Visibilidade Científica das Universidades Estaduais do Estado de São Paulo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Visibilidade Científica das Universidades Estaduais do Estado de São Paulo"

Transcrição

1 Hórus Revista de Humanidades e Ciências Sociais Aplicadas, Ourinhos/SP, Nº 02, Visibilidade Científica das Universidades Estaduais do Estado de São Paulo Adilson Luiz Pinto 1 José Antonio Moreiro-González 2 RESUMO: Esta pesquisa procurou analisar a produção científica nas Universidades Estaduais do Estado de São Paulo, tendo como base à literatura branca e cinzenta desenvolvida pelo seu corpo docente, objetivando verificar o vínculo da produção com o financiamento externo à pesquisa. Em relação ao método adotado, foi estudada a produtividade científica segundo a análise da bibliometria e cienciometria, cuja análise quantitativa foi resultado de uma intensa investigação aos anuários de pesquisa das instituições e do relatório de atividade científica da FAPESP, informações ligadas ao investimento à pesquisa. Além disso, foi visualizado o crescimento da pósgraduação e da produção científica nacional e qual a representabilidade das Universidades Estaduais de São Paulo (USP, Unicamp e Unesp) na ciência nacional. Os resultados alcançados, pela pesquisa, foram de relativo crescimento científico no período estudado (1989/1999), onde em todos os pontos a evolução ficou evidente, conseguindo desenvolver números positivos a consolidação científica estadual e contribuindo para aos indicadores do país frente ao Institute for Scientific Information. PALAVRAS-CHAVE: Produção Científica; Universidades Estaduais de São Paulo; Bibliometria; Cienciometria; Tipologia; Literatura Branca e Cinzenta. Scientific visibility of the SCreated by xtate Universities of the State of Sao Paulo ABSTRACT: This research looked for analyzing the scientific production in the State Universities of the State of Sao Paulo, being had as base to white and cinereous literature developed by its faculty, objectifying to verify the bond of the production with the external financing to the research. In relation to the adopted method, the scientific productivity was studied according to analysis of the bibliometric and cienciometric, whose quantitative analysis was resulted of an intense inquiry to yearbooks of research of the institutions and the report of scientific activity of the FAPESP, on information to the investment to the research. Moreover, it was visualized the growth of the after-graduation and the national scientific production and which the representable of the State Universities of Sao Paulo (USP, Unicamp and Unesp) in national science. The reached results, for the research, had been of relative scientific growth in the studied period (1989/1999), where in all the points the evolution was evident, obtaining to develop positive numbers the state scientific consolidation and contributing for the pointers of the country front to the Institute will be Scientific Information. KEY-WORDS: Scientific Production; State Universities of San Paulo; Bibliometric; Cienciometric; Tipology; White and Cinereous Literature. 1 Mestre em Ciência da Informação pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Bibliotecário da Faculdade Estácio de Sá de Ourinhos FAESO, Consultor da Biblioteca Virtual de Arranjos Produtivos do NESUR/Unicamp Prof. Dr. do Programa de Doutorado em Documentação da Universidade Carlos III de Madrid Rua Madrid, 126, Getafe, Madrid;

2 Hórus Revista de Humanidades e Ciências Sociais Aplicadas, Ourinhos/SP, Nº 02, PESQUISA CIENTÍFICA NO BRASIL A dinâmica histórica que articulou a universidade moderna, com a consolidação da ciência e dos pilares de sustentação (ensino, pesquisa e extensão) da instituição universitária, fez com que a produção científica ganhasse status e autonomia para o reconhecimento da importância desta instituição à sociedade (VELHO, 1990). Desde o aparecimento da ciência moderna, houve tempos em que a atividade científica necessitou ser justificada perante a sociedade, e as áreas do conhecimento que tiveram o seu surgimento e seu amadurecimento no idealismo (Século XIX) necessitaram de personalidades com uma postura existencial voltada a sua sobrevivência. No Século XX, existiu um esforço muito grande pela consolidação da produtividade científica, onde as nações lideradas pelo Estados Unidos da América começaram a relacionar o Produto Interno Bruto (PIB) com a produção científica, servindo de referência ao crescimento do país (ZANOTTO, 1999). A produtividade e/ou produção científica de um país está muito relacionado com a atividade e atuação das Universidades, através dos programas de pós-graduação existentes, sendo esta categoria a principal responsável pelo desenvolvimento da pesquisa, com exceção dos Estados Unidos da América, onde esta atividade se faz em maior escala na produção industrial.... muitos são temas que merecem pesquisa e debate mais amplo no que tange à produção científica... Pesquisas na área podem fornecer elementos preciosos para a reflexão, a definição de estratégias políticas, a reformulação dos cursos. O crescente interesse pela avaliação do ensino superior, como vem ocorrendo no Brasil poderá, ser aplicado á produção científica e a outros aspectos... para a melhoria tanto qualitativa quanto quantitativa de sua produção. (WITTER, 1989, p.29) Até a década de 1960 a legislação educacional brasileira de nível superior era ambígua no que tange o ensino de pós-graduação, os cursos eram relacionados de várias formas, sem limitações de natureza, objetivos, características ou metodológicas. A classificação, uniformização e normatização destes cursos só ocorrem a partir de 1965 com o Parecer 977 do CFE que define a pós-graduação Stricto Sensu agregadora dos cursos de mestrado e doutorado (SOUSA, 2002). Nessa época, com o aparecimento dos primeiros programas de pós-graduação nas instituições brasileiras (Universidades e Faculdades), ocorre um trabalho sério na formação de pesquisadores/docentes e de uma produção científica mais assídua, que veio ser

3 Hórus Revista de Humanidades e Ciências Sociais Aplicadas, Ourinhos/SP, Nº 02, consolidada com grande êxito na década de 1990 (SPAGNOLO, 1995), tendo um amadurecimento de três décadas para atingir o auge da produção científica nacional. Em meados dos anos 1970 a visão de ciência começa a analisar três aspectos importantes na produção científica, que podem ser medidos pela atividade, pela produtividade e pelo progresso, (SCHWARTZMAN, 1979), indo ao encontro da proposta do Institute for Scientific Informacion (ISI) 3, onde este instituto com o seu banco de dados Science Citation Index (SCI) 4 e Social Science Citation Index (SSCI) 5 procurou analisar toda a produção científica mundial de qualidade (MORAVCSIK, 1975), em paralelo as Universidades Estaduais de São Paulo começavam a consolidar-se também como ponto de referência a produção científica brasileira e internacional, sendo as primeiras instituições a terem o foco de publicação científica nas principais revistas internacionais. Esta atividade científica fica a cargo das instituições Estaduais de São Paulo (Unicamp, USP e Unesp) e das Universidades Federais, onde em meados dos anos 1990 o país consegue uma visibilidade internacional respeitável, responsável por 1,44 (2001) de todas a produção científica indexada no ISI. 2. A PRODUÇÃO CIENTÍFICA NO BRASIL No inicio dos anos 1970 a pós-graduação passa a controlar, de certa forma, a produção científica nacional e isto se deve a uma escala proporcional do crescimento de pós- 3 O Institute for Scientific Information (ISI), considerado a primeira indústria da informação interdisciplinar, foi criado em 1958, na Philadelphia, EUA. Oferece o mais alto nível de acesso à informação, com produtos e serviços dirigidos a atender as necessidades informacionais de pesquisadores dos diferentes campos do conhecimento. Provem os usuários com dados bibliográficos completos das referências utilizadas nos artigos, permitindo buscas corrente e retrospectivas, com links a resumos e texto integral. Mantém, em suas bases de dados, o registro do conteúdo de mais de títulos dos mais renomados periódicos de todo mundo, além de livros recém-publicados, "proceedings" e revisões. Oferece os seguintes produtos e serviços: índices de citação de artigos dos principais títulos de periódicos; "current contents" (sumários correntes de periódicos); índices de conteúdos de livros, de anais de eventos e de revisões científicas; análise de títulos de periódicos; fornecimento de documentos e texto completo de artigos, entre outros. 4 Esta base indexa periódicos científicos e é atualizada semanalmente. Cobre as seguintes áreas: Agricultura, Agronomia, Anatomia, Astronomia, Biologia, Biotecnologia, Psicologia, Ciências dos Materiais, Ciências Médicas, Ecologia, Energia, Engenharia, Física, Genética, Meio-ambiente, Psiquiatria, Quimica e Zoologia. 5 Indexa títulos de periódicos e é atualizada semanalmente. Cobre as seguintes áreas: Antropologia, Arqueologia, Ciência da Informação, Ciências Políticas, Ciências Sociais, Comunicação, Criminologia, Demografia, Direito, Economia, Educação, Enfermagem, Ergonomia, Estudos Ambientais, Geografia, Urbanismo, História, Linguística, Negócios, Relações Internacionais, Psicologia, Sociologia, Saúde Pública.

