Painel III Em defesa de uma cidadania participativa: p que compromissos?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Painel III Em defesa de uma cidadania participativa: p que compromissos?"

Transcrição

1 V Convenção Sou de Peniche Por um território vivo, onde apetece viver! Inventário Participativo do Património Cultural Painel III Em defesa de uma cidadania participativa: p que compromissos? Raquel Janeirinho Rui Venâncio Jorge Martins Ana Rute Serrão

2 Magna Carta Peniche 2025 Plano Estratégico de Desenvolvimento de Peniche EIXOS DE ACÇÃO

3 Património Cultural de Peniche como vector transversal aos diversos eixos de acção do Plano Estratégico Rede Museológica do Concelho de Peniche g Projecto aprovado pela Câmara Municipal em 11 de Maio de 2009

4 Rede Museológica do Concelho de Peniche A proposta de criação de uma rede museológica concelhia surge como aresposta adequada d às insuficiências iê i dt detectadas td no modelo dl que tem sido seguido de estudo e promoçãodo património histórico cultural de Peniche. Serãofunçõesdarede: elaborar e manter actualizado o inventário patrimonial i do concelho, dfii definir easseguraraconservação do património a seu cargo, realizar as acções de divulgação e valorização adequadas.

5 Centro Interpretativo de Atouguia da Baleia Museu de Região, de Identidade Espaço interpretativo centrado no território da Atouguia da Baleia histórica, com contributos multidisciplinares. Sedeado na igreja de S. José e edifício anexo.

6 CIAB: Programa Museológico Espaço de Interpretação da Região Histórica de Atouguia da Baleia Sinopse temática: o A Geologia e a Geomorfologia do Território o A Doação e o Foral da Vila de Atouguia: a Colonização do Território o A Realidade Portuária: Pesca e Comércio o O Povoamento de Peniche e o Declínio da Vila de Atouguia da Baleia o A Extinção do Concelho o A Vila e Freguesia de Atouguia da Baleia no séc. XX o Viagem pelo Património Histórico e Cultural de Atouguia da Baleia

7 Centro Interpretativo de Atouguia da Baleia Ao ser um pólo exterior à cidade de Peniche, com actividades diversificadas, proporcionará um maior desenvolvimento cultural, turístico e económico a esta freguesia. Pólo cultural plural, de desenvolvimento local e de atracção turística.

8 Perspectivas CENTRO INTERPRETATIVO DE ATOUGUIA DA BALEIA: Pólo lúdico e cultural l espaço aberto à comunidade d Utilização da igreja S. José enquanto espaço multi usos Realização ação de eventos culturais / recreativos com o contributo da comunidade Museu englobante: nãoexclusivamente um pólo museológico, mas também um ponto de partida para um conhecimento mais aprofundado do concelho, in situ, através de itinerários que versam o património cultural

9 Centro Interpretativo de Atouguia da Baleia INVENTÁRIO PARTICIPATIVO Desenvolvimento no terreno de um inventário participativo do Pti Património ói Cultural, l material e imaterial, com particular enfoque no território correspondente à freguesia de Atouguia da Baleia.

10 Inventário Inventário tradicional o levantamento sistemático, actualizado e tendencialmente exaustivo dos bens culturais existentes a nível nacional, com vista à respectiva identificação (Artigo 19º, Lei nº 107/2001, de 8 de Setembro Lei de bases do património cultural) Inventário Participativo Co inventário Súmula de estratégias museológicas participativas Aproximação à população Acção museológica educativa e de interacção Comunidade recria o seu legado patrimonial, pelo seu testemunho e vida, permitindo desta forma a reapropriação e revitalização desse Património.

11 Inventário Participativo Fases de acção: Contacto com as associações locais e Junta de Freguesia Definição de informantes chave e de inventariantes locais Grupos de debate / tertúlias Levantamento e mapeamento participado dos patrimónios correspondentes em algumas daslocalidades lid d da freguesia Património imóvel de base rural Festividades religiosas e feiras Culturas e profissões tradicionais, saberes e técnicas Outro património de cariz imaterial Entrevistas semi dirigidas Recolha de algum espólio doado pelas populações Formação e divulgação do património cultural e da Rede Museológica e CentroInterpretati Interpretativo deato Atouguia da Baleia juntodapop população local Concepção de exposições com a participação da população local.

12 brainstorming; habitantes locais enquanto investigadores; informantes chave; p entrevistas semi dirigidas; Inventário Participativo Inversão das categorias etic para emic diferentes grupos de informantes; cadeias de entrevistas; do it yourself (observação participante); análise participativa de fotografias aéreas; mapeamento e participativo; passeio sistemático com recolha da informação observada (transect walks); cronologias; diagramas de estações; critérios estabelecidos pela própria comunidade; histórias, retratos, estudos de caso; contactos entre grupos; apresentação e análise dos dados.

13 1º Encontro com as colectividades. SCE Reunião com representantes das várias colectividades locais Apresentação dos projectos IP CIAB, GPS e GMIEA; Dinâmica de grupo O que é Património ; 1ºs levantamentos patrimoniais por parte das colectividades; Debate sobre o papel do Associativismo, do Património, da Preservação.

14 Tertúlia na Centro de Activ. Recr. e Melhoramentos de Casais do Júlio Ida para o terreno, com tertúlias túli envolvendo outros protagonistas locais Aplicação de metodologias participativas: brainstorming; mapeamento de locais de interesse patrimonial, recorrendo a fotografias aéreas; Definição de alguns inventariantes e informantes locais; Memória, debate e reflexão crítica.

15 Tertúlia na Associação Cultural e Recreativa D. Inês de Castro, Coimbrã Tertúlia na União Recreativa, Desportiva e Cultural do Paço

16 Tertúlia na Sociedade Filarmónica União 1 º Dezembro de Atouguia da Baleia Tertúlia na Associação Desp. e Recreativa de Casal Moinho

17 Caminhada de Reconhecimento em S. Bernardino. Zona de bifurcação de antigos caminhos Caminhadas de reconhecimento Mapeamento in situ dos diferentes patrimónios imóveis e levantamento do intangível a eles associados; Identificação dos locais inventariados i no primeiro i mapeamento; Participação de novos actores e consolidação das relações estabelecidas; Activar de antigas memórias e despertar de novos projectos.

