Carlos Alberto Reis de Freitas (1) Antonio Carlos Cunha Migliano (1) José Francisco Siqueira (2)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Carlos Alberto Reis de Freitas (1) Antonio Carlos Cunha Migliano (1) José Francisco Siqueira (2)"

Transcrição

1 28 de junho a 1º de julho de 2004 Curitiba-PR 1 CARACTERIZAÇÃO DO NÍVEL DE ABSORÇÃO DA RADIAÇÃO EM REVESTIMENTOS PLANOS Á BASE DE FERRITAS ELETROMAGNÉTICAS Mn- Zn MEDIDAS POR GUIAS DE ONDAS NA FAIXA DE 8-12 GHZ Carlos Alberto Reis de Freitas (1) Antonio Carlos Cunha Migliano (1) José Francisco Siqueira (2) (1)- Instituto de Estudos Avançados -IEAv/ CTA Rodovia dos Tamoios Km 5,5 Bairro Torrão de Ouro São José dos Campos-SP-cep (2) Instituto de Aeronáutica e Espaço-IAE/CTA Seção de ensaios -AEL Pça Mal Eduardo Gomes 50 São José dos Campos-SP-cep Resumo: Neste trabalho apresentam-se características de absorção da radiação eletromagnética em revestimentos planos a base de ferritas Mn-Zn, com base de resina epóxi alifática. A medida de refletividade foi realizada na faixa de freqüência de 8 a 12 GHz, visando o estudo de características de absorção da radiação eletromagnética usando a técnica da cavidade ressonante. Palavras Chave: ferritas Mn-Zn, cavidade ressonante, absorvedores de microondas.

2 28 de junho a 1º de julho de 2004 Curitiba-PR 2 I-INTRODUÇÃO Os aspectos eletromagnéticos de projeto de um material absorvedor de radiação eletromagnética são localizados, principalmente, sobre sua síntese com o arranjo dos materiais dielétricos e magnéticos que proporcionam um perfil de impedância especificado para uma determinada onda eletromagnética incidente. Desta forma, a evolução da tecnologia de produção desses materiais absorvedores está relacionada com o estudo de materiais e exploração de técnicas para obtenção de revestimentos com qualidade de absorção da radiação eletromagnética para uma faixa mais ampla do espectro (1-6). II-PROCESSO DE FABRICAÇÃO DO ADITIVO MN-ZN O processo de fabricação baseado na tecnologia do pó, utilizando a composição estequiométrica na Tabela I, do aditivo Mn-Zn consiste nas seguintes fases de acordo com a Figura 1. Logo após, a mistura é colocada em um moinho de bolas, com álcool ou acetona, durante um período de 48 horas, tendo então o produto final. Matéria prima: ZnO MgO Fe 2 O 3 Mistura do pó Resina Figura 1-Processo de fabricação

3 28 de junho a 1º de julho de 2004 Curitiba-PR 3 Tabela I Composição estequiométrica ZnO MnO Fe 2 O 3 25% 25% 50% III RESINA EPÓXI Os revestimentos absorvedores de única camada foram confeccionados com a mistura das amostras de ferritas com as resinas alifáticas da CIBA Performance Polymers Division Brasil. Basicamente, a matriz amorfa foi obtida com a mistura de resina flexibilizadora (GY 298), um diluente (DY3601), para controlar a dureza do sistema e garantir sua estabilidade com o tempo, e um agente de cura ou endurecedor (HY 840) conforme as formulações apresentadas na Tabela II. De acordo com a formulação da resina epóxi, será necessária a utilização da seguinte formulação conforme os dados da Tabela III. As misturas foram preparadas em fôrmas para confeccionar o corpo de prova com dimensões 2cmX3cmX4cm, a Figura 2. mostra o esquema de instrumentação a ser utilizada. Tabela II- Composição do adesivo Massa Hy 840 (g) Massa Dy 360 (g) Massa Gy 298 (g) 20% 33,5 % 46,5% Tabela III- Composição do corpo de prova Zn-Mn Ferrita Mn-Zn Adesivo 25 % 75%

4 28 de junho a 1º de julho de 2004 Curitiba-PR 4 IV-ENSAIOS DE MEDIDAS DE REFLETIVIDADES O objetivo é medir refletividade de uma camada de material aplicada sobre uma superfície metálica, comparando-se com a produzida por uma superfície limpa (referência). Sendo feito em guias de ondas retangulares operando no modo TE 1,0, 1 Figura 2 Esquema da instrumentação utilizando guias de ondas O método empregado na medição de absorção de microonda por parte do material é o da reflectometria em guias de ondas usando acoplamento direcional, o qual permite a varredura em freqüência dentro da faixa recomendada pelo fabricante. O guia de ondas é conveniente, já que se necessita apenas de amostras com as dimensões do guia, o que permite grande economia de material técnica de irradiação. A amostra de material é inserida no guia de onda conforme Figura 3.

5 28 de junho a 1º de julho de 2004 Curitiba-PR 5 Figura 3 Instrumentação para ensaio O principal dispositivo da montagem é o acoplador direcional de múltiplas fendas (faixa larga), que tem propriedade de separar sinais incidentes (sentido gerador-carga), do sinal refletido (sentido carga-gerador). Devido à propriedade deste dispositivo de acoplar energia para o guia secundário apenas na direção da onda incidente, com uma diretividade mínima de 40dB, é possível a realização de medidas de refletividade de amostras no interior do guia de ondas (6). O erro resultante da diretividade finita do acoplador é pequeno, e podendo ser desprezado, exceto em casos onde as reflexões sejam baixas (7). O gerador usado deve ter a função de varredura em freqüência, abrangendo a faixa desejada com um nivelamento interno, de modo que, o nível do sinal não se altere com a freqüência e com o tempo. Se o gerador empregado não possuir

6 28 de junho a 1º de julho de 2004 Curitiba-PR 6 atenuador eletrônico ou um atenuador muito preciso em ajuste de saída, é desejável que o atenuador colocado entre o adaptador e o acoplador direcional seja uma variável de precisão, pois, ao trocar-se uma amostra por outra, o nível de sinal deverá ser atenuado para evitar a exposição à radiação de microondas por parte dos operadores. Após a colocação de nova amostra no guia e da placa refletora, o nível de operação deve ser restabelecido. Na Figura 4 esta ilustrada a curva de absorção obtida pelo processo de medição. Figura 4- Curva de absorção do aditivo Mn-Zn

