"Energy dependence of different beta radiation detectors" N.P.P. Albuquerque, M. Xavier and L.V.E. Caldas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download ""Energy dependence of different beta radiation detectors" N.P.P. Albuquerque, M. Xavier and L.V.E. Caldas"

Transcrição

1 ^«-0-7/007*7 "Energy dependence of different beta radiation detectors" N.P.P. Albuquerque, M. Xavier and L.V.E. Caldas Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (IPEN), Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN), são Paulo, Brazil Proceedings of the "X Encontro Nacional de Física da Matéria Condensa* da", Caxambú, Ninas Gerais, Brazil, 5-8±t> May, Abstract The beta radiation secondary standard of the Calibration Laboratory of Sao Paulo was used for the energy dependence determination of the main radiation monitoring instruments. Calibrated Sr + fi Y, "Tl and "'Pm sources constitute this secondary standard. Portable Geiger-MUller type instruments, cylindrical ionizatlon chambers, alarm and pocket dosemeters, as well as parallel-plates ionization chambers, were studied in relation to beta radiation. The results were compared with those obtained with the extrapolation chamber (that is the reference instru ment for beta radiation detection) and with thermoluminescent dosemeters of CaSO.:Dy. Beta radiation Beta-gamma monitoring instruments Thermoluminescent dosemeters

2 M DEPENDÊNCIA ENERGÉTICA DB DIl-'KHMfilS! INSTRIMTTTOS DETF3CTORFS DA KADIACÃD BETA MARIA P. P. MARCOS XAVIKR LINDA V. K. CALDAS DF. ppscmsas wifngfttcar F. COMISSÃO NACIONAL DE ENERGTA NIK3/ÍAR (CIFM), PÃO PPULO INTRODUÇÃO \ C LABORATÓRIO DE CALIBRAÇÃO DE INPTRDMNTOG DO IPEN OCNSTITUÍDO POR R U 6 SALAS OCM ARRANJOS ESPECIAIS EB PADIAÇÃO X, GAMA E BETI7V. IWA W; SUAS i ^ ATIVIDA PRDOPAIS OCNSISTC NA PIESTAÇÃO DE SEKV1Ç06 A F1WVB EXTOWWS. SAO CALIBRADOS CFJCA IE C50 APAWaUnR FM TOWP AS FSCMAS F COM 2 OU 3 mergi/vs RENTES DE RADIAÇÃO, SENDO OlE EM SUA MAIORIA ESTES APARELHOK SÃO MXJITORES POFOA 1EZS UTILIZADOS A NÍVEL DE PROTÍTÃO RADIOLÕGIOV POR FIRMAS DE GAMAGRAFIA DIFK -r INDUSTOI AL, HOSPITAIS E CLÍNICAS DE RADIOTCRAPIA. ENTRE OS CLIENTES, FIGURAM AINDA INDUS TOMS EB TOCXDOS, METMS FINOP, CIGARROS, T7TC, OtK SE IITLTZAM FT! PCMTEf? DE Çfc BETA (EM GERAL 85 Kr, 90 Sr + 90 Y) P^JW O CONTROLE R MTOrVS DP FSPFJSSliRAf?. RADIA CADA ITRMA PORRUIDORA DF FTNTKP RADIOATIVAS TEM OfP SPR CWTtPNTTADA PFTA CNEN PARA PODER ITITLIZ/l-IAS PnpFISSIONALWNTR, ASSIM (TÍT» ffp PPnPPTETAPIA PF ITfJI TOJES PORTÁTEIS DR RADIAÇÃO, CALIBRADOS mraríhttoamrrr IWA W POP /VJO POR IM D05 LABORATÓRIOS DE CAURRArÃO OFICIAIS. ISTO IMPTJCA EM OfR O VrORATflRIO D^ CAIt BRACfo DO IPFN RKCERA VARIAS FCSACTIMCite* r-op ANO PAPA CALIBRAR APARWCfi COM W>X)I ACfo KJIA TAW*ÉM. ALfiM OISSO, ft OOMM RRCPBFH-SR CONSITLTAS TO«E OtPIS MAIS INDICADOS PARA A DETECÇÃO DA RADIAÇÃO PIFTA. APARELICS A FINALIDADE DD PPEStKIB TRABALHO FOI ESTUDAR TANTO A SENSIBILIDArE O0MD A DEPEtttfiOA ENERGÉTICA DE DIVERSTG TIPOS DE TNFTmJHfimfi MTNITORES, NOHWI/ffNTE UTILIZADOS NO BRASIL PARA RADIAÇÃO X E GAMA, TO RELAÇÃO A RADIK^O RFT7\. WALKER E JACOBS (1) ESTUDARAM ALGUNS 1NSTRUMFNTOS PRODUZIDOS ESPECIMJ^NTH PARA A DETECÇÃO DA RADIAÇÃO BETA. POTE-SE OBSERVAR RADIAÇfo BFTIA B GAMAfilMULTANFAMt^JTEEM VÁRIOS MATE RIAIS RMHCffnvre. A CONTRIBUIÇÃO DA RADIAÇÃO RBÜA A TAXA TOTOL DF HOPE fi, NA MATO MA DAS VEZES NA PRATICA, ATft MFSMD DKRPPFZADA, FMRORA JUFTTAMWTE NAS PARCIAI3 DO CORPO ft OUR A TAXA, DF DOSE BPTA PODF TPR UM SIGNIFICADO WXÜSIW. IRRADIAÇCES TABELA 1 S f o APRESENTATOK, POR EWWPLO, Pfl TAJtAS DR PORE NA VTTHHH^NrA DR UMA TB ABTRTA, PUfTTTroWC,DR 60 Oo, DFPPPFZANDO-PF A AirtO-APSOnrAjO NA PW*>R1A fcnte. E8IE fscbfvlo KSTRA OUB A PROXIMIDADE DA PONTE A TAXA DE DOSFJ BFTA POITT EXCEDER DB M3D0 CXWSICERAVEL A TAXA DE DOSE GAMA. KM ATIVIDADES PEOTO HE PCNTES RADIOATIVAS ABERTAS E PEQUENAS, A TAXA DE DORR DEVIDA A FADIACAO BtTTA MirTTAR VEZES t DAMüíTE ALTA E AS PíWTAS ÍXK DED0f5 PODEM fjecrpep UMA DORE NA INESPERA

3 T í B E L A 1 TAXAS DF. DOPF D NA VIZINHWÇA DE IMA FCNTE ABERTA, PUNT1PORME, re 6 V *>AR< 2 > DISTANCIA (an) ÜiGy/ h) (ngy/h) V \ (ti ,60. 2,50. 4,70. 4,12. 0 IO 6 10 b JO 4 IO 2 1,12 4,48 1,12 4,48 1,12.IO 5.10 J. IO 3.IO 2.IO 2 9,71. IO 6 2,54. IO 5 4,81. IO 4 8,60. IO 2 1,12. IO 2 98,9 98,4 97,7 47,9 0 A DIFICULDADE PRINCIPAL NA DOSIM3TRIA BETA E DEVIDA A FÁCIL ABSORÇÃO DESTA RADIAÇÃO NA MATÉRIA E, EM CCWSRpCIENCIA, DO SEU CURTO ALCTNCE. DEVIDO A PCR TO tependênoa DA TAXA DE DOPE BETA OOM A PTfTrANCIA F DA FflCIL N&CBCfo DA RAD» ÇSO, PARA SB TER MEDinAf! PREafWS, SÃO NECFPSÍRI0f5 TXK^WTTPCf PR PIMFNSOFS WTTO IBDUZIDOS E OOBERTOS POR UM INWDUCRO MUITO FINO. AMRAS EXKÍNCIAS SÃO DIFÍCEIS DE SEREM SATISFEITAS NA PRATICJU \M POSlMETRO EOTTOBO, OHMD ft O CATO DPS DETEÇ TORES PORTÁTEIS, JWMFNTE FORNECE A DOPE MFDIA NO VOIMf! SFNSlVEL, E ERTE VALOR MÉDIO PODE AS VFZES SER MUITO DIFEREOTE DO VALOR DA DOBE "faom. TTTP, FATO PODE SER DECISIVO NUM EVENTUAL DANO POR RADIAÇÃO. DAÍ SURGE A GRANDE NECESSIDADE DA CMJBRAÇÃO DOR INSTRCMENIOF, Ç*E CONSISTE FJ1 SE DETERMINAR O FATOR DE CALIBRAÇÃO PARA CADA QUALIDADE DE RADIAÇÃO, PARA A CORREÇÃO DAS MEDIDAS REALIZADAS. PARTE EXPERIMENTAL DIVERSOS TIPOS DE DBTECTORSS DE RADIAÇÃO FORAM TESTADOS, UTILIZANDO- -S E O SISTEMA PADRÃO SEONDARIO DE RADIAÇÃO BETA, DO OlM. FAZEM PARTE PTWTES CA LIBRADAS DE 90 Sr + 90 Y (l,85g3g), ^Sr + ^Y (74fflo), 204 Tl (18,5M»T) E 147 Pm (518MBq). O DETECTOR DE RADIAÇÃO BETA PADRÃO ft CCNSTITUfDO POR UMA CÂMARA DE I O NIZAÇÃO DE PLACAS VABNFU&, JANELA DE ENTRADA FINA F DE VttZJME VARIÁVEL, OIAMA EA CÂMARA DE FjnTOPOMCÃO, ACOPIAM A UM ELWI'WOWIW, CM? PFRMITF A MEDIDA CORRENTES DE ATft 10 A. ESTE SISTEMA PADRÃO* ' FOI Nffl WILIZADO, W»RA COMPARA Çfo COM AR RFSPO6TAS POR DETECTORES TEPTADOB. VISTO NA FOTORRAFIA ANEXA. (4) DE O ARRANJO TV. IRRATíTATÃO PODR SER FORAM UTILIZADOS 06 DOSlMRTOS TERMDWMINEflCENTES DE OiSO^i Dy TE DE E5PESS17RA 0,3m, FORNECIDOS PELO IABOBATORIO DE PRODUÇÃO DE MATERIAIS DOSIMÊIRICOP DO IPEN. OB TRATMfWTOS TfilWIOnR, O PROCEDIMENTO DE CALIBRAÇÃO, AS CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DESTES DOSlMJTTROS FORAM DEFINIDOS E ESTUDADOS POR CAMPOS, L. L. (4)

