Tema Especial 4. Lei de Responsabilidade Fiscal. Consenso politico com relação à necessidade de disciplina

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tema Especial 4. Lei de Responsabilidade Fiscal. Consenso politico com relação à necessidade de disciplina"

Transcrição

1 Tema Especial 4. Lei de Responsabilidade Fiscal Consenso politico com relação à necessidade de disciplina fiscal dos Estados: um estudo da Lei de Responsabilidade Fiscal Retirado pela Esaf Retirado pela Esaf 2004

2 1.Introdução Uma regra de disciplina orçamentária é uma forma de garantir a sustentabilidade das finanças públicas. Ela é definida por um target para a política fiscal e a especificação das variáveis sob controle do Governo que permitiriam que esse target fosse atingido. Ela desempenha o papel de uma condição de equilíbrio que substitui ou torna operacional a restrição orçamentária intertemporal do Governo. Isso porque a satisfação da restrição orçamentária intertemporal simplesmente requer que, em termos de valor presente, o saldo primário seja igual ao valor da dívida. Em outros termos, déficits sucessivos podem ocorrer desde que sejam revertidos em algum momento em superávits sucessivos, em montante igual em valor descontado. Como existem várias formas da política fiscal ser compatível com uma restrição orçamentária que envolve infinitos períodos, em termos práticos a definição acima segundo alguns (ver, por exemplo, Perotti, Strauch e von Hagen, 1997) não é muito útil. Assim, do ponto de vista de política, o que é operacional é a implementação de regras simples para a conduta da política fiscal e que, portanto, podem ser facilmente monitoradas pelos indivíduos e que garantam a solvência do Governo. As regas de disciplina orçamentária na União Monetária Européia desempenham esse papel. Foram fixados valores máximos para a razão déficit/pnb de 3% e para a razão dívida/pnb de 60%. O Pacto de Estabilidade e Crescimento desenvolveu posteriormente esses critérios e os países membros se comprometaram a manter seus orçamentos perto do equilíbrio ou superavitários no médio prazo. Em suma, algumas restrições bastante simples foram estabelecidas 1

3 sobre a política fiscal com o objetivo de preservar a sustentabilidade das finanças públicas. A análise de regras de política fiscal tem recebido menor atenção da literatura do que a de regras de política monetária. Canzoneri, Cumba e Diba (2002) criticam as regras da União Monetária Européia por considerarem estas desnecessariamente severas para preservar a solvência do Governo, além de limitadoras do papel estabilizador da política fiscal. Contra essa crítica, Marín (2002) argumenta que uma regra fiscal é importante para lidar com o problema de free-riding resultante de políticas fiscais diferentes, mas uma taxa de juros comum, numa união monetária. Atualmente, o debate político com relação a regras fiscais continua ativo. Entre as questões discutidas estão: como implementar as regras de disciplina orçamentária, targets apropriados de médio prazo, a importância de deixar os estabilizadores automáticos operarem simetricamente durante o ciclo, a possibilidade de desvios temporários do equilíbrio orçamentário, a avaliação operacional da sustentabilidade fiscal. No Brasil, uma regra recente de estabilização fiscal foi adotada a partir de maio de Conhecida como a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), a Lei Complementar nº101 contempla alguns dos instrumentos de controle da política fiscal debatidos na literatura. Em especial, se destacam os limites para o endividamento e para o gasto com o funcionalismo por ela estabelecidos, além da trajetória a ser seguida em caso de desvio dessas metas. Suas regras devem ser cumpridas igualmente por União, Estados e Municípios. Frente essa recente experiência do país com targets de execução orçamentária, o objetivo desse artigo é avaliar o impacto da LRF sobre as despesas dos Estados. O foco do artigo nas 2

4 despesas dos Estados está ligado ao recente episódio de deterioramento de suas contas públicas que culminou com o Programa de Reestruturação e Ajuste Fiscal, em 1997, no qual o Governo Federal refinanciou a dívidas de 25 dos 27 Estados Brasileiros (os Estados do Tocantins e Amapá não entraram no programa). A questão que buscamos responder é se a LRF auxiliou no controle fiscal desses membros da Federação. O presente trabalho está dividido da seguinte maneira. A segunda seção discute a Lei de Responsabilidade Fiscal. A terceira seção discute se como estabelecido na LRF, a razão Despesa com pessoal/rcl é um bom target. A quarta seção apresenta o modelo a ser estimado, define as variáveis que serão utilizadas e os resultados empíricos. A última seção apresenta as conclusões. 2. Lei de Responsabilidade Fiscal O histórico de instrumentos de controle fiscal apesar de recente antecede a LRF. A Constituição de 1988, no art.169, já previa uma regra fiscal na forma de target ao estabelecer limites de despesa com pessoal ativo e inativo a ser fixado em Lei Complementar. Ademais, encontramos no Capítulo II, Seção II, as normas fixadas para a elaboração do orçamento público da União que possuem como base as leis orçamentárias do Plano Plurianual (PPA), a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) e a Lei do Orçamento Anual (LOA). A primeira deve estabelecer de forma regionalizada as diretrizes, objetivos e metas da administração pública federal para as despesas de capital e outras decorrentes e para as relativas aos programas de duração continuada, abrangendo um período de quatro anos, a ser enviada para apreciação do Poder Legislativo no primeiro ano de mandato do presidente. A LDO 3

5 possui o papel de orientar a elaboração da LOA e deve compreender as metas e prioridades da administração pública federal, incluindo as despesas de capital, para o exercício financeiro subsequente, bem como dispor sobre as alterações na legislação tributária e estabelecer a política de aplicação das agências oficiais de fomento. A LOA, por sua vez, é formada por três orçamentos, compreendendo o orçamento fiscal da União, incluindo todos os poderes, fundos, órgãos e entidades de administração direta e indireta, o orçamento de investimento das empresas que a União detém maioria do capital social com direito a voto, e o orçamento da seguridade social. Esta lei é o principal instrumento de controle do orçamento público, cujo objetivo principal é administrar o equilíbrio entre despesas e receitas. Em relação aos limites de despesas com pessoal previsto no art.169, a regulamentação veio com a Lei Complementar n.º 82/1995, conhecida como a Lei Camata. Esta lei estabelece o limite para as despesas totais com pessoal ativo e inativo da administração direta e indireta, inclusive de fundações, empresas públicas e sociedades de economia mista quando pagas com receitas correntes da União, Estados, Distrito Federal e Municípios o valor de 60% das respectivas receitas correntes líquidas. Entende-se como receita corrente líquida, a receita corrente deduzidas as transferências por participações, constitucionais ou legais. No caso da União, deduz-se ainda as despesas com o pagamento de benefícios da previdência social. Como a lei não estabelece transferências dos municípios para outros entes da federação sua receita corrente líquida é a própria receita corrente. A lei estabelece ainda que se no exercício da publicação da lei os limites de gastos excederem o fixados, o ente deve atingir o limite no prazo de máximo de três exercícios financeiros, a razão de um terço do excedente por ano. 4

6 Olhando-se os dados do exercício de 1995 divulgados pela Secretária do Tesouro Nacional (ver tabela A1 em anexo), apenas três - Amazonas, Roraima e Tocantins - dos vinte e sete Estados (incluindo o Distrito Federal) cumpriam o limite estabelecido pela nova lei. Assim, os demais deveriam se adequar ao limite de 60% até o exercício financeiro de 1998, prazo máximo estabelecido pela lei. Dentro deste prazo, outros dezesseis estados, além do Amazonas, Roraima e Tocantins, passaram a cumprir a Lei. Entretanto, o número de Estados que não se adequaram ao limite se manteve alto. Um estudo do resultado primário dos Estados no mesmo período mostra que a maior parte deles incorreu em despesas acima da sua arrecadação. Em 1995, apenas seis Estados Alagoas, Distrito Federal, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Pará e Paraíba - apresentaram superávit primário, situação semelhante apresentada em 1998, quando sete Estados apresentaram superávit Alagoas, Amapá Maranhão, Piauí, Roraima, São Paulo e Tocantins (ver tabela A2 em anexo). A situação fiscal deteriorada dos Estados, com sucessivos déficit fiscais e aumento do nível de endividamento, levou a uma crise financeira, que culminou com a interferência da União. Com a Lei n.º 9496/1997, a União, dentro do Programa de Refinanciamento e Ajuste Fiscal, assumiu e refinanciou a dívida mobiliária e outras constituídas até 31 de março de 1996 dos Estados, exceto Tocantins e Amapá que não assinaram o acordo, e do Distrito Federal. O resultado foi a redução do saldo devedor da dívida financeira dos entes citados por meio do alongamento do prazo de pagamento, redução dos encargos financeiros incidentes e/ou concessão de subsídio. A contrapartida foi o estabelecimento de metas para a relação dívida financeira/ receita líquida real, o resultado primário e as despesas com funcionalismo público e o estabelecimento de compromissos para as receitas de arrecadação 5

