Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download ""

Transcrição

1 01 Álvaro Gomes, Pedro D Orey (IT) palavras-chave: UMTS, UTRAN, WCDMA, RRM, Planeamento Rádio, optimização, KPI Devido às características intrínsecas do WCDMA e à grande variedade de serviços que a rede UMTS transporta, o ambiente rádio é muito mais dinâmico que o existente no sistema GSM, tornando a gestão de recursos rádio (RRM) mais complexa. O automated tuning de parâmetros de RRM utilizando técnicas de controlo inteligente foi introduzido recentemente. Diferentes estudos demonstram o elevado impacto que esta técnica tem no desempenho da rede rádio UMTS devido à sua adaptabilidade às variações de tráfego. Neste artigo são descritos os conceitos principais relacionados com o planeamento e optimização de redes, ajuste de parâmetros de RRM e funcionamento de um sistema automático de tuning (ATS). Saber & Fazer Telecomunicações 62

2 1. Introdução O projecto de uma rede de acesso rádio é um processo complexo que pode ser dividido em duas fases principais. Na fase inicial os objectivos (capacidade, cobertura e QoS) são definidos, a rede é dimensionada e o planeamento rádio é iniciado. Neste processo são utilizadas sofisticadas ferramentas de planeamento e optimização, que recorrem a complexas funções de custo, dado que existem diversos trade-offs. Finalmente, os parâmetros da estação base, nomeadamente os correspondentes aos algoritmos de gestão dos recursos rádio (RRM), são fixados. Numa segunda fase, e depois da colocação ao serviço da rede, a performance e as características de qualidade desta são regularmente monitorizadas e poderá haver necessidade de proceder a optimizações, devido às flutuações de tráfego, tipo de serviço, mobilidade dos utilizadores, etc. Assim podem ser ajustados parâmetros hard (p.ex., tilt da antena) e/ou soft (mecanismos RRM) de modo a melhorar o desempenho. Este é um processo manual que deve ser realizado periodicamente. O processo de auto-tuning (automated tuning) tem como objectivo ajustar dinamicamente estes parâmetros (soft apenas) de um modo contínuo sem intervenção humana, sendo apenas necessário definir no início da optimização os critérios de qualidade. Uma representação esquemática do conceito de auto-tuning é apresentada na figura Processo de Optimização A optimização de uma rede UMTS tem como objectivo melhorar a qualidade tal como ela é vista pelos utilizadores, e por outro lado, garantir que os recursos rádio são utilizados eficientemente. A optimização é um ciclo realimentado, em que se procede ao ajuste manual dos parâmetros, e que termina quando os critérios de qualidade propostos pelo operador são atingidos. Este ciclo está representado esquematicamente na figura 2. Parâmetros de RRM UTRAN Indicadores de Qualidade Sistema de Tuning Automático (ATS) O ciclo inicia-se com a definição de qualidade (global extremo-afigura 1 - Ciclo de optimização automática dos parâmetros de RRM. 63

3 Definição de Qualidade. Definição das medidas. KPI. Objectivos p/ KPI. Trigger p/alarmes Dados de Monitorização da Rede. Monitorização e medidas de qualidade. Produção de relatórios. Alarmes Implementar as alterações propostas. Alteração da configuração. Alteração de parâmetros. Alteração do hardware Implementar as alterações propostas Análise Encontrar soluções individuais Encontrar uma solução geral Medidas mais detalhadas figura 2 - Ciclo de Optimização. extremo, critérios para cada tipo de serviço e valor limite para os parâmetros chave (KPI). Na fase seguinte, os dados de performance da rede são recolhidos (através de NMS, drive tests, etc.) e relatórios com informação estatística dos KPI são produzidos. Com base nestes dados, e conhecendo a configuração actual da rede, é iniciado o processo de análise. A comparação entre os KPI e os valores alvo indicam as áreas problemáticas da rede e onde esta deverá ser optimizada. O tuning da rede pode incluir a alteração de parâmetros soft (parâmetros RRM) ou hard (hardware). Alterações típicas dos parâmetros incluem, por exemplo, janela de handover, potência do piloto ou nível máximo do factor de carga. Por vezes são necessárias alterações a nível do hardware instalado: tilt da antena, número de sectores, introdução de nova portadora, ou de novos sites, etc. A introdução de novo hardware só deve ser ponderada quando não é possível atingir os objectivos através da optimização de parâmetros. Esta solução é mais dispendiosa (aquisição/instalação HW e manutenção), e não é linear, devido às características da tecnologia CD MA, que a capacidade ou cobertura sejam significativamente melhoradas com este tipo de alteração. São então realizadas iterativamente correcções, através do tuning de parâmetros individuais que afectam a qualidade reportada, até que a qualidade alvo seja atingida. Por fim, além do ajuste de parâmetros individuais, uma solução geral deve ser encontrada. O ciclo volta ao início e verificase se as alterações introduzidas permitiram atingir os objectivos de qualidade definidos pelo operador. Após a optimização ter sido realizada e as alterações terem sido introduzidas na rede, é necessário comparar a performance global com o caso pre-optimização. Tem que se avaliar o impacto noutros subsistemas da célula e nas células adjacentes pois a optimização pode melhorar um subconjunto da área funcional mas pode degradar a qualidade noutros subconjuntos. A optimização é um ciclo contínuo de monitorização e correcções que pode ser feito célula a célula. Exige um conhecimento técnico profundo do sistema, da sua parametrização, interacção entre subsistemas e das características específicas da tecnologia CDMA. 3. Ajuste automático dos parâmetros de RRM 3.1 Conceitos Os algoritmos de RRM são responsáveis por garantir a qualidade de serviço (QoS), manter a cobertura planeada e oferecer elevada capacidade. A família dos algoritmos de RRM pode ser dividida em controlo de handover, controlo de potência, controlo de admissão, controlo de carga e funcionalidades de escalonamento de pacotes [2]. Estas funções têm diversos parâmetros associados que permitem o controlo e eficiente utilização dos recursos rádio. Os mecanismos de ajuste automático têm como objectivo ajustar dinamicamente certos parâmetros de RRM como, por exemplo, o nível máximo do factor de carga, que controla a admissão de novos utilizadores e a QoS na rede. A temática da automatização tem tido interesse crescente por parte de fabricantes, operadores e comunidade académica e tem levado a intensa investigação. Alguns algoritmos foram desenvolvidos baseados basicamente no ajuste de um único parâmetro ou subconjuntos de valores de um parâmetro [1]. O tuning de parâmetros tais como: janelas do algoritmo de handover [3], nível máximo da interferência recebida Saber & Fazer Telecomunicações 64

