Engenharia Reversa para Recuperação de Modelos de Sistemas Desenvolvidos em PL/SQL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Engenharia Reversa para Recuperação de Modelos de Sistemas Desenvolvidos em PL/SQL"

Transcrição

1 Engenharia Reversa para Recuperação de Modelos de Sistemas Desenvolvidos em PL/SQL Rodnei Couto 1, Luana Lachtermacher 1, Soeli Fiorini 1, Akeo Tanabe 1, Gustavo Carvalho 1, Arndt von Staa 1, Ricardo Choren 2 1 Departamento de Informática PUC-Rio Rua Marquês de São Vicente Rio de Janeiro RJ Brasil 2 Seção de Engenharia de Computação IME/RJ Pça General Tibúrcio Rio de Janeiro RJ Brasil Abstract. Recovering a legacy system structure helps its maintenance. With the system structure it is possible to understand the system and to make an impact analysis about a change request. This paper shows an approach to recover the structural models of legacy systems, which were developed using PL/SQL. The structure recovery is based on search patterns that extract the dependencies between structural elements. This paper also presents a tool that supports the proposed approach. Resumo. A recuperação da documentação sobre a estrutura de um sistema legado visa apoiar sua manutenção. Com esta estrutura é possível entender o sistema e fazer uma análise de impacto de um pedido de mudança. Este artigo mostra uma abordagem para a recuperação de modelos de sistemas legados em PL/SQL. A recuperação se baseia em padrões de busca que extraem as dependências entre elementos estruturais. Este artigo também apresenta uma ferramenta de apoio à abordagem proposta. 1. Introdução Um sistema de software está sempre evoluindo para se adequar a modificações em práticas de negócio organizacionais. Após diversas modificações, o software e a sua documentação vão se tornando mais difíceis de entender. Quanto mais difícil é entender um sistema, mais os desenvolvedores se focam na modificação do software, diminuindo a confiabilidade da documentação existente e dificultando a tarefa de manutenção. Para fazer uma manutenção em um software, é importante que o desenvolvedor realize uma análise de impacto da mudança [Sommerville 2007]. Uma análise de impacto utiliza uma representação da estrutura do sistema para verificar se outras partes do software devem ser modificadas por conta de uma manutenção, buscando minimizar os efeitos colaterais de uma mudança [Wilde and Huitt 1992; Queille et al. 1994]. Porém, a documentação de um sistema legado (incluindo a documentação sobre sua estrutura) tende a perder a confiabilidade ao longo do tempo. Para contornar este problema, pode-se recuperar a estrutura do sistema utilizando engenharia reversa, que se 1

2 preocupa em recuperar a representação arquitetural do sistema a partir do código fonte, permitindo seu entendimento e modernização [Chikofsky and Cross 1990]. O processo de recuperação do modelo da estrutura de um sistema legado pode ser automatizado com uma combinação de ferramentas de análise de código. Porém, a análise de código fonte normalmente não abrange a análise de código que implementa regras de negócio diretamente em sistemas gerenciadores de banco de dados, como código escrito em PL/SQL. Este artigo tem como objetivo apresentar uma abordagem para a recuperação de modelos de sistemas legados em PL/SQL. A Seção 2 apresenta a abordagem, baseada em padrões para extrair informações do código. A Seção 3 mostra uma ferramenta que dá suporte à abordagem proposta. A Seção 4 descreve um exemplo de uso desta ferramenta. A Seção 5 apresenta um exemplo de como a proposta pode auxiliar o desenvolvedor na tarefa de análise de impacto. A Seção 6 apresenta alguns trabalhos relacionados e, finalmente, a Seção 7 apresenta as conclusões. 2. Recuperando a Estrutura de Software O processo de recuperação do modelo da estrutura de software proposto possui as seguintes etapas: (i) encontrar padrões para a extração de informações; (ii) gerar uma ferramenta para extrair do código fonte os padrões criados, e; (iii) gerar os modelos. Um padrão deve buscar uma característica no código e deve ter um objetivo específico no processo de recuperação da estrutura. Neste trabalho, a geração de padrões buscou encontrar os relacionamentos estruturais do sistema, se baseando em um exame da sintaxe da linguagem PL/SQL e nos comandos SQL padrão. No entanto, é importante salientar que o uso de convenções (padrões) de programação é importante para extração de conhecimento a partir de código-fonte. O código produzido utilizando convenções deve ser a marca da equipe, pois serve para que todos os desenvolvedores possam entender completamente o código produzido por qualquer um da equipe. Os padrões propostos por este trabalho, além de verificar a sintaxe PL/SQL e os comandos SQL, se vale de um conjunto de convenções de programação. Assim, foram criados quatro padrões: Padrão 1: padrão para mostrar o relacionamento entre procedimentos (procedures de PL/SQL). Para reconhecer tais relacionamentos é preciso descobrir todos os pacotes e procedimentos existentes no código PL/SQL. Assim, é necessário: (i) eliminar os comentários, expressos com /*... */ ou com --, e; (ii) buscar dados através dos seguintes padrões: PACKAGE/package, procedure e function. Após a identificação dos pacotes e dos procedimentos, as seguintes expressões (convenções de programação) são usadas para recuperar os relacionamentos entre procedimentos: _pkg.<nome_outro_proc>: representa um relacionamento entre um procedimento e o procedimento referenciado em _pkg.<nome_outro_proc>; pacote.procedure: cada palavra do código que atendesse a este padrão foi selecionada e procurada na listagem produzida em (iii). Se a palavra for encontrada na listagem, então um relacionamento entre o procedimento onde o padrão foi recuperado e o procedimento da listagem é adicionado. 2

