Ministério Público da União

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ministério Público da União"

Transcrição

1 Ministério Público da União Prof: Fernando Pedrosa

2 Nota do Professor Caros alunos, com a chegada, em breve, de uma nova rodada de provas do Ministério Público da União para cargos de T.I., publicamos mais este material visando a auxiliá-los neste desafio. Nesta prova, tivemos uma distribuição clássica de questões de vários assuntos. Nenhuma grande surpresa, mas tivemos uma prova bem abrangente, o que demanda muito estudo dos candidatos para cobrir todo o edital.

3 Nota do Professor O importante é praticarmos, de forma que a resolução das questões venha de forma natural, por já conhecermos os assuntos e o estilo da Carlos Chagas. Qualquer dúvida, estou à disposição. Bons estudos! Prof. Fernando Pedrosa

4 Bibliografia Recomendada Livros: Andrew S. Tanenbaum. Sistemas Operacionais Modernos. Editora: Prentice Hall. Ano: Edição: 2. William Stallings. Arquitetura e Organização de Computadores. Editora: Makron Books Ano: 2002 Edição: 5. Navathe, Shamkant. Sistema de Bancos de Dados. Editora: Addison-Wesley. Ano: Edição: 4. Pressman, Roger S. Software Engineering: A Practiotioner s Approach. Editora: McGraw-Hill. Ano: Edição: 5 Grady Booch. UML: Guia do Usuário. Editora: Campos Ano: 2005 Edição: 2 Ralph Kimball. The Data Warehouse Lifecycle Toolkit. Editora: John Wiley & Sons Ano: 1998 Edição: 1 Michael T. Goodrich. Estrutura de Dados e Algoritmos em Java. Editora: Bookman. Ano: Edição: 4.

5 Bibliografia Recomendada Livros: Ana Brasil Couto. CMMI: Integração dos Modelos de Capacitação e Maturidade de Sistemas. Editora: Ciência Moderna Ano: 2007 Edição: 1 Phillippe Kruchten. Introdução ao RUP: Rational Unified Process. Editora: Ciência Moderna Ano: 2003 Edição: 1. Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento de Projetos (PMBOK). Editora: Project Management Institute Ano: 2005 Edição: 3 Stallings, William. Criptografia e Segurança de Redes: Princípios e Práticas. Editora: Prentice- Hall. Ano: 2007 Edição: 4 Andrew S. Tanenbaum. Computer Networks. Editora: Prentice Hall. Ano: Edição: 4.

6 Sites de Referência Aritmética binária %20Representa%E7%E3o%20de%20Dados%20II.pdf Java Diagrama Entidade Relacionamento

7 MPU

8 34. NÃO é um componente dos sistemas operacionais: (A) bootstrap. (B) scheduler. (C) kernel. (D) shell. (E) GUI

9 34. NÃO é um componente dos sistemas operacionais: (A) bootstrap. (B) scheduler. (C) kernel. (D) shell. (E) GUI A partir desta questão começamos a perceber um padrão nesta prova: parece que o avaliador quis cobrar todas as questões baixo nível no começo da prova, isto é, questões que tratam de tipos de dados, sistemas operacionais, algoritmos, hardware, rede, etc., enquanto que as questões de alto nível, isto é, PMBOK, Eng. De Software, RUP, etc., mais do meio para frente da prova. Isto é bem característico da Carlos Chagas, fazer provas bem abrangentes que vão de hardware a PMBOK. Não negligencie nenhum assunto, pois você pode ser pego de surpresa. De qualquer forma, vamos à questão.

10 Bootstrap: fazer um bootstrap (daí o termo fazer o boot no computador ) é, basicamente, carregar um programa de computador (normalmente o próprio Sistema Operacional) usando um conjunto de rotinas reduzido. Isto é uma das primeiras tarefas realizadas ao ligar um computador, tanto que o carregador de boot (bootstrap loader) é localizado, muitas vezes, na própria memória ROM (não-volátil) do computador. Não faz parte do Sistema Operacional, é um processo que ocorre antes mesmo do S.O ser carregado. Scheduler: é a parte do Sistema Operacional responsável por agendar a execução de processos e decidir quando e por quanto tempo eles vão executar. Se preocupa com questões como: Utilização da CPU: ocupar a CPU o máximo possível Throughput: número de processos que completam sua execução por unidade de tempo Turnaround: tempo total entre a submissão de um processo e a sua completude Tempo de espera: quantidade de tempo que um processo espera no estado pronto Tempo de resposta: quantidade de tempo que leva para uma requisição ser submetida e enviar uma resposta Justiça (fairness): tempo igual de CPU para cada thread. Kernel: é o programa que constitui o núcleo central do Sistema Operacional. Tem completo controle sobre tudo que ocorreu no sistema.

11 Kernel: é o programa que constitui o núcleo central do Sistema Operacional. Tem completo controle sobre tudo que ocorreu no sistema Shell: é um programa responsável por interpretar comandos (interface textual) para que o S.O entenda e possa executar as funções apropriadas. Como a shell está apenas uma camada acima do núcleo do sistema operacional, você pode executar operações que nem sempre são possíveis a partir de uma interface gráfica (GUI). GUI: Graphical User Interface. Alguns alunos podem ficar em dúvida quanto a essa alternativa, pois, de fato, alguns sistemas operacionais, principalmente os mais antigos, baseados em Unix, não possuem interface gráfica. Entretanto, não foi isso que a questão perguntou. Ela não perguntou se todos os S.O s têm interface gráfica, mas se ela faz parte deles. A resposta é: sim. Hoje em dia, na verdade, a vasta maioria dos S.O s têm interface gráfica com o usuário (Windows, várias distribuições de Linux, Mac OS, etc.). Alternativa correta. Referência: Andrew S. Tanenbaum. Sistemas Operacionais Modernos. Editora: Prentice Hall. Ano: Edição: 2.