4 (factor de carga UL) [5], nível máximo do factor de carga do DL e potência máxima de transmissão por ligação [6], Eb/No no UL/DL para tráfego de dados [7] e potência de transmissão do piloto [8][9], foram propostos em diversos artigos e livros [1][4]. Estes estudos demonstraram a aplicabilidade do conceito e concluíram que é obtido um significativo incremento da capacidade da rede quando comparada com a configuração estática. Por outro lado, o estudo [13] obteve resultados interessantes mas focou a optimização na QoS em vez da performance. Os parâmetros podem ser optimizados célula por célula ou para um grupo de células com características semelhantes (cluster). Em diversos estudos, nomeadamente em [4], ficou provado que a optimização célula a célula pode conduzir a ganhos adicionais de performance quando comparados com a optimização do cluster, dado que valores óptimos são obtidos para cada uma das células. Por outro lado, o estudo [10] afirma que será atingida maior estabilidade com a solução baseada no cluster. sos parâmetros chave da rede rádio UMTS são optimizados simultaneamente com um método de controlo automático. Diversos estudos propuseram e demonstraram a aplicabilidade deste tipo de optimização [4][10]. A concepção de controladores para proceder ao ajuste de parâmetros RRM é uma das principais tarefas adjacentes ao processo de autotuning. Em trabalhos iniciais, nomeadamente [5][6], procedeu-se à implementação de controladores baseados num conjunto simples de regras principalmente devido à simplicidade da implementação. Um sistema rule based representa o conhecimento num conjunto de regras que indicam a acção a tomar em diferentes situações. Este é constituído por um conjunto de condições IF-THEN, um conjunto de factos, e um interpretador que controla a aplicação das regras. Para determinados factos pode não estar associada inequivocamente uma acção, sendo necessário recorrer a uma função de custo. A concepção de controladores é uma tarefa complexa e demorada, dado que a performance destes varia de acordo com as características de tráfego da rede. Assim, de modo a obter elevada performance da re Outro tópico interessante é a optimização multiparâmetro, na qual diverde, é necessário optimizar o sistema de controlo de acordo com as condições de utilização. São utilizadas duas técnicas na optimização de controladores: offline e online. A primeira é executada num computador antes da introdução na rede em funcionamento. Um dos métodos utilizado é denominado Particle Swarm (PS), ver referência [11]. Por outro lado, a optimização online tem como objectivo optimizar um controlador numa rede em funcionamento [3], sendo o Reinforcement Learning (RL) um destes métodos [14][15]. Para ambientes em que coexistam diversas tecnologias de acesso (GSM, WCDMA, WLAN, etc.) a utilização de uma gestão comum permite distribuir eficientemente os recursos das redes de modo a optimizar capacidade e qualidade. Assim o conceito de auto-tuning pode ser estendido a Common-RRM para redes com diversas tecnologias de acesso (RAT), de modo a melhorar a cooperação entre sistemas. 3.2 O Sistema No âmbito do projecto europeu IST AROMA 1 [12], está a ser projectado um sistema para fazer o tuning de parâmetros RRM de redes rádio UTRAN Parâmetros RRM Contadores Referência Monitorização Algoritmo de Tuning Aprendizagem e Memória ATS figura 3 Diagrama funcional do ATS 1 Advanced Resource Management Solutions for Future All IP Heterogeneous Mobile Radio Environments 65

5 UMTS. Uma representação conceptual do Sistema de Ajuste Automático (ATS) proposto é apresentado na figura 3. Este é constituído por três blocos principais (Algoritmo de Tuning, Aprendizagem e Memória, e Monitorização) e por duas interfaces (UTRAN e Referência). A UTRAN fornece os parâmetros de RRM e contadores, que podem ser agrupados num só parâmetro (KPI) para fornecer uma melhor compreensão do real estado da rede. O bloco Referência fornece a visão do operador da rede no que diz respeito à qualidade e performance. O ATS cria um circuito de realimentação entre as medidas da rede e os parâmetros de RRM. A rede é constantemente monitorizada, os parâmetros seleccionados são colocados em memória para análise estatística e são comparados com o valor de referência. Quando uma determinada célula não cumpre os critérios, o algoritmo de tuning é iniciado e, possivelmente, os parâmetros de RRM são actualizados. Deste modo, o processo de ajuste da rede torna-se um processo automático. O ATS é constituído por três blocos, sendo a função de cada um deles descrita de seguida: a) Monitorização Monitoriza os contadores ou KPI. Quando uma destas medidas tiver um valor superior ao de referência (por exemplo, KPIref) este bloco despoleta o processo de auto-tuning através da passagem de um alarme/evento para o bloco "Algoritmo de Tuning"; b) Aprendizagem e Memória Este bloco pode ser visto como uma base de dados que acumula conhecimento da rede (parâmetros RRM e contadores), que serão utilizados quando se fizer a previsão da acção a tomar. Ao monitorizar constantemente os parâmetros de RRM, contadores e/ou KPI, uma base de dados com informação estatística é criada (memória). O bloco deve reter informação da relação entre variáveis, conhecimento que vai adquirindo ao longo da vida da célula e que é diferente de célula para célula, conforme as características específicas da célula, mobilidade dos utilizadores, serviços utilizados, etc. Esta entidade é também responsável por determinar tendências e comportamentos típicos relacionados com aspectos de tráfego e cobertura rádio através de uma análise contínua no tempo (aprendizagem). Deste modo, extrapola a caracterização de cada célula, o que permite a simulação (previsão de resultados) de uma nova configuração, mesmo antes da sua implementação na rede. Por fim, este bloco poderá identificar células com características similares e criar clusters. Esta funcionalidade é essencial quando se pretende optimizar uma rede com um elevado número de células; c) Algoritmo de Tuning O terceiro bloco também poderia ter sido denominado como algoritmo de controlo inteligente. Ele recebe um alarme do bloco de monitorização, e com a informação fornecida pelo bloco "Aprendizagem Carga da Célula Diminuição TCB Diminuição TCC 1 0 Bloqueadas e Caídas Admitidas figura 4 Controlo de admissão/carga Threshold e Memória", decide as acções a tomar (sub-sistema, parâmetro e valor). A acção implica usualmente a mudança de um ou mais parâmetros de RRM. Caso se verifique que o objectivo da optimização não pode ser atingido, ou que a relação custo/ benefício não é vantajosa para o operador, a acção deverá ser terminada, e, por exemplo, outro sub-sistema deverá ser escolhido. O algoritmo executa iterativamente as seguintes tarefas: 1. Identifica o(s) sub-sistema(s) implicados no processo de tuning: controlo de potência, controlo de carga, controlo de admissão, controlo de handover, etc.; 2. Identifica o(s) parâmetro(s) mais favoráveis a corrigir; 3. Calcula e atribui valores aos parâmetros; 4. Calcula o impacto nos restantes sub-sistemas e nas células vizinhas através da interacção com o bloco de aprendizagem e o valor final de cada parâmetro; 5. Actualiza a parametrização. 4. Tuning do Factor de Carga Numa primeira fase o sistema ATS proposto no âmbito do projecto AROMA será dedicado ao tuning de um parâmetro do algoritmo de controlo de admissão: o nível máximo do factor de carga no Uplink. 4.1 Algoritmo de Controlo de Admissão O algoritmo de RRM "Controlo de Admissão" assegura que a área de cobertura planeada e que a qualidade das ligações existentes é mantida após a aceitação de novas ligações. O procedimento controla os pedidos de novas ligações, isto é, se um novo Radio Access Bearer (RAB) pode ser estabelecido ou não. O algoritmo estima o incremento de carga que Saber & Fazer Telecomunicações 66