3 Padrão 2: padrão para mostrar o relacionamento entre procedimentos e tabelas. O padrão definido para extrair estes relacionamentos verifica os comandos que contém as expressões update, delete, select, join, insert e from. Padrão 3: padrão para mostrar o relacionamento entre as tabelas através de chaves estrangeiras. O padrão para extrair estes relacionamentos verifica os comandos que iniciam com alter table e que contém as expressões foreign key e references. Padrão 4: padrão para mostrar as entradas e as saídas dos procedimentos. Este padrão busca por: (i) sentenças PACKAGE/package; (ii) comandos iniciados com as palavras-chaves procedure ou function, e; (iii) comandos contendo as expressões in ou out. Depois da definição dos padrões, uma série de programas AWK [Aho et al. 1988] foi desenvolvida para extraí-los do código fonte. O AWK foi utilizado, pois conta com recursos para encontrar padrões (pattern matching) e para manipulação de expressões regulares. Tais recursos foram determinantes para o sucesso da mineração de relacionamentos descritos nos padrões. Com base no código (transformado em um arquivo de texto) e nos padrões estabelecidos, os programas AWK fazem a engenharia reversa, gerando os arquivos com os dados necessários para se recuperar o modelo da estrutura do sistema. Estes arquivos são organizados para que a ferramenta Dependencies Viewer (Seção 3) possa apresentar graficamente o modelo. 3. A Ferramenta Dependencies Viewer A ferramenta Dependencies Viewer (figura 1) foi desenvolvida para mostrar o modelo da estrutura do software (parte PL/SQL) a partir dos arquivos gerados pelos programas AWK. A ferramenta permite: (i) visualizar os procedimentos e seus relacionamentos (entre si e entre eles e as tabelas), partindo-se de um procedimento específico; (ii) visualizar as tabelas e seus relacionamentos, partindo-se de uma tabela específica, e; (iii) gerar uma imagem com a estrutura para o usuário imprimir. Figura 1. Tela para gerar diagramas de procedimentos. 3

4 A ferramenta oferece quatro opções de visualização do modelo da estrutura a partir da seleção de um procedimento (exemplo da figura 1) ou tabela escolhida pelo usuário: origem; destino; ver tabelas, e; todos os níveis. Marcando a opção Origem a busca dos relacionamentos será a partir do procedimento informado, mostrando um diagrama com as chamadas desta aos outros procedimentos. Marcando a opção Destino significa que o procedimento informado é destino e um diagrama mostrará todos os procedimentos que fazem chamadas a ele. Se a opção Ver Tabelas for selecionada serão apresentadas as tabelas relacionadas ao procedimento. Marcando a opção Todos os níveis, um diagrama, que apresenta o grafo em profundidade, é gerado, mostrando os relacionamentos diretos e indiretos do procedimento. Uma combinação destas opções pode ser realizada, dependendo do nível de detalhe que se busca. Estas opções também são válidas para diagramas de tabelas. A ferramenta possui um modelo bastante simplificado, que transforma a árvore de chamadas de procedimentos e de tabelas em um grafo. Isto facilita na hora de percorrê-lo e de selecionar os nós que devem ser exibidos. O uso de grafos é importante, pois permite a geração de sub-grafos a partir de uma raiz (procedimento) qualquer, selecionada pelo usuário. No exemplo do grafo da figura 2, um usuário pode gerar diversos sub-grafos. Figura 2. Exemplo de um grafo de modelo de estrutura Se o usuário desejar ver os relacionamentos existentes do nó C, ele pode optar por marcar Origem, o que mostrará o sub-grafo C D E. Caso seja escolhida a opção Destino, são selecionados os vértices A B C. Se as duas opções forem marcadas, será exibido o sub-grafo A B C D E. Note que o nó F nunca será adicionado no grafo de C, pois ele não pertence à árvore de chamadas deste nó. As regras apresentadas acima servem tanto para procedimentos como para tabelas, pois os dois são vistos do mesmo modo pela ferramenta. Embora a ferramenta consiga extrair a estrutura de forma simples, algumas dificuldades foram encontradas. Na extração do relacionamento entre procedimentos (padrão 1), dois procedimentos podem ter o mesmo nome e estar no mesmo pacote, sendo diferenciadas pela quantidade e pelos tipos de parâmetros. Neste caso, a ferramenta gera vários relacionamentos para um mesmo procedimento (em vez de gerar dois procedimentos diferentes com o mesmo nome). Outra dificuldade encontrada se refere à extração dos relacionamentos entre procedimentos e tabelas (padrão 2). Em PL/SQL, uma tabela pode estar definida como um tipo, que pode ser utilizado no código apenas como um nome de uma variável. Neste caso, a ferramenta não consegue reconhecer a tabela, perdendo seus relacionamentos. 4

5 4. Prova de Conceito Para mostrar a aplicabilidade da abordagem, a ferramenta foi utilizada para extrair o modelo da estrutura de um sistema legado escrita em PL/SQL, que possui cerca de 150 KLOC e mais de 340 procedimentos. Abaixo, é mostrada a extração de relacionamentos entre procedimentos e entre procedimentos e tabelas e a geração do grafo. O código 1 mostra um trecho do código do procedimento update_scenarium que possui um relacionamento com uma tabela cenário. procedure UPDATE_SCENARIUM (...) is... begin Código 1. Trecho I do procedimento update_scenarium select ce.cena_nr_numero_cenario, ce.cena_dt_criacao into scena_cd_id, creation_date from cenario ce where ce.cena_nr_numero_cenario = to_number(scenarium_id.identifier);... end; O trecho marcado acima mostra o código que indica um relacionamento entre o procedimento e a tabela. A ferramenta encontra o código a partir do padrão 2 e gera o trecho mostrado na figura 3 no arquivo da estrutura. Figura 3. Trecho gerado pela aplicação do padrão 2 O código 2 mostra um trecho do código do procedimento update_scenarium que possui um relacionamento com outros procedimentos. procedure UPDATE_SCENARIUM (...) is... begin... Código 2. Trecho II do procedimento update_scenarium if open_stock.count > 0 then update_open_stock(open_stock); end if; if delivery.count > 0 then update_delivery(delivery); end if;... if fcc_processing.count > 0 then end; O trecho marcado no código 2 mostra o código que indica um relacionamento entre update_scenarium e update_open_stock e update_delivery. Estes trechos são 5

