Estudo do Pentateuco

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estudo do Pentateuco"

Transcrição

1 1 Bibliografia básica Estudo do Pentateuco BLENKINSOPP, J. The Pentateuch. An introduction to the First Five Books of the Bible. London New York, 1992 (tradução espanhola, Estella Navarra, 1999). CRUSSEMANN, F. A Tora. Vozes, Petrópolis GÁRCIA LÓPEZ, F. O Pentateuco. Paulinas, São Paulo GÁRICA LÓPEZ, F. O Pentateuco. Vol. 3a. Ave Maria, São Paulo DE PURY, A. (ed.). O Pentateuco em questão: as origens e a composição dos cinco primeiros livros da Bíblia à luz das pesquisas recentes. Vozes, Petrópolis SCHMIDT, W. H. Introdução ao Antigo Testamento. Sinodal, Porto Alegre SKA, J. L. Introdução à leitura do Pentateuco. Loyola, São Paulo ZENGER, E. (ed.) Introdução ao Antigo Testamento. Loyola, São Paulo Noções introdutórias Tomemos Dt 1,1-5, como leitura inicial e introdução ao nosso estudo do Pentateuco. Que se percebe neste texto? Vê-se que uma voz anônima se apresenta e introduz as palavras que Moisés dirigiu a todo o Israel. Esta voz é do narrador que entra em cena como uma ponte colocada sobre o rio Jordão ligando as suas duas margens. Uma ponte que liga o presente do narrador e do seu ouvinte ao passado do seu povo. Para manter viva a voz de Moisés, que transmitia a voz de Deus, a voz do narrador se apresenta e coloca a voz de Moisés diante dos seus ouvintes. Acontece um elo entre épocas diversas, mas ao mesmo tempo indica que existe uma tradição viva. Quem lê ou escuta a voz do narrador, escuta a voz de Moisés que escuta a voz de Deus. O mesmo se dá com Jesus: quem vos recebe, a mim recebe e quem me recebe, recebe o que me enviou (Mt 10,40). Há entre o ouvinte-leitor e a voz de Moisés uma distância, marcada pelas duas margens do rio Jordão, que se unem na voz do narrador. No estudo e análise de qualquer obra literária é fundamental, para um bom aproveitamento, perceber, investigar e conhecer os dados que favorecerão o estudo de tal obra. Por exemplo: o nome do livro, a estrutura e o conteúdo, limites, dados de composição: autoria, data, lugar, circunstâncias etc. O Pentateuco é uma obra literária peculiar em vários aspectos. Em primeiro lugar, porque os estudiosos não chegaram a um acordo sobre a autoria ou sobre o redator final. Não existe uma palavra final que responda de forma plausível sobre o seu processo de formação. Este desacordo se converteu numa das principais questões para a exegese do Antigo Testamento. Por causa

2 2 Noções Introdutórias disso, não existe, também, um acordo sobre a extensão deste primeiro Corpus da Bíblia. Em segundo lugar, porque o Pentateuco apresenta-se como um conjunto literário extremamente complexo e possuidor de uma riqueza literária extraordinária. Complexidade e riqueza literária são dois traços típicos do Pentateuco, visto que possui textos com formas literárias diversas: relatos, leis, hinos, exortações etc. Todavia, tal complexidade existe devido aos problemas históricos presentes no texto, gerando as questões literárias que se tornam importantes para todos os que se aproximam do Pentateuco não só com a fé, mas também de forma crítica 1 : 1) Os relatos representam uma fonte confiável para o historiador moderno? 2) Em que contextos históricos (Sitz im Leben = contexto vital) os diferentes autores redigiram as diferentes tradições e/ou as reuniram num corpus literário? 2. Nome O termo Pentateuco é de origem grega penta,teucoj e significa cinco invólucros ou cinco estojos. Uma antiga tradição, que já se encontra na versão grega dos LXX, apresenta a t como um conjunto de cinco rolos: Gênesis (Gn), Êxodo (Ex), Levítico (Lv), Números (Nm) e Deuteronômio (Dt). O termo Pentateuco foi empregado pela primeira vez por Tolomeu, um gnóstico do séc. II d.c. em sua carta a Flora 2. Tertuliano (Adv. Marc., 1,10) latinizou o termo no início do séc. III d.c. em pentateuchus (liber) e Santo Isidoro (Etym., 6,22,1.2) converteu-o em um vocábulo neutro Pentateuchum. O Pentateuco é o livro que os judeus designavam com o nome de t (deriva da raiz hebraica hrt) e significa instrução e lei. Sabe-se que se escrevia, antigamente, em rolos de pele que eram guardados em vasilhas, estojos ou ânforas (em grego teu,coj = Pentateuco). Um único rolo é manuseado com facilidade se não for muito volumoso. Uma obra extensa, em função da praticidade, era divida em várias partes. Por isso, o rolo do Pentateuco foi dividido em cinco quintos (pe,nta) para facilitar a sua conservação, o seu transporte para o lugar da leitura, o seu manuseio e a sua reprodução, quando se fazia necessária, visto que o material tinha um curto tempo de vida útil. Cada uma destas cinco partes, ou rolos, é designada em hebraico pela primeira palavra importante do seu texto, assim temos: 1 Cf. Leonardo A. FERNANDES, Leituras inaceitáveis (espúrias) da Palavra de Deus, Coletânea 15 (Jan-Jun 2009) pp Consevada em S. Epifânio, Adv. Haer., 33,4.1 (PG 41,560).

3 3 tyviareb. () 3 tamv. () 4 = no princípio = nomes ar'q.yiw:. () 5 = e chamou rb;d>mib. () 6 ~yrib'd>h; () 7 = no deserto = as palavras Os judeus residentes em Alexandria, responsáveis pela versão grega dos LXX, designaram estes livros com nomes que, de algum modo, refletissem o seu conteúdo e tais nomes são os que usamos em nossas versões em vernáculo: Gênesis (Ge,nesij), para indicar a origem do mundo e das criaturas; Êxodo ( ;Exodoj), para indicar a saída do Egito; Levítico (Leuitico,n), para indicar a legislação relativa aos levitas ; Números ( variqmoi,), por causa dos recenseamentos relatados; Deuteronômio (Deuterono,mion), para indicar a segunda lei 8 dada nas planícies de Moab, que completariam as prescrições dadas no Sinai. Os judeus denominaram t o primeiro Corpus da sua Bíblia. Mas que significa o termo t? Na Bíblia hebraica, o termo t pode designar: a) uma lei, uma prescrição isolada e concreta (cf. Lv 6,2.7.8; 7,1; Nm 6,13). b) uma coleção mais extensa de prescrições legislativas (cf. Lv 11,46; 26,46). c) pode ter um sentido mais complexo e mais teológico. Em 2Rs narra-se a descoberta de uma Lei no Templo durante o reinado de Josias e designa este documento como livro da t (cf. 2Rs 22,8.11) ou como livro da Aliança (cf. 2Rs 23,2.21). Esta Lei corresponde provavelmente ao antigo núcleo do livro do Deuteronômio (Dt 12 26*). A reforma religiosa empreendida por Josias se apresenta detalhada em 2Rs 23, mas está de acordo com a legislação dada em Dt 12. A t aqui representa, então, o documento da aliança onde se expressa a relação privilegiada entre Deus e o seu povo. A palavra t é empregada neste mesmo sentido em Dt 1,5 para designar o conjunto do livro, que contém as palavras que Moisés dirigiu a todo o Israel. Ela reúne e combina relatos e leis. Os relatos falam das façanhas realizadas pelo 3 Preposição + substantivo comum feminino singular absoluto. 4 Substantivo comum masculino plural no estado constructo. 5 Conjunção + verbo no qal com waw consecutivo imperfeito 3 a masc.sg. 6 Preposição + substantivo comum masc.sg. no estado constructo. 7 Artigo + substantivo comum masculino plural absoluto. 8 Como veremos mais adiante, a nomeclatura deuteronômio não significa uma segunda lei no sentido estrito, mas possui o valor de cópia da lei (cf. Dt 17,18)

