Monitoria do Canal da Piracema: Uso do MongoDB e do Node.js como parte da solução

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Monitoria do Canal da Piracema: Uso do MongoDB e do Node.js como parte da solução"

Transcrição

1 Monitoria do Canal da Piracema: Uso do MongoDB e do Node.js como parte da solução Thiago Bitencourt, Luis Valdés, Gustavo Valiati e David Jourdain e Celtab Centro Latino-americano de Tecnologias Abertas 18 de Julho de 2014 Foz do Iguaçu/PR Brasil Abstract We were questioned about what a kind of technology would the better one to develop a whole system, integrating hardware and software (which means: development framework, language, data base and web services) to RFID system monitoring. In a certain time of the process, were evaluated that the Node.js joint with mongodb would be the most consistent solution to integrate on that development. And so we did. Now, this article will describe some issues to justify why these technologies are in use on the project, in detriment from other technologies, also evaluated, but not totally adherent in a concept we considered: The closest architecture to a "real time" concept, for system answers. 1o Introdução Os biólogos da Itaipu tem mantido sobre relativo controle dados referentes ao fluxo de peixes sobre o canal artificial desenvolvido para permitir a manutenção do processo migratório, alterado após a construção da barragem da Itaipu. Entretanto, a solução que encontra-se ainda em uso atende parcialmente a este controle, bem como não garante a qualidade dos dados coletados e não permite que a aferição feita possa garantir de que os dados coletados representem a veracidade dos fatos. Fator elementar: Neste modelo em uso, não há persistência de dados, cruzamento de dados ou até mesmo um banco de dados que permita tal cruzamento de forma segura. Sob este contexto, o Celtab foi acionado para elaborar um estudo e uma proposta de solução que, após apresentada enquanto projeto, foi iniciado o desenvolvimento de protótipos para atenderem a esta temática diária dos biólogos da Itaipu. Este artigo visa apresentar brevemente a justificativa da escolha de parte das soluções adotadas no desenvolvimento. A saber: O banco de dados e o web service. Monitoria do Canal da Piracema: Uso do MongoDB e do Node.js como parte da solução Pg 1

2 2o Contextualização da problemática Quando a problemática foi trazida para o Celtab, foi nos apresentado de que o problema era a monitoria dos peixes. Entretanto, após análise detalhada da problemática, ficou claro para a equipe de pesquisadores que os peixes não eram o elemento principal da problemática. Outrossim, a problemática real era a monitoria eficiente de dispositivos RFIDs. Inicialmente, de um modelo e fabricante específico, para atender a uma necessidade preexistente. Contudo, havia ficado claro para os pesquisadores de que esta solução deveria ser pensada de forma a permitir a maior flexibilidade possível, fosse para a mudança de RFID, de antenas e leitores, bem como sobre a problemática do armazenamento dos dados adquiridos a partir da leitura dos RFIDs, bem como da melhor aderência aos aplicativos distintos a serem desenvolvidos. Mesmo que todo o desenvolvimento tenha sido pensado de forma modular (seja para que diversos RFIDs ou leitores sejam assimilados na solução, seja para a adição de código para estes novos dispositivos), a solução final deve ser considerada como um todo, com elementos embarcados, e não como um produto segmentado, que não mantém a arquitetura planejada. Alterações nesta arquitetura estável requisitam um volume considerável de retrabalho de código. 3o Levantamento de requisitos Quando da avaliação dos requisitos a serem considerados para o estudo e a prototipagem de uma solução que atendesse as demandas dos biólogos da Itaipu, o Celtab, sem receber claras restrições, fosse para hardware ou para software, os pesquisadores avaliaram diversas soluções que poderiam ser integradas ao projeto. De Julho/2013 a Novembro/2013, foram feitas avaliações de diversos bancos de dados, SQL's e NoSQL's, assim como de tecnologias para web services que fossem mais aderentes aos bancos de dados estudados. Apenas a partir de Dezembro/2013 que MongoDB e Node.js começam a fazer parte da solução, depois de avaliações comparativas com diversos bancos de dados. Após a apresentação de proposta inicial, feita ao Comitê Gestor no dia 17/07/2013, a coordenação técnica do Celtab também foi questionada, se haveria alguma limitação que deveria ser considerada. A única limitação apresentada pelo coordenador técnico é que deveriam ser observados o custo do protótipo final e o tempo de resposta do sistema como um todo. Tendo apenas estas restrições iniciais, foram avaliadas uma considerável gama de tecnologias que pudessem ser aderentes ao conceito inicial proposto pela coordenação técnica do Celtab, e que está contido no Abstract : The closest architecture to a "real time" concept, for system answers. Monitoria do Canal da Piracema: Uso do MongoDB e do Node.js como parte da solução Pg 2