4 Hórus Revista de Humanidades e Ciências Sociais Aplicadas, Ourinhos/SP, Nº 02, graduandos (Mestres e Doutores) desde esta década, quando começam a serem consolidados no Brasil os principais Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu. Tabela 1: Crescimento da pós-graduação no Brasil Média 2000/1974 GRANDES ÁREAS *M **D *M **D *M **D *M **D *M **D Ciências Exatas e da Terra ,6 3,3 Ciências Humanas ,8 11,2 Ciências Agrárias ,1 13,4 Engenharias ,1 5,9 Ciências Sociais Aplicadas ,4 12,2 Lingüística, Letras e Artes ,9 3,8 Ciências da Saúde ,9 8,6 Ciências Biológicas ,6 4,5 Multidisciplar > 66,0 > 22,0 Total ,8 6,5 Fonte: CAPES, * M (Mestrado); ** D (Doutorado) A pós-graduação como a principal facção responsável pela produção científica no Brasil teve um aumento significativo desde a década de 1980, mas a relação do número crescente de mestres e doutores passa a ser evidente ao crescimento da produção científica na metade da década de 1990, quando o país consegue índices surpreendentes na produção científica (ISI) mundial. Neste mesmo período, a produção científica em revistas internacionais passa a ser requisito básico por parte da CAPES 6, ao qual esta coordenação é vital ao reconhecimento da Instituição de Pesquisa. A visibilidade do Brasil na produção científica começa a ficar evidente quando o país começa a gerar indicadores de qualidade em relação aos produtores de ciência no mundo, e passa a adotar como pré-requisito os trabalhos indexados na Science Citation Index e na Social Science Citation Index (Institute for Scientific Information - ISI). Tabela 2: Artigos Científicos Publicados e Crescimento nos Principais Países Ranking Geral País Variação % 1981 a 2000 Ranking de Crescimento 1995 Variação % 1995 a EUA , Japão , Alemanha , Inglaterra , França , Canadá , A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior tem o objetivo principal subsidiar o MEC na formulação das políticas de pós-graduação, coordenando projetos e concessão de bolsas voltadas à pesquisa nacional.

5 Hórus Revista de Humanidades e Ciências Sociais Aplicadas, Ourinhos/SP, Nº 02, Itália , URSS/Rússia , China , Espanha , Austrália , Holanda , Índia , Suécia , Suíça , Coréia do Sul , Brasil , Bélgica , Escócia , Taiwán , Fonte: National Science Indicators (NSI). Institute for Scientific Information (ISI). As informações obtidas na tabela anterior ressaltam a projeção evolutiva da produção científica do Brasil frente aos principais produtores de ciência no mundo, tendo um enfoque muito interessante a partir de , quando a produção em artigos de periódicos nacionais passa a ocupar a nona (9ª) posição mundial, com um total de artigos indexados em revistas internacionais 8, concorrendo com a França (40.645), Itália (24.665), Espanha (15.416), Inglaterra (52.730), Coréia do Sul (5.403), Japão (58.640), Alemanha (53.159) e China (13.641). O crescimento de publicações científicas é muito importante para verificar o grau de evolução do país. Em uma Universidade e/ou Universidades Estaduais não pode ser diferente está visão de crescimento científico, por isso, foi realizado um levantamento do crescimento em produção científica nas três das maiores Universidades Estaduais do país, nos anos de 1989 a 1999, principalmente da produção publicada em artigos internacionalmente reconhecidos, onde foi considerado importante para o desenvolimento deste paper. 3. APTIDÃO CIENTÍFICA DAS UNIVERSIDADES ESTADUAIS DO ESTADO DE SÃO PAULO A pesquisa nas Universidades Estaduais de São Paulo estruturou-se fundamentalmente em torno de grupos de pesquisa com aproximadamente Fonte: Institute for Scientific Information, National Science Indicators. Elaboração: Coordenação de Estatísticas e Indicadores - Ministério da Ciência e Tecnologia. Atualizada em 24/09/2001. Disponibilizada em 8 Em 2001 o número de artigos de pesquisadores brasileiros indexados na ISI foi de (1,44), em 2002 esse número ficou em (1,30).

6 Hórus Revista de Humanidades e Ciências Sociais Aplicadas, Ourinhos/SP, Nº 02, doutores atuantes, de acordo com a categorização do CNPq 9 em seis áreas de concentração: Ciências Agrárias, Ciências Biológicas, Engenharias e Ciências da Computação, Ciências Exatas e da Terra, Humanidades, e Ciências da Saúde. A atuação dos grupos de pesquisa no desenvolvimento científica do país é tão intensa, e o Estado de São Paulo conseguiu reunir um corpo forte de doutores, conseguiu afirmar o Estado como o maior produtor de ciência no país, contendo mais de 49% de toda produção técnico-científica e aproximadamente 17% de todos os grupos de pesquisa existentes no país, isso sem contar com as universidades privadas, que começam trilhar caminhos semelhantes ao das instituições públicas (estaduais e federais), consolidando grupos de alta excelência. Tabela 3: Distribuição dos grupos de pesquisa segundo as instituições 1995/ Instituição Grupos % Grupos % Grupos % Grupos % USP , , , ,9 UFRJ 577 7, , , ,9 UNICAMP 659 9, , , ,1 UNESP 405 5, , , ,9 UFRGS 267 3, , , ,2 Fonte: Anuário de Pesquisa da Unicamp (2002) O desempenho da USP, Unicamp e Unesp foi muito interessante, principalmente em função das atividades dos grupos de pesquisa, visando sempre estar à frente da pesquisa nacional. Em 1995 estas instituições de ensino e pesquisa começam a trilhar uma postura de liderança na pesquisa nacional, abrigando o Encontro Nacional sobre Pesquisa e Pós- Graduação, na Unicamp. Esta iniciativa trouxe resultados positivos aos anos seguintes, ao qual as universidades desenvolveram acordos com empresas e entraram definitivamente para o seleto time de produtores de pesquisas científico-tecnológico. Mesmo as três universidades paulistas tendo uma vocação determinante nas pesquisas voltadas a extensão, à missão nunca focou atuar como entidades filantrópicas, mas desenvolver projetos multidisciplinares, voltados ao bem estar social, principalmente pela grande distribuição de pesquisadores ativos à frente dos projetos científicos dessas instituições. 9 O Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) é uma Fundação, vinculada ao Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT), para o apoio à pesquisa brasileira.

7 Hórus Revista de Humanidades e Ciências Sociais Aplicadas, Ourinhos/SP, Nº 02, O esforço desenvolvido foi evidente, principalmente nos indicadores de desempenho acadêmico, onde as universidades atingiram números importantes nas publicações indexadas no ISI, tendo também um crescimento expressivo nas defesas de dissertações de mestrado e de tese de doutorado. Realizando também uma interação entre pósgraduação e graduação, indo ao encontro dos ideais propostos pela CAPES, numa verdadeira oportunidade para a captação de novos talentos para a pós-graduação. Tabela 4: Produção Científica (Science Citation Index e Social Science Citatio Index) Ano USP Unicamp Unesp SCI SSCI SCI SSCI SCI SSCI Fonte: INCADORES, Para que possamos entender o que é produzir cientificamente com foco voltado a representação internacional, é verificar o fator de impacto que as pesquisas realizadas nas universidades mencionadas neste texto causaram nós últimos anos, pois além de evidenciar o nome das universidades ao cenário internacional, também existiu o fator desenvolvimento social, cujos trabalhos foram de suma importância ao desenvolvimento do país, descritos recentemente pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior em um estudo do desenvolvimento científico brasileiro. Se formos verificar a produção descrita na tabela 4 e a compararmos com a tabela 2, veremos que as três universidades descritas nesse trabalho representam mais de 50% de todas a produção nacional. E com um grande detalhe, não é uma produção comum, corriqueira, é uma produção que está representando a pesquisa nacional no estrangeiro, determinando o poder científico que o Brasil conquistou na última década, principalmente nas áreas de ciências médicas, ciência exatas e biológicas, ciência da computação e engenharias. Outro fator que impulsionou a consolidação da produção científica no país e principalmente nas Universidades Estaduais do Estado de São Paulo, foi crescente o número de mestres e doutores formados por estas instituições, principalmente pelo fato de que a maioria desses pesquisadores foram absorvidos pelas próprias universidades de defesa, pelas

