A participação da sociedade civil européia, através das Organizações Não Governamentais (ONGs), nos rumos dos projetos educacionais da União Européia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A participação da sociedade civil européia, através das Organizações Não Governamentais (ONGs), nos rumos dos projetos educacionais da União Européia"

Transcrição

1 A participação da sociedade civil européia, através das Organizações Não Governamentais (ONGs), nos rumos dos projetos educacionais da União Européia Aline Pecorari da Cruz 121 Sumário: 1. Introdução 2. A evolução histórica da União Européia 3. O Parlamento Europeu 4. As ONGs (Organizações Não-Governamentais) como forma de participação da Sociedade Civil 5. A atuação das Organizações Não Governamentais (ONGs) na área da educação e o Parlamento Europeu 6. Conclusão 7. Referências Bibliográficas Resumo: A participação da sociedade civil, por intermédio de associações, não se revela como um fato inédito. Em 1835, Tocqueville já anunciava sua presença no continente norte-americano - a considerava como peça fundamental para viabilizar o regime democrático e a própria existência da civilização. Atualmente, a importância da análise quanto à atuação da sociedade civil se faz latente como forma, inclusive, de garantir a redemocratização. É nesse sentido que o presente estudo buscar verificar a participação da sociedade civil nos rumos da União Européia, através das Organizações Não-Governamentais (ONGs), como forma de conferir legitimidade, principalmente, às decisões do Parlamento Europeu. Palavras-chave: União Européia Organizações Não-Governamentais Parlamento Europeu Programas Educacionais - Legitimidade Abstract: The participation of civil society, through associations, reveals itself as an unprecedented event. In 1835, Tocqueville had already announced its presence in the U.S. - regarded as the cornerstone for achieving the democratic regime and the very existence of civilization. Currently, the importance of analysis about the role of civil society as a latent causes, including ensuring the return to democracy. In that sense, this study sought to verify the participation of civil society in shaping the EU, through the Non-Governmental Organizations (NGOs) as a way to confer legitimacy, especially the decisions of the European Parliament. Keywords: European Union - Non-Governmental Organizations - European Parliament - Educational Programs Legitimacy 121 Advogada e Mestranda em Direito da Universidade Metodista de Piracicaba (UNIMEP)

2 Introdução Detentora de um caráter único, a União Européia é composta por países que permanecem como nações soberanas e independentes. Não se assemelha, portanto, a uma federação, como os Estados Unidos da América, tampouco a uma organização e cooperação entre governos, conforme as Nações Unidas (ONU). Tendo como marco inicial a Comunidade Européia do Carvão e do Aço, a União Européia está dividida em três principais órgãos: o Conselho, a Comissão, e o Parlamento Europeu. Criado com o intuito de conferir um caráter democrático ao bloco econômico, o Parlamento Europeu é o único órgão composto por representantes eleitos diretamente pelos cidadãos europeus. Destarte, sua atuação merece ser analisada de forma mais criteriosa, quando questiona-se a legitimidade das decisões da União Européia, inclusive e principalmente quanto aos programas educacionais por ela financiados, a exemplo do ERASMUS. O desempenho da sociedade civil, através de associações não se revela como fato inédito, mas com certeza vem ganhando maior visibilidade e importância ao longo dos anos. Considerada por alguns autores, como Tocqueville, o mecanismo que pode viabilizar o regime democrático e garantir a própria existência da civilização, o presente estudo busca verificar como a participação das Organizações Não-Governamentais (ONGs) da União Européia pode conferir legitimidade aos atos dos órgãos, supramencionados, em especial o Parlamento Europeu. Fundamental, deste modo, conferir se o Parlamento Europeu possui uma relação íntima com a sociedade civil européia, através das Organizações Não-Governamentais (ONGs), correspondendo, na prática, o aparente perfeccionismo da teoria, especialmente quanto aos programas educacionais patrocinados pelo bloco europeu (inclusive, porque um fato depende do outro, ou seja: para que os programas educacionais possam refletir os anseios dos cidadãos europeus, é necessário que haja a participação da sociedade civil, através das Organizações Não-Governamentais (ONGs); e para que os cidadãos europeus possam fazer parte desse processo de integração, é necessário que o direito à educação lhes seja devidamente assegurado). A evolução histórica da União Européia Criada no século passado, a União Européia surge com o intuito de por termo às frequentes guerras sangrentas entre países vizinhos, que culminaram na Segunda Guerra Mundial. A partir de 1950, a Comunidade Européia do Carvão e do Aço começa a unir os países europeus econômica e politicamente, visando assegurar uma paz duradoura. Os seis países fundadores são: Alemanha, Bélgica, França, Itália, Luxemburgo e Países Baixos. Finalmente, após sete anos, em 1957, o Tratado de Roma institui a Comunidade Econômica Européia (CEE) ou Mercado Comum é para a Europa o ano zero. É o toque de finados de uma tendência que se acentuava desde a primeira guerra: o fim da hegemonia da Europa, o desmantelamento do velho sistema de relações internacionais, alicerçado no equilíbrio das grandes potências européias que, ao longo de séculos, disputaram a liderança continental do centro e do oeste. É o começo 122 A história da União Européia. Site oficial da União Européia. Disponível em: <http://europa.eu /abc/history/index_pt.htm>. Acesso em: 19 dez

3 irremediável da dependência. (...) Que restava, por conseguinte, às médias potências européias para garantir não só a sua reconstrução e sobrevivência, mas também alguma capacidade credível para terem uma palavra a dizer sobre o futuro da Europa e o destino do mundo perante as congeminações geoestratégicas e geopolíticas dos dois gigantes que se acercavam a leste e a oeste? 123 Enquanto a década de 60 é considerada um período de crescimento econômico, a década de 70 é marcada pelo aumento do número dos Estados-Membros, integrantes do referido bloco, para nove. O Parlamento Europeu aumenta sua influência na União Européia e, em 1979, os cidadãos passam, pela primeira vez, a eleger diretamente seus deputados. 124 Durante a década de 80, a Europa e o mundo assistem à convulsão política com a queda do muro de Berlim, permitindo que a fronteira entre a Alemanha do Leste e a Alemanha Ocidental fosse aberta pela primeira vez em 28 anos. Com o desmoronamento do comunismo na Europa Central e Oriental na década de 90, assistese a um estreitamento das relações entre os europeus. Em 1993, é concluído o Mercado Único com as quatro liberdades, ou seja, livre circulação de: mercadorias, serviços, pessoas e capitais. 125 A União Européia surge como resposta à insatisfação de expectativas e ao adiamento sucessivo de propostas de aprofundamento comunitário ao longo de duas décadas. O tratado que a consagrou, saído de um processo negocial atribulado e longo, assinado em Maastricht, em 7 de Fevereiro de 1992, com uma estrutura complexa, consumou o relançamento da integração assente em três pilares (Comunidade Européia, Política Externa e de Segurança, Justiça e Assuntos Internos), e configurou duas vertentes fundamentais: o início da união política e a realização de uma união econômica e monetária. 126 A partir do ano 2000, a União Européia vive uma década de expansão 127. Atualmente, o bloco europeu conta com 27 Estados-Membros 128, que transferiram parte 123 SILVA, A. M. História da Unificação Européia - A Integração Comunitária ( ). Editora: Imprensa da Universidade de Coimbra: Coimbra 2010, p. 17 e A história da União Européia. op. cit. 125 Ibid SILVA, A. M. op. cit., p A partir de 2000 Uma década de expansão. Site oficial da União Européia. Disponível em: <http://europa.eu/abc/history/2000_today/index_pt.htm>. Acesso em: 09 jan Áustria, Bélgica, Bulgária, Chipre, República Checa, Dinamarca, Estônia, Finlândia, França, Alemanha, Grécia, Hungria, Irlanda, Itália, Letônia, Lituânia, Luxemburgo, Malta, Países Baixos, Polônia, Portugal, Romênia, Eslováquia, Eslovênia, Espanha, Suécia,Reino Unido, como Estados- Membros; Croácia, Antiga República Jugoslávia da Macedônia, Turquia, Islândia, como países candidatos; e, finalmente, Albânia, Bósnia e Herzegovina, Kosovo, sob a égide das Nações Unidas, de acordo com a Resolução 1244 do Conselho de Segurança, Montenegro e Sérvia, como candidatos em potenciais 166

4 da sua soberania e competências legislativa para instituições em comum 129 : o Conselho, a Comissão e, finalmente, o Parlamento Europeu 130. Enquanto o Conselho é composto por um ministro do governo nacional de cada um dos Estados-Membros 131 e a Comissão é composta por comissários escolhidos pelo presidente da Comissão em conjunto com os governos dos Estados-Membros 132, o Parlamento Europeu se diferencia, posto que seus membros são eleitos diretamente por cidadãos europeus 133. Tendo em vista que o objetivo do presente estudo é analisar se a sociedade civil européia efetivamente participa dos rumos do respectivo bloco econômico, quanto à definição das diretrizes dos projetos educacionais, far-se-á necessário um estudo sobre o Parlamento Europeu. O Parlamento Europeu Em 1979, pela primeira vez, os deputados que compõem o Parlamento são eleitos diretamente pelos cidadãos europeus. 134 As eleições ocorrem de cinco em cinco anos e todos os cidadãos da União Européia têm direito a votar, bem como se apresentar na qualidade de candidatos, independentemente do local onde vivem. O Parlamento exprime ou deveria exprimir- a vontade democrática dos, aproximadamente, 500 milhões de cidadãos da União Européia, representando seus interesses nas discussões com as outras instituições do bloco europeu. 135 Eleito por um período de cinco anos por sufrágio universal direto, o Parlamento Europeu é a expressão democrática dos milhões de cidadãos europeus. O Parlamento é constituído por 626 deputados reunidos em grupos políticos transnacionais que representam as grandes tendências políticas existentes nos Estados-membros da União. A idéia de criação de uma Assembléia Comunitária como órgão auxiliar do processo europeu de integração vem do início dos anos 50, sendo concebido como um contrapeso à influência do Conselho Europeu e foi ganhando importância ao longo das etapas de construção da Europa. Inicialmente, formado por representantes dos diferentes parlamentos dos Estados-membros e com limitadas funções consultivas, o Parlamento ganhou gradualmente importância na estrutura organizacional da União Européia Os países da União Européia. Site Oficial da União Européia. Disponível em: < Acesso em: 14 nov Instituições e outros órgãos da União Européia. Site oficial da União Européia. Disponível em: <http:// europa.eu/institutions/index_pt.htm>. Acesso em: 05 fev Conselho da União Européia. Site oficial da União Européia. Disponível em: <http://europa.eu/ institutions/inst/council/index_pt.htm>. Acesso em 12 fev Comissão Européia. Site oficial da União Européia. Disponível em: <http://europa.eu/institutions/ inst/comm/index_pt.htm>. Acesso em 12 de fev de Parlamento Europeu. Site oficial da União Européia. Disponível em: <http://europa.eu/institutions/ inst/parliament/index_pt.htm>. Acesso em: 12 de fev Ibid. 135 Ibid. 136 LESSA. A. C. Construção da Europa: a última utopia das relações internacionais. Editora: Cia dos Livros: 2003, p