4 TODOS OS DKTECTORES FORAM IRRADIADOS NO AR, TOMANDO-SE COMO REFERENCIA O CENTRO DO VDUÍE SENSÍVEL, EXCETO NO CASO DAS CÂMARAS DK ICNIZACSO DE PLACAS PA RALELAS, ONDE A REFERENCIA FOI MANTIDA NA SUPERFÍCIE DA JWELA DE ENTRADA. AS CA MARAS DE IONIZAÇÃO DE PLACAS PARALELAS FORAM EXPOSTAS A RADIAÇÃO SEMPRE DE FORMA FRONTAL, ENQUANTO CXE NOS OUTROS CASOS, A IRRADIAÇÃO DEU-SE PWPFNPICIUAFMFIIIE AO EIXO L0NG1TUDIANL DOS DETRCTORFS. COMO A GRANDEZA EXPOSIÇÃO NÃO P. nrttnida NO CAPO PR RADIATWO PETA, F OS INSTRUMENTOS TESTADOS SÃO NORMALMENTE iftilizados PARA DETECÇÃO DA RADIAÇÃO GA MA E PORTANTO APRESENTAM tnidades DE EXPOSIÇÃO (dl TAXA DE FXPOSICÃO), "TOMOU-SE A UNIDADE DE ROENTGEN NESTE CASO COMO "IWOTADE HE ESCALA" (u.e.). RESULTADOS OS DETECTORES 1TSTADOS OllANTO A SENSIBILIDADE E A DEPENDÊNCIA ENERCÉTI CA NESTE TRABALHO APRESENTAM JANELAS DE ENTRADA DE ESPESSURAS DIITCRENTEF (NO CASO DAS CÂMARAS DE IONIZAÇAO DE PLACAS PARALELAS) E INVCLUJRDS DE ESPESSURAS DIFEREN TES (NOG OUTROS DETECTORES). A PIG. 1 APRESENTA O CCWORTAMTO1TO DA CÂMARA DE EX TRAPOLAÇAO EM FUNÇÃO DA ESPESSITOV DO MATERIAL ABSORVEDOR POSTCiaJADO A SUA ITEN TE, DÜRflNTE AS EXPOSIÇÕES A RADIAÇÃO BETA DE 90 Sr + ^Y, 204 Tl E 147 Pm. NA ORDENA DA FORAM REPRESENTADOS 05 FATORES DE 'jtowsmssão. PARA A OBTENÇÃO DOS FATORES DE TRANSMISSÃO, FORAM tntijzados FOLHAS DF PLfcTOCO HOPTAPHW, CX»1 EffNSinADE SIPERFI CIAL HÍTRE 0,324 E 38,9mg/cm 2, E PJ.ACAP FIWAS DR LICITE, ODM nenridade SlJPERFlrt AL ENTRE 116 F. 91ftn*tm 2. DURANTE AS IRRADIAOÕES, IWrFR AJSORVTOORES FORAM COLOCA DOS SUCESSIVAMENTE A FTFNTE DA CflMAPA DF fwtrapolacívo, (XT VOUVF. FIJT> DE AS DISTANCIAS DE CALIBRACÂO DE 30, 30 E 20an RESPECTTWrNTF P^RA A«? FONTES ^sr S0 y, 204 Ti E 147 pm. NESTAS oonmrfw^ FORAM FEITA 1? AS WTODAS DF ODRRFNTE DE IONIZAÇAO. NO CASO DE W Sr + 9Q Y PODE-SE ORSERVAR OriR O FWDR DE TRWSriSSAO INICIAIM0JTE CRESCE, PATIJRA K DEPOIS DECRFPCE, ENOIWJTO CUE PARA 204 Tl F 147 P«n O OtWORTAMHTIO fí SEMPRE DECRESCENTE, MOSTRANDO COMO OCORRE í. APrOHCÃO DA RADIACto PEZA MMÊRIA (CAMADAS ABSORVEnORAS EOflVALENTES A TECItX)) ' NA TABEIA 2 SÃO APRESENTADAS AS CARACiyRlSTJCAF PPTNTTPAIR DOB IW.STPl) MQITOS (TIPO OilCFR-MBLLERE TIPO CÍMARA DE TCNI7JW7ÃO), OUE PORSHFM JANELA IX ENTRADA FINA. OS OUTROS TIPOB DE DRTECTPRES OTNS1WI DA TAHELA 3. OR FATORES DF CORRBÇfc PARA A SENSIBILIDADE DE CADA DETECTOR EM RTLACÃO A RADIAÇÃO DE 90 Y FORAM TAMRfiM REPRBSRNTADOB PM AMWVS TABEFAS. TODOS 06 DETECTORES DA TABELA 2 FORAM TESTADOS Ofi AS TRÊS FONTES CE DERCIAS DIFEFKNTES, EXCETO A CÂMARA. CS ICNIZACÂO CE PLACAS PARALELAS, DA NUCLEAR ENTERPRISES, POROtE ESTA CÂMARA APRESENTA UM Wffilf SFNSÍVEL MUITO PFTKIFNO, TJMDO POR ISSO ALTAS TAXAS TK DOSE ABSORVIDA, OHE NAO FRA O CASO DAS FONTRS DE Ti E Pm. A DEPINDÊNCTA ENERGÉTICA ÜFJZTFS INSTRUMfjntTR PDDP PFR OPSHRVADA NA TIG. 2, A CÂMARA DE BOTWOMtífe PTW Ê A MAIS Twrnrunw PM>A K nnnrnrkn nm. 90 Sr DE

