DANIEL SIMÕES SANTOS MASSA FERNANDA NASCIMENTO SILVA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DANIEL SIMÕES SANTOS MASSA FERNANDA NASCIMENTO SILVA"

Transcrição

1 DA BRANCA DE NEVE À FEIURINHA: O TRADICIONAL E O CONTEMPORÂNEO NO CONTO DE FADAS DANIEL SIMÕES SANTOS MASSA FERNANDA NASCIMENTO SILVA Os livros falam sempre de outros livros e toda história conta uma história já contada. (Umberto Eco) Acompanhando as mudanças sofridas no mundo, o conto de fadas e as histórias infantis também mudaram. Como as diferentes temáticas e peculiaridades das literaturas de cada época são influenciadas por valores vigentes, este trabalho pretende contrapor conceitos e padrões de pensamento ou de comportamento consolidados no século XIX e os que surgiram a partir daqueles. Para isso, serão analisados o tradicional conto de fadas Branca de Neve, dos Irmãos Grimm, e a obra O fantástico mistério de Feiurinha, de Pedro Bandeira. No primeiro caso, abordam-se as versões traduzidas por Zaida Maldonado e Fausto Wolff (indicadas por 2006a e 2006b, respectivamente). Sendo o principal objetivo do trabalho apresentar as diferenças entre o conto de fadas tradicional e o contemporâneo, será destinada maior atenção à personagem Branca de Neve em detrimento das outras na obra de Pedro Bandeira. Vale ressaltar que, ao contrário do que alguns leitores pensam, o conto Branca de Neve não é da autoria de Jacob e Wilhelm Grimm, popularmente conhecidos como os Irmãos Grimm. Com o objetivo de buscar dados lingüísticos para os estudos filológicos que

2 eles realizavam da língua alemã e resgatar os textos do folclore literário germânico, o trabalho dos irmãos consistiu em reunir antigas narrativas, lendas ou sagas germânicas que eram transmitidas de geração para geração pela tradição oral. Pela temática maravilhosa que apresentavam, os textos da tradição oral, que originalmente eram destinados aos adultos, foram dedicados às crianças pelos Irmãos Grimm, iniciando uma grande Literatura Infantil que se espalharia por todo o mundo. A primeira compilação, composta de cinqüenta e uma narrativas, dentre elas Branca de Neve, data de 1812 e foi intitulada Contos da criança e do lar. O fantástico mistério de Feiurinha, premiada obra de Pedro Bandeira, apresenta uma revisão dos valores presentes nos contos de fadas tradicionais. O livro baseia-se na relativização e no questionamento da ideologia e da estrutura presentes nas clássicas histórias, criando assim um paralelo entre a tradição (resgatada, porém revista) e a contemporaneidade. De acordo com Coelho (2000, p ), o conto de fadas tradicional obedece a valores pré-estabelecidos e consagrados, sendo o individualismo um deles. O valor atribuído ao indivíduo é tão grande que este é apresentado como um modelo a ser seguido, repleto de virtudes e qualidades. Branca de Neve encaixa-se neste perfil, pois, além da beleza, ela é pura e ingênua, características muito apreciadas pela sociedade: Para a tradição cristã, as virtudes do silêncio, obediência e discrição eram especialmente, se não essencialmente, femininas (Warner, 1999, p. 55). 2

3 As protagonistas de conto de fadas, em geral, são filhas de reis e salvas por um príncipe. Contudo, precisam apresentar alguma virtude moral como a pureza da Branca de Neve para serem merecedoras da salvação e, mesmo pertencendo à realeza, as protagonistas são desprovidas de poderes sobrenaturais. Além disso, não possuem nome próprio, sendo nomeadas por características físicas e emocionais. A tonalidade extremamente clara da pele origina o nome da protagonista do conto em estudo: E sua filhinha cresceu: a pele branca como a neve, faces coradas como o sangue e cabelos escuros como o ébano. E chamaram-na Branca de Neve. (Grimm & Grimm, 2006a, p. 118). Esses aspectos facilitam a identificação do leitor com a personagem. Em O fantástico mistério de Feiurinha 1, a narrativa baseia-se no que acontece depois que os contos terminam. Ao criar um universo pós E viveram felizes para sempre..., o autor mostra que a vida das heroínas cai numa mesmice eterna, sem o glamour e o charme que se imagina. As princesas, perfeitas e tão invejadas, passam a sofrer de problemas comuns à realidade. Neste contexto, destaca-se entre todas as heroínas a figura de Branca de Neve, que, além de exercer uma função de liderança dentro do grupo, é o exemplo mais forte da mudança de comportamento e atitude após o final feliz. 1 A citação a este texto, no corpo do trabalho, realizar-se-á através da indicação abreviada da obra FMF, seguida da página em que se encontra o trecho destacado. 3

4 Branca de Neve passa a apresentar comportamentos relacionados a indivíduos normais, porém inimagináveis para uma princesa de conto de fadas. A personagem não é mais aquele ser perfeito, idealizado, mas uma mulher comum. Envelhece e engorda com a idade, tem cabelos brancos, rugas, além de exercer ações e condutas que surpreendem durante toda a história. Ela briga, perde a paciência, provoca e xinga Cinderela, fofoca com Chapeuzinho Vermelho, irrita-se com o escritor e apresenta outras atitudes insólitas que realçam essa figura legitimamente humana. Dona Branca avançou fuzilando de ódio, disposta a dar um pisão no pé descalço de Cinderela. Sua... sua Gata Borralheira! Aquela era a maior ofensa que alguém poderia fazer a Cinderela. (FMF: 26) O sistema social tradicional dá mais importância ao que a personagem tem em lugar do que ela faz ou é, valorizando as classes mais elevadas. Por isso encontram-se personagens da realeza, como o rei, a rainha e, conseqüentemente a filha Branca de Neve, que não exercem um trabalho remunerado por já possuírem fortuna. Este sistema, porém, também valoriza o trabalho de pessoas como os anões, que passam o dia inteiro extraindo ouro e pedras preciosas. Os papéis exercidos por homens e mulheres na sociedade são bem definidos: eles trabalham para sustentar a família, exercendo a autoridade; elas são responsáveis pelos afazeres domésticos e pela criação dos filhos. Para ficar na casa dos anões, Branca de Neve 4

5 precisou se submeter a condições como seguir os conselhos deles e manter a casa limpa e arrumada. Isso pode ser comprovado pela fala de um dos anões à Branca de Neve: Se você cuidar da nossa casa, fizer nossas camas, lavar, costurar e manter tudo arrumadinho poderá viver aqui, que nós iremos protegê-la. Que tal, você aceita? (Grimm & Grimm, 2006b, p. 12). A figura masculina representa a sabedoria e a autori-dade (em Branca de Neve, na figura dos anões), porém, muitas vezes é ausente ou se encontra em segundo plano nos contos de fadas. Geralmente o príncipe encantado surge ao fim da história, somente para consolidar o feliz desenlace. Ao contrário, em O Fantástico mistério de Feiurinha, Branca de Neve não é submissa e toda a hierarquia tradicional dos contos clássicos é desconstruída. Há, agora, uma ausência da autoridade masculina, visto que os príncipes são inúteis. Os príncipes não adianta chamar. Estão todos gordos e passam a vida caçando. Além disso, príncipe de história de fada não serve para nada. A gente tem que se virar sozinha a história inteira, passa por mil perigos, enquanto eles só aparecem no final para o casamento. (FMF: 22) Outro fato que reafirma essa inutilidade masculina é a relação de parentesco a que as heroínas são submetidas. Ao casarem-se, as princesas mudaram seus sobrenomes, adotando o do marido. Em todos os contos o herói é sempre o anônimo príncipe encantado, mas nesta obra contemporânea, Pedro Bandeira transforma este Encantado em uma família real, que possui muitos príncipes e os 5