6 encontrados pela ferramenta a partir do padrão 1. O arquivo gerado (parcial) após o processamento do código está mostrado na figura 4 (se o procedimento é chamado várias vezes, há repetição; no entanto, isto é filtrado posteriormente). Figura 4. Trecho gerado pela aplicação do padrão 1 Atualmente um arquivo.jar pode ser criado para fazer todo o processo de geração dos arquivos extraídos do código de forma automática permitindo atualização rápida dos modelos de acordo com a evolução de versões do software. Depois de aplicar todos os padrões, a ferramenta gera o seguinte grafo de relacionamentos para o procedimento update_scenarium (figura 5). Figura 5. Modelo recuperado da estrutura do procedimento update_scenarium 5. Análise de Impacto A ferramenta Dependencies Viewer auxilia o desenvolvedor a fazer uma análise de impacto de um pedido de mudança. A figura 6 mostra um cenário de uso da ferramenta. Imagine que um desenvolvedor, atendendo a um pedido de mudança, saiba que será necessário modificar um procedimento (neste exemplo, chamada de get_scenarium). O desenvolvedor usa a ferramenta para saber se existem outros procedimentos que chamam o procedimento em questão, encontrando o procedimento open_scenarium (figura 6.1). Neste ponto, o desenvolvedor pode recuperar os procedimentos diretamente relacionados ao procedimento open_scenarium (figura 6.2). Caso seja necessário, o desenvolvedor pode verificar se existem outras chamadas em maiores níveis de profundidade opção Todos os níveis para open_scenarium (figura 6.3). Esta verificação apresenta diversos relacionamentos. O retângulo cinza representa o procedimento utilizado para a busca (na parte superior está o nome do pacote e na parte inferior o nome do procedimento). Além da análise dos relacionamentos entre procedimentos, é possível analisar as tabelas associadas a cada procedimento impactado. Estes diagramas mostram um mapa da implementação. Em alguns casos, pode haver muitos caminhos e, quando se tem pouco conhecimento sobre o software, o esforço para a análise é bem maior. Informações associadas a cada procedimento/tabela (semelhante a um Javadoc) ajudam no entendimento das funções de cada um destes elementos. 6

7 Figura 6. Navegando nos diagramas para realizar a análise de impacto. 6. Trabalhos Relacionados Para a linguagem Java e a notação UML, existe um conjunto de ferramentas similares, como o Together [Borland 2009], e o Rational Software Architect [IBM 2009a]. Para a exibição do comportamento e chamadas da aplicação, normalmente o diagrama exibido é o diagrama de seqüência. Todas estas ferramentas possuem a opção de geração de diagramas a partir da análise estática de um código Java. No entanto, estas ferramentas não provêem suporte para outras linguagens. O mais próximo disto é a funcionalidade de importação de um XMI. Para produtos específicos para desenvolvimento focado em banco de dados, existe a ferramenta Rational Data Architect [IBM 2009b], que provê diversas funcionalidades de geração de diagramas a partir da estrutura do SGBD. Todas, porém, são focadas na organização das tabelas. Para desenvolvimento e manutenção de procedimentos, a única funcionalidade é o destaque com cor das palavras chaves. Outras ferramentas, específicas para determinados bancos, fornecem um suporte melhor. O SqlDeveloper [Oracle 2009] provê um editor que completa palavras e marca com cores as palavras chaves do procedimento. Assim, ele exibe quais os procedimentos chamados e as tabelas utilizadas textualmente a partir do procedimento que está sendo editado 7

8 naquele momento. Porém, apenas o primeiro nível é exibido, e não toda a árvore de chamadas, além de não existir a possibilidade de exibição e geração de um diagrama. 7. Conclusão A manutenção de um sistema legado pode ser facilitada quando se aplica algumas práticas de engenharia reversa. Uma delas é a recuperação do modelo de sua estrutura. Para recuperar o modelo da estrutura de um software legado, desenvolvido em PL/SQL, este trabalho propõe o uso de padrões para o reconhecimento de procedimentos, tabelas e seus relacionamentos no código fonte. Para dar suporte ao uso automatizado destes padrões, foi desenvolvida a ferramenta Dependencies Viewer que permite a recuperação do modelo da estrutura de um sistema legado para contribuir na tarefa de análise de impacto de uma mudança. Como trabalhos futuros, é preciso avaliar os padrões e a ferramenta em outros estudos de caso, com o intuito de aperfeiçoar a detecção dos padrões no código fonte. Além disso, seria interessante incrementar a ferramenta para permitir a visualização de outras informações como os parâmetros de entrada e saída dos procedimentos. Novos padrões podem ser desenvolvidos e tais padrões deverão ser incorporados à ferramenta. Neste sentido, já está em desenvolvimento um padrão para mostrar os comentários dos procedimentos. Este padrão extrai os comentários do código, buscando os caracteres de início e fim de comentário dentro do PL/SQL ( /* e */ ). Logo, o Dependencies Viewer poderá auxiliar o desenvolvedor, apresentado a documentação de um procedimento selecionado para ajudar na tarefa de análise de impacto de mudança. Referências Aho, A. V., Kernighan B. W. and Weinberger, P. J. (1988). The AWK Programming Language, Addison Wesley. Borland (2009). Borland Together. Disponível em: products/together/. Acessado em: 30 Mar Chikofsky, E. J. and Cross, J. H. (1990). Reverse engineering and design recovery: a taxonomy. IEEE Software 7(1), p IBM (2009a). Rational Software Architect. Disponível em: software/awdtools/architect/swarchitect/. Acessado em: 30 Mar IBM (2009b). Rational Data Architect. Disponível em: software/awdtools/modelbundle/. Acessado em: 30 Mar Oracle (2009). Oracle SQL Developer. Disponível em: technology/products/database/sql_developer/. Acessado em: 30 Mar Queille, J., Voidrot, J., Wilde, N. and Munro, M. (1994). The impact analysis task in software maintenance: a model and a case study. In: Proceedings of the International Conference on Software Maintenance, p Sommerville, I. (2007). Engenharia de Software, Pearson Education, 8th edition. Wilde, N. and Huitt, R. (1992). Maintenance support for object oriented programs. In: Proceedings of the International Conference on Software Maintenance, p

GeCA: Uma Ferramenta de Engenharia Reversa e Geração Automática de Código

GeCA: Uma Ferramenta de Engenharia Reversa e Geração Automática de Código GeCA: Uma Ferramenta de Engenharia Reversa e Geração Automática de Código Igor Steinmacher 1, Éderson Fernando Amorim 1, Flávio Luiz Schiavoni 1, Elisa Hatsue Moriya Huzita 1 1 Departamento de Informática

Leia mais

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível

Leia mais

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível de independência do

Leia mais

SQL. Curso Prático. Celso Henrique Poderoso de Oliveira. Novatec

SQL. Curso Prático. Celso Henrique Poderoso de Oliveira. Novatec SQL Curso Prático Celso Henrique Poderoso de Oliveira Novatec 1 Introdução Desde o início da utilização dos computadores, sabemos que um sistema é feito para aceitar entrada de dados, realizar processamentos

Leia mais

José Benedito Lopes Junior ¹, Marcello Erick Bonfim 2

José Benedito Lopes Junior ¹, Marcello Erick Bonfim 2 ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 Definição de uma tecnologia de implementação e do repositório de dados para a criação da ferramenta

Leia mais

SQL Structured Query Language

SQL Structured Query Language Janai Maciel SQL Structured Query Language (Banco de Dados) Conceitos de Linguagens de Programação 2013.2 Structured Query Language ( Linguagem de Consulta Estruturada ) Conceito: É a linguagem de pesquisa