6 o estabelecimento de um novo RAB irá causar. São utilizadas medidas da interferência recebida pela estação base no UL e potência total de transmissão da estação base no caso do DL. Para cada uma das direcções (directa e inversa), o valor da nova carga estimada será comparada com um limite definido na fase de planeamento (threshold do factor de carga). A ligação poderá ser aceite nessa direcção caso o valor estimado seja inferior ao valor do nível máximo, de outro modo será rejeitada. Esta tarefa tem que ser executada tanto no UL bem como no DL, dado que o RAB apenas será aceite se o algoritmo de controlo de admissão do UL e do DL o admitirem. Caso contrário o pedido de estabelecimento de um nova chamada será negado. 4.2 Parâmetros e QoS Alvo Dois parâmetros importantes para o auto-tuning do algoritmo de controlo de admissão são o threshold do factor de carga para o UL e da potência de transmissão da estação base para o DL. O nível de carga máximo é dedicado ao controlo da congestão (interferência) da rede. Este foi introduzido para evitar efeitos de saturação da rede devido a ligações com ineficaz controlo de potência ou que deterioram a QoS. Diversos indicadores de qualidade podem ser obtidos da rede para realizar o auto-tuning do algoritmo de controlo de admissão. Podemos referir por exemplo: > Taxa de Chamadas Caídas (TCC); > Taxa de Chamadas Bloqueadas (TCB). 4.3 Mecanismo de tuning do CA no UL A escolha do valor para o factor de carga tem em conta indicadores de qualidade de serviço (chamadas caídas e bloqueadas) e cobertura/capacidade. O aumento do nível máximo do factor de carga provoca interferência adicional na rede, que tem como consequência um aumento da taxa de chamadas caídas/má qualidade, perda de cobertura e diminuição do número de chamadas bloqueadas. Por outro lado, diminuir o threshold provoca uma maior probabilidade de bloqueio para chamadas de voz e maior probabilidade de espera (queuing) para dados. Deste modo pode-se afirmar que existe um compromisso entre os indicadores de qualidade e o nível a que é colocado o factor de carga da célula. 4.4 Impacto nas células vizinhas A optimização da rede será realizada célula a célula. A alteração de um parâmetro numa determinada célula (teste) poderá ter impacto nas células vizinhas. Devido aos efeitos de acoplamento típicos de CDMA, um problema numa determinada célula de teste pode propagar-se para as células vizinhas e afectar a sua performance. Na sua configuração básica todas as células de uma rede UMTS partilham a mesma frequência. O aumento de tráfego na célula de teste causa interferência adicional e variações de carga nas células da rede. O aumento do nível de interferência obriga a que os terminais aumentem também a sua potência de transmissão, criando assim um ciclo de feedback. O modo como a interferência se propaga entre as células depende de diversos factores nomeadamente: diagrama de radiação da antena, topologia do terreno, distribuição dos utilizadores e distância entre células. Assim, antes de alterar os parâmetros de RRM de uma célula, deve ser analisado o impacto nas células vizinhas. A quantificação e caracterização dos fluxos de interferência entre células é uma das funções do bloco de Aprendi zagem e Memória do ATS. 5. Vantagens A implementação de um ATS tem para o operador de uma rede de comunicações móveis as seguintes vantagens: > Redução dos custos operacionais A optimização da rede é executada automatica e dinamicamente, reduzindo as despesas com a optimização manual e, consequentemente, o número de trabalhadores especializados necessários; > Redução do número de equipamentos instalado Com o tuning automático podem-se atingir níveis de optimização superiores aos obtidos com optimização manual, o que melhora a performance da rede e, consequentemente, o número de equipamentos necessário (ex.: Nós-B). Reduzem-se, assim, os investimentos em equipamento e os gastos em O&M (Operação e Manutenção); > Melhoria da capacidade e qualidade da rede (aumento das receitas) Os parâmetros da rede são dinamicamente optimizados de acordo com as condições reais da rede (tráfego, serviços, mobilidade, etc.), maximizando em tempo real a capacidade e qualidade da rede. Portanto, as receitas do operador podem aumentar substancialmente; > Aumento do nível de abstracção na gestão da rede Dado que com o auto-tuning o operador apenas precisa de escolher certos parâmetros de qualidade, em vez de parâmetros individuais do sistema, deixa de ser necessário um conhecimento tão profundo deste e um nível superior de abstracção da rede de gestão pode ser atingido. Assim, o operador pode focar-se mais no 67

7 negócio, qualidade e serviços para os seus utilizadores. 6. Conclusões Este artigo apresentou de forma sucinta os conceitos principais relacionados com mecanismos de ajuste automático de parâmetros de RRM de uma rede UMTS. Apresentou o sistema ATS proposto no âmbito do projecto europeu IST-AROMA, bem como um exemplo ilustrativo do tuning de um parâmetro do algoritmo de Controlo de Admissão. Esta área de investigação é uma das mais promissoras e com excelentes resultados comprovados em diversos estudos. Estes mecanismos conduzem a um aumento na eficiência operacional devido ao aumento do nível de gestão da rede. Por outro lado com a introdução da automação, a performance da rede é melhorada e os recursos rádio são utilizados mais eficientemente. Saber & Fazer Telecomunicações 68

8 Referências [1] Laiho, J,, Wacker, A, and Novosad, T., Radio Network Planning and Optimisation for UMTS, Second Edition, John Wiley & Sons, 2006 [2] Holma, H. and Toskala,A., WCDMA for UMTS - Radio Access for Third Generation Mobile Communications, Third Edition, John Wiley & Sons, 2004 [3] Nawrocki, M., Dohler, Mischa and Aghvami, A., Understanding UMTS Radio Network Modelling, Planning and Automated Optimisation, John Wiley & Sons, 2006 [4] Höglund, A. and Valkealahti,K., Automated Optimization of Key WCDMA Parameters, Wireless Communications and Mobile Computing, vol. 5, issue 3, pp , [5] Höglund, A., Pöllönen, J., Valkealahti, K. and Laiho, J. Quality-based Auto-tuning of Cell Uplink Load Level Targets in WCDMA, Proc. 57th IEEE Vehicular Technology Conference Spring, vol. 4, pp , [6] Höglund, A. and Valkealaht, K. Quality-based Tuning of Cell Downlink Load Target and Link Power Maxima in WCDMA, Proc. 56th IEEE Vehicular Technology Conference Fall, vol. 4, pp , [7] Hämäläinen, A., Valkealahti, K., Höglund, A. and Laakso, J. Auto-tuning of Service-specific Requirement of Received EbNo in WCDMA, Proc. 56th IEEE Vehicular Technology Conference Fall, vol. 4, pp , [8] Valkealahti, K. Höglund, A. Parkkinen,J. and Flanagan, A. WCDMA Common Pilot Power Control with Cost Function Minimization, Proc. 56th IEEE Vehicular Technology Conference Fall, vol. 4, pp , [9] Valkealahti, K. Höglund, A., Parkkinen,J. Hämäläinen, A. WCDMA Common Pilot Power Control for Load and Coverage Balancing, Proc.13th IEEE International Symposium on Personal, Indoor and Mobile Radio Communications (PIMRC), vol. 3, pp , [10] Valkealahti, K., Höglund, A and Novosad, T., UMTS Radio Network Multi-parameter Control, Proc.14th IEEE International Symposium on Personal, Indoor and Mobile Radio Communications, vol. 1, pp , [11] Dubreil, H., Altman, Z., Diascorn, V., Picard, J. and Clerc, M., Particle Swarm Optimization of Fuzzy logic Controller for high quality RRM Autotuning of UMTS Networks, Vehicular Technology Conference Spring, vol. 3, pp ,2005 [12] IST-AROMA website, [13] Soldani, D. and Valkealahti, K., Genetic approach to QoS optimization for WCDMA mobile networks, vol. 4, pp [14] Glorennec, P.Y., Reinforcement Learning: an overview, Proceeding of the ESIT 2000, Aachen, Germany, [15] Nasri, R., Altman, Z., Dubreil, H., Nouir, Z, WCDMA Downlink Load Sharing with Dynamic Control of Soft Handover Parameters, Vehicular Technology Conference Spring 2006, vol. 2, pp , Curriculum Vitae Álvaro Gomes, é licenciado em Electrónica e Telecomunicações pela Universidade de Aveiro pertence ao quadros da Portugal Telecom desde 1981, trabalha actualmente no departamento ETC (Experimentação Tecnológica e Difusão do Conhecimento) da PTIN. Desde 2000 que o seu trabalho de investigação está focado nas redes móveis 3G e B3G (Beyond 3G) nomeadamente interface rádio e gestão de recursos rádio (RRM), tendo participado nos seguintes projectos IST: SHUFFLE(2000), SEACORN(2002), EVEREST(2004), WINNER(2005) e AROMA(2006). Na área da consultoria desenvolveu as seguintes actividades: expansão e reengenharia da rede GSM da Cabo Verde Telecom (2003), avaliação da qualidade rede UMTS na área de Aveiro para a TMN (2004) e avaliação do estado da arte das tecnologias de acesso sem fios (BWA) para a PTC (2005). Menção honrosa do concurso "Fórum de Ideias" com o projecto "FootPrint" (2006). È formador nos cursos da PTIN para o UMTS. Pedro M. d Orey, licenciado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores pela Universidade do Porto. Iniciou a sua actividade profissional como Engenheiro de Telecomunicações na Metro do Porto na área de redes fixas e rádio. Actualmente encontra-se a trabalhar como bolseiro de investigação no Instituto de Telecomunicações (Aveiro), estando integrado no projecto europeu IST-AROMA. No âmbito deste projecto tem como principal função o desenvolvimento e avaliação de performance de mecanismos de optimização automática de redes UMTS. Os seus interesses de investigação prendem-se com a gestão de recursos rádio e técnicas de optimização inteligente. Agradecimentos O trabalho aqui apresentado foi co-financiado pelo projecto europeu IST-AROMA [12]. 69

