Moçambique é líder em África em e-participation

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Moçambique é líder em África em e-participation"

Transcrição

1 BREVES Edição trimestral Ano I Nº I Junho - Agosto 2008 Moçambique e Coreia do Sul assinam memorando O Ministro da Ciência e I n f o r m a ç ã o ( I A C ) e m Te c n o l o g i a, Ve n â n c i o Maputo. O centro será M a s s i n g u e, e o c o n s t i t u í d o p o r t r ê s representante da Agência c o m p o n e n t e s, para a Oportunidade Digital e n o m e a d a m e n t e u m Promoção da Coreia do Sul, laboratório de ensaios, uma Yeongi Son, assinaram um sala de Internet, e outra para m e m o r a n d o p a r a o a realização de seminários e estabelecimento de um acesso à Internet e serviços C e n t r o d e A c e s s o a na rede mundial. Na LAM: Bilhetes electrónicos substituem os de papel As companhias aéreas já deixaram de emitir bilhetes estão a emitir bilhetes em papel, em cumprimento electrónicos, numa medida duma directiva da Associação q u e d e v e r á s i g n i f i c a r Internacional de Transporte poupança de cerca de 2 mil Aéreo (IATA) nesse sentido, milhões de euros. Desde 2 de aprovada há quatro anos. M J u n h o c o r r e n t e, e l a s Profissionais da informática especializam-se em sistemas da Microsoft Um grupo de 35 técnicos nacionais, seleccionados no sector público, foram formados em sistemas da Microsoft. Pretendemos que o País seja produtor das Tecnologias de Informação e Comunicação As TICs já provaram ser uma importante arma e alavanca na luta c o n t r a a p o b r e z a e p e l o desenvolvimento do País Salomão Manhiça, Director da UTICT Pag. 12 Pag. 6-8 Revista trimestral da UTICT Ano 1 Nº 1 Junho - Agosto 2008 Profissionais de informática especializam-se em sistemas da Microsoft Um grupo de 35 técnicos teve a duração de 30 dias. Ela nacionais, seleccionado no faz parte do currículo s e c t o r p ú b l i c o, fo ra m intensivo da Microsoft, formados em sistemas da designado MCSE (Microsoft Microsoft ao abrigo de um Certified Software Engineer), m e m o r a n d o d e e tem o objectivo de dotar os entendimento assinado profissionais de informática entre a multinacional norte- e m c o n h e c i m e n t o s americana de tecnologias de profundos de planificação, informação e comunicação e desenho, implementação e a U n i d a d e Té c n i ca d e administração dos sistemas Implementação da Política de da Microsoft, na componente Informática (UTICT). de redes de computadores e A formação foi orientada por correio electrónico. especialistas da Microsoft e Moçambique desenvolve sistema de gestão de riscos baseado nas TICs No passado dia 17 de Junho, desenvolvimento de uma foi assinado um memoradum plataforma tecnologica para de entendimento entre a a g e s tã o d o r i s c o d a UTICT (Unidade técnica de ocorrência de desastres Implementação da política naturais e ambientais que de Informática) e a Universite seja capaz de activar sistemas d e L u x e m b o u r g, de alerta, avaliar e monitorar representadas pelo Director, riscos entre outros. Dr Salomão Manhiça, e pelo O projecto terá a duração de Reitor, Professor Rolf Tarrach, 5 (cinco) anos. Numa respectivamente. As partes p r i m e i r a f a s e s e r á acordaram em desenvolver d e s e n v o l v i d o e u m p r o j e c t o e m implementado um sistema Moçambique virado para o de informação para resposta desenvolvimento de um de emergência às cheias e sistema de gestão de riscos estará envolvida nesse baseado em Tecnologias de programa, para além da Informação e Comunicação UTICT, o Instituto Nacional de (TICs). O objectivo deste Gestão de Calamidades p r o j e c t o é o Naturais (INGC). M Leia na próxima edição Missão do Governo italiano visita a UTICT; UTICT desenvolve Portais dos Governos Provinciais. Moçambique é líder em África em e-participation Governo de Moçambique Graças ao Portal do Governo Unidade Técnica de Implementação da Política de Informática (UTICT) Av. Guerra Popular Nº 20, 2º Andar, Salas (258) / ; Cel: (258) ; Fax: (258) ; Esta Revista é patrocinada pela Agência Canadiana para o Desenvolvimento Internacional (CIDA) Canadian International Development Agency

2 Pag. 2 Jun. - Ago 08 Jun Pag. 11 DESTAQUE NOTÍCIAS Pela segunda vez consecutiva PELA SEGUNDA VEZ CONSECUTIVA as Nações Unidas colocaram Moçambique no topo da tabela que oferece resultados Moçambique líder na participação pública na governação sobre os países que oferecem As questões para a pesquisa disponíveis nas páginas ou 2008 Do Governo Electrónico as melhores condições de re l ativa a categoria e - Portais governametais, sobre à Governação Conectada, e participação pública na participation foram agrupadas alguns assuntos do Governo). avalia a situação em cada um governação por meio das em três áreas, nomeadamente Este documento não só avalia o dos 192 Estados membros das Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs), designada e-participation, segundo um relatório das Nações Unidas sobre governação publicado no primeiro semestre do presente ano. Ainda ao nível da tabela de classificação destinada a categoria de e-participation, o país logrou o ensejo de subir 5 lugares relativamente a c l a s s i f i c a ç ã o d e , mantendo-se acima de países como Reino Unido, Espanha, Portugal, Suíça tidos como países do Primeiro Mundo. Moçambique é o único país africano no top 35, como pode se ler no relatório. Em Moçambique o principal indicador de avaliação dos pesquisadores das Nações Unidas foi o Portal de Governo (www.portaldogoverno.gov.m z), que apresenta informação e e - i n f o r m a t i o n índice de participação pública Nações Unidas sobre as serviços do Governo como um ( d i s p o n i b i l i z a ç ã o d e por meio da TICs, como p o t e n c i a l i d a d e s e o todo, isto é, que disponibiliza informações de interesse também estabelece uma desenvolvimento do governo ao cidadão uma visão unificada público em páginas do classificação baseada no índice electrónico. d o governo através d a G o v e r n o. N e s t e p o n t o, quantitativo composto por Esta é a segunda vez que o país divulgação de informação do também tem se em conta as indicadores de acesso à é classificado em primeiro mesmo e dos serviços que o ferramentas que os Websites Internet, das infra-estruturas lugar no raking africano, sendo E s t a d o m o ç a m b i c a n o ou Portais disponibilizam, com de telecomunicações bem que a primeira vez foi em disponibiliza, bem como o grau vista a dissiminação de como da qualificação de de actualização do mesmo. Um informação, nomeadamente recursos humanos. Nesses outro aspecto não menos fóruns, listas de s, chats, outros items o país ainda importante que se pode e outro afins), e-consultation continua longe do esperado o encontrar nesta plataforma (uso dos Websites de governos que faz que Moçambique não governamental é um espaço para encorajar a participação esteja bem posicionado na em que o cidadão pode expôr do cidadão na vida pública) e e- c l a s s i f i c a ç ã o g e r a l d e a s s u a s q u e s t õ e s decision making (o governo governação electrónica. relativamente a assuntos assume que vai usar os inputs O Relatório supamencionado é inerentes a função pública e dos cidadão e dá feedbacks, intitulado Pesquisa da ONU governamentação. por via de dispositivos sobre Governação Electrónica Ficha Técnica Direcção Salomão Júlio Manhiça Coordenação Lourino Chemane, Zauria Saifodine e Augusto Nunes Edição Luís Canhemba Redacção Basílio Langa, Pedro Gemo e Sérgio Mapsanganhe Layout e Design Pedro Gemo Impressão Brithol Michcoma DISP.REG/GABINFO-DE/2005 Segundo ele, durante a estrangeiros. No tocante aos processo de implementação modo a incentivar este reunião, enfatizou-se a cientistas, ele recomendou do Estatuto da Carreira do grupo de profissionais. AIM necessidade de se assegurar que seja acelerado o Investigador Científico, de que a ciência e tecnologia desenvolvidas no país tenham o carácter inclusivo, com o papel de servir e capacitar as comunidades rurais e periurbanas. No leque das orientações deixadas por Venâncio M a s s i n g u e, d e s t a q u e também para a necessidade de os cientistas e as instituições nacionais de pesquisa explorarem a o p o r t u n i d a d e d e d e s e n v o l v e r o s s e u s trabalhos no país para evitar a dependência exclusiva de A massificação do uso das TICs é uma realidade em Moçambique avaliações realizadas por Depois do sucesso que DEPOIS DO SUCESSO DE MOÇAMBIQUE Moçambique teve o ano passado, com a realização Namíbia acolhe 3ª Conferência IST-África da 2ª Conferência IST ÁFRICA, Namíbia recebeu comunicações técnicas e Conferência por quadros da através de uma parceria que de 7 10 do mês passado a políticas, casos de estudos, U n i d a d e Té c n i c a d e envolve a África do Sul, 3ª reunião do gênero. O seminários e amostra de Implementação da política Moçambique, a Tanzânia, a e n c o n t r o j u n t o u resultados de pesquisas de Informática (UTICT), República Irlandesa e Malta. governantes, especialistas científicas na área de TIC e Universidade Eduardo N o a n o p a s s a d o a d e i n s t i t u i ç õ e s d e actividades sociais. M o n d l a n e ( U E M ), Conferência teve lugar na pesquisas, funcionários do A Conferência foi aberta Universidade Pedagógica capital do nosso país, e Estado e representantes do o f i c i a l m e nte p o r S u a (UP) e Universidade São contou com 350 delegados sector privado oriundo de Excelência o Ministro da Tomás de Moçambique em representação de 41 vários países de África e da Educação de Namíbia, ( U STM). As Conferência IST- países. Europa, cujo objectivo foi Nangolo Mbumba, em ÁFRICA são realizadas uma Recordar que o evento foi discutir o fosso digital no r e p r e s e n t a ç ã o d o vez por ano e servem para organizado pela UTICT e mundo. Presidente daquele país, apresentação de resultados International Information A Conferência IST ÁFRICA Sua Excelência Hifikepunye de pesquisas sobre o Management Corporation teve como foco Aplicações P o h a m b a, e o Impacto Regional das Ltd (IIMC), da Irlanda, em de TICs nos desafios socio- encerramento foi presidido Tecnologias de Informação c o o r d e n a ç ã o c o m o económicos, que é parte do pelo Vice Primeira e Comunicação em Africa, Ministério da Ciência e programa da Comissão M i n i s t r a, L i b e r t i n a que é um projecto regional Tecnologia de Moçambique, Europeia para as TICs. A Amathila. que visa promover o uso das com o apoio financeiro da C o n fe r ê n c i a f o i u m a M o ç a m b i q u e e s t e v e tecnologias de informação e União Europeia. c o m b i n a ç ã o d e r e p r e s e n t a d o n a comunicação em África,

