Resumo. 1 Docente da Universidade Federal do Tocantins com graduação em Licenciatura Plena

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Resumo. 1 Docente da Universidade Federal do Tocantins com graduação em Licenciatura Plena"

Transcrição

1 Percepções sobre as línguas portuguesa e inglesa de um grupo imigrante estadunidense An American immigrant group s perceptions of the Portuguese and English languages Aline Gomes da SILVA 1 Resumo Este estudo de natureza qualitativa e interpretativa tem como objetivo geral investigar as percepções sobre as línguas portuguesa e inglesa de um grupo de imigrantes que vivem na Região Centro-Oeste do Brasil. Em termos mais específicos, a pesquisa busca analisar os domínios de uso do inglês e do português no interior da comunidade, com vistas a delinear o perfil sociolinguístico do grupo. Para tanto, recorri aos princípios da etnografia para a coleta de dados, utilizando os seguintes instrumentos: entrevistas, questionários e observações de campo. O referencial teórico deste trabalho apresenta estudos que discorrem sobre a língua e sua influência na sociedade (BAKER, 1993; GROSJEAN, 1982; ROMAINE, 1995). Os resultados mostram que embora o grupo declare que a língua inglesa seja sua L1 (mesmo os jovens nascidos no Brasil) e seu uso seja predominante na maioria dos domínios sociais, tanto o português quanto o inglês desempenham papéis fundamentais na comunidade em diversas situações sociais, caracterizando assim o grupo como bilíngue. Palavras-chaves Imigração; bilinguismo; aquisição de linguagem. 1 Docente da Universidade Federal do Tocantins com graduação em Licenciatura Plena em Letras pela Universidade Estadual de Goiás (2003). Possui mestrado em Letras e Linguística pela Universidade Federal de Goiás (2010) e especializações (Lato sensu) em Gestão Educacional pela Universidade Estadual de Goiás (2005) e em Língua Inglesa pela UniEvangélica (2005). Cep: Porto Nacional TO.

2 Abstract The main goal of this qualitative and interpretative study is to investigate an American immigrant group s perceptions of the Portuguese and English languages in the Central- West region of Brazil. More specifically, this research investigates both languages domains within the community in order to establish a sociolinguistic profile of the group. Ethnographic theory was the basis for data collection and the following instruments were used in an effort to gather language domains: interviews, questionnaires and field observation. The theoretical section includes works on language and its influence on society (BAKER, 1993; GROSJEAN, 1982; ROMAINE, 1995). Results revealed that although the group declares that English is its first language (even the young who were born in Brazil) and the use of this language is predominant in most social domains, both English and Portuguese develop underlying roles within the community, defining the group as bilingual. Keywords Immigration; bilingualism; language aquisition. 1. Introdução O Brasil, por apresentar uma grande dimensão territorial, detém uma vasta diversidade cultural e linguística. Essa diversidade cede lugar ao mito do monolinguismo, isto é, à concepção equivocada de que no Brasil se fala uma única língua: o português. Estima-se que o cenário brasileiro conta com cerca de 210 idiomas, sendo 170 línguas faladas nas comunidades indígenas espalhadas pelo Brasil e aproximadamente 40 línguas faladas por imigrantes e seus descendentes. Considerando esta diversidade, pode-se afirmar que o Brasil é, portanto, um país multicultural e multilíngue (CAVALCANTI, 1999). É com o intuito de dar visibilidade a esse fato que este estudo analisou uma comunidade bilíngue de origem norte-americana residente no Brasil. Segundo Grosjean (1982), o processo migratório é uma dentre as várias razões que contribui para a ocorrência do bilinguismo. Grosso modo, as imigrações são decorrentes do desejo de se aventurar por novas terras, por interesses bélicos, políticos, econômicos, educacionais e religiosos; ou ainda em razão de casamentos inter-raciais ou alguma catástrofe natural que obriga um grupo de indivíduos a buscar outros locais para

3 viver. Em todas essas situações o contato entre línguas é inevitável, o que cria oportunidades para algum tipo de bilinguismo, seja na sociedade ou no indivíduo. De acordo com Seyferth (1990), a imigração acarreta transformações urbanas em qualquer parte do mundo. No Brasil não tem sido diferente. Além de exercer um importante papel na composição étnica da população brasileira, a imigração tem contribuído para mudar o processo de urbanização, tanto nas grandes cidades, como São Paulo, quanto nas comunidades de imigrantes localizadas no interior de Goiás (MELLO, 2003; SILVA, 2007). Essas comunidades, por serem reservadas, muitas vezes tornam-se invisíveis aos olhos da população circunvizinha. Ainda segundo Seyferth (1990), juntamente com os imigrantes vêm as doutrinas religiosas e as línguas. No que diz respeito à religião, destaca a influência do cristianismo representado pela Igreja Católica de origem portuguesa e italiana. Os imigrantes alemães e libaneses deram sua contribuição com o luteranismo e com as igrejas maronita, melquita e ortodoxa, respectivamente; e os japoneses, com o budismo e o xintoísmo. No caso deste estudo, a imigração que teve início com a chegada dos primeiros missionários estadunidenses em 1950 no interior de Goiás foi motivada pela fé cristã e pelo desejo de levar a palavra de Deus para aqueles que ainda não a conhecem. É fato que junto com o imigrante vem sua língua materna e seu uso não fica restrito à comunidade. As interações sociais entre os imigrantes e a população hospedeira são inevitáveis, o que resulta no contato entre as línguas distintas. Sem uma barreira que limite esse fluxo, o bilinguismo integra, cada vez mais, nossa sociedade. A seguir, falaremos sobre o fenômeno bilinguismo na sociedade e no indivíduo. 2. O bilinguismo na sociedade e no indivíduo Neste trabalho, adoto a definição de bilinguismo como o uso regular de duas ou mais línguas (GROSJEAN, 1982, p. 1) por acreditar que bilíngue é todo aquele que usa regularmente duas línguas em suas atividades cotidianas, mesmo não apresentando necessariamente uma competência igual à de um falante nativo. Segundo Grosjean (1982), assim como não existem pessoas nativas capazes de atuar igualmente bem em todos os domínios de sua própria língua, não há razão para se exigir do bilíngue uma competência irretocável em ambas as línguas, em todos os domínios e situações de uso.

4 Sob essa perspectiva, a ênfase recai no uso e na funcionalidade das línguas, não no mito da perfeição oriundo da teoria bloomfieldiana que define bilinguismo como o controle de duas línguas de maneira semelhante à do nativo (BLOOMFIELD, 1979, p. 56), enfatizando a forma da língua. Conforme Grosjean (1982), o bilinguismo é um fenômeno que se faz presente desde os primórdios da história humana e é continuamente associado às atitudes de um grupo ou de um indivíduo e a fatores como o lugar, a situação, os participantes, o tópico e a função da interação. Desse modo, o bilinguismo não constitui um fenômeno per se. Tal fenômeno perpassa dimensões exteriores à língua em si, tais como a comunidade de fala e suas características socioestruturais, as políticas linguísticas e as atitudes individuais e coletivas. Em suma, os estudos sobre bilinguismo podem ser divididos em duas categorias: bilinguismo social e bilinguismo individual. Os estudos que focalizam o bilinguismo na sociedade visam descrever aspectos relacionados ao uso das línguas em uma determinada sociedade ou comunidade. Tais fatores abrangem o status e os papéis que línguas distintas atingem e desempenham no contato social, as atitudes em massa em relação às línguas, os determinantes que reforçam a escolha de uma língua em detrimento de outra nas relações de poder como na escola, na mídia e em assuntos político-administrativos, os usos simbólicos e funcionais das línguas, as correlações entre o uso das línguas e alguns aspectos sociais tais como a etnia, a religião e a classe social em que o falante se insere etc. Segundo Baker (2006, p. 84), a língua é um símbolo de independência que separa as nações e as pessoas. Ou seja, as línguas refletem e refratam valores que representam a visão de mundo dos indivíduos e de seus grupos em relação à própria língua e seus usuários. Quando em contato, tais valores acabam por criar uma relação de poder entre a língua de maior prestígio, que detém o poder político, cultural e econômico da comunidade, e a língua de menor prestígio, reservada para situações marginais. É pensando nessa relação de poder que Fishman (1968) estabelece a noção de domínios sociais: quem fala o que, em que língua, para quem, quando e em que situações. Por domínios sociais Fishman entende as diferentes esferas nas quais as línguas são usadas, tais como família, escola, trabalho, religião e vizinhança. Tais esferas mantêm uma relação de complementaridade, tendo em vista que um indivíduo