12 36. Considere: I. Os algoritmos de busca binária e de busca seqüencial executam processamento repetitivo. II. Os algoritmos de busca binária e de busca seqüencial utilizam a técnica de recursão. III. A busca seqüencial executa cada fase da repetição na forma de uma subtarefa da fase anterior. IV. A busca binária trabalha com uma forma circular de repetição. Está correto o que consta em (A) I, apenas. (B) II, apenas. (C) I e II, apenas. (D) I, III e IV, apenas. (E) I, II, III e IV.

13 36. Considere: I. Os algoritmos de busca binária e de busca seqüencial executam processamento repetitivo. II. Os algoritmos de busca binária e de busca seqüencial utilizam a técnica de recursão. III. A busca seqüencial executa cada fase da repetição na forma de uma subtarefa da fase anterior. IV. A busca binária trabalha com uma forma circular de repetição. Está correto o que consta em (A) I, apenas. (B) II, apenas. (C) I e II, apenas. (D) I, III e IV, apenas. (E) I, II, III e IV. Esta questão é o típico caso onde saber demais acaba prejudicando o aluno. Ela quer saber, basicamente, como são as implementações comuns do algoritmo de busca binária e

14 busca sequencial. Mais especificamente, ela quer saber se suas implementações são iterativas ou recursivas. Ocorre que há uma premissa conhecida no estudo dos algoritmos que diz que todo algoritmo recursivo pode ser implementado de forma iterativa e vice-versa. De fato, as implementações mais comuns destes algoritmos são feitas de forma iterativa, mas nada impede que sejam feitas de forma recursiva, até porque isto depende muito da linguagem de programação utilizada. Algumas linguagens expressam os algoritmos mais elegantemente de forma recursiva, por exemplo. De qualquer forma, vamos às definições. Busca linear (listas) o Examina cada elemento da estrutura seqüencialmente o Complexidade: O(n) o Pode ser usado diretamente em uma lista não-processada (desordenada) o Muito lento para grandes quantidades de dados, mas aceitável para listas pequenas e que mudam constantemente Implementação (iterativa):

15 private int linearsearch(int a[], int valuetofind) { for (int i=0; i<a.length; i++) { if (valuetofind == a[i]) { return i; } } return -1; } Busca binária (listas) o Realiza sucessivas divisões do espaço de busca, comparando o elemento buscado com o elemento no meio da subdivisão (divisão e conquista) o Complexidade: O(log n) o Parte do pressuposto que a lista é de acesso aleatório e está ordenada o Ótimo desempenho comparado à busca linear para grandes quantidades de dados. Tem a desvantagem de requerer uma ordenação da lista após cada alteração na mesma Implementação (iterativa):

16 min := 1; max := N; {array size: var A : array [1..N] of integer} repeat mid := (min + max) div 2; if x > A[mid] then min := mid + 1 else max := mid - 1; until (A[mid] = x) or (min > max); Agora note como o mesmo algoritmo pode ser implementado de forma recursiva: BinarySearch(A[0..N-1], value, low, high) { if (high < low) return -1 // not found mid = low + ((high - low) / 2) if (A[mid] > value) return BinarySearch(A, value, low, mid-1) else if (A[mid] < value) else return BinarySearch(A, value, mid+1, high) return mid // found }

17 Qual o problema disto? O problema, como vamos ver, é que este fato muda a forma de interpretar a resposta da questão. Vejamos: I. Os algoritmos de busca binária e de busca seqüencial executam processamento repetitivo. Correto. Sem dúvida, ambos os algoritmos executam processos repetitivos em algum ponto de sua lógica. II. Os algoritmos de busca binária e de busca seqüencial utilizam a técnica de recursão. Aqui está o problema. O gabarito apontou esta alternativa como falsa, mas, como vimos, a implementação pode ser feita de forma iterativa ou recursiva, ficando a cargo do programador escolher. Claro que é bastante incomum implementar uma busca sequencial de forma recursiva, mas aqui vai um exemplo: int SequentialSearch(int a[], int value, int start, int stop) { if (start >= stop) return 1; else if (a[start] == value) else } return start; return SequentialSearch(a, value, start + 1, stop);

18 Portanto, a questão foi, no mínimo, imprecisa. De qualquer forma ela foi dada como falsa, provavelmente porque se referia às implementações mais comuns de ambos os algoritmos. III A busca seqüencial executa cada fase da repetição na forma de uma subtarefa da fase anterior. De novo, a busca sequencial poderia ser recursiva ( repetir cada fase na forma de uma subtarefa da fase anterior ), mas, como a questão considerou apenas a implementação iterativa, a alternativa foi dada como falsa. IV. A busca binária trabalha com uma forma circular de repetição. Em uma implementação iterativa, a busca binária faria exatamente isso: trabalharia com uma forma circular de repetição. Como a questão considerou apenas a implementação recursiva, esta alternativa também foi dada como falsa. Enfim, o gabarito da questão é a letra (A): apenas a primeira assertiva correta. Minha sugestão é que você não tente discutir com a banca organizadora. Se a FCC considera que a busca sequencial é implementada apenas com um algoritmo iterativo, e a busca binária apenas com um algoritmo recursivo, então assim seja. Registre esse fato e procure não errar em provas futuras, mas tenha em mente que estas definições são, no mínimo, incompletas.

19 Referência: Michael T. Goodrich. Estrutura de Dados e Algoritmos em Java. Editora: Bookman. Ano: Edição: 4.

20 66. No Processo Unificado são, respectivamente, uma fase e um fluxo de trabalho: (A) Análise e Elaboração. (B) Concepção e Construção. (C) Requisitos e Análise. (D) Construção e Requisitos. (E) Análise e Requisitos.