6 exportou para todas as histórias. Branca de Neve agora é Dona Branca Encantado, Bela Adormecida é Bela Encantado, todas cunhadas entre si. A autoridade é representada pelas próprias mulheres. Branca de Neve passa a tomar decisões e até surge como uma figura de liderança dentro do grupo das heroínas, surpreendendo por suas ações. Para Coelho (Op. cit., p. 23-7), essas são característi-cas do novo conto de fadas. O sistema social está em transformação. Dessa forma, novas ideologias surgem diante de mudanças na sociedade a qual as obras pertencem: Quanto à família, devido ao processo de libertação feminista iniciado no princípio do século e ainda em curso, passa por uma grande desestabilização de suas estruturas básicas [...] no qual os direitos e deveres do homem e da mulher tendem a se igualar (Id. ibid., p. 24-5). A obediência absoluta às autoridades detentoras do Saber e do Poder uma das características do tradicional apontada por Coelho (Ibidem, p. 20) reflete-se no caráter exemplar da narrativa e nos limites entre certo versus errado, bom versus mau. Em Branca de Neve, a protagonista representa o certo, o bem, é um exemplo a ser seguido. Já as atitudes da madrasta são erradas, más, devendo ser repudiadas. A moral dogmática, portanto, também está sempre presente no conto de fadas tradicional, punindo ou premiando as personagens de acordo com a conduta delas ao longo da história. Ao analisar as trajetórias da Branca de Neve e da madrasta, percebe-se que a primeira segue princípios consagrados como certos pela 6

7 sociedade, tornando-se merecedora do casamento com o príncipe. Em oposição, a madrasta é castigada, mudando a punição segundo a tradução utilizada. E ao chegar e ver que não passava de Branca de Neve, quem ela pensava há muito já estar morta, caiu doente e morreu. (Grimm & Grimm, 2006a, p. 126) Neste instante, dois soldados, auxiliados por longas tenazes, trouxeram até a frente daquela mulher má, um par de sapatos de ferro em brasas. Ela foi forçada a calçá-los e a dançar com eles até morrer. (Grimm & Grimm, 2006b, p. 20) Quando Branca de Neve encontra o príncipe, com o qual se casará, e a madrasta é punida por todos os atos maldosos que realizou contra a enteada, tem-se mais uma regra dos contos tradicionais: pessoas boas são premiadas, enquanto as malvadas são castigadas. O comportamento das personagens secundárias diante da protagonista indica quem é boa ou má. Assim, a menina simboliza a bondade e a madrasta, que tenta matá-la a todo custo, a maldade. Há uma ocorrência maior de personagens femininas do que masculinas, sendo aquelas responsáveis tanto pelo bem (Branca de Neve), quanto pelo mal (madrasta). No conto tradicional não há espaço para ambivalências, o que significa que a personagem é totalmente boa ou má. Sendo assim: Quanto mais simples e direto é um bom personagem, tanto mais fácil para a criança identificar-se com ele e rejeitar o outro mau. A criança se identifica com o bom herói não por causa de sua bondade, mas porque a condição do herói lhe traz um profundo apelo positivo. (Bettelheim, 1980, p. 18) 7

8 Quanto à estrutura, o conto Branca de Neve respeita totalmente os moldes tradicionais, apresentando: o tempo e o espaço em que a história acontece; uma situação problemática; a fuga e as peripécias da protagonista; a solução da situação problemática. Percebe-se logo no início do conto, com a apresentação do motivo central da história, que o ritmo dos acontecimentos é muito rápido. A noção de tempo, no entanto, é controversa, pois nos contos de fadas tradicionais o tempo é indeterminado, começando com expressões do tipo Era uma vez... ou Há muito tempo.... Em Branca de Neve, sabe-se apenas que é inverno e que está nevando, possibilitando uma previsão quanto à época do ano em que a ação ocorreu. Além disso, não há referências a um espaço geográfico específico, o que leva o leitor a imaginar que a história se passa em qualquer lugar. No entanto, os principais ambientes por onde a protagonista se desloca a floresta e a casa dos anões aparecem caracterizados como assustador e acolhedor, respectivamente. O espaço, nesse caso, contribui para a existência e a caracterização das personagens e dos fatos. Na obra de Pedro Bandeira, podemos observar a forma como o mesmo interpreta esta questão do tempo no conto de fadas. Para ele, todas as histórias aconteceram simultaneamente, em uma determinada época, o que causa certas coincidências como, por exemplo, o fato de todas as princesas (excluindo-se, claro, a solteirona Chapeuzinho Vermelho) estarem grávidas do sétimo filho e comemorarem bodas de prata. Nota-se também a disposição dos capítulos no 8

9 livro (Capítulo zero, Capítulo três quartos e mais um pouquinho, Capítulo zero, quase caindo no um) e alguns trechos em que o próprio narrador-personagem admite uma certa peculiaridade na passagem do tempo neste tipo de conto. Em histórias de fada, esse negócio de tempo não tem a mínima importância. (FMF: 23). O espaço geográfico, assim como em Branca de Neve, não é mencionado, porém a história se passa em dois cenários definidos por Bandeira: o castelo de Dona Branca e o apartamento do escritor de contos infantis. Já o conto de Feiurinha, inserido no livro sob a forma de encaixe, desenvolve-se basicamente dentro da casa das bruxas. O enredo dos contos tradicionais apresenta protagonistas que precisam se afastar da casa dos pais, passando por diversas privações, superando-as e vivendo felizes para sempre. Com base nos estudos realizados por Propp, Coelho (Op. cit., p. 109) estabeleceu cinco invariantes estruturais dos contos tradicionais, sendo elas: a presença de uma aspiração ou desígnio como motivo central que leva a personagem principal à ação; o afastamento do ambiente familiar; o surgimento de desafios ou obstáculos; a intervenção de um mediador entre o protagonista e o objetivo a ser alcançado; a conquista deste objetivo. A singularidade dos contos fica a cargo das variantes correspondentes a essas invariantes. Tal estrutura pode ser observada em Branca de Neve. No início do conto, a rainha imagina como gostaria que fosse sua filha e morre após o nascimento desta. A menina vive os 9

10 primeiros anos ao lado de uma madrasta que, inconformada com a beleza da pequena, deseja vê-la morta e ordena que um caçador (Grimm & Grimm, 2006b, p. 10) ou criado (Idem, 2006a, p. 119 ) leve-a para a floresta, um lugar desconhecido e perigoso. A partir deste fato, Branca de Neve precisa lutar pela própria sobrevivência, o que pode ser considerado o desígnio da protagonista. Não se percebe nela, porém, uma aspiração específica, visto que as mudanças no enredo são sempre causadas por ações de outros personagens. O deslocamento sofrido pela personagem para um ambiente nãofamiliar possibilita um crescimento, pois esta tende a superar vários obstáculos, simbolicamente representados pelos presentes dados a ela pela madrasta disfarçada, que se interpõem à sua conquista. Para vencer a maldade da madrasta (opositora), os anões funcionam como mediadores, advertindo Branca de Neve quanto ao risco que ela corria nos momentos em que ficava sozinha em casa. A vitória da bela jovem é marcada por uma grande festa de casamento e pela felicidade eterna. Da mesma forma, a criança recebe a proteção da família ao nascer, mas em uma determinada fase do seu crescimento, precisa partir em busca de experiências além das familiares, a fim de conquistar autonomia e independência. Para Bettelheim: Os contos de fadas declaram que uma vida compensadora e boa está ao alcance da pessoa apesar da adversidade mas apenas se ela não se intimidar com as lutas do destino, sem as quais nunca se adquire verdadeira identidade. (Bettelheim, op. cit., p. 32). Isso significa que os contos 10

