COMPARAÇÃO DA CURVA DE RENDIMENTO DE UM APARELHO DE RAIOS X PEDIÁTRICO UTILIZANDO DOSÍMETROS TERMOLUMINESCENTES E CÂMARADE IONIZAÇÃO CILÍNDRICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMPARAÇÃO DA CURVA DE RENDIMENTO DE UM APARELHO DE RAIOS X PEDIÁTRICO UTILIZANDO DOSÍMETROS TERMOLUMINESCENTES E CÂMARADE IONIZAÇÃO CILÍNDRICA"

Transcrição

1 Internationaljoint Conference RADIO 2014 Gramado, RS, Brazil, Augustl 26-29, 2014 SOCIEDADEBRASILEIRA DEPROTEÇÃO RADIOLÕGICA - SBPR COMPARAÇÃO DA CURVA DE RENDIMENTO DE UM APARELHO DE RAIOS X PEDIÁTRICO UTILIZANDO DOSÍMETROS TERMOLUMINESCENTES E CÂMARADE IONIZAÇÃO CILÍNDRICA Danielle Filipov ', Hugo R. Schelin, João G. Tilly Jr. 1 Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) Av. Sete de Setembro, n Rebouças Curitiba, PR diilipov( >,utfpr.edu.br 2 Instituto de Pesquisa Pelé Pequeno Príncipe Av. Silva Jardim, n Água Verde Curitiba, PR ledesmaiorgealberto( >, gmail.com 3 Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná (HC-UFPR) Rua General Carneiro, n Centro Curitiba, PR ioao.tillvfsjderax. com.br RESUMO A determinação da curva de rendimento de um aparelho radiológico deve ser realizada uma vez ao ano, ou quando o aparelho passar por manutenção. Além de ser uma exigência da ANVISA, através deste teste é possível se determinar o kerma incidente no ar (em um determinado ponto no centro do feixe) - INAK. Baseando-se nesses conceitos, o objetivo principal deste trabalho é apresentar a comparação das curvas de rendimento de um mesmo aparelho de raios X pediátrico utilizando dois diferentes tipos de detectores: uma câmara de ionização cilíndrica e dosímetros termoluminescentes do tipo LiF:Mg,Cu,P, conforme o protocolo RLA/9/057 da IAEA. Em seguida, a equação da curva de rendimento (gerada por cada detector) foi utilizada para se determinar o INAK de 10 exames pediátricos, realizados neste equipamento. Após o processo de calibração de ambos os detectores, os mesmos foram posicionados, lado a lado, a um metro do foco do equipamento, para a determinação da curva de rendimento do mesmo. Por fim, através das curvas, geradas pelos dois detectores, os valores de INAK dos 10 exames foram calculados (a partir dos valores de, mas e distância foco-paciente de cada exame), o que gerou valores com diferenças de, no máximo, 5%. Como conclusão, pode-se dizer que os TLDs de fluoreto de lítio dopados com Mg, Cu e P e a câmara de ionização cilíndrica podem ser utilizados, de forma satisfatória, para a determinação da curva de rendimento, seja corno finalidade de controle de qualidade ou de dosimetria. 1. INTRODUÇÃO A avaliação da dose em exames radiológicos chama a atenção de diversos pesquisadores, principalmente pelos efeitos biológicos associados a essas exposições. O diagnóstico por imagem tem crescido em média 5% por ano, cuja dose efetiva média global anual por paciente chega a 0,4 msv [1]. Uma forma de controlar e fiscalizar a dose que os exames estão entregando para o paciente é através de programas de controle de qualidade (CQ) que, inclusive, são requeridos pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. Esse programa de CQ para

2 radiodiagnóstico requer diversos testes - dentre eles, o do rendimento do equipamento - que visam assegurar que o equipamento radiológico está funcionando de acordo e que executará os parâmetros selecionados pelo operador - como, ma e tempo de exposição [2]. Além disso, com o intuito de aprimorar os conhecimentos relacionados à proteção radiológica adquiridos pelo operador, a Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN) requer que a clínica ou hospital, que ofereça serviços de radiodiagnóstico, organize cursos de radioproteção para os técnicos/tecnólogos em radiologia. Entretanto, para a implementação da correta proteção radiológica, nas exposições em radiodiagnóstico, a verificação do kerma no ar incidente (INAK) ou do kerma de entrada na superficie (ESAK) torna-se fundamental [3]. Uma forma muito comum de realizar dosimetria das radiações ionizantes é por meio de dosímetros termoluminescentes (TLDs). A avaliação da dose recebida pelo dosímetro pode ser feita através de leitoras específicas que, ao aquecerem o TLD, captam a luz emitida por ele. Esta luz é, em seguida, transformada em sinal elétrico, cuja intensidade é proporcional à dose de radiação absorvida pelo dosímetro. Os TLDs podem ser de diferentes materiais, influenciando a sua sensibilidade e aplicação. Por exemplo, no caso da dosimetria pessoal, o interessante é que o dosímetro utilizado tenha número atômico próximo ao do tecido biológico (Z~7) para que a sua resposta à radiação seja semelhante ao que acontece nos tecidos irradiados, sendo os TLDs de fluoreto de lítio (LiF) os mais empregados [3,4]. Outro tipo de detector das radiações ionizantes, muito utilizado, é a câmara de ionização. Ela possui diversos formatos e tamanhos de volume sensível - região do detector, preenchido com certo tipo de gás, que interagirá com a radiação incidente, gerando algum resultado [5]. A câmara de ionização apresenta uma grande estabilidade sendo usada tanto para dosimetria como para a calibração de outros dosímetros [3]. Além disso, esse detector é extremamente uniforme quanto à resposta à radiação; por exemplo, o ângulo de incidência do feixe na região sensível não altera a resposta do detector [6]. Levando-se em conta os conceitos apresentados acima, o objetivo principal deste trabalho é apresentar as curvas de rendimento de um aparelho de raios X utilizando dois diferentes tipos de detectores de radiação: uma câmara de ionização cilíndrica e dosímetros termoluminescentes (TLDs) do tipo LiF dopados com Magnésio, Cobre e Fósforo (TLD MCP). Em seguida, serão calculados os valores de Kerma Incidente no Ar (INAK) de 20 exames pediátricos, realizados no referido aparelho, a partir das curvas de rendimento obtidas com cada detector. 2. MATERIAIS E MÉTODOS O equipamento de raios X, estudado neste trabalho, é da GE, modelo 567, localizado no Hospital de Clínicas da UFPR, em Curitiba-PR. A câmara de ionização cilíndrica utilizada é da marca Radcal (Monrovia, CA, EUA), modelo 10X6-6, com 6 cm de volume sensível (Fig. 1). A calibração da câmara de ionização cilíndrica foi feita pelo método cruzado, utilizando-se uma outra câmara de ionização cilíndrica, previamente calibrada - cujo certificado de calibração é "IPEN 0355/2011" de 25/08/2011. RADIO 2014, Gramado, RS, Brazil.

3 Figura 1. Câmara de ionização utilizada para as medidas e suas respectivas partes. A. Eletrômetro Accu-Pro, modelo 9096, B. Câmara 10X6-6, C. Digitalizador da Câmara de ionização, modelo 9660, D. Cabo, modelo 90C6-4. Após a calibração da câmara, os dosímetros termoluminescentes foram calibrados - para 4 diferentes valores de. Os TLDs, em formato de pastilhas, utilizados para este estudo, são de LiF:Mg,Cu,P da marca "Radpro International GmbH", cujas leituras foram feitas por uma leitora RA'04 TLD READER-ANALYSER, da mesma marca. Para este processo, a câmara de ionização cilíndrica foi irradiada simultaneamente com os TLDs - organizados em 16 pares (cada par correspondendo a uma exposição diferente) e posicionados o mais próximo possível do volume sensível da câmara (Fig. 2). Figura 2. Posicionamento do TLD (seta vermelha) e a câmara de ionização (seta verde) para a calibração do TLD. Radio 2014, Gramado, RS, Brazil.

