Revisão da Teoria da Separação dos Poderes do Estado

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Revisão da Teoria da Separação dos Poderes do Estado"

Transcrição

1 Revisão da Teoria da Separação dos Poderes do Estado Marília Costa Barbosa Escola Superior do Ministério Público do Ceará e Universidade Estadual do Ceará Resumo: O artigo apresenta uma análise da Teoria da Separação dos Poderes do Estado, enfatizando a virtude de conceitos que tal teoria preserva, tendo em vista que a tripartição das funções legislativa, executiva e judiciária entre órgãos distintos do Estado vem sendo suscitada desde a Antiguidade e guarda aplicabilidade nos dias atuais. Abordando sua interpretação clássica e o contexto histórico em que foi consagrada, busca confrontar o entendimento que Teoria da Separação dos Poderes possuiu no passado com o sentido que hoje ela exprime, depois de ter passado por uma revisão que a fez acompanhar a evolução do aparato estatal e da sociedade. Palavras-chave: Estado. Separação dos Poderes. Montesquieu. Garantia da liberdade. Eficiência estatal. Introdução Grande parte dos sistemas constitucionais que abraçam o ideal democrático alberga em seus fundamentos o Princípio de Separação dos Poderes do Estado. Posto como uma das mais permanentes garantias da liberdade, o Princípio de Separação dos Poderes, embora tenha sido positivado através da revolução constitucionalista do final do século XVIII, tem raízes muito mais profundas, tendo em vista que a preocupação de atribuir as funções fundamentais do Estado a órgãos distintos é objeto de reflexão e discussão desde os primórdios da organização estatal. A separação dos poderes do Estado tem suas bases definidas por meio de uma teoria, que se desenvolveu ao longo do tempo, através da reflexão de filósofos que remontam à Antigüidade, consagrando-se efetivamente após a análise de Montesquieu, no século XVIII. Esse verdadeiro axioma é tão antigo quanto sólido, pois ainda perdura nos presentes dias, conservando uma virtude de conceitos que atravessou os séculos.

2 Rev. Cient. Fac. Lour. Filho v.5, n.1, Mas, para que esse postulado pudesse se amoldar às necessidades sócio-políticas crescentes e mutantes, o entendimento primário que se deu à clássica Teoria de Separação dos Poderes do Estado teve de ser revisto, depois de ter chegado ao ponto de ser alvo de duras críticas por alguns doutrinadores da atualidade, que defenderam estar a teoria totalmente refutada. Dessa forma, para que o tema venha a ser descortinado com mais segurança, é imprescindível que se faça uma verificação acerca da evolução da Teoria clássica de Separação dos Poderes, para depois situá-la no Estado contemporâneo. O presente trabalho busca ressaltar, portanto, a importância de se fazer um estudo sobre a interpretação e os objetivos que a Teoria da Divisão dos Poderes do Estado tem assumido, depois de passar por uma revisão que lhe conservou a aplicabilidade na época atual, dando-lhe uma nova roupagem. 1 Precursores de Montesquieu na Abordagem da Separação dos Poderes do Estado Desde a Antigüidade Clássica, sobretudo a partir das obras de Aristóteles, é possível identificar que em todo governo existem três funções essenciais, cada qual encarregada de uma incumbência específica: a de legislar, a de executar as leis e a de julgar os conflitos. O filósofo Aristóteles, através de uma reflexão e de uma análise descritiva da estrutura política da Grécia Antiga, já distinguia que o governo se compunha de três partes: aquela que deliberava acerca dos negócios do Estado; uma segunda, que exercia a magistratura (definida como uma espécie de função executiva); e a terceira, que abrangia os cargos de jurisdição. Essas três partes do governo, descritas por Aristóteles, guardam estreita semelhança com as funções ou poderes do Estado que hodiernamente são reconhecidos nas sociedades politicamente organizadas. Na concepção aristotélica, o Poder Deliberativo possuía como principais incumbências as decisões soberanas acerca da promulgação das leis, da guerra e da paz, da ruptura dos tratados, das penas de morte, de banimento e de confisco, assim como a prestação de contas aos magistrados. As Magistraturas caracterizavam-se essencialmente pelo exercício da função de