3 Pag. 4 Pag. 9 Jun. - Ago 08 Jun. - Ago 08 SERVIÇOS DA GOVNET mae.gov.mz, cnam.gov.mz, comerciais) de Internet t o r n a - a v u l n e r á v e l a acrónimo de identificação da etc.) e esta máquina sabotagem e há ainda que instituição; c o m o s e e x i s t i s s e h o t m a i l. c o m, c o n s i d e ra r a fa l ta d e Todo funcionário público fisicamente várias tvcabo.co.mz, criptografia dos dados de cadastrado tenha acesso aos vários serviços da Intranet (GovNet). Como as instituições podem beneficiar deste serviço? Para que as instituições beneficiem do Sistema Centralizado de Correio Electrónico, devem a prior ter um domínio registado, por exemplo, govnet.gov.mz. O registo de domínio é uma para cada domínio etc.), deteriorando deste correio electrónico que são efectuado apenas no CIEUM existente. Este sistema tem modo a qualidade das transmitidos pela Internet Centro de Informática da um canonical domain, que é c o m u n i c a ç õ e s p a r a a pelos provedores públicos (e U n i v e rs i d a d e E d u a r d o o domínio principal. Os Internet, por défice de o u t r o s d o m í n i o s s ã o largura de banda. Como a configurados como domínios maioria dos provedores virtuais. Cada domínio virtual públicos de Internet que poderá correr serviços tais oferecem contas de correio como páginas web e correio electrónico gratuitamente electrónico como se fosse o são internacionais, isto é, único domínio no servidor. b a s e a d o s f o r a d e Moçambique, o tempo de Porque o SCCE? trânsito de uma mensagem A ausência de um sistema de correio electrónico, na comerciais). Mondlane. único de comunicações por mesma instituição ou para Se a instituição já tiver um mensagens de correio i n s t i t u i ç õ e s, é Quais as vantagens do domínio criado e este estiver e l e c t r ó n i c o p a r a o demasiadamente longo e sistema? a ser gerido por um outro A implementação do SCCE provedor, será necessário iniciou na Fase Piloto da requisitar ao Centro de GovNet, em Março de 2004, e Informática da Universidade continua até hoje. Este Eduardo Mondlane uma sistema assegura que: actualização do domínio para Todo o tráfego de correio ser apontado para os electrónico do Governo seja Servidores de Nomes (DNS) gerido dentro da Rede da GovNet. O passo seguinte Electrónica do Governo; será a solicitação junto da O tráfego de e para a Direcção da UTICT para a Internet flua por um único criação das contas de correio canal de acesso ; pretendidas. M As instituições do funcionário público, leva a passa desnecessariamente Governo tenham endereços * Administrador de Sistemas que cada funcionário opte pela Internet. A passagem de de correio electrónico no por cadastrar-se aos sistemas q u a l q u e r d a d o o u domínio de provedores públicos (e informação pela Internet onde xxx é um nome, sigla ou CURIOSIDADES Sabia que: simular as vibrações feitas por 1. Moçambique é o País africano uma voz humana. Em 1876 com o melhor índice de patenteou um dispositivo que participação pública por meio transmitia um discurso através de Tecnologias de Informação e de fios e chamou-o de telefone. Comunicação; 6. 3 de Abril de Martin 2. Moçambique foi considerado Cooper realizou a primeira por duas vezes o país com a chamada a partir de um melhor Política de Informática Telefone Celular. (2004 e 2005); 8. Se 1000 clientes discam para 3. Em 1837 Samuel Morse internet e todos ficam on-line, a inventou o primeiro telégrafo uma velocidade de 33.6kbps, o electrónico nos Estados Unidos. seu ISP precisa de 40mbps de largura de banda. Se eles 5. Alexander Graham Bell fizerem o upgrade para linhas descobriu, enquanto trabalhava D S L d e a l ta velocidade, numa pesquisa de transmissão p o r t a n t o, c a p a z e s d e de som para surdos, que transportar 2mbps, a largura de corrente eléctrica contínua O telefone foi inventado por Alexander Graham Bell, em 1876 b a n d a c r e s c e 5 0 v e ze s, pode ser convertida para passando para 2gbps. CIDA é importante parceiro de cooperação A Agência Canadiana para o Desenvolvimento Internacional (CIDA) tornou nos últimos anos As instituições multilaterais cada vez mais importante para um país de concentração u m i m p o r t a n t e e l o d e também jogam um papel a CIDA. Em 2002, como parte para a futura assistência cooperação com Moçambique, importante na coordenação e de um compromisso para c a n a d i a n a a o apoiando o nosso país no esforço harmonização das políticas aumentar a eficácia do desenvolvimento, o que para reduzir a pobreza. A CIDA no entre os doadores. desenvolvimento, a CIDA significou um aumento de âmbito de um programa com o Por outro lado, a CIDA apoia decidiu concentrar-se em recursos financeiros em certos Governo da República de um número significativo que menos países, particularmente sectores. O programa do país Moçambique concentra-se em 4 trabalham em Moçambique a q u e l e s c o m m a i o r e s e s t á i n t e i r a m e n t e e m (quatro áreas de acção), consonância com os princípios nomeadamente Educação, de aumento da eficácia da Agricultura e desenvolvimento ajuda para o desenvolvimento. rural, HIV/SIDA e Governação. Em conformidade com a As questões relacionadas com a estratégia do Governo de i g u a l d a d e d e g é n e r o, a M o ç a m b i q u e, o a p o i o prevenção do HIV/SIDA, o canadiano será prestado desenvolvimento de capacidade, através de uma combinação e a protecção do meio ambiente equilibrada de contribuições estão integrados em todas as aos fundos comuns com iniciativas devido ao seu impacto outros doadores, e apoio à no sucesso do programa de projectos decentralizados que desenvolvimento. têm como alvo as populações A C I DA e s t á i g u a l m e n t e mais vulneráveis. envolvida em várias instituições Tudo isso será realizado no multilaterais que jogam um em áreas tais como a civil e o necessidades e demonstrando âmbito de vários programas papel decisivo na prestação de apoio regional e populações um engajamento significativo sectoriais e prioridades do assistência ao desenvolvimento, desfavorecidas. p a r a o s e u p r ó p r i o Governo de Moçambique, por exemplo na área de ajuda d e s e n v o l v i m e n t o. E m conforme traçadas no PARPA. humanitária de emergência e Porquê Moçambique? Dezembro de 2002, o Canadá crise na segurança alimentar. Moçambique é um parceiro identificou Moçambique como