7 própria, a reforma do estado e/ou alienação de ativos e para as despesas com investimento, além de objetivos específicos para cada estado. Assim, ainda que para uma situação específica e por tempo determinado o prazo estabelecido para pagamento da dívida com a União foi de até trezentos e sessenta meses -, fruto do descontrole nos gastos estaduais, vemos a especificação de outros targets fiscais além da despesa com pessoal. Em 1999, a Lei Camata é revogada pela Lei Complementar n.º96, que estabelece novos limites para as despesas totais com pessoal. Para a União, este limite passa a ser de 50% da sua receita corrente líquida, mantendo-se o limite de 60% para Estados, Distrito Federal e Municípios. No cálculo das respectivas receitas correntes líquidas deduz-se as transferências intragovernamentais. Se algum ente ultrapassar esse limite, ficam vedadas a concessão de vantagens e o aumento de remuneração, bem como novas contratações e criação de cargos. Novamente, verifica-se que apenas onze estados mantiveram seus gastos com pessoal dentro do limite estabelecido. Com a promulgação da Lei Complementar n.º101 de 04 de maio de 2000, a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), a Lei Complementar n.º96 é revogada, mas os limites por ela fixados são incorporados à nova lei. A LRF foi introduzida como um instrumento para conter os déficits públicos e endividamento crescente das unidades da federação. Entretanto, ela não se restringe apenas a impor limites ao gasto e ao endividamento, mas também contempla o orçamento como um todo ao estabelecer diretrizes para sua elaboração, execução e avaliação, o que a torna o instrumento de controle fiscal mais abrangente já instituído no país. Em relação ao processo de elaboração do orçamento, a base da LRF está nas leis orçamentárias já vigentes: a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) e a Lei 6

8 do Orçamento Anual (LOA). Entretanto, impôs essas normas de elaboração do orçamento público aos Estados, Distrito Federal e Municípios. Seu papel, neste caso, foi o de estabelecer a obrigatoriedade de se incluir na LDO um Anexo de Metas fiscais, o qual deve conter as previsões de receitas e despesas, bem como o resultado nominal, primário e o montante da dívida pública para o exercício a que se refere a LDO e os dois anos seguintes, e um Anexo de Riscos Fiscais, que deve avaliar os possíveis fatos que irão impactar nos resultados fiscais estabelecidos para o exercício. Além disso, estabelece que a LOA deve apresentar um demonstrativo de compatibilidade do orçamento com as metas previstas no Anexo de Metas Fiscais da LDO; a previsão da reserva de contingência, em percentual da receita corrente líquida (RCL), destinada ao pagamento de restos a pagar, passivos contingentes e outros imprevistos fiscais; e as despesas relativas à dívida pública mobiliária e contratual, bem como as respectivas receitas, com exceção do refinanciamento da dívida que deve ser demonstrado de forma separada. Essas medidas trazem uma maior transparência no processo de elaboração do orçamento e visam a garantir a consistência entre objetivos e execução. No que diz respeito aos gastos públicos, a LRF estabeleceu limites rígidos para o gasto com pessoal e endividamento público, bem como mecanismos claros para a correção de eventuais desvios. Em caso de arrecadação de receitas menor do que o previsto, o ente fica impossibilitado de fazer empenhos de modo a garantir o cumprimento das metas fiscais, exceto se as despesas forem de caráter obrigatório, constitucionais ou legais, ou se forem ressalvadas na LDO, ou ainda, se o empenho estiver ligado ao serviço da dívida. Além disso, a LRF instituiu a chamada Regra de Ouro, na qual os entes ficam proibidos de contratar empréstimos para fazer frente a despesas correntes, ou seja, o montante de 7

9 operações de crédito em cada exercício fica limitado ao montante da despesa de capital. A fim de evitar comportamentos oportunistas por parte dos governantes em anos de eleição, especialmente em caso de reeleições, foram instituídos mecanismos de controle das finanças públicas específicos para estes períodos. E, novas despesas de caráter permanente (por prazo superior a dois anos) só podem ser criadas com a contrapartida de uma fonte de receita ou a redução de outra despesa. Os limites impostos pela LRF devem ser observados durante toda a execução do orçamento. Por último, a questão da transparência volta a ser contemplada com a obrigatoriedade da publicação, ao fim de cada semestre, do Relatório Resumido de Execução Orçamentária por todos os Poderes, bem como a entrega ao final de cada quadrimestre do Relatório de Gestão Fiscal, contendo os demonstrativos do período do exercício, a comparação entre os limites estabelecidos pela lei e o alcançado pelo ente, e a indicação das medidas corretivas adotadas caso algum limite tenha sido ultrapassado. Dentre todas as questões contempladas pela Lei, os limites de gasto com pessoal e endividamento e a Regra de Ouro são os pontos que mais afetam o gasto público e atuam diretamente no sentido de conter déficits e acumulação de dívidas. No caso do limite com pessoal, além dos limites globais de 60% da receita corrente líquida para Estados e Municípios e de 50 % para a União - já em vigor desde a Lei Complementar n.º 96 -, passam a vigorar os limites por poder e para cada nível de governo (ver tabela A3 em anexo). A imposição de limites específicos para o gasto com pessoal está ligada ao fato deste ser o principal item de despesa corrente e apresentar um histórico elevado por um longo período, como mostra a tabela A1. Entre 1996 e 2000, período no qual já estavam em vigor os limites para a despesa 8

10 total com pessoal, os gastos desse item nos Estados se mantiveram na média de 67% de suas receitas líquidas 1. Gastos elevados com o funcionalismo público reduzem a receita disponível para fornecer serviços públicos básicos como educação, saúde, segurança, e para investir, em especial, no item infraestrutura. Em relação ao endividamento, os limites estabelecidos pelo Senado para a dívida consolidada devem atender aos seguintes critérios: não ultrapassar 2 (duas) vezes a receita líquida corrente, no caso de Estados e Distrito Federal e 1,2 (um inteiro e dois décimos) vezes a receita líquida corrente no caso dos Municípios. Entretanto, o Senado Federal através da resolução nº 20 de 2003, suspende o cumprimento desses limites até maio de Além da dívida consolidada, as operações de crédito também são reguladas e devem obedecer ao limite acima. Caso alguma norma estabelecida pela LRF não seja cumprida por um ente da Federação, este sofrerá sanções institucionais que vão desde a suspensão das transferências voluntárias até a suspensão de obtenção de crédito e contratação de operações de crédito a depender da norma infringida. Do mesmo modo, o governante deste ente poderá ser responsabilizado e sofrer sanções pessoais que vão desde multas e perda do cargo podendo chegar à prisão. Observa-se, deste modo, que a LRF procurou englobar todos os aspectos das finanças públicas, o que acabou por torná-la uma lei complexa. Espera-se, no entanto, que ao cumprir todos as normas, os entes da Federação obtenham um ajuste fiscal permanente, o que poderá aumentar da disponibilidade de recursos para o investimento em programas de desenvolvimento social e econômico. 1 Dados da Secretaria do tesouro Nacional 9

11 3. A razão despesa com pessoal é um target apropriado? O objetivo dessa seção é discutir se a razão gasto com pessoal/rcl é um target apropriado como indicado pela LRF, dado que com relação ao endividamento o Senado estabeleceu que os limites devem ser obsevados somente a partir de maio de A literatura sobre efeitos da política fiscal se preocupa com o impacto do tamanho e da composição do ajustamento sobre as variáveis econômicas. Procura distinguir os episódios fiscais com base em critérios ex-post, que serão discutidos a seguir, e descrever o comportamento associado de várias variáveis endógenas. 2 Alesina e Perotti (1995, 1997) definem um episódio de ajustamento fiscal como um ano em que o saldo primário ciclicamente ajustado melhora de pelo menos 1,5% do produto, ou um período de dois anos consecutivos em que o saldo primário ciclicamente ajustado melhora de pelo menos 1,25% ao ano em ambos os anos. Definem, ainda, como ajustamentos fiscais bem sucedidos aqueles em, em três anos, reduzem a razão dívida/pib em pelo menos 5%. Consolidações fiscais têm maior probabilidade de estabilizarem a razão dívida/pib quando a melhora orçamentária é obtida cortando-se os salários públicos e os benefícios previdenciários. Esse resultado é consistente com a visão expectacional da política fiscal que estabelece que os efeitos da política fiscal dependem da forma como eles afetam as expectativas (Feldstein, 1982, Bertola e Drazen,1993). Quando esses itens intocáveis do orçamento são cortados, o Governo sinaliza que uma mudança de regime efetivamente ocorreu. Este tipo de ajustamento é denominado Tipo 1, em contraposição ao ajustamento tipo 2 que 10