7 28 de junho a 1º de julho de 2004 Curitiba-PR 7 V- CONCLUSÕES Conforme ilustrado na Figura 4 conclui-se que as características de absorção seletiva de radiação eletromagnética no corpo de prova confeccionada à base de ferrita Mn-Zn têm nível de absorção médio, em torno de 10 db, na faixa de freqüência de 8 12 Ghz,. Tendo então, este valor equivalente a 98% de absorção da onda incidente, na freqüência de 12 GHZ. Porém, esta característica de absorção, que pode ser, ainda otimizada em função da porcentagem de volume do aditivo cerâmico Mn-Zn na composição do corpo de prova. Desta forma, foram estabelecidos parâmetros para otimizar a composição com objetivo de aumentar a eficiência de absorção, para melhorar o processo de fabricação de revestimentos utilizados como blindagem eletromagnética em aplicações aeroespaciais a base de ferrita Mn-Zn; e isto será observado em um próximo experimento. V-BIBLIOGRAFIA [1]Y. NAITO e K. SUETAKE. "Aplication of ferrite to electromagnetic wave absorbers its characteristics, IEEE Trans. MIT, vol 19,1,pp65-72, 1971 [2] KIM, S.S., S.B. JO, CHOI K.K., CHURM K.S.,"Complex permeability and permettivity and microwave absorption of ferrite-rubber composite in X-band frequencies" IEEE Trans. Mag, vol 27, pp ,1991. [3] CHIKAZUMI S., Physics of magnetism, John Wiley, New York 1964 [4] ALBERS-SCHOEMBERG, E. Ferrites for microwave circuits and digital computers. Journal of Application Physics v.25, p [5] STANDLEY, K.J.; PETERS, J. Ferromagnetic resonance in magnesiummanganese ferrite. Proceedings of the IEEE, v.104 B, 1957 p [6] SAKIOTIS, N.G.; CHAIT, H.N. Ferrites at microwaves. Proceedings of the. IRE, v.41, Jan p

8 28 de junho a 1º de julho de 2004 Curitiba-PR 8 [7] MIGLIANO, A. C. C., SILVA, F.S. et al., Caracterização experimental de tintas absorvedoras de radiação eletromagnética, In: 6 o CONGRESSO INTERNACIONAL DE TINTAS. 1999, São Paulo,.Anais... São Paulo, Vol. 2, setembro, pp Abstract In this work we present characteristics of electromagnetic radiation absorption in plane coatings made of Mn-Zn ferrites powder, in an epoxy resin matrix. The reflectivity measurements were made in the frequency range of 8 to 12 GHz using the resonant cavity technic. Keywords: ferrites Mn-Zn, resonant cavity, absorbers

DH 406A SISTEMA DE TREINAMENTO EM MICROONDAS. Descrição de componentes

DH 406A SISTEMA DE TREINAMENTO EM MICROONDAS. Descrição de componentes DH 406A SISTEMA DE TREINAMENTO EM MICROONDAS Descrição de componentes 2 1 INTRODUÇÃO O sistema de treinamento em microondas DH-0406A foi desenvolvido para permitir explorar experimentalmente alguns conceitos

Leia mais

Exemplo da Importância do Sistema Metrológico na Área de P&D

Exemplo da Importância do Sistema Metrológico na Área de P&D CENTRO TÉCNICO AEROESPACIAL INSTITUTO DE AERONÁUTICA E ESPAÇO entro Técnico Aerospacial CTA Instituto de Aeronáutica e Espaço Exemplo da Importância do Sistema Metrológico na Área de P&D Mirabel Cerqueira

Leia mais

5 Utilização de grafeno em domínio óptico

5 Utilização de grafeno em domínio óptico 84 5 Utilização de grafeno em domínio óptico 5.1 Introdução O presente capítulo descreve como o grafeno interage com o meio optico e destaca os procedimentos realizados para a introdução de grafeno em

Leia mais

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1.1 Introdução Consiste em um guia de onda cilíndrico, conforme ilustra a Figura 1, formado por núcleo de material dielétrico (em geral vidro de alta pureza),

Leia mais

3B SCIENTIFIC PHYSICS

3B SCIENTIFIC PHYSICS 3B SCIENTIFIC PHYSICS Conjunto para microondas 9,4 GHz (230 V, 50/60 Hz) Conjunto para microondas 10,5 GHz (115 V, 50/60 Hz) 1009950 (115 V, 50/60 Hz) 1009951 (230 V, 50/60 Hz) Instruções de operação 10/15

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EZEQUIEL F. LIMA ATERRAMENTO E BLINDAGEM

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EZEQUIEL F. LIMA ATERRAMENTO E BLINDAGEM GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EZEQUIEL F. LIMA ATERRAMENTO E BLINDAGEM Os sistemas de cabeamento estruturado foram desenvolvidos

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÕES DE SOFTWARE PARA ANÁLISE DO ESPECTRO SOLAR

DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÕES DE SOFTWARE PARA ANÁLISE DO ESPECTRO SOLAR ILHA SOLTEIRA XII Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 22 a 26 de agosto de 2005 - Ilha Solteira - SP Paper CRE05-MN12 DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÕES DE SOFTWARE PARA ANÁLISE DO ESPECTRO

Leia mais

TÍTULO: GERADOR DE MICROONDAS COM VÁLVULA MAGNETRON, COM CONTROLADOR PROGRAMAVÉL

TÍTULO: GERADOR DE MICROONDAS COM VÁLVULA MAGNETRON, COM CONTROLADOR PROGRAMAVÉL TÍTULO: GERADOR DE MICROONDAS COM VÁLVULA MAGNETRON, COM CONTROLADOR PROGRAMAVÉL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DO INSTITUTO

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS ONDAS ELETROMAGNÉTICAS E COMUNICAÇÃO

COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS ONDAS ELETROMAGNÉTICAS E COMUNICAÇÃO COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS À medida que uma onda se propaga, por mais intensa que seja a perturbação que lhe dá origem, uma parte da sua energia será absorvida pelo meio de propagação,

Leia mais

3. PCB de múltiplas camadas operando em altas freqüências.

3. PCB de múltiplas camadas operando em altas freqüências. 34 3. PCB de múltiplas camadas operando em altas freqüências. Ao longo do presente capítulo os substratos e condutores empregados em placas de circuito impresso, em taxas muito elevadas, serão introduzidos.

