FICHA CATALOGRÁFICA Santos, Laísa Maria Freire dos Atividade de etoxiresorufina-o-desetilase, freqüência de micronúcleos, níveis de metais, índice

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FICHA CATALOGRÁFICA Santos, Laísa Maria Freire dos Atividade de etoxiresorufina-o-desetilase, freqüência de micronúcleos, níveis de metais, índice"

Transcrição

1 FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA SÉRGIO AROUCA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: TOXICOLOGIA AMBIENTAL OCUPACIONAL Atividade de etoxiresorufina-o-desetilase, freqüência de micronúcleos, níveis de metais, índice hepático e fator de condição em peixes provenientes da bacia do rio Paraíba do Sul Laísa Maria Freire dos Santos Rio de Janeiro 2004

2 FICHA CATALOGRÁFICA Santos, Laísa Maria Freire dos Atividade de etoxiresorufina-o-desetilase, freqüência de micronúcleos, níveis de metais, índice hepático e fator de condição em peixes provenientes da bacia do rio Paraíba do Sul / Laísa Maria Freire dos Santos p.; il, tab, graf, map, Orientador: Isabella Fernandes Delgado Segundo Orientador: Francisco José Roma Paumgartten Dissertação (Mestrado) Fundação Oswaldo Cruz, Escola Nacional de Saúde Pública. 1. Poluição. 2. Biomarcadores. I. Isabella Fernandes Delagado II. Atividade de etoxiresorufina-o-desetilase, freqüência de micronúcleos, níveis de metais, índice hepático e fator de condição em peixes provenientes da bacia do rio Paraíba do Sul ii

3 FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA SÉRGIO AROUCA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: TOXICOLOGIA AMBIENTAL OCUPACIONAL Atividade de etoxiresorufina-o-desetilase, freqüência de micronúcleos, níveis de metais, índice hepático e fator de condição em peixes provenientes da bacia do rio Paraíba do Sul Laísa Maria Freire dos Santos Dissertação Apresentada à Escola Nacional de Saúde Pública Fundação Oswaldo Cruz para Obtenção do Grau de Mestre em Saúde Pública Sérgio Arouca Área de Concentração em Toxicologia. Rio de Janeiro 2004 iii

4 FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA SÉRGIO AROUCA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: TOXICOLOGIA AMBIENTAL OCUPACIONAL Atividade de etoxiresorufina-o-desetilase, freqüência de micronúcleos, níveis de metais, índice hepático e fator de condição em peixes provenientes da bacia do rio Paraíba do Sul Laísa Maria Freire dos Santos Orientadora: Isabella Fernandes Delgado Segundo orientador: Francisco José Roma Paumgartten Aprovada em de Abril de 2004 pela banca examinadora: Prof. Dr. Francisco Gerson Araújo Prof. Dr. João Paulo Machado Torres Profª. Drª. Isabella Fernandes Delgado Suplentes: Prof. Dr. Jean Remy Daveé Guimarães Prof. Dr. Odir Clécio da Cruz Roque Rio de Janeiro 2004 iv

5 Tudo na vida deve ser feito com amor... Ao mesmo tempo em que o amor nos deixa sensíveis, nos torna mais fortes... Dedico essa dissertação ao meu grande amor! v

6 Agradecimentos Ao final desta etapa de trabalho recordo de muitos que me ajudaram, pessoas que cruzaram meu caminho e que deixaram marcas. Cada um de vocês é um pouco da minha história... Sem vocês seria muito mais difícil a realização desta dissertação. Por isto gostaria de agradecer profundamente a todos: Agradeço ao meu marido Paulo pela nossa cumplicidade e carinho, pelo apoio incondicional dedicado a mim, pelo incentivo e paciência e principalmente por dar mais sentido à minha vida fazendo com que eu perceba que se quisermos podemos fazer de cada dia um dia mais feliz...; Aos meus familiares, Maria da Conceição minha mãe, Carlos Alberto meu pai e Leila e João meus irmãos agradeço pela força que sempre me deram, pelos conselhos e exemplos de postura e união. Minha gratidão não cabe aqui; À amiga Barbara que desde os tempos de colégio foi sempre companheira. Agradeço por passarmos juntas as dificuldades e alegrias que permearam este período. E também pelas leituras prévias da dissertação. À amiga Dayse Aline que partilha já a alguns anos dos estudos em grupo, das dificuldades e alegrias; Agradeço especialmente ao professor Dr. Gerson Araújo pela oportunidade de colaboração, pela realização da estatística e identificação das espécies. Agradeço à equipe de campo do laboratório de ecologia de Peixes da UFRRJ que soube superar as dificuldades e contribuiu com muita garra para que os trabalhos saíssem. São eles: Benjamin, Tatiana, Bianca, Eduardo, Daniel, Paulo, Erasmo, Irene, Charles, José Dias e Fabiano. Ao professor Dr. João Paulo pelo elo de cooperação entre laboratórios. Agradeço ao apoio recebido de alguns membros do laboratório de Radioisótopos do Instituto de Biofísica da UFRJ. São eles: Cláudio Eduardo, Antônio, Ricardo, Elisa, Rodrigo, Paulo, Elizabete, Michele, Dona Madalena, entre outros. Um agradecimento especial é para Marcela que com sua simpatia e responsabilidade me ajudou muito!!! Você tem uma grande carreira pela frente! Agradeço à amiga Iranaia pela ajuda no processamento de algumas amostras. Agradeço ao Victor Wagner pela ajuda na realização das fotos de micronúcleo. Agradeço ao Setor de Transportes representado por Robson e Tadeu, e principalmente aos motoristas da FIOCRUZ Sr. Deni e Sr. Wandic que nos levaram ao campo participando das coletas com muito profissionalismo, boa vontade e animação; Agradeço a todos os companheiros que encontramos nas atividades de campo, pessoas que talvez nem saibam a real importância de um trabalho de pesquisa, mas que não hesitaram em emprestar suas casas ou terrenos para que ficássemos alojados. Eu também aprendi com vocês! vi

7 Aos agentes da Policial Florestal de São Paulo que nos alojaram em suas dependências assim como o Secretário de Agricultura de Santo Antônio de Pádua (Sr. José) e o Secretário de Agricultura de Italva Sr. Marconi. Ao pesquisador Carlos Castro da Coppe que me estimulou a continuar na academia e que me auxiliou nas atividades em campo. Faço um agradecimento especial para o meu cúmplice de jornada, meu ajudante teimoso e incansável, que gosta de bater records de número de amostras feitas por dia e de ficar mais de 12 horas no laboratório (quando não tem aulas)... A você Thiago meus profundos agradecimentos. Sentirei saudades... VALEU! À minha orientadora Isabella Delgado que por demonstrar confiança no meu trabalho e devido a tantas complicações no meio curso aceitou me orientar mesmo de longe. Ao Francisco Paumgartten, que me orientou também, agradeço pelas idéias, interesse e respeito à minha vontade quando quis trabalhar nesta área. A todos os integrantes do laboratório de Toxicologia, ainda não citados, sobretudo à Regina com sua ansiedade e críticas, Ana Cecilia com sua prudência e atenção, Rosangela com sua boa vontade e carinho, à mestranda Valéria pelas leituras prévias da dissertação, ao mestrando Igor tentativa de dosagem de proteínas no final da parte experimental, a todos os estagiários que tornaram mais alegre o trabalho no laboratório e principalmente ao técnico Jayme que mesmo recém chegado ao laboratório dissecou os peixes para análise de metais. Aos estatísticos Dr. Takume e Dr. Ana Goedel pela análise dos dados e decisão da estatística. Agradeço ao Grupo Saúde e Espaço nas grandes cidades CICT/SIG/FIOCRUZ Laboratório de Geoprocessamento e à ANA (Agência Nacional de Águas) pelo fornecimento e edição dos mapas. Agradeço principalmente ao estagiário deste laboratório Alejandro Sebastian A. Alferii do curso de Engenharia Cartográfica pela edição do mapa e paciência nas seis horas de trabalho sem descanso. Pelo pouco que o conheci demonstrou muito profissionalismo e domínio de conhecimentos; Agradeço ao Nelson do Laboratório de Hidrologia da COPPE pelo mapa da bacia do rio Paraíba cedido. Agradeço à ENSP pela oportunidade de um espaço de discussão, reflexão e pesquisa na área de Saúde Pública e à FIOCRUZ por proporcionar oportunidade de me formar numa instituição de referência Nacional. Agradeço também a Deus que por ser a inteligência que tudo rege, me deu a oportunidade de encontrar nesta vida pessoas maravilhosas com as quais muito aprendi! vii

8 A religião cósmica é o móvel mais poderoso e mais generoso da pesquisa científica (...). É sentida por uma minoria de pessoas que vê, no Universo, algo mais do que um simples mecanismo sem ressonâncias transcendentes. Trata-se de uma convicção bem comparável ao sentimento religioso, porque aceita um mundo baseado na razão, um mundo inteligível! (...) Esta convicção, ligada ao sentimento profundo de uma razão superior desvendando-se no mundo da experiência, traduz para mim a idéia de Deus. Albert Einstein ( ) viii

