Linhas Gerais sobre a História da Universidade Conimbricense. Das suas origens à Reforma Universitária Pombalina de 1772.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Linhas Gerais sobre a História da Universidade Conimbricense. Das suas origens à Reforma Universitária Pombalina de 1772."

Transcrição

1 Linhas Gerais sobre a História da Universidade Conimbricense. Das suas origens à Reforma Universitária Pombalina de Com a colaboração de Jorge Freitas 1ª Parte A Universidade Portuguesa. Da sua fundação e funcionamento durante a Idade Média. Quando em meados de 2007 projectei realizar um trabalho intitulado «Relance sobre o ensino em Portugal no período anterior à fundação da Universidade», e que foi publicado neste Suplemento, em 3, 10, 17, 24 e 31 de Janeiro de 2008, era, minha intenção prosseguir no tema do ensino no nosso País. Porém, agora, e também em relance, esboço ou linhas gerais, como não podia deixar de ser, especifiquei o tema, tentando fazer uma breve abordagem da História da Universidade Portuguesa, desde as suas origens até à sua primeira grande inovação: a Reforma Universitária Pombalina de Assim, tratando-se de um tema demasiado complexo e inesgotável, devo esclarecer, desde já, que este estudo não pretende ser mais do que uma pequena síntese construída sobre elementos já conhecidos, uns mais outros menos, tentando conseguir uma exposição histórica limitada às suas linhas gerais e, mesmo assim, com grandes lacunas o que, também, não podia deixar de ser. Numa Instituição que tem atrás de si mais de sete séculos de história, o que equivale a afirmar que tem muito para contar, não se pode estranhar que sejam passados em claro, ou só tocados pela rama, alguns pontos que mereciam outra atenção, no entanto, vários condicionalismos a isso obrigam, sem esquecer as minhas próprias limitações. Concluindo este breve intróito, direi que a elaboração deste trabalho, tem como principal objectivo torná-lo inteligível, dirigindo-o à generalidade do público e não, obviamente, a especialistas. Por critério que adoptei, as partes constantes deste estudo serão publicadas espaçadamente, porquanto, embora ligadas, poderão ser compartimentadas. 1

2 As Universidades europeias. Uma criação do espírito medieval. A Alta Idade Média não deixou de dar continuidade à tradição escolar do mundo romano, porquanto, sob a égide da Igreja floresceram altos centros de estudo, onde a Teologia, o Direito, a Medicina e outros ramos do saber eram ministrados com vista à preparação dos estudiosos para as respectivas profissões. Ao iniciar-se o séc. XII, havia um pouco por toda a parte escolas dependentes de igrejas, conventos e, também, escolas laicas. Entre estas, salientavam-se as de Roma, Ravena, Bolonha e Pavia. Em Salerno, já na fronteira do mundo árabe, tinha-se desenvolvido uma activa escola de Medicina a partir do séc. X. Como é bem sabido, a maior parte das escolas estava nas mãos da Igreja, sendo célebres as de Laon, Châtillon-sur-Seine, Monte Cassino, as abadias de cónegos regulares de São Victor e de Santa Genoveva em Paris e de São Félix em Bolonha. Era sobretudo na Itália do Norte e na região compreendida entre o Loire e o Sena, com as escolas catedrais de Laon, Reims, Orléans, Tours, Chartres, etc. e, nomeadamente, Paris, que a vida intelectual atingia vigor assinalável, onde pontificavam insignes mestres como, Bernardo e Thierry em Chartres, Anselmo em Laon, Alberico em Reims, Bérenge em Tours e Roscelino em Compiégne e em Loches. A esse notável movimento, vivido no séc. XII, chamou Ch- H. Haskins «Renaissance du XII e siècle». Embora os homens da Idade Antiga e os da Alta Idade Média não tivessem conhecido a Universidade, tal como os homens do séc. XII vieram a conhecê-la, não se pode esquecer que criaram um clima favorável à transformação da vida escolar no Ocidente e ao aparecimento das referidas Instituições. A nível intelectual, os anos de 1150 a 1300 representam na história medieval do Ocidente um período de notável esforço. Durante o seu decurso foi elaborada e desenvolvida uma cultura predominantemente cristã e de caracterização muito específica. Dessa expansão deram testemunho a evolução da autoridade pedagógica das escolas e, sobretudo, o nascimento das Universidades. 2

3 Efectivamente, o séc. XII é, na Europa Ocidental, o século da fundação das Universidades, por conseguinte, trata-se de uma criação do espírito medieval, «daquele novo espírito de que o mundo medievo se revestiu, depois de dobrado o ano mil. Nasceu no mesmo tempo das Cruzadas e das grandes Catedrais românicas e góticas e é obra, em boa parte, do mesmo ambiente histórico que elas». Não é possível garantir para muitas delas o ano exacto em que foram criadas, uma vez que, se desconhece quando começaram a funcionar as primeiras aulas, e também por serem considerados diferentes critérios para a fixação de uma data da criação e que pode ser admitida como a da publicação dos respectivos estatutos, ou a da autorização régia para o seu funcionamento ou, ainda, a da bula papal que o determinava ou aceitava, situações estas, por vezes, distanciadas de alguns anos entre si. Na base do movimento universitário medieval está presente o espírito de classe, como verdadeira estrutura corporativa, entre os profissionais do estudo: mestres e discípulos. Trata-se de uma Instituição que deixou de ter projecção meramente local, para passar a ter projecção ecuménica, adquirindo a categoria de instituição juridicamente autónoma, pela formação do espírito corporativo entre aqueles que nela ensinam e aqueles que nela aprendem. Aliás, universitas é utilizada na época com o exclusivo significado de Corporação. Com efeito, a palavra universidade ( universitas ) significa na Idade Média corporação e tanto se aplica a professores e estudantes, como a mercadores e industriais: Ao lado da universitas magistrorum e da universitas scholarium, fala-se da «universitas mercatorum Italiae nundinas Campaniae ac regni Franciae frequentantium» (corporação dos mercadores da Itália que frequentam as feiras da Campânia e do reino de França). 3

4 A Universidade não é ainda, como virá a ser mais tarde, o conjunto de escolas superiores a universitas facultatum. Porém, a palavra, a pouco e pouco, veio a significar uma instituição educacional que englobava uma escola de artes liberais e uma ou mais faculdades de finalidade profissional (Direito, Medicina ou Teologia). Factores contribuintes para a formação das Universidades. Diferentes tipos quanto à sua origem. O aparecimento, em pleno séc. XII, destas novas escolas de «projecção universal e corporativamente organizadas» é a consequência de uma série de causas, que se torna aqui impossível analisá-las exaustivamente, bem como entrar em pormenores sobre a maior ou menor importância que cada um dos seguintes factores teve na origem das escolas universitárias: Progresso geral do saber; rápido desenvolvimento de algumas disciplinas, (Teologia Científica, Direito Romano e Direito Canónico); uma noção mais rigorosa da hierarquia entre os vários ramos do saber humano; formação de grandes centros urbanos no espaço europeu; o crescimento demográfico fazendo aumentar bastante o número daqueles que procuravam as escolas eclesiásticas dos mosteiros ou bispados; o desejo de melhor conhecer a doutrina cristã e de reforçar a luta contra as heresias provocando uma grande curiosidade intelectual; o desenvolvimento comercial e urbano e o surgimento da burguesia tornavam indispensável a criação de escolas leigas, ligadas aos interesses comerciais; o sentimento de solidariedade profissional que conduziu à formação das grandes corporações de artes e ofícios... «Produto de tão diversos factores, a Universidade medieval tinha que ser, forçosamente, uma instituição rica de cambiantes, cheia de vida e de personalidade, inconfundível com qualquer organização escolar dos tempos anteriores, e inconfundível, até, consigo mesma. Não há então, pode dizer-se, duas universidades iguais, nem na sua origem nem na sua estrutura interna». Quer isto dizer que apenas adoptando um critério relativo, ou aproximado, é possível fazer uma classificação das universidades desta época quanto à sua origem ou quanto à sua organização institucional. Assim, quanto à sua origem, parece ser corrente aceitar-se a classificação entre universidades ex consuetudine, ex secessione e ex privilegio. - 4

5 As primeiras, ex consuetudine, nasceram «via espontânea», isto é, através de um característico processo de crescimento e corporatização de uma escola ou escolas locais, já existentes são universidades de formação consuetudinária (fundado no costume). As duas mais antigas e famosas deste tipo são a de Paris, e de Bolonha, seguindo-se as de Oxford, Montpellier e de Orléans. À fama das lições de um mestre local, como Guillaume de Champeaux, em Paris, Irnério e Graciano, em Bolonha, vinha juntar-se a especialização da escola numa determinada disciplina: a Universidade de Paris, que tinha uma origem eclesiástica, desenvolve principalmente o ensino da Teologia, tornando-se uma escola de especulação teológica e, posteriormente, o grande bastião da ortodoxia católica. A Universidade de Bolonha, oriunda, possivelmente, das escolas romanas de Retórica, tinha uma origem laica, ministrava o Direito Romano e foi por muito tempo o principal foco dos estudos jurídicos na Europa. As segundas, denominadas ex secessione, isto é, surgiram por «migração», em consequência de uma separação ou secessão, constituindo um verdadeiro desmembramento de uma outra já existente. Tratava-se da passagem de doutores e estudantes de uma Universidade-mãe para outras cidades onde fundavam os novos Studia. Este fenómeno acontecia por ausência de condições de toda a ordem e, também, quando «os incidentes de ordem social entre estudantes e burgueses impediam o regular funcionamento dos cursos, a Universidade assentava arraiais e ia instalar-se noutro lugar quase sempre, numa cidade próxima». Estas secessões terminavam, normalmente, pelo regresso da corporação escolar à cidade donde tinha partido, mas nem sempre esse regresso se fez de um modo integral, pois, alguns dos mestres e escolares, que tinham acompanhado a Universidade na sua debandada, «recusavam-se a regressar com ela ao ponto de partida, e ali ficavam, para todo o sempre, vivendo o mesmo espírito corporativo que antes viviam, e arrogando-se as mesmas regalias universitárias que antes possuíam». 5