5 Ao constatar que o Parlamento é um órgão diretamente eleito pelos cidadãos e que exerce, entre outras atribuições, atividades juntamente com o Conselho, pode-se concluir, imediatamente, que seu principal objetivo - e quiçá, a razão de sua existência - seria conferir legitimidade às decisões da União Européia, inclusive quanto aos programas educacionais por ela financiados. O Parlamento Europeu, por exemplo, está apto a analisar petições apresentadas por cidadãos, bem como instituir comissões de inquérito, consentindo a atuação direta daqueles nas diretrizes da União Européia. 137 Qualquer cidadão da União Européia ou residente num Estado- Membro pode, a título individual ou em associação com outras pessoas, apresentar uma petição ao Parlamento Europeu sobre assuntos que se enquadrem no âmbito das atividades da União Européia que o(s) afete(m) diretamente. Qualquer empresa, organização ou associação que tenha a sua sede social na União Européia pode também exercer este direito de petição garantido pelo Tratado. A petição pode ser apresentada sob a forma de uma queixa ou de um pedido e pode dizer respeito a questões de interesse privado ou público. A petição pode revestir a forma de um pedido individual, de uma queixa, de uma observação sobre a aplicação do direito comunitário ou de um apelo ao Parlamento Europeu para que este assuma uma posição sobre uma questão específica. Este tipo de petições proporciona ao Parlamento Europeu a oportunidade de chamar a atenção para qualquer violação dos direitos de um cidadão europeu por parte de um Estado Membro, das autoridades locais ou de uma Instituição. 138 Os temas discutidos podem ser variados, desde que sejam da competência da União Européia, como por exemplo: emprego, assuntos sociais, defesa do consumidor, questões ambientais, etc. 139 Ademais, o Parlamento contribui sempre para as cimeiras da União Européia (ou seja, as reuniões do Conselho Europeu). No início de cada cimeira, o Presidente do Parlamento é convidado a exprimir suas preocupações sobre assuntos importantes e questões que figuram na agenda do Conselho Europeu. 140 Esta preparação é feita pelos deputados das Comissões Parlamentares especializadas nas diversas áreas de atividade da UE. As questões a debater são também discutidas nos grupos políticos. A própria sessão plenária. As sessões plenárias, para todos os deputados do PE, realizam-se normalmente em Estrasburgo (uma semana por mês) e ocasionalmente em Bruxelas (apenas dois dias). Nestas sessões, o Parlamento examina as propostas de legislação e vota as emendas que 137 Parlamento Europeu. op. cit O parlamento e os Cidadãos. Petições. Site oficial do Parlamento Europeu. Disponível em: <http:// F7829A7.node2?language=PT&id=49> 139 Ibid. 140 Parlamento Europeu. op cit. 168

6 pretende introduzir antes de chegar a uma decisão sobre a totalidade do ato jurídico. 141 As ONGs (Organizações Não-Governamentais) como forma de participação da Sociedade Civil Ainda que escrito em 1835, Tocqueville traz em sua obra, A Democracia na América 142, considerações que se revelam indubitavelmente atuais. Entre tantas observações relevantes, Tocqueville estabelece uma relação entre a importância das associações e os rumos da democracia. (...) a revolução democrática operou-se no seio da própria sociedade, sem que se fizesse nas leis, nas idéias, nos hábitos, e nos costumes, a transformação que teria sido necessária para tornar útil aquela revolução. Por isso, possuímos a democracia, mas lhe falta aquilo que lhe deve atenuar os vícios e fazer ressaltar as vantagens naturais; e embora possamos ver os males que carreta, ignoramos os bens que ela pode dar 143. Em seus ensinamentos, Tocqueville já afirmava que Educar a democracia (...) é o primeiro dos deveres impostos hoje em dia àqueles que dirigem a sociedade. Precisamos de uma nova ciência política para um mundo inteiramente novo. 144 Com certeza, o mundo inteiramente novo analisado por Tocqueville, em 1835, em muito se difere da atual sociedade. E, ainda assim, suas considerações seguem extremamente atuais. O atual significado de Sociedade Civil não coincide com o exposto por Hegeil, nem mesmo por Marx, pois seu núcleo é formado de associações e organizações livres, não estatais e não econômicas que captam os ecos dos problemas sociais que ressoam na esfera privada e transmitem, a seguir, para a esfera pública (...) Assim, a Sociedade Civil serve para delinear estratégias de convivência com o próprio mercado, propondo programas democráticos que legitimem propostas de reforma gerencial no campo das políticas públicas Ibid. 142 Da democracia na América (1835) é um texto clássico de autoria de Alexis de Tocqueville sobre os Estados Unidos da América dos anos 30 do século XIX, as suas virtudes e defeitos. Alexis De Tocqueville e Gustave de Beaumont, ambos aristocratas franceses, foram enviados pelo governo francês em 1831 para estudar o sistema prisional americano. Chegaram a Nova Iorque em Maio desse ano e passaram nove meses em viagem pelos Estados Unidos, tomando notas não só acerca das prisões, mas sobre todos os aspectos da sociedade norte americana, incluindo sua economia e o seu sistema político, único no mundo. 143 TOCQUEVILLE, A. A Democracia na América. 2ª edição. Editora da Universidade de São Paulo, p. 14 e Ibid, p PIEDADE, M.P. A Sociedade Civil e os Novos Atores Globais no Desempenho do Direito de Informação e Participação. In: MIALHE, J. L. Ensaios de Direito Internacional Fundamentos, Novos Atores e Integração Regional. Editora: Millennium. Campinas 2009, p

7 Os cidadãos, assim como no século XIX e XX, seguem independentes e frágeis, podendo e devendo se unir em prol de um objetivo comum. Tal direito deve ser transformado em um hábito, sob pena da própria civilização estar em perigo. 146 Assim, o país mais democrático da terra verifica-se ser aquele onde os homens mais aperfeiçoam hoje em dia a arte de procurar em comum o objeto dos seus comuns desejos e aplicaram ao maior número de objetos essa ciência nova. (...) Nas sociedades aristocráticas os homens não têm necessidade de unir-se para agir, porque são fortemente mantidos juntos. (...) Nos povos democráticos, pelo contrário, todos os cidadãos são independentes e frágeis; (...) Se os homens que vivem nos países democráticos não tivessem nem o direito de se unir, com finalidades políticas, a sua independência correria grandes riscos, mas poderiam conservar por muito tempo suas riquezas e as suas luzes; ao passo que, senão adquirissem de maneira alguma o hábito de se associar na vida ordinária, a própria civilização estaria em perigo. 147 Diante dessa constatação, as associações ganham destaque nos povos democráticos, tomando o lugar dos poderosos, que a igualdade de condições faz desaparecer 148. É nesse sentido que as Organizações Não-Governamentais (ONGs) surgem como um caminho para a redemocratização nas últimas décadas, inclusive no que tange os rumos da União Européia. 149 (...) a idéia de esfera pública passa a ser sinônimo de participação social, de modo amplo, irrestrito e direto, com função de controle na execução das políticas públicas (...) As metamorfoses da relação entre público e privado orientam no sentimento de fortalecimento institucional que teve e tem o reconhecimento da opinião pública, cuja necessidade de participação no processo decisório é evidente, visto que as ONGs instrumentalizam a ação da sociedade civil nestas duas esferas. 150 Com supedâneo nessas constatações, o presente trabalho busca apontar a necessidade da participação da sociedade civil, conferindo legitimidade às decisões da União Européia, principalmente quanto aos programas educacionais financiados pelo referido bloco econômico. A atuação das Organizações Não Governamentais (ONGs) na área da educação e o Parlamento Europeu 146 TOCQUEVILLE, A. op. cit., p Ibid, p Ibid, p SOCZEK, D. ONGS e DEMOCRACIA. Metamorfose de um Paradigma em Construção. Editora: Juruá, 2007, p Ibid, p. 114 e