18 Caminhada de Reconhecimento em Geraldes. Zona do Poço da Barroca Caminhada de Reconhecimento em Casais Brancos. 1ª Mercearia e Taberna de Herculano Santos

19 Ex.: Lugar da Estrada Mapeamento participativo dos sítios de interesse patrimonial da localidade Cerimónias e Práticas Rituais Agricultura Cereais e Vinha Património associado ao elemento Água

20 Práticas sociais e rituais Religiosas Procissões e Círios Procissão nocturna Consolação L. Estrada Levantamento t de festividades, id d tradições, profissões e outros rituais e saberes, definidos pelos actores locais Inventário, registo e valorização de Património Cultural Imaterial referenciando também os bens culturais associados id

21 Práticas sociais e rituais religiosas Procissões e Círios Chegada do Círio dos Bolhos à Capela da Feteira

22 Procissão dos Passos de Atouguia da Baleia. Preparação dos Ramos Marçode 2010

23 Recolha de espólio fotográfico Poço da Violante, Ribafria. Anos Na foto estão presentes Francisco Salvador, Violante das Mercês (proprietários da casa) e uma das netas mais velhas. Imagem cedida pela neta da Violante. Anjinhos. Procissão dos Passos, Atouguia da Baleia

24 Inventário Participativo do Património Cultural 1ª fase: aproximação extensiva, alargada a todas as localidades (os pequenos casais, sem colectividade, foram integrados na aldeia mais próxima). Nestas tertúlias foi possível conhecer as inquietações actuais, os patrimónios e as tradições das diversas localidades; permitiram, ainda, uma primeira detecção de diferenças e permanências entre elas. No futuro, mais do que intensivas investigações sobre cada uma das localidades, procurar se á definir temáticas e parceiros estratégicos, através das relações que se continuarão a desenvolver. As entrevistas, as caminhadas e outros processos de pesquisa, divulgação, sensibilização e educação patrimonial vão continuar a ser desenvolvidas. Aprofundamento da relação com o agrupamento de escolas. Pensar o passado, o presente e o futuro. Apoio a acções museológicas desenvolvidas pela população. Participação da população nas exposições a realizar no espaço museológico.

25 Jornadas Europeias do Património 2010 Conservação preventiva do património edificado Educação patrimonial Conservação participativa Fonte dos Loureiros, Geraldes

26 Fonte do Cachocha, C. Brancos Fonte dos Namorados, Reinaldes Poço da Violante, Ribafria

27 Levantamento do Património Molinológico concelhio Festa dos Saberes, Tradições e Sabores 2011 SCE / parceria GPS Apoio a acções museológicas desenvolvidas pela população Roteiro dos Moinhos Levantamento e mapeamento do Património Molinológico Exposição de fotografia (resultado de um trabalho de alunas de Turismo da ESTM/IPL unidade curricular de Inovação e Empreendedorismo) Visita guiada a 3 moinhos do concelho de Peniche 30 de Julho de 2011 com a colaboração e orientação dos seus proprietários.

28 Projecto de Requalificação do Museu Municipal de Peniche Pesca, Construção Naval e Indústria Conserveira Pisos 1 e 2 Instrumentos Auxiliares de Navegação e Pesca Rádios, Sondas e Sonares de Estêvão Henriques Peniche ÁGUA: Cultura e Património Peniche vive convosco as alegres horas da liberdade Cooperativa União da Gamboa Estaleiros Navais de Peniche Projectos no âmbito da preservação, promoção e divulgação da Renda de Bilros de Peniche Jornadas Europeias do Património Dia Internacional dos Monumentos e Sítios Celebração da Cultura Costeira Mútua dos Pescadores / EEA Grants / Adepe

29 Exposição Eu e o Mar Promoção da participação dos habitantes locais nas actividades desenvolvidas. Ponto de partida: a prática social. Construção de conhecimento a partir de histórias de vida. Estas histórias de vida são parte do património cultural comum. Formulação e entendimento do projecto de vida integrado num contexto histórico. Relação eaçãomuseu sociedade. Comunicação técnicos cidadãos. Compromisso social. Promoção do potencial turístico da Promoção do potencial turístico da cidade e concelho experiência.

30 Museologia Participativa ii i Museologia interactiva e dialógica, que enfatiza a relação do ser humano com a sua herança cultural,, numa acepção que engloba o tangível (objectos, edifícios) e o intangível (tradições, saberes, crenças) e que concorre para o reconhecimento e preservação dospatrimónios. Privilegia a participação dos sujeitos envolvidos nas acções que originaram. Processo interactivo de acções de pesquisa, preservação e comunicação nova prática social. Acções museológicas aplicadas. Proposta teórico metodológica pautada no diálogo. Museologia extra muros; museologia para além do cenário museu. Processo de preservação do património ti i global l comum (o homem, o meio, o saber e o objecto).

31 V Convenção Sou de Peniche Por um território vivo, onde apetece viver! Inventário Participativo do Património Cultural Painel III Em defesa de uma cidadania participativa: p que compromissos?

O Ecomuseu Municipal do Seixal como sistema de recursos patrimoniais e museais descentralizados no território

O Ecomuseu Municipal do Seixal como sistema de recursos patrimoniais e museais descentralizados no território O Ecomuseu Municipal do Seixal como sistema de recursos patrimoniais e museais descentralizados no território Graça Filipe Modelos de redes de museus I Encontro de Museus do Douro Vila Real 24 Setembro

Leia mais

ANEXO I. FICHAS DE CARACTERIZAÇÃO DAS MEDIDAS 3.1. e 3.2. - EIXO 3 DO PRORURAL versão 7

ANEXO I. FICHAS DE CARACTERIZAÇÃO DAS MEDIDAS 3.1. e 3.2. - EIXO 3 DO PRORURAL versão 7 3.1.1. Diversificação de Actividades Não-Agrícolas na Exploração Descrição Apoio a iniciativas empresariais promotoras do saber fazer tradicional Apoio a actividades lúdicas de carácter inovador nas explorações

Leia mais

Museu Regional P a r e d e s d e C o u r a

Museu Regional P a r e d e s d e C o u r a Pa r e d e s d e C o u r a O Museu Inaugurado em Outubro de 1997, o de Paredes de Coura é uma infra-estrutura de iniciativa autárquica, através da qual se pretende promover, conservar e divulgar os bens

Leia mais

PROJECTOS SÍNTESE PROJECTO PROMOTOR DESCRIÇÃO RECUPERAÇÃO DO FOSSO DA MURALHA ÁREA MOLHADA ÁREA ENVOLVENTE/ZONA TERRESTRE

PROJECTOS SÍNTESE PROJECTO PROMOTOR DESCRIÇÃO RECUPERAÇÃO DO FOSSO DA MURALHA ÁREA MOLHADA ÁREA ENVOLVENTE/ZONA TERRESTRE PROJECTOS SÍNTESE PROJECTO PROMOTOR DESCRIÇÃO RECUPERAÇÃO DO FOSSO DA MURALHA ÁREA MOLHADA RECUPERAÇÃO DO FOSSO DA MURALHA ÁREA ENVOLVENTE/ZONA TERRESTRE Pretende-se reabilitar o Fosso da Muralha com vista

