Revista Ícone Revista de Divulgação Científica em Língua Portuguesa, Linguística e Literatura Volume 11 Janeiro de 2013 ISSN

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Revista Ícone Revista de Divulgação Científica em Língua Portuguesa, Linguística e Literatura Volume 11 Janeiro de 2013 ISSN 1982-7717"

Transcrição

1 FANTASIA E REASSEGURAMENTO: O PAPEL IDEOLÓGICO DA MADRASTA NOS CONTOS DE FADAS Dagmar Dnalva da Silva Bezerra - FE/UFG 1 Resumo: Esse artigo trata da análise do discurso dos textos dos contos de fadas que tem como personagem vilã a madrasta em contraposição a ausência da mãe dos personagens principais desse gênero textual. Dessa forma buscou-se discutir o papel ideológico da madrasta para os leitores dos contos de fadas, bem como sua função, através da fantasia, de reasseguramento da estabilidade emocional nos momentos de conflitos internos dos jovens leitores. Palavras-chave: Papel Ideológico. Discurso. Madrasta. FANTASY AND REASSURANCE: THE IDEOLOGICAL ROLE OF STEPMOTHER IN FAIRY TALES Abstract: This article analyzes the discourse of the fairy tales in which the bad character is the step-mother in opposition to the main characters mothers absence of this genre of text. Therefore, it aims to discuss the step-mother ideological role to the readers of the fairy tales as well as its function, through the fantasy, of reassurance of the emotional stability in the moments of internal conflicts of the young readers. Key-words: Ideological Role. Discourse. Stepmother. Introdução A pesquisa do papel ideológico da presença, em vários contos de fadas, da madrasta, substituta da mãe, se deu a partir da seleção de quatro contos de fadas recolhidos pelos irmãos Grimm na Alemanha do século XIX, que tem a madrasta como personagem opositora à felicidade das suas enteadas: Branca de Neve, Cinderela, João e Maria e Rapunzel. Após os contos terem sidos selecionados procedeu-se à leitura dos textos recontados por Kátia Canton (2006). A tentativa foi de interpretar o discurso 2 da madrasta, através da linguagem dos contos infantis, em busca de se entender o porquê da presença constante dela em detrimento da ausência da mãe legítima. Entretanto, entendendo aqui que a linguagem não é transparente, e interpretar não é atribuir sentido, mas expor-se à opacidade do texto, ou seja, é explicitar 1 Doutoranda em Educação pela Faculdade de Educação da UFG. 2 Discurso entendido como colocação em funcionamento de recursos expressivos de uma língua com certa finalidade, atividade que sempre se dá numa instância concreta e entre um locutor e um alocutário (POSSENTI, 2001, p. 64).

2 como um objeto simbólico produz sentidos (ORLANDI, 2006, p. 24). Assim, buscou-se analisar o discurso explícito e implícito que pudesse justificar a presença da madrasta como substituta constante da mãe, muitas vezes desempenhando o papel de rival, outras de algoz, mas sempre como destinada a educar pela dor aquela/aquele que ficou sob seus cuidados após casamento com o pai que pode ser descrito como ausente, omisso ou ingênuo, admitindo, porém, que os discursos não são fixos, estão sempre se movendo e sofrem transformações, acompanham as transformações sociais e políticas de toda natureza que integram a vida humana (FERNANDES, 2005, p. 22). A função dos contos de fadas é em certa medida pedagógica, portanto, de acordo com Mikhail Bakhtin (2003), os textos são criados em um determinado gênero de acordo com sua função. Para ele, há uma quantidade enorme de gêneros do discurso. Estes podem ser primário ou secundário. Os discursos primários exercem a função primeira para a qual o texto foi produzido, como são os contos de fadas, e os secundários são um gênero dentro de outro gênero, ou seja, a função do texto é utilizada para dar sentido a outro gênero. Levanta-se aqui a função pedagógica dos contos de fadas porque, de acordo com Bakhtin (2003, p. 268), em cada época de evolução da linguagem literária, o tom é dado por determinados gêneros do discurso, e não só gêneros secundários, mas também primários. E a partir das concepções dos contos de fadas como um gênero discursivo, os dados levantados foram analisados sob o referencial da Análise do Discurso a partir das contribuições de Bakhtin (1988, 2003), Brait (2001), Fernandes (2004, 2005), Foucault (2007), Gregolin (2004), Koch (2003), Orlandi (2001, 2004 e 2006), Pêcheux (2002) e Possenti (2001). 1 O papel da mãe na composição familiar Nos diferentes modelos de família, o papel da mãe é desempenhado com funções socialmente definidas. Ao longo da história da humanidade, a mãe é aquela que gera, mas também é aquela que cuida que se preocupa com a saúde, a segurança e o bem-estar dos que estão sob sua responsabilidade. Por ser gerado pela mulher, o filho tem uma relação de dependência alimentar e de segurança com a mãe, inicialmente, e mais tarde tem uma relação de afeto possibilitada pelos momentos de proximidade que passaram juntos nos primeiros anos de vida. A comunidade familiar é vista como positiva e saudável, salvo em algumas raras ocasiões (PENTEADO, 1997, p. 231). Na sociedade contemporânea, mãe é aquela que se ocupa da responsabilidade de 32

3 cuidar do outro. Assim, temos a mãe biológica, a mãe adotiva, a avó que assume a responsabilidade de criar o neto, a madrinha, a assistente social e diversas outras representantes femininas que se ocupam dos cuidados para com as crianças. Nesse percurso, que empreendemos aqui, vale lembrar que: A análise do discurso, [...], não desvenda a universalidade de um sentido; ela mostra à luz do dia o jogo da rarefação imposta, com um poder fundamental de afirmação. Rarefação e afirmação, rarefação, enfim, da afirmação e não generosidade contínua do sentido, e não monarquia do significante (FOUCAULT, 2007, p. 70). Com essa compreensão da Análise do Discurso é que observamos que ao ler os contos de fadas, o leitor tem uma concepção de mãe que espera ser reproduzida no enredo do conto. Desse modo, ele diferencia a mãe da madrasta. A mãe cuida, é boa, carinhosa, compreensiva e sempre deseja o melhor para seu filho. A madrasta é a representação da maldade, é aquela que usurpou o lugar da mãe, que explora a criança para que desempenhe as tarefas domésticas e também é ciumenta, pois quer se livrar do enteado para ficar só com o pai e com seus bens. De acordo com Bruno Bettelheim (2006), nos contos de fadas há uma divisão típica entre as personagens: a mãe boa, que normalmente já está morta; e, uma madrasta malvada ocupante deste lugar. Mas essa divisão é útil para a criança. De acordo com o autor, a divisão entre mãe boa e madrasta má dos contos infantis possibilita à criança preservar a imagem interna da mãe boa, quando na verdade a mãe real não é totalmente boa, permitindo à criança ter raiva da madrasta malvada, que pode ser uma criação fictícia da criança para não comprometer a bondade da mãe verdadeira, e é, assim, encarada como uma pessoa diferente. As boas qualidades da mãe são tão exageradas no personagem salvador do conto de fadas quanto as maldades na bruxa (BETTELHEIM, 2006, p. 86). Toda essa engenhosidade da criança lhe permite conviver com as mudanças de humor da mãe. Mas na vida real existe a madrasta, esta não é uma criação ficcional da criança. Há pais que ficam viúvos, que se separam e que tentam reconstruir suas vidas com outras mulheres, então estas se configuram como as madrastas. E a ideologia que sobressai é a da madrasta malvada dos contos de fadas, porque as crianças não são seus filhos legítimos, porque a nova esposa quer cuidar dos seus próprios filhos, porque os enteados lembram o primeiro amor do marido. Na produção desse discurso, para Foucault (2007, p. 8), podemos supor que, Em toda sociedade a produção do discurso é ao mesmo tempo controlada, selecionada, organizada e redistribuída por certo número de procedimentos que têm 33

