PLATAFORMA PARA MONITORAMENTO REMOTO DE SISTEMAS DE MANUFATURA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLATAFORMA PARA MONITORAMENTO REMOTO DE SISTEMAS DE MANUFATURA"

Transcrição

1 Anaisdo13OEncontrodeIniciaçãoCientíficaePós GraduaçãodoITA XIIIENCITA/2007 InstitutoTecnológicodeAeronáutica,SãoJosédosCampos,SP,Brasil,Outubro,01a04,2007. PLATAFORMAPARAMONITORAMENTOREMOTODESISTEMASDE MANUFATURA EmilYoshigaeNakao ITA I nstitutotecnológicodeaeronáutica.praçamarechaleduardogomes,50,viladasacácias SãoJosédosCampos SP BolsistaPIBIC CNPq CarlosEduardoOliveiraSilva ITA I nstitutotecnológicodeaeronáutica.praçamarechaleduardogomes,50,viladasacácias SãoJosédosCampos SP PedroPauloGomesDominguesdeOliveiraSantos ITA I nstitutotecnológicodeaeronáutica.praçamarechaleduardogomes,50,viladasacácias SãoJosédosCampos SP EmíliaVillani ITA I nstitutotecnológicodeaeronáutica.praçamarechaleduardogomes,50,viladasacácias SãoJosédosCampos SP Resumo. Monitoramentoremotopode serentendido como o processo deaquisiçãode dados deumsistema esua transmissão em tempo real por um meio de comunicação a um local geograficamente distinto. Entre as diversas aplicações de monitoramento remoto está o monitoramento de processos de manufatura. O CCM ( Centro de CompetênciaemManufatura ),noita,desenvolveuduasfrentesdepesquisaprincipaisnaárea:odesenvolvimentode softwarecustomizadoparamonitoramentoremotoeaanálisedeaplicativosdisponíveiscomercialmente.estetrabalho abordaaprimeirafrentedepesquisa,eapresentaasoluçãoadotadaparaomonitoramentoremotodamáquinacncdo laboratório.asoluçãoécompostadeumprogramacliente,queéexecutadoemumcomputadorremoto,eumprograma servidor, responsável pela coleta de dados em si, funcionando no computador local. Dentre as funcionalidades oferecidasestãoatransmissãodevídeoededadosobtidosdamáquinacnc,arespeitodoprocessodeusinagemem curso.essasfuncionalidadesforamtestadasindividualmente,edepoisreunidasemumaplicativofinal. Palavraschave:monitoramentoremoto,processodemanufatura 1.Introdução Noatualcenáriomundial,aindústriademanufaturaenfrentadesafiossemprecedentes,resultantesdeummercado globalcadavezmaiscompetitivo(lee,2003).ainterneteoprocessode e business aumentaramavelocidadenos processosdenegócioepermitiramqueempresasabandonassemaabordagemtradicionaldeaplicaroconceitode integraçãorestritamenteaseusequipamentosnochãodefábrica,emdetrimentodeumanovavisão,maisampla,que abrangetodoociclodevidadoprodutoeacadeiadesuprimento. AcooperaçãoproporcionadapelaInternetéconsiderada bi dimensional,nosentidoqueabrangenãoapenasa integraçãohorizontalentreentidadesequivalentes,comotambémaintegraçãoverticalaolongodetodaacadeiade suprimento (fornecedores, unidades de manufatura, distribuidores e assistência técnica) (Hao et al., 2005). Como resultadodestacooperação,tem sesistemasdemanufaturamaiságeiseflexíveis,comcapacidadedegerarrespostas rápidasemambientesdistribuídos. Alémdisso,aglobalizaçãodasúltimasdécadasimpulsionouadistribuiçãogeográficadeempresas,indústriase equipesdetrabalho.umresultadodestaglobalizaçãoéacrescentenecessidadedeaplicaçõesquesebeneficiamdo acessoadiversosequipamentoslocalizadosemlugaresgeograficamentedistintos:indústriasantescentralizadasem umaúnicaplanta,hojeseencontramespalhadaspordiversascidades,paísesecontinentes. Estesfatoresresultaramemumanecessidadesemprecrescentedetrocadeinformaçõesreferenteaatividades interdependentes. Exemplos são informações relativas ao desenvolvimento de projetos em conjunto, informações referentesapeçasemprodução,entreoutras.arespostaparaestanecessidadeestánoconceitodee manufacturing,que utilizaa Internet comomeioeficiente erápidoparaoacessoremotoadados,com objetivode integrartodos os elementosdoprocessoprodutivo. UsuáriosdeprogramasbaseadosemInternetpodemsecomunicar,trocandoinformaçõeseprocessostípicosde tecnologiaatravésdeumaestruturaderedebaseadanoprotocolotcp/ip.atravésdoconceitode e manufacturing obtém seumanovapossibilidadedeaproveitamentodestaestruturadentrodosistemademanufatura(adamczyketal.,

2 AnaisdoXIIIENCITA2007,ITA,Outubro,01 04,2007, 2003),oqueinclui,porexemplo,aexecuçãodeprocessosedisponibilizaçãoremotaderesultadosemtempo realpara observação,acompanhamentooumanipulação(yeungetal.,2003). Dentro doconceitode e manufacturing,o monitoramento remoto deprocessos de manufatura é ofoco deste trabalho.atravésdomonitoramentodochãodefábricaépossívelpreveravariaçãododesempenhodosistema,oque podeserutilizadoparare escalonamentodinâmicodaproduçãoeoperaçõesdemanutenção,alémdasincronizaçãocom atividades dos níveis organizacionais superiores da empresa (Lee, 2003). Além disso, a integração proporciona flexibilidadedeconfiguraçãodosistemademanufatura.porexemplo,umchãodefábricacaracterizadopelafabricação degrandevariedadedeprodutosdelotespequenosrequerumcontroledinâmicoemonitoramentoemtemporealcapaz deadaptar searápidasmudançasdecapacidadedeproduçãoefuncionalidade. Do ponto de vista de software, o monitoramento remoto pode ser implementado através de programas computacionais dedicados ou simplesmente explorando os recursos disponíveis gratuitamente nos chamados navegadores. Dopontodevistadehardware,énecessárioaobtençãoedisponibilizaçãodeinformaçõesdosprocessosem execução.numfuturopróximo,controladoresdecomandonuméricocomputadorizado(cnc),sensoreseatuadores, entreoutrosequipamentos,serãodotadosdeprocessadoresembarcadoscomrecursosdotipoplug and playflexíveiso suficienteparaproporcionarumaintegraçãoimediata.todavia,estaaindanãoéarealidade.umanovacapacitaçãode tecnologiaéurgentementerequeridaparaincorporaràsmáquinascnctradicionaisacapacidadedemonitoramento remoto(wanget al.,2004).particularmente,emsistemas demanufaturadepequenoporte,ondefluiumamenor produção,ocustodeincorporaçãoderecursosdee manufacturingpodeserumfatorlimitante.obaixocustoéportanto umrequisitonecessáriodassoluçõespropostas(kimuraandkanda,2005). Deumaformageral,aimportânciadodesenvolvimentodesistemasdemonitoramentoremotoviaInternet,vêm sendoindicadapordiversostrabalhosnãoapenasnoambienteacadêmico,mastambématravésdesoluçõesindustriais (Wanget al, 2001;Yeung andhuang, 2003).Nesse contexto, oobjetivo deste trabalhoé aplicar este conceitoao laboratórioccm(centrodecompetênciademanufatura)doita(institutotecnológicodeaeronáutica),atravésdo projetoeimplementaçãodeumsistemademonitoramentoremotodeumamáquinacnc.dadoocunhoacadêmico, educacionaledepesquisadainstituição,entreaspossíveisaplicações,destaca seoe learning,oueducaçãoàdistância, temaquevemrecebendodestacadaatenção,além dafacilitaçãodaaquisiçãodosdadosdeexperimentos quesão executadosduranteaspesquisasdesenvolvidasnolaboratório. EstetrabalhofoidesenvolvidocomopartedoProgramaTIDIA/KyaTera(TIDIA KyaTera,2007),quetemcomo objetivoconectarlaboratóriosdepesquisaatravésdeumarededefibraóticadealtavelocidade.aredetidia/kyatera deveser usada comoplataformade testeparapesquisas em diferentes áreas,incluindomonitoramentoremotode sistemasdemanufatura. 2.Arquiteturadosistemademonitoramentoremoto Osistemademonitoramentoremotopropostodestina seaprocessarinformaçõesdamáquina ferramentacnc HermleC600UdoCCM,ITA().EssamáquinautilizaatecnologiaHSM(HighSpeedMachine)atravésdoCNC SiemensmodeloSinumerik840D,quecontrolaoscincoeixosdamáquina(X,Y,Z,AeC),alémdoeixo árvore(figura 2)emagazinedeferramentas. Figura1.MáquinaHermleC600U.

