No Brasil, o desafio de recuperar as condições naturais favoráveis

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "No Brasil, o desafio de recuperar as condições naturais favoráveis"

Transcrição

1 Sustentabilidade José Roberto Nassar Jornalista No Brasil, o desafio de recuperar as condições naturais favoráveis Como na marchinha carnavalesca Vagalume, de meados do século passado de dia falta água, de noite falta luz, de Vitor Simon e Fernando Martins, a ameaça de escassez de água e de energia volta a atormentar os formuladores de políticas públicas e impõe desafios à vida urbana, inclusive aos construtores e proprietários de imóveis Os jovens que fizeram a primeira fase do vestibular da Fuvest, no final de novembro, em São Paulo, tiveram de pensar na água ou na escassez do insumo em meio a tantas outras preocupações que o exame lhes impõe. Uma das 90 questões da prova apresentava texto que comparava a situação atual à seca histórica de 1953, que acabou servindo de parâmetro para a formulação de novas políticas para o País. Entre as cinco alternativas propostas, a resposta certa sobre a natureza da crise era ecológica e política, posto que a reposição da água dos reservatórios depende de fatores naturais, assim como do planejamento governamental sobre o uso desse recurso. Tal como já acontecia para com o restante dos paulistanos e paulistas, entrava, assim, de chofre, em meio ao frisson emocional e cognitivo que o vestibular provoca, no dia a dia das moças e rapazes ao lado dos caminhões-pipa, da abertura individual de poços artesianos, da dança da chuva, do racionamento em algumas cidades do interior, da aflição diante do que pode vir pela frente. E do acompanhamento das providências que precisam ser tomadas, atrasadas ou não. Mas a perspectiva de escassez de água que vai impor severas mudanças nos hábitos de consumo é apenas o lado mais aparente (ou premente) de um dos impasses do mundo moderno ou do estilo de vida do mundo moderno: o meio ambiente. E nem serve como consolo o fato de que é mais grave em outros países ou regiões, como a China (no oeste) ou a Califórnia. Tal como no sistema Windows para computador, a água é uma caixinha que vai sendo colocada dentro de outra, que por sua vez é posta dentro de outra, e assim por diante. Ligam-se, de um lado, a energia, poluição, aquecimento global, carbonização, uso de petróleo e carvão, desmatamento, planejamento urbano, sistemas construtivos, projetos arquitetônicos, edifícios inteligentes; e de outro, a gestão, eficiência, reuso, redução de desperdícios e do próprio consumo, uso de fontes renováveis. Tudo está conectado (o planeta é um só, não é?) e posto dentro de uma caixa maior, que já faz algum tempo atende pelo nome um pouco desgastado pelo mau uso, embora não menos importante de sustentabilidade. Sem catastrofismos, porém: devagar, como é da natureza dessas coisas complexas, o mundo inteiro começa a se mexer, dividido ainda entre ricos (que já resolveram seus problemas básicos) e pobres, cuja prioridade é elementar: enfrentar a pobreza, promover o crescimento econômico e um mínimo de bem-estar, ainda que a dano (grande ou pequeno, nunca se sabe direito) do meio ambiente. Pois também estamos falando de responsabilidade socioambiental. Volume morto Comecemos pela água, aqui no nosso pequeno/grande recanto. São Paulo e a região metropolitana cresceram explosivamente nas últimas décadas e há muito tempo os especialistas discutem a necessidade de captar água em regiões cada vez mais distantes, a 80 ou SFI

2 quilômetros dos polos de consumo. Críticos chegam mesmo a admitir que esse planejamento foi deixado em segundo plano. O período particularmente seco que a região vive atualmente (desde 2013) veio a agravar essa situação. Em dezembro, voltou a chover, mas a chuva permanece na média histórica para o mês e claramente é preciso muito mais, mesmo que os tradicionais dilúvios de verão conturbem a vida da cidade e dos cidadãos. Os dois principais reservatórios que abastecem a cidade Cantareira (6,5 milhões de pessoas nas zonas central e oeste atualmente, 8,8 milhões antes da crise) e Alto Tietê (4,5 milhões de pessoas na zona leste) guardavam 10% ou menos de sua capacidade em meados de dezembro, já usando o volume morto. Haverá água em 2015? Ninguém sabe ou pode responder. Antes que obras de longo prazo (para 2016 ou mais) se completem ou que ações urgentes, de curto prazo, de redução de consumo, se efetivem, resta rezar pela chuva. Se chover o dobro da média atual até o fim do verão, como dizem os meteorologistas, é provável que o quadro de 2014 economia forçada se estenda. Se não, é melhor nem pensar. Até meados de dezembro, pelo menos, a chuva que cai sobre leito ressecado das represas não ensaiou sua recuperação: o efeito- -esponja do solo seco enxuga a água. Correndo contra o tempo, o governo paulista procura agir nas duas pontas: oferta e demanda. Para aumentar a oferta, vem interligando represas de bacias que servem a região e assim, emergencialmente, consegue manter Cantareira ainda viva. Além disso, numa ação de maior fôlego patrocinada pelo Supremo Tribunal Federal (STF), por iniciativa de Rodrigo Janot, procurador- -geral da República, logrou assinar um acordo tripartite para retirar água do rio Paraíba do Sul (que corta 49 municípios de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas) e trazê-la para o sistema Cantareira. O acordo foi assinado no final de novembro, na sede do STF, pelos governadores Geraldo Alckmin, Luiz Fernando Pezão (RJ) e Alberto Pinto Coelho (MG). Até 28 de fevereiro o projeto deverá estar pronto, mas a obra só se completará em Outra obra, de prazo ainda mais longo (só para o final de 2017 ou início de 2018), é a captação de água em Ibiúna (a 69 quilômetros da capital). Parceria público-privada entre a estadual Sabesp e as empreiteiras Camargo Corrêa e Andrade Gutierrez, o projeto tem financiamentos da Caixa Econômica Federal (depois de encontros entre Alckmin e a presidente Dilma) e do Banco Itaú. Só isso não bastará, porém: Benedito Braga, futuro secretário paulista de Recursos Hídricos, disse que vai ativar o plano da macrometrópole, de curto, médio e longo prazos (2050, no horizonte), que Attílio SFI - 47