6 A primeira Universidade formada por este processo foi a de Cambridge, em 1209, nascida de uma secessão da Universidade de Oxford, após graves incidentes que levaram ao assassinato de alguns escolares burgueses de Oxónia. Origem idêntica teve também a Universidade de Pádua, em 1222, por via de uma secessão com a de Bolonha. As Universidades ex secessione oferecem a particularidade de ter a sua origem numa data certa; são Universidades fundadas ex novo, porém surgem sem uma intervenção estranha, são criadas pela iniciativa da corporação escolar. Por último, e na ordem cronológica, aparecem as Universidades ex privilegio, ou seja, todas aquelas que surgiram do nada, formando-se por efeito deliberado de um soberano. Este tipo de Universidades, às quais os seus instituidores atribuíram grandes privilégios, não tinham atrás de si o suporte, o peso e o prestígio de uma tradição, carecendo, por via disso, de uma confirmação pontifícia, sob pena de ficarem reduzidas a uma dimensão estritamente local. Apenas ao Papa era lícito reconhecer validade universal aos graus por elas outorgados, autorizando-as a conferir aos seus licenciados, à semelhança das universidades tradicionais, o indispensável ius ubique docendi o direito de ensinar em qualquer parte. No entanto, registe-se que, neste caso, a intervenção pontifícia tem um carácter diferente daquele que teve a respeito das universidades ex consuetudine. Nas universidades de formação espontânea, a intervenção pontifícia limitou-se a «confirmar juridicamente a natureza universal da escola, que era já uma realidade de facto. Nas universidades ex privilegio, pelo contrário, a projecção universal da escola só há-de passar ao domínio das realidades como consequência dum prévio reconhecimento do ius ubique docendi, feito na bula pontifícia que confirma a respectiva fundação». 6

7 Todas as Universidades Ibéricas pertencem a este último tipo e, conquanto, algumas delas ainda apresentem uma feição mista, pelo facto de terem sido criadas sobre as bases de uma escola eclesiástica local de certa projecção, como Palência e Salamanca, outras há que foram criadas totalmente ex novo onde se inclui a Universidade portuguesa fundada em Lisboa por D. Dinis, em 1 de Março de 1290, que o Papa, Nicolau IV, confirmaria por bula de 9 de Agosto do mesmo ano e que oportunamente terá o merecido desenvolvimento. Embora no nosso País tenha havido, anteriormente, escolas catedrais e monásticas, cujo prestígio era reconhecido além Pirinéus, e ainda que a fundação do Estudo Geral se possa e deva considerar, indubitavelmente, à conjugação de esforços de vários Abades de Mosteiros e Reitores de Igrejas, a Instituição dionisiana foi uma criação inteiramente nova. A autonomia institucional da Universidade. (sécs. XII e XIII) Quer formadas espontaneamente, quer por desmembramento, ou por privilégio real e pontifício, as Universidades do séc. XII e do séc. XIII têm, no entanto, uma notável característica comum gozam de completa autonomia institucional, o que se traduz numa independência absoluta para efeitos jurídicos e administrativos. A Universidade é dotada de personalidade própria, a sua existência estava garantida por estatutos especiais: tem selo privativo, governa-se por si, organiza o ensino como melhor entende, escolhe livremente os seus mestres, para além de estar fora da jurisdição ordinária, já que os seus membros, mestres ou discípulos, têm o privilégio do foro eclesiástico e, chegando mesmo a criar-se para eles um foro especial, o denominado foro académico. Assim, como clérigos e súbditos do Papa, estavam isentos da lei civil e respondiam perante juízes eclesiásticos. A direcção da instituição universitária pode estar predominantemente na mão dos mestres, ( universitas magistrorum ) como é o caso de Paris, ou na tutela dos 7

8 escolares, ( universitas scholarium ) como sucede em Bolonha. De qualquer modo, é um governo autónomo e livre, não estando na sujeição de nenhum poder superior. A interferência do Rei ou do Papa na vida da Universidade resume-se ao facto de lhe dar a existência e para lhe conceder privilégios e regalias. A sua intervenção não vai além disso e, quando muito, poderá, eventualmente, interferir na qualidade de árbitro, nas situações mais melindrosas da vida da Instituição. E mais, a autonomia institucional tem ainda um outro aspecto, não menos importante, a salientar: é que, além de independência administrativa, significa também, e sobretudo, liberdade intelectual. «Sem dúvida que a Universidade tem uma norma de vida: está colocada integralmente ao serviço da comunidade cristã, e, por via dela, ao serviço da Igreja de Roma. Mas essa norma de vida não é o produto duma imposição doutrinal; é o resultado da aceitação livre e unânime dum mesmo ideal e duma mesma crença. A Universidade melhor dizendo tem a orientação doutrinal que livremente abraçou, e não está colocada ao serviço duma política ou duma crença particularista». Dos dois referidos aspectos da autonomia institucional da Universidade, o primeiro a sofrer limitações foi o da independência jurídica e administrativa da corporação, sendo curioso verificar que a responsabilidade desse facto coube em grande parte à própria Universidade. Convém sublinhar que foi ela, através da difusão das ideias romanísticas, (do Direito Romano) uma das principais obreiras do fortalecimento do poder real, fenómeno que percorreu toda a Europa desde o séc. XIII em diante. Efectivamente, sem dar conta do fácil apoio que estava a oferecer ao neo cesarismo, (poder absoluto) além de fragilizar a sua autonomia corporativa, preparava à distância, um mal maior, que seria a consequência lógica daquela: a perda da sua independência doutrinal. Os monarcas reinantes, à medida que o seu poder político vai aumentando durante os sécs. XIV e XV, vão chamando a si, a pouco e pouco, a tutela da corporação universitária e diminuindo as regalias e liberdades que tinham sido inicialmente o seu apanágio. As novas universidades que, então, vão surgindo, vão apresentar ab initio uma dependência em relação ao poder real inexistente nos séculos anteriores. É certo que os governantes não deixam de ser generosos para com a corporação universitária, porém, essa generosidade é traduzida, agora, em novos termos: «em vez de privilégios e liberdades, cumulam-na de rendimentos e de bens materiais; e o preço que 8

9 exigem senão por palavras, pelo menos por actos é uma progressiva renúncia às liberdades de outros tempos: - Arvoram-se o direito de nomear professores; interferem na administração universitária; tolhem aos mestres e escolares o direito de escolherem os reitores, colocando na reitoria uma alta personagem da sua confiança; e vão, por vezes, até o ponto de se enquadrarem, eles próprios, na corporação universitária, investidos no novo cargo de protectores dos Estudos». No entanto, estas primeiras manifestações do declínio da autonomia universitária, (sécs. XIV e XV) não se reflectem na liberdade intelectual da Instituição. De facto, no aspecto doutrinal, a Universidade continua a ser livre e independente, não recebendo directrizes do Estado, porquanto, nesta época, por isto ou por aquilo, não tem ainda a ousadia, ou condições, de se elevar à posição de doutrinador. Porém, a subordinação intelectual da Universidade ao poder político não deixava de estar implícita na sequência lógica dos acontecimentos, sendo inevitável, mais tarde ou mais cedo, como resultado da subordinação jurídica e administrativa, já efectivamente em curso. Sobre este assunto, em relação ao que foi acontecendo nas Universidades em geral, verificou-se literalmente «sem tirar nem pôr» na Universidade portuguesa, desde os fins do séc. XIV e, sobretudo, no decorrer do sec XV, o que a seu tempo darei conta. Organização geral e programa de ensino. Não se sabe qual terá sido a Universidade mais antiga. Poderá, eventualmente, ter sido a de Salerno que já no séc. X era conhecida pelos estudos médicos, embora assumisse apenas no séc. XIII a forma organizacional de uma Universidade. A sua proximidade com a Sicília muçulmana deu-lhe acesso a informações que não se encontravam disponíveis em qualquer outro local do Ocidente cristão. Embora tanto o Cristianismo como o Islamismo proibissem a dissecação de corpos, pensa-se que em Salerno já se praticava essa técnica de estudo. Durante o sé. XIII, Salerno teve primazia sobre a escola médica de Montpellier. As Universidades de Bolonha e de Paris também são muito antigas, tendo a primeira sido instalada por volta de 1150 e a segunda, antes do fim do séc. XII. Vêm depois, em ordem de antiguidade, instituições famosas como as de Oxford, Cambridge, 9

10 Montpellier, Salamanca, Roma e Nápoles. Refira-se que não houve universidades na Alemanha antes do fim do séc. XIV. Praticamente, todas as Universidades da Europa medieval estavam organizadas segundo um modelo então existente, consoante os elementos preponderantes da corporação escolar fossem os mestres ou os estudantes. Na Itália, na Espanha e no sul de França, o padrão geral era o da Universidade de Bolonha, na qual os próprios estudantes formavam uma associação ou corporação. Contratavam professores, pagavam-lhes salários, multavam-nos e destituíam-nos quando descuravam o cumprimento do dever ou ministravam instrução deficiente. Quase todas as Instituições do sul eram de carácter secular e especializadas em Direito e Medicina. As Universidades do norte da Europa modelavam-se pela de Paris, que não era uma corporação de estudantes, mas de professores. quatro Incluía Faculdades: as Artes, Teologia, Direito e Medicina, cada uma delas dirigida por um Deão eleito. Na grande maioria das Universidades do norte os principais ramos de estudo eram as Artes e a Teologia. Não é de estranhar, e facilmente se compreenderá, que estas Universidades duas famosas europeias tenham seguido vias completamente opostas na estruturação da sua orgânica governativa, porquanto, Paris é a Universidade de Teologia, os seus mestres são as autoridades eclesiásticas, e os seus estudantes são todos clérigos ou, pelo menos, na sua grande maioria, candidatos à vida sacerdotal. Bolonha, pelo contrário, é por excelência a Universidade do Direito «e o carácter laico da ciência jurídica tira à corporação escolar todo o aspecto duma instituição eclesiástica, e não tem que moldar-se como a de Paris, na hierarquia e disciplina da Igreja». 10

