MINISTERIO DE AGRICULTURA E DESENVOLVIMENTO RURAL DIRECÇÃO GERAL DE ENGENHARIA E DESENVOLVIENTO RURAL LABORATÓRIO NACIONAL DOS SOLOS, ÁGUA E PLANTAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINISTERIO DE AGRICULTURA E DESENVOLVIMENTO RURAL DIRECÇÃO GERAL DE ENGENHARIA E DESENVOLVIENTO RURAL LABORATÓRIO NACIONAL DOS SOLOS, ÁGUA E PLANTAS"

Transcrição

1 REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU MINISTERIO DE AGRICULTURA E DESENVOLVIMENTO RURAL DIRECÇÃO GERAL DE ENGENHARIA E DESENVOLVIENTO RURAL LABORATÓRIO NACIONAL DOS SOLOS, ÁGUA E PLANTAS É sabido que agricultura sem préstimos laboratoriais é como que um corro sem luz em noites escuras ou seja um cego a caminhar sozinho sem o guia. Entretanto, sublinhase assim a imprescindível importância do laboratório para agricultura que se pretende moderna forte e ajuizada. Ajuizada no sentido de informações laboratoriais claras sobre o substrato solo para permitir recomendações e orientações precisas e aconselhadoras de práticas correctas do uso desse substrato e respeitadoras do ambiente e da biodiversidade (numa palavra, sustentabilidade do uso do solo). A Guiné-Bissau nesse âmbito, dado a persistente instabilidade político-militar, destacando-se a de sete de Junho de 998, veio a despojar o laboratório de solos do seu equipamento, sendo necessária a sua reposição para permiti-lo continuar a

2 prestar serviços a agricultura nacional. Nesse sentido segue-se a proposta da Guiné- Bissau: ITENS DESIGNAÇÃO FUNÇÃO / CARACTERISTICA QUANTIDADE OBS.: Espectrofotómetro de absorção atómica de simples feixe Sua função é analisar íons, tais como Potássio, Cálcio, Magnésio, Cobre, entre outros, que fazem parte dos macro e micronutrientes do solo. Essa análise atende os actuais limites de detecção exigidos pela agricultura de precisão. 2 Agitador electromagnético e Tamises (peneiras) Para análises granulométricas com 8, 5 ou 3 polegadas de diâmetro. 3 Agitador Dispersor de Solos Equipamento utilizado em análise física do solo, na dispersão de solos para posterior separação da argila, silte e areia.

3 4 Agitador mecânico multi-provas Equipamento utilizado para agitação mecânica em fluídos, líquidos de baixa viscosidade e material em suspensão simultaneamente. 2 5 Agitador rotativo Para análise física de solos Temporizador: Digital - Programável até 99:59 horas. Desligamento automático ao término do tempo programado. 6 Espectrofotómetro Automático (Analisador de íons por método FIA) que mede íons em meios aquosos e extractos com baixo consumo de reagentes. Equipamento utilizado para análises de alcalinidade, amónia, cálcio, cloreto, crómio, cianeto, fluoreto, dureza, ferro, magnésio, nitrato, nitrito, nitrogénio total, fenol, fosfato, fósforo total, sílica, sulfato e sulfito.

4 7 Analisador de TOC (Carbono Orgânico Total) por método de oxidação O Aurora 030W TOC Analyzer, da O.I Analytical, processa amostras aquosas para análise de carbono orgânico total (TOC), carbono inorgânico total (TIC), e carbono orgânico não ligado (NPOC). 8 Balança de precisão Shimadzu Balança de alta estabilidade; Função contadora e várias unidades de conversão a escolha do usuário. 4 9 Balança determinadora de humidade Unidade: Por infra-vermelho Calibração: Automática. 0 Deionizador 50 Litros Vazão máxima 50 l/h, 5 litros de resina mista. Trata grandes volumes de água dando-lhes uma pureza iónica superior a da água bidestilada, sem consumir energia eléctrica ou água de refrigeração,

5 economizando tempo e reduzindo os custos operacionais. Espectrofotómetro Leitura: Absorbância, transmitância, concentração. 2 Medidor portátil de ph e CE Num único aparelho com respectivos elementos. Tipo: EIJKELKAMP, P.O. Box 4 3 Medidor de ph de bancada microprocessado Display: Alfanumérico fornece mensagens que guiam o usuário e impedem erros de utilização. Gabinete: Em aço carbono com tratamento anticorrosivo e pintura electrostática Mesa Agitadora Orbital Equipamento utilizado em laboratórios de fertilidade de solos. Possui as plataformas necessárias para realização dos métodos de Resina e Mehlich.

6 6 Pipetador Utilizado para análises na preparação do solo, para fins de fertilidade 7 Moinho solo tipo martelo Utilizado para preparação de solos para posterior análise.

7 8 Estufa de secagem e esterilização com circulação e renovação de ar Utilizada para determinação de humidade e secagem de amostras em geral 9 Medidor de fotossíntese (IRGA) Utilizado para medição de fotossíntese, transpiração, condutância estomática, radiação PAR e o CO 2 interno. Todas essas medições estão convenientemente incluídas num equipamento fácil de ser manuseado, sendo o menor, o mais rápido e o mais preciso medidor de fotossíntese de campo. - Um sistema completo de fotossíntese numa maleta portátil - Extremamente leve - Analisador estável para medições precisas de CO 2 e H 2 O - Sistema de medição de abertura e fechamento. - 9 câmaras trocáveis para diferentes tipos de folhas. - Opcional: câmara de respiração do solo e dossel de planta são disponíveis. - Opcional: Conexões com módulos abrangem luz, controle de temperatura, fornecimento de CO 2 / H 2 O e medição de fluorescência de clorofila. - Controla automaticamente luz, temperatura, e concentração de CO 2 / H 2 O na câmara foliar. - Medição infravermelho da temperatura foliar sem contacto. - Mensura a fluorescência da clorofila e a fotossíntese simultaneamente. 20 Fluorímetro para análise de Metais Pesados O fluorímetro portátil AND000 permite testes de campo, em menos de dois minutos, com baixo custo operacional, mais simples e rápido que as tradicionais análises de metais pesados em água. Utilizando uma inovadora técnica com biossensores fabricados com DNA artificial.