4 Cada par de TLD foi colocado ao lado da câmara e ambos foram posicionados sobre um suporte de isopor de aproximadamente 20 centímetros de espessura, de forma a reduzir a infiuência da radiação retroespalhada pela mesa. A quantidade de TLDs utilizada na calibração e os parâmetros técnicos escolhidos neste processo estão na tabela 1. Depois de realizadas as exposições, uma função linear entre o kerma no ar incidente (ugy) e a leitura do TLD (nc) foi obtida - para cada faixa de. Tabela 1. Quantidade de pares de TLDs e parâmetros técnicos escolhidos para a calibração dos dosímetros. TLDs mas 10 a a a a 20 Para a determinação da curva de rendimento, a câmara de ionização e os TLDs foram dispostos, lado a lado, na mesa de exames (sobre um apoio de isopor de 20 cm de altura) a 1 m de distância do ponto focal do aparelho de raios X. Neste processo, as exposições foram feitas seguindo-se o protocolo RLA/9/057 da IAEA, mantendo-se um valor fixo de 5 mas e variando-se o de 60 a 90. Ambos os resultados de dose, fornecidos pelos detectores, em ugy, foram divididos pelo mas aplicado, tendo-se assim o valor do rendimento (ugy/mas) de cada exposição. Em seguida, a curva do rendimento (Rendimento em função do ), para cada tipo de detector empregado, foi realizada. Por fim, através destas curvas, pôde se determinar os valores de INAK de 10 exames pediátricos, realizados neste equipamento. Isto foi feito nas seguintes etapas: Primeiramente, substituiu-se o valor do, de cada exame, na equação de rendimento; Em seguida, multiplicou-se este valor pelo mas utilizado nesta exposição. O resultado corresponderá ao INAK a 1 m do foco (uma vez que o rendimento é determinado nesta distância). Por fim, calcularam-se os valores do INAK, para cada detector e na referida distância foco-paciente, através da Lei do Inverso do Quadrado da Distância (equação 1) [3]: Di/D 2 = (R2/R1) (1) onde, Di é a Dose 1 em relação à distância Ri (Ri = distância foco-detector de 1 m) e D2 é a Dose 2 em relação à distância R2 (R2 = distância foco-paciente de cada exposição). 3. RESULTADOS E DISCUSSOES RADIO 2014, Gramado, RS, Brazil.

5 Ao se realizar a calibração cruzada da câmara de ionização cilíndrica, foi verificado um fator de 0,881 ugy/ugy, o que significa que para cada leitura efetuada pela câmara de ionização a mesma deverá ser multiplicada por esse fator para se encontrar o valor real. Após este processo, a calibração dos TLDs foi realizada. A Tabela 2 mostra os fatores de calibração obtidos, para os TLDs, para cada. Através destes fatores, a dose recebida pelos TLDs pode ser verificada, multiplicando as leituras dos referidos detectores pelos fatores da tabela abaixo. Tabela 2. Fatores de calibração, dos TLDs, para cada tensão de pico Fator de Calibração (jigy/leitura TLD) 84,1 90,7 98,9 89,1 Estando ambos os detectores devidamente calibrados, o processo de determinação da curva de rendimento foi realizado. A Tabela 3 mostra os valores de rendimento, obtidos com cada detector, para cada kvp Tabela 3. Valores de Rendimento (figy/mas) obtidos para cada, com cada detector (exposições feitas com 5 mas) Câmara de Ionização Cilíndrica 56,0 77,9 102,4 128,5 TLDs MCP 54,6 74,9 105,9 126,6 Com os dados da Tabela 3, pode-se construir o gráfico do rendimento em função do (Fig. 3), para ambos os detectores. Por fim, com as equações das curvas das Fig. 3, os valores de INAK foram determinados. A Tabela 4 mostra esses resultados, os quais foram determinados para 10 exames (todos realizados com 2 mas), observados neste hospital, em 2008 [7]. Através desta tabela, observa-se que os INAKs calculados, através da utilização de ambos os detectores, são muito próximos (diferença inferior a 5%). Radio 2014, Gramado, RS, Brazil.

6 _ 140 m < E 120 "5 <? 100 o 80 * y = 0,013 x 2 ' 05 R 2 = 0,9995 y = 0,009 x 2 ' 13 1 R 2 = 0, O 60!jj LU o Figura 3. Comparação da curva de rendimento do aparelho de raios X pediátrico utilizando TLD e câmara de ionização. Rendimento Câmara RendimentoTLD Tabela 4. Tabela comparativa dos valores de INAK calculados através do rendimento do aparelho de raios X com a câmara de ionização e com o TLD. Peso (kg) 3,9 9,0 6,2 7,1 7,0 8,9 12, Distância Foco-Paciente (m) 0,76 0,41 0,72 0,94 0,75 0,76 0,78 0,66 1,80 1,34 Câmara: R (ugy/mas) a 1 m 37,2 38,8 40,4 37,2 42,0 47,2 38,8 38,8 52,6 58,3 TLD: R (ugy/mas) a 1 m 35,7 37,3 38,9 35,7 40,5 45,6 37,3 37,3 51,1 56,9 INAK Câmara (^Gy) 43,0 13,0 41,9 65,8 47,3 54,5 47,2 33,8 340,8 209,5 INAK TLD (^Gy) 41,2 12,5 40,3 63,1 45,6 52,7 45,3 32,5 331,2 204,4 Diferença (%) 4,1 3,8 4,1 3,7 3,2 2,8 2,4 Com isso, é possível afirmar que a dosimetria, através da determinação da equação do rendimento, pode ser realizada de forma confiável e com muito pouca variação de resultados utilizando quaisquer dosímetros avaliados neste trabalho. 4. CONCLUSOES O objetivo deste trabalho era demonstrar a utilização de dois detectores diferentes - câmara de ionização cilíndrica e TLDs - para a determinação da curva de rendimento de um aparelho de raios X pediátrico. Além da finalidade de controle de qualidade, a curva de rendimento serve como base para o calculo do INAK (kerma de incidente no ar) para diversos procedimentos. Como os dois RADIO 2014, Gramado, RS, Brazil.

7 dosímetros utilizados apresentaram curvas com respostas muito próximas para baixas energias, os valores de INAK encontrados para os exames pediátricos verificados foram bastante próximos, com uma variação inferior a 5%. Isso mostra que ambos os detectores podem ser usados com confiança para a dosimetria, através da curva de rendimento do equipamento. REFERÊNCIAS 1. United Nations Scientific Committee on the Effects of Atomic Radiation (UNSCEAR). Sources and effects ofionizing radiation. New York, Estados Unidos, (2000), Vol Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Radiodiagnóstico Médico: Desempenho de Equipamentos e Segurança / Ministério da Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, p. (Série A. Normas e Manuais Técnicos). 3. L. Tauhata, et al. Radioproteção E Dosimetria: Fundamentos. 5 a Revisão. Rio de Janeiro. IRD/CNEN. Agosto/ AIMI, Daniele et al. Protocolo para reprodutibilidade e constância do sistema de leitura termoluminescente do laboratório de dosimetria da Unifra. Disc. Scientia, São Paulo, v. 12, n. l,p.37-46,jan International Atomic Energy Agency (IAEA). Dosimetry in diagnostic radiology: an international code ofpractice. Technical Reports Series no MAIA, Ana Figueiredo; CALDAS, Linda V.E.. Calibração das câmaras de ionização para feixes de tomografia computadorizada no Brasil: a realidade atual. Radiologia Brasileira, São Paulo, v. 39, n. 3, abr OLIVEIRA, A.L.R. Avaliação de dose de entrada napele em pacientes pediátricos através de medidas dosimétricas, Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica e Informática Industrial, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, 76 p. Abril Radio 2014, Gramado, RS, Brazil.