Modelos de cobertura em redes WIFI

Modelos de cobertura em redes WIFI Departamento de Engenharia Electrotécnica Secção de Telecomunicações Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Comunicação sem fios 2005/2006 Grupo: nº e Modelos de cobertura em redes

Leia mais

Detecção de Sectores Cruzados em Redes LTE

Detecção de Sectores Cruzados em Redes LTE Detecção de Sectores Cruzados em Redes LTE C.Franco 1, P. Vieira 1,2, 1 ADEETC, Instituto Superior de Engenharia de Lisboa (ISEL), A. Rodrigues 2, 2 Instituto de Telecomunicações / Instituto Superior Técnico,

Leia mais

Modelos de cobertura em redes WIFI

Modelos de cobertura em redes WIFI Comunicação sem fios Departamento de Engenharia Electrotécnica Secção de Telecomunicações Mestrado em Fisica 2005/2006 Grupo: nº e Modelos de cobertura em redes WIFI 1 Introdução Nos sistemas de comunicações

Leia mais

Atualmente ocupa o cargo de Especialista de RF III na Alcatel-Lucent, onde é responsável pela Otimização de Redes de Telefonia Celular 3G/2G.

Atualmente ocupa o cargo de Especialista de RF III na Alcatel-Lucent, onde é responsável pela Otimização de Redes de Telefonia Celular 3G/2G. Interoperabilidade UMTS-to-GSM (IRAT Inter-Radio Access Technology) Este tutorial apresenta os conceitos básicos do processo de Interoperabilidade entre os sistemas UMTS e GSM (IRAT Inter-Radio Access

Leia mais

Dimensionamento e Engenharia de Tráfego: Optimização de Redes de Telecomunicações

Dimensionamento e Engenharia de Tráfego: Optimização de Redes de Telecomunicações Dimensionamento e Engenharia de Tráfego: Optimização de Redes de Telecomunicações Prof. Amaro F. de Sousa asou@ua.pt, DETI-UA, gab.325 23 de Abril de 2008 Objectivos Desenvolvimento e implementação de

Leia mais

Software Educacional para Dimensionamento de Sistemas Móveis Celulares

Software Educacional para Dimensionamento de Sistemas Móveis Celulares Software Educacional para Dimensionamento de Sistemas Móveis Celulares A.M.Cavalcante, E. S. Lelis, G. H. S. Carvalho, G. P. S. Cavalcante e J.C.W.A. Costa UFPA Universidade Federal do Pará Departamento

Leia mais

Optimização de um sistema Enhanced UMTS baseada nos custos/proveitos para o cenário escritórios

Optimização de um sistema Enhanced UMTS baseada nos custos/proveitos para o cenário escritórios Optimização de um sistema Enhanced UMTS baseada nos custos/proveitos para o cenário escritórios Orlando Cabral IT / DEM, Universidade da Beira Interior Covilhã, Portugal http://www.e-projects.ubi.pt OCabral@e-projects.ubi.pt

Leia mais

Redes de Telecomunicações. Redes de Gestão de Telecomunicações

Redes de Telecomunicações. Redes de Gestão de Telecomunicações Redes de Telecomunicações Redes de Gestão de Telecomunicações (TMN - Telecommunications Management Network) João Pires Redes de Telecomunicações 285 João Pires Redes de Telecomunicações 286 O que é o TMN?

Leia mais

UMTS. www.teleco.com.br 1

UMTS. www.teleco.com.br 1 UMTS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Universal Mobile Telecommunications System (UMTS) padrão de 3ª Geração de sistemas celulares para evolução de redes GSM. Autor: Eduardo Tude Engenheiro

Leia mais

Open Innovation: Caso Brisa

Open Innovation: Caso Brisa 2013 Brisa Inovação e Tecnologia SA Open Innovation: Caso Brisa Lisboa, 9/10/2013 Tomé Pereira Canas Brisa Inovação e Tecnologia Inovar está na ordem do dia Inovação fechada 2 Mas muitas vezes está fechada

Leia mais

Business Process Management

Business Process Management 1 Business Process Management O imperativo da eficiência operacional Na constante busca pelo aumento da eficiência operacional e diminuição dos custos, as organizações procuram optimizar os seus processos

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos do processo de Handover na rede UMTS.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos do processo de Handover na rede UMTS. Redes 3G: Handover na rede UMTS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do processo de Handover na rede UMTS. Cesar Nunes Engenheiro de Telecomunicações pela Universidade Estácio de Sá, com formação

Leia mais

Comunicação sem fios (somente em alguns modelos) Manual do utilizador

Comunicação sem fios (somente em alguns modelos) Manual do utilizador Comunicação sem fios (somente em alguns modelos) Manual do utilizador Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registada da Microsoft Corporation nos E.U.A. Bluetooth

Leia mais

Síntese de Lentes para Aplicação em Antenas

Síntese de Lentes para Aplicação em Antenas 84 Síntese de Lentes para Aplicação em Antenas CARLOS A. CARDOSO FERNANDES Instituto Superior Técnico Instituto de Telecomunicações O ritmo a que a capacidade de processamento dos computadores tem evoluido

Leia mais

A Heterogeneous Mobile IP QoS-aware Network

A Heterogeneous Mobile IP QoS-aware Network A Heterogeneous Mobile I QoS-aware Network Victor Marques (victor-m-marques@ptinovacao.pt) Rui Aguiar (ruilaa@av.it.pt) Jürgen Jähnert (jaehnert@rus.uni-stuttgart.de) Karl Jonas (karl.jonas@ieee.org) Marco

Leia mais

Um projecto em co-promoção (SI&DT 3144)

Um projecto em co-promoção (SI&DT 3144) PANORAMA Um projecto em co-promoção (SI&DT Co-financiado por: PANORAMA Um projecto em co-promoção (SI&DT Co-financiado por: Mobilidade e Probes Móveis Susana Sargento, Nelson Capela, Frank Knaesel (IT