4 4 Noções Introdutórias Senhor a favor de Israel, e as leis, manifestam o compromisso de Israel para com seu Deus. A t, então, é vista e apresentada como a história de salvação e libertação. Nesta, a iniciativa pertence sempre ao Senhor, que dá as leis e as prescrições para Israel, que se compromete em respeitá-las como resposta à oferta salvífica, que é dom de Deus. Desta forma, o Pentateuco aparece como relato e texto normativo indissociáveis. O relato fundamenta a fé que se torna conduta de vida Divisão e Conteúdo A divisão do Pentateuco em cinco livros foi realizada levando-se em conta pontos de ruptura importantes: a) O livro do Gênesis inicia com os relatos da criação e termina com o relato dos Patriarcas, falando da morte de José; b) O livro Êxodo começa a história do povo de Israel no Egito, lembrando José, e termina com YHWH tomando posse da tenda-santuário; c) O livro do Levítico abre-se com YHWH falando a Moisés, e por ele a todo o povo, não mais do Sinai, mas da tenda-santuário, fazendo a regulamentação do culto. O livro termina falando das ordens de YHWH a Moisés no monte Sinai. d) O livro dos Números liga o Sinai à tenda-santuário, local onde YHWH fala a Moisés; retoma-se a marcha do Sinai em direção à terra prometida e termina aludindo aos mandamentos e às normas dadas por YHWH a Moisés nas estepes de Moab, isto é, às portas da terra prometida. e) O Deuteronômio inicia-se com um discurso de Moisés nas estepes de Moab no dia da sua morte (Dt 1-30). Dt se liga claramente com o que se diz em Nm 27, Neste sentido, Dt 1 30 é o discurso de despedida de Moisés. O livro termina falando da morte de Moisés e de Josué seu sucessor na condução do povo. O Pentateuco, portanto, é uma obra literária que relata, num estilo histórico, uma sucessão de eventos encadeados entre si, começa com a criação do mundo e o aparecimento dos povos, segue com a história dos Patriarcas para acabar concentrando-se na origem de Israel: permanência no Egito e subida pelo deserto até chegar às portas de Canaã. É uma história continuada, a história que transformou um povo escravo no povo de Israel. 4. Delimitação Dado que a história iniciada em Gênesis parece continuar, sem rupturas após o Deuteronômio, em Josué, Juízes, Samuel e Reis, houve quem defendesse que a historiográfica original compreendia não somente os cinco primeiros livros, mas seis (Hexateuco), sete (Heptateuco), oito (Octateuco) ou nove livros (Eneateuco). 9 Cf. Oliver ARTUS, Aproximación actual al Pentateuco, (Cuadernos Bíblicos 106), ed. Verbo Divino, Estela 2001, 7.

5 5 O começo desta obra não cria, a princípio, algum tipo problema: é Gn 1,1. A dificuldade reside em precisar onde a obra terminaria. Os estudiosos classificam e propõem a extensão da obra de forma diferente: Dado que o livro de Josué parece continuar a narrativa dos fatos dados no Deuteronômio (Js 1,1: Depois da morte de Moisés... ), porque não conectar este livro aos precedentes? Desta forma, resulta que não teríamos mais um Pentateuco, mas um Hexateuco. Muitos críticos apóiam este ponto de vista, sustentado já no séc. XVII por Bonfrère, Spinoza, e posteriormente por Benzinger, Smend, Eissfeldt, Löhr, Mongenster, G. von Rad etc. G. von Rad ( ) fala, seguindo o seu mestre J. Wellhausen ( ), em Hexateuco = Pentateuco + Josué. Como a temática central do Pentateuco gira em torno da Promessa e da caminhada rumo à terra boa, que corre leite e mel, este estudioso mostra que a conclusão natural do percurso acontece no livro de Josué. Para G. von Rad, o Hexateuco se desenvolveu a partir de núcleos narrativos, chamados Credos históricos, resumos da história de Israel (cf. Dt 6,21-23; 26,5b-9; Js 24,2b-13). Nestes credos encontrar-se-iam antigas tradições litúrgicas que relacionam três temas narrativos: 1) a descida e a escravidão no Egito; 2) a saída do Egito; 3) a entrada na Terra Prometida. Outros críticos, porém, dentre os quais se destaca M. Noth, querem, ao contrário, separar o Dt do conjunto do Pentateuco, considerando-o como o prefácio de uma grande obra histórica, a obra deuteronomista, que se estenderia de Moisés até o exílio em Babilônia. Neste caso, se deveria falar de um Tetrateuco (cf. M. Noth; H.S. Nyberg; L. de Voux etc). M. Noth ( ), embora influenciado pela teoria de J. Wellhausen, preferiu falar de um Tetrateuco = Gn Nm. Ele lançou a hipótese de que estes quatro livros eram independentes no início, pois neles não se encontram a linguagem e o estilo do Dt/Dtr. As fórmulas repetidas, por exemplo, só aparecem em algumas breves passagens. Em Js não se encontra o estilo do Tetrateuco. Assim, Gn Nm e Dt Rs são dois mundos diferentes, e entre eles há uma cisão. Este estudioso faz esta afirmação pautando-se na teoria documentária, de modo que o Dt seria o primeiro livro da ODtr, Obra Deuteronomista de História que continua seu relato até 2Rs 25. O Dt seria a pedra angular, o fundamento e o critério empregado para elaboração de uma historiografia de Israel, cujas bases estão claramente presentes neste livro, que serviria de introdução. Então, o que se tem são dois blocos distintos: Gn Nm (Tetrateuco); Dt 2Rs (ODtr). Engnell, numa linha semelhante a M. Noth, postulou a hipótese de que o redator do Tetrateuco, Gn Nm seria o Sacerdotal P. Outros estudiosos, como E. Zenger, preferem falar de um Eneateuco: Gn 2Rs, visto que nestes nove livros existe uma história que vai das Origens do mundo até a destruição do Templo de Jerusalém, o consequente exílio em Babilônia (587 a.c.), mas termina num modo positivo (cf. 2Rs 25,27-30).

6 6 Noções Introdutórias O AT possui duas historiografias que correm paralelamente: o Eneateuco e a Obra do Cronista (1-2Cro + Esd e Ne), que se inicia com Adão e vai até a reconstrução do templo. As hipóteses não apresentaram uma solução convincente e satisfatória. As mais comuns são as que defendem a existência de um Tetrateuco, um Pentateuco, um Hexateuco. Destas três a mais defendida e utilizada é a do Tetrateuco. Todavia, recentemente avança a convicção de que, prescindindo do complexo fenômeno da formação do Pentateuco, o estado atual do texto não forma uma unidade autônoma, mas seria o começo de uma obra mais ampla. A trama narrativa iniciada em Gn 1 chega evidentemente até 2Rs. Todo este conjunto forma uma unidade literária bem articulada, fazendo com que o estudo de qualquer perícope do Pentateuco deva ser situada num contexto mais amplo: o Eneateuco. O Pentateuco, sem dúvida alguma, possui uma importância capital tanto para o judaísmo como para o cristianismo, uma vez que nesta obra está contida a T (Lei-Instrução) de Deus para o seu povo. Na T se expressa o modo como Deus quer que o homem se comporte diante d Ele, diante do seu próximo e no mundo. A T para o povo de Israel está na base da sua identidade religiosa e social, pois nela estão os traços peculiares que o diferenciava dos demais povos. 5. Breve ex-curso para se perceber o que aconteceu no estudo do Pentateuco O Método Histórico Crítico (MHC) possui muitas operações e algumas delas são etapas imprescindíveis, fundamentais e decisivas para uma correta interpretação dos textos: a) Crítica Textual; b) Análise filológica 10 ; c) Análise semântica 11. Existem, também, modalidades específicas como a Crítica Literária (usada no Pentateuco para se falar da crítica das fontes). No século XIX, o MHC era o modo como se estudavam as obras antigas, como a Ilíada e a Odisséia de Homero, os Diálogos de Platão etc. O objetivo do MHC era o de estabelecer a paternidade literária do texto e produzir ou reproduzir um texto que fosse o mais fiel possível ao texto autógrafo, isto é, ao texto antigo que saiu das mãos do seu autor ou à cópia mais próxima do original. Para isso, era necessário eliminar os acréscimos, expurgando aquilo que se considerava glosa posterior e que pertencia à épocas e mãos diferentes. 10 Disciplina histórico-lingüística que possui por objeto o conhecimento das civilizações do passado através dos documentos escritos que foram preservados ou encontrados pela arqueologia. Compreende a lingüística, a ciência literária, a história, a filosofia, a etnologia, a arqueologia e a crítica textual. 11 Disciplina científica que estuda o significado dos sinais lingüísticos, de palavras e frases. Na filosofia da linguagem é a doutrina das relações entre língua, experiência, realidade e pensamento. A semântica é importante na exegese bíblica, sobretudo em relação à lexicografia e à análise do hebraico-aramaicogrego sobre o plano da comparação cultural do Oriente com o ambiente posterior de compreensão bíblica (Ocidente).