TESTES PRELIMINARES EM UM SIMULADOR PEDIÁTRICO DE CRÂNIO PARA DOSIMETRIA EM TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA

TESTES PRELIMINARES EM UM SIMULADOR PEDIÁTRICO DE CRÂNIO PARA DOSIMETRIA EM TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA International Joint Conference RADIO 2014 Gramado, RS, Brazil, Augustl 26-29, 2014 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR TESTES PRELIMINARES EM UM SIMULADOR PEDIÁTRICO DE CRÂNIO PARA DOSIMETRIA

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ATENUAÇÃO DE AVENTAIS PLUMBÍFEROS COM DIFERENTES EQUIVALÊNCIAS DE CHUMBO PARAUSO EM SERVIÇOS DE RADIOLOGIA

AVALIAÇÃO DA ATENUAÇÃO DE AVENTAIS PLUMBÍFEROS COM DIFERENTES EQUIVALÊNCIAS DE CHUMBO PARAUSO EM SERVIÇOS DE RADIOLOGIA Internationaljoint Conference RADIO 2014 Gramado, RS, Brazil, Augustl 26-29, 2014 SOCIEDADEBRASILEIRA DEPROTEÇÃO RADIOLÕGICA - SBPR AVALIAÇÃO DA ATENUAÇÃO DE AVENTAIS PLUMBÍFEROS COM DIFERENTES EQUIVALÊNCIAS

Leia mais

Mapeamento de curvas de isoexposição para avaliação de equivalente de dose ambiente para equipamentos móveis de radiodiagnóstico

Mapeamento de curvas de isoexposição para avaliação de equivalente de dose ambiente para equipamentos móveis de radiodiagnóstico Mapeamento de curvas de isoexposição para avaliação de equivalente de dose ambiente para equipamentos móveis de radiodiagnóstico Alexandre Bacelar 1, José Rodrigo Mendes Andrade 2, Andréia Caroline Fischer

Leia mais

Testes preliminares em um simulador pediátrico de crânio para dosimetria em tomografia computadorizada

Testes preliminares em um simulador pediátrico de crânio para dosimetria em tomografia computadorizada BJRS BRAZILIAN JOURNAL OF RADIATION SCIENCES XX (XXXX) XX-XX Testes preliminares em um simulador pediátrico de crânio para dosimetria em tomografia computadorizada E. W. Martins; M. P. A. Potiens Gerência

Leia mais

ESTIMATIVA DA DOSE GLANDULAR MÉDIA EM FUNÇÃO DA ESPESSURA DA MAMA

ESTIMATIVA DA DOSE GLANDULAR MÉDIA EM FUNÇÃO DA ESPESSURA DA MAMA International Joint Conference RADIO 2014 Gramado, RS, Brazil, Augustl 26-29, 2014 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR ESTIMATIVA DA DOSE GLANDULAR MÉDIA EM FUNÇÃO DA ESPESSURA DA MAMA

Leia mais

AVALIAÇÃO DA DOSE OCUPACIONAL EM RADIOGRAFIA INTRAORAL

AVALIAÇÃO DA DOSE OCUPACIONAL EM RADIOGRAFIA INTRAORAL International Joint Conference RADIO 2014 Gramado, RS, Brazil, Augustl 26-29, 2014 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR AVALIAÇÃO DA DOSE OCUPACIONAL EM RADIOGRAFIA INTRAORAL Cristiano Miguel

Leia mais

Aspectos Metrológicos na Estimativa da Atividade Administrada em Pacientes de Medicina Nuclear

Aspectos Metrológicos na Estimativa da Atividade Administrada em Pacientes de Medicina Nuclear Aspectos Metrológicos na Estimativa da Atividade Administrada em Pacientes de Medicina Nuclear A Ruzzarin 1,AM Xavier 2, A Iwahara 1, L Tauhata 1 1 Laboratório Nacional de Metrologia das Radiações Ionizantes/Instituto

Leia mais

ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DE RISCO DA BRAQUITERAPIA DOS SERVIÇOS DE RADIOTERAPIA DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO

ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DE RISCO DA BRAQUITERAPIA DOS SERVIÇOS DE RADIOTERAPIA DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO International Joint Conference RADIO 2014 Gramado, RS, Brazil, Augustl 26-29, 2014 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DE RISCO DA BRAQUITERAPIA DOS SERVIÇOS DE RADIOTERAPIA

Leia mais

Nota referente às unidades de dose registradas no prontuário eletrônico radiológico:

Nota referente às unidades de dose registradas no prontuário eletrônico radiológico: Nota referente às unidades de dose registradas no prontuário eletrônico radiológico: Frente aos potenciais riscos envolvidos na exposição à radiação ionizante e com a reocupação de manter um controle transparente

Leia mais

Detectores de Radiação Ionizante

Detectores de Radiação Ionizante Detectores de Radiação Ionizante As radiações ionizantes por si só não podem ser medida diretamente, a detecção é realizada pelo resultado produzido da interação da radiação com um meio sensível (detector).

Leia mais

Rua Cobre, 200 - Bairro Cruzeiro 30310-190 Belo Horizonte/MG RESUMO

Rua Cobre, 200 - Bairro Cruzeiro 30310-190 Belo Horizonte/MG RESUMO 2005 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2005 Santos, SP, Brazil, August 28 to September 2, 2005 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 85-99141-01-5 ANÁLISE METROLÓGICA DE

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO COMPUTACIONAL DE EXPOSIÇÃO EXTERNA PARA ESTUDO DA DOSE DE ENTRADA NA PELE PARA RADIOGRAFIAS DE TÓRAX E COLUNA

DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO COMPUTACIONAL DE EXPOSIÇÃO EXTERNA PARA ESTUDO DA DOSE DE ENTRADA NA PELE PARA RADIOGRAFIAS DE TÓRAX E COLUNA International Joint Conference RADIO 2014 Gramado, RS, Brazil, Augustl 26-29, 2014 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO COMPUTACIONAL DE EXPOSIÇÃO EXTERNA PARA

Leia mais

O USO DO PROTETOR DE OLHOS PARA REDUÇÃO DA DOSE VARREDURAS DE TC DE CRÂNIO

O USO DO PROTETOR DE OLHOS PARA REDUÇÃO DA DOSE VARREDURAS DE TC DE CRÂNIO IX Latin American IRPA Regional Congress on Radiation Protection and Safety - IRPA 2013 Rio de Janeiro, RJ, Brazil, April 15-19, 2013 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR O USO DO PROTETOR

Leia mais

VARIAÇÃO DE DOSE NO PACIENTE EM VARREDURAS DE TC DE CRÂNIO USANDO UM FANTOMA FEMININO

VARIAÇÃO DE DOSE NO PACIENTE EM VARREDURAS DE TC DE CRÂNIO USANDO UM FANTOMA FEMININO 2013 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2013 Recife, PE, Brazil, November 24-29, 2013 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 978-85-99141-05-2 VARIAÇÃO DE DOSE NO PACIENTE

Leia mais

Estado da Arte e Segurança dos Serviços de Radiodiagnóstico no Brasil - Visão da Física Médica -

Estado da Arte e Segurança dos Serviços de Radiodiagnóstico no Brasil - Visão da Física Médica - Estado da Arte e Segurança dos Serviços de Radiodiagnóstico no Brasil - Visão da Física Médica - Fís. Adriano Oliveira dos Santos Goulart Especialista em Administração Hospitalar e Negócios em Saúde Especialista

Leia mais

MÉTODO CONSERVATIVO PARA DETERMINAÇÃO DE ESPESSURA DE MATERIAIS UTILIZADOS PARA BLINDAGEM DE INSTALAÇÕES VETERINÁRIAS

MÉTODO CONSERVATIVO PARA DETERMINAÇÃO DE ESPESSURA DE MATERIAIS UTILIZADOS PARA BLINDAGEM DE INSTALAÇÕES VETERINÁRIAS InternationalJoint Conference RADIO 2014 Gramado, RS, Brazil, Augustl 26-29, 2014 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR MÉTODO CONSERVATIVO PARA DETERMINAÇÃO DE ESPESSURA DE MATERIAIS UTILIZADOS