11 garantem às crianças que elas são capazes de superar os problemas reais, tanto quanto as personagens admiradas por elas. Tomando o enredo de O fantástico mistério de Feiurinha, podemos dividi-lo em duas partes. Na primeira, o escritor de textos infantis é procurado por todas as heroínas dos contos de fadas Cinderela, Chapeuzinho Vermelho, Branca de Neve, Rosaflor Della Moura Torta, Rapunzel, Bela Adormecida e Bela-Fera para resolver um mistério: o desaparecimento da princesa Feiurinha. As buscas envolvem a reunião na casa da Branca de Neve e no apartamento do escritor. Na segunda parte, situada no Capítulo zero mais que um, Jerusa, a empregada que representa a tradição oral e as velhas contadoras de histórias, narra o conto de Feiurinha. Pedro Bandeira resgata a importância ideológica da tradição oral na medida em que a obra literária se constrói como uma rede de relações diferenciais firmadas com os textos literários que a antecedem, ou são simultâneos, e mesmo com sistemas nãoliterários (Carvalhal, 2001, p. 47). Ao tentar resolver o mistério do desaparecimento de Feiurinha, o escritor procurou diversos intelectuais do mundo todo, mas não obteve sucesso. Descobriu, por acaso, que Jerusa conhecia o conto da bela princesinha, pois tinha ouvido de sua avó, uma mulher simples, contadora de histórias. Neste mesmo viés, ele elucida também a importância dos livros que publicam tais histórias e a existência de um público leitor, para que elas não caiam no esquecimento e desapareçam de vez, como quase aconteceu com Feiurinha. Em Branca de Neve, não há referências sobre o valor da 11

12 tradição oral no enredo, porém o próprio conto é fruto desta. A obra dos Irmãos Grimm e de outros escritores, como Perrault, foi construída a partir da coleta de famosas histórias populares. Branca de Neve e mais amplamente a própria Literatura Infanto-Juvenil têm origem na oralidade. A apresentação de uma problemática simples é uma forte característica do conto de fadas tradicional, atuando através da repetição de elementos e da simplicidade tanto do discurso quanto da estrutura narrativa, aproximando-se ao máximo da mente popular e infantil. Ao saber o que vai acontecer na história, pela repetição de situações conhecidas, o leitor sente-se mais seguro. A pergunta da madrasta e a resposta do espelho mágico são um exemplo desta repetição. Diga-me espelho, sê verdadeiro! Entre todas no reino, aqui e além, Existe mais bela? Revela-me quem. E o espelho respondia: És, rainha, a mais bela em todo o reino. (2006a, p ) Estas falas são recorrentes na história e aparecem sem alteração, exceto quando o espelho inclui um dado novo na resposta, dizendo ser Branca de Neve a mais bela. A repetição de alguns elementos também ocorre em O fantástico mistério de Feiurinha. Sempre que alguma personagem se refere a um Príncipe dentro da história, Dona Branca repete a mesma pergunta: 12

13 Do Príncipe? Que Príncipe? tinha perguntado Dona Branca Encantado, que já fora De Neve. O Príncipe Encantado, marido da Senhora Princesa Feiurinha Encantado tinha esclarecido Caio, o lacaio. Ah... tinha feito a Princesa da pele cor de neve, demonstrando que compreendera. (FMF, p. 38) Como todos os príncipes eram irmãos e possuíam o mesmo nome, Branca de Neve se confundia e questionava sempre, querendo saber a respeito de qual Príncipe estavam se referindo o que evidencia a semelhança entre eles, a começar pelo nome. A narrativa tradicional é simbólica ou metafórica e as personagens são basicamente tipos (desempenham funções no grupo social a que pertencem [...]) ou caracteres (representam comportamento ético ou padrões espirituais [...]) (Coelho, oip. cit., p. 106). O real e o imaginário misturam-se sem comprometer a narrativa, concedendo-lhe um caráter exemplar. O narrador não exerce a função de inventar, mas de contar a história com a utilização de um discurso direto, do diálogo e de expressões elocutivas. Em alguns trechos, refere-se diretamente ao leitor, como em e muito mais limpo e elegante do que posso-lhes dizer. (Grimm & Grimm, 2006b, p. 11) e Antes de prosseguir devo dizer aos leitores (2006b, p. 18). O Fantástico mistério de Feiurinha é narrado em primeira pessoa através de um narrador-personagem, no caso escritor de textos infantis. O personagem se vê envolto a uma crise de abstinência criativa, onde não consegue escrever nenhuma história, 13

14 apresentando-se no texto uma estrutura metaliterária, onde Pedro Bandeira brinca com o processo de criação de uma obra dentro do próprio enredo. Na Literatura Infanto-Juvenil contemporânea há uma forte tendência à substituição do já citado personagem tipo por outros que refletem aspectos relacionados à personalidade e ao comportamento dos indivíduos. Em O fantástico mistério de Feiurinha, nota-se claramente uma ênfase nas ações das personagens em detrimento das suas funções sociais. Como pôde ser percebido, o conceito de beleza está presente em ambas as narrativas. Em Branca de Neve, dos irmãos Grimm, encontra-se uma exaltação do belo e um forte valor ideológico ligado a isso. A aparência física é a principal característica da princesa e representa sua identidade. Os anões a acolhem e o príncipe a ama por ser bela. É por essa condição também que desperta a inveja e o ódio da rainha, que tenta assassiná-la. Toda a trama gira em torno deste conceito e, sem ele, Branca de Neve seria somente uma princesa submissa vivendo no castelo do seu pai. Segundo Khéde (19886, p. 32), as personagens femininas dos contos de fadas são passivas na medida em que refletem as relações codificadas entre homens e mulheres, e, em outro nível, revelam que essas relações começaram a ser modificadas com a valorização da virtude e da beleza no lugar do dote. Portanto, a protagonista apresenta-se como objeto da própria ação, pois a história é conduzida através da atuação das demais personagens, que agem motivadas pela beleza dela. 14

15 Na história de Pedro Bandeira, ao contrário, a beleza não possui a importância que apresenta no conto de fadas tradicional, deixando de ser um fator imprescindível na vida das princesas. Mesmo possuindo cabelos brancos, rugas e estando mais velhas e gordas, elas continuam felizes. Preocupam-se apenas quando essa felicidade, assim como a história delas, corre o risco de desaparecer. As heroínas atuam juntamente com o escritor para que possam continuar eternas. Com isso, o livro mostra que a capacidade de agir e de construir o próprio destino sobrepõe-se à necessidade de ser bela. Branca de Neve torna-se sujeito de suas ações, sendo responsável pela articulação da história com as outras heroínas. Ao resgatar a tradição através da personagem Feiurinha, Bandeira elucida mais uma questão relacionada à beleza: sua relativização. O conto narra a história de uma linda menina que é criada por três bruxas, Ruim, Malvada e Piorainda, juntamente com a sobrinha delas, Belezinha. Feiurinha cresce isolada do mundo, sem contato com nada além daquela casa e das quatro bruxas que moravam nela. Por isso, de tanto ouvir zombarias e perceber-se diferente das demais, a ingênua menina acaba acreditando que é feia, sofrendo por ser tão diferente e, no caso, não ser bonita como elas. O conceito de beleza, então, torna-se relativo, já que o belo naquela casa era feio, e o feio era belo, questionando e desconstruindo este julgamento unilateral. Ao analisar o tradicional e o contemporâneo, no conto de fadas, não se institui importância distinta às duas vertentes. Entende- 15

16 se que a distância cronológica não significa uma hierarquia entre elas, mas diferenças quanto à apresentação de conceitos e valores relativos a cada época. Observam-se na tradição aspectos que induzem o indivíduo a seguir um estereótipo fundamentado e estabelecido pelos detentores do poder. A Literatura Infanto-Juvenil, neste contexto, insere valores ligados à exemplaridade, à visão maniqueísta que opõe o bem ao mal, o certo ao errado. Ela busca a doutrinação, ou seja, apontar um único caminho visto como certo a ser seguido. A contemporaneidade surge em meio a novos valores, porém não abandona totalmente os antigos. Estes aparecem revistos em uma relação de intertextualidade que remete a Carvalhal, quando afirma que: A repetição (de um texto por outro, de um fragmento em um texto, etc.) nunca é inocente. Nem a colagem nem a alusão e, muito menos, a paródia. Toda repetição está carregada de uma intencionalidade certa: quer dar continuidade ou quer modificar, quer subverter, enfim, quer atuar com relação ao texto antecessor. A verdade é que a repetição, quando acontece, sacode a poeira do texto anterior, atualiza-o, renova-o e (por que não dizê-lo?) o reinventa. Toda apropriação é, em suma, uma prática dissolvente. (Carvalhal, 2001, p. 53-4) Há uma relativização da moral e do mundo em si, excluindo-se a existência de uma verdade absoluta. Inserida neste meio, está a criança que, quase sempre alheia a todo esse conflito ideológico, continua a perceber a principal função da literatura, enunciada através da voz voz de uma de suas mais 16

