movimento & saúde REVISTAINSPIRAR Volume 3 Número 6 novembro/dezembro de 2011

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "movimento & saúde REVISTAINSPIRAR Volume 3 Número 6 novembro/dezembro de 2011"

Transcrição

1

2 movimento & saúde REVISTAINSPIRAR R454 Revista Eletrônica Inspirar [recurso eletrônico] - Curitiba: Faculdade Inspirar, Bimestral, v. 3, n. 6, nov/dez ISSN X Modo de acesso: 1. Saúde - Periódicos. CDD 610 CDU 614 Página - 1

3 REVISTAINSPIRAR movimento & saúde A REVISTA A Revista Eletrônica da Inspirar é um periódico de acesso aberto, gratuito e bimestral, destinado à divulgação arbitrada da produção científica na área de Ciências da Saúde, de autores brasileiros e de outros, contribuindo, desta forma, para o crescimento e desenvolvimento da produção científica. MISSÃO Publicação de artigos científicos que contribuam para a expansão do conhecimento da área da saúde, baseados em princípios éticos. OBJETIVO Propiciar meios de socialização do conhecimento construído, tendo em vista o estimulo à investigação científica e ao debate acadêmico. Página - 2

4 movimento & saúde REVISTAINSPIRAR CONSELHO EDITORIAL Alexandre Ricardo Pepe Ambrozin SP Alonso Romero Fuentes Filho SC Álvaro Luiz Perseke Wolf PR Ana Francisca Kleiner-SP Ana Maria Cardoso Cepeda - PR Ana Paula Rodrigues - PR Andrea Cristiane Janz Moreira - RS César Antonio Luchesa PR Dulce Satori-SP Eduardo Ferro - SP Eliana Portella Carzino PR Evelise Guimarães da Silva SP Fabiana Carvalho-PR Fernando Henrique de Sousa - SP Gilian Fernanda Dias Erzinger - PR Janaina Medeiros de Souza SC Janaina Vall - PR Juliana Viana Paris -S P Karina Brongholi SC Lidiane Isabel Filippin RS Marcelo Zager SC Maria Aparecida Rapozo Araldi PR Maria de Fátima Fernandes Sípoli PR Marcos Claudio Signorelli- PR Nelson Francisco Serrão Junior SP Patricia Hommerding-RS Paulo José Oliveira Cortez - SP Rafael Vercelino - SP Renata Campos - SC Sheila Schneiberg - CE Sibele Melo PR Silvio Assis de Oliveira Junior MS Telma Cerqueira - SE Vanessa Fogaça -PR EDITORES Prof. Dr. Esperidião Elias Aquim - PR Prof. MSc. Marcelo Márcio Xavier - PR COORDENAÇÃO EDITORIAL Prof. Dra. Angélica Lodovico - EDITORAÇÃO ELETRÔNICA Camila Piaskowski Jacomel - INFORMAÇÕES PARA PUBLICAÇÃO DE ARTIGOS Todo o material a ser publicado deve ser submetido online através do site: I.P. (Informação Publicitária): As informações são de responsabilidade dos anunciantes. Faculdade Inspirar - Nenhuma parte dessa publicação pode ser reproduzida, arquivada ou distribuída por qualquer meio, eletrônico, mecânico, fotocópia ou outro, sem a permissão escrita do proprietário do copyright Inspirar. O editor não assume qualquer responsabilidade por eventual prejuízo a pessoas ou propriedades ligado à confiabilidade dos produtos, métodos, instruções ou idéias expostas no material publicado. Apesar de todo o material publicitário estar em conformidade com os padrões de ética da saúde, sua inserção na revista não é uma garantia ou endosso da qualidade ou valor do produto ou das asserções de seu fabricante. Página - 3

5 REVISTAINSPIRAR movimento & saúde SUMÁRIO EDITORIAL...5 Análise da Eficiência do Ultrassom Terapêutico Contínuo Utilizando Gel Comum e Gel com Princípio Ativo no Tratamento do Fibro Edema Geloide Grau II...6 Efficiency Analysis of Therapeutic Ultrasound Continuous Joint Using Gel with Active Principle in the Treatment of Fibro Edema Geloid Grade II Tarso Waltrick,Elisangela Schüler, Patrícia Santos, Josiane Beppler Waltrick, Daniela dos Santos Circulação Extracorpórea como Fator Predisponente para Atraso no Desmame da Prótese Ventilatória Após Cirurgia Cardíaca Cardiopulmonary Bypass as Predisposing Factor for Delay from Weaning of the Ventilatory Prosthesis After Cardiac Surgery Eustáquio Luiz Paiva-Oliveira, Natalia Cardoso Lima, Claudia Mara Cruz Moreira Estudo Comparativo no Tratamento de Estrias Atróficas: Galvanopuntura X Microdermoabrasão...17 Comparative Study on the Treatment of Stretch Marks: Galvanopuncture x Microdermabrasion Priscila Dantas Leite e Sousa, Adilvania Ferreira da Costa Uso da Corrente Russa Associada ao Exercício Ativo em Pacientes com Fratura de Diáfase do Fêmur Tratada Cirurgicamente...23 The Russian Stimulation Associated with Active Exercise in Postsurgical Femoral Diaphyseal Fractures Alana Bárbara de Souza, Anderson Roberto Fachin, Marcos Marcelo de Azevedo Moreira, João Afonso Ruaro, Andersom Ricardo Fréz Os Efeitos da Fisioterapia Aquática no Tratamento da Fibromialgia: Uma Revisão de Literatura...28 The Effects of Aquatic Physical Therapy in the Treatment of Fibromyalgia: A Review of Literature Rafaella Lopes De Siqueira Soares, Rebeca De Oliveira Silva, Valéria Conceição Passos De Carvalho Efeito da Técnica Neuromuscular Aplicada no Músculo Masseter para Liberação da Cadeia Posterior...34 Effect of Neuromuscular Technique Applied in the Masseter Muscle to Liberation of Posterior Chain Camila Freitas Tomaz, Walkyria Vilas Boas Fernandes Efeitos da Reeducação Postural Global na Hipercifose e nas Variáveis Respiratórias de Idosos - Relato de Dois Casos...38 Effects of Global Postural Reeducation in the Hyperkyphosis and in the Respiratory Variables of Elderly Woman - Report of Two Cases Caroline Ataíde Itokazu, Fabiana Sabino Sotolani, Alexandre Ricardo Pepe Ambrozin, Marcelo Tavella Navega A Promoção do Relaxamento de Grupos Musculares Cervicais em Colaboradores de um Escritório Contábil, Através da Técnica de Jones e a Ergonomia de Conscientização, com Ênfase na Qualidade de Vida...43 The Promotion of Relaxation of Muscle Groups Cervical in Employess of an Accounting Office, by the Technique of Jones and Ergonomics Awareness, with Emphasis on Life Quality Fabio Ribeiro do Nascimento, Fernanda Roever, Janaina Vieira Santos Página - 4

6 movimento & saúde REVISTAINSPIRAR EDITORIAL O manuscrito e o processo de Revisão. Na Revista Inspirar Movimento & Saúde, assim como na maioria das revistas arbitradas, todas as submissões passam por um cuidadoso processo de avaliação que vai desde a simples observação da adequação do manuscrito às normas da revista, até a avaliação da consistência do conteúdo. Quando um artigo é submetido à revista, o Editor avalia a relevância do conteúdo e se está de acordo com as normas e o escopo da Revista. O Editor pode recusar o artigo antes mesmo de ser enviado para um revisor. Se o artigo é considerado relevante e está de acordo com as normas da revista, o manuscrito passa para uma segunda etapa de avaliação, a revisão cega por pares. Nesta etapa, o Editor elege um membro do corpo de revisores para avaliar o manuscrito e emitir um parecer consubstanciado. Em seu parecer o revisor pode recomendar o aceite incondicional de artigo, o aceite com pequenas ou substanciais alterações, e a recusa à publicação. No caso do aceite com pequenas ou substanciais alterações, o parecer é enviado para os autores fazerem as adequações no manuscrito. O artigo corrigido pelos autores passa por uma nova rodada de avaliação. Se as alterações realizadas no artigo estiverem de acordo com o parecer, só então o artigo é liberado para a publicação. No caso de recusa do artigo, o parecer do revisor também é enviado para os autores. Todas as etapas do processo de revisão dos manuscritos são feitas por pesquisadores experientes em suas áreas de atuação. Fato que demanda tempo, recursos humanos especializados e garante a imparcialidade e a qualidade das nossas publicações. Boa leitura! Profa. Dra. Angélica Lodovico Coordenação Editorial Página da indexação: html?folio=20468&opcion=1. Página - 5

7 REVISTAINSPIRAR movimento & saúde Análise da Eficiência do Ultrassom Terapêutico Contínuo Utilizando Gel Comum e Gel com Princípio Ativo no Tratamento do Fibro Edema Geloide Grau II Efficiency Analysis of Therapeutic Ultrasound Continuous Joint Using Gel with Active Principle in the Treatment of Fibro Edema Geloid Grade II Tarso Waltrick 1,Elisangela Schüler 2,Patrícia Santos 3, Josiane Beppler Waltrick 4, Daniela dos Santos 5 RESUMO O Fibro Edema Gelóide (FEG), não se restringe apenas a uma alteração estética, mas deve ser considerada uma patologia. Esta pesquisa teve como objetivo demonstrar o tratamento do fibro edema geloide utilizando ultrassom (US) associado ao gel comum e US associado ao gel contendo princípio ativo. Foram selecionadas dez voluntárias (mulheres de anos), avaliadas inicialmente com a placa de termografia, teste da casca de laranja e grau de satisfação pessoal. As participantes foram divididas aleatoriamente em dois grupos, grupo A, voluntárias que fizeram o tratamento com US 3MHz de pulso contínuo utilizando gel comum e grupo B, voluntárias que fizeram o tratamento com US 3MHz de pulso contínuo utilizando gel com princípios ativos. Este estudo foi realizado nas dependências da clínica escola de Fisioterapia da Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Caçador/SC no período de 22 agosto a 22 setembro de Os resultados demonstraram que após o tratamento, o grupo B apresentou melhora estatisticamente significativa em relação ao grupo A com redução do grau de FEG evidenciado através da placa de termografia em 100% das participantes, e no teste da casca de laranja 80% apresentaram resultado negativo. Em relação ao grau de satisfação pessoal houve aumento estatisticamente significativo deste parâmetro (Md=8). Os resultados deste estudo permitem concluir que o US terapêutico associado ao gel com princípios ativos anticelulíticos mostrou-se superior em eficácia ao US associado ao gel comum, estimulando e acelerando significativamente a permeação de fármacos, levando assim à diminuição mais efetiva do FEG. Palavras-chave: fisioterapia, ultrassom, fibro edema gelóide. ABSTRACT The Fibro edema geloid (EGF), is not restricted to only a cosmetic change, but should be considered a pathology. This study had to demonstrate the treatment of fibro edema geloid using ultrasound (U.S.) associated with the gel associated with the common U.S. and gel containing the active ingredient. We selected ten volunteers (women 20 to 35 years), initially evaluated with the plate thermography test of orange zest and satisfaction with life. The participants were divided randomly into two groups, group A, the volunteers who made the U.S. treatment of 3MHz continuous pulse gel using common and group B, the volunteers who made the U.S. treatment of 3MHz continuous pulse using gel with active ingredients. This study was conducted on the premises of the clinic school of Physiotherapy at the University Alto Vale do Rio do Peixe - Caçador / SC in the period from August 22 to September 11, The results showed that after treatment, group B showed statistically significant improvement compared to group A with a reduced level of EGF evidenced by plate thermography in 100% of participants, and to test the orange peel 80% were negative. Concerning the degree of personal satisfaction was statistically significant increase of this parameter (Md = 8). The results of this study showed that the U.S. treatment associated with active anti-cellulite gel was superior in efficacy to the U.S. associated with the common gel, stimulating and accelerating significantly the permeation of drugs, thus leading to more effective reduction of EGF. Keywords: physical therapy, ultrasound, fiber edema geloid. 1. Coordenador do curso de Fisioterapia da Universidade Alto Vale do Rio do Peixe - Especialista em Fisioterapia Cardiorrespiratória - Mestrando em Ciência do Movimento; 2. Fisioterapeuta, Especialista em Fisioterapia Dermato Funcional; 3. Farmacêutica, Mestrado em Farmacologia UFSC; 4. Administradora, Especialista em Gestão de Pessoas; 5. Fisioterapeuta Especialista em Acupuntura. Recebido: 04/2011 Aceito: 12/2011 Autor para correspondência: Tarso Waltrick Página - 6