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS RESUMO Este artigo apresenta a especificação de um sistema gerenciador de workflow, o ExPSEE, de acordo com a abordagem de desenvolvimento baseado

Leia mais

FERRAMENTA DE APOIO A REESTRUTURAÇÃO DE CÓDIGO FONTE EM LINGUAGEM PL/SQL BASEADO EM PADRÕES DE LEGIBILIDADE

FERRAMENTA DE APOIO A REESTRUTURAÇÃO DE CÓDIGO FONTE EM LINGUAGEM PL/SQL BASEADO EM PADRÕES DE LEGIBILIDADE FERRAMENTA DE APOIO A REESTRUTURAÇÃO DE CÓDIGO FONTE EM LINGUAGEM PL/SQL BASEADO EM PADRÕES DE LEGIBILIDADE Formando: Dyckson Dyorgio Dolla Orientador: Prof. Everaldo Artur Grahl Julho / 2001 ROTEIRO DA

Leia mais

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES w w w. i d e a l o g i c. c o m. b r INDICE 1.APRESENTAÇÃO 2.ESPECIFICAÇÃO DOS RECURSOS DO SOFTWARE SAXES 2.1. Funcionalidades comuns a outras ferramentas similares 2.2. Funcionalidades próprias do software

Leia mais

Um modelo é uma simplificação da realidade. Construímos modelos para compreender melhor o sistema que estamos desenvolvendo.

Um modelo é uma simplificação da realidade. Construímos modelos para compreender melhor o sistema que estamos desenvolvendo. UML - Motivação - O que é um modelo? Um modelo é uma simplificação da realidade. Construímos modelos para compreender melhor o sistema que estamos desenvolvendo. O que é um modelo? O que é um modelo? O

Leia mais

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server Noções de 1 Considerações Iniciais Basicamente existem dois tipos de usuários do SQL Server: Implementadores Administradores 2 1 Implementadores Utilizam o SQL Server para criar e alterar base de dados

Leia mais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Prof. Marcos Francisco Pereira da Silva Especialista em Engenharia de Software Jogos Digitais - Computação Gráfica 1 Agenda Vantagens de usar a abordagem

Leia mais

Banco de Dados. Prof. Antonio

Banco de Dados. Prof. Antonio Banco de Dados Prof. Antonio SQL - Structured Query Language O que é SQL? A linguagem SQL (Structure query Language - Linguagem de Consulta Estruturada) é a linguagem padrão ANSI (American National Standards

Leia mais

Banco de Dados Avançados Banco de Dados Ativo

Banco de Dados Avançados Banco de Dados Ativo Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática Banco de Dados Avançados Banco de Dados Ativo Equipe: Felipe Cavalcante Fernando Kakimoto Marcos Corrêa Sumário 1. Mini-Mundo... 3 1.1 Entidades...

Leia mais

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos. Centro Tecnológico. Universidade Federal do Espírito Santo

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos. Centro Tecnológico. Universidade Federal do Espírito Santo Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Disciplina: INF 02810 Prof.: (monalessa@inf.ufes.br) Conteúdo 1. Introdução 2. Processo de Software 3. Gerência de

Leia mais

Structured Query Language (SQL) Ambiente Simplificado de um SGBD

Structured Query Language (SQL) Ambiente Simplificado de um SGBD Structured Query Language (SQL) Ambiente Simplificado de um SGBD 2 1 Características dos SGBDs Natureza auto-contida de um sistema de banco de dados: metadados armazenados num catálogo ou dicionário de

Leia mais

Introdução à Banco de Dados. Nathalia Sautchuk Patrício

Introdução à Banco de Dados. Nathalia Sautchuk Patrício Introdução à Banco de Dados Nathalia Sautchuk Patrício Histórico Início da computação: dados guardados em arquivos de texto Problemas nesse modelo: redundância não-controlada de dados aplicações devem

Leia mais

Software Architecture Recovery based on Dynamic Analysis. Aline Vasconcelos Cláudia Werner

Software Architecture Recovery based on Dynamic Analysis. Aline Vasconcelos Cláudia Werner Software Architecture Recovery based on Dynamic Analysis Aline Vasconcelos Cláudia Werner Agenda Contexto e Motivações Trabalhos Relacionados Processo Proposto Estudo de Caso Conclusões Contexto Engenharia

Leia mais

Ferramenta de Análise Código Fonte em Delphi. Aluno - Roque César Possamai Orientador - Everaldo Artur Grahl

Ferramenta de Análise Código Fonte em Delphi. Aluno - Roque César Possamai Orientador - Everaldo Artur Grahl Ferramenta de Análise Código Fonte em Delphi Aluno - Roque César Possamai Orientador - Everaldo Artur Grahl Roteiro Introdução Fundamentação Teórica Conceitos Básicos Métricas de Software Métricas de Software

Leia mais

O que são Bancos de Dados?

O que são Bancos de Dados? SQL Básico Liojes de Oliveira Carneiro professor.liojes@gmail.com www.professor-liojes.blogspot.com O que são Bancos de Dados? É o software que armazena, organiza, controla, trata e distribui os dados

Leia mais

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Julho / 2.012 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 29/07/2012 1.0 Versão inicial Ricardo Kiyoshi Página 2 de 11 Conteúdo 1. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Aprenda como instalar o plugin EclipseUML no Eclipse e como utilizá-lo para fazer engenharia reversa de seu código-fonte.

Aprenda como instalar o plugin EclipseUML no Eclipse e como utilizá-lo para fazer engenharia reversa de seu código-fonte. Omondo EclipseUML Ricardo Rodrigues Lecheta Aprenda como instalar o plugin EclipseUML no Eclipse e como utilizá-lo para fazer engenharia reversa de seu código-fonte. Introdução Neste tutorial será apresentado

Leia mais

RYLY - Query Analizer: Ferramenta de Visualização e de Análise do Plano de Execução de Consultas ORACLE

RYLY - Query Analizer: Ferramenta de Visualização e de Análise do Plano de Execução de Consultas ORACLE RYLY - Query Analizer: Ferramenta de Visualização e de Análise do Plano de Execução de Consultas ORACLE Luzia A. Mendes 1, Rodrigo C. Barros 2, Bruno Visioli 1, Leandro Pompermaier 1 1 Faculdade de Informática

Leia mais

WebUML: Uma Ferramenta Colaborativa de Apoio ao Projeto e Análise de Sistemas Descritos em Classes UML