8 Hórus Revista de Humanidades e Ciências Sociais Aplicadas, Ourinhos/SP, Nº 02, universidades privadas e por entidades voltadas á pesquisa, onde acabaram contribuindo para a nova visão científico-tecnológica das instituições particulares e órgãos de pesquisa. Para que isso fique claro, recorremos a informações do relatório da FAPESP 10 de 1995, ao qual a produção científica das universidades privadas do Estado de São Paulo começou a ganhar corpo, e isso foi idealizado graças ao recrutamento de mestres e doutores, que haviam defendido suas teses e dissertações nas universidades públicas do Estado, e migraram para as instituições privadas para lecionar e desenvolver a pesquisa nestas universidades. Detalhadamente, a somatória de toda a produção indexada no ISI até 1995, pelas universidades privadas e instituições de pesquisa do Estado, se perfez em artigos publicados desde 1981, cuja distribuição é resgatada em: 9 trabalhos da PUC São Paulo; 8 trabalhos da PUC-Campinas; 543 trabalhos do INPE; 269 trabalhos do ITA; 311 trabalhos do Butantã; 113 trabalhos do IAC; 99 trabalhos do CNEM; 173 trabalhos do IAL; 13 trabalhos da FGV; 65 trabalhos da Embrapa; 312 trabalhos do Hospital das Clínicas e 35 trabalhos do ITAL, ficando muito abaixo da produção desenvolvida pelas Universidades Estaduais Paulista, mais sendo o começo de uma nova ordem no ensino-pesquisa privado. Tabela 5: Indicadores de teses e dissertações defendidas entre os anos de 1996 a 2002 Ano USP Unicamp Unesp M D M D M D Fonte: CAPES (2004). URL: Outro ponto que chama a atenção, é que o aporte de recursos extraorçamentários tem sido crescente, principalmente pela autonomia financeira adquirida no inicio de 1995, quando as universidades (USP, Unesp e Unicamp) passaram a ter seu orçamento baseado na arrecadação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) do Estado, por meio desta autonomia adquirida. 10 A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo é uma das principais agências de fomento à pesquisa científica e tecnológica do país. Está ligada à Secretaria de Ciência, Tecnologia, Desenvolvimento Econômico e Turismo. Desde 1962, com autonomia garantida por lei, a FAPESP concede auxílios à pesquisa e bolsas em todas as áreas do conhecimento e financia outras atividades de apoio à investigação, ao intercâmbio e à divulgação da ciência e da tecnologia em São Paulo.

9 Hórus Revista de Humanidades e Ciências Sociais Aplicadas, Ourinhos/SP, Nº 02, A distribuição do financiamento à pesquisa nos últimos anos está contabilizada em torno de 9,53% dos 73% que são destinados ao governo estadual. Para termos uma idéia do investimento, a Unicamp, instituição que tem um perecentual 10% menor que a USP e cerca de 30% a mais de recursos financeiros que a Unesp, arrecadou aproximadamente R$ 946 milhões de reais 11 voltados para a pesquisa científico-tecnológico, entre os anos de 1995 a 2002, sendo dividida em R$ ,00 milhões da FAEP/Unicamp; R$ ,00 milhões da FAPESP; R$ ,00 milhões do CNPq; R$ ,00 milhões da CAPES, fora o investimento externo, investimento de empresas públicas (R$ ,00 milhões), de instituições internacionais (R$ ,00 milhões) e de fundos do Governo Federal (R$ ,00 milhões da FINEP/PRONEX). Além da parte financeira, gasta com a pesquisa e de indicadores de desempenho em relação a ISI, esta pesquisa centralizou também a produção indexada na base SciELO, cuja confecção e geração destes indicadores foram utilizados concepções bibliométricas e cienciometricas, MACIAS-CHAPULA (1998) & OCDE (1975), ao qual a análise quantitativa foi resultado de uma investigação aos relatórios de pesquisa da FAPESP, tendo como objetivo analisar a inferencia na base nacional. Um ponto não trabalhado neste paper, foi à relação trabalhos apresentados em anais de congressos, coloquios e simpósios, mesmo sendo uma literatura importante para divulgação de uma pesquisa, tanto na exposição, quanto no feedback acrescido a produção, principalmente pelo fato de que as instituições estudadas não disponibilizam ao público e a pesquisadores este tipo de produção....cerca de 70% dos artigos científicos nacionais são "enterrados" em anais de congressos e revistas não indexadas em bases de dados eletrônicas. É razoável supor que uma parcela desses artigos atinge padrões de qualidade e originalidade similares aos publicados em revistas indexadas, mas ainda não dispomos de meios para avaliá-los sistematicamente. Tal avaliação poderá ser efetuada por meio de sua futura indexação na base de dados SciELO... (ZANOTTO, 1999). A questão dos trabalhos apresentados em eventos não foi evidenciada, mas a exposição de trabalhos lançados no SciELO 12 foram, tendo uma repercusão muito forte dentro 11 Real (R$) é a moeda corrente do Brasil. A cotação do Real sobre o Dólar é a seguinte: (1995 0,97; ,03; ,11; ,20; ,79; ,95; ,32; ,54) 12 A Scientific Electronic Library Online - SciELO é uma biblioteca eletrônica que abrange uma coleção selecionada de periódicos científicos brasileiros. A SciELO é o resultado de um projeto de pesquisa da FAPESP - Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, em parceria com a BIREME - Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde. A partir de 2002, o Projeto conta com o apoio do CNPq - Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico.

10 Hórus Revista de Humanidades e Ciências Sociais Aplicadas, Ourinhos/SP, Nº 02, do páis, pois este recurso é de suma importância os Programas de Pós-Graduação e é o vies de divulgação da produção nacional no próprio país. Para que possamos entender a importância desta base para o país, muitos parceiros (outros países de lingua latina) estão aliando-se ao Brasil na alimentação desta base de dados, principalmente na divulgação de seus periódicos, pois existem publicações que fazem parte do SciELO e também fazem parte do ISI, e de muitas outras bases importantes, como a Pascal 13 e o ProQuest USP Unicamp Unesp Gráfico 1: Produção Indexada no SciELO pelas Universidades Estaduais do Estado de São Paulo desde sua criação até meados do ano Fonte: SciELO (2000) O Projeto tem por objetivo o desenvolvimento de uma metodologia comum para a preparação, armazenamento, disseminação e avaliação da produção científica em formato eletrônico. Com o avanço das atividades do projeto, novos títulos de periódicos estão sendo incorporados à coleção da biblioteca. 13 É uma base multidisciplinar, cobrindo o principal da literatura científica e técnica mundial. Os principais assuntos abrangidos são: disciplinas fundamentais. física, química.; as ciências do ser vivo. incluindo biologia, medicina e psicologia.; ciências e tecnologia aplicada, saúde e ciências da informação, como mostra o gráfico abaixo. Além disso, um certo número de campos é coberto de modo exaustivo, freqüentemente em cooperação com organismos de pesquisa especializados (energia; metais e metalurgia; construção civil; saúde; biotecnologia; zoologia fundamental e aplicada dos invertebrados; ciência agrícola e especialmente produção vegetal; medicina tropical; ciências da informação e da documentação). 14 ProQuest é uma Base de Dados de periódicos internacionais, indispensável às áreas de Administração, Economia, Contabilidade e afins, que provê cobertura detalhada sobre assuntos empresariais, tendências, e uma variedade de outros tópicos. Oferece mais de títulos de periódicos indexados, com resumos de 25 a 150 palavras. Os usuários também têm acesso ao texto completo de mais de 500 revistas. O Sistema combina a facilidade de uso do software Proquest e a capacidade de texto com a imagem completa, permitindo assim, a seus pesquisadores, identificar e recuperar instantaneamente os artigos de interesse. O usuário busca na base de dados bibliográfica, localiza/avalia as citações e resumos antes de recuperar e imprimir o artigo completo.

11 Hórus Revista de Humanidades e Ciências Sociais Aplicadas, Ourinhos/SP, Nº 02, A USP, como maior produtora nacional de pesquisas científica, também consolidou seu status na base SciELO, afinal de contas esta Universidade mantém o maior número de Mestres e Doutores trabalhando a frente de pesquisas e é a instituição que recebe a maior fatia dos recursos financeiros. O desempenho das outras universidades também são bem expressivos, principalmente o da Unicamp, que começa a ganhar fôlego e tende em alguns anos aproximadamente 5 anos igualar a produção científica em algumas áreas do conhecimento com a USP. Em relação a Unesp, sua produção não tem tanta expressão quanto às outras duas universidades, devido a sua própria vocação, enfocando a educação em primeira estância, deixando a pesquisa científica um pouco a desejar. A produção científica de livros não foi enfocada neste trabalho, mais resolvemos ressaltar a geração de patentes destas instituições de ensino superior público do Estado de São Paulo, mostrando também a aptidão tecnológica destas universidades. Tabela 6: Principais depositantes de patentes no Brasil Ranking Instituições Números de Patentes Depositadas 1 HOECHST AG PROCTER & GAMBLE JOHNSON & JOHNSON UNILEVER NV CIBA-GEIGY AG MINNESOTA MINING AND MANUFACTURING COMPANY BAYER MOTOROLA BASF CORPORATION INTERNATIONAL BUSINESS MACHINES CORPORATION - IBM ROHM AND HAAS COMPANY XEROX CORPORATION EI DU PONT DE NEMOURS AND COMPANY ELI LILLY AND COMPANY PRAXAIR TECHNOLOGY SHELL BV RHONE-POULENC GOODYEAR TIRE & RUBBER PETROBRAS DOW CHEMICAL CORPORATION UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO - USP 13 Fonte: INPI e Indicadores de CT&I em São Paulo , FAPESP. Para que possamos entender a representação das universidades, precisamos fazer uma relação de que patente é um produto que requer um recurso financeiro muito