3 4o Desenvolvimento modular da solução Para o projeto de monitoramento do canal da piracema, tendo como premissa o princípio do desenvolvimento modular, para a criação de uma solução final integrada, um dos objetivos foi a centralização dos dados em um servidor que se comunique diretamente com os pontos de coleta de dados, para sincronização e monitoramento destes pontos de coleta, com o menor tempo de resposta possível. Neste contexto, foram considerados diversos aspectos. Entre eles, o banco de dados foi um dos principais. Outro ponto considerado foi um servidor Web orientado a eventos, para elaboração de serviços para o usuário final. Neste caso específico, os biólogos da Itaipu. Por fim, foram avaliadas as linguagens de programação e frameworks a serem considerados no processo de desenvolvimento. Obs.: Cabe salientar que um dos fatores que também permeou todas as escolhas foi o de que o resultado final deveria considerar o menor tempo de resposta entre unidade de leitura e web service, assim como atender a um grande número de usuários e que solução oferecida deveria atender a diversas problemáticas distintas, com campos de atuação semelhantes. Pensando nisso, a solução a ser implementada foi pensada, estruturada e desenvolvida para atender a outras realidades semelhantes em qualquer parte do mundo, desde o início das atividades do projeto. O problema abordado na Itaipu consiste em alguns pontos de coleta se comunicando com um servidor, que será responsável pela centralização dos dados. Porém, em um ambiente mais amplo, com milhares de pontos de coleta distribuídos remotamente, este mesmo sistema terá que atender a uma demanda em expansão, e assim será, já que as tecnologias utilizadas suportam expansão de maneira nativa (sem necessitar de nenhuma alteração) e sem perda de desempenho. De acordo com as características do projeto a ser desenvolvido e com os conhecimentos prévios dos pesquisadores envolvidos, foram selecionadas as seguintes tecnologias. No ponto de coleta, para desenvolver o sistema de monitoramento, foi utilizada linguagem de programação C++ com framework Qt. No sistema servidor, foi utilizado Node.js, que é um Servidor Web orientado a eventos e que utiliza a linguagem JavaScript como backend, e que tem como banco de dados mais alinhado a persistência o MongoDB[1]. Monitoria do Canal da Piracema: Uso do MongoDB e do Node.js como parte da solução Pg 3

4 O Node.js possibilita a conexão com um grande número de pontos de coletas, simultaneamente, sem perder performance. Esta tecnologia é utilizada para atender a grandes números de conexões de maneira paralela, sem que uma conexão interfira na outra e sem que uma conexão impossibilite que outras conexões aconteçam: Ou seja: Uma nova conexão sempre será aceita. Isso porque todas as tarefas realizadas no Node.js são executadas paralelamente e de maneira não bloqueante. Com isso, uma tarefa é enviada para execução e outra já é executada paralelamente, sem que haja a necessidade de esperar o término da tarefa anterior. O Node.js possibilita utilizar MongoDB como base de dados de maneira nativa. Tendo o Node.js e o MongoDB trabalhando de forma integrada, a conexão e a manutenção dos dados acontece de uma maneira muito mais simples e rápida. Essa característica por si só garante desempenho ao trabalhar com dados sob persistência. Além disso, outras características pontuam a favor da base de dados MongoDB junto com o Node.js, sendo elas: MongoDB é o banco de dados mais utilizado pela comunidade para desenvolvimento de aplicações web. Em função disso existem muitos fóruns e documentação disponíveis sobre desenvolvimento utilizando esta arquitetura. Um exemplo é o MEAN Stack que fomenta o desenvolvimento de aplicações web utilizando MongoDB, Express, Angular.js e Node.js[1]. MongoDB é um bando de dados NoSQL orientado a documentos, o que possibilita o crescimento dos dados armazenados sem perda de desempenho. Além disso, não precisa ter um esquema fixo e permite uma configuração de escrita que otimiza a persistência dos dados. Todas as informações relevantes a um determinado registro são persistidas com apenas um comando para a base de dados[1]; MongoDB permite a conexão e a gerência de muitas conexões simultâneas a mesma base de dados, possibilitando a leitura e a escrita ao mesmo tempo, por conexões distintas[1]; Possibilita que a base de dados tenha um crescimento horizontal, através da utilização de replica set. Em uma base de dados relacional convencional, conforme o número de dados armazenados cresce, é necessário: + processamento, + armazenamento e + memória na máquina onde a base de dados esta persistida. Portanto, quando a base de dados é extremamente grande, é necessário equipamentos com grande poder computacional e de custos relativamente altos (tanto para aquisição quanto para manutenção). O replica set do MongoDB possibilita que os dados sejam distribuídos em diferentes servidores de maneira fácil e de rápido acesso a cada ponto, e possibilita a expansão da quantidade de dados sem acrescentar em complexidade e sem perder performance. Essa característica permite ainda a alta disponibilidade dos dados armazenados[1]; Monitoria do Canal da Piracema: Uso do MongoDB e do Node.js como parte da solução Pg 4

5 Considerando que o MongoDB é orientado a documentos, a consulta dos dados é otimizada. Todas as informações relevantes são armazenadas em um mesmo documento, o que agiliza a recuperação das informações. Ou seja: Em uma base de dados relacional para buscar todos os dados relacionados, seria necessárias várias consultas a base de dados (o que se torna um problema quando a quantidade de dados é muito grande), enquanto que, com MongoDB, uma única consulta traz todas as informações necessárias. Este mesmo efeito acontece na inclusão e na alteração de dados[1]. Um dos objetivos considerados em cada um dos projetos de pesquisa é estudar e identificar as melhores soluções para atender a um determinado problema e, devido as características e possibilidades de expansão do projeto de monitoramento do canal da piracema, essas tecnologias se mostraram capazes de atender as necessidades do projeto, da forma mais robusta e que menos impacte no processo de expansão de seu uso. 5o Custo da migração O projeto de monitoramento do canal da piracema se encontra em uma fase avançada, com protótipos sendo preparados para implantação nos cinco pontos de monitoramento, no canal da piracema. O sistema servidor, responsável por se comunicar com os pontos de coleta e centralizar os dados, já está preparado para ser implantado. Para uma eventual alteração na base de dados será necessário um estudo, replanejamento e reimplementação do sistema servidor, sem que isso possa garantir o mesmo grau de eficiência estudado na proposta desenvolvida. Como já mencionado, o Node.js e o MongoDB interagem de maneira nativa e, para utilizar uma nova base de dados, será necessário a utilização de um driver para comunicação, o que eliminará o benefício da interação nativa entre ambos. O MongoDB tem estrutura e características completamente distintas de banco de dados relacionais convencionais. Portanto, para migrar a base de dados, será necessário reimplementar a base de dados para que seja relacional e também será necessário reimplementar todos os comandos de consultas, inserções e alterações de dados. Com isso, toda a parte de comunicação e interação com a base de dados (além da própria base de dados em si) deverá ser reimplementada. É conveniente salientar de que, mesmo tendo sido desenvolvido de forma modular, devemos considerar as tecnologias Node.js e o MongoDB como elementos embarcados da solução final. Por isso, toda alteração que impacte em sua remoção também impactará no redesenho da solução em si. Monitoria do Canal da Piracema: Uso do MongoDB e do Node.js como parte da solução Pg 5