8 2 Capela para exaustão de gases Capela para exaustão de gases Utilizada para proteger de gases tóxicos no laboratório e evitar a contaminação dos funcionários. 22 Estufa de secagem e esterilização Utilizada para secagem e esterilização de material e vidrarias em geral

A ÁGUA COMO REAGENTE PURA PURA PURA Destilação - Deionização Osmose Reversa - Filtração através de Carvão Ativado Ultrafiltração -

A ÁGUA COMO REAGENTE PURA PURA PURA Destilação - Deionização Osmose Reversa - Filtração através de Carvão Ativado  Ultrafiltração - 1 A ÁGUA COMO REAGENTE A água é o suprimento do Laboratório Clínico de menor custo. Talvez, por este motivo, sua qualidade seja tão negligenciada, apesar de ser um reagente importante e o mais utilizado.

Leia mais

Laboratórios de Pesquisa da Biologia

Laboratórios de Pesquisa da Biologia Laboratórios de Pesquisa da Biologia 1 - Laboratório de Biologia e Ecologia Animal (B 1.01) Conta com um espaço físico de 12m x 12m (144m²) phmetro ou medidor de ph: é um aparelho usado para medição de

Leia mais

3. Materiais, amostras, procedimentos analíticos:

3. Materiais, amostras, procedimentos analíticos: 3. Materiais, amostras, procedimentos analíticos: 3.1 Materiais: A Tabela 3.1 apresenta os equipamentos e materiais utilizados, suas características principais, fornecedores, e em quais procedimentos os

Leia mais

HI 83200. www.hannacom.pt. Fotómetros Multiparâmetros até 45 Métodos de Medição. Certificado ISO 9001:2000

HI 83200. www.hannacom.pt. Fotómetros Multiparâmetros até 45 Métodos de Medição. Certificado ISO 9001:2000 HI 83200 S É R I E 2 0 0 8 Fotómetros Multiparâmetros até 45 Métodos de Medição Certificado ISO 9001:2000 www.hannacom.pt Botão Setup As preferências do instrumento, como a intensidade e contraste do ecrã

Leia mais

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00033/2014-000

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00033/2014-000 26267 - UNIVERSIDADE FED DA INTEGR LATINO-AMERICANA 58658 - UNIVERSIDADE FED. DA INTEGR. LATINO-AMERICANA RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00033/20-000 - Itens da Licitação - APARELHO ENSAIOS FÍSICOS

Leia mais

INSTRUMENTOS DE MENSURAÇÃO AMBIENTAL

INSTRUMENTOS DE MENSURAÇÃO AMBIENTAL INSTRUMENTOS DE MENSURAÇÃO AMBIENTAL Mini Medidor Multifuncional 9 em 1 Instrutemp ITSP-8001 Termo-Higrômetro Cálculo de Ponto de Orvalho e Bulbo Úmido ITHT-2220 Anemômetro Digital Portatil ITAN-710 Medidor

Leia mais

Guia prático para Controle e Análise de Águas (Laboratório - Campo)

Guia prático para Controle e Análise de Águas (Laboratório - Campo) Guia prático para Controle e Análise de Águas (Laboratório - Campo) Abril 2001 ÍNDICE Versão original: NEURTEK Medio Ambiente (Espanha) Adaptação e Tradução: UMWELT Assessoria Ambiental 1 INTRODUÇÃO...3

Leia mais

http://intranet.ad.finep.gov.br/sistemas/operacionais/acompanhamento_tecnico/cron...

http://intranet.ad.finep.gov.br/sistemas/operacionais/acompanhamento_tecnico/cron... Página 1 de 5 RELAÇÃO DE ITENS DA CONTRAPARTIDA E DE OUTROS APORTES Referência: 0636/10 Convênio: 01.10.0767.01 Despesas Acessórias de Importação Conjunto de Componentes para vácuo Sistema de vácuo com

Leia mais

Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura. de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães

Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura. de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura Júlio César C de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães Sumário 1. História do café no Brasil 2. Conceitos e legislação

Leia mais

ÁGUA REAGENTE NO LABORATÓRIO CLÍNICO

ÁGUA REAGENTE NO LABORATÓRIO CLÍNICO ÁGUA REAGENTE NO LABORATÓRIO RIO CLÍNICO Água reagente no laboratório rio clínico Água de grau reagente (água( pura); Processos de purificação: destilação e deionização (+ usado atualmente). Especificações

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 5 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO BRASÁGUA TRATAMENTO DE ÁGUA E EFLUENTES DO BRASIL LTDA

Leia mais

Matriz - Prova de recuperação modular- Cursos profissionais Física e Química- Módulo Q3- Reações Químicas Duração da Prova: 90 min (prova escrita)

Matriz - Prova de recuperação modular- Cursos profissionais Física e Química- Módulo Q3- Reações Químicas Duração da Prova: 90 min (prova escrita) Matriz - Prova de recuperação modular- Cursos profissionais Física e Química- Módulo Q3- Reações Químicas Duração da Prova: 90 min (prova escrita) O presente documento divulga informação relativa à prova

Leia mais

A.R.S. ALENTEJO, I.P. DEPARTAMENTO DE SAÚDE PÚBLICA LABORATÓRIOS DE SAÚDE PÚBLICA

A.R.S. ALENTEJO, I.P. DEPARTAMENTO DE SAÚDE PÚBLICA LABORATÓRIOS DE SAÚDE PÚBLICA TABELA DE S ANÁLISE DE ÁGUAS DESTINADAS A CONSUMO HUMANO ANÁLISE FÍSICA-QUÍMICA SUMÁRIA ANÁLISES POR GRUPO DE ENSAIO Q1 Condutividade, oxidabilidade, turvação, cor, ph, alcalinidade, dureza total, nitratos,