4 Pag. 10 Jun. - Ago 08 Jun. - Ago 08 Pag. 3 NOTÍCIAS SERVIÇOS DA GOVNET O B a n c o A f r i c a n o d e PARA AUMENTO DE ACESSO ÀS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO Desenvolvimento (BAD) e a m u l t i n a c i o n a l n o r t e - a m e r i c a n a M i c r o s o f t BAD e Microsoft acordam parceria Coorporation assinaram no passado dia 8 de Julho último, c o n t r i b u i r á p a r a a aumento do acesso às desenvolvimento ao colocar a em Tunis, capital da Tunísia, concretização dos objectivos tecnologias. parceria público/privada no um acordo visando o aumento de desenvolvimento. A comunidade internacional, centro da sua estratégia, que de acesso às Tecnologias da Com base nesta iniciativa, o i n c l u i n d o G o v e r n o s, inclui a luta contra a pobreza e Informação e da Comunicação BAD e a Microsoft pretendem Organizações Internacionais, a melhoria das condições de vida. A nossa meta comum é a de identificar onde as TICs podem ser aplicadas de forma inovadora, para apoiar os Cheick Modibo Diarra, da Microsoft, em audência com a Primeira-Ministra, Luísa Diogo o b j e c t i v o s d e desenvolvimento alargando a escala e o impacto das soluções tecnológicas com v i s t a a t r a n s f o r m a r a educação, acelerar inovações l o c a i s e a u m e n t a r a s possibilidades de emprego e outras oportunidades, disse Diarra. O principal objectivo do Grupo do BAD esta a trabalhar na promoção do crescimento sustentável para (TICs) em benefício dos promover a utilização de B a n cos M u l t i l atera i s e a redução da pobreza em africanos. tecnologias que favorecem a O r g a n i z a ç õ e s N ã o - Á f r i c a a t r a v é s d o Um comunicado de imprensa g e s t ã o g o v e r n a m e n t a l Governamentais, estão, cada financiamento de projectos e conjunto BAD/Microsoft e l e c t r ó n i c a, o vez mais, a utilizar a perícia do p r o g r a m a s d e divulgado em Maputo destaca d e s e n v o l v i m e n t o d a s Sector Privado e os seus desenvolvimento, por meio como objectivo da parceria a capacidades institucionais em recursos para acelerar o d e e m p r é s t i m o s, redução da disparidade digital TICs, das competências em d e s e n v o l v i m e n t o d o investimentos e assistência em África, sobretudo a nível negócios, educação e a continente africano. de sub-regiões, países e zonas aprendizagem via Internet, e o O BAD está na vanguarda do urbanos e rurais. O acordo foi rubricado pelo Vice-Presidente do BAD, Joseph Eichenberger, e pelo Presidente da Microsoft em África, Cheick Modibo Diarra. De acordo com Eichenberger, esta parceria visa combinar o conhecimento e as melhores p r á t i c a s d a s d u a s organizações que, associada ao desenvolvimento das p o l í t i c a s p ú b l i c a s d o s g o v e r n o s a f r i c a n o s, técnica. BL Projectos científicos devem gerar impacto nas comunidades O Ministro moçambicano da Ministério da Ciência e responder as necessidades C i ê n c i a e Te c n o l o g i a, Tecnologia (MCT), Massingue imediatas das populações, Venâncio Massingue, reiterou disse pretender também que com base na investigação o apelo do Governo de os estes programas e projectos aplicada, desenvolvimento de programas e projectos do país tenham impacto nas diversas tecnologias e extensão, por s e r e m c o n c e b i d o s e i n i c i a t i v a s d e um lado, e concebida para implementados de modo a desenvolvimento nacional. problemas de longo prazo, gerar impactos na vida das Os debates aqui havidos com base em programas e comunidades. sublinharam a necessidade de instituições dedicadas a Falando no encerramento do desenvolver uma ciência investigação de ponta, por III Conselho Coordenador do actuante, orientada para outro, disse o governante. Editorial E m , o G o v e r n o m governamentais, têm constituído a atribuições e funções, a CIRESP que, em anos consecutivos, moçambicano criou a Comissão b ú s s o l a q u e o r i e n t a a s passou a ter a responsabilidade de Moçambique fosse distinguido para a Política de Informática i n t e r v e n ç õ e s v i s a n d o o zelar pelo desenvolvimento das com o prémio internacional de como um órgão interministerial e s t a b e l e c i m e n t o d e u m a tecnologias de informação e País Africano com Melhor dirigido pelo Primeiro-Ministro, Sociedade de Informação vibrante comunicação em geral, em Estratégia de Informática (2003 e com a missão fundamental de e actuante em Moçambique. Moçambique, no âmbito da 2004) e fosse considerado pelas elaborar a Política de Informática Apesar dos limitados recursos Política de Informática, e pela sua Nações como o país líder em África de Moçambique e orientar e (humanos, técnicos, materiais e utilização sistemática como em matéria de e-participation, ou coordenar os esforços do País de financeiros) de que dispõe, instrumento para facilitar e seja, a participação dos cidadãos f a z e r d a s t e c n o l o g i a s d e Moçambique tem sabido mobilizar acelerar a Reforma do Sector na governação, com recurso às informação e comunicação (TICs) parceiros internacionais que, com Público, em particular. tecnologias de informação e um instrumento de combate à o seu apoio multiforme, têm Falar, hoje em dia, da Rede comunicação (2005 e 2006). pobreza, de disseminação do contribuído para a materialização Electrónica do Governo (GovNet), Apesar destes avanços, nota-se saber e de desenvovlvimento e sucesso das várias iniciativas no do Portal do Governo e dos portais uma grande lacuna no tocante à sustentável do País. domínio das tecnologias de de várias instituições públicas, do d i v u l g a ç ã o d o s p r o j e c t o s A Comissão para a Política de informação e comunicação, e-sistafe, do Número Único de realizados e das experiências Informática conduziu, com fazendo de Moçambique uma Identificação do Cidadão (NUIC), acumuladas. A sucesso, os debates e consultas à referência incontornável em do Observatório das Tecnologias vem justamente preencher essa escala nacional envolvendo todos África, no que às TICs se refere. de Informação e Comunicação, dos lacuna e providenciar um espaço os stakeholders sectores público Em 2007, o Governo extinguiu a Centros Provinciais de Recursos para troca de experiências de e privado, sociedade civil, C o m i s s ã o p a ra a Po l í t i ca, Digitais (CPRDs), dos Centros f u n c i o n á r i o s p ú b l i c o s, instituições de ensino e pesquisa, transferindo as suas funções e a Comunitários Multimédia (CMCs), profissionais e amantes de a g ê n c i a s d e a p o i o a o sua unidade técnica (a UTICT da Unidade Móvel de Tecnologias informática sobre como melhor desenvolvimento, etc. que U n i d a d e T é c n i c a d e de Informação e Comunicação, de u t i l i za r a s tecnologias d e levaram à aprovação pelo Governo Implementação da Política de milhares de funcionários e informação para servir o cidadão, da Política de Informática (2000), Informática) para a Comissão profissionais de informática combater a pobreza e desenvolver da Estratégia de Implementação Interministerial da Reforma do formados, do crescimento em Moçambique. Que cada leitor faça da Política de Informática (2002) e Sector Público (CIRESP) e m a i s d e c e m v e z e s d a desta revista a sua revista. d a E st ratégia d e G overno conferindo ao Ministro da Ciência teledensidade nos últimos dez Electrónico (2006), as quais, e Tecnologia a tutela sobre a UTICT. anos, etc., é falar de marcos Salomão J. Manhiça, Director da juntamente com outras directivas Assim, para além das suas outras indeléveis que contribuíram para UTICT Esta é uma página dedicada a SERVIÇO CENTRALIZADO DE CORREIO ELECTRÓNICO apresentação de serviços da rede electrónica do governo, GovNet. Mais um caso de sucesso da GovNet Nesta edição apresentamos o Por: Sérgio Mapsanganhe* Serviço Centralizado de Correio Electrónico, um Repare caro leitor, um deste deve passar por Estados spamfilter (com definições de serviço que já é considerado indivíduo quando envia uma Unidos, ou outro país, então a a ntivirus e a ntispam), um caso de sucesso em mensagem usando contas das questão de segurança e servidores SMTP (servidores Moçambique. É um caso de famosas yahoo ou hotmail, as s o b e r a n i a p o d e e s t a r de envio e recepção das sucesso não só porque em mensagens devem passar dos beliscada. mensagens) e servidores de curto espaço de tempo, Estados Unidos da America ou bases de dados de nomes. graças a este serviço, todos os outro(s) país(es) onde O sistema O SCCE comporta uma governantes passaram a ter esteja(m) localizado(s) o(s) O Sistema Centralizado de configuração conhecida como uma conta de nacional servidore(s) de correio Correio Electrónico do Multiple Domains with (com a terminação gov.mz), electrónco. Governo (SCCE) é um dos Virtual Accounts que é mas sobretudo porque o país Este pormenor, que parece serviços da Rede Electrónica basicamente ter a correr na passou a ter um plataforma pequeno, ganha proporções do Governo (GovNet) e é mesma máquina vários segura que dá condições para volumosas quando se trata de constituído por um conjunto domínios (ex: govnet.gov.mz, as pessoas comunicarem-se. mensagens de ministros, por d e s e r v i d o r e s, enautica.ac.mz, gpm.gov.mz, Parece algo trivial, mas não. exemplo. Se a mensagem nomeadamente servidores

