde o material genético está disperso no citoplasma

Leia mais

EXERCÍCIO 3 - INTERFERÊNCIA

EXERCÍCIO 3 - INTERFERÊNCIA CURSO: ENGENHARIA - UFSCar - TURMA 09.904-0 Profa. Dra. Ignez Caracelli - DF 17 de novembro de 2016 EXERCÍCIO 3 - INTERFERÊNCIA Exercícios extraídos do livro Fundamentos de Física volume 4: Óptica e Física

Leia mais

Criado e Desenvolvido por: Todos os direitos são reservados 2013. www.tioronni.com

Criado e Desenvolvido por: Todos os direitos são reservados 2013. www.tioronni.com Criado e Desenvolvido por: Todos os direitos são reservados 2013. www.tioronni.com A TEORIA CELULAR As células foram descobertas em 1663 pelo inglês Robert Hooke. Ao examinar em um microscópio rudimentar,

Leia mais

Aula5 PREPARAÇÃO DE MATERIAL BIOLÓGICO PARA OBSERVAÇÃO EM MICROSCOPIA ELETRÔNICA. Fabiana Silva Vieira

Aula5 PREPARAÇÃO DE MATERIAL BIOLÓGICO PARA OBSERVAÇÃO EM MICROSCOPIA ELETRÔNICA. Fabiana Silva Vieira Aula5 PREPARAÇÃO DE MATERIAL BIOLÓGICO PARA OBSERVAÇÃO EM MICROSCOPIA ELETRÔNICA META Apresentar algumas normas de preparação de material biológico para observação no microscópio eletrônico. OBJETIVOS

Leia mais

Parte II Elementos básicos do microscópio. II Encontro da Rede Mineira de Química - UFSJ - Maio de 2012

Parte II Elementos básicos do microscópio. II Encontro da Rede Mineira de Química - UFSJ - Maio de 2012 Parte II Elementos básicos do microscópio 18 Elementos básicos do microscópio Condensadora Lente Objetiva Tela fluorescente Objeto Plano focal Primeira imagem 19 Canhões de Elétrons Além da fonte de elétrons,

Leia mais

Biólogo Patologia bucal

Biólogo Patologia bucal Biólogo Patologia bucal Caderno de Questões Prova Objetiva 2015 01 A imuno-histoquímica tem por finalidade visualizar diretamente na célula a distribuição de moléculas utilizando: a) antígenos marcados

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais

A Química da Vida. As substâncias que constituem os corpos dos seres vivos possuem em sua constituição entre 75-85% de água. Ou seja, cerca de 80% do

A Química da Vida. As substâncias que constituem os corpos dos seres vivos possuem em sua constituição entre 75-85% de água. Ou seja, cerca de 80% do A Química da Vida. A Química da Vida. As substâncias que constituem os corpos dos seres vivos possuem em sua constituição entre 75-85% de água. Ou seja, cerca de 80% do corpo de um ser vivo é composto

Leia mais

TECIDO NERVOSO. Substância cinzenta

TECIDO NERVOSO. Substância cinzenta TECIDO NERVOSO 1. Observação de neurônios e de células da glia Material: cérebro Técnica: Impregnação argêntica Substância cinzenta Observação com aumento total de 100x: Com este aumento é possível observar

Leia mais

MAURÍCIO RAFAEL MAURER

MAURÍCIO RAFAEL MAURER MAURÍCIO RAFAEL MAURER RECONSTRUÇÃO TRIDIMENSIONAL DE IMAGENS DE MICROSCOPIA DE LUZ Dissertação apresentada como requisito parcial à obtenção do grau de Mestre. Programa de Pós-Graduação em Informática,

Leia mais

MORFOLOGIA E ESTRUTURA DA CÉLULA BACTERIANA

MORFOLOGIA E ESTRUTURA DA CÉLULA BACTERIANA MORFOLOGIA E ESTRUTURA DA CÉLULA BACTERIANA MICROBIOLOGIA I AULA 2 Profa Cristina Lacerda S Petraro Silva 1- FORMA E ARRANJO A forma: - diz respeito ao formato individual da célula bacteriana -determinada

Leia mais

Microbilogia de Alimentos I - Curso de Engenharia de Alimentos Profª Valéria Ribeiro Maitan

Microbilogia de Alimentos I - Curso de Engenharia de Alimentos Profª Valéria Ribeiro Maitan 15 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PUC Goiás ESCOLA DE ENGENHARIA CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS Aula nº 3 e 4- Preparações Microscópicas Fixadas e Coradas (coloração simples e Diferencial)

Leia mais