8 Após uma breve análise das atividades do Parlamentou Europeu, seguido de apontamentos sobre as Organizações Não-Governamentais (ONGs), é necessário verificar como a sociedade civil tem se posicionado diante da agenda da União Européia. Ainda que alguns cidadãos europeus desconheçam os ensinamentos de Tocqueville, a verdade é que a sociedade civil européia já se conscientizou de que o clichê a união faz a força procede. John Petersen 151, por exemplo, membro da Association for Community Colleges (ACC) 152, afirma que as Organizações Não Governamentais (ONGs) podem ser órgãos de grande influência, principalmente, com relação aos governos. 153 NGO is not really a fixed and defined entity. They are temporary, sometimes more a project than really an organization, and they are usually short of resources, which means that they may exist per name, but in fact there is not much behind the logo. Sometimes only a few persons actually, but they can be very influential. Moreover, there is the NGOs that are organized with the same border lines as the states (i.e. national NGOs), and then there are umbrella organizations on top of them that try to affect the Brussels policy development. 154 A influência das Organizações Não-Governamentais (ONGs) no cenário europeu, mais especificamente, na área da educação, é facilmente constatada. Cite-se, como exemplo, ramificações da Comissão Européia, como a Directorate-General for Education and Culture 155 e a Commission Education/Affaires Culturelles. 156 Destinados a auxiliar nas questões educacionais, esses órgãos estão aptos a fomentar distintos temas 151 Contato feito através do com o Sr. John Petersen, da Association for Community Colleges (ACC). Seu contato foi descoberto através da tesoureira da Association For World Education, da Dinamarca, a Sra. Eva Rikke Schultz, no dia 06 de fev The Association for Community Colleges (ACC) considers the formation of a European public sphere a precondition for a future vivid European democracy. Since 1999 ACC has been focused on the educational preconditions for the formation of a European public sphere. The inspiration to found ACC came from Højskolen Østersøen's so-called Minority Courses 1997 and 1998 and from the philosophy of Jürgen Habermas (1929- ). ACC is having a long break for the time being. To the best of our knowledge, the ACC s main idea has been considered at highest level in the EU institutions. This was a first major goal of the ACC and its cause. The next steps are seriously challenging. States need to be involved either/or private money should finance the transnational democratization of Europe. Facing these possible paths, we felt it is time for a period of reflection. This is ACC ACC is a non-governmental, non-profit and non-partisan organization that works for the development of a European (transnational) public sphere. The main idea of ACC is that an ideal way to promote this objective would be through establishing European Community Colleges (europæiske højskoler). European Community Colleges should become a new, decentralized, common school type for Europeans that should preferably work under common law. Disponível em:< Acesso em: 08 de mar Contato realizado através do com. John Petersen, da Association for Community Colleges (ACC). op. cit. 154 Contato realizado através do com. John Petersen, da Association for Community Colleges (ACC). op. cit. 155 Directorate General for Education and Culture. The Commission is divided into several departments and services. The departments are known as Directorates-General (DGs). On this page, each DG is classified according to the policy it deals with. The Commission services deal with more general administrative issues or have a specific mandate, for example fighting fraud or creating statistics. Disponível: < Acesso em: 20 de fev European Comission. Education and Training. Disponível em: <http://ec.europa.eu/education /index_en.htm>. Acesso em: 04 mar

9 na área da educação, como o programa ERASMUS 157. Inúmeras informações e, inclusive, opiniões de outros estudantes, que já participaram do programa, são facilmente acessadas nas páginas disponibilizadas pelo site oficial da União Européia, demonstrando, a priori, um interesse concreto em viabilizar esses dados para toda a comunidade européia e para o mundo. The Commission is divided into several departments and services. The departments are known as Directorates-General (DGs). On this page, each DG is classified according to the policy it deals with. The Commission services deal with more general administrative issues or have a specific mandate, for example fighting fraud or creating statistics. 158 Enquanto a Directorate-General for Education and Culture se comunica diretamente com a Comissão Européia, a Commission Education/Affaires Culturelles se comunica com o Parlamento Europeu. Entre as Organizações Não-Governamentais (ONGs) que se relacionam com o Parlamento Europeu, constata-se a presença de uma organização importantíssima: The European Civil Society Platform on Lifelong Learning (EUCIS LLL). 159 Ao reunir vinte redes européias ativas 160, relacionadas à educação e formação, busca constituir uma voz do cidadão europeu nas questões relacionadas à aprendizagem ao longo da vida, propondo soluções concretas com base em seus conhecimentos, competências e experiências dos peritos e profissionais de suas redes. Um exemplo recente de sua atuação no cenário europeu é o Education and Training 2020 (ET 2020) 161. Precedido pelo Education and Training 2010 (ET 2010), consiste em uma nova estratégia visando à cooperação européia no campo da educação. Com a finalidade de propor estratégias e objetivos idênticos entre os Estados-Membros, incluindo princípios para atingi-los, prevê um trabalho em conjunto de métodos em áreas prioritárias. Entre tantos pontos importantes, o Education and Training 2020 (ET 2020) traz como um de seus principais objetivos a discussão sobre o Lifelong Learning and Mobility, uma das características mais importante do programa ERASMUS, isto é, mobilidade e aprendizagem ao longo da vida. 157 The ERASMUS Programme studying in Europe and more. ERASMUS is the EU's flagship education and training programme enabling students to study and work abroad each year. In addition, it funds co-operation between higher education institutions across Europe. The programme not only supports students, but also professors and business staff who want to teach abroad, as well as helping university staff to receive training. -European Comission Education & Training Site oficial da União Européia. Disponível em: <http://ec.europa.eu/education/lifelong-learningprogramme/doc80_en.htm>. Acesso em: 25 mar European Commission. About the European Commission. Site oficial da União Européia. Disponível em: <http://ec.europa.eu/about/ds_en.htm>. Acesso em: 08 mar The European Civil Society Platform on Lifelong Learning. Site oficial The European Civil Society Platform on Lifelong Learning (EUCIS LL). Disponível em: <http://www.eucis-lll.eu/>. Acesso em: 03 mar de The European Civil Society Platform on Lifelong Learning (EUCIS-LLL) gathers European networks that are working in education or training. In 2011, the platform gathers 23 full members, 1 associate member and 1 partner. Para informações mais específicas, verificar no site: <http://www.eucislll.eu/pages/about-us/members>. Acesso em: 02 de agosto. de Summaries of EU legislation. Education, training, youth, Sport. Education and training: general framework. Education and Training 2020 (ET 2020). Site official da união Européia. Disponível em: <http://europa.eu/legislation_summaries/education_training_youth/general_framework/ef0016_en.h>ace sso em: 26 mar

10 The European Civil Society Platform on Lifelong Learning (EUCIS LL) tem acompanhado a implementação do Education and Training 2020 (ET 2020), participando dos grupos de coordenação (ETCG2020), que reúnem os Estados- Membros representantes, visando supervisionar a sua execução, comprovando, desta forma, que a intervenção da sociedade civil é possível e, principalmente, real. 162 EUCIS agrees with the need to put lifelong learning at the core of the European agenda in a worldwide perspective and wishes that Member states implement concretely the recommendations of the ET2020. However, if the primary goal of European cooperation should be to support the further development of education and training systems it also wishes to outline that education and training systems should also be aimed at the quality of life of European citizens. 163 A participação ativa do The European Civil Society Platform on Lifelong Learning (EUCIS LL) no cenário educacional europeu é inquestionável. Nesse sentido, verifica-se a existência de uma plataforma 164, feita em janeiro de 2011, em Bruxelas (Bélgica), através da qual a referida organização se manifesta sobre os futuros projetos na área de educação, que serão desenvolvidos pela União Européia, como o Education and Training 2020 (ET 2020), anteriormente mencionado. Na plataforma, supramencionada, The European Civil Society Platform on Lifelong Learning (EUCIS LL) faz alusão a outro documento: Communication from the Commission to the European Parliament, the Council, the European Economic and Social Committee, the Committee of regions and the National Parliaments 165. Feito em 19 de outubro de 2010, o comunicado da Comissão Européia trata do orçamento do bloco europeu e da busca em investir os recursos disponíveis de maneira inteligente. É nessa oportunidade que The European Civil Society Platform on Lifelong Learning (EUCIS LL) entende ser imprescindível sua colaboração. Ademais, almejando colaborar com os órgãos da União Européia e com o intuito de representar as aspirações dos cidadãos europeus em assuntos de cunho educacional, The European Civil Society Platform on Lifelong Learning (EUCIS LL) participa de inúmeros dos eventos 166. One of EUCIS-LLL aims is to participate in the construction of a Europe that is more democratic, social and civic. It is willing 162 Common position of 27 Stakeholders on the future programmes for education, training and youth, April Site oficial The European Civil Society Platform on Lifelong Learning (EUCIS LL). Disponível em: <http://www.eucis-lll.eu/pages/education-training.html>. Acesso em: 03 abril Ibid. 164 Plate forme européenne de la société civile pour l éducation tout au long de la vie European Civil Society Platform on Lifelong Learning - EUCIS-LLL. Site oficial The European Civil Society Platform on Lifelong Learning (EUCIS LL).Disponível em: <http://www.eucis-lll.eu/pdf/ positions/eucis- LLL_Future-Programmes-LLL.pdf>. Acesso em: 28 mar COMMUNICATION FROM THE COMMISSION TO THE EUROPEAN PARLIAMENT, THE COUNCIL, THE EUROPEAN ECONOMIC AND SOCIAL COMMITTEE, THE COMMITTEE OF THE REGIONS AND THE NATIONAL PARLIAMENTS - Brussels, COM(2010) 700 final Disponível em: < >. Acesso em: 21 mar Participation in civil Dialogue. Site oficial The European Civil Society Platform on Lifelong Learning (EUCIS LL). Disponível em: <http://www.eucis-lll.eu/pages/civil-dialogue.html>. Acesso em: 26 de mar