8 movimento & saúde REVISTAINSPIRAR INTRODUÇAO Mulheres com excesso de peso e nítida presença de celulite era o ideal da beleza feminina no século XV, que só o Realismo, característica do período Barroco nas artes, permitiu mostrar. O ideal de beleza no início do terceiro milênio, no entanto, mudou. A presença de tecido adiposo é pouco aceita e as irregularidades deste tecido, o fibro edema gelóide, são temidas entre as mulheres modernas. O FEG, no entanto, esta presente em 80% das mulheres ocidentais. A disfunção aparece cada vez mais cedo, atingindo mesmo jovens e adolescentes, podendo aparecer até mesmo as mulheres magras (DRAELOS, 1997). O Fibro Edema Geloide (FEG), ao contrário da opinião de leigos, não se restringe apenas a uma alteração estética, mas deve ser considerada uma patologia, pois podendo gerar problemas álgicos nas zonas acometidas, diminuição das atividades funcionais e problemas emocionais. São alterações micro circulatório fisiopatológica, identificadas como edema não-inflamatório do tecido conjuntivo subcutâneo, localizada na hipoderme e definida como patologia multifatorial (GUIRRO; GUIRRO, 2004). Manifesta-se em forma de nódulos ou placas de variadas extensões. Por essa razão denomina-se processo de fibro edema geloide. Estas alterações podem afetar a temperatura do tecido acometido. A placa de termografia é um exame não-invasivo, realizado com um sistema criado na Itália, onde folhas flexíveis composta de Cristais Líquidos Termossensíveis de Colesterol, têm a capacidade de mudar a emissão de cores em bases consistentes e previsíveis. Desta forma é possível determinar mudanças de temperatura na superfície da pele, e observar, o estágio do FEG. Cada estágio tem características próprias que podem ser observadas na placa termografica de contato. Conhecer o estágio do FEG é importante para o prognóstico, que varia de 1 a 4 grau (DRAELOS, 1997). O FEG constitui, portanto, a maior queixa dos pacientes que buscam os serviços de Fisioterapia Dermato-funcional. A fisioterapia Dermato-Funcional dispõe de recursos que trabalham no intuito de restaurar a aparência, sem comprometer a saúde das mulheres. O ultrassom, por exemplo, é um recurso amplamente utilizado no tratamento do FEG. Este vem se destacando em virtude dos seus efeitos fisiológicos associados à sua capacidade de veiculação de substâncias através da pele (fonoforese), além de promover neovascularização com consequente aumento da circulação, rearranjo e aumento da extensibilidade das fibras de colágenos, e melhora da propriedade mecânica do tecido. Segundo Borges (2006), a fonoforese compreende a técnica mais usada na terapia dermato-funcional no tratamento do FEG, empregando produtos cosméticos principalmente com ação lipolítica e estimulante da circulação. METODOLOGIA Este estudo foi realizado nas dependências da clínica escola da Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Caçador - SC no período de 22 agosto a 22 setembro de Trata- -se de uma pesquisa qualitativa, que segundo Minayo (1984) o pesquisador procura reduzir a distância entre a teoria e os dados, entre o contexto e a ação, usando a lógica da análise fenomenológica, isto é, da compreensão dos fenômenos pela sua descrição e interpretação. E para análise do grau de satisfação foi utilizada a pesquisa de variável quantitativa que é segundo Fachin (2001, p.73-79), qualquer quantidade ou característica que pode possuir diferentes valores numéricos. Na pesquisa do tipo quantitativa, os resultados são analisados e classificados em estatística pelo método de porcentagem e gráficos. A população estudada foi composta de dez voluntárias, selecionadas com a queixa principal de fibro edema geloide localizada na região glútea bilateral. Os critérios de inclusão para pesquisa foram: A) Sexo Feminino; B) Ter idade entre 20 a 35 anos; C) Apresentar fibro edema geloide grau II na região glútea bilateral; D) Praticantes de exercícios físicos pelo menos por duas vezes semanais; E) Assinar o termo de consentimento livre e esclarecido; F) Foi explicado a cada participante o direito de anonimato e sigilo dos resultados individuais de cada indivíduo; G) Foi explicado a cada participante que poderia em qualquer momento do estudo recusar a participar ou se excluir do mesmo, quando assim julgar necessário. Os critérios de exclusão da pesquisa foram: A) Voluntárias que não puderam, por algum motivo, fazer as sessões semanais; B) Voluntárias que apresentaram algum quadro febril durante o tratamento; C) Voluntárias com ciclo menstrual irregular durante o tratamento ou estivessem apresentando o fluxo menstrual durante os períodos de avaliação inicial e final; D) Voluntárias que não se encaixaram nos critérios de inclusão. Após a assinatura do termo de consentimento pelas pacientes em estudo, as dez voluntárias selecionadas foram divididas aleatoriamente em dois grupos, sendo que no grupo A foram incluídas as voluntárias que fizeram o tratamento com US 3MHz de pulso contínuo com gel comum; e no grupo B, voluntárias que fizeram o tratamento com US 3MHz de pulso contínuo com gel com princípios ativos (extrato de laranja amarga citrus aurantium e L-carnitina, padronizado com 3 a 6 % de sinefrina da marca Valmari com propriedade estimulante, ativador da lipólise e aumento da termogênese). Na sala de procedimentos os dois grupos foram submetidos à avaliação termográfica. Para esta avaliação cada voluntária permaneceu em repouso somente com sua roupa íntima no corpo durante 5 minutos em decúbito dorsal com os membros inferiores elevados sobre coxins a 30 graus. Cada voluntária deitou-se em decúbito ventral, onde foi aplicada a placa termográfica da marca Celluvision Pesonal sobre a pele, para determinar o estágio da celulite. A sala de procedimento permaneceu a uma temperatura ambiente em torno de 25 C, ajustado através do climatizador, da marca Migraeff (disponível na Clinica Escola da Universidade), para não apresentarem variação da temperatura corporal e assim não apresentarem resultados falso-positivo para fibro edema geloide (ULRICH, 1982). Para avaliação do teste casca de laranja cada voluntária permaneceu em decúbito ventral e na posição ortostática onde se realizou compressão do tecido adiposo entre os dedos polegar e indicador ou através das palmas das mãos (GUIRRO; GUIRRO, 2004). Foi preenchida ficha de Anamnese com cada voluntária e o grau de satisfação variando de 0 a 10, onde 0 significa plena insatisfação e 10 plena satisfação, analisada pela escala visual analógica. Após a avaliação feita individualmente com cada voluntária dos dois grupos, foi aplicado o tratamento da seguinte forma: para o grupo A, cada voluntária deitou-se na maca em decúbito ventral com as pernas Página - 7

9 REVISTAINSPIRAR movimento & saúde afastadas e com um travesseiro pequeno sobre o abdômen, com o corpo todo coberto, deixando somente o glúteo descoberto. Nesta posição, foi realizada a higienização da pele com sabonete líquido neutro da marca Dermacyd, posteriormente foi aplicado o gel hidrofilico comum da marca contato e o aparelho de US 3.0 MHz da marca KLD Avatar V de pulso contínuo com intensidade de 1,3 W/cm². O tempo de aplicação foi de dois minutos por área próxima de 10 cm². (BORGES, 2006). E para o grupo B, cada voluntária deitou-se maca em decúbito ventral com as pernas afastadas e com um travesseiro pequeno sobre o abdômen, com o corpo todo coberto, deixando somente o glúteo descoberto. Nesta posição, foi realizada a higienização da pele com sabonete líquido neutro da marca Dermacyd, posteriormente foi aplicado o gel com extrato de laranja amarga e L-Carnitina da marca Valmari e o aparelho de US 3.0 MHz da marca kld Avatar V de pulso contínuo com intensidade de 1,3 W/cm². O tempo de aplicação foi de dois minutos por área próxima de 10 cm². Foram realizadas 10 sessões com cada voluntária, aplicando duas sessões semanais, com sessões de 15 minutos de duração, em média. A análise termográfica e o grau de satisfação foram realizados na primeira e décima sessão. Conforme Guirro e Guirro (2004), embora o exame de termografia seja inócuo, por se tratar de uma avaliação não-invasiva, como método de avaliação único não é seguro, pois fatores externos e internos podem alterar significativamente o resultado do exame. Devido a estes fatores foi realizado o teste casca de laranja antes e após os tratamentos, para uma avaliação mais efetiva. A análise de dados foi realizada através de: Ficha de avaliação inicial para fibro edema geloide. Avaliação da placa de termografia realizada na primeira e décima sessão. Ficha de avaliação de grau satisfação pessoal antes e após tratamento. Teste da casca de laranja antes e após tratamento. Os programas utilizados para fazer a estatística descritiva e testes de comparação entre os grupos foram o Instat e o Statistica, e os programas utilizados para confeccionar os gráficos e tabelas de contingência foram o Graph Pad Instat e o Instat. A análise do grau de satisfação foi descrita através da mediana dos valores das participantes de cada grupo, e os resultados antes e depois do tratamento foram comparados através do teste estatístico de Kruskal- Wallis. Para comparar o efeito dos diferentes tratamentos e verificar se havia associação estatisticamente significativa entre os tratamentos e a melhora do grau de FEG, foram utilizadas tabelas de contingência e o teste de Fischer. O teste de Wilcoxon para medidas repetidas foi utilizado para verificar se havia diferença entre o grau de satisfação pessoal das participantes dos grupos A e B, antes e depois do tratamento. O nível de significância adotado foi para valores de p < 0,05; sendo considerada tendência à diferença significativa entre os grupos, valores de p entre 0,05 e 0,1. ANÁLISE DOS RESULTADOS Atualmente o público feminino, na busca pelo belo, tem recorrido a métodos e técnicas com uma expectativa cada vez maior de ótimos resultados. Isto motivou uma verdadeira revolução na indústria de cosmético e aparelhos de estética. O FEG constitui-se dá maior queixa dos pacientes que buscam os serviços de Fisioterapia na parte de Dermato-funcional. Efeitos do US Associado ao Gel Comum e US Associado ao Gel com Princípios Ativos Anticelulíticos sobre o Grau de FEG Para a análise estatística dos resultados relativos à avaliação com placa termográfica e teste casca de laranja foi utilizado um teste estatístico para dados qualitativos (nominais). Utilizamos o Teste de Fisher, o qual é usado para amostras pequenas e produz menos erros. Ele é utilizado para verificar se existe uma diferença significativa entre os tratamentos com relação aos parâmetros avaliados (grau de fibro edema geloide), calculando a probabilidade de que a tabela de contingência usada tenha sido obtida por acaso. Neste trabalho as variáveis qualitativas consideradas foram o grau de fibro edema geloide (grau I, grau II, grau III ou grau IV) avaliado através da análise termográfica (tabela 1); e no teste casca de laranja - resultado positivo ou negativo (tabela 2), na primeira avaliação e após as dez sessões dos tratamentos (grupos A e B). Utilizou-se uma tabela de contingência (ver a seguir) para verificar a existência de uma associação entre os diferentes tratamentos e a melhora do grau do FEG. Tabela 01 Efeito do US associado ao gel comum e US associado ao gel com princípios ativos anticelulíticos na redução do grau de FEG através da analise termográfica Observa-se na tabela 1, que as participantes tratadas com gel com princípios ativos (fonoforese) apresentaram maior redução do grau do fibro edema geloide (representado pelo grupo B) em relação às participantes tratadas com gel comum (representado pelo grupo A). O teste de Fisher para dados qualitativos detectou diferença significativa entre os tratamentos na redução do grau de FEG (p = 0,008 - diferença muito significativa). Utilizou-se uma tabela de contingência (ver a seguir) para verificar a existência de uma diferença significativa entre os tratamentos e ao parâmetro avaliado entre o tratamento com utilização do gel comum e o tratamento com utilização do gel com princípios ativos (Citrus aurantium e L-Carnitina), através do teste casca de laranja dos (grupos A e B). Observa-se na tabela 2, que as pacientes do (grupo B), tratadas com gel com princípios ativos citrus aurantium, apresentaram redução do grau do fibro edema geloide em relação às pacientes do (grupo A), tratadas com gel comum, para o teste casca de laranja, sendo que na avaliação antes do tratamento todas apresentaram sinal positivo para este teste. O teste de Fischer para dados qualitativos detectou diferença significativa entre os tratamentos na redução do FEG (p = 0,048 diferença significativa). Tabela 02 Efeito do US associado ao gel comum ou US associado ao gel com princípios p ativos anticelulítico no teste da Casca de Laranja. De acordo com Byl (1995), em 75% dos estudos restritos sobre a fonoforese ocorre efetividade do US como acentuador da permeação de substâncias. Segundo Zimmermann (2004), em Página - 8

10 movimento & saúde REVISTAINSPIRAR estudo utilizando a fonoforese nas mais diversas patologias, com uma técnica placebo e a outra utilizando hidrocortisona, em 68% dos casos tratados com hidrocortisona houve marcado decréscimo da dor e aumento da amplitude de movimento do segmento em questão, sendo que nos casos tratados com placebo apenas 28% mostraram quadro semelhante. Campos (2004), em seu estudo in vitro sobre a influência do ultra-som na permeação cutânea, utilizando cafeína aplicada em suínos, a qual possui alguns efeitos semelhantes aos do extrato de Citrus aurantium, alcançou resultados de que o ultrassom acentua e acelera significativamente a permeação de fármacos. A camada córnea dos suínos apresenta semelhanças com a do homem, sendo considerada a principal barreira à permeação de fármacos. Já para Oenning e Braz (2008), em seu estudo sobre os efeitos obtidos com a aplicação do ultrassom no tratamento do fibro edema geloide, a paciente estudada após 20 sessões de aplicação do ultrassom 0,6 w/cm², 3MHZ, modo contínuo, na região glútea e porção superior da coxa, observou uma redução significativa, tanto do FEG grau I quanto o de grau II, com melhora no aspecto da pele casca de laranja, tendo resultado positivo apenas utilizando US terapêutico. Segundo Agne (2005), observa-se na área tratada com US uma série de efeitos biológicos, como vasodilatação da área com hiperemia, aumento do fluxo sanguíneo, o aumento da permeabilidade celular, micromassagem produzida pelo ultrassom, reabsorção de edemas, regeneração celular, auxílio no retorno venoso e linfático, incremento do metabolismo local, estimulação das funções celulares, incremento da flexibilidade dos tecidos ricos em colágenos, diminuição da rigidez articular e da contratura, analgesia e espasmolítico. Já Low e Reed (2001), afirmam em seus estudos que as profundidades nas quais se pode fazer com que as drogas penetrem é uma questão incerta. Assim que a droga passa pela epiderme é provável que seja dispersa na circulação em uma extensão que depende da vascularidade dos tecidos em questão e da facilidade com que as moléculas da droga podem entrar nos vasos sanguíneos. A penetração mais profunda não infere necessariamente em maior efetividade. Em relação à atividade farmacológica dos princípios ativos presentes no gel associado ao Ultrassom utilizado no grupo B, vários estudos demonstram que, a superfície de várias células, especialmente células musculares e de gordura, contém receptores específicos conhecidos como beta-receptores. A Sinefrina provoca a ativação dos sítios de receptores beta-específicos, quando age indiretamente como um beta-agonista, como consequência desta ativação, uma sequência de processos são iniciados, induzindo a quebra e uso da gordura armazenada para produção de energia e aumento do metabolismo muscular. Muitos estudos confirmaram a habilidade da Sinefrina em iniciar o processo de termogênese. A produção de calor é um processo metabólico natural do nosso organismo. Porém, este processo torna-se prejudicado para muitas pessoas, quando envelhecem e acumulam grande quantidade de gordura armazenada (HEDREI; GOUGEON, 1997). A Sinefrina é uma substância muito importante para o tratamento da obesidade devido a sua habilidade em se ligar não somente a receptores alfa-1, mas também por ativar um específico e recentemente conhecido subgrupo de beta- -receptores denominados beta-3 receptores. Os receptores beta-3 aceleram a lipólise e aumentam o metabolismo basal através da termogênese. Poucas são as substâncias capazes de ativar diretamente os receptores alfa-1 e ativar indiretamente os receptores beta-3 (FUGH-BERGMAN, 2004). A L-Carnitina é imprescindível no metabolismo da queima de gordura com consequente produção de energia. Sem ela os ácidos graxos não poderiam ser transportados para o interior da mitocôndria. Uma vez que a gordura é transportada para a mitocôndria, ela é convertida em energia para o corpo e sua suplementação melhora o rendimento aeróbico (EA- DES, 1994). Estes efeitos certamente contribuíram para uma melhor eficácia do gel. Efeitos do US Associado ao Gel Comum e US Associado ao Gel com Princípios Ativos Anticelulíticos Sobre o Grau de Satisfação Pessoal das Participantes Voluntárias No início e na avaliação do resultado final do tratamento, as participantes dos grupos A e B (utilizando gel comum ou gel com princípios ativos) receberam um questionário para avaliação do grau de satisfação pessoal antes e após o tratamento proposto, como pode ser visto no gráfico a seguir, que demonstra os resultados da avaliação realizada pelas participantes, representados através das medianas dos valores de cada grupo, antes e pós-tratamento. Tabela 03 Medianas do grau de satisfação da participantes dos grupos A e B. Obs: Grau de satisfação antes do experimento sem # entre os grupos A e B. Teste Kruskal Wallis p=0,35 O teste de Wilcoxon para medidas pareadas (repetidas) demonstrou que o grau de satisfação pessoal antes e depois do tratamento no grupo A (US associado ao gel comum) apresentou tendência a diferença estatística (p=0.1). Já o grupo B (US associado ao gel com princípios ativos) apresentou grau de satisfação pessoal significativamente maior depois do tratamento em relação ao valor inicial (p = 0,04). Gráfico 1 Grau de satisfação pessoal (GSP) das participantes antes e depois dos tratamentos para a redução do grau de Fibro edema geloide Observa-se através do gráfico acima que o grau de satisfação das participantes que utilizaram ultrassom com gel com princípios ativos foi superior ao das participantes que só utilizaram ultrassom com gel comum. A satisfação do corpo representa um papel importante na parte psicoemocional de uma pessoa, principalmente em mulheres. Página - 9