17 brilhantes escritoras, Cecília Meireles (1979, p. 28): A Literatura não é, como tantos, supõem, um passatempo. É uma nutrição. 17

18 Referências Bibliográficas: BANDEIRA, Pedro. O fantástico mistério de Feiurinha. São Paulo: FTD, BETTELHEIM, Bruno. A psicanálise dos contos de fadas. Trad. Arlene Caetano. Rio de Janeiro: Paz e Terra, CARVALHAL, Tania Franco. Literatura Comparada. São Paulo : Ática, COELHO, Nelly Novaes. Panorama histórico da literatura infantil/ juvenil. São Paulo: Ática, Literatura infantil. Teoria Análise Didática. São Paulo: Moderna, ECO, Humberto. Pós-escrito a O nome da rosa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, GRIMM, Jacob e GRIMM, Wilhelm. Contos de Grimm A bela adormecida e outras histórias. V.1 Trad. Zaida Maldonado. Porto Alegre: L&PM, 2006a.. Branca de Neve e outras histórias. v.1 Trad. Fausto Wolff. Rio de Janeiro: Revan, 2006b. KHEDE, Sonia Salomão. Personagens da literatura Infanto-juvenil. São Paulo: Ática, WARNER, Marina. Da Fera à Loira: sobre contos de fadas e seus narradores. São Paulo : Companhia das Letras,

As Damas dos Contos de Fadas e seus Príncipes (quase) encantados

As Damas dos Contos de Fadas e seus Príncipes (quase) encantados Questões de gênero na literatura e na produção cultural para crianças. ST 54 Ângela Márcia Damasceno Teixeira Universidade Estadual de Santa Cruz UESC Palavras-chave: intertextualidade, criatividade, literatura

Leia mais

Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas

Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas outubro/novembro de 2012 Literatura na escola: os contos maravilhosos, contos populares e contos de fadas. Professora Marta Maria Pinto

Leia mais

A influência do contexto social na obra Chapeuzinho Vermelho

A influência do contexto social na obra Chapeuzinho Vermelho A influência do contexto social na obra Chapeuzinho Vermelho Guilherme Argenta Souza Ceres Helena Ziegler Bevilaqua UFSM A obra Chapeuzinho Vermelho é um clássico da literatura universal, apreciada por

Leia mais

INTERTEXTUALIDADE E PROTAGONISMO FEMININO: EXEMPLOS NA LITERATURA INFANTIL

INTERTEXTUALIDADE E PROTAGONISMO FEMININO: EXEMPLOS NA LITERATURA INFANTIL INTERTEXTUALIDADE E PROTAGONISMO FEMININO: EXEMPLOS NA LITERATURA INFANTIL Caroline Cassiana Silva dos SANTOS 1 Renata Junqueira de SOUZA 2 Resumo: O artigo ora proposto discorre sobre as personagens femininas

Leia mais

Projeto Conto de Fadas

Projeto Conto de Fadas Projeto Conto de Fadas 1. Título: Tudo ao contrário 2. Dados de identificação: Nome da Escola: Escola Municipal Santo Antônio Diretora: Ceriana Dall Mollin Tesch Coordenadora do Projeto: Mônica Sirtoli

Leia mais

ANÁLISE LITERÁRIA: OS ESTEREÓTIPOS DE BELEZA EM SHREK 1. O conto narra a estória de Shrek, um ogro que vive sozinho em um pântano, mas que

ANÁLISE LITERÁRIA: OS ESTEREÓTIPOS DE BELEZA EM SHREK 1. O conto narra a estória de Shrek, um ogro que vive sozinho em um pântano, mas que 1 ANÁLISE LITERÁRIA: OS ESTEREÓTIPOS DE BELEZA EM SHREK 1 Luciara dos Santos (UFS) I. ENREDO O conto narra a estória de Shrek, um ogro que vive sozinho em um pântano, mas que logo tem sua tranqüilidade

Leia mais

Comunicação A INFLUÊNCIA DA CONTAÇÃO DA HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação A INFLUÊNCIA DA CONTAÇÃO DA HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação A INFLUÊNCIA DA CONTAÇÃO DA HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL MENDONÇA, Magda Letícia Bezerra 1 Palavras-chave: Histórias, Educação infantil A presente apresentação refere-se a parte do trabalho

Leia mais

Projetos. Outubro 2012

Projetos. Outubro 2012 Projetos Outubro 2012 Assunto de gente grande para gente pequena. No mês de outubro os brasileiros foram às urnas para eleger prefeitos e vereadores e a Turma da Lagoa não poderia ficar fora deste grande

Leia mais

ANÁLISE DO CONTO DE FADAS ENCANTADA

ANÁLISE DO CONTO DE FADAS ENCANTADA ANÁLISE DO CONTO DE FADAS ENCANTADA Andréa Nunes Ribeiro Marília Felix de Oliveira Lopes RESUMO: Este trabalho científico tem como objetivo analisar os contos de fadas e a conversão do in Magic para o

Leia mais

Literatura e cinema: algumas reflexões sobre a produção voltada para o público infantil

Literatura e cinema: algumas reflexões sobre a produção voltada para o público infantil Literatura e cinema: algumas reflexões sobre a produção voltada para o público infantil Fábio Augusto Steyer Universidade Estadual de Ponta Grossa PR A atual produção cinematográfica voltada para o público

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES ESPECIALIZAÇÃO EM ESTUDOS COMPARADOS EM LITERATURAS DE LÍNGUA PORTUGUESA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES ESPECIALIZAÇÃO EM ESTUDOS COMPARADOS EM LITERATURAS DE LÍNGUA PORTUGUESA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES ESPECIALIZAÇÃO EM ESTUDOS COMPARADOS EM LITERATURAS DE LÍNGUA PORTUGUESA A REPRESENTAÇÃO DA IDENTIDADE DA MULHER AFRO- DESCENDENTE, TIA

Leia mais

CONTO LITERÁRIO: UM INCENTIVO À LEITURA RESUMO

CONTO LITERÁRIO: UM INCENTIVO À LEITURA RESUMO CONTO LITERÁRIO: UM INCENTIVO À LEITURA * Lúcia Helena dos Santos Mattos * Mônica Rejiane Bierhals * Renata Faria Amaro da Silva ** Adriana Lemes RESUMO Como estimular a leitura através do conto literário?

Leia mais

IMPORTÂNCIA DOS CONTOS INFANTIS PARA EDUCAÇÃO

IMPORTÂNCIA DOS CONTOS INFANTIS PARA EDUCAÇÃO IMPORTÂNCIA DOS CONTOS INFANTIS PARA EDUCAÇÃO Magna Flora de Melo Almeida Ouriques 1 Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) mellomagna@gmail.com Co-Autor Renan de Oliveira Silva 2 rennanoliveira8@gmail.com

Leia mais

BRANCA DE NEVE E O CAÇADOR: A DESCONSTRUÇÃO DA PRINCESA E O APOGEU DA MULHER

BRANCA DE NEVE E O CAÇADOR: A DESCONSTRUÇÃO DA PRINCESA E O APOGEU DA MULHER BRANCA DE NEVE E O CAÇADOR: A DESCONSTRUÇÃO DA PRINCESA E O APOGEU DA MULHER Carindia do Amarante Marques i () Resumo: este artigo pretende realizar uma comparação entre o conto tradicional Branca de Neve

Leia mais

A literatura no cinema e suas relações com a criança e a cultura

A literatura no cinema e suas relações com a criança e a cultura A literatura no cinema e suas relações com a criança e a cultura Luciana Crestana dos Santos UCS O cinema, a criança e a cultura A cultura de massa está hoje difundida em nossa sociedade de várias maneiras,

Leia mais

AUTORES E ILUSTRADORES: GIOVANNA CHICARINO ROSA JOÃO VICTOR CAPUTO E SILVA

AUTORES E ILUSTRADORES: GIOVANNA CHICARINO ROSA JOÃO VICTOR CAPUTO E SILVA AUTORES E ILUSTRADORES: GIOVANNA CHICARINO ROSA JOÃO VICTOR CAPUTO E SILVA 1ºA - 2011 APRESENTAÇÃO AO LONGO DESTE SEMESTRE AS CRIANÇAS DO 1º ANO REALIZARAM EM DUPLA UM TRABALHO DE PRODUÇÃO DE TEXTOS A

Leia mais

NARRATIVAS E PRÁTICAS DE LEITURA NA CRECHE: RELATOS SOBRE A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA BEBÊS. Uma experiência com mães.