11 to work with other networks and platforms in order to contribute to the implementation of democratic mechanisms for a genuine civil dialogue 167. O The European Civil Society Platform on Lifelong Learning (EUCIS LL) organiza, ainda, audiências públicas 168, nas quais são abordados diversos assuntos, como o acesso aos programas educacionais patrocinados pela União Européia, como o Lifelong Learning. 169 Ademais, é possível constatar, outrossim, a existência de dois grupos respeitáveis, que se comunicam com o Parlamento, além da Comissão e do Conselho, ou seja: grupo da sociedade civil 170 e grupo de ligação com Comité Économique et Social Européen (CESE). 171 De extrema relevância, o Comité Économique et Social Européen (CESE) comprova que a parceria entre União Européia e sociedade civil é possível. Com natureza de órgão consultivo, o mesmo é composto pelos representantes dos empregadores, sindicatos, agricultores, consumidores e outros grupos de interesses que, no seu conjunto, formam a denominada sociedade civil organizada. O Comité Économique et Social Européen (CESE) apresenta o seu ponto de vista e defende seus interesses na discussão das políticas com a Comissão, o Conselho e o Parlamento Europeu. Por conseguinte, tem um papel chave no processo de tomada de decisão da União Européia. De acordo com John Petersen, o Comité Économique et Social Européen (CESE) tem um estatuto consultivo no processo decisório da União Européia, o qual tem o direito de ser ouvido. É nele que está hospedando o grupo de ligação com as Organizações Não-Governamentais (ONGs); e é através de reuniões periódicas, que os representantes das plataformas conhecem a equipe do mesmo. 172 O grupo da sociedade civil, por sua vez, é composto por Organizações Não- Governamentais (ONGs) européias, que representam a voz de milhões de associações do bloco europeu, as quais buscam formar uma ligação entre os anseios nacionais com o panorama internacional. Sua iniciativa mais recente ocorreu em julho de 2010, ao enviar uma carta para o presidente da Comissão Européia, José Manuel Barroso, pedindo que a 167 Ibid. 168 Presentation. Site oficial The European Civil Society Platform on Lifelong Learning (EUCIS LL). Disponível em: <http://www.eucis-lll.eu/pages/public-hearings.html>. Acesso em: 31 mar European Comission Education & Training. Lifelong Learning Programme. Lifelong Learning Programme overview. The Lifelong Learning Programme: education and training opportunities for all. Site official da União Européia. Disponível em: <http://ec.europa.eu/education/lifelong-learningprogramme/doc78_en.htm>.acesso em: 29 mar de The EU Civil Society Contact Group brings together eight large rights and value based NGO sectors - culture, environment, education, development, human rights, public health, social and women. The ETUC, representing European union workers is an observer to the group. The members of these sectoral platforms are European NGO networks. They bring together the voices of hundreds of thousands of associations across the Union, linking the national with the European level, representing a large range of organized interests. Jointly we aim to represent the views and interests of rights and value based civil society organizations across the European Union on major issues, which affect us across our sectors of activity. Our objective is to encourage and promote a transparent and structured civil dialogue that is accessible, properly facilitated, inclusive, fair and respectful of the autonomy of NGOs Disponível em: <http://www.act4europe.org/code/en/civi.asp?page=4>. Acesso em: 29 mar. de Engagé dans la construction européenne, le CESE contribue au renforcement de la légitimité démocratique et de l'efficacité de l'union européenne (UE) en permettant aux organisations de la société civile des États membres d'exprimer leur avis au niveau européen. Disponível em: <http://www.eesc.europa.eu/?i=portal.fr.about-the-committee>. Acesso em: 27 mar. de Contato realizado através do op. cit. 174

12 agenda da União Européia seja, principalmente, sobre o cidadão europeu. Para tanto, de acordo com os apelos do referido grupo, a União Européia deve desenvolver seus projetos, porém sem ofuscar o bem-estar das pessoas que vivem na Europa. 173 E, finalmente, por último, verifica-se a existência das inúmeras organizações da sociedade civil, que derivam das entidades, supramencionadas, como uma rede de colaboradoras, com objetivos em comum, como a Association for Community Colleges (ACC), por exemplo, da qual John Petersen faz parte. Empenhadas na árdua tarefa de serem ouvidas pelos órgãos que conduzem os rumos da União Européia, especialmente na área da educação, as organizações, supramencionadas, não medem esforços. Verdadeiramente dedicadas, confrontam assuntos de suma importância, sempre conscientes de seu papel; para tanto, contam com a colaboração de inúmeras pessoas provenientes de vários setores da educação, que se prontificam a falar. Por intermédio desse diálogo é possível que professores, diretores e gestores de universidades, bem como pais dos alunos, descubram problemas e anseios em comum. A próxima audiência pública está marcada para julho de Uma audiência pública que merece destaque, por exemplo, foi realizada em 22 de setembro de 2009, a qual questionou se programas educacionais, como o Lifelong Lerarning, são a chave para tornar a cidadania européia efetivamente ativa, uma vez que o conceito de cidadania pode ser variável. Isto é, alguns acreditam que ser cidadão é exercer seus direitos políticos, enquanto outros entendem que os europeus buscam sentir que são verdadeiramente ouvidos e que suas aspirações são atendidas, garantindo-lhes a sensação que são parte de um projeto comum. 175 Tal questão surgiu nas eleições de 2009, quando foi registrada uma participação popular abaixo das expectativas: apenas 43.1% da população compareceu às urnas. Em face da constatação numérica, ora citada, The European Civil Society Platform on Lifelong Learning (EUCIS LL) passou a questionar se a sociedade civil européia está verdadeiramente satisfeita com os rumos do bloco europeu e, principalmente, com os representantes, por ela eleitos, os quais compõem o Parlamento Europeu. Conclusão Ainda para quem vive em outro continente e, inclusive, não é cidadão europeu, o acesso às informações da União Européia e seus respectivos órgãos por intermédio de seu site oficial não se faz, necessariamente, difícil. Com um pouco de esforço é possível entrar em contato com muitas das pessoas que participam dessas instituições e, 173 EU should regulate smartly for citizens: CSCG letter to President Barroso - The Civil Society Contact Group has written to President José Manuel Barroso calling for a Smart Regulation agenda that regulates smartly primarily for citizens. In order to maintain the confidence of the European population, to achieve Europe s objectives and to meet the Treaty s obligations, decision-making should have Europeans public interest at its centre. We strongly believe that although a healthy business environment is important to reach the EU Treaty objectives, it should not become an objective in itself and overshadow the well-being of people living in Europe, as vested economic interests may stand in the way of achieving health, social and environmental objectives of the EU. The Civil Society Contact Group considers that the Better Regulation Agenda to improving legislation put too much emphasis on conditions to improve competitiveness in economic sectors without due attention to the public interest, and we argue that several ways can be used to shift the Smart Regulation Agenda. Disponível em:< Acesso em: 24 mar de Presentation. Site oficial The European Civil Society Platform on Lifelong Learning (EUCIS LL). op. cit. 175 Plate forme européenne de la société civile pour léducation tout au long de la vie European Civil Society Platform on Lifelong Learning. op. cit. 175

13 dificilmente, não se obtém uma resposta. Mérito da tecnologia, que aproximou as pessoas ao redor do mundo ou, quiçá, mérito da própria União Européia, que decidiu abrir suas portas para além das fronteiras do continente, o fato é que qualquer pessoa pode descobrir muitas informações sobre leis, documentos, audiências públicas e programas em qualquer área de atuação (inclusive sobre educação). As Organizações Não-Governamentais (ONGs) caminham no mesmo sentido. Igualmente aliadas da tecnologia, possuem ferramentas diversificadas na internet, para que se possa explorar o máximo de informações desejadas, divulgando audiências públicas e convocado todos os cidadãos europeus a participar do processo de redemocratização, conforme supramencionado. Empenhadas em fiscalizar, controlar e auxiliar esses órgãos da União Européia inclusive, o Parlamento Europeu - as Organizações Não-Governamentais (ONGs), dedicadas à área da educação, se comprometem com seus objetivos e estão ininterruptamente ativas no seu propósito. A exemplo da União Européia, que se agrupou para atingir objetivos em comum de maneira eficaz, a sociedade civil do bloco europeu não restou inerte. Ciente de sua missão, responsabilidade e, principalmente, de sua força quando unida, agrupou alunos, pais, professores e pesquisadores, com a finalidade de promover o diálogo entre os mesmos e entre as instituições do respectivo bloco. Fácil, portanto, é identificar que a sociedade civil na Europa está empenhada em viver sua cidadania da forma plena. Porém, ainda fica a dúvida se os representantes desses cidadãos - em especial, o Parlamentou Europeu - estão ouvindo com atenção os apelos de seus eleitores. As eleições de 2009 registram uma participação popular extremamente baixa: 43.1% da população. Questiona-se, portanto, se a população européia sente que seu voto tem o poder de mudar os rumos da União Européia. Parece razoável que nos programas educacionais patrocinados pela União Européia exista uma participação ativa da sociedade civil, de forma que as próprias instituições do bloco europeu promovam esse intercâmbio de informações; afinal, se o objetivo dos programas educacionais, como o ERASMUS, é promover o cidadão europeu ao longo da vida, definitivamente, seus anseios devem ser atendidos. Esse diálogo é essencial como forma de conferir legitimidade às decisões das instituições da União Européia e garantir que os programas educacionais reflitam as aspirações da comunidade. A sociedade civil européia já compreendeu sua importância e seu poder, quando devidamente organizada; talvez seja este o momento do Parlamento Europeu fazer o mesmo. Referências A história da União Européia. Site oficial da União Européia. Disponível em: <http://europa.eu /abc/history/index_pt.htm>. Acesso em: 19 dez A partir de 2000 Uma década de expansão. Site oficial da União Européia. Disponível em: <http://europa.eu/abc/history/2000_today/index_pt.htm>. Acesso em: 09 jan Association for Community Colleges. Disponível em:<http://www.acc.eu.org/>. Acesso em: 08 de mar Comissão Européia. Site oficial da União Européia. Disponível em: <http://europa.eu/institutions/ inst/comm/index_pt.htm>. Acesso em 12 de fev de Common position of 27 Stakeholders on the future programmes for education, training and youth, April Site oficial The European Civil Society Platform on Lifelong 176