4 por função conjurar seus poderes e perigos, dominar seu acontecimento aleatório, esquivar sua pesada e temível materialidade. O discurso da madrasta malvada presente nos contos de fadas parece repercutir na vida real. São poucos os relatos de madrastas boas, o que aparece na mídia são os casos de madrastas más (como o caso Isabella Nardoni, por exemplo), entendendo como madrasta, aqui, aquela que ocupa o lugar de mãe, de cuidadora de um filho que não foi gerado por ela. Assim, há uma contraposição entre a figura da mãe e a figura da madrasta na vida real e nos contos de fadas, ou seja, uma contradição nos enunciados característicos da madrasta no gênero contos de fadas. De acordo com Foucault (apud. GREGOLIN, 2004, p. 31), a identidade do enunciado está submetida aos limites que lhe são impostos pelo lugar que ocupa entre outros enunciados. Na vida cotidiana há mães boas e más, há madrastas boas e más, mas nos interessa, aqui, a presença constante da madrasta nos contos de fadas. 2 A presença da madrasta nos contos Os contos selecionados para análise: 1) Branca de Neve, 2) Cinderela, 3) João e Maria e 4) Rapunzel, são contos populares, recolhidos pelos irmãos Grimm na Alemanha do século XIX, e têm em comum a personagem madrasta como algoz da mocinha, a personagem feminina principal das narrativas. 2.1 Branca de Neve O conto de fadas Branca de Neve narra que, uma rainha queria ter uma filha branca como a neve, cabelos negros como a noite e lábios vermelhos como sangue. A rainha teve a filha como desejou e deu-lhe o nome de Branca de Neve, mas a senhora logo adoeceu e morreu deixando o rei viúvo e sua filha órfã. O rei casou-se de novo, mas a nova rainha era fútil, vaidosa e má. E quando ela olhava no espelho mágico que tinha, sempre queria saber quem era a mulher mais bonita do reino e o espelho lhe respondia que era ela mesma, a rainha. Branca de Neve cresceu e se tornou uma linda jovem, isto incomodou a rainha, porque o espelho passou a dizer que a mulher mais bonita era Branca de Neve. A rainha enfurecida por não ser mais tão bonita mandou que um guarda matasse a jovem e trouxesse seu fígado e 34

5 sua língua para que comesse no jantar. O guarda ficou com pena da moça, deixou-a fugir e levou para a rainha as partes de um carneiro que comeu como se fosse de Branca de Neve. Esta fugiu pela floresta, encontrou a casa de sete anões e estes cuidaram dela. Mas a rainha, através de seu espelho mágico, descobriu que Branca de Neve continuava viva e tentou matála três vezes: a primeira com uma fita amarrada no seu pescoço; a segunda com um pente envenenado; e, a terceira com uma maçã. Nas duas primeiras vezes os anões a salvaram, mas na terceira vez Branca de Neve caiu envenenada no chão e os anões chegaram tarde para salvá-la. Acreditando que ela estava morta, os anões a colocaram num caixão de vidro e o colocaram no jardim para que pudessem contemplá-la. Um dia um príncipe, que passava por ali, viu a linda jovem no caixão de vidro e se encantou por ela, pediu que os anões lhe vendessem o caixão. Eles não quiseram lhe vender, mas viram que ele era sincero e deu-lhe o caixão com a Branca de Neve de presente. Ao transportar o caixão, o corpo da jovem foi movimentado e o pedaço da maçã que estava preso em sua garganta saltou para fora da sua boca e Branca de Neve acordou imediatamente. O príncipe lhe contou sua história, os dois se abraçaram e se apaixonaram os anões também vieram confraternizar. Eles se casaram e quando a rainha descobriu que Branca de Neve ainda estava viva ficou com muita raiva, mas não fez mais nada porque dois chinelos em chamas saíram da lareira, lhe calçaram os pés e a obrigou a pular até a morte (CANTON, 2006, p ). 2.2 Cinderela O conto de fadas Cinderela narra a história de uma menina que ficou órfã de mãe e seu pai se casou de novo com uma senhora também viúva e mãe de duas filhas. A madrasta e suas filhas exploravam os serviços domésticos de Cinderela, seu pai não tinha voz ativa, por isso não intervinha. O rei daquele país tinha um filho e resolveu casá-lo, para tanto organizou um baile para que encontrasse uma bela esposa. Cinderela foi proibida de ir ao baile, mas ela teve ajuda mágica e conseguiu chegar ao baile. Lá ela conheceu o príncipe. Os dois dançaram a noite inteira, mas ao final Cinderela precisou ir embora, pois a magia acabaria, e ela se tornaria novamente a moça maltrapilha que dormia perto do borralho (cinzas do fogão à lenha). Na pressa, Cinderela perdeu um pé dos seus sapatos. O príncipe havia se apaixonado por Cinderela, então se pôs a procurar a dona do sapatinho que ficara nas escadarias do castelo. Depois de muita procura, o príncipe chegou à 35

6 casa dela, mas sua madrasta havia feito com que ela se escondesse. O príncipe experimentou o sapatinho nas duas filhas da madrasta, porém não serviu em nenhuma delas. O príncipe já estava saindo da casa quando viu Cinderela e, mesmo achando-a maltrapilha e cheia de cinzas, experimentou nela o sapatinho que serviu perfeitamente. Os dois viveram felizes até o fim de seus dias e as duas irmãs invejosas foram punidas por suas maldades, ficando cegas após duas pombas picarem seus olhos. 2.3 João e Maria O conto de fadas João e Maria narra a história de dois irmãos que eram criados pelo pai e pela madrasta. A família deles passava por muitas necessidades, a comida já não era suficiente para os quatro. Então a madrasta teve a ideia de deixar os dois irmãos na floresta para que ela e o marido pudessem sobreviver. João e Maria, perdidos na floresta, encontraram uma casinha feita de doces. Nela morava uma senhora, que mais tarde descobriram ser uma bruxa que comia crianças. Os dois foram aprisionados por ela e enquanto fazia João comer sem parar para engordar, Maria trabalhava sem cessar fazendo os serviços domésticos na casa da bruxa. Para se livrar da morte e da bruxa, Maria foi esperta ao ludibriar a bruxa e fazê-la entrar no forno. Assim, a bruxa morreu queimada e os dois irmãos se libertaram e voltaram para casa com a fortuna acumulada em ouro pela bruxa, e João e Maria viveram bem. 2.4 Rapunzel O conto de fadas Rapunzel traz a história de um casal que estava esperando um filho quando a mulher sentiu desejo de comer rapunzel 3 da horta da vizinha. Ao invés de pedir os rapunzéis à vizinha, o marido resolveu invadir a horta alheia e pegar alguns para que a mulher saciasse seu desejo, mas a dona da horta era uma bruxa, ficou muito brava com os dois e exigiu que quando a criança atingisse quinze anos fosse entregue a ela. A criança nasceu e deram-lhe o nome de Rapunzel, por causa do acordo com a vizinha que teve suas verduras comidas pela mãe da criança. Quando Rapunzel completou quinze anos a bruxa levou-a para ser criada no alto de uma torre, onde a deixou longe de todos. Para entrar na torre, que não tinha porta, só janela, a bruxa deixou os cabelos de Rapunzel crescer e trançava-os para que servissem de corda para que subisse até onde a menina estava. 3 Verdura alemã rara e difícil de se encontrar. 36

7 Um dia, passava por ali um príncipe que ouviu Rapunzel cantar. Ele se aproximou da torre e viu quando a bruxa embaixo da janela da torre gritou para que a menina lhe jogasse as tranças. Depois que a bruxa foi embora, o príncipe fez o mesmo, imitando a voz da velha que cuidava de Rapunzel. Esta jogou-lhe as tranças e o príncipe subiu até onde a prisioneira estava. Quando a viu, o príncipe se apaixonou por ela, quis levá-la, mas não tinha como ela sair sem se machucar. Certo dia Rapunzel deixou escapar que um príncipe havia lhe visitado, a bruxa expulsou Rapunzel, e esta ficou vagando sozinha no mundo. A bruxa, ainda, armou uma cilada para o príncipe: cortou os cabelos de Rapunzel e quando o príncipe chegou, jogou-lhe as tranças como se fosse a menina, quando chegou lá em cima na torre a bruxa empurrou-o fazendo-o cair sobre espinhos que perfuraram-lhe os olhos, deixando-o cego. Os dois, Rapunzel e o príncipe, vagaram separados pelo mundo e só muito tempo depois é que se encontraram. Quando Rapunzel reencontrou o príncipe e viu que ele estava cego, chorou então suas lágrimas caíram sobre os olhos do príncipe e este voltou a enxergar. Assim, os dois viveram felizes com muito amor e verdade. 3 Entendendo o papel ideológico da madrasta nos contos de fadas Social e culturalmente, a madrasta é aquela que ocupa o lugar de mãe desocupado por diferentes motivos: pela morte da mãe, pelo abandono (adoção) ou por um novo casamento do pai (após separação). A partir da popularização dos contos de fadas, a madrasta passou a representar ideologicamente, e muitas vezes na prática, a vilã da criança que por algum motivo foi privada da presença materna. Podemos dizer que aqui houve uma apropriação social do discurso da madrasta, demonstrando o caráter pedagógico desse gênero discursivo. De acordo com Foucault (2007, p. 43). Sabe-se que a educação, embora seja, de direito, o instrumento graças ao qual todo indivíduo, em uma sociedade como a nossa, pode ter acesso a qualquer tipo de discurso, segue, em sua distribuição, no que permite e no que impede, as linhas que estão marcadas pela distância, pelas oposições e lutas sociais. Todo sistema de educação é uma maneira política de manter ou de modificar a apropriação dos discursos, com os saberes e os poderes que eles trazem consigo. Nos quatro contos selecionados para análise, o papel da madrasta na construção da identidade infantil se coloca como um rito de passagem para que a criança se fortaleça e restabeleça a confiança em si e nos outros. Mas, de que discursos essas madrastas se valem 37