5 PRINCIPALMENTE FNTRE AP FNEPGIAS CE 2M Tl F 9 Fr + 9( V NÃO APRESOTOV DFPENDENCIA ENERGÉTICA. ESTO CÂMARA TEM A POSSIBILIDADE DE PERMITIR A TVCA DA JANELA DE FN TRADA, DE MODO A SE TFR MEDIDAS PARA VARIAS FSPESSURAS PR JANFLA. F*TRAFOLANC0 -OS PARA UMA ESPESSURA NUIA, TEM-SE IMA INDEPENDÊNCIA TOTAL COM /> FNERGIA DA RA DIAÇAO BETA INCIDENTE. MAS ESTA CÂMARA NÃO fi POFI#TII. F PPBTMTO ft POUOO PPATI CA. A CSMARA NORMALMFWTE OCNUEanA POR MFXINEX. COM UM VT)Ui<E SFNSlVEL DE 600an? UM UCltXJlUR MUITO OfIL PARA ESTE TTPO DE RADIATÀY), MAS TWÍ1ÉM NÃO Ê POR TATU.. ENTRE A REGIÃO DE DETEOÇÃO DA RADIAÇÃO BETA MAIS IMPORTANTE (ENTRE 0,24 E 0,80MeV), 05 DOSlMETROR TERMMWaNESCENTES CCNSTITIEM OS DETECTORES MAIS IMPOR TJWTES, ABAIXO DA CÂMARA HW. A CÂMARA PANORAMIC LM SISTEMA DETECTOR BETA- -GAMA E O MAIS OFIL DOS INSTRUDiroS ELETRÔNICOS PORTÁTEIS PARA A DETECÇÃO DA RADIAÇÃO BETA, NA REGIÃO DE INTERESSE. ENTRE OS INSTRUMENTOS EIETIftJICOS NACÜCNAIS, O FABRICADO PELO IPEN (PI-760) MDBTROU A MAIC«SENSIBILIDADE PARA A RADIAÇÃO DE 90 Sr + ^Y E A MENOR DEPENDÊNCIA ENFRG&TICA EM TODO O INTERVALO DE ENERGIA ESTUDADO. O APARELHO DA NUCLEAR CHICAGO MDSTKX>-SE TAMBÉM DE INTERESSE NESTE CASO, MAS ATUALMEUTE NÃO FABRICADO. an OS DETECTORES DA TARFLA 3 FDRAM TESTADOS APiílAS CTM A RADIAÇÃO DE Sr + ^f POHWE NÃO PERMITEM A DETBOÇÃO DE FADI7CÕES BFTA DR FMFRRIAS MFNORES, DE VIDO A ESPESSURA DE SUAS RONDAS. PODE-SE NOTAR OVF A CANETA DOSTMETRICA PM O DF ractor DE SENSIBILIDADE MAIS ALTA KNTRR nfx, APRFSFNIWrnO O FATDR DR CORREÇÃO MAIS BAIXO. CONCLUSÕES TODOS O5 Ub-HJfHUHWS DAS TABELAS 2 E 3 PODEM SER UTILIZADAS COM RADIA ÇÍO BETA, DESDE QUE PREVIAMENTE CALIBRADOS; DEVEM, ENTRETANTO, SER PREFERIDOS A QUEX S COM ALTA SENSIBILIDADE E BAIXA DEPENDÊNCIA ENERGÉTICA. EXCETUANDO-SE A CÃ MARA PADRÃO PTW, FOI POSSÍVEL OBSERVAR CUE OS DOSlMETROS TERMOLlMINESCEMrES APRE SENTARAM O COMPORTAMENTO MAIS INDICADO PARA A DETECÇÃO DA RADIAÇÃO BETA. ENTRE 05 INSTRUMENTOS PORTÁTEIS ETETHCNICOS DEVE-SE DESTACAR O PANORAMIC, DA VICTOREEN. KEHiKENCIAS 1) WALKER, E. AND JACOBS, R., PROC. INTERN. BETA DOSIM. SYMP., WASHDiTTON, USA, FEBRUARY 15-18, 1983, NUREC/CP-0050, P ) HEDtZEIMNN, M., FACHVERMND FOR STRAIII01SCHUTZ FV, FS-3, JULICH, ALEMWHA, ) CALDAS, L.V.E., APPL. RADIAT. ISOT. 37(9), 9«8(1986). i 4) CAMPOS, L.I...AND UW, M.F., RADIAT. PROT. DORIM. 18(3), (1987)

6 T A B E L A 2 J OVRACTmíSTlCAS PRINCIPAIS 006 JNSTWMSNTOS OCH J7NEXA DE ENTRADA FINA. XKMDXAÇfo INSXKDHOnO ESPESSURA DA JÍNEIA DE ENTRADA FAIXA DE OPERAÇfo RISCR OB OMBÇXO PARA FABTOGMRE MODELO I TIPO DE DETECTOR (mg/cm 2 ) DO APAFEU» IPEN (BRASIL) CaSO 4 :Dy LÜMINESCENTO (H06TAPHW) HARfTON 2.000AB MÍNIMO OPTECTÍ.VEL ÍOOUGV 1,64 X 10" PW CÂMARA DE SXTRA POLAfíO (PIACAS PARAIEUS) 4,5 (HPSTAPHPN) rrcrf 616 7,48 x 10" 10 Gy IT NUCLEAR 2581/3 DE IfKI- ZACfÒ (PIACAP PARAIfXAS) mR i»P BF 1,03 NUCtEAR \1CT0PEEN (EDA) FTCIAL 253 /3 PANO- RAMIC 47OA nr ZAÇftO (PLACAS PARAU2AS) CÍMPRA DE ICNI- ZAÇÃO (ELETTODO CENITOCL) (POLIESTIFESD EXPANDIDO) rP NPL 0-3/3000nR/h 0-3A0OOR/h. O-3A000mR (INTTXiRACÍO) 7,99 X 10" 1.21 NW3EAR OUCAGO (EOA) MORTRX4 (BRASH) NLH1CN (BRASIL) 2661 ÍWR NDG ,5-2,0 (MICA) 1.5-2,0 + FOLHA FINA DE pi/i?ncr» 1,5-2,0 (MICA) 0,1-lOOmR/h O-ljnR/h 0-lOOQWR/h 0-ln<R/h 0-lOOftnR/h 1,35 1,54 2,83 3PQ1 (BPASIL) Pl-760 1,5-2,0 (MICA) 1,35

7 T A B E L A 3: CAWCTCRÍSTXCAS FRQICXPAIS DOG XMSTRMiNIOS SEM JANEXA DE EMRWDA IRRADIAÇÃO FEJVENDICUUR AO EIXO X tx!xtu3inkl DO DEIBCIOR mstromono CKBklCMfXE MXEtO TIPO CE DETECTOR FMXA DE CPERKft) DO APARELHO CTSOR. DB OORRBÇfiO RRDIAÇÍto DB ^ S r VICIOVEEZf (rasa (EUft) 656R MDnMOJITOR II CANETA DCEIMfiTRICA mR 0-lOmR 0-10QmR 0-lOOftnR 3,47 1,13 x 1<T VICTOBEEN 692 O-lOOnR/h 2,99 x 10" ASS. feup.) GS 1OOQA O-lOiíP/h 0-100mPA O-lOOOmF/h 8.89 (EUA) SWC 252B 0-lOOnP/h WVh 6,31 x 1(T NOFOTOí (BRASIL) NDG-50F 0-lOOmR/h O-lOOOtnR/h 0-50R/h 7,05 x 10 J GPUETE AIEMWHA) O-ICtaR/h 0-100mR/h 2,78 x 10 J BEERUNE E130G 0-10mR/h 0-100n«/h O-lOOCWR/h 2,94 x 10 J

8 FATOR DE TRANSMISSÃO T O ro tn oi o o cn O o cn OI OI j i ro oi

9 1 1 1 I 1 I 10 m MELINEX -- J * /T^ NUC CHICAGO ~y // >f cr o o. to LU cr ia 1 1. i i PTW /JS /^/ J^f / PI-760 * ^ / / / PANORAMIC '/ / NDG-1000 ' / / m Ó 2 NMR-1000^ m 1 l l í l l l l ENERGIA MEDIA (MeV)

Aplicação de Metodologia de Testes de Desempenho de Monitores Portáteis. de Radiação. V. Vivolo, L.V.E. Caldas

Aplicação de Metodologia de Testes de Desempenho de Monitores Portáteis. de Radiação. V. Vivolo, L.V.E. Caldas Aplicação de Metodologia de Testes de Desempenho de Monitores Portáteis de Radiação V. Vivolo, L.V.E. Caldas Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares, Comissão Nacional de Energia Nuclear, P.O. Box

Leia mais

UMA CÂMARA DE IONIZAÇÃO DE PLACAS PARALELAS PARA DOSIMETRIA DE FEIXES DE ELÉTRONS

UMA CÂMARA DE IONIZAÇÃO DE PLACAS PARALELAS PARA DOSIMETRIA DE FEIXES DE ELÉTRONS RBE. VOL. 7 N. 11990 UMA CÂMARA DE IONIZAÇÃO DE PLACAS PARALELAS PARA DOSIMETRIA DE FEIXES DE ELÉTRONS por C. NOGUEIRA DE SOUZA & L.V.E. CALDAS' RESUMO - Uma câmara de ionização de placas paralelas para

Leia mais

CALIBRAÇÃO DE UMA CÂMARA DE EXTRAPOLAÇÃO PTW EM DOIS SISTEMAS PADRÕES SECUNDÁRIOS, COM FONTES DE 90 Sr+ 90 Y

CALIBRAÇÃO DE UMA CÂMARA DE EXTRAPOLAÇÃO PTW EM DOIS SISTEMAS PADRÕES SECUNDÁRIOS, COM FONTES DE 90 Sr+ 90 Y CALIBRAÇÃO DE UMA CÂMARA DE EXTRAPOLAÇÃO PTW EM DOIS SISTEMAS PADRÕES SECUNDÁRIOS, COM FONTES DE 90 Sr+ 90 Y Patrícia L. Antonio, Valdir S. Carvalho e Linda V. E. Caldas Instituto de Pesquisas Energéticas

Leia mais

Classificação Periódica dos Elementos

Classificação Periódica dos Elementos Classificação Periódica dos Elementos 1 2 3 1 Massa atômica relativa. A incerteza no último dígito é 1, exceto quando indicado entre parênteses. Os valores com * referemse Número Atômico 18 ao isótopo

Leia mais

MÉTODO SIMPLIFICADO DE DETERMINAÇÃO DE ENERGIA EFETIVA DE FEIXES DE RADlAçÃQ-X. por

MÉTODO SIMPLIFICADO DE DETERMINAÇÃO DE ENERGIA EFETIVA DE FEIXES DE RADlAçÃQ-X. por RBE. VOL. 7 N. 11990 MÉTODO SIMPLIFICADO DE DETERMINAÇÃO DE ENERGIA EFETIVA DE FEIXES DE RADlAçÃQ-X por M.P.P. ALBUQUERQUE & L V.E. CALDAS RESUMO - Foi verificada a possibilidade de aplicação do método

Leia mais

Detectores de Radiação Ionizante

Detectores de Radiação Ionizante Detectores de Radiação Ionizante As radiações ionizantes por si só não podem ser medida diretamente, a detecção é realizada pelo resultado produzido da interação da radiação com um meio sensível (detector).