12 Hórus Revista de Humanidades e Ciências Sociais Aplicadas, Ourinhos/SP, Nº 02, elevado e que as universidades brasileiras ainda não adquiriram esta aptidão, pois a relação da pesquisa nacional ainda é limitada em parceria com as empresas privadas. Em 2001, as cinco regiões do país investiram R$ bilhão em Ciência e Tecnologia, sendo que a região sudeste sozinha participou com um investimento em torno de R$ 1.2 bilhão, tendo um grande respaldo das principais agências de fomento dos Estados de São Paulo e de Minas Gerais. Mas infelizmente desse recurso aplicado em C&T menos de 10% tornaram-se patentes. Em paralelo, as empresa investiram 3,8% de seus faturamentos em P&D, muito maior que o investimento do governo federal no período, que não passou de 1,05%, mas a previsão para 2004 é um investimento acima de 2% do Produto Interno Bruto. A representabilidade das universidades nesta ação é pouco visível, pois a Unicamp e a USP, as universidades que aparecem na tabela, focam suas pesquisas em C&T em forma de artigos científicos, onde aproximadamente 58,74% dos seus investimentos se tornaram papers indexados no ISI, 41% se tornaram papers indexados no Qualis e no SciELO e menos de 0,26% tornaram-se patentes (1995/2002). 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS O que se tentou evidenciar nesse artigo foi à relação que a produção científica sofre nas Universidades Estaduais do Estado de São Paulo, ao qual foi visualizado o poder de atividade científica, através das publicações (artigos indexados no ISI e no SciELO) enfocadas, visualizando os indicadores científicos que, de forma geral, constituem aproximadamente 51% no ISI e 30% no SciELO de toda a produção nacional indexada e que, ajudou o Brasil a se consolidar como uma das nações que mais se desenvolveram e cresceram em termos de produção científica. A produção científica (artigos de periódicos), de modo geral, é muito acima da média em nível nacional. Em dados quantitativos em relação ao número de docentes, também conseguiu atingir uma média excelente. Finalmente, cabe fazer referência às instituições, ao qual as configurações das pesquisas foram satisfatórias, mesmo conseguindo status de excelência produtiva em todas as instituições. Mesmo sendo diagnosticado que a Unesp teve um desempenho menor que as demais, mais assim, a taxa de crescimento produtivo se fez presente inclusive nesta instituição, podendo justificar o financiamento investido nessas Instituições, na preservação e no desenvolvimento futuro.

MEC/CAPES. Portal de Periódicos

MEC/CAPES. Portal de Periódicos MEC/CAPES Portal de Periódicos A CAPES e a formação de recursos de alto nível no Brasil Criada em 1951, a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) é uma agência vinculada ao

Leia mais

ANÁLISE BIBLIOMÉTRICA DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DA UNESP

ANÁLISE BIBLIOMÉTRICA DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DA UNESP 1 ANÁLISE BIBLIOMÉTRICA DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DA UNESP ANA PAULA SANTULO CUSTÓDIO DE MEDEIROS UNESP - Instituto de Biociências Av. 24-A, 1515 Bela Vista 13506-900 - Rio Claro SP / Brasil asantulo@rc.unesp.br

Leia mais

UNICAMP: 26 ANOS DE AUTONOMIA COM VINCULAÇÃO

UNICAMP: 26 ANOS DE AUTONOMIA COM VINCULAÇÃO UNICAMP: 26 ANOS DE AUTONOMIA COM VINCULAÇÃO ORÇAMENTÁRIA JOSÉ TADEU JORGE REITOR UNICAMP 26/08/2015 - ALESP 1 PRIMEIROS ANOS -CAMPUS CAMPINAS 2 MARÇO 2014 -CAMPUS CAMPINAS 3 HOJE -CAMPUS CAMPINAS UNIVERSIDADE

Leia mais

Academia Brasileirade Ciências

Academia Brasileirade Ciências Academia Brasileirade Ciências ReuniãoAnnual Magna 2011 A ABC a Caminhodo SeuCentenário Jorge A. Guimarães Sobre o Plano Nacional de Pós-Graduação2011 2020 jguimaraes@capes.gov.br Eixos do PNPG 2011-2020

Leia mais

Modelos de Gestão da Qualidade da Pós-graduação e do Doutorado: Experiências Nacionais: BRASIL

Modelos de Gestão da Qualidade da Pós-graduação e do Doutorado: Experiências Nacionais: BRASIL Modelos de Gestão da Qualidade da Pós-graduação e do Doutorado: Experiências Nacionais: BRASIL Livio Amaral Diretor de Avaliação 17set13 A AVALIAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO (SNPG) (SNPG) -FUNDAMENTOS

Leia mais

Concessão de Bolsas de Estudos para as Universidades do Paraná. Clóvis Pereira UFPR; Clóvis R. Braz - FEPAR

Concessão de Bolsas de Estudos para as Universidades do Paraná. Clóvis Pereira UFPR; Clóvis R. Braz - FEPAR 1 Concessão de Bolsas de Estudos para as Universidades do Paraná 1. Introdução Clóvis Pereira UFPR; Clóvis R. Braz - FEPAR Procedimento importante, dentre outros, para o acompanhamento do desenvolvimento

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ESTÁGIO SANDUÍCHE E PÓS-DOUTORAL NO ENSINO DA PÓS-GRADUAÇÃO

A IMPORTÂNCIA DO ESTÁGIO SANDUÍCHE E PÓS-DOUTORAL NO ENSINO DA PÓS-GRADUAÇÃO A IMPORTÂNCIA DO ESTÁGIO SANDUÍCHE E PÓS-DOUTORAL NO ENSINO DA PÓS-GRADUAÇÃO Isabela Almeida Pordeus Novembro 2009 A Pós-Graduação em Odontologia Evolução dos Programas: Odontologia Evolução do Programas

Leia mais

A evolução dos periódicos brasileiros e o acesso aberto

A evolução dos periódicos brasileiros e o acesso aberto XVII Seminário Nacional de Bibliotecas Universitárias Gramado, 16-18 de Setembro de 2012 A evolução dos periódicos brasileiros e o acesso aberto Lewis Joel Greene Editor, Brazilian Journal of Medical and

Leia mais

INSERÇÃO, PRESENÇA E RELEVÂNCIA DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÂO INSERÇÃO SOCIAL

INSERÇÃO, PRESENÇA E RELEVÂNCIA DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÂO INSERÇÃO SOCIAL INSERÇÃO, PRESENÇA E RELEVÂNCIA DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÂO INSERÇÃO SOCIAL Maria José Lima da Silva e Valquiria Linck Bassani A Pós-Graduação Brasileira apresenta 2.379 programas de pós-graduação (fonte

Leia mais

Biblioteca Virtual em Medicina Veterinária e Zootecnia

Biblioteca Virtual em Medicina Veterinária e Zootecnia Biblioteca Virtual em Medicina Veterinária e Zootecnia Elaborado por: Rosa Maria Fischi São Paulo 2008 Coordenação: Universidade de São Paulo Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia Biblioteca Virginie

Leia mais

Como fazer uma Revisão Bibliográfica

Como fazer uma Revisão Bibliográfica Como fazer uma Revisão Bibliográfica Objetivos da Revisão Bibliográfica Aprendizado sobre uma determinada área Levantamento dos trabalhos realizados anteriormente sobre o mesmo tema Identificação e seleção

Leia mais

Proponente: SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO E OBJETIVOS... 2 2. SITUAÇÃO DE CT&I DO ESTADO MAIS DESENVOLVIDO DA FEDERAÇÃO SÃO PAULO.. 3

Proponente: SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO E OBJETIVOS... 2 2. SITUAÇÃO DE CT&I DO ESTADO MAIS DESENVOLVIDO DA FEDERAÇÃO SÃO PAULO.. 3 PROPOS-ES 2008-2016 Projeto Pós-Graduação no Espírito Santo 2008-2016 (OBS: em construção) Submetido à FAPES/SECT Proponente: Universidade Federal do Espírito Santo Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação

Leia mais

Inserção Internacional dos NITs Brasileiros

Inserção Internacional dos NITs Brasileiros Inserção Internacional dos NITs Brasileiros Denise Gregory Diretora de Cooperação para o Desenvolvimento INPI Seminário ETT/PUC-RS: Um decênio da história na gestão de PI e Transferência de Tecnologia

Leia mais

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO Ambiente de Inovação em Saúde EVENTO BRITCHAM LUIZ ARNALDO SZUTAN Diretor do Curso de Medicina Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo SOCIEDADES CONHECIMENTO

Leia mais

FUNDAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR

FUNDAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR FUNDAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR Sistema Brasileiro de Apoio à Ciência, Tecnologia e Formação de Recursos Humanos Os números indicam o ano de criação das Agências. Fonte:

Leia mais

POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP

POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP 1. POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP 1.1. Objetivos Nas últimas décadas as bibliotecas passaram por mudanças