6 Foi considerada a execução de um benchmark para comparação entre bancos de dados relacionais e NoSQL's. Entretanto, conforme diversas fontes salientam, por se tratarem de métodos de armazenamento e chamada distintos, as comparações mediante apenas avaliação do fator segurança de dados poderia ser tendenciosa, já que ambos apresentam robustez. Quanto ao tempo de resposta, por conta da forma de acesso aos dados, bancos NoSQL's tendem a ter um tempo de resposta consideravelmente menor, sem que isso represente demérito para bancos SQL's, considerando de que bancos NoSQL's tem aplicabilidades específicas, distintas de bancos SQL's[2]. Para realizar todas essas alterações, será necessário um tempo para estudos, definições, implementações, testes e eventuais correções, sem que isso represente que esta modificação oferecerá o mesmo tipo de desempenho. 6o Contextualização do MongoDB MongoDB é um banco de dados NoSQL orientado a documentos o que facilita bastante o crescimento dos dados armazenados já que não precisa ter um esquema fixo e permite uma configuração de escrita que otimiza a persistência de dados, uma forma fácil de explicar é que desativando o acknowledge of writes and journal writes é possível escrever muitos dados por segundo recebendo os mesmos de centenas ou milhares de usuários ao mesmo tempo, com isso a escalabilidade do sistema de armazenamento é muito maior que outros bancos de dados existentes no mercado[3]. O sistema de crescimento do MongoDB é um sistema horizontal, para ter uma capacidade maior de armazenamento somente é necessário adicionar um novo Shard e configurá-lo, esse novo Shard estará composto por um Replica Set de 3 ou mais Nodes, cada shard pode estar fisicamente separado dos outros, permitindo a distribuição dos dados a nível mundial, formando um sistema distribuído de persistência de baixo custo e alta disponibilidade, em comparação com outros sistemas de bancos de dados relacionais que somente podem crescer de forma vertical (supercomputadores com alto custo de compra e manutenção)[4]. 7o Conclusão Em concordância com solicitação efetuada mediante no dia 15/07/2014, será feito o devido planejamento e a modificação para adoção do PostgreSQL, para o protótipo. Considerando o prazo executado para o desenvolvimento da aplicação, com os devidos enlaces para o mongodb e o Node.js, estimasse uma extensão na conclusão do produto final entre 4 a 6 meses[5]. Monitoria do Canal da Piracema: Uso do MongoDB e do Node.js como parte da solução Pg 6

7 Contudo, É conveniente salientar de que a solução final, com a modificação efetuada para uso com o PostgreSQL, não estará plenamente aderente ao conceito inicial avaliado para a solução final, apresentado no Abstract. Sob esta ótica, segue sendo o binômio MongoDB + Node.js o mais aderente ao desenvolvimento iniciado, de acordo com todos os estudos feitos desde Julho/2013. Inclusive, diversos autores acreditam e defendem tecnicamente de que o MongoDB (ou melhor, NoSQL's) atende de forma mais efetiva, no que tange o tempo de resposta final, permitindo um acréscimo fractal de dados, sem que haja risco de formação de gargalo para a chamada aos dados[6]. Para alguns tipos específicos de serviços, como para uma rede social, esta forma de manipulação de dados não se apresenta como a mais apropriada. Entretanto, para a coleta e o acesso a dados, em uma estrutura equivalente ao campo de estudo (coleta de dados de RFID's para a monitoria do fluxo migratório de peixes), NoSQL's se revelam soluções robustas, estáveis, de rápida resposta e as mais indicadas para este fim[6]. REFERÊNCIAS [1] Node.js and MongoDB - [2] MongoDB vs PostreSQL : Comparancy [3] Write Concern and Journaling - [4] Vertical versus Horizontal scaling - [5] MongDB vs PostgreSQL, with node.js app - [6] When not use MongoDB - Monitoria do Canal da Piracema: Uso do MongoDB e do Node.js como parte da solução Pg 7

Projeto de aprimoramento tecnológico no monitoramento do Canal da Piracema

Projeto de aprimoramento tecnológico no monitoramento do Canal da Piracema Projeto de aprimoramento tecnológico no monitoramento do Canal da Piracema Pesquisadores: Gustavo R. Valiati Luis I. Valdes Thiago R. M. Bitencourt Douglas B. Gatti (Tradutor) Roteiro Quem somos? Problema

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Ambiente de monitoramento para o Canal da Piracema