14 Learning (EUCIS LL). Disponível em: <http://www.eucis-lll.eu/pages/educationtraining.html>. Acesso em: 03 abril COMMUNICATION FROM THE COMMISSION TO THE EUROPEAN PARLIAMENT, THE COUNCIL, THE EUROPEAN ECONOMIC AND SOCIAL COMMITTEE, THE COMMITTEE OF THE REGIONS AND THE NATIONAL PARLIAMENTS - Brussels, COM(2010) 700 final Disponível em: <http://eurlex.europa.eu/lexuriserv/lexuriserv.do? uri=com:2010:0700: FIN:EN: PDF >. Acesso em: 21 mar Conselho da União Européia. Site oficial da União Européia. Disponível em: <http://europa.eu/ institutions/inst/council/index_pt.htm>. Acesso em 12 fev Contato realizado através do com. John Petersen, da Association for Community Colleges (ACC). Directorate General for Education and Culture. Disponível: <http://ec.europa.eu /dgs/education_culture/index_en.htm>. Acesso em: 20 de fev European Commission. About the European Commission. Site oficial da União Européia. Disponível em: <http://ec.europa.eu/about/ds_en.htm>. Acesso em: 08 mar European Comission Education and Training Disponível em: <http://ec.europa.eu /education /index_en.htm>. Acesso em: 04 mar European Comission Education & Training. Lifelong Learning Programme. Lifelong Learning Programme overview. The Lifelong Learning Programme: education and training opportunities for all. Site official da União Européia. Disponível em: <http://ec.europa.eu/education/lifelong-learning-programme/doc78_en.htm>.acesso em: 29 mar de EU Civil Society Contact Group. Disponível em: <http://www.act4europe.org/code/en/ civi.asp?page=4>. Acesso em: 29 mar. de EU should regulate smartly for citizens: CSCG letter to President Barroso - The Civil Society Contact Group has written to President José Manuel Barroso calling for a Smart Regulation agenda that regulates smartly primarily for citizens. Disponível em:< Acesso em: 24 mar de Fonctionnement du Comité économique et social européen Déclaration de mission du CESE. Disponível em: <http://www.eesc.europa.eu/?i=portal.fr.about-the-committee>. Acesso em: 27 mar. de Instituições e outros órgãos da União Européia. Site oficial da União Européia. Disponível em: < europa.eu/institutions/index_pt.htm>. Acesso em: 05 fev LESSA. A. C. Construção da Europa: a última utopia das relações internacionais. Editora: Cia dos Livros: PIEDADE, M.P. A Sociedade Civil e os Novos Atores Globais no Desempenho do Direito de Informação e Participação. In: MIALHE, J. L. Ensaios de Direito Internacional Fundamentos, Novos Atores e Integração Regional. Editora: Millennium. Campinas Os países da União Européia. Site Oficial da União Européia. Disponível em: < Acesso em: 14 nov O parlamento e os Cidadãos. Petições. Site oficial do Parlamento Europeu. Disponível em: <http://www.europarl.europa.eu/parliament/public/staticdisplay.do;jsessionid=1342a3 7BEF26D3519AC121652F7829A7.node2?language=PT&id=49> 177

15 Parlamento Europeu. Site oficial da União Européia. Disponível em: <http://europa.eu/institutions/ inst/parliament/index_pt.htm>. Acesso em: 12 de fev Participation in civil Dialogue. Site oficial The European Civil Society Platform on Lifelong Learning (EUCIS LL). Disponível em: <http://www.eucis-lll.eu/pages/civildialogue.html>. Acesso em: 26 de mar Plate forme européenne de la société civile pour l éducation tout au long de la vie European Civil Society Platform on Lifelong Learning - EUCIS-LLL. Site oficial The European Civil Society Platform on Lifelong Learning (EUCIS LL).Disponível em: <http://www.eucis-lll.eu/pdf/ positions/eucis-lll_future-programmes-lll.pdf>. Acesso em: 28 mar Presentation. Site oficial The European Civil Society Platform on Lifelong Learning (EUCIS LL). Disponível em: <http://www.eucis-lll.eu/pages/public-hearings.html>. Acesso em: 31 mar SILVA, A. M. História da Unificação Européia - A Integração Comunitária ( ). Editora: Imprensa da Universidade de Coimbra: Coimbra SOCZEK, D. ONGS e DEMOCRACIA. Metamorfose de um Paradigma em Construção. Editora: Juruá, Summaries of EU legislation. Education, training, youth, Sport. Education and training: general framework. Education and Training 2020 (ET 2020). Site official da união Européia. Disponível em:<http://europa.eu/legislation_summaries/education_training_youth/general _framework/ef0016_en.h>acesso em: 26 mar The ERASMUS Programme -European Comission Education & Training Site oficial da União Européia. Disponível em: <http://ec.europa.eu/education/lifelonglearningprogramme /doc80_en.htm>. Acesso em: 25 mar The European Civil Society Platform on Lifelong Learning. Site oficial The European Civil Society Platform on Lifelong Learning (EUCIS LL). Disponível em: <http://www.eucis-lll.eu/>. Acesso em: 03 mar de TOCQUEVILLE, A. A Democracia na América. 2ª edição. Editora da Universidade de São Paulo. 178

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE Durante muito tempo os países da Europa andaram em guerra. A segunda Guerra Mundial destruiu grande parte do Continente Europeu. Para evitar futuras guerras, seria

Leia mais

CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA

CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA 1950 9 de Maio Robert Schuman, Ministro dos Negócios Estrangeiros francês, profere um importante discurso em que avança propostas inspiradas nas ideias de Jean Monnet.

Leia mais

Atualidades. Blocos Econômicos, Globalização e União Européia. 1951 - Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA)

Atualidades. Blocos Econômicos, Globalização e União Européia. 1951 - Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA) Domínio de tópicos atuais e relevantes de diversas áreas, tais como política, economia, sociedade, educação, tecnologia, energia, ecologia, relações internacionais, desenvolvimento sustentável e segurança

Leia mais

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO 7.6.2008 C 141/27 V (Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO Convite à apresentação de propostas de 2008 Programa Cultura (2007-2013) Execução das seguintes acções do programa: projectos plurianuais

Leia mais

TRATADO DE LISBOA EM POUCAS

TRATADO DE LISBOA EM POUCAS EM POUCAS PALAVRAS OS PRIMEIROS PASSOS DATA/LOCAL DE ASSINATURA E ENTRADA EM VIGOR PRINCIPAIS MENSAGENS QUIZ 10 PERGUNTAS E RESPOSTAS OS PRIMEIROS PASSOS No século XX depois das Guerras No século XX, depois

Leia mais

DIREITO COMUNITÁRIO. Aula 4 As revisões dos instrumentos fundamentais: o aprofundamento 2

DIREITO COMUNITÁRIO. Aula 4 As revisões dos instrumentos fundamentais: o aprofundamento 2 DIREITO COMUNITÁRIO Aula 4 As revisões dos instrumentos fundamentais: o aprofundamento 2 As revisões dos tratados fundadores 07/02/1992: Assinatura do Tratado sobre a União Européia,, em Maastricht; 20/10/1997:

Leia mais

A formação da União Europeia

A formação da União Europeia A formação da União Europeia A EUROPA DOS 28 Como tudo começou? 1926: 1º congresso da União Pan- Europeia em Viena (Áustria) 24 países aprovaram um manifesto para uma organização federativa na Europa O

Leia mais

1. 2. 3. 4. PASSO A PASSO. Links para saber mais. A União Europeia. Ano Europeu: o que é? o que se comemora em 2012?

1. 2. 3. 4. PASSO A PASSO. Links para saber mais. A União Europeia. Ano Europeu: o que é? o que se comemora em 2012? junho 2012 PASSO A PASSO 1. 2. 3. 4. A União Europeia Ano Europeu: o que é? o que se comemora em 2012? Ano Europeu 2012: curiosidades iniciativas quiz Links para saber mais 1. A União Europeia 27 Estados-Membros

Leia mais

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI Tratado de Lisboa A Europa rumo ao século XXI O Tratado de Lisboa Índice 1. Contextualização 1.1. Porquê um novo Tratado? 1.2. Como surgiu o Tratado de Lisboa? 2. O que mudará com o Tratado de Lisboa?

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA A CRIAÇÃO EUROPEIA. Maria do Rosário Baeta Neves Professora Coordenadora

UNIÃO EUROPEIA A CRIAÇÃO EUROPEIA. Maria do Rosário Baeta Neves Professora Coordenadora UNIÃO EUROPEIA A CRIAÇÃO EUROPEIA 1952 CECA (TRATADO DE PARIS 18 de Abril 1951) Países aderentes: França Alemanha Bélgica Holanda Luxemburgo Itália Objectivos do Tratado de Paris: Criação do Mercado Comum

Leia mais

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO Portugal situa-se no extremo sudoeste da Europa e é constituído por: Portugal Continental ou Peninsular (Faixa Ocidental da Península Ibérica) Parte do território

Leia mais

Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007. Conteúdo e desafios

Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007. Conteúdo e desafios Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007 Conteúdo e desafios Os Tratados Tratado de Paris (CECA) 18 de Abril de 1951 Tratados de Roma (CEE e CEEA) 25 de Março de 1957 Acto Único Europeu 17 de Fevereiro 1986

Leia mais

A Participação do Conselho Superior da Magistratura em Organizações Internacionais

A Participação do Conselho Superior da Magistratura em Organizações Internacionais A Participação do Conselho Superior da Magistratura em Organizações Internacionais O Conselho Superior da Magistratura é membro de duas organizações internacionais que promovem a cooperação e concertação

Leia mais

Uma Rede de apoio à competitividade das empresas. 30 de abril de 2014, ISCTE-IUL, Lisboa

Uma Rede de apoio à competitividade das empresas. 30 de abril de 2014, ISCTE-IUL, Lisboa Uma Rede de apoio à competitividade das empresas 30 de abril de 2014, ISCTE-IUL, Lisboa Quem somos Quem somos? Onde estamos? Criada pela Comissão Europeia no âmbito do Programa Quadro para a Competitividade

Leia mais

Mobilidade de Estudantes Sessão de Esclarecimento 2015/2016 janeiro 2015 Núcleo de Relações Internacionais do ISEL

Mobilidade de Estudantes Sessão de Esclarecimento 2015/2016 janeiro 2015 Núcleo de Relações Internacionais do ISEL Changing lives. Opening minds. Mobilidade de Estudantes Sessão de Esclarecimento 2015/2016 janeiro 2015 Núcleo de Relações Internacionais do ISEL ERASMUS + Uma porta aberta para a Europa : O novo programa

Leia mais

INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS

INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS Introdução O presente documento pretende apresentar uma visão geral das principais conclusões e recomendações do estudo da European Agency

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 27 de Abril de 2007 (02.05) (OR. en) 9032/07 SCH-EVAL 90 SIRIS 79 COMIX 427

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 27 de Abril de 2007 (02.05) (OR. en) 9032/07 SCH-EVAL 90 SIRIS 79 COMIX 427 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 27 de Abril de 2007 (02.05) (OR. en) 9032/07 SCH-EVAL 90 SIRIS 79 COMIX 427 NOTA de: para: Assunto: Presidência Grupo de Avaliação de Schengen Projecto de decisão do