3 prevê buscar água em bacias mais distantes, como as dos rios Paranapanema e Juquiá (Vale do Ribeira), no sul do Estado. Gestão da demanda Do lado da demanda, o ano eleitoral exigiu tratar da questão com cuidado. O Brasil tem água, mas ela está longe, na Amazônia, e não há como fugir de um imperativo: reduzir o consumo! providência que, aliás, vale para todas as facetas do que se chama sustentabilidade. O governo paulista, que há tempos vinha cortando o fornecimento por algumas horas de madrugada, em algumas regiões, começou a fazê-lo também durante a tarde. O caminho para deter o saque sobre Cantareira/ Alto Tietê obrigou à redução da pressão de distribuição nas redes da Sabesp. Ao lado disso, entre reprimir e incentivar, implantou bônus por redução de consumo, que poderia alcançar 30% da conta de água. Os efeitos começam a aparecer: 80% dos usuários já diminuiram o consumo, sendo que metade alcançou a meta que lhe permitiu ganhar o bônus. Mas é bom ressaltar a proposição inversa, embora óbvia: 20% nada fizeram (nos condomínios há uma indulgência para os gastões a falta de hidrômetro individual, medida que certamente não escapa à construção civil). Por isso mesmo, a cobrança pelo uso da água é ponto pacífico. Braga, o futuro secretário, um professor da USP que presidia o Conselho Mundial da Água, já havia admitido a hipótese. E no dia 18 de dezembro o governo paulista decidiu O Brasil tem água, mas ela está distante, na Amazônia, e não há como fugir ao imperativo de reduzir rapidamente o consumo, o que vale para todas as facetas do que se chama de sustentabilidade É preciso não apenas aumentar a oferta de água, mas também mudar mentalidades, tanto na ponta do consumo como dos hábitos e em todos os casos as respostas são demoradas impor multas ao usuário que aumentar o consumo. Mais do que as obras, este é o alvo dos especialistas: o conceito da gestão da demanda, ou seja, da busca de eficiência, de redução dos desperdícios. A ativista pela água Marussia Whately, do Instituto Socioambiental (ISA), uma das criadoras da Aliança pela Água, disse à Folha de S.Paulo: A cidade de Nova York vivia um dilema nos anos 1990: construir mais para trazer mais água e manter o padrão de consumo ou mudar o modelo. Fizeram as contas e decidiram trocar equipamentos (descarga e chuveiros) subsidiados nas contas de consumo. E o valor da conta diminuiu 40%. Com isso, ganharam 30 anos de água. Crítica do governo estadual (acha que a falta de água em 2015 será pior), diz que é fundamental reduzir para 20% as perdas do sistema da Sabesp, que nas suas contas alcançam 30% ( se temos só uma garrafa de água, temos de usá-la bem ). A Sabesp responde lembrando que tem um Programa de Redução de Perdas de Água, que já reduziu as perdas por vazamento a 19,7% e pretende chegar a 16% em 2020 esse índice não considera as ligações ilícitas, os gatos (mas essa é uma outra história). Gestão da demanda é um conceito que transborda da água para energia questões tão próximas quanto os reservatórios servem a uma e outra (principalmente no Brasil). Replica uma discussão por vezes ociosa entre aumentar oferta e mudar mentalidades (na ponta do consumo) ou hábitos culturais que frequentemente também têm respostas demoradas. Se não há almoço grátis, não há escolha fácil. É preciso agir nas duas frentes e, diante da urgência, nem sempre as primeiras respostas são as melhores. A pouca chuva reduziu os reservatórios das usinas. O temor de um apagão (embora não tão grave quanto o da água) e a distância dos possíveis aproveitamentos hidrelétricos (na Amazônia) estão mudando a matriz energé SFI

4 tica brasileira. Segundo estudo do Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (Cebds), apresentado aos candidatos à Presidência em agosto passado, a participação de fontes renováveis na matriz brasileira caiu de 84,5% para 79,3% de 2012 para Óleo e carvão Em lugar da hidroeletricidade, fonte limpa, um dos nossos grandes trunfos, o suprimento está crescentemente sendo oferecido pelas usinas termoelétricas, baseadas em óleo, gás natural e até carvão. Garantem o abastecimento, mas são mais caras e poluentes aumentam, portanto, a emissão de gases efeito-estufa responsáveis pelo aquecimento global. As novas hidrelétricas da Amazônia para evitar a inundação de imensas áreas, com danos ambientais e prejuízos às comunidades indígenas estão sendo construídas a fio d água e, portanto, produzem menos do que poderiam. Ficaram em segundo plano nos últimos anos as fontes alternativas, como etanol, biocombustíveis em geral, energia solar, eólica. O pré-sal ganhou prioridade, o que é compreensível do ponto de vista econômico mas a queda no preço do petróleo forma nuvens cinzentas à frente. O mesmo aconteceu com a gasolina outra poluidora, de preços represados por conta da inflação. Até mesmo a redução tarifária de 2012 nas contas de luz (que acabou provocando distorções na situação financeira das distribuidoras e começa a ser revertida) colaborou no estímulo ao consumo. Voltamos, então, ao conceito da gestão da demanda. O custo dessa opção (térmicas) é três a quatro vezes mais alto do que a hidrelétrica, além de carbonizar a matriz brasileira, escreveu o professor e ex-ministro José Goldemberg em O Estado de S. Paulo. A eficiência dos veículos automotores no Brasil é, de modo geral, 30% inferior à dos similares no exterior; algo parecido se passa com geladeiras, fogões a gás e outros utensílios, acrescentou. O que se impõe aqui é introduzir equipamentos e modelos mais eficientes, como fez a Califórnia desde 1980, conseguindo reduzir o consumo per capita de eletricidade à metade da média americana. Fontes energéticas tais como o óleo, o gás natural e até o carvão, mais caras e mais poluentes, são empregadas no lugar das fontes hídricas, que se destacam entre as limpas A entrada em cena das térmicas inevitável? ajudou a colocar uma meia-trava nos esforços brasileiros de enfrentamento do aquecimento global ou rumo a uma economia sem carbono. Esforços inegáveis: a taxa de desmatamento na Amazônia se reduziu em 70% entre 2004 e 2012, reduzindo drasticamente por conta disso as emissões de CO 2, o dióxido de carbono, ou os gases de efeito-estufa. No entanto, segundo dados do Observatório do Clima, uma rede de 35 ONGs (e parceria com a FGV), o desmatamento voltou a aumentar entre agosto de 2012 e julho de Apenas um tropeço diante da curva histórica? Espera-se que sim. Mas a verdade é que 2013 não foi um bom ano nessa área. O mesmo Observatório do Clima informou no final de novembro que o Brasil emitiu 1,57 bilhão de toneladas de carbono em 2013, quantidade 7,8% superior à emitida em 2012, apesar de a economia estar rumando para a estagnação. Os maiores responsáveis por isso foram os itens mudança no uso do solo (vale dizer, desmatamento) e energia/transportes (mais térmicas e gasolina, menos etanol). O governo contesta os dados e afirma que o estudo não leva em conta o papel compensatório, em termos de carbono, da manutenção das áreas protegidas (reservas de mais de 60 milhões de hectares). Mas os dados oficiais vão até 2012 e é preciso esperar que venham os dados de 2013 para que haja o cotejo entre ambos. Pobres e ricos aquecidos Apesar desse tropeço, o Brasil pôde continuar desempenhando um papel mais exigente nos fóruns internacionais. China, Estados Unidos, Índia (que parece não se incomodar muito com o tema) emitem gases de efeito-estufa numa proporção várias vezes maior do que o Brasil. [Nos Estados Unidos, as sequelas poluidoras do shale gas, o gás de folhelho, ainda estão por calcular]. Mas o assunto vem ganhando espaço, como se percebeu durante a primeira quinzena de dezembro, quando 195 países se reuniram em Lima, no Peru, para a conferência sobre mudança climática. Progressos começam a se verificar, ainda que lentos e formais, como SFI - 49