Ambiente de monitoramento para o Canal da Piracema Ambiente de monitoramento para o Canal da Piracema Thiago Bitencourt CELTAB thiago.mbitencourt@gmail.com Luis Valdés CELTAB luisvaldes88@gmail.com Gustavo Valiati CELTAB gustavovaliati@gmail.com Resumo

Leia mais

Com tecnologias Open Source, Itaipu alcança benefícios que potencializam o programa de sustentabilidade da empresa

Com tecnologias Open Source, Itaipu alcança benefícios que potencializam o programa de sustentabilidade da empresa Com tecnologias Open Source, Itaipu alcança benefícios que potencializam o programa de sustentabilidade da empresa Perfil A construção da Itaipu Binacional considerado um trabalho de Hércules pela revista

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Design de Rede Local Design Hierárquico Este design envolve a divisão da rede em camadas discretas. Cada camada fornece funções específicas que definem sua função dentro da rede

Leia mais

Fundamentos de Banco de Dados

Fundamentos de Banco de Dados Fundamentos de Banco de Dados SISTEMAS BASEADOS NO PROCESSAMENTO DE ARQUIVOS Sistema A Funcionário Pagamento Cargo Sistema B Funcionário Projeto SISTEMAS GERENCIADORES DE BANCO DE DADOS (SGBD) Sistema

Leia mais

BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING

BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING http://www.uniriotec.br/~tanaka/tin0036 tanaka@uniriotec.br Bancos de Dados Distribuídos Conceitos e Arquitetura Vantagens das Arquiteturas C/S (em relação

Leia mais

04/08/2012 MODELAGEM DE DADOS. PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS. Aula 1. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc.

04/08/2012 MODELAGEM DE DADOS. PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS. Aula 1. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. MODELAGEM DE DADOS PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS Aula 1 Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. @ribeirord 1 Objetivos: Apresenta a diferença entre dado e informação e a importância

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Modelo Cliente-Servidor: Introdução aos tipos de servidores e clientes Prof. MSc. Hugo Souza Iniciando o módulo 03 da primeira unidade, iremos abordar sobre o Modelo Cliente-Servidor

Leia mais

Sistema de Automação Comercial de Pedidos- Versão 1.1

Sistema de Automação Comercial de Pedidos- Versão 1.1 Termo de Abertura Sistema de Automação Comercial de Pedidos- Versão 1.1 Iteração 1.0- Release 1.0 Versão do Documento: 1.1 Histórico de Revisão Data Versão do Documento Descrição Autor 18/03/2011 1.0 Versão

Leia mais

Service Oriented Architecture (SOA)

Service Oriented Architecture (SOA) São Paulo, 2011 Universidade Paulista (UNIP) Service Oriented Architecture (SOA) Prof. MSc. Vladimir Camelo vladimir.professor@gmail.com 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com 1 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC RESUMO EXECUTIVO O PowerVault DL2000, baseado na tecnologia Symantec Backup Exec, oferece a única solução de backup em

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

Disciplina de Banco de Dados Introdução

Disciplina de Banco de Dados Introdução Disciplina de Banco de Dados Introdução Prof. Elisa Maria Pivetta CAFW - UFSM Banco de Dados: Conceitos A empresa JJ. Gomes tem uma lista com mais ou menos 4.000 nomes de clientes bem como seus dados pessoais.

Leia mais

Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes

Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes 1. Necessidades de Gerenciamento Por menor e mais simples que seja uma rede de computadores, precisa ser gerenciada, a fim de garantir, aos seus usuários,

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I. de Computadores

Organização e Arquitetura de Computadores I. de Computadores Universidade Federal de Campina Grande Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Organização e Arquitetura de Computadores I Organização Básica B de Computadores

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

Relatorio do trabalho pratico 2

Relatorio do trabalho pratico 2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA INE5414 REDES I Aluno: Ramon Dutra Miranda Matricula: 07232120 Relatorio do trabalho pratico 2 O protocolo SNMP (do inglês Simple Network Management Protocol - Protocolo

Leia mais

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE Um estudo sobre os aspectos de desenvolvimento e distribuição do SIE Fernando Pires Barbosa¹, Equipe Técnica do SIE¹ ¹Centro de Processamento de Dados, Universidade Federal de Santa Maria fernando.barbosa@cpd.ufsm.br

Leia mais

Dell Infrastructure Consulting Services

Dell Infrastructure Consulting Services Proposta de Serviços Profissionais Implementação do Dell OpenManage 1. Apresentação da proposta Esta proposta foi elaborada pela Dell com o objetivo de fornecer os serviços profissionais de implementação

Leia mais

Prof. Luiz Fernando Bittencourt MC714. Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013

Prof. Luiz Fernando Bittencourt MC714. Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013 MC714 Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013 Virtualização - motivação Consolidação de servidores. Consolidação de aplicações. Sandboxing. Múltiplos ambientes de execução. Hardware virtual. Executar múltiplos

Leia mais

Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com. http://www.tiagodemelo.info

Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com. http://www.tiagodemelo.info Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com Última atualização: 20.03.2013 Conceitos Banco de dados distribuídos pode ser entendido como uma coleção de múltiplos bds

Leia mais

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Projeto de Sistemas Distribuídos Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Agenda Introdução Exemplos de Sistemas Distribuídos Compartilhamento de Recursos e a Web Principais Desafios para a Implementação

Leia mais

Arquitetura de Banco de Dados

Arquitetura de Banco de Dados Arquitetura de Banco de Dados Daniela Barreiro Claro MAT A60 DCC/IM/UFBA Arquitetura de Banco de dados Final de 1972, ANSI/X3/SPARC estabeleceram o relatório final do STUDY GROUP Objetivos do Study Group