3 Rev. Cient. Fac. Lour. Filho v.5, n.1, ordenar, mas também julgavam e deliberavam a respeito de matérias específicas. E os Tribunais ocupavam-se dos julgamentos em geral, decidindo sobre as questões que envolviam o exame da conduta dos magistrados, as malversações financeiras, os crimes de Estado ou atentados contra a Constituição, as multas contra as pessoas públicas e privadas, os contratos, bem como questões criminais e relativas a estrangeiros, havendo ainda os juízes singulares para os casos mínimos. Em sua produção literária A Política, o célebre pensador grego menciona: Em todo governo, existem três poderes essenciais, cada um dos quais o legislador prudente deve acomodar da maneira mais conveniente. Quando estas três partes estão bem acomodadas, necessariamente o governo vai bem, e é das diferenças entre estas partes que provêm as suas. (ARISTÓTELES, 1991, p. 113). É pertinente salientar que Aristóteles não chegou a formular uma completa teoria acerca da separação dos poderes do Estado, mas sua grande contribuição representa o fundamento para uma reflexão mais ampla sobre o tema, na medida em que demonstra a existência de funções distintas no governo, além de enfatizar o perigo de se atribuir a um só ente o exercício do poder. Nesse sentido, Dallari (2000, p ) faz referência a Aristóteles afirmando que: O antecedente mais remoto da separação dos poderes encontra-se em Aristóteles, que considera injusto e perigoso atribuir-se a um só indivíduo o exercício do poder, havendo também em sua obra uma ligeira referência ao problema da eficiência, quando menciona a impossibilidade prática de que um só homem previsse tudo o que nem a lei pode especificar. Posteriormente, no segundo século antes de Cristo, surgem os estudos de Políbio, historiador grego que encontra na República Romana uma organização balanceada, onde, de certa forma, as três forças constitutivas do poder, representadas pelo Consulado, Senado e Povo, estabeleciam uma espécie de controle um sobre o outro. De acordo com a Tese do Governo Misto de Políbio, o sucesso romano estava assentado nessa tripartição de poder, onde a cada poder estatal foram dadas uma atribuição peculiar e a possibilidade de vigilância sobre o outro. Esse contexto pode ser visualizado através dos estudos de Norberto Bobbio, em sua Teoria das Formas de Governo, quando dedica um capítulo a Políbio:

4 Rev. Cient. Fac. Lour. Filho v.5, n.1, A composição das três formas de governo consiste no fato de que o rei está sujeito ao controle do povo, que participa adequadamente do governo; este, por sua vez, é controlado pelo senado. Como o rei representa o princípio monárquico, o povo o princípio democrático e o senado o aristocrático, o resultado dessa combinação é uma nova forma de governo, que não coincide com as três formas simples retas porque é composta -, nem com as três formas corrompidas porque é reta. (BOBBIO, 1994, p. 70). Ao observar a estrutura e o funcionamento do governo da República Romana, Políbio destacou aspectos da organização estatal que podem ser considerados como primórdios para uma posterior teorização sobre a necessidade de controle mútuo e de cooperação entre os poderes do Estado. Assim é que Bobbio (1994, p. 71), citando uma passagem do Livro VI da História de Políbio, destaca que como dessa forma cada órgão pode obstaculizar os outros ou colaborar com eles, sua união é benéfica em todas as circunstâncias, de modo que não é possível haver um Estado melhor constituído. (grifos do autor). Gradativamente, na proporção em que o aparato estatal foi se desenvolvendo e em função dos grandes conflitos político-sociais acontecidos ao longo dos tempos, a idéia de divisão das funções do Estado foi se delineando mais firmemente. No século XIV, mais precisamente no ano de 1324, aparece a obra Defensor de Pacis, de Marsílio de Pádua, estabelecendo uma distinção entre o poder legislativo e o executivo. Essa distinção era baseada na existência de uma oposição entre o povo, que chamava de primeiro legislador, e o príncipe, a quem atribuía a função executiva, podendo-se também vislumbrar aí uma tentativa inicial de afirmação da soberania popular. No começo do século XVI, o Estado francês já havia dividido suas funções por três poderes distintos: o Parlamento, que exercia a função legislativa; o Rei, encarregado da função executiva; e um Poder Judiciário independente. É o que se pode constatar através dos registros existentes na obra O Príncipe, de Maquiavel. Entretanto, o primeiro enfoque doutrinário dado à separação dos poderes do Estado ocorreu no século XVII, com a obra de John Locke. Tomando como parâmetro o Estado inglês de seu tempo, Locke identificava quatro funções, exercidas por dois órgãos de poder. Um desses órgãos era o Parlamento, a quem cabia a função legislativa. O outro órgão era representado pelo Rei, que acumulava três funções: a

5 Rev. Cient. Fac. Lour. Filho v.5, n.1, função de executar as leis, de fazê-las obedecidas, se necessário com o auxílio da força; a função federativa, que tratava das relações exteriores, caracterizando-se como o poder de fazer a guerra e a paz; e a função identificada como o poder de fazer o bem público sem se subordinar a regras, através da qual se permitia uma ampla esfera de discricionariedade ao governante, devendo-se observar, contudo, que o filósofo inglês em foco defendia a corrente de oposição expressa ao absolutismo. Ressalte-se, no entanto, que o maior empenho de Locke, como pensador, consistiu em ditar uma teoria política baseada na liberdade do homem e em seus direitos naturais, mas sem se preocupar com os mecanismos de garantia dessa liberdade e desses direitos. Tal fato faz com que se atribua a Montesquieu a análise científica da separação dos poderes e a sua consagração como teoria. Mesmo tendo se inspirado no sistema político da Inglaterra, é mérito deste filósofo francês trazer a lume as técnicas da liberdade e os instrumentos de sua proteção, que foram compendiados no princípio da separação e equilíbrio de poderes do Estado. Essa questão é muito bem realçada por Paulo Bonavides (1995, p. 141), quando assevera que: Locke vira apenas o homem e sua liberdade, o homem e seus direitos naturais, sem ter visto o homem e a garantia dessa mesma liberdade e desses mesmos direitos. (...) Dizer que Montesquieu foi apenas o vulgarizador da Constituição inglesa, o discípulo fervoroso de Locke, seria fazer grave injustiça ao pensador que se serve do comentário à liberdade inglesa para tirar do exemplo da ilha vizinha, por um glorioso equívoco a técnica horizontal da separação de poderes e associá-la à técnica vertical dos corpos intermediários, lançando assim ao liberalismo as bases sobre as quais assentou no Ocidente a moderna experiência governativa do século XIX. Dessa forma, é possível afirmar que cada um dos pensadores que antecedeu Montesquieu na abordagem da divisão dos poderes deu sua valiosa colaboração para a formulação da teoria, destacando aspectos do governo de sua época que serviriam de base para uma reflexão mais específica e aprofundada sobre o tema. Mas, foi através de Montesquieu que esse aspecto político do Estado ganhou destaque e maior projeção, acabando por tornar-se um dos dogmas das Constituições democráticas.