11 REVISTAINSPIRAR movimento & saúde CONCLUSÃO O ultrassom terapêutico 3.0 MHz pode ser associado ao gel com princípios ativos Citrus aurantium e L-Carnitina, padronizado com 3 a 6 % de sinefrina que é uma substância muito importante para o tratamento da obesidade devido a sua habilidade em se ligar não somente a receptores alfa-1, mas também por ativar um específico e recentemente conhecido subgrupo de beta-receptores, denominados beta-3 receptores, que aceleram a lipólise através do aumento do metabolismo basal e oxidação de gordura pelo aumento da termogênese e, consequentemente, gera perda de peso. Poucas são as substâncias ativas capazes de ativar diretamente os receptores alfa-1 e ativar indiretamente os receptores beta-3, resultando em termogênese e aumento da recaptação de oxigênio. O estudo, portanto, foi uma eficiente combinação, tendo em vista o grau de satisfação obtidos a partir de seu emprego. A L-Carnitina, outro principio ativo, faz parte do mecanismo que facilita o transporte da gordura corporal para as mitocôndrias (órgãos celulares responsáveis por queimar a gordura corporal e convertê-la em energia para o corpo). O gel utilizado para o acoplamento age de forma específica juntamente com o ultrassom. Este gel com princípios ativos anticelulíticos utilizado neste estudo contribuiu de forma significativa para redução dos graus da celulite, tendo melhores resultados quando comparados ao gel comum. Conclui-se, portanto, que o ultrassom terapêutico associado ao gel com princípios ativos acelera significativamente a redução do FEG, e espera-se que os resultados deste trabalho possa contribuir para novas pesquisas e na aplicação para melhoria da qualidade de vida de pessoas que busquem tratamento para o problema estético em questão o Fibro Edema Gelóide. REFERÊNCIAL AGNE, Jones E. Eletrotermoterapia: teoria e prática. Santa Maria: Orium, ANDRAWS, R.; CHAWLA, P.; BROWN, D.L. Cardiovascular effects of ephedra alkaloids: a comprehensive review. Prog Cardiovasc Dis, nº 47, p , BORGES, Fábio dos Santos. Dermato funcional: modalidades terapêuticas nas disfunções estéticas. São Paulo: Phorte, BYL, N. N. The use of ultrasound to enhance percutaneous absorption of benzydamine. Physical Therapy. v. 75, n.6, p , CAMPOS, M. S. M. Pires de Influência do ultra-som na permeação cutânea: estudo de fragmentos de pele e em adipósitos de suínos. Dissertação de mestrado. Instituto de Biologia. UEC, Universidade Estadual de Campinas São Paulo, DRAELOS, Z. D.; MARENUS, K.D. Cellulite & Etiology and purported treatment. Dermatologic Surgery, 1997; v.23, p EADES, Mary Dan. The doctor s complete guide to vitamins and minerals. Publishing Group, May, FACHIN, Odília. Fundamentos de metodologia. 3. ed. São Paulo: Saraiva, FUGH-BERGMAN, A.; MYERS, A. Citrus aurantium, an ingredient of dietary supplements marketed for weight losss: current status of clinical and basic research. Exp Biol Med: 2004, 299: FUIRINI JUNIOR, Nelson; LONGO, J.Glauco. Ultra Som KLD Biossistemas Equipamentos Eletrônicos LTDA: Manual KLD, MINAYO, Maria C. Souza et al. Pesquisa social - teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, GUIRRO, Elaine; GUIRRO, Reinaldo. Fisioterapia dermato funcional: revisada e atualizada. 3. ed. São Paulo: Manole, HEDREI, P. ; GOUGEON, R. Thermogenic effect of beta-sympathicomimetic compounds extracted from Citrus aurantium. McGill Nutrition and Food Science Center, Royal Victoria Hospital, LOW, John; REED, Ann. Eletroterapia explicativa: princípios e prática. 3. ed. São Paulo: MANOLE, ULRICH, W. A celulite é curável: prevenção e auto- -tratamento em 10 semanas. São Paulo: Ediouro, ZIMMERMANN, L. Celulite. Revista Vida Estética. Rio de Janeiro, v.112, p.48-55, Página - 10

12 movimento & saúde REVISTAINSPIRAR Circulação Extracorpórea como Fator Predisponente para Atraso no Desmame da Prótese Ventilatória Após Cirurgia Cardíaca Cardiopulmonary Bypass as Predisposing Factor for Delay from Weaning of the Ventilatory Prosthesis After Cardiac Surgery Eustáquio Luiz Paiva-Oliveira 1,2, Natalia Cardoso Lima 1, Claudia Mara Cruz Moreira 3 RESUMO Este estudo se propôs a avaliar a influência do tempo de circulação extracorpórea (CEC) como fator predisponente para o atraso no desmame da prótese ventilatória após cirurgia cardíaca. Pacientes submetidos à cirurgia cardíaca eletiva foram alocados em dois grupos de acordo com o tempo de circulação extracorpórea (G1: 70 minutos e G2: 90 minutos) e analisados quanto ao tempo de permanência em prótese ventilatória. Os resultados não mostraram diferença significativa no tempo de permanência em prótese ventilatória entre os grupos (p>0,05). Estratificando por gênero, faixa etária e tipo de cirurgia, também não encontramos diferenças estatísticas significativas (p>0,05). Este estudo mostrou que não houve correlação entre tempo de CEC com permanência prolongada à prótese ventilatória. Palavras Chaves: Cirurgia cardíaca, Circulação extracorpórea, Ventilação mecânica. ABSTRACT This study was proposed to evaluate the influence of time of cardiopulmonary bypass (CEC) as predisposing factor to the delay in weans of ventilatory prosthesis after cardiac surgery. Patients submitted elective cardiac surgery were allocated in two groups in agreement with the time of cardiopulmonary bypass (G1: 70 minute and G2: 90 minute) and analyzed the time of permanence in ventilatory prosthesis. The groups showed no significant difference in permanence time in ventilatory prosthesis (p>0,05). Stratifying for gender, age group and surgery type, also no found statistically significant differences (p>0,05). This study showed no correlation between time of CEC with prolonged permanence at ventilatory prosthesis. Key words: Cardiac surgery, cardiopulmonary bypass, Ventilation mechanics. 1. Fisioterapeuta, Especialista em Ciências da Reabilitação com ênfase em Fisioterapia Cardiorrespiratória pela Faculdade de Minas/FAMINAS, Muriaé MG, Brasil. 2. Mestre e Doutorando em Neurociências pela Universidade Federal Fluminense/UFF, Niterói RJ, Brasil. 3. Fisioterapeuta, Especialista em Reabilitação Cardiorrespiratória, Fisioterapeuta do Hospital Prontocor e da Prefeitura Municipal de Muriaé MG, Brasil. Recebido: 03/2011 Aceito: 08/2011 Autor para correspondência: Eustáquio Luiz Paiva de Oliveira Rua Barão do Amazonas, 410, apto. 101 Centro Niterói, RJ Brasil CEP: Telefone: (21) Página - 11

13 REVISTAINSPIRAR movimento & saúde INTRODUÇÃO A cirurgia cardíaca é a terapêutica eletiva na busca por retardar e/ou prevenir as complicações advindas das doenças cardiovasculares, promovendo a sobrevida, diminuindo a morbidade e aliviando os sintomas em pacientes coronariopatas 1. Após o surgimento da circulação extracorpórea (CEC), na década de 50, grandes benefícios foram alcançados permitindo procedimentos adequados para correções cirúrgicas nas diversas cardiopatias. Entretanto, as condições não fisiológicas desse circuito produzem uma série de efeitos adversos, ativando reações inflamatórias alem de promover complicações neurológicas, renais, pulmonares e cardiovasculares 2-4. Evidência recente mostrou que cirurgia de revascularização do miocárdio com CEC provoca aumento nos níveis de citocinas pró-inflamatórias tais como fator de necrose tumoral alfa (TNFα) e interleucina 1 beta (IL1 β), e sua correlação com a diminuição da complacência pulmonar o que pode comprometer a evolução pós operatória 5. Além disso, fatores adicionais e comorbidades podem gerar complicações no pós cirúrgico e prolongar a permanência em ventilação mecânica invasiva 6. Associado a CEC e aos fatores adicionais o tubo orotraqueal também provoca malefícios ao paciente. O efeito deletério do tubo orotraqueal nas alterações hemodinâmicas causadas pela agitação psicomotora após o efeito anestésico torna a extubação precoce da prótese ventilatória um objetivo importante no pós-operatório de cirurgia cardíaca 1. Além disso, o uso prolongado do suporte ventilatório pode gerar hipotrofia da musculatura respiratória comprometendo o desempenho do diafragma contribuindo para o insucesso no desmame 7. Entretanto, há relatos que a modalidade ventilatória tem pouco impacto na decisão da extubação após a cirurgia cardíaca, pois geralmente tão logo cesse o efeito anestésico os pacientes são extubados e consideram o tempo de CEC como um dos principais fatores que retarda o desmame da VMI no pós-cirúrgico, devido ao importante distúrbio fisiológico causado pelo circuito extracorpóreo 6. Com os avanços nos procedimentos cirúrgicos e a redução na administração de doses sedativas, associados à interação da equipe multidisciplinar, o tempo médio de suporte ventilatório invasivo tem sido reduzido, tornando a estabilidade clínica mais precoce e minimizando as complicações decorrentes da ventilação mecânica invasiva (VMI) 1. Porém, autores 2,8 mostraram que o tempo de VMI é diretamente influenciado pelo tempo de CEC e o atraso no processo de desmame da VMI após cirurgia cardíaca com CEC é responsável pelo prolongamento do tempo de internação com aumento dos custos hospitalares, além de ser importante causa de morbidade e mortalidade. Dados da literatura relatam que pacientes submetidos à cirúrgica cardíaca com tempo de CEC superior a 150 minutos apresentam alterações pulmonares graves 9,10. Entretanto, tem sido descrito que estas alterações podem ocorrer em pacientes submetidos a períodos de CEC superior a 120 minutos, influenciando no desmame da VMI e aumentando o risco cirúrgico 6,11. Em cirurgia de troca de válvula, o tempo de CEC superior a 120 minutos esta associado à mortalidade hospitalar 12. Autores 13 mostraram um aumento significativo no desenvolvimento de insuficiência renal aguda (IRA) em pacientes submetido à cirurgia cardíaca com CEC superior a 90 minutos, porém não investigaram sua correlação com aumento na permanência em VMI como proposto neste estudo. Adicionalmente, os fatores de risco pré-operatórios associados à agressão cirúrgica e ao uso de CEC também estão relacionados a complicações no pós-operatório e consequentemente com insucesso e atraso no processo de desmame da VMI. Os principais fatores de risco pré- -operatórios descritos na literatura são a idade avançada, doenças pulmonares prévias, tabagismo e as comorbidades, incluindo hipertensão arterial sistêmica e diabetes mellitus 14. Este trabalho investigou a hipótese do tempo prolongado de circulação extracorpórea como fator predisponente para atraso no desmame da prótese ventilatória em pacientes submetidos à cirurgia cardíaca. Além disso, analisamos a influência da associação entre tempo prolongado de CEC e fatores de risco pré-operatórios no atraso no desmame da ventilação mecânica invasiva. METODOLOGIA Tipo de estudo e amostra Trata-se de um estudo de coorte histórico realizado a partir da revisão de prontuários de pacientes submetidos à cirurgia cardíaca de revascularização do miocárdio (CRVM) e troca de válvula (TV), no Hospital Prontocor, Muriaé MG. Os prontuários foram estratificados em dois grupos designados: Grupo 1 (CEC 70 minutos), com tempo de CEC menor ou igual a 70 minutos, e Grupo 2 (CEC 90 minutos), com tempo de CEC maior ou igual a 90 minutos, de acordo com o descrito por Taniguchi 13, e analisados quanto ao tempo de permanência em ventilação mecânica. Critérios de exclusão Foram considerados critérios de exclusão: tempo de circulação extracorpórea entre 70 e 90 minutos, óbito durante o ato cirúrgico, admissão na Unidade de Terapia Intensiva extubado e prontuário com dados incompletos. Variáveis analisadas As variáveis analisadas foram: Variáveis demográficas: relacionadas ao paciente, mas independente da doença, tais como: sexo, idade, etnia, peso, estatura e índice de massa corporal (IMC). Co-morbidades: patologias preexistentes relacionadas ou não diretamente com a patologia, que podem estar associadas ao prolongado tempo de VMI no pós-operatório, como tabagismo, Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS) e Diabetes Mellitus (DM). Variáveis intra-operatórias: Tempo de circulação extracorpórea (CEC), tempo clampeamento aórtico (CA), tempo de cirurgia (TC), tipo de cirurgia e ventilação mecânica invasiva (VMI). Variáveis pós-operatórias: número de sessões fisioterapêuticas na fase I de reabilitação; tempo de permanência em UTI, enfermaria e hospitalar. Página - 12

14 movimento & saúde REVISTAINSPIRAR Considerações éticas O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em pesquisa da instituição, respeitando a resolução nº 196/96 do Conselho Nacional de Saúde, do Ministério da Saúde (CNS/MS). Por se tratar de um estudo coorte histórico, não ofereceu riscos aos pacientes. Consideramos o sigilo no manuseio das informações médicas bem como o anonimato dos pacientes. Análise estatística Os dados categóricos são apresentados em números absolutos e percentuais, e as variáveis contínuas em média ± desvio padrão (DP). As variáveis contínuas foram comparadas pelo teste t-student não pareado admitindo como significante p 0,05. Para análise estatística utilizamos o software GraphPad Prism (GraphPad Software Inc. San Diego, CA). RESULTADOS Da amostra total (n=37) 40,54% (n=15) pertenciam ao sexo feminino. Os pacientes do sexo masculino apresentaram valores superiores em todas as variáveis demográficas em relação ao sexo feminino, entretanto, somente as variáveis peso e altura apresentaram diferenças estatisticamente significativas (Tabela I). Apesar do aumento significativo encontrado nas variáveis intra-operatórias (Tabela II) não houve diferença estatisticamente significativa no tempo de VMI entre os grupos G1 e G2 (275,2 ± 71,8 vs 364,6 ± 104,4; p = 0,47, respectivamente) (Figura 1A). Estratificando por gênero, também não encontramos diferença significativa entre os grupos sendo p=0,66 e p=0,62 no sexo feminino e masculino, respectivamente (Figura 1B). Quanto à faixa etária, não houve significância estatística entre os grupos (G1 e G2): indivíduos abaixo de 50 anos (p=0,69); entre 50 e 59 anos (p=0,68) e no grupo com idade igual ou superior a 60 anos (p=0,79) (Figura 1C). Assim como as demais variáveis, a figura 1D mostrou que também não houve diferença significativa entre os grupos G1 e G2 tanto nos indivíduos submetidos a cirurgia de troca de válvula quanto nos submetidos a revascularização do miocárdio (p=0,08 para ambos os grupos). Curiosamente, apesar de não significativo, os indivíduos do G1 submetido à troca de válvula apresentaram uma tendência a maior tempo de ventilação mecânica em relação ao grupo G2. Porem, este aumento foi significativo (p<0,0001) em relação aos pacientes do grupo G1 submetido a CRVM (Figura 1D). Tabela I: Características demográficas da amostra IMC = índice de massa corporal, m = metros, Kg/m² = quilograma por metro quadrado, 1p-valor = relativo aos gêneros; A análise estatística foi baseada no teste t-student sendo ***p<0,001, **p<0,01, *p 0,05, ns = não significativo. A amostra foi dividida em dois grupos, sendo o grupo 1 (G1) constituído de pacientes com tempo de CEC 70 minutos e o grupo 2 (G2) de pacientes com tempo de CEC 90 minutos. O G1 corresponde a 62,16% da amostra com média de idade (51,22 ± 3,2 anos) inferior ao G2 (57,29 ± 2,4 anos). O G2 apresentou aumento significativo em relação ao grupo G1 em todas as variáveis intra-operatórias, conforme demonstrado na Tabela II. Entretanto, nas variáveis pós-operatórias somente o tempo de internação em enfermaria apresentou diferenças significativas, apesar do G2 apresentar uma tendência a valores superiores nas demais variáveis analisadas (Tabela II). Tabela II: Variáveis intra-operatórias e pós-operatórias Figura 1: Tempo de permanência em ventilação mecânica invasiva nos grupos G1 e G2 (A) estratificado por gênero (B), faixa etária (C) e tipo de cirurgia (D). Barra branca = G1 ( 70 minutos); Barra preta = G2 ( 90 minutos); CRVM = cirurgia de revascularização do miocárdio. As barras representam à média e seu respectivo desvio padrão (DP). A análise estatística foi baseada no teste t-student sendo ***p<0,0001 e ns = não significativo. Co-morbidades foram consideradas como fatores pré- -operatórios que podem prolongar o tempo de permanência em VMI no pós-operatório de cirurgia cardíaca. A tabela III mostrou uma elevada prevalência de indivíduos hipertensos (86,5%), porém baixos índices de tabagistas e diabéticos. Ao estratificar por gênero, também encontramos níveis elevados de HAS em ambos os sexos (Tabela III). Tabela III: Distribuição absoluta e percentual dos fatores de risco pré-operatório CEC = circulação extracorpórea; VMI = ventilação mecânica invasiva; CA = tempo de campleamento aórtico; TC = tempo de cirurgia; SF = sessões de fisioterapia; UTI = tempo em Unidade de terapia intensiva; Enf = tempo de internação em enfermaria; HT = tempo total de hospitalização. 1 p-valor = relativo aos gêneros. A análise estatística foi baseada no teste t-student sendo ***p<0,001, **p<0,01, *p 0,05, ns = não significativo. # Valores expressos em número absoluto e percentual (n (%)) em relação à amostra total (n=37); *Valores expressos em número absoluto e percentual (n (%)) em relação ao total de cada gênero. HAS = Hipertensão arterial sistêmica; DM = Diabetes Mellitus. Página - 13