3 AnaisdoXIIIENCITA2007,ITA,Outubro,01 04,2007, Figura2.Eixosdamáquina. Oobjetivodosistemademonitoramentoremotoérealizaraaquisiçãodedadosdeprocessosemexecuçãona máquinaeadisponibilizaçãoremotadestesdados. Pararealizaraaquisiçãodedados,énecessárioentenderondeecomoérealizadooprocessamentoetransmissão dedadosdentrodamáquina.amáquinaemquestãoutilizaumarededecomunicaçãoserialproprietáriadasiemens, denominadampi.essaredeinterligaosdiversoscomponentesdamáquina,comoihm(interfacehomem Máquina), teclado,cnc(comandonuméricocomputadorizado),clp(controladorlógicoprogramável),etc.osistemade aquisiçãodeve,portanto,utilizaromesmotipodecomunicação.alémdisso,eledeveaindaestarconectadoaum computadorlocalquerealizaadisponibilizaçãodosdadosparainternet.nocasodocomputadorlocal,aconexãodo tipopciéamplamenteutilizada.apartirdestasduasrestriçõesadota secomosoluçãoparaohardwaredosistemade aquisiçãodedadosaplacapcidamarcasiemens,modelocp5611. Osdadosaseremmonitoradossão:posiçãodoseixosdamáquina,velocidadedoseixosdamáquina,eimagemda áreadetrabalho.osdoisprimeirostiposdedadossãocoletadospelaplacacp5611,conectadaàredempi,jáparaa imageméinstaladajuntoàmáquinaumawebcam. AFigura3ilustraaarquiteturautilizadanosistemadeaquisiçãodedados.Atravésdaprogramaçãodamáquina CNC,atarefadeusinageméexecutada,gerandoosmovimentosdoseixosdamáquina.Esteprocessoécontroladoe monitoradopelocnc/clp,quedisponibilizaosdadosdesejadosàplacacp5611,queporsuavezosdisponibilizaao computadorlocal. Figura3.Arquiteturadosistemadeaquisição. AaquisiçãodedadosdamáquinasomenteépossívelporqueoCNCutilizaumsistemadearquiteturaaberta,que permitequeosdadosdecnceclp(atémesmodadoson line)possamseracessadoseatémodificados(esteúltimo comalgumaslimitaçõesporquestãodesegurança)porprogramasaplicativos,atravésdebibliotecasdll(dynamic LinkingLibraries).Esteprocedimentoéilustradona. Figura4.Fluxodedadosnamáquina. Osdadostransmitidosaocomputadorlocalsãodisponibilizadosremotamenteatravésdeaplicativosdedicados.O computadorlocaléchamadodeservidor,poiscontémoaplicativoquerecebeosdadosdamáquinaeenviaparaa Internet(ProgramaServidor),disponibilizando osparaqualquerlugardomundo,atravésdoservidordeinternetlocal.

4 AnaisdoXIIIENCITA2007,ITA,Outubro,01 04,2007, Ocomputadorquerecebeosdadosremotamenteéchamadocliente,e,deacordocomaarquiteturaadotada,também deveconterumaplicativodedicado(programacliente)paraprocessamentoevisualizaçãodosdadosrecebidos.este sistemaéilustradona. Figura5.Arquiteturadosistemademonitoramentoremoto. Os dadostransmitidospelaplacacp5611devemestaremumformatoadequadoparaoprocessamentopelos programasaplicativosdosistema(programasservidorecliente).comestafinalidadeutiliza seoprotocolodde (DynamicDataExchange),queéumprotocolopadrãodetrocadedadosentreaplicaçõesWindows. ODDEéum protocolorelativamentelento,desenvolvidoparatrabalharemsistemastand alone,eposteriormentemodificadopara aplicaçõesemrede(netdde),possuindoaindavariaçõescomofastddeeadvanceddde. ParaqueosdadosdamáquinaCNCpossamserconvertidosemformatodoprotocoloDDE,énecessárioutilizar umconversornc DDE.EsteaplicativoéexecutadonoservidorjuntamentecomoProgramaServidor.Ailustraofluxo dedadosnocomputadorlocal. Figura6.Fluxodedadosnocomputadorlocal. Umavezqueosdadosdamáquinaestãodisponíveisnoformatoadequadoparaalivreutilizaçãoosmesmossão utilizadospelosprogramasservidorecliente.odesenvolvimentodestesprogramaséapresentadonapróximaseção. 3.Desenvolvimentodeaplicativodedicadoparamonitoramentoremoto Odesenvolvimentodeumaplicativodedicadoparamonitoramentoremotopodeserorganizadonasseguintes etapas: 1)Especificaçãodosrequisitos 2)Definiçãodaarquiteturadosistema 3)Familiarizaçãocomastecnologiasnecessárias 4)Elaboraçãodoaplicativo 5)ExecuçãodeTestes 3.1.Etapa1:Especificaçãodosrequisitos Estaetapaconsisteemdefinirosrecursosqueserãoincorporadosàplataformademonitoramentoremoto.Nocaso damáquinahermledoccm,sãoespecificadososseguintesrecursos: a)recursosdemanipulaçãodevídeoeimagem:osistemadevepermitirvisualizarremotamenteoprocessoatravésda transmissão da imagem captada por uma webcam via Internet. Deve ainda permitir gravar e visualizar vídeos e imagens. b) Recursosparavisualizaçãoemtemporealdevariáveisdoprocesso: visualização dovalor de uma variável do processoeconstruçãodegráficoscomevoluçãoaolongodotempo.