21 66. No Processo Unificado são, respectivamente, uma fase e um fluxo de trabalho: (A) Análise e Elaboração. (B) Concepção e Construção. (C) Requisitos e Análise. (D) Construção e Requisitos. (E) Análise e Requisitos. Há alguns conceitos muito importantes no RUP que você deve ter em mente, pois são sempre cobrados. De uma frase em especial são derivadas quase todas as idéias do RUP. Veja: O desenvolvimento de sistemas seguindo o RUP é: Iterativo e incremental Guiado por casos de uso Baseado na arquitetura do sistema

22 Temos, portanto, vindo da idéia de Iterativo e Incremental, o conceito de Fases, que são implementadas através de Disciplinas (também chamadas de Fluxos de Trabalho ou Workflows). Veja as definições do RUP para estes conceitos. Fase: O tempo entre dois marcos primários do projeto, durante o qual um conjunto bem definido de objetivos é atendido, artefatos são concluídos e decisões são tomadas sobre passar ou não para a próxima fase. As fases são: Concepção, Elaboração, Construção e Transição. Disciplina: Uma disciplina é uma coleção de atividades relacionadas a uma 'área de interesse' principal. As disciplinas no RUP são: Modelagem de Negócios, Requisitos, Análise e Design, Implementação, Teste, Implantação, Configuração e Gerenciamento de Mudança, Gerenciamento de Projeto, Ambiente. De posso dos nomes das Fases e das Disciplinas, já podemos responder como certa a letra D pois todas as outras confundem os conceitos. Entretanto, vamos elaborar um resumo de cada uma das fases e disciplinas, para aprofundarmos nosso estudo. Darei aqui apenas uma introdução às idéias não deixe de ler a referência oficial do RUP em detalhes. Primeiro vamos começar pelas fases do RUP.

23 Fase de Concepção Objetivos Estabelecer o escopo do software do projeto Discriminar os casos de uso críticos do sistema Exibir pelo menos uma opção de arquitetura básica Estimar o custo geral e a programação para o projeto inteiro Estimar riscos Preparar o ambiente e dar suporte para o projeto Marco: Objetivos do Ciclo de vida Decide se o projeto é financeiramente viável e se vai ou não prosseguir com ele Fase de Elaboração Criar a baseline para a arquitetura do sistema a fim de fornecer uma base estável para o esforço da fase de construção Objetivos Assegurar que a arquitetura, os requisitos e os planos estejam estáveis o suficiente e que os riscos sejam suficientemente diminuídos

24 Tratar os riscos significativos do ponto de vista da arquitetura Demonstrar que a arquitetura suportará os requisitos do sistema a um custo/tempo justo Estabelecer um ambiente de suporte Marco: Arquitetura do Ciclo de Vida Arquitetura estável o Um dos critérios de avaliação é comparar a despesa real com a planejada Fase de Construção A meta é esclarecer os requisitos restantes e concluir o desenvolvimento do sistema com base na arquitetura da baseline. Objetivos Minimizar os custos do desenvolvimento Atingir a qualidade adequada Atingir as versões úteis (alfa, beta e etc.) Concluir a análise, o projeto, o desenvolvimento e o teste de todas as funcionalidades necessárias Decidir se o software, os locais e os usuários estão prontos para a implantação Atingir um paralelismo

25 Marco: Capacidade Operacional Inicial Determina se o produto está pronto para ser implantado num ambiente de teste beta Fase de Transição O objetivo é assegurar que o software esteja disponível para seus usuários finais. Inclui testar o produto em preparação para release e ajustes pequenos com base no feedback do usuário, que deve priorizar o ajuste fino do produto, a instalação, configuração e problemas de usabilidade. Problemas estruturais mais graves já devem ter sido tratados antes. Objetivos Teste beta para validar o novo sistema Teste beta e operação paralela relativa a um sistema legado que está sendo substituído Conversão de bancos de dados operacionais Treinamento de usuários e equipe de manutenção Atividades de ajuste Obtenção do consentimento dos envolvidos de que as baselines estão consistentes com os critérios de avaliação da visão Marco: Release do Produto Você decide se os objetivos foram atendidos e se outro ciclo de desenvolvimento deve ser iniciado.

26 Agora vamos às Disciplinas. Modelagem de Negócios Entender a estrutura e a dinâmica da organização na qual o sistema deve ser implantado. Entender como funciona a organização. Entender os problemas atuais da organização-alvo e identificar as possibilidades de melhoria. Assegurar que os clientes, usuários e desenvolvedores tenham um entendimento comum da organização-alvo. Derivar os requisitos de sistemas necessários para sustentar a organização-alvo Requisitos Estabelecer e manter concordância com os clientes e outros envolvidos sobre o que o sistema deve fazer Oferecer aos desenvolvedores uma compreensão melhor dos requisitos do sistema Definir as fronteiras do sistema Base para planejar o conteúdo técnico das iterações Base para estimar o custo e o tempo de desenvolvimento do sistema Definir uma interface de usuário para o sistema Análise e Design (Análise e Projeto) Transformar os requisitos em um design do sistema a ser criado Desenvolver uma arquitetura sofisticada para o sistema

27 Adaptar o design para que corresponda ao ambiente de implementação, projetando-o para fins de desempenho Implementação Definir a organização do código em termos de subsistemas de implementação organizados em camadas Implementar classes e objetos em termos de componentes Teste de unidade dos componentes Integrara os resultados produzidos ao sistema executável Testes O teste enfatiza a avaliação da qualidade do produto Localizar e documentar defeitos na qualidade do software Avisar de forma geral sobre a qualidade observada no software Validar as suposições feitas na Análise e Design/Requisitos Validar as funções do software conforme projetadas Verificar se os requisitos foram implementados de maneira adequada Implantação Descrevem as atividades que garantem que o produto de software será disponibilizado a seus usuários finais.