Leia mais

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Quando se projeta um sistema cuja utilização é destinada a ser feita em ambientes do mundo real, projeções devem ser feitas para que o sistema possa

Leia mais

Levando os benefícios do IP aberto ao controle de acesso físico. Controlador de porta em rede AXIS A1001

Levando os benefícios do IP aberto ao controle de acesso físico. Controlador de porta em rede AXIS A1001 Levando os benefícios do IP aberto ao controle de acesso físico. Controlador de porta em rede AXIS A1001 Abra as portas para o futuro. Com o Controlador de porta em rede AXIS A1001, estamos introduzindo

Leia mais

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido Arquitetura Roteiro Arquitetura Tipos de Arquitetura Centralizado Descentralizado Hibrido Questionário 2 Arquitetura Figura 1: Planta baixa de uma casa 3 Arquitetura Engenharia de Software A arquitetura

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMA OPERACIONAL DE REDE (AULA 1)

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMA OPERACIONAL DE REDE (AULA 1) Prof. Breno Leonardo Gomes de Menezes Araújo brenod123@gmail.com http://blog.brenoleonardo.com.br ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMA OPERACIONAL DE REDE (AULA 1) Administração A palavra administração vem do latim

Leia mais

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional O conteúdo deste documento tem por objetivo apresentar uma visão geral

Leia mais

Autores/Grupo: TULIO, LUIS, FRANCISCO e JULIANO. Curso: Gestão da Tecnologia da Informação. Professor: ITAIR PEREIRA DA SILVA GESTÃO DE PESSOAS

Autores/Grupo: TULIO, LUIS, FRANCISCO e JULIANO. Curso: Gestão da Tecnologia da Informação. Professor: ITAIR PEREIRA DA SILVA GESTÃO DE PESSOAS Autores/Grupo: TULIO, LUIS, FRANCISCO e JULIANO Curso: Gestão da Tecnologia da Informação Professor: ITAIR PEREIRA DA SILVA GESTÃO DE PESSOAS ORGANOGRAMA FUNCIANOGRAMA DESENHO DE CARGO E TAREFAS DO DESENVOLVEDOR

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos Introdução a Sistemas Distribuídos Definição: "Um sistema distribuído é uma coleção de computadores autônomos conectados por uma rede e equipados com um sistema de software distribuído." "Um sistema distribuído

Leia mais

Tecnologia da Informação e Comunicação. Douglas Farias Cordeiro

Tecnologia da Informação e Comunicação. Douglas Farias Cordeiro Tecnologia da Informação e Comunicação Douglas Farias Cordeiro O desenvolvimento de um SI Ciclo de desenvolvimento de um SI: O desenvolvimento de um SI Definição do sistema Nessa fase estima-se as dimensões

Leia mais

Etc & Tal. Volume 2 - Número 1 - Abril 2009 SBC HORIZONTES 44

Etc & Tal. Volume 2 - Número 1 - Abril 2009 SBC HORIZONTES 44 Armazenando Dados em Aplicações Java Parte 2 de 3: Apresentando as opções Hua Lin Chang Costa, hualin@cos.ufrj.br, COPPE/UFRJ. Leonardo Gresta Paulino Murta, leomurta@ic.uff.br, IC/UFF. Vanessa Braganholo,

Leia mais

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel 1 4 Estrutura do Sistema Operacional 4.1 - Kernel O kernel é o núcleo do sistema operacional, sendo responsável direto por controlar tudo ao seu redor. Desde os dispositivos usuais, como unidades de disco,

Leia mais

Monitorando o Canal da Piracema com software livre. Gustavo Valiati

Monitorando o Canal da Piracema com software livre. Gustavo Valiati Monitorando o Canal da Piracema com software livre 28 de Outubro de 2013 1 Introdução 2 Desenvolvimento Em que consiste a problemática do canal da Piracema? Proposta de solução Potencial do sistema Metas

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Amarildo Aparecido Ferreira Junior 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil aapfjr@gmail.com

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO. PROJETO FINAL I e II PLANO DE TRABALHO

FACULDADE DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO. PROJETO FINAL I e II PLANO DE TRABALHO <NOME DO TRABALHO> <Nome do Aluno> <Nome do Orientador> FACULDADE DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO PROJETO FINAL I e II PLANO DE TRABALHO O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) a ser desenvolvido

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS Capítulo 7 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS 7.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Por que as empresas sentem dificuldades para descobrir que tipo de informação precisam ter em seus sistemas de informação?

Leia mais

Automação de Locais Distantes

Automação de Locais Distantes Automação de Locais Distantes Adaptação do texto Improving Automation at Remote Sites da GE Fanuc/ Water por Peter Sowmy e Márcia Campos, Gerentes de Contas da. Nova tecnologia reduz custos no tratamento

Leia mais

Serviço HP StoreEasy 1000/3000 and X1000/3000 Network Storage Solution Installation and Startup

Serviço HP StoreEasy 1000/3000 and X1000/3000 Network Storage Solution Installation and Startup Serviço HP StoreEasy 1000/3000 and X1000/3000 Network Storage Solution Installation and Startup HP Technology Services O serviço HP StoreEasy 1000/3000 and X1000/3000 Network Storage Solution fornece a

Leia mais

MÓDULO 8 ARQUITETURA DOS SISTEMAS DE BANCO DE DADOS

MÓDULO 8 ARQUITETURA DOS SISTEMAS DE BANCO DE DADOS MÓDULO 8 ARQUITETURA DOS SISTEMAS DE BANCO DE DADOS Quando falamos em arquitetura, normalmente utilizamos esse termo para referenciar a forma como os aplicativos computacionais são estruturados e os hardwares