9 Água que nasce na fonte serena do mundo e que abre o profundo grotão Água que faz inocente riacho e deságua na corrente do ribeirão Águas escuras dos rios que levam a fertilidade ao sertão Águas que banham aldeias e matam a sede da população Águas que caem das pedras no véu das cascatas, ronco de trovão E depois dormem tranqüilas, no leito dos lagos, no leito dos lagos Água dos igarapés onde Iara mãe d água é misteriosa canção Água que o sol evapora pro céu vai embora virar nuvens de algodão Gotas de água da chuva alegre arco-íris sobre a plantação Gotas de água da chuva tão tristes são lágrimas na inundação Águas que movem moinhos são as mesmas águas que encharcam o chão E sempre voltam humildes pro fundo da terra, pro fundo da terra, Terra planeta água... terra planeta água. Planeta Água ix Guilherme Arantes

10 Resumo Neste estudo avaliamos a freqüência de micronúcleos no sangue periférico, a atividade da etoxiresorufina-o-desetilase - EROD (marcador da atividade enzimática da subfamília CYP1A) no fígado, e os níveis de metais no músculo de peixes acarás (Geophagus brasiliensis) e cascudos (Hypostomus affinis e Hypostomus luetkeni) coletados na bacia do rio Paraíba do Sul. Biomarcadores inespecíficos como Fator de Condição e Índice Hepático também foram utilizados. Os peixes foram capturados nos trechos superior, médio-superior, médio-inferior e inferior da bacia do rio Paraíba do Sul em dois períodos distintos (chuva e estiagem). Dentre as espécies estudadas, G. brasiliensis foi a que coletamos com maior freqüência ao longo de toda a bacia. G. brasiliensis, H. affinis e H. luetkeni apresentaram uma tendência de aumento dos fatores de condição no período de chuvas quando comparamos aos valores obtidos no período de estiagem. Volta Redonda foi a região em que se coletou G. brasiliensis com os maiores valores de índice hepático. A freqüência de micronúcleos nos eritrócitos do sangue periférico das três espécies foi muito baixa (0,00-2,00 ) evidenciando ausência de dano genotóxico. A atividade de EROD em G. brasiliensis foi maior do que a das outras duas espécies em todos os locais de coleta. Na região de Levy Gasparian, onde foi possível capturar um grande número de peixes, a atividade de EROD em G. brasiliensis machos foi maior do que em fêmeas. A atividade de EROD de G. brasiliensis variou entre os locais de coleta, sendo os maiores valores registrados nos peixes de São Luiz do Paraitinga, Barra Mansa, Levy Gasparian, Três Rios e Sapucaia e os menores nos peixes de Paraibuna, Italva, Rio das Flores, Santo Antônio de Pádua e Campos. Os níveis de metais foram baixos nas três espécies em todas as regiões e no caso de chumbo e mercúrio, inferiores aos valores máximos permitidos pela regulamentação brasileira de alimentos (ANVISA). Estudos devem ser realizados para investigar as diferenças de EROD entre G. brasiliensis, H. affinis e H. luetkeni. As regiões de São Luiz do Paraitinga, Barra Mansa, Três Rios, Levy Gasparian e Sapucaia devem ser melhor investigadas quanto a poluentes indutores de CYP1A, uma vez que os peixes coletados nestes locais apresentaram as mais elevadas atividades de EROD. Palavras-chave: Biomarcadores, Atividade de EROD, freqüência de micronúcleo, G. brasiliensis, H. affinis e H. luetkeni. x

11 Abstract In this study we evaluated the frequency of micronucleated erythrocytes in peripheral blood, metal concentrations and the activity of ethoxyresorufin-o-dealkylase (EROD) in the liver of pearl cichlid (Geophagus brasiliensis) and catfish (Hypostomus affinis and Hypostomus luetkeni). Physiological features, including condition factor and liver somatic index were calculated to assess fish condition. Fishes were caught at Paraiba do Sul river and tributaries in the rainny and dry season. Geophagus brasiliensis, H. affinis e H. luetkeni presented higher condition factor at the rainny season than at the dry season. G. brasiliensis caught from Volta Redonda presented the highest hepatic index. The frequency of micronucleated erythrocytes in three species was quite reduced ( ) revealing the absence of genotoxic damage. EROD activity in G. brasiliensis was higher than in catfish. In Levy Gasparian city we caught 21 specimens and it was possible to evaluate differences in EROD activity between males and females. Males G. brasiliensis EROD activity was higher than in females. This activity in G. brasiliensis varied among the sampling sites and the highest values were registered in fish from São Luiz do Paraitinga, Barra Mansa, Levy Gasparian, Três Rios and Sapucaia. Lowest values were registered in fish from Paraibuna, Italva, Rio das Flores, Santo Antônio de Pádua and Campos. Metal levels were low in muscles of the three species at all sampling sites. G. brasiliensis was most sensitive to EROD activity than catfish. The mooxigenases activity in fish should be used as a monitoring tool to detect contamination of water bodies by cytochrome P- 450-indicing agents. Metal levels found in fish muscles did not represent a risk to population health. This study did not demonstrated genotoxicity damage in the fish caught because it we did not observe a high frequency of micronuclei in peripheral blood erythrocytes. Keywords: biomarkers, EROD activity, micronuclei frequencies, G. brasiliensis, H. affinis e H. luetkeni. xi

12 Sumário Dedicatória...v Agradecimentos...vi Epígrafe...viii Resumo...x Abstract...xi Sumário...xii Lista de Tabelas...xv Lista de Figuras...xviii Lista de Quadros...xx Lista de Siglas e Abreviaturas...xxi 1. Introdução Biomarcadores Índice hepático e Fator de condição Índice Hepático (IH) Fator de condição (FC) Determinação da freqüência do micronúcleo no monitoramento da poluição ambiental Divisão celular e formação de micronúcleos Determinação da freqüência de micronúcleos (MN) em peixes Determinação da atividade enzimática EROD (Etoxiresorufina O-desetilase) como biomarcador de susceptibilidade da poluição ambiental Biotransformação Citocromo P Indução do citocromo P450 - CYP1A Atividade de EROD em peixes Metais Ictiofauna Teleósteos de água doce Cichlidae Loricariidae Bacia do rio Paraíba do Sul...43 xii

13 1.7.1 Usos da Bacia do rio Paraíba do Sul Área de Estudo Objetivos Metodologia Locais de coleta Atividades em campo: Coleta, processamento de peixes e medidas das variáveis físico-químicas Índice hepático e fator de condição Determinação da freqüência de Micronúcleo Determinação da Atividade Enzimática EROD Preparo da fração citosólica (S9) hepática Determinação da concentração de proteínas na fração S Determinação da Atividade enzimática EROD Análise de metais Análise das concentrações totais de cromo, cobre, zinco, chumbo, níquel e manganês Análise de mercúrio total Análises Estatísticas Reagentes, Soluções, Padrões, Substratos, cofatores e outras substâncias utilizadas Preparo do esfregaço do sangue periférico, coloração e contagem das lâminas Preparação da fração citosólica (S9) hepática Determinação da concentração de proteínas na fração S Determinação da Atividade enzimática EROD Análise de cromo, cobre, zinco, manganês, chumbo e níquel Análise de mercúrio total Resultados Peixes coletados Medidas das variáveis físicas e físico-químicas Índice hepático e fator de condição Índice Hepático Fator de Condição Determinação da freqüência de micronúcleos...92 xiii

14 4.5 Determinação da Atividade de Etoxiresorufina-O-desetilase (EROD) na fração S9 hepática Quantificação de Metais Discussão Medidas das variáveis físicas e físico-químicas Índice hepático e fator de condição Índice Hepático Fator de Condição Determinação da freqüência de micronúcleos Determinação da Atividade Etoxiresorufina-O-desetilase (EROD) na fração S9 hepática Diferenças interespecíficas na atividade de EROD Diferenças entre machos e fêmeas na atividade de EROD Inibição da atividade de EROD Quantificação de Metais Conclusões Recomendações Referências Bibliográficas Anexos Anexo Anexo Anexo xiv

15 Lista de Tabelas Tabela 1: Avaliação de biomarcadores em peixes utilizando critérios propostos por Stegman (1992)...29 Tabela 2: Distribuição dos locais de coleta por unidade geográfica da bacia do rps Tabela 3: Localização geográfica (Latitude e longitude) dos locais em que foram realizadas as coletas do estudo Tabela 4: Número de peixes (G. brasiliensis, H. affinis e H. luetkeni) coletados nos períodos de chuvas e estiagem nas diferentes regiões estudadas da bacia do rio Paraíba do Sul...74 Tabela 5: Variáveis físicas e físico-químicas da água medidos em diferentes pontos ao longo da bacia do rio Paraíba do Sul no período de chuvas Tabela 6: Variáveis físicas e físico-químicas da água medidas em diferentes pontos ao longo da bacia do rio Paraíba do Sul no período de estiagem Tabela 7: Classificação dos valores de IHs médios de G. brasiliensis coletados em diferentes regiões e períodos...80 Tabela 8: Classificação dos valores de IHs médios de H. affinis coletados em diferentes regiões e períodos...81 Tabela 9: Classificação dos valores de IHs médios de H. luetkeni coletados em diferentes regiões e períodos Tabela 10: Índices Hepáticos de G. brasiliensis, H. affinis e H. luetkeni em diferentes regiões ao longo da bacia do rio Paraíba do Sul no período de chuvas...83 Tabela 11: Índices Hepáticos de G. brasiliensis, H. affinis e H. luetkeni em diferentes regiões ao longo da bacia do rio Paraíba do Sul no período de estiagem...84 Tabela 12: Valores do Fator de Condição isométrico de G. brasiliensis, coletados em diferentes regiões ao longo da bacia do rio Paraíba do Sul nos períodos de chuvas e estiagem...88 Tabela 13: Valores do Fator de Condição isométrico de H. affinis, coletados em diferentes regiões ao longo da bacia do rio Paraíba do Sul nos períodos de chuvas e estiagem...89 Tabela 14: Valores do Fator de Condição isométrico de H. luetkeni,, coletados em diferentes regiões ao longo da bacia do rio Paraíba do Sul nos períodos de chuvas e estiagem...90 xv