Leia mais

PRODUÇÃO CIENTÍFICA NO BRASIL - UM COMPARATIVO ENTRE AS UNIVERSIDADES PÚBLICAS E PRIVADAS

PRODUÇÃO CIENTÍFICA NO BRASIL - UM COMPARATIVO ENTRE AS UNIVERSIDADES PÚBLICAS E PRIVADAS PRODUÇÃO CIENTÍFICA NO BRASIL - UM COMPARATIVO ENTRE AS UNIVERSIDADES PÚBLICAS E PRIVADAS Resumo HILU, Luciane PUCPR luciane.hilu@pucpr.br GISI, Maria Lourdes PUCPR maria.gisi@pucpr.br Eixo Temático: Políticas

Leia mais

LISTA DE AUTORIDADES DE INSTITUIÇÕES BRASILEIRAS DE ENSINO E PESQUISA PARA APOIO À ELABORAÇÃO DE INDICADORES DE COLABORAÇÃO CIENTÍFICA

LISTA DE AUTORIDADES DE INSTITUIÇÕES BRASILEIRAS DE ENSINO E PESQUISA PARA APOIO À ELABORAÇÃO DE INDICADORES DE COLABORAÇÃO CIENTÍFICA XIV Encontro Regional dos Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência da Informação e Gestão da Informação - Região Sul - Florianópolis - 28 de abril a 01 de maio de 2012 LISTA DE AUTORIDADES

Leia mais

Projeto BVS-SP-1.9 Publicação eletrônica de textos completos em Saúde Pública (15 de outubro de 1999)

Projeto BVS-SP-1.9 Publicação eletrônica de textos completos em Saúde Pública (15 de outubro de 1999) BIREME/OPAS/OMS BVS Saúde Pública Projeto BVS-SP-1.9 Publicação eletrônica de textos completos em Saúde Pública (15 de outubro de 1999) 1. Introdução Este documento descreve o projeto para o desenvolvimento

Leia mais

A CLASSIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA BRASILEIRA ATRAVÉS DO QUALIS i

A CLASSIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA BRASILEIRA ATRAVÉS DO QUALIS i XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS (SNBU) Salvador, BA, 22 a 27 de outubro de 2006 Tema central: Acesso Livre à Informação Científica e Bibliotecas Universitárias Eixo temático: Sub-tema:

Leia mais

Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil. Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero

Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil. Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero Empresas Participantes do CRI Multinacionais Instituições

Leia mais

FUNDAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR

FUNDAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR FUNDAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO Agosto de 2009 Ações da Capes Com Ênfase na Cooperação Internacional Reunião das Sociedades de Física da AL SANDOVAL CARNEIRO JUNIOR DIRETOR DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

Reflexões Sobre a Cooperação Internacional

Reflexões Sobre a Cooperação Internacional Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Ministério da Educação Anexos I e II 2º andar Caixa Postal 365 70359-970 Brasília, DF Brasil PLANO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO (PNPG) 2005-2010

Leia mais

Portaria nº 64, de 24 de março de 2010

Portaria nº 64, de 24 de março de 2010 Portaria nº 64, de 24 de março de 2010 O PRESIDENTE DA COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR CAPES, no uso das atribuições conferidas pelo art. 26, inciso IX, do Decreto nº 6.316,

Leia mais

Pós Graduação Brasileira: Impacto e Perspectivas

Pós Graduação Brasileira: Impacto e Perspectivas Pós Graduação Brasileira: Impacto e Perspectivas Milca Severino Pereira Pró-Reitora de Pós Graduação e Pesquisa PUC Goiás Isac Almeida de Medeiros Pró-Reitor de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade Federal

Leia mais

Fontes de informação. Fontes de informação. Fontes de informação. Fontes de informação impressas (em papel)

Fontes de informação. Fontes de informação. Fontes de informação. Fontes de informação impressas (em papel) Fontes de informação Fontes de informação Obras/bases de dados organizadas para consulta. Possuem índices de autor, título e assunto. Podem estar apresentadas em formato digital (on line ou CD-ROM) ou

Leia mais

ANÁLISE DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO - CAMPUS DE RIBEIRÃO PRETO: 2002-2007

ANÁLISE DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO - CAMPUS DE RIBEIRÃO PRETO: 2002-2007 TRABALHO ORAL A BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA E O CONTEXTO INSTITUCIONAL Acesso livre e repositórios institucionais: maior visibilidade da produção científica institucional ANÁLISE DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DA

Leia mais

LINHAS DE PESQUISA EMPREENDEDORISMO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO

LINHAS DE PESQUISA EMPREENDEDORISMO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO LINHAS DE PESQUISA EMPREENDEDORISMO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO Nos países desenvolvidos e, em menor grau, nos países em desenvolvimento, assiste-se ao surgimento de padrões tecno-econômicos onde os resultados

Leia mais

CESUPA PARTICIPA DO PORTAL DE PERIÓDICOS DA CAPES COM O ACESSO A IMPORTANTES BASES DE DADOS

CESUPA PARTICIPA DO PORTAL DE PERIÓDICOS DA CAPES COM O ACESSO A IMPORTANTES BASES DE DADOS 1 Sistema Integrado de Bibliotecas SIBIC/CESUPA CESUPA PARTICIPA DO PORTAL DE PERIÓDICOS DA CAPES COM O ACESSO A IMPORTANTES BASES DE DADOS A comunidade acadêmica do CESUPA já pode utilizar o Portal de

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE PESQUISAS FÍSICAS Missão, Relevância Científica e Tecnológica

CENTRO BRASILEIRO DE PESQUISAS FÍSICAS Missão, Relevância Científica e Tecnológica CENTRO BRASILEIRO DE PESQUISAS FÍSICAS Missão, Relevância Científica e Tecnológica Missão Institucional: O CBPF tem como missão institucional realizar pesquisas científicas em Física e suas aplicações,

Leia mais

Ensino Superior e novas tecnologias: caminhos e desafios

Ensino Superior e novas tecnologias: caminhos e desafios Ensino Superior e novas tecnologias: caminhos e desafios Henrique Paim Ministro de Estado da Educação Maceió, abril de 2014 Plano Nacional de Educação PNE balizador de todas as ações do MEC. Desafios:

Leia mais

TENDÊNCIAS DA PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO NA UPE

TENDÊNCIAS DA PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO NA UPE TENDÊNCIAS DA PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO NA UPE Amanda de Farias Albuquerque Aluna de Graduação da Faculdade de Odontologia de Pernambuco FOP Viviane Colares Professora da Faculdade de Odontologia de Pernambuco

Leia mais

Capítulo 5. Análise da produção científica a partir de indicadores bibliométricos. 1. Introdução 5-5. 2. Produção científica mundial 5-7

Capítulo 5. Análise da produção científica a partir de indicadores bibliométricos. 1. Introdução 5-5. 2. Produção científica mundial 5-7 Cap 05 Indicadores FAPESP 4P 4/18/05 2:46 PM Page 1 Capítulo 5 Análise da produção científica a partir de indicadores bibliométricos 1. Introdução 5-5 2. Produção científica mundial 5-7 3. Produção científica

Leia mais

PRODUÇÃO CIENTÍFICA DOS PROGRAMAS DE PÓS- GRADUAÇÃO DE EXCELÊNCIA NO BRASIL: colaboração internacional e impacto na área de Zootecnia

PRODUÇÃO CIENTÍFICA DOS PROGRAMAS DE PÓS- GRADUAÇÃO DE EXCELÊNCIA NO BRASIL: colaboração internacional e impacto na área de Zootecnia PRODUÇÃO CIENTÍFICA DOS PROGRAMAS DE PÓS- GRADUAÇÃO DE EXCELÊNCIA NO BRASIL: colaboração internacional e impacto na área de Zootecnia Fabio Sampaio Rosas (UNESP) fabiosrosas@hotmail.com Maria Cláudia Cabrini

Leia mais

SEMINÁRIO ANDIFES. Ana Gabas Assessora do Ministro Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação MCTI

SEMINÁRIO ANDIFES. Ana Gabas Assessora do Ministro Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação MCTI SEMINÁRIO ANDIFES Ana Gabas Assessora do Ministro Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação MCTI Brasília, 13 de março de 2012 Percentual do PIB aplicado em C,T&I Comparação Internacional Fontes: Main

Leia mais

8. Excelência no Ensino Superior

8. Excelência no Ensino Superior 8. Excelência no Ensino Superior PROGRAMA: 08 Órgão Responsável: Contextualização: Excelência no Ensino Superior Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI O Programa busca,

Leia mais

Dispêndios realizados em ciência e tecnologia e pesquisa e desenvolvimento no estado de Santa Catarina

Dispêndios realizados em ciência e tecnologia e pesquisa e desenvolvimento no estado de Santa Catarina Dispêndios realizados em ciência e tecnologia e pesquisa e desenvolvimento no estado de Santa Catarina Nathan Esaú Gunther nathangunther@yahoo.com.br Dr. Renato Ramos Campos Universidade Federal de Santa