Leia mais

Comunidade Europeia do Carvão e Aço. Comunidade Económica Europeia

Comunidade Europeia do Carvão e Aço. Comunidade Económica Europeia Processo de Integração Europeia Comunidade Europeia do Carvão e Aço Comunidade Económica Europeia Mercado Único Europeu União Europeia 60 anos União Económica e Monetária Europa dos 12... Sudoeste Portugal

Leia mais

Áustria, Dinamarca, Finlândia, França, Irlanda, Itália, Liechtenstein, Noruega, Suécia, Reino Unido

Áustria, Dinamarca, Finlândia, França, Irlanda, Itália, Liechtenstein, Noruega, Suécia, Reino Unido PROGRAMA ERASMUS+ AÇÃO 1 MOBILIDADE INDIVIDUAL PARA FINS DE APRENDIZAGEM ENSINO SUPERIOR 2015 TABELA DE BOLSAS DE MOBILIDADE ESTUDANTES PARA ESTUDOS E ESTÁGIOS TABELA 1 De Portugal Continental para: Valor

Leia mais

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA Considerando a importância de efetivar a gestão integrada de recursos hídricos conforme as diretrizes gerais de ação estabelecidas na Lei 9.433, de 8.01.1997, a qual institui

Leia mais

GUIA do ESTUDANTE ERASMUS+ 2015-2016

GUIA do ESTUDANTE ERASMUS+ 2015-2016 GUIA do ESTUDANTE ERASMUS+ 2015-2016 Esclarecimentos de dúvidas/informações adicionais: Carolina Peralta/Isabel Silva Gabinete de Relações Internacionais - GRI Rua de Santa Marta, 47, 1º Piso sala 112-1169-023

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU: HISTÓRIA, COMPOSIÇÃO E OBJETIVOS LÚCIO REINER Consultor Legislativo da Área XIX Ciência Política, Sociologia Política, História, Relações Internacionais ESTUDO JULHO/2003 Câmara dos

Leia mais

Guia do Estudante Erasmus - Período de Estudos

Guia do Estudante Erasmus - Período de Estudos ESTE ANO VOU CONHECER NOVAS PESSOAS ESTE ANO VOU ALARGAR CONHECIMENTOS ESTE ANO VOU FALAR OUTRA LÍNGUA ESTE ANO VOU ADQUIRIR NOVAS COMPETÊNCIAS ESTE ANO VOU VIAJAR ESTE ANO VOU SER ERASMUS Guia do Estudante

Leia mais

A difícil concretização do processo de Bolonha no Ensino Superior

A difícil concretização do processo de Bolonha no Ensino Superior A difícil concretização do processo de Bolonha no Ensino Superior O SNESup e o Núcleo de Estudantes de Sociologia da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra realizaram mais um debate integrado

Leia mais

ANEXOS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO. relativa à iniciativa de cidadania «Um de nós»

ANEXOS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO. relativa à iniciativa de cidadania «Um de nós» COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 28.5.2014 COM(2014) 355 final ANNEXES 1 to 5 ANEXOS à COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO relativa à iniciativa de cidadania «Um de nós» PT PT ANEXO I: ASPETOS PROCESSUAIS DA INICIATIVA

Leia mais

Instituições europeias

Instituições europeias Envelhecer com Prazer Rua Mariana Coelho, nº 7, 1º E 2900-486 Setúbal Portugal Tel: +351 265 548 128 Tlm: 96 938 3068 E-mail: envelhecimentos@gmail.com www.envelhecer.org Instituições europeias Inês Luz

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Cartão Europeu de Seguro de Doença Nº: 20/DSPCS DATA: 18/05/04 Para: Todos os serviços dependentes do Ministério da Saúde Contacto

Leia mais

Serviço de Assistência Tutelar Serviço de Tutelas

Serviço de Assistência Tutelar Serviço de Tutelas Portugees - Portugais Serviço de Assistência Tutelar Serviço de Tutelas Como podemos ajudar-te? À tua chegada à Bélgica Tens menos de 18 anos e chegaste à Bélgica sem o teu pai ou a tua mãe? Estás a procurar

Leia mais

Geografia Econômica Mundial. Organização da Aula. Aula 4. Blocos Econômicos. Contextualização. Instrumentalização. Tipologias de blocos econômicos

Geografia Econômica Mundial. Organização da Aula. Aula 4. Blocos Econômicos. Contextualização. Instrumentalização. Tipologias de blocos econômicos Geografia Econômica Mundial Aula 4 Prof. Me. Diogo Labiak Neves Organização da Aula Tipologias de blocos econômicos Exemplos de blocos econômicos Algumas características básicas Blocos Econômicos Contextualização

Leia mais

VERSÕES CONSOLIDADAS

VERSÕES CONSOLIDADAS 9.5.2008 PT Jornal Oficial da União Europeia C 115/1 VERSÕES CONSOLIDADAS DO TRATADO DA UNIÃO EUROPEIA E DO TRATADO SOBRE O FUNCIONAMENTO DA UNIÃO EUROPEIA (2008/C 115/01) 9.5.2008 PT Jornal Oficial da

Leia mais

9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE

9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE 9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE CONTEÚDOS E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade I Tempo, espaço, fontes históricas e representações cartográficas. 2

Leia mais

TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS

TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE PSICOLOGIA E DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS SANDRA MARIA MORAIS VALENTE DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO Área de

Leia mais

Parceria para Governo Aberto Open Government Partnership (OGP)

Parceria para Governo Aberto Open Government Partnership (OGP) Parceria para Governo Aberto Open Government Partnership (OGP) 1ª Conferência Anual de Alto-Nível da Parceria para Governo Aberto - OGP Roberta Solis Ribeiro Assessoria Internacional - CGU Conselho da

Leia mais

MÓDULO V B C D E PÓS-EURO

MÓDULO V B C D E PÓS-EURO O PÓS-EURO A B C D E MÓDULO V O Euro face às s principais moedas internacionais Pacto de Estabilidade e Crescimento O Tratado de Amesterdão O Tratado de Nice Reforçar e Reformar as Políticas da União na

Leia mais

Construindo uma Cidadania Europeia Activa. 2011 Ano Europeu do Voluntariado

Construindo uma Cidadania Europeia Activa. 2011 Ano Europeu do Voluntariado Construindo uma Cidadania Europeia Activa 2011 Ano Europeu do Voluntariado Abril de 2011 O Caminho da União Europeia 1951 - Tratado de Paris CECA Comunidade Europeia do Carvão e do Aço 1957 - Tratado de

Leia mais

E R A S M U S + ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Apresentação

E R A S M U S + ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Apresentação ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa Apresentação ERASMUS+ - Ensino Superior O Erasmus+ é o novo programa da UE dedicado à educação, formação, juventude e desporto. O programa tem início

Leia mais

ORGANIZAÇÃO PARA SEGURANÇA E COOPERAÇÃO NA EUROPA - OSCE

ORGANIZAÇÃO PARA SEGURANÇA E COOPERAÇÃO NA EUROPA - OSCE 1 ORGANIZAÇÃO PARA SEGURANÇA E COOPERAÇÃO NA EUROPA - OSCE INTRODUÇÃO 2 Prezados Ministros, Este material auxiliar foi pensado no intuito de situar cada nação que será representada em nosso comitê dentro

Leia mais

A Cidadania Europeia CONCEITO DE CIDADANIA

A Cidadania Europeia CONCEITO DE CIDADANIA CONCEITO DE CIDADANIA O conceito de Cidadania foi evoluindo ao longo dos tempos, acompanhando, em cada momento, as diferentes concepções de Estado e as diferentes formas de participação do indivíduo na

Leia mais

História da cidadania europeia

História da cidadania europeia História da cidadania europeia Introdução A cidadania da União conferida aos nacionais de todos os Estados Membros pelo Tratado da União Europeia (TUE), destina se a tornar o processo de integração europeia

Leia mais

Instituições Nacionais de Direitos Humanos à luz dos princípios de Paris

Instituições Nacionais de Direitos Humanos à luz dos princípios de Paris REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA JUSTIÇA E DOS DIREITOS HUMANOS DIRECÇÃO NACIONAL DE DIREITOS HUMANOS Instituições Nacionais de Direitos Humanos à luz dos princípios de Paris As Instituições Nacionais

Leia mais

Estatuto da Comissão Interamericana de Direitos Humanos

Estatuto da Comissão Interamericana de Direitos Humanos Estatuto da Comissão Interamericana de Direitos Humanos Aprovado pela resolução AG/RES. 447 (IX-O/79), adotada pela Assembléia Geral da OEA, em seu Nono Período Ordinário de Sessões, realizado em La Paz,

Leia mais

Projeto de Resolução n.º 617/XII. Recomenda ao Governo a valorização e reconhecimento da educação não formal EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

Projeto de Resolução n.º 617/XII. Recomenda ao Governo a valorização e reconhecimento da educação não formal EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Projeto de Resolução n.º 617/XII Recomenda ao Governo a valorização e reconhecimento da educação não formal EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Enquadramento O debate e o apelo ao reconhecimento da educação não formal

Leia mais

Geografia 03 Tabata Sato

Geografia 03 Tabata Sato Geografia 03 Tabata Sato IDH Varia de 0 a 1, quanto mais se aproxima de 1 maior o IDH de um país. Blocos Econômicos Economia Globalizada Processo de Regionalização Tendência à formação de blocos econômicos

Leia mais

Participação Social das Pessoas com Deficiência Inclusão e Acessibilidade Digital

Participação Social das Pessoas com Deficiência Inclusão e Acessibilidade Digital Participação Social das Pessoas com Deficiência Inclusão e Acessibilidade Digital U. Lusófona, 11 Jul 2009 Luis Magalhães UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento Ministério da Ciência, Tecnologia

Leia mais

Aula 7. O espaço Schengen e a livre circulação de pessoas na UE

Aula 7. O espaço Schengen e a livre circulação de pessoas na UE Aula 7 O espaço Schengen e a livre circulação de pessoas na UE O O Ano Europeu do Diálogo Intercultural (AEDI) 2008 reconhece a grande diversidade cultural da Europa como um benefício único. Fronteira