15 REVISTAINSPIRAR movimento & saúde Dos 32 indivíduos hipertensos, 15 (46,9%) não apresentaram associação com as demais co-morbidades, 7 (21,9%) eram tabagistas, e 10 (31,2%) apresentaram HAS associado a Diabetes Mellitus. Não houve associação entre pacientes tabagistas e diabéticos. Dos 15 indivíduos hipertensos, 7 (46,6%) foram submetidos a tempo de CEC igual ou superior a 90 minutos (G2), entretanto, não houve diferença significativa no tempo de permanência em VMI em relação ao G1 (p=0,71). Também não encontramos diferenças significativas entre os grupos nos pacientes hipertenso-tabagistas e hipertenso-diabéticos com p=0,33 e p=0,73, respectivamente (Figura 2). Figura 2: Tempo de permanência em ventilação mecânica invasiva estratificado por HAS, HAS+TAB e HAS+DM. HAS = Hipertensão arterial sistêmica; TAB = tabagismo; DM = Diabetes Mellitus; HAS+TAB = indivíduos hipertenso-tabagistas; HAS+DM = indivíduos hipertenso-diabéticos. As barras representam à média e seu respectivo desvio padrão (DP). A análise estatística foi baseada no teste t-student sendo ns = não significativo. DISCUSSÃO As alterações fisiológicas no pós-operatório de cirurgia cardíaca com CEC são notórias e o tempo de exposição ao circuito é um fator determinante na rapidez na recuperação da função respiratória 11,15. O distúrbio fisiológico causado pelo sistema extracorpóreo é um dos principais fatores que retardam o desmame da prótese ventilatória na cirurgia cardíaca 6. Alterações pulmonares graves em pacientes submetidos a tempo de CEC superior a 150 minutos foram descritas 10. Entretanto, segundo Nozawa et. al. 6, estas alterações podem ocorrer com tempo de CEC superior a 120 minutos e desta forma influenciariam no maior tempo de assistência ventilatória mecânica invasiva. Embora nossos resultados tenham apresentado diferenças significativas no tempo de CEC, campleamento aórtico e cirurgia nos pacientes do grupo G2 em relação ao G1 (Tabela II), o tempo de CEC maior ou igual a 90 minutos não foi determinante para permanência prolongada em VMI. Dados da literatura mostraram aumento significativo no desenvolvimento de insuficiência renal crônica em pacientes submetidos a CEC superior a 90 minutos, porem os autores não mostraram sua correlação com tempo de VMI 13. Brum et. al. 1, analisaram pacientes submetidos a tempo de CEC superior a 120 minutos e também não encontraram correlação com permanência prolongada na prótese ventilatória, corroborando nossos resultados. Vale ressaltar que em nossa amostra, 36 (97,3%) permaneceram em CEC por menos de 120 minutos e apenas um paciente foi submetido a CEC por período superior a 150 minutos, permanecendo em VMI por cerca de 14 horas, sugerindo uma possível alteração pulmonar grave como descrito na literatura 10. Segundo Figueiredo et. al. 16, o desmame da VMI no pós operatório sem complicações é finalizado após cerca de sete horas da admissão na UTI. O grupo G2 permaneceu em média por cerca de 6 horas em VMI mostrando que o tempo de CEC superior a 90 minutos não foi suficiente para gerar maiores complicações no pós-operatório. Lima et. al. 17, analisaram a influência da cirurgia de revascularização do miocárdio com e sem CEC em indivíduos octogenários e observaram que o tempo de ventilação mecânica prolongada aumentou significativamente no grupo submetido à CEC. Milani et. al. 18, mostrou em sua amostra, que apenas 5,6% dos indivíduos acima de 75 anos submetidos à revascularização do miocárdio sem utilização de CEC apresentaram tempo de ventilação mecânica prolongada. Além da idade o gênero também foi considerado fator de risco porque pacientes do sexo feminino são operados com idade mais avançada, podendo apresentar comorbidades relacionadas à idade 19. Nossa amostra apresentou média de idade igual a 53 anos, sem diferenças significativas entre gêneros (Tabela I). Quando estratificamos por faixa etária e gênero, não encontramos diferenças significativas no tempo de VMI em ambos os grupos analisados, sugerindo que estes fatores não foram determinantes para permanência prolongada em VMI. Barbosa e Carmona 9 observaram diferenças nas alterações pulmonares de pacientes submetidos à cirurgia cardíaca com a utilização da CEC, comparando os revascularizados com o grupo submetido à troca de válvula. Nossos resultados apresentaram tempo de VMI similar entre os indivíduos do grupo G2 submetidos a revascularização e troca de válvula, sugerindo neste grupo que o tipo de cirurgia não altera o tempo de permanência em VMI. Curiosamente, os indivíduos do grupo G1 submetidos a troca de válvula apresentaram permanência elevada em VMI com diferença significativa em relação aos revascularizados. 75% dos indivíduos pertencentes a esse grupo apresentaram HAS, o que poderia indicar uma possível influência desta comorbidade no tempo de VMI, entretanto, dentre os pacientes revascularizados 94,4% também apresentaram HAS descartando a participação desta patologia como um fator para atraso no desmame dos indivíduos do grupo G1 submetidos a troca de válvula. Consideramos que a diferença no procedimento cirúrgico possa justificar tal achado, hipótese que precisa ser analisada em estudos futuros. Fatores de risco pré-operatório como tabagismo e comorbidades, incluindo HAS e diabetes mellitus, são importantes fatores que associados ou não podem levar a alterações na integridade do sistema respiratório e consequentemente a complicações pulmonares no pós-operatório 14. O tabagismo traz efeitos nocivos ao sistema respiratório e a lesão pulmonar esta diretamente associada ao tempo de exposição ao tabaco, sendo necessário no pré-operatório um período de abstinência para diminuir as complicações 20. Disfunção da complacência pulmonar estática pode ser ocasionada pela HAS alterando as trocas gasosas, aumentando o trabalho respiratório e dificultando o desmame da VMI. A diabetes mellitus leva a alterações das respostas do centro respiratório ocasionando disfunções nas concentrações dos gases levando para um aumento no tempo de ventilação mecânica 21. Nossos resultados não apresentaram diferenças no tempo de VMI entre os grupos G1 e G2 para os indivíduos hipertensos, hipertenso-tabagistas e hipertenso-diabé- Página - 14

16 movimento & saúde REVISTAINSPIRAR ticos, sugerindo que o tempo de CEC associado às comorbidades não influenciam na permanência prolongada em VMI. Otimização da ventilação mecânica, na cirurgia cardíaca esta diretamente relacionada a complicações pós-operatórias e ao tempo de VMI que podem levar a um impacto na economia dos custos e tempo de hospitalização1. Pinheiro et. al. 22, relatam a diminuição dos custos financeiros como uma das vantagens da utilização da cirurgia cardíaca sem CEC em relação ao procedimento com CEC. Um estudo prévio mostrou uma redução nos custos operacionais e no tempo de permanência em cada setor relacionado ao tratamento cirúrgico nos indivíduos submetidos a cirurgia de revascularização do miocárdio sem utilização de CEC comparado aos submetidos ao circuito extracorpóreo 2. Nossos resultados revelaram um aumento significativo no tempo de permanência em enfermaria nos pacientes do grupo G2 em relação ao grupo G1, indicando que o tempo de CEC pode aumentar o tempo de internação e consequentemente os custos hospitalares. Além disso, o número de sessões fisioterapêuticas, o tempo de internação em UTI e o tempo total de hospitalização também foram maiores no grupo G2, entretanto, sem diferenças significativas. Estudos prévios 23,24 abordaram o papel da fisioterapia respiratória no pré e pós-operatório de cirurgia de revascularização do miocárdio. Para Cavenaghi et. al. 25, a fisioterapia respiratória tem um papel crucial, tanto no pré quanto no pós-operatório, pois contribui efetiva e significativamente para um melhor prognóstico desses pacientes atuando por meio de técnicas específicas. Neste estudo focamos exclusivamente na circulação extracorpórea e não abordamos a atuação da fisioterapia no pré-operatório. Assim como Cavenaghi et. al. 25, consideramos que novos estudos com estratégias metodológicas específicas sobre essa temática sejam conduzidos para estabelecer a padronização de procedimentos. Este trabalho apresentou limitações por trata-se de estudo observacional em um único centro com amostra limitada e heterogênea que poderiam influenciar nos resultados. Portanto são necessários estudos adicionais multicêntricos com amostragem maior e mais homogênea para determinar com maior clareza a hipótese do tempo prolongado em circulação extracorpórea influenciando no tempo de permanência em prótese ventilatória após cirurgias cardíacas. CONCLUSÃO No grupo analisado, nosso estudo mostrou que o tempo de circulação extracorpórea não influenciou na permanência prolongada na prótese ventilatória. Os resultados também mostraram que o tempo de CEC associado às comorbidades não foi determinante para prolongar o suporte ventilatório invasivo no pós-cirúrgico. REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS 1. BRUM, F.; CATHARINA, C.; JUNIOR, M. S.; MORE- NO, A. M. Correlação entre tempo de circulação extracorpórea e clampeamento de aorta com tempo de intubação no pós-operatório de cirurgia cardíaca. Fisioterapia Ser, 2008; 3(3): GIRARDI, P. B. M. A.; HUEB, W.; NOGUEIRA, C. R. S. R.; TAKIUTI, M. E.; NAKANO, T.; GARZILLO, C. L. et al. Custos Comparativos entre a Revascularização Miocárdica com e sem Circulação Extracorpórea. Arq Bras Cardiol, 2008; 91(6): MACHADO, M. N.; MIRANDA, R. C.; TAKAKU- RA, I. T.; PALMEGIANI, E.; SANTOS, C. A.; OLIVEIRA M. A. et al. Lesão Renal Aguda após Revascularização do Miocárdio com Circulação Extracorpórea. Arq Bras Cardiol, 2009; 93(3): CHALEGRE, S. T.; SALERNO, P. R.; SALERNO, L. M. V. O.; MELO, A. R. S.; PINHEIRO, A. C.; FRAZÃO, C. S. et al. Drenagem venosa assistida a vácuo na circulação extracorpórea e necessidade de hemotransfusão: experiência de serviço. Rev Bras Cir Cardiovas, 2011; 26.1: MACHADO, L. B.; NEGRI, E. M.; BONAFÉ, W. W.; SANTOS, L. M.; MALBOUISSON, L. M. S.; CARMO- NA, M. J. C. Avaliação dos Níveis de Citocinas e da Função Pulmonar de Pacientes Submetidos à Cirurgia Cardíaca com Circulação Extracorpórea. Rev Bras Anestesiol, 2011; 61(3): NOZAWA, E., KOBAYASHI, E., MATSUMOTO, M. E., FELTRIM, M. I. Z., CARMONA, M. J. C., JÚNIOR, J. O. C. A. Avaliação de fatores que influenciam no desmame de pacientes em ventilação mecânica prolongada após cirurgia cardíaca. Arq Bras Cardiol, 2003; 80(3): PIOTTO, R. F.; MAIA, L. N.; MACHADO, M. N.; ORRICO, S. P. Efeitos da aplicação de protocolo de desmame de ventilação mecânica em Unidade Coronária: estudo randomizado. Rev Bras Cir Cardiovasc, 2011; 26(2): ARCÊNCIO, L.; SOUZA, M. D.; BORTOLIN, B. S.; FERNANDES, A. C. M.; RODRIGUES, A. J.; EVORA, P. R. B. Cuidados pré e pós-operatórios em cirurgia cardiotorácica: uma abordagem fisioterapêutica. Rev Bras Cir Cardiovasc, 2008; 23(3): BARBOSA, R. A. G.; CARMONA, M. J. C. Avaliação da Função Pulmonar em Pacientes Submetidos à Cirurgia Cardíaca com Circulação Extracorpórea. Rev Bras Anestesiol, 2002, 52(6): LOPES, C. R.; BRANDÃO, C. M. A.; NOZAWA, E.; AULER JR, J. O. C. Benefícios da ventilação não-invasiva após extubação no pós-operatório de cirurgia cardíaca. Rev Bras Cir Cardiovasc, 2008; 23(3): RODRIGUES, C. D. A.; OLIVEIRA, R. A. R. A.; SOARES, S. M. T. P.; FIGUEIREDO, L. C.; ARAÚJO, S.; DRAGOSAVAC, D. Lesão pulmonar e ventilação mecânica em cirurgia cardíaca: revisão. Rev Bras Ter Intensiva, 2010; 22(4): BRANDÃO, C. M. A.; POMERANTZEFF, P. M.; SOUZA, L. R.; TARASOUTCHI, F.; GRINBERG, M.; RAMIRES, J. A.; et al. Multivariate analysis of risk factors for hospital mortality in valvular reoperations for prosthetic valve dysfunction. Eur J Cardiothorac Surg, 2002; 22(6): TANIGUCHI, F. P.; SOUZA, A. R.; MARTINS, A. S. Tempo de circulação extracorpórea como fator risco para insuficiência renal aguda. Braz J Cardiovasc Surg, 2007; 22(2): AMBROZIN, A. R. P.; CATANEO, A. J. M. Aspectos da função pulmonar após revascularização do miocárdio relacionados com risco pré-operatório. Braz J Cardiovasc Surg, 2005; 20(4): FRANCISCHETTI, I.; MORENO, J. B.; SCHOLZ, M.; YOSHIDA, W. B. Os leucócitos e a resposta inflamatória na lesão de isquemia-reperfusão. Rev Bras Cir Cardiovasc, 2010; 25(4): Página - 15