28 Existem 3 modos de implantação: o Caixa comercializável o Download pela web o Ir à empresa e instalar o produto Gerenciamento de Configuração e Mudança Controla mudanças feitas nos artefatos de um projeto e mantém a integridade deles Evita: o Atualização simultânea o Notificação limitada o Várias versões Gerenciamento de Projetos Fornecer um framework para gerenciar projetos intensivos de software. Fornecer diretrizes práticas para planejar, montar a equipe, executar e monitorar os projetos. Fornecer um framework de gerenciamento de risco. O Gerenciamento de Projetos não cobre: o Gerenciamento de pessoal o Gerenciamento de custos o Gerenciamento de contratos, entre outros

29 Ambiente Atividades necessárias à configuração do processo para um projeto Fornece à organização o ambiente de desenvolvimento de software (ferramentas e processos) que dará suporte à equipe de desenvolvimento Disciplina ligada a garantia de qualidade de processos Referência:

30 Informações Finais Ganhe Descontos com Sugestões! Se você encontrar erros de qualquer natureza, por favor, nos reporte através de Adicionalmente, sugestões de melhoramento nos comentários das questões (descoberta da bibliografia consagrada de onde foi retirado o trecho, indicação de impropriedade técnica, apontamento de outro trecho errado na questão, etc) serão analisadas, e se aprovadas e implementadas, gerarão descontos na aquisição de novos materiais. Adquira Materiais Anteriores: Bibliografia Indicada: Participe de Nossa Lista de Discussão:

31 Obrigado! Fernando Pedrosa

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Curso de Desenvolvimento de Software Prof. Alessandro J de Souza ajdsouza@cefetrn.br 1 Rational Unified Process RUP Fase Construção 2 VISÃO GERAL Fase Construção. Visão Geral 3

Leia mais

! Introdução. " Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do Processo Unificado

! Introdução.  Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP)  Definições  RUP x USDP  Características do Processo Unificado Agenda! Introdução " Motivação para Processos de Software! (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do! Descrição detalhada do! Processos Derivados! Templates simplificados! Conclusões 2 Processo

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

Processo Unificado (RUP)

Processo Unificado (RUP) Fases do Desenvolvimento Processo Unificado (RUP) Ulf Bergmann ulf@ime.eb.br Domínio do Problema Objetos Objetos do do Mundo Mundo real real Modelo Semântico Domínio da Solução Aplicação Interface Serviços

Leia mais

Introdução ao RUP Rational Unified Process. por Denize Terra Pimenta Outubro/2004

Introdução ao RUP Rational Unified Process. por Denize Terra Pimenta Outubro/2004 Introdução ao RUP Rational Unified Process por Denize Terra Pimenta Outubro/2004 1 Contexto Não é suficiente apenas a presença de desenvolvedores altamente treinados: Precisamos de uma linguagem para a

Leia mais

O modelo unificado de processo. O Rational Unified Process, RUP.

O modelo unificado de processo. O Rational Unified Process, RUP. Cursos: Sistemas de Informação Disciplina: Administração ADM Prof. Jarbas Avaliação: Prova B1, 5º/6º semestres Data: 27/09/2010 Nome: Gabarito RA: Assinatura: Turma: 1) Segundo as afirmações a seguir,

Leia mais

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2 Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Engenharia de Software Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma revisão sobre o

Leia mais

Documentação de um Produto de Software

Documentação de um Produto de Software Documentação de um Produto de Software Versão 3.0 Autora: Profª Ana Paula Gonçalves Serra Revisor: Prof. Fernando Giorno 2005 ÍNDICE DETALHADO PREFÁCIO... 4 1. INTRODUÇÃO AO DOCUMENTO... 6 1.1. TEMA...

Leia mais

REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Software Sequencia de Instruções a serem seguidas ou executadas Dados e rotinas desenvolvidos por computadores Programas

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral 9.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) O Processo Unificado (RUP) Processo Unificado: Visão Geral 9.2 Encaixa-se na definição geral de processo:

Leia mais

Modelos de processos de desenvolvimento de software

Modelos de processos de desenvolvimento de software Definição Um modelo de processo de software é uma representação abstrata de um processo. Os modelos de processo podem ser desenvolvidos a partir de várias perspectivas e podem mostrar as atividades envolvidas

Leia mais

O Rational Unified Process (RUP) é um processo de desenvolvimento de software inspirado no

O Rational Unified Process (RUP) é um processo de desenvolvimento de software inspirado no 1.1 RATIONAL UNIFIED PROCESS (RUP) O Rational Unified Process (RUP) é um processo de desenvolvimento de software inspirado no processo que atende pelo nome de Processo Unificado (ou UP do inglês Unified

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

Coletânea Gestão e Governança de TI TCU

Coletânea Gestão e Governança de TI TCU Coletânea Gestão e Governança de TI TCU (COBIT, ITIL, PMBOK, CMMI, Planejamento Estratégico e Modelagem de Processos) Professores: Hério Oliveira e Walter Cunha http://www.waltercunha.com http://heriooliveira.wordpress.com

Leia mais

MC102 Algoritmos e Programação de Computadores 1ª Aula Introdução à Programação de Computadores

MC102 Algoritmos e Programação de Computadores 1ª Aula Introdução à Programação de Computadores MC102 Algoritmos e Programação de Computadores 1ª Aula Introdução à Programação de Computadores 1. Objetivos Situar a atividade de programação de computadores Apresentar conceitos fundamentais relativos

Leia mais

Apresentar os conceitos básicos da metodologia de desenvolvimento Processo Unificado, utilizando como aporte o Processo Unificado Rational RUP

Apresentar os conceitos básicos da metodologia de desenvolvimento Processo Unificado, utilizando como aporte o Processo Unificado Rational RUP Fábio Lúcio Meira Objetivos Gerais Apresentar os conceitos básicos da metodologia de desenvolvimento Processo Unificado, utilizando como aporte o Processo Unificado Rational RUP Específicos Apresentar

Leia mais

Curso: Engenharia de Software com Ênfase em Padrões de Software (UECE Universidade Estadual do Ceará) RUP