Leia mais

Curso superior em Agronomia GESA- Grupo de estudo em solos agrícolas Absorção de nutrientes e Fotossíntese Bambuí-MG 2009 Alunas: Erica Marques Júlia Maluf É o processo pelo qual a planta sintetiza compostos

Leia mais

Relatório de Laboratórios Certificados pela FATMA até 11/2013

Relatório de Laboratórios Certificados pela FATMA até 11/2013 Relatório de Laboratórios Certificados pela FATMA até 11/2013 Nome do Laboratório No da Certidão Validade Credenciador Matriz Descrição do Parâmetro Acquaplant Quimica do Brasil Ltda. 3/2013 20-12-2014

Leia mais

Ensaio de Proficiência

Ensaio de Proficiência Ensaio de Proficiência Cromatografia de Íons - Variações de Cátions e Ânions - Bruno César Diniz Metrohm Pensalab bcd@metrohm.com.br IC - Ânions e Cátions Conteúdo Precisão X Exatidão Qualificação de Operação

Leia mais

Manutenção de Campo / FERTILIZAÇÃO Daniel Tapia. Realização: Federação Paulista de Golfe

Manutenção de Campo / FERTILIZAÇÃO Daniel Tapia. Realização: Federação Paulista de Golfe Manutenção de Campo / FERTILIZAÇÃO Daniel Tapia Realização: Federação Paulista de Golfe Manutenção de Campo / FERTILIDADE A planta absorve os nutrientes pelas raízes e pelas folhas. A absorção pelas raízes

Leia mais

Apoiada nestes 3 pilares buscamos oferecer uma completa linha de produtos e serviços (de???), oferecendo aos nosso clientes o mais elevado nível de

Apoiada nestes 3 pilares buscamos oferecer uma completa linha de produtos e serviços (de???), oferecendo aos nosso clientes o mais elevado nível de Apoiada nestes 3 pilares buscamos oferecer uma completa linha de produtos e serviços (de???), oferecendo aos nosso clientes o mais elevado nível de satisfação, de forma sustentável. Solução analítica para

Leia mais

Informação Técnica 10.08.01 E 09.2003 Offset Serviços. Molhagem em impressão offset Fatos importantes para o uso nos aditivos de molhagem offset 1/5

Informação Técnica 10.08.01 E 09.2003 Offset Serviços. Molhagem em impressão offset Fatos importantes para o uso nos aditivos de molhagem offset 1/5 Informação Técnica 10.08.01 E 09.2003 Offset Serviços Molhagem em impressão offset Fatos importantes para o uso nos aditivos de molhagem offset 1/5 O processo de impressão offset Offset continua a ser

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Folha: 01/05 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO IBRA INTITUTO BRASILEIRO DE ANÁLISES QUIMICAS, FÍSICAS E BIOLÓGICAS LTDA AGRICULTURA E PECUÁRIA TECIDO VEGETAL Determinação do Boro pelo método Colorimétrico

Leia mais

Termo de Referência Processo nº 34/15 Edital nº 27/15 Pregão 17/15. Obs.: O preço desse item deverá ser considerado por quilo na base seca.

Termo de Referência Processo nº 34/15 Edital nº 27/15 Pregão 17/15. Obs.: O preço desse item deverá ser considerado por quilo na base seca. Termo de Referência Processo nº 34/15 Edital nº 27/15 Pregão 17/15 Objeto: LOTE 1: Fornecimento parcelado de 5 (cinco) toneladas de Ortopolifosfato a 55%. Obs.: O preço desse item deverá ser considerado

Leia mais

GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 11 DE MARÇO DE 2009

GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 11 DE MARÇO DE 2009 GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 11 DE MARÇO DE 2009 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso

Leia mais

TERMO DE ADJUDICAÇÃO. Item 0001

TERMO DE ADJUDICAÇÃO. Item 0001 TERMO DE ADJUDICAÇÃO Às 09:57 horas do dia 24 de maio de 2012, o Pregoeiro Oficial da Prefeitura Municipal de Juiz de Fora, designado pela portaria Portaria nº 1766 - CPL após analise da documentação do

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO Objetivo DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO Este documento tem como objetivo definir diretrizes e orientações para projetos de laboratórios de Sistemas de Tratamento de Água. Considerações iniciais Para estabelecimentos

Leia mais

Valongo- 24 de abril de 2014. Ana Heitor ana.heitor@arsnorte.min-saude.pt

Valongo- 24 de abril de 2014. Ana Heitor ana.heitor@arsnorte.min-saude.pt Ana Heitor ana.heitor@arsnorte.min-saude.pt Água, o princípio de todas as coisas Tales de Mileto, 625 a.c. Ideias são sementes Há 2.000 anos, a população mundial correspondia a 3% da população actual,

Leia mais

Determinação do Resíduo Mineral Fixo em Leite e Derivados Lácteos

Determinação do Resíduo Mineral Fixo em Leite e Derivados Lácteos 1 Escopo MAPA/SDA/CGAL Página 1 de 5 Este MET tem como objetivo determinar os procedimentos para o ensaio Determinação do resíduo mineral fixo em amostras de leite e derivados lácteos. É aplicável para

Leia mais

SOLUÇÕES EM INSTRUMENTAÇÃO ANALÍTICA

SOLUÇÕES EM INSTRUMENTAÇÃO ANALÍTICA SOLUÇÕES EM INSTRUMENTAÇÃO ANALÍTICA Monitoramento de qualidade de água e sensores para gases A qualidade do ar que respiramos e da água que bebemos é uma preocupação básica de todos nós. A Analytical

Leia mais

QUÍMICA QUESTÃO 41 QUESTÃO 42

QUÍMICA QUESTÃO 41 QUESTÃO 42 Processo Seletivo/UNIFAL- janeiro 2008-1ª Prova Comum TIPO 1 QUÍMICA QUESTÃO 41 Diferentes modelos foram propostos ao longo da história para explicar o mundo invisível da matéria. A respeito desses modelos