5 AnaisdoXIIIENCITA2007,ITA,Outubro,01 04,2007, c) Recursos de banco de dados: criação e manipulação de tabelas de dados e gráficos referentes a processos de usinagem. d)recursosdecomunicaçãoentreusuáriolocaleremoto:implementaçãodeumambientedotipo chat,paratrocade mensagensentreousuáriodocomputadorlocaleousuáriodocomputadorremoto. 3.2.Etapa2:Definiçãodaarquiteturadosistema Baseando senaestruturadosistemaenosrecursoseequipamentosdisponíveisparaaquisiçãodedados,édefinida aarquiteturadosistemaaserimplementado.nocasodosistemademonitoramentoremotodamáquinahermle,esta arquiteturaéadescritanaseção Etapa3:Familiarizaçãocomastecnologiasnecessárias Antesdaelaboraçãodoaplicativo,érecomendávelafamiliarizaçãocomastecnologiasaseremutilizadaspara implementação dos requisitos especificados na Etapa 1. No caso do sistema aqui apresentado esta familiarização constituiu sedasseguintesatividades: Estudodaslinguagensdeprogramaçãoutilizadas(CeC++); FamiliarizaçãocomoambientededesenvolvimentoBorlandC++Builder6; Pesquisa e desenvolvimento de programas de teste referentes à captura de vídeo com uma webcam e sua transmissãopelainternet; PesquisaedesenvolvimentodeprogramasdetestesobreopadrãodecomunicaçãoDDE,utilizadopeloservidor NC DDE,paraacessoaosdadoscoletadospelaplacaCP5611; Pesquisaedesenvolvimentodeprogramasdetestesobreatransmissãodemensagensdetexto; Pesquisaedesenvolvimentodosuportenecessárioparaaimplementaçãodobancodedados.Forampesquisados diversossistemasdearmazenamentoeacessoaosdadoscomoobjetivodeencontraromaisadequadoparaofim proposto.osistemaadotadoéobde(borlanddatabaseengine)umavezqueoprogramafoidesenvolvidono próprioborlandbuilder,oquefacilitaoacessoaosdados.asinformaçõessãoarmazenadasemtabelasparadox, convenientesparaguardarosdadosemquestão,alémdefazê lodeformaordenada(importanteparaaexibiçãode vídeo).aapresentaaestruturadobancodedados. Figura7.Estruturadobancodedados. 3.4.Etapa4:Elaboraçãodoaplicativo OdesenvolvimentodoprogramafoirealizadonoambientededesenvolvimentoBorlandC++Builder6.Este ambientepossuicomovantagensafacilidadedeconstruçãodeinterfacesgráficasamigáveiseagrandedisponibilidade decomponentesprontosparaimplementaçãodediversasfuncionalidades,comoporexemploatransmissãodedados porsockets. AlémdoBorlandC++,oprojetoincluiutambémodesenvolvimentodeummóduloemVisualBasic6,responsável porrealizaracomunicaçãocomaplacacp5611edisponibilizarosdadoscoletadosviadde.aadoçãodovisualbasic édevidaàmaiordisponibilidadedefunçõesnestaplataformaparaprogramaçãonopadrãodde.destaforma,ao inicializaroaplicativosãoexecutadosinternamentedoisprogramasadicionais.oprimeiroéopróprionc DDE,que coletaosdadosdaplaca.osegundoagecomoumacamadaintermediária,sendoresponsávelpordisponibilizaros dadosdemodoaserpossívelaoaplicativoobteredisponibilizarosdadosadequadamente.essessãoenviadosao computadorremotoviasockets.paraapartedebasededadosfoiutilizadoaindaoborlanddatabasedesktop. ConformedescritonaSeção2,oaplicativoécompostopeloProgramaServidorepeloProgramaCliente. Atentandoaosquesitosflexibilidadedeusoefácilacessoàsinformaçõesdesejadas,oProgramaClienteconstitui sede umainterfaceprincipal,comovídeodoprocessodeusinagemealgumasinformaçõesacercadoprocessoobtidasda

6 AnaisdoXIIIENCITA2007,ITA,Outubro,01 04,2007, máquina.sãotambémdisponibilizadasfunçõesparacapturadeframes,vídeoecomunicaçãopormensagemdetexto, alémdegráficosdasvariáveisdesejadas,emfunçãodotempooudeoutrosparâmetrosconfiguráveis. Janelassecundáriassãousadasparaconfiguraçãodoprogramaefornecimentodeoutrasinformações.OPrograma Servidorinclui,alémdasfuncionalidadesdoProgramaCliente,umapréviadovídeoqueserávisualizadopelocliente, implementadaporsucessivastransmissõesdequadros. A Janelas secundárias são usadas para configuração do programa e fornecimento de outras informações. O ProgramaServidorinclui,alémdasfuncionalidadesdoProgramaCliente,umapréviadovídeoqueserávisualizado pelocliente,implementadaporsucessivastransmissõesdequadros.ilustraainterfaceprincipaldoprogramaservidor,e afig.8,adocliente. Alémdainterfaceprincipalexistetambémumajaneladeopções,naqualsãoespecificadoso hardwareutilizado paraacapturadevídeoeoendereçoipdocomputadorcomoqualéfeitaacomunicação.osrecursosimplementados incluemtambémumvisualizadordefotostiradasdoprocessodeusinagem,eumvisualizadordevídeosgravados. Alémdisso,permiteconstruirgráficosdosdadoscoletados,comoporexemploevoluçãonotempodavelocidadede rotaçãodaferramenta. Figura8.InterfacedoProgramaServidor.

7 AnaisdoXIIIENCITA2007,ITA,Outubro,01 04,2007, Figura8.InterfacedoProgramaCliente. Noqueserefereaobancodedados,oaplicativopermiteumsofisticadocontrolesobreastabelas,podendo,além demanipulaçõesconvencionais,criartabelaspersonalizadasdeacordocomasnecessidadesdecadaprocesso.esta configuraçãopodeserrealizadaacadanovoprocessodeusinagem.tambémépossívelvisualizartabelasgeradaspor outrosprogramasquesejamcompatíveiscomosistemadetabelasparadox. 3.5.Etapa5:Testes Asdiversasfuncionalidadesdoaplicativoforamtestadasinicialmentedeformaisolada.Numasegundaetapa foramrealizadostestesintegradosdosdiversosmódulosdoaplicativo. Aseqüênciadetestesrealizadosfoi: Testedovídeo:consistiunacapturadevídeodeuma webcam etransmissãodevídeopelainternet,utilizando sockets.cadaframecapturadopelacâmeraétransmitidoporumasequênciadeblocosdeinformação,que,caso nãohajaerronatransmissão,sãoreunidosnoprogramaclienteparaformaraimagem.oservidorenviaumsinala cada início de frame, para orientar o cliente na composição dos frames. Neste caso foi possível verificar o desempenho do sistema quanto a atrasos de tempo na transmissão e problemas relacionados ao bloqueio momentâneodaimagem. Testedochat:consistiunoenviodemensagensdetextoporsockets. Testedacomunicaçãoaplicativo máquina:foidivididaemdiversasetapas.inicialmentefoitestadaacomunicação doaplicativoemdesenvolvimentocomomicrosoftexcel, comoobjetivoverificarasrotinasdde.foram também analisadas as rotinas para construção de gráficos. Em seguida testou se a comunicação aplicativo NCDDE. Testedobancodedados:primeiramenteutilizou seodatabasedesktopparaconstruçãomanualdetabelasaserem lidaspeloaplicativo.emseguidatestou seacriaçãoautomáticadetabelassemodatabasedesktop.finalmente, foramfeitostestesdamanipulaçãodedados,incluindoaconstruçãodosgráficos.