8 para garantir que suas enteadas sintam medo e, consequentemente, as obedeçam permitindo, assim, que a personagem madrasta detenha o poder? Em Branca de Neve, a madrasta é bonita por fora, mas por dentro é fútil, vaidosa e de coração horrível. Dessa forma ela ordena ao guarda do palácio que leve Branca de Neve para a floresta. Lá você a matará e me trará sua língua e seu fígado, que comerei no jantar (CANTON, 2006, p. 24). Observem que a vida da enteada é irrelevante quando a vaidade da madrasta é maculada, o que sobressai na descrição desta personagem é que sua beleza é apenas estética, pois seu interior é conduzido pela inveja, pela soberba e pela maldade. A vida do outro não importa à medida que a sua morte pode enaltecer a beleza da rainha. O discurso da madrasta também é dissimulado. Ela se transforma em vendedora de fitas para persuadir Branca de Neve a abrir a porta, para em seguida envolvê-la no discurso de boa vendedora até convencê-la a experimentar uma das fitas. A madrasta, disfarçada, amarrou a fita rosa em volta do pescoço da menina, até sufocá-la. Sem conseguir respirar, Branca de Neve caiu no chão (Idem, p. 27). A madrasta se disfarça de velhinha e novamente, através do discurso, convence Branca de Neve a abrir-lhe a porta. Uma terceira vez a madrasta representa uma personagem, agora uma fazendeira, que por meio de uma maçã envenenada pretende destruir a enteada. O discurso da madrasta está carregado da ideologia do domínio e do poder disfarçado das atenções de uma desconhecida para com a criança. As armadilhas preparadas pela madrasta, para fazer Branca de Neve desaparecer, só funcionam porque vêm legitimadas por um discurso que convence o interlocutor que o recebe como verdadeiro. Na análise do discurso, a intenção do falante se estabelece a partir das estratégias interacionais. As estratégias interacionais são estratégias socioculturalmente determinadas que visam a estabelecer, manter e levar a bom termo uma interação verbal (KOCH, 2003, p. 36). Em Branca de Neve, essa interação verbal ocorre entre a madrasta e a enteada indefesa através do diálogo que a vilã disfarçada estabelece com a heroína e da confiança que esta tem no outro. O discurso da madrasta, que pune a enteada, também é encontrado no conto Cinderela. Neste conto, Cinderela é a enteada que passará por situações de opressão impostas pela madrasta por meio dos castigos físicos, mas também através do discurso que intenciona diminuir o valor social da enteada, bem como proporcionar momentos de reflexão no período de transição entre a infância e a adolescência. No conto Cinderela, a análise do discurso pode ser empreendida a partir da morte da mãe da menina e o novo casamento de seu pai. O casamento é o acontecimento que modifica 38

9 a estrutura familiar de Cinderela. Este acontecimento é entendido aqui como o fato que ocorre dentro de uma determinada situação que passa a fazer parte do contexto, uma vez que para que a língua faça sentido é preciso que a história intervenha [...] A interpretação não é mero gesto de decodificação, de apreensão do sentido. O que a garante é a memória institucionalizada e a memória constitutiva (ORLANDI, 2004, p. 67). Assim, o sofrimento de Cinderela só se inicia quando há uma perda insubstituível, mas que seu pai tenta suprir com o casamento. Sua nova esposa era bela, mas muito arrogante e metida (CANTON, 2006, p. 61). O discurso da madrasta coloca Cinderela no lugar de serviçal: Cinderela, passe essa fita de cetim; engraxe esses sapatos; costure essa alcinha do vestido (Idem, p. 62). Sua posição de mãe postiça ainda é confrontada quando todas as moças casadoiras são convidadas para o baile do príncipe e com o discurso da aparência não apresentável de Cinderela, a madrasta impede que a jovem enteada vá ao baile. Mesmo que eu deixasse, você seria proibida de entrar no palácio real com essas roupas. Desista, menina. Esse baile não foi feito para você... (Idem, p. 64). De acordo com Eni Orlandi (2006, p. 15), as condições de produção do discurso incluem, pois os sujeitos e a situação. Assim, a madrasta e Cinderela e a realização do baile contribuem para a produção do discurso de que o baile é sinônimo de glamour e luxo, portanto não comporta a presença de uma personagem maltrapilha, vestida com trapos sujos de cinzas. Nessa perspectiva o discurso serve para demarcar as diferentes posições sociais que as personagens desempenham no enredo. Mais uma vez a madrasta cumpre o objetivo de educar, porém, como está no lugar da mãe, seu papel é redimensionado transformando-a em educadora, julgadora e punidora dos possíveis e prováveis erros que a enteada venha a cometer. No conto João e Maria, a madrasta não se revela vilã até que a miséria recobre a família deixando-a sem qualquer alimento e condenado-a a viver a pão e água. Quando este alimento também acabara, a madrasta assumiu seu papel de algoz proferindo o veredicto: Só há uma saída: deixaremos as crianças no bosque, para que elas se arrumem sozinhas e seremos apenas nós dois para dividir a comida (CANTON, 2006, p. 51). Estas palavras marcam a transição da madrasta boa para a madrasta má. Esse marco divisor impulsiona as crianças para o amadurecimento necessário na transição da infância para a adolescência, momento de crescimento físico e intelectual, que para muitos se revela como doloroso, porém imprescindível na constituição da identidade de cada criança. Podemos 39

10 encontrar nesse discurso certo temor do discurso da madrasta má dos contos de fadas, porque poderia incentivar o descontentamento do(a) enteado(a) a respeito de uma outra mulher ocupando um lugar que é exclusivo da mãe. Para Foucault (2007, p. 51), se quisermos analisar o temor que temos do discurso, em suas condições, seu jogo e seus efeitos, é necessário questionar nossa vontade de verdade; restituir ao discurso seu caráter de acontecimento; suspender, enfim, a soberania do significante. O discurso da madrasta é de que sozinhos, ela e o marido, sobreviveriam com o pouco que tinham, e que, apesar de pequenas, as crianças poderiam sobreviver sozinhas na floresta ou morrerem, mas antes morrerem só dois do que morrerem todos os quatro (pai, madrasta, João e Maria). Esse discurso explicita que, mais uma vez, a madrasta se comporta como a provocadora do crescimento emocional e cognitivo dos enteados. A formação discursiva nos argumentos da madrasta demonstra que há uma ideologia secular na relação entre pais substitutos e os filhos de criação. O ideologicamente fora do padrão, fora do esperado seria a madrasta e os enteados terem uma relação harmoniosa. De acordo com Orlandi (2001, p. 69), Na perspectiva da análise de discurso, há um saber discursivo, uma memória que não se aprende, filiações de sentidos a que, enquanto seres simbólicos, estamos sujeitos e sobre as quais não temos controle, em termos de transmissão de sentidos. No entanto, em termos teóricos e analíticos, temos como entrar no discurso, pela sua textualização, estabelecendo uma relação com o funcionamento discursivo, com os processos de constituição de sentidos ali inscritos e apreender assim os gestos de interpretação que os constituem, podendo aí vislumbrar a possibilidade de outras leituras (grifo no original). Para a análise do discurso, as formações discursivas surgem nas relações sociais e se constituem nas relações ideológicas, as ideologias manifestam-se em atitudes, comportamentos e linguagem e constituem práticas discursivas integrando as formações sociais (FERNANDES, 2004, p. 53). E no conto João e Maria o discurso da madrasta foi socialmente construído. O que impede a família de prosperar são os filhos, João e Maria, então o discurso é de que a ausência deles devolveria a fartura à família. Assim, a madrasta representa o papel que histórica e ideologicamente foi-lhe imposto pela cultura e pelas concepções socialmente construídas. Já no conto Rapunzel, a madrasta não se constitui pelo casamento do pai, mas pela perda da filha, em função do erro cometido pelos pais, para uma mãe adotiva (bruxa) que cria Rapunzel. Já que é um caso de vida ou morte, pode levar. Mas a condição é de que, ao 40