5 raramente usa suas duas línguas com os mesmos participantes no mesmo local ou apresenta grau de proficiência equivalente em ambas para tratar de determinado tópico. Nas palavras de Fishman (1968, p. 17), certos tópicos são mais fáceis ou mais apropriados de lidar, de alguma forma, em uma língua do que em outra, em contextos multilíngues particulares. Dessa forma, a escolha de qual língua utilizar nas interações cotidianas nunca é feita de forma aleatória, pois os falantes se apoiam nos fatores sociais que abrangem a comunicação: os participantes (com quem se fala), o local e a situação (onde e quando), e o tópico (o que se fala). Por sua vez, cabe aos estudos sobre bilinguismo individual descrever como um indivíduo ou grupo de indivíduos adquire duas ou mais línguas na infância ou na fase adulta, suas motivações em relação à aquisição e aprendizado de uma segunda língua, como as línguas são representadas nas mentes de cada falante bilíngue, como os falantes bilíngues desempenham as habilidades linguísticas, a saber, a escrita, a leitura, a compreensão auditiva e a fala em cada uma de suas línguas, entre outros. Assim, ao focalizarmos o bilinguismo individual em sua interface com o social, precisamos considerar, além de outros, dois fatores relevantes que integram esse processo: as atitudes das pessoas em relação às línguas e aos seus falantes, e a motivação do indivíduo para a aprendizagem/uso da língua-alvo. No próximo item, apresento uma breve revisão sobre a motivação para a aquisição de uma segunda língua (L2) ou de uma língua estrangeira (LE). 3. Motivação para a aquisição/aprendizagem de L2 ou LE Os estudos sobre motivação e atitudes linguísticas ganharam destaque a partir dos trabalhos de Gardner e Lambert (1972). Para esses autores, o comportamento linguístico do indivíduo bilíngue é afetado não apenas por suas reações, mas principalmente pela repercussão social desse comportamento. Para Gardner et al. (1995), as atitudes possuem componentes cognitivos, afetivos e conativos, sendo constituídas a partir de uma predisposição psicológica subjacente que determina como agir ou avaliar um comportamento. Ademais, estão conectadas aos valores e às crenças dos indivíduos, que estimulam ou reprimem as escolhas feitas em todos os domínios de atividades, formais ou informais. Nessa mesma perspectiva, motivação refere-se à combinação de desejo e esforço com o intuito de alcançar um

6 objetivo. A função exercida pela motivação é, portanto, a de conectar a racionalidade do indivíduo para qualquer atividade como a aprendizagem de uma nova língua aos diversos comportamentos e ao grau de esforço empregado para a consecução de uma tarefa. Podemos dizer, então, que as atitudes referem-se ao modo como o falante se julga ou é julgado por seus pares no tocante ao seu comportamento linguístico. A motivação, por sua vez, indica o desejo ou impulso que move o indivíduo a atingir um objetivo específico. Munidos dessas definições, Gardner e Lambert (1972) identificaram quatro tipos de motivação: intrínseca, extrínseca, integrativa e instrumental. A motivação intrínseca diz respeito às recompensas oriundas da atividade em si, isto é, vincula-se aos fatores internos ou aos aspectos da personalidade do indivíduo. A motivação extrínseca refere-se às recompensas obtidas pelas consequências dessas atividades, associando-se, portanto, aos fatores externos ou às variáveis socioculturais. A motivação integrativa denomina o desejo do indivíduo de aprender uma nova língua para se tornar um membro de outro grupo social e de ser aceito na nova cultura. A motivação instrumental implica que o aprendiz é movido simplesmente pelo desejo ou pela necessidade de aprender e usar uma segunda língua para fins acadêmicos e ocupacionais ou para usufruir de vantagens econômicas. Conforme afirma Lambert (1972), independentemente da motivação que impulsiona um indivíduo a tornar-se bilíngue, quanto mais proficiência tiver na L2, maior será a possibilidade de se afastar de seu próprio grupo linguístico-cultural e de integrar outro. Tal afastamento pode gerar sentimentos contraditórios, pois a imersão na cultura do outro pode acarretar também a perda da própria cultura. 4. Conhecendo a comunidade em foco e os princípios metodológicos que norteiam o estudo Este estudo que tem como objetivo analisar os usos e as funções que o inglês e o português desempenham na vida de um grupo de imigrantes bilíngues, investigou uma comunidade de imigrantes missionários estadunidenses que se estabeleceu no interior de Goiás com o intuito de evangelizar os povos indígenas do Brasil. Localizada a 96 quilômetros de Goiânia, a comunidade funciona como uma espécie de polo preparatório para os missionários, antes de dirigirem-se às tribos. Essa

7 preparação pressupõe, sobretudo, a aprendizagem da língua portuguesa e a apreensão da cultura brasileira de modo a minimizar possíveis conflitos linguísticos e culturais. A comunidade em tela conta com 65 membros, entre adultos, jovens e crianças. Para a realização deste estudo, contei efetivamente com a colaboração de 36 pessoas, com idade entre 15 e 85 anos, que responderam aos questionários, concederam entrevistas e relataram, em conversas informais, suas histórias e experiências. Esta pesquisa se insere no paradigma qualitativo por ser de natureza descritivointerpretativa. De acordo com Lüdke e André (1986), o interesse pelas metodologias qualitativas vem crescendo na área da educação, ao priorizarem o processo da pesquisa em detrimento dos resultados obtidos. Grosso modo, o objetivo de uma pesquisa qualitativa consiste em verificar como um problema manifesta-se nas atividades, nos procedimentos e nas interações cotidianas dos participantes envolvidos. Em outras palavras, busca capturar o significado atribuído pelas pessoas à sua vida e às coisas que as rodeiam. Para que esse objetivo seja alcançado, Lüdke e André (1986, p. 12) sugerem que o pesquisador dê preferência a um ambiente natural como fonte de dados, bem como mantenha contato direto com a situação investigada durante tempo suficiente para observar a recorrência das ações em foco. 5. Os usos e funções da língua inglesa e portuguesa na comunidade Neste momento, serão apresentados os usos e as funções que o inglês e o português desempenham na vida dos missionários imigrantes estadunidenses. Veremos que embora o inglês obtenha status de língua majoritária dentro da comunidade, o português se faz presente, ocupando espaço em diversas situações nas interações diárias do grupo. É notório que mais do que uma ferramenta de evangelização, as línguas são usadas para (re)afirmar sentimentos, crenças e valores. 5.1 Os usos e funções da língua inglesa De acordo com um dos participantes, ao chegar ao Brasil décadas atrás, os missionários mais antigos da comunidade evitavam falar em inglês diante de brasileiros que não compreendiam a língua, pois seus superiores os alertavam para o caráter desrespeitoso dessa atitude. Sendo assim, a língua era usada apenas durante as