6 Rev. Cient. Fac. Lour. Filho v.5, n.1, Montesquieu e a Consagração da Teoria da Separação dos Poderes A Teoria da Separação dos Poderes do Estado é abordada por Montesquieu no Livro XI de sua obra Do Espírito das Leis, aparecida em 1748, que trata das leis que formam a liberdade política. Segundo Montesquieu, a liberdade política seria encontrada nos governos moderados, quando nestes não houvesse abuso de poder, sendo necessário para isso que um poder viesse a constituir um freio para o outro. Esse mecanismo de controle entre os poderes só poderia ser posto em prática através do expediente constitucional de se atribuir as três funções do Estado a órgãos diferentes. É nesses termos que Montesquieu (2000, p. 205) preleciona: Quando na mesma pessoa, ou no mesmo corpo de magistrados, o poder legislativo se junta ao executivo, desaparece a liberdade; pode-se temer que o monarca ou o senado promulguem leis tirânicas, para aplicá-las tiranicamente. Não há liberdade se o poder judiciário não está separado do legislativo e do executivo. Se houvesse tal união com o legislativo, o poder sobre a vida e a liberdade dos cidadãos seria arbitrário, já que o juiz seria ao mesmo tempo legislador. Se o judiciário se unisse com o executivo, o juiz poderia ter a força de um opressor. E tudo estaria perdido se a mesma pessoa, ou o mesmo corpo de nobres, de notáveis, ou de populares, exercesse os três poderes: o de fazer as leis, o de ordenar a execução das resoluções públicas e o de julgar os crimes e os conflitos dos cidadãos. Assim é que o filósofo francês distingue as três funções do Estado como poderes diversos e inconfundíveis, cuja atuação harmônica possibilitaria a desconcentração das atribuições estatais, evitando, dessa maneira, o abuso de poder. O Poder Legislativo teria como incumbências a elaboração das leis, sua correção ou abrogação; o Poder Executivo das Coisas que Dependem do Direito das Gentes (executivo) seria competente para a promoção da política externa e da segurança; e o Poder Executivo das Coisas que Dependem do Direito Civil (judiciário) teria na sua esfera de competência a punição dos crimes e o julgamento das pendências entre particulares. No entanto, Montesquieu vai além da simples atribuição de funções específicas a cada um dos poderes, como forma de se evitar o abuso e garantir a liberdade, o notável pensador admitiu nesses poderes duas faculdades: a de estatuir e a de impedir.

7 Rev. Cient. Fac. Lour. Filho v.5, n.1, Consiste a faculdade de estatuir em ordenar por si mesmo ou corrigir o que há sido ordenado por outrem. Já a faculdade de impedir compreende o direito de anular uma resolução ou uma decisão política legal. Dessa forma, Montesquieu firmou o sistema de freios e contrapesos, conferindo ao poder executivo participação legislativa, por sua faculdade de impedir. Recusando ao poder legislativo qualquer participação na execução, consagrou-lhe, todavia, o direito de examinar o modo pelo qual se executam as leis por ele elaboradas, sendo ainda este poder composto de duas câmaras, com forças mutuamente equilibradas, munidas das respectivas faculdades de impedir e estatuir, uma em relação à outra. Não atribuiu Montesquieu as faculdades mencionadas ao poder judiciário, porque, de acordo com a sua concepção, somente os poderes legislativo e executivo seriam essencialmente políticos. Tal fato é constatado pelas palavras de Paulo Bonavides (1995, p. 161), quando comenta o pensamento do filósofo: Poderes políticos por excelência, vivem o executivo e o legislativo no sistema representativo um drama de equilíbrio, solicitando nas suas relações mútuas um conjunto de mecanismos constitucionais que impeçam a absorção de um pelo outro, em ordem a torná-los efetivamente separados e harmônicos entre si. Não só reconheceu Montesquieu a inevitabilidade de legítimas interferências recíprocas, como se capacitou da imperiosa necessidade de andarem os poderes em concerto, visto que seu repouso ou imobilidade, qual seria de desejar, é contrariado pelo movimento necessário das coisas. (grifo do autor). A Teoria da Separação dos Poderes, à época em que foi analisada por Montesquieu, tinha um objetivo bem definido: criar meios que assegurassem a liberdade dos indivíduos. Isto porque, situando no tempo e no espaço a obra Do Espírito das Leis, é possível perceber que, através dela, Montesquieu consegue expressar toda a sua aversão ao Regime Absolutista, que tanto assolou a França no século XVII e início do século XVIII, com a total aniquilação das liberdades fundamentais. E foi este cenário político que contribuiu para que a teoria liberalista de Montesquieu tivesse acolhida. A divisão dos poderes do Estado representava assim uma tese que punha a salvo as garantias individuais de liberdade e contribuía para o extermínio da tirania, numa época em que justamente se buscavam meios para enfraquecer o poder do Estado. Como a interferência estatal