11 Pode chamar à atenção o facto de que, em Bolonha, para além do Direito Civil (Direito Romano), também se ensina o Direito Canónico, (que é o Direito da Igreja) e sob este pretexto a Igreja chama a si a protecção do Estudo Geral bolonhês, cumulandoo de regalias, mas fá-lo, sobretudo, com o objectivo de o subtrair da esfera de influência, ou da autoridade, da comuna local. Porém, a corporação, apesar de tudo, não é uma corporação eclesiástica. Na Idade Média, ao contrário dos séculos posteriores, a Universidade tinha um cunho mais acentuadamente internacional. Estudantes das mais variadas nações, vindos de toda a Europa, ali se encontravam e conviviam, recebendo a mesma cultura e habituando-se às mesmas atitudes intelectuais. Numa base corporativa da Instituição bolonhesa vamos encontrar o agrupamento dos estudantes em nações, isto é, pequenas corporações formadas por escolares da mesma nacionalidade. Em Paris, essa repartição em nações também chega a formar-se, mas em época tardia, quando a Universidade se encontrava já estruturada como universitas magistrorum, não alcançando, portanto, o significado e a importância que tiveram em Bolonha Numerosas, inicialmente, as várias nações vão-se coligando, até formarem em meados do séc. XIII, dois blocos: o dos cismontanos (italianos) e o dos ultramontanos (estrangeiros, que viviam além dos montes, ou seja, dos Alpes). Cada um destes blocos era rigorosamente uma universitas, ou seja, uma corporação escolar, formada, dirigida e orientada, exclusivamente por estudantes. Cada qual tem o seu reitor escolhido entre os seus próprios membros, sendo estes reitores-estudantes quem governa a Universidade, possuindo um vastíssimo campo de manobra, o qual se estende sobre o próprio corpo docente. Nas Universidades ex privilegio, copiou-se o modelo de Paris ou o modelo de Bolonha, com maior ou menor número de variantes, um pouco ao sabor ou à mercê da vontade do instituidor ou, ainda, por via de outras circunstâncias de ordem local. O Estudo Geral português seguiu o modelo de Bolonha opção que, no momento próprio, será devidamente explicada. A instalação de uma imensa população flutuante, que não raro vinha de longe, constituía difícil problema para as autoridades nas cidades universitárias. 11

12 Muitos dos estudantes nos cursos de Artes eram, provavelmente, sustentados pelos seus pais e, no final do séc. XIII, alguns Governos atribuiam soldos (subsídios) aos estudantes universitários na condição de entrar ao serviço da cidade após a conclusão dos seus estudos. Porém, para os estudantes mais pobres houve que recorrer a outras soluções. Com o objectivo de diminuir as dificuldades de alojamento, muitos estudantes associavam-se em casas comuns e os reis chegavam a tabelar os preços das casas de aluguer. Alguns beneméritos, na intenção de aplicar o seu dinheiro de maneira proveitosa, pensando na salvação da alma, fundaram hospícios, hospitais, ou colégios para albergar estudantes impossibilitados de pagar residência própria; outros benfeitores faziam doações permanentes a estabelecimentos desse género, de modo a possibilitar um sustento base para os estudantes mais necessitados. Os primeiros colégios conhecidos datam dos fins do séc. XII. O primeiro em Paris, o Colégio dos Dezoito, foi fundado por um londrino. Primitivamente, o colégio não passava de um albergue; mas, para comodidade dos estudantes, e também para poupar tempo e dinheiro, alguns professores passaram a viver nos colégios. Nestas circunstâncias os mestres começaram ali a repetir ou a explicar as lições do lente, a orientar o trabalho do aluno, a obrigá-lo a exercícios. À medida que esta prática se tornou comum, os colégios perderam o seu carácter inicial de estabelecimentos para assistência aos pobres, tornando-se instituições educacionais. Exemplo célebre desta transformação é a do hospício fundado, em 1257, por Robert Sorbon para estudantes de Teologia que, sob o nome de Sorbonne, virá mais tarde a substituir-se à Faculdade de Teologia de Paris como foco principal dos estudos teológicos. Nem todas as Universidades tinham o mesmo currículo e muitas delas não apresentavam um quadro completo de estudos. O paradigma de uma Universidade completa correspondia a cinco Faculdades: Artes, Leis (ou Direito Civil), Cânones (Direito Canónico), Medicina e Teologia. As Artes que constituíam como que um curso para as Faculdades superiores, concediam o grau de bacharel aos estudantes que frequentassem durante 4 ou 5 anos o Trivium, caso fossem aprovados nos exames, se bem que não lhes conferisse nenhuma habilitação especial. O grau de licenciado era atribuído a todos aqueles que, 12

13 após o bacharelato, o completassem com as disciplinas do Quadrivium, que se compunha do estudo de Aritmética, Geometria, Astronomia e Música. Sublinhe-se que estas matérias não correspondiam, em absoluto, ao que os seus nomes implicam nos nossos dias. O seu conteúdo era altamente filosófico, como era o caso da Aritmética, que incluía principalmente o estudo da teoria dos números, ao passo que a Música se preocupava, sobretudo, com as propriedades do som. No séc. XIV acrescentou-se às disciplinas tradicionais do Quadrivium o estudo da Física de Aristóteles, cuja leitura, ainda em 1236, era proibida pelos Estudos da Universidade de Paris. Só depois da licenciatura em Artes o estudante tinha acesso às Faculdades de Medicina ou Teologia. Em Paris podia frequentar-se o Direito Canónico sem o prévio bacharelato em Artes. As exigências para o grau de doutor eram, em geral, mais rígidas e incluíam uma formação mais especializada. A Faculdade de Teologia era a cúpula do edifício universitário. O doutoramento nesta Faculdade só se conseguia ao cabo de 12 ou 14 anos de frequência, e este grau de doutor apenas podia ser conferido se o candidato tivesse pelo menos 35 anos. Tanto os graus de mestre como os de doutor eram títulos de docência, pois o próprio título de doutor em Medicina equivalia ao de professor de Medicina e não à prática médica. Pode afirmar-se que, de um modo geral, nas Universidades europeias se estudavam as mesmas matérias e se utilizava idêntico sistema pedagógico e como o idioma universitário era o latim, facilitava notavelmente o intercâmbio de livros, professores e alunos. O curso magistral era a lectio, consistindo no comentário seguido de uma obra em que se continha o saber essencial, no decurso do qual o professor exprimia muitas vezes o seu próprio pensamento e que conduzia logicamente a interrogações às quais cumpria dar resposta. Efectivamente, os programas consistiam fundamentalmente em textos, porquanto, a leitura das obras adoptadas que, em cada disciplina eram as autoridades, constituíam a base do ensino e do saber, acrescentando-se a leitura de comentários. Durante o séc. XIII, as glosas (anotações, comentários à margem) e sumas ou súmulas (resumos) de muitos professores completavam a lista dos livros utilizados nas universidades. 13

14 Quanto à Teologia, a matéria assentava no estudo do texto latino da Bíblia e no Livro das Sentenças de Pedro Lombardo, considerado um tratado de dogmática cristã. Os Padres da Igreja e os comentários de alguns teólogos modernos completavam o estudo da Teologia. Não é de rejeitar que muitos teólogos parisienses recorressem às obras de Aristóteles e aos comentários árabes para melhor compreensão das suas leituras, principalmente entre 1250 e São Tomás de Aquino seria um desses mestres parisienses a ocupar-se do Estagirita (Aristóteles de Estagira, na Macedónia e discípulo de Platão) e seus seguidores. Concluindo este capítulo sobre o movimento universitário europeu, bem pode dizer-se que a Idade Média, injustamente classificada, durante muito tempo, por alguns, como a Idade das Trevas e a Noite de mil anos, (opinião que, julgo, já destruída) assistiu ao nascimento da Universidade, a mais significativa contribuição de todo o período medieval. Precedentes da Universidade portuguesa. Das instituições de ensino da Idade Média, anteriores à fundação da Universidade, foram sem dúvida as escolas agregadas à Ordem dos Cónegos Regrantes de Santo Agostinho (Coimbra) e à Ordem de São Bernardo de Claraval (Alcobaça), aquelas que atingiram maior projecção cultural. A par com as escolas catedralícias e episcopais, foram focos de fermentação intelectual, não se podendo explicar sem elas o aparecimento da Universidade portuguesa. Diga-se, desde já, que os portugueses que frequentavam as Universidades estrangeiras nos sécs. XII e XIII eram, na sua grande maioria, membros pertencentes às instituições religiosas. E isto, não só pelo poder económico de que elas dispunham, mas também, e sobretudo, obviamente, com o intuito de melhorarem e actualizarem o mais possível o ensino nas suas escolas. 14

15 As relações entre Portugal e as escolas europeias remontam ao séc. XII, proporcionadas pela influência de Cluny e do papel da Igreja no intercâmbio de pessoas e ideias, e que o aparecimento das Universidades ainda mais estreitou essas ligações. Mantém-se a tradição que Julião Pais, chanceler de D. Afonso Henriques, e outros juristas da segunda metade do séc. XII fizeram a sua formação em Bolonha que, como já é sabido, foi um grande centro do Direito Romano. Da Alma Mater Parisiensis, o mais fecundo viveiro para os estudos de Teologia e Artes, não restam dúvidas que foi frequentada por escolares provenientes de Santa Cruz de Coimbra. Vejamos o que nos diz D. Nicolau de Santa Maria citando a carta de doação de D. Sancho I, de 14 de Setembro de 1192: «... Dou e concedo ao Mosteiro de Santa Cruz quatrocentos morabitinos da minha fazenda, para sustentação dos Cónegos que estudam in partibus Galliae studiorum»... (que estudam nas partes de França). Já se deu conta de que a reputação das Escolas de Paris era imensa e, assim, naturalmente se generalizou a ideia que era indispensável frequentá-las para ser bom mestre. Hauréau, no seu estudo sobre a Philosophia Scholastica, descreve as enormes dificuldades que era necessário vencer para frequentar as referidas Escolas: «Para ter o direito de ensinar os outros era preciso ter alguma permanência nas escolas de Paris; quem não tivesse ido ali ouvir os ilustres regentes da grande Escola, passava por ignorar os princípios elementares da ciência. Quando nos últimos confins da Bretanha insular, nos extremos longínquos da Calábria, da Espanha, da Germânia, da Polónia, um jovem clérigo manifestava alguma inclinação para os altos estudos e parecia aos seus superiores que viria a ser um lógico, era imediatamente enviado para Paris. Partia sozinho, a pé, atravessando os rios, as montanhas, os mares...era uma vida de aventuras e de perigos que o disciplinava de ante-mão para as agitações e rudes provas da escola. Cada noite achava asilo no mais próximo mosteiro; se a noite o surpreendia, longe do povoado, ia bater à porta de qualquer casa isolada; e para alcançar o agasalho o mais cordial bastava-lhe declarar o seu título de escolar; aqui a hospitalidade era-lhe liberalmente concedida; além disso, era-lhe devida, e a lei 15