5 Pag. 6 Jun. - Ago 08 Jun. - Ago 08 Pag. 7 Na entrevista que se segue, a conversa com o Director da Unidade Técnica de Implementação da Política de Informática (UTICT), Salomão Manhiça, que discorre sobre os grandes m a r c o s d o p a í s e d a ENTREVISTA NO ÂMBITO DA IMPLEMENTAÇÃO DA POLÍTICA DE INFORMÁTICA A nossa meta é que o País seja produtor das TICs As Tecnologias de Informação e Comunicação já provaram ser uma importante arma e alavanca na luta contra a pobreza e pelo desenvolvimento do País Salomão Manhiça, Director da UTICT instituição que dirige, no responsabilidades da CPInfo informática, etc., etc. Um exemplar, a sua missão. domínio das tecnologias de incluíam, por exemplo, o o u t r o i n d i c a d o r d a Depois de promover e informação e comunicação levantamento da capacidade importância que o Governo orientar os mais amplos (TICs), como é o caso da debates à escala nacional, a Política de Informática e sua CPInfo submeteu ao Governo Estratégia de Implementação e dele obteve a aprovação da e da Estratégia de Governo Política de Informática em Electrónico, estando a Rede , a a p ro va ç ã o d a Nacional de Transmissão, Estratégia de Implementação Rede Electrónica do Governo da Política de Informática em ( G o v N et), o Po r ta l d o 2002 e a aprovação da Governo, o Sistema de E st ratégia d e G overno Administração Financeira do Electrónico em Estes Estado (e-sistafe) e os documentos fundamentais e Centros Provinciais de os projectos que deles Recursos Digitais (CPRDs) resultam estão transformar, entre os mais tangíveis de forma irreversível, o nosso resultados. Siga, caro leitor, a país e a fazer de Moçambique entrevista. um exemplo a seguir. Não é por acaso que, em dois anos (MTM). Em consecutivos, Moçambique 1998, o Governo criou a foi distinguido com um Comissão para a Política de prémio internacional de País Informática (CPInfo). Qual Africano com a Melhor era a sua missão e terá a Estratégia de Informática mesma sido cumprida? (2003 e 2004) e, por duas Salomão Manhiça (SM). A vezes, citado em relatórios criação da Comissão para a das Nações Unidas como líder Política de Informática Dr. Salomão Manhiça destacando as maiores realizações da UTICT em África em matéria de e- (CPInfo), em 1998, foi o mais P a r t i c i p a t i o n, i s t o é, claro reconhecimento pelo informática do país; a a t r i b u í a à s q u e s t õ e s participação dos cidadãos na Governo da importância e do identificação das áreas relacionadas com as TICs vida pública, com recurso às papel das tecnologias de p r i o r i t á r i a s p a r a pode-se ver no facto de ter tecnologias de informação e informação e comunicação i n f o r m a t i z a ç ã o ; a decidido que o próprio comunicação, especialmente (TICs) no desenvolvimento racionalização das soluções Primeiro-Ministro fosse o e Internet. nacional. A principal missão informáticas, significando, Presidente da Comissão para da CPInfo era elaborar a entre outras coisas, evitar a Política de Informática, que MTM. Po d e r i a, S e n h o r proposta de Política de duplicações e soluções integrava Ministros dos Director, dar números que Informática de Moçambique incompatíveis; a promoção s e c t o r e s e c o n ó m i c o s, espelhem a realidade de e submetê-la à aprovação do d a s p a rc e r i a s p ú b l i co- técnicos e sociais mais Moçambique no domínio das G o verno, a p ó s a m p l o s privadas neste domínio; d e c i s i v o s p a r a o tecnologias de informação e debates e consultas à escala p o p u l a l r i z a ç ã o e desenvolvimento do país. comunicação? n a c i o n a l. O u t r a s generalização da educação A CPInfo cumpriu, de forma SM. Para dar números ENTREVISTA mais ou menos detalhados, especial a Rede Nacional de (GovNet), uma plataforma de país, 3 (três) operadoras de teria de tocar no que Transmissão, que é a espinha comunicação segura e fiável telefonia, que cobrem 92% designamos de Indicadores dorsal das telecomunicações que já conecta mais de 130 dos distritos (rede fixa) e 95 % da Sociedade de Informação, em Moçambique, baseada na instituições públicas, com dos distritos (rede móvel); os quais foram objecto de fibra óptica, com alto débito destaque para ministérios, existem ainda 10 provedores m u i t a e l a b o r a ç ã o e de serviços de Internet e 2 aprimoramento no quadro da (dois) canais de televisão por preparação e realização da cabo. Cimeira Mundial sobre a Em termos de acesso às TICs, Sociedade de Informação, para além da Rede Electrónica que teve a primeira fase em do Governo (GovNet), que Genebra, Suíça, em 2003, a providencia acesso à Internet segunda fase em Tunes, e transmissão de dados a mais Tunísia, em 2005! Tais de 130 instituições públicas, indicadores incluem, por há que mencionar os 8 (oito) exemplo, teledensidade Centros Provinciais de (número de telefones por 100 Recursos Digitais em igual babitantes), número de número de províncias, 4 computadores existentes nos (quatro) pontos de acesso em diferentes sectores de igual número de distritos. A actividade e em relação ao par destas iniciativas, o número de pessoas, número Governo instalou salas ou de pessoas com acesso à laboratórios de informática, Internet, número de técnicos com acesso à Internet, em informáticos nos diferentes mais de 50 escolas. níveis profissionais, cobertura De notar que, neste esforço, a da rede de telecomunicações, sociedade civil e o sector n ú m e r o d e j o r n a i s privado não têm estado de publicados, número de braços cruzados, à espera que estações de rádio e televisão, o Governo faça tudo; pelo quantidade e qualidade de contrário, têm contribuído O Ministro da Ciência e Tecnologia, Venâncio Massingue, o Coordenador informação prioduzida, etc., Residente do Sistema das Nações Unidas em Moçambique, Ndolamb com várias iniciativas visando etc. Para fazer isso, teria de ir Ngokwey, e o Director da UTICT, Salomão Manhiça, na inauguração do CPRD da Zambézia a l a r g a r o a c e s s o d o s ao website do Observatório moçambicanos às TICs: de Tecnologias de Informação o u c a p a c i d a d e p a r a o u t r a s e n t i d a d e s existem mais de 20 pontos de e Comunicação e ver quais os t r a n s p o r t a r e l e v a d a s governamentais centrais, a c e s s o c o m u n i t á r i o dados mais actuais que quantidades de dados, G o v e r n o s e D i r e c ç õ e s espalhados por todo o país, os temos. O que vou fazer no Internet, video, multimedia, Provinciais. A solução de uma quais, em conjunto com os entanto, no âmbito desta etc., e que, segundo o r e d e d e c o m u n i c a ç ã o vários Internet Cafés e ISPs, e n t revista, é fo r n e c e r planificado, chegará, até final privativa para as instituições elevam a fasquia de acesso algumas informações gerais de 2008, a todas as capitais do Governo é rara não só em massivo aos benefícios das q u e s ã o b a s t a n t e provinciais. É o grande África, como mesmo em novas tecnologias. esclarecedoras, no tocante a projecto ou aposta da países mais desenvolvidos, e coisas como infra-estrutura, empresa Telecomunicações tem sido louvada por muitos MTM. Quais os grandes serviços de telecomunicações de Moçambique SARL (TDM) analistas. Quanto aos serviços projectos em que o país está e acesso às TICs, tendo como e que constitui a verdadeira d e t e l e c o m u n i c a ç õ e s, presentemente empenhado base iniciativas do Governo, base para as auto-estradas da também estamos a progredir na área das TICs? da sociedade civil e do sector informação no país. m u i to b e m. Te m o s 1 4 SM. Quando o Governo privado). A nível dos serviços do Estado, (catorze) operadores de a p ro v o u a Po l í t i c a d e No tocante à infra-estrurura, destaque vai para a Rede transmissão de dados e Informática em 2000, tornoumerece uma referência muito Electrónica do Governo Internet, espalhados pelo se claro que uma política era,