Leia mais

DETERMINAÇÃO DAS DOSES SUPERFíCIE E PROFUNDA COM FOTODIODO BPW 34. por KHOURY,HJ; LOPES,FJ; MELO,FA

DETERMINAÇÃO DAS DOSES SUPERFíCIE E PROFUNDA COM FOTODIODO BPW 34. por KHOURY,HJ; LOPES,FJ; MELO,FA RBE. VOL. 7 N. 11990 DETERMINAÇÃO DAS DOSES SUPERFíCIE E PROFUNDA COM FOTODIODO BPW 34 por KHOURY,HJ; LOPES,FJ; MELO,FA RESUMO - A utilização de dosimetros semicondutores em dosimetria das radiações ionizantes

Leia mais

APLICAÇÃO DE METODOLOGIA DE TESTES DE DESEMPENHO DE MONITORES PORTÁTEIS DE RADIAÇÃO

APLICAÇÃO DE METODOLOGIA DE TESTES DE DESEMPENHO DE MONITORES PORTÁTEIS DE RADIAÇÃO Revista Brasileira de Física Médica, Volume 1, Número 1, 2005 Artigo Original APLICAÇÃO DE METODOLOGIA DE TESTES DE DESEMPENHO DE MONITORES PORTÁTEIS DE RADIAÇÃO V. Vivolo e L. V. E. Caldas Instituto de

Leia mais

CONTROLE DE QUALIDADE DE MEDIDORES DE TENSÃO NÃO- INVASIVOS EM EQUIPAMENTO DE RAIOS X, NÍVEL DIAGNÓSTICO

CONTROLE DE QUALIDADE DE MEDIDORES DE TENSÃO NÃO- INVASIVOS EM EQUIPAMENTO DE RAIOS X, NÍVEL DIAGNÓSTICO Artigo Original Ros RA, Caldas LVE CONTROLE DE QUALIDADE DE MEDIDORES DE TENSÃO NÃO- INVASIVOS EM EQUIPAMENTO DE RAIOS X, NÍVEL DIAGNÓSTICO Renato Assenci Ros 1, Linda V.E. Caldas 1 Resumo Abstract Este

Leia mais

ipen ESTABELECIMENTO DE CAMPOS PADRÕES DE RAIOS-X DE ENERGIA BAIXAS, NÍVEL RADIOPROTEÇÃO, PARA CALIBRAÇÃO DE INSTRUMENTOS ELIANE CARMO OLIVEIRA

ipen ESTABELECIMENTO DE CAMPOS PADRÕES DE RAIOS-X DE ENERGIA BAIXAS, NÍVEL RADIOPROTEÇÃO, PARA CALIBRAÇÃO DE INSTRUMENTOS ELIANE CARMO OLIVEIRA ipen CNEN/SP Inttituto d» PMqutoM Bnfgéth Nuot n» AUTARQUIA ASSOCIADA A UNIVERSIDADE DE SAO fwulo ESTABELECIMENTO DE CAMPOS PADRÕES DE RAIOS-X DE ENERGIA BAIXAS, NÍVEL RADIOPROTEÇÃO, PARA CALIBRAÇÃO DE

Leia mais

COMPARAÇÃO DA CURVA DE RENDIMENTO DE UM APARELHO DE RAIOS X PEDIÁTRICO UTILIZANDO DOSÍMETROS TERMOLUMINESCENTES E CÂMARADE IONIZAÇÃO CILÍNDRICA

COMPARAÇÃO DA CURVA DE RENDIMENTO DE UM APARELHO DE RAIOS X PEDIÁTRICO UTILIZANDO DOSÍMETROS TERMOLUMINESCENTES E CÂMARADE IONIZAÇÃO CILÍNDRICA Internationaljoint Conference RADIO 2014 Gramado, RS, Brazil, Augustl 26-29, 2014 SOCIEDADEBRASILEIRA DEPROTEÇÃO RADIOLÕGICA - SBPR COMPARAÇÃO DA CURVA DE RENDIMENTO DE UM APARELHO DE RAIOS X PEDIÁTRICO

Leia mais

Dependência energética e angular de monitores portáteis para radiação beta

Dependência energética e angular de monitores portáteis para radiação beta Dependência energética e angular de monitores portáteis para radiação beta Fernanda B. C. Nonato e Linda V. E. Caldas Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares, IPEN - CNEN/SP Av. Professor Lineu

Leia mais

Absorção de Raios-X. Roteiro elaborado com base na documentação que acompanha o conjunto por: Máximo F. da Silveira UFRJ

Absorção de Raios-X. Roteiro elaborado com base na documentação que acompanha o conjunto por: Máximo F. da Silveira UFRJ Roteiro elaborado com base na documentação que acompanha o conjunto por: Máximo F. da Silveira UFRJ Tópicos relacionados Bremsstrahlung, radiação característica, espalhamento de Bragg, lei de absorção,

Leia mais

MEDIDA DO FLUXO DE NÊUTRONS NO REATOR IPEN-MB-01

MEDIDA DO FLUXO DE NÊUTRONS NO REATOR IPEN-MB-01 2011 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2011 Belo Horizonte,MG, Brazil, October 24-28, 2011 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 978-85-99141-04-5 MEDIDA DO FLUXO DE NÊUTRONS

Leia mais

CONTROLE DE QUALIDADE DE CÂMARAS DE IONIZAÇÃO PLANAS UTILIZADAS COMO CÂMARAS MONITORAS EM FEIXES DE RADIODIAGÓSTICO

CONTROLE DE QUALIDADE DE CÂMARAS DE IONIZAÇÃO PLANAS UTILIZADAS COMO CÂMARAS MONITORAS EM FEIXES DE RADIODIAGÓSTICO Revista Brasileira de Física Médica, Volume 1, Número 1, 2005 Comunicação Técnica CONTROLE DE QUALIDADE DE CÂMARAS DE IONIZAÇÃO PLANAS UTILIZADAS COMO CÂMARAS MONITORAS EM FEIXES DE RADIODIAGÓSTICO J.

Leia mais

ESTUDO DA MODERAÇÃO DE NÊUTRONS UTILIZANDO O ESPECTRO DE 241 Am-Be COM MATERIAIS HIDROGENADOS

ESTUDO DA MODERAÇÃO DE NÊUTRONS UTILIZANDO O ESPECTRO DE 241 Am-Be COM MATERIAIS HIDROGENADOS ESTUDO DA MODERAÇÃO DE NÊUTRONS UTILIZANDO O ESPECTRO DE 241 Am-Be COM MATERIAIS HIDROGENADOS SANTOS A.R.L. (1), SILVA F.S. (1), FREITAS B.M. (2), TAVARES D.Y.S. (3), MARTINS M. M. (1) PEREIRA W.W. (1)

Leia mais

Capítulo 5: Aplicações da Derivada

Capítulo 5: Aplicações da Derivada Instituto de Ciências Exatas - Departamento de Matemática Cálculo I Profª Maria Julieta Ventura Carvalho de Araujo Capítulo 5: Aplicações da Derivada 5- Acréscimos e Diferenciais - Acréscimos Seja y f

Leia mais

AVALIAÇÃO DA DEPENDÊNCIA ENERGÉTICA DE MONITORES PORTÁTEIS DE RADIAÇÃO UTILIZADOS EM RADIOPROTEÇÃO

AVALIAÇÃO DA DEPENDÊNCIA ENERGÉTICA DE MONITORES PORTÁTEIS DE RADIAÇÃO UTILIZADOS EM RADIOPROTEÇÃO 2009 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2009 Rio de Janeiro,RJ, Brazil, September27 to October 2, 2009 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 978-85-99141-03-8 AVALIAÇÃO DA

Leia mais

Av. Salvador Allende s/n CEP - 22780-160 Jacarepaguá, Rio de Janeiro, RJ leonardo@ird.gov.br

Av. Salvador Allende s/n CEP - 22780-160 Jacarepaguá, Rio de Janeiro, RJ leonardo@ird.gov.br COMPORTAMENTO DO DETECTOR GEIGER MÜELLER EM RADIOLOGIA DIAGNÓSTICA Leonardo Luiz Ferreira 1, José Guilherme Pereira Peixoto 2, Daniel da Silva Quaresma 3 1 Instituto de Radioproteção e Dosimetria (IRD

Leia mais

121,8 127,6 126,9 131,3. Sb Te I Xe 27,0 28,1 31,0 32,1 35,5 39,9 69,7 72,6 74,9 79,0 79,9 83, Ga Ge As Se Br Kr. In Sn 114,8 118,7.