NARRATIVAS E PRÁTICAS DE LEITURA NA CRECHE: RELATOS SOBRE A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA BEBÊS. Uma experiência com mães. NARRATIVAS E PRÁTICAS DE LEITURA NA CRECHE: RELATOS SOBRE A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA BEBÊS. Uma experiência com mães. Autores: DILMA ANTUNES SILVA 1 ; MARCELO NASCIMENTO 2. Modalidade: Relato de experiência.

Leia mais

ERA UMA VEZ: A INFLUÊNCIA DOS CONTOS DE FADAS NA INFÂNCIA

ERA UMA VEZ: A INFLUÊNCIA DOS CONTOS DE FADAS NA INFÂNCIA ERA UMA VEZ: A INFLUÊNCIA DOS CONTOS DE FADAS NA INFÂNCIA Prof. Luana Leão Cury, Prof. Tiago Aquino da Costa e Silva, Prof. Kaoê Giro Ferraz Gonçalves FMU Faculdades Metropolitanas Unidas/SP Prof. Alipio

Leia mais

FACESI EM REVISTA Ano 3 Volume 3, N. 2 2011 - - ISSN 2177-6636

FACESI EM REVISTA Ano 3 Volume 3, N. 2 2011 - - ISSN 2177-6636 A IMPORTÂNCIA DO ATO DE LER NO UNIVERSO INFANTIL Ana Maria Martins anna_1280@hotmail.com Karen de Abreu Anchieta karenaanchieta@bol.com.br Resumo A importância do ato de ler no cotidiano infantil é de

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS CONTOS DE FADAS PARA A CONSTRUÇÃO DO IMAGINÁRIO DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DOS CONTOS DE FADAS PARA A CONSTRUÇÃO DO IMAGINÁRIO DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DOS CONTOS DE FADAS PARA A CONSTRUÇÃO DO IMAGINÁRIO DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Fernanda Maria Sousa Martins; Valdiêgo José Monteiro Tavares; Larissa Mabrine Dias da Silva; Professor

Leia mais

Análise semiótica de campanha publicitária O Boticário

Análise semiótica de campanha publicitária O Boticário Análise semiótica de campanha publicitária O Boticário Jacqueline Calisto Costa Raquel de Paula Pinto Soares RESUMO A abordagem semiótica entende o texto como uma unidade de sentido, independente da linguagem.

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

Condições didáticas geradas para o desenvolvimento do Projeto

Condições didáticas geradas para o desenvolvimento do Projeto Condições didáticas geradas para o desenvolvimento do Projeto Propor a reflexão sobre o literário a partir de situações de leitura e essencialmente de escrita. Propor situações didáticas que favoreçam

Leia mais

VÁRIAS MENINAS: DA EXEMPLARIDADE AO DIÁLOGO CAMILA FLESSATI RESUMO:

VÁRIAS MENINAS: DA EXEMPLARIDADE AO DIÁLOGO CAMILA FLESSATI RESUMO: VÁRIAS MENINAS: DA EXEMPLARIDADE AO DIÁLOGO RESUMO: CAMILA FLESSATI O presente artigo é fruto do trabalho realizado no grupo de estudos Literatura Infantil/Juvenil e Sociedade da Universidade de São Paulo.

Leia mais

OFICINA: O uso dos contos de fadas na aprendizagem. Luciana Bem Psicopedagoga e Arte-terapeuta lucianabem@gmail.com

OFICINA: O uso dos contos de fadas na aprendizagem. Luciana Bem Psicopedagoga e Arte-terapeuta lucianabem@gmail.com OFICINA: O uso dos contos de fadas na aprendizagem Luciana Bem Psicopedagoga e Arte-terapeuta lucianabem@gmail.com Literatura Infantil A literatura infantil contribui para o crescimento emocional,cognitivo

Leia mais

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE Literatura Infantil aspectos a serem desenvolvidos A natureza da Literatura Infanto-Juvenil está na Literatura e esta é uma manifestação artística. Assim,

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

ANÁLISE DA NARRATIVA: ENCANTADA

ANÁLISE DA NARRATIVA: ENCANTADA ANÁLISE DA NARRATIVA: ENCANTADA Julia Maria de Jesus Cunha Regina Ferreira Terra Rodrigues RESUMO: Os contos de fadas são importantes na formação da criança, assim com as novas tecnologias novas versões

Leia mais

1 o ano Ensino Fundamental Data: / / Nome: Responda a este teste e descubra se você conhece os personagens dos contos de fadas.

1 o ano Ensino Fundamental Data: / / Nome: Responda a este teste e descubra se você conhece os personagens dos contos de fadas. 1 o ano Ensino Fundamental Data: / / Nome: Responda a este teste e descubra se você conhece os personagens dos contos de fadas. 1) Do que são feitas as casas dos três porquinhos? a) Plástico, cimento e

Leia mais

SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA

SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA Kellen Millene Camargos RESENDE (Faculdade de Letras UFG; kellenmil@gmail.com); Zênia de FARIA (Faculdade de Letras UFG; zenia@letras.ufg.br).

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA MOVIMENTO PARANÁ SEM CORRUPÇÃO Primeiro voto: o papel do jovem eleitor em relação ao combate à corrupção ROTEIRO

Leia mais

PROJETO ERA UMA VEZ...

PROJETO ERA UMA VEZ... PROJETO ERA UMA VEZ... TEMA: Contos de Fada PÚBLICO ALVO: Alunos da Educação Infantil (Creche I à Pré II) JUSTIFICATIVA O subprojeto Letramento e Educação Infantil, implantado na EMEI Sementinha, trabalha

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL ALCIDES MUNHOZ ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

COLÉGIO ESTADUAL ALCIDES MUNHOZ ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO COLÉGIO ESTADUAL ALCIDES MUNHOZ ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO Rua Marechal Floriano Peixoto, 61 Cep:84430-000 Fone/Fax:(42)34361327 e-mail: iuvalcidesmunhoz@seed.pr.gov.br Imbituva - Paraná Projeto de Leitura

Leia mais

Apoio: Patrocínio: Realização:

Apoio: Patrocínio: Realização: 1 Apoio: Patrocínio: Realização: 2 CINDERELA 3 CINDERELA Cinderela era uma moça muito bonita, boa, inteligente e triste. Os pais tinham morrido e ela morava num castelo. A dona do castelo era uma mulher

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DOS CONTOS DE FADAS NA FORMAÇÃO HUMANA

A CONTRIBUIÇÃO DOS CONTOS DE FADAS NA FORMAÇÃO HUMANA A CONTRIBUIÇÃO DOS CONTOS DE FADAS NA FORMAÇÃO HUMANA Maria Elizabete Nascimento de Oliveira 1 PPGE /IE UFMT m.elizabte@gmail.com RESUMO A pesquisa em foco refere-se à relevância dos contos de fadas na

Leia mais

O Princípio do prazer versus o princípio da realidade

O Princípio do prazer versus o princípio da realidade Análise de Contos e Fábulas O Princípio do prazer versus o princípio da realidade Os três porquinhos Bruno Bettelheim O mito de Hércules enfrenta a escolha entre seguir o princípio do prazer ou o princípio