Leia mais

Controle de Qualidade de Imagens Radiográficas Através da Simulação Computacional

Controle de Qualidade de Imagens Radiográficas Através da Simulação Computacional Otimização da Análise e Controle de Qualidade de Imagens Radiográficas Através da Simulação Computacional Autores: Maria Lucia Nana Ebisawa Irita Dra. Maria de Fátima Magon Prof. Dra. Yvone Mascarenhas

Leia mais

Qualidade da Imagem e Dose Órgão em Exames Radiográficos Digitais de Tórax de Pacientes Adultos em Pato Branco, PR

Qualidade da Imagem e Dose Órgão em Exames Radiográficos Digitais de Tórax de Pacientes Adultos em Pato Branco, PR Qualidade da Imagem e Dose Órgão em Exames Radiográficos Digitais de Tórax de Pacientes Adultos em Pato Branco, PR Neuri A. Lunelli 1,2, Marcos Ely A. Andrade 1, Luiz Felipe A. Lima 1, Lisane Tonet 3,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA DOSE GLANDULAR MÉDIA EM FUNÇÃO DA ESPESSURA DA MAMA

AVALIAÇÃO DA DOSE GLANDULAR MÉDIA EM FUNÇÃO DA ESPESSURA DA MAMA AVALIAÇÃO DA DOSE GLANDULAR MÉDIA EM FUNÇÃO DA ESPESSURA DA MAMA Fátima F.R. Alves 1, Silvio R. Pires 2, Eny M. Ruberti Filha 1, Simone Elias 3, Regina B. Medeiros 1 Universidade Federal de São Paulo Escola

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DA ALTITUDE NO EQUIVALENTE DE DOSE AMBIENTE

CONTRIBUIÇÃO DA ALTITUDE NO EQUIVALENTE DE DOSE AMBIENTE IX Latin American IRPA Regional Congress on Radiation Protection and Safety - IRPA 2013 Rio de Janeiro, RJ, Brazil, April 15-19, 2013 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR CONTRIBUIÇÃO DA

Leia mais

NOVAS RECOMENDAÇÕES DA IAEA PARA EXPOSIÇÕES MÉDICAS: IMPACTO EM MEDICINA NUCLEAR NO BRASIL

NOVAS RECOMENDAÇÕES DA IAEA PARA EXPOSIÇÕES MÉDICAS: IMPACTO EM MEDICINA NUCLEAR NO BRASIL IX Latin American IRPA Regional Congress on Radiation Protection and Safety - IRPA 2013 Rio de Janeiro, RJ, Brazil, April 15-19, 2013 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR NOVAS RECOMENDAÇÕES

Leia mais

Av. Salvador Allende s/n CEP - 22780-160 Jacarepaguá, Rio de Janeiro, RJ leonardo@ird.gov.br

Av. Salvador Allende s/n CEP - 22780-160 Jacarepaguá, Rio de Janeiro, RJ leonardo@ird.gov.br COMPORTAMENTO DO DETECTOR GEIGER MÜELLER EM RADIOLOGIA DIAGNÓSTICA Leonardo Luiz Ferreira 1, José Guilherme Pereira Peixoto 2, Daniel da Silva Quaresma 3 1 Instituto de Radioproteção e Dosimetria (IRD

Leia mais

UMA CÂMARA DE IONIZAÇÃO DE PLACAS PARALELAS PARA DOSIMETRIA DE FEIXES DE ELÉTRONS

UMA CÂMARA DE IONIZAÇÃO DE PLACAS PARALELAS PARA DOSIMETRIA DE FEIXES DE ELÉTRONS RBE. VOL. 7 N. 11990 UMA CÂMARA DE IONIZAÇÃO DE PLACAS PARALELAS PARA DOSIMETRIA DE FEIXES DE ELÉTRONS por C. NOGUEIRA DE SOUZA & L.V.E. CALDAS' RESUMO - Uma câmara de ionização de placas paralelas para

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE FANTOMA MATEMÁTICO DE MÃO E ANTEBRAÇO EM CÓDIGO MONTE CARLO GEANT4

IMPLEMENTAÇÃO DE FANTOMA MATEMÁTICO DE MÃO E ANTEBRAÇO EM CÓDIGO MONTE CARLO GEANT4 International Joint Conference RADIO 2014 Gramado, RS, Brazil, Augustl 26-29, 2014 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR IMPLEMENTAÇÃO DE FANTOMA MATEMÁTICO DE MÃO E ANTEBRAÇO EM CÓDIGO MONTE

Leia mais

Tomografia Computadorizada

Tomografia Computadorizada Tomografia Computadorizada Características: não sobreposição de estruturas melhor contraste ( menos radiação espalhada) usa detectores que permitem visibilizar pequenas diferenças em contraste de tecido

Leia mais

Brasil. viriatoleal@yahoo.com.br. igoradiologia @ hotmail.com. jwvieira@br.inter.net

Brasil. viriatoleal@yahoo.com.br. igoradiologia @ hotmail.com. jwvieira@br.inter.net 2009 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2009 Rio de Janeiro,RJ, Brazil, September27 to October 2, 2009 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 978-85-99141-03-8 APLICAÇÃO DO

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL RADIOPROTEÇÃO (SEGURANÇA)

NORMA PROCEDIMENTAL RADIOPROTEÇÃO (SEGURANÇA) 50.05.005 1/5 1. FINALIDADE Estabelecer os requisitos básicos de proteção radiológica para as pessoas em relação à exposição à radiação ionizante. 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO Em toda a Instituição onde houver

Leia mais

TÉCNICA DE MEDIÇÃO ELETRÔNICA DA CAMADA SEMI- REDUTORA UTILIZANDO TRANSISTOR BIPOLAR DE JUNÇÃO

TÉCNICA DE MEDIÇÃO ELETRÔNICA DA CAMADA SEMI- REDUTORA UTILIZANDO TRANSISTOR BIPOLAR DE JUNÇÃO International Joint Conference RADIO 2014 Gramado, RS, Brazil, Augustl 26-29, 2014 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR TÉCNICA DE MEDIÇÃO ELETRÔNICA DA CAMADA SEMI- REDUTORA UTILIZANDO

Leia mais

Tainá Olivieri Física Médica - UFRJ Supervisora de Proteção Radiológica em Medicina Nuclear CNEN Especialista em Radiodiagnóstico - ABFM Mestre em

Tainá Olivieri Física Médica - UFRJ Supervisora de Proteção Radiológica em Medicina Nuclear CNEN Especialista em Radiodiagnóstico - ABFM Mestre em Tainá Olivieri Física Médica - UFRJ Supervisora de Proteção Radiológica em Medicina Nuclear CNEN Especialista em Radiodiagnóstico - ABFM Mestre em Radioproteção em Dosimetria IRD/CNEN Quem é o (sico médico?

Leia mais

O que é o Programa de Qualidade em Radioterapia do Instituto Nacional de Câncer INCA?