121,8 127,6 126,9 131,3. Sb Te I Xe 27,0 28,1 31,0 32,1 35,5 39,9 69,7 72,6 74,9 79,0 79,9 83, Ga Ge As Se Br Kr. In Sn 114,8 118,7. PRVA DE QUÍMICA º 2º 3º 4º 5º 6º 7º TABELA PERIÓDICA DS ELEMENTS (IA),0 3 Li 6,9 Na 23,0 9 K 39, 2 (IIA) 4 Be 9,0 2 Mg 24,3 3 (III B) 4 5 6 7 8 9 0 2 20 2 22 23 24 25 26 27 28 29 30 Ca Sc Ti V Cr Mn Fe

Leia mais

Estudo da correção de espalhamento de nêutrons na calibração do monitor individual de albedo no LN

Estudo da correção de espalhamento de nêutrons na calibração do monitor individual de albedo no LN Estudo da correção de espalhamento de nêutrons na calibração do monitor individual de albedo no LN BM Freitas 1, AX da Silva 1, CLP Maurício 2, MM Martins 2 1 Programa de Engenharia Nuclear/COPPE/UFRJ;

Leia mais

Si, Ge, SiO 2, ZnS, etc. PF s e dureza elevados Insolúveis Isolantes (ou semicondutores)

Si, Ge, SiO 2, ZnS, etc. PF s e dureza elevados Insolúveis Isolantes (ou semicondutores) Sólidos covalentes C, diamante C, grafite Si, Ge, SiO 2, ZnS, etc. PF s e dureza elevados Insolúveis Isolantes (ou semicondutores) Sólidos covalentes TEV: rede 3D de ligações covalentes C, diamante (sp

Leia mais

http://biosafety-level.wikispaces.com/radiação

http://biosafety-level.wikispaces.com/radiação Profa. Katia Aquino http://biosafety-level.wikispaces.com/radiação Radiação ionizante Arranca elétrons da matéria não ionizante Excitação da matéria partícula http://blogtecrad.blogspot.com/2010_09_01_archive.html

Leia mais

Exame de Seleção Mestrado em Química Turma 2013 II CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS 11 1B. 26 Fe 55,8 44 Ru 101,1 76 Os 190,2

Exame de Seleção Mestrado em Química Turma 2013 II CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS 11 1B. 26 Fe 55,8 44 Ru 101,1 76 Os 190,2 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DPTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA Exame de Seleção Mestrado em Química Turma 2013

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE MEDICINA NUCLEAR Princípios e Aplicações

PROCEDIMENTOS DE MEDICINA NUCLEAR Princípios e Aplicações PROCEDIMENTOS DE MEDICINA NUCLEAR Princípios e Aplicações VIII Encontro de Técnicos de Radiologia da Alta Noroeste Marco Antônio de Carvalho Físico Médico e Supervisor de Radioproteção em Medicina Nuclear

Leia mais

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Física e Química A Prova Escrita

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE CAMADAS SEMI-REDUTORAS EM FEIXES DE RADIAÇÃO X BASEADOS NA NORMA IEC 61267

DETERMINAÇÃO DE CAMADAS SEMI-REDUTORAS EM FEIXES DE RADIAÇÃO X BASEADOS NA NORMA IEC 61267 Revista Brasileira de Física Médica, Volume 1, Número 1, 2005 Artigo Original DETERMINAÇÃO DE CAMADAS SEMI-REDUTORAS EM FEIXES DE RADIAÇÃO X BASEADOS NA NORMA IEC 61267 A. F. Maia e L. V. E. Caldas Instituto

Leia mais

HARDWARE E SOFTWARE PARA MONITORAMENTO EM INSTALAÇÕES RADIOATIVAS

HARDWARE E SOFTWARE PARA MONITORAMENTO EM INSTALAÇÕES RADIOATIVAS 2005 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2005 Santos, SP, Brazil, August 28 to September 2, 2005 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 85-99141-01-5 HARDWARE E SOFTWARE PARA

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

I Congresso Gera! de Energia Nuclear

I Congresso Gera! de Energia Nuclear I Congresso Gera! de Energia Nuclear Rio de Janeiro, 17 o 20 de Morco de 1966 ANAIS ~ PROCEEDINGS DOSÍMETROS TERMOLUMINESCENTES DE CaS0 4 : Dy Teflon Leticia Lucente Campos Departamento de Proteção.Radiológica

Leia mais

Sobre a obra: Sobre nós:

Sobre a obra: Sobre nós: Sobre a obra: A presente obra é disponibilizada pela equipe do ebook espírita com o objetivo de oferecer conteúdo para uso parcial em pesquisas e estudos, bem como o simples teste da qualidade da obra,

Leia mais

Carlos Alberto Reis de Freitas (1) Antonio Carlos Cunha Migliano (1) José Francisco Siqueira (2)

Carlos Alberto Reis de Freitas (1) Antonio Carlos Cunha Migliano (1) José Francisco Siqueira (2) 28 de junho a 1º de julho de 2004 Curitiba-PR 1 CARACTERIZAÇÃO DO NÍVEL DE ABSORÇÃO DA RADIAÇÃO EM REVESTIMENTOS PLANOS Á BASE DE FERRITAS ELETROMAGNÉTICAS Mn- Zn MEDIDAS POR GUIAS DE ONDAS NA FAIXA DE

Leia mais

A RADIAÇÃO IONIZANTE. O que é? Fontes de radiação Efeitos biológicos

A RADIAÇÃO IONIZANTE. O que é? Fontes de radiação Efeitos biológicos A RADIAÇÃO IONIZANTE O que é? Fontes de radiação Efeitos biológicos Palestra introdutória Curso de Física da Radiação I -2004/1 Resp.: Prof. Stenio Dore O que é radiação? Def. abrangente: É o transporte

Leia mais

MÓDULO 6 MATRIZ DA PROVA

MÓDULO 6 MATRIZ DA PROVA ESCOLA SECUNDÁRIA FERREIRA DIAS AGUALVA - SINTRA FÍSICA E QUÍMICA A (11º ANO) Programa iniciado 2016/2017 TIPO DE PROVA: ESCRITA DURAÇÃO: 90 minutos Cursos Científico - Humanísticos de Ciências e Tecnologias

Leia mais

P i s cina s : 2 P i s ci n a e x te rior de á g u a d e m a r a q u e cida P i s ci n a i n te ri or d e á g u a

P i s cina s : 2 P i s ci n a e x te rior de á g u a d e m a r a q u e cida P i s ci n a i n te ri or d e á g u a E M P R IM E I R A MÃO T h e O i ta v os é o e x c lu s i v o h o te l d e 5 e s tre la s q u e co m p le t a e v a l ori za a ofe rta d a Q u i n ta d a M a ri n h a, co n s olid a n d o -a c om o d e

Leia mais

Versão 2. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Versão 2. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. Teste Intermédio de Física e Química A Versão Teste Intermédio Física e Química A Versão Duração do Teste: 90 minutos 30.05.01 10.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/004, de 6 de março Na folha de

Leia mais

Radiação. Grupo de Ensino de Física da Universidade Federal de Santa Maria

Radiação. Grupo de Ensino de Física da Universidade Federal de Santa Maria Radiação Radiação é o processo de transferência de energia por ondas eletromagnéticas. As ondas eletromagnéticas são constituídas de um campo elétrico e um campo magnético que variam harmonicamente, um

Leia mais

Gabarito - Química - Grupo A

Gabarito - Química - Grupo A 1 a QUESTÃO: (1,5 ponto) Avaliador Revisor A estrutura dos compostos orgânicos começou a ser desvendada nos meados do séc. XIX, com os estudos de ouper e Kekulé, referentes ao comportamento químico do

Leia mais

Identificação de materiais radioativos pelo método de espectrometria de fótons com detector cintilador

Identificação de materiais radioativos pelo método de espectrometria de fótons com detector cintilador Identificação de materiais radioativos pelo método de espectrometria de fótons com detector cintilador 1. Introdução Identificar um material ou agente radiológico é de grande importância para as diversas

Leia mais

ipen CNENISP Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares ISSN DETERMINAÇÃO DE TAXAS DE* EXPOSIÇÃO DE TELEVISORES A CORES

ipen CNENISP Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares ISSN DETERMINAÇÃO DE TAXAS DE* EXPOSIÇÃO DE TELEVISORES A CORES ISSN 0101 3084 ipen CNENISP Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares DETERMINAÇÃO DE TAXAS DE* EXPOSIÇÃO DE TELEVISORES A CORES Utfeia LucM* Cwnpoi t Lin* Viola EMin Calda» PUBLICAÇÃO IPEN134 MAI0/19M

Leia mais

CAPACITÂNCIA. Seção 31-1 Capacitância

CAPACITÂNCIA. Seção 31-1 Capacitância Seção 31-1 Capacitância CAPACITÂNCIA 1. Um eletrômetro é um aparelho usado para medir cargas estáticas. Uma carga desconhecida é colocada nas armaduras de um capacitar e após isto medimos a diferença.de