16 Tabela 15: Freqüência de eritrócitos com micronúcleos no sangue de G. brasiliensis coletados em diferentes regiões ao longo da bacia do rio Paraíba do Sul nos períodos de chuva e estiagem...92 Tabela 16: Freqüência de eritrócitos com micronúcleos no sangue de H. affinis e H. luetkeni coletados em diferentes regiões ao longo da bacia do rio Paraíba do Sul no período de chuvas Tabela 17: Freqüência de eritrócitos com micronúcleos no sangue de H. affinis e H. luetkeni coletados em diferentes regiões ao longo da bacia do rio Paraíba do Sul no período de estiagem Tabela 18: Enquadramento das regiões de coleta, nos períodos de chuva e estiagem, segundo faixas crescentes de atividade de EROD em fração S9 hepática de G. brasiliensis. Para classificação foram utilizados os valores da mediana de cada região (representada pelos códigos) Tabela 19: Concentração de metais no músculo de G. brasiliensis coletados ao longo da bacia do rio Paraíba do Sul no período de chuvas. Níveis máximos permitidos de acordo com a regulamentação brasileira (ANVISA) Tabela 20: Concentração de metais no músculo de G. brasiliensis coletados ao longo da bacia do rio Paraíba do Sul no período de estiagem. Níveis máximos permitidos de acordo com a regulamentação brasileira (ANVISA) Tabela 21: Concentração de metais no músculo de H. luetkeni coletados ao longo da bacia do rio Paraíba do Sul no período de chuvas. Níveis máximos permitidos de acordo com a regulamentação brasileira (ANVISA) Tabela 22: Concentração de metais no músculo de H. affinis e H. luetkeni coletados ao longo da bacia do rio Paraíba do Sul no período de estiagem. Níveis máximos permitidos de acordo com a regulamentação brasileira (ANVISA) Tabela 23: Comparação das freqüências de micronúcleos em eritrócitos de peixes em diferentes estudos Anexo 1 Anexos Tabela 1a: Parâmetros morfométricos de G. brasiliensis coletados em diferentes regiões ao longo da bacia do rio Paraíba do Sul no período de chuvas xvi

17 Tabela 2a: Parâmetros morfométricos de H. affinis coletados em diferentes regiões ao longo da bacia do rio Paraíba do Sul no período de chuvas Tabela 3a: Parâmetros morfométricos de H. luetkeni coletados em diferentes regiões ao longo da bacia do rio Paraíba do Sul no período de chuvas Tabela 4a: Parâmetros morfométricos de G. brasiliensis coletados em diferentes regiões ao longo da bacia do rio Paraíba do Sul na época de estiagem Tabela 5a: Parâmetros morfométricos de H. affinis coletados em diferentes regiões ao longo da bacia do rio Paraíba do Sul na época da estiagem Tabela 6a: Parâmetros morfométricos de H. luetkeni coletados em diferentes regiões ao longo da bacia do rio Paraíba do Sul na época da estiagem Tabela 7a: Atividade de EROD na fração S9 hepática de G. brasiliensis coletados ao longo da bacia do rio Paraíba do Sul no período de chuvas Tabela 8a: Atividade de EROD na fração S9 hepática de H. affinis coletados ao longo da bacia do rio Paraíba do Sul no período de chuvas Tabela 9a: Atividade de EROD na fração S9 hepática de H. luetkeni coletados ao longo da bacia do rio Paraíba do Sul no período de chuvas Tabela 10a: Atividade de EROD na fração S9 hepática de G. brasiliensis coletados ao longo da bacia do rio Paraíba do Sul no período de estiagem Tabela 11a: Valores da atividade de EROD na fração S9 hepática de H. affinis coletados em diferentes regiões ao longo da bacia do rio Paraíba do Sul no período de chuvas Tabela 12a: Atividade de EROD na fração S9 hepática de H. luetkeni coletados ao longo da bacia do rio Paraíba do Sul no período de estiagem Anexo 2 Tabela 1b: Variáveis físicas e físico-químicas medidas na margem e calha central do rio Pomba em S.A.Pádua e no tanque de cultivo de peixes da Secretaria Municipal de Agricultura Tabela 2b: Comparação entre os resultados dos parâmetros morfométricos de Hypophthalmichthys molitrix, Oreochromis niloticus e Prochilodus lineatus em experimento in situ realizado no rio Pomba Tabela 3b: Comparação entre Valores da atividade de EROD em S9 hepática de Hypophthalmichthys molitrix, Oreochromis niloticus e Prochilodus lineatus em experimento in situ xvii

18 Lista de Figuras Figura 1: Esquema de respostas biológicas decorrentes de exposição a poluentes...27 Figura 2:Ilustração esquemática do mecanismo de formação de micronúcleo em células eucarióticas. [Adaptado de Al-Sabti, 1995]...33 Figura 3: Estrutura da protoporfirina férrica do grupo prostético do CYP Figura 4: Esquema da Indução mediada por receptor Ah do citocromo P4501A1. Adaptado de Okey, Figura 5: Localização geográfica da Bacia Hidrográfica do rio Paraíba do Sul abrangendo os Estados de São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro Figura 6: Perfil longitudinal do rio Paraíba do Sul, com a indicação das unidades geográficas adaptado de Bizerril (2001)...50 Figura 7: Comparação entre Índice Hepático de G. brasiliensis coletado em diferentes regiões ao longo da bacia do rio Paraíba do Sul nos períodos de chuvas e estiagem...80 Figura 8: Comparação entre Índices Hepáticos de H.affinis e H. luetkeni coletados em diferentes regiões ao longo da bacia do rio Paraíba do Sul, nos períodos de chuvas e estiagem...82 Figura 9: Distribuição dos Fatores de Condição (*10 5 ) de todos os G. brasiliensis coletados nas regiões estudadas nos períodos de chuva e estiagem Figura 10: Fator de Condição (média±desvio padrão) de G. brasiliensis coletados nos períodos de chuvas e estiagem.* - p<0, Figura 11: Fatores de condição de G. brasiliensis coletado em diferentes regiões ao longo da bacia do rio Paraíba do Sul nos períodos de chuvas e estiagem Figura 12: Fatores de Condição de H.affinis e H. luetkeni coletados em diferentes regiões ao longo da bacia do rio Paraíba do Sul nos períodos de chuvas e estiagem...91 Figura 13: Distribuição dos valores de atividade de EROD (pmol de resorufina/min/mg de proteína) em G. brasiliensis utilizados neste estudo nas diferentes regiões da bacia do rio Paraíba do Sul nos períodos de chuvas e estiagem Figura 14: Atividade de EROD em S9 hepática de G. brasiliensis coletados em diferentes regiões da bacia do rio Paraíba do Sul no período de chuvas...98 Figura 15: Atividade de EROD em S9 hepática de G. brasiliensis coletados em diferentes regiões da bacia do rio Paraíba do Sul no período de estiagem...99 xviii

19 Figura 16: Comparação das atividades de EROD em G. brasiliensis entre os períodos de chuva e estiagem Figura 17: Atividade de EROD entre machos e fêmeas de G. brasiliensis coletados no rio Paraibuna-mineiro na cidade de Levy Gasparian (Região 8). * - P=0, Figura 18: Atividade de EROD entre fêmeas e fêmeas ovadas de G. brasiliensis coletados no rio Paraibuna-mineiro na cidade de Levy Gasparian (Região 8) Figura 19: Comparação da atividade de EROD em S9 hepática em H. affinis e H. luetkeni coletados nas regiões de coleta no período de chuvas(média ± desvio padrão) Figura 20: Comparação da atividade de EROD em S9 hepática em H. affinis e H. luetkeni coletados nas regiões de coleta no período de estiagem (média ± desvio padrão) Figura 21: Correlação entre atividade de EROD e Índice Hepático de G brasiliensis coletados no período de chuvas e estiagem Anexos Anexo 2 Figura 1b: Comparação da atividade de EROD entre os grupos controle e experimental da Oreochromis niloticus Figura 2b: Comparação da atividade de EROD entre os grupos controle e experimental de Hypophthalmichthys molitrix Figura 3b: Comparação da atividade de EROD entre os grupos controle e experimental de Prochilodus lineatus Anexo 3 Figura 1c:Foto de Geophagus brasiliensis coletado no rio Paraíba do Sul em Três Rios.166 Figura 2c: Foto de H. affinis coletado no rio Paraíba do Sul em Três Rios Figura 3c: Fêmea ovada de H. affinis Figura 4c: Fígado de G. brasiliensis Figura 5c: Eritrócitos do sangue periférico de H. luetkeni coletado no rio Preto em Rio das Flores. Em destaque está a célula com micronúcleo xix

20 Lista de Quadros Quadro 1: Características gerais dos principais rios da bacia do rio Paraíba do Sul. Adaptado de Bizerril (1999)...48 Lista de Esquemas Esquema 1: Relação entre matriz do peixe e o tipo de análise realizada e os processos realizados em campo e laboratório...72 xx