17 REVISTAINSPIRAR movimento & saúde 16. FIGUEIREDO, L. C.; ARAÚJO, S.; ABDALA, R. C. S.; ABDALA, A.; GUEDES, C. A. V. CPAP at 10 cm H2O during cardiopulmonary bypass does not improve postoperative gas exchange. Rev Bras Cir Cardiovasc, 2008; 23(2): LIMA, R.; DINIZ, R.; CÉSIO, A.; VASCONCE- LOS, F.; GESTEIRA, M.; MENEZES, A. Revascularização miocárdica em pacientes octogenários: estudo retrospectivo e comparativo entre pacientes operados com e sem circulação extracorpórea. Rev Bras Cir Cardiovasc, 2005; 20(1): MILANI, R.; BROFMAN, P.; VARELA, A.; SOUZA, J.A.; GUIMARÃES, M.; PANTAROLLI, R; et al. Revascularização do Miocárdio Sem Circulação Extracorpórea em Pacientes Acima de 75 anos : Análise dos Resultados Imediatos. Arq Bras Cardiol, 2005, 84(1): WOODS, S. E.; NOBLE, G.; SMITH, J. M.; HAS- SELFELD, K. The influence of gender in patients undergoing coronary artery bypass graft surgery: an eight-year prospective hospitalized cohort study. J Am Coll Surg, 2003; 196(3): NAKAGAWA, M.; TANAKA, H.; TSUKUMA, H.; KISHI, Y. Relationship between the duration of the preoperative smoke-free period and the incidence of postoperative pulmonary complications after pulmonary surgery. Chest, 2001; 120(3): BRANCA, P.; MCGAW, P.; LIGHT, R. Factors associated with prolonged mechanical ventilation following coronary artery bypass surgery. Chest, 2001; 119(2): PINHEIRO, B. B.; FAGUNDES, W. V.; RAMOS, M. C.; AZEVEDO, V. L. B.; SILVA, J. M. Revascularização do miocárdio sem circulação extracorpórea em pacientes multiarteriais: experiência de 250 casos. Rev Bras Cir Cardiovasc, 2002; 17(3): FELTRIM, M. I. Z.; JATENE, F. B.; BERNARDO, W. M. Em pacientes de alto risco, submetidos à revascularização do miocárdio, a fisioterapia respiratória pré-operatória previne as complicações pulmonares? Rev Assoc Med Bras, 2007; 53(1): CAVENAGHI, S.; MOURA, S. C. G. DE; SILVA, T. H. DA; VENTURELLI, T. D.; MARINO, L. H. C.; LAMARI, N. M. Importance of pre- and postoperative physiotherapy in pediatric cardiac surgery. Rev Bras Cir Cardiovasc, 2009; 24(3): CAVENAGHI, S.; FERREIRA, L. L.; MARINO, L. H. C.; LAMARI, N. M. Fisioterapia respiratória no pré e pós- -operatório de cirurgia de revascularização do miocárdio. Rev Bras Cir Cardiovasc, 2011; 26(3): Página - 16

18 movimento & saúde REVISTAINSPIRAR Estudo Comparativo no Tratamento de Estrias Atróficas: Galvanopuntura X Microdermoabrasão Comparative Study on the Treatment of Stretch Marks: Galvanopuncture x Microdermabrasion Priscila Dantas Leite e Sousa 1, Adilvania Ferreira da Costa 2 RESUMO Estrias são cicatrizes lineares formadas após uma tensão tecidual danificando o conectivo dérmico. Inicialmente são rubras, posteriormente albas. Incidem mais em mulheres, originando-se de fatores endócrinos, mecânicos e infecciosos. Muitos são os tratamentos, priorizando a técnica de galvanopuntura realizada pelo Striat, agregando microcorrente galvânica ao trauma da agulha e a técnica de microdermoabrasão pelo Dermotonus Esthetic onde uma pressão negativa e uma ponteira diamantada causam esfoliação cutânea superficial. Ambas as técnicas estimulam a produção de colágeno, elastina, aumentam a microcirculação e melhoram o aspecto da pele. OBJETIVO: Analisar comparativamente os efeitos da Galvanopuntura e do microdermoabrasão no tratamento de estrias atróficas. Tal estudo experimental quantitativo foi realizado na Clínica Escola da Faculdade Santa Maria em Cajazeiras PB. MÉTODOS: A voluntária de 21 anos, branca, foi avaliada pela ficha de avaliação Dermato-funcional e registros fotográficos sendo submetida a dois protocolos de tratamento. O protocolo A, na região anterior da coxa direita utilizou Microdermoabrasão/Dermotonus Esthetic com ponteira diamantada de 150 microns, intensidade de -100mmHg durante 10 minutos. O protocolo B na coxa esquerda, utilizando Galvanopuntura/Striat, intensidade de 70 μa com corrente microgalvânica. Os resultados mostram melhora da sensibilidade dolorosa, coloração, aspecto da pele do lado tratado com Galvanopuntura. RESULTADOS: A planimetria através do Corel Draw X5 e os registros fotográficos descrevem a redução da área estriada (no PTA de 85 células/21,5% passando a 69/17,45%, já no PTB, inicialmente 168 células/42% posteriormente a 50 células/12,5%). CONCLUSÃO: a paciente obteve melhor resposta ao tratamento com Galvanopuntura. Palavras-Chave: Fisioterapia, Microdermoabrasão, Estrias, Corrente Galvânica. ABSTRACT Striae are linear scars formed after a tissue tension damaging the dermal connective. Initially they are ruby-red, afterward, white. They occur mostly in women, being originated from endocrine, mechanical and infectious factors. Many are the treatments, priorizing the technique of galvanopuncture carried out by Striat, aggregating galvanic microcurrent to the needle trauma and the technique of microdermabrasion by Dermotonus Esthetic where a negative pressure and a diamond tip cause superficial cutaneous exfoliation. Both techniques stimulate the production of collagen, elastin, increase the microcirculation, improving the aspect of the skin. The aim of this study was to analyze comparatively the effects of galvanopuncture and microdermabrasion on the treatment of atrophic striae. Such experimental quantitative study was accomplished in the Clinic School of the College Santa Maria in Cajazeiras PB. The volunteer, 21, white, was evaluated by the Dermato-funcional evaluative form and photographic records being submitted two to treatment protocols. The protocol A, in the back part of the right thigh utilized Microdermabrasion/Dermotonus Esthetic with diamond tip of 150 microns, intensity of -100mmHg during 10 minutes. The protocol B, in the left thigh, utilizing Galvanopuncture/Striat, intensity of 70 μa with microgalvanic current. The results show an improvement in the pain sensibility, coloring, skin aspect in the side treated with Galvanopuncture. The planimetry through Corel Draw X5 and the photographic records describe the reduction in the lined area (in the P.T.a. of 85 cells/21,5% passing the 69/ 17,45%, in the P.T.b., inicially 168 cells/42% afterward the 50 cells/12,5%). It is concluded that the patient obtained a better response to the treatment with Galvanopuncture. Keywords: Physiotherapy, Microdermabrasion, Striae, Galvanic Current. 1. Acadêmica do Curso Bacharelado em Fisioterapia pela Faculdade Santa Maria, 1. Farmacêutica Homeopata e Mestranda em Farmácia; Professora da Universidade Cajazeiras-PB. Nove de Julho. 2. Fisioterapeuta, Docente da Disciplina Fisioterapia Dermato-Funcional da Faculdade 2. Mestrando em Gestão Integrada de Saúde do Trabalho e Meio Ambiente, Professor Santa Maria-FSM/PB. da Universidade UniRadial Estácio. 3. Professor Doutor de Farmácia da Universidade Bandeirantes. 4. Professora Doutora de Farmácia da Universidade Bandeirantes. Recebido: maio de 2009 Recebido: 07/2011 Aceito: setembro de 2009 Aceito: 12/2011 Autor para correspondência: Patricia Nancy Iser Bem Autor para correspondência: Priscila Dantas Leite e Sousa Rua Isaura Dantas Pinheiro, nº69, Jardim Adalgisa II. Cajazeiras PB CEP: Página - 17

19 REVISTAINSPIRAR movimento & saúde INTRODUÇÃO As estrias são uma extrusão das fibras elásticas da derme devido a uma tensão tecidual que lesa o conectivo dérmico, dilacerando as malhas e gerando uma atrofia, designada atrofia tegumentar adquirida, linear, medindo um ou mais milímetros de largura. São denominadas atróficas pela redução da espessura da pele devido à diminuição do número e volume de seus componentes e por apresentarem adelgaçamento, pregueamento, ressecamento, menor elasticidade e diminuição dos pêlos. Geralmente ficam perpendiculares às linhas de fenda da pele e paralelas as outras estrias. Tendem a ser bilaterais e distribuem-se simetricamente nos dois hemicorpos representando uma lesão da pele já que ocorre uma alteração elástica devido à perda de colágeno, elastina e fibrilina 1;2;3;4;5. Cerca de 5% a 35% da população é afetada, porém é mais predominante no sexo feminino, com proporção de 4:1 quando comparada com o sexo masculino, ou seja, 75% das mulheres são portadoras de estrias atróficas, ocorrendo entre os 10 aos 16 anos de idade. As adolescentes são acometidas com 45,5% das incidências, a obesidade com 30,5%, as gestantes com 19,5% e as pacientes que realizam terapia medicamentosa com 4,5%. A predominância é maior na região das nádegas, abdome e mamas, já nos homens acomete principalmente o dorso, região lombossacra e parte externa das coxas 6;7;8;9. Há controvérsias sobre a etiologia das rupturas na trama fibrosa (colágeno e elastina) e no tecido dérmico, tendo em vista a variabilidade de situações em que estas ocorrem. Há evidências de que o aparecimento da atrofia linear cutânea seja multifatorial, como: fatores endocrinológicos, mecânicos, infecciosos, genéticos e familiares, porém, três teorias aludem seu surgimento: A teoria mecânica mostra que as estrias surgem devido a um aumento na deposição de gordura no tecido adiposo rompendo fibras elásticas e colágenas da pele. A teoria endocrinológica aponta seu surgimento causado pelas alterações hormonais principalmente em adolescentes e grávidas. Por fim, a teoria infecciosa aprecia a idéia de que processos infecciosos e o uso de corticóides contribuam para a formação das estrias 10;11;12. O aspecto das estrias é variável, podendo apresentar-se em depressão, com borda brilhante bem acentuada. Sua extensão pode alcançar dez ou mais centímetros de comprimento e três a cinco (ou mais) milímetros de largura, sendo de forma retilínea, curvilínea ou sinuosa. A cor caracteriza-se conforme o período de instalação, ou seja, inicialmente serão protusas em relação à superfície da pele e com coloração avermelhada, mais tarde evoluem para uma atrofia, sendo mais deprimida e com coloração esbranquiçada 13. Diversas técnicas e aparelhos são utilizados hoje em dia no tratamento das estrias, uma delas é a galvanopuntura, realizada através do Striat, um equipamento gerador de corrente contínua filtrada constante, que possui dois eletrodos: um passivo do tipo placa e um ativo, que se trata de uma fina agulha apoiada por uma caneta. O método de aplicação é invasivo e subepidérmico, feito estria por estria, sendo a penetração da agulha realizada paralelamente sobre elas, no intuito de desencadear um processo inflamatório agudo no tecido estriado, com formação de edema e pequeno eritema local, aumentando o aporte sanguíneo e os líquidos na região em tratamento, as taxas de síntese de colágeno, a migração de fibroblastos jovens, o alinhamento de colágeno e o favorecimento da neovascularização, para que se tenha uma restauração local 1; 3; 14. Outro recurso que vem sendo muito utilizado é a Microdermoabrasão, método não invasivo e de rápida recuperação que através do aparelho Dermotonus Esthetic associado a uma ponteira de diamante produzem uma esfoliação superficial da pele, removendo células envelhecidas que acaba produzindo uma hiperemia local estimulando a produção de colágeno e elastina melhorando a aparência da pele 15;16;17. Assim, a Fisioterapia Dermato-funcional, tratando-se de uma especialidade nova no campo da fisioterapia, necessita investigar e equiparar aparelhos e técnicas que comprovem a veracidade daquilo que defende. Portanto, esse estudo tem por objetivo analisar comparativamente os efeitos da Galvanopuntura e do Microdermoabrasão no tratamento de estrias atróficas, contribuindo para o tratamento desta afecção. MATERIAIS E MÉTODOS Trata-se de um estudo experimental quantitativo, realizado no setor de Fisioterapia Dermato-Funcional da Clínica Escola da Faculdade Santa Maria, localizada na cidade de Cajazeiras PB, após a aprovação do Comitê de Ética e Pesquisa da instituição solicitando a assinatura do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido pela participante voluntária da pesquisa. Utilizou-se os critérios de inclusão segundo Duarte 18 que foram: Indivíduo do sexo feminino, portadora de pele estriada, não usuária de corticóide, com idade de 20 a 45 anos apresentando características de pele normal, sem alterações endócrinas ou patologias associadas, não gestante, que não esteja realizando outro tratamento estético ou usando qualquer tipo de creme no local a ser tratado, que não possua limiar baixo de sensibilidade à agulha, não portadora de diabetes e sem tendência a quelóides. Uma vez inclusa, a paciente de 21 anos, cor branca, apresentando características de pele normal e todos os critérios para participar da pesquisa, foi submetida a uma avaliação inicial por meio da Ficha Dermato-funcional de Avaliação de Estrias segundo Guirro e Guirro 2 e do registro fotográfico por meio da câmera fotográfica Sony Cyber-Shot 7.2 megapixels full HD 1080, a uma distância de 50 cm da área estriada. Foram utilizados como instrumentos para coleta de dados além da Ficha de Avaliação e da câmera fotográfica o aparelho Striat e o aparelho Dermotonus Esthetic, ambos fabricados pela IBRAMED com registro na ANVISA (M.S.) n A voluntária foi submetida a dois diferentes protocolos de tratamento em 12 semanas, totalizando 5 sessões realizadas com intervalos de 15 dias e, após 15 dias da última sessão foi feita uma reavaliação para a visualização dos resultados. Após realizar a assepsia da pele com álcool 70%, era feito o registro de imagens para posterior comparação. Em seguida, cumpriam-se as intervenções propostas pelo estudo: PROTOCOLO A: A paciente é posicionada em decúbito dorsal. O protocolo foi realizado na região anterior da coxa direita e constou de Microdermoabrasão/Dermotonus Esthetic da marca IBRAMED com ponteira diamantada (diâmetro de 150 microns) na intensidade de -100mmHg executando-se uma varredura com a caneta aplicadora na superfície cutânea durante 10 minutos ao longo de cada estria. A aplicação era feita esticando- -se a pele com o polegar e indicador da mão livre para facilitar o deslizamento da caneta. PROTOCOLO B: A paciente foi posicionada em decúbito dorsal. O protocolo foi realizado na região anterior da coxa esquerda e constou de Striat da marca IBRAMED, Página - 18