12 baseia-se principalmente no aumento de impostos e, no que diz respeito a gastos, os cortes são primordialmente no investimento público. Ajustamentos tipo 2 estariam condenados a serem não bem sucedidos, pois reduções no investimento não podem ser mantidas para sempre. McDermott e Wescott (1996), por sua vez, definem um episódio de consolidação fiscal como um ano em que o saldo primário ciclicamente ajustado melhora de pelo menos 1,5% do produto ao longo de dois anos e não cai em nenhum dos dois anos. Contrações fiscais são bem sucedidas quando elas fazem com que a razão dívida/pib comece a declinar e continue numa tendência declinante por causa de mudança discricionária na política fiscal. Eles também encontram evidência de que consolidações fiscais têm maior probabilidade de serem bem sucedidas quando a melhora orçamentária é obtida cortando-se os gastos do que aumentando-se os impostos. Além disso, quanto maior a magnitude da consolidação fiscal maior a probabilidade de sucesso. 3 Min Shi (2002) segue Alesina e Perotti (1995) e Alesina e Ardagna (1998) para avaliar o ajustamento fiscal em países latino-americanos. Um episódio de ajustamento fiscal é definido como um ano em que o saldo primário ciclicamente ajustado melhora de pelo menos 3% do produto, ou o primeiro de alguns anos consecutivos em que o saldo primário ciclicamente ajustado melhora de pelo menos 2% do PIB. O critério é rigoroso na tentativa de eliminar ajustamentos pequenos, mas prolongados, e focar nos casos em que há de fato uma mudança clara de comportamento fiscal. 2 Na verdade, existe uma outra vertente da literatura que procura distinguir os episódios fiscais com base em critérios ex ante e, então, avaliar o efeito da ação do Governo sobre o consumo e o investimento privado, por exemplo. Ver, entre outros, Giavazzi e Pagano (1990), Giavazzi e Pagano (1996) e Giavazzi et al. (2000). 11

13 Sucesso, por sua vez, é definido em termos da sustentabilidade da política fiscal. Contrações fiscais bem sucedidas ou duradouras são aquelas que duram por pelo menos dois anos depois de iniciadas, ou seja, começam no ano t e duram até o ano t+k, com k>=2. Como visto anteriormente o comportamento fiscal (impulso fiscal) é definido em termos do saldo primário ciclicamente ajustado. Usa-se o saldo primário (saldo total menos pagamento de juros) porque o interesse é analisar mudanças discrionárias na política fiscal. Além disso, uma vez que as receitas e despesas podem oscilar devido às flutuações econômicas e devido ao caráter de estabilizador automático da política fiscal, um ajustamento ciclíco das variáveis fiscais é necessário. Dado o menu de diferentes formas para fazer o ajustamento cíclico utiliza-se para simplificar a variação observada no resultado primário como proporção do PIB de um ano em relação ao ano anterior, ou seja, não se faz as correções cíclicas. Olhando-se para impulsos fiscais acima de 1,5% ao ano, observam-se 98 episódios de ajustamento fiscal e somente 13 ajustamentos fiscais bem sucedidos, onde sucesso é definido por duração de pelo menos 2 anos.(ver tabela A4 em anexo). Quando são considerados os impulsos fiscais acima de 2% ao ano, observam-se 75 ajustamentos fiscais, sendo 11 bem sucedidos.(ver tabela A5 em anexo). Finalmente, quando são considerados os impulsos fiscais acima de 3% ao ano observam-se 44 ajustamentos fiscais, sendo que somente 4 podem ser considerados bem sucedidos. 3 Na verdade, as diferenças entre Alesina e Perotti e McDermott e Wescott é somente de ênfase. Os primeiros acham as diferenças na composição do ajustamento mais impressionantes do que as diferenças no tamanho e os últimos acham o contrário. 12

14 Nota-se, desse modo, que uma característica marcante do ajustamento fiscal dos Estados brasileiros é a ausência de persistência. Isso em qualquer um dos critérios, mas obviamente de forma mais marcante quando o critério mais rigoroso de 3% de mudança ao ano é usado. Esta mesma constatação é feita por Blanco (2000), onde o comportamento fiscal dos Estados é avaliado considerando-se os efeitos das flutuações cíclicas sobre as diferentes categorias de receita e despesa. Assim, o fato de corrigir ou não pelos efeitos do ciclo econômico não interfere na percepção qualitativa de falta de sustentabilidade ou duração extremamente curta dos episódios de consolidação fiscal. 4 Os ajustamentos fiscais para o critério de 3% ao ano são apresentados na Tabela 1. Observa-se que, além das contrações fiscais raramente serem persistentes, quando o são essa persistência não dura mais do que dois períodos. 4 Blanco(2000) usa uma variação da medida de Blanchard (1990), em que ele considera a inflação, além do produto, como variável explicativa das variações do resultado fiscal. Uma outra variante neste mesmo sentido é a 13

15 Tabela 1: Ajustamento fiscal dos Estados quando a mudança no resultado primário é maior do que 3% Estado Anos Acre 1996, 2000 Alagoas 1997 Amazonas 1992 Amapá 1993, 1995, 1996 Bahia 1999 Ceará 2000 Distrito Federal Espírito Santo Goiás 1991, 1995, 2000 Maranhão 1987, 1997, 2000 Minas Gerais 1991, 1999 M. Grosso do Sul 1995, 1999 Mato Grosso 1991, 1996, 1999 Pará Paraíba 1991 Pernambuco 1999 Piauí 1991 Paraná 1990, 2000 Rio de Janeiro Rio Gde do Norte 1991, 2000 Rondônia 1990, 1991, 1996, 2000 Roraima 1987, 1988, 1991, 1992, 1996 Rio Gde do Sul 1999 Santa Catarina Sergipe 1999, 2000 São Paulo Tocantins 1991, 1995, 1997 A Tabela 2 apresenta as razões receita total/pib e despesa total/pib para os ajustamentos bem sucedidos identificados na Tabela 1. A idéia é verificar se os ajustamentos observados resultaram de aumentos de impostos e/ou cortes de gastos, a fim de verificar se o perfil é típico dos ajustamentos bem sucedidos como estabelecido pela literatura. No caso do ajustamento ter sido realizado majoritariamente através de corte de gastos procura-se, ainda, verificar em que de Bevilaqua e Werneck (1998) que preferem utilizar a taxa de desemprego como indicador de atividade 14

16 categorias de gasto ocorrem os cortes. Isto porque, como observado anteriormente, a composição do ajustamento também é importante. Primeiro, tipos diferentes de cortes de gastos podem ser mais ou menos permanentes. Uma redução na manutenção da estrutura pública não pode ser mantida para sempre. Portanto, ainda que ocorra um corte de outra categoria de gasto na mesma magnitude, os efeitos em termos de duração são diferentes. Segundo, Governos que são capazes de cortar os componentes politicamente mais delicados do orçamento sinalizam que estão mais comprometidos com um ajustamento fiscal sério. 5 Tabela 2: Composição dos ajustamentos fiscais bem sucedidos Receita total/pib Despesa total/pib Despesa pessoal/pib Despesa de capital/pib % 48.86% 33.45% 7.57% Amapá % 37.25% 21.05% 10.99% ( ) -4.97% % % 3.42% % 34.92% 18.94% 20.12% Rondônia % 26.08% 13.54% 21.42% ( ) -3.96% -8.84% -5.40% 1.30% % 72.43% 28.32% 27.03% Roraima % 63.64% 27.87% 28.27% ( ) -2.78% -8.78% -0.45% 1.23% % 27.53% 12.78% 20.63% Sergipe % 26.79% 8.73% 19.44% ( ) 1.30% -0.74% -4.05% -1.19% Para o ajustamento fiscal do Amapá em 1996, observa-se que a receita total/pib caiu 4,97%, enquanto a despesa/total caiu 11,61%. Desta forma, o ajustamento ocorreu pelo lado dos gastos. Além disso, a despesa com pessoal caiu econômica. 5 Alesina e Perotti (1997) argumentam que em ajustamentos bem sucedidos 73% do ajustamento é do lado do gasto, enquanto que nos ajustamentos mal sucedidos somenste 44% do ajustamento ocorre do lado dos gastos. No que diz respeito aos gasto, nos casos bem sucedidos somente 20% dos cortes são nos gastos de capital. Nos casos bem sucedidos o maior corte ocorre nas transferências e salários (juntos eles representam em torno 15