6 Pag. 8 Jun. - Ago 08 Jun. - Ago 08 Pag. 5 ENTREVISTA sem dúvida, um importante Estratégia Global da Reforma MTM. M a s c o m o s ã o das Nações Unidas para o passo em frente, porque do Sector Público, definindo financiados esses projectos e Desenvolvimento, Governo traçava a visão, o caminho os projectos âncora da outras actividades? da Itália, Banco Mundial, para a frente e a direcção que P l atafo r m a C o m u m d e SM. Os projectos a que fiz U n i ã o E u ro p e i a, C I DA - o país queria tomar, definindo C o m u n i c a ç ã o e m e n ç ã o a c i m a s ã o Agência Canadiana para o c o m o p r i o r i d a d e s d e I n tero p e ra b i l i d a d e, d o exe c u t a d o s p o r vá r i a s D e s e n v o l v i m e n t o intervenção a infra-estrutura, Sistema de Gestão da Terra e e n t i d a d e s, i n c l u i n d o Internacional), incluindo os o a c e s s o u n i v e r s a l, a Propriedade, do Sistema de empresas, e contam com fundos no âmbito da Reforma capacidade h u m a n a, a Gestão Financeira e Fiscal do d i f e r e n t e s f o n t e s d e do Sector Público. regulação, a governação, o Estado (e-sistafe), do financiamento. Por exemplo, Desnecessário é dizer que os d e s e n v o l v i m e n t o d e S i s t e m a d e R e g i s t o e a R e d e N a c i o n a l d e recursos de que dispomos são aplicações e conteúdo, etc. Identificação do Cidadão (no Tr a n s m i s s ã o, p r o j e c t o exíguos em relação aos planos Como muito enfaticamente qual se integra o NUIC- executado pela TDM, é e projectos que temos para s u b l i n h a a Po l í t i ca d e Informática, a nossa ambição o u o b j e c t i v o é q u e Moçambique seja produtor e não mero consumidor de tecnologias de informação e comunicação. Faltava ainda, no entanto, um instrumento que definisse como que um plano de acção o que ia ser feito, quem o iria fazer e quando para transformar a v i s ã o d a P o l í t i c a d e Informática em realidade tangível. É por isso que o Governo tomou a decisão de elaborar a Estratégia de Implementação da Política de Informática, aprovada em , a q u a l d e f i n i u Primeira-Ministra, Luísa Diogo, e o então Embaixador da Itália em Moçambique, Guido Larcher, justamente os grandes na cerimónia de lançamento do Portal do Governo em 2006 projectos a realizar nas áreas prioritárias da Política de N ú m e r o Ú n i c o d e financiado pela própria implementar. Por isso, o I n f o r m á t i c a Identificação do Cidadão), do empresa ou por fundos por nosso desejo e o nosso ( d e s e n v o l v i m e n t o d a S i stema d e Fa c i l i ta ção ela mobilizados. O projecto e- esforço são no sentido de que capacidade humana, infra- Empresarial e Registo de SISTAFE é financiado através tanto o Governo como os estrutura, conteúdos e Entidades Legais, e do de fundos do Estado e de n o s s o s p a r c e i r o s a p l i c a ç õ e s, r e g u l a ç ã o, S i stema d e I ntegra ção v á r i o s p a r c e i r o s d e internacionais elevem os g o v e r n o e l e c t r ó n i c o ), Horizontal dos Governos cooperação. Os projectos montantes com que apoiam incluindo o desenvolvimento Locais. É este conjunto implementados pela UTICT os nossos projectos. Mais: das TICs nas províncias. coerente de iniciativas ( p o r e x e m p l o, R e d e estamos a trabalhar no Como que a coroar todo este escalonadas no tempo que Electrónica do Governo, sentido de atrair novos esforço, em 2006, o Governo constitui o que constitui a Portal do Governo, Centros p a r c e i r o s, s e n d o a s aprovou a Estratégia de parte mais substantiva dos Provinciais de Recursos perspectivas encorajadoras. Governo Electrónico, a qual grandes projectos nacionais Digitais, etc.) são financiados MTM faz alinhamento da Estratégia no domínio das tecnologias com fundos do Orçamento do de Implementação da Politica d e i n f o r m a ç ã o e Estado e dos parceiros de *Continua na próxima edição d e I n fo r m á t i c a c o m a comunicação. cooperação (PNUD-Programa REFLEXÃO Passam 10 anos após a criação da Comissão da Política de Informática! Alguns acontecimentos como a aprovação da Por: Luís Canhemba Estratégia de Governo Electrónico e a inauguração Governo, inaugurado em G o v e r n o, e l a s f o r a m das seis áreas prioritárias da de vários projectos de 2006, com um registo de também direccionadas para Política de Informática e sua tecnologias de informação e cerca de 2,5 milhões de hits a redução das assimetrias E s t r a t é g i a d e comunicação concluídos no (vezes que um navegador regionais e para a promoção Implementação, constitui ano passado, vão ficar para acede a uma das páginas), é da inclusão social através de u m d o s r e q u i s i t o s sempre referenciados como um exemplo desses portais projectos de ensino à f u n d a m e n t a i s p a ra o os marcos históricos da que estão em sintonia com distância, da extensão da s u c e s s o d e t o d o s o s sociedade de informação em os serviços concentrados de R e d e E l e c t r ó n i c a d o programas, merecendo, por M o ç a m b i q u e, q u e s e atendimento público e a Governo aos Governos isso, uma atenção particular acredita será implantada e divulgação das actividades Provinciais, e do aumento do n o s p r o g r a m a s d e consolidada no país. Na verdade, o nosso país caminha, a passos largos, para esse objectivo global através de acções concretas e, hoje, não é um sonho falar dessa sociedade. P o n d o d e l a d o o j á g e n e r a l i z a d o u s o d a telefonia móvel, que atinge proporções de meio de comunicação de massas, a infra-estrutura da banda será, daqui a algum tempo, a solução para a crescente massificação do uso da internet. O Estado já tem uma rede electrónica, e cada vez mais recorre às novas tecnologias Tecnologias de Informação e Comunicação em Moçambique: A quantas andamos? Diversos parceiros nacionais e internacionais estão empenhados no desenvolvimento das TICs para rentabilizar as suas n a á r e a d e c i ê n c i a, n ú m e r o d o s C e n t r o s actividades da UTICT. Nesta actividades na área de tecnologia e inovação. Para Provinciais de Recursos perspectiva, as actividades administração financeira e além de se ter alinhado a Digitais (CPRDs) e Centros da UTICT centrou-se em prestação de serviços. introdução das novas Comunitários Multimédia duas linhas de orientação: O correio electrónico é cada t e c n o l o g i a s c o m o s (CMCs) nas zonas centro e F o r m a ç ã o e vez mais o meio privilegiado p r i n c i p a i s p r o g r a m a s norte do País. D e s e n v o l v i m e n t o d e para a comunicação. Para orientadores da governação, Recursos Humanos em TICs produzir, gerir e armazenar a como é o caso da Estratégia Formação e Desenvolvimento para o Desenvolvimento; e de Recursos informação, usam-se meios Global da Reforma do Sector F o r m a ç ã o e informáticos. Os portais são Público, Plano de Acção para Humanos em TICs para Sensibilização de Líderes e usados para uma interacção a Redução da Pobreza Desenvolvimento Funcionários Públicos em cada vez maior com os A b s o l u t a ( P A R P A ) e T I C s p a r a o cidadãos. O Portal do Programa Quinquenal do A capacidade humana, uma Desenvolvimento.

Projecto de Governo Electrónico e de Infra-estruturas de Comunicação

Projecto de Governo Electrónico e de Infra-estruturas de Comunicação Projecto de Governo Electrónico e de Infra-estruturas de Comunicação (Mozambique egovernment and Communication Infrastructure Project) (MEGCIP) 5º Fórum Lusófono das Comunicações Painel 4: Infra-estruturas

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

ANÚNCIO DE VAGA DESCRIÇÃO DO POSTO. Junho de 2012.

ANÚNCIO DE VAGA DESCRIÇÃO DO POSTO. Junho de 2012. ANÚNCIO DE VAGA DESCRIÇÃO DO POSTO Posição: Director Executivo Programa Inter Religioso Contra a Malária (PIRCOM) Projecto Academy for Educational Development/Communication for Change (C Change) Supervisor:

Leia mais

DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA MINISTRO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, ENSINO SUPERIOR E TÉCNICO-PROFISSIONAL

DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA MINISTRO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, ENSINO SUPERIOR E TÉCNICO-PROFISSIONAL República de Moçambique Ministério da Ciência e Tecnologia, Ensino Superior e Técnico-Profissional (MCTESTP) DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA MINISTRO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, ENSINO SUPERIOR E TÉCNICO-PROFISSIONAL

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Adoptada pelos Ministros da Saúde e Ministros do Ambiente na Segunda Conferência Interministerial sobre Saúde e

Leia mais

UMA VISÃO GERAL SOBRE O PROJECTODA WORLD WIDE WEB FOUNDATION "DIREITOS DAS MULHERES ONLINE" Por: Alsácia Atanásio. Coordenadora do Projecto

UMA VISÃO GERAL SOBRE O PROJECTODA WORLD WIDE WEB FOUNDATION DIREITOS DAS MULHERES ONLINE Por: Alsácia Atanásio. Coordenadora do Projecto UMA VISÃO GERAL SOBRE O PROJECTODA WORLD WIDE WEB FOUNDATION "DIREITOS DAS MULHERES ONLINE" Por: Alsácia Atanásio Coordenadora do Projecto SIITRI, Moçambique Ò o UMA VISÃO GERAL SOBRE O PROJECTO DA WORLD

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO. SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO. SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO Maputo, Abril de 2014 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO... 3 II. TEMAS APRESENTADOS...

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O POSTO DE CONSELHEIRO EM GESTÃO DE FINANÇAS PUBLICAS

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O POSTO DE CONSELHEIRO EM GESTÃO DE FINANÇAS PUBLICAS I. Introdução TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O POSTO DE CONSELHEIRO EM GESTÃO DE FINANÇAS PUBLICAS O melhoramento da prestação de serviços públicos constitui uma das principais prioridades do Governo da Província

Leia mais

ConselhoCientíficodoLNEGCo nselhocientíficodolnegconsel hocientíficodolnegconselho CientíficodoLNEGConselhoCie

ConselhoCientíficodoLNEGCo nselhocientíficodolnegconsel hocientíficodolnegconselho CientíficodoLNEGConselhoCie ConselhoCientíficodoLNEGCo nselhocientíficodolnegconsel hocientíficodolnegconselho CientíficodoLNEGConselhoCie RELATÓRIO DE ACTIVIDADES ntíficodolnegconselhocientífi Científico 2011 12/31/2011 codolnegconselhocientíficod

Leia mais

Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone 517 Fax: 517844

Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone 517 Fax: 517844 SA11715 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone 517 Fax: 517844 MECANISMO REVISTO DE ACOMPANHAMENTO DA IMPLEMENTAÇÃO, MONITORIZAÇÃO E AVALIAÇÃO DO PLANO

Leia mais

Descrição de Tarefas para a Posição de Director de Programas, Políticas e Comunicação da AAMOZ

Descrição de Tarefas para a Posição de Director de Programas, Políticas e Comunicação da AAMOZ Descrição de Tarefas para a Posição de Director de Programas, Políticas e Comunicação da AAMOZ ActionAid é uma federação internacional trabalhando para erradicar a pobreza e a injustiça. A ActionAid foi

Leia mais

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm Anexo C: Súmula das principais iniciativas desenvolvidas na Europa na área da Sociedade de Informação e da mobilização do acesso à Internet em banda larga Para informação adicional sobre os diversos países

Leia mais

Consultoria Para Mapeamento os Actores e Serviços de Apoio as Mulheres Vitimas de Violência no País 60 dias