Leia mais

REDE MUSEOLÓGICA DO CONCELHO DE PENICHE ATIVIDADES DE SERVIÇO EDUCATIVO ANO LETIVO 2014/2015

REDE MUSEOLÓGICA DO CONCELHO DE PENICHE ATIVIDADES DE SERVIÇO EDUCATIVO ANO LETIVO 2014/2015 REDE MUSEOLÓGICA DO CONCELHO DE PENICHE ATIVIDADES DE SERVIÇO EDUCATIVO ANO LETIVO 2014/2015 A REDE MUSEOLÓGICA A é um projeto estratégico promovido pelo município que visa a qualificação, estudo, preservação

Leia mais

Tabelas de Análise Comparativa por Prova e Domínio/Área Temática entre Turmas, Escolas e Regiões. Escolas de Atouguia da Baleia, Peniche

Tabelas de Análise Comparativa por Prova e Domínio/Área Temática entre Turmas, Escolas e Regiões. Escolas de Atouguia da Baleia, Peniche Tabelas de Análise Comparativa por Prova e Domínio/Área Temática entre Turmas, Escolas e Regiões Escolas de Atouguia da Baleia, Peniche 1.º Ciclo - Língua Portuguesa Provas de Aferição 2011 Global Nacional

Leia mais

AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA

AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA PLANO DE COMUNICAÇÃO E DIVULGAÇÃO Deliverable 4 Fase 2 Novembro 2008 1 P á g i n a Índice 1. Objectivos... 3 2. Públicos-alvo... 4 3. Estratégia de Comunicação... 5 3.1

Leia mais

Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade

Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade Actividade Formativa - Intervenção Comunitária Data - 1 de Abril de 2009 Local Auditório do Edifício Cultural Município de Peniche Participação:

Leia mais

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL CADERNOS DE MUSEOLOGIA Nº 28 2007 135 GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL INTRODUÇÃO Os Sistemas da Qualidade

Leia mais

Município de Freixo de Espada à Cinta PLANO DE ACÇÃO (2009-2010) Conselho Local de Acção Social de Freixo de Espada à Cinta

Município de Freixo de Espada à Cinta PLANO DE ACÇÃO (2009-2010) Conselho Local de Acção Social de Freixo de Espada à Cinta Município de Freixo de Espada à Cinta PLANO DE ACÇÃO (2009-2010) Conselho Local de Acção Social de Freixo de Espada à Cinta FICHA TÉCNICA Relatório do Plano de Acção de Freixo de Espada à Cinta Conselho

Leia mais

REDE MUSEOLÓGICA DO CONCELHO DE PENICHE ATIVIDADES DE SERVIÇO EDUCATIVO ANO LETIVO 2012/2013

REDE MUSEOLÓGICA DO CONCELHO DE PENICHE ATIVIDADES DE SERVIÇO EDUCATIVO ANO LETIVO 2012/2013 REDE MUSEOLÓGICA DO CONCELHO DE PENICHE ATIVIDADES DE SERVIÇO EDUCATIVO ANO LETIVO 2012/2013 A REDE MUSEOLÓGICA A é um projeto estratégico promovido pelo município que visa a qualificação, estudo, preservação

Leia mais

Critérios de selecção

Critérios de selecção Emissor: GRATER Entrada em vigor: 01-06-2009 Associação de Desenvolvimento Regional Abordagem LEADER Critérios de selecção Os projectos serão pontuados através de fórmulas ponderadas e terão de atingir

Leia mais

E N T I D A D E EXECUÇÃO DO PLANO PLURIANUAL DE INVESTIMENTOS ANO CONTABILÍSTICO 2008 MUNICIPIO DE REDONDO. Pagina : 1

E N T I D A D E EXECUÇÃO DO PLANO PLURIANUAL DE INVESTIMENTOS ANO CONTABILÍSTICO 2008 MUNICIPIO DE REDONDO. Pagina : 1 Pagina : 1 1. Funções gerais 610.500,00 610.500,00 334.850,49 334.850,49 54.85 54.85 1.1. Serviços gerais de administração pública 525.500,00 525.500,00 334.640,59 334.640,59 63.68 63.68 1.1.1. Administracao

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

Candidatura ao Programa PROHABITA. Programa GPS CÂMARA MUNICIPAL DE PENICHE. Gestão de Proximidade para a Sustentabilidade

Candidatura ao Programa PROHABITA. Programa GPS CÂMARA MUNICIPAL DE PENICHE. Gestão de Proximidade para a Sustentabilidade CÂMARA MUNICIPAL DE PENICHE Candidatura ao Programa PROHABITA Programa GPS Gestão de Proximidade para a Sustentabilidade Convenção Sou de Peniche 12 de Junho de 2009 DIVISÃO DE ACÇÃO SOCIOCULTURAL Sector

Leia mais

Encontro Internacional Património Cultural, a Cortiça e os Museus, Seixal, 2 e 3 de Julho de 2010

Encontro Internacional Património Cultural, a Cortiça e os Museus, Seixal, 2 e 3 de Julho de 2010 A Fábrica do Inglês: reabilitação do património industrial corticeiro Encontro Internacional Património Cultural, a Cortiça e os Museus, Seixal, 2 e 3 de Julho de 2010 Sumário: O Museu da Cortiça da Fábrica

Leia mais

Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA)

Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA) Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA) Definições O Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades irá conter um programa das intenções necessárias para assegurar a acessibilidade física

Leia mais

Requalificação da Frente Ribeirinha do Concelho de Vila Franca de Xira Polis & Polis XXI

Requalificação da Frente Ribeirinha do Concelho de Vila Franca de Xira Polis & Polis XXI Requalificação da Frente Ribeirinha do Concelho de Vila Franca de Xira Polis & Polis XXI Luís Matas de Sousa Director do Projecto de Requalificação Urbana da Câmara Municipal de Vila Franca de Xira Área

Leia mais

II Convenção Sou de Peniche

II Convenção Sou de Peniche II Convenção Sou de Peniche Apresentação Junho 2008 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO 1. Caso de Peniche 2. Avaliação e Diagnóstico 3. Factores Críticos 4.Recomendações de Politicas e Acções II Convenção Sou de Peniche

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2009

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2009 GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2009 1. Análise do Plano Plurianual de Investimentos (PPI) O plano plurianual de investimentos para 2009 tem subjacente um planeamento financeiro que perspectiva a execução dos

Leia mais

Integrado do Vale do Minho. Av. Miguel Dantas, n.º 69. 4930-678 Valença. Tel.: +351 251 825 811/2. Fax: +351 251 825 620. adriminho@mail.telepac.