8 interações internas da comunidade ou nos espaços reservados unicamente para o grupo missionário. Todavia, essa realidade mudou, conforme ilustra o seguinte depoimento: [Recorte 1] Participante A: Atualmente a língua inglesa está sendo bem mais aceita mundialmente. Antigamente nós nunca falávamos inglês perto de algum brasileiro que não sabia inglês porque era rude. Uma falta de educação e respeito. Agora que meus filhos estão crescendo, a cultura tem mudado um pouco. Os brasileiros querem aprender inglês, querem nos escutar falando em inglês. Gostam de estar conosco. Nossos jovens falam em inglês a vontade! É normal. (Entrevista, 6 nov. 2008). Com base nas falas do participante, falar inglês perto de um brasileiro que não tinha competência na língua era falta de educação, falta de respeito e atitude grotesca. No entanto, como nos dias atuais tornar-se familiar a essa língua é estar apto a participar do mundo globalizado e ter acesso aos bens culturais e ao mercado de trabalho, os jovens imigrantes conquistaram liberdade de usar a língua em outros cenários, fora da comunidade. Sendo assim, os atributos de falar inglês perto de um brasileiro que não tem competência na língua mudaram para normal, livre forma de expressão e um instrumento de aprendizagem passível de oferecer benefícios àqueles que não a dominam. Isto se justifica porque as línguas têm transpassado fronteiras e como resultado a concepção de língua como monopólio de uma só nação não é mais cabível. Por serem além de um mero instrumento de comunicação, elas não podem mais ser concebidas como propriedade exclusiva de um povo. Atualmente, a língua inglesa devido à sua presença em áreas importantes como a comunicação internacional, a ciência, a tecnologia, a linguagem computacional, o turismo e a mídia tem sido considerada um fenômeno linguístico mundial, dissociada de qualquer país específico. O inglês representa uma língua internacional que possibilita a comunicação entre os povos e o acesso a inúmeros benefícios, tais como oportunidades de emprego e educação, maior acesso a informações e contato entre pessoas de todas as partes do mundo (RAJAGOPALAN, 2003). Conforme revelam os dados gerados para este estudo, a presença desse grupo de missionários estadunidenses no Brasil traz benefícios para os brasileiros com os quais se relacionam, na medida em que essa interação pode proporcionar oportunidades de aprendizagem do inglês em contexto natural. É de se supor ainda que essa nova

9 realidade também propicie vantagens aos imigrantes, pois sua aceitação na sociedade que os hospeda contribui significativamente para que atinjam seus propósitos pessoais e profissionais, tendo em vista que se sentem mais confortáveis quando fazem uso de sua língua materna fora da comunidade. Nas palavras de uma das participantes, I always feel comfortable using English (Entrevista, 2 abr. 2009). À medida que o inglês vai se tornando cada vez mais familiar, maior é a sua aceitação e menor o grau de estranhamento nos domínios exteriores à comunidade. Entretanto, há aqueles que não se sentem à vontade ao usar usa língua materna fora da comunidade. A condição de imigrante e o ato de usar sua língua materna em público podem gerar sentimentos negativos, como ilustram as falas abaixo: [Recorte 2] Participante B: [Recorte 3] Participante C: I feel ashamed because people may think I am talking about them. Sometimes, I also feel embarrassed because people may find I am different, funny. (Entrevista, 4 abr. 2009). I don t like speaking English when someone doesn t understand it. I feel uncomfortable. One day I was with my American friend, and we were speaking English, my Brazilian friend was just sitting there not really understanding anything. It was not really good. (Entrevista, 4 abr. 2009). Segundo os relatos dos jovens imigrantes de 18 e 16 anos, respectivamente, eles evitam falar inglês perto de brasileiros que não compreendem a língua porque a falta de compreensão da língua pode gerar confusão e rotulação. Ou seja, o grupo pesquisado acredita que o fato de falar inglês perto de brasileiros que não dominam a língua, pode fazer com que esses pensem que o assunto seja referente a eles. Outra questão apontada é que o grupo se sente incomodado de ser rotulado como diferente e engraçado. As línguas quando estão em contato nem sempre resultam em interações harmoniosas (BAKER, 2006). Falar uma língua que não seja do país hospedeiro pode aflorar sentimentos negativos como sentir-se envergonhado, constrangido, diferente, desconfortável e excluído da sociedade. Mesmo com os problemas decorrentes do uso de língua que para muitos ainda seja estranha, durante a pesquisa foi possível notar que, antes de qualquer outra razão, usar inglês nas interações é uma consequência natural, por ser essa a língua dominante do grupo. Além disso, falar inglês está relacionado a motivações integrativas e intrínsecas, visto que os indivíduos se identificam com ela e procuram manter laços

10 estreitos com a cultura de origem, mesmo inseridos na sociedade brasileira. De acordo com os dados obtidos através das entrevistas, questionários e conversas informais com o grupo, dentre as razões para falar inglês, destacam-se: ser a língua do coração, ser a língua materna, ser mais competente na língua inglesa, ter mais contato com americanos (amigos e familiares) e poder ajudar os brasileiros que almejam ser competentes na língua inglesa. Lembrando que o grupo em foco está no Brasil a trabalho, com exceção dos filhos e alguns dos cônjuges dos missionários, podem-se destacar motivações instrumentais e extrínsecas para o uso do inglês. Sendo assim, foram citadas as seguintes razões para manter o uso da língua materna, mesmo estando fora de seu país de origem: ser uma língua internacional, ser a língua da globalização, gerar oportunidades de emprego tanto no Brasil como nos Estados Unidos e ter interesse de cursar faculdades nos Estados Unidos. De acordo com Baker (2006), o uso de uma língua em detrimento de outra não é meramente uma questão de escolha aleatória. Vários são os fatores que levam um indivíduo a optar por uma língua e não outra, tais como o assunto, o lugar, as pessoas envolvidas na conversação, as relações de poder etc. Nesse sentido, muitas vezes, a opção por uma língua não é necessariamente deliberada, mas sim condicionada. Para ilustrar essa questão, o quadro abaixo organiza alguns domínios culturais que retratam os usos da língua inglesa pelo grupo e as funções que essa desempenha. Tópicos discutidos em inglês Lugares para falar inglês Pessoas com quem se fala inglês Discutir assuntos escolares; Discutir assuntos familiares; Conversar sobre assuntos cotidianos com os amigos da comunidade; Evangelizar; Lecionar na Escola Americana. Em casa; Na comunidade; Na vizinhança; Na Escola Americana; Nos Estados Unidos; No trabalho; Estar em um grupo de americanos; Amigos da escola americana; Amigos americanos; Amigos bilíngues; Colegas de trabalho americanos; Colegas de trabalho bilíngues; Professores da Escola Americana; Falantes de inglês; Membros da família. A partir do quadro acima que representa as categorias culturais dos domínios, pode-se visualizar os cinco domínios de uso da língua propostos por Fishman (1968): casa, trabalho, vizinhança, igreja e atividades formais e informais. Para esse autor, as línguas guardam entre si uma relação de complementaridade, razão pela qual os

11 bilíngues não apresentam necessariamente o mesmo grau de proficiência nas duas línguas geralmente não há necessidade de usar ambas em um mesmo domínio. Ou seja, a língua falada na escola é, em geral, aquela adotada como meio de instrução, ao passo que a língua falada em casa é a língua compartilhada pela família, e assim por diante. A seguir, analisaremos os dados relativos à posição que o português ocupa nas interações sociais do grupo. 5.2 Os usos e funções da língua portuguesa Se, por um lado, os participantes deste estudo fazem uso constante do inglês em suas atividades diárias, por outro, era de se esperar que o português obtivesse status de língua majoritária fora da comunidade. De acordo com os dados, em muitas situações, o uso do português está diretamente relacionado à necessidade e não à escolha dos missionários, haja vista que precisam interagir constantemente com brasileiros, dentre os quais nem todos são proficientes na língua inglesa. No caso de alguns missionários, o português também é utilizado por outras razões, tais como comunicar-se com a esposa brasileira e seus familiares e inserir-se no grupo de colegas de trabalho brasileiros. O quadro abaixo ilustra os domínios culturais onde a língua portuguesa é falada pelo grupo e as funções que essa desempenha na vida dos missionários. Razões para falar português Lugar para falar português Pessoas com quem se fala português. Evangelizar os índios; Fazer compras; Visitar brasileiros; Resolver contratempos do cotidiano (levar alguma coisa ao conserto, negociar e levar os filhos ao médico etc.); Praticar esportes com os amigos brasileiros; Sair da comunidade; Trabalhar com traduções; Trabalhar com brasileiros; Atender telefone; Frequentar as aulas de português; Estar entre brasileiros. Em casa (quando o cônjuge é brasileiro, com o objetivo de aprender mais rápido); Na base da Missão; Na igreja fora da comunidade; Na quadra de esportes quando há brasileiros; Na sala de aula de português; Na vizinhança; Nos Estados Unidos (com o intuito de excluir alguém da conversa); No shopping; No trabalho. Com amigos e demais brasileiros; Com colegas de trabalho brasileiros; Com o cônjuge brasileiro; Com os visitantes da comunidade; Com brasileiros que não conseguem falar inglês; Com os indígenas.