Leia mais

Medidas em microondas:

Medidas em microondas: Experiência 5 PTC-2440 LABORATÓRIO DE ANTENAS E MICROONDAS Medidas em microondas: comprimento de onda, freqüência, atenuação e impedância 2 L A B O R AT Ó R I O D E A N T E N A S E M I C R O O N D A S

Leia mais

Laboratório de Estrutura da Matéria I

Laboratório de Estrutura da Matéria I Laboratório de Estrutura da Matéria I Interferência e difração com microondas PRINCÍPIO E OBJETIVOS Fenômenos óticos de interferência e difração são investigados com uso de feixes de microondas e objetos

Leia mais

Caracterização de Materiais Absorvedores de Ondas Eletromagnéticas (MARE) - II

Caracterização de Materiais Absorvedores de Ondas Eletromagnéticas (MARE) - II Caracterização de Materiais Absorvedores de Ondas Eletromagnéticas (MARE) - II Esta série de tutoriais apresenta os Materiais Absorvedores de Radiação Eletromagnética (MARE), que são feitos com substâncias

Leia mais

Antena Escrito por André

Antena Escrito por André Antena Escrito por André Antenas A antena é um dispositivo passivo que emite ou recebe energia eletromagnéticas irradiada. Em comunicações radioelétricas é um dispositivo fundamental. Alcance de uma Antena

Leia mais

Autores: Roberto Okabe (1) e Debora S. Carvalho (2)

Autores: Roberto Okabe (1) e Debora S. Carvalho (2) A UTILIZAÇÃO DO GEORADAR (GPR) COMO FERRAMENTA DE ENSAIO NÃO DESTRUTIVO (END) PARA LOCALIZAÇÃO DA MANTA DE IMPERMEABILIZAÇÃO E VERIFICAÇÃO DA ESPESSURA DO CONCRETO NUM BLOCO TESTE Autores: Roberto Okabe

Leia mais

Ensaios Não Destrutivos

Ensaios Não Destrutivos Ensaios Não Destrutivos DEFINIÇÃO: Realizados sobre peças semi-acabadas ou acabadas, não prejudicam nem interferem a futura utilização das mesmas (no todo ou em parte). Em outras palavras, seriam aqueles

Leia mais

Separação de Isótopos de Terras Raras usando Laser. Nicolau A.S.Rodrigues Instituto de Estudos Avançados

Separação de Isótopos de Terras Raras usando Laser. Nicolau A.S.Rodrigues Instituto de Estudos Avançados Separação de Isótopos de Terras Raras usando Laser Nicolau A.S.Rodrigues Instituto de Estudos Avançados Roteiro 1. Motivação: - Isótopos: o que são porque um determinado isótopo é mais interessantes que

Leia mais

Neste capítulo trataremos das propriedades gerais de um laser, bem como das características de um laser a fibra de cavidades acopladas.

Neste capítulo trataremos das propriedades gerais de um laser, bem como das características de um laser a fibra de cavidades acopladas. 3 Laser a Fibra Neste capítulo trataremos das propriedades gerais de um laser, bem como das características de um laser a fibra de cavidades acopladas. 3.1 Propriedades Gerais A palavra LASER é um acrônimo

Leia mais

Design and Calibration of Electric Field Probe to the Frequency Range of 2 to 3 GHz

Design and Calibration of Electric Field Probe to the Frequency Range of 2 to 3 GHz Design and Calibration of Electric Field Probe to the Frequency Range of 2 to 3 GHz Catia Valdman, Maurício H. C. Dias e José C. A. Santos Abstract Two probes designed for electric field measurements were

Leia mais

B. A. Luciano 1, T. C. Batista 1, R. C. S. Freire 1, W. B. de Castro 1 e M. A. G. Camacho 2

B. A. Luciano 1, T. C. Batista 1, R. C. S. Freire 1, W. B. de Castro 1 e M. A. G. Camacho 2 MEDIÇÕES DAS PERDAS E DA CORRENTE DE EXCITAÇÃO EM TRANSFORMADORES MONOFÁSICOS DE BAIXA POTÊNCIA COM NÚCLEO DE LIGA AMORFA: ANTES E DEPOIS DO PROCESSO DE OXIDAÇÃO B. A. Luciano 1, T. C. Batista 1, R. C.

Leia mais

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

Leia mais

Absorção de Raios-X. Roteiro elaborado com base na documentação que acompanha o conjunto por: Máximo F. da Silveira UFRJ

Absorção de Raios-X. Roteiro elaborado com base na documentação que acompanha o conjunto por: Máximo F. da Silveira UFRJ Roteiro elaborado com base na documentação que acompanha o conjunto por: Máximo F. da Silveira UFRJ Tópicos relacionados Bremsstrahlung, radiação característica, espalhamento de Bragg, lei de absorção,

Leia mais

MEDIDA DA VELOCIDADE DE FASE DA LUZ EM LINHAS DE TRANSMISSÃO

MEDIDA DA VELOCIDADE DE FASE DA LUZ EM LINHAS DE TRANSMISSÃO XIX Simpósio Nacional de Ensino de Física SNEF 2011 Manaus, AM 1 MEDIDA DA VELOCIDADE DE FASE DA LUZ EM LINHAS DE TRANSMISSÃO Walter S. Santos 1, Darlan O. S. Gomes 2, Antonio Carlos F. Santos 3, Carlos

Leia mais

PROCESSO INCENTIVADO POR MICRO-ONDAS PARA A PRODUÇÃO DE FTALATO DE DI-2-ETILHEXILA

PROCESSO INCENTIVADO POR MICRO-ONDAS PARA A PRODUÇÃO DE FTALATO DE DI-2-ETILHEXILA PROCESSO INCENTIVADO POR MICRO-ONDAS PARA A PRODUÇÃO DE FTALATO DE DI-2-ETILHEXILA Gabriel Quelli Trevisan Przysiezny 1 ; Luiz Alberto Jermolovicius 2 1 Aluno de Iniciação Científica da Escola de Engenharia

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 60, de 06 de agosto de 2015 D.O.U de 07/08/2015

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 60, de 06 de agosto de 2015 D.O.U de 07/08/2015 Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 60, de 06 de agosto de 2015 D.O.U de 07/08/2015 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais

Transmissão em Fibra Óptica de Sinais Radar Gerados pelo Simulador de Ameaças TS100+Excalibur

Transmissão em Fibra Óptica de Sinais Radar Gerados pelo Simulador de Ameaças TS100+Excalibur Transmissão em Fibra Óptica de Sinais Radar Gerados pelo Simulador de Ameaças TS100+Excalibur *Olympio L Coutinho, *Carla de Sousa Martins, *Felipe S. Ivo **Vilson R. Almeida, *José Edimar B. Oliveira

Leia mais

ONDAS MECÂNICAS, ONDA ELETROMAGNETICA E ÓPTICA FÍSICA

ONDAS MECÂNICAS, ONDA ELETROMAGNETICA E ÓPTICA FÍSICA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA, CAMPUS DE JI-PARANÁ, DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL DE JI-PARANÁ DEFIJI 1 SEMESTRE 2013-2 ONDAS MECÂNICAS, ONDA ELETROMAGNETICA E ÓPTICA FÍSICA Prof. Robinson

Leia mais

Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa

Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa O que é Sensoriamento Remoto? Utilização conjunta de sensores, equipamentos

Leia mais

AUMENTO DO EFEITO ESTUFA ATRAVÉS DO USO DE FILMES EM SUPERFÍCIES DE VIDRO

AUMENTO DO EFEITO ESTUFA ATRAVÉS DO USO DE FILMES EM SUPERFÍCIES DE VIDRO AUMENTO DO EFEITO ESTUFA ATRAVÉS DO USO DE FILMES EM SUPERFÍCIES DE VIDRO Silvio Romero de Melo Manoel Leonel de Oliveira Neto George Santos Marinho Programa de Pós Graduação em Engenharia Mecânica CT

Leia mais

3 Espectroscopia no Infravermelho 3.1. Princípios Básicos

3 Espectroscopia no Infravermelho 3.1. Princípios Básicos 3 Espectroscopia no Infravermelho 3.1. Princípios Básicos A espectroscopia estuda a interação da radiação eletromagnética com a matéria, sendo um dos seus principais objetivos o estudo dos níveis de energia

Leia mais

Teste da eficiencia da película protetora (insulfilm) em veículos automotores

Teste da eficiencia da película protetora (insulfilm) em veículos automotores F 609A Tópicos de Ensino de Física Teste da eficiencia da película protetora (insulfilm) em veículos automotores Aluno: Bruno Gomes Ribeiro RA: 059341 onurbrj@hotmail.com Orientador: Professor Doutor Flavio

Leia mais

Estudos Iniciais do Sistema didático para análise de sinais no domínio da frequência DSA-PC: tipos de janelas temporais.

Estudos Iniciais do Sistema didático para análise de sinais no domínio da frequência DSA-PC: tipos de janelas temporais. Estudos Iniciais do Sistema didático para análise de sinais no domínio da frequência DSA-PC: tipos de janelas temporais. Patricia Alves Machado Telecomunicações, Instituto Federal de Santa Catarina machadopatriciaa@gmail.com

Leia mais

TEORIA INFRAVERMELHO

TEORIA INFRAVERMELHO TEORIA INFRAVERMELHO Irradiação ou radiação térmica é a propagação de ondas eletromagnética emitida por um corpo em equilíbrio térmico causada pela temperatura do mesmo. A irradiação térmica é uma forma

Leia mais

UMA EXPERIÊNCIA BEM SUCEDIDA NO ENSINO DE ANTENAS

UMA EXPERIÊNCIA BEM SUCEDIDA NO ENSINO DE ANTENAS UMA EXPERIÊNCIA BEM SUCEDIDA NO ENSINO DE ANTENAS Adaildo Gomes d Assunção, Dr. Sandro Gonçalves da Silva, M.Sc. Universidade Federal do Rio Grande do Norte Caixa Postal 1655 59072-970 Natal, RN Tel./Fax:

Leia mais

defi departamento de física www.defi.isep.ipp.pt

defi departamento de física www.defi.isep.ipp.pt defi departamento de física Laboratórios de Física www.defi.isep.ipp.pt Estudo de micro-ondas I Instituto Superior de Engenharia do Porto Departamento de Física Rua Dr. António Bernardino de Almeida, 431

Leia mais

Medidas de Refletividade de Materiais Absorvedores de Radiação Eletromagnética Usando as Técnicas RCS e NRL

Medidas de Refletividade de Materiais Absorvedores de Radiação Eletromagnética Usando as Técnicas RCS e NRL 30 Revista de Física Aplicada e Instrumentação, vol. 16, no. 1, Março, 2003 Medidas de Refletividade de Materiais Absorvedores de Radiação Eletromagnética Usando as Técnicas RCS e NRL Mirabel Cerqueira

Leia mais

Projeto: Formas Diferenciais Aplicadas a Problemas Eletrostáticos e Magnetostáticos

Projeto: Formas Diferenciais Aplicadas a Problemas Eletrostáticos e Magnetostáticos Área: ENGENHARIAS E CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Projeto: Formas Diferenciais Aplicadas a Problemas Eletrostáticos e Magnetostáticos Autores: NOME DO BOLSISTA: CAIO SALAZAR ALMEIDA NAZARETH - BIC/UFJF NOME DO

Leia mais

Ensaios Não Destrutivos

Ensaios Não Destrutivos Ensaios Não Destrutivos Ensaio Radiográfico O Ensaio Radiográfico Peça Filme Introdução de radiação na peça, que é absorvida diferencialmente quando ocorrem variações de densidade, espessura ou composição

Leia mais

Obtenção (Polimerização) de compósito polimérico por feixe de elétrons

Obtenção (Polimerização) de compósito polimérico por feixe de elétrons Obtenção (Polimerização) de compósito polimérico por feixe de elétrons Maria Cecília Evora, Delmo Nishitsuji, Dr.Gerson Marinucci Dr. Leonardo Gondim de Andrade e Silva Objetivo Pesquisar e desenvolver

Leia mais

Vazão em Silos Umidade Densidade Concentração

Vazão em Silos Umidade Densidade Concentração Vazão em Silos Umidade Densidade Concentração Vazão em Silos Escalas Radiométricas para Silos são instrumentos sem contato e nãointrusivos. Eles usam o método de medição por atenuação quando uma fonte

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas Instituto de Física Gleb Wataghin. Medida do comprimento de onda das ondas de rádio

Universidade Estadual de Campinas Instituto de Física Gleb Wataghin. Medida do comprimento de onda das ondas de rádio Universidade Estadual de Campinas Instituto de Física Gleb Wataghin Medida do comprimento de onda das ondas de rádio Aluna: Laura Rigolo Orientador: Prof. Dr. Pedro C. de Holanda Coordenador Prof. Dr.