8 Rev. Cient. Fac. Lour. Filho v.5, n.1, na vida social era repudiada, desejava-se que o Estado exercesse apenas o papel de vigilante e conservador das situações estabelecidas pelos indivíduos. Com efeito, o ideal de liberdade preconizado por Montesquieu, que assumiu suas principais feições na separação dos poderes, foi fortemente incorporado às bases nascentes da organização constitucional do Estado Moderno. Sustentava-se que a função limitadora exercida pela Constituição somente estaria completa se fosse aliada à separação dos poderes do Estado. Foi nesse contexto que surgiu, em 1789, a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, aprovada na França, declarando em seu artigo XVI que qualquer sociedade na qual a garantia dos direitos não está em segurança, nem a separação dos poderes determinada, não tem constituição. O movimento constitucionalista, como um todo, passou a manifestar a necessidade de divisão dos poderes do Estado, como garantia da liberdade. James Madison, um dos colaboradores na formulação da Constituição norte-americana, estava bem consciente dessa exigência. Na obra O Federalista, escreveu: A acumulação de todos os poderes, legislativos, executivos e judiciais, nas mesmas mãos, sejam estas de um, de poucos ou de muitos, hereditárias, autonomeadas ou eletivas, pode-se dizer com exatidão que constitui a própria definição da tirania. (MADISON, 1959, p. 47). Esse pensamento está claramente refletido na Constituição dos Estados Unidos de 1787, que dedica o artigo primeiro ao legislativo, o artigo segundo ao executivo e o terceiro ao judiciário, não admitindo interferências recíprocas nem a transferência de poderes, ainda que parcial e temporária. O sistema de separação dos poderes, já então consagrado nas Constituições, passou a ter realce no meio daqueles que procuravam a democracia através dos seus ditames. Uma vez associado à idéia de Estado Democrático, determinou o aprimoramento da construção doutrinária conhecida como sistema de freios e contrapesos, cujas bases já haviam sido denotadas por Políbio e lançadas por Montesquieu. O sistema de freios e contrapesos determinava que os atos praticados pelo Estado poderiam ser de dois tipos: atos gerais e atos especiais.

9 Rev. Cient. Fac. Lour. Filho v.5, n.1, Os atos gerais seriam aqueles praticados somente pelo poder legislativo, consistindo na emissão de regras gerais e abstratas que não poderiam prever a quem iriam atingir no momento de sua emissão. Dessa maneira, estando a competência do poder legislativo restrita aos atos gerais, não haveria atuação concreta desse poder na vida social, não dispondo de meios para privilegiar pessoas ou grupos determinados. Os atos especiais caberiam ao poder executivo, que só atuaria depois de emitida a norma geral. Este poder teria à sua disposição meios concretos para agir, mas estaria impedido de atuar discricionariamente pelo fato de já ter seus atos especiais limitados pelos atos gerais do legislativo. O poder judiciário seria o responsável pela função fiscalizadora, atuando sempre que houvesse exorbitância de qualquer dos poderes, podendo obrigar aquele que desobedecesse a seus limites a permanecer dentro da sua respectiva esfera de competência. Com a doutrina dos freios e contrapesos, a configuração da tripartição dos poderes ganha ainda mais corpo. Contudo, é importante reforçar que a Teoria da Separação dos Poderes, tal como foi concebida classicamente, consagrou-se como pressuposto do Estado Liberal, numa época em que se pretendia reduzir ao mínimo a atuação estatal. No final do século XIX, após a teoria da tripartição dos poderes já ter se convertido em dogma, a crise do Estado Liberal e suas repercussões sócio-econômicas começaram a criar novas exigências, que atingiram profundamente o papel do Estado. Houve uma mudança nos objetivos sociais de redução da atuação do Estado, que passou a ser cada vez mais solicitado a agir. Nesse momento histórico não mais se exigia uma limitação rígida das ações do Estado, o que muitas vezes engessava o desempenho de suas funções, mas reclamava-se uma atuação estatal que atendesse às exigências da sociedade, cada vez mais graves e urgentes, primando pela sua eficiência. Surge, pois, a necessidade de adaptar a clássica separação dos poderes a essas novas aspirações, mantendo-se, entretanto, a sua função de frear a invasão do Estado na esfera individual.