7 7 O mesmo procedimento foi aplicado ao estudo dos textos bíblicos. O pressuposto geral admite que os textos bíblicos são históricos e que foram se formando com uma complexa história literária, recebeu enriquecimento, acréscimos e desenvolvimentos. A razão dos acréscimos se dá porque os textos bíblicos, por serem antigos, possuem diferentes situações históricas e culturais que, com o passar do tempo, necessitavam de novas versões e adaptações às novas realidades da comunidade que os transmitia. O estudioso, de forma empírica e crítica, olha e vê que os textos não apresentam homogeneidade de vocabulário, de formas literárias, de ideologia e ainda possuem anomalias literárias. A repetição de um texto representa uma nova interpretação. Conta-se uma segunda vez com uma outra intenção. As tensões ideológicas não se coadunam; a lógica ocidental não funciona como a lógica oriental e se verificam claros sinais de harmonizações redacionais com acréscimos no início e no fim de um escrito. Por exemplo: Onde existe diferença de idade, pode-se estar diante de diferentes fontes ou paternidade textual; Onde existe ordem e autoridade superior, pode-se estar diante de uma temática que polemiza contra os falsos profetas ou os falsos sacerdotes, visto que eram duas classes que disputavam o controle do povo quando a monarquia era fraca, perdera o seu poder ou deixara de existir; Onde existe diversidade teológica em torno da Lei, da Retribuição, do Templo, do Messianismo e do Monoteísmo. Essas observações servem para os estudiosos falarem de diversidade de autores. O difícil é traçar e descobrir no texto os extratos redacionais. Busca-se o que é homogêneo e segue-se o que é igual do ponto de vista do estilo, da forma e da linha teológica. Isto está na base da Antologia, isto é, uma coleta de textos dos melhores autores de uma literatura ou de um período histórico ou uma escolha de páginas da obra de um único escritor ou ainda de obras que tratam de uma mesma temática. Este procedimento é típico para o estudo do Pentateuco e para confrontar e separar no livro de Jeremias o que seria de Jeremias do que seria releitura de Jeremias. A abordagem diacrônica busca determinar os extratos literários e tenta traçar a evolução do texto para explicar a história da formação do texto. É uma operação lícita e plausível, mas não é capaz de explicar e dizer tudo sobre um texto em questão.

8 8 Noções Introdutórias Por exemplo: Gn 1,1 2,4a e Gn 2,4b-25 são melhor entendidos quando se postula e se reconhece a existência de dois autores e de duas épocas diferentes, com objetivos teológicos também diferentes. É preciso, contudo, fazer uma avaliação geral dos limites internos e dos limites da natureza hermenêutica. 1) O que é convincente na metodologia aplicada à uma grande literatura bíblica, como no caso do Dtr e da suposta fonte Q no estudo dos Evangelhos Sinóticos, aparece problemático quando usada a um pequeno material literário, pois o aspecto conjetural prevalece sobre o que é objetivo. Não há resultados, na maioria das vezes, porque não há consenso entre os estudiosos. Exagera-se na avaliação, outorga-se patente às incoerências. A criteriologia literária vária tanto porque vária também a interpretação de um autor a outro autor, inclusive nas incongruências das gramáticas. Deve-se ponderar e dizer que um trabalho é realmente considerado científico, quando usa e apresenta argumentos bem fundamentados e plausíveis. 2) Estabelecer um texto como autêntico ou não autêntico é um caso ideal que até pode ser convincente, mas para um estudioso que respeita a Divina Revelação, prevalece o texto como ele é, com tudo o que ele comporta de problemático e na ordem em que ele aparece no cânon. Quando um texto não é homogêneo, não quer dizer que não se deva assumir a sua totalidade textual e considerar tudo nele como inspirado. Assim, tirar o espúrio, cancelar para purificar o texto não é uma melhor postura hermenêutica. A modalidade separatista é muito problemática, pois as fontes são complementares e não possuem a pretensão de cancelar um texto anterior. Não se pode interpretar o Deutero-Isaías (Is 40 55) fora da sua relação com o Proto-Isaías (Is 1 39*) e o Trito-Isaías (Is 56 66), pois as fontes são integrantes. Não é lícito pensar que o redator final de um texto bíblico não sabia o que estava fazendo. A harmonia textual que eu busco e quero encontrar é fruto da minha lógica aplicada ao texto, mas não é fruto da lógica pensada pelo autor, que possui a sua base retórica própria e com uma coerência que o estudioso é chamado a encontrar. Se um texto coloca o gênero lamentações e louvor lado a lado, é preciso aceitar o critério da diferença usado pelo redator final, pois tudo está interligado para formar um complexo e porque a verdade não é tão elementar quanto eu penso que ela seja. O procedimento que não valoriza o texto integral assemelha-se ao trabalho num campo arqueológico no qual se quer revelar os seus vários extratos. O texto é tratado como uma grande confusão e o estudioso busca organizá-lo por camadas literárias.

9 9 É preciso admitir que o MHC para ser válido desembocará no texto no seu estado final e que a abordagem sincrônica é tão legítima como a diacrônica, pois tentará explicá-lo como o texto está e foi redigido. É o texto último, no seu estado final que deve ser interpretado e não somente as partes reconhecidas pela abordagem diacrônica. Alguns pressupostos válidos A literatura bíblica é devedora da literatura circunvizinha, pois o autor usa o dado já usado e conhecido para realizar sua obra com um objetivo específico. Que é um gênero literário? É uma modalidade que identifica o que é próprio de cada coisa: piada, receita, lei, horóscopo etc. Os elementos são próprios de cada coisa. É importante entender a organização de um texto e pelo seu gênero se vê melhor como os elementos chegam a formar o produto final. Todavia, é preciso perceber as mudanças e fazer o confronto com gêneros semelhantes e na comparação ressaltar o que é igual do que é diferente. Quando se lê a Bíblia é preciso entender a sua linguagem, o seu modo de narrar, pois a mudança de gênero nem sempre é sinal de mudança de autor, que intencional-mente pode ter objetivado chamar a atenção do ouvinte-leitor com sua(s) escolha(s).

Linha do tempo. A História é a grande mestra. Aprendamos dela! Importa saber ler

Linha do tempo. A História é a grande mestra. Aprendamos dela! Importa saber ler Linha do tempo A História é a grande mestra Aprendamos dela! Importa saber ler 1 Como ler a História Linha reta: tudo já está determinado. Não há participação, nem liberdade Círculo: tudo se repete. O

Leia mais

Panorama do Antigo Testamento INTRODUÇÃO. Aula 1 IBCU

Panorama do Antigo Testamento INTRODUÇÃO. Aula 1 IBCU Panorama do Antigo Testamento INTRODUÇÃO Aula 1 IBCU Estrutura do Curso 1. Introdução (09.03) 2. O Pentateuco (16.03) 3. Livros Históricos Parte 1 (23.03) 4. Livros Históricos Parte 2 (30.03) 5. Livros

Leia mais

O CÂNON Sagrado compreende 46 Livros no ANTIGO TESTAMENTO e 27 Livros no NOVO TESTAMENTO.

O CÂNON Sagrado compreende 46 Livros no ANTIGO TESTAMENTO e 27 Livros no NOVO TESTAMENTO. Ao contrário do que parece à primeira vista, a Bíblia não é um livro único e independente, mas uma coleção de 73 livros, uma mini biblioteca que destaca o a aliança e plano de salvação de Deus para com

Leia mais

Introdução à Bíblia e ao Novo Testamento

Introdução à Bíblia e ao Novo Testamento Introdução à Bíblia e ao Novo Testamento A palavra Bíblia deriva do grego: ta biblía; plural de: ton biblíon. E significa "livros" Logo descobrimos que a Bíblia é uma coleção de livros! Nós, cristãos,

Leia mais

Aula 7.1 Conteúdo: Textos Sagrados: orais e escritos O que são os textos sagrados? O texto sagrado nas tradições religiosas ENSINO RELIGIOSO

Aula 7.1 Conteúdo: Textos Sagrados: orais e escritos O que são os textos sagrados? O texto sagrado nas tradições religiosas ENSINO RELIGIOSO CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula 7.1 Conteúdo: Textos Sagrados: orais e escritos O que são os textos sagrados? O texto sagrado nas tradições religiosas 2 CONTEÚDO E HABILIDADES

Leia mais

Professor Sebastião Abiceu Colégio Marista São José Montes Claros MG 6º ano

Professor Sebastião Abiceu Colégio Marista São José Montes Claros MG 6º ano Professor Sebastião Abiceu Colégio Marista São José Montes Claros MG 6º ano A Bíblia, na parte denominada Antigo Testamento (Torá), é o principal documento da história dos hebreus. Foi escrita ao longo

Leia mais

A Palavra PENTATEUCO vem do grego e significa cinco livros. São os cinco primeiros livros da Bíblia. Esses livros falam da formação do mundo, da

A Palavra PENTATEUCO vem do grego e significa cinco livros. São os cinco primeiros livros da Bíblia. Esses livros falam da formação do mundo, da O Pentateuco A Palavra PENTATEUCO vem do grego e significa cinco livros. São os cinco primeiros livros da Bíblia. Esses livros falam da formação do mundo, da humanidade, do povo escolhido. As histórias

Leia mais

Apêndice 1 Ementário do CTER

Apêndice 1 Ementário do CTER Apêndice 1 Ementário do CTER Apresentamos abaixo a ementa de cada uma das 31 (trinta e uma) disciplinas obrigatórias do CTER. Este ementário está sujeito a alterações. O aluno deve permanecer atento, pois,

Leia mais

Como a Bíblia foi composta? Escrito por Felipe de Aquino

Como a Bíblia foi composta? Escrito por Felipe de Aquino Os textos da Bíblia começaram a ser escritos desde os tempos anteriores a Moisés (1200 ac). Escrever era uma arte rara e cara, pois se escrevia em tábuas de madeira, papiro, pergaminho (couro de carneiro).