Leia mais

ENSINO DE MICROONDAS NO SÉCULO XXI

ENSINO DE MICROONDAS NO SÉCULO XXI ENSINO DE MICROONDAS NO SÉCULO XXI Ricardo Rhomberg Martins - ricardo@del.ufrj.br Depto de Eng Eletrônica e de Computação da Escola Politécnica da UFRJ Centro de Tecnologia, Bloco H, sala 200, ilha do

Leia mais

SIMULAÇÕES PELO MÉTODO DE ELEMENTOS FINITOS DA ESFERA DO DETECTOR MARIO SCHENBERG

SIMULAÇÕES PELO MÉTODO DE ELEMENTOS FINITOS DA ESFERA DO DETECTOR MARIO SCHENBERG SIMULAÇÕES PELO MÉTODO DE ELEMENTOS FINITOS DA ESFERA DO DETECTOR MARIO SCHENBERG Carlos Frajuca 1 Fábio da Silva Bortoli 2 Nadja Simão Magalhães 3 Está sendo montado no Instituto de Física da Universidade

Leia mais

Um Método Simples e Eficiente para Detecção de Atividade de Voz Usando a Transformada Wavelet

Um Método Simples e Eficiente para Detecção de Atividade de Voz Usando a Transformada Wavelet Anais do CNMAC v.2 ISSN 984-82X Um Método Simples e Eficiente para de Atividade de Voz Usando a Transformada Wavelet Marco A. Q. Duarte Curso de Matemática, UUC, UEMS 7954-, Cassilândia, MS E-mail: marco@uems.br

Leia mais

Capítulo 3: A CAMADA FÍSICA

Capítulo 3: A CAMADA FÍSICA Capítulo 3: A CAMADA FÍSICA PCS 2476 Introdução - 1 Meios Físicos e Suas Características PCS 2476 Introdução - 2 Linhas Físicas Linhas Bifilares Par de fios Cabo de Pares Linha Aberta Linha de Alta Tensão

Leia mais

Comunicação sem fio - antenas

Comunicação sem fio - antenas Comunicação sem fio - antenas Antena é um condutor elétrico ou um sistema de condutores Necessário para a transmissão e a recepção de sinais através do ar Na transmissão Antena converte energia elétrica

Leia mais

Antena Dipolo Planar. Christian Pinheiro Garcias. É Engenheiro de Telecomunicações pelo Instituto de Estudos Superiores da Amazônia (IESAM, 2007).

Antena Dipolo Planar. Christian Pinheiro Garcias. É Engenheiro de Telecomunicações pelo Instituto de Estudos Superiores da Amazônia (IESAM, 2007). Antena Dipolo Planar O conteúdo deste tutorial foi obtido do artigo de autoria do Christian Pinheiro Garcias, do Edson dos Santos Souza e do Jean Almeida Cordeiro para a etapa de classificação do III Concurso

Leia mais

3 Metodologia de calibração proposta

3 Metodologia de calibração proposta Metodologia de calibração proposta 49 3 Metodologia de calibração proposta A metodologia tradicional de calibração direta, novamente ilustrada na Figura 22, apresenta uma série de dificuldades e limitações,

Leia mais

Reciclagem do Lodo da Estação de Tratamento de Efluentes de uma Indústria de Revestimentos Cerâmicos. Parte 2: Ensaios Industriais

Reciclagem do Lodo da Estação de Tratamento de Efluentes de uma Indústria de Revestimentos Cerâmicos. Parte 2: Ensaios Industriais Reciclagem do Lodo da Estação de Tratamento de Efluentes de uma Indústria de Revestimentos Cerâmicos. Parte 2: Ensaios Industriais P.F. Fernandes 1,2, A.P.N. Oliveira 2,3, D. Hotza 1,2 1 Universidade Federal

Leia mais

Linhas de transmissão

Linhas de transmissão Linhas de transmissão 1 - Introdução Linha de transmissão é um termo genérico utilizado para referenciar qualquer tipo de meio físico construído para transmissões de sinais elétricos ou óticos. No setor

Leia mais

DIFRAÇÃO DE RAIOS X DRX

DIFRAÇÃO DE RAIOS X DRX DIFRAÇÃO DE RAIOS X DRX O espectro eletromagnético luz visível raios-x microondas raios gama UV infravermelho ondas de rádio Comprimento de onda (nm) Raios Absorção, um fóton de energia é absorvido promovendo

Leia mais

Risco de perda de dados chave nos links backhaul de polarização dupla

Risco de perda de dados chave nos links backhaul de polarização dupla Documento técnico Risco de perda de dados chave nos links backhaul de polarização dupla Introdução O uso da dupla polarização não é nada novo no campo dos rádios de microondas e é frequente nos sistemas

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE DETECTORES DE POTÊNCIA E APLICAÇÃO EM INSTRUMENTAÇÃO PARA MICRO-ONDAS

CARACTERIZAÇÃO DE DETECTORES DE POTÊNCIA E APLICAÇÃO EM INSTRUMENTAÇÃO PARA MICRO-ONDAS CARACTERIZAÇÃO DE DETECTORES DE POTÊNCIA E APLICAÇÃO EM INSTRUMENTAÇÃO PARA MICRO-ONDAS Paulo Henrique Rinaldi 1 ; Eduardo Victor dos Santos Pouzada 2 1 Aluno de Iniciação Científica da Escola de Engenharia

Leia mais

Soluções Industriais do Projeto a Execução

Soluções Industriais do Projeto a Execução A Teoria Engenharia Acústica Ltda. é uma empresa que atua há mais de dez anos no mercado brasileiro disponibilizando a seus clientes soluções concebidas com a utilização de bases teóricas e sólidas e moderna

Leia mais

4. Montagem Experimental

4. Montagem Experimental 4. Montagem Experimental Este capítulo está dividido em duas partes. A primeira consiste na descrição do montagem experimental para se obter o ganho Raman e a segunda consiste na descrição do montagem

Leia mais

Realizando o ensaio de ultra-som

Realizando o ensaio de ultra-som Realizando o ensaio de ultra-som A UU L AL A Na aula anterior, você ficou sabendo que o ultra-som é uma onda mecânica que se propaga de uma fonte emissora até uma fonte receptora, através de um meio físico.