11 completar quinze anos, a criança que ela carrega no ventre seja dada a mim. Eu cuidarei bem dela, pode ficar tranquilo (CANTON, 2006, p. 16). O discurso da madrasta-bruxa é que estava apenas cobrando o prometido pelo pai de Rapunzel. Porém, o papel de madrasta, que de alguma forma pune a criança pelos erros dos adultos, é cumprido quando, após um ano de Rapunzel ter ido morar com a madrasta-bruxa, esta a prende no alto de uma torre onde é possível entrar somente subindo pelos cabelos trançados da menina: Rapunzel, minha menina, joga-me as tranças para eu chegar aí em cima! (Idem, p. 19). Essa ação revela os embates entre o discurso da madrasta-bruxa que nutre algum sentimento pela enteada e o desejo de anular qualquer possibilidade de autonomia da menina. Ah, então ela está me traindo, deixando que alguém mais vá vê-la lá em cima. Ela vai ver só... (Idem, ibidem). Nessa construção ideológica do papel social da madrasta, os contos de fadas contribuem para a constituição da identidade da criança uma vez que a sua leitura provoca a desconstrução do imaginário infantil sobre a mãe, levando-a a refletir sobre os diferentes momentos de humor dos adultos. Tudo que é ideológico possui um significado e remete a algo situado fora de si mesmo. Em outros termos, tudo que é ideológico é um signo. Sem signos não existe ideologia (BAKHTIN, 1988, p. 31, grifos meus). Acredita-se, portanto, que a madrasta dos contos de fadas é o signo representante da ideologia da ruptura na transição da infância para a adolescência, ou seja, o amadurecimento pelo qual a criança passa no entremeio da primeira etapa da vida para a segunda. O discurso da madrasta, nos quatro contos de fadas aqui apresentados, representam a indagação da própria criança na tentativa de entender todas as transformações vivenciadas por ela nessa fase de sua vida. De acordo com Michel Pêcheux (2002), a materialidade específica do discurso se constitui no entremeio, na desconstrução, no contato do histórico com o linguístico. Nos contos de fadas em que a madrasta é a antagonista da heroína feminina, o histórico o papel da madrasta na reestruturação da família entra em contato com o linguístico o discurso da madrasta que educa a enteada por meio da punição, promovendo, assim, a desconstrução, o desconforto da relação entre madrasta e enteada/enteados. Nessa perspectiva, a análise do discurso da madrasta se realizou no entremeio, ou seja, na contradição entre o discurso de substituta da mãe (amorosa, preocupada com seu bem estar, com a harmonia da família) e as ações punitivas que a madrasta impõe à enteada em nome da sua educação. 41

12 À guisa de conclusão A análise aqui empreendida objetivou a compreensão do papel ideológico da madrasta nos contos de fadas. Foi possível perceber que a personagem madrasta é recorrente na literatura infantil com o intuito educativo, pois através dela a criança percebe os contrapontos da existência dos adultos que com ela convivem. O discurso da madrasta, nos contos de fadas, substituiu na formação da identidade da criança a lição de moral presente nas fábulas ou nos diálogos que os adultos insistem em ter com a criança para dotá-las de maturidade, a fim de que possam enfrentar as intempéries da vida cotidiana, mesmo que isto tenha pouca ou nenhuma significação para a criança ou, ainda, para a resolução dos seus conflitos internos. Sendo a criança um sujeito que existe em si e em relação aos outros, ela é um sujeito histórico, isto lhe possibilita se relacionar com os conhecimentos socialmente produzidos e adquirir uma memória discursiva. Esta criança, ao entrar em contato com os textos, se constitui em sujeito-leitor. A partir dessa condição de leitor, a criança busca o sentido e a significação dos textos a que tem acesso, entendendo, porém, que os sentidos dos discursos dependem das condições de produção dos mesmos. O papel ideológico da madrasta nos contos de fadas já faz parte da formação imaginária dos leitores de tais textos. Ser má não é uma escolha da madrasta, já está definido por essa formação imaginária o seu papel ideológico, que é ser malvada, rival e punidora dos seus enteados. Nos contos de fadas, a presença da madrasta estabelece o equilíbrio entre a bondade da mãe e a necessidade de esta ser, muitas vezes, rigorosa, punitiva e impositora de limites à exacerbação do id infantil (desconhecimento de limites por parte do sujeito em crescimento) na formação da criança, possibilitando-lhe a estabilidade emocional e o reasseguramento. Referências BAKHTIN, Mikhail (Volochínov). Marxismo e filosofia da linguagem. 4ª ed. São Paulo: Hucitec, Estética da criação verbal. 4ª Ed. São Paulo: Martins Fontes,

13 BRAIT, Beth. O discurso sob o olhar de Bakhtin. In: GREGOLIN, Maria R.; BARONAS, Roberto. (Orgs.). Análise do discurso: as materialidades do sentido. São Paulo: Editora Claraluz, BETTELHEIM, Bruno. A psicanálise dos contos de fadas. 20ª ed. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, CANTON, Kátia. Era uma vez Irmãos Grimm. São Paulo: Editora DCL, FERNANDES, Cleudemar A. Linguística e história: formação e funcionamentos discursivos. In: FERNANDES, Cleudemar A.; SANTOS, João B. C. (Orgs.). Análise do discurso: unidade e dispersão. Uberlândia, MG: Editora EntreMeios, Análise do discurso: reflexões introdutórias. Goiânia: Trilhas, FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. 15ª ed. São Paulo: Edições Loyola, GREGOLIN, Maria do Rosário V. O enunciado e o arquivo: Foucault (entre)vistas. In: SARGENTINI, V.; NAVARRO-BARBOSA, P. M. (Orgs.). Foucault e os domínios da linguagem: discurso, poder, subjetividade. São Carlos: Claraluz, KOCH, Ingedore G. V. O texto e a construção dos sentidos. 7ª ed. São Paulo: Editora Contexto, ORLANDI, Eni P. Os efeitos de leitura na relação discurso/texto. In: Discurso e texto: formulação e circulação de sentidos. Campinas: Pontes, Autoria e interpretação. In: Interpretação: autoria, leitura e efeitos do trabalho simbólico. 4ª ed. Campinas: Pontes,

14 . Análise de discurso. ORLANDI, Eni P.; LAGAZZI-RODRIGUES, Suzy. (Orgs.). Introdução às Ciências da Linguagem: discurso e textualidade. Campinas, SP: Pontes Editores, PÊCHEUX, Michel. O discurso: estrutura ou acontecimento. 3ª ed. Campinas, SP: Editora Pontes, PENTEADO, J. Roberto W. Os filhos de Lobato: o imaginário infantil na ideologia do adulto. Rio de Janeiro: Dunya Editora, POSSENTI, Siro. Língua e discurso. São Paulo:

AUTORES E ILUSTRADORES: GIOVANNA CHICARINO ROSA JOÃO VICTOR CAPUTO E SILVA

AUTORES E ILUSTRADORES: GIOVANNA CHICARINO ROSA JOÃO VICTOR CAPUTO E SILVA AUTORES E ILUSTRADORES: GIOVANNA CHICARINO ROSA JOÃO VICTOR CAPUTO E SILVA 1ºA - 2011 APRESENTAÇÃO AO LONGO DESTE SEMESTRE AS CRIANÇAS DO 1º ANO REALIZARAM EM DUPLA UM TRABALHO DE PRODUÇÃO DE TEXTOS A

Leia mais

ANÁLISE DO CONTO DE FADAS ENCANTADA

ANÁLISE DO CONTO DE FADAS ENCANTADA ANÁLISE DO CONTO DE FADAS ENCANTADA Andréa Nunes Ribeiro Marília Felix de Oliveira Lopes RESUMO: Este trabalho científico tem como objetivo analisar os contos de fadas e a conversão do in Magic para o

Leia mais

Apoio: Patrocínio: Realização:

Apoio: Patrocínio: Realização: 1 Apoio: Patrocínio: Realização: 2 CINDERELA 3 CINDERELA Cinderela era uma moça muito bonita, boa, inteligente e triste. Os pais tinham morrido e ela morava num castelo. A dona do castelo era uma mulher