Leia mais

Sem fios (somente em alguns modelos)

Sem fios (somente em alguns modelos) Sem fios (somente em alguns modelos) Manual do utilizador Copyright 2006 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Microsoft e Windows são marcas registadas da Microsoft Corporation nos EUA. Bluetooth

Leia mais

Software comercial para planeamento da distribuição

Software comercial para planeamento da distribuição Software comercial para planeamento da distribuição Existe uma grande variedade de software comercial para planeamento e análise de sistemas eléctricos de distribuição (ver tabela). Muitas das empresas

Leia mais

WiMAX. Miragem ou Realidade? Jorge Rodrigues PT Comunicações Universidade da Beira Interior, 4 de Outubro de 2005. WiMAX

WiMAX. Miragem ou Realidade? Jorge Rodrigues PT Comunicações Universidade da Beira Interior, 4 de Outubro de 2005. WiMAX 1 1 Miragem ou Realidade? Jorge Rodrigues PT Comunicações Universidade da Beira Interior, 4 de Outubro de 2005 2 2 Enquadramento A tecnologia 802.16 / afecta domínios tecnológicos cruciais para os operadores:

Leia mais

Backbones Ad Hoc. Aluno: Eduardo Hargreaves Orientador: Luís Felipe M. de Moraes Coppe/UFRJ - Programa de Engenharia de Sistemas e Computação

Backbones Ad Hoc. Aluno: Eduardo Hargreaves Orientador: Luís Felipe M. de Moraes Coppe/UFRJ - Programa de Engenharia de Sistemas e Computação Backbones Ad Hoc Aluno: Eduardo Hargreaves Orientador: Luís Felipe M. de Moraes Coppe/UFRJ - Programa de Engenharia de Sistemas e Computação Estrutura do Trabalho Motivações MBN TBONE Conclusões Motivações

Leia mais

GOVERNANÇA NO SETOR DE TRANSPORTES. Telecomunicações Ferroviárias. Mário Alves. 9 de Maio de 2012. Brasília, 9 de Maio de 2012.

GOVERNANÇA NO SETOR DE TRANSPORTES. Telecomunicações Ferroviárias. Mário Alves. 9 de Maio de 2012. Brasília, 9 de Maio de 2012. Bem Brasília vindos 9 de Maio de 2012 AGENDA REFER TELECOM Desafios da Modernização Interoperabilidade Operação Ferroviária Modelo de negócio Gestão de Telecomunicações Gestão do Património Engenharia

Leia mais

8 REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

8 REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA 8 REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA 1 Almeida, M. J. M Análise de desempenho de protocolos de micromobilidade para redes IP. Rio de Janeiro, 2002. 137p. Monografia (Especialização em Engenharia Elétrica) Faculdade

Leia mais

Telecomunicaçõ. Redes de Computadores

Telecomunicaçõ. Redes de Computadores Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Telecomunicaçõ ções e Redes de Computadores Prof. João Pires (em substituição do Prof. Paulo Lobato Correia) IST, 2007/2008 Objectivos Rever alguns marcos

Leia mais

Dispositivo ZigBee. Desta forma obtêm-se redes maiores, mais robustas e com alto rendimento por ponto de leitura.

Dispositivo ZigBee. Desta forma obtêm-se redes maiores, mais robustas e com alto rendimento por ponto de leitura. Dado que o planeta onde vivemos tem como principal característica a abundância de água, fomos ao longo dos anos explorando esse recurso essencial à nossa vida. Por outro lado, este elemento de qualidade

Leia mais

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA Introdução Nesta edição do Catálogo de Serviços apresentamos os vários tipos de serviços que compõe a actual oferta da Primavera na área dos serviços de consultoria.

Leia mais

INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt

INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt Santo André, outubro de 2014 Roteiro Sistemas de Telefonia Celular Evolução dos Sistemas Celulares WMAN WiMAX Arquitetura

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN]

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Frederico Mendes & Associados Sociedade de Consultores Lda. Frederico Mendes & Associados é uma

Leia mais

Os Nossos Serviços. Learning is Changing! Project Management PMI

Os Nossos Serviços. Learning is Changing! Project Management PMI Learning is Changing! A actualidade apresenta-nos desafios constantes, que exigem novas respostas e soluções inovadoras, para um Futuro de Crescimento e Competitividade. Learning is Changing! reflecte

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Inovar para Ganhar Paulo Nordeste Portugal tem apresentado nos últimos anos casos de sucesso em inovação; como novos produtos, serviços e modelos de

Leia mais

CDMA, 3G e Aplicações. Luiz Gustavo Nogara nogara@inf.puc-rio.br

CDMA, 3G e Aplicações. Luiz Gustavo Nogara nogara@inf.puc-rio.br CDMA, 3G e Aplicações Luiz Gustavo Nogara nogara@inf.puc-rio.br Tópicos da apresentação História CDMA Padrões 3G Aplicações História Conceito básico: reuso de frequência 1969 Primeiro sistema celular com

Leia mais

Aprend.e Sistema integrado de formação e aprendizagem

Aprend.e Sistema integrado de formação e aprendizagem Aprend.e Sistema integrado de formação e aprendizagem Pedro Beça 1, Miguel Oliveira 1 e A. Manuel de Oliveira Duarte 2 1 Escola Aveiro Norte, Universidade de Aveiro 2 Escola Aveiro Norte, Departamento

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD 1 de 9 Desde o nascimento do telemóvel e o seu primeiro modelo vários se seguiram e as transformações tecnológicas que estes sofreram ditaram o nascimento de várias gerações. O Motorola DynaTac 8000X é

Leia mais

I. INTRODUÇÃO. SEINON Sistema Energético INtegral ONline. A melhor energia é a que não se consome

I. INTRODUÇÃO. SEINON Sistema Energético INtegral ONline. A melhor energia é a que não se consome I. INTRODUÇÃO SEINON Sistema Energético INtegral ONline A melhor energia é a que não se consome O sistema SEINON é uma ferramenta de gestão de consumo de energia que permite de forma simples e automática

Leia mais

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico APLOG Centro do Conhecimento Logístico Avaliação de Investimentos Logísticos e Outsourcing Logístico Guilherme Loureiro Cadeia de Abastecimento- Integração dos processos de gestão Operador Logístico vs

Leia mais

Introdução. 1.1. Âmbito do Documento

Introdução. 1.1. Âmbito do Documento Introdução Embora o conceito de virtualização, não seja um conceito novo, o uso desta tecnologia vem crescendo exponencialmente nas infra-estruturas de TI. Este crescimento deve-se sobretudo aos benefícios

Leia mais

Site Survey (Indoor)

Site Survey (Indoor) Comunicações Móveis Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Site Survey (Indoor) 6 de Junho de 2003 Ricardo Oliveira rmpoliveira@portugalmail.pt

Leia mais

Tendências para a próxima geração celular - 5G. Juliano J. Bazzo

Tendências para a próxima geração celular - 5G. Juliano J. Bazzo Tendências para a próxima geração celular - 5G Juliano J. Bazzo Agenda Motivação Roadmap: do 4G ao 5G Principais Tecnologias Tecnologia Nacional 4G/LTE Conclusão Evolução histórica Substituição de importações

Leia mais

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS FACTOS A Internet mudou profundamente a forma como as pessoas encontram, descobrem, compartilham, compram e se conectam. INTRODUÇÃO Os meios digitais, fazendo hoje parte do quotidiano