WebUML: Uma Ferramenta Colaborativa de Apoio ao Projeto e Análise de Sistemas Descritos em Classes UML Carlos Henrique Pereira WebUML: Uma Ferramenta Colaborativa de Apoio ao Projeto e Análise de Sistemas Descritos em Classes UML Florianópolis - SC 2007 / 2 Resumo O objetivo deste trabalho é especificar

Leia mais

NOME SEXO CPF NASCIMENTO SALARIO

NOME SEXO CPF NASCIMENTO SALARIO Tutorial SQL Fonte: http://www.devmedia.com.br/articles/viewcomp.asp?comp=2973 Para começar Os Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Relacionais (SGBDr) são o principal mecanismo de suporte ao armazenamento

Leia mais

Table 1. Dados do trabalho

Table 1. Dados do trabalho Título: Desenvolvimento de geradores de aplicação configuráveis por linguagens de padrões Aluno: Edison Kicho Shimabukuro Junior Orientador: Prof. Dr. Paulo Cesar Masiero Co-Orientadora: Prof a. Dr. Rosana

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE ESCOLA AGRÍCOLA DE JUNDIAÍ EAJ - PRONATEC / REDE etec MÓDULO III DESENVOLVIMENTO PROFESSOR ADDSON COSTA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE ESCOLA AGRÍCOLA DE JUNDIAÍ EAJ - PRONATEC / REDE etec MÓDULO III DESENVOLVIMENTO PROFESSOR ADDSON COSTA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE ESCOLA AGRÍCOLA DE JUNDIAÍ EAJ - PRONATEC / REDE etec MÓDULO III DESENVOLVIMENTO PROFESSOR ADDSON COSTA RESUMO DE AULA CRIAÇÃO E MANIPULAÇÃO DO BANCO DE DADOS

Leia mais

O Software Face Match

O Software Face Match Apêndice A O Software Face Match A.1 - Desenvolvimento do software para a extração de características de imagens de faces humanas: Face Match. Para dar suporte à proposta do trabalho de mestrado iniciou-se

Leia mais

5 Avaliação experimental 5.1. Cenário

5 Avaliação experimental 5.1. Cenário 73 5 Avaliação experimental 5.1. Cenário No capítulo 1, seção 1.2, foi apresentado o cenário deste estudo de caso que motivou esta dissertação. Fazendo uma recapitulação, tudo se iniciou numa parceria

Leia mais

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias 2 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias Modelo de dados: Conjunto de conceitos

Leia mais

Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base. fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org

Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base. fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org Índice 1 Introdução...2 1.1 Versão... 2 1.2 Licenciamento...2 1.3 Mensagem do Projeto

Leia mais

Modelagem de Software Prof. Flávio de Oliveira Silva, Ph.D.

Modelagem de Software Prof. Flávio de Oliveira Silva, Ph.D. UML Diagramas Um diagrama é a apresentação gráfica de um conjunto de elementos, onde os vértices são ITENS e os arcos RELACIONAMENTOS UML 2.0 possui os seguintes diagramas: Diagrama de Classes (Class Diagram)

Leia mais

Comandos de Manipulação

Comandos de Manipulação SQL - Avançado Inserção de dados; Atualização de dados; Remoção de dados; Projeção; Seleção; Junções; Operadores: aritméticos, de comparação,de agregação e lógicos; Outros comandos relacionados. SQL SQL

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. PROFESSOR: Andrey DISCIPLINA: Técnicas Alternativas de Programação AULA: 08 APRESENTAÇÃO Na aula de hoje vamos apresentar e discutir como definir

Leia mais

SISTEMA TYR DIAGRAMAS DE CLASSE E SEQUÊNCIA Empresa: Academia Universitária

SISTEMA TYR DIAGRAMAS DE CLASSE E SEQUÊNCIA Empresa: Academia Universitária SISTEMA TYR DIAGRAMAS DE CLASSE E SEQUÊNCIA Empresa: Academia Universitária Cascavel Novembro de 2009 Pedro Patitucci Finamore Daniel Bordignon Cassanelli Marco Antonio da Rosa DIAGRAMAS DE CLASSE E SEQUÊNCIA

Leia mais

Fundamentos do Sistema Gerenciador de Banco de Dados

Fundamentos do Sistema Gerenciador de Banco de Dados Fundamentos do Sistema Gerenciador de Banco de Dados Cláudio Luís V. Oliveira Janeiro de 2010 Definição "Um sistema cujo objetivo principal é gerenciar o acesso, a correta manutenção e a integridade dos

Leia mais

Orientação a Objetos

Orientação a Objetos 1. Domínio e Aplicação Orientação a Objetos Um domínio é composto pelas entidades, informações e processos relacionados a um determinado contexto. Uma aplicação pode ser desenvolvida para automatizar ou

Leia mais

Criação de Consultas e Relatórios no Access CRIAÇÃO DE CONSULTAS E RELATÓRIOS NO ACCESS

Criação de Consultas e Relatórios no Access CRIAÇÃO DE CONSULTAS E RELATÓRIOS NO ACCESS Criação de Consultas e Relatórios no Access CRIAÇÃO DE CONSULTAS E RELATÓRIOS NO ACCESS Sumário Conceitos / Autores chave... 3 1. Introdução... 4 2. Consultas... 5 3. Relatórios... 8 4. Conclusões... 11

Leia mais

Universidade Federal Rural de Pernambuco. Bacharelado em Sistemas de Informação. Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas de Informação

Universidade Federal Rural de Pernambuco. Bacharelado em Sistemas de Informação. Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas de Informação Universidade Federal Rural de Pernambuco Bacharelado em Sistemas de Informação Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas de Informação Docente: Rodrigo Aluna: Thays Melo de Moraes Diagramas do Projeto

Leia mais

Um Simulador para Avaliação da Antecipação de Tarefas em Sistemas Gerenciadores de Workflow

Um Simulador para Avaliação da Antecipação de Tarefas em Sistemas Gerenciadores de Workflow Um Simulador para Avaliação da Antecipação de Tarefas em Sistemas Gerenciadores de Workflow Resumo. A fim de flexibilizar o fluxo de controle e o fluxo de dados em Sistemas Gerenciadores de Workflow (SGWf),

Leia mais

BANCO DE DADOS II Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

BANCO DE DADOS II Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 10 - PROCEDIMENTOS ARMAZENADOS - STORED PROCEDURES 1. INTRODUÇÃO Em muitas situações será necessário armazenar procedimentos escritos com a finalidade de se utilizar recursos como loop, estruturas