Leia mais

CONTOS DE FADAS EM LIBRAS. Profª Me Luciana Andrade Rodrigues UNISEB

CONTOS DE FADAS EM LIBRAS. Profª Me Luciana Andrade Rodrigues UNISEB CONTOS DE FADAS EM LIBRAS Profª Me Luciana Andrade Rodrigues UNISEB CONTEÚDO - Contos de Fadas; - Fábulas; - Vídeos de contação de histórias; - Entrevista OBJETIVOS -Apresentar aos professores como é o

Leia mais

DURAÇÃO APROXIMADAMENTE 15 MESES

DURAÇÃO APROXIMADAMENTE 15 MESES GRUPO SANTA RITA INSCRIÇÕES ABERTAS! PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU CONTAÇÃO DE MENSALIDADE R e R$ MEC CURSOS AUTORIZADOS s o lu ç ã o C N E /C n ES 1, º. 7 129, /2 6 / 8 HISTÓRIAS música, dança,

Leia mais

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À PARTE COM ESTA EM ANEXO. O PORCO-ESPINHO

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À PARTE COM ESTA EM ANEXO. O PORCO-ESPINHO ENSINO FUNDAMENTAL Conteúdos do 6º Ano 3º/4º Bimestre 2014 Trabalho de Dependência Nome: N. o : Turma: Professor(a): Monique Data: / /2014 Unidade: Cascadura Mananciais Méier Taquara Redação Resultado

Leia mais

Palavras-chave: Literatura Infantil. Branca de Neve e os Sete Anões. O Menino Maluquinho. Valores.

Palavras-chave: Literatura Infantil. Branca de Neve e os Sete Anões. O Menino Maluquinho. Valores. BRANCA DE NEVE E OS SETE ANÕES E O MENINO MALUQUINHO UMA ANÁLISE COMPARATIVA Cristiane Mara Paloschi Marcia Oberderfer Consoli RESUMO Esta pesquisa traz uma análise das obras de Literatura Infantil Branca

Leia mais

qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq

qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq LITERATURA wertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyui INFANTIL opasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfg

Leia mais

LEI ROUANET PROJETO ESTÓRIAS

LEI ROUANET PROJETO ESTÓRIAS LEI ROUANET PROJETO ESTÓRIAS Projeto Estórias I. Introdução O projeto Estórias nasceu da necessidade de incluir na literatura infantil personagens com câncer e o ambiente hospitalar. A literatura que contém

Leia mais

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO A Cobronça, a Princesa e a Surpresa escrito por & ilustrado por Celso Linck Fê Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

Literatura de Monteiro Lobato

Literatura de Monteiro Lobato Literatura de Monteiro Lobato Cléa Coitinho Escosteguy ULBRA Trabalhar com as obras de Monteiro Lobato é fazer emergir a fantasia e a criatividade, já tão esquecidas. Não há, com certeza, na ficção de

Leia mais

O brincar hoje: da colaboração ao individualismo

O brincar hoje: da colaboração ao individualismo O brincar hoje: da colaboração ao individualismo Profa. Dra. Maria Angela Barbato Carneiro Campo Grande/ Simpósio Internacional da OMEP Jul/ 2012 Este trabalho tem por objetivo discutir sobre o brincar

Leia mais

APRENDENDO PORTUGUÊS COM AS MÍDIAS. Competência Leitora na 5ª série

APRENDENDO PORTUGUÊS COM AS MÍDIAS. Competência Leitora na 5ª série APRENDENDO PORTUGUÊS COM AS MÍDIAS Competência Leitora na 5ª série O QUE É AVALIAÇÃO EM PROCESSO? Ação fundamentada no Currículo Oficial da SEE, que propõe acompanhamento coletivo e individualizado dos

Leia mais

2ª Etapa: Propor a redação de um conto de mistério utilizando os recursos identificados na primeira etapa da atividade.

2ª Etapa: Propor a redação de um conto de mistério utilizando os recursos identificados na primeira etapa da atividade. DRÁCULA Introdução ao tema Certamente, muitas das histórias que atraem a atenção dos jovens leitores são as narrativas de terror e mistério. Monstros, fantasmas e outras criaturas sobrenaturais sempre

Leia mais

A FORMAÇÃO DE LEITORES: O CASO DO GRUPO AIMIRI OS CONTADORES DE HISTÓRIAS

A FORMAÇÃO DE LEITORES: O CASO DO GRUPO AIMIRI OS CONTADORES DE HISTÓRIAS XIV Encontro Regional dos Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência da Informação e Gestão da Informação - Região Sul - Florianópolis - 28 de abril a 01 de maio de 2012 A FORMAÇÃO DE LEITORES:

Leia mais

Contos recontados em cordel: As Doze Princesas Dançarinas na versão dos Grimm e do folheto de Manoel Monteiro

Contos recontados em cordel: As Doze Princesas Dançarinas na versão dos Grimm e do folheto de Manoel Monteiro Contos recontados em cordel: As Doze Princesas Dançarinas na versão dos Grimm e do folheto de Manoel Monteiro Resumo: Samantha Pollyana Messiades Pimentel i (PPGLI/UEPB) A literatura de cordel brasileira

Leia mais

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO Sílvia Cristina Fernandes Paiva 1 Ana Arlinda Oliveira 2 A leitura literária na escola Podemos afirmar que a leitura é fundamental para construção

Leia mais

A filha do Rei Telma Guimarães Castro Andrade

A filha do Rei Telma Guimarães Castro Andrade Ilustrações Mariana Massarani Temas Amadurecimento / Relação familiar / Diferenças sociais GUIA DE LEITURA PARA O PROFESSOR 2ª edição 72 páginas O livro A filha do Rei traz a história de uma menina que

Leia mais

CIP-Brasil. Catalogação na Fonte Sindicato Nacional dos Editores de Livros, RJ.

CIP-Brasil. Catalogação na Fonte Sindicato Nacional dos Editores de Livros, RJ. Copyright 2011 by Padaria de textos Todos os direitos desta edição reservados à EDITORA OBJETIVA LTDA. Rua Cosme Velho, 103 Rio de Janeiro RJ CEP: 22241-090 Tel.: (21) 2199-7824 Fax: (21) 2199-7825 www.objetiva.com.br

Leia mais

Contos de ensinamento da tradição oral

Contos de ensinamento da tradição oral Contos de ensinamento da tradição oral Os chamados contos de ensinamento, fazem parte da grande herança cultural formada pelos contos transmitidos oralmente, de geração para geração, ao longo de milênios.

Leia mais

UM RELATO DE EXPERIÊNCIA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO: LITERATURA INFANTIL

UM RELATO DE EXPERIÊNCIA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO: LITERATURA INFANTIL UM RELATO DE EXPERIÊNCIA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO: LITERATURA INFANTIL COLLARES, Solange Aparecida de O. Unicentro - Coordenadora do projeto de estágio e mestre solcollares@yahoo.com O relato de experiência

Leia mais

1ª QUESTÃO MÚLTIPLA ESCOLHA. 7,00 (sete) pontos distribuídos em 20 itens

1ª QUESTÃO MÚLTIPLA ESCOLHA. 7,00 (sete) pontos distribuídos em 20 itens PAG - 1 1ª QUESTÃO MÚLTIPLA ESCOLHA 7,00 (sete) pontos distribuídos em 20 itens Marque no cartão de respostas a única alternativa que responde de maneira correta ao pedido de cada item: PORTUGUÊS Considere

Leia mais

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES Simone de Souza Burguês (PIBIC/CNPq-UEM), Mirian Hisae Yaegashi Zappone (Orientadora), e-mail: mirianzappone@gmail.com Universidade Estadual de Maringá/Departamento

Leia mais

HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com

HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com TRECHO: A VOLTA POR CIMA Após me formar aos vinte e seis anos de idade em engenharia civil, e já com uma