17 proporcionalmente mais do que a despesa de capital (12,4% contra 3,42%, respectivamente). No caso de Rondônia em 1991, percebe-se também que os gastos caíram mais do que a receita e que as despesas com pessoal caíram 5,40% enquanto as despesas de capital subiram. No caso de Roraima em 1992, as despesas também foram responsáveis pelo ajustamento. A receita caiu, mas os gastos tiveram uma queda maior, embora o corte na despesa com pessoal não tenha sido expressivo. Finalmente, no caso de Sergipe em 2000, tanto a receita subiu (1,30%) quanto a despesa caiu (-0,74%). A despesa com pessoal mais caiu mais expressivamente do que a despesa com capital (4,05% contra 1,19%). Assim, parece que os ajustamentos bem sucedidos feitos pelos Estados brasileiros vão de encontro aos perfis padrão de ajustamentos fiscais bem sucedidos no que se refere à composição dos tipos de gasto.desta forma, a LRF parece ter escolhido de fato um target adequado, no sentido de eleger uma meta que realmente é importante para o alcance de ajustamentos fiscais bem sucedidos. Uma vez que a LRF escolheu um target correto a questão que fica é se ela está sendo capaz de influenciar esse target. Essa questão é respondida na próxima seção. de 50% do total de corte dos gastos), enquanto nos caso mal sucedidos os salários permanecem praticamente inalterados. 16

18 4. A LRF é capaz de influenciar o target? Para avaliar os efeitos da LRF sobre os gastos de pessoal será estimado o seguinte modelo: 6 y =g y +b x +q DLRF +a +e it it, - 1 ' it t i it onde i = 1,...,27 e t=1986,...,2003. A variável dependente é a razão despesa pessoal/rcl, a matriz x inclui variáveis econômicas e político-institucionais, DLRF é uma dummy igual a 1 depois de 2000, inclusive, ainda que a lei tenha entrado em vigor somente em maio de 2000, conforme argumentam Nunes e Nunes (2003, pp. 16) [...] ainda que se considere que, no primeiro ano, o ajuste fiscal foi parcial, porque as administrações já trabalhavam com orçamentos aprovados no ano anterior, muitos ajustes que não dependiam dos orçamentos foram efetivamente realizados. Para contornar os problemas resultantes da presença da variável defasada como regressor 7, incluída devido à inércia inerente aos gastos públicos, em especial no tocante à despesa com pessoal, o modelo foi estimado usando-se o método dos momentos generalizado (GMM) proposto por Arellano e Bond (1991). A partir da execução orçamentária dos Estados foi criada a variável dependente Despesas com Pessoal/RCL, calculada a partir do item Despesas de Pessoal e Encargos e dividido pela Receita Corrente Líquida (RCL). A Receita Corrente Líquida é igual à Receita Corrente deduzida das Transferências Correntes aos Municípios. O gasto com pessoal corresponde ao principal item de despesa 6 Para uma avalição informal do impacto das instituições fiscais sobre a disciplina orçamentária ver Lima (2002). 7 O estimador de efeitos fixos é viesado na presença de variáveis dependentes defasadas dentro do conjunto de variáveis explicativas. 17

19 corrente dos Estados e inclui gastos como aposentadorias e pensões que não são passíveis de cortes. As variáveis explicativas usadas são descritas a seguir. A execução orçamentária dos Estados fornece também o grau de dependência de transferências de receitas da União, resumido pelo indicador Receita Tributária/RC, calculado como a participação da Receita Tributária no total da Receita Corrente. Seria de se esperar que quanto maior a dependência de transferências de recursos (menor a razão Receita Tributária/RC) maiores os gastos associados. Isto porque a autoridade local não internaliza completamente os efeitos de suas decisões de gasto sobre todo o orçamento, resultando no fenômeno conhecido como flypaper effect. Este implica mais especificamente que as despesas públicas reagem de forma muito mais forte às transferências do que ao aumento da renda privada.neste caso, espera-se um sinal negativo, ou seja, quanto maior a Receita tributária, menor a dependência de transferências e, portanto, menor os gastos, inclusive com pessoal. Entretanto, o sistema federativo brasileiro é claramente redistributivo. Com isso maiores transferências são destinadas aos Estados mais pobres. Assim, este indicador também está captando as características intrínsecas associadas à fragilidade da base econômica 8. Os governadores de Estados fortemente dependentes de transferências da União, mesmo sendo mais propensos a gastar, encontram dificuldades de obter financiamento para estes gastos e, portanto, 8 Conforme observado por Botelho (2003) Para esses Estados o acesso ao financiamento é mais restrito e a capacidade técnica do corpo funcional é limitada em relação à proposição de engenharias financeiras para obtenção de financiamentos. Nos Estados com maior base econômica e, portanto, maior força política, os bancos estaduais receberam tratamento diferenciado ante os passivos descobertos. Os passivos descobertos nada mais eram do que financiamentos excessivos aos seus respectivos controladores. 18

20 gastam menos. Neste caso, quanto maior a receita tributária, menor a dependência de transferências e, portanto, maior os gastos. A idéia é verificar se a característica frágil base econômica predomina sobre o flypaper effect. As variáveis político-institucionais foram obtidas a partir da base de dados eleitorais do LEEX/IUPERJ Laboratório de Estudos Experimentais. Esta é composta de dados brutos dos resultados de todas as eleições realizadas entre 1945 e 2002 para a Câmara dos Deputados, para as Assembléias Legislativas dos Estados, para a Presidência da República, para o Senado Federal e para os governos estaduais. A partir desta base de dados foram extraídas as seguintes informações: fracionalização das preferências do eleitorado, número de partidos efetivos, o grau de polarização na assembléia, permanência no poder e ideologia do partido do governador 9. O índice de Fracionalização tem como objetivo medir a dispersão/concentração das preferências do eleitorado sobre os candidatos ao governo do Estado: 2 F = 1 - Σ v i Onde v i é a proporção de votos obtida por cada candidato. O índice F baseia-se na probabilidade de que dois eleitores escolhidos aleatoriamente tenham votado em candidatos diferentes em uma dada eleição 10. A contribuição dos candidatos mais bem votados para o resultado final do índice é 9 Foi avaliada, também, uma variável com o objetivo de captar se a existência de maioria da base governista na Assembléia Legislativa tem influência no comportamento fiscal dos Estados. Sabe-se da importância da Assembléia na aprovação de leis que direta ou indiretamente influenciem na gestão fiscal. Contudo o alcance destas leis é geralmente limitado e pode muitas vezes gerar reflexos apenas em anos seguintes. 10 Ver Lima Júnior (1997). 19

Metas Fiscais e Riscos Fiscais. de Contabilidade

Metas Fiscais e Riscos Fiscais. de Contabilidade Metas Fiscais e Riscos Fiscais Secretaria do Tesouro Nacional Conselho Federal de Contabilidade 2012 Curso Multiplicadores 2012 Programa do Módulo 2 Metas Fiscais e Riscos Fiscais CH: 04 h Conteúdo: 1.

Leia mais

Lei de Responsabilidade Fiscal

Lei de Responsabilidade Fiscal AOF Lei de Responsabilidade Fiscal PLANEJAMENTO Lei de Diretrizes Orçamentárias Lei Orçamentária Anual Execução Orçamentária e do Cumprimento das Metas RECEITA PÚBLICA Previsão e da Arrecadação Renúncia

Leia mais

do estado do Rio Grande do Sul lidera o ranking estadual com 221%, seguido por Minas Gerais na vice-liderança, com 179%.

do estado do Rio Grande do Sul lidera o ranking estadual com 221%, seguido por Minas Gerais na vice-liderança, com 179%. IBEF apoia reequilíbrio das dívidas dos estados e municípios com a União Pernambuco está em situação confortável se comparado a outros estados. Confira os números O Instituto Brasileiro de Executivos de

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL (LRF) Atualizado até 13/10/2015 LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) tem como base alguns princípios,

Leia mais

15 de julho de 2002. Projeções das Metas Fiscais para 2003-2005

15 de julho de 2002. Projeções das Metas Fiscais para 2003-2005 15 de julho de 2002 O Congresso Nacional (CN) aprovou recentemente seu Projeto Substitutivo para a proposta original do Poder Executivo para a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2003, que estabelece

Leia mais

PLANEJAMENTO E GESTÃO PÚBLICA. Auditor Substituto de Conselheiro Omar P. Dias

PLANEJAMENTO E GESTÃO PÚBLICA. Auditor Substituto de Conselheiro Omar P. Dias PLANEJAMENTO E GESTÃO PÚBLICA Auditor Substituto de Conselheiro Omar P. Dias A ARTE DE GOVERNAR (segundo Matus) PROJETO DE GOVERNO SABER ARTICULAR GOVERNABILIDADE GOVERNANÇA Plano de Governo: Base do Planejamento

Leia mais

O importante é não desistir porque existem bons certames em vista, a exemplo do próximo concurso da Polícia Federal.