Curso: Engenharia de Software com Ênfase em Padrões de Software (UECE Universidade Estadual do Ceará) RUP Conceitos RUP RUP, abreviação de Rational Unified Process (ou Processo Unificado da Rational), é um processo de Engenharia de software criado pela Rational Software Corporation(a qual foi incorporada pela

Leia mais

Visão Geral do RUP Rational Unified Process. Jorge Fernandes UFRN Junho de 2002

Visão Geral do RUP Rational Unified Process. Jorge Fernandes UFRN Junho de 2002 Visão Geral do RUP Rational Unified Process Jorge Fernandes UFRN Junho de 2002 Resumo do Artigo de Krutchen O que é o RUP? 6 Práticas Comprovadamente Efetivas Desenvolvimento Interativo Gestão de Requisitos

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? Programa que atua como um intermediário entre um usuário do computador ou um programa e o hardware. Os 4

Leia mais

FACULDADE LOURENÇO FILHO ENADE 2011 Prof. Jackson Santiago Engenharia de Software DATA: 29/10/2011

FACULDADE LOURENÇO FILHO ENADE 2011 Prof. Jackson Santiago Engenharia de Software DATA: 29/10/2011 Assunto : Ciclo de vida de software 1. O modelo de ciclo de vida em cascata: a) enfatiza a realização sequencial das atividades do desenvolvimento de um produto de software. b) enfatiza a comunicação estreita

Leia mais

Unified Modeling Language UML - Notações

Unified Modeling Language UML - Notações Unified Modeling Language UML - Notações Prof. Ms. Elvio Gilberto da Silva elvio@fmr.edu.br UML Ponto de Vista É gerada com propósito geral de uma linguagem de modelagem visual usada para especificar,

Leia mais

Sistema de Automação Comercial de Pedidos

Sistema de Automação Comercial de Pedidos Termo de Abertura Sistema de Automação Comercial de Pedidos Cabana - Versão 1.0 Iteração 1.0- Release 1.0 Versão do Documento: 1.5 Histórico de Revisão Data Versão do Documento Descrição Autor 18/03/2011

Leia mais

Processo de Desenvolvimento Unificado

Processo de Desenvolvimento Unificado Processo de Desenvolvimento Unificado Processo de Desenvolvimento de Software? Conjunto de atividades bem definidas; com responsáveis; com artefatos de entrada e saída; com dependências entre as mesmas

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

Introdução à Engenharia de Software

Introdução à Engenharia de Software Introdução à Engenharia de Software Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Imagem Clássica Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma visão sobre o que é a engenharia

Leia mais

RUP. Evolução. Principais Características do RUP. Principais Características do RUP RUP

RUP. Evolução. Principais Características do RUP. Principais Características do RUP RUP RUP Rational Unified Process ( Unificado de Desenvolvimento da Rational) Conjunto de passos que tem como objetivo atingir uma meta de software na ES, processo que visa a produzir o software - de modo eficiente

Leia mais

Processos de Software. 2007 by Pearson Education Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1

Processos de Software. 2007 by Pearson Education Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1 Processos de Software Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1 Objetivos Apresentar modelos de processos de software Descrever três modelos genéricos de processo e quando

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

Engenharia de Negócios 1. Gestão de Sistemas Complexos. Introdução

Engenharia de Negócios 1. Gestão de Sistemas Complexos. Introdução Engenharia de Negócios 1 Gestão de Introdução Objetivos do Curso Examinar a questão dos sistemas complexos através das práticas de controle sobre projetos Complexidade da arquitetura corporativa e dos

Leia mais

ENGENHARIA DE REQUISITOS

ENGENHARIA DE REQUISITOS Universidade Federal de Santa Maria Mestrado em Computação ELC 923 Processos de Negócio e Engenharia de Requisitos Especialização em Modelagem e Desenvolvimento de Aplicações Web com JAVA ENGENHARIA DE

Leia mais

Especialização em Engenharia de Software e Banco de Dados

Especialização em Engenharia de Software e Banco de Dados Especialização em Engenharia de Software e Banco de Dados Disciplina: Engenharia de Software Tópico: Modelos de Ciclo de Vida Prof. Rodolfo Miranda de Barros rodolfo@uel.br Ciclo de Vida A Engenharia de

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Conceitos e Metodologias para Desenvolvimento de Software Cascata, Prototipação, Espiral e RUP Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti.br

Leia mais

Processos de Desenvolvimento de Software

Processos de Desenvolvimento de Software Processos de Desenvolvimento de Software Gerenciamento de Projetos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e

Leia mais

Desenvolvimento de Software requer Processo e Gestão

Desenvolvimento de Software requer Processo e Gestão Desenvolvimento de Software requer Processo e Gestão Antonio Mendes da Silva Filho * If Edison had a needle to find in a haystack, he would proceed at once with the diligence of the bee to examine straw

Leia mais

Metodologia e Gerenciamento do Projeto na Fábrica de Software v.2

Metodologia e Gerenciamento do Projeto na Fábrica de Software v.2 .:: Universidade Estadual de Maringá Bacharelado em Informática Eng. de Software III :. Sistema de Gerenciamento de Eventos - Equipe 09 EPSI Event Programming System Interface Metodologia e Gerenciamento

Leia mais

Threads. 8 de janeiro de 2015

Threads. 8 de janeiro de 2015 1 / 24 Erick Nilsen Pereira de Souza T002 - Sistemas Operacionais e Org. Computadores Análise e Desenvolvimento de Sistemas Universidade de Fortaleza - UNIFOR 8 de janeiro de 2015 2 / 24 Agenda Tópicos

Leia mais

Algoritmos em Javascript

Algoritmos em Javascript Algoritmos em Javascript Sumário Algoritmos 1 O que é um programa? 1 Entrada e Saída de Dados 3 Programando 4 O que é necessário para programar 4 em JavaScript? Variáveis 5 Tipos de Variáveis 6 Arrays

Leia mais

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia.