16 municipal punia como um delito a infracção a este artigo consuetudinário: aos escolares compete por toda a parte a lei do asilo». Apesar das dificuldades de toda a ordem, as relações prosseguiram, continuando a França a atrair os nossos escolares para ouvir as lições de mestres de grande nomeada para a obtenção dos seus graus. De facto, era a licentia docendi que, na generalidade, os levava até Paris, pois as nossas escolas capitulares e monacais não lhes concediam os graus de bacharel, licenciado e doutor ou mestre, nem o diploma em Teologia. A criação ao longo do séc. XIII, das Universidades de Toulouse e Montpellier veio a proporcionar um encurtamento da viagem e novos centros de interesse, principalmente na segunda, herdeira cultural de Salerno e da Medicina judaica com assento em Toledo. Outra Universidade, que veio a ser a mais famosa de Espanha, foi fundada em Salamanca, com o ensino das Leis, Cânones, Medicina e Artes, ficando a Teologia confiada aos Mestres de São Domingos; a sua projecção no Ocidente foi de tal ordem que chegou a ser considerada ao nível de Paris, Bolonha e Oxford. Devido à proximidade a que se encontrava das dioceses da fronteira como Braga, Guarda, Viseu e Lamego, fez com que muitos portugueses ali acorressem e mesmo depois, em certos períodos, quando o nosso Estudo Geral já havia sido fundado. Porém, como quer que fosse, Paris, Bolonha, Montpellier, Salamanca ou qualquer outra, a frequência de universidades estrangeiras apresentava grandes inconvenientes: avultadas despesas, longas e penosas viagens e, ainda, os perigos a que ficavam sujeitos os escolares em terras estranhas, onde teriam de permanecer, por vezes, longos anos. Nestas circunstâncias, grande número de portugueses deparava-se com a impossibilidade de prosseguir os seus estudos em escolas além-fronteiras. Assim, a criação de estudos superiores em Portugal, constituía, indiscutivelmente, uma necessidade premente, um desejo de muitas pessoas e instituições. Só que, durante um longo período, as condições do Reino não o permitiam. Todas as energias e potencialidades nacionais estavam viradas e canalizadas, por completo, para o 16

17 fenómeno vincadamente peninsular da reconquista, defesa e povoamento do território, bem como «contra a cobiça dos vizinho» e, ainda, pelas melindrosas discórdias entre a Nobreza, Alto Clero e a Coroa. Deste modo, não surpreende que a Universidade portuguesa só tivesse sido fundada na última década do séc. XIII. Se bem que a França, Itália, Inglaterra Leão e Castela tivessem aberto os seus Estudos Gerais antes de Portugal, outros Estados da Europa, e dos mais cultos e importantes, só mais tarde a viram aparecer. A primeira Universidade alemã apenas foi fundada no séc. XIV, em 1348, mais de meio século depois da nossa, que é uma das mais antigas da Europa. Desde há muito, e era notório, se fazia sentir a necessidade de um Estudo Geral, porém, só a partir dos meados do séc. XIII, é que a pouco e pouco, se foram conseguindo as condições políticas e culturais indispensáveis ao nascimento de uma Universidade. A título de curiosidade pode informar-se que só sete anos após a sua fundação se definiram os limites continentais do nosso território, o qual até hoje, se conservou, por assim dizer, intacto. O facto de muitos letrados portugueses se terem formado em Universidades além-fronteiras, não terá deixado de constituir um grande incentivo a fim de se criar a primeira instituição cultural do Reino. De facto, conhecendo a sua orgânica por observação directa, era natural que ao regressar ao seu País, verificassem e comparassem, com admiração, a diferença de nível entre a cultura nacional e a dos países donde regressavam. Relatando a sua experiência, e conscientes de terem adquirido um novo e mais amplo saber, provocavam no ânimo dos que ficavam, e não podiam abalançar-se a tão complicada jornada, o desejo e o entusiasmo pela criação de uma Universidade entre nós. Ainda que o profissionalismo fosse muito pouco diversificado, havia duas profissões consideradas de nível superior e que eram constantemente solicitadas por necessárias e indispensáveis: o Direito e a Medicina. Com efeito, jurista e médico, eram elementos de presença constante junto dos reis, e o seu saber constantemente solicitado. Ora, como a formação escolar necessária e suficiente, de uns e outros, não poderia ser adquirida dentro do sistema existente em Portugal, imperiosa se tornava a criação de uma Universidade análoga às do estrangeiro onde aquelas matérias fossem leccionadas. 17

18 Parece ter sido em Santa Maria de Alcobaça que foi dado um dos mais significativos passos para a criação da primeira Universidade portuguesa. Refira-se que o grande reformador e impulsionador dos estudos alcobacenses, o Abade D. Frei Estêvão Martins, determinou que se ensinasse para sempre, Gramática, Lógica e Teologia e medida excepcional: que as aulas fossem públicas. Antes da reforma ensinava-se, apenas, no Mosteiro, a Teologia aos monges, permitindo-se, agora, que as pessoas estranhas à Ordem, pudessem frequentar as aulas. A escola que era privada, ou interior, como a de Santa Cruz de Coimbra, tornou-se pública. Efectivamente, em 1269, considerada a necessidade de tal reforma dos estudos, D. Estêvão Martins, determinava: «Em nome de Deus, Amen. Porque em todas as criaturas está posta uma luz natural de inteligência, pela qual se nos facilita o caminho de podermos vir no conhecimento do Criador, já deposta a escuridade da primeira ignorância: todos os homens (se pudesse ser comodamente) houveram de procurar com diligência o benefício da sabedoria. Por essa razão, Nós, Estêvão Abade, e o nosso Convento de Alcobaça, fazemos saber aos que a presente virem, em como de nosso comum consentimento ordenamos à honra de Deus e da bem-aventurada sempre Virgem sua Mãe e de todos os Santos, e para comum utilidade de nossos Monges e de todos os mais que desejarem adquirir a incomparável riqueza da sabedoria, instituímos em nosso Mosteiro um contínuo e perpétuo Estudo de letras; para conservação do qual, e para sustentação dos Mestres, aplicamos todas as rendas da vila de Alvorninha, com outra fazenda mais no território da vila de Óbidos». A primeira aula pública, após a reforma de D. Estêvão Martins, foi dada em 11 de Janeiro de 1269, no reinado de D. Afonso III. A decisão é notável e representa um passo importante para a criação da futura Universidade portuguesa. António José Saraiva refere uma passagem do historiador Rashdall, num estudo sobre as Universidades da Europa da Idade Média, em que o autor diz «entrever-se na escola de Alcobaça uma tentativa única na história das universidades europeias, para fundar uma universidade eclesiástica». Sublinhe-se que, pelo seu poder e prestígio, o Abade de Alcobaça era uma figura de relevo na vida da Nação. Inerente à sua dignidade abacial ostentava alguns títulos efectivos e reais, quer laicos, quer eclesiásticos, além de outros episódicos, que representavam incumbências e delegações acidentais, intitulando-se Conselheiro do Rei, 18

19 Esmoler-Mor do Rei, Fronteiro-Mor, Donatário da Coroa e Senhor das terras e vilas do Couto. Precisamente, por isso, não causará admiração ter sido um Abade de Alcobaça, Martinho II, em 1288, a encabeçar uma representação colectiva a subscrever o pedido ao Papa para a criação da futura Universidade portuguesa. Fundação da Universidade portuguesa. Petição ao Papa. D. Dinis iniciou o seu reinado em 1279, e entre as dificuldades provocadas pelas ambições de seu irmão, o Infante D. Afonso, e pelas complicações da política castelhana, prolongava-se o conflito, herdado de seu Pai, com o Alto Clero, que durou até A questão debatia-se em Roma, durante os pontificados dos Papas Martinho IV, Honório IV e Nicolau IV. Naturalmente, perante tal situação, e nestas circunstâncias, o Rei não podia fundar o Estudo Geral, porque os Bispos protestavam contra a cedência dos rendimentos das Igrejas de que o monarca era padroeiro. As primeiras negociações para a criação de um instituto superior em Portugal, atestadas documentalmente, reportam-se a 1288, embora, e seja muito provável, já antes daquele ano se tivessem empreendido algumas diligências nesse sentido. Porém, mais o antigo documento conhecido referente ao Estudo Geral de Lisboa é, de facto, a petição ou súplica dirigida ao Papa, em 12 de Novembro de Não é conhecido o original deste documento que existiu no Arquivo Nacional da Torre do Tombo, em Lisboa, e daí desapareceu. Conhecem-se cópias, uma das quais inserta num Cartulário do séc. XV, (Cartulário conjunto de todos os documentos, bulas papais, 19