5 sói acontecer em negociações diplomáticas complexas como essa. Pois o dilema é atroz: países pobres e/ou remediados enfatizando o crescimento e a luta contra a pobreza, de um lado; países ricos, do alto do bem-estar conquistado há décadas (e agora ameaçado pela estagnação e por crescentes desigualdades internas), enfatizando o meio ambiente. Não há, porém, como escapar à tentativa de buscar um equilíbrio entre as duas vertentes, nem que seja, por enquanto, no plano das boas intenções. Existe uma meta fixada pelo Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC, na sigla em inglês) da Organização das Nações Unidas (ONU): evitar que o aquecimento global (cuja evidência é aceita por ampla maioria, que responsabiliza a ação humana antropogênica ) ultrapasse 2 graus centígrados em Depois de dezenas de rodadas recheadas de impasses (desde o Protocolo de Kioto nos anos 1990), começam a surgir propostas parciais e gradualíssimas, mas, enfim, propostas. A União Europeia saiu à frente: pretende reduzir em 40% a emissão de gases efeito-estufa em 2030 (sobre a base de 1990). Em meados de novembro, China e Estados Unidos fizeram um acordo aparentemente inesperado, louvável, embora menos ambicioso que o da União Europeia. Os Estados Unidos prometeram reduzir em 28% as emissões em 2025 (sobre a base de 2005; em 2050, a redução chegaria a 80%). A China, pressionada pela insuportável poluição de suas maiores cidades, pela energia baseada no carvão e pela escassez de água em grande parte do país, comprometeu-se a não aumentar as emissões a partir de Já é alguma coisa, mas não basta. A ciência quer mais. Na opinião do meteorologista brasileiro Carlos Nobre, do INPE, participante ativo das reuniões internacionais, será necessário reduzir as emissões entre 40% e 70% até 2050, zerando-a depois até 2100, para atingir a meta do IPCC. Responsabilidade diferenciada Um passo razoável, tímido que seja (daria para exigir mais?), foi dado na complicada reunião de Lima. Chegou-se a um acordo de que deve haver acordo. Os emergentes (Brasil e China à frente) e os pobres desejavam que o esforço se concentrasse sobre os países ricos, os maiores poluidores historicamente. Os ricos (John Kerry, secretário de Estado norte- -americano à frente) exigiam que todos dessem sua parcela de contribuição. Resultado: todos vão pagar, de algum modo. No texto do documento assinado na madrugada de 14 de dezembro ficou claro: primeiro, aceitou-se o princípio da responsabilidade comum, embora diferenciada ; segundo, os ricos se comprometem a ajudar os pobres provendo financiamento, capacitação, transferência de tecnologia. O como ainda está por acontecer. Os desdobramentos e a definição de pontos concretos ficaram para Até março, os países desenvolvidos deverão abrir mais informações a respeito de seus compromissos iniciais, incluindo o ano-base que servirá de referência para as emissões. Brasil (que parece pretender não ultrapassar o teto de 2 bilhões de toneladas para suas próprias emissões de carbono) e os demais países terão prazo até junho. Os avanços, se houver, serão consolidados em megarreunião prevista para Paris, em novembro de E o fundo verde, que nasceu precisamente para financiar os pobres? Até agora, arrecadou US$ 10 bilhões. Muita gente sonha com um bolo de US$ 100 bilhões até Progressos ainda que experimentais, vanguardistas ou incipientes (porque vão se disseminando apenas gradualmente, como é natural) se verificam numa outra área, que também pertence a esse imenso território ambiental: o planejamento urbano, a vida nas cidades, vale Attílio 50 - SFI

6 dizer moradias, novos materiais, água tratada, esgoto tratado, saneamento, enfim. É mais uma caixinha que compõe o grande armário da sustentabilidade. A consciência da importância disso já existe entre engenheiros, arquitetos, empresários e lideranças da construção e da incorporação imobiliária. Nas asas do boom dos últimos anos, o setor cresceu explosivamente e agora vai enfrentar um ciclo de desaceleração que, de qualquer forma, não vai interromper a expansão vai só diminuir o seu ritmo. Entre 2006 e 2013, a participação da indústria da construção civil no Produto Interno Bruto (PIB) cresceu 13%, passando de 4% para 4,6%, segundo os dados compilados pelo citado relatório do Cebds. Em valores nominais, o PIB setorial passou de R$ 96 bilhões, em 2006, a R$ 222 bilhões em A construção consome recursos naturais, gera resíduos sólidos, líquidos e gasosos e tem forte relacionamento com outros setores industriais (além de ser intensiva em trabalho, o que lhe confere grande importância social, potencializada, além de tudo, pela vasta demanda por moradias sociais). Está, portanto, no centro de um furacão que requer eficiência energética e responsabilidade na gestão. Falamos aqui, mais do que em gestão de demanda, do conceito de construção sustentável. Ele começa no projeto arquitetônico e vai até o descarte dos resíduos. Significa mais luz solar, reuso de água, busca de fontes renováveis, integração de sistemas. Em outras palavras, redução de consumo de materiais e energia, redução de resíduos, preservação do ambiente natural. Os edifícios inteligentes surgem como exemplo de que é possível obedecer a todo esse ciclo. São mais caros, claro, e isso não lhes permite um avanço mais rápido. Mas seu preço direto será pago ao longo do tempo (em economia de gastos para os usuários) quanto ao indireto, o planeta agradece. Edifícios verdes e cidades sustentáveis A tarefa da construção, afirmam suas lideranças, não é só fazer casas, mas bairros e cidades. Os edifícios verdes não vivem isolados do resto do mundo. Aliás, nada é isolado, diz o Secovi, o sindicato da habitação de São Paulo. Há dois anos, preocupado com uma Agenda 21, o Secovi encomendou à Fundação Dom Cabral trabalho a respeito. Attílio Em busca da cidade sustentável, nasceu o estudo que gerou indicadores de sustentabilidade no desenvolvimento imobiliário urbano (a serem recomendados e aproveitados pelos setores público e privado) e reproduz os grandes temas: padrões de consumo, energia, transporte, solo, água, lixo, educação, gestão. Agente fundamental para a promoção da sustentabilidade nas cidades é o indivíduo presente no setor da construção, por seu papel como planejador, construtor e, por vezes, gestor de espaços urbanos, afirma o trabalho. Daí a necessidade de suas empresas se alinharem aos princípios da sustentabilidade. Todos estão de acordo. A Organização das Nações Unidas, também. Ponto de confluência de todos os países do mundo, rege-se por um sistema decisório travado, em que o direito de veto sobrepuja os demais. É o fórum disponível. Colocou em discussão um texto-base a que denominou Novos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável Pós-2015 (texto que sucede ao dos Objetivos do Milênio). São 17 metas para 2030, no tripé econômico-socioambiental. Algumas delas: erradicar a pobreza extrema; acabar com a fome; educação inclusiva; igualdade de gênero; gestão sustentável da água e saneamento; cidades e assentamentos humanos inclusivos; mudança nos padrões de produção e consumo; energia para todos; combate à mudança climática; proteção de ecossistemas e biodiversidade. Realismos à parte, são metas generosas e louváveis. Cabe torcer. SFI - 51