Integrado do Vale do Minho. Av. Miguel Dantas, n.º 69. 4930-678 Valença. Tel.: +351 251 825 811/2. Fax: +351 251 825 620. adriminho@mail.telepac. Eixo 3 do PRODER Dinamização das zonas Rurais Englobam no eixo 3 do PRODER Abordagem Leader as seguintes Medidas e Acções Medida 3.1 Diversificação da Economia e Criação de Emprego 3.1.1 Diversificação

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES 2015/2016. Associação Sénior de Odivelas

PLANO DE ATIVIDADES 2015/2016. Associação Sénior de Odivelas PLANO DE ATIVIDADES 2015/2016 Associação Sénior de Odivelas A Universidade Sénior de Odivelas é um projecto inovador que tem por base a promoção da qualidade de vida dos seniores de Odivelas, fomentando

Leia mais

INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL

INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL JESSICA KICK-OFF MEETING FÁTIMA FERREIRA mrferreira@ihru.pt POLÍTICA DE CIDADES NO ÂMBITO DO QREN - PORTUGAL PO Regional Programas integrados de regeneração

Leia mais

Associação para o Desenvolvimento do Baixo Guadiana

Associação para o Desenvolvimento do Baixo Guadiana Associação para o Desenvolvimento do Baixo Guadiana A Associação Odiana Esta Associação, sem fins lucrativos, fundada pelos municípios de Alcoutim, Castro Marim e Vila Real de Santo António em Dezembro

Leia mais

Plataformas Associativas, Património Rural e Conservação da Fauna Selvagem Casos práticos do Nordeste Transmontano

Plataformas Associativas, Património Rural e Conservação da Fauna Selvagem Casos práticos do Nordeste Transmontano Plataformas Associativas, Património Rural e Conservação da Fauna Selvagem Casos práticos do Nordeste Transmontano Ricardo M. L. Brandão ALDEIA Apartado 71 5210-909 Miranda do Douro E-mail: aldeiamail@gmail.com

Leia mais

AS VIAGENS DO ZAMBUJINHO

AS VIAGENS DO ZAMBUJINHO AS VIAGENS DO ZAMBUJINHO Necessidade: crianças/jovens desconhecem o Concelho que é extenso geograficamente e atípico em termos de identidade cultural Conselho Municipal de Educação; representante Juntas

Leia mais

III. DESENVOLVIMENTO DA PROGRAMAÇÃO FINANCEIRA DO INVESTIMENTO

III. DESENVOLVIMENTO DA PROGRAMAÇÃO FINANCEIRA DO INVESTIMENTO PIDDAR 2009 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 111 III. DESENVOLVIMENTO DA PROGRAMAÇÃO FINANCEIRA DO INVESTIMENTO PIDDAR 2010 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 113 Quadro I Programação do Investimento por Programas

Leia mais

Desenvolvimento do Âmbito e Alcance

Desenvolvimento do Âmbito e Alcance Revisão do PDM de Vila Real de Santo António Avaliação ação Ambiental be Estratégica: Desenvolvimento do Âmbito e Alcance Pedro Bettencourt 1, Pedro Afonso Fernandes 2 1 Geólogo, Director-Geral; 2 Economista

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2011

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2011 GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2011 1. Análise do Plano Plurianual de Investimentos (PPI) Neste orçamento, o Município ajustou, as dotações para despesas de investimento, ao momento de austeridade que o país

Leia mais

Introdução ao projecto Gaia Global

Introdução ao projecto Gaia Global Introdução ao projecto Gaia Global Autarquia de Vila Nova de Gaia Luís BorgesGouveia A sociedade da informação A Sociedade da Informação é uma sociedade que predominantemente utiliza o recurso às tecnologias

Leia mais

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social PLANO DE ACÇÃO 2007 Introdução O CLASA - Conselho Local de Acção Social de Almada, de acordo com a filosofia do Programa da Rede Social, tem vindo a suportar a sua intervenção em dois eixos estruturantes

Leia mais

Cidadãos do Amanhã Empreendedorismo Jovem. Seminário EUROACE «Cooperação e desenvolvimento rural. Experiências e perspectivas para 2014-2020»

Cidadãos do Amanhã Empreendedorismo Jovem. Seminário EUROACE «Cooperação e desenvolvimento rural. Experiências e perspectivas para 2014-2020» Seminário EUROACE «Cooperação e desenvolvimento rural. Experiências e perspectivas para 2014-2020» 29.Abril.2014 Idanha-a-Nova DUECEIRA GAL/ELOZ. Entre serra da LOusã e Zêzere Histórico > projecto cooperação

Leia mais

I EMJ 8 de Junho de 2013 Recomendações finais Participantes nos grupos de trabalho que produziram as recomendações:

I EMJ 8 de Junho de 2013 Recomendações finais Participantes nos grupos de trabalho que produziram as recomendações: Nr Área Recomendação Valido Abstenh o-me C/6 E/7 F/7 Voluntariado Aproveitar espaços sem utilização para fazer jardins, espaços para convívio e locais de desporto para a população. Promover a limpeza dos

Leia mais

MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DA PESQUEIRA DO ANO 2009

MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DA PESQUEIRA DO ANO 2009 PÁGINA : 1 1. FUNÇÕES GERAIS 200.000,00 200.000,00 200.000,00 1.1. 180.000,00 180.000,00 180.000,00 1.1.1. ADMINISTRAÇÃO GERAL 180.000,00 180.000,00 180.000,00 1.1.1. 01 2005 ADMINISTRAÇÃO GERAL 55.000,00

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES 2014/2015. Associação Sénior de Odivelas

PLANO DE ATIVIDADES 2014/2015. Associação Sénior de Odivelas PLANO DE ATIVIDADES 2014/2015 Associação Sénior de Odivelas A Universidade Sénior de Odivelas é um projecto inovador que tem por base a promoção da qualidade de vida dos seniores de Odivelas, fomentando

Leia mais

PRODER Sub-Programa 3 Dinamização das Zonas Rurais ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO PARA O INTERIOR DO ALGARVE CENTRAL

PRODER Sub-Programa 3 Dinamização das Zonas Rurais ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO PARA O INTERIOR DO ALGARVE CENTRAL PRODER Sub-Programa 3 Dinamização das Zonas Rurais ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO PARA O INTERIOR DO ALGARVE CENTRAL Medida 3.1 - Diversificação da economia e criação de emprego Objectivos : - Promover

Leia mais

Fototeca Municipal. Regulamento

Fototeca Municipal. Regulamento Fototeca Municipal Regulamento Índice 1. Norma Habilitante 2. Definição 3. Objectivos 4. Cedência de Fotografias 5. Condições de Utilização 6. Direito de Propriedade 7. Acesso Requisitos e Contactos 8.