20 cartas régias, alvarás, etc. que respeitam à Universidade portuguesa desde a sua fundação) conhecido por Livro Verde. O documento em questão, a súplica, «escrita em pergaminho e selada com dezassete selos pendentes, de diversos modos e figuras», que deviam ser dos 17 Prelados ou Párocos, presentes, quando se fez a carta, com a data da Era de César equivalente a 12 de Novembro da Era de Cristo, foi expedida de Montemor-o-Novo por uma representação colectiva de vários prelados e dirigida ao Papa Nicolau IV, participando-lhe que resolveram criar um Estudo Geral em Lisboa e pedindo-lhe, para ele, o seu beneplácito. Este documento, dada a sua importância, pare-me justificar a sua transcrição na íntegra: «Ao Santíssimo Padre e Senhor, pela Divina Providência Sumo Pontífice da Sacrossanta Igreja de Roma. Nós, devotos filhos vossos, o Abade de Alcobaça, o Prior de Santa Cruz de Coimbra, o Prior de S. Vicente de Lisboa, o Prior de Santa Maria de Guimarães, secular, e o Prior de Santa Maria de Alcáçova de Santarém, e os Reitores das Igrejas de S. Leonardo de Atouguia, de S. Julião, e de S. Nicolau, e Santa Iria, e Santo Estêvão de Santarém, de S. Clemente de Loulé, de Santa Maria de Faro, de S. Miguel e Santa Maria de Sintra, de Santo Estêvão de Alenquer, de Santa Maria, S. Pedro e S. Miguel de Torres Vedras, de Santa Maria de Gaia, da Lourinhã, de Vila Viçosa, da Azambuja, de Sacavém, de Estremoz, de Beja, de Mafra, e do Mogadouro, beijamos devotadamente vossos pés bem aventurados. Como a Real Alteza importa não só ornada com as armas se não também ornada com as leis, para que a República possa ser bem governada no tempo de guerra e paz, porque o mundo se alumia pela ciência, e a vida dos Santos mais cabalmente se informa para obedecer a Deus e seus Mestres e Ministros, a Fé se fortalece, a Igreja se exalta e defende contra a herética pravidade (maldade) por meio dos varões eclesiásticos, por todos estes respeitos, nós, os acima mencionados, em companhia de pessoas religiosas, prelados, e outros, assim clérigos como seculares dos Reinos de Portugal e Algarve, havida plenária deliberação no caso, intervindo a inspiração divina e movendo-nos a particular e comum utilidade, considerámos ser mui conveniente aos Reinos sobreditos e a seus moradores, ter um estudo geral de ciências, por vermos que à falta dele, muitos desejosos de estudar e entrar no estado clerical, atalhados com a falta de despesas e descómodos dos caminhos largos e ainda dos 20

O Nascimento das Primeiras Universidades Europeias

O Nascimento das Primeiras Universidades Europeias O Nascimento das Primeiras Universidades Europeias Paulo Vitor Antonini Orlandin paulovitor_e@hotmail.com Resumo O renascimento urbano do século XII proporcionou uma troca de conhecimento muito grande.

Leia mais

Reformas Religiosas: Reforma e Contra-Reforma

Reformas Religiosas: Reforma e Contra-Reforma Ano Lectivo 2010/2011 HISTÓRIA Agrupamento de Escolas de Fronteira Escola Básica Integrada Frei Manuel Cardoso 8º Ano Apresentação nº 10 Renascimento e Reforma Reformas Religiosas: Reforma e Contra-Reforma

Leia mais

Estatutos da Fundação Spes

Estatutos da Fundação Spes Estatutos da Fundação Spes Por testamento de 24 08 1977, o Senhor D. António Ferreira Gomes, Bispo do Porto, declarou ser sua última vontade criar a Fundação SPES como instituição particular perpétua de

Leia mais

História 6A Aula 17. A Cultura Medieval

História 6A Aula 17. A Cultura Medieval História 6A Aula 17 A Cultura Medieval Cultura Medieval Síntese de elementos grecoromanos, cristãos e germânicos, reformulados com novas experiências. IGREJA CATÓLICA Instituição mais poderosa do mundo

Leia mais

SANTO TOMÁS DE AQUINO:

SANTO TOMÁS DE AQUINO: SANTO TOMÁS DE AQUINO: A Igreja e o pensamento ocidental Elaine Gai Torres* RESUMO Este artigo propõe uma visão de Santo Tomás de Aquino dentro da Escolástica, a influência de Aristóteles u em seus escritos,

Leia mais

REQUERIMENTO. Ao Excelentíssimo e Reverendíssimo Senhor Dom OSVINO JOSÉ BOTH Arcebispo Militar do Brasil

REQUERIMENTO. Ao Excelentíssimo e Reverendíssimo Senhor Dom OSVINO JOSÉ BOTH Arcebispo Militar do Brasil REQUERIMENTO Ao Excelentíssimo e Reverendíssimo Senhor Dom OSVINO JOSÉ BOTH Arcebispo Militar do Brasil Documento elaborado de próprio punho. Eu, inscrito no CPF sob o nº e no RG nº aluno da Escola Diaconal

Leia mais

REGIME JURÍDICO DO DESENVOLVIMENTO E QUALIDADE DO ENSINO SUPERIOR. Proposta de Lei a apresentar à Assembleia da República. Exposição de motivos

REGIME JURÍDICO DO DESENVOLVIMENTO E QUALIDADE DO ENSINO SUPERIOR. Proposta de Lei a apresentar à Assembleia da República. Exposição de motivos REGIME JURÍDICO DO DESENVOLVIMENTO E QUALIDADE DO ENSINO SUPERIOR Proposta de Lei a apresentar à Assembleia da República Exposição de motivos 1. O sistema de ensino superior conheceu nas últimas décadas

Leia mais

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução 1 4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval Introdução O último período da Filosofia Grega é o Helenístico (Sec. III a.c.-vi d.c.). É um período

Leia mais

Estatuto Jurídico dos Judeus e Mouros na Idade Média Portuguesa

Estatuto Jurídico dos Judeus e Mouros na Idade Média Portuguesa A/490020 JOAQUIM DE ASSUNÇÃO FERREIRA Estatuto Jurídico dos Judeus e Mouros na Idade Média Portuguesa (Luzes e Sombras, na convivência entre as três religiões) UNIVERSIDADE CATÓLICA EDITORA LISBOA 2006

Leia mais

Texto final da Lei de Desenvolvimento e Qualidade

Texto final da Lei de Desenvolvimento e Qualidade Texto final da Lei de Desenvolvimento e Qualidade Lei n.º 1/2003, de 6 de Janeiro APROVA O REGIME JURÍDICO DO DESENVOLVIMENTO E DA QUALIDADE DO ENSINO SUPERIOR A Assembleia da República decreta, nos termos

Leia mais

INSTITUTO DE GESTÃO DA TESOURARIA E DO CRÉDITO PÚBLICO, I.P. CÓDIGO DE CONDUTA 1/9

INSTITUTO DE GESTÃO DA TESOURARIA E DO CRÉDITO PÚBLICO, I.P. CÓDIGO DE CONDUTA 1/9 INSTITUTO DE GESTÃO DA TESOURARIA E DO CRÉDITO PÚBLICO, I.P. CÓDIGO DE CONDUTA 1/9 TÍTULO I PARTE GERAL Capítulo I (Disposições Gerais) Artigo 1º (Âmbito) 1. O presente Código de Conduta, a seguir designado

Leia mais

REGULAMENTO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA. Preâmbulo

REGULAMENTO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA. Preâmbulo REGULAMENTO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA Preâmbulo Tendo em conta que a UFP: É titulada pela Fundação Ensino e Cultura Fernando Pessoa, sua entidade Instituidora e a quem

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA. 1. Decreto do Concílio Plenário Português (1926): A criação de um instituto católico em Portugal foi proposta em

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA. 1. Decreto do Concílio Plenário Português (1926): A criação de um instituto católico em Portugal foi proposta em UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA. 1. Decreto do Concílio Plenário Português (1926): A criação de um instituto católico em Portugal foi proposta em dois congressos do Centro Católico Português (Lisboa,

Leia mais

A ocupação senhorial do território torriense As Instituições Religiosas

A ocupação senhorial do território torriense As Instituições Religiosas A ocupação senhorial do território torriense As Instituições Religiosas Marco de Reguengo Várzea (Torres Vedras) Após a queda das praças de Santarém, Lisboa e Sintra, em 1147, o território torriense passa

Leia mais

Grandes Santos de Deus.

Grandes Santos de Deus. Grandes Santos de Deus. Grupo de da IBRVN 2010 2010 John Wyckliff (1320 31 /12/1384) A estrela Matutina da Reforma. Valoroso campeão da Verdade! Foi professor da Universidade de Oxford, teólogo e reformador

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO ENSINO NO BRASIL: PERÍODO COLONIAL

ORGANIZAÇÃO DO ENSINO NO BRASIL: PERÍODO COLONIAL Aula ORGANIZAÇÃO DO ENSINO NO BRASIL: PERÍODO COLONIAL META Apresentar as razões da expansão da pedagogia (ensino) jesuítica no Brasil-colônia e, posteriormente, a sua expulsão motivada pela reforma da

Leia mais

A universidade antiga (medieval) tinha duas funções características:

A universidade antiga (medieval) tinha duas funções características: 14. HISTÓRIA DAS UNIVERSIDADES Um universitário de hoje talvez imagine que a ciência sempre foi parte integrante dessas instituições, mas a ciência chega relativamente tarde à comunidade universitária,

Leia mais

Evolução histórica da Moral/Ética

Evolução histórica da Moral/Ética (3) Evolução histórica da Moral/Ética Zeila Susan Keli Silva 1º Semestre 2013 1 O homem vive em sociedade, convive com outros homens e, portanto, cabe-lhe pensar e responder à seguinte pergunta: Importância

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos Humanos

Declaração Universal dos Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e dos seus direitos iguais e inalienáveis constitui o fundamento

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos do Homem

Declaração Universal dos Direitos do Homem Declaração Universal dos Direitos do Homem Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e dos seus direitos iguais e inalienáveis constitui o fundamento

Leia mais

Proposta de Decreto Legislativo Regional

Proposta de Decreto Legislativo Regional Proposta de Decreto Legislativo Regional Regulamenta na Região Autónoma dos Açores, os aspectos relativos à realização, em escolas da rede pública, do estágio pedagógico das licenciaturas em ensino e dos

Leia mais

CAPITULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA E FINS. Artigo 1.º

CAPITULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA E FINS. Artigo 1.º - - CAPITULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA E FINS Artigo 1.º A Fundação P.e Félix, criada por iniciativa da Comunidade Católica de São Bernardo em 1989, na comemoração dos vinte e cinco anos da actividade pastoral

Leia mais

Aula 4 - Teorias políticas da Idade Média. (Santo Agostinho e São Tomás de Aquino) Cap 23, pag 292 a 295 (Itens 7 a 10)

Aula 4 - Teorias políticas da Idade Média. (Santo Agostinho e São Tomás de Aquino) Cap 23, pag 292 a 295 (Itens 7 a 10) Aula 4 - Teorias políticas da Idade Média (Santo Agostinho e São Tomás de Aquino) Cap 23, pag 292 a 295 (Itens 7 a 10) Aula 04 Teorias políticas da Idade Média O b j e t i v o s : - Entender a evolução