Leia mais

Cabeamento Óptico 14/03/2014. Vantagens de utilização. Noções Ópticas. Vantagens de utilização. Sistema de comunicação Fibra. Funcionamento da Fibra

Cabeamento Óptico 14/03/2014. Vantagens de utilização. Noções Ópticas. Vantagens de utilização. Sistema de comunicação Fibra. Funcionamento da Fibra Cabeamento Óptico Fundamentos de Redes de Computadores Prof. Marcel Santos Silva Vantagens de utilização Total imunidade às interferências eletromagnéticas; Dimensões reduzidas; Maior segurança no tráfego

Leia mais

Teoria das Descargas Parciais

Teoria das Descargas Parciais Teoria das Descargas Parciais Quando uma tensão é aplicada aos terminais de um equipamento elétrico que possui isolamento elétrico (dielétricos - ar, SF 6, óleo isolante, fenolite, resinas, vidros, etc.)

Leia mais

16 Congresso de Iniciação Científica DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA PARA MONITORAMENTO DE DADOS EM HSM (HIGH SPEED MACHINING)

16 Congresso de Iniciação Científica DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA PARA MONITORAMENTO DE DADOS EM HSM (HIGH SPEED MACHINING) 16 Congresso de Iniciação Científica DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA PARA MONITORAMENTO DE DADOS EM HSM (HIGH SPEED MACHINING) Autor(es) OLIVEIRO LEUTWILER NETO Orientador(es) KLAUS SCHüTZER Apoio Financeiro

Leia mais

Espectroscopia Óptica Instrumentação e Aplicações. CQ122 Química Analítica Instrumental II 2º sem. 2014 Prof. Claudio Antonio Tonegutti

Espectroscopia Óptica Instrumentação e Aplicações. CQ122 Química Analítica Instrumental II 2º sem. 2014 Prof. Claudio Antonio Tonegutti Espectroscopia Óptica Instrumentação e Aplicações CQ122 Química Analítica Instrumental II 2º sem. 2014 Prof. Claudio Antonio Tonegutti Classificação dos métodos de análises quantitativas Determinação direta

Leia mais

INSPEÇÃO DE TUBOS DE TROCADORES DE CALOR E DE CALDEIRAS COM AS TÉCNICAS IRIS E CAMPO REMOTO CONJUGADAS

INSPEÇÃO DE TUBOS DE TROCADORES DE CALOR E DE CALDEIRAS COM AS TÉCNICAS IRIS E CAMPO REMOTO CONJUGADAS INSPEÇÃO DE TUBOS DE TROCADORES DE CALOR E DE CALDEIRAS COM AS TÉCNICAS IRIS E CAMPO REMOTO CONJUGADAS Marcos Alberto da Silva Figueredo SGS DO BRASIL LTDA. Trabalho apresentado na 6a COTEQ Conferência

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1 INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1.1 - Instrumentação Importância Medições experimentais ou de laboratório. Medições em produtos comerciais com outra finalidade principal. 1.2 - Transdutores

Leia mais

1.3. Na figura 2 estão representados três excertos, de três situações distintas, de linhas de campo magnético. Seleccione a opção correcta.

1.3. Na figura 2 estão representados três excertos, de três situações distintas, de linhas de campo magnético. Seleccione a opção correcta. Escola Secundária Vitorino Nemésio Terceiro teste de avaliação de conhecimentos de Física e Química A Componente de Física 11º Ano de Escolaridade Turma C 13 de Fevereiro de 2008 Nome: Nº Classificação:

Leia mais

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DE SENSORES PARA UMA SELADORA AUTOMATICA DE TABULEIROS DE DAMAS

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DE SENSORES PARA UMA SELADORA AUTOMATICA DE TABULEIROS DE DAMAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: UTILIZAÇÃO DE SENSORES PARA UMA SELADORA AUTOMATICA DE TABULEIROS DE DAMAS CATEGORIA: CONCLUÍDO

Leia mais

5 - Antenas LINHAS DE TRANSMISSÃO. Antenas, Cabos e Rádio-Enlace. Componentes essenciais para uma comunicação Wireless ONDAS ELETROMAGNÉTICAS -OEM-

5 - Antenas LINHAS DE TRANSMISSÃO. Antenas, Cabos e Rádio-Enlace. Componentes essenciais para uma comunicação Wireless ONDAS ELETROMAGNÉTICAS -OEM- Antenas, Cabos e Rádio-Enlace Componentes essenciais para uma comunicação Wireless Uso permitido por Luciano Valente Franz luciano@computech.com.br Rádio Transmissor (Tx) Linha de Transmissão (LT) Antena

Leia mais

Demonstrações de Reflexão Total Interna para Alunos do Segundo Grau

Demonstrações de Reflexão Total Interna para Alunos do Segundo Grau 296 Revista Brasileira de Ensino de Física vol. 20, no. 3, Setembro, 1998 Demonstrações de Reflexão Total Interna para Alunos do Segundo Grau (Demonstration of total internal reflection for high school

Leia mais

Redes de Computadores sem Fio

Redes de Computadores sem Fio Redes de Computadores sem Fio Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Programa Introdução

Leia mais

TE-281 Modelagem Numérica Aplicada à Nanofotônica Aula 01 22 FEV 2016. RESUMO: Miscelânea Motivação

TE-281 Modelagem Numérica Aplicada à Nanofotônica Aula 01 22 FEV 2016. RESUMO: Miscelânea Motivação TE-281 Modelagem Numérica Aplicada à Nanofotônica Aula 01 22 FEV 2016 RESUMO: Miscelânea Motivação TE-281 Modelagem Numérica Aplicada à Nanofotônica Prof. VILSON Rosa de Almeida MOTIVAÇÃO GERAL (NANOFOTÔNICA):

Leia mais

ESTUDO INICIAL DO MAGNETÔMETRO DE AMOSTRA VIBRANTE. Allan Alves Machado¹; Álvaro Santos Alves²