21 Lista de Siglas e Abreviaturas ACHE Acetilcolina Ah - receptor Ah - aryl hydrocarbon ALT - alanina transaminase ANA Agência Nacional de Águas ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária AST aspartato trasnsaminase ATSDR Agency for Toxic Substances and Disease Registry Bile FAC - metabólitos fluorescentes de HPA na bile CAT Catalase c.a. cerca de CEDAE - Companhia de Águas e Esgotos do Estado do Rio de Janeiro CETESB Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental CO - monóxido de carbono CONAMA - Conselho Nacional do Meio Ambiente Cr cromo Cu cobre CYP1A- Citocromos P450-1A (subfamília) CYP1A1 - Citocromo P450-1A1 (isoforma) CYP450 - citrocomo P450 DDT dicloro-difenil-tricloroetano DMSO dimetil sufóxido DNA ácido dexorribonucleico DNA add adutos de DNA DNA dam - danos ao DNA DO - densidade ótica EDTA - Ácido etilenotetraamino ENSP Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca EROD - Etoxiresorufina O-desetilase FAO Food and Agriculture Organization of the United Nations - Organização das Nações Unidas para Alimentos e Agricultura FC Fator de condição FEEMA - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente xxi

22 FIOCRUZ Fundação Oswaldo Cruz GPS - Sistema de Georreferenciamento por Satélite GST - Glutationa-S-tranferase ha - hectares Hg mercúrio HPAs - hidrocarbonetos aromáticos policíclicos HSP - proteínas de choque térmico IB/UFRRJ Instituto de Biologia da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IDA Ingestão Diária Aceitável IH Índice Hepático Leuc Leucócitos LIGHT Serviços de Eletricidade S/A Linf - Linfócitos MG Estado de Minas Gerais Mn manganês MN - Micronúcleo mrna Ácido ribonucléico mensageiro MT Metalotioneínas MXR resistência a multixenobióticos Ni - níquel NRC - National Research Council O 2 - oxigênio molecular ºC grau Celsius OD - oxigênio dissolvido PA para análise Pb chumbo PCBs Bifenilas policloradas PCDDs - dibenzo-p-dioxinas policloradas PCDFs - dibenzofuranos policlorados ph Potencial de hidrogenação PR- Paraná qsp quantidade suficiente para rps Rio Paraíba do Sul xxii

23 SIG Sistema de Informações Geográficas SOD - Superóxido dismutase TBT - tributil de estanho TPT - trifenil de estanho UDPGT Glucuronil transferases UFRJ Universidade Federal do Rio de Janeiro VTG - vitelogenina WHO World Health Organization - Organização Mundial de Saúde Zn zinco ZRP Proteínas da zona radiata xxiii

24 1. Introdução A aceleração do processo de urbanização e industrialização, ocorrido principalmente após a Segunda Guerra Mundial, resultou no aumento da poluição hídrica. Cada vez mais a contaminação/ poluição das águas se torna um problema maior e mais complexo em nossa sociedade. Em virtude deste fato cresce a preocupação de diversos setores, inclusive do setor de saúde, em relação à escassez de água potável em algumas comunidades; à contaminação da população por poluentes encontrados na água e/ou biota; às doenças veiculadas pelas águas, e a outros problemas que refletem um desenvolvimento não sustentado. Tradicionalmente, o impacto de descargas de poluentes em ecossistemas aquáticos tem sido avaliado no meio abiótico (água ou sedimento) por meio da quantificação das substâncias químicas. Esta abordagem, apesar de fornecer informações úteis, tem algumas limitações (e.g. não fornece informações sobre a biodisponibilidade da substância química). Inferências sobre o impacto da contaminação ambiental na biota requerem um conhecimento prévio dos possíveis efeitos adversos induzidos por poluentes nos organismos. Tais efeitos podem aparecer em vários níveis organizacionais de complexidade, desde o molecular, celular, individual, até o nível de comunidade. Atualmente observa-se nos trabalhos de pesquisa científica uma tendência em se utilizar um conjunto de marcadores de poluição para detectar alterações induzidas por xenobióticos sobre os organismos. Neste sentido, uma ampla gama de biomarcadores tem sido proposta para detecção de respostas a poluentes químicos na biota e para o monitoramento da contaminação de ecossistemas aquáticos. 1.1 Biomarcadores Apesar do emprego de alguns biomarcadores apresentar longa história na medicina e saúde pública, o desenvolvimento sistemático, a validação e a aplicação de biomarcadores é um campo relativamente novo (Shugart, 1992). Biomarcadores podem servir como um elemento comum em estudos com diferentes abordagens, tais como estudos epidemiológicos, estudos experimentais e estudos em campo com plantas ou animais (Anderson, 1994). Muitas definições têm sido propostas para o termo biomarcador. Este termo pode ser usado, de forma geral, para qualquer medida que reflita uma interação entre um sistema biológico e um dano potencial, que pode ser químico, físico ou biológico (Van der Oost, 24

4 Monitoramento ambiental

4 Monitoramento ambiental 4 Monitoramento ambiental O monitoramento ambiental é uma importante ferramenta para a administração dos recursos naturais. Este oferece conhecimento e informações básicas para avaliar a presença de contaminantes,

Leia mais

Vera Lúcia de Castro Jaguariúna, 2006.

Vera Lúcia de Castro Jaguariúna, 2006. Aspectos do biomonitoramento da toxicidade perinatal pelos agroquímicos Vera Lúcia de Castro Jaguariúna, 2006. A contaminação ambiental por agroquímicos pode causar efeitos negativos aos recursos naturais

Leia mais

ESCOLA MUNICIPAL IRMÃ DULCE SILVANA MARIA DE LARA ENSINO RELIGIOSO

ESCOLA MUNICIPAL IRMÃ DULCE SILVANA MARIA DE LARA ENSINO RELIGIOSO ESCOLA MUNICIPAL IRMÃ DULCE SILVANA MARIA DE LARA ENSINO RELIGIOSO O MEIO AMBIENTE É SAGRADO Há quem passe pelo bosque e só veja lenha para a fogueira." Leão Tolstoi SÃO JOSÉ DOS PINHAIS 2012 ESTE PROJETO

Leia mais

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE Cláudio Martin Jonsson Vera Lúcia Castro Jaguariúna, outubro 2005. O modelo de agricultura utilizado atualmente visa

Leia mais

A função básica do ciclo celular das células somáticas é duplicar todo o conteúdo de DNA...

A função básica do ciclo celular das células somáticas é duplicar todo o conteúdo de DNA... Atividade extra Fascículo 4 Biologia Unidade 9 Questão 1 A função básica do ciclo celular das células somáticas é duplicar todo o conteúdo de DNA. O processo de divisão celular é composto por cinco etapas:

Leia mais

NÚCLEO e DIVISÃO CELULAR

NÚCLEO e DIVISÃO CELULAR NÚCLEO e DIVISÃO CELULAR CÉLULA EUCARIONTE Cláudia Minazaki NÚCLEO Único; Normalmente: central Formato: acompanha a forma da célula Tamanho: varia com o funcionamento da célula Ciclo de vida da célula

Leia mais

Métodos de investigação em genotoxicidade em ensaios pré-clínicos de novos fitomedicamentos. Antonio Luiz Gomes Júnior

Métodos de investigação em genotoxicidade em ensaios pré-clínicos de novos fitomedicamentos. Antonio Luiz Gomes Júnior Métodos de investigação em genotoxicidade em ensaios pré-clínicos de novos fitomedicamentos Antonio Luiz Gomes Júnior Genotoxicidade Definição: é o setor da genética que estuda os processos que alteram

Leia mais

Monitoramento da Exposição a Substâncias Químicas de Interesse Ambiental e Ocupacional. Armando Meyer IESC/UFRJ

Monitoramento da Exposição a Substâncias Químicas de Interesse Ambiental e Ocupacional. Armando Meyer IESC/UFRJ Monitoramento da Exposição a Substâncias Químicas de Interesse Ambiental e Ocupacional Armando Meyer IESC/UFRJ Roteiro Monitoramento ocupacional e ambiental Porque monitorar? O que é? O que medir? Onde

Leia mais

Módulo Intérfase. Tarefa de Fixação 1) Analise o esquema a seguir e depois RESPONDA as questões propostas.