Leia mais

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO O laudo (Figura 1) indica os valores determinados no laboratório para cada camada do perfil do solo, servindo de parâmetros para direcionamento de métodos corretivos. Figura

Leia mais

ph de Bancada Guia Seletivo

ph de Bancada Guia Seletivo ph de Bancada Guia Seletivo Use o quadro abaixo para encontrar o melhor Medidor de ph para sua necessidade. Veja páginas 18 a 22 para informações mais detalhadas sobre estes produtos. Veja página número

Leia mais

Ensaio: Acidez, Alcalinidade, Cloreto, Condutividade, Cor, Demanda Bioquímica de Oxigênio DBO 5D, Demanda de Cloro,Fluoreto, Iodeto

Ensaio: Acidez, Alcalinidade, Cloreto, Condutividade, Cor, Demanda Bioquímica de Oxigênio DBO 5D, Demanda de Cloro,Fluoreto, Iodeto Página: 2 de 8 -------------------- INFORMAÇÕES PARA AMOSTRAGEM EM FUNÇÃO DO ENSAIO Ensaio: Acidez, Alcalinidade, Cloreto, Condutividade, Cor, Demanda Bioquímica de Oxigênio DBO 5D, Demanda de Cloro,Fluoreto,

Leia mais

4.4.2. Controlo da descarga das águas residuais produzidas

4.4.2. Controlo da descarga das águas residuais produzidas 3.1.5. Pontos de emissão 3.1.5.1. Águas residuais e pluviais O efluente após tratamento na ETAL, é descarregado para um sistema de drenagem colectivo (ED1), e encaminhado para ETAR Municipal de Angra do

Leia mais

Helena Campos (Engenharia Química)

Helena Campos (Engenharia Química) Tipos de água Laboratorial e suas aplicações Helena Campos (Engenharia Química) 28 de Setembro de 2010 Principais contaminantes da água Particulas Suspensas: Sílica (SiO 2 ) Resíduos das tubagens Matéria

Leia mais

Relatório Técnico caracterização laboratorial de solos

Relatório Técnico caracterização laboratorial de solos Relatório Técnico caracterização laboratorial de solos Dados das amostras: Tipo: Solos de uso Agrícola; Proprietário: Sinergeo - Soluções Aplicadas Em Geologia, Hidrogeologia E Ambiente Lda Endereço: Edificio

Leia mais

CAPÍTULO 3 MATERIAL E MÉTODOS

CAPÍTULO 3 MATERIAL E MÉTODOS CAPÍTULO 3 MATERIAL E MÉTODOS 3. LOCAL DOS EXPERIMENTOS O trabalho foi realizado na Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP - Campinas, SP), em casa de vegetação do Departamento de Fisiologia Vegetal

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 7 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO CETESB - Companhia Ambiental do Estado de São Paulo

Leia mais

17 ÁGUA DE RESFRIAMENTO

17 ÁGUA DE RESFRIAMENTO 215 17 ÁGUA DE RESFRIAMENTO A remoção de calor indesejável na operação de um processo industrial algumas vezes é necessário. Entre os meios utilizados a água é tida como eficaz na absorção e no afastamento

Leia mais

Determinação colorimétrica de fósforo total em produtos de origem animal

Determinação colorimétrica de fósforo total em produtos de origem animal Página 1 de 8 1 Escopo Este método tem por objetivo determinar o teor de fósforo de produtos de origem animal. 2 Fundamentos O método se baseia na conversão do fósforo presente na amostra em ortofosfato.

Leia mais

Capa. O QUE ESTÁ DENTRO É O QUE CONTA ALTAIR 5X detector multigás com tecnologia de sensor MSA XCell

Capa. O QUE ESTÁ DENTRO É O QUE CONTA ALTAIR 5X detector multigás com tecnologia de sensor MSA XCell Capa O QUE ESTÁ DENTRO É O QUE CONTA ALTAIR 5X detector multigás com tecnologia de sensor MSA XCell Totalmente compatível com MSA Link e sistema de teste automatizado MSA GALAXY Variedade de sensores infravermelhos

Leia mais

AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Procedimentos e normas de segurança em laboratórios escolares parte 1

AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Procedimentos e normas de segurança em laboratórios escolares parte 1 AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Procedimentos e normas de segurança em laboratórios escolares parte 1 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL - 3º ANO DO ENSINO MÉDIO OBJETIVO Propor e explicar procedimentos padrão

Leia mais

ÁGUA REAGENTE Sistema: Máster System MS2000

ÁGUA REAGENTE Sistema: Máster System MS2000 POPE n.º: E 03 Página 1 de 8 1. Objetivo: Estabelecer a sistemática para produção de água reagente Tipo 2 para o abastecimento do equipamento COBAS INTEGRA 400 Plus, dos demais equipamentos que utilizam

Leia mais

De onde vêm as lágrimas?

De onde vêm as lágrimas? De onde vêm as lágrimas? É toda substância que, em solução aquosa, sofre dissociação, liberado pelo menos um cátion diferente de H + e um ânion diferente de OH -. a) Presença de oxigênio b) Sal não oxigenado

Leia mais

http://comprasnet.gov.br/acesso.asp?url=/livre/pregao/ata0.asp 1/180

http://comprasnet.gov.br/acesso.asp?url=/livre/pregao/ata0.asp 1/180 158516.262014.174875.4952.10545634435.805 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Santa Catarina Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Ata de Realização do Pregão

Leia mais

Ata de Realização do Pregão Eletrônico Nº 00009/2012 (SRP)

Ata de Realização do Pregão Eletrônico Nº 00009/2012 (SRP) 1 de 80 20/08/2012 15:50 Pregão Eletrônico 158459.92012.64842.4466.2443569792.881 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria Executiva Subsecretaria de Planejamento e Orçamento Instituto Federal de Educação, Ciencia

Leia mais

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Parâmetros de qualidade da água Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Coloração - COR Variáveis Físicas associada à presença