Tratados internacionais sobre o meio ambiente

Tratados internacionais sobre o meio ambiente Tratados internacionais sobre o meio ambiente Conferência de Estocolmo 1972 Preservação ambiental X Crescimento econômico Desencadeou outras conferências e tratados Criou o Programa das Nações Unidas para

Leia mais

ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil. EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates

ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil. EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates QUESTÕES PARA REFLEXÃO 1 2 Qual o padrão atual da oferta de eletricidade no Brasil? Qual o padrão

Leia mais

Brasil avança, mas é quarto país mais desigual da América Latina, diz ONU

Brasil avança, mas é quarto país mais desigual da América Latina, diz ONU Brasil avança, mas é quarto país mais desigual da América Latina, diz ONU Estudo faz balanço de serviços urbanos básicos, como a gestão dos resíduos sólidos. (Foto: Reprodução) Apesar do crescimento econômico,

Leia mais

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Resenha Desenvolvimento Raíssa Daher 02 de Junho de 2010 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Leia mais

NOTA DE IMPRENSA. Embargado até 27/11/2007, às 10h (horário de Brasília) Aquecimento global vai ampliar as desigualdades na América Latina

NOTA DE IMPRENSA. Embargado até 27/11/2007, às 10h (horário de Brasília) Aquecimento global vai ampliar as desigualdades na América Latina NOTA DE IMPRENSA Embargado até 27/11/2007, às 10h (horário de Brasília) Aquecimento global vai ampliar as desigualdades na América Latina Relatório de desenvolvimento humano 2007/2008 estabelece o caminho

Leia mais

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali:

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: Briefing A Caminho de Bali Brasília, 21 de Novembro 2007 O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: O que o mundo precisa fazer para combater as mudanças climáticas As mudanças climáticas são, sem dúvida,

Leia mais

Iniciativas Futuro Verde" do Japão

Iniciativas Futuro Verde do Japão 1. Compreensão Básica Iniciativas Futuro Verde" do Japão 1. Nas condições atuais, em que o mundo está enfrentando diversos problemas, como o crescimento populacional, a urbanização desordenadas, a perda

Leia mais

IV Fórum da Terra. " Mudança Climática o Desafio do Século XXI

IV Fórum da Terra.  Mudança Climática o Desafio do Século XXI IV Fórum da Terra " Mudança Climática o Desafio do Século XXI Mariana Luz CEBRI Centro Brasileiro de Relações Internacionais Rio de Janeiro, 25 de Outubro de 2011 Economia verde como desafio global Economia

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto Capítulo 21 Meio Ambiente Global Geografia - 1ª Série O Tratado de Kyoto Acordo na Cidade de Kyoto - Japão (Dezembro 1997): Redução global de emissões de 6 Gases do Efeito Estufa em 5,2% no período de

Leia mais

Índice de 11,6% é maior do que 11,4% registrado no último dia de fevereiro. Outros 5 sistemas também subiram,mas São Paulo ainda vive crise hídrica.

Índice de 11,6% é maior do que 11,4% registrado no último dia de fevereiro. Outros 5 sistemas também subiram,mas São Paulo ainda vive crise hídrica. PROJETO ATUALIZAR 2015 TEMA SISTEMA CANTAREIRA DATA DE APLICAÇÃO 09 a 13/03/2015 PROFESSORES RESPONSÁVEIS Cristiane e Felipe 1. SUGESTÕES DE PONTOS QUE PODEM SER ABORDADOS 1.1. A importância da água 1.2.

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) Dispõe sobre a criação do Programa Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento de Compostos Orgânicos de Origem Vegetal para Redução das Emissões de Gases

Leia mais

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017)

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017) Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017) PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA JANEIRO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017)

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

Crise ambiental e saúde no planeta

Crise ambiental e saúde no planeta Crise ambiental e saúde no planeta Pensando o papel dos serviços de saúde a partir das questões da Rio+20 CESTEH-ENSP-FIOCRUZ 7 QUESTÕES CRÍTICAS NA RIO+20 1) Empregos 2) Energia 3) Cidades 4) Alimentos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 49 Discurso no encontro com grupo

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD)

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL RAQUEL ALVES DA SILVA CRUZ Rio de Janeiro, 15 de abril de 2008. TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL TERMOELÉTRICAS

Leia mais

ECONOMIA VERDE A Nova Economia Desafios e Oportunidades FACULDADE FLAMINGO

ECONOMIA VERDE A Nova Economia Desafios e Oportunidades FACULDADE FLAMINGO ECONOMIA VERDE A Nova Economia Desafios e Oportunidades FACULDADE FLAMINGO O mundo dá sinais de exaustão Mudanças Climáticas Alterações ambientais Paradoxo do consumo: Obesidade x Desnutrição Concentração

Leia mais

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade significa permanecer vivo. Somos mais de 7 bilhões de habitantes e chegaremos a 9 bilhões em 2050, segundo a ONU. O ambiente tem limites e é preciso fazer

Leia mais

A Água da Amazônia irriga o Sudeste? Reflexões para políticas públicas. Carlos Rittl Observatório do Clima Março, 2015

A Água da Amazônia irriga o Sudeste? Reflexões para políticas públicas. Carlos Rittl Observatório do Clima Março, 2015 A Água da Amazônia irriga o Sudeste? Reflexões para políticas públicas Carlos Rittl Observatório do Clima Março, 2015 servatório(do(clima( SBDIMA( (( Sociedade(Brasileira( de(direito( Internacional(do(