O importante é não desistir porque existem bons certames em vista, a exemplo do próximo concurso da Polícia Federal. QUESTÕES DE CONCURSOS Colega estudante! Colegas Concursandos e candidatos ao TCU e STF! Desejo-lhes uma mente ILUMINADA na hora das provas e que a sorte lhe acompanhe em todas as fases desse concurso.

Leia mais

A DÍVIDA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

A DÍVIDA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL A DÍVIDA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Porto Alegre, 27 de março de 2012. CONDIÇÕES DE RENEGOCIAÇÃO DAS DÍVIDAS ESTADUAIS 1997/98 1997 Lei 9.496/97 Os entes federados renegociaram suas dívidas contratuais

Leia mais

Olá caros acadêmicos segue um resumo básico de alguns conceitos estabelecidos na LDO, retirado do site ponto dos concursos.

Olá caros acadêmicos segue um resumo básico de alguns conceitos estabelecidos na LDO, retirado do site ponto dos concursos. Olá caros acadêmicos segue um resumo básico de alguns conceitos estabelecidos na LDO, retirado do site ponto dos concursos. Vamos ao nosso assunto de hoje! Lei de Diretrizes Orçamentárias LDO: A LDO é

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOBRE O CRESCIMENTO DA DÍVIDA INTERNA A PARTIR DE 1/1/95

DIAGNÓSTICO SOBRE O CRESCIMENTO DA DÍVIDA INTERNA A PARTIR DE 1/1/95 DIAGNÓSTICO SOBRE O CRESCIMENTO DA DÍVIDA INTERNA A PARTIR DE 1/1/95 JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico,

Leia mais

Prefeitura Da Cidade do Rio de Janeiro Controladoria Geral do Município Subcontroladoria de Integração de Controles Contadoria Geral

Prefeitura Da Cidade do Rio de Janeiro Controladoria Geral do Município Subcontroladoria de Integração de Controles Contadoria Geral 1 RELATÓRIO DE DESEMPENHO DA PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO FRENTE À LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL NO EXERCÍCIO DE 2012 Este relatório tem por objetivo abordar, de forma resumida, alguns aspectos

Leia mais

CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL

CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL 1. O que é a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF)? A Lei de Responsabilidade Fiscal é um código

Leia mais

ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2014

ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2014 ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2014 I - Critérios utilizados para a discriminação, na programação de trabalho, do código identificador de resultado primário

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL REGLAS FISCALES Y MECANISMOS DE RELACIÓN INTERGUBERNAMENTAL FEDERAÇÃO BRASILEIRA: ASPECTOS DESTACADOS

Leia mais

REFLEXOS DA LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL NO ENDIVIDAMENTO DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS

REFLEXOS DA LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL NO ENDIVIDAMENTO DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS REFLEXOS DA LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL NO ENDIVIDAMENTO DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS José Fernandes da Costa Faculdade de Ciências Contábeis Machado de Assis (FAEMA-RJ) fnandes@uol.com.br RESUMO Muitos

Leia mais

para Estados para Municípios para os Pequenos Municípios (com menos de 50.000 habitantes) 11. Glossário

para Estados para Municípios para os Pequenos Municípios (com menos de 50.000 habitantes) 11. Glossário 1 SUMÁRIO 1. Introdução 2. O processo de planejamento 3. As receitas e a renúncia fiscal 4. As despesas e os mecanismos de compensação 5. As despesas com pessoal 6. O endividamento público 7. A transparência

Leia mais

Governo do Estado do Piauí Secretaria da Fazenda Unidade de Gestão Financeira e Contábil do Estado Gerência de Controle Contábil

Governo do Estado do Piauí Secretaria da Fazenda Unidade de Gestão Financeira e Contábil do Estado Gerência de Controle Contábil R I S C O S F I S C A I S (Artigo 4º, 3º da Lei Complementar nº 101/2000) A Lei Complementar n.º 101 de 2002 Lei de Responsabilidade Fiscal, estabelece que a Lei de Diretrizes Orçamentárias conterá o Anexo

Leia mais

Sistema de Gestão de Custos: Cumprindo a LRF. Selene Peres Peres Nunes

Sistema de Gestão de Custos: Cumprindo a LRF. Selene Peres Peres Nunes Sistema de Gestão de Custos: Cumprindo a LRF Selene Peres Peres Nunes 03/8/2015 Por que avaliação de custos no setor público? possível realocação orçamentária (uso no orçamento) onde podem ser realizados

Leia mais

Os efeitos da Lei de Responsabilidade Fiscal sobre as finanças municipais: divisor d água ou a consolidação de um processo? Daniel Arias Vazquez *

Os efeitos da Lei de Responsabilidade Fiscal sobre as finanças municipais: divisor d água ou a consolidação de um processo? Daniel Arias Vazquez * Os efeitos da Lei de Responsabilidade Fiscal sobre as finanças municipais: divisor d água ou a consolidação de um processo? Daniel Arias Vazquez * Resumo: Este artigo tem como objetivo verificar os impactos

Leia mais

Francisco Paulo Pimenta Maria Tereza de Araújo Serra

Francisco Paulo Pimenta Maria Tereza de Araújo Serra TEXTO: FINANCIAMENTO (MECANISMOS E INSTRUMENTOS) Diretrizes Orçamentárias, Plano Integrado e Orçamento Público da União, Estados, Distrito Federal e Municípios: conhecer para exigir, exigir para incluir,

Leia mais

Modernização da Gestão

Modernização da Gestão Modernização da Gestão Administrativa do MPF Lei de Responsabilidade Fiscal, Finanças Públicas e o Aprimoramento da Transparência Francisco Vignoli Novembro-Dezembro/2010 MPF - I Seminário de Planejamento

Leia mais

ECONOMIA E GESTÃO DO SETOR PÚBLICO MÓDULO 16 A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL

ECONOMIA E GESTÃO DO SETOR PÚBLICO MÓDULO 16 A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL ECONOMIA E GESTÃO DO SETOR PÚBLICO MÓDULO 16 A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL Índice 1. A lei de responsabilidade fiscal...3 2. A integração entre o planejamento e o orçamento...3 3. Execução orçamentária

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria do Tesouro Nacional - STN RELAÇÃO DAS EXIGÊNCIAS PARA A REALIZAÇÃO DE TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS 1

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria do Tesouro Nacional - STN RELAÇÃO DAS EXIGÊNCIAS PARA A REALIZAÇÃO DE TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS 1 MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria do Tesouro Nacional - STN RELAÇÃO DAS EXIGÊNCIAS PARA A REALIZAÇÃO DE TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS 1 2011 1 Em atendimento ao constante no 3 do art. 37 da Lei n 12.465, de

Leia mais

Professor Fernando Aprato. Esse material foi compilado pelo Prof: Fernando Aprato para a turma de Técnico do TRT_4 concurso de 2011.

Professor Fernando Aprato. Esse material foi compilado pelo Prof: Fernando Aprato para a turma de Técnico do TRT_4 concurso de 2011. Esse material foi compilado pelo Prof: Fernando Aprato para a turma de Técnico do TRT_4 concurso de 2011. USO EXCLUSIVO DOS ALUNOS MATRICULADOS TCM_CE/Analista _ Controle _ Externo Inspeção _ Governamental/FCC/2010

Leia mais

AGRADECIMENTOS... 4 PREFÁCIO... 5 SUMÁRIO EXECUTIV O...