Leia mais

BIBLIOTECA 1.1 INFORMAÇÕES GERAIS

BIBLIOTECA 1.1 INFORMAÇÕES GERAIS BIBLIOTECA 1.1 INFORMAÇÕES GERAIS A Biblioteca possui atenção especial dos dirigentes da UCSal, por constituirse em um instrumento de apoio valioso aos programas de ensino, pesquisa e extensão. O foco

Leia mais

Perfil da Produção Científica Brasileira. Marco Antonio Zago Pro-Reitor de Pesquisa USP

Perfil da Produção Científica Brasileira. Marco Antonio Zago Pro-Reitor de Pesquisa USP Perfil da Produção Científica Brasileira Marco Antonio Zago Pro-Reitor de Pesquisa USP FAPESP Junho 2011 Tendência Geral Crescimento Heterogêneo Valor Relativo (1996 = 1) Universidade de São Paulo 4 Crescimento

Leia mais

Acesso à informação científica no Brasil: políticas, estratégias e programas. Diretoria de Programas - CAPES

Acesso à informação científica no Brasil: políticas, estratégias e programas. Diretoria de Programas - CAPES Acesso à informação científica no Brasil: políticas, estratégias e programas Diretoria de Programas - CAPES Como deveria ser a infra-estrutura de TI das nossas bibliotecas? A infra-estrutura de TI de uma

Leia mais

REDES DE COLABORAÇÃO NA PRODUÇÃO CIENTÍFICA BRASILEIRA EM BIOLOGIA EVOLUTIVA: 2000-2012

REDES DE COLABORAÇÃO NA PRODUÇÃO CIENTÍFICA BRASILEIRA EM BIOLOGIA EVOLUTIVA: 2000-2012 REDES DE COLABORAÇÃO NA PRODUÇÃO CIENTÍFICA BRASILEIRA EM BIOLOGIA EVOLUTIVA: 2000-2012 Dirce Maria Santin (UFRGS) dirsantin@yahoo.com.br Samile Andrea de Souza Vanz (UFRGS) samilevanz@terra.com.br Ida

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DE UM PROGRAMA (MESTRADO) NOTA 3

CARACTERÍSTICAS DE UM PROGRAMA (MESTRADO) NOTA 3 CAPES - ÁREA DE ENSINO DE CIÊNCIAS E MATEMÁTICA ÁREA 46 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA PROGRAMAS ACADÊMICOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CARACTERÍSTICAS DE UM PROGRAMA (MESTRADO) NOTA 3 Para obter nota

Leia mais

UEM: Breve Contextualização

UEM: Breve Contextualização UEM: Breve Contextualização Campus Regionais, Bases de Pesquisa e Pólos de Ensino a Distância BASE PESQUISA PORTO RICO CAMPUS CIANORTE CAMPUS CIDADE GAUCHA FAZENDA EXPERIMENTAL IGUATEMI UEM MARINGA CAMPUS

Leia mais

Escola de Administração UFRGS. Porto Alegre - RS

Escola de Administração UFRGS. Porto Alegre - RS Escola de Administração UFRGS Porto Alegre - RS 1 A Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS está localizada na cidade de Porto Alegre, com cerca de 1.5 milhões de habitantes. Localização 1 A

Leia mais

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS www.prochile.gob.cl O Chile surpreende pela sua variada geografia. Suas montanhas, vales, desertos, florestas e milhares de quilômetros de costa, o beneficiam

Leia mais

Histórico. Formação de Recursos Humanos para o Desenvolvimento da Ciência e Tecnologia do Brasil

Histórico. Formação de Recursos Humanos para o Desenvolvimento da Ciência e Tecnologia do Brasil Histórico 40 ANOS DE Pós-graduação NO IME Formação de Recursos Humanos para o Desenvolvimento da Ciência e Tecnologia do Brasil Wilma de Araújo Gonzalez a, Itamar Borges Júnior a,b, José Luiz Lima Vaz

Leia mais

APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL N

APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL N FUNDAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL N SUPERIOR O Modelo Brasileiro de Capacitação para C&T&I CICLO VIRTUOSO DA CIÊNCIA BRASILEIRA FOMENTO COOPERAÇÃO INTERNACIONAL PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NO BRASIL: EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA. Abril/2007

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NO BRASIL: EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA. Abril/2007 EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NO BRASIL: EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA Abril/2007 Elaine Maria dos Santos - USP/SC-Unicentro - elaine-maria@uol.com.br José Dutra de Oliveira Neto - USP/RP - dutra@usp.br Elenise

Leia mais

Propriedade Intelectual como ferramenta no processo de inovação. Agência de Inovação e Propriedade Intelectual AGIPI

Propriedade Intelectual como ferramenta no processo de inovação. Agência de Inovação e Propriedade Intelectual AGIPI Propriedade Intelectual como ferramenta no processo de inovação Agência de Inovação e Propriedade Intelectual AGIPI 2015 Propriedade Intelectual é tão atual quanto a Inovação Primeiras leis de PI: 1623

Leia mais

A importância do crédito para as pequenas e médias empresas. Condicionantes da oferta de crédito

A importância do crédito para as pequenas e médias empresas. Condicionantes da oferta de crédito A importância do crédito para as pequenas e médias empresas Condicionantes da oferta de crédito Distribuição de empresas por porte MICRO PEQUENA MÉDIA GRANDE 0,4% 0,7% 6,2% Micro e Pequenas empresas 98,9%

Leia mais

Apresentação. Critérios SciELO Brasil para admissão de periódicos e procedimentos do processo de seleção

Apresentação. Critérios SciELO Brasil para admissão de periódicos e procedimentos do processo de seleção Seleção SciELO Brasil: critérios e procedimentos para a admissão e permanência de periódicos científicos na coleção Fabiana Montanari Lapido BIREME/OPAS/OMS Unidade SciELO VI Encontro Internacional de

Leia mais

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL DOS DOCENTES DE BIOLOGIA QUE ATUAM NAS ESCOLAS PÚBLICAS NA CIDADE DE ANÁPOLIS/GOIÁS

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL DOS DOCENTES DE BIOLOGIA QUE ATUAM NAS ESCOLAS PÚBLICAS NA CIDADE DE ANÁPOLIS/GOIÁS FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL DOS DOCENTES DE BIOLOGIA QUE ATUAM NAS ESCOLAS PÚBLICAS NA CIDADE DE ANÁPOLIS/GOIÁS Jaqueline Souza Lacerda 1,4 ; Eude de Sousa Campos 2,4 ; Andréia Juliana Leite Rodrigues

Leia mais

SISTEMA DE INOVAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA NO ESTADO DE MINAS GERAIS MAPEAMENTO A PARTIR DA PERSPECTIVA DAS EMPRESAS

SISTEMA DE INOVAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA NO ESTADO DE MINAS GERAIS MAPEAMENTO A PARTIR DA PERSPECTIVA DAS EMPRESAS SISTEMA DE INOVAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA NO ESTADO DE MINAS GERAIS MAPEAMENTO A PARTIR DA PERSPECTIVA DAS EMPRESAS Março de 2011 Objetivo Fortalecer a trajetória do setor de biotecnologia em Minas Gerais Identificar

Leia mais

PROCEDIMENTOS E GRADE CURRICULAR MESTRADO (ACADÊMICO E PROFISSIONAL) E DOUTORADO

PROCEDIMENTOS E GRADE CURRICULAR MESTRADO (ACADÊMICO E PROFISSIONAL) E DOUTORADO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA INDUSTRIAL Rua Professor Aristides Novis, nº 02 Federação EP/UFBA

Leia mais

PROGRAMAS DE PÓS- GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA NO BRASIL: SITUAÇÃO ATUAL E SISTEMA DE AVALIAÇÃO. GUILHERME WERNECK gwerneck@iesc.ufrj.

PROGRAMAS DE PÓS- GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA NO BRASIL: SITUAÇÃO ATUAL E SISTEMA DE AVALIAÇÃO. GUILHERME WERNECK gwerneck@iesc.ufrj. PROGRAMAS DE PÓS- GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA NO BRASIL: SITUAÇÃO ATUAL E SISTEMA DE AVALIAÇÃO GUILHERME WERNECK gwerneck@iesc.ufrj.br CONTEXTO GERAL DA ÁREA DE SAÚDE COLETIVA NO SNPG DIMENSÃO DA ÁREA

Leia mais

CRESCIMENTO DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA BRASILEIRA EM HIV/AIDS NO PERÍODO 1989-2013

CRESCIMENTO DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA BRASILEIRA EM HIV/AIDS NO PERÍODO 1989-2013 CRESCIMENTO DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA BRASILEIRA EM HIV/AIDS NO PERÍODO 1989-2013 Rafael Antunes dos Santos (UFRGS) rderafa@gmail.com 1 INTRODUÇÃO EIXO TEMÁTICO: Produção e Produtividade Científica MODALIDADE:

Leia mais

Autores: PINHEIRO JUNIOR L. P.; ROSA, R. A.; KURIBARA F. M.; CHEROBIM, A. P. M. S. PPGADM-UFPR - Mestrado em Administração Inovação e Tecnologia