Leia mais

O CONTADOR GEIGER-MULLER

O CONTADOR GEIGER-MULLER O CONTADOR GEIGER-MULLER O contador Geiger (ou contador Geiger-Müller ou contador G-M) serve para medir certas radiações ionizantes. Este instrumento de medida, cujo princípio foi imaginado por volta de

Leia mais

SS.Fernandes, 1,2,3, KCS.Patrão 2, ES.Fonseca 2, WW. Pereira 2, RT.Lopes 1

SS.Fernandes, 1,2,3, KCS.Patrão 2, ES.Fonseca 2, WW. Pereira 2, RT.Lopes 1 Determinação do centro efetivo de um detector do tipo De Pangher Long Counter no salão de baixo espalhamento de nêutrons do Laboratório de Metrologia de Nêutrons (LN). SS.Fernandes, 1,2,3, KCS.Patrão 2,

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL RADIOPROTEÇÃO (SEGURANÇA)

NORMA PROCEDIMENTAL RADIOPROTEÇÃO (SEGURANÇA) 50.05.005 1/5 1. FINALIDADE Estabelecer os requisitos básicos de proteção radiológica para as pessoas em relação à exposição à radiação ionizante. 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO Em toda a Instituição onde houver

Leia mais

Análise da resposta de uma câmara de extrapolação pelo método de Monte Carlo

Análise da resposta de uma câmara de extrapolação pelo método de Monte Carlo Análise da resposta de uma câmara de extrapolação pelo método de Monte Carlo Ivón Oramas Polo, Patrícia de Lara Antonio e Linda V.E. Caldas Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares, Comissão Nacional

Leia mais

Cilindro de bielas de pistão Cilindro padronizado ISO 15552, série ITS. Catálogo impresso

Cilindro de bielas de pistão Cilindro padronizado ISO 15552, série ITS. Catálogo impresso ISO 15552, série ITS Catálogo impresso 2 ISO 15552, série ITS Ø 160-320 mm Conexões: G 3/4 - G 1 com efeito duplo com pistão magnético Amortecimento: pneumático, regulável Haste do pistão: rosca externa

Leia mais

MONITORAÇÃO INDIVIDUAL DE NÊUTRONS: 18 ANOS DE EXPERIÊNCIA

MONITORAÇÃO INDIVIDUAL DE NÊUTRONS: 18 ANOS DE EXPERIÊNCIA MONITORAÇÃO INDIVIDUAL DE NÊUTRONS: 18 ANOS DE EXPERIÊNCIA Sérgio Alves Gonçalves, Claudia Lucia de Pinho Mauricio, José Moura Junior, Marcelo Marques Martins, Nilton Ferreira Meira, Ricardo Diz e Rosângela

Leia mais

CURVAS DE SATURAÇÃO DE CÂMARAS DE IONIZAÇÃO TANDEM PARA A MEDIDA DE Hp(10)

CURVAS DE SATURAÇÃO DE CÂMARAS DE IONIZAÇÃO TANDEM PARA A MEDIDA DE Hp(10) 005 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 005 Santos, SP, Brazil, August 8 to September, 005 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 85-99141-01-5 CURVAS DE SATURAÇÃO DE CÂMARAS

Leia mais

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O O s depós itos fos s ilíferos, o s s ítios paleontológ icos (paleobiológicos ou fossilíferos) e o s fós s eis q u e a p r e s e n ta m valores científico, educativo o u cultural

Leia mais

Trabalho prático: O contador de Geiger-Muller. Descrição geral

Trabalho prático: O contador de Geiger-Muller. Descrição geral Trabalho prático: O contador de Geiger-Muller Descrição geral Um dos primeiros tipos de detector desenvolvidos foi o chamado contador (ou tubo) de Geiger-Muller. Este contador permite detectar a presença

Leia mais

Aplicação de Redes Neurais Artificiais na Caracterização de Tambores de Rejeito Radioativo

Aplicação de Redes Neurais Artificiais na Caracterização de Tambores de Rejeito Radioativo Aplicação de Redes Neurais Artificiais na Caracterização de Tambores de Rejeito Radioativo Ademar José Potiens Júnior 1, Goro Hiromoto 1 1 Av. Prof. Lineu Prestes, 2242 05508-000, Brasil apotiens@ipen.br,

Leia mais

ES. 61 ES. 62 ES. 63 ES. 64 ES. 65 ES. 70 ES. 71 ES. 72 ES. 73 ES. 80 ES. 81 ES. 82 ES. 83 ES. 84 ES. 106 ES. 105 PS. 55 PS. 54

ES. 61 ES. 62 ES. 63 ES. 64 ES. 65 ES. 70 ES. 71 ES. 72 ES. 73 ES. 80 ES. 81 ES. 82 ES. 83 ES. 84 ES. 106 ES. 105 PS. 55 PS. 54 2013 ES. 61 ES. 62 ES. 63 ES. 64 ES. 65 ES. 70 ES. 71 ES. 72 ES. 73 ES. 80 ES. 81 ES. 82 ES. 83 ES. 84 ES. 106 ES. 105 PS. 55 PS. 54 PS. 75 PS. 74 PS. 76 ES. 78 ES. 79 ES. 40 ES. 41 ES. 44 ES. 42 ES. 43

Leia mais

Exame de Seleção Mestrado em Química Turma Candidato: CPF:

Exame de Seleção Mestrado em Química Turma Candidato: CPF: UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DPTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA Exame de Seleção Mestrado em Química Turma 2014.2

Leia mais

Procedimentos para verificação da eficácia do Sistema de Segurança Radiológica de Instalações Cíclotrons Categoria II (AIEA)

Procedimentos para verificação da eficácia do Sistema de Segurança Radiológica de Instalações Cíclotrons Categoria II (AIEA) Procedimentos para verificação da eficácia do Sistema de Segurança Radiológica de Instalações Cíclotrons Categoria II (AIEA) Videira, H.S. 1,2 ; Abe, R. 1,2 e Buchpiguel, C.A. 1,3 1 Hospital das Clinicas

Leia mais

A Mecânica Quântica nasceu em 1900, com um trabalho de Planck que procurava descrever o espectro contínuo de um corpo negro.

A Mecânica Quântica nasceu em 1900, com um trabalho de Planck que procurava descrever o espectro contínuo de um corpo negro. Radiação de Corpo Negro Uma amostra metálica como, por exemplo, um prego, em qualquer temperatura, emite radiação eletromagnética de todos os comprimentos de onda. Por isso, dizemos que o seu espectro

Leia mais

! "#$%#&" ' % (!! )* #&+$ $," &#$" "-,+ %*./0 1'2'! "# $% $% &! '!

! #$%#& ' % (!! )* #&+$ $, &#$ -,+ %*./0 1'2'! # $% $% &! '! ! "# % % &! '! ( ) - 1 - !"# * + &, -,.!,.,,.,. /,.,.!,., 0,.,,.,., %&' 1 ( 1 2, 1 (% 1 ( 3, 1 * ( 4 1 # ()%) %%* 5 6 ( 1+ 3 %, 2 #,. 1-2 - +()% ) * + 5#78 9 5# ) %. 5 1 : ( ; 7 ( 1 < ' % = %+ (, + >,

Leia mais

Teste da eficiencia da película protetora (insulfilm) em veículos automotores

Teste da eficiencia da película protetora (insulfilm) em veículos automotores F 609A Tópicos de Ensino de Física Teste da eficiencia da película protetora (insulfilm) em veículos automotores Aluno: Bruno Gomes Ribeiro RA: 059341 onurbrj@hotmail.com Orientador: Professor Doutor Flavio

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

Problemas de Termodinâmica e Estrutura da Matéria

Problemas de Termodinâmica e Estrutura da Matéria Problemas de Termodinâmica e Estrutura da Matéria 5 a série 5.1) O filamento de tungsténio de uma lâmpada incandescente está à temperatura de 800 C. Determine o comprimento de onda da radiação emitida

Leia mais

Desenvolvimento e Implantação de um Sistema Automatizado para. Adequação do Processo de Calibração de Monitores de Radiação Gama

Desenvolvimento e Implantação de um Sistema Automatizado para. Adequação do Processo de Calibração de Monitores de Radiação Gama Desenvolvimento e Implantação de um Sistema Automatizado para Adequação do Processo de Calibração de Monitores de Radiação Gama Iremar Alves da Silva Junior Dissertação apresentada como parte dos requisitos

Leia mais

MÓDULO 2 MATRIZ DA PROVA

MÓDULO 2 MATRIZ DA PROVA ESCOLA SECUNDÁRIA FERREIRA DIAS AGUALVA - SINTRA FÍSICA E QUÍMICA A (10º ANO) Programa iniciado 2015/2016 TIPO DE PROVA: ESCRITA DURAÇÃO: 90 minutos Cursos Científico - Humanísticos de Ciências e Tecnologias

Leia mais

CALIBRAÇÃO DAS CÂMARAS DE IONIZAÇÃO PARA FEIXES DE TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA NO BRASIL: A REALIDADE ATUAL*

CALIBRAÇÃO DAS CÂMARAS DE IONIZAÇÃO PARA FEIXES DE TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA NO BRASIL: A REALIDADE ATUAL* Artigo Original Calibração das câmaras de ionização para feixes de TC no Brasil CALIBRAÇÃO DAS CÂMARAS DE IONIZAÇÃO PARA FEIXES DE TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA NO BRASIL: A REALIDADE ATUAL* Ana Figueiredo

Leia mais

Grandezas, Quantidades e Unidades usadas em protecção contra as radiações

Grandezas, Quantidades e Unidades usadas em protecção contra as radiações Grandezas, Quantidades e Unidades usadas em protecção contra as radiações Maria Filomena Botelho O que é a radiação / radioactividade? O que torna a radiação perigosa? Dose de radiação quanto é demasiado?