Leia mais

NORMATIVAS PASTORAIS PARA A CELEBRAÇÃO DO BATISMO

NORMATIVAS PASTORAIS PARA A CELEBRAÇÃO DO BATISMO DIOCESE DE BRAGANÇA MIRANDA NORMATIVAS PASTORAIS PARA A CELEBRAÇÃO DO BATISMO Para os Párocos e respetivas comunidades Cristãs, especialmente para os Pais e para os Padrinhos 2012 1 A ESCLARECIMENTO PRÉVIO

Leia mais

A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161º da Constituição, para valer como lei geral da República, o seguinte:

A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161º da Constituição, para valer como lei geral da República, o seguinte: Lei Nº 26/2000 de 23 de Agosto Aprova a organização e ordenamento do ensino superior A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161º da Constituição, para valer como lei geral

Leia mais

Total aulas previstas

Total aulas previstas ESCOLA BÁSICA 2/3 DE MARTIM DE FREITAS Planificação Anual de História do 7º Ano Ano Lectivo 2011/2012 LISTAGEM DE CONTEÚDOS TURMA Tema 1.º Período Unidade Aulas Previas -tas INTRODUÇÃO À HISTÓRIA: DA ORIGEM

Leia mais

Decreto-Lei n.º 134/2009, de 2 de Junho

Decreto-Lei n.º 134/2009, de 2 de Junho Decreto-Lei n.º 134/2009, de 2 de Junho Regime jurídico aplicável à prestação de serviços de promoção, informação e apoio aos consumidores e utentes através de centros telefónicos de relacionamento Comentários

Leia mais

Planificação Anual. Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015

Planificação Anual. Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015 Planificação Anual Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015 UNIDADE DIDÁTICA: TEMA A: DOS PRIMEIROS POVOS À FORMAÇÃO DO REINO DE PORTUGAL.

Leia mais

Decreto-Lei nº 4.244, de 9 de Abril de 1942

Decreto-Lei nº 4.244, de 9 de Abril de 1942 Decreto-Lei nº 4.244, de 9 de Abril de 1942 EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Rio de Janeiro, 1 de abril de 1942. Sr. Presidente: Tenho a honra de submeter à consideração de V. Ex.ª um projeto de lei orgânica do ensino

Leia mais

Programa de Acção da Candidatura a Presidente

Programa de Acção da Candidatura a Presidente Programa de Acção da Candidatura a Presidente do Instituto Politécnico de Beja de Manuel Alberto Ramos Maçães 1 Índice I. O Porquê da Candidatura II. III. IV. Intenção Estratégica: Visão, Envolvimento

Leia mais

Colégio de Arquitectos Urbanistas: novas responsabilidades, novos caminhos? Professor Mário C. Moutinho. Membro da OA nº 1452

Colégio de Arquitectos Urbanistas: novas responsabilidades, novos caminhos? Professor Mário C. Moutinho. Membro da OA nº 1452 1 Colégio de Arquitectos Urbanistas: novas responsabilidades, novos caminhos? Professor Mário C. Moutinho. Membro da OA nº 1452 2.º Congresso da Ordem dos Arquitectos, Guimarães 27, 28 e 29 de Novembro

Leia mais

Os Descobrimentos, a comunicação a nível global e a Conquista do Espaço

Os Descobrimentos, a comunicação a nível global e a Conquista do Espaço Os Descobrimentos, a comunicação a nível global e a Conquista do Espaço Este ponto é aqui. É a nossa casa. Somos nós, numa imagem tirada a partir de 6 mil milhões de quilómetros da Terra pela sonda Voyager

Leia mais

Registamos, com afeto, a presença de Vossa Excelência, nesta cerimónia uma honra ímpar para este Instituto.

Registamos, com afeto, a presença de Vossa Excelência, nesta cerimónia uma honra ímpar para este Instituto. Senhor Ministro da Administração Interna. Excelência. Registamos, com afeto, a presença de Vossa Excelência, nesta cerimónia uma honra ímpar para este Instituto. Excelentíssimo Senhor Vice-Procurador Geral

Leia mais

Regulamento do Gabinete Erasmus da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa

Regulamento do Gabinete Erasmus da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa Regulamento do Gabinete Erasmus da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Objecto) O presente regulamento estabelece a orgânica do Gabinete Erasmus, bem

Leia mais

As reformas religiosas do século XVI

As reformas religiosas do século XVI As reformas religiosas do século XVI Crise na Igreja: a contestação e a ruptura Prof. Nilson Urias Crises religiosas na Europa No início do século XVI, a Igreja vivia uma época de profunda crise. Século

Leia mais

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO VODAFONE PORTUGAL. CAPÍTULO I Disposições Gerais

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO VODAFONE PORTUGAL. CAPÍTULO I Disposições Gerais ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO VODAFONE PORTUGAL CAPÍTULO I Disposições Gerais ARTIGO PRIMEIRO (Natureza) A Fundação Vodafone Portugal, adiante designada abreviadamente por Fundação, é uma instituição de direito

Leia mais

A educação na Idade Média: a educação mediada pela fé

A educação na Idade Média: a educação mediada pela fé A educação na Idade Média: a educação mediada pela fé Edilian Arrais * CONTEXTO HISTÓRICO A Idade Média abarca um período de mil anos (sécs. V a XV), desde a queda do Império Romano (476) até a tomada

Leia mais

COMUNIDADE ECONOMICA DOS ESTADOS DE AFRICA OCIDENTAL ESTATUTO DO PESSOAL DA CEDEAO

COMUNIDADE ECONOMICA DOS ESTADOS DE AFRICA OCIDENTAL ESTATUTO DO PESSOAL DA CEDEAO COMUNIDADE ECONOMICA DOS ESTADOS DE AFRICA OCIDENTAL ESTATUTO DO PESSOAL DA CEDEAO SECRETARIADO EXECUTIVO, ABUJA, OUTUBRO 1999 1 CAPITULO 1º DISPOSIÇÕES GERAIS ARTGIGO 1º : OBJETO E ALCANCE O presente

Leia mais

HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO

HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Cumprimentos Sobre a importância do tempo Desejos HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Introdução História reconstituição do passado, por meio de fatos relevantes, ordenados cronologicamente. A história

Leia mais

PARECER N.º 51/CITE/2009

PARECER N.º 51/CITE/2009 PARECER N.º 51/CITE/2009 Assunto: Dispensas para amamentação Processo n.º 124 QX/2009 I OBJECTO 1.1. Em 5.03.2009, em 23.03.2009 e em 30.03.2009, a CITE recebeu três exposições da trabalhadora, a exercer

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA

CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA Versão Consolidada do REGULAMENTO DAS ACTIVIDADES DE FORMAÇÃO COMPLEMENTAR Aprovado na Sessão Plenária de 14-02-2012, DR, II Série, de 10-04-2012. Alterado na Sessão Plenária de 08-10-2013. Preâmbulo 1.

Leia mais

PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO HISTÓRIA A. (sujeita a reajustamentos) 1º PERÍODO

PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO HISTÓRIA A. (sujeita a reajustamentos) 1º PERÍODO PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO HISTÓRIA A 10º Ano Ano Lectivo - 2012/2013 (sujeita a reajustamentos) Prof. ª Irene Lopes 1º PERÍODO MÓDULO 0 ESTUDAR E APRENDER HISTÓRIA MÓDULO 1 RAÍZES MEDITERRÂNICADA CIVILIZAÇÃO

Leia mais

História e Cultura Jurídica no Brasil

História e Cultura Jurídica no Brasil História e Cultura Jurídica no Brasil ROMA A história de Roma é dividida em três períodos, correspondendo a três regimes politicamente diferentes: a realeza (até 509 a.c.), a república (509-27) e o império;

Leia mais

AGOSTINHO DE HIPONA E TOMÁS DE AQUINO (3ª SÉRIE, REVISÃO TESTÃO)

AGOSTINHO DE HIPONA E TOMÁS DE AQUINO (3ª SÉRIE, REVISÃO TESTÃO) AGOSTINHO DE HIPONA E TOMÁS DE AQUINO (3ª SÉRIE, REVISÃO TESTÃO) PERÍODOS DA FILOSOFIA MEDIEVAL 1º Patrística: século II (ou do V) ao VIII (Agostinho de Hipona). 2º Escolástica: século IX ao XV (Tomás

Leia mais

DIPLOMACIA Introdução

DIPLOMACIA Introdução DIPLOMACIA Introdução Ao longo dos tempos, o pensamento político e o pensamento jurídico sempre foram o reflexo das relações entre os homens, os povos, os Estados e as Nações. Foram se operando constantemente

Leia mais

Reestruturação sindical: tópicos para uma questão prévia

Reestruturação sindical: tópicos para uma questão prévia Mário Pinto Reestruturação sindical: tópicos para uma questão prévia 1. O funcionamento da organização sindical portuguesa é muito frequentemente qualificado de deficiente. Excluindo afirmações de circunstância,

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.º 14/91 de 11 de Maio

ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.º 14/91 de 11 de Maio ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º 14/91 de 11 de Maio A criação das condições materiais e técnicas para a edificação em Angola de um Estado democrático de direito é um dos objectivos a atingir, na actual fase

Leia mais

Lei n. 108/91 de 17 de Agosto

Lei n. 108/91 de 17 de Agosto Lei n. 108/91 de 17 de Agosto Conselho Económico e Social A Assembleia da República decreta, nos termos dos artigos 164., alínea d), 168. n. 1, alínea m) e 169., n. 3 da Constituição, para valer como lei

Leia mais

SAGRADA LITURGIA Companhia de Jesus (Jesuítas) Memória Facultativa

SAGRADA LITURGIA Companhia de Jesus (Jesuítas) Memória Facultativa DIA - 2 de Agosto SAGRADA LITURGIA Companhia de Jesus (Jesuítas) Memória Facultativa ORAÇÃO DA COLETA (SANTA MISSA) Pai santo, Senhor do Céu e da Terra, que ao Vosso humilde servo Pedro Fabro Vos revelastes