Leia mais

Programa de Promoção Turística e Cultural

Programa de Promoção Turística e Cultural Programa de Promoção Turística e Cultural Sintra encontra-se em 11º lugar no ranking dos 50 melhores lugares a visitar, nas escolhas dos leitores do jornal New York Times? Sintra é uma das 21 finalistas

Leia mais

REDE DAS ALDEIAS DO XISTO Rui Simão - ADXTUR Workshop «Territórios de baixa densidade: que futuro?» Auditório do Convento dos Frades, Trancoso, 28 de Outubro Agir para o turismo de natureza 4. Foco

Leia mais

VISÃO ESTRATÉGICA PARA PENICHE

VISÃO ESTRATÉGICA PARA PENICHE VISÃO ESTRATÉGICA PARA PENICHE II Convenção Sou de Peniche A. Oliveira das Neves 13 de Junho de 2008 ÍNDICE A. OBJECTIVOS DA MAGNA CARTA PENICHE 2025 B. DOCUMENTOS DE TRABALHO C. INTEGRAÇÃO REGIONAL A

Leia mais

UM PROGRAMA PARA A MUDANÇA

UM PROGRAMA PARA A MUDANÇA UM PROGRAMA PARA A MUDANÇA pelo valor da nossa terra Preâmbulo O Concelho de Seia enfrenta hoje desafios absolutamente determinantes e estratégicos. Num tempo de aceleradas mudanças e de forte competitividade,

Leia mais

A Participação Voluntária No Planeamento, Execução E Controlo Social Do Orçamento. Participativo

A Participação Voluntária No Planeamento, Execução E Controlo Social Do Orçamento. Participativo Cecília Branco Programa Urbal Red 9 Projecto Orçamento Participativo Reunião de Diadema Fevereiro 2007 A Participação Voluntária No Planeamento, Execução E Controlo Social Do Orçamento Participativo Município

Leia mais

Roteiro do Tejo Ideia e conceito

Roteiro do Tejo Ideia e conceito Roteiro do Tejo Ideia e conceito O Rio Tejo (e sua bacia), objecto de estudo e recurso endógeno disponível... http://www.arhtejo.pt http://www.inag.pt p.16/37 Bacia hidrográfica do rio Tejo...recursos

Leia mais

O PROVEDOR DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO CONCELHO DE VISEU. Prof. Joaquim Escada

O PROVEDOR DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO CONCELHO DE VISEU. Prof. Joaquim Escada O PROVEDOR DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO CONCELHO DE VISEU Prof. Joaquim Escada Como surgiu a ideia da criação desta figura no Concelho de Viseu: - Contactos do Executivo da Câmara Municipal de Viseu com

Leia mais

P l a n o d e A c t i v i d a d e s

P l a n o d e A c t i v i d a d e s P l a n o d e A c t i v i d a d e s A n o d e 2 0 1 3 O ano de 2013 ficará assinalado pela comemoração dos 30 anos da TURIHAB Associação do Turismo de Habitação, ao serviço dos seus Associados e do Turismo.

Leia mais

Estratégia Local de Desenvolvimento (ELD)

Estratégia Local de Desenvolvimento (ELD) (ELD) O diagnóstico realizado na fase precedente, aponta para um conjunto de fragilidades comuns aos espaços rurais do interior do país, nomeadamente o esvaziamento e envelhecimento da população; despovoamento

Leia mais

Discurso de Sua Excelência o Presidente da República

Discurso de Sua Excelência o Presidente da República Continuarei a percorrer o País, de Norte a Sul, a apelar à união de esforços, a levar uma palavra de esperança e a mostrar bons exemplos de resposta à crise. Discurso de Sua Excelência o Presidente da

Leia mais

II Jornadas de Museologia da Chapelaria Brincar com Património

II Jornadas de Museologia da Chapelaria Brincar com Património II Jornadas de Museologia da Chapelaria 09 e 10 de Novembro Museu da Chapelaria de S. João da Madeira Os museus são hoje espaços de intervenção pedagógica que se assumem cada vez mais como interessantes

Leia mais

E N T I D A D E P L A N O D E A C T I V I D A D E S M U N I C I P A L MUNICIPIO DE MORA DO ANO 2013

E N T I D A D E P L A N O D E A C T I V I D A D E S M U N I C I P A L MUNICIPIO DE MORA DO ANO 2013 PÁGINA : 1 1. Funções gerais 25.122,75 53.500,00 53.500,00 55.105,00 51.456,00 53.001,00 238.184,75 1.1. Serviços gerais de 12.275,53 30.500,00 30.500,00 31.415,00 27.054,00 27.866,00 129.110,53 administração

Leia mais

Objectivos. Aplicação de tecnologias com vista à revitalização turística do património histórico-cultural. Escola Superior de Turismo e Hotelaria

Objectivos. Aplicação de tecnologias com vista à revitalização turística do património histórico-cultural. Escola Superior de Turismo e Hotelaria Aplicação de tecnologias com vista à revitalização turística do património histórico-cultural Adélia Godinho César Faria Manuel Salgado Escola Superior de Turismo e Hotelaria Objectivos Estrutura 1. Património

Leia mais

TOURING CULTURAL produto estratégico para Portugal

TOURING CULTURAL produto estratégico para Portugal TOURING CULTURAL produto estratégico para Portugal O TURISMO CULTURAL HOJE 44 milhões de turistas procuram turismo cultural na Europa O património cultural aproxima civilizações e motiva a viagem A preservação

Leia mais

Politicas Municipais de Apoio à Criança

Politicas Municipais de Apoio à Criança Politicas Municipais de Apoio à Criança MUNICIPIO DA MOITA DASC / Divisão de Assuntos Sociais Projectos Dirigidos à Comunidade em Geral Bibliotecas - Biblioteca Fora d Horas - Pé Direito Juventude - Férias

Leia mais

Um projecto central na reabilitação da frente ribeirinha

Um projecto central na reabilitação da frente ribeirinha Um projecto central na reabilitação da frente ribeirinha Na frente ribeirinha de Lisboa, a poucos minutos do Parque das Nações, desenvolve-se um novo condomínio que enquadra toda a estrutura pré-existente

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALCABIDECHE ESCOLA BÁSICA 2,3 DE ALCABIDECHE Sede

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALCABIDECHE ESCOLA BÁSICA 2,3 DE ALCABIDECHE Sede AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALCABIDECHE ESCOLA BÁSICA 2,3 DE ALCABIDECHE Sede 1. Identificação DEPARTAMENTO: Pré-Escolar PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES - PROPOSTA DE ACTIVIDADES ANO LECTIVO - 2010 / 2011 Coordenador(a):