Leia mais

O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1

O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1 O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1 Nathália Sene GARIERI/ Licenciada em História Aline Rafaela Portílio LEMES Aline Aparecida SILVA Samuel Douglas Farias COSTA RESUMO A propaganda ocupa um largo

Leia mais

Sugestão de avaliação

Sugestão de avaliação Sugestão de avaliação 6 PORTUGUÊS Professor, esta sugestão de avaliação corresponde ao quarto bimestre escolar ou às Unidades 7 e 8 do livro do Aluno. Avaliação - Língua Portuguesa NOME: TURMA: escola:

Leia mais

SARESP 2004 Prova de Leitura e Escrita 5ª Série EF - Manhã. Narizinho

SARESP 2004 Prova de Leitura e Escrita 5ª Série EF - Manhã. Narizinho SARESP 2004 Prova de Leitura e Escrita 5ª Série EF - Manhã Narizinho Numa casinha branca, lá no Sítio do Picapau Amarelo, mora uma velha de mais de sessenta anos. Chama-se dona Benta. Quem passa pela estrada

Leia mais

O CONTO E O RECONTO E SUA CONTRIBUIÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DA ORALIDADE

O CONTO E O RECONTO E SUA CONTRIBUIÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DA ORALIDADE O CONTO E O RECONTO E SUA CONTRIBUIÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DA ORALIDADE Maria Aline da Silva Graduanda do curso de Pedagogia da FECLESC-UECE Antonio Marcelo Pereira Sousa Graduando do curso de Pedagogia

Leia mais

A ABORDAGEM DA RELAÇÃO DE GÊNERO PELOS FILMES INFANTIS

A ABORDAGEM DA RELAÇÃO DE GÊNERO PELOS FILMES INFANTIS 1 A ABORDAGEM DA RELAÇÃO DE GÊNERO PELOS FILMES INFANTIS Márcia Santos Anjo Reis Tatielle da Silva Borges Universidade Federal de Goiás / Campus Jataí marcialibra@ibest.com.br tatielleborges@yahoo.com.br

Leia mais

ESTILO E IDENTIDADE. Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO

ESTILO E IDENTIDADE. Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO ESTILO E IDENTIDADE Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO Introdução Por milhares de anos, foi possível concordar que a mais importante linguagem do homem

Leia mais

JOÁS, O MENINO REI Lição 65. 1. Objetivos: Ensinar que devemos permanecer fiéis a Deus embora nossos amigos parem de segui-lo.

JOÁS, O MENINO REI Lição 65. 1. Objetivos: Ensinar que devemos permanecer fiéis a Deus embora nossos amigos parem de segui-lo. JOÁS, O MENINO REI Lição 65 1 1. Objetivos: Ensinar que devemos permanecer fiéis a Deus embora nossos amigos parem de segui-lo. 2. Lição Bíblica: 2 Reis 11; 2 Crônicas 24.1-24 (Base bíblica para a história

Leia mais

ANÁLISE E COMPARAÇÃO DA OBRA A BELA ADORMECIDA, DE CHARLES PERRAULT, DOS IRMÃOS GRIMM E DOS CLÁSSICOS DE OURO.

ANÁLISE E COMPARAÇÃO DA OBRA A BELA ADORMECIDA, DE CHARLES PERRAULT, DOS IRMÃOS GRIMM E DOS CLÁSSICOS DE OURO. ANÁLISE E COMPARAÇÃO DA OBRA A BELA ADORMECIDA, DE CHARLES PERRAULT, DOS IRMÃOS GRIMM E DOS CLÁSSICOS DE OURO. Antônio Marques PEREIRA FILHO¹ UECE FECLI Orientador: Prof.º Dr. Everton Alencar MAIA² Resumo

Leia mais

Quem te fala mal de. 10º Plano de aula. 1-Citação as semana: Quem te fala mal de outra pessoa, falará mal de ti também." 2-Meditação da semana:

Quem te fala mal de. 10º Plano de aula. 1-Citação as semana: Quem te fala mal de outra pessoa, falará mal de ti também. 2-Meditação da semana: 10º Plano de aula 1-Citação as semana: Quem te fala mal de outra pessoa, falará mal de ti também." Provérbio Turco 2-Meditação da semana: Mestre conselheiro- 6:14 3-História da semana: AS três peneiras

Leia mais

O leitor também narra sua história

O leitor também narra sua história The reader also narrate his story Rosa Amanda Strausz* Resumo: Experiência pessoal a descoberta de uma linguagem literária para crianças. A teoria de recepção e a possibilidade de construção de uma narrativa

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO - 2º Ano EF- JULHO/ 2014 2º ANO: DATA DE ENTREGA: 31/07/14. Atividade de Férias

ESTUDO DIRIGIDO - 2º Ano EF- JULHO/ 2014 2º ANO: DATA DE ENTREGA: 31/07/14. Atividade de Férias 1 NOME: Nº: 2º ANO: DATA DE ENTREGA: 31/07/14 Atividade de Férias O primeiro semestre está chegando ao final. As férias se aproximam e o merecido descanso vem em boa hora! Período de descontração, lazer

Leia mais

Os Gêneros da Literatura Infantil

Os Gêneros da Literatura Infantil PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA Os Gêneros da Literatura Infantil Maria Zélia Versiani Machado Se, por não sei que excesso de socialismo ou de barbárie, todas as nossas disciplinas devessem

Leia mais

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC ÁFRICA Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM Ricamente ilustrada por fotos e desenhos, esta obra traça um painel detalhado da vida dos habitantes da África do Oeste: sua tradição oral, detalhes

Leia mais

LITERATURA INFANTIL: INTERAÇÃO E APRENDIZAGEM

LITERATURA INFANTIL: INTERAÇÃO E APRENDIZAGEM LITERATURA INFANTIL: INTERAÇÃO E APRENDIZAGEM Adriana Bragagnolo i ( Universidade de Passo Fundo) 1. NOTA INICIAL O presente texto objetiva socializar reflexões a respeito da literatura infantil no cenário

Leia mais

As Histórias que as Crianças Contam: um estudo preliminar sobre o repertório narrativo e modos de expressão de crianças de quatro a seis anos.

As Histórias que as Crianças Contam: um estudo preliminar sobre o repertório narrativo e modos de expressão de crianças de quatro a seis anos. As Histórias que as Crianças Contam: um estudo preliminar sobre o repertório narrativo e modos de expressão de crianças de quatro a seis anos. Descritores: narrativa; linguagem; cuidado da criança. Resumo

Leia mais

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados escrito por Vários autores Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04 A BELA ADORMECIDA NO BOSQUE: UM DIÁLOGO COM O FEMININO DO SER Fábio Pratts Regina Michelli reginamichelli@globo.com INTRODUÇÃO Vivemos em uma sociedade patriarcal, em que a maioria dos grandes cargos ainda

Leia mais

Língua Portuguesa 4 º ano. A camponesa sábia *

Língua Portuguesa 4 º ano. A camponesa sábia * Avaliação 3 o Bimestre NOME: N º : CLASSE: Na sétima unidade você leu algumas histórias com príncipes e princesas em seus majestosos castelos. O texto a seguir é mais uma dessas histórias. Ele nos conta

Leia mais

PALABRAS-CLAVE: Cuentos de hada; princesas clásicas y contemporáneas.