Leia mais

PENTATEUCO. (Também conhecido por Lei ou Torá)

PENTATEUCO. (Também conhecido por Lei ou Torá) ANTIGO TESTAMENTO PENTATEUCO (Também conhecido por Lei ou Torá) Pentateuco Pentateuco significa cinco rolos, do grego penta, cinco, e teuchos, rolos. É formado pelos cinco primeiros livros do Antigo Testamento:

Leia mais

Aula 5.1 Conteúdo: As grandes Religiões de matriz ocidental Judaísmo Cristianismo Islamismo ENSINO RELIGIOSO CONTEÚDO E HABILIDADES

Aula 5.1 Conteúdo: As grandes Religiões de matriz ocidental Judaísmo Cristianismo Islamismo ENSINO RELIGIOSO CONTEÚDO E HABILIDADES CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula 5.1 Conteúdo: As grandes Religiões de matriz ocidental Judaísmo Cristianismo Islamismo 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO

Leia mais

O povo da Bíblia HEBREUS

O povo da Bíblia HEBREUS O povo da Bíblia HEBREUS A FORMAÇÃO HEBRAICA Os hebreus eram pastores nômades que se organizavam em tribos lideradas por chefes de família denominado patriarca. Principais patriarcas: Abraão, Jacó e Isaac.

Leia mais

PLANO DE ENSINO Curso: Teologia

PLANO DE ENSINO Curso: Teologia PLANO DE ENSINO Curso: Teologia Disciplina: Pentateuco Área: Bíblia Período: 2º Ano: 2015 Semestre: 2º Horas: 72 Créditos: 4 Professor: Frei Jacir de Freitas Faria 1. Ementa: Pentateuco no quadro da pesquisa

Leia mais

Livros Históricos. Introdução

Livros Históricos. Introdução Livros Históricos Introdução Em nosso Cânon, os livros históricos são doze: Josué, Juízes, Rute, 1 e 2 Samuel, 1 e 2 Reis, 1 e 2 Crônicas, Esdras, Neemias e Ester. Cânon Judaico: Josué, Juízes, 1 e 2 Samuel,

Leia mais

O povo judeu e sua religião

O povo judeu e sua religião A Vida de JESUS O povo judeu e sua religião O POVO JUDEU Religião Deus e o relacionamento com o homem O Tabernáculo A Arca da Aliança O Templo As Escrituras As Sinagogas Grupos religiosos O POVO JUDEU

Leia mais

SUMÁRIO. Prefácio 09 Introdução 11 Agradecimentos 13 Apresentação 15 Cronologia do Velho Testamento 21

SUMÁRIO. Prefácio 09 Introdução 11 Agradecimentos 13 Apresentação 15 Cronologia do Velho Testamento 21 SUMÁRIO NARRATIVA TEXTOS PÁG Prefácio 09 Introdução 11 Agradecimentos 13 Apresentação 15 Cronologia do Velho Testamento 21 Gráfico: A Integração dos Livros do Velho Testamento em Ordem Cronológica Gráfico:

Leia mais

Gerhard von Rad e o Kerygma do Pentateuco

Gerhard von Rad e o Kerygma do Pentateuco Revista Theos Revista de Reflexão Teológica da Faculdade Teológica Batista de Campinas. Campinas: 6ª Edição, V.5 - Nº2 Dezembro de 2009. ISSN: 1980-0215. Gerhard von Rad e o Kerygma do Pentateuco Landon

Leia mais

Apresentação da Professora. Pentateuco. Aula 1. Ementa. Organização da Disciplina. Organização da Aula

Apresentação da Professora. Pentateuco. Aula 1. Ementa. Organização da Disciplina. Organização da Aula Pentateuco Aula 1 Profa. Me. Angela Natel Apresentação da Professora Licenciada em Letras Português Inglês pela PUC/PR Bacharel em Teologia pela Faculdade Fidelis Mestra em Teologia pela PUC/PR Associada

Leia mais

Panorama do Antigo Testamento. Escola Bíblica IECI 1º Semestre de 2015 Aula 7

Panorama do Antigo Testamento. Escola Bíblica IECI 1º Semestre de 2015 Aula 7 Panorama do Antigo Testamento Escola Bíblica IECI 1º Semestre de 2015 Aula 7 RECAPITULAÇÃO - AT RECAPITULAÇÃO - AT RECAPITULAÇÃO - AT CRONOLOGIA DO AT CRONOLOGIA DO AT 1. Da criação a Abraão (criação 2000

Leia mais

Palavra Viva, Escritura Poderosa

Palavra Viva, Escritura Poderosa Armindo dos Santos Vaz Palavra Viva, Escritura Poderosa A Bíblia e as Suas Linguagens Universidade Católica Editora Lisboa, 2013 Aos meus pais, irmãos e amigos A alma e a Escritura, graças à referência

Leia mais

ESCRITOS & POESIA HEBRAICA

ESCRITOS & POESIA HEBRAICA Jörg Garbers ESCRITOS & POESIA HEBRAICA INTRODUÇÃO 1 INTRODUÇÃO Os escritos formam a última parte do cânon do AT. Na Bíblia evangélica pertencem aos escritos os seguintes livros: Jó Salmos Provérbios Eclesiastes

Leia mais

BÍBLIA, PALAVRA DE DEUS EM PALAVRA HUMANA

BÍBLIA, PALAVRA DE DEUS EM PALAVRA HUMANA BÍBLIA, PALAVRA DE DEUS EM PALAVRA HUMANA 1 - Palavra de Deus testemunhada no AT e no NT. A Bíblia testemunha a Palavra de Deus que chegou ao povo de Israel formando o Antigo Testamento; é Palavra de Deus

Leia mais

A SAGRADA ESCRITURA. Por Marcelo Rodolfo da Costa

A SAGRADA ESCRITURA. Por Marcelo Rodolfo da Costa A SAGRADA ESCRITURA Por Marcelo Rodolfo da Costa A palavra bíblia é de origem grega do termo "biblion" que no plural significa "livros". Logo a bíblia é uma coleção de livros. Ela surge no meio de um oriente,

Leia mais

Aula 05 - Hebreus Prof. Dawison Sampaio

Aula 05 - Hebreus Prof. Dawison Sampaio FB MED, M3, 3 ANO, ANUAL, INTENSIVO Aula 05 - Hebreus Prof. Dawison Sampaio Todavia, eu sou o SENHOR teu Deus desde a terra do Egito; portanto não reconhecerás outro deus além de mim, porque não há Salvador

Leia mais

O ANTIGO TESTAMENTO ENTRE PASSADO E ATUALIDADE

O ANTIGO TESTAMENTO ENTRE PASSADO E ATUALIDADE Jörg Garbres Ms. De Teologia O ANTIGO TESTAMENTO ENTRE PASSADO E ATUALIDADE Introdução ao AT e sua importância Introdução O AT faz parte do Cânon da cristandade! O AT abrange 4/5 da Bíblia! O AT é testemunho

Leia mais

Utilização do BibleWorks BHS

Utilização do BibleWorks BHS Utilização do BibleWorks BHS Edson de Faria Francisco. São Bernardo do Campo, março de 2014. 1. Introdução O software BibleWorks é um programa para todos aqueles que trabalham com textos bíblicos. O programa

Leia mais

Panorama do Antigo Testamento. Escola Bíblica IECI 1º Semestre de 2015 Aula 6

Panorama do Antigo Testamento. Escola Bíblica IECI 1º Semestre de 2015 Aula 6 Panorama do Antigo Testamento Escola Bíblica IECI 1º Semestre de 2015 Aula 6 Divisão Mais Usual PENTATEUCO HISTÓRICOS POÉTICOS Maiores PROFÉTICOS Menores Gn Ex Lv Nm Dt Js Jz Rt 1 Sm 2 Sm 1 Re 2 Re 1 Cr

Leia mais

Estudo dirigido da Palavra de Deus. Gênesis e Êxodo

Estudo dirigido da Palavra de Deus. Gênesis e Êxodo Estudo dirigido da Palavra de Deus Introdução Gênesis e Êxodo Um meio para compreender melhor a Bíblia é ver como ela nasceu. Por isso, importa conhecer a história do povo que a deu à luz. A Bíblia é uma

Leia mais

Arquidiocese de Curitiba Curso de Teologia Introdução ao Antigo Testamento Prof. João Luis Fedel Gonçalves

Arquidiocese de Curitiba Curso de Teologia Introdução ao Antigo Testamento Prof. João Luis Fedel Gonçalves Arquidiocese de Curitiba Curso de Teologia Introdução ao Antigo Testamento Prof. João Luis Fedel Gonçalves 3 1 2 5 6 4 1. Fase das tradições quase só orais (1850-1030). Pode ter durado quase oito séculos.