Leia mais

Geografia. Professor: Jonas Rocha

Geografia. Professor: Jonas Rocha Geografia Professor: Jonas Rocha Questões Ambientais Consciência Ambiental Conferências Internacionais Problemas Ambientais Consciência Ambiental Até a década de 1970 o homem acreditava que os recursos

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

Evolução Recente dos Preços dos Alimentos e Combustíveis e suas Implicações

Evolução Recente dos Preços dos Alimentos e Combustíveis e suas Implicações 1 ASSESSORIA EM FINANÇAS PÚBLICAS E ECONOMIA PSDB/ITV NOTA PARA DEBATE INTERNO (não reflete necessariamente a posição das instituições) N : 153/2008 Data: 27.08.08 Versão: 1 Tema: Título: Macroeconomia

Leia mais

Enfrentar a crise climática vai ajudar a resolver a crise financeira a perspectiva do Greenpeace

Enfrentar a crise climática vai ajudar a resolver a crise financeira a perspectiva do Greenpeace Enfrentar a crise climática vai ajudar a resolver a crise financeira a perspectiva do Greenpeace Manaus Av. Joaquim Nabuco, 2367, Centro CEP: 69020-031 Tel.: +55 92 4009-8000 Fax: +55 92 4009-8004 São

Leia mais

CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015

CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015 ATENÇÃO: ANTES DE ASSINAR ESTA CARTA, LEIA O CONTEÚDO ATÉ O FINAL E CLIQUE NO LINK. FÓRUM DE AÇÃO EMPRESARIAL PELO CLIMA CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015 O desafio da mudança do clima

Leia mais

Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos. Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos. Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos pelas mudanças climáticas Maria Teresa de Jesus Gouveia Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS O mundo inteiro discute, nos dias de hoje, a adoção de medidas globais e locais com o objetivo de diminuir ou, quem sabe, reverter o avanço dos efeitos do aquecimento global. Ações

Leia mais

Brasil: Cenário Atual

Brasil: Cenário Atual Encontro ILSI Brasil São Paulo, 10 de Dezembro de 2012 Brasil: Cenário Atual 8 milhões de quilômetros quadrados 194 milhões de habitantes 84% em cidades com crescimento desordenado 6ª maior economia mundial,

Leia mais

A Produção de Empreendimentos Sustentáveis

A Produção de Empreendimentos Sustentáveis A Produção de Empreendimentos Sustentáveis Arq. Daniela Corcuera arq@casaconsciente.com.br www.casaconsciente.com.br A construção sustentável começa a ser praticada no Brasil, ainda com alguns experimentos

Leia mais

Apague velhos. Acenda uma grande. hábitos. idéia.

Apague velhos. Acenda uma grande. hábitos. idéia. Apague velhos hábitos. Acenda uma grande idéia. Crise Energética Por que todos falam em crise energética? Porque a crise energética sul-americana deixou de ser um cenário hipotético para se transformar

Leia mais

A Sabesp STATUS: Fundada em 1973 como sociedade de (Governo do Estado de São Paulo, acionistas privados e municípios) ATRIBUIÇÕES:

A Sabesp STATUS: Fundada em 1973 como sociedade de (Governo do Estado de São Paulo, acionistas privados e municípios) ATRIBUIÇÕES: Novembro/2007 A Sabesp STATUS: Fundada em 1973 como sociedade de participação acionária (Governo do Estado de São Paulo, acionistas privados e municípios) ATRIBUIÇÕES: PATRIMÔNIO LÍQUIDO: L EMPREGADOS:

Leia mais

17 a 19 de novembro de 2008 Auditório do Clube de Engenharia Rio de Janeiro RJ

17 a 19 de novembro de 2008 Auditório do Clube de Engenharia Rio de Janeiro RJ APRESENTAÇÃO Paralela à necessidade e a previsão de investimentos do Brasil na geração de energia elétrica, que deverá destinar recursos da ordem de R$ 274,8 bilhões nos próximos quatro anos, através do

Leia mais

PARECE IGUAL... MAS, DO OUTRO LADO, É O BRASIL QUE DÁ CERTO. FICA DO OUTRO LADO DESSE ESPELHO. DESTE LADO, POUCO DINHEIRO NO BOLSO...

PARECE IGUAL... MAS, DO OUTRO LADO, É O BRASIL QUE DÁ CERTO. FICA DO OUTRO LADO DESSE ESPELHO. DESTE LADO, POUCO DINHEIRO NO BOLSO... CADÊ O BRASIL RICO? FICA DO OUTRO LADO DESSE ESPELHO. DESTE LADO, POUCO DINHEIRO NO BOLSO... PARECE IGUAL... MAS, DO OUTRO LADO, É O BRASIL QUE DÁ CERTO.... E AQUI, DINHEIRO SOBRANDO NO FIM DO MÊS. DESTE

Leia mais

AGENDA 21: Imagine... FUTURO... AGENDA 21: 1. É o principal documento da Rio-92 (Conferência ONU: Meio Ambiente e desenvolvimento Humano); 2. É a proposta mais consistente que existe de como alcançar

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA. Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA. Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros O que o brasileiro pensa sobre a conservação e o uso da água no Brasil METODOLOGIA OBJETIVO Levantar informações para subsidiar o planejamento

Leia mais

Em 20 anos, Brasil poderá gerar 280 MW de energia do lixo

Em 20 anos, Brasil poderá gerar 280 MW de energia do lixo Em 20 anos, Brasil poderá gerar 280 MW de energia do lixo Fabíola Ortiz - 28/02/13 Potencial de produção de energia vinda dos aterros pode dobrar em 20 anos, se a lei de resíduos sólidos for cumprida.

Leia mais

ENERGIA X MEIO AMBIENTE: O QUE DIZ O RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE DE FURNAS?

ENERGIA X MEIO AMBIENTE: O QUE DIZ O RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE DE FURNAS? ENERGIA X MEIO AMBIENTE: O QUE DIZ O RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE DE FURNAS? Maranhão, R.A. 1 1 PECE/POLI/USP, MBA em Gestão e Tecnologias Ambientais, Biológo e Mestre em Geografia, romeroalbuquerque@bol.com.br

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

Há que considerar 3 escalas de tempo

Há que considerar 3 escalas de tempo Há que considerar 3 escalas de tempo 1. HOJE (2001 2011) Gestão segura do SIN num cenário de geração de 2.000 MWmédios térmicos na base e mais 8.000 MWmédios térmicos complementares 2. AMANHÃ (2011 2020)

Leia mais

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios Português Resumo Executivo Esta é a segunda edição revista e ampliada da publicação: O Setor Elétrico Brasileiro e

Leia mais

COP21 Perguntas frequentes

COP21 Perguntas frequentes COP21 Perguntas frequentes Porque é que a conferência se chama COP21? A Conferência do Clima de Paris é oficialmente conhecida como a 21ª Conferência das Partes (ou COP ) da Convenção-Quadro das Nações