AGRADECIMENTOS... 4 PREFÁCIO... 5 SUMÁRIO EXECUTIV O... ÍNDICE AGRADECIMENTOS... 4 PREFÁCIO... 5 SUMÁRIO EXECUTIV O... 6 1 O ATUAL ESTÁGIO DE IMPLANTAÇÃO DA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NO SETOR PÚBLICO... 7 2 VARIÁVEIS E DADOS UTILIZADOS... 8 VARIÁVEL I... 8 VARIÁVEL

Leia mais

Cenário financeiro dos Municípios brasileiros em final de mandato

Cenário financeiro dos Municípios brasileiros em final de mandato 1 Cenário financeiro dos Municípios brasileiros em final de mandato Estudos Técnicos CNM Introdução Em decorrência da surpresa dos dirigentes municipais com a atual dificuldade financeira vivida pelos

Leia mais

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA RODOVIÁRIAS Quadro 13 - UF: ACRE Ano de 211 82 5 6 8 9 5 3 14 4 11 9 4 4 63 2 4 7 6 6 9 4 8 4 4 3 6 68 4 2 8 3 1 8 4 9 2 6 7 5 63 3 6 3 2 13 9 8 7 5 1 5 1 67 4 2 9 6 8 5 5 7 6 6 4 5 85 3 7 1 1 4 7 9 6

Leia mais

Estado do Rio de Janeiro PREFEITURA MUNICIPAL DE CANTAGALO Secretaria Municipal de Governo e Planejamento

Estado do Rio de Janeiro PREFEITURA MUNICIPAL DE CANTAGALO Secretaria Municipal de Governo e Planejamento 1 LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL GUIA PRÁTICO PARA O CIDADÃO O que é a LRF? A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), ou Lei Complementar nº 101, é o principal instrumento regulador das contas públicas no

Leia mais

Nº 60. Desigualdade da renda no território brasileiro

Nº 60. Desigualdade da renda no território brasileiro Nº 60 Desigualdade da renda no território brasileiro 12 de agosto de 2010 Governo Federal Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República Ministro Samuel Pinheiro Guimarães Neto Fundação

Leia mais

DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS

DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS OBJETIVOS Dotar as Promotorias de Justiça

Leia mais

Anexo 12 - Balanço Orçamentário

Anexo 12 - Balanço Orçamentário Anexo 12 - Balanço Orçamentário BALANÇO ORÇAMENTÁRIO EXERCÍCIO: PERÍODO (MÊS) : DATA DE EMISSÃO: PÁGINA: PREVISÃO PREVISÃO RECEITAS SALDO RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS INICIAL ATUALIZADA REALIZADAS (a) (b) c

Leia mais

10h40 às 12h - PALESTRA II TEMA: PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO Palestrante: Fernando Freitas Melo

10h40 às 12h - PALESTRA II TEMA: PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO Palestrante: Fernando Freitas Melo 10h40 às 12h - PALESTRA II TEMA: PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO Palestrante: Fernando Freitas Melo Plano de Contas Aplicado ao Setor Público CH: 1:20 h Conteúdo: 1. Aspectos gerais do Plano

Leia mais

ANEXO DE RISCOS FISCAIS TABELA 1 - DEMONSTRATIVO DE RISCOS FISCAIS E PROVIDÊNCIAS 2013 ARF (LRF, art. 4º, 3º) PASSIVOS CONTINGENTES PROVIDÊNCIAS Descrição Valor Descrição Valor Abertura de créditos adicionais

Leia mais

COMENTÁRIOS PROVA CGU 2008

COMENTÁRIOS PROVA CGU 2008 ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA (PROVA 2) 32- No Brasil, para que o controle orçamentário se tornasse mais eficaz, ao longo dos anos, tornou-se necessário estabelecer alguns princípios que orientassem

Leia mais

CESPE 2009/2010-PROF FLÁVIO ASSIS

CESPE 2009/2010-PROF FLÁVIO ASSIS CESPE 2009/2010-PROF FLÁVIO ASSIS SAD-PE/2010- FINANÇAS PÚBLICAS 15)A seção II do capítulo referente às finanças públicas, estabelecido na CF, regula os denominados orçamentos. Tendo por parâmetro as normas

Leia mais

Endividamento, ajustamento e responsabilidade fiscal: a experiência brasileira e considerações sobre a crise européia

Endividamento, ajustamento e responsabilidade fiscal: a experiência brasileira e considerações sobre a crise européia Endividamento, ajustamento e responsabilidade fiscal: a experiência brasileira e considerações sobre a crise européia Lisboa, 15 de Abril de 2013 Murilo Portugal Presidente da FEBRABAN Visão Geral - Brasil

Leia mais

ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2016

ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2016 ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2016 I - Critérios utilizados para a discriminação, na programação de trabalho, do código identificador de resultado primário

Leia mais

Alternativas para a renegociação do Acordo da Dívida do RS

Alternativas para a renegociação do Acordo da Dívida do RS Alternativas para a renegociação do Acordo da Dívida do RS Darcy Francisco Carvalho dos Santos(*) Roberto Calazans(*) O objetivo deste trabalho é apresentar novas propostas para renegociação do Acordo

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JURANDA

PREFEITURA MUNICIPAL DE JURANDA LEI Nº 875/2009 DISPÕE SOBRE AS DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS PARA ELABORAÇÃO DA LEI ORÇAMENTÁRIA PARA O EXERCÍCIO DE 2010, E DÁ OUTRAS PROVIDENCIAS. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE JURANDA,, faz saber a todos os

Leia mais

MÓDULO IX DÍVIDA PÚBLICA

MÓDULO IX DÍVIDA PÚBLICA DÍVIDA PÚBLICA DÍVIDA MOBILIÁRIA A 1/1 (ARTS. 1º, 2º, 5º, 29 A 40, 60, 61, 65, 66 E 73) Objetivo primordial da LRF é o equilíbrio fiscal. Para tanto, além de estabelecer mecanismos de contenção de despesa

Leia mais

Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores

Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores Total de profissionais, independentemente da escolaridade 2003 2007 2008 Professores da Ed Básica (públicas não

Leia mais

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Fonte: Apresentação da Coordenação Geral de Contabilidade STN/CCONT do Tesouro Nacional Última Atualização: 14/09/2009 1 Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor

Leia mais

Gestão pública empreendedora e ciclo do Governo Federal

Gestão pública empreendedora e ciclo do Governo Federal Gestão pública empreendedora e ciclo do Governo Federal Gestão pública empreendedora Gustavo Justino de Oliveira* Consoante documento 1 elaborado pela Secretaria de Gestão do Ministério do Planejamento,

Leia mais

A IMPORTANCIA DOS INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO ORÇAMENTARIO PÚBLICO DO MUNICIPIO DE JACIARA-MT PARA A PARA A POPULAÇÃO NA GESTÃO 2009, 2010 E 2011.

A IMPORTANCIA DOS INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO ORÇAMENTARIO PÚBLICO DO MUNICIPIO DE JACIARA-MT PARA A PARA A POPULAÇÃO NA GESTÃO 2009, 2010 E 2011. A IMPORTANCIA DOS INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO ORÇAMENTARIO PÚBLICO DO MUNICIPIO DE JACIARA-MT PARA A PARA A POPULAÇÃO NA GESTÃO 2009, 2010 E 2011. RESUMO José Antônio Faustino da Costa Acadêmico de Ciências

Leia mais

Análise Econômico-Financeira das finanças públicas do Estado do Ceará no Quarto Bimestre de 2015

Análise Econômico-Financeira das finanças públicas do Estado do Ceará no Quarto Bimestre de 2015 Análise Econômico-Financeira das finanças públicas do Estado do Ceará no Quarto Bimestre de 2015 Carlos Eduardo dos Santos Marino Francisco Arley da Silva Santos Francisco Lúcio Mendes Maia Germana Parente

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

Discussões sobre política fiscal e política monetária

Discussões sobre política fiscal e política monetária O desafio fiscal do Brasil Insper 7 de maio de 2015 Discussões sobre política fiscal e política monetária Felipe Salto* *Assessor econômico do senador José Serra, é mestre em administração pública e governo

Leia mais

1 O presente estudo foi concluído em junho de 2011. 2

1 O presente estudo foi concluído em junho de 2011. 2 Governo do Estado de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento e Coordenação Geral Superintendência de Planejamento Coordenadoria de Avaliação ET CAV/SP/SEPLAN nº 14/2015 Subsídios à política salarial

Leia mais

Pela revogação das Medidas Provisórias 664 e 665

Pela revogação das Medidas Provisórias 664 e 665 Boletim Econômico Edição nº 56 fevereiro de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Pela revogação das Medidas Provisórias 664 e 665 As duas medidas visam economizar R$ 18 bilhões

Leia mais

Resultado nominal X Resultado operacional

Resultado nominal X Resultado operacional RESULTADO DAS CONTAS PÚBLICAS Superávit = Receitas > Despesas X Déficit = Receitas < Despesas Déficit = fluxo em determinado período Dívida= estoque acumulado ao longo do tempo Finanças Públicas Resultado

Leia mais

Gestão Financeira da Assistência Social Aula # 1 e 2. Fernando Brandão

Gestão Financeira da Assistência Social Aula # 1 e 2. Fernando Brandão Gestão Financeira da Assistência Social Aula # 1 e 2 Fernando Brandão Apresentação do Curso Objetivos da aprendizagem; Introdução ao planejamento público (Aulas # 1 e # 2) História do orçamento público;