Leia mais

DOCUMENTO DE REQUISITOS

DOCUMENTO DE REQUISITOS DOCUMENTO DE REQUISITOS ID documento: Data: / / Versão : Responsável pelo documento: ID Projeto: HISTÓRICO DE REVISÕES Data de criação/ atualização Descrição da(s) Mudança(s) Ocorrida(s) Autor Versão do

Leia mais

UML - Unified Modeling Language

UML - Unified Modeling Language UML - Unified Modeling Language Casos de Uso Marcio E. F. Maia Disciplina: Engenharia de Software Professora: Rossana M. C. Andrade Curso: Ciências da Computação Universidade Federal do Ceará 24 de abril

Leia mais

Lógica de Programação

Lógica de Programação Lógica de Programação Unidade 4 Ambiente de desenvolvimento Java QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática SUMÁRIO A LINGUAGEM JAVA... 3 JVM, JRE, JDK... 3 BYTECODE... 3 PREPARANDO O AMBIENTE

Leia mais

APLICATIVO PARA CÁLCULO DE MÉTRICA DE SOFTWARE EM CÓDIGO-FONTE PL/SQL

APLICATIVO PARA CÁLCULO DE MÉTRICA DE SOFTWARE EM CÓDIGO-FONTE PL/SQL APLICATIVO PARA CÁLCULO DE MÉTRICA DE SOFTWARE EM CÓDIGO-FONTE PL/SQL Karine Trevisani Cunha Alexander Roberto Valdameri - Orientador Roteiro Introdução Objetivos Motivação Fundamentação Teórica Desenvolvimento

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

Aplicação do Padrão Data Access Object (DAO) em Projetos Desenvolvidos com Delphi

Aplicação do Padrão Data Access Object (DAO) em Projetos Desenvolvidos com Delphi Aplicação do Padrão Data Access Object (DAO) em Projetos Desenvolvidos com Delphi Marcelo Sardagna 1, Adilson Vahldick 1 1 Departamento de Sistemas e Computação Universidade Regional de Blumenau (FURB)

Leia mais

Reuso. Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior

Reuso. Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Reuso Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Reutilização de Software Na maioria das áreas de engenharia de software, sistemas são desenvolvidos

Leia mais

Triggers e Regras. Fernando Lobo. Base de Dados, Universidade do Algarve

Triggers e Regras. Fernando Lobo. Base de Dados, Universidade do Algarve Triggers e Regras Fernando Lobo Base de Dados, Universidade do Algarve 1 / 14 Triggers Um trigger permite que uma determinada sequência de comandos SQL seja accionada quando um determinado evento ocorre.

Leia mais

Introdução à Engenharia de Software

Introdução à Engenharia de Software Introdução à Engenharia de Software Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Imagem Clássica Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma visão sobre o que é a engenharia

Leia mais

Banco de Dados Oracle 10g: Introdução à Linguagem SQL

Banco de Dados Oracle 10g: Introdução à Linguagem SQL Oracle University Entre em contato: 0800 891 6502 Banco de Dados Oracle 10g: Introdução à Linguagem SQL Duração: 5 Dias Objetivos do Curso Esta classe se aplica aos usuários do Banco de Dados Oracle8i,

Leia mais

Banco de Dados. Um momento crucial na organização dos dados é a forma com que cadastramos estes dados, a estrutura de armazenamento que criamos.

Banco de Dados. Um momento crucial na organização dos dados é a forma com que cadastramos estes dados, a estrutura de armazenamento que criamos. Banco de Dados O que é um Banco de Dados? Este assunto é muito vasto, tentaremos resumi-lo para atender as questões encontradas em concursos públicos. Já conhecemos o conceito de dado, ou seja, uma informação

Leia mais

ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA

ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA INTRODUÇÃO O projeto de um banco de dados é realizado sob um processo sistemático denominado metodologia de projeto. O processo do

Leia mais

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS / INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio Professor: Clarindo Isaías Pereira

Leia mais

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 Rational Quality Manager Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 1 Informações Gerais Informações Gerais sobre o RQM http://www-01.ibm.com/software/awdtools/rqm/ Link para o RQM https://rqmtreina.mvrec.local:9443/jazz/web/console

Leia mais

Orientações para o Planejamento e Realização do Projeto Final

Orientações para o Planejamento e Realização do Projeto Final Orientações para o Planejamento e Realização do Projeto Final Simone Diniz Junqueira Barbosa Versão: 1.0.4 Orientações para o Planejamento e Realização do Projeto Final Sumário 1 Introdução... 3 2 Projeto

Leia mais

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 SUMÁRIO 1 Conceitos Básicos... 3 1.1 O que é Software?... 3 1.2 Situações Críticas no desenvolvimento

Leia mais

Prof. Omero, pág. 63. Banco de Dados InterBase.

Prof. Omero, pág. 63. Banco de Dados InterBase. Prof. Omero, pág. 63 O que é o InterBase? O InterBase é um SGBDR - Sistema Gerenciador de Banco de Dados Cliente/Servidor Relacional 1 que está baseado no padrão SQL ANSI-9, de alta performance, independente

Leia mais

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Neste capítulo nós iremos examinar as características da interface do gerenciador de arquivos Konqueror. Através dele realizaremos as principais operações com arquivos

Leia mais

Um processo para construção de software mais transparente

Um processo para construção de software mais transparente Um processo para construção de software mais transparente Eduardo Almentero 1, and Julio Cesar Sampaio do Prado Leite 1 1 Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC - Rio, Brasil {ealmentero,

Leia mais

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2 Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Engenharia de Software Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma revisão sobre o

Leia mais

Este tutorial está publicado originalmente em http://www.baboo.com.br/absolutenm/anmviewer.asp?a=30405&z=300

Este tutorial está publicado originalmente em http://www.baboo.com.br/absolutenm/anmviewer.asp?a=30405&z=300 WinRAR: Conheça este excelente compactador de arquivos Introdução: É fato que a Internet está mais rápida com a popularização da banda larga, mas os compactadores de arquivos ainda apresentam muita utilidade

Leia mais

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML.