Leia mais

Computador Digital Circuitos de um computador (Hardware)

Computador Digital Circuitos de um computador (Hardware) Computador Digital SIS17 - Arquitetura de Computadores (Parte I) Máquina que pode resolver problemas executando uma série de instruções que lhe são fornecidas. Executa Programas conjunto de instruções

Leia mais

Capítulo 8. Sistemas com Múltiplos Processadores. 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos

Capítulo 8. Sistemas com Múltiplos Processadores. 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos Capítulo 8 Sistemas com Múltiplos Processadores 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos 1 Sistemas Multiprocessadores Necessidade contínua de computadores mais rápidos modelo

Leia mais

Serviço de Desenho e Implementação de Volume Virtual de HP Storage

Serviço de Desenho e Implementação de Volume Virtual de HP Storage Serviço de Desenho e Implementação de Volume Virtual de HP Storage Serviços HP CarePack Dados técnicos A configuração correta de hardware de armazenamento é crucial para ajudar a melhorar a eficácia dos

Leia mais

O que é Grid Computing

O que é Grid Computing Grid Computing Agenda O que é Grid Computing Grid vs Cluster Benefícios Tipos de Grid Aplicações Ferramentas e padrões Exemplos no mundo Exemplos no Brasil Grid no mundo dos negócios Futuro O que é Grid

Leia mais

Ferramenta de apoio a gerência de configuração de software. Aluno: Rodrigo Furlaneto Orientador: Everaldo Artur Grahl

Ferramenta de apoio a gerência de configuração de software. Aluno: Rodrigo Furlaneto Orientador: Everaldo Artur Grahl Ferramenta de apoio a gerência de configuração de software Aluno: Rodrigo Furlaneto Orientador: Everaldo Artur Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Gerência de Configuração

Leia mais

INFRAESTRUTURA DE TI DA TEKSID PASSA POR ATUALIZAÇÃO COMPLETA, OBTENDO REDUÇÃO DE GASTOS E MELHORIAS NO AMBIENTE

INFRAESTRUTURA DE TI DA TEKSID PASSA POR ATUALIZAÇÃO COMPLETA, OBTENDO REDUÇÃO DE GASTOS E MELHORIAS NO AMBIENTE INFRAESTRUTURA DE TI DA TEKSID PASSA POR ATUALIZAÇÃO COMPLETA, OBTENDO REDUÇÃO DE GASTOS E MELHORIAS NO AMBIENTE Perfil O Grupo Teksid é o maior em fundição de autopeças do mundo, com capacidade produtiva

Leia mais

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd.

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd. Apresentação Este curso tem como objetivo, oferecer uma noção geral sobre a construção de sistemas de banco de dados. Para isto, é necessário estudar modelos para a construção de projetos lógicos de bancos

Leia mais

Arquiteturas híbridas de atendimento em Cloud Computing para otimizar o uso de recursos (Node.js) Thiago Henrique de Oliveira

Arquiteturas híbridas de atendimento em Cloud Computing para otimizar o uso de recursos (Node.js) Thiago Henrique de Oliveira 1 Arquiteturas híbridas de atendimento em Cloud Computing para otimizar o uso de recursos (Node.js) Thiago Henrique de Oliveira 2 Introdução Nuvem, além da Infraestrutura. A (Rodrigo Gazzaneo) 3 Introdução

Leia mais

Software de segurança em redes para monitoração de pacotes em uma conexão TCP/IP

Software de segurança em redes para monitoração de pacotes em uma conexão TCP/IP Software de segurança em redes para monitoração de pacotes em uma conexão TCP/IP Paulo Fernando da Silva psilva@senior.com.br Sérgio Stringari stringari@furbbr Resumo. Este artigo apresenta a especificação

Leia mais

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Tecnologia da Informação. O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Resumo. Introdução História Caracteristicas Exemplos Arquitetura Distribuição Vertical vs Distribuição Horizontal Segurança Conclusão

Resumo. Introdução História Caracteristicas Exemplos Arquitetura Distribuição Vertical vs Distribuição Horizontal Segurança Conclusão Peer 2 Peer (P2P) Resumo Introdução História Caracteristicas Exemplos Arquitetura Distribuição Vertical vs Distribuição Horizontal Segurança Conclusão O que é P2P? Introdução Tipo de arquitetura de rede

Leia mais

Introdução às arquiteturas paralelas e taxonomia de Flynn

Introdução às arquiteturas paralelas e taxonomia de Flynn Introdução às arquiteturas paralelas e taxonomia de Flynn OBJETIVO: definir computação paralela; o modelo de computação paralela desempenhada por computadores paralelos; e exemplos de uso da arquitetura

Leia mais

Software para especificação de motores de indução trifásicos

Software para especificação de motores de indução trifásicos Instituto Federal Sul-riograndense Campus Pelotas - Curso de Engenharia Elétrica Software para especificação de motores de indução trifásicos Disciplina: Projeto Integrador III Professor: Renato Neves

Leia mais

MANUAL DE IMPLANTAÇÃO SISTEMA DE INVENTÁRIO CACIC GOVERNO FEDERAL SOFTWARE PÚBLICO

MANUAL DE IMPLANTAÇÃO SISTEMA DE INVENTÁRIO CACIC GOVERNO FEDERAL SOFTWARE PÚBLICO MANUAL DE IMPLANTAÇÃO SISTEMA DE INVENTÁRIO CACIC Configurador Automático e Coletor de Informações Computacionais GOVERNO FEDERAL SOFTWARE PÚBLICO software livre desenvolvido pela Dataprev Sistema de Administração