Leia mais

APRENDENDO PORTUGUÊS COM AS MÍDIAS. Competência Leitora na 5ª série

APRENDENDO PORTUGUÊS COM AS MÍDIAS. Competência Leitora na 5ª série APRENDENDO PORTUGUÊS COM AS MÍDIAS Competência Leitora na 5ª série O QUE É AVALIAÇÃO EM PROCESSO? Ação fundamentada no Currículo Oficial da SEE, que propõe acompanhamento coletivo e individualizado dos

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER Atividades Lição 5 NOME: N º : CLASSE: ESCOLA É LUGAR DE APRENDER 1. CANTE A MÚSICA, IDENTIFICANDO AS PALAVRAS. A PALAVRA PIRULITO APARECE DUAS VEZES. ONDE ESTÃO? PINTE-AS.. PIRULITO QUE BATE BATE PIRULITO

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS SOBRE A PROVA. Esta prova é constituída por duas partes, separadas por um intervalo de 30 minutos. 1.ª Parte (45 minutos)

INSTRUÇÕES GERAIS SOBRE A PROVA. Esta prova é constituída por duas partes, separadas por um intervalo de 30 minutos. 1.ª Parte (45 minutos) PA-LP 3 INSTRUÇÕES GERAIS SOBRE A PROVA Esta prova é constituída por duas partes, separadas por um intervalo de 30 minutos. 1.ª Parte (45 minutos) Durante este tempo, vais ler, com muita atenção, um texto

Leia mais

Análise semiótica de campanha publicitária O Boticário

Análise semiótica de campanha publicitária O Boticário Análise semiótica de campanha publicitária O Boticário Jacqueline Calisto Costa Raquel de Paula Pinto Soares RESUMO A abordagem semiótica entende o texto como uma unidade de sentido, independente da linguagem.

Leia mais

Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas

Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas outubro/novembro de 2012 Literatura na escola: os contos maravilhosos, contos populares e contos de fadas. Professora Marta Maria Pinto

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva A criança que chega à escola é um indivíduo que sabe coisas e que opera intelectualmente de acordo com os mecanismos de funcionamento

Leia mais

O QUE ALUNOS DO CICLO INICIAL INVENTAM AO NOMEAR OS PERSONAGENS DE SUAS HISTÓRIAS INVENTADAS

O QUE ALUNOS DO CICLO INICIAL INVENTAM AO NOMEAR OS PERSONAGENS DE SUAS HISTÓRIAS INVENTADAS O QUE ALUNOS DO CICLO INICIAL INVENTAM AO NOMEAR OS PERSONAGENS DE SUAS HISTÓRIAS INVENTADAS Roberta da Silva Freitas roberta_sfreitas@hotmail.com Universidade Federal de Alagoas (UFAL-PPGE/ET&C-CAPES)

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este?

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este? Universidade do Sul de Santa Catarina UNISUL maria.schlickmann@unisul.br Palavras iniciais... As reflexões que apresento neste texto são um recorte de estudo que venho realizando na minha tese de doutorado.

Leia mais

copyright Todos os direitos reservados

copyright Todos os direitos reservados 1 2 Espaço das folhas 3 copyright Todos os direitos reservados 4 Autor Jorge Luiz de Moraes Minas Gerais 5 6 Introdução Folha é apenas uma folha, uma branca cor cheia de paz voltada para um querer, um

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

José teve medo e, relutantemente, concordou em tomar a menina como esposa e a levou para casa. Deves permanecer aqui enquanto eu estiver fora

José teve medo e, relutantemente, concordou em tomar a menina como esposa e a levou para casa. Deves permanecer aqui enquanto eu estiver fora Maria e José Esta é a história de Jesus e de seu irmão Cristo, de como nasceram, de como viveram e de como um deles morreu. A morte do outro não entra na história. Como é de conhecimento geral, sua mãe

Leia mais

NARRATIVAS E PRÁTICAS DE LEITURA NA CRECHE: RELATOS SOBRE A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA BEBÊS. Uma experiência com mães.

NARRATIVAS E PRÁTICAS DE LEITURA NA CRECHE: RELATOS SOBRE A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA BEBÊS. Uma experiência com mães. NARRATIVAS E PRÁTICAS DE LEITURA NA CRECHE: RELATOS SOBRE A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA BEBÊS. Uma experiência com mães. Autores: DILMA ANTUNES SILVA 1 ; MARCELO NASCIMENTO 2. Modalidade: Relato de experiência.

Leia mais

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 FORMAÇÃO

Leia mais

ANÁLISE LITERÁRIA: OS ESTEREÓTIPOS DE BELEZA EM SHREK 1. O conto narra a estória de Shrek, um ogro que vive sozinho em um pântano, mas que

ANÁLISE LITERÁRIA: OS ESTEREÓTIPOS DE BELEZA EM SHREK 1. O conto narra a estória de Shrek, um ogro que vive sozinho em um pântano, mas que 1 ANÁLISE LITERÁRIA: OS ESTEREÓTIPOS DE BELEZA EM SHREK 1 Luciara dos Santos (UFS) I. ENREDO O conto narra a estória de Shrek, um ogro que vive sozinho em um pântano, mas que logo tem sua tranqüilidade

Leia mais

ATIVIDADES PEDAGÓGICAS EM SALA DE AULA DE INGLÊS DURANTE O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO

ATIVIDADES PEDAGÓGICAS EM SALA DE AULA DE INGLÊS DURANTE O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO ATIVIDADES PEDAGÓGICAS EM SALA DE AULA DE INGLÊS DURANTE O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO Silvana Laurenço Lima 1 Deise Nanci de Castro Mesquita 2 RESUMO: O objetivo desta comunicação é apresentar e discutir

Leia mais

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Apresentaremos 4 lições, que mostram algum personagem Bíblico, onde as ações praticadas ao longo de sua trajetória abençoaram a vida de muitas

Leia mais

A Branca de Neve e os sete anões

A Branca de Neve e os sete anões A Branca de Neve e os sete anões Era Inverno, e a neve caía como se fosse uma leve penugem... Uma jovem rainha cosia, sentada defronte da janela enquadrada de madeira de ébano. Quando olhou para os flocos

Leia mais

FACESI EM REVISTA Ano 3 Volume 3, N. 2 2011 - - ISSN 2177-6636

FACESI EM REVISTA Ano 3 Volume 3, N. 2 2011 - - ISSN 2177-6636 A IMPORTÂNCIA DO ATO DE LER NO UNIVERSO INFANTIL Ana Maria Martins anna_1280@hotmail.com Karen de Abreu Anchieta karenaanchieta@bol.com.br Resumo A importância do ato de ler no cotidiano infantil é de

Leia mais

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar CATEGORIAS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS S. C. Sim, porque vou para a beira de um amigo, o Y. P5/E1/UR1 Vou jogar à bola, vou aprender coisas. E,

Leia mais

O discurso de mídia em relação a mulher 1

O discurso de mídia em relação a mulher 1 O discurso de mídia em relação a mulher 1 GLÁUCIA PEREIRA DE SOUZA UNIVERSIDADE CATOLICA DE BRASILIA O objetivo desta comunicação é fazer uma primeira discussão sobre o discurso da mídia em relação à mulher,

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DOS CONTOS DE FADAS NA FORMAÇÃO HUMANA

A CONTRIBUIÇÃO DOS CONTOS DE FADAS NA FORMAÇÃO HUMANA A CONTRIBUIÇÃO DOS CONTOS DE FADAS NA FORMAÇÃO HUMANA Maria Elizabete Nascimento de Oliveira 1 PPGE /IE UFMT m.elizabte@gmail.com RESUMO A pesquisa em foco refere-se à relevância dos contos de fadas na

Leia mais

O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos. Luciana Aleva Cressoni. PPGPE/UFSCar

O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos. Luciana Aleva Cressoni. PPGPE/UFSCar O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos Luciana Aleva Cressoni PPGPE/UFSCar Depois de uma palavra dita. Às vezes, no próprio coração da palavra se reconhece o Silêncio. Clarice Lispector

Leia mais

Literatura e cinema: algumas reflexões sobre a produção voltada para o público infantil

Literatura e cinema: algumas reflexões sobre a produção voltada para o público infantil Literatura e cinema: algumas reflexões sobre a produção voltada para o público infantil Fábio Augusto Steyer Universidade Estadual de Ponta Grossa PR A atual produção cinematográfica voltada para o público

Leia mais

ANÁLISE DA NARRATIVA: ENCANTADA

ANÁLISE DA NARRATIVA: ENCANTADA ANÁLISE DA NARRATIVA: ENCANTADA Julia Maria de Jesus Cunha Regina Ferreira Terra Rodrigues RESUMO: Os contos de fadas são importantes na formação da criança, assim com as novas tecnologias novas versões

Leia mais

Charles Perrault (1628-1703)

Charles Perrault (1628-1703) (1628-1703) Escritor e advogado francês, como funcionário do governo Luís XIV foi responsável pela escolha dos arquitetos que projetaram Versalhes e o Louvre. Ao registrar em livro os contos de sua infância,

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Disciplina: LINGUAGEM, DISCURSO E INSTITUIÇÕES DO SISTEMA Regente: Profa. Dra. Mônica da Silva Cruz Carga horária: 60h Número de créditos: 04 Semestre letivo: 2013.1 Datas: terças-feiras, das 14h30min

Leia mais

OS PADRÕES NORMATIVOS DE GÊNERO E SEXUALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DO FILME A BELA E A FERA

OS PADRÕES NORMATIVOS DE GÊNERO E SEXUALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DO FILME A BELA E A FERA OS PADRÕES NORMATIVOS DE GÊNERO E SEXUALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DO FILME A BELA E A FERA Geane Apolinário Oliveira UEPB Geane-cg@hotmail.com Introdução O presente artigo tem por objetivo enfatizar

Leia mais

1 o ano Ensino Fundamental Data: / / Nome: Responda a este teste e descubra se você conhece os personagens dos contos de fadas.