Leia mais

Adubação Fosfatada. Leonardo de Oliveira Machado. 1 Introdução. 2 Origem dos Adubos Fosfatados

Adubação Fosfatada. Leonardo de Oliveira Machado. 1 Introdução. 2 Origem dos Adubos Fosfatados Adubação Fosfatada Leonardo de Oliveira Machado 1 Introdução O nitrogênio, o fósforo e o potássio são os três elementos geralmente usados em maior escala na adubação. Analizando os tecidos vegetais verifica-se

Leia mais

HIDROPONIA Qualidade da água. Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM

HIDROPONIA Qualidade da água. Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM HIDROPONIA Qualidade da água Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM CURIOSIDADES DA ÁGUA 75% da terra está coberta com água Terra plana: cobertura de 2,5 km de água 0,005% se move por dia no ciclo hidrológico

Leia mais

THORNTON. Líder em Analítica de Água Pura. Indústria de Energia. Soluções de Analítica de Processo Otimizando a Química de Geração de Energia

THORNTON. Líder em Analítica de Água Pura. Indústria de Energia. Soluções de Analítica de Processo Otimizando a Química de Geração de Energia THORNTON Líder em Analítica de Água Pura Indústria de Energia Soluções de Analítica de Processo Otimizando a Química de Geração de Energia Competência da METTLER TOLEDO METTLER TOLEDO Compromisso com Inovação

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA PROMI FERTIL Especial Hortícolas 18-8-6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Data de emissão: 13 / 03 / 08 Nome do produto: Promi-Fertil Especial Hortícolas 18-8-6 Uso do

Leia mais

MEDIDOR DE OXIGÊNIO COM SENSOR ÓPTICO

MEDIDOR DE OXIGÊNIO COM SENSOR ÓPTICO ProODO MEDIDOR DE OXIGÊNIO COM SENSOR ÓPTICO O medidor YSI satisfaz as necessidades para leitura de oxigênio no campo e laboratório. Possui nova tecnologia de leitura através de sensores Ópticos, que permitem

Leia mais

RESOLUÇÃO ARSAE-MG 45, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2014.

RESOLUÇÃO ARSAE-MG 45, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2014. RESOLUÇÃO 45, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2014. Homologa a Tabela de Preços de Serviços Não Tarifados e o Termo de Ocorrência de Irregularidade, ambos do Serviço Autônomo de Água e de Esgoto do Município de

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DO SOLO TABELA DE PREÇOS

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DO SOLO TABELA DE PREÇOS TABELA DE PREÇOS 1. SOLO 1.1.a Química para fins de avaliação da fertilidade do solo (Estado de São Paulo) SQ1.1 ph CaCl 2 0,01 mol L -1, P, K, Ca, Mg, H+Al e os cálculos SB, CTC, V %... 20,00/am. SQ2.1

Leia mais

TABELA ANEXA AO DECRETO Nº.14.824 1 - PREÇOS REFERENTES AOS SERVIÇOS DE ÁGUA

TABELA ANEXA AO DECRETO Nº.14.824 1 - PREÇOS REFERENTES AOS SERVIÇOS DE ÁGUA TABELA ANEXA AO DECRETO Nº14824 1 - PREÇOS REFERENTES AOS SERVIÇOS DE ÁGUA 11 Para execução de ligação de água em tubos de plásticos, com reenchimento da escavação e repavimentação da faixa de rolamento

Leia mais

FOSFATO DISSÓDICO DE DEXAMETASONA

FOSFATO DISSÓDICO DE DEXAMETASONA FSFAT DISSÓDIC DE DEXAMETASNA Dexamethasoni natrii phosphas H H H P Na Na F H C 22 H 28 FNa 2 8 P 516,41 02821 Fosfato dissódico de 9-fluoro-11β,17 diidroxi-16α-metil-3, 20- dioxopregna- 1,4 dieno-21-il

Leia mais

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Produção de Mudas - No sistema de raiz nua Produção de mudas de Pinus no sul do BR - No interior de recipientes - Sacos plásticos - Tubetes Fertilização

Leia mais

Agora disponível online CINDAS Banco de Dados de Propriedades Termofísicas de Matérias (TPMD) Características da Interface

Agora disponível online CINDAS Banco de Dados de Propriedades Termofísicas de Matérias (TPMD) Características da Interface Industry Benchmark for Critically Evaluated Materials Properties Data Agora disponível online CINDAS Banco de Dados de Propriedades Termofísicas de Matérias (TPMD) O Banco de Dados de Propriedades Termofísicas

Leia mais

Lista de Exercícios 4 Indústrias Químicas Resolução pelo Monitor: Rodrigo Papai de Souza

Lista de Exercícios 4 Indústrias Químicas Resolução pelo Monitor: Rodrigo Papai de Souza Lista de Exercícios 4 Indústrias Químicas Resolução pelo Monitor: Rodrigo Papai de Souza 1) a-) Calcular a solubilidade do BaSO 4 em uma solução 0,01 M de Na 2 SO 4 Dissolução do Na 2 SO 4 : Dado: BaSO

Leia mais

ADUBOS. Fontes, Características de qualidade física, química e físico-química LEGISLAÇÃO ADUBOS

ADUBOS. Fontes, Características de qualidade física, química e físico-química LEGISLAÇÃO ADUBOS Volnei Pauletti ADUBOS Fontes, Características de qualidade física, química e físico-química ADUBOS Definição: Toda substância mineral ou orgânica, natural ou sintética, fornecedora de um ou mais nutrientes

Leia mais

Novas Tecnologias no Tratamento Terciário de Água Industrial

Novas Tecnologias no Tratamento Terciário de Água Industrial Novas Tecnologias no Tratamento Terciário de Água Industrial F. H. Harada a, F. P. Capeloza b, L. M. Scarpelini c a. Eng. Químico e MSc pela EPUSP, Coordenador de Engenharia e Propostas da Siemens Water

Leia mais

Coeficientes de distribuição de metais pesados em solos de São Paulo. Luís Reynaldo F. Alleoni ESALQ/USP Dep. de Ciência do Solo

Coeficientes de distribuição de metais pesados em solos de São Paulo. Luís Reynaldo F. Alleoni ESALQ/USP Dep. de Ciência do Solo Coeficientes de distribuição de metais pesados em solos de São Paulo Luís Reynaldo F. Alleoni ESALQ/USP Dep. de Ciência do Solo Definição de metais pesados Química - grande grupo de elementos com: densidade

Leia mais

Química das Águas - parte 2

Química das Águas - parte 2 QUÍMICA AMBIENTAL Química das Águas - parte 2 - Parâmetros de qualidade das águas Definições Importância Métodos analíticos Prof. Rafael Sousa Departamento de Química UFJF 1º período de 2015 Recapitulando...