20 movimento & saúde REVISTAINSPIRAR intensidade de 70 μa (microampères) com corrente microgalvânica. Durante o procedimento foi feita a introdução da agulha de forma subepidérmica utilizando a técnica de ponto a ponto em toda a estria e o eletrodo passivo era acoplado próximo da região a ser tratada (região glútea). Neste estudo foi levado em consideração os aspectos éticos contidos na Resolução 196/96 do Conselho Nacional de Ética em Pesquisa que regulamenta a pesquisa em seres humanos. Portanto, ficou garantido o anonimato, a privacidade e a desistência da paciente em qualquer etapa da pesquisa. Os dados foram analisados através da avaliação planimétrica da área tratada por meio do programa Corel Draw Graphics Suite X5 segundo Consulin 19. Além disso, três observadores cegos classificaram o grau de melhora clínica com base no registro fotográfico, observando a mudança na largura, cor e trofismo da pele comparando as estrias antes e após o tratamento, através de uma escala de classificação segundo Abdel-Latif e Elbendary²º, como se segue: leve (< 25%), moderada (25-50%), boa (50% -75%) e excelente (> 75%). RESULTADOS E DISCUSSÕES Com o propósito de apresentar os resultados e discussões, utilizou-se a descrição da paciente que participou do estudo de acordo com os dados coletados na anamnese através da ficha de avaliação seguida da análise das fotos pré e pós-tratamento através da planimetria, que serão descritas a seguir. Tabela 1 - Descrição da participante da pesquisa de acordo com dados coletados na anamnese A Tabela 1 apresenta as informações citadas durante a primeira avaliação da voluntária desse estudo. Segundo Toshi8, as estrias são encontradas em ambos os sexos, porém a predominância é maior no sexo feminino. Azulay 9 afirma que as estrias não ocorrem em condições normais em pessoas acima de 45 anos nem em pré-puberes, mas são comumente encontradas durante a adolescência na faixa etária dos 14 aos 20 anos. Silva et al, apud Guirro e Guirro 2 ressaltam que em pacientes com Fototipo de pele III, segundo a classificação de Fitzpatrick tendem a apresentar uma regeneração cutânea mais rápida. Nesses aspectos, observa- -se que há concordância com a literatura já que o sujeito da pesquisa é do sexo feminino, Fototipo de pele III, sendo acometida por esta afecção durante a adolescência. Em relação à coloração das estrias, Consulin 19 afirma que a cor está relacionada com o período de instalação, ou seja, inicialmente as estrias apresentam-se avermelhadas ou rosadas denominadas rubras, até tornarem-se mais antigas com coloração esbranquiçada conhecida como albas, o que difere da paciente da pesquisa onde a coloração inicial das estrias em ambos os membros inferiores eram brancas (albas) e permanecem atualmente com a mesma pigmentação. Quanto à localização, Kede e Sabatovich 6 e Ventura e Simões 7 confirmam que na mulher as localizações mais frequentes são nádegas, abdômen e mamas, enquanto nos homens, predominam no dorso, região lombossacra e parte externa de coxas. Porém na voluntária dessa pesquisa a concentração maior de estrias está localizada na região anterior das coxas. Tabela 2 - Descrição da sensibilidade dolorosa ao estímulo na 1ª e 5ª sessão A tabela 2 apresenta a descrição da sensibilidade dolorosa das áreas estriadas na 1ª e na 5ª sessão de tratamento. É possível observar que durante a primeira sessão, a paciente relata uma dor em forma de pontada que causa desconforto, na última sessão essa dor manifesta-se de forma horrível e angustiante, o que nos leva a perceber um aumento de sensibilidade dolorosa na área que utiliza o Protocolo B de tratamento (com galvanopuntura). Na área em que o tratamento é feito através do Protocolo A (com microdermoabrasão), a característica inicial da dor foi apontada pela paciente como Queima/Arde e desconfortável, porém após a 5ª sessão a paciente continuou queixando-se da dor como Queima/Arde acompanhada do desconforto. Este relato vai de encontro aos achados de Meyer et al 21, que em seu estudo com uma paciente, durante 7 sessões, tratou três estrias sendo uma com corrente galvânica e as outras duas com uma máquina de tatuar associada ou não à corrente e verificou-se o aumento da sensibilidade nas áreas tratadas. Em outro estudo, Lage; Santos; Santos 12, com dez pacientes utilizando a técnica de galvanopuntura, observaram mudanças significativas na sensibilidade dos pacientes atendidos. Karime 22 ao realizar seu estudo com 2 mulheres e 2 homens submetidos aos métodos de Galvanopuntura e Varredura durante 5 sessões realizadas 1 vez por semana relataram aumento da sensibilidade dolorosa após a 2ª sessão. Savardekar 23 afirma que a ação do Microdermoabrasão ocorre no nível da camada córnea, porém, pode afetar camadas mais profundas da pele, o que pode fazer com que o paciente queixe-se de dor e/ou sensação de queimação. Para Ventura e Simões 7, a sensibilidade antes de iniciar o tratamento está alterada e o paciente pode não referir dor, porém ao final das sessões essa sensibilidade aumentará devido à neovascularização e regeneração da pele o que acaba estimulando as terminações nervosas. Figura 1 - Avaliação Planimétrica no pré-tratamento do Paciente com Protocolo A de tratamento utilizando microdermoabrasão. Imagem da área estriada (A), Tela de quantificação de área (B) e Cálculo da área de acometimento (C) com o Corel Draw Graphics Suite X5. Fonte: Autor da Pesquisa (2011). Página - 19

REVISTAINSPIRAR movimento & saúde

REVISTAINSPIRAR movimento & saúde Análise da Eficiência do Ultrassom Terapêutico Contínuo Utilizando Gel Comum e Gel com Princípio Ativo no Tratamento do Fibro Edema Geloide Grau II Efficiency Analysis of Therapeutic Ultrasound Continuous

Leia mais

movimento & saúde REVISTAINSPIRAR Volume 3 Número 6 novembro/dezembro de 2011

movimento & saúde REVISTAINSPIRAR Volume 3 Número 6 novembro/dezembro de 2011 movimento & saúde REVISTAINSPIRAR Circulação Extracorpórea como Fator Predisponente para Atraso no Desmame da Prótese Ventilatória Após Cirurgia Cardíaca Cardiopulmonary Bypass as Predisposing Factor for

Leia mais

TRATAMENTO COM ELETROLIPOFORESE PARA FIBRO EDEMA GELÓIDE EM REGIÃO GLÚTEA

TRATAMENTO COM ELETROLIPOFORESE PARA FIBRO EDEMA GELÓIDE EM REGIÃO GLÚTEA TRATAMENTO COM ELETROLIPOFORESE PARA FIBRO EDEMA GELÓIDE EM REGIÃO GLÚTEA RINALDI, C. L.W.; SPESSATO, L. C. Resumo: O objetivo do presente estudo foi avaliar o benefício da eletrolipoforese no tratamento

Leia mais

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PÓS-OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: UMA PERSPECTIVA BIBLIOGRÁFICA

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PÓS-OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: UMA PERSPECTIVA BIBLIOGRÁFICA INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PÓS-OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: UMA PERSPECTIVA BIBLIOGRÁFICA INTRODUÇÃO Antonio Quaresma de Melo Neto NOVAFAPI Marcos Maciel Soares e Silva NOVAFAPI Marcelo

Leia mais

APLICAÇÃO DO ULTRASSOM NA ESTÉTICA CORPORAL NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE (FEG).

APLICAÇÃO DO ULTRASSOM NA ESTÉTICA CORPORAL NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE (FEG). APLICAÇÃO DO ULTRASSOM NA ESTÉTICA CORPORAL NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE (FEG). Cintia Tosoni Leonardo Ribeiro (*) Monia Luci Pawlowski (*) Tatiane Costa de Sousa (*) (*) Acadêmicas do CST em Estética

Leia mais

FIBROSE: Formação da Fibrose Cicatricial no Pós Operatório e Seus Possíveis Tratamentos.

FIBROSE: Formação da Fibrose Cicatricial no Pós Operatório e Seus Possíveis Tratamentos. CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU CURSO DE ESTÉTICA E COSMÉTICA Gresemar Aparecida Silva Vedat Sevilla RA 5250988 Natalia Matos da Silva RA: 6837127 Coordenadora: Prof. Natalie

Leia mais

MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG

MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG Fábio Alexandre Moreschi Guastala 1, Mayara

Leia mais

FACULDADE IPIRANGA TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA ANDREZA DUTRA GOMES DA SILVA LILIANA DE OLIVEIRA MARINHO

FACULDADE IPIRANGA TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA ANDREZA DUTRA GOMES DA SILVA LILIANA DE OLIVEIRA MARINHO FACULDADE IPIRANGA TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA ANDREZA DUTRA GOMES DA SILVA LILIANA DE OLIVEIRA MARINHO A IMPORTÂNCIA DOS TRATAMENTOS ESTÉTICOS NO PRÉ E PÓS- OPERATÓRIO DE CIRURGIA DO CONTORNO CORPORAL

Leia mais

COMPLICAÇÕES APRESENTADAS NOS PACIENTES IDOSOS ACOMETIDOS POR FRATURA DE FEMUR

COMPLICAÇÕES APRESENTADAS NOS PACIENTES IDOSOS ACOMETIDOS POR FRATURA DE FEMUR COMPLICAÇÕES APRESENTADAS NOS PACIENTES IDOSOS ACOMETIDOS POR FRATURA DE FEMUR Maria de Fátima Leandro Marques¹; Suely Aragão Azevêdo Viana² ¹ Bióloga do Centro de Assistência Toxicológico do Hospital

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS EFEITOS DO HECCUS NA LIPODISTROFIA GINÓIDE HONÓRIO, T.C.; RODRIGUES, N.T.C.P.

AVALIAÇÃO DOS EFEITOS DO HECCUS NA LIPODISTROFIA GINÓIDE HONÓRIO, T.C.; RODRIGUES, N.T.C.P. 1 AVALIAÇÃO DOS EFEITOS DO HECCUS NA LIPODISTROFIA GINÓIDE HONÓRIO, T.C.; RODRIGUES, N.T.C.P. RESUMO Na atualidade a nova arma de combate à lipodistrofia ginóide é o Heccus, um aparelho computadorizado

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISE DAS FRAÇÕES DE COLESTEROL APÓS O USO DE ULTRASSOM DE ALTA POTÊNCIA NO TRATAMENTO DA GORDURA LOCALIZADA ABDOMINAL

TÍTULO: ANÁLISE DAS FRAÇÕES DE COLESTEROL APÓS O USO DE ULTRASSOM DE ALTA POTÊNCIA NO TRATAMENTO DA GORDURA LOCALIZADA ABDOMINAL TÍTULO: ANÁLISE DAS FRAÇÕES DE COLESTEROL APÓS O USO DE ULTRASSOM DE ALTA POTÊNCIA NO TRATAMENTO DA GORDURA LOCALIZADA ABDOMINAL CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: CIÊNCIAS

Leia mais

EFEITOS OBTIDOS COM A APLICAÇÃO DO ULTRA-SOM NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELOIDE FEG (CELULITE)

EFEITOS OBTIDOS COM A APLICAÇÃO DO ULTRA-SOM NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELOIDE FEG (CELULITE) EFEITOS OBTIDOS COM A APLICAÇÃO DO ULTRA-SOM NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELOIDE FEG (CELULITE) Elaine Pickler Oenning 1 Melissa Medeiros Braz 2 RESUMO O fibro edema gelóide (FEG), popularmente conhecido

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA BANDAGEM CRIOTERÁPICA NA ADIPOSIDADE ABDOMINAL EM MULHERES ENTRE 25 E 30 ANOS

A UTILIZAÇÃO DA BANDAGEM CRIOTERÁPICA NA ADIPOSIDADE ABDOMINAL EM MULHERES ENTRE 25 E 30 ANOS A UTILIZAÇÃO DA BANDAGEM CRIOTERÁPICA NA ADIPOSIDADE ABDOMINAL EM MULHERES ENTRE 25 E 30 ANOS USE OF BANDAGE CRYOTHERAPYIN ABDOMINAL ADIPOSITY IN WOMEN BETWEEN 25 AND 30 YEARS Caroline Romano -carol.romano.93@gmail.com

Leia mais

EFETIVIDADE DA ESCOLA DE COLUNA EM IDOSOS COM LOMBALGIA

EFETIVIDADE DA ESCOLA DE COLUNA EM IDOSOS COM LOMBALGIA EFETIVIDADE DA ESCOLA DE COLUNA EM IDOSOS COM LOMBALGIA Maria Lucia Ziroldo 1 ; Mateus Dias Antunes 2 ; Daniela Saldanha Wittig 3 ; Sonia Maria Marques Gomes Bertolini 4 RESUMO: A dor lombar é uma das

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA RESUMO SILVA 1, Thays Gonçalves ALMEIDA 2, Rogério Moreira de Centro de Ciências da

Leia mais

DIABETES MELLITUS NO BRASIL

DIABETES MELLITUS NO BRASIL DIABETES MELLITUS NO BRASIL 17º Congresso Brasileiro Multidisciplinar em Diabetes PATRÍCIA SAMPAIO CHUEIRI Coordenadora d Geral de Áreas Técnicas DAB/MS Julho, 2012 DIABETES MELITTUS Diabetes é considerado

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA Autorizado pela Portaria MEC nº 433 de 21.10.11, DOU de 24.10.11

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA Autorizado pela Portaria MEC nº 433 de 21.10.11, DOU de 24.10.11 CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA Autorizado pela Portaria MEC nº 433 de 21.10.11, DOU de 24.10.11 Componente Curricular: Tratamento Pré e Pós Operatório Código: -- Pré-requisito: --

Leia mais

Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial

Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial Autores: Liza Batista Siqueira¹, Paulo César Brandão Veiga Jardim², Maria Virgínia Carvalho³,

Leia mais

MELHOR IDADE EM MOVIMENTO: IMPORTÂNCIA DA FISIOTERAPIA PREVENTIVA NA FLEXIBILIDADE DE IDOSAS

MELHOR IDADE EM MOVIMENTO: IMPORTÂNCIA DA FISIOTERAPIA PREVENTIVA NA FLEXIBILIDADE DE IDOSAS MELHOR IDADE EM MOVIMENTO: IMPORTÂNCIA DA FISIOTERAPIA PREVENTIVA NA FLEXIBILIDADE DE IDOSAS Área Temática: Saúde Helenara Salvati Bertolossi Moreira 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) Helenara Salvati

Leia mais

COSMETOLOGIA (Farmácia) Profa. Thabata Veiga PRONATEC

COSMETOLOGIA (Farmácia) Profa. Thabata Veiga PRONATEC COSMETOLOGIA (Farmácia) Profa. Thabata Veiga PRONATEC Índice de Massa Corporal Classificação quanto a Distribuição de Gordura: Difusa: distribuição generalizada por todo o corpo Androide: relacionada a

Leia mais

COMPLETE R. Redução da Celulite. Informações Técnicas

COMPLETE R. Redução da Celulite. Informações Técnicas Informações Técnicas COMPLETE R Redução da Celulite INCI NAME: Water, Propylene Glycol, Caffeine, L-Carnitine, Imidazolidinyl Urea, Methylparaben and Propylparaben. INTRODUÇÃO A celulite é uma deformação

Leia mais

A APLICABILIDADE DO ULTRA SOM AVATAR IV ESTHÉTIC ASSOCIADO À FONOFORESE NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE (FEG) 1 RESUMO

A APLICABILIDADE DO ULTRA SOM AVATAR IV ESTHÉTIC ASSOCIADO À FONOFORESE NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE (FEG) 1 RESUMO A APLICABILIDADE DO ULTRA SOM AVATAR IV ESTHÉTIC ASSOCIADO À FONOFORESE NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE (FEG) 1 RESUMO Andressa da Silva Luz 2 Roberta Pires da Silva 3 Prof. Adriana Caixeta 4 O fibro

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

FASES DO FEG Primeira fase: Congestiva simples

FASES DO FEG Primeira fase: Congestiva simples FIBRO EDEMA GELÓIDE DEFINIÇÃO O FEG é uma disfunção localizada que afeta a derme e o tecido subcutâneo, com alterações vasculares e lipodistrofia com resposta esclerosante. FASES DO FEG Primeira fase:

Leia mais

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada.