O que é o Programa de Qualidade em Radioterapia do Instituto Nacional de Câncer INCA? VI Encontro da Sociedade Brasileira de Radioterapia São Paulo, Brasil, 28-30 de outubro, 2004. O que é o Programa de Qualidade em Radioterapia do Instituto Nacional de Câncer INCA? Campos de Araujo, A.M.;Castelo

Leia mais

Instalação e Blindagem de Equipamento de Raios-X Industrial em Ambiente Laboratorial

Instalação e Blindagem de Equipamento de Raios-X Industrial em Ambiente Laboratorial Universidade Federal de São João Del-Rei MG 26 a 28 de maio de 2010 Associação Brasileira de Métodos Computacionais em Engenharia Instalação e Blindagem de Equipamento de Raios-X Industrial em Ambiente

Leia mais

Avaliação de kerma de entrada na pele em exames radiológicos no Hospital de Clínicas do Paraná

Avaliação de kerma de entrada na pele em exames radiológicos no Hospital de Clínicas do Paraná Avaliação de kerma de entrada na pele em exames radiológicos no Hospital de Clínicas do Paraná Lorena E. Porto 1 ; Hugo R. Schelin 1,2 ; Amanda C. Dos Santos 1 ; Ana Paula Bunick 1 ; Sergei Paschuk 1 ;

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Em relação à produção, à emissão e à interação dos raios X com a matéria, julgue os itens a seguir. 41 O deslocamento de elétrons da camada M para a camada K produz radiação característica. 42 Bremsstrahlung,

Leia mais

F ATORES DE PONDERAÇÃO PARA AS GRANDEZAS DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA

F ATORES DE PONDERAÇÃO PARA AS GRANDEZAS DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA POSIÇÃO REGULATÓRIA 3.01/002:2011 F ATORES DE PONDERAÇÃO PARA AS GRANDEZAS DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA 1. REQUISITO DA NORMA SOB INTERPRETAÇÃO Esta Posição Regulatória refere se aos requisitos da Norma CNEN

Leia mais

SISTEMA DE CONSTRUÇÃO DE MODELO DE VOXELS A PARTIR DE IMAGENS DE CT OU MR PARA SIMULAÇÃO DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS VIA MCNP

SISTEMA DE CONSTRUÇÃO DE MODELO DE VOXELS A PARTIR DE IMAGENS DE CT OU MR PARA SIMULAÇÃO DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS VIA MCNP 2005 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2005 Santos, SP, Brazil, August 28 to September 2, 2005 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 85-99141-01-5 SISTEMA DE CONSTRUÇÃO DE

Leia mais

Aplicação de Metodologia de Testes de Desempenho de Monitores Portáteis. de Radiação. V. Vivolo, L.V.E. Caldas

Aplicação de Metodologia de Testes de Desempenho de Monitores Portáteis. de Radiação. V. Vivolo, L.V.E. Caldas Aplicação de Metodologia de Testes de Desempenho de Monitores Portáteis de Radiação V. Vivolo, L.V.E. Caldas Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares, Comissão Nacional de Energia Nuclear, P.O. Box

Leia mais

O Centro Regional de Treinamento do IRD/IAEA IRD/IAEA Simpósio Minérios & Radioatividade

O Centro Regional de Treinamento do IRD/IAEA IRD/IAEA Simpósio Minérios & Radioatividade O Centro Regional de Treinamento do Simpósio Minérios & Radioatividade 18 a 20 de Agosto de 2014 Almir Faria Clain almir@ird.gov.br Centro Regional de Treinamento do O Centro Regional de Ensino e Treinamento:

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE UM BANCO DE DADOS DE PACIENTES DE MEDICINA NUCLEAR (DOSIMED)

IMPLANTAÇÃO DE UM BANCO DE DADOS DE PACIENTES DE MEDICINA NUCLEAR (DOSIMED) 2009 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2009 Rio de Janeiro,RJ, Brazil, September27 to October 2, 2009 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 978-85-99141-03-8 IMPLANTAÇÃO

Leia mais

Daros, K A C e Medeiros, R B

Daros, K A C e Medeiros, R B 1 ESTUDO DAS FONTES DE RUÍDO DA IMAGEM PARA FINS DE OTIMIZAÇÃO DAS DOSES NA TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DE CRÂNIO E ABDOME ADULTO Daros, K A C e Medeiros, R B Universidade Federal de São Paulo São Paulo

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA COMPUTACIONAL PARA GERENCIAMENTO DE DADOS DE MONITORAÇÃO IN VIVO DE RADIONUCLÍDEOS NO CORPO HUMANO

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA COMPUTACIONAL PARA GERENCIAMENTO DE DADOS DE MONITORAÇÃO IN VIVO DE RADIONUCLÍDEOS NO CORPO HUMANO International Joint Conference RADIO 2014 Gramado, RS, Brazil, Augustl 26-29, 2014 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA COMPUTACIONAL PARA GERENCIAMENTO DE

Leia mais

Avaliação da Exposição Radiológica dos Profissionais da Saúde

Avaliação da Exposição Radiológica dos Profissionais da Saúde Avaliação da Exposição Radiológica dos Profissionais da Saúde Health Professionals Radiological Exposure Evaluation Ildefonso Pinto (1), João Schiappa (1), Rui Parafita (1), Pedro Carvoeiras (1), Bruno

Leia mais

. Objetivos. Campo de Aplicação. Autoridade Regulatória. Inspeções Sanitárias. Infrações. Interpretações e Casos Omissos

. Objetivos. Campo de Aplicação. Autoridade Regulatória. Inspeções Sanitárias. Infrações. Interpretações e Casos Omissos 1 - DISPOSIÇÕES GERAIS. Objetivos. Campo de Aplicação. Autoridade Regulatória. Inspeções Sanitárias. Infrações. Interpretações e Casos Omissos 2 - SISTEMA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA PRINCÍPIOS BÁSICOS. Justificação.

Leia mais

PARECER CFM nº 1/15 INTERESSADO: ASSUNTO:

PARECER CFM nº 1/15 INTERESSADO: ASSUNTO: PARECER CFM nº 1/15 INTERESSADO: ASSUNTO: RELATOR: Santa Casa de Misericórdia de Belo Horizonte Norma da Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte, que normatiza e preconiza a obrigatoriedade de

Leia mais

CONTROLE DE QUALIDADE DE MEDIDORES DE TENSÃO NÃO- INVASIVOS EM EQUIPAMENTO DE RAIOS X, NÍVEL DIAGNÓSTICO

CONTROLE DE QUALIDADE DE MEDIDORES DE TENSÃO NÃO- INVASIVOS EM EQUIPAMENTO DE RAIOS X, NÍVEL DIAGNÓSTICO Artigo Original Ros RA, Caldas LVE CONTROLE DE QUALIDADE DE MEDIDORES DE TENSÃO NÃO- INVASIVOS EM EQUIPAMENTO DE RAIOS X, NÍVEL DIAGNÓSTICO Renato Assenci Ros 1, Linda V.E. Caldas 1 Resumo Abstract Este

Leia mais

PARÂMETROS DE INFLUÊNCIA NA ESTABILIDADE DO DOSÍMETRO FRICKE

PARÂMETROS DE INFLUÊNCIA NA ESTABILIDADE DO DOSÍMETRO FRICKE IX Latin American IRPA Regional Congress on Radiation Protection and Safety - IRPA 2013 Rio de Janeiro, RJ, Brazil, April 15-19, 2013 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR PARÂMETROS DE INFLUÊNCIA

Leia mais

ESTUDO DA APLICAÇÃO DA DOSIMETRIA OSL EM ALTAS DOSES UTILIZANDO OS DOSÍMETROS CaF 2 :Dy E CaF 2 :Mn

ESTUDO DA APLICAÇÃO DA DOSIMETRIA OSL EM ALTAS DOSES UTILIZANDO OS DOSÍMETROS CaF 2 :Dy E CaF 2 :Mn IX Latin American IRPA Regional Congress on Radiation Protection and Safety - IRPA 2013 Rio de Janeiro, RJ, Brazil, April 15-19, 2013 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR ESTUDO DA APLICAÇÃO

Leia mais

DDQBN. Implementação da Portaria 453/98 da ANVISA. Seção Defesa Nuclear DDQBN/CTEx Subseção de Proteção Radiológica. Luciano Santa Rita Oliveira

DDQBN. Implementação da Portaria 453/98 da ANVISA. Seção Defesa Nuclear DDQBN/CTEx Subseção de Proteção Radiológica. Luciano Santa Rita Oliveira DDQBN Implementação da Portaria 453/98 da ANVISA Seção Defesa Nuclear DDQBN/CTEx Subseção de Proteção Radiológica Luciano Santa Rita Oliveira luciano@ctex.eb.br Assessória Científica DDQBN / CTEx Seção

Leia mais

História dos Raios X. 08 de novembro de 1895: Descoberta dos Raios X Pelo Professor de física teórica Wilhelm Conrad Röntgen.