Leia mais

Medição de Carbono Orgânico Total em Sistemas de Co-geração

Medição de Carbono Orgânico Total em Sistemas de Co-geração Medição de Carbono Orgânico Total em Sistemas de Co-geração De onde vem o TOC? Lixiviados e ácidos úmicos e outras fontes - Grandes moléculas - Misturas complexas - Desperdício pesticidas? Outras fontes

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA BIOESTIM K 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Data de emissão: 13 / 03 / 08 Nome do produto: Uso do produto: BIOESTIM K Adubo Empresa responsável pela comercialização:

Leia mais

AVALIAÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA DE METAIS COMPLEXADOS EM CHUVAS ÁCIDAS

AVALIAÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA DE METAIS COMPLEXADOS EM CHUVAS ÁCIDAS AVALIAÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA DE METAIS COMPLEXADOS EM CHUVAS ÁCIDAS Ana Beatris Souza de Deus (1) Aluna de Doutorado no CPG - Recursos Hídricos e Saneamento Ambiental Instituto de Pesquisas Hidráulicas

Leia mais

Química Geral I. Experimento 3 Tendências Periódicas

Química Geral I. Experimento 3 Tendências Periódicas Universidade Estadual do Norte Fluminense Centro de Ciência e Tecnologia Laboratório de Ciências Químicas Química Geral I Experimento 3 Tendências Periódicas 1 - OBJETIVOS Relacionar a reatividade química

Leia mais

CONTROLE DE QUALIDADE CERVEJAS

CONTROLE DE QUALIDADE CERVEJAS CONTROLE DE QUALIDADE CERVEJAS PRINCIPAIS ANÁLISES FÍSICO-QUÍMICAS DA CERVEJA MATÉRIAS-PRIMAS ÁGUA MALTE CEREAIS (ARROZ E MILHO) LÚPULO EXTRATO DE ALTA MALTOSE AÇÚCAR ADITIVOS Água - Sabor - Odor - Cor

Leia mais

4 MÉTODO ANALÍTICO EMPREGADO NA DETERMINAÇÃO DE MERCÚRIO TOTAL

4 MÉTODO ANALÍTICO EMPREGADO NA DETERMINAÇÃO DE MERCÚRIO TOTAL 39 4 MÉTODO ANALÍTICO EMPREGADO NA DETERMINAÇÃO DE MERCÚRIO TOTAL 4.1 O Processo de absorção atômica A absorção de energia por átomos livres, gasosos, no estado fundamental, é a base da espectrometria

Leia mais

TEXTURA DO SOLO. Conceito. Representa a distribuição quantitativa das partículas sólidas do solo, quanto ao tamanho (areia, silte e argila).

TEXTURA DO SOLO. Conceito. Representa a distribuição quantitativa das partículas sólidas do solo, quanto ao tamanho (areia, silte e argila). Conceito Representa a distribuição quantitativa das partículas sólidas do solo, quanto ao tamanho (areia, silte e argila). Sistemas de classificação Quadro 1. Frações granulométricas encontradas nos sistemas

Leia mais

INSTITUTO HAHNEMANNIANO DO BRASIL DEPARTAMENTO DE ENSINO. Curso de Pós-Graduação Lato sensu em Homeopatia Área de Concentração: Farmácia MONOGRAFIA

INSTITUTO HAHNEMANNIANO DO BRASIL DEPARTAMENTO DE ENSINO. Curso de Pós-Graduação Lato sensu em Homeopatia Área de Concentração: Farmácia MONOGRAFIA INSTITUTO HAHNEMANNIANO DO BRASIL DEPARTAMENTO DE ENSINO Curso de Pós-Graduação Lato sensu em Homeopatia Área de Concentração: Farmácia MONOGRAFIA Água purificada: teste físico-químico e a viabilidade

Leia mais

ADITIVO AO EDITAL. TÍTULO: Registro de Preços para aquisição de produtos químicos para tratamento de água.

ADITIVO AO EDITAL. TÍTULO: Registro de Preços para aquisição de produtos químicos para tratamento de água. ADITIVO AO EDITAL PREGÃO PRESENCIAL Nº 36/2013 TÍTULO: Registro de Preços para aquisição de produtos químicos para tratamento de água. O SERVIÇO AUTÔNOMO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTO - SAMAE, em conformidade

Leia mais

MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO ADUBAÇÃO

MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO ADUBAÇÃO UNIPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos GRANDES CULTURAS I MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO ADUBAÇÃO Profª Fernanda Basso Manejo e Conservação do Solo Sistema de manejo conjunto de operações que contribuem

Leia mais

TABELA DE CONSERVAÇÃO

TABELA DE CONSERVAÇÃO TBEL DE CONSERVÇÃO Página 1 de 8 Ensaio Matriz Frasco/Preservante Refrigeração líquota Prazo de Validade METIS METIS Metais (exceto Mercúrio e Boro),S - Plástico, vidro com HNO 3 S - Vidro, plástico sem

Leia mais

BEM-VINDO À SÉRIE NEXGEN

BEM-VINDO À SÉRIE NEXGEN BEM-VINDO À SÉRIE NEXGEN O Bentley NexGen representa o resultado de mais de 20 anos de trabalho conjunto com nossos clientes. O Bentley NexGen representa a última palavra em tecnologia de ponta para análise