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Informativo CÂMARA DOS DEPUTADOS PEC 565/2006 INTERPRETAÇÕES DO SUBSTITUTIVO APROVADO DO ORÇAMENTO IMPOSITIVO Ricardo Alberto Volpe Hélio Martins Tollini AGOSTO/2013 Endereço na Internet: http://www2.camara.gov.br/atividadelegislativa/orcamentobrasil/

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

Fundo de Previdência Complementar da União PL nº 1.992 de 2007

Fundo de Previdência Complementar da União PL nº 1.992 de 2007 Fundo de Previdência Complementar da União PL nº 1.992 de 2007 Assessoria Econômica - ASSEC Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Brasília, maio de 2008 Roteiro Situação atual do Regime Próprio

Leia mais

Prezadas Senadoras, Prezados Senadores,

Prezadas Senadoras, Prezados Senadores, Carta 035/ 2015 Brasília, 12 de maio de 2015 Carta Aberta da Undime às Senadoras e aos Senadores integrantes da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania do Senado Federal referente ao PLS 532/ 2009

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Outubro de 2015

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Outubro de 2015 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Outubro de 2015 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Outubro de 2015 Sumário Executivo Indicadores de confiança são indicadores

Leia mais

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008 (continua) Produção 5 308 622 4 624 012 4 122 416 3 786 683 3 432 735 1 766 477 1 944 430 2 087 995 2 336 154 2 728 512 Consumo intermediário produtos 451 754 373 487 335 063 304 986 275 240 1 941 498

Leia mais

Execução e controle das despesas com pessoal conforme as regras da Lei de Responsabilidade Fiscal - LRF

Execução e controle das despesas com pessoal conforme as regras da Lei de Responsabilidade Fiscal - LRF Execução e controle das despesas com pessoal conforme as regras da Lei de Responsabilidade Fiscal - LRF Amigos concursandos! Desejo a todos muita paz, tranqüilidade e que seus objetivos estejam caminhando

Leia mais

ANÁLISE DO ORÇAMENTO MUNICIPAL: EQUILÍBRIO ENTRE DESPESA E RECEITAS DA PREFEITURA DE TERESINA NOS ANOS DE 2004 A 2008

ANÁLISE DO ORÇAMENTO MUNICIPAL: EQUILÍBRIO ENTRE DESPESA E RECEITAS DA PREFEITURA DE TERESINA NOS ANOS DE 2004 A 2008 ANÁLISE DO ORÇAMENTO MUNICIPAL: EQUILÍBRIO ENTRE DESPESA E RECEITAS DA PREFEITURA DE TERESINA NOS ANOS DE 2004 A 2008 Erinalda de Sousa Lima UESPI 1 Ana Claudia Duarte de Almeida - UESPI 2 Daniel Barroso

Leia mais

RADIOGRAFIA DA TRIBUTAÇÃO DAS EMPRESAS CORRETORAS DE SEGUROS E RESSEGUROS E OS REFLEXOS DA INCLUSÃO DA ATIVIDADE NO SIMPLES NACIONAL

RADIOGRAFIA DA TRIBUTAÇÃO DAS EMPRESAS CORRETORAS DE SEGUROS E RESSEGUROS E OS REFLEXOS DA INCLUSÃO DA ATIVIDADE NO SIMPLES NACIONAL RADIOGRAFIA DA TRIBUTAÇÃO DAS EMPRESAS CORRETORAS DE SEGUROS E RESSEGUROS E OS REFLEXOS DA INCLUSÃO DA ATIVIDADE NO SIMPLES NACIONAL Gilberto Luiz do Amaral INTRODUÇÃO A REFERÊNCIA PRINCIPAL deste trabalho

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MIRACEMA 2014 CONTADOR PROVA OBJETIVA

PREFEITURA MUNICIPAL DE MIRACEMA 2014 CONTADOR PROVA OBJETIVA 1 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 1) Os poderes legislativo, executivo e judiciário manterão, de forma integrada, sistema de controle interno. A finalidade que NÃO integra atribuição constitucional do controle

Leia mais

Comitê de Investimentos 07/12/2010. Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado

Comitê de Investimentos 07/12/2010. Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado Comitê de Investimentos 07/12/2010 Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado Experiências Internacionais de Quantitative Easing Dados do Estudo: Doubling Your Monetary Base and Surviving: Some International

Leia mais

ÍNDICE Volume 1 CONHECIMENTOS GERAIS

ÍNDICE Volume 1 CONHECIMENTOS GERAIS Tribunal de Contas dos Municípios do Estado de Goiás TCE/GO Auditor de Controle Externo Área Controle Externo ÍNDICE Volume 1 CONHECIMENTOS GERAIS Língua Portuguesa Ortografia oficial... 01 Acentuação

Leia mais

Congresso Nacional Setembro/2013. Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Câmara dos Deputados

Congresso Nacional Setembro/2013. Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Câmara dos Deputados Congresso Nacional Setembro/2013 Informativo Conjunto PLOA 2014 Principais elementos característicos do Projeto de Lei Orçamentária para 2014 PL nº 09/2013-CN, encaminhado por intermédio da Mensagem nº

Leia mais

O PLANEJAMENTO ENFOQUE NA ATUAÇÃO DO SISTEMA DE CONTROLE INTERNO

O PLANEJAMENTO ENFOQUE NA ATUAÇÃO DO SISTEMA DE CONTROLE INTERNO GESTÃO GOVERNAMENTAL E O PLANEJAMENTO ENFOQUE NA ATUAÇÃO DO SISTEMA DE CONTROLE INTERNO S U M Á R I O 1. Apresentação 3 2. Planejamento Governamental: Referências dos textos legais 14-11 3. O Sistema de

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 508, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 508, DE 2015 SENADO FEDERAL Gabinete do Senador JOSÉ SERRA PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 508, DE 2015 Altera a Lei nº 11.314, de 3 de julho de 2006, que dispõe sobre o prazo referente ao apoio à transferência definitiva

Leia mais

7(&12/2*,$'$,1)250$d 2'(),1,d 2 5(35(6(17$7,9,'$'((7(1'Ç1&,$6

7(&12/2*,$'$,1)250$d 2'(),1,d 2 5(35(6(17$7,9,'$'((7(1'Ç1&,$6 7(&12/2*,$'$,1)250$d 2'(),1,d 2 5(35(6(17$7,9,'$'((7(1'Ç1&,$6 O setor de tecnologia da informação está incluído, de forma mais agregada, nas atividades de serviços prestados às empresas, segundo a &ODVVLILFDomR1DFLRQDOGH$WLYLGDGHV

Leia mais

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão A CRESCENTE ADOÇÃO DE LEIS DE RESPONSABILIDADE FISCAL Seguindo o modelo do Brasil, diversos países vêm adotando uma Lei de Responsabilidade Fiscal orgânica, integrada: na América do Sul (Colômbia, Uruguai,

Leia mais

Da confrontação entre a Receita Arrecadada e a Despesa Realizada, no exercício de 2001, verifica-se um Déficit Orçamentário de R$ 323.706.193,60.

Da confrontação entre a Receita Arrecadada e a Despesa Realizada, no exercício de 2001, verifica-se um Déficit Orçamentário de R$ 323.706.193,60. CAPITULO IV 4. DOS BALANÇOS GERAIS 4.1. Balanços da Administração Direta 4.1.1. Balanço Orçamentário O Balanço Orçamentário consiste em comparar as receitas previstas com as realizadas, bem como as despesas

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO - DCASP

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO - DCASP DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO - DCASP Novas Demonstrações Contábeis do Setor Público DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO SETOR PÚBLICO Englobam todos os fatos contábeis e atos que interessam

Leia mais

PROCESSO ORÇAMENTÁRIO CONCEITOS E PROCEDIMENTOS

PROCESSO ORÇAMENTÁRIO CONCEITOS E PROCEDIMENTOS PROCESSO ORÇAMENTÁRIO CONCEITOS E PROCEDIMENTOS Novembro/2009 Secretaria de Orçamento Federal Novembro/2009 Instituição Ministério do Planejamento, Secretaria de Orçamento Federal DEPT. PROGR. INFRAESTRUT.