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada. 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AVALIAÇÃO

Leia mais

FISIOTERAPIA DERMATO-FUNCIONAL: UM PERFIL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DO ESTADO DO PARANÁ

FISIOTERAPIA DERMATO-FUNCIONAL: UM PERFIL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DO ESTADO DO PARANÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 FISIOTERAPIA DERMATO-FUNCIONAL: UM PERFIL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DO ESTADO DO PARANÁ Ana Paula Serra de Araújo 1, Maristela Lopes Cabral 2 RESUMO:

Leia mais

Distribuição dos TCC 2011-1 por linhas de pesquisa Curso de Fisioterapia

Distribuição dos TCC 2011-1 por linhas de pesquisa Curso de Fisioterapia A CARDIORESPIRATÓRIA 1. AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE FUNCIONAL EM ESCOLARES Tatyelle Dias Damaceno* e Fabiane Alves de Carvalho 2. AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE FUNCIONAL EM IDOSOS DIABÉTICOS APÓS UM PROGRAMA DE

Leia mais

PERFIL DEMOGRÁFICO E ANTROPOMÉTRICO DOS PACIENTES SUBMETIDOS À ANGIOPLASTIA CORONARIANA

PERFIL DEMOGRÁFICO E ANTROPOMÉTRICO DOS PACIENTES SUBMETIDOS À ANGIOPLASTIA CORONARIANA 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 PERFIL DEMOGRÁFICO E ANTROPOMÉTRICO DOS PACIENTES SUBMETIDOS À ANGIOPLASTIA CORONARIANA Gisele Escudeiro 1 ; Willian Augusto de Melo 2 RESUMO: A angioplastia

Leia mais

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012.

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Layz Dantas de Alencar 1 - layzalencar@gmail.com Rosimery

Leia mais

CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE

CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE Janaína Esmeraldo Rocha, Faculdade Leão Sampaio, janainaesmeraldo@gmail.com

Leia mais

CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 COMPONENTE CURRICULAR: Fisioterapia em Dermatologia

CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 COMPONENTE CURRICULAR: Fisioterapia em Dermatologia CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 COMPONENTE CURRICULAR: Fisioterapia em Dermatologia CÓDIGO: Fisio 227 CH TOTAL: 60hs PRÉ-REQUISITO: -----

Leia mais

APLICAÇÃO DA FONOFORESE NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE NA REGIÃO ABDOMINAL RESUMO

APLICAÇÃO DA FONOFORESE NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE NA REGIÃO ABDOMINAL RESUMO APLICAÇÃO DA FONOFORESE NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE NA REGIÃO ABDOMINAL Ohanna Daher de Paula FELIPE 1, Wálace Érick de Medeiros MOURA 1*, Silvani Barreto Assumpção CARDOSO 1, Júlio Correa de

Leia mais

DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL: Prevenção, Consciência e Convivência.

DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL: Prevenção, Consciência e Convivência. DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL: Prevenção, Consciência e Convivência. Lourival dos Santos Filho Graduando em Farmácia Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Klerison Romero Martinez Graduando

Leia mais

Efeitos da fisioterapia na força muscular respiratória do idoso: revisão de literatura

Efeitos da fisioterapia na força muscular respiratória do idoso: revisão de literatura Efeitos da fisioterapia na força respiratória do idoso: revisão de literatura Flávia Alves de Abreu 1, Ingrid Maziero Cheles 1, Maíra de Freitas Souza 1, Michelle Pereira Lima 1, Rafael Bossolan 1, Andréa

Leia mais

Um novo conceito em peeling sequencial. Prof.Ms.Edivana Poltronieri Fisioterapeuta Dermato-Funcional e Esteticista

Um novo conceito em peeling sequencial. Prof.Ms.Edivana Poltronieri Fisioterapeuta Dermato-Funcional e Esteticista Um novo conceito em peeling sequencial Prof.Ms.Edivana Poltronieri Fisioterapeuta Dermato-Funcional e Esteticista O QUE É O PEELING 3D? Método diferenciado e patenteado de peeling superficial sequencial

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ SCHUINDT, P. S; ANDRADE, A. H. G. RESUMO A grande incidência de desnutrição hospitalar enfatiza a necessidade de estudos sobre

Leia mais

RESOLUÇÃO No- 454, DE 25 DE ABRIL DE 2015

RESOLUÇÃO No- 454, DE 25 DE ABRIL DE 2015 RESOLUÇÃO No- 454, DE 25 DE ABRIL DE 2015 Reconhece e disciplina a Especialidade Profissional de Fisioterapia Cardiovascular. O Plenário do Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (COFFITO),

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Ementas das Disciplinas CURSO DE GRADUAÇÃO DE FISIOTERAPIA ATIVIDADES COMPLEMENTARES As atividades complementares correspondem a 204 horas realizadas nos diferentes espaços proporcionados

Leia mais

FISIOTERAPIA QUESTÕES DISCURSIVAS

FISIOTERAPIA QUESTÕES DISCURSIVAS ENADE-2007- PADRÃO DE RESPOSTA FISIOTERAPIA QUESTÕES DISCURSIVAS QUESTÃO 37 a) O início da resposta inflamatória é determinado por uma vasoconstrição originada de um reflexo nervoso que lentamente vai

Leia mais

Avaliação da Fisioterapia em Pré e Pós Cirurgia Plástica

Avaliação da Fisioterapia em Pré e Pós Cirurgia Plástica Avaliação da Fisioterapia em Pré e Pós Cirurgia Plástica Ms. Giovana B. Milani Mestre em Ciências pela FMUSP Pós- Graduada em Fisioterapia Dermatofuncional Pós- Graduada em Aparelho locomotor no esporte

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE IDOSAS PARTICIPANTES DE GRUPOS DE ATIVIDADES FÍSICAS PARA A TERCEIRA IDADE Liziane da Silva de Vargas;

Leia mais

Indicações e Cuidados Transfusionais com o Paciente Idoso

Indicações e Cuidados Transfusionais com o Paciente Idoso Indicações e Cuidados Transfusionais com o Paciente Idoso Dra. Maria Odila Jacob de Assis Moura Centro de Hematologia de São Paulo Setembro/2006 Guidelines 1980 National Institutes of Health 1984 American

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE/ FM/ UFF/ HU

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE/ FM/ UFF/ HU DADOS DO PROJETO DE PESQUISA Pesquisador: PARECER CONSUBSTANCIADO DO CEP Título da Pesquisa: O efeito da suplementação com L-carnitina na redução da agressão miocárdica provocada pela injúria de isquemia

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA ENTRE IDOSOS SEDENTÁRIOS CORALISTAS E NÃO CORALISTAS

QUALIDADE DE VIDA ENTRE IDOSOS SEDENTÁRIOS CORALISTAS E NÃO CORALISTAS 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 QUALIDADE DE VIDA ENTRE IDOSOS SEDENTÁRIOS CORALISTAS E NÃO CORALISTAS Raphaella Ortega Leite 1, Eveline Campaneruti Esteves¹; Siméia Gaspar Palácio 2

Leia mais

AROMATERAPIA ALIADA À MASSAGEM: CONTRIBUIÇÕES À HIPERTENSÃO EM IDOSOS

AROMATERAPIA ALIADA À MASSAGEM: CONTRIBUIÇÕES À HIPERTENSÃO EM IDOSOS AROMATERAPIA ALIADA À MASSAGEM: CONTRIBUIÇÕES À HIPERTENSÃO EM IDOSOS AROMATHERAPY ALLIED TO MASSAGE: CONTRIBUTIONS TO HYPERTENSION IN ELDERLY Elizeth Germano Mattos Mestre Unisalesiano Lins-SP profelizeth_aprend@yahoo.com.br

Leia mais

TRABALHO SUBMETIDO AO 4º ENDORIO PRÊMIO INGEBORG LAUN (MÉRITO CIENTÍFICO) CONTROLE GLICÊMICO DE MULHERES COM DIABETES GESTACIONAL

TRABALHO SUBMETIDO AO 4º ENDORIO PRÊMIO INGEBORG LAUN (MÉRITO CIENTÍFICO) CONTROLE GLICÊMICO DE MULHERES COM DIABETES GESTACIONAL TRABALHO SUBMETIDO AO 4º ENDORIO PRÊMIO INGEBORG LAUN (MÉRITO CIENTÍFICO) Titulo: EFEITO DO EXERCÍCIO FÍSICO MODERADO DE CURTA DURAÇÃO NO CONTROLE GLICÊMICO DE MULHERES COM DIABETES GESTACIONAL AVALIADO

Leia mais

DO TERMO DE CONSENTIMENTO

DO TERMO DE CONSENTIMENTO : DO TERMO DE CONSENTIMENTO AO CHECK LIST E fªl i Li Enfª Luciana Lima Hospital Procardíaco Aliança Mundial para Segurança do paciente Cirurgias seguras salvam vidas Check list baseado nas recomendações

Leia mais

ENDERMOTERAPIA INSTITUTO LONG TAO

ENDERMOTERAPIA INSTITUTO LONG TAO ENDERMOTERAPIA INSTITUTO LONG TAO Melissa Betel Tathiana Bombonatti A endermoterapia foi criada na França em 1970 por Louis Paul Guitay. Ele sofreu um grave acidente de carro que causou queimaduras de

Leia mais

"ANÁLISE DO CUSTO COM MEDICAMENTOS E DO RISCO CARDIOVASCULAR EM PACIENTES MORBIDAMENTE OBESOS ANTES E APÓS A REALIZAÇÃO DA CIRURGIA BARIÁTRICA"

ANÁLISE DO CUSTO COM MEDICAMENTOS E DO RISCO CARDIOVASCULAR EM PACIENTES MORBIDAMENTE OBESOS ANTES E APÓS A REALIZAÇÃO DA CIRURGIA BARIÁTRICA "ANÁLISE DO CUSTO COM MEDICAMENTOS E DO RISCO CARDIOVASCULAR EM PACIENTES MORBIDAMENTE OBESOS ANTES E APÓS A REALIZAÇÃO DA CIRURGIA BARIÁTRICA" SHOSSLER ¹, T.S.; FREITAS ¹, G.; LOPES ², E.; FRASNELLI ¹,

Leia mais

DRENAGEM LINFÁTICA ASSOCIADA À CARBOXITERAPIA NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE GRAU II: ESTUDO DE CASO

DRENAGEM LINFÁTICA ASSOCIADA À CARBOXITERAPIA NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE GRAU II: ESTUDO DE CASO 4.00.00.00-1 - CIÊNCIAS DA SAÚDE 4.08.00.00-8 - Fisioterapia e Terapia Ocupacional DRENAGEM LINFÁTICA ASSOCIADA À CARBOXITERAPIA NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE GRAU II: ESTUDO DE CASO SUZANA APARECIDA

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS COLABORADORES ATRAVÉS DA BIOMECÂNICA OCUPACIONAL

AVALIAÇÃO DOS COLABORADORES ATRAVÉS DA BIOMECÂNICA OCUPACIONAL AVALIAÇÃO DOS COLABORADORES ATRAVÉS DA BIOMECÂNICA OCUPACIONAL Daniela da Maia José Marques de Carvalho Júnior Antonio Vinicius Soares 2010 INTRODUÇÃO É um laboratório especializado em análise biomecânica

Leia mais

HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO?

HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO? HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO? Enelúzia Lavynnya Corsino de Paiva China (1); Lucila Corsino de Paiva (2); Karolina de Moura Manso da Rocha (3); Francisco

Leia mais

A EFETIVIDADE DO PEELING DE ÁCIDO MANDÉLICO NO TRATAMENTO DA ACNE VULGAR

A EFETIVIDADE DO PEELING DE ÁCIDO MANDÉLICO NO TRATAMENTO DA ACNE VULGAR A EFETIVIDADE DO PEELING DE ÁCIDO MANDÉLICO NO TRATAMENTO DA ACNE VULGAR INTRODUÇÃO Zeferina Alexandra Trizotti da Silva Talita de Oliveira da Silva A acne é uma das alterações cutâneas mais comuns, sua

Leia mais

PERFIL DA POPULAÇÃO ATENDIDA PELA LIGA DE OFTALMOLOGIA EM CIDADE DO INTERIOR GOIANO

PERFIL DA POPULAÇÃO ATENDIDA PELA LIGA DE OFTALMOLOGIA EM CIDADE DO INTERIOR GOIANO PERFIL DA POPULAÇÃO ATENDIDA PELA LIGA DE OFTALMOLOGIA EM CIDADE DO INTERIOR GOIANO CREPALDI JÚNIOR, Luís Carlos 1 ; BARBOSA, Camila Caetano de Almeida 1 ; BERNARDES, Guilherme Falcão 1 ; GODOY NETO, Ubiratan

Leia mais

CÁRDIO/ RESPIRATÓRIA Terça Feira, dia 02/12, as 14:00 h Sala de vídeo 4 Horário aluno tema orientador

CÁRDIO/ RESPIRATÓRIA Terça Feira, dia 02/12, as 14:00 h Sala de vídeo 4 Horário aluno tema orientador CÁRDIO/ RESPIRATÓRIA Terça Feira, dia 02/12, as 14:00 h Sala de vídeo 4 14:00 Osmar da Silva Guimarães 14:30 Iuri Ferreira de Macedo Efeitos da hiperinsuflação manual e da PEEP-ZEEP como recurso de THB

Leia mais

BANCAS EXAMINADORAS DE TRABALHO DE CURSO (2013/2) CURSO DE FISIOTERAPIA. ORIENTADORA: Profa. ADRIANA CAIXETA

BANCAS EXAMINADORAS DE TRABALHO DE CURSO (2013/2) CURSO DE FISIOTERAPIA. ORIENTADORA: Profa. ADRIANA CAIXETA O coordenador do Núcleo de Atividades Complementares NAC, nos termos da Resolução CONSUP Faculdade CESUC 002/2010, divulga abaixo a relação das BANCAS PÚBLICAS EXAMINADORAS DE TRABALHO DE CURSO do Curso

Leia mais

Identificar como funciona o sistema de gestão da rede (espaços de pactuação colegiado de gestão, PPI, CIR, CIB, entre outros);

Identificar como funciona o sistema de gestão da rede (espaços de pactuação colegiado de gestão, PPI, CIR, CIB, entre outros); ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PLANO DE AÇÃO REGIONAL DAS LINHAS DE CUIDADO DAS PESSOAS COM HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA, COM DIABETES MELLITUS E/OU EXCESSO DE PESO NO CONTEXTO DA REDE DE ATENÇÃO

Leia mais

Reabilitação e Prevenção de Sequelas na Criança Queimada

Reabilitação e Prevenção de Sequelas na Criança Queimada Reabilitação e Prevenção de Sequelas na Criança Queimada Isabel Seixo, Dina Nunes, Alexandra Castro Serviço de Medicina Física e de Reabilitação Hospital Dona Estefânia Novembro 2011 Queimadura Agressão

Leia mais

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS Características socioeconômicas, demográficas, nutricionais, controle glicêmico e atividade física de adolescentes portadores de diabetes melito tipo 1 Izabela Zibetti de ALBUQUERQUE 1 ; Maria Raquel Hidalgo

Leia mais

Catálogo de EQUIPAMENTOS

Catálogo de EQUIPAMENTOS Catálogo de EQUIPAMENTOS Estética Mais Setembro de 2015 comercial@esteticamais.com 1 Apresentação da Empresa A Revivre é uma marca italiana, fundada nos anos 70, e desde sempre fortemente orientada para

Leia mais

A EFICÁCIA DA FISIOTERAPIA NO TRATAMENTO DAS COMPLICAÇÕES FÍSICO-FUNCIONAIS DE MEMBRO SUPERIOR NA MASTECTOMIA UNILATERAL TOTAL: ESTUDO DE CASO

A EFICÁCIA DA FISIOTERAPIA NO TRATAMENTO DAS COMPLICAÇÕES FÍSICO-FUNCIONAIS DE MEMBRO SUPERIOR NA MASTECTOMIA UNILATERAL TOTAL: ESTUDO DE CASO A EFICÁCIA DA FISIOTERAPIA NO TRATAMENTO DAS COMPLICAÇÕES FÍSICO-FUNCIONAIS DE MEMBRO SUPERIOR NA MASTECTOMIA UNILATERAL TOTAL: ESTUDO DE CASO GUIZELINI, L.H.; PEREIRA, N.T.C. RESUMO A mastectomia pode