12 Conforme se pode notar, o português é muito utilizado pelos missionários americanos em diversos contextos, porém a língua ainda representa o estranho para alguns dos participantes. O recorte abaixo exemplifica a situação de praticamente todos os 36 missionários entrevistados que afirmam ter vindo morar no Brasil sem conhecer a língua portuguesa, tendo conhecimento apenas de algumas palavras. [Recorte 4] Participante D: When I came to Brazil I knew a few words like hello and goodbye and maybe a couple of other phrases that I learned when I was visiting here from before, but I didn t know any significant amount of Portuguese. (Entrevista, 28 mar. 2009). Com pouca ou nenhuma preparação prévia, muitos missionários expressam insegurança em face da perspectiva de ter que aprender as regras gramaticais do português e empregá-las em suas interações diárias. Em geral, adjetivos como muito importante e maravilhoso são atribuídos ao português, todavia, o grupo julga a língua como difícil de aprender devido às conjugações verbais, os verbos irregulares, os artigos, as variações de gênero e número. Grosso modo, a complexidade gramatical do português e a arbitrariedade que há nas línguas portuguesa e inglesa são consideradas as maiores razões para a dificuldade em se lidar com a língua no cotidiano. Outros fatores que colaboram para que o grupo imigrante tenha dificuldade com a língua estão relacionados à pronúncia dos encontros consonantais lh, tr e nh e a semelhança entre alguns itens lexicais, como chuchu/xixi; espetinho/peitinho; sisos/círios; bombom/bumbum; bujão/beijão que muitas vezes, os colocaram em situações constrangedoras. Alguns dos participantes não se mostram interessados em aprender o idioma local e confessam que sua dificuldade em relação ao aprendizado do português é decorrente da falta de dedicação, não estudar muito a língua e de não ter facilidade para aprender línguas. O estranhamento em relação à língua portuguesa é o que Schumann (1986) denomina choque linguístico. A aquisição de uma segunda língua é influenciada por fatores sociais e psicológicos e o estranhamento ocorre quando um indivíduo se depara com características morfológicas, fonológicas e semânticas diferentes daquelas de sua língua materna. Diante de um desempenho linguístico insuficiente, tal indivíduo

13 naturalmente considera a língua estrangeira difícil de aprender, mesmo tendo certa simpatia por ela. Conforme já mencionado, em muitos casos, em especial no que tange à imigração, aprender uma língua não é uma mera questão de escolha. A situação de imigrante não é fácil, pois deixar sua terra natal implica, de certo modo, desenraizar-se de sua própria cultura e língua e se abrir para novas experiências. Cada imigrante tem sua história de vida e razões particulares para se aventurar em uma terra desconhecida. Os dados gerados deixam claro que falar a língua do país hospedeiro constitui, antes de tudo, uma necessidade, uma questão de sobrevivência. Percebemos isso nas palavras de uma das participantes que declara ter sido forçada a aprender português porque veio para o Brasil com duas crianças (sua terceira filha nasceu aqui), para morar em um lugar onde a vizinhança não sabia sua língua. [Recorte 5] Participante E: What motivated me to learn or study a second language? I was forced. I came to Brazil to live with two children without speaking a word in Portuguese, can you imagine that? Everything around me is Portuguese. My neighbors can t speak my language. If I want to communicate, I have to learn Portuguese. (Entrevista, 19 jun. 2008). Outras razões para aprender português foram apontadas pelo grupo, tais como, querer trabalhar no Brasil, ser importante para o momento atual da vida, querer compreender e participar da cultura brasileira, querer compreender os brasileiros, querer participar das interações sociais, ter necessidade de fazer amigos no país hospedeiro, ter cônjuge brasileiro, ter familiares brasileiros, ter afinidade pela língua, ter nascido no Brasil (no caso dos jovens, filhos dos missionários), ter amigos brasileiros, trabalhar com povos indígenas e ter que evangelizar em português. De acordo com as razões citadas pelo grupo percebe-se, assim, que os participantes inicialmente incorporaram dois tipos de motivação: a integrativa e a instrumental. Movidos por uma motivação integrativa, alguns almejam aprender o português com o intuito de compartilhar a cultura brasileira e de serem reconhecidos e aceitos como membros ativos da sociedade. Como exemplos de motivação integrativa, podemos citar o desejo de compreender a cultura brasileira e seu povo, a necessidade de fazer amigos e de melhor interagir com o cônjuge e seus familiares brasileiros. Outros participantes incorporam uma motivação instrumental, pois desejam aprender o

14 português para se enquadrar em ambientes acadêmicos e profissionais que lhes trarão algum tipo de benefício econômico. Entre os exemplos que ilustram esse tipo de motivação, podemos destacar o desejo de trabalhar nas tribos indígenas e em outros lugares no Brasil, bem como a necessidade de transmitir suas crenças. Independente da motivação que leva o imigrante a aprender a língua local do país hospedeiro, naturalmente, o fato de estarem inseridos em um contexto brasileiro majoritário faz com que os missionários sintam-se compelidos a aprender português para que possam atuar adequadamente nos espaços fora da comunidade. Isso significa que a condição de quase clausura (SCHUMANN, 1986) à qual estão expostos no interior da comunidade não é suficientemente forte para vencer as pressões do contexto circundante. Em outras palavras, a tendência é caminhar rumo à aprendizagem da língua local, visto que ela simboliza o passaporte para a concretização do trabalho missionário no Brasil, principal razão para a imigração do grupo. Em síntese, a língua não se resume apenas a seus aspectos gramaticais. Como instrumento social, pode ser um símbolo de conflito entre grupos étnicos, ou seja, um dos componentes que contribui para a discórdia entre os povos (BAKER, 2006). Caso não seja usada adequadamente, pode gerar desacordo e um sentimento de exclusão. Se por um lado há aqueles que se sentem felizes e empolgados em falar português, outros afirmaram sentir-se envergonhado, desconfortável, frustrado e nervoso em contato com a língua portuguesa. Em muitos casos, imigrar não foi uma questão de escolha. Ser forçado a viver em outro local com cultura e língua diferentes dos da sua terra natal, contribui negativamente para o aprendizado da língua local. Embora todos os participantes deste estudo estejam no Brasil para desenvolver, de algum modo, o trabalho missionário, não podemos afirmar de forma contundente até que ponto as esposas dos missionários e filhos realmente estão envolvidas com a causa ou se aceitaram imigrar para o Brasil para acompanhar seus maridos e pais. Mesmo aqueles que optem pelo enclausuramento e tentem ao máximo afastar-se da cultura e língua do país imigrado, preservando seus costumes e crenças, a neutralização por completo é impossível em se tratando de imigração. Em algum momento de sua vida nas interações corriqueiras, o imigrante terá que ter contato com a cultura local e fazer uso da língua do país hospedeiro. Sendo assim, é comum que cada língua ocupe um lugar determinado pelos falantes quando compartilham o mesmo espaço social e uma delas sempre será considerada como a mais apropriada em certas

15 situações. Ou seja, quando duas línguas estão em contato é de se esperar que uma seja considerada de maior prestígio em detrimento de outra (FERGUSON, 1964). De acordo com os dados gerados e analisados, pode-se concluir que independentemente do grau de proficiência linguística dos participantes, cada língua possui seu espaço em suas vidas e desempenha funções diversas e mesmo em face das dificuldades relativas à aprendizagem da língua portuguesa e ao seu uso, os participantes em geral almejam aprendê-la e concebem o bilinguismo como algo que lhes proporcionará benefícios. Conforme os relatos dos imigrantes em foco, ser bilíngue é um passo para abrir a mente, compreender mais e melhor o mundo, compreender melhor as pessoas, conseguir empregos, fazer amigos, obter mais informações, sentir-se bem, sentir-se mais educado e sábio, ter mais habilidades e ter vantagens em comparação aos monolíngues. 6. Considerações finais Ao longo deste estudo, pode-se afirmar que as línguas, como parte integrante das histórias de vida dos missionários imigrantes estadunidenses, alternam-se em função do contexto, das situações de interação e das pessoas envolvidas em uma relação de complementaridade, que assumem papéis sociais distintos. Em geral, os dados mostram que todos os participantes são bilíngues, em maior ou menor grau de competência, no sentido de que todos fazem uso regular de ambas as línguas em seu cotidiano. No que concerne à concepção do grupo sobre o que significa ser bilíngue, a maioria acredita que a competência em ambas as línguas os capacita a compreender melhor o mundo, as pessoas e a diversidade cultural. Nesse sentido, o bilinguismo é interpretado pelos participantes como um fenômeno que lhes oferece melhores condições de vida, amplia suas visões de mundo e possibilita-lhes enfrentar a diversidade entre as culturas. Em relação ao status das línguas e como elas se distribuem na comunidade onde, quando, com quem e em quais situações são usadas pelos participantes do estudo pode-se observar que ambas as línguas são usadas na comunidade, embora haja predominância do inglês. Essa língua ocupa uma posição majoritária em praticamente todos os domínios sociais: na família, na igreja, na escola, no trabalho e na vizinhança. A língua portuguesa é empregada tanto nas interações com indivíduos monolíngues da