Leia mais

NCE/10/02916 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/02916 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/02916 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Lisboa

Leia mais

A Formação do Tradutor e as Necessidades do Mercado de Tradução em Portugal

A Formação do Tradutor e as Necessidades do Mercado de Tradução em Portugal 1 A Formação do Tradutor e as Necessidades do Mercado de Tradução em Portugal Luís Almeida Espinoza info@linguas.com Resumo da Comunicação Nesta intervenção são abordados os problemas dos jovens tradutores

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 155/X. Exposição de Motivos

PROPOSTA DE LEI N.º 155/X. Exposição de Motivos PROPOSTA DE LEI N.º 155/X Exposição de Motivos O novo Estatuto dos Tribunais Administrativos e Fiscais e o Código de Processo nos Tribunais Administrativos, que procederam à reforma do contencioso administrativo,

Leia mais

Acordo de Promoção e Protecção Recíprocas de Investimentos entre a República Portuguesa e a República de Angola. Diploma Legal

Acordo de Promoção e Protecção Recíprocas de Investimentos entre a República Portuguesa e a República de Angola. Diploma Legal Acordo de Promoção e Protecção Recíprocas de Investimentos entre a República Portuguesa e a República de Angola Diploma Legal O texto que se segue é um documento não oficial, preparado pelo ICEP Portugal,

Leia mais

A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann

A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann 1 DELIMITAÇÃO Ao abordarmos sobre as razões para ser um professor numa escola e falar sobre o amor de Deus, encontramos algumas respostas

Leia mais

Aula 24 Reforma e contrarreforma

Aula 24 Reforma e contrarreforma FB MED, M3, 3 ANO e ANUAL. Aula 24 Reforma e contrarreforma DeOlhoNoEnem H3 - Associar as manifestações culturais do presente aos seus processos históricos.(análise das diversas práticas protestantes)

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA. Decreto-Lei n.º 145/87 de 24 de Março

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA. Decreto-Lei n.º 145/87 de 24 de Março MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA Decreto-Lei n.º 145/87 de 24 de Março 1. Com a publicação do Decreto-Lei n.º 448/79, de 13 de Novembro, foi dado um passo fundamental no sentido da valorização da docência

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL 6 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP UNIDADE DE ESTUDO 06 OBJETIVOS - Localizar, na História, a Idade Média;

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 524/VIII ELEVAÇÃO DA POVOAÇÃO DE ANCEDE, NO CONCELHO DE BAIÃO, À CATEGORIA DE VILA. I Contributo histórico

PROJECTO DE LEI N.º 524/VIII ELEVAÇÃO DA POVOAÇÃO DE ANCEDE, NO CONCELHO DE BAIÃO, À CATEGORIA DE VILA. I Contributo histórico PROJECTO DE LEI N.º 524/VIII ELEVAÇÃO DA POVOAÇÃO DE ANCEDE, NO CONCELHO DE BAIÃO, À CATEGORIA DE VILA I Contributo histórico Ancede, população que sé estende ao longo do rio Douro, tem raízes históricas

Leia mais

A liberdade religiosa. dos direitos individuais aos direitos sociais

A liberdade religiosa. dos direitos individuais aos direitos sociais D E P O I M E N T O S A liberdade religiosa dos direitos individuais aos direitos sociais Com a viragem do século, e sobretudo com o desenvolvimento das investigações das ciências sociais sobre o fenómeno

Leia mais

História dos Direitos Humanos

História dos Direitos Humanos História dos Direitos Humanos Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Os direitos humanos são o resultado de uma longa história, foram debatidos ao longo dos séculos por filósofos e juristas. O início

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA I. OBJECTIVOS O objectivo deste ciclo de estudos é garantir aos estudantes uma sólida formação jurídica de base. Tendo

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

ALTA IDADE MÉDIA 1. FORMAÇÃO DOS REINOS CRISTÃOS-BÁRBAROS

ALTA IDADE MÉDIA 1. FORMAÇÃO DOS REINOS CRISTÃOS-BÁRBAROS ALTA IDADE MÉDIA É costume dividir o período medieval em duas grandes fases: a Alta Idade Média, que se estende do século V ao século XI e a Baixa Idade Média, do século XII ao século XV. A primeira fase

Leia mais

Falar a uma só voz: Definir e defender o interesse europeu

Falar a uma só voz: Definir e defender o interesse europeu SPEECH/10/21 José Manuel Durão Barroso Presidente da Comissão Europeia Falar a uma só voz: Definir e defender o interesse europeu Sessão plenária do PE: votação do novo Colégio Bruxelas, 9 de Fevereiro

Leia mais

CONCORDATA ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A SANTA SÉ

CONCORDATA ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A SANTA SÉ Resolução da Assembleia da República n.º 74/2004 Concordata entre a República Portuguesa e a Santa Sé, assinada em 18 de Maio de 2004 na cidade do Vaticano Aprova, para ratificação, a Concordata entre

Leia mais

OBJETIVOS. FEB EADE Livro I - Módulo II Roteiro 25 A reforma protestante

OBJETIVOS. FEB EADE Livro I - Módulo II Roteiro 25 A reforma protestante OBJETIVOS Elaborar uma linha histórica que retrate os marcos significativos da Reforma Protestante. Citar dados biográficos dos principais reformadores. Explicar a importância da Reforma Protestante no

Leia mais

Consagração do Concelho à Imaculada Conceição (20 Junho 1945) Cota CMPV/0052 - Actas da Câmara

Consagração do Concelho à Imaculada Conceição (20 Junho 1945) Cota CMPV/0052 - Actas da Câmara Consagração do Concelho à Imaculada Conceição (20 Junho 1945) Cota CMPV/0052 - Actas da Câmara NEWSLETTER: Dando continuidade à nossa nova rubrica on-line: Páginas de História com Estórias, passamos a

Leia mais

Crise no Império Romano. Capítulo 6

Crise no Império Romano. Capítulo 6 Crise no Império Romano Capítulo 6 A falta de escravos leva ao aparecimento do sistema do colonato. Corte nas verbas do exército, gera revolta e briga entre os generais. Os generais passam a não obedecer

Leia mais

O regime democrático apareceu em Atenas no século V a.c., concretizado pelas reformas legislativas levadas a efeito pelo arconte Clístenes (508 a

O regime democrático apareceu em Atenas no século V a.c., concretizado pelas reformas legislativas levadas a efeito pelo arconte Clístenes (508 a IDEIAS A RETER SOBRE A GRÉCIA O regime democrático apareceu em Atenas no século V a.c., concretizado pelas reformas legislativas levadas a efeito pelo arconte Clístenes (508 a 507) e mais tarde aperfeiçoadas

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 37/X. Exposição de Motivos

PROPOSTA DE LEI N.º 37/X. Exposição de Motivos PROPOSTA DE LEI N.º 37/X Exposição de Motivos Através da presente iniciativa visa-se a aprovação de disposições que complementem o quadro legal vigente sobre asilo e refugiados, estabelecido pela Lei n.º

Leia mais

A EXIGÊNCIA DE FORMAÇÃO CONTÍNUA COMO GARANTIA DE QUALIDADE E DE SUSTENTABILIDADE DA PROFISSÃO

A EXIGÊNCIA DE FORMAÇÃO CONTÍNUA COMO GARANTIA DE QUALIDADE E DE SUSTENTABILIDADE DA PROFISSÃO A EXIGÊNCIA DE FORMAÇÃO CONTÍNUA COMO GARANTIA DE QUALIDADE E DE SUSTENTABILIDADE DA PROFISSÃO (Nota: Esta Comunicação foi amputada, de forma Subtil, de cerca 700 caracteres por imposição da organização

Leia mais

Princípios Básicos Relativos à Função dos Advogados

Princípios Básicos Relativos à Função dos Advogados Princípios Básicos Relativos à Função dos Advogados O Oitavo Congresso das Nações Unidas para a Prevenção do Crime e o Tratamento dos Delinquentes, Lembrando o Plano de Acção de Milão 139, adoptado pelo

Leia mais

EVOLUÇÃO DO ENQUADRAMENTO JURÍDICO DE SERVIÇOS RELIGIOSOS NAS INSTITUIÇÕES DE SAÚDE

EVOLUÇÃO DO ENQUADRAMENTO JURÍDICO DE SERVIÇOS RELIGIOSOS NAS INSTITUIÇÕES DE SAÚDE EVOLUÇÃO DO ENQUADRAMENTO JURÍDICO DE SERVIÇOS RELIGIOSOS NAS INSTITUIÇÕES DE SAÚDE História ( exemplar ) de um processo de crescente abuso clerical católico 1. INTRODUÇÃO Seguir o processo de institucionalização

Leia mais

PARECER DO CCISP SOBRE O DOCUMENTO PROVENIENTE DA SECRETARIA DE ESTADO DO ENSINO SUPERIOR RELATIVO A

PARECER DO CCISP SOBRE O DOCUMENTO PROVENIENTE DA SECRETARIA DE ESTADO DO ENSINO SUPERIOR RELATIVO A PARECER DO CCISP SOBRE O DOCUMENTO PROVENIENTE DA SECRETARIA DE ESTADO DO ENSINO SUPERIOR RELATIVO A Processo de Bolonha: Sistema de Graus do Ensino Superior 1- Introdução O designado por Processo de Bolonha

Leia mais

VIDA E ACTIVIDADES DO INSTITUTO (IUDPS)

VIDA E ACTIVIDADES DO INSTITUTO (IUDPS) VIDA E ACTIVIDADES DO INSTITUTO (IUDPS) ESTÁGIOS CURRICULARES Os Estágios Curriculares no ano lectivo 2001/2002 Ao longo do ano lectivo de 2001/2002, a Comissão Coordenadora dos Estágios desenvolveu mais

Leia mais

A SINGULARIDADE DA PRIMEIRA UNIVERSIDADE PORTUGUESA NO CONTEXTO DO NASCIMENTO DAS UNIVERSIDADES MEDIEVAIS

A SINGULARIDADE DA PRIMEIRA UNIVERSIDADE PORTUGUESA NO CONTEXTO DO NASCIMENTO DAS UNIVERSIDADES MEDIEVAIS A SINGULARIDADE DA PRIMEIRA UNIVERSIDADE PORTUGUESA NO CONTEXTO DO NASCIMENTO DAS UNIVERSIDADES MEDIEVAIS NASCIMENTO, Luciana de Araújo (UEM/Bolsista CAPES) COSTA, Célio Juvenal (Orientador/UEM) Fundada

Leia mais

As E.P.E. S do Sector da Saúde:

As E.P.E. S do Sector da Saúde: As E.P.E. S do Sector da Saúde: A) O que são. B) A função que desempenham. C) O Sector Público de que não fazem parte. D) Onde estão integradas. E) Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas. F) Síntese.