Leia mais

A Europa em poucas palavras

A Europa em poucas palavras A Europa em poucas palavras O que é a União Europeia? É europeia = está situada na Europa. É uma união = une países e pessoas. Examinemos mais atentamente: O que têm os europeus em comum? De que forma

Leia mais

PRINCÍPIOS DE PARIS. Princípios relativos ao estatuto das instituições nacionais para a promoção e proteção dos direitos humanos

PRINCÍPIOS DE PARIS. Princípios relativos ao estatuto das instituições nacionais para a promoção e proteção dos direitos humanos PRINCÍPIOS DE PARIS Princípios relativos ao estatuto das instituições nacionais para a promoção e proteção dos direitos humanos Competência e atribuições 1. Uma instituição nacional disporá de competência

Leia mais

Trabalho realizado por: Hélio nº 10 Jorge nº 13 Pedro F nº21 Ricardo P nº24 Miguel F nº27

Trabalho realizado por: Hélio nº 10 Jorge nº 13 Pedro F nº21 Ricardo P nº24 Miguel F nº27 Trabalho realizado por: Hélio nº 10 Jorge nº 13 Pedro F nº21 Ricardo P nº24 Miguel F nº27 Disciplina de: Área de Projecto Nome do Professor: Hélder Baião 1 Este trabalho foi proposto pelo professor de

Leia mais

o alargamento da união europeia em tempos de novos desafios

o alargamento da união europeia em tempos de novos desafios o alargamento da união europeia em tempos de novos desafios Ana Paula Zacarias O ano de 2014 é muito importante para a União Europeia pelo seu simbolismo, uma vez que nele se celebra o 10º aniversário

Leia mais

COMPREENDER AS POLÍTICAS DA UNIÃO EUROPEIA. Como funciona a União. Europeia. Guia das instituições da União. Europeia.

COMPREENDER AS POLÍTICAS DA UNIÃO EUROPEIA. Como funciona a União. Europeia. Guia das instituições da União. Europeia. COMPREENDER AS POLÍTICAS DA UNIÃO EUROPEIA Como funciona a União Guia das instituições da União Europeia Europeia União Europeia COMPREENDER AS POLÍTICAS DA UNIÃO EUROPEIA A presente publicação faz parte

Leia mais

As instituições internacionais e a reorganização do espaço geográfico mundial

As instituições internacionais e a reorganização do espaço geográfico mundial As instituições internacionais e a reorganização do espaço geográfico mundial ONU A ONU (Organização das Nações Unidas) foi fundada no dia 24 de outubro de 1945, em São Francisco, Estados Unidos. O encontro

Leia mais

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Índice Investimento público e privado no Ensino Superior Propinas Investimento público e privado

Leia mais

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Nós, representantes democraticamente eleitos dos Parlamentos de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné- Bissau, Moçambique, Portugal,

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU CONSTITUIÇÃO:

PARLAMENTO EUROPEU CONSTITUIÇÃO: CONSTITUIÇÃO: PARLAMENTO EUROPEU É a instituição parlamentar da União Europeia. Eleito por um período de 5 anos por sufrágio universal directo pelos cidadãos dos estados-membros Presidente do Parlamento

Leia mais

Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa

Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa Módulo Unidade 01 Tópico 01 Políticas na Atenção do Idoso Introdução as Políticas Públicas Políticas Públicas Ao longo do tempo o papel do Estado frente

Leia mais

A UE volta a divulgar o número de emergência europeu 112 antes das férias de Verão

A UE volta a divulgar o número de emergência europeu 112 antes das férias de Verão IP/08/836 Bruxelas, 3 de Junho de 2008 A UE volta a divulgar o número de emergência europeu 112 antes das férias de Verão A Comissão Europeia acelerou hoje os seus esforços para promover a utilização na

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DEMOCRÁTICA DOS RECURSOS PÚBLICOS DESTINADOS À EDUCAÇÃO

IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DEMOCRÁTICA DOS RECURSOS PÚBLICOS DESTINADOS À EDUCAÇÃO IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DEMOCRÁTICA DOS RECURSOS PÚBLICOS DESTINADOS À EDUCAÇÃO GIRO, Susana. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas de Garça./ACEG E-mail:Susana_giro@hotmail.com BARBOSA, Reginaldo

Leia mais

Ano Europeu da Criatividade e Inovação

Ano Europeu da Criatividade e Inovação Ano Europeu da Criatividade e Inovação Imaginar criar inovar Índice A União Europeia O caminho da UE O Ano Europeu Criatividade e Inovação. Porquê? Criatividade e Inovação. Importância Criatividade e Inovação.

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE TRANCOSO

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE TRANCOSO REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE TRANCOSO ÍNDICE Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de Trancoso... 1 Preâmbulo... 1 CAPÍTULO I... 2 Parte Geral... 2 Artigo 1º... 2 Lei Habilitante

Leia mais

UE apoia o combate à violência e à intolerância no desporto

UE apoia o combate à violência e à intolerância no desporto COMISSÃO EUROPEIA COMUNICADO DE IMPRENSA UE apoia o combate à violência e à intolerância no desporto Bruxelas, 8 de Novembro de 2011 A Comissão Europeia concedeu subvenções a iniciativas destinadas a combater

Leia mais

RECOMENDAÇÃO N.º 1/B/2012 (art.º 20.º, n.º 1, alínea b), da Lei n.º 9/91, de 9 de Abril)

RECOMENDAÇÃO N.º 1/B/2012 (art.º 20.º, n.º 1, alínea b), da Lei n.º 9/91, de 9 de Abril) Sua Excelência A Presidente da Assembleia da República Palácio de S. Bento 1249-068 LISBOA Vossa Ref.ª Vossa Comunicação Nossa Ref.ª Proc. P - 15/11 (A6) Assunto: Código de Boa Conduta Administrativa.

Leia mais

INTRODUÇÃO AO PROJETO LIFE 2

INTRODUÇÃO AO PROJETO LIFE 2 INTRODUÇÃO AO PROJETO LIFE 2 O projeto LIFE2 (Competências chave para a vida) visa ajudar os jovens a desenvolver, no decurso da sua formação profissional, as competências e confiança necessárias no mundo

Leia mais

Fusões e cisões transfronteiras

Fusões e cisões transfronteiras Fusões e cisões transfronteiras Fusões e cisões transfronteiras Consulta organizada pela Comissão Europeia (DG MARKT) INTRODUÇÃO Observações preliminares O presente questionário tem por objetivo recolher

Leia mais

PESQUISA DOCUMENTAL SOBRE AS ELEIÇÕES EUROPEIAS DE 2009 Abstenção e comportamentos eleitorais nas eleições europeias de 2009

PESQUISA DOCUMENTAL SOBRE AS ELEIÇÕES EUROPEIAS DE 2009 Abstenção e comportamentos eleitorais nas eleições europeias de 2009 Direção-Geral da Comunicação Unidade do Acompanhamento da Opinião Pública Bruxelas, 13 de novembro de 2012 PESQUISA DOCUMENTAL SOBRE AS ELEIÇÕES EUROPEIAS DE 2009 Abstenção e comportamentos eleitorais

Leia mais

Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 79,0% da média da União Europeia em 2013

Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 79,0% da média da União Europeia em 2013 Paridades de Poder de Compra 2013 11 de dezembro de 2014 Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 79,0% da média da União Europeia em 2013 O

Leia mais

REGULAMENTO DO PREÂMBULO

REGULAMENTO DO PREÂMBULO REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DA PÓVOA DE VARZIM PREÂMBULO Considerando que, no âmbito do desenvolvimento económico, social e cultural, as políticas a adotar devem ser adequadas às necessidades

Leia mais

FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO. CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições:

FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO. CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições: FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições: Artigo I: O Fórum Permanente da Agenda 21 de Saquarema, criado pelo

Leia mais

Desenvolvimento das relações entre o Parlamento Europeu e os parlamentos nacionais no quadro do Tratado de Lisboa

Desenvolvimento das relações entre o Parlamento Europeu e os parlamentos nacionais no quadro do Tratado de Lisboa C 212 E/94 Jornal Oficial da União Europeia 5.8.2010 Desenvolvimento das relações entre o Parlamento Europeu e os parlamentos nacionais no quadro do Tratado de Lisboa P6_TA(2009)0388 Resolução do Parlamento

Leia mais

COMPREENDER AS POLÍTICAS DA UNIÃO EUROPEIA. Como Funciona a União. Europeia. Guia das instituições da União. Europeia.

COMPREENDER AS POLÍTICAS DA UNIÃO EUROPEIA. Como Funciona a União. Europeia. Guia das instituições da União. Europeia. COMPREENDER AS POLÍTICAS DA UNIÃO EUROPEIA Como Funciona a União Guia das instituições da União Europeia Europeia União Europeia COMPREENDER AS POLÍTICAS DA UNIÃO EUROPEIA A presente publicação faz parte

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 11 de Julho de 2007 (18.07) (OR. en) 11722/07 SCH-EVAL 131 SIRIS 133 COMIX 659

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 11 de Julho de 2007 (18.07) (OR. en) 11722/07 SCH-EVAL 131 SIRIS 133 COMIX 659 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 11 de Julho de 2007 (18.07) (OR. en) 11722/07 SCH-EVAL 131 SIRIS 133 COMIX 659 NOTA de: para: Assunto: Presidência Grupo de Avaliação de Schengen Projecto de decisão

Leia mais

É UM CIDADÃO EUROPEU A RESIDIR NA BÉLGICA? Então venha votar no dia 25 de Maio de 2014 para o Parlamento Europeu!