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO. Programa Viver Solidário/ Normas Página 1

NORMAS DE FUNCIONAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO. Programa Viver Solidário/ Normas Página 1 NORMAS DE FUNCIONAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO Programa Viver Solidário/ Normas Página 1 PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO NORMAS DE FUNCIONAMENTO 1.INTRODUÇÃO A prática de actividades de animação regular e sistemática,

Leia mais

Gabinete de Ação Social e Saúde Pública EU MUDO O MUNDO. SOU VOLUNTÁRIO! Banco Local de Voluntariado de Barcelos

Gabinete de Ação Social e Saúde Pública EU MUDO O MUNDO. SOU VOLUNTÁRIO! Banco Local de Voluntariado de Barcelos EU MUDO O MUNDO. SOU VOLUNTÁRIO! ENQUADRAMENTO Nos termos da alínea b) do n.º 4 do art.º 64º da Lei das Autarquias Locais, aprovado pela Lei 169/99, em 18 de Setembro e alterado pela Lei n.º 5-A/2002,

Leia mais

Ficha de Caracterização de Projecto

Ficha de Caracterização de Projecto Ficha de Caracterização de Projecto Projecto +Skillz E5G Programa Escolhas Promotor: Associação Mais Cidadania 2 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto Projecto +Skillz E5G Promotor: Associação Mais

Leia mais

ENQUADRAMENTO 2 CORPOS SOCIAIS TRIÉNIO 2007/2009 3 APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE 4 ACTIVIDADES A DESENVOLVER 2007/2008 7 ESTATUTO DE IPSS 8

ENQUADRAMENTO 2 CORPOS SOCIAIS TRIÉNIO 2007/2009 3 APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE 4 ACTIVIDADES A DESENVOLVER 2007/2008 7 ESTATUTO DE IPSS 8 ÍNDICE ENQUADRAMENTO 2 CORPOS SOCIAIS TRIÉNIO 2007/2009 3 APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE 4 ACTIVIDADES A DESENVOLVER 2007/2008 7 ESTATUTO DE IPSS 8 CASINHA DA ROUPA 9 OS RATINHOS DE REBOREDA 10 CRIAÇÃO DA COMISSÃO

Leia mais

Vila Franca de Xira Em representação do GART Grupo de Artistas e Amigos da Arte

Vila Franca de Xira Em representação do GART Grupo de Artistas e Amigos da Arte P I N T U R A 12 12 2013 22 02 2014 Vila Franca de Xira Em representação do GART Grupo de Artistas e Amigos da Arte I N F O R M A Ç Õ E S [Patente] Galeria de Exposições da Biblioteca Municipal de Vila

Leia mais

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus APRESENTAÇÃO Ao se propor a sistematização de uma política pública voltada para os museus brasileiros, a preocupação inicial do Ministério

Leia mais

Escola Sénior do Mundo Rural - 2006

Escola Sénior do Mundo Rural - 2006 Escola Sénior do Mundo Rural - 2006 A Escola Sénior do Mundo Rural (ESMR), insere-se no âmbito da actividade 6 - "Apoio ao Movimento Associativo", do projecto ParticipAR. Tendo como objectivo principal

Leia mais

1. Funções gerais 377.419,00 377.419,00 377.419,00. 1.1. Serviços gerais de 230.507,00 230.507,00 230.507,00 administração pública

1. Funções gerais 377.419,00 377.419,00 377.419,00. 1.1. Serviços gerais de 230.507,00 230.507,00 230.507,00 administração pública PÁGINA : 1 1. Funções gerais 377.419,00 377.419,00 377.419,00 1.1. Serviços gerais de 230.507,00 230.507,00 230.507,00 administração pública 1.1.1. Administracao geral 230.507,00 230.507,00 230.507,00

Leia mais

A todos os papers seleccionados pelo Review Committee para publicação na PORTUSplus será

A todos os papers seleccionados pelo Review Committee para publicação na PORTUSplus será PORTUSplus_the online Journal of RETE RETE Publisher, Venice, ISSN: 2039-6422 PORTUSplus. Call for papers 2015 A Call for papers da PORTUSplus (http://www.portusonline.org/portusplus/call-for-papers-2015)

Leia mais

E s t r u t u r a V e r d e

E s t r u t u r a V e r d e Estrutura Verde A. Introdução O conceito de Estrutura Verde insere-se numa estratégia de desenvolvimento sustentado, objecto fundamental das políticas do ordenamento do território. A Estrutura Verde é

Leia mais

MODIFICAÇÕES AO PLANO PLURIANUAL DE INVESTIMENTOS

MODIFICAÇÕES AO PLANO PLURIANUAL DE INVESTIMENTOS MODIFICAÇÕES AO PLANO PLURIANUAL DE INVESTIMENTOS Página : 1 1. FUNÇOES GERAIS 1.1. SERVIÇOS GERAIS DE ADMINISTRAÇAO PUBLICA 1.1.1. ADMINISTRAÇAO GERAL 1.1.1. 01 2002 I 1 AQUISIÇAO/REPARAÇAO DE OUTRO MATERIAL

Leia mais

Nota Introdutória Erro! Marcador não definido.

Nota Introdutória Erro! Marcador não definido. GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2015 ÍNDICE Nota Introdutória Erro! Marcador não definido. Ações Educação e Formação 2 Ação Social 3 Gestão Participada e Finanças 4 Saúde 5 Desporto 5 Juventude 6 Cultura 6 Turismo

Leia mais

Tertúlia Algarvia. Centro de Conhecimento em Cultura e Alimentação Tradicional do Algarve

Tertúlia Algarvia. Centro de Conhecimento em Cultura e Alimentação Tradicional do Algarve Tertúlia Algarvia Centro de Conhecimento em Cultura e Alimentação Tradicional do Algarve Dossier de Apresentação do Projecto Janeiro de 2008 A génese do Projecto INEXISTÊNCIA NA REGIÃO Local que permita

Leia mais

Fls. 1. Fich: EDITAL L N.º 11 - Reunião ordinária de 12 de Junho de 2008.doc

Fls. 1. Fich: EDITAL L N.º 11 - Reunião ordinária de 12 de Junho de 2008.doc Fls. 1 EDITAL ANTÓNIO MAGALHÃES, PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE GUIMARÃES, FAZ SABER, em cumprimento do disposto no art. 91º da Lei nº 169/99, de 18 de Setembro, alterada e republicada pela Lei 5-A/2002,