8 AnaisdoXIIIENCITA2007,ITA,Outubro,01 04,2007, 4.Conclusão Este artigo discute o conceito de e manufacturing e apresenta o desenvolvimento de um aplicativo para monitoramento remoto de processos de manufatura. Além da transmissão de dados do processo, o aplicativo desenvolvidoapresentarecursosparatransmissãodevídeo,manipulaçãodebancodedadoseconstruçãodegráficos. A solução proposta pode ser utilizada para o acompanhamento remoto de experimentos assim como para finalidadesdidáticas. Oaplicativodesenvolvidoéparcialmenteindependentedatecnologiadamáquina.Enquantoqueacomunicação comamáquinacnc,nestecasorealizadapelaplacacp5611,éumasoluçãoespecíficaparaocontrolesiemens,o restantedaarquiteturaespecificadaeoaplicativodesenvolvidopodemserutilizadosemqualquersistema.nestecaso,o únicorequisitoéodesenvolvimentodoconversornc DDEparaofornecimentodosdadosnopadrãousadopelo aplicativo. Algunsdostestesdefuncionalidadesforamrealizadosexaustivamenteatéobteremêxito;astransmissõesdevídeo ededadosdamáquina ferramentaparaoaplicativopodemsercitadoscomoexemplo.quantoàslimitaçõesdoprojeto, pode secitarafaltadeumabaseteóricainicial embasededados eengenhariadesoftware,oqueaperfeiçoaria consideravelmenteoprojeto. 5.Agradecimentos Osautoresagradecemoapoiofinanceirodasseguintesentidades:FAPESP,CNPqeCAPES. 6.Referências Adamczyk,Z.,Jonczyk,D.,Kociolek,K.(2003). AnewapproachtoaCAD/CAMsystemasapartofdistributed environment,journalofmaterialsprocessingtechnology133(2003):7 12. Hao,Q.,Shen,W.,Wang,L.(2005). Towardsacooperativedistributedmanufacturingmanagementframework, ComputersinIndustry56(2005): Kimura,T.,Kanda,Y.(2005) Developmentofaremotemonitoringsystemforamanufacturingsupportsystemfor smallandmedium sizedenterprises,computerinindustry56(2005):3 12. Lee, J. (2003). E manufacturing f undamental, tools, and transformation, Robotics and Computer Integrated Manufacturing,19(2003): TIDIA KyaTera(2007).AdvancedInternetProgram,FAPESP,Brasil. 06/07). Wang,C,etal. ImplementationofremoterobotmanufacturingoverInternet.ComputersinIndustry45(2001): Wang, L., Orban, P., Cunningham, A., Lang, S. (2004) Remote real time CNC machining for web based manufacturing,roboticsandcomputer IntegratedManufacturing20(2004): Yeung,K.,Huang,J.(2003). Developmentofaremote acceslaboratory:adcmotorcontrolexperiment.computers inindustry52(2003):

MONITORAMENTO REMOTO DE PROCESSOS DE USINAGEM UTILIZANDO TECNOLOGIA STREAMING PARA ENVIO DE ÁUDIO E VÍDEO ATRAVÉS DA INTERNET

MONITORAMENTO REMOTO DE PROCESSOS DE USINAGEM UTILIZANDO TECNOLOGIA STREAMING PARA ENVIO DE ÁUDIO E VÍDEO ATRAVÉS DA INTERNET XIV CONGRESSO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA MECÂNICA Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Mecânica MONITORAMENTO REMOTO DE PROCESSOS DE USINAGEM UTILIZANDO TECNOLOGIA STREAMING

Leia mais

COMANDO REMOTO DE ROBÔS INDUSTRIAIS

COMANDO REMOTO DE ROBÔS INDUSTRIAIS Anais do 14 O Encontro de Iniciação Científica e Pós-Graduação do ITA XIV ENCITA / 2008 Instituto Tecnológico de Aeronáutica São José dos Campos SP Brasil Outubro 20 a 23 2008. COMANDO REMOTO DE ROBÔS

Leia mais

16 Congresso de Iniciação Científica DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA PARA MONITORAMENTO DE DADOS EM HSM (HIGH SPEED MACHINING)

16 Congresso de Iniciação Científica DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA PARA MONITORAMENTO DE DADOS EM HSM (HIGH SPEED MACHINING) 16 Congresso de Iniciação Científica DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA PARA MONITORAMENTO DE DADOS EM HSM (HIGH SPEED MACHINING) Autor(es) OLIVEIRO LEUTWILER NETO Orientador(es) KLAUS SCHüTZER Apoio Financeiro

Leia mais

15 Computador, projeto e manufatura

15 Computador, projeto e manufatura A U A UL LA Computador, projeto e manufatura Um problema Depois de pronto o desenho de uma peça ou objeto, de que maneira ele é utilizado na fabricação? Parte da resposta está na Aula 2, que aborda as

Leia mais

Capítulo 5 INTERNET E NOVAS TECNOLOGIAS

Capítulo 5 INTERNET E NOVAS TECNOLOGIAS Capítulo 5 INTERNET E NOVAS TECNOLOGIAS 5.1 - GEOPROCESSAMENTO E INTERNET...2 5.2 - BIBLIOTECAS DIGITAIS...4 5.2.1 - Introdução...4 5.2.2 - Natureza dos Dados Geográficos...4 5.2.3 - Apresentação dos Dados...5

Leia mais

Tecnologias CAx na Manufatura. Valter Vander de Oliveira Disciplina: Sistemas Industriais

Tecnologias CAx na Manufatura. Valter Vander de Oliveira Disciplina: Sistemas Industriais Tecnologias CAx na Manufatura Valter Vander de Oliveira Disciplina: Sistemas Industriais Tecnologias CAx Conteúdo: Conceito de tecnologia CAx Evolução das tecnologias CAx Sistemas CAD/CAE/CAPP/CAM/CAI

Leia mais

FLUXO DE CAIXA: Módulo BI (Business Intelligence)

FLUXO DE CAIXA: Módulo BI (Business Intelligence) RELATÓRIO DE ESTÁGIO: Tânia Cristina Leite RA: 046567 Orientador: Prof. Dr. Aurelio Ribeiro Leite de Oliveira FLUXO DE CAIXA: Módulo BI (Business Intelligence) Universidade Estadual de Campinas Instituto

Leia mais

CAPTURA SINCRONIZADA DE VÍDEO NO ENSINO DE CIÊNCIAS

CAPTURA SINCRONIZADA DE VÍDEO NO ENSINO DE CIÊNCIAS CAPTURA SINCRONIZADA DE VÍDEO NO ENSINO DE CIÊNCIAS INTRODUÇÃO A imagem e o áudio têm ocupado cada vez mais espaço na constituição e expressão do conhecimento humano, seja no âmbito da informação, do entretenimento

Leia mais

Gestão de TI. Aula 10 - Prof. Bruno Moreno 30/06/2011

Gestão de TI. Aula 10 - Prof. Bruno Moreno 30/06/2011 Gestão de TI Aula 10 - Prof. Bruno Moreno 30/06/2011 Aula passada... Gestão do Conhecimento 08:46 2 Aula de Hoje... BI Apresentação do artigo IT doesn t matter Debate 08:48 3 Caso da Toyota Toyota Motor

Leia mais

PROTÓTIPO DE UM SISTEMA DE MONITORAÇÃO UTILIZANDO CIRCUITO FECHADO DE TELEVISÃO (CFTV)

PROTÓTIPO DE UM SISTEMA DE MONITORAÇÃO UTILIZANDO CIRCUITO FECHADO DE TELEVISÃO (CFTV) UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROTÓTIPO DE UM SISTEMA DE MONITORAÇÃO UTILIZANDO CIRCUITO FECHADO DE TELEVISÃO (CFTV) EDERSON JOSÉ PROF. DALTON SOLANO DOS REIS, Orientador

Leia mais

Sistema de Localização, Controle e Monitoramento Veicular. Uma parceria de sucesso!