16 comunidade externa que esporadicamente visitam o local. No domínio familiar, a língua portuguesa se faz presente nos casos de casamentos inter-raciais entre americanos e brasileiros. Os missionários que vivenciam essa situação afirmam que adotam o português em casa para praticar e acelerar o processo de aprendizagem linguística. Fora da comunidade, como já era esperado, o inglês é usado nas interações entre os membros do grupo e entre estes e brasileiros que intentam estabelecer contato com falantes nativos em virtude de propósitos instrumentais ou integrativos. Contudo, em razão da condição de imigrantes falantes de outra língua, muitos missionários evitam falar inglês em público porque acreditam que o rótulo de estrangeiros pode causarlhes desconforto e constrangimento. Esse sentimento de não pertencimento, segundo alguns, frequentemente resulta no silêncio uma forma de esconder a identidade cultural norte-americana, geralmente em situações em que a língua portuguesa é a majoritária. O inglês é visto pela maioria como o elo que os une ao país de origem. Como língua herdada, o inglês é também considerado pela maioria como a língua do coração, empregada nas interações afetivas do grupo e em situações íntimas como orar, sonhar, brigar, xingar e elogiar. O português, por sua vez, impõe-se nas interações com a sociedade brasileira em geral. Para alguns, não há como fugir desse idioma, fato que os pressiona a adquiri-la. A falta de proficiência na língua também gera sentimentos de vergonha, desconforto, frustração e estresse. Todavia, nem todos se sentem assim, tendo em vista que a necessidade de se envolver com o trabalho de evangelização, de fazer amigos e de interagir com o povo brasileiro serve de motivação para aprender cada vez mais o português. O português, a princípio um fator de estranhamento, vai tornando-se familiar à medida que os missionários passam a engajar-se em interações com a sociedade circunvizinha; contudo, não representa uma ameaça ao inglês, considerando o fechamento do grupo e o desejo de não apenas manter essa língua, mas de transmiti-la aos descendentes. 7. Referências bibliográficas BAKER, C. Introduction to bilingualism and bilingual education. Clevedon, UK: Multilingual Matters, 1993.

17 BAKER, C. Foundations of bilingual education and bilingualism. Clevedon, UK: Multilingual Matters, BLOOMFIELD, L. Language. New York: Holt, Rinehart and Winston, CAVALCANTI, M. C. Estudos sobre educação bilíngüe e escolarização em contextos de minorias lingüísticas no Brasil. D.E.L.T.A., São Paulo, v. 15, n. especial, p , FERGUSON, C. A. Diglossia. In: HYMES, D. (Ed.). Languages in culture and society: a reader in linguistics and anthropology. New York: Harper & Row, p FISHMAN, J. The relationship between micro and macro sociolinguistics in the study of who speaks what language to whom and when. In: PRIDE, J. B.; HOLMES, J. (Org.). Sociolinguistics: selected readings. London: Hazell Watson & Viney Ltd, p GARDNER, R. C. et al. The role of attitudes and motivation in second language learning: correlational and experimental considerations. Language Learning, v. 35, n. 2, p , GARDNER, R. C.; LAMBERT, W. E. Attitudes and motivation in second language learning. Rowley, MA: Newbury House, GROSJEAN, F. Life with two languages: an introduction to bilingualism. Cambridge, MA: Harvard University Press, KLOSS, H. Language rights of immigrant groups. International Migration Review, v. 5, n. 2, p , LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, MELLO, H. A. B. Atitudes lingüísticas de adolescentes americano-brasileiros de uma comunidade bilíngüe no interior de Goiás. Signum Estudos de Linguagem, Londrina, v. 6, n. 1, p , dez RAJAGOPALAN, K. Por uma lingüística crítica: linguagem, identidade e a questão ética. São Paulo: Parábola Editorial, ROMAINE, S. Bilingualism. Cambridge, MA: Blackwell, SEYFERTH, G. Imigração e cultura no Brasil. Brasília: Ed. da UnB, SCHUMANN, J. The pidginization process: a model for second language acquisition. Rowley, MA: Newbury House, 1978.

18 SCHUMANN, J. Research on the acculturation model for second language acquisition. Journal of Multilingual and Multicultural Development, v. 7, n. 5, p , SILVA, T. T. A produção social da identidade e da diferença. In: (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. 7. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, p

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA 1.0 INTRODUÇÃO JUSCIARA LOURENÇO DA SILVA (UEPB) VIVIANA DE SOUZA RAMOS (UEPB) PROFESSOR ORIENTADOR: EDUARDO

Leia mais

REVEL NA ESCOLA: LINGUÍSTICA APLICADA A CONTEXTOS EMPRESARIAIS

REVEL NA ESCOLA: LINGUÍSTICA APLICADA A CONTEXTOS EMPRESARIAIS MÜLLER, Alexandra Feldekircher. ReVEL na Escola: Linguística Aplicada a Contextos Empresariais. ReVEL. v. 11, n. 21, 2013. [www.revel.inf.br]. REVEL NA ESCOLA: LINGUÍSTICA APLICADA A CONTEXTOS EMPRESARIAIS

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL Larissa dos Santos Gomes Resumo O presente artigo refere-se ao trabalho de conclusão

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL A língua espanhola na Educação Básica A implantação da língua espanhola por meio da lei federal 11.161, que diz respeito à sua oferta

Leia mais

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LAMBARI D OESTE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA MATOS, Alaíde Arjona de 1 OLIVEIRA, Sônia Fernandes de 2 Professora da rede municipal de ensino

Leia mais

MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS

MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS Prof. Dr. Richard Schütz www.sk.com.br Referência: SCHÜTZ, Ricardo. "Motivação e Desmotivação no Aprendizado de Línguas" English Made in Brazil .

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

UMA CULTURA ESTUDANDO CULTURA A ETNOGRAFIA COMO METODOLOGIA DE PESQUISA Nínive Magdiel Peter Bovo

UMA CULTURA ESTUDANDO CULTURA A ETNOGRAFIA COMO METODOLOGIA DE PESQUISA Nínive Magdiel Peter Bovo UMA CULTURA ESTUDANDO CULTURA A ETNOGRAFIA COMO METODOLOGIA DE PESQUISA Nínive Magdiel Peter Bovo Resumo: A etnografia é uma metodologia emprestada da Antropologia Cultural que tem ajudado pesquisadores

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

A INFLUÊNCIA DOCENTE NA (RE)CONSTRUÇÃO DO SIGNIFICADO DE LUGAR POR ALUNOS DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE FEIRA DE SANTANA-BA 1

A INFLUÊNCIA DOCENTE NA (RE)CONSTRUÇÃO DO SIGNIFICADO DE LUGAR POR ALUNOS DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE FEIRA DE SANTANA-BA 1 64 A INFLUÊNCIA DOCENTE NA (RE)CONSTRUÇÃO DO SIGNIFICADO DE LUGAR POR ALUNOS DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE FEIRA DE SANTANA-BA 1 Edson da Silva Santos e-mail: edsonsporte@hotmail.com Bolsista FAPESB, Bacharelando

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DOS ESTUDOS SOCIOGEOLINGÜÍSTICOS PARA A ESCOLHA LEXICAL NA RECEPÇÃO E PRODUÇÃO DE TEXTOS ORAIS E ESCRITOS

A CONTRIBUIÇÃO DOS ESTUDOS SOCIOGEOLINGÜÍSTICOS PARA A ESCOLHA LEXICAL NA RECEPÇÃO E PRODUÇÃO DE TEXTOS ORAIS E ESCRITOS A CONTRIBUIÇÃO DOS ESTUDOS SOCIOGEOLINGÜÍSTICOS PARA A ESCOLHA LEXICAL NA RECEPÇÃO E PRODUÇÃO DE TEXTOS ORAIS E ESCRITOS Adriana Cristina Cristianini (USP, UNIBAN) dricris@usp.br Márcia Regina Teixeira

Leia mais

LINGUÍSTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

LINGUÍSTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA SPADA, Nina. Linguística Aplicada ao Ensino de Língua Estrangeira: uma entrevista com Nina Spada. Revista Virtual de Estudos da Linguagem - ReVEL. Vol. 2, n. 2, 2004. Tradução de Gabriel de Ávila Othero.