Leia mais

Plano de salvação e História de salvação

Plano de salvação e História de salvação Igreja Nova Apostólica Internacional Plano de salvação e História de salvação O artigo que se segue aborda a questão de como a salvação de Deus se evidencia na realidade histórica. A origem do pensamento

Leia mais

Aula 02 1.8 Divisão da Bíblia e livros a) Como os livros foram reconhecidos e aceitos? padrão regra de fé II Pedro 3:15~16

Aula 02 1.8 Divisão da Bíblia e livros a) Como os livros foram reconhecidos e aceitos? padrão regra de fé II Pedro 3:15~16 1.8 Divisão da Bíblia e livros Velho Testamento 39 livros Novo Testamento 27 livros 40 escritores diferentes Período de 1600 anos para ser escrita a Bíblia, (aprox. entre 1500 a.c. e 100 d.c.) a) Como

Leia mais

PANORAMA DO NOVO TESTAMENTO

PANORAMA DO NOVO TESTAMENTO PANORAMA DO NOVO TESTAMENTO 1 MANUSCRITOLOGIA BÍBLICA 2 Quem escreveu a Bíblia? O 2 Pedro 1:20-21 sabendo, primeiramente, isto: que nenhuma profecia da Escritura provém de particular elucidação; porque

Leia mais

conheça sua Bíblia Estudos Panorâmicos no AT e NT TODA QUINTA-FEIRA - DAS 19H30 ÀS 21H - RUA JOSÉ ALVES GUEDES, 1332 - JD. SONIA JAGUARIÚNA/SP

conheça sua Bíblia Estudos Panorâmicos no AT e NT TODA QUINTA-FEIRA - DAS 19H30 ÀS 21H - RUA JOSÉ ALVES GUEDES, 1332 - JD. SONIA JAGUARIÚNA/SP TODA QUINTA-FEIRA - DAS 19H30 ÀS 21H - RUA JOSÉ ALVES GUEDES, 1332 - JD. SONIA JAGUARIÚNA/SP A! Uma grande biblioteca 66 livros Escritos por cerca de 40 homens Em um período de 1600 anos Livros agrupados

Leia mais

Aulas 6 e 7. A Antiguidade Oriental

Aulas 6 e 7. A Antiguidade Oriental Aulas 6 e 7 A Antiguidade Oriental Hebreus (Monoteísmo e judaísmo) III- I- Local: Economia: região da agricultura, Palestina pastoreio ( Canaã (rio ou Jordão) terra prometida ). e comércio Atualmente:

Leia mais

2.3. A MISSÃO NOS SINÓTICOS

2.3. A MISSÃO NOS SINÓTICOS 2.3. A MISSÃO NOS SINÓTICOS Sergio Bensur 1. RESUMO E OBJETIVO Resumo Os Evangelhos Sinóticos não apresentam uma visão unitária da missão. Embora tendo um pano de fundo comum cada um deles tem seu próprio

Leia mais

Gr.Bíblico. Evangelho de. Nossa Senhora Conceição. São Mateus Ano litúrgico A

Gr.Bíblico. Evangelho de. Nossa Senhora Conceição. São Mateus Ano litúrgico A Evangelho de São Mateus Ano litúrgico A O Segundo Envangelho O TEMPO DE JESUS E O TEMPO DA IGREJA Este Evangelho, transmitido em grego pela Igreja, deve ter sido escrito originariamente em aramaico, a

Leia mais

A BÍBLIA, A ARQUEOLOGIA E A HISTÓRIA DE ISRAEL E JUDÁ

A BÍBLIA, A ARQUEOLOGIA E A HISTÓRIA DE ISRAEL E JUDÁ A BÍBLIA, A ARQUEOLOGIA E A HISTÓRIA DE ISRAEL E JUDÁ Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Kaefer, José Ademar A Bíblia, a arqueologia e a história

Leia mais

História de Israel Aula 5. História de Israel. Ricardo Cota

História de Israel Aula 5. História de Israel. Ricardo Cota História de Israel Aula 5 História de Israel Ricardo Cota Salmos 66 : 4 Conhecendo a DEUS através da história do seu povo. Êxodo O Povo no Egito Gênesis 50 : 15 26. Povo na terra de GÓSEN; Êxodo 12: 40-41;

Leia mais

INTRODUÇÃO GERAL AO PENTATEUCO: ESTRUTURA DA OBRA DIVISÃO EM CINCO LIVROS. Introdução Geral à Formação Literária do Pentateuco

INTRODUÇÃO GERAL AO PENTATEUCO: ESTRUTURA DA OBRA DIVISÃO EM CINCO LIVROS. Introdução Geral à Formação Literária do Pentateuco INTRODUÇÃO GERAL AO PENTATEUCO: DIVISÃO EM CINCO LIVROS Por que a Torah não foi colocado em um único rolo? Quais os critérios para que os livros do Pentateuco tivessem a forma que eles tem hoje? Com certeza

Leia mais

CURSO DE BÍBLIA ANTIGO TESTAMENTO CHAMADO POR DEUS. Paróquia de São Benedito Santa Cruz do Rio Pardo SP

CURSO DE BÍBLIA ANTIGO TESTAMENTO CHAMADO POR DEUS. Paróquia de São Benedito Santa Cruz do Rio Pardo SP CURSO DE BÍBLIA ANTIGO TESTAMENTO A HISTÓRIA DE UM POVO CHAMADO POR DEUS Paróquia de São Benedito Santa Cruz do Rio Pardo SP APRESENTAÇÃO Vocês têm em suas mãos o Curso de Bíblia. Este curso já tem sua

Leia mais

Ementas do Curso de Teologia. Código Disciplina Créditos

Ementas do Curso de Teologia. Código Disciplina Créditos Ementas do Curso de Teologia 601 ACONSELHAMENTO 5 75 Desenvolvimento das condições de prestação de ajuda às pessoas com necessidades diversas. Aplicação de conhecimentos psicológicos e espirituais no trabalho

Leia mais

ÍNDICE O PENTATEUCO... 3 COMPOSIÇÃO LITERÁRIA... 6 OS RELATOS E A HISTÓRIA...11 A LEGISLAÇÃO...13 SENTIDO RELIGIOSO...15

ÍNDICE O PENTATEUCO... 3 COMPOSIÇÃO LITERÁRIA... 6 OS RELATOS E A HISTÓRIA...11 A LEGISLAÇÃO...13 SENTIDO RELIGIOSO...15 ÍNDICE O PENTATEUCO... 3 COMPOSIÇÃO LITERÁRIA... 6 OS RELATOS E A HISTÓRIA...11 A LEGISLAÇÃO...13 SENTIDO RELIGIOSO...15 O PENTATEUCO Os cinco primeiros livros da Bíblia formam um conjunto que os judeus

Leia mais

TEOLOGIA EMENTAS DO CURSO 1º P METODOLOGIA CIENTÍFICA LÍNGUA PORTUGUESA BIBLIOLOGIA HISTÓRIA DE ISRAEL

TEOLOGIA EMENTAS DO CURSO 1º P METODOLOGIA CIENTÍFICA LÍNGUA PORTUGUESA BIBLIOLOGIA HISTÓRIA DE ISRAEL TEOLOGIA EMENTAS DO CURSO 1º P METODOLOGIA CIENTÍFICA Estudo de fundamentos, princípios, métodos e técnicas de pesquisa científica. Trabalhos acadêmicos: organização, normas, formas de redação e comunicação.