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DA ALTITUDE NO EQUIVALENTE DE DOSE AMBIENTE

CONTRIBUIÇÃO DA ALTITUDE NO EQUIVALENTE DE DOSE AMBIENTE IX Latin American IRPA Regional Congress on Radiation Protection and Safety - IRPA 2013 Rio de Janeiro, RJ, Brazil, April 15-19, 2013 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR CONTRIBUIÇÃO DA

Leia mais

Exposição do público devido ao transporte de radiofármacos

Exposição do público devido ao transporte de radiofármacos Exposição do público devido ao transporte de radiofármacos Demerval L. Rodrigues 1, Janete C. G. G. Carneiro 1, Matias P. Sanches 1 e Gian Maria A. A. Sordi 1. 1 Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares,

Leia mais

Lista de Exercício de Química - N o 6

Lista de Exercício de Química - N o 6 Lista de Exercício de Química - N o 6 Profa. Marcia Margarete Meier 1) Arranje em ordem crescente de energia, os seguintes tipos de fótons de radiação eletromagnética: raios X, luz visível, radiação ultravioleta,

Leia mais

ESTUDO DA APLICAÇÃO DA DOSIMETRIA OSL EM ALTAS DOSES UTILIZANDO OS DOSÍMETROS CaF 2 :Dy E CaF 2 :Mn

ESTUDO DA APLICAÇÃO DA DOSIMETRIA OSL EM ALTAS DOSES UTILIZANDO OS DOSÍMETROS CaF 2 :Dy E CaF 2 :Mn IX Latin American IRPA Regional Congress on Radiation Protection and Safety - IRPA 2013 Rio de Janeiro, RJ, Brazil, April 15-19, 2013 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR ESTUDO DA APLICAÇÃO

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

Y Zr Nb Mo Tc Ru Rh Pd Ag Cd In Sn Sb Te I Xe

Y Zr Nb Mo Tc Ru Rh Pd Ag Cd In Sn Sb Te I Xe A H,0 Li 7,0 Na 2,0 9 K 9,0 7 Rb 85,5 55 Cs,0 87 Fr (22) 2 2A Be 9,0 2 Mg 2,0 20 Ca 0,0 8 Sr 88,0 56 Ba 7,0 88 Ra (226) Elementos de Transição B B 5B 6B 7B 8B B 2B 5 6 7 A A 5A 6A 7A 78,5 8,0 8,0 86,0

Leia mais

APLICAÇÃO DE METODOLOGIA DE TESTES DE DESEMPENHO PARA MONITORES PORTÁTEIS DE RADIAÇÃO VÍTOR VÍVOLO

APLICAÇÃO DE METODOLOGIA DE TESTES DE DESEMPENHO PARA MONITORES PORTÁTEIS DE RADIAÇÃO VÍTOR VÍVOLO AUTARQUIA ASSOCIADA À UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO APLICAÇÃO DE METODOLOGIA DE TESTES DE DESEMPENHO PARA MONITORES PORTÁTEIS DE RADIAÇÃO VÍTOR VÍVOLO Dissertação apresentada como parte dos requisitos para

Leia mais

SEL 705 - FUNDAMENTOS FÍSICOS DOS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS. (1. Raios-X) Prof. Homero Schiabel (Sub-área de Imagens Médicas)

SEL 705 - FUNDAMENTOS FÍSICOS DOS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS. (1. Raios-X) Prof. Homero Schiabel (Sub-área de Imagens Médicas) SEL 705 - FUNDAMENTOS FÍSICOS DOS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS (1. Raios-X) Prof. Homero Schiabel (Sub-área de Imagens Médicas) III. RAIOS-X 1. HISTÓRICO Meados do séc. XIX - Maxwell: previu a existência

Leia mais

Física e Química A Tabela de Constantes Formulário Tabela Periódica

Física e Química A Tabela de Constantes Formulário Tabela Periódica Física e Quíica A Tabela de Constantes Forulário Tabela Periódica http://fisicanalixa.blogspot.pt/ CONSTANTES Velocidade de propagação da luz no vácuo c = 3,00 10 8 s 1 Módulo da aceleração gravítica de

Leia mais

Caracterização de um detector de partículas alfa CR-39 exposto a uma fonte de rádio

Caracterização de um detector de partículas alfa CR-39 exposto a uma fonte de rádio Universidade Estadual de Campinas Instituto de Física Gleb Wataghin Caracterização de um detector de partículas alfa CR-39 exposto a uma fonte de rádio Aluno: Leandro Marcondes Maino Orientador: Sandro

Leia mais

PROGER - PROGRAMA PARA GERENCIAMENTO DE REJEITOS EM INSTITUIÇÕES DE PESQUISA

PROGER - PROGRAMA PARA GERENCIAMENTO DE REJEITOS EM INSTITUIÇÕES DE PESQUISA PROGER - PROGRAMA PARA GERENCIAMENTO DE REJEITOS EM INSTITUIÇÕES DE PESQUISA Rubemar S. Ferreira, Maria Regina Ferro Costa, Anthenor C. Ramos Jr., Irapoan Espósito; Solange dos Reis e Vaz; Elizabeth May

Leia mais

FÍSICA NUCLEAR E PARTÍCULAS

FÍSICA NUCLEAR E PARTÍCULAS FÍSICA NUCLEAR E PARTÍCULAS Apêndice - O Tubo de Geiger - Müller 1 - Descrição sumária O tubo de Geiger é constituido essencialmente por dois eléctrodos, o cátodo e o ânodo, encerrados num recipiente de

Leia mais

Tomografia Computadorizada

Tomografia Computadorizada Tomografia Computadorizada Características: não sobreposição de estruturas melhor contraste ( menos radiação espalhada) usa detectores que permitem visibilizar pequenas diferenças em contraste de tecido

Leia mais

QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA

QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA 1 2 3 4 5 6 7 1 1 1, 00 2 3 4 Li Be 6, 94 9, 01 11 12 Na Mg 22, 99 24, 31 19 20 K Ca 39, 10 40, 08 37 38 Rb Sr 85, 47 87, 62 55 56 Cs Ba 132, 91 137, 33 87 88 Fr Ra 223,

Leia mais

José Geraldo Coura NUCLEBRÃS/CDTN-534

José Geraldo Coura NUCLEBRÃS/CDTN-534 SISTEMA AUXILIAR DE CONTROLE DE PARA METROS DE SEGURANÇA DO REATOR IPR-R1 José Geraldo Coura NUCLEBRÃS/CDTN-534 EMPRESAS NUCLEARES BRASILEIRAS S.A. - NUCLEBRÍS CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA NUCLEAR

Leia mais

Luciano Santa Rita Oliveira Mestre em Radioproteção e Dosimetria Tecnólogo em radiologia

Luciano Santa Rita Oliveira Mestre em Radioproteção e Dosimetria Tecnólogo em radiologia Luciano Santa Rita Oliveira Mestre em Radioproteção e Dosimetria Tecnólogo em radiologia www.lucianosantarita.pro.br tecnologo@lucianosantarita.pro.br Motivação Conceitos fundamentais sobre radioproteção

Leia mais

< ()& : 555>?