Consultoria Para Mapeamento os Actores e Serviços de Apoio as Mulheres Vitimas de Violência no País 60 dias TERMO DE REFERÊNCIA Consultoria Para Mapeamento os Actores e Serviços de Apoio as Mulheres Vitimas de Violência no País 60 dias 1. Contexto e Justificação O Programa conjunto sobre o Empoderamento da Mulher

Leia mais

VI REUNIÃO DE MINISTROS DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Maputo, 15 de Abril de 2014

VI REUNIÃO DE MINISTROS DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Maputo, 15 de Abril de 2014 VI REUNIÃO DE MINISTROS DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Maputo, 15 de Abril de 2014 DECLARAÇÃO FINAL Os Ministros responsáveis pela Ciência, Tecnologia

Leia mais

Acção Social Produtiva em Moçambique: algumas questões chave para discussão

Acção Social Produtiva em Moçambique: algumas questões chave para discussão Acção Social Produtiva em Moçambique: algumas questões chave para discussão Denise Magalhães Projecto STEP em Moçambique Maputo, 12 de Maio de 2010 1 Elementos chave na definição de um Programa Nacional

Leia mais

Reforma institucional do Secretariado da SADC

Reforma institucional do Secretariado da SADC Reforma institucional do Secretariado da SADC Ganhamos este prémio e queremos mostrar que podemos ainda mais construirmos sobre este sucesso para alcançarmos maiores benefícios para a região da SADC e

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA FUNÇÃO PÚBLICA MODELO CONCEPTUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DE DESEMPENHO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA FUNÇÃO PÚBLICA MODELO CONCEPTUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DE DESEMPENHO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA FUNÇÃO PÚBLICA MODELO CONCEPTUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DE DESEMPENHO 1 CONTEXTUALIZAÇÃO A Reforma do sector público em curso no país enquadra se na estratégia mais

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 Adão Augusto, Consultor 12-02-2015 1. Contextualização. Os projectos sociais fazem parte de um sistema complexo de relações que envolvem

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE MOÇAMBIQUE NA IMPLEMENTAÇÃO DA SEGURANÇA SOCIAL BÁSICA

EXPERIÊNCIA DE MOÇAMBIQUE NA IMPLEMENTAÇÃO DA SEGURANÇA SOCIAL BÁSICA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA MULHER E DA ACÇÃO SOCIAL EXPERIÊNCIA DE MOÇAMBIQUE NA IMPLEMENTAÇÃO DA SEGURANÇA SOCIAL BÁSICA 16 DE OUTUBRO DE 2013 1 CONTEXTO DE MOÇAMBIQUE Cerca de 23 milhões de

Leia mais

TORs da Avaliação do CCF Julho, 2014

TORs da Avaliação do CCF Julho, 2014 1. CONTEXTO AVALIAÇÃO DO CENTRO CRIANÇA FELIZ Termos de Referência O projecto Centro Criança Feliz é uma iniciativa da IBIS Moçambique, concebida e por si implementada desde 2008. O projecto surgiu no

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE Local de trabalho: Maputo, Moçambique Duração do contrato: Três (3) meses: Novembro 2011

Leia mais

DESCRIÇÃO DO TRABALHO. Directora Nacional, WWF Moçambique

DESCRIÇÃO DO TRABALHO. Directora Nacional, WWF Moçambique DESCRIÇÃO DO TRABALHO Título de posição: Responde a: Supervisiona: Localização: Gestor de Comunicação Directora Nacional, WWF Moçambique Todo pessoal de comunicações Maputo, Moçambique Data: 19 de Agosto

Leia mais

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE . Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete . Objectivos e Princípios Orientadores O Sistema de Informação e Comunicação (SIC) da Rede Social de Alcochete tem como objectivo geral

Leia mais

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Eng. Mário Lino. Cerimónia de Abertura do WTPF-09

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Eng. Mário Lino. Cerimónia de Abertura do WTPF-09 INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Eng. Mário Lino Cerimónia de Abertura do WTPF-09 Centro de Congressos de Lisboa, 22 de Abril de 2009 (vale a versão

Leia mais

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 1.1- DOCENTES:... 4 1.2- NÃO DOCENTES:... 5 1.2.1- TÉCNICAS SUPERIORES EM EXERCÍCIO DE FUNÇÕES... 5 1.2.2- ASSISTENTES OPERACIONAIS EM EXERCÍCIO

Leia mais

A sustentabilidade da economia requer em grande medida, a criação duma. capacidade própria de produção e fornecimento de bens e equipamentos,

A sustentabilidade da economia requer em grande medida, a criação duma. capacidade própria de produção e fornecimento de bens e equipamentos, REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE -------- MINISTÉRIO DA ENERGIA GABINETE DO MINISTRO INTERVENÇÃO DE S.EXA SALVADOR NAMBURETE, MINISTRO DA ENERGIA, POR OCASIÃO DA INAUGURAÇÃO DA FÁBRICA DE CONTADORES DA ELECTRO-SUL

Leia mais

UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil Uma nova política para a sociedade da informação

UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil Uma nova política para a sociedade da informação UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil Uma nova política para a sociedade da informação Diogo Vasconcelos Gestor da Unidade de Missão Inovação e Conhecimento Brasília 2003 Artigo publicado

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

Plano tecnológico? Ou nem tanto?

Plano tecnológico? Ou nem tanto? Plano tecnológico? Ou nem tanto? WEB: ÉDEN?APOCALIPSE? OU NEM TANTO? Plano Tecnológico Mas, Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, além deste Contrato, o Novo Contrato para a Confiança, o nosso

Leia mais

ACQUALIVEEXPO. Painel A INTERNACIONALIZAÇÃO DO SECTOR PORTUGUÊS DA ÁGUA EVOLUÇÃO DO SECTOR DA ÁGUA NOS BALCÃS: O EXEMPLO DA SÉRVIA

ACQUALIVEEXPO. Painel A INTERNACIONALIZAÇÃO DO SECTOR PORTUGUÊS DA ÁGUA EVOLUÇÃO DO SECTOR DA ÁGUA NOS BALCÃS: O EXEMPLO DA SÉRVIA ACQUALIVEEXPO Painel A INTERNACIONALIZAÇÃO DO SECTOR PORTUGUÊS DA ÁGUA EVOLUÇÃO DO SECTOR DA ÁGUA NOS BALCÃS: O EXEMPLO DA SÉRVIA Lisboa, 22 de Março de 2012 1 1. Introdução A diplomacia económica é um

Leia mais

DIRECÇÃO REGIONAL DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E COMUNICAÇÔES

DIRECÇÃO REGIONAL DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E COMUNICAÇÔES DIRECÇÃO REGIONAL DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E COMUNICAÇÔES Missão : Dinamizar a investigação científica e promover o desenvolvimento tecnológico e a inovação para consolidar a Sociedade do Conhecimento na

Leia mais

Cimeira do Fórum Índia África

Cimeira do Fórum Índia África REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU Presidência da República Cimeira do Fórum Índia África Intervenção de Sua Excelência Senhor José Mário Vaz Presidente da República Nova Delhi, 29 de Outubro de 2015 Excelência,

Leia mais

Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro da Economia,

Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro da Economia, ANGOLA NO CONTEXTO DA INTEGRAÇAO ECONÓMICA REGIONAL 29 de Setembro, 2015 Intervenção do Doutor Paolo Balladelli, Representante Residente do PNUD em Angola Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro

Leia mais

Rio de Janeiro, 5 de Dezembro de 2003

Rio de Janeiro, 5 de Dezembro de 2003 Intervenção de Sua Excelência a Ministra da Ciência e do Ensino Superior, na II Reunião Ministerial da Ciência e Tecnologia da CPLP Comunidade dos Países de Língua Portuguesa Rio de Janeiro, 5 de Dezembro

Leia mais

Medição das TIC no contexto nacional: o caso do Brasil Maputo, Moçambique 7 de Julho de 2015

Medição das TIC no contexto nacional: o caso do Brasil Maputo, Moçambique 7 de Julho de 2015 Medição das TIC no contexto nacional: o caso do Brasil Maputo, Moçambique 7 de Julho de 2015 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO Dimensões das TIC e Políticas Públicas Apresentação de indicadores sobre os seguintes

Leia mais

Como elaborar um plano de divulgação para a expansão das abordagens de MIFS

Como elaborar um plano de divulgação para a expansão das abordagens de MIFS Como elaborar um plano de divulgação para a expansão das abordagens de MIFS Um bom plano de divulgação deverá assegurar que todos os envolvidos estão a par do que está a ser proposto e do que irá acontecer

Leia mais

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030.