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML. MODELAGEM ORIENTADA A OBJETOS APLICADA À ANÁLISE E AO PROJETO DE SISTEMA DE VENDAS ALTEMIR FERNANDES DE ARAÚJO Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas ANDRE LUIZ DA CUNHA DIAS Discente da

Leia mais

Treinamento. DBA Oracle 11g. Duração: 120 horas

Treinamento. DBA Oracle 11g. Duração: 120 horas Treinamento DBA Oracle 11g Duração: 120 horas Neste curso no primeiro módulo (Introdução ao Oracle 11g SQL e PL_SQL) é oferecido um curso introdutório à tecnologia do banco de dados Oracle 11g. Também

Leia mais

IBM Software Demos Rational Software Delivery Platform - Recursos de desenvolvimento e construção

IBM Software Demos Rational Software Delivery Platform - Recursos de desenvolvimento e construção Alex, o desenvolvedor chefe, usa o Rational Software Architect para implementar rapidamente o novo recurso. Ele usa a janela de navegação do site para adicionar uma nova página de confirmação de

Leia mais

FERRAMENTA WEB PARA MODELAGEM LÓGICA EM PROJETOS DE BANCOS DE DADOS RELACIONAIS

FERRAMENTA WEB PARA MODELAGEM LÓGICA EM PROJETOS DE BANCOS DE DADOS RELACIONAIS FERRAMENTA WEB PARA MODELAGEM LÓGICA EM PROJETOS DE BANCOS DE DADOS RELACIONAIS PAULO ALBERTO BUGMANN ORIENTADOR: ALEXANDER ROBERTO VALDAMERI Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

BANCO DE DADOS II Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

BANCO DE DADOS II Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 11-1. INTRODUÇÃO TRIGGERS (GATILHOS OU AUTOMATISMOS) Desenvolver uma aplicação para gerenciar os dados significa criar uma aplicação que faça o controle sobre todo ambiente desde a interface, passando

Leia mais

Triggers. um trigger permite que uma determinada sequência de comandos SQL seja accionada quando um determinado evento ocorre.

Triggers. um trigger permite que uma determinada sequência de comandos SQL seja accionada quando um determinado evento ocorre. Triggers um trigger permite que uma determinada sequência de comandos SQL seja accionada quando um determinado evento ocorre. o evento pode ser INSERT, UPDATE, ou DELETE. o trigger pode ser accionado imediatamente

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 27 de Setembro de 2013. Revisão aula anterior Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento e entrega

Leia mais

Processos de Software. 2007 by Pearson Education Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1

Processos de Software. 2007 by Pearson Education Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1 Processos de Software Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1 Objetivos Apresentar modelos de processos de software Descrever três modelos genéricos de processo e quando

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA DATA MINING EM VÍDEOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA DATA MINING EM VÍDEOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA DATA MINING EM VÍDEOS VINICIUS DA SILVEIRA SEGALIN FLORIANÓPOLIS OUTUBRO/2013 Sumário

Leia mais

Disciplina: Unidade V: Prof.: E-mail: Período:

Disciplina: Unidade V: Prof.: E-mail: Período: Encontro 17 Disciplina: Sistemas de Banco de Dados Unidade V: Introdução à Linguagem SQL Prof.: Mario Filho E-mail: pro@mariofilho.com.br Período: 5º. SIG - ADM 13. Introdução à Linguagem SQL Introdução

Leia mais

15 Conceitos de Bancos de Dados com o LibreOffice Base

15 Conceitos de Bancos de Dados com o LibreOffice Base Introdução a Informática - 1º semestre AULA 14 Prof. André Moraes Objetivos desta aula: Explorar as propriedades na criação de bancos de dados no LibreOffice Base; Criar e explorar tabelas; Criar e explorar

Leia mais

Unified Modeling Language UML - Notações

Unified Modeling Language UML - Notações Unified Modeling Language UML - Notações Prof. Ms. Elvio Gilberto da Silva elvio@fmr.edu.br UML Ponto de Vista É gerada com propósito geral de uma linguagem de modelagem visual usada para especificar,

Leia mais

Fundamentos dos Sistemas de Informação Organização de Dados e Informações

Fundamentos dos Sistemas de Informação Organização de Dados e Informações Fundamentos dos Sistemas de Informação Organização de Dados e Informações http://professor.fimes.edu.br/milena milenaresende@fimes.edu.br Sistema de Gerenciamento de Bases de Dados (DBMS) A implementação

Leia mais

Tarefa Orientada 16 Vistas

Tarefa Orientada 16 Vistas Tarefa Orientada 16 Vistas Objectivos: Vistas só de leitura Vistas de manipulação de dados Uma vista consiste numa instrução de SELECT que é armazenada como um objecto na base de dados. Deste modo, um

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Centro de Informática - Universidade Federal de Pernambuco Kiev Gama kiev@cin.ufpe.br Slides originais elaborados por Ian Sommerville e adaptado pelos professores Márcio Cornélio,

Leia mais

Diagrama de Caso de Uso e Diagrama de Sequência

Diagrama de Caso de Uso e Diagrama de Sequência Diagrama de Caso de Uso e Diagrama de Sequência Milena Alexandre dos Santos Baesso (Mestranda em Engenharia Elétrica) Agenda Ciclo de Vida de um Sistema A Fase de Análise Análise Orientada à Objetos Diagramas

Leia mais

Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans

Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans Aula 3 Cap. 4 Trabalhando com Banco de Dados Prof.: Marcelo Ferreira Ortega Introdução O trabalho com banco de dados utilizando o NetBeans se desenvolveu ao longo

Leia mais

ATENAS: Um Sistema Gerenciador de Regras de Negócio

ATENAS: Um Sistema Gerenciador de Regras de Negócio 1. Introdução ATENAS: Um Sistema Gerenciador de Regras de Negócio Geraldo Zimbrão da Silva (IM/UFRJ) Victor Teixeira de Almeida (COPPE/UFRJ) Jano Moreira de Souza (COPPE/UFRJ) Francisco Gonçalves Pereira

Leia mais

Sistemas de Banco de Dados Aspectos Gerais de Banco de Dados

Sistemas de Banco de Dados Aspectos Gerais de Banco de Dados Sistemas de Banco de Dados Aspectos Gerais de Banco de Dados 1. Conceitos Básicos No contexto de sistemas de banco de dados as palavras dado e informação possuem o mesmo significado, representando uma

Leia mais

Banco de Dados. Prof. Dr. Rogério Galante Negri

Banco de Dados. Prof. Dr. Rogério Galante Negri Banco de Dados Prof Dr Rogério Galante Negri Tradicionalmente O armazenamento dos dados utilizava arquivos individuais, sem nenhum relacionamento Cada programa utilizava seu próprio sistema de arquivo

Leia mais

Ferramenta para Geração de Código a partir da Especialização do Diagrama de Classes