1 o ano Ensino Fundamental Data: / / Nome: Responda a este teste e descubra se você conhece os personagens dos contos de fadas. 1 o ano Ensino Fundamental Data: / / Nome: Responda a este teste e descubra se você conhece os personagens dos contos de fadas. 1) Do que são feitas as casas dos três porquinhos? a) Plástico, cimento e

Leia mais

FUGA de Beatriz Berbert

FUGA de Beatriz Berbert FUGA de Beatriz Berbert Copyright Beatriz Berbert Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 FUGA FADE IN: CENA 1 PISCINA DO CONDOMÍNIO ENTARDECER Menina caminha sobre a borda

Leia mais

A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se

A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se VOZ DO LEITOR ANO 4 EDIÇÃO 30 On/off-line: entreolhares sobre as infâncias X, Y e Z Amanda M. P. Leite A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se prende a uma espécie de saudosismo da

Leia mais

OS CONTOS DE FADAS E O DESENVOLVIMENTO PSICO-COGNITIVO DA CRIANÇA

OS CONTOS DE FADAS E O DESENVOLVIMENTO PSICO-COGNITIVO DA CRIANÇA OS CONTOS DE FADAS E O DESENVOLVIMENTO PSICO-COGNITIVO DA CRIANÇA INTRODUÇÃO Maria Angélica Seabra Rodrigues Martins FAAC-Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Unesp-Universidade Estadual Julio

Leia mais

A influência do contexto social na obra Chapeuzinho Vermelho

A influência do contexto social na obra Chapeuzinho Vermelho A influência do contexto social na obra Chapeuzinho Vermelho Guilherme Argenta Souza Ceres Helena Ziegler Bevilaqua UFSM A obra Chapeuzinho Vermelho é um clássico da literatura universal, apreciada por

Leia mais

LITERATURA INFANTIL: INTERAÇÃO E APRENDIZAGEM

LITERATURA INFANTIL: INTERAÇÃO E APRENDIZAGEM LITERATURA INFANTIL: INTERAÇÃO E APRENDIZAGEM Adriana Bragagnolo i ( Universidade de Passo Fundo) 1. NOTA INICIAL O presente texto objetiva socializar reflexões a respeito da literatura infantil no cenário

Leia mais

A INTERPRETAÇÃO DO LIVRO DE IMAGENS: UMA ANÁLISE EM CONSTRUÇÃO

A INTERPRETAÇÃO DO LIVRO DE IMAGENS: UMA ANÁLISE EM CONSTRUÇÃO A INTERPRETAÇÃO DO LIVRO DE IMAGENS: UMA ANÁLISE EM CONSTRUÇÃO Carolina Fernandes 1 Neste trabalho, apresento algumas considerações sobre a (re)construção teóricometodológica do dispositivo de análise

Leia mais

Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto

Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto 3 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO

Leia mais

As Damas dos Contos de Fadas e seus Príncipes (quase) encantados

As Damas dos Contos de Fadas e seus Príncipes (quase) encantados Questões de gênero na literatura e na produção cultural para crianças. ST 54 Ângela Márcia Damasceno Teixeira Universidade Estadual de Santa Cruz UESC Palavras-chave: intertextualidade, criatividade, literatura

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 A MATERIALIZAÇÃO

Leia mais

IMPORTÂNCIA DOS CONTOS INFANTIS PARA EDUCAÇÃO

IMPORTÂNCIA DOS CONTOS INFANTIS PARA EDUCAÇÃO IMPORTÂNCIA DOS CONTOS INFANTIS PARA EDUCAÇÃO Magna Flora de Melo Almeida Ouriques 1 Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) mellomagna@gmail.com Co-Autor Renan de Oliveira Silva 2 rennanoliveira8@gmail.com

Leia mais

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES Simone de Souza Burguês (PIBIC/CNPq-UEM), Mirian Hisae Yaegashi Zappone (Orientadora), e-mail: mirianzappone@gmail.com Universidade Estadual de Maringá/Departamento

Leia mais

Prefácio... 9. A mulher do pai... 14. A mulher do pai faz parte da família?... 17. A mulher do pai é parente?... 29. Visita ou da casa?...

Prefácio... 9. A mulher do pai... 14. A mulher do pai faz parte da família?... 17. A mulher do pai é parente?... 29. Visita ou da casa?... Sumário Prefácio... 9 A mulher do pai... 14 A mulher do pai faz parte da família?... 17 A mulher do pai é parente?... 29 Visita ou da casa?... 37 A mulher do pai é madrasta?... 43 Relação civilizada?...

Leia mais

EDUARDO ZIBORDI CAMARGO

EDUARDO ZIBORDI CAMARGO EDUARDO ZIBORDI CAMARGO Dudu era o segundo filho do casal Flávio Camargo e Elza Zibordi Camargo, quando desencarnou, aos sete anos incompletos. Hoje, além de Flávia, a família se enriqueceu com o nascimento

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO 1

PROJETO PEDAGÓGICO 1 PROJETO PEDAGÓGICO 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Título: Maricota ri e chora Autor: Mariza Lima Gonçalves Ilustrações: Andréia Resende Formato: 20,5 cm x 22 cm Número de páginas: 32

Leia mais

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO Sílvia Cristina Fernandes Paiva 1 Ana Arlinda Oliveira 2 A leitura literária na escola Podemos afirmar que a leitura é fundamental para construção

Leia mais

Estava na sua casa do Pólo Norte e seguia pela televisão a cerimónia do desembrulhar das prendas em todas as casas do mundo.

Estava na sua casa do Pólo Norte e seguia pela televisão a cerimónia do desembrulhar das prendas em todas as casas do mundo. Por momentos, o Pai Natal só conseguia ver papéis de embrulho amarfanhados e laços coloridos que muitos pés, grandes e pequenos, de botifarras, sapatos de tacão, de atacadores e de pala, de pantufas e

Leia mais

31/07 GÊNEROS TEXTUAIS E ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NO ENSINO FUNDAMENTAL: O TRABALHO COM AS SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS

31/07 GÊNEROS TEXTUAIS E ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NO ENSINO FUNDAMENTAL: O TRABALHO COM AS SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS 31/07 GÊNEROS TEXTUAIS E ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NO ENSINO FUNDAMENTAL: O TRABALHO COM AS SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS Paulo da Silva Lima Universidade Federal do Pará (UFPA) Introdução O ensino de língua

Leia mais

O CIÚME DE SAUL Lição 57

O CIÚME DE SAUL Lição 57 CIÚME DE SAUL Lição 57 1 1. bjetivos: Ensinar sobre os perigos de ciúmes. 2. Lição Bíblica: 1 Samuel 18 a 20 (Base bíblica para a história o professor) Versículo para decorar: 1 Samuel 18.14 Davi lograva

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS CONTOS DE FADAS PARA A CONSTRUÇÃO DO IMAGINÁRIO DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DOS CONTOS DE FADAS PARA A CONSTRUÇÃO DO IMAGINÁRIO DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DOS CONTOS DE FADAS PARA A CONSTRUÇÃO DO IMAGINÁRIO DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Fernanda Maria Sousa Martins; Valdiêgo José Monteiro Tavares; Larissa Mabrine Dias da Silva; Professor