Leia mais

Documento de apresentação Software de Gestão e Avaliação da Formação

Documento de apresentação Software de Gestão e Avaliação da Formação Documento de apresentação Software de Gestão e Avaliação da Janeiro-2010 Para a boa gestão de pessoas, as empresas devem elevar o RH à posição de poder e primazia na organização e garantir que o pessoal

Leia mais

Iniciativa Nacional para a Banda Larga

Iniciativa Nacional para a Banda Larga Iniciativa Nacional para a Banda Larga José Fernandes UMIC Aveiro, 27 de Fevereiro 2004 1 A Iniciativa Nacional para a Banda Larga Governo Electrónico Ensino em Linha Negócios Electrónicos Saúde em Linha

Leia mais

PROJECTO DE DECISÃO I OS FACTOS

PROJECTO DE DECISÃO I OS FACTOS http://www.anacom.pt/template31.jsp?categoryid=269365 Deliberação de 13.2.2008 PROJECTO DE DECISÃO I OS FACTOS 1. Em 17.05.2007, a RADIOMÓVEL Telecomunicações, S.A. (RADIOMÓVEL) apresentou ao ICP-ANACOM

Leia mais

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade Introdução Desenvolvido segundo um modelo de bases de dados relacionais, podem ser realizadas personalizações à medida de cada empresa, em conformidade com o Sistema de Informação existente e diversas

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Princípios aplicáveis ao desenvolvimento dos Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros As melhores práticas internacionais na regulamentação

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Por Deliberação do Conselho de Administração de 24 de Outubro de 2002, foi constituído um Grupo de Trabalho com o seguinte mandato:

DELIBERAÇÃO. Por Deliberação do Conselho de Administração de 24 de Outubro de 2002, foi constituído um Grupo de Trabalho com o seguinte mandato: http://www.anacom.pt/template31.jsp?categoryid=208342 Deliberação de 6.12.2002 DELIBERAÇÃO I Por Deliberação do Conselho de Administração de 24 de Outubro de 2002, foi constituído um Grupo de Trabalho

Leia mais

HSPA: Conceitos Básicos

HSPA: Conceitos Básicos HSPA: Conceitos Básicos Este tutorial apresenta a tecnologia contida no padrão HSPA (High Speed Packet Access) para as redes celulares de 3ª geração (3G) baseada no conjunto de padrões WCDMA (Wideband

Leia mais

RFID CASE STUDY THROTTLEMAN. Hugo Pedro hugo.pedro@sybase.pt 91 879 88 54

RFID CASE STUDY THROTTLEMAN. Hugo Pedro hugo.pedro@sybase.pt 91 879 88 54 RFID CASE STUDY THROTTLEMAN Hugo Pedro hugo.pedro@sybase.pt 91 879 88 54 A TECNOLOGIA RFID A HISTÓRIA A TECNOLOGIA Identificação por Rádio Frequência permite identificar unicamente um objecto, usando ondas

Leia mais

Palmela, 31 Outubro 2012. Schneider Electric - Eficiência Energética HAG 01/2010 1

Palmela, 31 Outubro 2012. Schneider Electric - Eficiência Energética HAG 01/2010 1 Palmela, 31 Outubro 2012 Schneider Electric - Eficiência Energética HAG 01/2010 1 O Consumo de Energia está a aumentar Schneider Electric - Eficiência Energética HAG 01/2010 2 mais rápido do que novas

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Rede de Telefonia Fixa Telefonia pode ser considerada a área do conhecimento que trata da transmissão de voz através de uma rede de telecomunicações.

Leia mais

Indice. 1. Breve Apresentação. 2. Resumo da Tecnologia. 3. Abordagem Comercial. 4. Dúvidas

Indice. 1. Breve Apresentação. 2. Resumo da Tecnologia. 3. Abordagem Comercial. 4. Dúvidas Apresentação Indice 1. Breve Apresentação 2. Resumo da Tecnologia 3. Abordagem Comercial 4. Dúvidas 1. Breve Apresentação A GoWireless É uma empresa nacional, sediada em Aveiro, que implementa redes privadas

Leia mais

Gestão e Controle de Energia Building Technologies

Gestão e Controle de Energia Building Technologies Gestão e Controle de Energia Copyright Siemens Switzerland Ltd. All rights reserved. Índice Empresa e Organização 3 Performance e Sustentabilidade em Edifícios 6 Produtos, Soluções e Serviços 10 Gestão

Leia mais

Case Study. Câmara Municipal de Águeda. Implementação de uma infra-estrutura de WiMAX

Case Study. Câmara Municipal de Águeda. Implementação de uma infra-estrutura de WiMAX Câmara Municipal de Águeda Implementação de uma infra-estrutura de WiMAX A Wavecom, empresa portuguesa de engenharia de comunicações, implementou com sucesso no Município de Águeda o primeiro projecto

Leia mais

Premier. Quando os últimos são os Primeiros

Premier. Quando os últimos são os Primeiros Premier Quando os últimos são os Primeiros Fundada em 1997 Especializada no desenvolvimento de soluções informáticas de apoio à Gestão e consultoria em Tecnologias de Informação. C3im tem como principais

Leia mais

1 Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial Os Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial da SAP incluem:

1 Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial Os Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial da SAP incluem: Descrição de Serviços Serviços de Planeamento e Empresarial Os Serviços de Planeamento e Empresarial fornecem serviços de consultoria e prototipagem para facilitar a agenda do Licenciado relativa à inovação

Leia mais

Plataforma integrada para testes em arquitecturas orientadas a serviços

Plataforma integrada para testes em arquitecturas orientadas a serviços Plataforma integrada para testes em arquitecturas orientadas a serviços Índice Introdução... 2 A solução... 2 Plataforma Integrada (principais características)... 4 Eliminar limitações à execução de testes

Leia mais

Resumo Apresentação : Orador

Resumo Apresentação : Orador Resumo Apresentação : Orador Formador Sénior (1999-2010) CCSI - Certified Cisco System Instructor CCNA Security, Voice, Wireless CCDA, CCDP, CCNP, CCIP, CCSP IPS, NAC, Firewall, Wireless Specialist Coordenador

Leia mais

IDC Portugal aumenta produtividade e reduz custos operacionais com Microsoft Dynamics CRM em modelo hosted

IDC Portugal aumenta produtividade e reduz custos operacionais com Microsoft Dynamics CRM em modelo hosted Microsoft Dynamics CRM Online Customer Solution Case Study IDC Portugal IDC Portugal aumenta produtividade e reduz custos operacionais com Microsoft Dynamics CRM em modelo hosted Sumário País Portugal

Leia mais

Área. Científica COMPUTADORES MEEC 2006-2007. mario.nunes@inesc.pt http://comp.ist.utl.pt. Instituto de Superior Técnico

Área. Científica COMPUTADORES MEEC 2006-2007. mario.nunes@inesc.pt http://comp.ist.utl.pt. Instituto de Superior Técnico Área Científica COMPUTADORES MEEC 2006-2007 mario.nunes@inesc.pt http://comp.ist.utl.pt Instituto de Superior Técnico COORDENAÇÃO Coordenador da Área Científica de Computadores Prof. José Alberto Tomé

Leia mais

HSDPA: Transmissão de Dados em Telefonia Móvel

HSDPA: Transmissão de Dados em Telefonia Móvel HSDPA: Transmissão de Dados em Telefonia Móvel O conteúdo deste tutorial foi obtido do artigo de autoria do Anderson Clayton de Oliveira para a etapa de classificação do II Concurso Teleco de Trabalhos

Leia mais

LTE/LTE-A Long Term Evolution / Long Term Evolution Advanced

LTE/LTE-A Long Term Evolution / Long Term Evolution Advanced LTE/LTE-A Long Term Evolution / Long Term Evolution Advanced Hartur Barreto Brito - hbb@ecomp.poli.br Felipe Jorge Pereira - fjp@ecomp.poli.br 2014.2 1 Introdução O LTE (Long Term Evolution) é a nova geração

Leia mais

CURRICULUM VITAE. Desde Janeiro 2006 Responsável pela Unidade de Negócios da Lisboagás para Lisboa e Amadora.