Leia mais

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Introdução BD desempenha papel crítico em todas as áreas em que computadores são utilizados: Banco: Depositar ou retirar

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Sistemas de Informações Gerenciais Aula 3 Sistema de Informação Conceito, Componentes e Evolução Professora: Cintia Caetano INTRODUÇÃO Conceito: Um Sistema de Informação (SI) é um sistema cujo elemento

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

Controle Central IQ v2.0 da Rain Bird

Controle Central IQ v2.0 da Rain Bird Controle Central IQ v2.0 da Rain Bird Exatamente o que você deseja. Somente o que você precisa. O Controle Central IQ v2.0 da Rain Bird se adapta às diversas necessidades de irrigação. No gerenciamento

Leia mais

Hoje é inegável que a sobrevivência das organizações depende de dados precisos e atualizados.

Hoje é inegável que a sobrevivência das organizações depende de dados precisos e atualizados. BANCO DE DADOS Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Ciência da Computação Prof. Alexandre Veloso de Matos alexandre.matos@udesc.br INTRODUÇÃO Hoje é

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

Tecnologia gerando valor para a sua clínica.

Tecnologia gerando valor para a sua clínica. Aumente a eficiência de seu negócio O sclínica é a ferramenta ideal para a gestão de clínicas de diagnóstico. Desenvolvido a partir das necessidades específicas deste mercado, oferece uma interface inteligente,

Leia mais

Conceitos de Banco de Dados

Conceitos de Banco de Dados Conceitos de Banco de Dados Autor: Luiz Antonio Junior 1 INTRODUÇÃO Objetivos Introduzir conceitos básicos de Modelo de dados Introduzir conceitos básicos de Banco de dados Capacitar o aluno a construir

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Manual de Instalação Produto: NDDigital n-access Embedded for Lexmark FRM4x Versão do produto: 1..5 Autor: Glauber Dias Barbara Versão do documento: 1 Versão do template: Data: 1/06/013 Documento destinado

Leia mais

Comparação SDs X Scs

Comparação SDs X Scs Prof. Alexandre Lima Sistemas Distribuídos Cap 9 1/7 Comparação SDs X Scs Distribuição inerente Economia Velocidade Confiabilidade Crescimento incremental Descrição Algumas aplicações envolvem máquinas

Leia mais

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML.

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML. MODELAGEM ORIENTADA A OBJETOS APLICADA À ANÁLISE E AO PROJETO DE SISTEMA DE VENDAS ALTEMIR FERNANDES DE ARAÚJO Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas ANDRE LUIZ DA CUNHA DIAS Discente da

Leia mais

Anexo VI Edital nº 03361/2008. Projeto de Integração das informações de Identificação Civil. 1. Definições de interoperabilidade adotadas pela SENASP

Anexo VI Edital nº 03361/2008. Projeto de Integração das informações de Identificação Civil. 1. Definições de interoperabilidade adotadas pela SENASP Anexo VI Edital nº 03361/2008 Projeto de Integração das informações de Identificação Civil 1. Definições de interoperabilidade adotadas pela SENASP A Senasp procura adotar os padrões de interoperabilidade

Leia mais

DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS

DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS Emanuel M. Godoy 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil godoymanel@gmail.com,

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE DESENVOLVIMENTO EM CAMADAS

ENGENHARIA DE SOFTWARE DESENVOLVIMENTO EM CAMADAS ENGENHARIA DE SOFTWARE DESENVOLVIMENTO EM CAMADAS Uma estrutura para um projeto arquitetural de software pode ser elaborada usando camadas e partições. Uma camada é um subsistema que adiciona valor a subsistemas

Leia mais

Prof. Romulo Fagundes Cantanhede. Node.JS. O poder do JavaScript do lado do Servidor

Prof. Romulo Fagundes Cantanhede. Node.JS. O poder do JavaScript do lado do Servidor Prof. Romulo Fagundes Cantanhede Node.JS O poder do JavaScript do lado do Servidor Agenda Quem sou eu O que é Node.JS? Mas como não falar de nosql Alguns módulos que o Node.JS possui Conclusão Quem sou

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Processos- Clientes, Servidores, Migração Capítulo 3 Agenda Clientes Interfaces de usuário em rede Sistema X Window Software do lado cliente para

Leia mais

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML 2ª edição Eduardo Bezerra Editora Campus/Elsevier Capítulo 11 Arquitetura do sistema Nada que é visto, é visto de uma vez e por completo. --EUCLIDES

Leia mais

Como implementar os processos de Gerenciamento de Demanda e Capacidade de serviços de TI. www.path.com.br

Como implementar os processos de Gerenciamento de Demanda e Capacidade de serviços de TI. www.path.com.br Como implementar os processos de Gerenciamento de Demanda e Capacidade de serviços de TI AGENDA Gerenciamento da Demanda Processos de Negócio Desafios e KPIs Papel do Gerenciamento da Demanda Gerenciamento

Leia mais

SISTEMA DE ARMAZENAMENTO (STORAGE)

SISTEMA DE ARMAZENAMENTO (STORAGE) SISTEMA DE ARMAZENAMENTO (STORAGE) Possuir capacidade instalada, livre para uso, de pelo menos 5.2 (cinco ponto dois) TB líquidos em discos SAS/FC de no máximo 600GB 15.000RPM utilizando RAID 5 (com no