Leia mais

DEUS O AMA DO JEITO QUE VOCÊ É

DEUS O AMA DO JEITO QUE VOCÊ É BRENNAN MANNING & JOHN BLASE DEUS O AMA DO JEITO QUE VOCÊ É NÃO DO JEITO QUE DEVERIA SER, POIS VOCÊ NUNCA SERÁ DO JEITO QUE DEVERIA SER Tradução de A. G. MENDES Parte 1 R i c h a r d 1 Nem sempre recebemos

Leia mais

Questões de gênero. Masculino e Feminino

Questões de gênero. Masculino e Feminino 36 Questões de gênero Masculino e Feminino Pepeu Gomes Composição: Baby Consuelo, Didi Gomes e Pepeu Gomes Ôu! Ôu! Ser um homem feminino Não fere o meu lado masculino Se Deus é menina e menino Sou Masculino

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 TÍTULO DO PROGRAMA Balinha e Dentinho. 2 EPISÓDIO TRABALHADO Conhecendo o Rosquinha. 3 SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO Balinha e Dentinho encontram um cachorro perdido

Leia mais

Condições didáticas geradas para o desenvolvimento do Projeto

Condições didáticas geradas para o desenvolvimento do Projeto Condições didáticas geradas para o desenvolvimento do Projeto Propor a reflexão sobre o literário a partir de situações de leitura e essencialmente de escrita. Propor situações didáticas que favoreçam

Leia mais

Acting out: como tirar proveito dele? Lacan nos diz no seminário As formações do inconsciente, coisas muito

Acting out: como tirar proveito dele? Lacan nos diz no seminário As formações do inconsciente, coisas muito Acting out: como tirar proveito dele? Lacan nos diz no seminário As formações do inconsciente, coisas muito interessantes a respeito do acting out, entre elas, que ele é uma mensagem... sempre dirigido

Leia mais

A INSTITUCIONALIZAÇÃO DA AD NOS PROGRAMAS DE PÓS- GRADUAÇÃO DA PUC/RS E DA UFRGS

A INSTITUCIONALIZAÇÃO DA AD NOS PROGRAMAS DE PÓS- GRADUAÇÃO DA PUC/RS E DA UFRGS A INSTITUCIONALIZAÇÃO DA AD NOS PROGRAMAS DE PÓS- GRADUAÇÃO DA PUC/RS E DA UFRGS Taís da Silva MARTINS Universidade Federal de Santa Maria taissmartins@superig.com.br Em nossa pesquisa, buscamos entender

Leia mais

A (DES)CONSTRUÇÃO DA MATERNIDADE PINTO, Maria das Graças C. da S. M. G. Uniplac/Unifra profgra@terra.com.br GT:Gênero, Sexualidade e Educação / n.

A (DES)CONSTRUÇÃO DA MATERNIDADE PINTO, Maria das Graças C. da S. M. G. Uniplac/Unifra profgra@terra.com.br GT:Gênero, Sexualidade e Educação / n. A (DES)CONSTRUÇÃO DA MATERNIDADE PINTO, Maria das Graças C. da S. M. G. Uniplac/Unifra profgra@terra.com.br GT:Gênero, Sexualidade e Educação / n. 23 Introdução A maternidade tem se constituído cada vez

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE Marcia Aparecida Alferes 1 Resumo O presente texto pretende refletir sobre a definição dos conceitos de alfabetização e letramento,

Leia mais

A filha do Rei Telma Guimarães Castro Andrade

A filha do Rei Telma Guimarães Castro Andrade Ilustrações Mariana Massarani Temas Amadurecimento / Relação familiar / Diferenças sociais GUIA DE LEITURA PARA O PROFESSOR 2ª edição 72 páginas O livro A filha do Rei traz a história de uma menina que

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA VIÇOSA Ficha de Avaliação de Língua Portuguesa 4º Ano Nome: Data: Resultado: Professor:

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA VIÇOSA Ficha de Avaliação de Língua Portuguesa 4º Ano Nome: Data: Resultado: Professor: AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA VIÇOSA Ficha de Avaliação de Língua Portuguesa 4º Ano Nome: Data: Resultado: Professor: Era uma velha muito velha que vivia numa casa velhíssima. E dentro da casa só havia

Leia mais

A Vida de Jacó. 1- Gálatas 6:7 Não se enganem: ninguém zomba de Deus. O que uma pessoa plantar, é isso mesmo que colherá.

A Vida de Jacó. 1- Gálatas 6:7 Não se enganem: ninguém zomba de Deus. O que uma pessoa plantar, é isso mesmo que colherá. A Vida de Jacó 1- Gálatas 6:7 Não se enganem: ninguém zomba de Deus. O que uma pessoa plantar, é isso mesmo que colherá. 2- Gênesis 25:19-26 Esta é a história de Isaac, filho de Abraão. Isaac tinha quarenta

Leia mais

Histórias clássicas dos Contos de Fadas contadas com o jeitinho do 3º ano vesp.prof. Marise Projeto Incentivo a Leitura Ed.Tecnológica -Profª Eliane

Histórias clássicas dos Contos de Fadas contadas com o jeitinho do 3º ano vesp.prof. Marise Projeto Incentivo a Leitura Ed.Tecnológica -Profª Eliane Histórias clássicas dos Contos de Fadas contadas com o jeitinho do 3º ano vesp.prof. Marise Projeto Incentivo a Leitura Ed.Tecnológica -Profª Eliane Arouca Sumário 1. João e o Pé de Feijão Leo e Jacob

Leia mais

PROJETO ERA UMA VEZ...

PROJETO ERA UMA VEZ... PROJETO ERA UMA VEZ... TEMA: Contos de Fada PÚBLICO ALVO: Alunos da Educação Infantil (Creche I à Pré II) JUSTIFICATIVA O subprojeto Letramento e Educação Infantil, implantado na EMEI Sementinha, trabalha

Leia mais

MARK CARVALHO. Capítulo 1

MARK CARVALHO. Capítulo 1 MARK CARVALHO Capítulo 1 Mark era um menino com altura média, pele clara, pequenos olhos verdes, cabelos com a cor de avelãs. Um dia estava em casa vendo televisão, até que ouviu: Filho, venha aqui na

Leia mais

CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO EM LETRA DE ROCK 1. Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil

CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO EM LETRA DE ROCK 1. Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO EM LETRA DE ROCK 1 Larissa Nogueira de Oliveira 2 e Eliane Marquez da Fonseca Fernandes 3 Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil

Leia mais

Projeto Conto de Fadas

Projeto Conto de Fadas Projeto Conto de Fadas 1. Título: Tudo ao contrário 2. Dados de identificação: Nome da Escola: Escola Municipal Santo Antônio Diretora: Ceriana Dall Mollin Tesch Coordenadora do Projeto: Mônica Sirtoli

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO E O APRENDIZADO EM VIGOTSKY

O DESENVOLVIMENTO E O APRENDIZADO EM VIGOTSKY O DESENVOLVIMENTO E O APRENDIZADO EM VIGOTSKY Kassius Otoni Vieira Kassius Otoni@yahoo.com.br Rodrigo Luciano Reis da Silva prrodrigoluciano@yahoo.com.br Harley Juliano Mantovani Faculdade Católica de

Leia mais

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma.

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. PERTO DE TI Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. Jesus! Perto de ti, sou mais e mais. Obedeço a tua voz. Pois eu sei que tu és Senhor, o

Leia mais

Amanda Pereira de Farias Fernandes Lima. A Boneca da Imaginação. Biblioteca Popular de Afogados BPA Recife - PE

Amanda Pereira de Farias Fernandes Lima. A Boneca da Imaginação. Biblioteca Popular de Afogados BPA Recife - PE Amanda Pereira de Farias Fernandes Lima A Boneca da Imaginação Biblioteca Popular de Afogados BPA Recife - PE Amanda Pereira de Farias Fernandes Lima Capa e pesquisa de imagens Amanda P. F. Lima A Boneca

Leia mais

A CURA DE UM MENINO Lição 31

A CURA DE UM MENINO Lição 31 A CURA DE UM MENINO Lição 31 1 1. Objetivos: Mostrar o poder da fé. Mostrar que Deus tem todo o poder. 2. Lição Bíblica: Mateus 17.14-21; Marcos 9.14-29; Lucas 9.37-43 (Leitura bíblica para o professor)

Leia mais

A literatura no cinema e suas relações com a criança e a cultura

A literatura no cinema e suas relações com a criança e a cultura A literatura no cinema e suas relações com a criança e a cultura Luciana Crestana dos Santos UCS O cinema, a criança e a cultura A cultura de massa está hoje difundida em nossa sociedade de várias maneiras,