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. O acordo sobre uma meta do Objectivo de Desenvolvimento Sustentável relativamente ao acesso universal

Leia mais

República de Moçambique Ministério da Ciência e Tecnologia Projecto de Governo Electrónico e de Infra-estrutura de Comunicação (MEGCIP)

República de Moçambique Ministério da Ciência e Tecnologia Projecto de Governo Electrónico e de Infra-estrutura de Comunicação (MEGCIP) República de Moçambique Ministério da Ciência e Tecnologia Projecto de Governo Electrónico e de Infra-estrutura de Comunicação (MEGCIP) Síntese da II Reunião do Comité Directivo do Projecto MEGCIP Data:

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências da Comunicação Regulamento Julho de 2008 CAPÍTULO I Natureza, Missão, Atribuições e Constituição Artigo 1º Natureza O Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências

Leia mais

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de julho de 2014 Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 Informações gerais O Acordo de Parceria abrange cinco fundos: Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Leia mais

Apresentado por: Miquelina Menezes Maputo, 17 de Novembro de 2011

Apresentado por: Miquelina Menezes Maputo, 17 de Novembro de 2011 Energia Para Moçambique Análise do potencial do país no âmbito da geração de energias renováveis e revisão dos projectos de energia solar, eólica, hídrica, biomassa e biodiesel Apresentado por: Miquelina

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Assunto: Integração das Transferências Sociais directas e indirectas no Orçamento do Estado: O Caso de Moçambique 1. A economia moçambicana registou nos

Leia mais

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO Decreto N. 2/ 2003 De 23 de Julho Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal O Decreto Lei N 7/ 2003 relativo à remodelação da estrutura orgânica

Leia mais

INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO

INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO O contexto da Globalização Actuação Transversal Aposta no reforço dos factores dinâmicos de competitividade Objectivos e Orientações Estratégicas para a Inovação Estruturação

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS As pequenas empresas são a espinha dorsal da economia europeia, constituindo uma fonte significativa de emprego e um terreno fértil para o surgimento de ideias empreendedoras.

Leia mais

2º Fórum Lusófono de Mulheres em Postos de Tomada de Decisão Luanda, 17-18 de Julho 2002

2º Fórum Lusófono de Mulheres em Postos de Tomada de Decisão Luanda, 17-18 de Julho 2002 2º Fórum Lusófono de Mulheres em Postos de Tomada de Decisão Luanda, 17-18 de Julho 2002 Tema: A Situação Actual da Educação das Jovens e Mulheres Leontina Virgínia Sarmento dos Muchangos Direcção Nacional

Leia mais

POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE

POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE Apresentado por :Zefanias Chitsungo (Director Nacional de Habitação e Urbanismo) INTRODUÇÃO Moçambique tem mais de 20 milhões de habitantes; sendo que

Leia mais

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros Decreto Lei n.º 15/99 De 8 de Outubro Considerando que a política científica tecnológica do Governo propende para uma intervenção

Leia mais

CENTRO DE INFORMAÇÃO EUROPE DIRECT DE SANTARÉM

CENTRO DE INFORMAÇÃO EUROPE DIRECT DE SANTARÉM CENTRO DE INFORMAÇÃO EUROPE DIRECT DE SANTARÉM Assembleia de Parceiros 17 de Janeiro 2014 Prioridades de Comunicação 2014 Eleições para o Parlamento Europeu 2014 Recuperação económica e financeira - Estratégia

Leia mais

Factura Electrónica by Carlos Costa Tavares Executive Manager da Score Innovation

Factura Electrónica by Carlos Costa Tavares Executive Manager da Score Innovation Factura Electrónica by Carlos Costa Tavares Executive Manager da Score Innovation Desafios da Facturação Electrónica A facturação electrónica (e-invoicing) poderá fazer parte das iniciativas emblemáticas

Leia mais

Diálogo 5 + 5. Quinta Conferência Ministerial. sobre a "Migração no Mediterrâneo Ocidental" Algeciras, 12 e 13 de Dezembro de 2006

Diálogo 5 + 5. Quinta Conferência Ministerial. sobre a Migração no Mediterrâneo Ocidental Algeciras, 12 e 13 de Dezembro de 2006 Diálogo 5 + 5 Quinta Conferência Ministerial sobre a "Migração no Mediterrâneo Ocidental" Algeciras, 12 e 13 de Dezembro de 2006 Conclusões da Presidência Nos dias 12 e 13 de Dezembro de 2006 teve lugar

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO, FORMAÇÃO PROFISSIONAL E SOLIDARIEDADE SOCIAL

MINISTÉRIO DO TRABALHO, FORMAÇÃO PROFISSIONAL E SOLIDARIEDADE SOCIAL MINISTÉRIO DO TRABALHO, FORMAÇÃO PROFISSIONAL E SOLIDARIEDADE SOCIAL PROGRAMA NACIONAL DE LUTA CONTRA A POBREZA (PNLP) PROGRAMA DE LUTA CONTRA A POBREZA NO MEIO RURAL(PLPR) C.P. 236, Praia, Tel.: 238/61-36-50,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CAP. I DISPOSIÇÕES GERAIS CAP. II ASSOCIADOS. Regulamento Interno. Artigo 1º Definições gerais.

REGULAMENTO INTERNO CAP. I DISPOSIÇÕES GERAIS CAP. II ASSOCIADOS. Regulamento Interno. Artigo 1º Definições gerais. REGULAMENTO INTERNO CAP. I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Definições gerais A Associação, que adopta a denominação de ADDICT Agência para o Desenvolvimento das Indústrias Criativas, adiante designada por

Leia mais

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade

Leia mais

MEDICUS MUNDI EM MOÇAMBIQUE A NOSSA PROPOSTA: CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS: VAMOS TORNÁ-LOS REALIDADE

MEDICUS MUNDI EM MOÇAMBIQUE A NOSSA PROPOSTA: CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS: VAMOS TORNÁ-LOS REALIDADE MEDICUS MUNDI EM MOÇAMBIQUE A NOSSA PROPOSTA: CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS: VAMOS TORNÁ-LOS REALIDADE Cuidados de Saúde Primários em Moçambique Já foi há mais de 30 anos que o sonho de Saúde para todos

Leia mais

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Definir o conceito de Help Desk; Identificar os diferentes tipos de Help Desk; Diagnosticar

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

Termos de Referência

Termos de Referência MAPEAMENTO DE PARTES INTERESSADAS (PARCEIROS E DOADORES) Termos de Referência 1. Contexto O Fundo Mundial para a Natureza (WWF) tem vindo a trabalhar em Moçambique desde os meados dos anos 90 em áreas-chave

Leia mais

CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM

CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM Pedro Jorge Richheimer Marta de Sequeira Marília Oliveira Inácio Henriques 1 P á g i n a 1. Enquadramento da Candidatura

Leia mais

Brasileiro faz plano de banda larga dos EUA

Brasileiro faz plano de banda larga dos EUA Brasileiro faz plano de banda larga dos EUA 4 de outubro de 2009 O brasileiro Carlos Kirjner, nomeado pelo presidente Barack Obama para o cargo de conselheiro do diretor-geral da Comissão Federal de Comunicações

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE OS ESTADOS MEMBROS DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA SOBRE O COMBATE AO HIV/SIDA

ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE OS ESTADOS MEMBROS DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA SOBRE O COMBATE AO HIV/SIDA Decreto n.º 36/2003 Acordo de Cooperação entre os Estados Membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa sobre o Combate ao HIV/SIDA, assinado em Brasília em 30 de Julho de 2002 Considerando a declaração

Leia mais

ANÚNCIO DE VAGA SECERTÁRIO DA COMISSÃO DA UNIÃO AFRICANA PARA O DIREITO INTERNACIONAL -10000517

ANÚNCIO DE VAGA SECERTÁRIO DA COMISSÃO DA UNIÃO AFRICANA PARA O DIREITO INTERNACIONAL -10000517 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis-Abeba (ETHIOPIE) P. O. Box 3243 Téléphone (251-11) 5517 700 Fax : 551 78 44 Website : www.au.int ANÚNCIO DE VAGA SECERTÁRIO DA COMISSÃO DA UNIÃO AFRICANA

Leia mais

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 1 2 O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 3 A origem do Fundo Social Europeu O Fundo Social Europeu foi criado em 1957 pelo Tratado de Roma,

Leia mais

O Programa de Desenvolvimento Municipal de Maputo e a ESTÃO MUNICIPAL DO SOLO URBANO

O Programa de Desenvolvimento Municipal de Maputo e a ESTÃO MUNICIPAL DO SOLO URBANO Painel 2: Serviço público de excelência casos de sucesso na Administração Pública O Programa de Desenvolvimento Municipal de Maputo e a ESTÃO MUNICIPAL DO SOLO URBANO 08 de Outubro de 2010 Visão da Cidade

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 255/IX RECOMENDA AO GOVERNO A TOMADA DE MEDIDAS COM VISTA AO DESENVOLVIMENTO DO SOFTWARE LIVRE EM PORTUGAL

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 255/IX RECOMENDA AO GOVERNO A TOMADA DE MEDIDAS COM VISTA AO DESENVOLVIMENTO DO SOFTWARE LIVRE EM PORTUGAL PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 255/IX RECOMENDA AO GOVERNO A TOMADA DE MEDIDAS COM VISTA AO DESENVOLVIMENTO DO SOFTWARE LIVRE EM PORTUGAL 1 O software desempenha, cada vez mais, um papel fulcral nas actividades

Leia mais

Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs

Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs Isabel Dinis, ACTUAR Lisboa, 3 de Junho de 2010 ACTUAR - ASSOCIAÇÃO

Leia mais

Serviços de Informação Assuntos Europeus Contratação Pública e Licitações Internacionais. aportamosvalor

Serviços de Informação Assuntos Europeus Contratação Pública e Licitações Internacionais. aportamosvalor Serviços de Informação Assuntos Europeus Contratação Pública e Licitações Internacionais aportamosvalor Junho de 2009 Mas... que é Euroalert.net? é um site de informação sobre a União Europeia no qual