CURRICULUM VITAE. Desde Janeiro 2006 Responsável pela Unidade de Negócios da Lisboagás para Lisboa e Amadora. CURRICULUM VITAE Nome: Nuno Miguel de Campos Matos Vaz Neto Morada: Rua João de Oliveira Miguens, 5-5º C Código Postal e Localidade: 1350-187 Lisboa Nacionalidade: Portuguesa Telefone: +351917765911 E-mail:

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD 1 de 7 Na minha opinião o telemovél na sociedade tem uma boa vantagem porque com tem uma grande mobilidade (pode-se levar para todo o lado), através dele podemos entrar em contacto com amigos ou familiares

Leia mais

Totally Integrated Automation (TIA) Portal Siemens AG 2015. All Rights Reserved. siemens.com/tia-portal

Totally Integrated Automation (TIA) Portal Siemens AG 2015. All Rights Reserved. siemens.com/tia-portal 20 Maio 2015 Totally Integrated Automation (TIA) Portal siemens.com/tia-portal Indústria - Tendências Tendências Comunicação de campo baseada em Ethernet Funcionalidades IT Aumento de capacidade e flexibilidade

Leia mais

Avaliação da Transmissão de Televisão Digital Móvel em Redes UMTS

Avaliação da Transmissão de Televisão Digital Móvel em Redes UMTS Avaliação da Transmissão de Televisão Digital Móvel em Redes UMTS Jerônimo S. Rocha, Carlos Danilo M. Regis, Pedro Leonardo F. Costa, José Ewerton P. Farias e Marcelo S. Alencar Resumo Neste trabalho são

Leia mais

Europass curriculum vitae

Europass curriculum vitae Europass curriculum vitae Informação pessoal Apelido(s) - Nome(s) Morada(s) Rua de Casais 99 Gulpilhares 4405-631 Vila Nova de Gaia Portugal Telefone(s) Telemóvel: 966913960 Fax(es) Correio(s) electrónico(s)

Leia mais

Improving Performance of the Internet - Cont. Orlando Pereira - m2371 Bruno Miguel Silva- m2359 João Prata - a15997

Improving Performance of the Internet - Cont. Orlando Pereira - m2371 Bruno Miguel Silva- m2359 João Prata - a15997 Improving Performance of the Internet - Cont. Orlando Pereira - m2371 Bruno Miguel Silva- m2359 João Prata - a15997 A question of Scale..D is tâncias l o ng as aume n t am a probabilidade de congestão

Leia mais

Enunciado do Projecto

Enunciado do Projecto C O M P U T A Ç Ã O M Ó V E L 2 0 0 7 / 2 0 0 8 Enunciado do Projecto 17 de Março de 2008 1. Objectivos Desenvolver uma aplicação num domínio aplicacional específico que envolva replicação e sincronização

Leia mais

WWAN DE BANDA LARGA: VANTAGENS PARA O PROFISSIONAL MÓVEL

WWAN DE BANDA LARGA: VANTAGENS PARA O PROFISSIONAL MÓVEL ARTIGO WWAN DE BANDA LARGA WWAN DE BANDA LARGA: VANTAGENS PARA O PROFISSIONAL MÓVEL Cada vez mais, a conectividade imediata de alta-velocidade é essencial para o sucesso dos negócios bem como para a eficiência

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO GRUPO INCENTEA

APRESENTAÇÃO DO GRUPO INCENTEA APRESENTAÇÃO DO GRUPO INCENTEA Quem Somos Somos um grupo de empresas de prestação de serviços profissionais nas áreas das Tecnologias de Informação, Comunicação e Gestão. Estamos presente em Portugal,

Leia mais

Simulação de tráfego por pacotes WWW-Browsing para sistemas celulares 1

Simulação de tráfego por pacotes WWW-Browsing para sistemas celulares 1 47 Simulação de tráfego por pacotes WWW-Browsing para sistemas celulares 1 J. Sindi Yamamoto Rodrigo Pasti Resumo Neste artigo é apresentado um simulador de tráfego por pacotes em sistemas celulares. O

Leia mais

Figura 1 - Arquitectura do GSM

Figura 1 - Arquitectura do GSM GSM O aparecimento das redes de comunicações no século passado veio revolucionar o nosso mundo. Com os primeiros telefones surgiu a necessidade de criar redes que os suportassem. Começaram a surgir as

Leia mais

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS FACTOS A Internet mudou profundamente a forma como as pessoas encontram, descobrem, compartilham, compram e se conectam. INTRODUÇÃO Os meios digitais, fazendo hoje parte do quotidiano

Leia mais

Partilha segura de ficheiros disponibilizados livremente na Internet

Partilha segura de ficheiros disponibilizados livremente na Internet Partilha segura de ficheiros disponibilizados livremente na Internet Nuno Matias, António Pinto Resumo As plataformas baseadas na nuvem (ou cloud computing) pressupõem a disponibilidade de informação,

Leia mais

Uma das novidades do Plano de Formação para 2014 relaciona-se com a parceria estabelecida entre a Inesting e o DMI Digital Marketing Institute.

Uma das novidades do Plano de Formação para 2014 relaciona-se com a parceria estabelecida entre a Inesting e o DMI Digital Marketing Institute. Apresentação Uma das novidades do Plano de Formação para 2014 relaciona-se com a parceria estabelecida entre a Inesting e o DMI Digital Marketing Institute. O DMI é uma organização baseada na Irlanda,

Leia mais

1. Contexto. Página 1 de 5

1. Contexto. Página 1 de 5 REFERENCIAL REDES DE NOVA GERAÇÃO OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO E DE CONHECIMENTO SI INOVAÇÃO Nº 14 / SI / 2009 SI I&DT Nº 15 / SI / 2009 1. Contexto A Resolução do Conselho de Ministros n.º 120/2008, de 30

Leia mais

Como a Cisco TI virtualizou os Servidores de Aplicações dos Centros de Dados

Como a Cisco TI virtualizou os Servidores de Aplicações dos Centros de Dados Case Study da Cisco TI Como a Cisco TI virtualizou os Servidores de Aplicações dos Centros de Dados A implementação de servidores virtualizados proporciona economias significativas de custos, diminui a

Leia mais

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas Análise de Sistemas Conceito de análise de sistemas Sistema: Conjunto de partes organizadas (estruturadas) que concorrem para atingir um (ou mais) objectivos. Sistema de informação (SI): sub-sistema de

Leia mais

Mestrado em Engª de Redes de Comunicações. Redes de Comunicações Móveis Trabalho de Laboratório (2007/2008)

Mestrado em Engª de Redes de Comunicações. Redes de Comunicações Móveis Trabalho de Laboratório (2007/2008) Mestrado em Engª de Redes de Comunicações Redes de Comunicações Móveis Trabalho de Laboratório (2007/2008) 2007-10-18 Configuração, caracterização, desempenho e limitações de redes sem fios IEEE802 Objectivo

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Desenho de Software Departamento de Matemática Universidade dos Açores Hélia Guerra helia@uac.pt desenho Desenho (dicionário Priberam on-line) do Lat.! designu s. m., arte de representar