Sistema de Localização, Controle e Monitoramento Veicular. Uma parceria de sucesso! Sistema de Localização, Controle e Monitoramento Veicular Location Based System Monitoramento 24 Horas www.portpac.com.br +55 (16) 3942 4053 Uma parceria de sucesso! SeG Sistemas de Controle Ltda ME CNPJ:

Leia mais

Simplificando a TECNOLOGIA

Simplificando a TECNOLOGIA 3 Simplificando a TECNOLOGIA SEGURANÇA DESENVOLVIMENTO BANCO DE DADOS S O L U Ç Õ ES E M T E C N O L O G I A MISSÃO VISÃO Contribuir com o sucesso dos Clientes através da Ser a melhor provedora de Soluções

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE III: Infraestrutura de Tecnologia da Informação Atualmente, a infraestrutura de TI é composta por cinco elementos principais: hardware, software,

Leia mais

E-Business global e colaboração

E-Business global e colaboração E-Business global e colaboração slide 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. 2.1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Quais as principais

Leia mais

Integração CAD/CAM. Adaptado de: Sung Hoon Ahn

Integração CAD/CAM. Adaptado de: Sung Hoon Ahn Integração CAD/CAM Frederico Damasceno Bortoloti Adaptado de: Sung Hoon Ahn Do Projeto a Manufatura Agora nós estamos no domínio da Manufatura Domínio do projeto: Como criar a geometria Domínio da manufatura:

Leia mais

gladiador INTERNET CONTROLADA

gladiador INTERNET CONTROLADA gladiador INTERNET CONTROLADA funcionalidades do sistema gladiador sistema Gerenciamento de usuários, gerenciamento de discos, data e hora do sistema, backup gladiador. Estações de Trabalho Mapeamento

Leia mais

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS (GRUPO INFORMÁTICA) Ano Letivo de 2014/2015 MÓDULO 1 FOLHA DE CÁLCULO

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS (GRUPO INFORMÁTICA) Ano Letivo de 2014/2015 MÓDULO 1 FOLHA DE CÁLCULO Ensino Regular Diurno Disciplina: T.I.C. Professores: Margarida Afonso Curso Profissional - Técnico de Auxiliar de Saúde Ano: 10.º Turma(s): TAS MÓDULO 1 FOLHA DE CÁLCULO OBJECTIVOS Indicar as principais

Leia mais

Histórico da Revisão. Versão Descrição Autor. 1.0 Versão Inicial

Histórico da Revisão. Versão Descrição Autor. 1.0 Versão Inicial 1 of 14 27/01/2014 17:33 Sistema de Paginação de Esportes Universitários Documento de Arquitetura de Software Versão 1.0 Histórico da Revisão Data 30 de novembro de 1999 Versão Descrição Autor 1.0 Versão

Leia mais

MONITORAMENTO E CONTROLE REMOTO DE MÁQUINA CNC QUE UTILIZA CONTROLADOR SINUMERIK 828D

MONITORAMENTO E CONTROLE REMOTO DE MÁQUINA CNC QUE UTILIZA CONTROLADOR SINUMERIK 828D MONITORAMENTO E CONTROLE REMOTO DE MÁQUINA CNC QUE UTILIZA CONTROLADOR SINUMERIK 828D CARLOS E. O. DA SILVA, EMÍLIA VILLANI Laboratório CCM, Depto. de Eng. Mecânica, Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Leia mais

Gravação e Transmissão

Gravação e Transmissão O D-Guard Center é um poderoso sistema de controle e monitoramento, integrado aos mais diversos equipamentos de segurança eletrônica. Ilimitados dispositivos podem ser controlados e monitorados simultaneamente:

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Cluster, Grid e computação em nuvem Slide 8 Nielsen C. Damasceno Introdução Inicialmente, os ambientes distribuídos eram formados através de um cluster. Com o avanço das tecnologias

Leia mais

Escola Secundária de Camarate

Escola Secundária de Camarate Escola Secundária de Camarate Ano Lectivo 2014/2015 Planificação da Disciplina de Tecnologias da Informação e Comunicação Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde e Técnico de Restauração e Bar

Leia mais

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING RENAN ROLIM WALENCZUK Canoas, Agosto de 2014 SUMÁRIO 1 INTODUÇÃO...03 2 ERP (ENTERPRISE

Leia mais

A Internet, ou apenas Net, é uma rede mundial de computadores ligados, entre si, através de linhas telefónicas comuns, linhas de comunicação

A Internet, ou apenas Net, é uma rede mundial de computadores ligados, entre si, através de linhas telefónicas comuns, linhas de comunicação A Internet, ou apenas Net, é uma rede mundial de computadores ligados, entre si, através de linhas telefónicas comuns, linhas de comunicação privadas, satélites e outros serviços de telecomunicação. Hardware

Leia mais

Sistema CarOnline365 S I S T E M A D E O R Ç A M E N TA Ç Ã O E G E R E N C I A M E N T O PA R A O F I C I N A S E C O N C E S S I O N Á R I A S

Sistema CarOnline365 S I S T E M A D E O R Ç A M E N TA Ç Ã O E G E R E N C I A M E N T O PA R A O F I C I N A S E C O N C E S S I O N Á R I A S Sistema CarOnline365 S I S T E M A D E O R Ç A M E N TA Ç Ã O E G E R E N C I A M E N T O PA R A O F I C I N A S E C O N C E S S I O N Á R I A S Módulos do Sistema CarOnline365 Orçamentos Ordens de Serviço

Leia mais

UM LABORATÓRIO WEB PARA ENSINO ORIENTADO A AUTOMAÇÃO E CONTROLE

UM LABORATÓRIO WEB PARA ENSINO ORIENTADO A AUTOMAÇÃO E CONTROLE UM LABORATÓRIO WEB PARA ENSINO ORIENTADO A AUTOMAÇÃO E CONTROLE Cleonilson Protásio de Souza 1 e José Tarcísio Costa Filho 2 Universidade Federal do Maranhão 1 Departamento de Engenharia de Eletricidade

Leia mais

Versão Portuguesa. Introdução. Conteúdo da embalagem. Importante! WC050 Sweex Webcam 1.3 Megapixel USB 2.0

Versão Portuguesa. Introdução. Conteúdo da embalagem. Importante! WC050 Sweex Webcam 1.3 Megapixel USB 2.0 WC050 Sweex Webcam 1.3 Megapixel USB 2.0 Introdução Gostaríamos de agradecer o facto de ter adquirido a Sweex Webcam 1.3 Megapixel USB 2.0. Com esta webcam poderá, de uma forma fácil, conversar com todos

Leia mais

CESAR Pc Ao Vivo. Versão 1.0 30 de Julho de 2004. Copyright 2004 by CESAR

CESAR Pc Ao Vivo. Versão 1.0 30 de Julho de 2004. Copyright 2004 by CESAR 0 CESAR Pc Ao Vivo SOFTWARE DESCRIPTION Versão.0 0 de Julho de 00 0 Copyright 00 by CESAR _ CESAR Pc Ao Vivo Software Description, Versão.0 0 de Julho de 00 HISTÓRICO DE REVISÕES Versão Data Nome Modificação

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - TIC 10º C. Planificação de. Curso Profissional de Técnico de Secretariado

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - TIC 10º C. Planificação de. Curso Profissional de Técnico de Secretariado Escola Básica e Secundária de Velas Planificação de TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - TIC Curso Profissional de Técnico de Secretariado 10º C MÓDULO 1 FOLHA DE CÁLCULO Microsoft Excel Conteúdos

Leia mais

REALIDADE AUMENTADA 1. INTRODUÇÃO

REALIDADE AUMENTADA 1. INTRODUÇÃO REALIDADE AUMENTADA 1. INTRODUÇÃO A Realidade Aumentada (RA) (augmented reality) é uma tecnologia, que combina elementos do mundo real com elementos virtuais em 3D, permitindo a interactividade entre objectos

Leia mais

Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010. Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999

Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010. Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999 FSI capítulo 2 Referências bibliográficas: Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010 Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999 Porter M., Competitive

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL. Professor Carlos Muniz

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL. Professor Carlos Muniz SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL Na internet, cada computador conectado à rede tem um endereço IP. Todos os endereços IPv4 possuem 32 bits. Os endereços IP são atribuídos à interface