ESTUDO INICIAL DO MAGNETÔMETRO DE AMOSTRA VIBRANTE. Allan Alves Machado¹; Álvaro Santos Alves² ESTUDO INICIAL DO MAGNETÔMETRO DE AMOSTRA VIBRANTE. Allan Alves Machado¹; Álvaro Santos Alves² 1. Bolsista FAPESB/UEFS, Graduando em Física, Universidade Estadual de Feira de Santana, e-mail: allanalvesboy@hotmail.com

Leia mais

Fibras Ópticas Medição da abertura numérica de uma fibra óptica multimodo

Fibras Ópticas Medição da abertura numérica de uma fibra óptica multimodo Fibras Ópticas Medição da abertura numérica de uma fibra óptica multimodo Equipamento: * Mesa óptica * Fibra multimodo, 50/125 µm * Laser de He-Ne * Microscópio * Multímetro óptico * Cortador de fibra

Leia mais

PROJETO DE DIMENSIONAMENTO DE ENLACE DE RÁDIO

PROJETO DE DIMENSIONAMENTO DE ENLACE DE RÁDIO PROJETO DE DIMENSIONAMENTO DE ENLACE DE RÁDIO Diego de Brito Piau, Gilberto Arantes Carrijo Universidade Federal de Uberlândia, Faculdade de Engenharia Elétrica, Uberlândia-MG diegopiau@yahoo.com.br, gilberto@ufu.br

Leia mais

QUI346 ESPECTROFOTOMETRIA

QUI346 ESPECTROFOTOMETRIA QUI346 ESPECTROFOTOMETRIA ABSORÇÃO FOTOQUÍMICA 3ª Parte A INSTRUMENTAÇÃO 07/10/2013 Mauricio X. Coutrim ESPECTRO DE ABSORÇÃO A energia absorvida por um fóton é igual à diferença entre as energias do estado

Leia mais

Aula Prática 1. Análise de Difração de Raios X (DRX) Centro de Engenharia Modelagem e Ciências Sociais Aplicadas

Aula Prática 1. Análise de Difração de Raios X (DRX) Centro de Engenharia Modelagem e Ciências Sociais Aplicadas Aula Prática 1 Análise de Difração de Raios X (DRX) Centro de Engenharia Modelagem e Ciências Sociais Aplicadas Raios-X Raios-X são uma forma de radiação eletromagnética com alta energia e pequeno comprimento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III Distribuição de Potencial e Campo Elétrico Conceitos: Potencial e Campo Elétricos Equipotenciais e

Leia mais

Telefonia Celular. Renato Machado

Telefonia Celular. Renato Machado Renato Machado UFSM - Universidade Federal de Santa Maria DELC - Departamento de Eletrônica e Computação renatomachado@ieee.org renatomachado@ufsm.br 23 de Setembro de 2011 Sumário 1 2 3 Fórmula de Friis

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS TÉCNICAS DE MICROONDAS

INTRODUÇÃO ÀS TÉCNICAS DE MICROONDAS UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE FÍSICA DE SÃO CARLOS LABORATÓRIO AVANÇADO DE FÍSICA INTRODUÇÃO ÀS TÉCNICAS DE MICROONDAS O termo microondas é aplicado a radiações eletromagnéticas dentro do espectro

Leia mais

TE155-Redes de Acesso sem Fios Antenas. Antenas

TE155-Redes de Acesso sem Fios Antenas. Antenas Antenas Antenas Ewaldo LuIz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@ufpr.br Antenas Ondas Eletromagnéticas Linha e Antena Cálculos em db / dbi Antenas para

Leia mais

Antena omni vs. antena direcional

Antena omni vs. antena direcional Antena omni vs. antena direcional Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Definições básicas e conceitos da antena Efeitos internos Prós e contras da antena Omni Prós

Leia mais

Identificação por Dispositivos de Radiofrequência - RFID -

Identificação por Dispositivos de Radiofrequência - RFID - Identificação por Dispositivos de Radiofrequência - RFID - Os dispositivos de identificação por meio de rádio frequência têm atingido já desde alguns anos um estado de difusão aplicacional e comercial

Leia mais

2015 Dr. Walter F. de Azevedo Jr. Lei de Bragg e Espaço Recíproco

2015 Dr. Walter F. de Azevedo Jr. Lei de Bragg e Espaço Recíproco 2015 Dr. Walter F. de Azevedo Jr. 000000000000000000000000000000000000000 000000000000000000000000000000000000000 000000000000111111111110001100000000000 000000000001111111111111111111000000001 000000000111111111111111111111111000000

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE INSTRUMENTAÇÃO F 530 BALANÇA A BASE DE PIEZOELÉTRICOS

RELATÓRIO FINAL DE INSTRUMENTAÇÃO F 530 BALANÇA A BASE DE PIEZOELÉTRICOS RELATÓRIO FINAL DE INSTRUMENTAÇÃO F 530 BALANÇA A BASE DE PIEZOELÉTRICOS Aluna: Thais Moreno Casagrande RA:025245 Orientador: Prof. Juan Carlos P. Campoy Prof. Responsável: Dr. José Joaquim Lunazzi IFGW/UNICAMP

Leia mais

2 Deposição por PVD. 2.1. Introdução. 2.2. Processos de erosão

2 Deposição por PVD. 2.1. Introdução. 2.2. Processos de erosão 2 Deposição por PVD 2.1. Introdução Pretendemos fazer uma pequena revisão da física da erosão induzida por íons energéticos (sputtering), os processos físicos que acontecem nas interações na superfície

Leia mais

Objetivos. Medição em Máquinas Rotativas. Avaliação Dielétrica Set 2012. de Equipamentos de Alta Tensão com base nas Descargas Parciais

Objetivos. Medição em Máquinas Rotativas. Avaliação Dielétrica Set 2012. de Equipamentos de Alta Tensão com base nas Descargas Parciais Centro de Pesquisas de Energia Elétrica Avaliação Dielétrica de Equipamentos de Alta Tensão com base nas Descargas Parciais Medição em Máquinas Rotativas Apresentador: Alain F. S. Levy Objetivos A medição

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA. Plano de Ensino

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA. Plano de Ensino DISCIPLINA: Teoria Eletromagnética. CÓDIGO: MEE007 Validade: Carga Horária: 45 horas-aula Créditos: 03 Área de Concentração / Módulo: Sistemas Elétricos / Formação Básica Ementa: Análise Vetorial. Equações