Leia mais

RISCOS EMERGENTES NO SETOR DE SEGUROS NO CONTEXTO DA AGENDA DE DESENVOLVIMENTO PÓS-2015

RISCOS EMERGENTES NO SETOR DE SEGUROS NO CONTEXTO DA AGENDA DE DESENVOLVIMENTO PÓS-2015 RISCOS EMERGENTES NO SETOR DE SEGUROS NO CONTEXTO DA AGENDA DE DESENVOLVIMENTO PÓS-2015 Rio+20 (2012): O Futuro que Queremos Cúpula das Nações Unidas (setembro de 2015): Agenda de Desenvolvimento Pós-2015

Leia mais

CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO

CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO Medidas estão sendo tomadas... Serão suficientes? Estaremos, nós, seres pensantes, usando nossa casa, com consciência? O Protocolo de Kioto é um acordo internacional, proposto

Leia mais

Seminário: Energia e Meio Ambiente A origem hídrica da crise de energia

Seminário: Energia e Meio Ambiente A origem hídrica da crise de energia Seminário: Energia e Meio Ambiente A origem hídrica da crise de energia José Henrique R. Cortez Câmara de Cultura José Henrique Cortez 1 Energia e Meio Ambiente Crise Energética? José Henrique Cortez 2

Leia mais

Gestão da Sustentabilidade: Políticas Publicas e Mudanças Climáticas no Estado de São Paulo

Gestão da Sustentabilidade: Políticas Publicas e Mudanças Climáticas no Estado de São Paulo Gestão da Sustentabilidade: Políticas Publicas e Mudanças Climáticas no Estado de São Paulo Fernando Rei Presidente da CETESB Sustentabilidade Conceito sistêmico relacionado com a continuidade dos aspectos

Leia mais

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Iniciativas Globais Aliança do Setor Privado para a Redução do

Leia mais

Fortaleza, junho de 2015

Fortaleza, junho de 2015 Fortaleza, junho de 2015 All About Energy 2015 Política de Energia e Mudança Climática Luiz Pinguelli Rosa Diretor da COPPE UFRJ * Secretário do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas Membro da Academia

Leia mais

Fórum de Diálogo IBAS

Fórum de Diálogo IBAS Fórum de Diálogo IBAS, e do Sul Integração SUL-SUL Fórum de Mulheres FÓRUM De DIÁLOGO IBAS, e do Sul O Fórum IBAS é uma iniciativa trilateral entre, e do Sul, desenvolvida para promover a cooperação Sul-

Leia mais

Município D 8.902 545 6,12 Município E 231.977 3.544 1,53 Município F 93.655 1.280 1,37

Município D 8.902 545 6,12 Município E 231.977 3.544 1,53 Município F 93.655 1.280 1,37 01 - Os problemas ambientais estão na ordem do dia dos debates científicos, das agendas políticas, da mídia e das relações econômicas. Até muito recentemente, ao se falar de meio ambiente, as instituições

Leia mais

2012 - Panorama Energético: Perspectivas para 2040

2012 - Panorama Energético: Perspectivas para 2040 212 - Panorama Energético: Perspectivas para Índice Fundamentos globais 2 Residencial/comercial 3 Transportes 4 Industrial 5 Geração de eletricidade 6 Emissões 7 Fornecimento e tecnologia 8 Conclusão 9

Leia mais

CAPÍTULO 15 DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

CAPÍTULO 15 DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL CAPÍTULO 15 DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. Você já parou para pensar no que significa a palavra progresso? Pois então pense: estradas, indústrias, usinas,cidades, maquinas e muito outras coisas que ainda

Leia mais

Resumo. O caminho da sustentabilidade

Resumo. O caminho da sustentabilidade Resumo O caminho da sustentabilidade Termos recorrentes em debates e pesquisas, na mídia e no mundo dos negócios da atualidade, como sustentabilidade, desenvolvimento sustentável, responsabilidade empresarial

Leia mais

Associação Brasileira de Máquinas e Equipamentos - Abimaq

Associação Brasileira de Máquinas e Equipamentos - Abimaq Associação Brasileira de Máquinas e Equipamentos - Abimaq A Indústria de Máquinas na Era da Economia Verde Perfil geral A indústria da indústria Fundação:1937- origem de um sindicato têxtil; Possui 1.500

Leia mais

SUSTENTABILIDADE EM UMA INDÚSTRIA AUTOMOTIVA

SUSTENTABILIDADE EM UMA INDÚSTRIA AUTOMOTIVA SUSTENTABILIDADE EM UMA INDÚSTRIA AUTOMOTIVA Fabíola Santos Silva 1 Márcio Santos Godinho 1 Sara Floriano 1 Vivian Alves de Lima 1 Akira Yoshinaga 2 Helio Rubens Jacintho Pereira Junior 2 RESUMO Este trabalho

Leia mais

COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS

COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS Apresentação A Companhia de Saneamento de Minas Gerais, COPASA, criada em 1963, é uma empresa vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Regional e Política

Leia mais

Trabalho, Mudanças Climáticas e as Conferências do Clima: subsídios para as negociações da UGT na COP-21 Resumo Executivo

Trabalho, Mudanças Climáticas e as Conferências do Clima: subsídios para as negociações da UGT na COP-21 Resumo Executivo Trabalho, Mudanças Climáticas e as Conferências do Clima: subsídios para as negociações da UGT na COP-21 Resumo Executivo I Informações Gerais Impactos das Mudanças Climáticas As mudanças climáticas impõem

Leia mais

O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil. Mario Lima Maio 2015

O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil. Mario Lima Maio 2015 O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil Mario Lima Maio 2015 1 A Matriz Energética no Brasil A base da matriz energética brasileira foi formada por recursos

Leia mais

O Estado de S. Paulo 26/01/2015 Previsões apontam chuva abaixo da média

O Estado de S. Paulo 26/01/2015 Previsões apontam chuva abaixo da média O Estado de S. Paulo 26/01/2015 Previsões apontam chuva abaixo da média O volume de água nos reservatórios do sistema Sudeste/Centro-Oeste terá de dobrar até abril para livrar o Brasil de um novo racionamento

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

Eficiência Energética em tempos de COP-21. Nov 2015

Eficiência Energética em tempos de COP-21. Nov 2015 Eficiência Energética em tempos de COP-21 Nov 2015 1 Schneider Electric, o especialista global em gerenciamento de energia e automação 25 bilhões receita em 2014 ~5% das receitas aplicadas em P&D ~170,000

Leia mais

Produção e consumo sustentáveis

Produção e consumo sustentáveis Produção e consumo sustentáveis Fernanda Capdeville Departamento de Produção e Consumo Sustentáveis DPCS Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental - SAIC 14 Plenária do Fórum Governamental

Leia mais

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 1 Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 Entrevistador- Como o senhor vê a economia mundial e qual o posicionamento do Brasil, após quase um ano da quebra do

Leia mais

1º SEMINÁRIO DESAFIOS DO SANEAMENTO ASSEMAE RS

1º SEMINÁRIO DESAFIOS DO SANEAMENTO ASSEMAE RS 1º SEMINÁRIO DESAFIOS DO SANEAMENTO ASSEMAE RS A sustentabilidade e a integração prática das diferentes modalidades do saneamento: água, esgoto, drenagem e resíduos sólidos Porto Alegre, 01 de dezembro

Leia mais

A SUSTENTABILIDADE NAS EMPRESAS CONTÁBEIS É POSSÍVEL?