Ferramenta para Geração de Código a partir da Especialização do Diagrama de Classes Ferramenta para Geração de Código a partir da Especialização do Diagrama de Classes Alexandro Deschamps (Ápice) alexandro@apicesoft.com Everaldo Artur Grahl (FURB/DSC) egrahl@furb.br Resumo. Uma das grandes

Leia mais

Test-Module: uma ferramenta para gerenciamento de testes de software integrada ao FireScrum

Test-Module: uma ferramenta para gerenciamento de testes de software integrada ao FireScrum Test-Module: uma ferramenta para gerenciamento de testes de software integrada ao FireScrum Audrey B. Vasconcelos, Iuri Santos Souza, Ivonei F. da Silva, Keldjan Alves Centro de Informática Universidade

Leia mais

Aula 02 Modelagem de Dados. Banco de Dados. Aula 02 Modelagem de Dados. Superior /2011 Redes Computadores - Disciplina: Banco de Dados -

Aula 02 Modelagem de Dados. Banco de Dados. Aula 02 Modelagem de Dados. Superior /2011 Redes Computadores - Disciplina: Banco de Dados - Banco de Dados Aula 02 Modelagem de Dados Roteiro Definição Evolução Projeto de BD Abstração Esquema e Instância Definição É uma representação, normalmente gráfica, de estruturas de dados reais. Auxilia

Leia mais

OI CONTA EMPRESA MANUAL DO USUÁRIO

OI CONTA EMPRESA MANUAL DO USUÁRIO OI CONTA EMPRESA MANUAL DO USUÁRIO 1 Bem-vindo ao Oi Conta Empresa! A Oi tem o orgulho de lançar mais um produto para nossos clientes corporativos, o Oi Conta Empresa. Nele, nossos clientes poderão acessar

Leia mais

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Ementa Introdução a Banco de Dados (Conceito, propriedades), Arquivos de dados x Bancos de dados, Profissionais de Banco de dados,

Leia mais

ORACLE 11 G INTRODUÇÃO AO ORACLE, SQL,PL/SQL. Carga horária: 32 Horas

ORACLE 11 G INTRODUÇÃO AO ORACLE, SQL,PL/SQL. Carga horária: 32 Horas ORACLE 11 G INTRODUÇÃO AO ORACLE, SQL,PL/SQL Carga horária: 32 Horas Pré-requisito: Para que os alunos possam aproveitar este treinamento ao máximo, é importante que eles tenham participado dos treinamentos

Leia mais

Status. Barra de Título. Barra de Menu. Barra de. Ferramentas Padrão. Caixa de nomes. Barra de. Ferramentas de Formatação. Indicadores de Coluna

Status. Barra de Título. Barra de Menu. Barra de. Ferramentas Padrão. Caixa de nomes. Barra de. Ferramentas de Formatação. Indicadores de Coluna O que é uma planilha eletrônica? É um aplicativo que oferece recursos para manipular dados organizados em tabelas. A partir deles pode-se gerar gráficos facilitando a análise e interpretação dos dados

Leia mais

O que é a UML? Introdução a UML. Objetivos da Modelagem. Modelos. A UML não é. Princípios da Modelagem. O que é um modelo?

O que é a UML? Introdução a UML. Objetivos da Modelagem. Modelos. A UML não é. Princípios da Modelagem. O que é um modelo? O que é a UML? Introdução a UML Linguagem Gráfica de Modelagem para: Visualizar Especificar Construir Documentar Comunicar Artefatos de sistemas complexos Linguagem: vocabulário + regras de combinação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN BANCO DE DADOS II

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN BANCO DE DADOS II UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN BANCO DE DADOS II BANCO DE DADOS II AULA 3 Linguagem SQL Linguagem de manipulação de dados (DML) DISCIPLINA: Banco de

Leia mais

14/08/2008. Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan

14/08/2008. Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 2 Introdução a SQL 2 Leitura Obrigatória ELMASRI,

Leia mais

Geração Automática de Código Java a partir do Modelo de Dados

Geração Automática de Código Java a partir do Modelo de Dados Geração Automática de Código Java a partir do Modelo de Dados Jansser Ribeiro, Renato Lima Novais, Thiago Souto Mendes Grupo de Informática Aplicada - Instituto Federal da Bahia Campus Santo Amaro CEP

Leia mais

OI CONTA EMPRESA MANUAL DO USUÁRIO (exceto Administradores de Conta)

OI CONTA EMPRESA MANUAL DO USUÁRIO (exceto Administradores de Conta) OI CONTA EMPRESA MANUAL DO USUÁRIO (exceto Administradores de Conta) 1 Bem-vindo ao Oi Conta Empresa! A Oi tem o orgulho de lançar mais um produto para nossos clientes corporativos, o Oi Conta Empresa.

Leia mais

Marcelo Novaes Coutinho. Um Processo de Gerência de Estratégia de Rastreabilidade: Um Caso em Ambiente Oracle. Dissertação de Mestrado

Marcelo Novaes Coutinho. Um Processo de Gerência de Estratégia de Rastreabilidade: Um Caso em Ambiente Oracle. Dissertação de Mestrado Marcelo Novaes Coutinho Um Processo de Gerência de Estratégia de Rastreabilidade: Um Caso em Ambiente Oracle Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau

Leia mais

Administração de Banco de Dados

Administração de Banco de Dados Administração de Banco de Dados Professora conteudista: Cida Atum Sumário Administração de Banco de Dados Unidade I 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS...1 1.1 Histórico...1 1.2 Definições...2 1.3 Importância

Leia mais

Gerador de aplicativos Oracle PL/SQL WEB baseado na estrutura das tabelas do. Wagner da Silva Orientando Prof. Alexander Roberto Valdameri Orientador

Gerador de aplicativos Oracle PL/SQL WEB baseado na estrutura das tabelas do. Wagner da Silva Orientando Prof. Alexander Roberto Valdameri Orientador Gerador de aplicativos Oracle PL/SQL WEB baseado na estrutura das tabelas do banco de dados Oracle Wagner da Silva Orientando Prof. Alexander Roberto Valdameri Orientador Roteiro Introdução e Objetivos;

Leia mais

1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD

1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD Introdução 1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD A importância da informação para a tomada de decisões nas organizações tem impulsionado o desenvolvimento dos sistemas de processamento de informações.

Leia mais

Microsoft Office PowerPoint 2007

Microsoft Office PowerPoint 2007 INTRODUÇÃO AO MICROSOFT POWERPOINT 2007 O Microsoft Office PowerPoint 2007 é um programa destinado à criação de apresentação através de Slides. A apresentação é um conjunto de Sides que são exibidos em

Leia mais