Leia mais

7 DIFERENÇAS ENTRE PABX e PABX IP. Comparativo de recursos e benefícios telefônicos para sua empresa

7 DIFERENÇAS ENTRE PABX e PABX IP. Comparativo de recursos e benefícios telefônicos para sua empresa 7 DIFERENÇAS ENTRE PABX e PABX IP Comparativo de recursos e benefícios telefônicos para sua empresa ÍNDICE Definição de PABX e PABX-IP 1ª - Gravação de Chamadas 2ª - URA 3ª - Fila de Atendimento 4ª - Ramal

Leia mais

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio 32 3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio Este capítulo apresenta o framework orientado a aspectos para monitoramento e análise de processos de negócio

Leia mais

Com a Axis, fique um passo à frente

Com a Axis, fique um passo à frente Com a Axis, fique um passo à frente Marcelo Ponte - Gerente de Marketing Esta é a Axis Empresa Sueca Fundada a 28 anos Inventora da Camera IP Líder mundial* Segundo relatório IMS Portifólio mais amplo

Leia mais

CDSOFT GerConstrução O SOFWARE DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO. CDSOFT Tecnologia

CDSOFT GerConstrução O SOFWARE DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO. CDSOFT Tecnologia CDSOFT GerConstrução O SOFWARE DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO. O GerConstrução é um software de Gestão Empresarial (ERP) especializado em soluções para processos e negócios da Indústria da Construção Civil.

Leia mais

Controle de robôs industriais via Labview

Controle de robôs industriais via Labview Leonel Lopes Lima Neto Instituto Tecnológico de Aeronáutica Rua H20B, casa, nº 114, Campus do CTA São José dos Campos São Paulo 12.228-460 Bolsista PIBIC-CNPq leonel@aluno.ita.br Emilia Villani Instituto

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 04 Conceito Sistema de Informação é uma série de elementos ou componentes inter-relacionados que coletam (entrada), manipulam e armazenam (processo),

Leia mais

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Agenda Introdução Aplicações interativas de TV Digital Desafios de layout e usabilidade Laboratório de usabilidade Desafios

Leia mais

Cálculo de volume de objetos utilizando câmeras RGB-D

Cálculo de volume de objetos utilizando câmeras RGB-D Cálculo de volume de objetos utilizando câmeras RGB-D Servílio Souza de ASSIS 1,3,4 ; Izadora Aparecida RAMOS 1,3,4 ; Bruno Alberto Soares OLIVEIRA 1,3 ; Marlon MARCON 2,3 1 Estudante de Engenharia de

Leia mais

Direcção Regional de Educação do Algarve

Direcção Regional de Educação do Algarve MÓDULO 1 Folha de Cálculo 1. Introdução à folha de cálculo 1.1. Personalização da folha de cálculo 1.2. Estrutura geral de uma folha de cálculo 1.3. O ambiente de da folha de cálculo 2. Criação de uma

Leia mais

O GOVERNO ELETRÔNICO E A GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS DO SETOR PÚBLICO Edemilson Fagundes

O GOVERNO ELETRÔNICO E A GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS DO SETOR PÚBLICO Edemilson Fagundes Governo do Estado do Pará Secretaria de Estado de Administração SEAD O GOVERNO ELETRÔNICO E A GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS DO SETOR PÚBLICO Edemilson Fagundes 2 Objeto da Análise i. Fundamento e Perspectiva

Leia mais

Médio Integrado Aula 01 2014 Thatiane de Oliveira Rosa

Médio Integrado Aula 01 2014 Thatiane de Oliveira Rosa Aplicativos Web e Webdesign Aula 01 2014 Thatiane de Oliveira Rosa 1 Roteiro Apresentação da disciplina e Introdução ao HTML Desenvolvimento de Web sites e Sistemas Web; Projeto de sites web; 2 Quem é

Leia mais

O conceito de CIM e a integração de processos. Evolução da Manufatura

O conceito de CIM e a integração de processos. Evolução da Manufatura O conceito de CIM e a integração de processos Prof. Breno Barros Telles do Carmo Evolução da Manufatura Integração.A evolução da manufatura segundo reportado em Russell e Taylor III (1995) se deu em quatro

Leia mais

Manual do usuário. isic 5 - Android

Manual do usuário. isic 5 - Android Manual do usuário isic 5 - Android isic 5 - Android Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. O novo aplicativo Intelbras isic 5 possui tecnologia capaz de visualizar

Leia mais

OFICINA USO DO I3GEO. Levindo Cardoso Medeiros. levindocm@gmail.com

OFICINA USO DO I3GEO. Levindo Cardoso Medeiros. levindocm@gmail.com OFICINA USO DO I3GEO Levindo Cardoso Medeiros levindocm@gmail.com ESTRUTURA INTRODUÇÃO UTILIZANDO O I3GEO Aprendendo a navegar pelo I3Geo Propriedades do mapa ADICIONANDO E MANIPULANDO CAMADAS Adicionando

Leia mais

Sistemas de controle para processos de bateladas

Sistemas de controle para processos de bateladas Sistemas de controle para processos de bateladas Por Alan Liberalesso* Há algum tempo os processos de batelada deixaram de ser um mistério nas indústrias e no ambiente de automação. O cenário atual nos

Leia mais

Gerência da Informação nos Processos de Automação Industrial

Gerência da Informação nos Processos de Automação Industrial Gerência da Informação nos Processos de Automação Industrial Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Redes Industriais Professor Affonso Alessandro J. de Souza / Affonso Guedes Objetivos Discorrer

Leia mais

DWEB. Design para Web. Fundamentos Web I. Curso Superior de Tecnologia em Design Gráfico

DWEB. Design para Web. Fundamentos Web I. Curso Superior de Tecnologia em Design Gráfico DWEB Design para Web Curso Superior de Tecnologia em Design Gráfico Fundamentos Web I E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual

Leia mais

Planificação Anual da disciplina de TIC 9ºANO

Planificação Anual da disciplina de TIC 9ºANO Planificação Anual da disciplina de TIC 9ºANO Conteúdos/Temas Competências Avaliação 1.1. Conceitos Introdutórios - Conhecer os conceitos básicos: Informação Informática Tecnologias da Informação e - Conhecer

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN José Agostinho Petry Filho 1 ; Rodrigo de Moraes 2 ; Silvio Regis da Silva Junior 3 ; Yuri Jean Fabris 4 ; Fernando Augusto

Leia mais

GIS Cloud na Prática. Fabiano Cucolo 26/08/2015

GIS Cloud na Prática. Fabiano Cucolo 26/08/2015 GIS Cloud na Prática Fabiano Cucolo 26/08/2015 Um pouco sobre o palestrante Fabiano Cucolo fabiano@soloverdi.com.br 11-98266-0244 (WhatsApp) Consultor de Geotecnologias Soloverdi Engenharia www.soloverdi.com.br.