História dos Raios X. 08 de novembro de 1895: Descoberta dos Raios X Pelo Professor de física teórica Wilhelm Conrad Röntgen. História dos Raios X 08 de novembro de 1895: Descoberta dos Raios X Pelo Professor de física teórica Wilhelm Conrad Röntgen. História dos Raios X 22 de dezembro de 1895, Röntgen fez a primeira radiografia

Leia mais

Radio 2011 Análise do Espectro de Energias de Radiações X de Referência Ajustadas para a mesma Camada Semirredutora

Radio 2011 Análise do Espectro de Energias de Radiações X de Referência Ajustadas para a mesma Camada Semirredutora Radio 2011 Análise do Espectro de Energias de Radiações X de Referência Ajustadas para a mesma Camada Semirredutora Marcus Tadeu Tanuri de Figueiredo 1,Annibal Theotonio Baptista Neto 2,Paulo Marcio Campos

Leia mais

Dosímetros de Fibras Ópticas Florbela Rêgo Luís Peralta Mafalda Gomes Jornadas do L I P 2010 LABORATÓRIO DE INSTRUMENTAÇÃO E FÍSICA EXPERIMENTAL DE PARTÍCULAS Protótipo de Dosímetro de Fibra Óptica Cintilante

Leia mais

ESTUDO DA REPRODUTIBILIDADE DAS MEDIÇÕES COM O ESPECTRÔMETRO DE MULTIESFERAS DE BONNER

ESTUDO DA REPRODUTIBILIDADE DAS MEDIÇÕES COM O ESPECTRÔMETRO DE MULTIESFERAS DE BONNER 2013 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2013 Recife, PE, Brazil, November 24-29, 2013 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 978-85-99141-05-2 ESTUDO DA REPRODUTIBILIDADE DAS

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO ANDROID PARA ESTIMATIVA DA DEP A PARTIR DE PARÂMETROS DO EXAME RADIOGRÁFICO

DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO ANDROID PARA ESTIMATIVA DA DEP A PARTIR DE PARÂMETROS DO EXAME RADIOGRÁFICO IX Latin American IRPA Regional Congress on Radiation Protection and Safety - IRPA 2013 Rio de Janeiro, RJ, Brazil, April 15-19, 2013 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR DESENVOLVIMENTO

Leia mais

MEDIDA DO FLUXO DE NÊUTRONS NO REATOR IPEN-MB-01

MEDIDA DO FLUXO DE NÊUTRONS NO REATOR IPEN-MB-01 2011 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2011 Belo Horizonte,MG, Brazil, October 24-28, 2011 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 978-85-99141-04-5 MEDIDA DO FLUXO DE NÊUTRONS

Leia mais

Influência do uso de técnicas de alto kv e baixo mas na dose em pacientes submetidos a exames de raios X de tórax

Influência do uso de técnicas de alto kv e baixo mas na dose em pacientes submetidos a exames de raios X de tórax Influência do uso de técnicas de alto kv e baixo mas na dose em pacientes submetidos a exames de raios X de tórax Paulo Márcio Campos de Oliveira 1, Peterson Lima Squair 2, Marco Aurélio de Sousa Lacerda

Leia mais

4.2. Técnicas radiográficas especiais

4.2. Técnicas radiográficas especiais SEL 5705 - FUNDAMENTOS FÍSICOS DOS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS (III. Raios-X) Prof. Homero Schiabel (Sub-área de Imagens Médicas) 4.2. Técnicas radiográficas especiais 4.2.1. Abreugrafia Chapa, em

Leia mais

Antonio Carlos Moreira. antonicmoreira@gmail.com

Antonio Carlos Moreira. antonicmoreira@gmail.com Antonio Carlos Moreira antonicmoreira@gmail.com 1 O Tecnólogo em Radiologia como integrante da equipe multiprofissional na Intervenção Cardiovascular. 2 Ministério do Trabalho e Emprego C.B.O.: 3241-20

Leia mais

TESTE. Avaliação do Controle de Qualidade de Radiofármacos em Serviço de Medicina Nuclear

TESTE. Avaliação do Controle de Qualidade de Radiofármacos em Serviço de Medicina Nuclear InternationalJoint Conference RADIO 2014 Gramado, RS, Brazil, Augustl 26-29, 2014 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÕGICA - SBPR TESTE Avaliação do Controle de Qualidade de Radiofármacos em Serviço

Leia mais

Aplicação de Redes Neurais Artificiais na Caracterização de Tambores de Rejeito Radioativo

Aplicação de Redes Neurais Artificiais na Caracterização de Tambores de Rejeito Radioativo Aplicação de Redes Neurais Artificiais na Caracterização de Tambores de Rejeito Radioativo Ademar José Potiens Júnior 1, Goro Hiromoto 1 1 Av. Prof. Lineu Prestes, 2242 05508-000, Brasil apotiens@ipen.br,

Leia mais

CURSO II - PRÉ-CONGRESSO

CURSO II - PRÉ-CONGRESSO RUA DO ROSÁRIO, 135 4º ANDAR / CENTRO RIO DE JANEIRO / RJ CEP.: 20041-005 (21) 2224-2237 (31) 2224-3237 www.abebrasil.org.br 11º Congresso Mundial de Esterilização e 7 Edição do Simpósio Internacional

Leia mais

MÓDULO 9. A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais:

MÓDULO 9. A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais: A COR DE UM CORPO MÓDULO 9 A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais: luz branca vermelho alaranjado amarelo verde azul anil violeta A cor que um corpo iluminado

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM CÓDIGO COMPUTACIONAL PARA CÁLCULOS DE BLINDAGEM EM SALAS RADIOGRÁFICAS

DESENVOLVIMENTO DE UM CÓDIGO COMPUTACIONAL PARA CÁLCULOS DE BLINDAGEM EM SALAS RADIOGRÁFICAS Internationaljoint Conference RADIO 2014 Gramado, RS, Brazil, Augustl 26-29, 2014 SOCIEDADEBRASILEIRA DEPROTEÇÃO RADIOLÕGICA - SBPR DESENVOLVIMENTO DE UM CÓDIGO COMPUTACIONAL PARA CÁLCULOS DE BLINDAGEM

Leia mais

Equipamentos detectores de radiação e sua utilização. Alfredo Baptista Laboratório de Protecção e Segurança Radiológica alfredo@ctn.ist.utl.

Equipamentos detectores de radiação e sua utilização. Alfredo Baptista Laboratório de Protecção e Segurança Radiológica alfredo@ctn.ist.utl. Equipamentos detectores de radiação e sua utilização Alfredo Baptista Laboratório de Protecção e Segurança Radiológica alfredo@ctn.ist.utl.pt Curso de Proteção e Segurança Radiológica em Radiografia Industrial

Leia mais

LENTES E ESPELHOS. O tipo e a posição da imagem de um objeto, formada por um espelho esférico de pequena abertura, é determinada pela equação

LENTES E ESPELHOS. O tipo e a posição da imagem de um objeto, formada por um espelho esférico de pequena abertura, é determinada pela equação LENTES E ESPELHOS INTRODUÇÃO A luz é uma onda eletromagnética e interage com a matéria por meio de seus campos elétrico e magnético. Nessa interação, podem ocorrer alterações na velocidade, na direção

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DOSIMÉTRICO PARA O CONTROLE DE QUALIDADE NOS TRATAMENTOS DE CÂNCER DE MAMA

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DOSIMÉTRICO PARA O CONTROLE DE QUALIDADE NOS TRATAMENTOS DE CÂNCER DE MAMA IX Latin American IRPA Regional Congress on Radiation Protection and Safety - IRPA 2013 Rio de Janeiro, RJ, Brazil, April 15-19, 2013 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Proposta de medição de dose no cristalino e na tireoide em exame de tomografia de seios da face