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia. 1 Introdução aos Sistemas de Informação 2002 Aula 4 - Desenvolvimento de software e seus paradigmas Paradigmas de Desenvolvimento de Software Pode-se considerar 3 tipos de paradigmas que norteiam a atividade

Leia mais

Qualidade de Software. Anderson Belgamo

Qualidade de Software. Anderson Belgamo Qualidade de Software Anderson Belgamo Qualidade de Software Software Processo Produto Processo de Software Pessoas com habilidades, treinamento e motivação Processo de Desenvolvimento Ferramentas e Equipamentos

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 1. Cursos de Computação

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 1. Cursos de Computação Cursos de Computação Sistemas Operacionais Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 1 Referência: MACHADO, F.B. ; MAIA, L.P. Arquitetura de Sistemas Operacionais. 4.ed. LTC,

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Prof. José Honorato F.N. Prof. José Honorato F.N. honoratonunes@gmail.com Requisitos de Software Software é o conjunto dos programas e dos meios não materiais que possibilitam o

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software CENTRO UNIVERSITÁRIO NOVE DE JULHO Profº. Edson T. França edson.franca@uninove.br Software Sistemas Conjunto de elementos, entre os quais haja alguma relação Disposição das partes ou dos elementos de um

Leia mais

Teste de software. Definição

Teste de software. Definição Definição O teste é destinado a mostrar que um programa faz o que é proposto a fazer e para descobrir os defeitos do programa antes do uso. Quando se testa o software, o programa é executado usando dados

Leia mais

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Objetivos da aula: Introduzir os conceitos de um processo de desenvolvimento de software Definir os processos básicos Apresentar as vantagens

Leia mais

Unified Process. Sueleni Mendez Batista. Orientadora: Dra. Elisa Hatsue Moriya Huzita

Unified Process. Sueleni Mendez Batista. Orientadora: Dra. Elisa Hatsue Moriya Huzita Unified Process Sueleni Mendez Batista Orientadora: Dra. Elisa Hatsue Moriya Huzita Processo de Desenvolvimento de Software 8O processo de desenvolvimento de software é um conjunto de atividades e resultados

Leia mais

Curso Técnico de Nível Médio

Curso Técnico de Nível Médio Curso Técnico de Nível Médio Disciplina: Informática Básica 3. Software Prof. Ronaldo Software Formado por um conjunto de instruções (algoritmos) e suas representações para o

Leia mais

Tecnologia da Informação para EPPGG 2013. Victor Dalton

Tecnologia da Informação para EPPGG 2013. Victor Dalton Tecnologia da Informação para EPPGG 2013 Victor Dalton Edital TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO: 1. Noções sobre processo de desenvolvimento de software: modelos organizacionais, stakeholders, modelagem de negócio,

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (MDS - ANEEL)

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (MDS - ANEEL) Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (MDS - ANEEL) Versão 2.0 Escritório de Gerenciamento de Projetos - EGP Superintendência da Gestão Técnica da Informação SGI Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga 2º Semestre / 2011 O Processo Unificado dos autores Ivar Jacobson, Grady Booch e James

Leia mais

Programação Concorrente Processos e Threads

Programação Concorrente Processos e Threads Programação Concorrente Processos e Threads Prof. Eduardo Alchieri Processos O conceito mais central em qualquer sistema operacional é o processo Uma abstração de um programa em execução Um programa por

Leia mais

6.46 - RiskFree Uma ferramenta de apoio à gerência de riscos em projetos de software

6.46 - RiskFree Uma ferramenta de apoio à gerência de riscos em projetos de software 6.46 - RiskFree Uma ferramenta de apoio à gerência de riscos em projetos de software Alunos Filipi Silveira Flávio Knob Orientadores Afonso Orth Rafael Prikladnicki Agenda O problema O processo O projeto

Leia mais

VANT-EC-SAME. Software de Suporte do VANT V-SUP Caso de Desenvolvimento Versão 1.0

VANT-EC-SAME. Software de Suporte do VANT V-SUP Caso de Desenvolvimento Versão 1.0 VANT-EC-SAME Software de Suporte do VANT V-SUP Caso de Desenvolvimento Versão 1.0 Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor 17/0/07 1.0 Versão Inicial Douglas Moura Confidencial VANT-EC-SAME, 2007

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Sistemas Operacionais 2014 Introdução Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Roteiro Sistemas Operacionais Histórico Estrutura de SO Principais Funções do SO Interrupções Chamadas de Sistema

Leia mais

Para cada fase consideramos. Tempo para um projeto típico Tempo para um projeto Complexo. Arquitetura do Processo Unificado. A meta a ser atingida

Para cada fase consideramos. Tempo para um projeto típico Tempo para um projeto Complexo. Arquitetura do Processo Unificado. A meta a ser atingida Arquitetura do Processo Unificado Tempo para um projeto típico Tempo para um projeto Complexo O tempo gasto nas fases iniciais aumentam Para cada fase consideramos A meta a ser atingida Workflows a executar

Leia mais

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Histórico Uso de Metodologias Histórico Uso de Metodologias Era da Pré-Metodologia 1960-1970 Era da Metodologia

Leia mais

Engenharia de Software 01 - Introdução. Márcio Daniel Puntel marciopuntel@ulbra.edu.br

Engenharia de Software 01 - Introdução. Márcio Daniel Puntel marciopuntel@ulbra.edu.br Engenharia de Software 01 - Introdução Márcio Daniel Puntel marciopuntel@ulbra.edu.br Engenharia de Software Nações desenvolvidas dependem de software; Cada vez mais sistemas são controlados por software;

Leia mais

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process)

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Diferentes projetos têm diferentes necessidades de processos. Fatores típicos ditam as necessidades de um processo mais formal ou ágil, como o tamanho da equipe

Leia mais

UML 01. Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan

UML 01. Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan Faculdade INED UML 01 Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan Referências BARBIERI, Carlos. Análise e Programação

Leia mais

Engenharia de Requisitos

Engenharia de Requisitos Engenharia de Requisitos Introdução a Engenharia de Requisitos Professor: Ricardo Argenton Ramos Aula 08 Slide 1 Objetivos Introduzir a noção de requisitos do sistema e o processo da engenharia de requisitos.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 05 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 05 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 05 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 24 de Setembro de 2013. Revisão aula anterior Processos de Software Engenharia de Requisitos, Projeto,

Leia mais

Introdução aos Sistemas Operacionais. Computador = hardware + software. Como é formado o meu computador? E como estes componentes se comunicam?