Leia mais

História Geral. 3ª Edição - 2007

História Geral. 3ª Edição - 2007 História Geral 3ª Edição - 2007 Os Hebreus Localizado a leste da Mesopotâmia, constituía de um vasto planalto desértico rodeado de montanhas, entre a Mesopotâmia e a Índia. O Império Persa constituiu um

Leia mais

TRADIÇÃO JUDAICO-CRISTÃ ESCRITA: UM ENSAIO CRÍTICO SOBRE A CANONIZAÇÃO VETERO E NEOTESTAMENTÁRIA

TRADIÇÃO JUDAICO-CRISTÃ ESCRITA: UM ENSAIO CRÍTICO SOBRE A CANONIZAÇÃO VETERO E NEOTESTAMENTÁRIA TRADIÇÃO JUDAICO-CRISTÃ ESCRITA: UM ENSAIO CRÍTICO SOBRE A CANONIZAÇÃO VETERO E NEOTESTAMENTÁRIA Ismael Ferreira 1 RESUMO O artigo apresenta uma discussão bastante atual na teologia, filosofia, filologia,

Leia mais

O Antigo Testamento Deus mostra-se no Antigo Testamento como Aquele que criou o mundo por amor e permanece fiel ao ser humano, mesmo que este, pelo

O Antigo Testamento Deus mostra-se no Antigo Testamento como Aquele que criou o mundo por amor e permanece fiel ao ser humano, mesmo que este, pelo A missão na Bíblia A Bíblia No Antigo Testamento, a Missão é o convite para que o povo se purifique da idolatria e da magia e caminhe junto de Deus. No Novo Testamento, a Missão é envio aos confins do

Leia mais

PESCOLA VICENTINA SÃO VICENTE DE PAULO

PESCOLA VICENTINA SÃO VICENTE DE PAULO PESCOLA VICENTINA SÃO VICENTE DE PAULO Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati Paranavaí / / 6º ANO Sois meu refúgio e minha cidadela, meu Deus, em que eu confio (Sl 90,2) OS

Leia mais

A BÍBLIA. Bíblia: do grego Biblion = Livro, Livro por excelência

A BÍBLIA. Bíblia: do grego Biblion = Livro, Livro por excelência Conhecendo a Bíblia A BÍBLIA Bíblia: do grego Biblion = Livro, Livro por excelência Divisão em capítulos: Stephen Langton, em 1227 e Cardeal Hugo de Sancto Caro, por volta de 1260. Divisão por versículos:

Leia mais

Aula 5.2 Conteúdo: As grandes Religiões de matriz Orientais Hinduísmo - Índia Budismo - Índia Taoísmo - China Xintoísmo - Japão ENSINO RELIGIOSO

Aula 5.2 Conteúdo: As grandes Religiões de matriz Orientais Hinduísmo - Índia Budismo - Índia Taoísmo - China Xintoísmo - Japão ENSINO RELIGIOSO A Aula 5.2 Conteúdo: As grandes Religiões de matriz Orientais Hinduísmo - Índia Budismo - Índia Taoísmo - China Xintoísmo - Japão 2 A Habilidades: Identificas as diferenças e semelhanças entre as religiões

Leia mais

Propedêutica Bíblica. 26 de Novembro de 2013 Texto Bíblico

Propedêutica Bíblica. 26 de Novembro de 2013 Texto Bíblico Propedêutica Bíblica 26 de Novembro de 2013 Texto Bíblico ORAÇÃO HISTÓRIA E GEOGRAFIA DO POVO BÍBLICO I HISTÓRIA E GEOGRAFIA DO POVO BÍBLICO I Ler o texto no contexto GEOGRÁFICO: «Entre os que subiram

Leia mais

MESTRADO EM TEOLOGIA

MESTRADO EM TEOLOGIA MESTRADO EM TEOLOGIA Edital 2016 Este edital se destina especificamente a candidatos ao Mestrado em Teologia, com início em março de 2016. 1. Objetivo O Programa de Mestrado em Teologia visa o desenvolvimento

Leia mais

Uma introdução à Bíblia

Uma introdução à Bíblia Uma introdução à Bíblia FORMAÇÃO DO IMPÉRIO DE DAVI E SALOMÃO PRIMEIRO TESTAMENTO A serviço da leitura libertadora da Bíblia VOLUME 3 Ildo Bohn Gass (Org.) 2 a edição São Leopoldo/RS 2011 Centro de Estudos

Leia mais

A AÇÃO EDUCATIVA NA ÓTICA DAS SETE LEIS DO APRENDIZADO RESUMO

A AÇÃO EDUCATIVA NA ÓTICA DAS SETE LEIS DO APRENDIZADO RESUMO 1 A AÇÃO EDUCATIVA NA ÓTICA DAS SETE LEIS DO APRENDIZADO Julimar Fernandes da Silva 1. RESUMO A Educação nos dias atuais é um desafio constante, tanto para a sociedade como para Igreja cristã. Nesse sentido,

Leia mais

Porque Deus mandou construir o tabernáculo?

Porque Deus mandou construir o tabernáculo? Aula 39 Área da Adoração Êxodo 19:5~6 Qual o significado de: vós me sereis reino sacerdotal? Significa que toda a nação, não parte, me sereis reino sacerdotal, povo santo, nação santa. Israel era uma nação

Leia mais

revista FIDELIDADE - A vida cristã dinâmica Preparando a aula Plano de aula

revista FIDELIDADE - A vida cristã dinâmica Preparando a aula Plano de aula Base bíblica: João 3.1-23 Texto áureo: Jesus respondeu: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer da água e do Espírito, não pode entrar no reino de Deus (João 3.5). Preparando a aula Ore

Leia mais

INTRODUÇÃO À BÍBLIA Revisão aula 1

INTRODUÇÃO À BÍBLIA Revisão aula 1 I NTRODUÇÃO À BÍ BLI A Revisão aula 1 INTRODUÇÃO À BÍBLIA Revisão aula 1 A BÍBLIA... UM CONJUNTO DE 66 LIVROS, COMEÇOU A SER ESCRITO HÁ MAIS OU MENOS 3500 ANOS, DEMOROU QUASE 1600 ANOS PARA SER CONCLUÍDO,

Leia mais

Programa semipresencial do Curso Bacharel em Teologia do SECATAB

Programa semipresencial do Curso Bacharel em Teologia do SECATAB Programa semipresencial do Curso Bacharel em Teologia do O pauta suas ações partindo de um princípio interconfessional preparando ministros para a pregação do evangelho. ESTRUTURA DO CURSO O curso conta

Leia mais

LIÇÃO 5 INTERPRETAÇÃO 2ª PARTE INTRODUÇÃO

LIÇÃO 5 INTERPRETAÇÃO 2ª PARTE INTRODUÇÃO 29 LIÇÃO 5 INTERPRETAÇÃO 2ª PARTE INTRODUÇÃO No capítulo anterior falamos sobre as regras de interpretação e a necessidade de conhecermos o contexto de uma passagem e também da importância das palavras.

Leia mais

(3ª AULAS) - A BÍBLIA COMO UM LIVRO II - As divisões das Escrituras E S T U D A N D O A L I Ç Ã O!!!

(3ª AULAS) - A BÍBLIA COMO UM LIVRO II - As divisões das Escrituras E S T U D A N D O A L I Ç Ã O!!! (3ª AULAS) - A BÍBLIA COMO UM LIVRO II - As divisões das Escrituras TEMA: OBJETIVO: MEMORIZAR: REFLEXÃO: ABORDAGEM DO ALUNO A ORGANIZAÇÃO DOS LIVROS DA BÍBLIA Que o aluno se familiarize com as divisões

Leia mais

TRADIÇÃO. Patriarcado de Lisboa JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2.