Leia mais

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA. Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu. Mestrado Profissional em Educação Matemática WENDEL DE OLIVEIRA SILVA

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA. Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu. Mestrado Profissional em Educação Matemática WENDEL DE OLIVEIRA SILVA UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu Mestrado Profissional em Educação Matemática WENDEL DE OLIVEIRA SILVA KIT VIRTUAL DE APOIO (KVA) Vassouras 2011 WENDEL DE OLIVEIRA SILVA

Leia mais

Departamento de Informática em Saúde Universidade Federal de São Paulo UNIFESP

Departamento de Informática em Saúde Universidade Federal de São Paulo UNIFESP Oficina de Trabalho sobre o Serviço de da Unifesp (Streaming) Paulo Lopes e Tatiana Patricia telemedicina@unifesp.br Setor de Telemedicina Universidade Federal de São Paulo 14 de junho de 2013 Objetivo

Leia mais

Proposta Comercial. SGVO - Sistema de Gerenciamento de Vendas Online Software de Gestão (CadastrandoCupom.com.br)

Proposta Comercial. SGVO - Sistema de Gerenciamento de Vendas Online Software de Gestão (CadastrandoCupom.com.br) Av Washington Luis,774 Santo Amaro, 04662-001 São Paulo (SP) Fone: (11)2364-4998 http:// egsweb@egsweb.com.br Proposta Comercial SGVO - Sistema de Gerenciamento de Vendas Online Software de Gestão (CadastrandoCupom.com.br)

Leia mais

Capítulo 2 E-Business global e colaboração

Capítulo 2 E-Business global e colaboração Objetivos de estudo Capítulo 2 E-Business global e colaboração Quais as principais características de um negócio que são relevantes para a compreensão do papel dos sistemas de informação? Como os sistemas

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

Microsoft Internet Explorer. Browser/navegador/paginador

Microsoft Internet Explorer. Browser/navegador/paginador Microsoft Internet Explorer Browser/navegador/paginador Browser (Navegador) É um programa que habilita seus usuários a interagir com documentos HTML hospedados em um servidor web. São programas para navegar.

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

Introdução à Linguagem Java

Introdução à Linguagem Java Introdução à Linguagem Java Histórico: Início da década de 90. Pequeno grupo de projetos da Sun Microsystems, denominado Green. Criar uma nova geração de computadores portáveis, capazes de se comunicar

Leia mais

Escola Básica 2, 3 de Lamaçães Planificação Anual 2007/08 Tecnologias de Informação e Comunicação

Escola Básica 2, 3 de Lamaçães Planificação Anual 2007/08 Tecnologias de Informação e Comunicação Escola Básica 2, 3 de Lamaçães Planificação Anual 2007/08 Tecnologias de Informação e Comunicação Unidade de Ensino/Aprendizagem Tecnologias da Informação e Comunicação Conceitos Introdutórios Conceitos

Leia mais

UM NOVO CONCEITO EM ORGANIZAÇÃO DE ACERVOS

UM NOVO CONCEITO EM ORGANIZAÇÃO DE ACERVOS UM NOVO CONCEITO EM ORGANIZAÇÃO DE ACERVOS Descubra como o SophiA Acervo pode ajudar sua instituição na catalogação, organização e recuperação de acervos dos mais diversos tipos, sejam eles objetos da

Leia mais

1. INTERNET OU NET. Hardware. Computador. Linha telefónica normal, linha RDIS, ligação por cabo ou ADSL. Modem

1. INTERNET OU NET. Hardware. Computador. Linha telefónica normal, linha RDIS, ligação por cabo ou ADSL. Modem 1. INTERNET OU NET O que é a Internet? A Internet, ou apenas Net, é uma rede mundial de computadores ligados entre si através de linhas telefónicas comuns, linhas de comunicação privadas, satélites e outros

Leia mais

Mais recursos para professores. Maior controle para TI.

Mais recursos para professores. Maior controle para TI. Acronus System Mais recursos para professores. Maior controle para TI. Características do produto Controle de hardware Permite desligar a internet, pen drive, teclado, mouse e monitor. Transferência de

Leia mais

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.: Lillian Alvares Aspectos Gerais O uso da tecnologia digital traz grandes perspectivas de trabalho para os arquivos

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

Especificação técnica do Video Wall do Tipo I (5m²)

Especificação técnica do Video Wall do Tipo I (5m²) Especificação técnica do Video Wall do Tipo I (5m²) 1. Esta Especificação destina-se a orientar as linhas gerais para o fornecimento de equipamentos. Devido às especificidades de cada central e de cada

Leia mais

ESCOLA BÁSICA 2 / 3 DE MARTIM DE FREITAS Informática - Ano letivo de 2013 / 2014

ESCOLA BÁSICA 2 / 3 DE MARTIM DE FREITAS Informática - Ano letivo de 2013 / 2014 Objetivos Tratamento de Imagem Conhecer as potencialidades dos programas de tratamento de imagem nas suas múltiplas funções. Criar, editar e retocar imagens, utilizando software de edição de imagem. Usar

Leia mais

Objectivos de aprendizagem

Objectivos de aprendizagem Capítulo 6 1 Telecomunicações e redes 2 Objectivos de aprendizagem ƒ Identificar as principais tendências e os grandes desenvolvimentos nas empresas, nas tecnologias e nas aplicações de negócio, das telecomunicações

Leia mais

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT E s t u d o s o b r e a i n t e g r a ç ã o d e f e r r a m e n t a s d i g i t a i s n o c u r r í c u l o d a d i s c i p l i n a d e E d u c a ç ã o V i s u a l e T e c n o l ó g i c a MonkeyJam M a

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA VELOCIDADE DE AVANÇO NO MONITORAMENTO DE DADOS DO CNC

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA VELOCIDADE DE AVANÇO NO MONITORAMENTO DE DADOS DO CNC ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA VELOCIDADE DE AVANÇO NO MONITORAMENTO DE DADOS DO CNC Eng. Erik Gustavo Del Conte Universidade Metodista de Piracicaba - SCPM Rodovia Luis Ometto, Km1-13451- 900 Santa Bárbara

Leia mais

Simulação Computacional de Sistemas, ou simplesmente Simulação

Simulação Computacional de Sistemas, ou simplesmente Simulação Simulação Computacional de Sistemas, ou simplesmente Simulação Utilização de métodos matemáticos & estatísticos em programas computacionais visando imitar o comportamento de algum processo do mundo real.

Leia mais

Modelos de Arquiteturas. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com

Modelos de Arquiteturas. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Modelos de Arquiteturas Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Agenda Introdução Arquitetura de Sistemas Distribuídos Clientes e Servidores Peer-to-Peer Variações Vários Servidores Proxy Código Móvel

Leia mais

UML: Unified Modeling Language. Graduação em Informática 2008 Profa. Itana Gimenes

UML: Unified Modeling Language. Graduação em Informática 2008 Profa. Itana Gimenes UML: Unified Modeling Language Graduação em Informática 2008 Profa. Itana Gimenes Unified Modelling Language (UML) Não é uma linguagem de programação. Linguagem de modelagem visual utilizada para especificar,

Leia mais

ftp://ftp.cr-df.rnp.br/pub/netinfo/training/rnp/kit-bsb/html/guia.zip novembro 1996 Tutorial - Autoria em World Wide Web

ftp://ftp.cr-df.rnp.br/pub/netinfo/training/rnp/kit-bsb/html/guia.zip novembro 1996 Tutorial - Autoria em World Wide Web RNP REDE NACIONAL DE PESQUISA Centro Regional de Brasília CR/DF ftp://ftp.cr-df.rnp.br/pub/netinfo/training/rnp/kit-bsb/html/guia.zip novembro 1996 Tutorial - Autoria em World Wide Web Parte V - Hypertext

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE III: Infraestrutura de Tecnologia da Informação Atualmente, a infraestrutura de TI é composta por cinco elementos principais: hardware, software,

Leia mais

Módulo 6 Usando a Internet. Internet. 3.1 Como tudo começou

Módulo 6 Usando a Internet. Internet. 3.1 Como tudo começou Módulo 6 Usando a Internet Internet 3.1 Como tudo começou A internet começou a se desenvolver no ano de 1969 onde era chamada de ARPANET, criada pelo departamento de defesa dos Estados Unidos com o propósito

Leia mais

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL APLICADA À AUTOMAÇÃO

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL APLICADA À AUTOMAÇÃO 40. SBAI-Simpósio Brasileiro de Automação Inteligente, São Paulo, SP, 08-10 de Setembro de 1999 INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL APLICADA À AUTOMAÇÃO Freitas,R.; Prado,J.; Batista Neto,J.; Nakarniti,G.; Pila, A.