Introdução aos Sistemas Operacionais. Computador = hardware + software. Como é formado o meu computador? E como estes componentes se comunicam? Como é formado o meu computador? Introdução aos Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores e Software Básico Aula 1 Flávia Maristela (flavia@flaviamaristela.com) Mouse Teclado Monitor Placa de vídeo

Leia mais

GERÊNCIA DE RISCOS E ESCOPO EM PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

GERÊNCIA DE RISCOS E ESCOPO EM PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE GERÊNCIA DE RISCOS E ESCOPO EM PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Viviana Regina Weber 1 Anderson Yanzer Cabral 2 RESUMO O presente artigo tem como objetivo apresentar uma pesquisa, em desenvolvimento,

Leia mais

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS / INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio Professor: Clarindo Isaías Pereira

Leia mais

Integração dos Modelos de Gestão de TI

Integração dos Modelos de Gestão de TI Integração dos Modelos de Gestão de TI Olá servidores!! (Acredite você será!). Temos agora uma bateria com a integração dos modelos de gestão de TI, vamos rever o que vem sendo pedido? Ajeite-se na cadeira,

Leia mais

1. Introdução. Saiba mais

1. Introdução. Saiba mais 1. Introdução Gestão de Sistemas de Informação Aula 3 -Planejamento e desenvolvimento de sistemas de informação Prof: Cleber A. de Oliveira Para a adequada compreensão deste conteúdo, é preciso que estejam

Leia mais

UML - Unified Modeling Language

UML - Unified Modeling Language UML - Unified Modeling Language Casos de Uso Marcio E. F. Maia Disciplina: Engenharia de Software Professora: Rossana M. C. Andrade Curso: Ciências da Computação Universidade Federal do Ceará 24 de abril

Leia mais

Introdução Engenharia de Software

Introdução Engenharia de Software Introdução Engenharia de Software Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 8º Edição / Ian Sommerville 2007 Slide 1 EMENTA Parte 1 Conceitos de Engenharia de Software. Processo de desenvolvimento

Leia mais

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 SUMÁRIO 1 Conceitos Básicos... 3 1.1 O que é Software?... 3 1.2 Situações Críticas no desenvolvimento

Leia mais

Algumas propriedades dos objetos:

Algumas propriedades dos objetos: Orientação a Objetos Vivemos num mundo de objetos. Esses objetos existem na natureza, nas entidades feitas pelo homem, nos negócios e nos produtos que usamos. Eles podem ser categorizados, descritos, organizados,

Leia mais

Uma Abordagem usando PU

Uma Abordagem usando PU Uma Abordagem usando PU Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Referências: Baseada em: Rational Software Corpotation G. Booch, Ivar Jacobson,

Leia mais

Introdução à Programação de Computadores

Introdução à Programação de Computadores 1. Objetivos Introdução à Programação de Computadores Nesta seção, vamos discutir os componentes básicos de um computador, tanto em relação a hardware como a software. Também veremos uma pequena introdução

Leia mais

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE RESUMO Fazer um bom levantamento e especificação de requisitos é algo primordial para quem trabalha com desenvolvimento de sistemas. Esse levantamento

Leia mais

O que é a UML? Introdução a UML. Objetivos da Modelagem. Modelos. A UML não é. Princípios da Modelagem. O que é um modelo?

O que é a UML? Introdução a UML. Objetivos da Modelagem. Modelos. A UML não é. Princípios da Modelagem. O que é um modelo? O que é a UML? Introdução a UML Linguagem Gráfica de Modelagem para: Visualizar Especificar Construir Documentar Comunicar Artefatos de sistemas complexos Linguagem: vocabulário + regras de combinação

Leia mais

1.264 Aula 4. Processo do Software: CMM Linguagem de Modelagem Unificada (UML)

1.264 Aula 4. Processo do Software: CMM Linguagem de Modelagem Unificada (UML) 1.264 Aula 4 Processo do Software: CMM Linguagem de Modelagem Unificada (UML) Modelo de Maturidade de Capacidade para Software Desenvolvido pelo (SEI) Instituto de Engenharia de Software, Universidade

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) SISTEMAS PARA INTERNET INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 68 A disciplina estuda a área da informática como um todo e os conceitos fundamentais, abrangendo

Leia mais

Engenharia de Software. Gerenciamento de Requisitos. Prof. Rodolfo Miranda de Barros rodolfo@uel.br

Engenharia de Software. Gerenciamento de Requisitos. Prof. Rodolfo Miranda de Barros rodolfo@uel.br Engenharia de Software Gerenciamento de Requisitos Prof. Rodolfo Miranda de Barros rodolfo@uel.br Engenharia de Requisitos (ER) Engenharia de O termo Engenharia implica em dizer que um processo sistemático

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

FACULDADE PROJEÇÃO ESCOLA DE TECNOLOGIA UNIDADE SOBRADINHO

FACULDADE PROJEÇÃO ESCOLA DE TECNOLOGIA UNIDADE SOBRADINHO 1 FACULDADE PROJEÇÃO ESCOLA DE TECNOLOGIA UNIDADE SOBRADINHO Edital numero 005/2014 _ ETEC para o Processo de Seleção de alunos para a Fábrica de Software. FACULDADE PROJEÇÃO O Diretor da Escola de Tecnologia,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC DCC Departamento de Ciência da Computação Joinville-SC