A SUSTENTABILIDADE NAS EMPRESAS CONTÁBEIS É POSSÍVEL? A SUSTENTABILIDADE NAS EMPRESAS CONTÁBEIS É POSSÍVEL? JOSÉ HENRIQUE DOMINGUES CARNEIRO (Professor Rico) professor_rico@yahoo.com.br Fanpage: Professor RICO (48) 9969-7330 O Cenário atual das desigualdades

Leia mais

PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL

PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL SENADO FEDERAL COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL AGENDA RUMOS DA POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA 2011-2012 PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL Prof. Dr. Rex Nazaré Alves 19 de setembro de 2011

Leia mais

COP 21 INDC BRASILEIRA

COP 21 INDC BRASILEIRA COP 21 Vinte e três anos após a assinatura da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC), a 21 a Conferência das Partes (COP21), que será realizada em Paris (entre os dias 30 novembro

Leia mais

Marcio Halla marcio.halla@fgv.br

Marcio Halla marcio.halla@fgv.br Marcio Halla marcio.halla@fgv.br POLÍTICAS PARA O COMBATE ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA AMAZÔNIA Programa de Sustentabilidade Global Centro de Estudos em Sustentabilidade Fundação Getúlio Vargas Programa de

Leia mais

AULA 9. Ação pelo Ambiente

AULA 9. Ação pelo Ambiente AULA 9 Ação pelo Ambiente Roberto e o seu grupo do meio ambiente estão se preparando para a Grande Reunião que irá tratar dos problemas ambientais do planeta. Ele pede ajuda à Sofia para bolar um plano

Leia mais

I B OP E Opinião. O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água

I B OP E Opinião. O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA Águas no Brasil: A visão dos brasileiros O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água Dezembro, 2006 METODOLOGIA OBJETIVO Levantar informações para

Leia mais

Profa. Ana Luiza Veltri

Profa. Ana Luiza Veltri Profa. Ana Luiza Veltri EJA Educação de Jovens e Adultos Água de beber Como está distribuída a água no mundo? A Terra, assim como o corpo humano, é constituída por dois terços de água; Apenas 1% da quantidade

Leia mais

Práticas Verdes Para Condomínios

Práticas Verdes Para Condomínios Guia de Práticas Verdes Para Condomínios A economia que faz bem para o seu bolso e para o meio ambiente Com o objetivo de incentivar e disseminar práticas sustentáveis em condomínios, o Secovi Rio criou

Leia mais

BRICS Monitor. Especial RIO+20. Os BRICS rumo à Rio+20: África do Sul. Novembro de 2011

BRICS Monitor. Especial RIO+20. Os BRICS rumo à Rio+20: África do Sul. Novembro de 2011 BRICS Monitor Especial RIO+20 Os BRICS rumo à Rio+20: África do Sul Novembro de 2011 Núcleo de Desenvolvimento Urbano e Sustentabilidade BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisas BRICS BRICS

Leia mais

Indicadores Anefac dos países do G-20

Indicadores Anefac dos países do G-20 Indicadores Anefac dos países do G-20 O Indicador Anefac dos países do G-20 é um conjunto de resultantes de indicadores da ONU publicados pelos países: África do Sul, Alemanha, Arábia Saudita, Argentina,

Leia mais

20 de agosto de 2013. Xisto muda geopolítica da energia

20 de agosto de 2013. Xisto muda geopolítica da energia 20 de agosto de 2013 Xisto muda geopolítica da energia A "revolução do xisto" em curso nos Estados Unidos, que já despertou investimento de US$ 100 bilhões na indústria americana, vai resultar em uma nova

Leia mais

"É possível levar energia renovável para todos"

É possível levar energia renovável para todos "É possível levar energia renovável para todos" Por Daniela Chiaretti De Nairóbi, Quênia Connie Hedegaard: "Acho que quando temos uma crise global como a que estamos vivendo, é uma oportunidade excelente

Leia mais

WWDR4 Resumo histórico

WWDR4 Resumo histórico WWDR4 Resumo histórico Os recursos hídricos do planeta estão sob pressão do crescimento rápido das demandas por água e das mudanças climáticas, diz novo Relatório Mundial das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento

Leia mais

A classe média em alta

A classe média em alta 4 Reportagem Especial > ZERO HORA > QUARTA 6 AGOSTO 2008 A ascensão da família Ferreira, da zona norte de Porto Alegre, para a classe média converge com a evolução da economia brasileira nos últimos 21

Leia mais

"Água e os Desafios do. Setor Produtivo" EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO.

Água e os Desafios do. Setor Produtivo EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO. "Água e os Desafios do Setor Produtivo" EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO. DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E O PAPEL DE CADA UM É o desenvolvimento que atende às necessidades

Leia mais

As Lições da Crise Hídrica na Região Metropolitana de São Paulo João Alberto Viol

As Lições da Crise Hídrica na Região Metropolitana de São Paulo João Alberto Viol As Lições da Crise Hídrica na Região Metropolitana de São Paulo João Alberto Viol Vice Presidente de Gestão e Assuntos Institucionais Resumo Planejamento das atividades de Infraestrutura de Saneamento

Leia mais

Fundação SEADE. www.seade.gov.br

Fundação SEADE. www.seade.gov.br Outubro de 0 N o Monitoramento das metas dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio ODMs Consulte A Fundação Seade disponibilizará, anualmente, as séries históricas do conjunto de indicadores dos ODMs

Leia mais

SAÚDE E SEGURANÇA QUALIDADE DE VIDA CIPA 5 S SUSTENTABILIDADE SMS RESPONSABILIDA DE SOCIAL

SAÚDE E SEGURANÇA QUALIDADE DE VIDA CIPA 5 S SUSTENTABILIDADE SMS RESPONSABILIDA DE SOCIAL SAÚDE E SEGURANÇA QUALIDADE DE VIDA CIPA 5 S SUSTENTABILIDADE SMS RESPONSABILIDA DE SOCIAL Para REFLEXÃO Exemplo de aspectos ambientais significativos Descarga de efluentes líquidos Disposição de