Leia mais

Do Diagnóstico às Propostas de Acção

Do Diagnóstico às Propostas de Acção AGENDA 21 LOCAL DE GUIMARÃES 2º Fórum de Sustentabilidade Do Diagnóstico às Propostas de Acção 29 Junho 2005 AGENDA 21 LOCAL DE GUIMARÃES O que é a AGENDA 21 LOCAL? É um Plano ÚTIL para Aumentar a QUALIDADE

Leia mais

pormenor grafismo (baseado na renda vencedora do concurso 2010)

pormenor grafismo (baseado na renda vencedora do concurso 2010) pormenor grafismo (baseado na renda vencedora do concurso 2010) Nunca foste a Peniche, Nunca viste o farol, Nunca viste as Penicheiras A fazer renda ao sol. J. Leite de Vasconcelos, Cancioneiro Popular

Leia mais

PROTOCOLO SIMPLEX AUTÁRQUICO

PROTOCOLO SIMPLEX AUTÁRQUICO CONSIDERANDO QUE: PROTOCOLO SIMPLEX AUTÁRQUICO A simplificação administrativa e a administração electrónica são hoje reconhecidas como instrumentos fundamentais para a melhoria da competitividade e da

Leia mais

ESTRATÉGIA PARA A SUSTENTABILIDADE DA CIDADE DO PORTO

ESTRATÉGIA PARA A SUSTENTABILIDADE DA CIDADE DO PORTO ESTRATÉGIA PARA A SUSTENTABILIDADE DA CIDADE DO PORTO A Estratégia para a Sustentabilidade da Cidade do Porto é um documento da responsabilidade técnica da AdEPorto - Agência de Energia do Porto elaborado

Leia mais

- INFORMAÇÃO. Agricultura Familiar e Comercialização de Proximidade

- INFORMAÇÃO. Agricultura Familiar e Comercialização de Proximidade APRESENTAÇÃO - INFORMAÇÃO Agricultura Familiar e Comercialização de Proximidade A ATAHCA organiza nos dias 10 e 11 de Outubro em Vila Verde um encontro abordando o tema Agricultura Familiar e Comercialização

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ALENQUER

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ALENQUER REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ALENQUER Preâmbulo A Lei n.º 71/98, de 3 de Novembro, regulamentada pelo Decreto Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, define as bases do enquadramento

Leia mais

MODELOS INTEGRADOS DE COMERCIALIZAÇÃO DA OFERTA: a Central de Reservas Portugal Rural

MODELOS INTEGRADOS DE COMERCIALIZAÇÃO DA OFERTA: a Central de Reservas Portugal Rural I Seminário sobre Turismo Rural e Natureza Diferenciar o Produto, Qualificar a Oferta, Internacionalizar o Sector MODELOS INTEGRADOS DE COMERCIALIZAÇÃO DA OFERTA: a Central de Reservas Portugal Rural TÂNIA

Leia mais

1.1.1. 0103/070109 04 2002 142 AQUISICAO E REPARACAO DE OUTRA 100.0 CM 2014/01/01 2014/12/31 9 5.000,00 5.000,00 5.000,00

1.1.1. 0103/070109 04 2002 142 AQUISICAO E REPARACAO DE OUTRA 100.0 CM 2014/01/01 2014/12/31 9 5.000,00 5.000,00 5.000,00 MUNICIPIO SAO DO ANO 2014 PÁGINA : 1 1. Funções gerais 114.600,00 114.600,00 114.600,00 1.1. Serviços gerais de 52.200,00 52.200,00 52.200,00 administração pública 1.1.1. Administracao geral 52.200,00

Leia mais

Plano de Acção da CSIFCPS para 2007

Plano de Acção da CSIFCPS para 2007 Plano de Acção da CSIFCPS para Ao nível dos problemas da deestruturação Familiar nas Finalidade 1: Criar uma rede de trabalho articulada de Apoio às Famílias em risco Objectivo Geral 1: Dinamização das

Leia mais

ATA Nº 01/12 Reunião Plenária do Conselho Local de Ação Social (CLAS)

ATA Nº 01/12 Reunião Plenária do Conselho Local de Ação Social (CLAS) ATA Nº 01/12 Reunião Plenária do Conselho Local de Ação Social (CLAS) Data: 26-01-2012 Local: Auditório do Edifício Cultural da Câmara Municipal de Peniche Hora de início: 21h15mn Hora do fecho: 23h30mn

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO FORMAÇÃO, EMPREGO E EMPREENDEDORISMO ATIVIDADES 2010/2011

GRUPO DE TRABALHO FORMAÇÃO, EMPREGO E EMPREENDEDORISMO ATIVIDADES 2010/2011 GRUPO DE TRABALHO FORMAÇÃO, EMPREGO E EMPREENDEDORISMO ATIVIDADES 2010/2011 1 Grupo de Trabalho Formação, Emprego e Empreendedorismo l Composição do Grupo de Trabalho Entidades envolvidas: 12 Entidade

Leia mais

Fórum de Boas Práticas

Fórum de Boas Práticas Câmara Municipal de Torres Vedras Sandra Colaço Fórum de Boas Práticas Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis 28 de Outubro de 2009 TORRES VEDRAS População -72 259(2001) Área 407 Km2 O concelho no país Na

Leia mais

Projecto. Normas de Participação

Projecto. Normas de Participação Projecto Normas de Participação PREÂMBULO Num momento em que o mundo global está cada vez mais presente na vida das crianças e jovens, consideraram os Municípios da Comunidade Intermunicipal da Lezíria

Leia mais

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às Câmara Municipal da Departamento de Educação e Desenvolvimento Sociocultural Divisão de Intervenção Social Plano Municipal contra a Violência Rede Integrada de Intervenção para a Violência na Outubro de

Leia mais

EMPREENDEDORISMO JOVEM METODOLOGIA DESCRITIVA E ORIENTADORA DE ACÇÕES PARA ENQUADRAMENTO DE INICIATIVAS DE EMPREGO LOCAL PARA JOVENS DESEMPREGADOS/AS

EMPREENDEDORISMO JOVEM METODOLOGIA DESCRITIVA E ORIENTADORA DE ACÇÕES PARA ENQUADRAMENTO DE INICIATIVAS DE EMPREGO LOCAL PARA JOVENS DESEMPREGADOS/AS 1 2 EMPREENDEDORISMO JOVEM METODOLOGIA DESCRITIVA E ORIENTADORA DE ACÇÕES PARA ENQUADRAMENTO DE INICIATIVAS DE EMPREGO LOCAL PARA JOVENS DESEMPREGADOS/AS 3 4 TÍTULO: Empreendedorismo jovem - metodologia