Proposta de medição de dose no cristalino e na tireoide em exame de tomografia de seios da face Proposta de medição de dose no cristalino e na tireoide em exame de tomografia de seios da face Ana Caroline Mello 1, Vicente Machado Neto 1 1 Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR, Programa

Leia mais

Revista Didática Sistêmica, ISSN 1809-3108, Volume 5, janeiro a junho de 2007. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE. Didática Sistêmica

Revista Didática Sistêmica, ISSN 1809-3108, Volume 5, janeiro a junho de 2007. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE. Didática Sistêmica FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE Revista Didática Sistêmica TRIMESTRAL ISSN: 1809-3108 Volume 5, janeiro a junho de 2007 O QUE FAZ UM FÍSICO NO HOSPITAL? Fátima Hernandes Rodrigues 1 RESUMO:

Leia mais

Processo de Certificação Serviço de Monitoração Individual Externa (SMIE)

Processo de Certificação Serviço de Monitoração Individual Externa (SMIE) Processo de Certificação Serviço de Monitoração Individual Externa (SMIE) Dr. Marcus Alexandre Vallim de Alencar Coordenador do CASEC vallim@ird.gov.br Instalações Nucleares e Radiativas Instalações Nucleares

Leia mais

EFEITOS DELETÉRIOS INDUZIDOS POR EXPOSIÇÃO INDIRETA DO APARELHO AUDITIVO DURANTE RADIOTERAPIA DE CABEÇA E PESCOÇO - CORRELACIONAMENTO DOSIMETRICO

EFEITOS DELETÉRIOS INDUZIDOS POR EXPOSIÇÃO INDIRETA DO APARELHO AUDITIVO DURANTE RADIOTERAPIA DE CABEÇA E PESCOÇO - CORRELACIONAMENTO DOSIMETRICO EFEITOS DELETÉRIOS INDUZIDOS POR EXPOSIÇÃO INDIRETA DO APARELHO AUDITIVO DURANTE RADIOTERAPIA DE CABEÇA E PESCOÇO - CORRELACIONAMENTO DOSIMETRICO Palavras-chave: Aparelho Auditivo, Dosimetria, Radioterapia.

Leia mais

RADIOLÓGICA. Prof. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com

RADIOLÓGICA. Prof. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com TECNOLOGIA RADIOLÓGICA Prof. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com EMENTA Produção de Raios X : O Tubo de Raios X Sistema de geração de imagens por raios X Formação de Imagem radiográfica

Leia mais

Radioproteção na Transferência de Rejeitos Radioativos entre Edifícios de um Depósito Intermediário

Radioproteção na Transferência de Rejeitos Radioativos entre Edifícios de um Depósito Intermediário Radioproteção na Transferência de Rejeitos Radioativos entre Edifícios de um Depósito Intermediário Malvina Boni Mitake 1 e Fábio Fumio Suzuki 1 1 Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares, IPEN-CNEN/SP,

Leia mais

Proteção Radiológica OBJETIVO. O objetivo da proteção radiológica é o de garantir o uso das radiações ionizantes com o menor dano ao ser humano

Proteção Radiológica OBJETIVO. O objetivo da proteção radiológica é o de garantir o uso das radiações ionizantes com o menor dano ao ser humano Proteção Radiológica OBJETIVO O objetivo da proteção radiológica é o de garantir o uso das radiações ionizantes com o menor dano ao ser humano As recomendações da Proteção Radiológica são baseadas no conhecimento

Leia mais

TECNOLOGIA RADIOLÓGICA

TECNOLOGIA RADIOLÓGICA TECNOLOGIA RADIOLÓGICA Prof. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com Aula 05 Qualidade Radiográfica Agenda Qualidade radiográfica, resolução, velocidade, d curva característica, ti densidade

Leia mais

NORMA DE HIGIENE OCUPACIONAL PROCEDIMENTO TÉCNICO

NORMA DE HIGIENE OCUPACIONAL PROCEDIMENTO TÉCNICO NORMA DE HIGIENE OCUPACIONAL PROCEDIMENTO TÉCNICO PRESIDENTE DA REPÚBLICA Fernando Henrique Cardoso MINISTRO DO TRABALHO E EMPREGO Francisco Dornelles FUNDACENTRO PRESIDENTE DA FUNDACENTRO Humberto Carlos

Leia mais

Radiação Espalhada no Paciente

Radiação Espalhada no Paciente Interação dos Raios X com a Matéria Os Raios-X podem ser: Transmitidos, Absorvidos, Espalhados. A probabilidade da interação depende da energia do fóton incidente, da densidade do meio, da espessura do

Leia mais

ENEM 2012 MATEMÁTICA PROVA AMARELA

ENEM 2012 MATEMÁTICA PROVA AMARELA ENEM 01 MATEMÁTICA PROVA AMARELA Questão 16 (Alternativa A) Cada resposta possível para o jogo deve conter um objeto, um personagem e um cômodo. Para cada um desses itens, temos 5, 6 e 9 possibilidades,

Leia mais

Leocadio J.C 1.; Ramalho A. T. 1 ; Pinho, A S. 1 ; Lourenço, M. M. J. 1 ; Nicola, M. S. 1 ; D Avila, R. L. 1 ; Melo, I. F 1.; Cucco, A C. S.

Leocadio J.C 1.; Ramalho A. T. 1 ; Pinho, A S. 1 ; Lourenço, M. M. J. 1 ; Nicola, M. S. 1 ; D Avila, R. L. 1 ; Melo, I. F 1.; Cucco, A C. S. CONTROLE DAS FONTES RADIOATIVAS NA INDÚSTRIA ATRAVÉS DE INSPEÇÕES REGULATÓRIAS Leocadio J.C.; Ramalho A. T. ; Pinho, A S. ; Lourenço, M. M. J. ; Nicola, M. S. ; D Avila, R. L. ; Melo, I. F.; Cucco, A C.

Leia mais

II CONGRESSO DE FÍSICA MÉDICA DA UNICAMP. Para além da Radioterapia Atuação do Físico Médico na Proteção Radiológica. Clarice Cardoso Xavier

II CONGRESSO DE FÍSICA MÉDICA DA UNICAMP. Para além da Radioterapia Atuação do Físico Médico na Proteção Radiológica. Clarice Cardoso Xavier II CONGRESSO DE FÍSICA MÉDICA DA UNICAMP Para além da Radioterapia Atuação do Físico Médico na Proteção Radiológica Clarice Cardoso Xavier Trajetória Graduação Atividades extra-curriculares 5º ano - Estágio

Leia mais

SEL 397 - PRINCÍPIOS FÍSICOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS MÉDICAS. Prof. Homero Schiabel

SEL 397 - PRINCÍPIOS FÍSICOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS MÉDICAS. Prof. Homero Schiabel SEL 397 - PRINCÍPIOS FÍSICOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS MÉDICAS Prof. Homero Schiabel 6. FORMAÇÃO DE IMAGENS POR RAIOS X A Radiografia 2 fatores fundamentais: padrão de intensidade de raios-x transmitido através

Leia mais

EXPERIMENTO N o 6 LENTES CONVERGENTES INTRODUÇÃO

EXPERIMENTO N o 6 LENTES CONVERGENTES INTRODUÇÃO EXPERIMENTO N o 6 LENTES CONVERGENTES INTRODUÇÃO Ao incidir em uma lente convergente, um feixe paralelo de luz, depois de passar pela lente, é concentrado em um ponto denominado foco (representado por

Leia mais

TÉCNICA DE MARFRAN PARA CÁLCULO DE CONSTANTES

TÉCNICA DE MARFRAN PARA CÁLCULO DE CONSTANTES UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CAMPUS DA SAÚDE PROF. JOÃO CARDOSO NASCIMENTO JÚNIOR HOSPITAL UNIVERSITÁRIO - UNIDADE DE IMAGENS E MÉTODOS GRÁFICOS TÉCNICA DE MARFRAN PARA CÁLCULO DE CONSTANTES PROJETO