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 4 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Capítulo 4 Gestão Integrada Conceito Marcos Mundiais, Tendência e Estágio Institucional

Leia mais

EFIÊNCIA DOS RECURSOS E ESTRATÉGIA ENERGIA E CLIMA

EFIÊNCIA DOS RECURSOS E ESTRATÉGIA ENERGIA E CLIMA INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite para participar neste debate e felicitar os organizadores pela importância desta iniciativa. Na minha apresentação irei falar brevemente da

Leia mais

O Estado de São Paulo, Mudanças Climáticas e Estratégias para o Desenvolvimento Sustentável

O Estado de São Paulo, Mudanças Climáticas e Estratégias para o Desenvolvimento Sustentável O Estado de São Paulo, Mudanças Climáticas e Estratégias para o Desenvolvimento Sustentável Principais pontos de abordagem: Legislação Paulista que aborda Mudanças Climáticas; Estratégias para o Desenvolvimento

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

POR UMA TI MAIS VERDE. e sustentabilidade. especial: energia

POR UMA TI MAIS VERDE. e sustentabilidade. especial: energia especial: energia e sustentabilidade POR UMA TI MAIS VERDE Depois da escalada tecnológica ocorrida nas últimas décadas, as atenções se voltam cada vez mais para os impactos ambientais do uso de TI. Duas

Leia mais

INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO

INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO Aula 8 a A Engenharia e o Meio Ambiente Parte I Edgar Aberto de Brito PRIMEIRA PARTE As questões ambientais e os problemas para a engenharia. ENGENHARIA

Leia mais

Fórum do CB27 em Natal Medidas para a redução do efeito estufa

Fórum do CB27 em Natal Medidas para a redução do efeito estufa 11 Fórum do CB27 em Natal Medidas para a redução do efeito estufa Alex Régis Ana Lúcia Araújo Assessora de Comunicação da SEMURB Considerado um dos mais participativos, desde a sua criação, o VI Encontro

Leia mais

HÁ UM ANO, O MUNDO VIVIA UMA FASE DE OTIMISMO

HÁ UM ANO, O MUNDO VIVIA UMA FASE DE OTIMISMO A economia verde Às vésperas da Conferência de Copenhague, a maior discussão global sustentabilidade desde o Protocolo de Kyoto, empresas e governos de todo o mundo têm uma certeza: quem não se adaptar

Leia mais

Os consumidores avaliarão as iniciativas de sustentabilidade das empresas

Os consumidores avaliarão as iniciativas de sustentabilidade das empresas MEDIA COVERAGE Low Carbon Technology Partnerships initiative Sao Paulo Roundtable, October 7, 2015 Os consumidores avaliarão as iniciativas de sustentabilidade das empresas Peter White, diretor do Conselho

Leia mais

Por uma Niterói mais sustentável

Por uma Niterói mais sustentável Por uma Niterói mais sustentável 11 de junho de 2015 Priscilla Grimberg Agenda I. Contexto atual e o desenvolvimento sustentável II. A participação Social e O Fórum da Agenda 21 III. Ações Coletivas IV.

Leia mais

CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER APRENDER A APRENDER FAZENDO E APRENDENDO GEOGRAFIA. Aula 18.2 Conteúdo.

CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER APRENDER A APRENDER FAZENDO E APRENDENDO GEOGRAFIA. Aula 18.2 Conteúdo. A A Aula 18.2 Conteúdo Mudanças globais 2 A A Habilidades Perceber as mudanças globais que estão ocorrendo no Brasil e no mundo. 3 A A Conferências e protocolos Preocupados com os problemas relacionados

Leia mais

GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL ESTRATÉGIAS DE GESTÃO AMBIENTAL

GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL ESTRATÉGIAS DE GESTÃO AMBIENTAL GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL GESTÃO AMBIENTAL: Planejamento. GERENCIAMENTO AMBIENTAL: Execução e Controle. GESTÃO ETAPAS: 1. Definição dos Objetivos do Planejamento = metas. 2. Inventário/ Banco de

Leia mais

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam.

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam. Conjuntura Econômica Brasileira Palestrante: José Márcio Camargo Professor e Doutor em Economia Presidente de Mesa: José Antonio Teixeira presidente da FENEP Tentarei dividir minha palestra em duas partes:

Leia mais

Curso de Desenvolvimento. sustentável.

Curso de Desenvolvimento. sustentável. 50 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 17 Curso de Desenvolvimento Sustentável Juliana Andrade Barichello 1 O objetivo deste trabalho é discorrer sobre os principais pontos das palestras proferidas sobre

Leia mais

Reflexões sobre o Quinto relatório de avaliação do IPCC constatações e complexidades Natal outubro 2015. CAROLINA DUBEUX carolina@ppe.ufrj.

Reflexões sobre o Quinto relatório de avaliação do IPCC constatações e complexidades Natal outubro 2015. CAROLINA DUBEUX carolina@ppe.ufrj. Reflexões sobre o Quinto relatório de avaliação do IPCC constatações e complexidades Natal outubro 2015 CAROLINA DUBEUX carolina@ppe.ufrj.br A mudança do clima e a economia Fonte: Adaptado de Margulis

Leia mais

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares Ciências Militares no Século XXI Situação Atual e Desafios Futuros Geopolítica dos Recursos Naturais Fontes Alternativas

Leia mais

82,5% dos brasileiros são atendidos com abastecimento de água tratada

82,5% dos brasileiros são atendidos com abastecimento de água tratada Saneamento no Brasil Definição: Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), saneamento é o controle de todos os fatores do meio físico do homem que exercem ou podem exercer efeitos nocivos sobre o bem

Leia mais

M ERCADO DE C A R. de captação de investimentos para os países em desenvolvimento.

M ERCADO DE C A R. de captação de investimentos para os países em desenvolvimento. MERCADO DE CARBONO M ERCADO DE C A R O mercado de carbono representa uma alternativa para os países que têm a obrigação de reduzir suas emissões de gases causadores do efeito estufa e uma oportunidade

Leia mais

ENERGIA AGENDA ATUAL. Seminário BRASIL E OS TEMAS GLOBAIS. Adilson de Oliveira

ENERGIA AGENDA ATUAL. Seminário BRASIL E OS TEMAS GLOBAIS. Adilson de Oliveira ENERGIA AGENDA ATUAL Seminário BRASIL E OS TEMAS GLOBAIS Adilson de Oliveira adilson@ie.ufrj.br REVOLUÇÃO INDUSTRIAL 1. Revolução energética Independência das disponibilidades locais de energia Uso intensivo

Leia mais

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015 Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. A Economia Brasileira Atual 2.1. Desempenho Recente

Leia mais