10 Rev. Cient. Fac. Lour. Filho v.5, n.1, Revisão da Teoria Clássica: Colaboração entre os Poderes do Estado A exigência social de que o Estado desempenhasse suas atribuições com maior eficiência fez com que houvesse uma ampliação da esfera de ação estatal, o que intensificou sua participação nos diversos setores da sociedade. A clássica Teoria da Separação dos Poderes, proposta com o fim exclusivo de enfraquecer o poder concentrado do Estado no século XVIII, passou então a ser alvo de várias críticas. Questionava-se que a separação dos poderes existia como um cenário, donde os argumentos da democracia e liberdade individual faziam parte, todavia, a estrutura estabelecida deixava muito a desejar no plano da eficácia, pois faltava a coordenação necessária entre os poderes. Uma rígida separação entre os poderes do Estado e suas funções passou a ser vista como fato inviável dentro da engenharia constitucional de determinada sociedade. Por outro lado, percebia-se que seria incoerente suprimir o Princípio de Tripartição da estrutura organizacional de um Estado Democrático de Direito, uma vez que isto representaria um risco e uma afronta expressa às conquistas alcançadas através da legitimidade liberal, nas quais estão assentados os pilares da democracia. Dessa forma, foi a necessidade de aliar a democracia da tradicional separação dos poderes à eficiência do sistema político que impôs nova visão à Teoria. Esta nova visão começou a ser suscitada ao longo do Estado Social e conserva aplicabilidade ainda hoje, em tempos de neoliberalismo. Para permitir a adequação do Princípio de Tripartição dos Poderes ao bom desempenho das atividades do Estado, surgiram novas formas de relacionamento entre os órgãos legislativo, executivo e judiciário. Os poderes do Estado deixaram de ser interpretados como efetivamente separados e rigidamente especializados, para serem compreendidos como distintos e coordenados. Fez-se necessária a interpenetração entre os poderes, com o intuito de viabilizar a prática governamental, em oposição à intangibilidade recíproca que antes os caracterizava.

11 Rev. Cient. Fac. Lour. Filho v.5, n.1, Paulo Bonavides (2005, p. 555) acentua muito bem a importância da manutenção do Princípio de Separação dos Poderes na atualidade, depois de estar este desvinculado da rigidez que o marcava no passado: A verdade é que ele tomou nas formas constitucionais contemporâneas, depois de iluminado por uma compreensão interpretativa sem laços com a rigidez do passado, um teor de juridicidade só alcançado por aqueles axiomas cuja importância fundamental ninguém contesta nem fica exposta a sérias dúvidas doutrinárias (...) Com efeito, poderia afigurar-se um anacronismo, reproduzir aqui as lições dos constituintes e publicistas do liberalismo que, durante o curso dos séculos XVIII e XIX, vazaram, em fórmulas lapidares, tanto nas Constituições como nas páginas de doutrina, a intangibilidade da separação de poderes. Mas nunca essa censura se poderia fazer àqueles autores e àquelas Constituições que ainda no fim do século XX mantêm o princípio em apreço como uma das pedras inquebrantáveis do edifício constitucional, cavando alicerces que, se abalados fossem, fariam desabar toda a construção. (grifos nossos). Assim, a Teoria da Separação dos Poderes teve que passar por uma revisão, através da ampliação de seus conceitos e da sua adaptação à realidade sócio-política, permanecendo nas Constituições democráticas com a idéia de colaboração de poderes. A colaboração entre os poderes do Estado tornou-se possível através de técnicas que coadunaram a autonomia organizacional de cada poder com a possibilidade de intercomunicação de funções, desempenhadas sistematicamente em cooperação mútua. Desse modo, a nova acepção da divisão de poderes materializou-se por meio da independência orgânica e da harmonia entre os órgãos legislativo, executivo e judiciário, especialmente nos sistemas presidencialistas. Segundo José Afonso da Silva (2004, p. 110), atualmente, a independência dos poderes significa: (a) que a investidura e a permanência das pessoas num dos órgãos do governo não depende da confiança nem da vontade dos outros; (b) que, no exercício das atribuições que lhes sejam próprias, não precisam os titulares consultar os outros nem necessitam de sua autorização; (c) que, na organização dos respectivos serviços, cada um é livre, observadas apenas as disposições constitucionais e legais. Percebe-se, portanto, que a independência orgânica é entendida como a possibilidade de cada poder se auto-organizar e desempenhar suas funções típicas sem se subordinar aos outros, estando apenas sujeitos aos ditames legais.