Módulo Intérfase. Tarefa de Fixação 1) Analise o esquema a seguir e depois RESPONDA as questões propostas. Módulo Intérfase Exercícios de Aula 1) A interfase é a fase em que ocorre o repouso celular. A afirmativa está: a) correta, porque praticamente não há atividade metabólica celular. b) correta, pois ocorrem

Leia mais

3º trimestre- LISTA DE EXERCICIOS - Biologia - CESINHA Ensino Médio 1º ano classe: Prof. Cesinha Nome: nº

3º trimestre- LISTA DE EXERCICIOS - Biologia - CESINHA Ensino Médio 1º ano classe: Prof. Cesinha Nome: nº . 3º trimestre- LISTA DE EXERCICIOS - Biologia - CESINHA Ensino Médio 1º ano classe: Prof. Cesinha Nome: nº Valor: 10 Nota:. 1. (Uel 2015) Leia o texto a seguir. Quando se fala em divisão celular, não

Leia mais

2 - Biodisponibilidade. Biodisponibilidade Velocidade e extensão de absorção de um fármaco a partir de uma forma de administração

2 - Biodisponibilidade. Biodisponibilidade Velocidade e extensão de absorção de um fármaco a partir de uma forma de administração 2 - Biodisponibilidade TOXICOCINÉTICA Biodisponibilidade Velocidade e extensão de absorção de um fármaco a partir de uma forma de administração Fator de Biodisponibilidade (F) Fração da dose administrada

Leia mais

PROVA BIMESTRAL Ciências

PROVA BIMESTRAL Ciências 6 o ano 2 o bimestre PROVA BIMESTRAL Ciências Escola: Nome: Turma: n o : 1. Os animais apresentam diferentes formas de locomoção, alimentação e revestimento do corpo, características estas que os organizam

Leia mais

AGRICULTURA URBANA. Principais ameaças à prática da Agricultura urbana

AGRICULTURA URBANA. Principais ameaças à prática da Agricultura urbana AGRICULTURA URBANA Principais ameaças à prática da Agricultura urbana 19 de Junho de 2012 AGRICULTURA URBANA A actividade agrícola urbana está sujeita a várias fontes de poluição que podem afectar a qualidade

Leia mais

Questões complementares

Questões complementares Questões complementares 1. Definir célula e os tipos celulares existentes. Caracterizar as diferenças existentes entre os tipos celulares. 2. Existe diferença na quantidade de organelas membranares entre

Leia mais

QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL. O 2(g) O 2(aq)

QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL. O 2(g) O 2(aq) QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL Questão 01 O agente oxidante mais importante em águas naturais é, sem a menor dúvida, o oxigênio molecular dissolvido, O 2. O equilíbrio entre o oxigênio

Leia mais

METAIS PESADOS NO AMBIENTE. PRINCIPAIS : Hg, Pb, Cd, As (USO EXTENSIVO, TOXICIDADE, LARGA DISTRIBUIÇÃO, OCORRÊNCIA FREQUENTE DE NÍVEIS TÓXICOS.

METAIS PESADOS NO AMBIENTE. PRINCIPAIS : Hg, Pb, Cd, As (USO EXTENSIVO, TOXICIDADE, LARGA DISTRIBUIÇÃO, OCORRÊNCIA FREQUENTE DE NÍVEIS TÓXICOS. METAIS PESADOS NO AMBIENTE PRINCIPAIS : Hg, Pb, Cd, As (USO EXTENSIVO, TOXICIDADE, LARGA DISTRIBUIÇÃO, OCORRÊNCIA FREQUENTE DE NÍVEIS TÓXICOS. COMPORTAMENTO NO AMBIENTE: NÃO SÃO DEGRADÁVEIS? ACUMULAM NO

Leia mais

"Testes toxicológicos e biomarcadores: uma abordagem integrativa no âmbito do INCT-TA"

Testes toxicológicos e biomarcadores: uma abordagem integrativa no âmbito do INCT-TA "Testes toxicológicos e biomarcadores: uma abordagem integrativa no âmbito do INCT-TA" Adalto Bianchini Universidade Federal do Rio Grande Instituto de Ciências Biológicas Rio Grande, RS, Brasil adaltobianchini@furg.br

Leia mais

O núcleo celular é uma estrutura presente nas células eucarióticas, que contém o DNA da célula. denominado interfase (núcleo interfásico).

O núcleo celular é uma estrutura presente nas células eucarióticas, que contém o DNA da célula. denominado interfase (núcleo interfásico). NÚCLEO E DIVISÃO CELULAR NÚCLEO E DIVISÃO CELULAR O núcleo celular é uma estrutura presente nas células eucarióticas, que contém o DNA da célula. Período em que a célula não se encontra em divisão é denominado

Leia mais

Mitose e Meiose. Trabalho realizado por Ana Catarina Cúcio, nº 36088 Catarina Maia, nº 38365 Mafalda Pereira, nº 37533

Mitose e Meiose. Trabalho realizado por Ana Catarina Cúcio, nº 36088 Catarina Maia, nº 38365 Mafalda Pereira, nº 37533 Genetica e Selecção em Aquacultura Mestrado em Biologia Marinha Universidade do Algarve Mitose e Meiose Trabalho realizado por Ana Catarina Cúcio, nº 36088 Catarina Maia, nº 38365 Mafalda Pereira, nº 37533

Leia mais

Módulo Núcleo. 2) O esquema a seguir apresenta um experimento realizado com uma alga unicelular.

Módulo Núcleo. 2) O esquema a seguir apresenta um experimento realizado com uma alga unicelular. Módulo Núcleo Exercícios de Aula 1) O envelope nuclear encerra o DNA e define o compartimento nuclear. Assinale a afirmativa INCORRETA sobre o envelope nuclear. a) É formado por duas membranas concêntricas

Leia mais

O CITOPLASMA E SUAS ORGANELAS

O CITOPLASMA E SUAS ORGANELAS O CITOPLASMA E SUAS ORGANELAS Citoplasma região entre a membrana plasmática e o núcleo (estão presentes o citosol e as organelas). Citosol material gelatinoso formado por íons e moléculas orgânicas e inorgânicas

Leia mais

Guia do Professor Distribuição de água no planeta

Guia do Professor Distribuição de água no planeta Guia do Professor Distribuição de água no planeta Introdução Sempre se ouviu falar que o nosso planeta deveria se chamar Planeta Água e não Planeta Terra. Esta idéia deriva da visualização da Terra do

Leia mais

02/07/2014. Heider Lopes Rayssa Simão. Osoloéumsistemavivo,dinâmicoenãorenovável; Habitat de diversos organismos;

02/07/2014. Heider Lopes Rayssa Simão. Osoloéumsistemavivo,dinâmicoenãorenovável; Habitat de diversos organismos; Universidade Federal de São Del Rei - Campus Sete Lagoas Engenharia Agronômica Impactos de xenobióticos e metais pesados na microbiota do solo Heider Lopes Rayssa Simão Osoloéumsistemavivo,dinâmicoenãorenovável;

Leia mais

Prova de Química e Biologia

Prova de Química e Biologia Provas Especialmente Adequadas Destinadas a Avaliar a Capacidade para a Frequência dos Cursos Superiores do IPVC dos Maiores de 23 Anos Prova de Química e Biologia Prova modelo Prova Específica de Química

Leia mais

Avaliação da toxicidade

Avaliação da toxicidade Para ajudar a proteger sua privacidade, o PowerPoint impediu o download automático desta imagem externa. Para baixar e exibir esta imagem, clique em Opções na Barra de Mensagens e clique em Habilitar conteúdo

Leia mais

Técnicas de manipulação cromossomica

Técnicas de manipulação cromossomica Técnicas de manipulação cromossomica Introdução Genética Contribuição Aquacultura Moderna Utilização de técnicas usadas em biotecnologia e engenharia genética Facilmente aplicadas nos peixes: Geralmente,

Leia mais

QUALIDADE ECOLÓGICA. Variáveis endógenas e exógenas; Indicadores e índices de qualidade ecológica; Toxicidade e análise de risco

QUALIDADE ECOLÓGICA. Variáveis endógenas e exógenas; Indicadores e índices de qualidade ecológica; Toxicidade e análise de risco QUALIDADE ECOLÓGICA Variáveis endógenas e exógenas; Indicadores e índices de qualidade ecológica; Toxicidade e análise de risco DETERMINAÇÃO DO ESTADO DE QUALIDADE ECOLÓGICA Parâmetros biológicos Indicadores

Leia mais

Organização do Material Genético nos Procariontes e Eucariontes

Organização do Material Genético nos Procariontes e Eucariontes Organização do Material Genético nos Procariontes e Eucariontes Organização do Material Genético nos Procariontes e Eucariontes Procariontes Eucariontes Localização Organização Forma Disperso no citoplasma

Leia mais

COMPOSIÇÃO QUÍMICA DA CARNE. Profª Sandra Carvalho

COMPOSIÇÃO QUÍMICA DA CARNE. Profª Sandra Carvalho COMPOSIÇÃO QUÍMICA DA CARNE Profª Sandra Carvalho A carne magra: 75% de água 21 a 22% de proteína 1 a 2% de gordura 1% de minerais menos de 1% de carboidratos A carne magra dos diferentes animais de abate

Leia mais

Núcleo Celular. Biomedicina primeiro semestre de 2012 Profa. Luciana Fontanari Krause

Núcleo Celular. Biomedicina primeiro semestre de 2012 Profa. Luciana Fontanari Krause Núcleo Celular Biomedicina primeiro semestre de 2012 Profa. Luciana Fontanari Krause Núcleo Celular Eucarioto: núcleo delimitado por membrana nuclear (carioteca) Portador dos fatores hereditários e controlador

Leia mais

APROFUNDAMENTO DE QUIMICA ORGÂNICA LISTA 04 09/10/2014. Assunto: Estudo das Funções Orgânicas

APROFUNDAMENTO DE QUIMICA ORGÂNICA LISTA 04 09/10/2014. Assunto: Estudo das Funções Orgânicas APROFUNDAMENTO DE QUIMICA ORGÂNICA LISTA 04 09/10/2014 Assunto: Estudo das Funções Orgânicas 01-( Medicina Jundiaí 2014 ) Considere as fórmulas estruturais de substâncias utilizadas como antibióticos:

Leia mais

Nestas últimas aulas irei abordar acerca das vitaminas. Acompanhe!