Autores: PINHEIRO JUNIOR L. P.; ROSA, R. A.; KURIBARA F. M.; CHEROBIM, A. P. M. S. PPGADM-UFPR - Mestrado em Administração Inovação e Tecnologia Autores: PINHEIRO JUNIOR L. P.; ROSA, R. A.; KURIBARA F. M.; CHEROBIM, A. P. M. S. PPGADM-UFPR - Mestrado em Administração Inovação e Tecnologia Luiz Pereira Pinheiro Junior Mestrado em Administração Inovação

Leia mais

Análise da produção bibliográfica em Design no Brasil: impacto científico

Análise da produção bibliográfica em Design no Brasil: impacto científico Análise da produção bibliográfica em Design no Brasil: impacto científico Carlos Henrique Gonçalves (UNESC/FAAP) chcg@uol.com.br Roberval Bráz Padovan (UNESC/FAAP) am_padovan@terra.com.br Simone Thereza

Leia mais

2 de março de 2015. Ano 4. Nº 34

2 de março de 2015. Ano 4. Nº 34 2 de março de 2015. Ano 4. Nº 34 Editais curto prazo NACIONAL Orgao CNPq Edital 12º Prêmio Destaque na Iniciação Científica e Tecnológica - 2014 Termino 30/3/2015 Direcionado a Premiar bolsistas de Iniciação

Leia mais

Seminário Internacional Portugal - Brasil

Seminário Internacional Portugal - Brasil UM PROGRAMA ESPECIAL DE MOBILIDADE INTERNACIONAL EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA e INOVAÇÃO Gustavo Santos ast.porto@itamaraty.gov.br Setor de Cooperação Científica Superior Consulado-Geral do Brasil no Porto Seminário

Leia mais

Projetos de Extensão. Prof. Msc. Marcílio Meira Informátic ca

Projetos de Extensão. Prof. Msc. Marcílio Meira <marcilio.meira@ifrn.edu.br> Informátic ca Extensão Projetos de Extensão Prof. Msc. Marcílio Meira Informátic ca Objetivos da aula a. Compreender o que é um Projeto de Extensão, e seus objetivos; b Aprender como se

Leia mais

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ BIREME - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ BIREME - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL Rio de Janeiro 2002 Doenças Infecciosas e Parasitárias na BVS

Leia mais

Pós-Graduação e Ensino de Ciências e Matemática

Pós-Graduação e Ensino de Ciências e Matemática Anais do VIII ENEM Mesa Redonda 1 Pós-Graduação e Ensino de Ciências e Matemática Tânia Maria Mendonça Campos - tania@pucsp.br A Pós-Graduação é a Unidade Universitária responsável pela formação de recurso

Leia mais

Regulamento de Avaliação e Credenciamento de Docente Atuando na Pós-Graduação da COPPE/UFRJ

Regulamento de Avaliação e Credenciamento de Docente Atuando na Pós-Graduação da COPPE/UFRJ Regulamento de Avaliação e Credenciamento de Docente Atuando na Pós-Graduação da COPPE/UFRJ Resolução 01/2008 do Conselho Deliberativo da COPPE/UFRJ Dispõe sobre as regras de avaliação e credenciamento

Leia mais

2 de fevereiro de 2015. Ano 4. Nº 33. Editais curto prazo

2 de fevereiro de 2015. Ano 4. Nº 33. Editais curto prazo 2 de fevereiro de 2015. Ano 4. Nº 33 NACIONAL Editais curto prazo Orgao CNPq Edital Prêmio Mercosul de Ciência e Tecnologia Termino 23/2/2015 Direcionado a Reconhecer e premiar os melhores trabalhos de

Leia mais

Folha de S.Paulo cria ranking de universidades e atrai polêmica

Folha de S.Paulo cria ranking de universidades e atrai polêmica Folha de S.Paulo cria ranking de universidades e atrai polêmica INSTITUIÇÕES APONTADAS POR JORNAL COMO FAVORITAS DO MERCADO TIRARAM ZERO EM QUALIDADE DE ENSINO Por Carlos Orsi O jornal Folha de S.Paulo

Leia mais

Universidade de São Paulo

Universidade de São Paulo Universidade de São Paulo No mundo da cultura o centro está em toda parte M. Reale, reitor da USP Excelência e Inclusão Social Formação de Recursos Humanos Qualificados 1.153 445 196 253 774 486 549 1.449

Leia mais

UM PROGRAMA ESPECIAL DE MOBILIDADE INTERNACIONAL EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA e INOVAÇÃO. Aloizio Mercadante. Ministro de Estado da Ciência e Tecnologia

UM PROGRAMA ESPECIAL DE MOBILIDADE INTERNACIONAL EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA e INOVAÇÃO. Aloizio Mercadante. Ministro de Estado da Ciência e Tecnologia UM PROGRAMA ESPECIAL DE MOBILIDADE INTERNACIONAL EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA e INOVAÇÃO Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Ciência e Tecnologia Conselho Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social

Leia mais

O Desafio da Pós-Graduação e Pesquisa:

O Desafio da Pós-Graduação e Pesquisa: O Desafio da Pós-Graduação e Pesquisa: A Parábola do Coelho e do Leão Anderson Rocha Instituto de Computação - Unicamp www.ic.unicamp.br/~rocha 1 Sumário! Experiência pessoal! Onde trabalhar! Planejamento

Leia mais

Instituto de Engenharia

Instituto de Engenharia Instituto de Engenharia Os Caminhos da Engenharia Brasileira A Engenharia como Principal Vetor para a Inovação e Competitividade Benedito G. Aguiar Neto Reitor da Universidade Presbiteriana Mackenzie Introdução

Leia mais

SciELO Brasil e o processo de avaliação da área de odontologia

SciELO Brasil e o processo de avaliação da área de odontologia SciELO Brasil e o processo de avaliação da área de odontologia Fabiana Montanari Lapido Projeto SciELO FAPESP, CNPq, BIREME, FapUNIFESP 27ª Reunião Anual da SBPqO Águas de Lindóia, 9 setembro 2010 Apresentação

Leia mais

AS BASES DE DADOS EM SAÚDE COMO FERRAMENTAS DE BUSCA DA INFORMAÇÃO: um relato de experiência da Biblioteca Central Julieta Carteado

AS BASES DE DADOS EM SAÚDE COMO FERRAMENTAS DE BUSCA DA INFORMAÇÃO: um relato de experiência da Biblioteca Central Julieta Carteado PÔSTER IMPACTO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NA GESTÃO DA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA Uso estratégico das tecnologias em informação documentária AS BASES DE DADOS EM SAÚDE COMO FERRAMENTAS DE BUSCA DA INFORMAÇÃO:

Leia mais

MESTRADOS PROFISSIONAIS COMO ESTRATÉGIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MESTRADOS PROFISSIONAIS COMO ESTRATÉGIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MESTRADOS PROFISSIONAIS COMO ESTRATÉGIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Maria Cristina Araújo de Oliveira UFJF mcrisoliveira6@gmail.com Resumo: O artigo apresenta um breve panorama

Leia mais

3Uy5HLWRULDSDUD$VVXQWRVGH 3HVTXLVDH3yV*UDGXDomRGD8)3( 5HODWyULRGH$WLYLGDGHV. 0DUoR

3Uy5HLWRULDSDUD$VVXQWRVGH 3HVTXLVDH3yV*UDGXDomRGD8)3( 5HODWyULRGH$WLYLGDGHV. 0DUoR 3Uy5HLWRULDSDUD$VVXQWRVGH 3HVTXLVDH3yV*UDGXDomRGD8)3( 5HODWyULRGH$WLYLGDGHV 0DUoR $'0,1,675$d 2 Aprovação junto a CPPG da Resolução nº 01/2001 que dispõe sobre as atribuições da Comissão de Pós-Graduação

Leia mais

RAZÕES PARA O SUCESSO DA POLÍTICA RECENTE DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO NO BRASIL

RAZÕES PARA O SUCESSO DA POLÍTICA RECENTE DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO NO BRASIL . Caracas, Venezuela Año IV, Nº 8, 2012, pp. 113-120. Iván Izquierdo RAZÕES PARA O SUCESSO DA POLÍTICA RECENTE DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO NO BRASIL RESUMEN El Brasil realizó en los últimos 5 años

Leia mais

BIBLIOTECA VIRTUAL EM SAÚDE PSICOLOGIA BVS-PSI

BIBLIOTECA VIRTUAL EM SAÚDE PSICOLOGIA BVS-PSI BIBLIOTECA VIRTUAL EM SAÚDE PSICOLOGIA BVS-PSI ANÁLISE DAS REFERÊNCIAS DAS DISSERTAÇÕES E TESES APRESENTADAS AOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA Trabalho integrado da Rede Brasileira de Bibliotecas

Leia mais

PROJETO DE ATUAÇÃO INTEGRADA E PERSPECTIVAS FUTURAS

PROJETO DE ATUAÇÃO INTEGRADA E PERSPECTIVAS FUTURAS CENTRO BRASILEIRO DE PESQUISAS FÍSICAS / MCT INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS BÁSICAS E APLICADAS EM FÍSICA E ÁREAS AFINS PROJETO DE ATUAÇÃO INTEGRADA E PERSPECTIVAS FUTURAS Como centro científico do Brasil