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

O PAPEL DA MOTIVAÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZADO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Bárbara Andrade de Sousa (UFJF) barbaraandrade.letras@gmail.

O PAPEL DA MOTIVAÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZADO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Bárbara Andrade de Sousa (UFJF) barbaraandrade.letras@gmail. O PAPEL DA MOTIVAÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZADO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Bárbara Andrade de Sousa (UFJF) barbaraandrade.letras@gmail.com 1. Introdução Podemos considerar inegável que um dos fatores atuantes

Leia mais

QUEM SOMOS intercâmbio

QUEM SOMOS intercâmbio alemanha Programa HIGH SCHOOL QUEM SOMOS intercâmbio O Number One Intercâmbio possui mais de 15 anos de mercado oferecendo as melhores opções de viagem para você e sua família, seja a lazer, trabalho ou

Leia mais

O BILINGÜISMO POMERANO-PORTUGUÊS NA REGIÃO DE PELOTAS

O BILINGÜISMO POMERANO-PORTUGUÊS NA REGIÃO DE PELOTAS O BILINGÜISMO POMERANO-PORTUGUÊS NA REGIÃO DE PELOTAS Paulino Vandresen (UCPel) Adriane Rodrigues Corrêa (Bic-UCPel) 1 Introdução Nesta comunicação apresentaremos alguns resultados preliminares do projeto

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DA PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA DOS ACADÊMICOS DE LETRAS DA UNIFRA: UM PARALELO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A AUTONOMIA DOS MESMOS 1

DESENVOLVIMENTO DA PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA DOS ACADÊMICOS DE LETRAS DA UNIFRA: UM PARALELO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A AUTONOMIA DOS MESMOS 1 DESENVOLVIMENTO DA PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA DOS ACADÊMICOS DE LETRAS DA UNIFRA: UM PARALELO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A AUTONOMIA DOS MESMOS 1 OLIVEIRA, Vinícius. O. 2 MACIEL, Adriana. M. N. RESUMO: O

Leia mais

CRENÇAS DE UMA ALUNA INICIANTE NO CURSO DE LETRAS INGLÊS ACERCA DA ORALIDADE

CRENÇAS DE UMA ALUNA INICIANTE NO CURSO DE LETRAS INGLÊS ACERCA DA ORALIDADE CRENÇAS DE UMA ALUNA INICIANTE NO CURSO DE LETRAS INGLÊS ACERCA DA ORALIDADE Marrine Oliveira Sousa (UFG) Tatiana Diello Borges (UFG) marrine_@hotmail.com tatiana.diello@gmail.com 1. Introdução No exterior,

Leia mais

A CRIANÇA BILÍNGUE: INFLUÊNCIAS DO BILINGUISMO SOBRE O DESENVOLVIMENTO INFANTIL ESCOLA PAN AMERICANA DA BAHIA. Profa. Conchita Kennedy Dantas

A CRIANÇA BILÍNGUE: INFLUÊNCIAS DO BILINGUISMO SOBRE O DESENVOLVIMENTO INFANTIL ESCOLA PAN AMERICANA DA BAHIA. Profa. Conchita Kennedy Dantas A CRIANÇA BILÍNGUE: INFLUÊNCIAS DO BILINGUISMO SOBRE O DESENVOLVIMENTO INFANTIL ESCOLA PAN AMERICANA DA BAHIA Profa. Conchita Kennedy Dantas Bilingüismo Segundo alguns investigadores as crianças expostas

Leia mais

A MOTIVAÇÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES E SUAS APLICAÇÕES PARA OBTENÇÃO DE RESULTADOS

A MOTIVAÇÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES E SUAS APLICAÇÕES PARA OBTENÇÃO DE RESULTADOS A MOTIVAÇÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES E SUAS APLICAÇÕES PARA OBTENÇÃO DE RESULTADOS GOMES, Elaine Dias. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG. E-mail: elaineapoderosa@hotmail.com

Leia mais

A realidade dos alunos trazida para a sala de aula. Ao ser perguntado Que possibilidade(s) de escrita(s) os seus alunos

A realidade dos alunos trazida para a sala de aula. Ao ser perguntado Que possibilidade(s) de escrita(s) os seus alunos INTERAÇÕES EM SALA DE AULA Autor: CARDON, Felipe Raskin Felipe Raskin Cardon 1 Resumo: Neste Estudo Piloto, relacionar-se-ão algumas citações do artigo A construção social da linguagem escrita na criança,

Leia mais

SANDRA MARY ALMEIDA MATTJIE CRENÇAS DE PROFESSORES E ALUNOS DE ESCOLAS DE COMUNIDADE BILÍNGUE SOBRE O PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE INGLÊS

SANDRA MARY ALMEIDA MATTJIE CRENÇAS DE PROFESSORES E ALUNOS DE ESCOLAS DE COMUNIDADE BILÍNGUE SOBRE O PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE INGLÊS SANDRA MARY ALMEIDA MATTJIE CRENÇAS DE PROFESSORES E ALUNOS DE ESCOLAS DE COMUNIDADE BILÍNGUE SOBRE O PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE INGLÊS PORTO ALEGRE 2010 SANDRA MARY ALMEIDA MATTJIE CRENÇAS DE

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO

PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO Extensão, docência e investigação. Danielle Gomes Mendes Theciana Silva Silveira Orientadora: Prof.ª Dr.ª Marize Barros Rocha

Leia mais

METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS

METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS 1 O Método do Caso e o Ensino em Administração O uso do Método do Caso nas escolas de administração no Brasil é relativamente recente, embora não haja

Leia mais

O AUXÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA

O AUXÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA O AUÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA Ana Beatriz Miranda Jorge UFCG/ beatrizjmiranda@gmail.com Bruna Melo do Nascimento UEPB/ bruna.melo.nascimento@gmail.com Isabelle Coutinho Ramos Benício

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

Validório, Valéria Cristiane 1

Validório, Valéria Cristiane 1 A INTERAÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM: uma perspectiva sociocultural Validório, Valéria Cristiane 1 RESUMO As relações sociais entre o indivíduo e o mundo exterior desenvolvem-se por meio de um processo

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO FINCK, Silvia Christina Madrid (UEPG) 1 TAQUES, Marcelo José (UEPG) 2 Considerações iniciais Sabemos

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS JOINVILLE PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO ESPAÑOL: INTERMEDIARIO

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

A INFLUÊNCIA DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO PROCESSO DE ENSINO: VANTAGENS E DESVANTAGENS

A INFLUÊNCIA DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO PROCESSO DE ENSINO: VANTAGENS E DESVANTAGENS A INFLUÊNCIA DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO PROCESSO DE ENSINO: VANTAGENS E DESVANTAGENS Vitor Cleton Viegas de Lima 1 Cristiane Camargo Aita 2 Daniele Pinto Andres 3 Resumo: este artigo tem por objetivo levantar

Leia mais

CRENÇAS DE GRADUANDOS DE INGLÊS LÍNGUA ESTRANGEIRA SOBRE A PRÓPRIA PRONÚNCIA

CRENÇAS DE GRADUANDOS DE INGLÊS LÍNGUA ESTRANGEIRA SOBRE A PRÓPRIA PRONÚNCIA CRENÇAS DE GRADUANDOS DE INGLÊS LÍNGUA ESTRANGEIRA SOBRE A PRÓPRIA PRONÚNCIA Neide Cesar CRUZ Universidade Federal de Campina Grande Resumo: Este estudo de pequeno porte focaliza as crenças que graduandos