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC DCC Departamento de Ciência da Computação Joinville-SC CURSO: Bacharelado em Ciência da Computação DISCIPLINA: ANPS Análise e Projeto de Sistemas AULA NÚMERO: 3 DATA: PROFESSOR: Murakami Sumário 1 APRESENTAÇÃO...1 2 DESENVOLVIMENTO...1 2.1 Revisão...1 2.1.1

Leia mais

PLANO DE ENSINO DA DISCIPLINA

PLANO DE ENSINO DA DISCIPLINA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS PLANO DE ENSINO DA DISCIPLINA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS, AMBIENTAIS E DE TECNOLOGIAS CURSO: ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: SISTEMAS OPERACIONAIS B CÓDIGO:

Leia mais

Engenharia de Software: Introdução. Mestrado em Ciência da Computação 2008 Profa. Itana Gimenes

Engenharia de Software: Introdução. Mestrado em Ciência da Computação 2008 Profa. Itana Gimenes Engenharia de Software: Introdução Mestrado em Ciência da Computação 2008 Profa. Itana Gimenes Programa 1. O processo de engenharia de software 2. UML 3. O Processo Unificado 1. Captura de requisitos 2.

Leia mais

Visão Geral de Sistemas Operacionais

Visão Geral de Sistemas Operacionais Visão Geral de Sistemas Operacionais Sumário Um sistema operacional é um intermediário entre usuários e o hardware do computador. Desta forma, o usuário pode executar programas de forma conveniente e eficiente.

Leia mais

Rational Unified Process

Rational Unified Process Rational Unified Process Engenharia de Software Bruno Braun Fernando Coelho Jonatas Teixeira Vinicius Massuchetto Sobre o RUP Metodologia proprietária de desenvolvimento de software Iterativo e incremental

Leia mais

Construção e Implantação de Software II - Unidade 3- Estratégias Para Testes de Software. Prof. Pasteur Ottoni de Miranda Junior

Construção e Implantação de Software II - Unidade 3- Estratégias Para Testes de Software. Prof. Pasteur Ottoni de Miranda Junior Construção e Implantação de Software II - Unidade 3- Estratégias Para Testes de Software Prof. Pasteur Ottoni de Miranda Junior 1 1-Estratégia Global 1.1-Visão Global de Estratégias Para Teste A estratégia

Leia mais

O Processo Unificado

O Processo Unificado UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA O Processo Unificado 879SCC Projeto e Desenvolvimento de Sistemas

Leia mais

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK Cleber Lecheta Franchini 1 Resumo:

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Análise dos Requisitos de Software

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Análise dos Requisitos de Software Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Análise dos Requisitos de Software Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução Tipos de requisitos Atividades Princípios da

Leia mais

Planejamento Iterativo

Planejamento Iterativo Planejamento Iterativo Planejando as Fases e Iterações Hermano Perrelli hermano@cin.ufpe.br 1 Revisando Processo iterativo Req A&P Imp I/T Imp Req A&P Imp I/T Imp Req A&P Imp I/T Imp Iteração 1 Iteração

Leia mais

:: aula 11. :: Diagrama de Seqüência e Protótipos. :: Olá! Nesta aula, continuaremos a 4ª fase do Projeto Desenho.

:: aula 11. :: Diagrama de Seqüência e Protótipos. :: Olá! Nesta aula, continuaremos a 4ª fase do Projeto Desenho. :: Nome do Curso Sistemas da informação :: Nome da Unidade Curricular PI Sistemas orientados a objetos :: Tema da aula Diagrama de Seqüência e Prototipação :: Fase / Etapa Fase 4 Desenho do Projeto e Interligação

Leia mais

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho.

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. - DSI DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. Preocupação: Problema técnicos Mudança na natureza e conteúdo do trabalho

Leia mais

Wilson Moraes Góes. Novatec

Wilson Moraes Góes. Novatec Wilson Moraes Góes Novatec Copyright 2014 Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta obra, mesmo parcial, por qualquer processo,

Leia mais

Introdução à Engenharia de. Software. Introdução à Engenharia de. Software. O que é a Engenharia de Software? Software

Introdução à Engenharia de. Software. Introdução à Engenharia de. Software. O que é a Engenharia de Software? Software Introdução à Engenharia de Gidevaldo Novais (gidevaldo.vic@ftc.br) Introdução à Engenharia de Objetivo Depois desta aula você terá uma noção geral do que é a engenharia de software e dos seus objetivos

Leia mais

Engenharia de Software Questionário sobre Engenharia de Requisitos Resolvido Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante

Engenharia de Software Questionário sobre Engenharia de Requisitos Resolvido Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante 1 - Q193183 ( Prova: FCC - 2011 - TRT - 19ª Região (AL) - Analista Judiciário - Tecnologia da Informação / Engenharia de Software / Análise de Requisitos; Engenharia de Requisitos; ) De acordo com Sommerville,

Leia mais

Modelos do Design de Software

Modelos do Design de Software Modelos do Design de Software Modelos do Design de Software O processo de design na Engenharia de Software parte de três pressupostos básicos: O resultado do design é um produto; O produto é derivado de

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais 7 Sistemas Operacionais 7.1 Fundamentos da ciência da computação Cengage Learning Objetivos 7.2 Compreender o papel do sistema operacional. Compreender o processo de inicialização para carregar o sistema

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Conceitos de Software Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti.br Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma visão sobre o conceitos

Leia mais

VII SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1

VII SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 VII SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 APLICACAO DE PADROES DE ENGENHARIA DE SOFTWARE NAS EMPRESAS DESENVOLVEDORAS DE SOFTWARE NA REGIAO METROPOLITANA DE RIO DO SUL Fábio Alexandrini

Leia mais

Capítulo 2. Processos de Software. 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. slide 1

Capítulo 2. Processos de Software. 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. slide 1 Capítulo 2 Processos de Software slide 1 Tópicos apresentados Modelos de processo de software. Atividades de processo. Lidando com mudanças. Rational Unified Process (RUP). Um exemplo de um processo de

Leia mais