Leia mais

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social II Fórum de Informação em Saúde IV Encontro da Rede BiblioSUS O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social Maria de Fátima Ramos Brandão Outubro/2007 1 Apresentação O Projeto Casa Brasil Modelos

Leia mais

ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE O GOVERNO DA AUSTRÁLIA. Novembro de 2011

ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE O GOVERNO DA AUSTRÁLIA. Novembro de 2011 ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE E O GOVERNO DA AUSTRÁLIA Novembro de 2011 Acordo de planeamento estratégico para o desenvolvimento Timor-Leste Austrália

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Estratégia da Comissão Nacional de Tecnologias de Informação Decreto nº. 6/02 de 4 de Abril Considerando que as tecnologias de informação constituem um elemento fundamental

Leia mais

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010 CÂMARA MUNICIPAL DE SANTARÉM - R EVOLUÇÃO ADMINISTRATIVA A Autarquia de Santarém, em parceria com a PT Prime, desenvolveu um sistema de soluções integradas e inter-operantes que lhe possibilitaram operacionalizar

Leia mais

DESPACHO ISEP/P/51/2010. Regulamento do Departamento de Engenharia Electrotécnica

DESPACHO ISEP/P/51/2010. Regulamento do Departamento de Engenharia Electrotécnica DESPACHO DESPACHO /P/51/2010 Regulamento do Departamento de Engenharia Electrotécnica Considerando que: Nos termos do n.º 4 do artigo 43.º dos Estatutos do Instituto Superior de Engenharia do Porto, homologados

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA, IOLANDA CINTURA SEUANE, MINISTRA DA MULHER E DA ACÇÃO SOCIAL DE MOÇAMBIQUE SOBRE O TEMA DESAFIOS DA PROTECÇÃO SOCIAL PARA ALCANÇAR A SEGURANÇA ALIMENTAR

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE)

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) 1. INTRODUÇÃO As actividades da União Europeia no domínio da

Leia mais

PRÉMIO NACIONAL DE JORNALISMO SOBRE TRIBUTAÇÃO

PRÉMIO NACIONAL DE JORNALISMO SOBRE TRIBUTAÇÃO Pr émio Nacional Jornalismo sobre Tributação PRÉMIO NACIONAL DE JORNALISMO SOBRE TRIBUTAÇÃO I. Justificação 1. A comunicação social desempenha, nos dias de hoje, um papel insubstituível na sociedade, ao

Leia mais

PHC dteamcontrol Externo

PHC dteamcontrol Externo PHC dteamcontrol Externo A gestão remota de projectos e de informação A solução via Internet que permite aos seus Clientes participarem nos projectos em que estão envolvidos, interagindo na optimização

Leia mais

(CRÉDITO Nº 4684) FUNDO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL FDI GUIÃO DE CONCEPÇÃO DE PROJECTOS 4.º CICLO DE CANDIDATURAS

(CRÉDITO Nº 4684) FUNDO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL FDI GUIÃO DE CONCEPÇÃO DE PROJECTOS 4.º CICLO DE CANDIDATURAS REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Direcção para a Coordenação do Ensino Superior DICES Projecto do Ensino Superior, Ciência e Tecnologia HEST UNIDADE DE COORDENAÇÃO DO PROJECTO (CRÉDITO Nº

Leia mais

ESTABELECIMENTO DO CENTRO DE CONHECIMENTO SOBRE MUDANÇA CLIMÁTICA EM MOÇAMBIQUE

ESTABELECIMENTO DO CENTRO DE CONHECIMENTO SOBRE MUDANÇA CLIMÁTICA EM MOÇAMBIQUE ESTABELECIMENTO DO CENTRO DE CONHECIMENTO SOBRE MUDANÇA CLIMÁTICA EM MOÇAMBIQUE Contexto do Centro de Conhecimento FASE I do INGC Necessidade de um corpo de Moçambicanos preparados para responder os desafios

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

Estrutura da Apresentação

Estrutura da Apresentação As políticas nacionais para a Sociedade do Conhecimento: literacia/competências digitais e inclusão social Graça Simões Agência para a Sociedade do Conhecimento UMIC Biblioteca Municipal Orlando Ribeiro

Leia mais

Estratégias regionais, para a investigação e inovação, implementadas nas Regiões. O que foi feito?

Estratégias regionais, para a investigação e inovação, implementadas nas Regiões. O que foi feito? Estratégias regionais, para a investigação e inovação, implementadas nas Regiões Ultraperiféricas e Cabo Verde: O que foi feito? O que está a ser fit? feito? Resolução do Conselho do Governo nº41/2008,

Leia mais

MICRO-FINANCIAMENTO PARA HABITAÇÃO SUSTENTAVEL NA AFRICA SUB-SAHARIANA: UMA INICIATIVA DE APOIO REGIONAL 1 Maputo, Moçambique 25 Janeiro 2012 URBAN FINANCE BRANCH Sept 11, 2009 CPR Working Group meeting

Leia mais

A VISÃO do ENERGYIN Motivos da sua criação & Objectivos

A VISÃO do ENERGYIN Motivos da sua criação & Objectivos Pólo da Competitividade e Tecnologia da Energia (PCTE) O papel do PCTE na energia solar em Portugal 8 e 9 de Fevereiro de 2010 António Mano - EDP Antonio.ermidamano@edp.pt A VISÃO do ENERGYIN Motivos da

Leia mais

LINHA CRIATIVA, Informática & Soluções PORTFOLIO

LINHA CRIATIVA, Informática & Soluções PORTFOLIO LINHA CRIATIVA, Informática & Soluções PORTFOLIO 2015 A LINHA CRIATIVA é uma solução de TI focada em produtos inteligentes e simples, actuando no sector de empresas de médio e pequeno porte, nas áreas

Leia mais

America Acessivel: Informação e Comunicação para TODOS 12 14 de novembro de 2014 São Paulo, Brasil

America Acessivel: Informação e Comunicação para TODOS 12 14 de novembro de 2014 São Paulo, Brasil America Acessivel: Informação e Comunicação para TODOS 12 14 de novembro de 2014 São Paulo, Brasil Pautas para a promoção da acessibilidade das TIC para pessoas com Deficiência na região das Americas Preâmbulo

Leia mais

Relatório de Actividades do Ano de 2013 do Conselho Consultivo da Reforma Jurídica. Conselho Consultivo da Reforma Jurídica

Relatório de Actividades do Ano de 2013 do Conselho Consultivo da Reforma Jurídica. Conselho Consultivo da Reforma Jurídica Relatório de Actividades do Ano de 2013 do Conselho Consultivo da Reforma Jurídica Conselho Consultivo da Reforma Jurídica Março de 2014 Índice 1. Resumo das actividades....1 2. Perspectivas para as actividades

Leia mais

UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, Ethiopia P.O. Box 3243 Téléphone: 251115511092 Fax: 251115510154 Site Internet: www.africa-union.

UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, Ethiopia P.O. Box 3243 Téléphone: 251115511092 Fax: 251115510154 Site Internet: www.africa-union. AFRICAN UNION UNION AFRICAINE PRIMEIRO PROJECTO DO CONVITE PARA A APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS SOBRE O TEMA: EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Ao abrigo das Decisões da Conferência da União Africana Assembly/AU/Dec.277(XVI)

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA INTERVENÇÃO DE SUA EXCIA, MINISTRA DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, PROFª. DOUTORA, MARIA CÂNDIDA PEREIRA, DURANTE A SESSÃO DE ABERTURA DO WORKSHOP SOBRE

Leia mais

Software Livre Expectativas e realidades

Software Livre Expectativas e realidades Software Livre Expectativas e realidades Bruno Dias ( GP PCP ) Patrocinadores Principais Patrocinadores Globais Software Livre Expectativas e realidades Bruno Dias Grupo Parlamentar do PCP gp_pcp@pcp.parlamento.pt

Leia mais

FÓRUM DA GESTÃO DO ENSINO SUPERIOR NOS PAÍSES E REGIÕES DE LÍNGUA PORTUGUESA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Recife. 4, 5 e 6 de Dezembro de 2013

FÓRUM DA GESTÃO DO ENSINO SUPERIOR NOS PAÍSES E REGIÕES DE LÍNGUA PORTUGUESA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Recife. 4, 5 e 6 de Dezembro de 2013 FÓRUM DA GESTÃO DO ENSINO SUPERIOR NOS PAÍSES E REGIÕES DE LÍNGUA PORTUGUESA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Recife 4, 5 e 6 de Dezembro de 2013 Irene Mendes Universidade Politécnica (A POLITÉCNICA)

Leia mais

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial 2 PRIMAVERA BSS Qpoint Rumo à Excelência Empresarial Numa era em que a competitividade entre as organizações é decisiva para o sucesso empresarial, a aposta na qualidade e na melhoria contínua da performance

Leia mais

AFRICAN UNION UNION AFRICAINE

AFRICAN UNION UNION AFRICAINE AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone : 011-551 7700 Fax : 011-551 7844 website : www. au.int Criada como um organismo Pan-africano continental único,

Leia mais

República de Moçambique. Ministério Das Finanças

República de Moçambique. Ministério Das Finanças República de Moçambique Ministério Das Finanças CEDSIF Centro de Desenvolvimento de Sistemas de Informação de Finanças TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O OBJECTO 1 E/OU OBJECTO 2 MAPUTO, Setembro de 2012 2 Introdução

Leia mais