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO MÓVEL PARA AUXÍLIO NA PREVENÇÃO DE TRAGÉDIAS EM DECORRÊNCIA DE ENCHENTES

DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO MÓVEL PARA AUXÍLIO NA PREVENÇÃO DE TRAGÉDIAS EM DECORRÊNCIA DE ENCHENTES DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO MÓVEL PARA AUXÍLIO NA PREVENÇÃO DE TRAGÉDIAS EM DECORRÊNCIA DE ENCHENTES Autores: Luciano GONÇALVES JUNIOR, Natália Maria Karmierczak DA SILVA, Paulo César Rodacki GOMES,

Leia mais

3 Arquitetura do Sistema

3 Arquitetura do Sistema 3 Arquitetura do Sistema Este capítulo irá descrever a arquitetura geral do sistema, justificando as decisões de implementação tomadas. Na primeira seção iremos considerar um conjunto de nós interagindo

Leia mais

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio 32 3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio Este capítulo apresenta o framework orientado a aspectos para monitoramento e análise de processos de negócio

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer

A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer lugar e independente da plataforma, bastando para isso

Leia mais

A SALA DE AULA é meu paraíso. Nela me realizo, nela exercito minha cidadania e nela me sinto útil.

A SALA DE AULA é meu paraíso. Nela me realizo, nela exercito minha cidadania e nela me sinto útil. Virtualização Meu nome: Nome de guerra: Meu e-mail: Marcos Vinicios Bueno Marques Professor Cidão marcos@cidao.com.br Quem sou? Professor e coordenador de cursos de TI do Senac Informática em Porto Alegre,

Leia mais

Documento de Arquitetura

Documento de Arquitetura Documento de Arquitetura A2MEPonto - SISTEMA DE PONTO ELETRÔNICO A2MEPonto - SISTEMA DE PONTO ELETRÔNICO #1 Pág. 1 de 11 HISTÓRICO DE REVISÕES Data Versão Descrição Autor 28/10/2010 1 Elaboração do documento

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Engenharia de Software I Informática 2009 Profa. Dra. Itana Gimenes RUP: Artefatos de projeto Modelo de Projeto: Use-Case Realization-projeto

Leia mais

Análise de Desempenho de um SGBD para Aglomerado de Computadores

Análise de Desempenho de um SGBD para Aglomerado de Computadores Análise de Desempenho de um SGBD para Aglomerado de Computadores Diego Luís Kreutz, Gabriela Jacques da Silva, Hélio Antônio Miranda da Silva, João Carlos Damasceno Lima Curso de Ciência da Computação

Leia mais

Banco de Dados. Uma coleção de dados relacionados [ELMASRI/NAVATHE]

Banco de Dados. Uma coleção de dados relacionados [ELMASRI/NAVATHE] 1/6 Banco de Dados O que é um Banco de Dados? Uma coleção de dados relacionados [ELMASRI/NAVATHE] Conjunto de dados integrados que tem por objetivo atender a uma comunidade específica [HEUSER] Um conjunto

Leia mais

Declaração de Escopo

Declaração de Escopo 1/9 Elaborado por: Adriano Marra, Bruno Mota, Bruno Leite, Janaina Versão: 1.4 Lima, Joao Augusto, Paulo Takagi, Ricardo Reis. Aprovado por: Porfírio Carlos Roberto Junior 24/08/2010 Time da Equipe de

Leia mais

INFORMÁTICA APLICADA II BANCO DE DADOS

INFORMÁTICA APLICADA II BANCO DE DADOS INFORMÁTICA APLICADA II BANCO DE DADOS Professor:. Carga horária semanal: 4 HA Resumo dos assuntos abordados: - Teoria de banco de dados; - Modelagem de dados; - MS-Access; - Linguagem SQL; - PostgreSQL;

Leia mais

Gestão de Serviços de TI com ITIL: resultados da implantação no CPD da UFSM

Gestão de Serviços de TI com ITIL: resultados da implantação no CPD da UFSM Gestão de Serviços de TI com ITIL: resultados da implantação no CPD da UFSM Fernando Pires Barbosa, Carlos Roberto Gressler, Marcio Andre Dell Aglio Frick, Daniel Michelon de Carli, Giséli Bastos, Henrique

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

Semântica para Sharepoint. Busca semântica utilizando ontologias

Semântica para Sharepoint. Busca semântica utilizando ontologias Semântica para Sharepoint Busca semântica utilizando ontologias Índice 1 Introdução... 2 2 Arquitetura... 3 3 Componentes do Produto... 4 3.1 OntoBroker... 4 3.2 OntoStudio... 4 3.3 SemanticCore para SharePoint...

Leia mais

BANCO DE DADOS AULA 02 INTRODUÇÃO AOS BANCOS DE DADOS PROF. FELIPE TÚLIO DE CASTRO 2015

BANCO DE DADOS AULA 02 INTRODUÇÃO AOS BANCOS DE DADOS PROF. FELIPE TÚLIO DE CASTRO 2015 BANCO DE DADOS AULA 02 INTRODUÇÃO AOS BANCOS DE DADOS PROF. FELIPE TÚLIO DE CASTRO 2015 NA AULA PASSADA... 1. Apresentamos a proposta de ementa para a disciplina; 2. Discutimos quais as ferramentas computacionais

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais

Fundamentos de Sistemas Operacionais Fundamentos de Sistemas Operacionais Professor: João Fábio de Oliveira jfabio@amprnet.org.br (41) 9911-3030 Objetivo: Apresentar o que são os Sistemas Operacionais, seu funcionamento, o que eles fazem,

Leia mais