TRADIÇÃO. Patriarcado de Lisboa JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2. TRADIÇÃO JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2. A TRANSMISSÃO DO TESTEMUNHO APOSTÓLICO 3. TRADIÇÃO, A ESCRITURA NA IGREJA Revelação TRADIÇÃO Fé Teologia

Leia mais

O Calendário Judaico. Cronologia. Cronologia HARMONIZAÇÃO CRONOLÓGICA O ANO DO NASCIMENTO DE JESUS. Mt 2:1-23 Época do Nascimento:

O Calendário Judaico. Cronologia. Cronologia HARMONIZAÇÃO CRONOLÓGICA O ANO DO NASCIMENTO DE JESUS. Mt 2:1-23 Época do Nascimento: Há Harmonia Entre os Evangelhos? Mar/Abr/2015 Vlademir Hernandes AULA 3 15/3/2015 Recapitulação A importância dos Evangelhos Por que 4 evangelhos Bibliografia A necessidade de harmonização Exercícios sobre

Leia mais

Introdução e visão geral da História de Israel e dos textos do Antigo Testamento. Jörg Garbers Ms. de Teologia

Introdução e visão geral da História de Israel e dos textos do Antigo Testamento. Jörg Garbers Ms. de Teologia Introdução e visão geral da História de Israel e dos textos do Antigo Testamento Jörg Garbers Ms. de Teologia 26.10.2013 08:00-09:30 Profetas e profetismo na história de Israel 09:50-11:50 A ressurreição

Leia mais

LEITURA BÍBLICA A BÍBLIA LER

LEITURA BÍBLICA A BÍBLIA LER LEITURA BÍBLICA A BÍBLIA LER INTRODUÇÃO: Qualquer que seja meu objetivo, ler é a atividade básica do aprendizado. Alguém já disse: Quem sabe ler, pode aprender qualquer coisa. Se quisermos estudar a Bíblia,

Leia mais

ESTUDO SOBRE A DISPENSAÇÃO DA LEI (1.718 Anos) Ex 3:1-10 Ex 12:37-38 Lc 16:16 Mt 3:1-3

ESTUDO SOBRE A DISPENSAÇÃO DA LEI (1.718 Anos) Ex 3:1-10 Ex 12:37-38 Lc 16:16 Mt 3:1-3 ESTUDO SOBRE A DISPENSAÇÃO DA LEI (1.718 Anos) Ex 3:1-10 Ex 12:37-38 Lc 16:16 Mt 3:1-3 Definição de Dispensação: período de tempo durante o qual a humanidade é moralmente responsável diante de Deus em

Leia mais

STOTT, John R. W. Batismo e plenitude do Espírito Santo. São Paulo: Vida Nova, 1966.

STOTT, John R. W. Batismo e plenitude do Espírito Santo. São Paulo: Vida Nova, 1966. Azusa Revista de Estudos Pentecostais 1 STOTT, John R. W. Batismo e plenitude do Espírito Santo. São Paulo: Vida Nova, 1966. Josias Novak 1 1 A promessa do Espírito Em sua exposição Stott afirma que a

Leia mais

1. LEI 5 livros. 2. HISTÓRIA 12 livros. 3. POESIA 5 livros. 4. PROFETAS MAIORES 5 livros. 5. PROFETAS MENORES 12 livros

1. LEI 5 livros. 2. HISTÓRIA 12 livros. 3. POESIA 5 livros. 4. PROFETAS MAIORES 5 livros. 5. PROFETAS MENORES 12 livros LIÇÃO 4 Os Livros do Velho Testamento Ler o Velho Testamento é o mesmo que ler qualquer outro livro antigo, comentou um jovem que se juntara recentemente ao nosso grupo de estudo da Bíblia. No entanto,

Leia mais

Diferença entre a Bíblia Católica e a Protestante

Diferença entre a Bíblia Católica e a Protestante Diferença entre a Bíblia Católica e a Protestante Hugo Goes A Bíblia é formada por duas partes: o Antigo Testamento e o Novo Testamento. Em relação ao Novo Testamento, não há nenhuma diferença entre a

Leia mais

Jörg Garbers Ms. de Teologia

Jörg Garbers Ms. de Teologia Introdução e visão geral da História de Israel O ESTADO DE JUDÁ Jörg Garbers Ms. de Teologia Textos 1Rs 12 2Cr 10 Data ~ 931 a.c. As narrativas bíblicas situam aqui o cisma entre as 12 tribos (10 Israel

Leia mais

Introdução ao Evangelho

Introdução ao Evangelho CENTRO ESPÍRITA ISMAEL DEPARTAMENTO DE ENSINO DOUTRINÁRIO CURSO DE INTRODUÇÃO AO EVANGELHO Introdução ao Evangelho AULA 5 POVOAMENTO DA TERRA, MOISÉS E SUA MISSÃO AULA DE HOJE PARÁBOLA DO TESOURO ESCONDIDO

Leia mais

Jesus, o Cordeiro de Deus

Jesus, o Cordeiro de Deus Jesus, o Cordeiro de Deus "Sacrifícios e ofertas tu não quiseste, mas um corpo tu tens preparado para mim; em todos os holocaustos e sacrifícios pelo pecado tu não tens tido prazer. Então eu disse: Eis

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO ANTIGO TESTAMENTO

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO ANTIGO TESTAMENTO INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO ANTIGO TESTAMENTO Anderson V.Gazzi 1. Conceito de Antigo Testamento: a. Conceito e Definição: O conceito de Teologia do Antigo Testamento está enlaçado ao conceito de teologia.

Leia mais

Bíblia, sua importância em minha vida

Bíblia, sua importância em minha vida Bíblia, sua importância em minha vida Bíblia, sua importância em minha vida 2 Timóteo 3:16-17 16 Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação

Leia mais

Mosaicos #2 Um Novo e superior Testamento Hb 1:1-3 Introdução: Se desejamos compreender o hoje, muitas vezes precisaremos percorrer o passado.

Mosaicos #2 Um Novo e superior Testamento Hb 1:1-3 Introdução: Se desejamos compreender o hoje, muitas vezes precisaremos percorrer o passado. 1 Mosaicos #2 Um Novo e superior Testamento Hb 1:1-3 Introdução: Se desejamos compreender o hoje, muitas vezes precisaremos percorrer o passado. Neste sentido a Carta aos Hebreus é uma releitura da lei,

Leia mais

OS LEVITAS Dicionário Internacional de Teologia Novo Testamento,

OS LEVITAS Dicionário Internacional de Teologia Novo Testamento, OS LEVITAS Vamos ao um breve estudo sobre os levitas, que há muito tempo, nas igrejas evangélicas e até mesmo nos templos católicos, é um título dado aos instrumentistas e cantores. Biblicamente falando,

Leia mais

Uma biblioteca composta de 66 livros. 1.1 O significado da Palavra Bíblia

Uma biblioteca composta de 66 livros. 1.1 O significado da Palavra Bíblia Aula 1 10/09/2014 Uma biblioteca composta de 66 livros 39 antigo testamento 27 novo testamento 1.1 O significado da Palavra Bíblia Grego = Livros ou coleção de pequenos livros João Crisostomos disseminação

Leia mais

Podemos dividir este trimestre em cinco blocos. O primeiro, introdutório, veremos, na lição 1, em linhas gerais, o livro de Gênesis.

Podemos dividir este trimestre em cinco blocos. O primeiro, introdutório, veremos, na lição 1, em linhas gerais, o livro de Gênesis. PORTAL ESCOLA DOMINICAL 4º Trimestre de 2015 - CPAD O COMEÇO DE TODAS AS COISAS Estudos sobre o livro de Gênesis Comentários da revista da CPAD: Claudionor de Andrade A) INTRODUÇÃO AO TRIMESTRE Estamos

Leia mais

Seio materno: espaço privilegiado para construção da vida e da paz Rosemary Francisca Neves Silva 1

Seio materno: espaço privilegiado para construção da vida e da paz Rosemary Francisca Neves Silva 1 Seio materno: espaço privilegiado para construção da vida e da paz Rosemary Francisca Neves Silva 1 Resumo: Deus, sendo Pai e Mãe, poderia ter gerado o seu filho sem, necessariamente, a presença de uma

Leia mais

O JUDAÍSMO: BERÇO DA RELIGIÃO OCIDENTAL. Prof Bruno Tamancoldi i

O JUDAÍSMO: BERÇO DA RELIGIÃO OCIDENTAL. Prof Bruno Tamancoldi i O JUDAÍSMO: BERÇO DA RELIGIÃO OCIDENTAL. Prof Bruno Tamancoldi i O judaísmo é uma crença que se apoia em três pilares: na Torá, nas Boas Ações e na Adoração. Por ser uma religião que supervaloriza a moralidade,

Leia mais

EPÍSTOLA DE SÃO TIAGO Bruno Glaab

EPÍSTOLA DE SÃO TIAGO Bruno Glaab EPÍSTOLA DE SÃO TIAGO Bruno Glaab I - INTRODUÇÃO 1 - QUEM Quem é Tiago? No NT temos diversas referências a Tg: - Filho de Zebedeu (Mc 1,19; 3,17). - Filho de Alfeu (Mc 3,18). - Irmão de Jesus (Mc 6,3;

Leia mais

PANORAMAS DE MATEUS, MARCOS, LUCAS E JOÃO

PANORAMAS DE MATEUS, MARCOS, LUCAS E JOÃO 1 PANORAMAS DE MATEUS, MARCOS, LUCAS E JOÃO Os evangelistas, conforme afirmo, não escreveram para igrejas específicas que eles conheciam pessoalmente ou apenas de ouvir falar, nem mesmo para um número

Leia mais

Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho

Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho Planificação do 7º Ano - Educação Moral e Religiosa Católica Unidades Temáticas Conteúdos Competências Específicas Instrumentos de Avaliação UL1- AS ORIGENS

Leia mais

APRENDENDO SOBRE A BIBLIA. TEOLOGIA PURA. Responda o questionário! Tema "Conhecendo a Bíblia."