Leia mais

Desenvolvimento do Software para Gerenciamento de Rejeitos Radioativos em Pesquisa Biológica e Assistência Clínica

Desenvolvimento do Software para Gerenciamento de Rejeitos Radioativos em Pesquisa Biológica e Assistência Clínica Desenvolvimento do Software para Gerenciamento de Rejeitos Radioativos em Pesquisa Biológica e Assistência Clínica Bianca Maciel 1, Maria Fernanda S.S. Mattos 1, José Antônio de França Júnior 2, Regina

Leia mais

PROGRAMA DE CONTROLE DA QUALIDADE E DOSE EM MAMOGRAFIA

PROGRAMA DE CONTROLE DA QUALIDADE E DOSE EM MAMOGRAFIA PROGRAMA DE CONTROLE DA QUALIDADE E DOSE EM MAMOGRAFIA Rosangela da Silveira CORRÊA, Ruffo FREITAS-JÚNIOR, João Emílio PEIXOTO, Maria Eugênia da Fonseca LEMOS, Rosemar Macedo de Sousa RAHAL Programa de

Leia mais

TIPOS DE REFLEXÃO Regular Difusa

TIPOS DE REFLEXÃO Regular Difusa Reflexão da luz TIPOS DE REFLEXÃO Regular Difusa LEIS DA REFLEXÃO RI = raio de luz incidente i normal r RR = raio de luz refletido i = ângulo de incidência (é formado entre RI e N) r = ângulo de reflexão

Leia mais

EVOLUÇÃO DA TECNOLOGIA NUCLEAR

EVOLUÇÃO DA TECNOLOGIA NUCLEAR EVOLUÇÃO DA TECNOLOGIA NUCLEAR A radioatividade e as radiações ionizantes não são percebidas naturalmente pelos órgãos dos sentidos do ser humano, diferindo-se da luz e do calor. Talvez seja por isso que

Leia mais

A SBD (Sociedade Brasileira de Dermatologia) constatou por meio de uma pesquisa realizada em 2011 que 59,85% dos entrevistados se expõe à luz solar

A SBD (Sociedade Brasileira de Dermatologia) constatou por meio de uma pesquisa realizada em 2011 que 59,85% dos entrevistados se expõe à luz solar A SBD (Sociedade Brasileira de Dermatologia) constatou por meio de uma pesquisa realizada em 2011 que 59,85% dos entrevistados se expõe à luz solar sem qualquer proteção, enquanto apenas 34,31% usam protetor

Leia mais

HARDWARE E SOFTWARE PARA MONITORAMENTO EM INSTALAÇÕES RADIOATIVAS

HARDWARE E SOFTWARE PARA MONITORAMENTO EM INSTALAÇÕES RADIOATIVAS 2005 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2005 Santos, SP, Brazil, August 28 to September 2, 2005 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 85-99141-01-5 HARDWARE E SOFTWARE PARA

Leia mais

RADIAÇÃO ELETROMAGNÉTICA. Daniel C. Zanotta 23/03/2015

RADIAÇÃO ELETROMAGNÉTICA. Daniel C. Zanotta 23/03/2015 RADIAÇÃO ELETROMAGNÉTICA Daniel C. Zanotta 23/03/2015 O QUE É A REM? A radiação eletromagnética é uma oscilação, em fase, dos campos elétricos e magnéticos. As oscilações dos campos magnéticos e elétricos

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 13 PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 QUESTÃO 31 Ao realizar uma radiografia, um técnico de radiologia percebeu que sua máquina fotográfica convencional e os filmes fotográficos estavam no mesmo local que o aparelho

Leia mais

http://biosafety-level.wikispaces.com/radiação

http://biosafety-level.wikispaces.com/radiação Profa. Katia Aquino http://biosafety-level.wikispaces.com/radiação Radiação ionizante Arranca elétrons da matéria não ionizante Excitação da matéria partícula http://blogtecrad.blogspot.com/2010_09_01_archive.html

Leia mais

CONTROLO DE QUALIDADE DE EQUIPAMENTOS DE RADIODIAGNÓSTICO DENTÁRIO

CONTROLO DE QUALIDADE DE EQUIPAMENTOS DE RADIODIAGNÓSTICO DENTÁRIO CONTROLO DE QUALIDADE DE EQUIPAMENTOS DE RADIODIAGNÓSTICO DENTÁRIO Gomes, P., Cardoso, J., Medina, J. Labmetro Saúde do Instituto de Soldadura e Qualidade (ISQ) RESUMO O Decreto-Lei n.º 180/2002, de 8

Leia mais

5 Equipamentos e materiais utilizados

5 Equipamentos e materiais utilizados Equipamentos e materiais utilizados 5 Equipamentos e materiais utilizados O presente capítulo descreve objetivamente os principais equipamentos e materiais utilizados bem como as suas características técnicas

Leia mais

Radiodiagnóstico Médico

Radiodiagnóstico Médico As inovações tecnológicas produzidas pela inteligência humana, embora signifiquem avanços, podem também gerar riscos à saúde, quando não monitoradas de maneira adequada. Por isso, a qualidade do atendimento

Leia mais

A RADIAÇÃO IONIZANTE. O que é? Fontes de radiação Efeitos biológicos

A RADIAÇÃO IONIZANTE. O que é? Fontes de radiação Efeitos biológicos A RADIAÇÃO IONIZANTE O que é? Fontes de radiação Efeitos biológicos Palestra introdutória Curso de Física da Radiação I -2004/1 Resp.: Prof. Stenio Dore O que é radiação? Def. abrangente: É o transporte

Leia mais

FÍSICA DAS RADIAÇÕES. Prof. Emerson Siraqui

FÍSICA DAS RADIAÇÕES. Prof. Emerson Siraqui FÍSICA DAS RADIAÇÕES Prof. Emerson Siraqui CONCEITO Método que permite estudar o corpo em cortes ou fatias axiais ou trasversais, sendo a imagem obtida atraves dos Raios-X com o auxílio do computador (recontrução).

Leia mais

Estudo da influência do espectro de cargas de trabalho no cálculo de blindagem em salas de radiologia convencional

Estudo da influência do espectro de cargas de trabalho no cálculo de blindagem em salas de radiologia convencional BJRS BRAZILIAN JOURNAL OF RADIATION SCIENCES 02-02 (2014) 01-16 Estudo da influência do espectro de cargas de trabalho no cálculo de blindagem em salas de radiologia convencional Alejandro H. L. Gonzales

Leia mais

Física. Resolução. Q uestão 01 - A

Física. Resolução. Q uestão 01 - A Q uestão 01 - A Uma forma de observarmos a velocidade de um móvel em um gráfico d t é analisarmos a inclinação da curva como no exemplo abaixo: A inclinação do gráfico do móvel A é maior do que a inclinação

Leia mais

Realizando o ensaio de ultra-som

Realizando o ensaio de ultra-som Realizando o ensaio de ultra-som A UU L AL A Na aula anterior, você ficou sabendo que o ultra-som é uma onda mecânica que se propaga de uma fonte emissora até uma fonte receptora, através de um meio físico.

Leia mais

Radiografia Industrial MANFRED RONALD RICHTER

Radiografia Industrial MANFRED RONALD RICHTER MANFRED RONALD RICHTER 1. Princípios Radiografia Industrial OBJETIVO Verificação da existência de descontinuidades internas em materiais opacos pelo uso das radiações X ou (gama), que incidem em um dado

Leia mais

II Seminário de Seguros de Responsabilidade Civil Utilização de radioisótopos na indústria. Palestrante: Luiz Carlos de Miranda Júnior

II Seminário de Seguros de Responsabilidade Civil Utilização de radioisótopos na indústria. Palestrante: Luiz Carlos de Miranda Júnior II Seminário de Seguros de Responsabilidade Civil Utilização de radioisótopos na indústria Palestrante: Luiz Carlos de Miranda Júnior AGENDA A bomba atômica. A geração da energia atômica. RI efeitos sobre

Leia mais