< ()& : 555>? P Ú s Pr s t Pr t Pr r str Pr ss t át P q çõ s r ç s çõ s s é s r r t r Pr r sé rt r P Ú s Pr s t Pr t Pr r str Pr ss t át P q çõ s r ç s çõ s s é s r ss rt çã r s t rt s r q s t s r t çã tít str t r r

Leia mais

Teste de proficiência para medições de radioatividade na medicina nuclear*

Teste de proficiência para medições de radioatividade na medicina nuclear* Artigo Original Original Article Teste de proficiência para medições de radioatividade Teste de proficiência para medições de radioatividade na medicina nuclear* Proficiency test for radioactivity measurements

Leia mais

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1.1 Introdução Consiste em um guia de onda cilíndrico, conforme ilustra a Figura 1, formado por núcleo de material dielétrico (em geral vidro de alta pureza),

Leia mais

CALIBRAÇÃO DE MEDIDORES DE ATIVIDADE NO IPEN. Av. Prof. Lineu Prestes, 2242, São Paulo SP

CALIBRAÇÃO DE MEDIDORES DE ATIVIDADE NO IPEN. Av. Prof. Lineu Prestes, 2242, São Paulo SP Revista Brasileira de Física Médica, Volume 1, Número 1, 2005 Artigo Original CALIBRAÇÃO DE MEDIDORES DE ATIVIDADE NO IPEN A. M. da Costa 1,2 e L. V. E. Caldas 1 1 Instituto de Pesquisas Energéticas e

Leia mais

Comissão Nacional de Energia Nuclear Segurança nos Institutos da CNEN

Comissão Nacional de Energia Nuclear Segurança nos Institutos da CNEN Comissão Nacional de Energia Nuclear Segurança nos Institutos da CNEN Jose Augusto Perrotta Diretoria de Pesquisa e Desenvolvimento DPD/CNEN Tópicos abordados nesta apresentação Institutos da CNEN Principais

Leia mais

MÓDULO 5 MATRIZ DA PROVA

MÓDULO 5 MATRIZ DA PROVA ESCOLA SECUNDÁRIA FERREIRA DIAS AGUALVA - SINTRA FÍSICA E QUÍMICA A (11º ANO) Programa iniciado 2016/2017 TIPO DE PROVA: ESCRITA DURAÇÃO: 90 minutos Cursos Científico - Humanísticos de Ciências e Tecnologias

Leia mais

1M5. DE JANEIRO, 15-18 de dezembro de 1981 ESTUDO ANALÍTICO EXPERIMENTAL COM TUBOS DE CALOR

1M5. DE JANEIRO, 15-18 de dezembro de 1981 ESTUDO ANALÍTICO EXPERIMENTAL COM TUBOS DE CALOR ANAIS (A30B) Vs^>/ RIO TRABALHO PAPE» 1M5 COBEM 81 VI CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA MECÂNICA DE JANEIRO, 15-18 de dezembro de 1981 N. A-14 P.P. 145-151 PROCEEDINGS I Ifcl " ü* PUC/RJ ESTUDO ANALÍTICO

Leia mais

FORMACÃO DE SUPERVISORES DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA NO BRASIL. Adelia Sahyun

FORMACÃO DE SUPERVISORES DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA NO BRASIL. Adelia Sahyun FORMACÃO DE SUPERVISORES DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA NO BRASIL Adelia Sahyun O GRUPO DE ESTUDO, COMPOSTO POR Gian Maria Sordi Coordenador Adelia Sahyun Paulo Gonçalves de Oliveira Ricardo Andreucci Waldomiro

Leia mais

Física e Química A. Teste Intermédio de Física e Química A. Teste Intermédio. Versão 1. Duração do Teste: 90 minutos 10.03.2010

Física e Química A. Teste Intermédio de Física e Química A. Teste Intermédio. Versão 1. Duração do Teste: 90 minutos 10.03.2010 Teste Intermédio de Física e Química A Teste Intermédio Física e Química A Versão 1 Duração do Teste: 90 minutos 10.03.2010 10.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Na folha de

Leia mais

INVESTIGAÇÃO DAS PROPRIEDADES TERMOLUMINESCENTES DO ALUMINATO DE LANTÂNIO (LaAlO 3 ) DOPADO COM CARBONO PARA APLICAÇÃO EM DOSIMETRIA DAS RADIAÇÕES

INVESTIGAÇÃO DAS PROPRIEDADES TERMOLUMINESCENTES DO ALUMINATO DE LANTÂNIO (LaAlO 3 ) DOPADO COM CARBONO PARA APLICAÇÃO EM DOSIMETRIA DAS RADIAÇÕES IX Latin American IRPA Regional Congress on Radiation Protection and Safety - IRPA 2013 Rio de Janeiro, RJ, Brazil, April 15-19, 2013 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR INVESTIGAÇÃO DAS

Leia mais

1. Dê o domínio e esboce o grá co de cada uma das funções abaixo. (a) f (x) = 3x (b) g (x) = x (c) h (x) = x + 1 (d) f (x) = 1 3 x + 5 1.

1. Dê o domínio e esboce o grá co de cada uma das funções abaixo. (a) f (x) = 3x (b) g (x) = x (c) h (x) = x + 1 (d) f (x) = 1 3 x + 5 1. 2.1 Domínio e Imagem EXERCÍCIOS & COMPLEMENTOS 1.1 1. Dê o domínio e esboce o grá co de cada uma das funções abaixo. (a) f (x) = 3x (b) g (x) = x (c) h (x) = x + 1 (d) f (x) = 1 3 x + 5 1 3 (e) g (x) 2x

Leia mais

Aula 4_2. Capacitores II. Física Geral e Experimental III Prof. Cláudio Graça Capítulo 4

Aula 4_2. Capacitores II. Física Geral e Experimental III Prof. Cláudio Graça Capítulo 4 Aula 4_2 apacitores II Física Geral e Experimental III Prof. láudio Graça apítulo 4 1 apacitores II arga de um capacitor Dielétrico: constante dielétrica e ruptura apacitores em série e em paralelo onservação

Leia mais

Brasil. viriatoleal@yahoo.com.br. igoradiologia @ hotmail.com. jwvieira@br.inter.net

Brasil. viriatoleal@yahoo.com.br. igoradiologia @ hotmail.com. jwvieira@br.inter.net 2009 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2009 Rio de Janeiro,RJ, Brazil, September27 to October 2, 2009 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 978-85-99141-03-8 APLICAÇÃO DO

Leia mais

Espectometriade Fluorescência de Raios-X

Espectometriade Fluorescência de Raios-X FRX Espectometriade Fluorescência de Raios-X Prof. Márcio Antônio Fiori Prof. Jacir Dal Magro FEG Conceito A espectrometria de fluorescência de raios-x é uma técnica não destrutiva que permite identificar

Leia mais

121,8 127,6 126,9 131,3. Sb Te I Xe. Pb Bi Po At Rn 69,7 72,6 74,9 79,0 79,9 83, Ga Ge As Se Br Kr. In Sn 114,8 118,7.

121,8 127,6 126,9 131,3. Sb Te I Xe. Pb Bi Po At Rn 69,7 72,6 74,9 79,0 79,9 83, Ga Ge As Se Br Kr. In Sn 114,8 118,7. PROVA DE QUÍMICA TABELA PERIÓDICA DOS ELEMENTOS º 2º 3º 4º 5º 6º 7º (IA) H,0 3 Li 6,9 Na 23,0 9 K 39, 2 (IIA) 4 Be 9,0 2 Mg 24,3 3 (III B) 4 5 6 7 8 9 0 2 20 2 22 23 24 25 26 27 28 29 30 Ca Sc Ti V Cr

Leia mais

DRIFRAÇÃO DE RAIOS-X

DRIFRAÇÃO DE RAIOS-X DRIFRAÇÃO DE RAIOS-X Prof. Márcio Antônio Fiori Prof. Jacir Dal Magro O espectro eletromagnético luz visível raios-x microondas raios gama UV infravermelho ondas de rádio Comprimento de onda (nm) Absorção,

Leia mais

Maria da Penha P. Albuquerque, Linda V. Ehlin Caldas e Marcos Xavier

Maria da Penha P. Albuquerque, Linda V. Ehlin Caldas e Marcos Xavier UK DOSDfETJtOS CLÍRICOS FOE CGMPOHE1ITES J Maria da Penha P. Albuquerque, Linda V. Ehlin Caldas e Marcos Xavier RESUMp Constituídos por câmaras de ionização (dos tipos dedal e superficial) conectadas aos

Leia mais

CURSO II - PRÉ-CONGRESSO

CURSO II - PRÉ-CONGRESSO RUA DO ROSÁRIO, 135 4º ANDAR / CENTRO RIO DE JANEIRO / RJ CEP.: 20041-005 (21) 2224-2237 (31) 2224-3237 www.abebrasil.org.br 11º Congresso Mundial de Esterilização e 7 Edição do Simpósio Internacional

Leia mais

121,8 127,6 126,9 131,3. Sb Te I Xe. In Sn 69,7 72,6 74,9 79,0 79,9 83,8 112,4 107,9 85,5 87,6 88,9 91,2 92,9 95,9 (98) 101,1 102,9 106,4 140,1

121,8 127,6 126,9 131,3. Sb Te I Xe. In Sn 69,7 72,6 74,9 79,0 79,9 83,8 112,4 107,9 85,5 87,6 88,9 91,2 92,9 95,9 (98) 101,1 102,9 106,4 140,1 PROVA DE QUÍMICA º 2º 3º 4º 5º 6º 7º TABELA PERIÓDICA DOS ELEMENTOS (IA) H,0 3 Li 6,9 Na 23,0 9 K 39, 2 (IIA) 4 Be 9,0 2 Mg 24,3 3 (III B) 4 5 6 7 8 9 0 2 20 2 22 23 24 25 26 27 28 29 30 Ca Sc Ti V Cr

Leia mais

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1)

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) ANEXO I BICICLETA ESCOLAR Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) Assunto: Adesão à ata de registro de preços nº 70/2010 do pregão eletrônico nº 40/2010. 1 2 BICICLETA 20 - AC,

Leia mais