Leia mais

Ambiente didático para operação remota de robô manipulador

Ambiente didático para operação remota de robô manipulador Ambiente didático para operação remota de robô manipulador Resumo Emanuel Nunes Borges (EESC/USP) enb@sc.usp.br Flávio Camarinho Moreira (EESC/USP) flaviocm@sc.usp.br Alex Camilli Bottene (EESC/USP) abottene@sc.usp.br

Leia mais

PRnet/2013. Linguagem de Programação Web

PRnet/2013. Linguagem de Programação Web Linguagem de Programação Web Linguagem de Programação Web Prnet/2013 Linguagem de Programação Web» Programas navegadores» Tipos de URL» Protocolos: HTTP, TCP/IP» Hipertextos (páginas WEB)» HTML, XHTML»

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação UNIDADE XI Sistema De Apoio à Gestão Empresarial Professor : Hiarly Alves www.har-ti.com Fortaleza - 2014 Tópicos Conceitos de software de gestão administrativas Principais softwares de gestão do mercado

Leia mais

SISTEMA DE VISUALIZAÇÃO DE DADOS GEOMÉTRICOS DE PROGRAMAS CN PARA OPERAÇÕES DE FRESAMENTO

SISTEMA DE VISUALIZAÇÃO DE DADOS GEOMÉTRICOS DE PROGRAMAS CN PARA OPERAÇÕES DE FRESAMENTO SISTEMA DE VISUALIZAÇÃO DE DADOS GEOMÉTRICOS DE PROGRAMAS CN PARA OPERAÇÕES DE FRESAMENTO Alexandre Dias da Silva Universidade Federal de Santa Maria Universidade Federal de Santa Maria, Avenida Roraima,

Leia mais

Computer Aided Manufacturing. Adaptado de: Donghoon Yang

Computer Aided Manufacturing. Adaptado de: Donghoon Yang Computer Aided Manufacturing Frederico Damasceno Bortoloti Adaptado de: Donghoon Yang CAD : Computer Aided Design A tecnologia que se preocupa com o uso de sistemas de computação para assistir a criação,

Leia mais

Acesso Remoto Intelbras Internet Explorer

Acesso Remoto Intelbras Internet Explorer Acesso Remoto Intelbras Internet Explorer 1. Abra o navegador de Internet e insira o endereço do DVR na linha Endereço. Por exemplo, se o IP do seu DVR for 10.10.10.1 e a porta HTTP for 8080, digite http://10.10.10.1:8080

Leia mais

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Internet

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Internet André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Internet Noções de Internet: O que é Internet; História da Internet; Recursos da Internet; Serviços não-web.

Leia mais

PLANO DE AULA 1 AULA 01. CURSO: WEB DESIGNER - VESPERTINO CARGA HORÁRIA: 4 HORAS INSTRUTOR: FRANCISCO JARDIM INTÉRPRETE: LENISON COSTA SILVA

PLANO DE AULA 1 AULA 01. CURSO: WEB DESIGNER - VESPERTINO CARGA HORÁRIA: 4 HORAS INSTRUTOR: FRANCISCO JARDIM INTÉRPRETE: LENISON COSTA SILVA 1 AULA Sensibilização do programa; Apresentação da instituição de ensino; Apresentação do projeto. HTML Introdução à programação em HTML Apresentar o projeto e a instituição. Entender a lógica da programação

Leia mais

Geral O que é Mediasite Live? O que é uma mídia de apresentação? Como se compara Mediasite Live a outras soluções de apresentação?

Geral O que é Mediasite Live? O que é uma mídia de apresentação? Como se compara Mediasite Live a outras soluções de apresentação? Geral O que é Mediasite Live? Mediasite Live é um poderoso sistema de comunicação via web que permitem os usuários a capturar rapidamente, publicar e assistir uma apresentação e transformando-o automaticamente

Leia mais

CURSO : Empreendedorismo 40 Hrs aulas

CURSO : Empreendedorismo 40 Hrs aulas CURSO : Empreendedorismo 40 Hrs aulas Empreendedorismo o O que é empreendedorismo? o Síndrome do empregado o Os mandamentos do empreendedor de sucesso o E o que não é empreendedorismo? Traçando o perfil

Leia mais

Automação de Locais Distantes

Automação de Locais Distantes Automação de Locais Distantes Adaptação do texto Improving Automation at Remote Sites da GE Fanuc/ Water por Peter Sowmy e Márcia Campos, Gerentes de Contas da. Nova tecnologia reduz custos no tratamento

Leia mais

Servidor de Dados. Sistemas de Informação Módulo 4

Servidor de Dados. Sistemas de Informação Módulo 4 Servidor de Dados Sistemas de Informação Módulo 4 Módulo 4 Arquitectura Cliente/Servidor Administração de um Servidor/Base de Dados Conteúdos do Módulo 4 Conceitos Gerais sobre a arquitectura Cliente/Servidor;

Leia mais

3º Exercício Prático: DNS

3º Exercício Prático: DNS Universidade Estadual da Paraíba Departamento de Matemática, Estatística e Computação Disciplina: Redes de Computadores Professor: Edmar José do Nascimento 3º Exercício Prático: DNS Introdução O Sistema

Leia mais

Leia-me do Licenciamento em Rede

Leia-me do Licenciamento em Rede Leia-me do Licenciamento em Rede Trimble Navigation Limited Divisão de Engenharia e da Construção 935 Stewart Drive Sunnyvale, California 94085 EUA Fone: +1-408-481-8000 Ligação gratuita (nos EUA): +1-800-874-6253

Leia mais

Segurança e Escalabilidade em WebLab no Domínio de Redes de Computadores

Segurança e Escalabilidade em WebLab no Domínio de Redes de Computadores Segurança e Escalabilidade em WebLab no Domínio de Redes de Computadores Autor: Daniel Vieira de Souza 1, Orientador: Luís Fernando Faina 1 1 Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação Universidade

Leia mais

Configurando DDNS no Stand Alone

Configurando DDNS no Stand Alone Configurando DDNS no Stand Alone Abra o seu navegador de internet e acesse o endereço http://www.advr.com.tw(ou, http://59.124.143.151 ). Clique em Register para efetuar o cadastro de um novo grupo.(foto

Leia mais

CORPVS SEGURANÇA SETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

CORPVS SEGURANÇA SETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO CORPVS SEGURANÇA SETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ACESSO GLPI ABERTURA E ACOMPANHAMENTO DE CHAMADOS NO SERVICE DESK DATA: 1 0 /0 9 /201 5 VERSÃO: 1.0 AUTOR: Italo Rocha APROVADOR: Raphael Dantas Introdução

Leia mais

Tecnologia CAD/CAM - Definições e estado da arte visando auxiliar sua implantação em um ambiente fabril

Tecnologia CAD/CAM - Definições e estado da arte visando auxiliar sua implantação em um ambiente fabril Tecnologia CAD/CAM - Definições e estado da arte visando auxiliar sua implantação em um ambiente fabril Adriano Fagali de Souza (EESC-USP) afagali@sc.usp.br Reginaldo Teixeira Coelho (EESC-USP) rtcoelho@sc.usp.br

Leia mais

Criação de páginas web

Criação de páginas web Criação de páginas web Alojamento web 1 Browsers Para aceder e/ou navegar a um site é necessário um programa (software) específico Este tipo de programa chama-se Browser (Navegador) Existem vários disponíveis

Leia mais

Política de uso: Serviço de Conferência Web

Política de uso: Serviço de Conferência Web Política de uso: Serviço de Conferência Web DAGSer Diretoria Adjunta de Gestão de Serviços outubro de 2011 Este documento descreve a política de uso do serviço de Conferência Web. Sumário 1. Apresentação...

Leia mais