Leia mais

CARTILHA DO ORÇAMENTO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS

CARTILHA DO ORÇAMENTO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS CARTILHA DO ORÇAMENTO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS Sumário - Apresentação... 3 -As três leis básicas... 3 - Como é elaborado o orçamento da União?... 3 Prazos... 4 Esferas... 4 - Quem é responsável pela elaboração

Leia mais

RANKING NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009)

RANKING NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009) NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009) População Ocupada 5 a 17 anos 2008 Taxa de Ocupação 2008 Posição no Ranking 2008 População Ocupada 5 a 17

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC FORTALEZA, Agosto de 2013 SUMÁRIO 1. Fundamentos da Análise de Conjuntura. 2. Tipos

Leia mais

Controle da Gestão Orçamentária e Financeira na Educação

Controle da Gestão Orçamentária e Financeira na Educação Controle da Gestão Orçamentária e Financeira na Educação PROFESSORA: Iza Angélica Carvalho da Silva CONTROLE DO GASTO PÚBLICO Controle é a fiscalização e o acompanhamento de todos os atos e fatos da execução

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS

Leia mais

Expositor: Simão Cirineu Dias

Expositor: Simão Cirineu Dias Expositor: Simão Cirineu Dias Lei Orçamentária Anual; Execução Orçamentária; Fundos, Divida Ativa e Dívida Pública; Contabilidade Pública; Controle e Avaliação Controle Interno, Externo e Social e Avaliação

Leia mais

Odesenvolvimento da pesquisa Assistência Médico-Sanitária - AMS,

Odesenvolvimento da pesquisa Assistência Médico-Sanitária - AMS, Análise de alguns indicadores da pesquisa Odesenvolvimento da pesquisa Assistência Médico-Sanitária - AMS, com seu caráter censitário junto aos estabelecimentos de saúde, tem sido um elemento valioso para

Leia mais

OBRIGAÇÕES NO ÚLTIMO ANO DE MANDATO

OBRIGAÇÕES NO ÚLTIMO ANO DE MANDATO OBRIGAÇÕES NO ÚLTIMO ANO DE MANDATO Tribunal de Contas do Estado do Tocantins Junho/2008 Coordenadoria LRF Obrigações no último ano de mandato 2008 - último ano de mandato municipal. Um ano que prevê uma

Leia mais

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados Norte 0 0,00 0 0 0 0,00 Rondônia

Leia mais

QUESTÕES DE AFO SIMULADO 1 ANALISTA ADMINISTRATIVO DO TRF

QUESTÕES DE AFO SIMULADO 1 ANALISTA ADMINISTRATIVO DO TRF QUESTÕES DE AFO SIMULADO 1 ANALISTA ADMINISTRATIVO DO TRF 01 No momento da elaboração do projeto de lei orçamentária anual deve se atentar para algumas normas contidas nas legislações pertinentes à matéria.

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. Rogério Carvalho) Altera a Lei nº 4.737, de 15 de julho de 1967, que institui o Código Eleitoral, para vetar a venda e consumo de bebida alcoólica no dia das eleições.

Leia mais

TRAMITAÇÃO DO PROJETO DE LEI DA LEI ORÇAMENTÁRIA ANUAL LOA: AUMENTO DA DESPESA TOTAL FIXADA PELO EXECUTIVO

TRAMITAÇÃO DO PROJETO DE LEI DA LEI ORÇAMENTÁRIA ANUAL LOA: AUMENTO DA DESPESA TOTAL FIXADA PELO EXECUTIVO TRAMITAÇÃO DO PROJETO DE LEI DA LEI ORÇAMENTÁRIA ANUAL LOA: AUMENTO DA DESPESA TOTAL FIXADA PELO EXECUTIVO Prezados amigos concursandos! Desejo a todos que estão se preparando para o concurso do TCU um

Leia mais

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos Unidades da Federação 1980 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 014 /2009

NOTA TÉCNICA Nº 014 /2009 NOTA TÉCNICA Nº 014 /2009 Brasília, 03 de dezembro de 2009. ÁREA: Jurídico TÍTULO: Proposta de alterações nas regras para pagamento de precatórios. REFERÊNCIA(S): art. 100 da Constituição Federal de 1988;

Leia mais

Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo à Mensagem da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2013, em cumprimento

Leia mais

Anexo III Metas Fiscais III.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais

Anexo III Metas Fiscais III.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais Anexo III Metas Fiscais III.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o. 101,

Leia mais

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Nota Técnica n.º 8, de 2015. Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Subsídios acerca da adequação orçamentária e financeira da Medida Provisória nº 670, de 10 de março de 2015. Núcleo da Receita

Leia mais

Lei Complementar 141/12. Regulamentação da EC 29/00. CT Gestão e Financiamento Março - 2012

Lei Complementar 141/12. Regulamentação da EC 29/00. CT Gestão e Financiamento Março - 2012 Lei Complementar 141/12 Regulamentação da EC 29/00 CT Gestão e Financiamento Março - 2012 Regulamenta: 1. Regulamenta o 3º do art. 198 da Constituição Federal para dispor sobre os valores mínimos a serem

Leia mais

EDITAL DE ELEIÇÃO E CONSTITUIÇÃO DOS CONSELHOS DE USUÁRIOS DA SKY

EDITAL DE ELEIÇÃO E CONSTITUIÇÃO DOS CONSELHOS DE USUÁRIOS DA SKY EDITAL DE ELEIÇÃO E CONSTITUIÇÃO DOS CONSELHOS DE USUÁRIOS DA SKY São convocados os senhores Usuários dos serviços de Telecomunicações e as associações ou entidades que possuam em seu objeto social características

Leia mais

Dimensão econômica. Quadro econômico

Dimensão econômica. Quadro econômico Dimensão econômica Quadro econômico Dimensão econômica 42 Produto interno bruto per capita O Produto Interno Bruto per capita indica a renda média da população em um país ou território e sua variação é

Leia mais

IDEB ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA CONCEITOS E USOS

IDEB ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA CONCEITOS E USOS IDEB ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA CONCEITOS E USOS Elaine Toldo Pazello FEA-RP / USP epazello@usp.br Instituto Fonte 26/11/2013 Roteiro da apresentação Descrever o cálculo do IDEB, procurando

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO INDIRETA

ADMINISTRAÇÃO INDIRETA GLOSSÁRIO A AÇÃO GOVERNAMENTAL: Conjunto de operações, cujos produtos contribuem para os objetivos do programa governamental. A ação pode ser um projeto, atividade ou operação especial. ADMINISTRAÇÃO DIRETA:

Leia mais

ORÇAMENTO PÚBLICO ORÇAMENTO PÚBLICO É O BALANÇO PRÉVIO DOS ELEMENTOS ATIVOS E PASSIVOS DA GESTÃO FINANCEIRA, EM FORMA DE LEI DIDIMO DA VEIGA

ORÇAMENTO PÚBLICO ORÇAMENTO PÚBLICO É O BALANÇO PRÉVIO DOS ELEMENTOS ATIVOS E PASSIVOS DA GESTÃO FINANCEIRA, EM FORMA DE LEI DIDIMO DA VEIGA ORÇAMENTO PÚBLICO CONCEITOS ETMOLOGICAMENTE, ORÇAR SIGNIFICA DAR RUMO, PLANEJAR NA BUSCA DE SE CAMINHAR COM EFICIÊNCIA PARA SE ATINGIR A EFICÁCIA DA GESTÃO FISCAL. MUITOS SÃO OS DESDOBRAMENTOS DO CONCEITO

Leia mais

Oficina n o 18 Classificação da Despesa Orçamentária. ABOP Slide 1

Oficina n o 18 Classificação da Despesa Orçamentária. ABOP Slide 1 Oficina n o 18 Classificação da Despesa Orçamentária ABOP Slide 1 EMENTA Oficina n o 18 - Classificação da Despesa Orçamentária Duração: 8 horas Conteúdo 1. Integração entre planejamento e orçamento 2.

Leia mais

Gestão de Choque. José Roberto R. Afonso. 3 Forum de Economia da FGV - Painel Reforma Administrativa São Paulo, 31/07/2006

Gestão de Choque. José Roberto R. Afonso. 3 Forum de Economia da FGV - Painel Reforma Administrativa São Paulo, 31/07/2006 Gestão de Choque José Roberto R. Afonso 3 Forum de Economia da FGV - Painel Reforma Administrativa São Paulo, 31/07/2006 1 Questões para o debate... Por que políticas e práticas fiscais no Brasil ficam

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

AS RECENTES MUDANÇAS NAS VAGAS DOS LEGISLATIVOS MUNICIPAIS DO BRASIL

AS RECENTES MUDANÇAS NAS VAGAS DOS LEGISLATIVOS MUNICIPAIS DO BRASIL Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 770 AS RECENTES MUDANÇAS NAS VAGAS DOS LEGISLATIVOS MUNICIPAIS DO BRASIL Tiago Valenciano Mestrando do Programa de

Leia mais