Leia mais

Inovação em fármacos no Brasil. Alexander Triebnigg, Presidente do Conselho da Febrafarma São Paulo, 28 de maio de 2009

Inovação em fármacos no Brasil. Alexander Triebnigg, Presidente do Conselho da Febrafarma São Paulo, 28 de maio de 2009 Inovação em fármacos no Brasil Alexander Triebnigg, Presidente do Conselho da Febrafarma São Paulo, 28 de maio de 2009 Inovação é consenso no Brasil Indústria farmacêutica brasileira investe de forma crescente

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE O DESEMPENHO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO NO BRASIL, OBSERVANDO OS INDICADORES DA OCDE

UM ESTUDO SOBRE O DESEMPENHO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO NO BRASIL, OBSERVANDO OS INDICADORES DA OCDE 31 de Julho a 02 de Agosto de 2008 UM ESTUDO SOBRE O DESEMPENHO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO NO BRASIL, OBSERVANDO OS INDICADORES DA OCDE Sérgio Murilo Archanjo da Silva (FINEP) smsilva@finep.gov.br

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DO BRASIL

DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DO BRASIL DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DO BRASIL MOURA, A. L. A. 1 ; SÁ, L. A. C. M 2 RESUMO - A presente pesquisa está sendo desenvolvida com o objetivo de formular uma base de dados espaciais

Leia mais

Programa Ciência sem Fronteira

Programa Ciência sem Fronteira Programa Ciência sem Fronteira Graduação Sanduíche Pró-reitoria de Pesquisa Coesão interna para inserção externa Bolsas no país e exterior: número de bolsas-ano concedidas pelas agências federais, 2003-2009

Leia mais

NUCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA - UESC

NUCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA - UESC Boletim 13 Editais / FAPESB Visite nosso blog: / Edital 029/2010 Popularização da Ciência Educação Científica - financiamento de projetos institucionais de educação científica que propiciem a difusão e

Leia mais

Livio Amaral Diretor de Avaliação

Livio Amaral Diretor de Avaliação Livio Amaral Diretor de Avaliação 15outubro12 Educação Superior no Brasil Sistema de pesquisa universitária ria recente Internacionalização Inovação Qualidade Inserção Social Acesso Competitividade Total

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO

PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO Os objetivos desse Plano de Gestão estão pautados na missão da Faculdade de Ciências Farmacêuticas como escola pública de excelência, que tem suas atividades

Leia mais

PARQUE TECNOLÓGICO DE RIBEIRÃO PRETO

PARQUE TECNOLÓGICO DE RIBEIRÃO PRETO PARQUE TECNOLÓGICO DE RIBEIRÃO PRETO SUMÁRIO EXECUTIVO O Parque Tecnológico de Ribeirão Preto é um empreendimento imobiliário e tecnológico com características especificamente projetadas, incluindo serviços

Leia mais

EDUCAÇÃO COMPARADA NO BRASIL: COMPLEMENTANDO A ANÁLISE DA PRODUÇÃO ACADÊMICA

EDUCAÇÃO COMPARADA NO BRASIL: COMPLEMENTANDO A ANÁLISE DA PRODUÇÃO ACADÊMICA EDUCAÇÃO COMPARADA NO BRASIL: COMPLEMENTANDO A ANÁLISE DA PRODUÇÃO ACADÊMICA Msc. Nádia Estima de Castro nadia.castro@acad.pucrs.br +55 51 92388146 Doutoranda em Educação da Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

I SEMANA DE ZOOTECNIA: AS CIÊNCIAS AGRÁRIAS E SUAS INSTITUIÇÕES

I SEMANA DE ZOOTECNIA: AS CIÊNCIAS AGRÁRIAS E SUAS INSTITUIÇÕES I SEMANA DE ZOOTECNIA: AS CIÊNCIAS AGRÁRIAS E SUAS INSTITUIÇÕES A COLABORAÇÃO DA FAPEPI NA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DO PIAUÍ Dra. BÁRBARA OLIMPIA RAMOS DE MELO PRESIDENTE DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA DO

Leia mais

16. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, PESQUISA E AVALIAÇÃO

16. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, PESQUISA E AVALIAÇÃO 16. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, PESQUISA E AVALIAÇÃO 16.1 SISTEMA DE INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA A LDBEN Lei n.º 9.394, de 20 de dezembro de 1996 delega à União as seguintes competências: a) Coletar, analisar e

Leia mais

Fortalecimento do Sistema de Graduação e de Pós- Graduação Stricto Sensu para o Paraná

Fortalecimento do Sistema de Graduação e de Pós- Graduação Stricto Sensu para o Paraná 1 Fortalecimento do Sistema de Graduação e de Pós- Graduação Stricto Sensu para o Paraná Clóvis Pereira UFPR Introdução A sociedade paranaense está sendo solidamente construída por meio de planos, planejamentos,

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS E SUBPROJETOS DE PESQUISA

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS E SUBPROJETOS DE PESQUISA MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS E SUBPROJETOS DE PESQUISA O projeto deve, OBRIGATORIAMENTE, ser elaborado pelo Coordenador do Projeto (titulação mínima Mestre PBIC/UniEVANGÉLICA; titulação mínima Doutor

Leia mais

ANÁLISE DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DE DEZ ANOS DOS CADERNOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DISTÚRBIOS DO DESENVOLVIMENTO.

ANÁLISE DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DE DEZ ANOS DOS CADERNOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DISTÚRBIOS DO DESENVOLVIMENTO. ANÁLISE DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DE DEZ ANOS DOS CADERNOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DISTÚRBIOS DO DESENVOLVIMENTO. ANALYSES OF TEN YEARS OF SCIENTIFIC PRODUCTION OF THE JOURNAL CADERNOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DISTÚRBIOS

Leia mais

Investimento em Tecnologia e Desenvolvimento da Indústria Nacional de Bens e Serviços no Brasil

Investimento em Tecnologia e Desenvolvimento da Indústria Nacional de Bens e Serviços no Brasil Investimento em Tecnologia e Desenvolvimento da Indústria Nacional de Bens e Serviços no Brasil Madhu Haridasan Coordenador de Tecnologia da Informação da Rede Brasil de Tecnologia Dispêndios nacionais

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

V Seminário Interno do Programa de Pós-Graduação em Zootecnia da UFRGS (08 de Abril de 2015) A Pós-graduação em Zootecnia Uma visão do sistema

V Seminário Interno do Programa de Pós-Graduação em Zootecnia da UFRGS (08 de Abril de 2015) A Pós-graduação em Zootecnia Uma visão do sistema V Seminário Interno do Programa de Pós-Graduação em Zootecnia da UFRGS (08 de Abril de 2015) A Pós-graduação em Zootecnia Uma visão do sistema Papel da CAPES na Condução da Pós-Graduação Fundação vinculada

Leia mais

Agências de Fomento a Pesquisa no Pais. Disciplina: Metodologia do Ensino Superior em Ciências Exatas

Agências de Fomento a Pesquisa no Pais. Disciplina: Metodologia do Ensino Superior em Ciências Exatas Agências de Fomento a Pesquisa no Pais. Disciplina: Metodologia do Ensino Superior em Ciências Exatas Prof. Dr. Sergio Pilling 31/ago/2011 Agências de Fomento. As agências de fomento são instituições financeiras

Leia mais

_áääáçíéå~= `Éåíêç=ÇÉ=fåÑçêã~ ç=é=oéñéêæååá~

_áääáçíéå~= `Éåíêç=ÇÉ=fåÑçêã~ ç=é=oéñéêæååá~ _áääáçíéå~ `ÉåíêçÇÉfåÑçêã~ çéoéñéêæååá~ DIRETRIZES PARA A SELEÇÃO E AQUISIÇÃO DE LIVROS, MONOGRAFIAS E SIMILARES PARA A BIBLIOTECA DA FACULDADE DE SAÚDE PÚBLICA/ USP 1. INTRODUÇÃO O fluxo crescente de

Leia mais

VAGAS NO CAMPUS MARCO ZERO, EM MACAPÁ-AP

VAGAS NO CAMPUS MARCO ZERO, EM MACAPÁ-AP UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ GABINETE DA REITORIA EDITAL Nº 13/2013 CONCURSO PÚBLICO PARA PROFESSOR EFETIVO ANEXO I VAGAS POR ÁREA DE CONHECIMENTO VAGAS NO CAMPUS MARCO ZERO, EM MACAPÁ-AP 135-Área de

Leia mais

64 pontos não remunerada.

64 pontos não remunerada. UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL RESOLUÇÃO 001/2015 ESTABELECE PROCEDIMENTOS E PARÂMETROS AVALIATIVOS PARA PROGRESSÃO DE DOCENTES À CLASSE E PROFESSOR TITULAR ANEXO

Leia mais