Leia mais

O ensino de línguas estrangeiras via redes sociais 1

O ensino de línguas estrangeiras via redes sociais 1 O ensino de línguas estrangeiras via redes sociais 1 Gabriel Belinazo 2 gbelinazo@inf.ufsm.br Abstract: In this review article, the main goal is to review and analyze information about social networks

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores ALUNOS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM LÍNGUA INGLESA: UM OLHAR SOBRE SUAS PRÁTICAS DOCENTES

Leia mais

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE Adriele Albertina da Silva Universidade Federal de Pernambuco, adrielealbertina18@gmail.com Nathali Gomes

Leia mais

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Departamento de Letras Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Aluna: Esther Ruth Oliveira da Silva Orientadora: Profª. Bárbara Jane Wilcox Hemais Introdução O presente projeto se insere

Leia mais

Carlos Fabiano de Souza IFF (carlosfabiano.teacher@gmail.com; carlos.souza@iff.edu.br) Mestrando em Estudos de Linguagem (UFF)

Carlos Fabiano de Souza IFF (carlosfabiano.teacher@gmail.com; carlos.souza@iff.edu.br) Mestrando em Estudos de Linguagem (UFF) RELAÇÕES DICOTÔMICAS NO ENSINO DE INGLÊS EM CURSOS DE IDIOMAS: as implicaturas da (de)formação do professor de línguas que atua nesse contexto de ensinoaprendizagem de língua estrangeira Carlos Fabiano

Leia mais

EMOÇÕES NA ESCRITA EM LÍNGUA INGLESA. Palavras-chave: escrita, afetividade, ensino/aprendizagem, língua inglesa

EMOÇÕES NA ESCRITA EM LÍNGUA INGLESA. Palavras-chave: escrita, afetividade, ensino/aprendizagem, língua inglesa EMOÇÕES NA ESCRITA EM LÍNGUA INGLESA Talles Henrique LIMA; Neuda Alves do LAGO CAJ/UFG tallesh7@hotmail.com, neudalago@hotmail.com Palavras-chave: escrita, afetividade, ensino/aprendizagem, língua inglesa

Leia mais

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a GRADE CURRICULAR DO MESTRADO EM LETRAS: LINGUAGEM E SOCIEDADE DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS 34 CRÉDITOS Teorias da Linguagem (60h/a 04 Teorias Sociológicas (60h/a 04 Metodologia da Pesquisa em Linguagem (30h/a

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas. Grupo de Pesquisa em Interação, Tecnologias Digitais e Sociedade - GITS

Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas. Grupo de Pesquisa em Interação, Tecnologias Digitais e Sociedade - GITS Universidade Federal da Bahia Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas Grupo de Pesquisa em Interação, Tecnologias Digitais e Sociedade - GITS Reunião de 18 de junho de 2010 Resumo

Leia mais

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 Rita Vieira de Figueiredo 2 Gosto de pensar na formação de professores (inspirada no poema de Guimarães) Rosa

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola Autora: CAMILA SOUZA VIEIRA Introdução A presente pesquisa tem como temática Educação física para Portadores

Leia mais

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ (IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ Resumo O presente trabalho objetiva apresentar uma pesquisa em andamento que

Leia mais

Ambientes Não Formais de Aprendizagem

Ambientes Não Formais de Aprendizagem Ambientes Não Formais de Aprendizagem Os Ambientes formais de aprendizagem desenvolvem-se em espaços próprios (escolas) com conteúdos e avaliação previamente determinados; Os Ambientes não formais de aprendizagem

Leia mais

ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1

ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1 ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1 FILIETAZ, Marta R. Proença, martafilietaz@hotmail.com Face à emergência da obrigatoriedade legal da presença do intérprete

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ELABORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ELABORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ELABORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM Resumo Gisele Gomes Avelar Bernardes- UEG 1 Compreendendo que a educação é o ponto chave

Leia mais

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA Mayara Cordeiro da Silva ( UFAL) Mayaracordeiro4@gmail.com Rebecca Thamyres de Missena Costa( UFAL) rebecca.ufal@gmail.com RESUMO Muito vem sendo discutido

Leia mais

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Ana Carolina Trindade e-mail: carolinatrindade93@hotmail.com Karen

Leia mais

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com 803 AS CONTRIBUIÇÕES DO LÚDICO PARA O DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL INFANTIL NO CONTEXTO ESCOLAR Rafaela Reginato Hosokawa, Andréia Cristiane Silva Wiezzel Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de

Leia mais

Daniel no mundo do silêncio

Daniel no mundo do silêncio Guia para pais Daniel no mundo do silêncio Walcyr Carrasco série todos juntos ilustrações de Cris Eich Daniel perde a audição nos primeiros anos de vida, e sua família dá todo o apoio para ele se comunicar

Leia mais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Renê Forster 1 Resumo: Este artigo apresenta uma das cartilhas desenvolvidas pelo Programa Surdez com informações sobre a LIBRAS e as línguas de sinais

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE A CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE DO PROFESSOR DE INGLÊS DA CIDADE DE FAGUNDES - PB

UM ESTUDO SOBRE A CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE DO PROFESSOR DE INGLÊS DA CIDADE DE FAGUNDES - PB UM ESTUDO SOBRE A CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE DO PROFESSOR DE INGLÊS DA CIDADE DE FAGUNDES - PB 01. RESUMO Karla Rodrigues de Almeida Graduada em Letras pela UFCG e-mail: karlaalmeida.1@hotmail.com Izanete

Leia mais

RESPOSTA FÍSICA TOTAL

RESPOSTA FÍSICA TOTAL RESPOSTA FÍSICA TOTAL Valdelice Prudêncio Lima UEMS João Fábio Sanches Silva UEMS O método apresentado é baseado na coordenação da fala e da ação, desenvolvido por James Asher, professor de psicologia

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO DOS SABERES EXPERIENCIAIS ACERCA DAS EMOÇÕES NAS PRÁTICAS DOS BOLSISTAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA

O DESENVOLVIMENTO DOS SABERES EXPERIENCIAIS ACERCA DAS EMOÇÕES NAS PRÁTICAS DOS BOLSISTAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA O DESENVOLVIMENTO DOS SABERES EXPERIENCIAIS ACERCA DAS EMOÇÕES NAS PRÁTICAS DOS BOLSISTAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA Luciana da Silva Catardo Acadêmica do curso de Ciências Biológicas/Licenciatura na Universidade

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1029 OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

Leia mais

Motivação para aprender línguas

Motivação para aprender línguas RESENHA: QUERER É PODER? MOTIVAÇÃO, IDENTIDADE E APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Gisele da Cruz Rosa 1 O artigo Querer é poder? Motivação, identidade e aprendizagem de língua estrangeira, escrito por

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA RESUMO Alba Patrícia Passos de Sousa 1 O presente artigo traz como temática o ensino da língua inglesa na educação de jovens e adultos (EJA),

Leia mais

CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES PARA USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR DA REDE PÚBLICA

CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES PARA USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR DA REDE PÚBLICA IV Congresso RIBIE, Brasilia 1998 CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES PARA USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR DA REDE PÚBLICA Cristina Vermelho, Glaucia da Silva Brito, Ivonélia da Purificação

Leia mais

Valores educacionais do Olimpismo

Valores educacionais do Olimpismo Valores educacionais do Olimpismo Aula 3 Busca pela excelência e equilíbrio entre corpo, vontade e mente Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Detalhar o valor busca pela excelência 2 Apresentar estratégias

Leia mais

FAQ PROGRAMA BILÍNGUE

FAQ PROGRAMA BILÍNGUE FAQ PROGRAMA BILÍNGUE 1) O que é o bilinguismo? Segundo alguns teóricos, o bilinguismo é qualquer sistema de educação escolar no qual, em dado momento e período, simultânea ou consecutivamente, a instrução

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Educação Inclusiva ALUNO(A):Claudia Maria de Barros Fernandes Domingues MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 NÚCLEO REGIONAL: Rio

Leia mais

ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA NEVES

ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA NEVES ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA Rouseleyne Mendonça de Souza NEVES Mestrado em Educação em Ciências e Matemática - UFG Órgão financiador: CAPES

Leia mais

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA?