Leia mais

Faculdade de Direito da Universidade de Macau

Faculdade de Direito da Universidade de Macau Faculdade de Direito da Universidade de Macau Regulamento Pedagógico do Curso de Mestrado em Direito (Prática Jurídica em Macau) Artigo 1 Grau de Mestre 1. A Universidade de Macau, através da Faculdade

Leia mais

Grupo Parlamentar. Projecto de Lei N.º 52/IX ALTERA A LEI DE BASES DO SISTEMA EDUCATIVO

Grupo Parlamentar. Projecto de Lei N.º 52/IX ALTERA A LEI DE BASES DO SISTEMA EDUCATIVO Grupo Parlamentar Projecto de Lei N.º 52/IX ALTERA A LEI DE BASES DO SISTEMA EDUCATIVO O chamado processo de Bolonha não é, por essência, negativo, particularmente se for adoptado numa óptica de estímulo

Leia mais

São revogados o Decreto-Lei nº 47511 e o Decreto nº 47512, ambos de 25 de Janeiro de 1967.

São revogados o Decreto-Lei nº 47511 e o Decreto nº 47512, ambos de 25 de Janeiro de 1967. respectivamente, mais de cinco ou de três anos de funções técnicas na área da segurança e higiene no trabalho podem adquirir a equiparação ao nível de qualificação por meio de avaliação curricular, podendo

Leia mais

CAPÍTULO I - Visão geral

CAPÍTULO I - Visão geral CÓDIGO DEONTOLÓGICO DO TÉCNICO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO SOCIAL Preâmbulo: O presente Código Deontológico procura estabelecer alguns princípios e algumas regras, no quadro de uma ética profissional, que devem

Leia mais

Decreto n.º 139/80 Convenção sobre o Reconhecimento dos Estudos e Diplomas Relativos ao Ensino Superior nos Estados da Região Europa

Decreto n.º 139/80 Convenção sobre o Reconhecimento dos Estudos e Diplomas Relativos ao Ensino Superior nos Estados da Região Europa Decreto n.º 139/80 Convenção sobre o Reconhecimento dos Estudos e Diplomas Relativos ao Ensino Superior nos Estados da Região Europa O Governo decreta, nos termos da alínea c) do artigo 200.º da Constituição,

Leia mais

Percurso académico na Universidade de Coimbra, nos séculos XVI a XX (orientações para pesquisa)

Percurso académico na Universidade de Coimbra, nos séculos XVI a XX (orientações para pesquisa) Percurso académico na Universidade de Coimbra, nos séculos XVI a XX (orientações para pesquisa) Ana Maria Leitão Bandeira O presente trabalho foi redigido, tendo em conta as necessidades de elaboração

Leia mais

A Santa Sé DISCURSO DO CARDEAL ANGELO SODANO EM NOME DO PAPA JOÃO PAULO II NA ABERTURA DA XXIX CONFERÊNCIA DA FAO* 8 de Novembro de 1997

A Santa Sé DISCURSO DO CARDEAL ANGELO SODANO EM NOME DO PAPA JOÃO PAULO II NA ABERTURA DA XXIX CONFERÊNCIA DA FAO* 8 de Novembro de 1997 A Santa Sé DISCURSO DO CARDEAL ANGELO SODANO EM NOME DO PAPA JOÃO PAULO II NA ABERTURA DA XXIX CONFERÊNCIA DA FAO* 8 de Novembro de 1997 Senhor Presidente Senhor Director-Geral Ilustres Delegados e Observadores

Leia mais

NORMAS RELATIVAS À TRANSFERÊNCIA PARA OS MUNICÍPIOS DAS NOVAS COMPETÊNCIAS EM MATÉRIA DE AÇÃO SOCIAL ESCOLAR EM DIVERSOS DOMÍNIOS

NORMAS RELATIVAS À TRANSFERÊNCIA PARA OS MUNICÍPIOS DAS NOVAS COMPETÊNCIAS EM MATÉRIA DE AÇÃO SOCIAL ESCOLAR EM DIVERSOS DOMÍNIOS NORMAS RELATIVAS À TRANSFERÊNCIA PARA OS MUNICÍPIOS DAS NOVAS COMPETÊNCIAS EM MATÉRIA DE AÇÃO SOCIAL ESCOLAR EM DIVERSOS DOMÍNIOS APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 399-A/84, DE 28 DE DEZEMBRO ALTERADO/A PELOS

Leia mais

LEGISLAÇÃO APLICÁVEL AOS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PORTADORES DE DEFICIÊNCIA

LEGISLAÇÃO APLICÁVEL AOS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PORTADORES DE DEFICIÊNCIA LEGISLAÇÃO APLICÁVEL AOS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PORTADORES DE DEFICIÊNCIA PRINCÍPIOS GERAIS APLICÁVEIS: Todos os portugueses têm direito à Educação e à Cultura, nos termos da Constituição Portuguesa

Leia mais

História da Educação I. Prof. Fernando Roberto Campos

História da Educação I. Prof. Fernando Roberto Campos História da Educação I Prof. Fernando Roberto Campos Reflexão A torneira seca (mas pior: a falta de sede). a luz apagada (mas pior: o gosto do escuro). a porta fechada (mas pior: a chave por dentro). José

Leia mais

PARECER N.º 43/CITE/2010

PARECER N.º 43/CITE/2010 PARECER N.º 43/CITE/2010 Assunto: Parecer prévio nos termos do n.º 1 e da alínea c) do n.º 3 do artigo 63.º do Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12 de Fevereiro Despedimento de trabalhadora

Leia mais

Implementação do Processo de Bolonha a nível nacional. Grupos por Área de Conhecimento CIÊNCIAS SOCIAIS

Implementação do Processo de Bolonha a nível nacional. Grupos por Área de Conhecimento CIÊNCIAS SOCIAIS Implementação do Processo de Bolonha a nível nacional Grupos por Área de Conhecimento CIÊNCIAS SOCIAIS Coordenador: Prof. Doutor Manuel Braga da Cruz Dezembro de 2004 1/10 AREA DAS CIÊNCIAS SOCIAIS PARECER

Leia mais

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO Art.º 202º da Constituição da República Portuguesa «1. Os tribunais são órgãos de soberania com competência para Administrar a justiça em nome do povo. (...)» A lei

Leia mais

Declaração de Lima sobre as linhas mestras de controlo das Finanças Públicas. Prefácio

Declaração de Lima sobre as linhas mestras de controlo das Finanças Públicas. Prefácio Declaração de Lima sobre as linhas mestras de controlo das Finanças Públicas Prefácio Quando a Declaração de Lima, das directivas sobre os princípios do controlo, foi adoptada por unanimidade pelos delegados

Leia mais

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS - DOCUMENTO 15 Extractos dos Referentes Externos e Internos que suportam o Referencial 2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS REFERENTES EXTERNOS LEGISLAÇÃO Lei nº 31/2002 de 20 de Dezembro CAPÍTULO I Sistema

Leia mais

NCE/10/00531 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/00531 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/00531 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Cofac - Cooperativa De Formação E

Leia mais

A história da Igreja e sua problemática A história da Igreja na Idade Antiga

A história da Igreja e sua problemática A história da Igreja na Idade Antiga SUMÁRIO Introdução... 11 A história da Igreja e sua problemática... 17 A. Alguns pressupostos e indicações básicos antes de começar o caminho... 17 Trata-se de um ramo da ciência histórica ou da ciência

Leia mais

DOCUMENTO COMPLEMENTAR ELABORADO NOS TERMOS DO NÚMERO DOIS DO ARTIGO SESSENTA E QUATRO DO CÓDIGO DO NOTARIADO, QUE FAZ PARTE INTEGRANTE DA ESCRITURA

DOCUMENTO COMPLEMENTAR ELABORADO NOS TERMOS DO NÚMERO DOIS DO ARTIGO SESSENTA E QUATRO DO CÓDIGO DO NOTARIADO, QUE FAZ PARTE INTEGRANTE DA ESCRITURA DOCUMENTO COMPLEMENTAR ELABORADO NOS TERMOS DO NÚMERO DOIS DO ARTIGO SESSENTA E QUATRO DO CÓDIGO DO NOTARIADO, QUE FAZ PARTE INTEGRANTE DA ESCRITURA EXARADA EM VINTE E DOIS DE SETEMBRO DE DOIS MIL E QUATRO,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AGUALVA MIRA SINTRA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AGUALVA MIRA SINTRA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AGUALVA MIRA SINTRA código 171608 Escola Básica D. Domingos Jardo MANUAL ADOPTADO: HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL - HGP AUTORES: ANA OLIVEIRA/ FRANCISCO CANTANHEDE/ MARÍLIA GAGO

Leia mais

discurso medalha JOÃO MAGABEIRA a MENEZES DIREITO A doutrina e os julgados que enfrentam nas estórias

discurso medalha JOÃO MAGABEIRA a MENEZES DIREITO A doutrina e os julgados que enfrentam nas estórias 1 discurso medalha JOÃO MAGABEIRA a MENEZES DIREITO (25.07.01) Senhoras, Senhores: A doutrina e os julgados que enfrentam nas estórias do dia-a-dia o desafio de construir o direito vivo, para que melhor

Leia mais

Decreto n.º 45/80 Convenção sobre Poluição Atmosférica Transfronteiras a Longa Distância

Decreto n.º 45/80 Convenção sobre Poluição Atmosférica Transfronteiras a Longa Distância Decreto n.º 45/80 Convenção sobre Poluição Atmosférica Transfronteiras a Longa Distância O Governo decreta, nos termos da alínea c) do artigo 200.º da Constituição, o seguinte: Artigo único. É aprovada,

Leia mais