Leia mais

PROVERE - ZONA DOS MÁRMORES CARACTERIZAÇÃO

PROVERE - ZONA DOS MÁRMORES CARACTERIZAÇÃO PROVERE - ZONA DOS MÁRMORES CARACTERIZAÇÃO A Estratégia de Eficiência Colectiva (EEC) PROVERE Zona dos Mármores assume como foco temático o aproveitamento do recurso endógeno mármore, com uma abrangência

Leia mais

A TRANSPORTAR... 40.275,19 98.800,00 81.800,00 18.000,00 18.000,00 18.000,00 193.075,19

A TRANSPORTAR... 40.275,19 98.800,00 81.800,00 18.000,00 18.000,00 18.000,00 193.075,19 PÁGINA : 1 DESPESAS D (PREVISÃO) 1. FUNÇOES GERAIS 132.059,77 470.000,00 470.000,00 157.250,00 107.500,00 62.700,00 929.509,77 1.1. SERVIÇOS GERAIS DE 93.277,77 410.000,00 410.000,00 147.250,00 97.500,00

Leia mais

azambuja r e c u p e r a ç ã o

azambuja r e c u p e r a ç ã o azambuja P A T R I M Ó N I O m u n i c i p a l C U L T U R A L r e c u p e r a ç ã o azambuja P A T R I M Ó N I O m u n i c i p a l C U L T U R A L r e c u p e r a ç ã o M E N S A G E M fotografia Rui

Leia mais

Objectivos do Ano. Reconhecimento dos Direitos das Pessoas em Situação de Pobreza. Responsabilidade Partilhada e Participação

Objectivos do Ano. Reconhecimento dos Direitos das Pessoas em Situação de Pobreza. Responsabilidade Partilhada e Participação Objectivos do Ano Reconhecimento dos Direitos das Pessoas em Situação de Pobreza Responsabilidade Partilhada e Participação Coesão Empenho e Acções Concretas Objectivos a Nível Concelhio Objectivo 1: Sensibilização

Leia mais

Ciência na Cidade de Guimarãeswww.ciencianacidade.com

Ciência na Cidade de Guimarãeswww.ciencianacidade.com Ciência na Cidade de Guimarãeswww.ciencianacidade.com Cidade de Guimarães Faixas Etárias do Concelho 65 ou mais 24-64 anos 15-24 anos 0-14 anos 0 20000 40000 60000 80000 100000 População do Concelho 159.576

Leia mais

Índice. 1. Nota Introdutória... 1. 2. Actividades a desenvolver...2. 3. Notas Finais...5

Índice. 1. Nota Introdutória... 1. 2. Actividades a desenvolver...2. 3. Notas Finais...5 Índice Pág. 1. Nota Introdutória... 1 2. Actividades a desenvolver...2 3. Notas Finais...5 1 1. Nota Introdutória O presente documento consiste no Plano de Acção para o ano de 2011 da Rede Social do concelho

Leia mais

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Programa de da ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (ELD) 1 / 16 Programa de da 1. Caracterização Socioeconómica do Território A caracterização do território deve centrar-se em dois aspectos

Leia mais

Encontro Os Jovens e a Política

Encontro Os Jovens e a Política Encontro Os Jovens e a Política Grupo de Trabalho de Política Local 2 Recomendações às Organizações de Juventude - Promover a formação de líderes e dirigentes associativos juvenis. 3 Recomendações ao Governo

Leia mais

Plano de Acção 2010. Concelho do Marco de Canaveses. CLAS mc. Conselho Local de Acção Social do Marco de Canaveses Fevereiro de 2010

Plano de Acção 2010. Concelho do Marco de Canaveses. CLAS mc. Conselho Local de Acção Social do Marco de Canaveses Fevereiro de 2010 Plano de Acção 2010 Concelho do Marco de Canaveses 2010 2011 CLAS mc Conselho Local de Acção Social do Marco de Canaveses Fevereiro de 2010 Nível de Incidência Principais Conteúdos CONCEPÇÃO Pertinência

Leia mais

MUNICIPIO DE ILHAVO DO ANO 2010

MUNICIPIO DE ILHAVO DO ANO 2010 PÁGINA : 1 1. Funções gerais 1.851.000,00 1.851.000,00 860.000,00 280.000,00 2.991.000,00 1.1. Serviços gerais de administração pública 1.601.000,00 1.601.000,00 610.000,00 2.241.000,00 1.1.1. 1.1.1.1.

Leia mais

1ª Secção 2ª secção 3ª Secção 4ª Secção 5ª Secção 6ª Secção 7ª Secção &LrQFLDVÃÃ $UWHVÃ HÃ )LORVRILDÃÃ 3RYRVÃÃ %LRJUDILDVÃ (SRSHLDVÃ 3UREOHPDVÃ GRÃ HÃ7pFQLFDVÃ /HWUDVÃ HÃ5HOLJL}HVÃ HÃFLYLO]Do}HVÃ +XPDQDVÃ

Leia mais

PAREDES DE COURA INTRODUÇÃO

PAREDES DE COURA INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO Após a elaboração do Plano de Desenvolvimento Social, definindo as linhas orientadoras de intervenção social até ao final de 2009, procedemos agora à formulação de um Plano de Acção para esse

Leia mais

PLANO PLURIANUAL DE INVESTIMENTOS Inicial ANO FINANCEIRO DE 2010 Câmara Municipa l DATAS DAS DELIBERAÇÕES Asse mbleia Municipal Revisã o Alteração Observações: E N T I D A D E P L A N O P L U R I A N U

Leia mais

Agenda 21 Local do Concelho de Redondo. Síntese do Diagnostico do Concelho

Agenda 21 Local do Concelho de Redondo. Síntese do Diagnostico do Concelho Agenda 21 Local do Concelho de Redondo Síntese do Diagnostico do Concelho Redondo 2004 INTRODUÇÃO O presente documento constituí uma Síntese do Diagnóstico do concelho, elaborado no âmbito da Agenda 21Local

Leia mais

MARGov COLABORAR PARA PROTEGER

MARGov COLABORAR PARA PROTEGER APRESENTAÇÃO DE UM PERCURSO MARGov COLABORAR PARA PROTEGER A experiência no Parque Marinho Luiz Saldanha O projecto MARGov Governância Colaborativa de Áreas Marinhas Protegidas (http://margov.isegi.unl.pt)

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO

REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO INTRODUÇÃO A cultura Comunitária é a expressão concreta de tentar proporcionar aqueles que mais precisam a ajuda necessária para começar de novo a viver. O Centro

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2011

PLANO DE ACTIVIDADES 2011 PLANO DE 2011 ACTIVIDADES Federação Portuguesa das Associações, Centros e Clubes UNESCO Julho de 2011 FICHA TÉCNICA TÍTULO: PLANO DE ACTIVIDADES 2011 AUTOR: Federação Portuguesa das Associações, Centros

Leia mais