Leia mais

ESPECTROSCOPIA VISÍVEL E ULTRAVIOLETA

ESPECTROSCOPIA VISÍVEL E ULTRAVIOLETA ESPECTROSCOPIA VISÍVEL E ULTRAVIOLETA Princípios básicos A espectrofotometria visível e ultravioleta é um dos métodos analíticos mais usados nas determinações analíticas em diversas áreas. É aplicada para

Leia mais

LABORATÓRIO DE FUNDIÇÃO. 1. Descrição Física

LABORATÓRIO DE FUNDIÇÃO. 1. Descrição Física LABORATÓRIO DE FUNDIÇÃO 1. Descrição Física O espaço físico deste laboratório deve ser de 100 m 2, com piso em cimento queimado e uma área de aproximadamente 3 m 2 em terra batida para vazamento de metal,

Leia mais

CURSO: QUALIDADE DAS ÁGUAS E POLUIÇÃO: ASPECTOS FÍSICO-QUÍMICOS AULA 15

CURSO: QUALIDADE DAS ÁGUAS E POLUIÇÃO: ASPECTOS FÍSICO-QUÍMICOS AULA 15 CURSO: QUALIDADE DAS ÁGUAS E POLUIÇÃO: ASPECTOS FÍSICO-QUÍMICOS AULA 15 INTERPRETAÇÃO DE LAUDOS DE QUALIDADE DAS ÁGUAS Prof. Dr. Roque Passos Piveli 1 AULA 15 - INTERPRETAÇÃO DE LAUDOS DE QUALIDADE DAS

Leia mais

Manual de qualidade da água para aquicultura

Manual de qualidade da água para aquicultura Manual de qualidade da água para aquicultura KT / KP ALFAKIT PRESERVE PRESERVE Alfakit Ltda Rua João Sampaio da Silva, 128 Capoeiras Florianópolis/SC 88090820 Fone (48) 30292300 vendas@alfakit.ind.br www.alfakit.ind.br

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente CERTIFICADO DE CADASTRO DE LABORATÓRIO A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual nº 9.077 de 04/06/90 e com seus Estatutos aprovados pelo Decreto nº 33.765, de 28/12/90, registrado

Leia mais

Procedimento de verificação do Potenciômetro de íon Seletivo

Procedimento de verificação do Potenciômetro de íon Seletivo Página 1 de 6 Procedimento de verificação do Potenciômetro de íon Seletivo 1- Objetivo Verificar a confiabilidade de medição da concentração de Flúor pelo método ISE 2- Aplicação Aplicável aos equipamentos

Leia mais

RESOLUÇÃO ARSAE - MG 25, DE 12 DE SETEMBRO DE 2012

RESOLUÇÃO ARSAE - MG 25, DE 12 DE SETEMBRO DE 2012 RESOLUÇÃO ARSAE MG 25, DE 12 DE SETEMBRO DE 2012 Homologa a Tabela de Preços e Prazos de Serviços não tarifados da Copasa Serviços de Saneamento Integrado do Norte e Nordeste de Minas Gerais S/A COPANOR

Leia mais

FERTILIZANTES Fertilizante: Classificação Quanto a Natureza do Nutriente Contido Quanto ao Critério Químico Quanto ao Critério Físico

FERTILIZANTES Fertilizante: Classificação Quanto a Natureza do Nutriente Contido Quanto ao Critério Químico Quanto ao Critério Físico FERTILIZANTES Fertilizante: qualquer substância mineral ou orgânica, natural ou sintética, capaz de fornecer um ou mais nutrientes essenciais às plantas Classificação Quanto a Natureza do Nutriente Contido

Leia mais

Os constituintes do solo

Os constituintes do solo Os constituintes do solo Os componentes do solo Constituintes minerais Materiais orgânicos Água Ar Fase sólida partículas minerais e materiais orgânicos Vazios ocupados por água e/ou ar Os componentes

Leia mais

ENOLOGIA. Analisadores para Vinho, Mosto e outras Bebidas

ENOLOGIA. Analisadores para Vinho, Mosto e outras Bebidas ENOLOGIA Analisadores para Vinho, Mosto e outras Bebidas Analisador Automático Multiparamétrico de Vinho e Mosto A Skalar Analytical, oferece uma completa automação para vários parâmetros na análise automática

Leia mais

BS06 MANUAL DE INSTRUÇÕES MEDIDOR DE NÍVEL SONORO DIGITAL TRT-BA-BS06-TC-001-PT

BS06 MANUAL DE INSTRUÇÕES MEDIDOR DE NÍVEL SONORO DIGITAL TRT-BA-BS06-TC-001-PT BS06 PT MANUAL DE INSTRUÇÕES MEDIDOR DE NÍVEL SONORO DIGITAL TRT-BA-BS06-TC-001-PT Índice Informações sobre as instruções de comando... 1 Informações sobre o aparelho... 1 Dados técnicos... 2 Segurança...

Leia mais

FerDrrigação, a chave para ganhos em qualidade e produdvidade

FerDrrigação, a chave para ganhos em qualidade e produdvidade FerDrrigação, a chave para ganhos em qualidade e produdvidade Roberto Lyra Villas Bôas, FCA/UNESP, Botucatu, SP Eng. Agron. João Roberto do Amaral Junior Abril 2013 Introdução: A adubação representa 18%

Leia mais

CATÁLOGO GERAL 2014. Catálogo Microline, Material Médico e Científico (C) Copyright All Rights Reserved

CATÁLOGO GERAL 2014. Catálogo Microline, Material Médico e Científico (C) Copyright All Rights Reserved CATÁLOGO GERAL 2014 A presentação A Microline, como entidade de referência de material médico e hospitalar, possui no seu portfolio todas as soluções necessárias para equipar e dotar de toda a tecnologia