12 Rev. Cient. Fac. Lour. Filho v.5, n.1, Contudo, a independência e a divisão de funções entre os poderes não são absolutas. Além do respeito às prerrogativas de cada poder, a harmonia pressupõe interferências funcionais, conforme bem salienta José Afonso da Silva (2004, p ), valendo-se do modelo constitucional brasileiro para explicar a maneira pela qual a harmonização entre os poderes se dá: Se ao Legislativo cabe a edição de normas gerais e impessoais, estabelece-se um processo para sua formação em que o Executivo tem participação importante, quer pela iniciativa das leis, quer pela sanção e pelo veto. Mas a iniciativa legislativa do Executivo é contra-balanceada pela possibilidade que o Congresso tem de modificar-lhe o projeto por via de emendas e até de rejeitá-lo. Por outro lado, o Presidente da República tem o poder de veto, que pode exercer em relação a projetos de iniciativa dos congressistas como em relação às emendas aprovadas a projetos de sua iniciativa. Em compensação, o Congresso, pelo voto da maioria absoluta de seus membros, poderá rejeitar o veto, e, pelo Presidente do Senado, promulgar a lei, se o Presidente da República não o fizer no prazo previsto (...) Se os Tribunais não podem influir no Legislativo, são autorizados a declarar a inconstitucionalidade das leis, não as aplicando neste caso. O Presidente da República não interfere na função jurisdicional, em compensação os ministros dos tribunais superiores são por ele nomeados, sob controle do Senado Federal, a que cabe aprovar o nome escolhido (...) Tudo isso demonstra que os trabalhos do Legislativo e do Executivo, especialmente, mas também do Judiciário, só se desenvolverão a bom termo, se esses órgãos se subordinarem ao princípio da harmonia, que não significa nem o domínio de um pelo outro nem a usurpação de atribuições, mas a verificação de que, entre eles, há de haver consciente colaboração e controle recíproco (que, aliás, integra o mecanismo), para evitar distorções e desmandos. (grifo do autor). Por sua vez, é oportuno fazer aqui uma diferenciação entre distinção de funções e separação de poderes, embora entre ambas as expressões haja uma conexão necessária. A distinção de funções constitui a especialização de tarefas governamentais, tendo em vista a sua natureza (legislativa, executiva e jurisdicional), sem considerar os órgãos que as exercem. Enquanto que a separação de poderes consiste na existência de órgãos diferentes, onde cada qual desempenha uma das funções governamentais. Diante do entendimento que se dá à Teoria da Divisão dos Poderes no presente, compreende-se que no seu fundamento há uma separação de poderes, onde cada função governamental é exercida preponderantemente por um órgão específico, no entanto, essa distribuição de funções para cada órgão não é estanque.

13 Rev. Cient. Fac. Lour. Filho v.5, n.1, Os poderes encontram previsão constitucional para participar das atribuições uns dos outros, desempenhando funções atípicas, a fim de que os problemas do Estado sejam resolvidos com a rapidez exigida pelos atuais tempos. Contudo, vale frisar que estas funções atípicas são secundárias ou subsidiárias, ocorrendo apenas por deferência e nos limites do próprio texto constitucional. Exemplos latentes de funções atípicas podem ser encontrados na vigente Constituição Federal brasileira, que adota no seu Artigo 2º o Princípio de Separação dos Poderes, afirmando serem estes independentes e harmônicos entre si. O Artigo 62 da Carta Magna permite ao Presidente da República a adoção de medidas provisórias com força de lei, e o Artigo 68 traz a possibilidade de delegação, por parte do Congresso Nacional, de atribuições legislativas ao Presidente da República, através das leis delegadas. No caso do Legislativo, vale citar o Artigo 51, inciso IV, que atribui à Câmara dos Deputados competência privativa para dispor sobre sua organização administrativa, bem como o Artigo 52, inciso I, que dá competência ao Senado Federal para processar e julgar o Presidente e o Vice-Presidente da República nos crimes de responsabilidade, e os Ministros de Estado e Comandantes da Forças Armadas nos crimes conexos. Ao Poder Judiciário, o Artigo 96, inciso I, alínea a, da Lei Maior dá competência privativa para eleger seus órgãos diretivos e elaborar seus regimento internos, dispondo sobre o funcionamento dos seus órgãos jurisdicionais e administrativos. Esses são apenas alguns dispositivos que demonstram como o Princípio de Separação dos Poderes tem se amoldado à conjuntura constitucional contemporânea. Portanto, a Teoria da Divisão dos Poderes, depois de revisada e ampliada, passa a admitir que o relacionamento entre os órgãos de poder do Estado obedece aos princípios da harmonia e dos vasos intercomunicantes, isto é, o Estado só funciona bem quando as suas atividades fundamentais são exercidas por poderes distintos em colaboração, buscando como principal objetivo a garantia do bem-estar da coletividade.