É UM CIDADÃO EUROPEU A RESIDIR NA BÉLGICA? Então venha votar no dia 25 de Maio de 2014 para o Parlamento Europeu! F É UM CIDADÃO EUROPEU A RESIDIR NA BÉLGICA? Então venha votar no dia 25 de Maio de 2014 para o Parlamento Europeu! 1 QUEM PODE VOTAR A 25 DE MAIO DE 2014? Para poder participar nesta eleição na qualidade

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 Reunidos na cidade de Quebec de 18 a 22 de setembro de 1997, na Conferência Parlamentar das Américas, nós, parlamentares das Américas, Considerando que o

Leia mais

HBL15 Trabalhar na Irlanda do Norte: Subsídio de Alojamento Um folhetim informativo do Executivo de Alojamento para Trabalhadores Migrantes

HBL15 Trabalhar na Irlanda do Norte: Subsídio de Alojamento Um folhetim informativo do Executivo de Alojamento para Trabalhadores Migrantes HBL15 Trabalhar na Irlanda do Norte: Subsídio de Alojamento Um folhetim informativo do Executivo de Alojamento para Trabalhadores Migrantes Este folheto explica as regras que se aplicam ao Benefício de

Leia mais

NEGOCIAÇÕES DE ADESÃO DA BULGÁRIA E DA ROMÉNIA À UNIÃO EUROPEIA

NEGOCIAÇÕES DE ADESÃO DA BULGÁRIA E DA ROMÉNIA À UNIÃO EUROPEIA NEGOCIAÇÕES DE ADESÃO DA BULGÁRIA E DA ROMÉNIA À UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 31 de Março de 2005 (OR. en) AA 23/2/05 REV 2 TRATADO DE ADESÃO: ACTA FINAL PROJECTO DE ACTOS LEGISLATIVOS E OUTROS INSTRUMENTOS

Leia mais

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios Sandra Sofia Brito da Silva Dissertação

Leia mais

Novas Regras Básicas para Estrutura e Funcionamento do FBEI

Novas Regras Básicas para Estrutura e Funcionamento do FBEI 1 Novas Regras Básicas para Estrutura e Funcionamento do FBEI 1. Finalidade O FBEI é uma instância de organização e articulação interinstitucional, suprapartidária, que agrega diversos órgãos, organizações

Leia mais

PROGRAMAS DE MOBILIDADE INTERNACIONAL

PROGRAMAS DE MOBILIDADE INTERNACIONAL PROGRAMAS DE MOBILIDADE INTERNACIONAL 1) Se eu pretender realizar mobilidade apenas no 2º semestre do próximo ano académico, quando é que devo apresentar a candidatura? 2) Quando é que devo efectuar o

Leia mais

Ricardo Cabral Fernandes rcabralfernandes@gmail.com

Ricardo Cabral Fernandes rcabralfernandes@gmail.com Portugal entre a Europa e o Atlântico Ricardo Cabral Fernandes rcabralfernandes@gmail.com Lusíada. Política Internacional e Segurança, n.º 10 (2014) 55 Portugal entre a Europa e o Atlântico, pp. 55-62

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA JUVENTUDE. Município de Soure

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA JUVENTUDE. Município de Soure REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA JUVENTUDE Município de Soure 2014 1 Nota justificativa É hoje inquestionável a transversalidade das políticas públicas dirigidas à juventude. São inegáveis as vantagens

Leia mais

Participação Social como Método de Governo. Secretaria-Geral da Presidência da República

Participação Social como Método de Governo. Secretaria-Geral da Presidência da República Participação Social como Método de Governo Secretaria-Geral da Presidência da República ... é importante lembrar que o destino de um país não se resume à ação de seu governo. Ele é o resultado do trabalho

Leia mais

Embargo até 10H de 31-Maio-2012 COMUNICADO DE IMPRENSA ESPAD/2011. Lisboa, 31 de Maio de 2012

Embargo até 10H de 31-Maio-2012 COMUNICADO DE IMPRENSA ESPAD/2011. Lisboa, 31 de Maio de 2012 Embargo até 10H de 31-Maio-2012 COMUNICADO DE IMPRENSA Lisboa, 31 de Maio de 2012 O ESPAD European School Survey on Alcohol and other Drugs é um inquérito a nível europeu, que se realiza atualmente em

Leia mais

O GOVERNO. Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa

O GOVERNO. Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa O GOVERNO Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa «O Governo é o órgão de condução da política geral do país e o órgão superior da Administração Pública.» 1 Pela própria ideia que se retira

Leia mais

USO DE ANIMAIS E PLANTAS COMO INSTRUMENTO DE TRABALHO EM SALA DE AULA

USO DE ANIMAIS E PLANTAS COMO INSTRUMENTO DE TRABALHO EM SALA DE AULA USO DE ANIMAIS E PLANTAS COMO INSTRUMENTO DE TRABALHO EM SALA DE AULA MORAIS, Luciane dos Santos Discente da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva LAMARI, Luciano Brunelli Docente da Faculdade

Leia mais

III SINGEP II S2IS UNINOVE

III SINGEP II S2IS UNINOVE III SINGEP II S2IS UNINOVE Painel Temático: Tendências em Inovação e Projetos Maria Celeste Reis Lobo de Vasconcelos celestevasconcelos@fpl.edu.br Contexto A inovação é uma grande força para o progresso

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM Dr. José Timóteo Montalvão Machado. Programa ERASMUS+ Acção-chave 1 Mobilidade para aprendizagem

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM Dr. José Timóteo Montalvão Machado. Programa ERASMUS+ Acção-chave 1 Mobilidade para aprendizagem ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM Dr. José Timóteo Montalvão Machado Programa ERASMUS+ Acção-chave 1 Mobilidade para aprendizagem GUIA DE CANDIDATURA PARA MOBILIDADE DE ESTUDANTES PARA ESTÁGIOS ERASMUS+ (SMP)

Leia mais

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO CONVÉNIO CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO ÍNDICE FINALIDADE... 2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 CONSTITUIÇÃO E GOVERNÂNCIA... 4 FINANCIAMENTO... 5 RELATÓRIOS... 5 Ficha de Adesão ao CLUSTER

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS Er REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS Art 1º O Fórum da Agenda 21 Local Regional de Rio Bonito formulará propostas de políticas públicas voltadas para o desenvolvimento sustentável local, através

Leia mais

NÚMERO: 003/2010 DATA: 29/09/2010 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTOS:

NÚMERO: 003/2010 DATA: 29/09/2010 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTOS: NÚMERO: 003/2010 DATA: 29/09/2010 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTOS: Acesso a cuidados de saúde programados na União Europeia, Espaço Económico Europeu e Suiça. Procedimentos para a emissão do Documento

Leia mais

V - promover a cooperação internacional na área de ciência, tecnologia e inovação;

V - promover a cooperação internacional na área de ciência, tecnologia e inovação; DECRETO Nº 7.642, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 * Programa Ciência sem Fronteiras. * Institui o Programa Ciência sem Fronteiras. A Presidenta da República, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84,

Leia mais

DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE

DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE 2008: Promulga o Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República da África do Sul no Campo da Cooperação Científica e Tecnológica,

Leia mais

PROMOVER O ACESSO À INFORMAÇÃO PARA A APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA

PROMOVER O ACESSO À INFORMAÇÃO PARA A APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA PROMOVER O ACESSO À INFORMAÇÃO PARA A APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA O acesso à informação é um direito fundamental de todos os alunos com ou sem deficiência e/ou necessidades educativas especiais. Numa

Leia mais

NOTA INFORMATIVA SINGLE EURO PAYMENTS AREA. 1. O que é a SEPA?

NOTA INFORMATIVA SINGLE EURO PAYMENTS AREA. 1. O que é a SEPA? 1 NOTA INFORMATIVA 1. O que é a SEPA? Para harmonização dos sistemas de pagamento no espaço europeu no sentido de impulsionar o mercado único, foi criada uma Área Única de Pagamentos em Euro (denominada

Leia mais

Comissão reconhece a necessidade de um melhor acesso de elevado débito à Internet para revitalizar as zonas rurais na Europa

Comissão reconhece a necessidade de um melhor acesso de elevado débito à Internet para revitalizar as zonas rurais na Europa IP/09/343 Bruxelas, 3 de Março de 2009 Comissão reconhece a necessidade de um melhor acesso de elevado débito à Internet para revitalizar as zonas rurais na Europa A Comissão declarou hoje considerar prioritária

Leia mais

imigração e comércio internacional no contexto da integração europeia o caso português

imigração e comércio internacional no contexto da integração europeia o caso português imigração e comércio internacional no contexto da integração europeia o caso português Nuno Gonçalves Ana Paula Africano Resumo: Palavras-chave Códigos JEL Abstract: Keywords model. JEL Codes 41 estudos

Leia mais

A solução. para os seus problemas. na Europa. ec.europa.eu/solvit

A solução. para os seus problemas. na Europa. ec.europa.eu/solvit A solução para os seus problemas na Europa ec.europa.eu/solvit CONHEÇA OS SEUS DIREITOS Viver, trabalhar ou viajar em qualquer país da UE é um direito fundamental dos cidadãos europeus. As empresas também

Leia mais

CASSTM NOTA 376/03 ANEXO 2REV

CASSTM NOTA 376/03 ANEXO 2REV CASSTM NOTA 376/03 ANEXO 2REV DOCUMENTO 3 DIREITOS E OBRIGAÇÕES DOS TITULARES DOS CARTÕES EUROPEUS DE SEGURO DE DOENÇA OU DE DOCUMENTOS EQUIVALENTES NA SEQUÊNCIA DAS ALTERAÇÕES DO PONTO I DA ALÍNEA A)

Leia mais

PORTAL CITIUS NOVAS TECNOLOGIAS AO SERVIÇO DOS CIDADÃOS, DAS EMPRESAS E DA JUSTIÇA

PORTAL CITIUS NOVAS TECNOLOGIAS AO SERVIÇO DOS CIDADÃOS, DAS EMPRESAS E DA JUSTIÇA PORTAL CITIUS NOVAS TECNOLOGIAS AO SERVIÇO DOS CIDADÃOS, DAS EMPRESAS E DA JUSTIÇA Perguntas & Respostas 10 de Setembro de 2009 1. O que é o Portal CITIUS? (www.citius.mj.pt) O Portal CITIUS é um novo

Leia mais

Título: - Diagnóstico e análise da rede social: o caso da prestação de cuidados continuados a crianças com diabetes.

Título: - Diagnóstico e análise da rede social: o caso da prestação de cuidados continuados a crianças com diabetes. Título: - Diagnóstico e análise da rede social: o caso da prestação de cuidados continuados a crianças com diabetes. Palavras-chave : Análise Redes Sociais, Criança com Diabetes, Cuidados Continuados,

Leia mais