Leia mais

LABORATÓRIOS DA ÁREA DE QUÍMICA

LABORATÓRIOS DA ÁREA DE QUÍMICA LABORATÓRIOS DA ÁREA DE QUÍMICA Laboratórios de Química I, II, III, IV Localização: - Analítica - Bloco "M" 304 Área: 70,65 m² - Físico Química - Bloco M 303 Área: 95,48m² - Química Inorgânica - Bloco

Leia mais

Pág. 1. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO - COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - PROGRAD CONCURSO VESTIBULAR 2009 2ª Fase PROVA DE QUÍMICA

Pág. 1. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO - COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - PROGRAD CONCURSO VESTIBULAR 2009 2ª Fase PROVA DE QUÍMICA Questão 1: As bebidas alcoólicas contêm etanol e podem ser obtidas pela destilação do álcool (ex. whiskey e vodka) ou pela fermentação de uma variedade de produtos como frutas e outros vegetais (ex. vinho

Leia mais

Escola Secundária com 3.º ciclo Jorge Peixinho

Escola Secundária com 3.º ciclo Jorge Peixinho Escola Secundária com 3.º ciclo Jorge Peixinho Ciências Físico-Químicas: CEF-EM(N2) PROFESSORA: Daniela Oliveira MÓDULO 1 SEGURANÇA EM LABORATÓRIOS DE QUÍMICA Escola Secundária com 3.º ciclo Jorge Peixinho

Leia mais

Telefones: (31) 3471-9659/8896-9659 E-mail: vendas@marcosultoria.com Site: www.marconsultoria.com

Telefones: (31) 3471-9659/8896-9659 E-mail: vendas@marcosultoria.com Site: www.marconsultoria.com Telefones: (31) 3471-9659/8896-9659 E-mail: vendas@marcosultoria.com NOSSA EMPRESA A MAR Consultoria Ambiental, sediada em Belo Horizonte, Minas Gerais, foi criada em 2002 para atender às lacunas existentes

Leia mais

PHH222. ph/mv MEDIDOR DE ph

PHH222. ph/mv MEDIDOR DE ph PHH222 ph/mv MEDIDOR DE ph SUMÁRIO 1. CARACTERÍSTICAS... 1 2. ESPECIFICAÇÕES... 2 3. DESCRIÇÃO DO PAINEL FRONTAL... 4 4. PROCEDIMENTO PARA CALIBRAÇÃO DO ph... 6 4-1 Nota sobre a calibração... 6 4-2 Equipamento

Leia mais

RESOLUÇÃO ARSAE-MG 75/2015, DE 9 DE SETEMBRO DE 2015.

RESOLUÇÃO ARSAE-MG 75/2015, DE 9 DE SETEMBRO DE 2015. RESOLUÇÃO ARSAE-MG 75/2015, DE 9 DE SETEMBRO DE 2015. Homologa a Tabela de Preços e Prazos de Serviços Não Tarifados da Copasa Serviços de Saneamento Integrado do Norte e Nordeste de Minas Gerais S/A COPANOR

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS NOS LABORATÓRIOS DO SEMAE - SÃO LEOPOLDO

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS NOS LABORATÓRIOS DO SEMAE - SÃO LEOPOLDO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS NOS LABORATÓRIOS DO SEMAE - SÃO LEOPOLDO Organização e Gestão dos Serviços de Saneamento: Recursos Humanos, Políticas Públicas e Educação Juliana Chaves Maristela Pessolano

Leia mais

Edital EQUIPAMENTO Nº PATRIMÔNIO LOCALIZAÇÃO

Edital EQUIPAMENTO Nº PATRIMÔNIO LOCALIZAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE PESQUISA FINEP Edital EQUIPAMENTO Nº PATRIMÔNIO LOCALIZAÇÃO SCANER DE MESA-LEITOR COPIADOR E DIGITALIZADOR

Leia mais

NORMAS GERAIS DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE QUÍMICA II. Sala 115

NORMAS GERAIS DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE QUÍMICA II. Sala 115 NORMAS GERAIS DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE QUÍMICA II Sala 115 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS ITAQUI NORMAS GERAIS DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE Sumário QUÍMICA II - 115

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA 2012

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA 2012 INTRODUÇÃO: RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA 2012 O objetivo deste relatório é apresentar os resultados do ano de 2012 de qualidade das águas de abastecimento de Jurerê Internacional pelo

Leia mais

DESCRIÇÃO DETALHADA DO ANALISADOR DE CO E DE SEU FUNCIONAMENTO

DESCRIÇÃO DETALHADA DO ANALISADOR DE CO E DE SEU FUNCIONAMENTO DESCRIÇÃO DETALHADA DO ANALISADOR DE CO E DE SEU FUNCIONAMENTO O analisador de CO para baixas concentrações (ppm - partes por milhão) no ar ambiente é um instrumento de alta sensibilidade, usado para monitorar

Leia mais

FTA-5000. www.tecnopon.com.br

FTA-5000. www.tecnopon.com.br FTA-5000 PROPÓSITO Biorreator / Fermentador, capaz de realizar biorreações/fermentações em regime de batelada, curva de alimentação e contínuo, com sistema de aeração e dispersor/agitador mecânico tipo

Leia mais

SISTEMAS DE CALIBRAÇÃO PARA MONITORAMENTO DA QUALIDADE DO AR

SISTEMAS DE CALIBRAÇÃO PARA MONITORAMENTO DA QUALIDADE DO AR SISTEMAS DE CALIBRAÇÃO PARA MONITORAMENTO DA QUALIDADE DO AR Todo programa de monitoramento contínuo da qualidade do ar precisa de algum sistema que forneça uma garantia de que os valores medidos são válidos.

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU C5-0224/2003. Posição comum. Documento de sessão 2001/0212(COD) 14/05/2003

PARLAMENTO EUROPEU C5-0224/2003. Posição comum. Documento de sessão 2001/0212(COD) 14/05/2003 PARLAMENTO EUROPEU 1999 Documento de sessão 2004 C5-0224/2003 2001/0212(COD) PT 14/05/2003 Posição comum tendo em vista a aprovação do Regulamento do Parlamento Europeu e do Conselho relativo aos adubos

Leia mais