APRENDENDO SOBRE A BIBLIA. TEOLOGIA PURA. Responda o questionário! Tema Conhecendo a Bíblia. APRENDENDO SOBRE A BIBLIA. TEOLOGIA PURA Responda o questionário! Tema "Conhecendo a Bíblia." Responda estas questões relacionadas à bíblia, e teste seus conhecimentos e quem acertar acima de 88% ganha

Leia mais

MESOPOTÂMIA ORIENTE MÉDIO FENÍCIA ISRAEL EGITO PÉRSIA. ORIENTE MÉDIO origem das primeiras civilizações

MESOPOTÂMIA ORIENTE MÉDIO FENÍCIA ISRAEL EGITO PÉRSIA. ORIENTE MÉDIO origem das primeiras civilizações MESOPOTÂMIA FENÍCIA ISRAEL EGITO ORIENTE MÉDIO PÉRSIA ORIENTE MÉDIO origem das primeiras civilizações CIVILIZAÇÕES DA ANTIGUIDADE ORIENTAL Mesopotâmia - Iraque Egito Hebreus Israel Fenícios Líbano Pérsia

Leia mais

PANORAMA DO ANTIGO TESTAMENTO. Aula 1- Considerações Iniciais

PANORAMA DO ANTIGO TESTAMENTO. Aula 1- Considerações Iniciais PANORAMA DO ANTIGO TESTAMENTO Aula 1- Considerações Iniciais a) A importância de uma visão panorâmica Resumir grandes eventos da nossa vida é, por si só, um grande desafio. Esquecer detalhes importantes

Leia mais

Panorama do Antigo Testamento. Escola Bíblica IECI 1º Semestre de 2015 Aula 4

Panorama do Antigo Testamento. Escola Bíblica IECI 1º Semestre de 2015 Aula 4 Panorama do Antigo Testamento Escola Bíblica IECI 1º Semestre de 2015 Aula 4 Divisão Mais Usual PENTATEUCO HISTÓRICOS POÉTICOS Maiores PROFÉTICOS Menores Gn Ex Lv Nm Dt Js Jz Rt 1 Sm 2 Sm 1 Re 2 Re 1 Cr

Leia mais

Curso: Teologia Prof. Nicanor Lopes

Curso: Teologia Prof. Nicanor Lopes Curso: Teologia Prof. Nicanor Lopes Fundamentos, conceitos e paradigmas da missão OBJETIVOS DA AULA Compreender as teses fundantes da missiologia; Analisar a presença religiosa no mundo no terceiro milênio;

Leia mais

A Aliança Abraâmica e as Suas Implicações Atuais

A Aliança Abraâmica e as Suas Implicações Atuais A Aliança Abraâmica e as Suas Implicações Atuais Preparado para a Associação de Igrejas Batistas Regulares do Rio Grande do Norte 6-9 de Janeiro de 2010, Acampamento Elim, RN Pr. Barry Alan Farlow Professor

Leia mais

A TORÁ DE ISRAEL. Aqui está a paciência dos santos; aqui estão os que guardam os mandamentos de Deus e a fé em Jesus Apocalipse 14:12

A TORÁ DE ISRAEL. Aqui está a paciência dos santos; aqui estão os que guardam os mandamentos de Deus e a fé em Jesus Apocalipse 14:12 A TORÁ DE ISRAEL Vítor Quinta Agosto de 2007 Na seguinte passagem é-nos dada a visão dos salvos na glória (os chamados, escolhidos e fiéis de todos os povos, nações, tribos e línguas, ao longo dos tempos,

Leia mais

Uma tradução inspirada?

Uma tradução inspirada? Septuaginta - Uma Tradução da Bíblia que Mudou o Mundo Quando o profeta de Deus, Moisés, começou a escrever a Bíblia há mais de 3.500 anos, apenas uma nação pequena podia lê-la. (Deuteronômio 7:7) Era

Leia mais

Introdução. à Bíblia

Introdução. à Bíblia Introdução à Bíblia Pr. Kenneth Eagleton Escola Teológica Batista Livre (ETBL) Campinas, SP 2012 1 Quarta Lição Estrutura da Bíblia A Bíblia é, na verdade, mais que um só livro: é uma coleção de 66 livros

Leia mais

A BÍBLIA. Leituras - 2 Tm 3.10-17; Sl 19, 119.105-112; Is 40.1-11

A BÍBLIA. Leituras - 2 Tm 3.10-17; Sl 19, 119.105-112; Is 40.1-11 A BÍBLIA Leituras - 2 Tm 3.10-17; Sl 19, 119.105-112; Is 40.1-11 DIVISÃO E CONTEÚDO A palavra "bíblia" vem do grego bíblia, plural de biblion, que traduzido quer dizer "grupo de "livros". Desta forma a

Leia mais

Introdução à Bíblia. wertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyui opasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfg. Curso Bíblico - Teológico. Módulo I Introdução

Introdução à Bíblia. wertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyui opasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfg. Curso Bíblico - Teológico. Módulo I Introdução qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq wertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyui opasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfg

Leia mais

Moisés Bezerril OS CINCO PONTOS DO CALVINISMO NO PERÍODO MOSAICO. Artigos Digitais. Os uritanos

Moisés Bezerril OS CINCO PONTOS DO CALVINISMO NO PERÍODO MOSAICO. Artigos Digitais. Os uritanos Moisés Bezerril OS CINCO PONTOS DO CALVINISMO NO PERÍODO MOSAICO Artigos Digitais Os uritanos Os Cinco Pontos do Calvinismo no Período Mosaico 2012, Editora os Puritanos/Clire 1ª Edição em Português dezembro

Leia mais

Livros Históricos 2 SEFO 2013 Livros de 1 e 2 Crônicas- 2ª Aula

Livros Históricos 2 SEFO 2013 Livros de 1 e 2 Crônicas- 2ª Aula Livros Históricos 2 SEFO 2013 Livros de 1 e 2 Crônicas- 2ª Aula Igreja Evangélica Assembleia de Deus Ministério Madureira Campo de Mogi das Cruzes Conteúdo Programático Seção Título Slide 1. Introdução

Leia mais

ÊXODO INTRODUÇÃO TEOLOGIA 1 INFORMAÇÕES GERAIS 1.1 NOME DO LIVRO 1.2 CONTEÚDO 1.3 CRONOLOGIA. Jörg Garbers

ÊXODO INTRODUÇÃO TEOLOGIA 1 INFORMAÇÕES GERAIS 1.1 NOME DO LIVRO 1.2 CONTEÚDO 1.3 CRONOLOGIA. Jörg Garbers Jörg Garbers ÊXODO INTRODUÇÃO TEOLOGIA 1 INFORMAÇÕES GERAIS 1.1 NOME DO LIVRO O nome do livro vem da palavra grega "êxodo", que significa saída. 1.2 CONTEÚDO Podemos dividir o livro em cinco partes: 1-18

Leia mais

PARÓQUIA SANT ANA DE CAMPINAS

PARÓQUIA SANT ANA DE CAMPINAS I- O CREDO CATÓLICO Por Credo designamos o conjunto dos artigos da Fé Católica elencados no Símbolo dos Apóstolos, que a Igreja apresenta como síntese da doutrina que um cristão deve seguir. A Igreja levou

Leia mais

A palavra do Senhor descarta a ideia de triteísmo (três Deuses) e de unicismo (Religião,Prática de

A palavra do Senhor descarta a ideia de triteísmo (três Deuses) e de unicismo (Religião,Prática de Aula 1 19/11/2014 A palavra do Senhor descarta a ideia de triteísmo (três Deuses) e de unicismo (Religião,Prática de adoração a um só Deus; Negam a existência da santa trindade.) A Trindade pode ser definida

Leia mais

Um pouco mais de história

Um pouco mais de história Um pouco mais de história Narrativa bíblica De acordo com João, este milagre ocorreu perto da "Porta das Ovelhas", perto de uma fonte ou "piscina" que é chamada de Betesda em aramaico. Ali costumava juntar

Leia mais

EVANGELHO DO DIA E HOMILIA

EVANGELHO DO DIA E HOMILIA EVANGELHO DO DIA E HOMILIA (LECTIO DIVINA) REFLEXÕES DE FREI CARLOS MESTERS,, O. CARM REFLEXÕES E ILUSTRAÇÕES DE PE. LUCAS DE PAULA ALMEIDA, CM 1) Oração Terça-feira da 1ª Semana da Quaresma Ó Deus, força

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010) COMPREENSÃO E PRODUÇÃO ORAL EM LÍNGUA INGLESA I C/H 102 (2358) intermediário de proficiência

Leia mais