14 Rev. Cient. Fac. Lour. Filho v.5, n.1, Conclusão A Divisão de Poderes do Estado, onde cada função governamental é exercida por um órgão específico, sempre foi um importante instrumento de preservação do exercício social da liberdade humana, em qualquer gênero de organização do Estado. Prova disso é o valor que este postulado conserva, sendo suscitado desde a Antigüidade pelos grandes pensadores, até o presente, onde permanece como princípio das Constituições dos Estados contemporâneos. Entretanto, seria inconcebível querer-se que a Teoria da Separação dos Poderes mantivesse a mesma interpretação, desde a sua consagração no século XVIII, até hoje, em pleno século XXI. Isto porque tal teoria, como proposição fundamental para o exercício do poder, teve que necessariamente acompanhar a evolução do aparato estatal e da sociedade. Concebida para evitar os abusos de poder do Estado, através de um mecanismo que enfraquecesse a sua intromissão na esfera individual, a clássica Teoria de Separação dos Poderes foi revisada para ser mantida, pois sua rigidez passou a representar um entrave ao desempenho eficiente das atribuições estatais. A solução alcançada foi a ampliação dos conceitos da teoria, passando a ser entendida como instrumento de garantia da desconcentração das funções do Estado e de desempenho eficaz destas funções. Conciliar essas duas nuances na mesma teoria tornou-se possível através da associação da idéia de independência orgânica entre os poderes, com a idéia de harmonização entre os mesmos. A separação dos poderes do Estado admitiu em seus fundamentos a interpenetração entre as funções exercidas por cada poder. Assim é que, atualmente, não se fala mais em intangibilidade e indelegabilidade entre os poderes do Estado, e sim em colaboração entre os poderes distintos. A Teoria da Separação dos Poderes, na época presente, conserva a atribuição das funções legislativa, executiva e judiciária a órgãos especializados, que possuem autonomia organizacional e não estão subordinados uns aos outros para o regular desempenho de suas funções típicas, devendo guardar obediência apenas à Constituição e às leis. Contudo, passou a

15 Rev. Cient. Fac. Lour. Filho v.5, n.1, admitir interferências recíprocas entre os poderes e o exercício de funções atípicas por cada um, dentro dos limites expressos na Constituição. Dessa forma, a revisão da Teoria da Separação dos Poderes adaptou o dogma clássico à realidade da necessária prestação estatal eficiente, e continua gozando de prestígio, sendo considerada uma das mais sublimes garantias constitucionais do Estado Democrático de Direito. Revision of the Theory of the Separation of the Powers of the State Abstract: The article presents an analysis of the theory of the Separation of the Powers of the State, emphasizing the virtue of concepts that the theory preserves, tends in view that the tripartite of the legislative functions, executive and judiciary among organs different from the State it has been raised from the antique and guard applicability in the current days. Approaching its classic interpretation and the historical context in that it was consecrated, search to confront the understanding that the Theory of the Separation of the Powers possesses in the past as the sense that today it expresses, after having gone by a revision that made to accompany the evolution of the State apparatus and of the society. Keywords: State. Separation of the Powers. Montesquieu. Warranty of freedom. State efficiency. Referências ARISTÓTELES. A Política. Trad. de Roberto Leal Ferreira. São Paulo: Martins Fortes, BOBBIO, Norberto. A teoria das formas de governo. Trad. de Sérgio Bath. 7. ed. Brasília: Universidade de Brasília, BONAVIDES, Paulo. Teoria do estado. 3. ed. São Paulo: Malheiros, Curso de direito constitucional. 16. ed. São Paulo: Malheiros, BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Disponível em: <https://www.planalto.gov.br>. Acesso em: 13 jul

16 Rev. Cient. Fac. Lour. Filho v.5, n.1, DALLARI, Dalmo de Abreu. Elementos de teoria geral do estado. 21. ed. São Paulo: Saraiva, DECLARAÇÃO dos direitos do homem e do cidadão. Disponível em: <http://www.dhnet.org.br/direitos/anthist/dec1789.htm>. Acesso em: 12 jul HAMILTON, Alexander; JAY, John; MADISON, James. O Federalista. Rio de Janeiro: Editora Nacional de Direito, MONTESQUIEU. Do espírito das leis. São Paulo: Nova Cultural, v 1. SILVA, José Afonso da. Curso de direito constitucional positivo. 23. ed. São Paulo: Malheiros, 2004.

Instrutor: Marlon L. Souto Maior Auditor-Fiscal de Contas

Instrutor: Marlon L. Souto Maior Auditor-Fiscal de Contas TREINAMENTO AOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DE RORAIMA Módulo: Processos e Técnicas Legislativas Noções Básicas de Direito Administrativo e Administração Pública Instrutor: Marlon L. Souto Maior Auditor-Fiscal

Leia mais

DIVISÃO ESPACIAL DO PODER

DIVISÃO ESPACIAL DO PODER DIVISÃO ESPACIAL DO PODER FORMA DE ESTADO: UNITÁRIO 1. Puro: Absoluta centralização do exercício do Poder; 2. Descentralização administrativa: Concentra a tomada de decisões, mas avança na execução de

Leia mais

NBA 10: INDEPENDÊNCIA DOS TRIBUNAIS DE CONTAS. INTRODUÇÃO [Issai 10, Preâmbulo, e NAT]

NBA 10: INDEPENDÊNCIA DOS TRIBUNAIS DE CONTAS. INTRODUÇÃO [Issai 10, Preâmbulo, e NAT] NBA 10: INDEPENDÊNCIA DOS TRIBUNAIS DE CONTAS INTRODUÇÃO [Issai 10, Preâmbulo, e NAT] 1. Os Tribunais de Contas somente podem realizar suas tarefas quando são independentes da entidade auditada e são protegidos

Leia mais

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA DIREITO ADMINISTRATIVO Estado, governo e administração pública: conceitos, elementos, poderes e organização; natureza, fins e princípios. Direito Administrativo: conceito, fontes e princípios. Organização

Leia mais

2. (CESPE/MMA/2009) O modelo de federalismo brasileiro é do tipo segregador.