Nestas últimas aulas irei abordar acerca das vitaminas. Acompanhe! Aula: 31 Temática: Vitaminas parte I Nestas últimas aulas irei abordar acerca das vitaminas. Acompanhe! Introdução O termo vitamina refere-se a um fator dietético essencial requerido por um organismo em

Leia mais

A experiência Portuguesa na Incineradora de RH do Parque da Saúde de Lisboa

A experiência Portuguesa na Incineradora de RH do Parque da Saúde de Lisboa A experiência Portuguesa na Incineradora de RH do Parque da Saúde de Lisboa M. Fátima Reis Unidade de Saúde Ambiental 1 ESTRUTURA 1. Enquadramento 2. Vigilância Epidemiológica Fundamentação Componentes

Leia mais

BIOLOGIA NO ENEM: CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

BIOLOGIA NO ENEM: CONTEÚDO PROGRAMÁTICO BIOLOGIA NO ENEM: CONTEÚDO PROGRAMÁTICO O ENEM, Exame Nacional do Ensino Médio, em sua versão 2012, apresentará uma redação e 180 questões objetivas, divididas nas quatro áreas do conhecimento: - Ciências

Leia mais

ECOLOGIA GERAL FLUXO DE ENERGIA E MATÉRIA ATRAVÉS DE ECOSSISTEMAS

ECOLOGIA GERAL FLUXO DE ENERGIA E MATÉRIA ATRAVÉS DE ECOSSISTEMAS ECOLOGIA GERAL Aula 05 Aula de hoje: FLUXO DE ENERGIA E MATÉRIA ATRAVÉS DE ECOSSISTEMAS Sabemos que todos os organismos necessitam de energia para se manterem vivos, crescerem, se reproduzirem e, no caso

Leia mais

CAPÍTULO 02 A TEIA ALIMENTAR

CAPÍTULO 02 A TEIA ALIMENTAR CAPÍTULO 02 A TEIA ALIMENTAR Cadeia alimentar: é uma seqüência de seres vivos relacionando-se dentro de um ecossistema, onde um ser serve de alimento para outro ser. Exemplo: Capim capivara onça bactéria

Leia mais

PADRÕES DE QUALIDADE DE ÁGUA

PADRÕES DE QUALIDADE DE ÁGUA PADRÕES DE QUALIDADE DE ÁGUA Dra Gisela de Aragão Umbuzeiro gerente da Divisão de Toxicologia, Genotoxicidade e Microbiologia da CETESB prof a. do curso de pós graduação da FCF e da FM da USP giselav@cetesbnet.sp.gov.br

Leia mais

EXAME DE BIOLOGIA Prova de Acesso - Maiores 23 Anos (21 de Abril de 2009)

EXAME DE BIOLOGIA Prova de Acesso - Maiores 23 Anos (21 de Abril de 2009) INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA EXAME DE BIOLOGIA Prova de Acesso - Maiores 23 Anos (21 de Abril de 2009) Nome do Candidato Classificação Leia as seguintes informações com atenção. 1. O exame é constituído

Leia mais

Alimentos Funcionais: Regulamentação e desafios para o uso de alegações no Brasil

Alimentos Funcionais: Regulamentação e desafios para o uso de alegações no Brasil Alimentos Funcionais: Regulamentação e desafios para o uso de alegações no Brasil FOODSTAFF Assessoria de Alimentos Ltda. setembro/ 2012 Agenda Alimentos Funcionais e Novos Alimentos O Mercado de Alimentos

Leia mais

A Qualidade da Água nas Cidades de Campina Grande e Taperoá. *gicelia.moreira2009@gmail.com

A Qualidade da Água nas Cidades de Campina Grande e Taperoá. *gicelia.moreira2009@gmail.com A Qualidade da Água nas Cidades de e Gicélia Moreira (ID) 1,AntonioJoão S. Filho(ID) 1 Nataline C. S. Barbosa (ID) 1 Antonio N. de Souza (PG) Departamento de Química CCT-UEPB *gicelia.moreira2009@gmail.com

Leia mais

Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental

Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental 1.CURSOS COM ÊNFASE EM : Gestão Ambiental de Empresas 2. CONCEPÇÃO DOS CURSOS: O Brasil possui a maior reserva ecológica do planeta sendo o número um em

Leia mais

NVRAnB/ DVAS/ CEVS/SES

NVRAnB/ DVAS/ CEVS/SES ÁREAS CONTAMINADAS : RISCOS À SAÚDE HUMANA Seminário Sul-Brasileiro de Gerenciamento de Áreas Contaminadas 3 e 4 de setembro de 2012, Porto Alegre RS NVRAnB/ DVAS/ CEVS/SES P R O M O Ç Ã O DETERMINANTES

Leia mais

CITOPLASMA. Características gerais 21/03/2015. Algumas considerações importantes: 1. O CITOPLASMA DAS CÉLULAS PROCARIÓTICAS

CITOPLASMA. Características gerais 21/03/2015. Algumas considerações importantes: 1. O CITOPLASMA DAS CÉLULAS PROCARIÓTICAS CITOPLASMA Algumas considerações importantes: Apesar da diversidade, algumas células compartilham ao menos três características: Biologia e Histologia São dotadas de membrana plasmática; Contêm citoplasma

Leia mais

Painéis Do Organismo ao Genoma

Painéis Do Organismo ao Genoma Painéis Do Organismo ao Genoma A série de 5 painéis do organismo ao genoma tem por objetivo mostrar que os organismos vivos são formados por células que funcionam de acordo com instruções contidas no DNA,

Leia mais

Hoje estudaremos a bioquímica dos ácidos nucléicos. Acompanhe!

Hoje estudaremos a bioquímica dos ácidos nucléicos. Acompanhe! Aula: 2 Temática: Ácidos Nucléicos Hoje estudaremos a bioquímica dos ácidos nucléicos. Acompanhe! Introdução: Os ácidos nucléicos são as moléculas com a função de armazenamento e expressão da informação

Leia mais

24/8/2013 ALIMENTOS ORGÂNICOS ALIMENTOS ORGÂNICOS

24/8/2013 ALIMENTOS ORGÂNICOS ALIMENTOS ORGÂNICOS TRANSGÊNICOS Os alimentos transgênicos são geneticamente modificados com o objetivo de melhorar a qualidade e aumentar a produção e a resistência às pragas. Pontos positivos - Aumento da produção - Maior

Leia mais

A descoberta da célula

A descoberta da célula A descoberta da célula O que são células? As células são a unidade fundamental da vida CITOLOGIA A área da Biologia que estuda a célula, no que diz respeito à sua estrutura e funcionamento. Kytos (célula)

Leia mais

7.012 Conjunto de Problemas 5

7.012 Conjunto de Problemas 5 Nome Seção 7.012 Conjunto de Problemas 5 Pergunta 1 Enquanto estudava um problema de infertilidade, você tentou isolar um gene hipotético de coelho que seria responsável pela prolífica reprodução desses

Leia mais

PLANIFICAÇÃO CIÊNCIAS NATURAIS (8.º ANO) 2015/2016 Docentes: João Mendes, Madalena Serra e Vanda Messenário

PLANIFICAÇÃO CIÊNCIAS NATURAIS (8.º ANO) 2015/2016 Docentes: João Mendes, Madalena Serra e Vanda Messenário PLANIFICAÇÃO CIÊNCIAS NATURAIS (8.º ANO) 2015/2016 Docentes: João Mendes, Madalena Serra e Vanda Messenário 1 Metras Curriculares Estratégias Tempo Avaliação TERRA UM PLANETA COM VIDA Sistema Terra: da

Leia mais

Questão 89. Questão 91. Questão 90. alternativa A. alternativa E

Questão 89. Questão 91. Questão 90. alternativa A. alternativa E Questão 89 O esquema representa o sistema digestório humano e os números indicam alguns dos seus componentes. Nível de açúcar no sangue mg/100ml 200 150 100 50 B A 0 1 2 3 4 5 Número de horas após a alimentação

Leia mais

IESA-ESTUDO DIRIGIDO 1º SEMESTRE 8º ANO - MANHÃ E TARDE- DISCIPLINA: CIÊNCIAS PROFESSORAS: CELIDE E IGNÊS. Aluno(a): Turma:

IESA-ESTUDO DIRIGIDO 1º SEMESTRE 8º ANO - MANHÃ E TARDE- DISCIPLINA: CIÊNCIAS PROFESSORAS: CELIDE E IGNÊS. Aluno(a): Turma: IESA-ESTUDO DIRIGIDO 1º SEMESTRE 8º ANO - MANHÃ E TARDE- DISCIPLINA: CIÊNCIAS PROFESSORAS: CELIDE E IGNÊS Aluno(a): Turma: Querido (a) aluno (a), Este estudo dirigido foi realizado para que você revise

Leia mais

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Parâmetros de qualidade da água Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Coloração - COR Variáveis Físicas associada à presença

Leia mais

CRITÉRIOS PARA QUALIDADE DA ÁGUA

CRITÉRIOS PARA QUALIDADE DA ÁGUA CRITÉRIOS PARA QUALIDADE DA ÁGUA Profa. Dra Gisela de Aragão Umbuzeiro FACULDADE DE TECNOLOGIA UNICAMP giselau@ft.unicamp.br CRITÉRIOS OU PADRÕES PARA SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS CRITÉRIOS DE QUALIDADE SÃO VALORES

Leia mais

As bactérias operárias

As bactérias operárias A U A UL LA As bactérias operárias Na Aula 47 você viu a importância da insulina no nosso corpo e, na Aula 48, aprendeu como as células de nosso organismo produzem insulina e outras proteínas. As pessoas

Leia mais

Rota de Aprendizagem 2015/16 5.º Ano

Rota de Aprendizagem 2015/16 5.º Ano Projeto 1 Onde existe Vida? Tempo Previsto: 4 quinzenas (do 1ºPeríodo) Ciências Naturais A ÁGUA, O AR, AS ROCHAS E O SOLO MATERIAIS TERRESTRES 1.ª Fase: Terra um planeta com vida 2.ª Fase: A importância

Leia mais

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana IV CONGRESSO BRASILEIRO DE QUALIDADE DO LEITE Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana Perigo (hazard): agente biológico, químico ou físico, ou propriedade do alimento

Leia mais

VI-004 MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO - RMSP

VI-004 MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO - RMSP VI-004 MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO - RMSP Armando Perez Flores (1) Bacharel em Química pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras

Leia mais

AVALIAÇÃO E REDUÇÃO DA TOXICIDADE DOS EFLUENTES HÍDRICOS O NOVO DESAFIO DAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS.