Leia mais

ANÁLISE DE ASPECTOS NUTRICIONAIS EM IDOSOS ADMITIDOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

ANÁLISE DE ASPECTOS NUTRICIONAIS EM IDOSOS ADMITIDOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA ANÁLISE DE ASPECTOS NUTRICIONAIS EM IDOSOS ADMITIDOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA Belarmino Santos de Sousa Júnior¹ ; Fernando Hiago da Silva Duarte²; Ana Elza da Silva Mendonça³ ¹ Acadêmico de Enfermagem

Leia mais

Faculdades Adamantinenses Integradas (FAI) www.fai.com.br

Faculdades Adamantinenses Integradas (FAI) www.fai.com.br Faculdades Adamantinenses Integradas (FAI) www.fai.com.br LEITE, Gisele Bueno da Silva; MOURA, Karla Senger Pinto de; DORNELAS, Lilian Maria Candido de Souza; BORGES, Juliana Bassalobre Carvalho. Atuação

Leia mais

ATUAÇÃO DA HIDROTERAPIA EM PATOLOGIAS TRATADAS NA CLÍNICA DE FISIOTERAPIA DA FACULDADE NOVAFAPI

ATUAÇÃO DA HIDROTERAPIA EM PATOLOGIAS TRATADAS NA CLÍNICA DE FISIOTERAPIA DA FACULDADE NOVAFAPI ATUAÇÃO DA HIDROTERAPIA EM PATOLOGIAS TRATADAS NA CLÍNICA DE FISIOTERAPIA DA FACULDADE NOVAFAPI INTRODUÇÃO Luana Gabrielle de França Ferreira NOVAFAPI Luciana Gomes Cariri NOVAFAPI Maria José Magalhães

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA N 176/2002

PORTARIA NORMATIVA N 176/2002 PORTARIA NORMATIVA N 176/2002 O PRESIDENTE DO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA DOS SERVIDORES DO ESTADO DE GOIÁS- IPASGO, no uso de suas atribuições legais, RESOLVE: Art. 1 - Regulamentar o atendimento

Leia mais

Reeducação Alimentar na prevenção da Obesidade Professores: Ivo André Polônio; Edi Carlos Iacida; Ângela Cesira Maran Pilquevitch; Silvia Trevisan;

Reeducação Alimentar na prevenção da Obesidade Professores: Ivo André Polônio; Edi Carlos Iacida; Ângela Cesira Maran Pilquevitch; Silvia Trevisan; 1 Reeducação Alimentar na prevenção da Obesidade Professores: Ivo André Polônio; Edi Carlos Iacida; Ângela Cesira Maran Pilquevitch; Silvia Trevisan; Janaina Lopes; Eveline Batista Rodrigues; Cristiane

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE

ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE Ridailda de Oliveira Amaral * RESUMO A atividade física e o exercício foram reconhecidos formalmente como fatores que desempenham um papel essencial no aprimoramento da saúde e

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Fisioterapia 2010-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Fisioterapia 2010-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Fisioterapia 2010-1 O USO DA OXIGENIOTERAPIA DOMICILIAR NO PACIENTE DPOC Autora: ROSA, Ana Carolina

Leia mais

Seja muito mais com. Tratamento da celulite e modelação corporal

Seja muito mais com. Tratamento da celulite e modelação corporal Seja muito mais com Tratamento da celulite e modelação corporal o melhor tratamento para celulite do mundo, ficou agora ainda melhor! Mais de 05 anos de experiência clínica Mais de 3,5 milhões de tratamentos

Leia mais

Realização de procedimentos de carboxiterapia RELATORES: Cons. Dalvélio de Paiva Madruga Cons. Pedro Eduardo Nader Ferreira

Realização de procedimentos de carboxiterapia RELATORES: Cons. Dalvélio de Paiva Madruga Cons. Pedro Eduardo Nader Ferreira PROCESSO-CONSULTA CFM nº 8/12 PARECER CFM nº 34/12 INTERESSADOS: CRM-RJ CRM-RS Sra. T.C.C.B. ASSUNTO: Realização de procedimentos de carboxiterapia RELATORES: Cons. Dalvélio de Paiva Madruga Cons. Pedro

Leia mais

Atividade Física e Saúde na Escola

Atividade Física e Saúde na Escola Atividade Física e Saúde na Escola *Eduardo Cardoso Ferreira ** Luciano Leal Loureiro Resumo: Atividade física pode ser trabalhada em todas as idades em benefício da saúde. O objetivo do artigo é conscientizar

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO CAMPUS MAFRA/RIONEGRINHO/PAPANDUVA

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO CAMPUS MAFRA/RIONEGRINHO/PAPANDUVA UNIVERSIDADE DO CONTESTADO CAMPUS MAFRA/RIONEGRINHO/PAPANDUVA Núcleo de Ciências da Saúde e Meio Ambiente Prof. Wellington Santos PROJETO: Saúde: Obesidade e Estética Pleiteante: Núcleo de Ciências da

Leia mais

A Avaliação Ética da Investigação Científica de Novas Drogas:

A Avaliação Ética da Investigação Científica de Novas Drogas: Unidade de Pesquisa Clínica A Avaliação Ética da Investigação Científica de Novas Drogas: A importância da caracterização adequada das Fases da Pesquisa Rev. HCPA, 2007 José Roberto Goldim Apresentado

Leia mais

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Ciliane Valerio

Leia mais

FISIOTERAPEUTAS! Cura. Diagnóstico Funcional. Bem Estar. Tratamento. Reabilitação. Prevenção O SEU MUNICÍPIO TEM MUITO A GANHAR COM A CONTRATAÇÃO DE

FISIOTERAPEUTAS! Cura. Diagnóstico Funcional. Bem Estar. Tratamento. Reabilitação. Prevenção O SEU MUNICÍPIO TEM MUITO A GANHAR COM A CONTRATAÇÃO DE O SEU MUNICÍPIO TEM MUITO A GANHAR COM A CONTRATAÇÃO DE FISIOTERAPEUTAS! Tudo o que o gestor deve saber sobre fisioterapia e como implantá-la em seu município. Cura Diagnóstico Funcional Bem Estar Qualidade

Leia mais

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98 IX ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA DA SAÚDE DA ABRES Utilização de Serviços em uma Operadora de Plano de Saúde que Desenvolve Programas de Promoção da Saúde e Prevenção de Doenças Cardiovasculares Danielle

Leia mais

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010 PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES ATENDIDOS EM UM PRONTO ATENDIMENTO MUNICIPAL DA REGIÃO CENTRO-OESTE DO ESTADO DE MINAS GERAIS SEGUNDO A CLASSIFICAÇÃO DE RISCO André LUÍS RIBEIRO DOS SANTOS 1 ; Ricardo

Leia mais

TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR

TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR e Prática Clínica TRATAMENTO ANALÍTICO-COMPORTAMENTAL DO TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR TRATAMENTO ANALÍTICO-COMPORTAMENTAL DO TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR Maria Rita Zoéga Soares Samir Vidal Mussi e cols. Coordenação

Leia mais

A importância da Atividade Física

A importância da Atividade Física A importância da Atividade Física Introdução Mas o que é atividade física? De acordo com Marcello Montti, atividade física é definida como um conjunto de ações que um indivíduo ou grupo de pessoas pratica

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Hiperdia. PET-SAÚDE. Hipertensão arterial. Diabetes mellitus

PALAVRAS-CHAVE Hiperdia. PET-SAÚDE. Hipertensão arterial. Diabetes mellitus 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

CONCEITO: PRC. (Moraes RS, et al. Diretriz de Reabilitação Cardíaca. Arq Bras Cardiol 2005; 84: 431-40.)

CONCEITO: PRC. (Moraes RS, et al. Diretriz de Reabilitação Cardíaca. Arq Bras Cardiol 2005; 84: 431-40.) CONCEITO: PRC OMS: é o somatório das atividades necessárias para garantir aos pacientes portadores de cardiopatia as melhores condições física, mental e social, de forma que eles consigam, pelo seu próprio

Leia mais

A EVITABILIDADE DE MORTES POR DOENÇAS CRÔNICAS E AS POLÍTICAS PÚBLICAS VOLTADAS AOS IDOSOS

A EVITABILIDADE DE MORTES POR DOENÇAS CRÔNICAS E AS POLÍTICAS PÚBLICAS VOLTADAS AOS IDOSOS A EVITABILIDADE DE MORTES POR DOENÇAS CRÔNICAS E AS POLÍTICAS PÚBLICAS VOLTADAS AOS IDOSOS Niedja Maria Coelho Alves* nimacoal@hotmail.com Isabelle Carolline Veríssimo de Farias* belleverissimo@hotmail.com

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES TRATADOS NA CLÍNICA ESCOLA DE FISIOTERAPIA DA UEG

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES TRATADOS NA CLÍNICA ESCOLA DE FISIOTERAPIA DA UEG Anais do IX Seminário de Iniciação Científica, VI Jornada de Pesquisa e Pós-Graduação e Semana Nacional de Ciência e Tecnologia UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS 19 a 21 de outubro de 2011 PERFIL EPIDEMIOLÓGICO

Leia mais

PARECER CREMEB 13/11 (Aprovado em Sessão da 3ª Câmara de 28/07/2011)

PARECER CREMEB 13/11 (Aprovado em Sessão da 3ª Câmara de 28/07/2011) PARECER CREMEB 13/11 (Aprovado em Sessão da 3ª Câmara de 28/07/2011) EXPEDIENTE CONSULTA 201.733/11 ASSUNTO: Registros de Empresas no CREMEB que utilizam Depilação a Laser, Peelings Químicos e Carboxiterapia.

Leia mais

HIDROCINESIOTERAPIA COMPARADA AOS EXERCÍCIOS NO SOLO EM PACIENTES COM DOR LOMBAR CRÔNICA

HIDROCINESIOTERAPIA COMPARADA AOS EXERCÍCIOS NO SOLO EM PACIENTES COM DOR LOMBAR CRÔNICA ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 HIDROCINESIOTERAPIA COMPARADA AOS EXERCÍCIOS NO SOLO EM PACIENTES COM DOR LOMBAR CRÔNICA Priscila

Leia mais

ANEXO XXIV TABELA DE HONORÁRIOS DE FISIOTERAPIA E NORMAS DE AUTORIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS

ANEXO XXIV TABELA DE HONORÁRIOS DE FISIOTERAPIA E NORMAS DE AUTORIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS NEUROLOGIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOMUNICÍPIO - IPM IPM SAÚDE AUDITORIA EM SAÚDE ANEXO XXIV TABELA DE HONORÁRIOS DE FISIOTERAPIA E NORMAS DE AUTORIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS ASSUNTO: REDIMENSIONAMENTO DO

Leia mais

Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade

Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade Vargas, Liziane da Silva de; Benetti, Chane Basso; Santos, Daniela Lopes dos Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade 10mo Congreso Argentino

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Hipertensão. Diabetes mellitus. Obesidade abdominal.

PALAVRAS-CHAVE Hipertensão. Diabetes mellitus. Obesidade abdominal. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA 1 ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PET-Saúde

Leia mais

Programa de Atividade Física

Programa de Atividade Física Programa de Atividade Física ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE NA TERCEIRA IDADE OBJETIVOS: Analisar: Mudanças que ocorrem como o envelhecimento; Os desafios sócio-econômico e individual do envelhecimento em relação

Leia mais

A EFETIVIDADE DA REABILITAÇÃO VESTIBULAR NA SÍNDROME LABIRÍNTICA PERIFÉRICA IRRITATIVA

A EFETIVIDADE DA REABILITAÇÃO VESTIBULAR NA SÍNDROME LABIRÍNTICA PERIFÉRICA IRRITATIVA A EFETIVIDADE DA REABILITAÇÃO VESTIBULAR NA SÍNDROME LABIRÍNTICA PERIFÉRICA IRRITATIVA ZANDOMENIGHI, P. M. C.; LOPES, J. Resumo: A reabilitação vestibular com o uso do protocolo de Cawthorne-Cooksey (PCC)

Leia mais

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR)

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR) HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR) REVISÃO DE DOENÇA DE ARTÉRIA CORONÁRIA Seu coração é uma bomba muscular poderosa. Ele é

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu - Daniela Cristina dos Santos Alves O Uso do Spray de Fluorometano no Tratamento Prof. D. Sc.

Leia mais

RESOLUÇÃO DO CONSELHO FEDERAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL - COFFITO Nº 402 DE 03.08.2011 D.O.U: 24.11.2011

RESOLUÇÃO DO CONSELHO FEDERAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL - COFFITO Nº 402 DE 03.08.2011 D.O.U: 24.11.2011 RESOLUÇÃO DO CONSELHO FEDERAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL - COFFITO Nº 402 DE 03.08.2011 D.O.U: 24.11.2011 Disciplina a Especialidade Profissional de Fisioterapia em Terapia Intensiva e dá outras

Leia mais

VANESSA LUZIA PADILHA,

VANESSA LUZIA PADILHA, VANESSA LUZIA PADILHA, fisioterapeuta graduada pela Universidade Positivo (2004). Especialista em Fisioterapia Dermato Funcional (estética) pela Faculdade Evangélica do Paraná (2005). Consultório: Rua

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE

Leia mais

CARACTERIZAÇAO DE UM PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL COMO PREVENÇÃO E REDUÇÃO DA LER/DORT

CARACTERIZAÇAO DE UM PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL COMO PREVENÇÃO E REDUÇÃO DA LER/DORT CARACTERIZAÇAO DE UM PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL COMO PREVENÇÃO E REDUÇÃO DA LER/DORT PINHEIRO, L. C.; DUTRA, J.; BRASILINO, F.F; MORALES, P. J. C.; HUCH, T.P. Universidade da Região de Joinville Depto.

Leia mais

ARTIGO APRESENTADO NO 17 O CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA FIEP/2002-01-29 REALIZADO EM FOZ DO IGUAÇU DE 12 A 16 DE JANEIRO DE 2002

ARTIGO APRESENTADO NO 17 O CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA FIEP/2002-01-29 REALIZADO EM FOZ DO IGUAÇU DE 12 A 16 DE JANEIRO DE 2002 ARTIGO APRESENTADO NO 17 O CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA FIEP/2002-01-29 REALIZADO EM FOZ DO IGUAÇU DE 12 A 16 DE JANEIRO DE 2002 TÍTULO: NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA E BARREIRAS PARA A ATIVIDADE

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA E FISIOTERAPIA EM TERAPIA INTENSIVA - ASSOBRAFIR

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA E FISIOTERAPIA EM TERAPIA INTENSIVA - ASSOBRAFIR ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA E FISIOTERAPIA EM TERAPIA INTENSIVA - ASSOBRAFIR RELATÓRIO FINAL DA COMISSÃO DE ENSINO O ENSINO DE FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA E TERAPIA INTENSIVA NO BRASIL

Leia mais

Envelhecimento com qualidade: Como as operadoras de planos de saúde estão se organizando. 10ª Jornada PRONEP Rio de Janeiro, setembro 2010

Envelhecimento com qualidade: Como as operadoras de planos de saúde estão se organizando. 10ª Jornada PRONEP Rio de Janeiro, setembro 2010 Envelhecimento com qualidade: Como as operadoras de planos de saúde estão se organizando 10ª Jornada PRONEP Rio de Janeiro, setembro 2010 CONTEXTUALIZANDO: A variação de despesas nos últimos 8 anos superou

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Fisioterapia 2010-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Fisioterapia 2010-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Fisioterapia 2010-2 DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO PROPOSTA DE UM PROGRAMA DE ERGONOMIA

Leia mais