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: A manutenção preditiva é a primeira grande quebra de paradigma nos tipos de manutenção. No Brasil a aplicação é pequena apenas

Leia mais

Incorporação de Embalagens Pós-Consumo de Poliestireno Expandido (EPS) na Produção de Blocos de Concreto

Incorporação de Embalagens Pós-Consumo de Poliestireno Expandido (EPS) na Produção de Blocos de Concreto Incorporação de Embalagens Pós-Consumo de Poliestireno Expandido (EPS) na Produção de Blocos de Concreto CASTRO, M. V. a, ANTUNES, M. L. P. a* a. UNESP, Campus Sorocaba, NATEL Núcleo de Automação e Tecnologias

Leia mais

Sensores Ultrasônicos

Sensores Ultrasônicos Sensores Ultrasônicos Introdução A maioria dos transdutores de ultra-som utiliza materiais piezelétricos para converter energia elétrica em mecânica e vice-versa. Um transdutor de Ultra-som é basicamente

Leia mais

Departamento de Física da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Física Experimental (Engenharia Informática)-1º.

Departamento de Física da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Física Experimental (Engenharia Informática)-1º. Trabalho 8 - Estudo da propagação de ondas electromagnéticas num cabo coaxial 1. Objectivos: Compreender o funcionamento de um cabo coaxial como um guia de ondas electromagnéticas; Reconhecer a importância

Leia mais

Monowave 300. Sínteses por Microondas Para Pesquisa e Desenvolvimento. ::: Excellence in Microwave Synthesis

Monowave 300. Sínteses por Microondas Para Pesquisa e Desenvolvimento. ::: Excellence in Microwave Synthesis Monowave 300 Sínteses por Microondas Para Pesquisa e Desenvolvimento ::: Excellence in Microwave Synthesis Sínteses O Monowave 300 fornece uma abordagem completamente nova e sofisticada para síntese por

Leia mais

Programa de Unidade Curricular

Programa de Unidade Curricular Programa de Unidade Curricular Faculdade Engenharia Licenciatura Engenharia Electrónica e Informática Unidade Curricular Electrónica de Interface Semestre: 4 Nº ECTS: 6,0 Regente Pedro Miguel Pinto Reis

Leia mais

Identificação de materiais radioativos pelo método de espectrometria de fótons com detector cintilador

Identificação de materiais radioativos pelo método de espectrometria de fótons com detector cintilador Identificação de materiais radioativos pelo método de espectrometria de fótons com detector cintilador 1. Introdução Identificar um material ou agente radiológico é de grande importância para as diversas

Leia mais

3 Configurações para realização do transformador de impedância em linha de transmissão planar 3.1.Introdução

3 Configurações para realização do transformador de impedância em linha de transmissão planar 3.1.Introdução 3 Configurações para realização do transformador de impedância em linha de 3.1.Introdução Neste capítulo serão apresentadas diversas configurações que possibil itam a realização do transformador de impedância

Leia mais

ELETRICIDADE BÁSICA ROTEIRO DA EXPERIÊNCIA 05 OSCILOSCÓPIO

ELETRICIDADE BÁSICA ROTEIRO DA EXPERIÊNCIA 05 OSCILOSCÓPIO ELETRICIDADE BÁSICA ROTEIRO DA EXPERIÊNCIA 05 OSCILOSCÓPIO 1 Introdução O osciloscópio é basicamente um dispositivo de visualização gráfico que mostra sinais elétricos no tempo. O osciloscópio pode ser

Leia mais

INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA FINAL DE TÊMPERA DO AÇO SAE 52100 TEMPERADO EM BANHO DE SAL NA FORMAÇÃO DE AUSTENITA RETIDA

INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA FINAL DE TÊMPERA DO AÇO SAE 52100 TEMPERADO EM BANHO DE SAL NA FORMAÇÃO DE AUSTENITA RETIDA 1 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI NADIR DIAS DE FIGUEIREDO ALEXANDRE PASCHOALIN ANDERSON LUÍS JACINTHO INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA FINAL DE TÊMPERA DO AÇO SAE 52100 TEMPERADO EM BANHO DE SAL NA FORMAÇÃO DE

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS

IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Ciência e Tecnologia dos Materiais IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS Prof.Dra Vanessa Silveira Silva 1 IMPORTÂNCIA DA CURA

Leia mais

Testando Nanotubos de Carbono : Sensores de Gás

Testando Nanotubos de Carbono : Sensores de Gás 5 Testando Nanotubos de Carbono : Sensores de Gás Nos últimos anos a investigação da estrutura eletrônica de nanotubos de carbono têm atraído crescente interesse, e recentemente a síntese de nanotubos

Leia mais

Caderno de projetos para blindagens de ressonância magnética

Caderno de projetos para blindagens de ressonância magnética Caderno de projetos para blindagens de ressonância magnética A blindagem de ressonância magnética é um componente fundamental para o bom funcionamento do complexo sistema de ressonância magnética (MRI).

Leia mais

ANTENAS PLANARES INTEGRADAS COM FSSs PARA APLICAÇÕES EM SISTEMAS DE COMUNICAÇÕES SEM FIO RICARDO CÉSAR DE OLIVEIRA MOREIRA

ANTENAS PLANARES INTEGRADAS COM FSSs PARA APLICAÇÕES EM SISTEMAS DE COMUNICAÇÕES SEM FIO RICARDO CÉSAR DE OLIVEIRA MOREIRA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA ANTENAS PLANARES INTEGRADAS COM FSSs PARA APLICAÇÕES EM SISTEMAS DE COMUNICAÇÕES SEM FIO

Leia mais

Aluno: Lucas Romano Muniz RA: 009166 Orientador: Prof. Dr. Ivan Emilio Chambouleyron

Aluno: Lucas Romano Muniz RA: 009166 Orientador: Prof. Dr. Ivan Emilio Chambouleyron Universidade Estadual de Campinas Instituto de Física Gleb Wataghin Relatório Final Aperfeiçoamento do Experimento de Caracterização de Filmes Finos Semicondutores Aluno: Lucas Romano Muniz RA: 009166

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS bits CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS I bloco codificador 1 codificador mapeador oscilador de canal de símbolo B/2 Q bloco 2 bloco 3 3 CDA antena amplificador bloco 4 CDA: conversor digital para analógico A figura

Leia mais