AVALIAÇÃO E REDUÇÃO DA TOXICIDADE DOS EFLUENTES HÍDRICOS O NOVO DESAFIO DAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS. AVALIAÇÃO E REDUÇÃO DA TOXICIDADE DOS EFLUENTES HÍDRICOS O NOVO DESAFIO DAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS. Ana Luiza Fávaro Piedade ACQUA CONSULTING SOLUÇÕES AMBIENTAIS LTDA. Atualmente já se sabe que cumprir

Leia mais

Mitocôndrias e Cloroplastos

Mitocôndrias e Cloroplastos Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Departamento de Morfologia Biologia Celular Mitocôndrias e Cloroplastos Características gerais de mitocôndrias e cloroplastos Mitocôndrias

Leia mais

Sistema de Informações Geográficas Avaliação da Qualidade de Água por meio do IQA utilizando um Sistema de Informação Geográfica (SIG)

Sistema de Informações Geográficas Avaliação da Qualidade de Água por meio do IQA utilizando um Sistema de Informação Geográfica (SIG) Universidade Federal do Espírito Santo Programa de Pós-graduação em Engenharia Ambiental Sistema de Informações Geográficas Aplicado à Recursos Hídricos Sistema de Informações Geográficas Avaliação da

Leia mais

BIOTECNOLOGIA. 2. Conceito de clonagem molecular

BIOTECNOLOGIA. 2. Conceito de clonagem molecular BIOTECNOLOGIA 1. Introdução Até a década de 70, o DNA era o componente celular mais difícil de ser analisado. Sua seqüência de nucleotídeos de enorme tamanho e monotonia química era geralmente analisada

Leia mais

Karina Pfrimer Pós-graduanda da FMRP-USP Mestre pelo Departamento de Clínica Médica da FMRP-USP

Karina Pfrimer Pós-graduanda da FMRP-USP Mestre pelo Departamento de Clínica Médica da FMRP-USP Biomarcardores Karina Pfrimer Pós-graduanda da FMRP-USP Mestre pelo Departamento de Clínica Médica da FMRP-USP Biomarcadores Os biomarcadores são componentes corporais de fluidos ou tecidos que apresentam

Leia mais

FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO I BIOENERGÉTICA: CICLO DE KREBS

FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO I BIOENERGÉTICA: CICLO DE KREBS FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO I BIOENERGÉTICA: CICLO DE KREBS Ciclo de Krebs Considerações Gerais Esta denominação decorre da homenagem ao bioquímico Hans Krebs, a qual lhe valeu o Prémio Nobel de Fisiologia

Leia mais

Relatório Parcial Expedição Rio Doce Pontos de Coleta Previamente Fixados pelos colaboradores da UFscar

Relatório Parcial Expedição Rio Doce Pontos de Coleta Previamente Fixados pelos colaboradores da UFscar Relatório Parcial Expedição Rio Doce Pontos de Coleta Previamente Fixados pelos colaboradores da UFscar Pontos em que a expedição da UnB participou do processo de coleta de água e sedimento entre os dias

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2ª PROVA PARCIAL DE BIOLOGIA Aluno(a): Nº Ano: 1º Turma: Data: 28/05/2011 Nota: Professora: Regina Valor da Prova: 40 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

Professor Antônio Ruas

Professor Antônio Ruas Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental Componente curricular: BIOLOGIA APLICADA Aula 3 Professor Antônio Ruas 1. Assuntos: Introdução à história geológica

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS 5.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS 5.º ANO DE CIÊNCIAS NATURAIS 5.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO No domínio da Água, o ar, as rochas e o solo - materiais terrestres, o aluno deve ser capaz de: Compreender a Terra como um planeta especial

Leia mais

ORGANELAS CITOPLASMÁTICAS. Prof. Emerson

ORGANELAS CITOPLASMÁTICAS. Prof. Emerson ORGANELAS CITOPLASMÁTICAS Prof. Emerson Algumas considerações importantes: Apesar da diversidade, algumas células compartilham ao menos três características: São dotadas de membrana plasmática; Contêm

Leia mais

PROCESSO SELETIVO BIOLOGIA ÁREA: CIÊNCIAS DA NATUREZA, MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS

PROCESSO SELETIVO BIOLOGIA ÁREA: CIÊNCIAS DA NATUREZA, MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS PROCESSO SELETIVO BIOLOGIA ÁREA: CIÊNCIAS DA NATUREZA, MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS Perceber e utilizar os códigos intrínsecos da Biologia. Relacionar o conhecimento das diversas disciplinas para o entendimento

Leia mais

ALUNO(a): Observe o esquema a seguir, no qual I e II representam diferentes estruturas citoplasmáticas.

ALUNO(a): Observe o esquema a seguir, no qual I e II representam diferentes estruturas citoplasmáticas. GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: DISCIPLINA: SÉRIE: 3º ano ALUNO(a): Lista de Exercícios NOTA: No Anhanguera você é + Enem Questão 01) Observe o esquema a seguir, no qual I e II representam diferentes estruturas

Leia mais

Plano de Educação Ambiental

Plano de Educação Ambiental Plano de Educação Ambiental Ano Lectivo 2007/08 da Quinta da Gruta, 28 de Setembro de 2007 Tipos de Actividades: Laboratoriais; Hortas; Animais; Cozinha; Atelier s Visitas temáticas; Dias Comemorativos

Leia mais

E C O L O G I A. Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que a tornam habitável

E C O L O G I A. Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que a tornam habitável E C O L O G I A Deriva do grego oikos, com sentido de casa e logos com sentido de estudo Portanto, trata-se do estudo do ambiente da casa Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que

Leia mais

objetivos Complexidade dos genomas II AULA Pré-requisitos

objetivos Complexidade dos genomas II AULA Pré-requisitos Complexidade dos genomas II AULA 31 objetivos Ao final desta aula, você deverá ser capaz de: Explicar os fatores envolvidos com a complexidade dos genomas de eucariotos. Descrever as principais características

Leia mais

Metais Pesados Tóxicos. -Classe de elementos químicos muitos dos quais venenosos para os seres humanos; p. ex: As, Pb, Cd, Hg.

Metais Pesados Tóxicos. -Classe de elementos químicos muitos dos quais venenosos para os seres humanos; p. ex: As, Pb, Cd, Hg. Metais Pesados Tóxicos -Classe de elementos químicos muitos dos quais venenosos para os seres humanos; p. ex: As, Pb, Cd, Hg. -Locais de fixação final desses metais pesados: Solos e Sedimentos; Características

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 20 ECOLOGIA

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 20 ECOLOGIA BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 20 ECOLOGIA Como pode cair no enem (ENEM) Várias estratégias estão sendo consideradas para a recuperação da diversidade biológica de um ambiente degradado, dentre elas, a criação

Leia mais

O que é preciso para desenvolver uma experiência global sobre florestas e mudanças climáticas?

O que é preciso para desenvolver uma experiência global sobre florestas e mudanças climáticas? O que é preciso para desenvolver uma experiência global sobre florestas e mudançasclimáticas? Entrevista com o Dr. Stuart Davies, Diretor do CentrodeCiênciasFlorestaisdoTrópico Em2007,oBancoHSBCdoou100milhõesde

Leia mais

MEDICINA VETERINÁRIA. Disciplina: Genética Animal. Prof a.: Drd. Mariana de F. G. Diniz

MEDICINA VETERINÁRIA. Disciplina: Genética Animal. Prof a.: Drd. Mariana de F. G. Diniz MEDICINA VETERINÁRIA Disciplina: Genética Animal Prof a.: Drd. Mariana de F. G. Diniz Gene, é a unidade fundamental da hereditariedade. Cada gene é formado por uma sequência específica de ácidos nucléicos

Leia mais

Avaliação de Risco Ecológico

Avaliação de Risco Ecológico Seminário de Gerenciamento de Áreas Contaminadas Avaliação de Risco Ecológico Cristiane Lima Analista de Risco Ambiental Engenheira Química, D.Sc. O que é Avaliação de Risco Ecológico? Processo em que

Leia mais

Prof.: Ramon L. O. Junior 1

Prof.: Ramon L. O. Junior 1 CURSO: ENGENHARIA AMBIENTAL DISCIPLINA: BIOLOGIA UNIDADE II NOÇÕES DE MORFOLOGIA E FISIOLOGIA CELULAR Prof.: Ramon Lamar de Oliveira Junior TIPOS CELULARES CÉLULA PROCARIOTA X 1 a 2 micrômetros (mm) Ausência

Leia mais

EDITAL N 01/2008/INPA CONCURSO PÚBLICO ANEXO I VAGAS CONFORME AS CARREIRAS E PERFIS CORRESPONDENTES E LISTA DE TEMAS PARA PROVA ESCRITA.