Leia mais

SISTEMA DE POSICIONAMENTO LOCAL BASEADO EM REDES WI-FI

SISTEMA DE POSICIONAMENTO LOCAL BASEADO EM REDES WI-FI SISTEMA DE POSICIONAMENTO LOCAL BASEADO EM REDES WI-FI Pedro Claro Departamento de Electrónica, Telecomunicações e Informática Universidade de Aveiro 4 de Janeiro de 27 1 1 Introdução 6 Conclusões 2 1

Leia mais

Gestão dos Níveis de Serviço

Gestão dos Níveis de Serviço A Gestão dos Níveis de Serviço (SLM) Os sistemas e tecnologias de informação e comunicação têm nas empresas um papel cada vez mais importante evoluindo, hoje em dia, para níveis mais elevados de funcionamento

Leia mais

ILM e as Arquitecturas Empresariais por Pedro Sousa

ILM e as Arquitecturas Empresariais por Pedro Sousa ILM e as Arquitecturas Empresariais por Pedro Sousa Neste artigo clarifica-se os objectivos do ILM (Information Life Cycle Management) e mostra-se como estes estão dependentes da realização e manutenção

Leia mais

Reorganização Dinâmica em Situações de Gestão de Crise. Resumo

Reorganização Dinâmica em Situações de Gestão de Crise. Resumo Reorganização Dinâmica em Situações de Gestão de Crise Sérgio Guerreiro Instituto de Sistemas e Robótica IST Torre Norte, Av. Rovisco Pais, 1, 1049-001 Lisboa, Portugal slguerreiro@clix.pt José Tribolet

Leia mais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais conteúdos: Programa de formação avançada centrado nas competências e necessidades dos profissionais. PÁGINA 2 Cinco motivos para prefirir a INOVE RH como o seu parceiro, numa ligação baseada na igualdade

Leia mais

Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM

Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM por Engº João Barata (jbarata@ctcv.pt), CTCV Inovação Centro Tecnológico da Cerâmica e do Vidro 1. - INTRODUÇÃO Os sub-sistemas de gestão, qualquer que seja o seu

Leia mais

Utilização de DGPS para Monitorização de Frotas em Ambiente Urbano

Utilização de DGPS para Monitorização de Frotas em Ambiente Urbano Utilização de DGPS para Monitorização de Frotas em Ambiente Urbano Telmo Cunha (1,2), Phillip Tomé (1), Sérgio Cunha (2), Jaime Cardoso (2) e Luisa Bastos (1) (1) Observatório Astronómico da Universidade

Leia mais

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como SISTEMA DE DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE DESENVOLVIMENTO DAS OPORTUNIDADES DE COOPERAÇÃO EM REDE Nota: documento elaborado pela INTELI Inteligência em Inovação, no âmbito da consultadoria prestada

Leia mais

Em início de nova fase, forumb2b.com alarga a oferta

Em início de nova fase, forumb2b.com alarga a oferta Em início de nova fase, alarga a oferta Com o objectivo de ajudar as empresas a controlar e reduzir custos relacionados com transacções de bens e serviços, o adicionou à sua oferta um conjunto de aplicações

Leia mais

Redes de Telecomunicações

Redes de Telecomunicações Redes de Telecomunicações Mestrado em Engenharia Electrotécnica e e de Computadores 1º semestre 2009/2010 Capítulo 1 Introdução João Pires Redes de Telecomunicações (09/10) 2 Aspectos da Evolução das Telecomunicações

Leia mais

Cap. 1 Introdução. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação. Prof. Eduardo Barrére. Material Base: Marcelo Moreno. eduardo.barrere@ice.ufjf.

Cap. 1 Introdução. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação. Prof. Eduardo Barrére. Material Base: Marcelo Moreno. eduardo.barrere@ice.ufjf. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação Cap. 1 Introdução Prof. Eduardo Barrére eduardo.barrere@ice.ufjf.br Material Base: Marcelo Moreno Dep. Ciência da Computação 1 Computação Móvel Computação

Leia mais

1.1 A abordagem seguida no livro

1.1 A abordagem seguida no livro 1- Introdução A área de administração de sistemas e redes assume cada vez mais um papel fundamental no âmbito das tecnologias da informação. Trata-se, na realidade, de uma área bastante exigente do ponto

Leia mais

Sistemas de Informação no sector da Construção. João Poças Martins, FEUP/GEQUALTEC, 2011 1

Sistemas de Informação no sector da Construção. João Poças Martins, FEUP/GEQUALTEC, 2011 1 Sistemas de Informação no sector da Construção João Poças Martins, FEUP/GEQUALTEC, 2011 1 Sistemas de Informação no sector da Construção 1. SI na Construção. Introdução 2. ERP 3. BIM 4. Outras aplicações

Leia mais

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis "#$%%% Percentual da população com telefone celular

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis #$%%% Percentual da população com telefone celular Sumário Sistemas de Comunicação Wireless! #$%%% & Visão Geral de Redes Móveis Introdução Percentual da população com telefone celular Brasil 19% 34% 2001 2005 Fonte: Global Mobile, Goldman Sachs, DiamondCluster

Leia mais

REDES DE COMUNICAÇÕES MÓVEIS 2º Trabalho de Laboratório. DESEMPENHO E LIMITAÇÕES DE REDES SEM FIOS IEEE802.11 1- Introdução

REDES DE COMUNICAÇÕES MÓVEIS 2º Trabalho de Laboratório. DESEMPENHO E LIMITAÇÕES DE REDES SEM FIOS IEEE802.11 1- Introdução Mestrado em Engª de Redes de Comunicações REDES DE COMUNICAÇÕES MÓVEIS 2º Trabalho de Laboratório 3º ano, 1º semestre, 2010/11 Segunda-Feira, 16:30h Alunos Nome Número João Salada 57849 Marco Alves 57846

Leia mais

Um Desafio às Telecomunicações

Um Desafio às Telecomunicações Um Desafio às Telecomunicações A Inovação na Administração Pública como driver de desenvolvimento de novas infra-estruturas, produtos e serviços egovernment & ehealth 24 e 25 de Junho de 2008 IDC - CCB

Leia mais

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas Conceito As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas PÁG 02 Actualmente, face à crescente necessidade de integração dos processos de negócio, as empresas enfrentam o desafio de inovar e expandir

Leia mais

DIGITAL MARKETING PROFESSIONAL DIPLOMA PELO DIGITAL MARKETING INSTITUTE SEA SEO. www.cegoc.pt/news/marketingdigital WEB ANALYTICS.

DIGITAL MARKETING PROFESSIONAL DIPLOMA PELO DIGITAL MARKETING INSTITUTE SEA SEO. www.cegoc.pt/news/marketingdigital WEB ANALYTICS. O BO TC AM P DIGITAL MARKETING SEA WEB ANALYTICS SEO www.cegoc.pt/news/marketingdigital INTRODUÇÃO TIPOLOGIAS DE FORMAÇÃO ESTRATÉGICA OPERACIONAL PRÁTICA Formação estratégica, estruturante e pensante,

Leia mais

Tecnologias de banda larga móvel, UMTF e WiMax

Tecnologias de banda larga móvel, UMTF e WiMax Tecnologias de banda larga móvel, UMTF e WiMax Alex Rodrigo de Oliveira - 06/30403 Danilo Gaby Andersen Trindade - 06/82039 Pedro Rogério Vieira Dias - 06/93472 26 de junho de 2009 Resumo Trabalho final

Leia mais