PALABRAS-CLAVE: Cuentos de hada; princesas clásicas y contemporáneas. As princesas em obras infantis clássicas e contemporâneas Elesa Vanessa Kaiser da Silva (UNIOESTE) 1 Orientadora: Professora Dra. Clarice Lottermann (UNIOESTE) 2 RESUMO: Levando em consideração a importância

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras - 2009 ISSN 1808-9216 CHAPEUZINHO VERMELHO, DE CHARLES PERRAULT: UMA LEITURA PSICANALÍTICA

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras - 2009 ISSN 1808-9216 CHAPEUZINHO VERMELHO, DE CHARLES PERRAULT: UMA LEITURA PSICANALÍTICA CHAPEUZINHO VERMELHO, DE CHARLES PERRAULT: UMA LEITURA PSICANALÍTICA Aline Letícia Trindade Rosa Ana Victória Antunes Tamyres Rodrigues Zanforlin (G UENP/ campus Jac.) Penha Lucilda de Souza Silvestre

Leia mais

LEITURA E LITERATURA NA FORMAÇÃO DA CRIANÇA

LEITURA E LITERATURA NA FORMAÇÃO DA CRIANÇA LEITURA E LITERATURA NA FORMAÇÃO DA CRIANÇA Suellen Lopes 1 Graduação Universidade Estadual de Londrina su.ellen23@hotmail.com Rovilson José da Silva 2 Universidade Estadual de Londrina rovilson@uel.br

Leia mais

AJUDANDO A SUPERAR CONFLITOS: A LITERATURA INFANTIL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM

AJUDANDO A SUPERAR CONFLITOS: A LITERATURA INFANTIL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM AJUDANDO A SUPERAR CONFLITOS: A LITERATURA INFANTIL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Maurício Silva (Uninove/ SP) Márcia Moreira Pereira (Uninove/ SP) Resumo: Este artigo procura analisar alguns aspectos

Leia mais

Relatório da Atividade de Desenvolvimento

Relatório da Atividade de Desenvolvimento - 1 - Relatório da Atividade de Desenvolvimento Conto de Fadas Interativo Introdução Como uma estudante do curso de Comunicação Social com Habilitação em Midialogia, acho importante conhecer as tecnologias

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO 2012/2013 PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA (Prova 3) 6º Ano / Ensino Fundamental

CONCURSO DE ADMISSÃO 2012/2013 PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA (Prova 3) 6º Ano / Ensino Fundamental Leia atentamente todas as questões e assinale a única alternativa correta. Texto 1 A menina que desenhava 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

OS PADRÕES NORMATIVOS DE GÊNERO E SEXUALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DO FILME A BELA E A FERA

OS PADRÕES NORMATIVOS DE GÊNERO E SEXUALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DO FILME A BELA E A FERA OS PADRÕES NORMATIVOS DE GÊNERO E SEXUALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DO FILME A BELA E A FERA Geane Apolinário Oliveira UEPB Geane-cg@hotmail.com Introdução O presente artigo tem por objetivo enfatizar

Leia mais

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Apresentaremos 4 lições, que mostram algum personagem Bíblico, onde as ações praticadas ao longo de sua trajetória abençoaram a vida de muitas

Leia mais

ENTRE FÁBULAS E CONTOS DE FADAS: ANÁLISE DE PRODUÇÕES TEXTUAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL

ENTRE FÁBULAS E CONTOS DE FADAS: ANÁLISE DE PRODUÇÕES TEXTUAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL ENTRE FÁBULAS E CONTOS DE FADAS: ANÁLISE DE PRODUÇÕES TEXTUAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL Roseane Huber (E.E.B Professor Carlos Maffezzolli) roseanehuber@gmail.com Thais de Souza Schlichting (Furb) thais_schlichting@hotmail.com

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS CONTOS DE FADAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DOS CONTOS DE FADAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DOS CONTOS DE FADAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Auricélia Lima da Silva 1 malsvida@hotmail.com Rosiane Bento Barros 2 rousybento@yahoo.com.br Thiago Alves Moreira Nascimento 3 thiago_com_h@yahoo.com.br

Leia mais

ANÁLISE TEMÁTICA DE ENREDO FILME ENCANTADA

ANÁLISE TEMÁTICA DE ENREDO FILME ENCANTADA ANÁLISE TEMÁTICA DE ENREDO FILME ENCANTADA Adriana Alves de Oliveira RESUMO: A presente Análise tem como objetivo apresentar elementos importantes contidos no filme encantada. Tendo como referencia a importância

Leia mais

Sedutor das Águas 1. Aluno líder do grupo e estudante do 8º Semestre de Comunicação Social / Jornalismo, e-mail: andrevg18@live.com.

Sedutor das Águas 1. Aluno líder do grupo e estudante do 8º Semestre de Comunicação Social / Jornalismo, e-mail: andrevg18@live.com. Sedutor das Águas 1 André Vasconcelos GONÇALVES 2 Glenda Pinto GARCIA 3 Janderson Brandão RODRIGUES 4 Juliane dos Santos BITAR 5 Naiara Guimarães ALMEIDA 6 Osnan Cid Penha JÚNIOR 7 Sue Anne Guimarães CURSINO

Leia mais

Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto

Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto 3 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO

Leia mais

PROJETO DE LEITURA SUGESTÕES DE ATIVIDADES

PROJETO DE LEITURA SUGESTÕES DE ATIVIDADES PROJETO DE LEITURA URASHIMA TARO LÚCIA HIRATSUKA PARTE 1 PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: ATIVAÇÃO DO CONHECIMENTO PRÉVIO Atividade 1 SUGESTÕES DE ATIVIDADES Cada povo tem suas narrativas

Leia mais

A LITERATURA INFANTIL COMO RECURSO NO ATENDIMENTO ESPECIALIZADO AOS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA MENTAL

A LITERATURA INFANTIL COMO RECURSO NO ATENDIMENTO ESPECIALIZADO AOS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA MENTAL A LITERATURA INFANTIL COMO RECURSO NO ATENDIMENTO ESPECIALIZADO AOS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA MENTAL Luana Martins Abreu Profª. da Secretaria Municipal de Educação de Nova Iguaçu/RJ As crianças com qualquer

Leia mais

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1 Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana avier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este trabalho se propõe uma jornada Arcoverde adentro

Leia mais

Contos Mágicos Brasileiros. O Príncipe Teiú e outros contos Marco Haurélio

Contos Mágicos Brasileiros. O Príncipe Teiú e outros contos Marco Haurélio ROTEIRO DeLeitura - Página 1 ROTEIRO DeLeitura versão resumida Contos Mágicos Brasileiros O Príncipe Teiú e outros contos Marco Haurélio Capa e ilustração: Klevisson Arte-final: Niky Venâncio Formato:

Leia mais

A LEITURA DO NÃO-VERBAL NOS FILMES INFANTIS E A EDUCAÇÃO MORAL

A LEITURA DO NÃO-VERBAL NOS FILMES INFANTIS E A EDUCAÇÃO MORAL A LEITURA DO NÃO-VERBAL NOS FILMES INFANTIS E A EDUCAÇÃO MORAL ÉRICA DANIELA DE ARAÚJO 1 CARMEN LÚCIA H. AGUSTINI 2 RESUMO: As enunciações fílmicas infantis se configuram como objetos culturais que são

Leia mais

16 Matheus Vieira Fernando Alves

16 Matheus Vieira Fernando Alves Introducao Quando me propus a refletir sobre a aplicação do RPG na Educação, nunca pensei que escreveria sobre isso, muito menos que os escritos se transformariam num livro. Entretanto, quero tomar o cuidado

Leia mais

CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA POR LICENCIANDAS E SUPERVISORAS DO PIBID- PEDAGOGIA/UFSCAR

CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA POR LICENCIANDAS E SUPERVISORAS DO PIBID- PEDAGOGIA/UFSCAR CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA POR LICENCIANDAS E SUPERVISORAS DO PIBID- PEDAGOGIA/UFSCAR Resumo: MACHADO, Amanda Daiane UFSCar amanda.dmchd@gmail.com ONOFRE, Elenice Maria Cammarosano

Leia mais

SIMBOLIZAÇÃO E LITERATURA INFANTIL: VULTOS DE VIOLÊNCIA SEXUAL N O ABRAÇO, DE LYGIA BOJUNGA

SIMBOLIZAÇÃO E LITERATURA INFANTIL: VULTOS DE VIOLÊNCIA SEXUAL N O ABRAÇO, DE LYGIA BOJUNGA SIMBOLIZAÇÃO E LITERATURA INFANTIL: VULTOS DE VIOLÊNCIA SEXUAL N O ABRAÇO, DE LYGIA BOJUNGA Mônica Silva (ILEEL - UFU) monica_mks@hotmail.com Resumo: A obra da escritora Lygia Bojunga é conhecida por abordar

Leia mais