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

De todas as relações humanas, esta é a principal e mais básica

De todas as relações humanas, esta é a principal e mais básica De todas as relações humanas, esta é a principal e mais básica Para as crianças, a família é a segurança, proteção, apoio, compreensão e a aceitação de que tanto necessitam. Pai e mãe são, com efeito,

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO - 2º Ano EF- JULHO/ 2014 2º ANO: DATA DE ENTREGA: 31/07/14. Atividade de Férias

ESTUDO DIRIGIDO - 2º Ano EF- JULHO/ 2014 2º ANO: DATA DE ENTREGA: 31/07/14. Atividade de Férias 1 NOME: Nº: 2º ANO: DATA DE ENTREGA: 31/07/14 Atividade de Férias O primeiro semestre está chegando ao final. As férias se aproximam e o merecido descanso vem em boa hora! Período de descontração, lazer

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

By Dr. Silvia Hartmann

By Dr. Silvia Hartmann The Emo trance Primer Portuguese By Dr. Silvia Hartmann Dra. Silvia Hartmann escreve: À medida em que nós estamos realizando novas e excitantes pesquisas; estudando aplicações especializadas e partindo

Leia mais

RECADO AOS PROFESSORES

RECADO AOS PROFESSORES RECADO AOS PROFESSORES Caro professor, As aulas deste caderno não têm ano definido. Cabe a você decidir qual ano pode assimilar cada aula. Elas são fáceis, simples e às vezes os assuntos podem ser banais

Leia mais

Aluno (a): Ana Paula Batista Pereira Série: 3º Ano do Ensino Médio Professora: Deysiane Maria Assis Zille. Água

Aluno (a): Ana Paula Batista Pereira Série: 3º Ano do Ensino Médio Professora: Deysiane Maria Assis Zille. Água Aluno (a): Ana Paula Batista Pereira Série: 3º Ano do Ensino Médio Professora: Deysiane Maria Assis Zille Água Tu és um milagre que Deus criou, e o povo todo glorificou. Obra divina do criador Recurso

Leia mais

DIETA DO SEXO - DISCURSOS SOBRE FEMININO/MASCULINO EM UMA PROPAGANDA DE PRESERVATIVOS: MEMÓRIA DISCURSIVA, INTERPRETAÇÃO E DESLIZAMENTO DE SENTIDOS

DIETA DO SEXO - DISCURSOS SOBRE FEMININO/MASCULINO EM UMA PROPAGANDA DE PRESERVATIVOS: MEMÓRIA DISCURSIVA, INTERPRETAÇÃO E DESLIZAMENTO DE SENTIDOS DIETA DO SEXO - DISCURSOS SOBRE FEMININO/MASCULINO EM UMA PROPAGANDA DE PRESERVATIVOS: MEMÓRIA DISCURSIVA, INTERPRETAÇÃO E DESLIZAMENTO DE SENTIDOS Verônica Rodrigues Times 1 Texto e Discurso: delimitando

Leia mais

Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e

Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e Sexta Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e mudou o rumo da vida profissional FOLHA DA SEXTA

Leia mais

CARTAS: REGISTRANDO A VIDA

CARTAS: REGISTRANDO A VIDA CARTAS: REGISTRANDO A VIDA A carta abaixo foi escrita na época da ditadura militar. Ela traduz a alegria de um pai por acreditar estar próxima sua liberdade e, assim, a possibilidade do reencontro com

Leia mais

DAVI, O REI (PARTE 1)

DAVI, O REI (PARTE 1) Bíblia para crianças apresenta DAVI, O REI (PARTE 1) Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Lazarus Adaptado por: Ruth Klassen O texto bíblico desta história é extraído ou adaptado da Bíblia na Linguagem

Leia mais

Crescer: uma trajetória heróica

Crescer: uma trajetória heróica ARTIGO Letrônica v. 1, n. 1, p. 224-232, dezembro 2008 Crescer: uma trajetória heróica Rita de Cássia Oliveira 1 O herói, indivíduo que tem coragem para vencer as adversidades, superando os medos, ousando

Leia mais

Palavras-chave: gêneros textuais, resenha crítica, ensino, leitura e produção textual

Palavras-chave: gêneros textuais, resenha crítica, ensino, leitura e produção textual RESENHA CRÍTICA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: PRÁTICAS DE ANÁLISE E PRODUÇÃO DE TEXTOS Valdisnei Martins de CAMPOS Letras - CAC/UFG; valdis_martins@hotmail.com Erislane Rodrigues RIBEIRO Letras - CAC/UFG;

Leia mais

O leitor também narra sua história

O leitor também narra sua história The reader also narrate his story Rosa Amanda Strausz* Resumo: Experiência pessoal a descoberta de uma linguagem literária para crianças. A teoria de recepção e a possibilidade de construção de uma narrativa

Leia mais

Profa. Ma. Adriana Rosa

Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade III ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Aula anterior O fim das cartilhas em sala de aula; Comunicação e linguagem; Sondagem da escrita infantil; Ao desenhar, a criança escreve;

Leia mais

BIOGRAFIA HUMANA. Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência. Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade.

BIOGRAFIA HUMANA. Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência. Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade. BIOGRAFIA HUMANA Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade Edna Andrade Nascemos totalmente desamparados, totalmente dependentes e indefesos.

Leia mais

Projetos. Outubro 2012

Projetos. Outubro 2012 Projetos Outubro 2012 Assunto de gente grande para gente pequena. No mês de outubro os brasileiros foram às urnas para eleger prefeitos e vereadores e a Turma da Lagoa não poderia ficar fora deste grande

Leia mais

PROJETO LER E ESCREVER É DA HORA! : LEITURA E PRODUÇÃO TEXTUAL SOB A PERSPECTIVA INTERACIONISTA

PROJETO LER E ESCREVER É DA HORA! : LEITURA E PRODUÇÃO TEXTUAL SOB A PERSPECTIVA INTERACIONISTA PROJETO LER E ESCREVER É DA HORA! : LEITURA E PRODUÇÃO TEXTUAL SOB A PERSPECTIVA INTERACIONISTA Patrícia Cristina de Oliveira (UEM UENP/Jacarezinho) Vera Maria Ramos Pinto (UEL UENP/Jacarezinho) Introdução

Leia mais

Entendendo o que é Gênero

Entendendo o que é Gênero Entendendo o que é Gênero Sandra Unbehaum 1 Vila de Nossa Senhora da Piedade, 03 de outubro de 2002 2. Cara Professora, Hoje acordei decidida a escrever-lhe esta carta, para pedir-lhe ajuda e trocar umas

Leia mais

Associação Tenda Espírita Pai Joaquim D Angola e Vovó Cambina

Associação Tenda Espírita Pai Joaquim D Angola e Vovó Cambina Associação Tenda Espírita Pai Joaquim D Angola e Vovó Cambina Psicografias Setembro de 2014 Sumário Luciana Pereira da Costa... 2 Luiz Paiva Neto... 2 Comunicado... 3 Debi Godoi Galvão... 3 Sou a criança...

Leia mais

Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12. Ele ficava olhando o mar, horas se o deixasse. Ele só tinha cinco anos.

Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12. Ele ficava olhando o mar, horas se o deixasse. Ele só tinha cinco anos. Contos Místicos 1 Contos luca mac doiss Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12 Prefácio A história: esta história foi contada por um velho pescador de Mongaguá conhecido como vô Erson. A origem:

Leia mais

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO INTRODUÇÃO Francisca das Virgens Fonseca (UEFS) franciscafonseca@hotmail.com Nelmira Santos Moreira (orientador-uefs) Sabe-se que o uso

Leia mais

Acasos da Vida. Nossas Dolorosas Tragédias

Acasos da Vida. Nossas Dolorosas Tragédias Acasos da Vida Nossas Dolorosas Tragédias Vanessa Araujo Acasos da Vida Nossas Dolorosas Tragédias Para os meus filhos. Para os meus amigos. Para os meus pais, por tudo o que fizeram por mim. Para

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DO SUJEITO PESQUISADOR NAS AULAS DE LEITURA: CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS ATRAVÉS DAS IMAGENS

AS CONTRIBUIÇÕES DO SUJEITO PESQUISADOR NAS AULAS DE LEITURA: CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS ATRAVÉS DAS IMAGENS AS CONTRIBUIÇÕES DO SUJEITO PESQUISADOR NAS AULAS DE LEITURA: CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS ATRAVÉS DAS IMAGENS INTRODUÇÃO Ângela Mª Leite Aires (UEPB) (angelamaryleite@gmail.com) Luciana Fernandes Nery (UEPB)

Leia mais