EDITAL N 01/2008/INPA CONCURSO PÚBLICO ANEXO I VAGAS CONFORME AS CARREIRAS E PERFIS CORRESPONDENTES E LISTA DE TEMAS PARA PROVA ESCRITA. EDITAL N 01/2008/INPA CONCURSO PÚBLICO ANEXO I VAGAS CONFORME AS CARREIRAS E PERFIS CORRESPONDENTES E LISTA DE TEMAS PARA PROVA ESCRITA. 1. CARREIRA DE PESQUISA EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA CARGO DE PESQUISADOR

Leia mais

ACESSO VESTIBULAR QUESTÕES DE PROCESSAMENTO DE RNA OU SPLICING 01. (MAMA 2007.1) PÁGINAS OCULTAS NO LIVRO DA VIDA

ACESSO VESTIBULAR QUESTÕES DE PROCESSAMENTO DE RNA OU SPLICING 01. (MAMA 2007.1) PÁGINAS OCULTAS NO LIVRO DA VIDA ACESSO VESTIBULAR QUESTÕES DE PROCESSAMENTO DE RNA OU SPLICING 01. (MAMA 2007.1) PÁGINAS OCULTAS NO LIVRO DA VIDA Os biólogos supunham que apenas as proteínas regulassem os genes dos seres humanos e dos

Leia mais

ANÁLISE DE RISCO TOXICOLÓGICO

ANÁLISE DE RISCO TOXICOLÓGICO ANÁLISE DE RISCO TOXICOLÓGICO Giuliano Marchi Luiz Roberto G. Guilherme São Paulo, 2/4/2009 ROTEIRO INTRODUÇÃO DEFINIÇÕES E CONCEITOS PRINCÍPIOS GERAIS EXEMPLO Metais pesados: os fertilizantes são seguros?

Leia mais

Poluição da Água Poluição da água é qualquer alteração de suas propriedades físicas, químicas e biológicas, que possa implicar

Poluição da Água Poluição da água é qualquer alteração de suas propriedades físicas, químicas e biológicas, que possa implicar Poluição da Água Poluição da água é qualquer alteração de suas propriedades físicas, químicas e biológicas, que possa implicar em prejuízo à saúde, à segurança e ao bem estar das populações, causar danos

Leia mais

COLÉGIO SANTA CLARA. Aluno: ano Nº Professor(a): Maria Paula

COLÉGIO SANTA CLARA. Aluno: ano Nº Professor(a): Maria Paula COLÉGIO SANTA CLARA Disciplina:Ciências Ficha nº: Data: / / Trimestre Aluno: ano Nº Professor(a): Maria Paula Como produzir um relatório de aula prática Durante a aula prática, você deve anotar cuidadosamente

Leia mais

Introdução à Biologia Celular e Molecular. Profa. Luciana F. Krause

Introdução à Biologia Celular e Molecular. Profa. Luciana F. Krause Introdução à Biologia Celular e Molecular Profa. Luciana F. Krause Níveis de organização Desenvolvimento da Teoria Celular Século XVII desenvolvimento das lentes ópticas Robert Hooke (1665) células (cortiça)

Leia mais

Unidade 1 Adaptação e Lesão Celular

Unidade 1 Adaptação e Lesão Celular DISCIPLINA DE PATOLOGIA Prof. Renato Rossi Jr Unidade 1 Adaptação e Lesão Celular Objetivo da Unidade: Identificar e compreender os mecanismos envolvidos nas lesões celulares reversíveis e irreversíveis.

Leia mais

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO O que é pesquisa? Pesquisar significa, de forma bem simples, procurar respostas para indagações propostas. INTRODUÇÃO Minayo (1993, p. 23), vendo por

Leia mais

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM)

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Prof. Dr. Rodrigo Lingnau Bacharel e Licenciado, Biólogo (UFPR) Mestre em Biologia, Área de Concentração Ecologia (UFG) Doutor em Zoologia (PUC-RS) Aulas Segunda-feira:

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina Centro de Ciências Exatas Departamento de Química GASOLINA EM ÁGUA SUBTERRÂNEA E SUPERFICIAL

Universidade Estadual de Londrina Centro de Ciências Exatas Departamento de Química GASOLINA EM ÁGUA SUBTERRÂNEA E SUPERFICIAL Universidade Estadual de Londrina Centro de Ciências Exatas Departamento de Química DEGRADAÇÃO DE FRAÇÃO AROMÁTICA DA GASOLINA EM ÁGUA SUBTERRÂNEA E SUPERFICIAL Aluno: Luciano Vetorasso Corbucci Orientadora

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DECEx DEPA COLÉGIO MILITAR DE BRASÍLIA PLANO DE AULA BIOLOGIA 1º ANO/EM

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DECEx DEPA COLÉGIO MILITAR DE BRASÍLIA PLANO DE AULA BIOLOGIA 1º ANO/EM MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DECEx DEPA COLÉGIO MILITAR DE BRASÍLIA Prof. Salomão profsalomao@gmail.com PLANO DE AULA BIOLOGIA 1º ANO/EM Sem Mês Início Término CH 1ª FEV 7 11 3 ASSUNTO: ASPECTOS

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2014 Conteúdos Habilidades Avaliação

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2014 Conteúdos Habilidades Avaliação COLÉGIO LA SALLE BRASÍLIA SGAS Q. 906 Conj. E C.P. 320 Fone: (061) 3443-7878 CEP: 70390-060 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL Disciplina: Biologia Trimestre: 1º Professor(a): Camilla Silva (B1) e Elisangela

Leia mais

A LINGUAGEM DAS CÉLULAS DO SANGUE LEUCÓCITOS

A LINGUAGEM DAS CÉLULAS DO SANGUE LEUCÓCITOS A LINGUAGEM DAS CÉLULAS DO SANGUE LEUCÓCITOS Prof.Dr. Paulo Cesar Naoum Diretor da Academia de Ciência e Tecnologia de São José do Rio Preto, SP Sob este título o leitor poderá ter duas interpretações

Leia mais

Ecologia. 1) Níveis de organização da vida

Ecologia. 1) Níveis de organização da vida Introdução A ciência que estuda como os seres vivos se relacionam entre si e com o ambiente em que vivem e quais as conseqüências dessas relações é a Ecologia (oikos = casa e, por extensão, ambiente; logos

Leia mais

Padrões de Lançamento de Efluentes na Resolução CONAMA 357/05. A questão do Boro na Água Produzida de Petróleo

Padrões de Lançamento de Efluentes na Resolução CONAMA 357/05. A questão do Boro na Água Produzida de Petróleo Padrões de Lançamento de Efluentes na Resolução CONAMA 357/05 A questão do Boro na Água Produzida de Petróleo Arcabouço Legal Federal: As resoluções CONAMA 357/05 e 397/08 Água Produzida de Petróleo O

Leia mais

Escola Secundária de Valongo PROFESSORAS: DINORA MOURA ISABEL MACHADO PIMENTA

Escola Secundária de Valongo PROFESSORAS: DINORA MOURA ISABEL MACHADO PIMENTA Escola Secundária de Valongo PROFESSORAS: DINORA MOURA ISABEL MACHADO PIMENTA 1º PERÍODO TEMAS / CONTEÚDOS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS O ALUNO DEVERÁ SER CAPAZ DE: BLOCOS (90 min) ALGUMAS SUGESTÕES DE EXPERIÊNCIAS

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS DO AMBIENTE PARA ENGENHARIA

INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS DO AMBIENTE PARA ENGENHARIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ÁREA DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS DO AMBIENTE PARA ENGENHARIA Selma Maria

Leia mais

AULA 1 ORGANIZAÇÃO CELULAR DOS SERES VIVOS

AULA 1 ORGANIZAÇÃO CELULAR DOS SERES VIVOS AULA 1 ORGANIZAÇÃO CELULAR DOS SERES VIVOS Apesar da diversidade entre os seres vivos, todos guardam muitas semelhanças, pois apresentam material genético (DNA) em que são encontradas todas as informações

Leia mais

Eixo Temático ET-04-007 - Gestão Ambiental em Saneamento

Eixo Temático ET-04-007 - Gestão Ambiental em Saneamento 270 Eixo Temático ET-04-007 - Gestão Ambiental em Saneamento LEVANTAMENTO DA TUBULAÇÃO DE CIMENTO-AMIANTO NA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA DO MUNICÍPIO DE PRINCESA ISABEL - PARAÍBA Maria Auxiliadora Freitas

Leia mais

Resumo de SAÚDE AMBIENTAL E ECOLOGIA. Parte 01. Nome: Curso:

Resumo de SAÚDE AMBIENTAL E ECOLOGIA. Parte 01. Nome: Curso: Resumo de SAÚDE AMBIENTAL E ECOLOGIA Parte 01 Nome: Curso: Data: / / 1 - Introdução Diversas são as definições que podem ser atribuídas à Ecologia. Segundo diversos autores, Ecologia é: a) O estudo das

Leia mais