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA? 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ENSINO DE

Leia mais

Palavras-chave: Educação Especial; Educação Escolar Indígena; Censo Escolar

Palavras-chave: Educação Especial; Educação Escolar Indígena; Censo Escolar INTERFACE DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NA EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA: ALGUMAS REFLEXÕES A PARTIR DO CENSO ESCOLAR SÁ, Michele Aparecida de¹ ¹Doutoranda em Educação Especial - UFSCar CIA, Fabiana² ²Professora Adjunta

Leia mais

Perfil de Linguagem Bilíngue: Português-Inglês

Perfil de Linguagem Bilíngue: Português-Inglês Perfil de Linguagem Bilíngue: - Gostaríamos de lhe pedir que nos ajudasse respondendo às seguintes perguntas que dizem respeito ao seu historial linguístico, utilização, atitudes, assim como competências

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2003 - Érika Nunes Martins Simões Formação do Professor de - Sheila Andrade

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: PNLD, livro didático, língua estrangeira, gênero.

PALAVRAS-CHAVE: PNLD, livro didático, língua estrangeira, gênero. PNLD 2011: ANÁLISE DE UMA COLEÇÃO DE LIVRO DIDÁTICO DE INGLÊS Universidade Federal de Goiás Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística Mestranda: Maria Letícia Martins Campos FERREIRA mleticiaf@hotmail.com

Leia mais

ENSINO DE LIBRAS PARA ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA POR MEIO DE UMA AÇÃO EXTENSIONISTA

ENSINO DE LIBRAS PARA ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA POR MEIO DE UMA AÇÃO EXTENSIONISTA ENSINO DE LIBRAS PARA ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA POR MEIO DE UMA AÇÃO EXTENSIONISTA Merlânia Lino da Silva (1); Ana Cristina Silva Daxenberger (2) (1) Universidade Federal da Paraíba (CCA), merlaniaareiapb@gmail.com

Leia mais

O que é o projeto político-pedagógico (PPP)

O que é o projeto político-pedagógico (PPP) O que é o projeto político-pedagógico (PPP) 1 Introdução O PPP define a identidade da escola e indica caminhos para ensinar com qualidade. Saiba como elaborar esse documento. sobre ele: Toda escola tem

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA E O COMPROMISSO SOCIAL

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA E O COMPROMISSO SOCIAL A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA E O COMPROMISSO SOCIAL Ferreira, Aparecida de Jesus Unioeste/Cascavel A língua Inglesa sem dúvida é, hoje, a língua mais falada e utilizada no mundo como língua

Leia mais

DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA

DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA 27 a 30 de Agosto de 2014. DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo: MACHADO, Diana dos Santos 1 Ifes - Campus Cachoeiro de Itapemirim

Leia mais

Crenças, emoções e competências de professores de LE em EaD

Crenças, emoções e competências de professores de LE em EaD Crenças, emoções e competências de professores de LE em EaD Patrícia Roberta de Almeida Castro MACHADO (FL-UFG) patricia_cultura@hotmail.com Lucielena Mendonça de LIMA orientadora (FL-UFG) lucielenalima@gmail.com

Leia mais

O PIPE I LÍNGUAS ESTRANGEIRAS

O PIPE I LÍNGUAS ESTRANGEIRAS O PIPE I LÍNGUAS ESTRANGEIRAS O PIPE I Línguas Estrangeiras foi desenvolvido juntamente com as Disciplinas de Aprendizagem Crítico-Reflexiva das Línguas Inglesa, Francesa e Espanhola. O objetivo desse

Leia mais

O ENSINO DA DANÇA E DO RITMO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM RELATO DE EXPERIENCIA NA REDE ESTADUAL

O ENSINO DA DANÇA E DO RITMO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM RELATO DE EXPERIENCIA NA REDE ESTADUAL O ENSINO DA DANÇA E DO RITMO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM RELATO DE EXPERIENCIA NA REDE ESTADUAL Márcio Henrique Laperuta 1 Rodrigo Santos2 Karina Fagundes2 Erika Rengel2 UEL- Gepef-Lapef-PIBID RESUMO

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

IMPLICAÇÕES DO ESTUDO DAS INTERACÇÕES VERBAIS PARA O ESTUDO DA LINGUAGEM E DA COMUNICAÇÃO. Adriano Duarte Rodrigues

IMPLICAÇÕES DO ESTUDO DAS INTERACÇÕES VERBAIS PARA O ESTUDO DA LINGUAGEM E DA COMUNICAÇÃO. Adriano Duarte Rodrigues IMPLICAÇÕES DO ESTUDO DAS INTERACÇÕES VERBAIS PARA O ESTUDO DA LINGUAGEM E DA COMUNICAÇÃO Adriano Duarte Rodrigues Nesta última sessão do nosso curso, vou tentar esboçar algumas das mais importantes implicações

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

Precisa. falar inglês. no trabalho, mas tem medo? Conheça 4 maneiras para superar esta barreira.

Precisa. falar inglês. no trabalho, mas tem medo? Conheça 4 maneiras para superar esta barreira. Precisa falar inglês no trabalho, mas tem medo? Conheça 4 maneiras para superar esta barreira. Aprender um novo idioma é se sentir como uma criança novamente: faltam palavras para se expressar e a insegurança

Leia mais

QUEM SOMOS intercâmbio

QUEM SOMOS intercâmbio França Programa HIGH SCHOOL QUEM SOMOS intercâmbio O Number One Intercâmbio possui mais de 15 anos de mercado oferecendo as melhores opções de viagem para você e sua família, seja a lazer, trabalho ou

Leia mais

1» A revolução educacional e a educação em valores 11

1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Sumário Introdução 9 1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Introdução 12 As causas da revolução educacional 12 O triplo desafio pedagógico 14 Da transmissão à educação 15 O que pretende

Leia mais

As Tecnologias de Informação e Comunicação para Ensinar na Era do Conhecimento

As Tecnologias de Informação e Comunicação para Ensinar na Era do Conhecimento As Tecnologias de Informação e Comunicação para Ensinar na Era do Conhecimento Nirave Reigota Caram Universidade Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: nirave.caram@usc.br Comunicação Oral Pesquisa em Andamento

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil

O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil Andressa Ranzani Nora Mello Keila Maria Ramazotti O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil Primeira Edição São Paulo 2013 Agradecimentos A todos aqueles que, direta ou indiretamente, contribuíram

Leia mais

Prof. Kildo Adevair dos Santos (Orientador), Prof.ª Rosângela Moura Cortez UNILAVRAS.

Prof. Kildo Adevair dos Santos (Orientador), Prof.ª Rosângela Moura Cortez UNILAVRAS. BARBOSA, S. L; BOTELHO, H. S. Jogos e brincadeiras na educação infantil. 2008. 34 f. Monografia (Graduação em Normal Superior)* - Centro Universitário de Lavras, Lavras, 2008. RESUMO Este artigo apresenta

Leia mais

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA Autor: Marusa Fernandes da Silva marusafs@gmail.com Orientadora: Profª. Ms. Mônica Mª N. da Trindade Siqueira Universidade de Taubaté monica.mnts@uol.com.br Comunicação oral:

Leia mais

3. O projeto LINDSEI-BR: apresentação e composição

3. O projeto LINDSEI-BR: apresentação e composição DIFICULDADES INERENTES À COMPILAÇÃO DE UM CORPUS ORAL DE INFORMANTES BRASILEIROS APRENDIZES DE INGLÊS PARA O PROJETO LINDSEI-BR 1. Introdução Predomina, atualmente, a utilização de corpora de falantes

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO PERFIL DO LEITOR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ENSINO PÚBLICO E PRIVADO NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO

DIAGNÓSTICO DO PERFIL DO LEITOR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ENSINO PÚBLICO E PRIVADO NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO DIAGNÓSTICO DO PERFIL DO LEITOR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ENSINO PÚBLICO E PRIVADO NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO Érika Cristina Mashorca Fiorelli, UNESP - Presidente Prudente-SP, SESI/SP; Ana

Leia mais