2. (CESPE/MMA/2009) O modelo de federalismo brasileiro é do tipo segregador. 1. (CESPE/SEJUS-ES/2009) A CF adota o presidencialismo como forma de Estado, já que reconhece a junção das funções de chefe de Estado e chefe de governo na figura do presidente da República. 2. (CESPE/MMA/2009)

Leia mais

A PROMULGAÇÃO DE LEI DECORRENTE DE SANÇÃO TÁCITA

A PROMULGAÇÃO DE LEI DECORRENTE DE SANÇÃO TÁCITA A PROMULGAÇÃO DE LEI DECORRENTE DE SANÇÃO TÁCITA Antônio José Calhau de Resende Consultor da Assembléia Legislativa Lei decorrente de sanção tácita. Ausência de promulgação pelo Chefe do Poder Executivo

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL EM QUADROS

DIREITO CONSTITUCIONAL EM QUADROS DIREITO CONSTITUCIONAL EM QUADROS Prof. Gabriel Dezen Junior (autor das obras CONSTITUIÇÃO FEDERAL ESQUEMATIZADA EM QUADROS e TEORIA CONSTITUCIONAL ESQUEMATIZADA EM QUADROS, publicadas pela Editora Leya

Leia mais

RESPOSTA A QUESTÃO DE ORDEM SOBRE A INCLUSÃO DE MATÉRIA ESTRANHA À MEDIDA PROVISÓRIA EM PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO ENVIADO À APRECIAÇÃO DO SENADO

RESPOSTA A QUESTÃO DE ORDEM SOBRE A INCLUSÃO DE MATÉRIA ESTRANHA À MEDIDA PROVISÓRIA EM PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO ENVIADO À APRECIAÇÃO DO SENADO RESPOSTA A QUESTÃO DE ORDEM SOBRE A INCLUSÃO DE MATÉRIA ESTRANHA À MEDIDA PROVISÓRIA EM PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO ENVIADO À APRECIAÇÃO DO SENADO Em resposta à questão de ordem apresentada pelo Senador

Leia mais

Subseção I Disposição Geral

Subseção I Disposição Geral Subseção I Disposição Geral Art. 59. O processo legislativo compreende a elaboração de: I - emendas à Constituição; II - leis complementares; III - leis ordinárias; IV - leis delegadas; V - medidas provisórias;

Leia mais

Poderes Administrativos. Professora: Paloma Braga

Poderes Administrativos. Professora: Paloma Braga Poderes Administrativos Professora: Paloma Braga Poderes Administrativos - Conceito São os meios ou instrumentos através dos quais a Administração Pública exerce a atividade administrativa na gestão dos

Leia mais

Outrossim, ficou assim formatado o dispositivo do voto do Mn. Fux:

Outrossim, ficou assim formatado o dispositivo do voto do Mn. Fux: QUESTÃO DE ORDEM Nos termos do art. 131 e seguintes do Regimento do Congresso Nacional, venho propor a presente QUESTÃO DE ORDEM, consoante fatos e fundamentos a seguir expostos: O Congresso Nacional (CN)

Leia mais

UNIDADE: FACULDADE DE DIREITO DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS

UNIDADE: FACULDADE DE DIREITO DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS ÍNDICE Código Disciplina Página DIR 02-07411 Direito Constitucional I 2 DIR 02-07417 Direito Constitucional II 3 DIR 02-00609 Direito Constitucional III 4 DIR 02-00759 Direito

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015 As Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, nos termos do 3º do art. 60 da Constituição Federal, promulgam a seguinte Emenda ao texto constitucional:

Leia mais

ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de

ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de constitucionalidade Luís Fernando de Souza Pastana 1 RESUMO: há diversas modalidades de controle de constitucionalidade previstas no direito brasileiro.

Leia mais

Distinção entre Norma Moral e Jurídica

Distinção entre Norma Moral e Jurídica Distinção entre Norma Moral e Jurídica Filosofia do direito = nascimento na Grécia Não havia distinção entre Direito e Moral Direito absorvia questões que se referiam ao plano da consciência, da Moral,

Leia mais

A legitimidade da CNseg

A legitimidade da CNseg 18 A legitimidade da CNseg Para provocar o controle abstrato de constitucionalidade pelo Supremo Tribunal Federal FELIPE MONNERAT 19 A Constituição Federal de 1988 prevê mecanismos de controle da compatibilidade

Leia mais

AULA 10 CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE NO BRASIL

AULA 10 CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE NO BRASIL Faculdade do Vale do Ipojuca - FAVIP Bacharelado em Direito Autorizado pela Portaria nº 4.018 de 23.12.2003 publicada no D.O.U. no dia 24.12.2003 Curso reconhecido pela Portaria Normativa do MEC nº 40,

Leia mais

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO José Afonso da Silva 1. A controvérsia 1. A condenação, pelo Supremo Tribunal Federal, na Ação Penal 470, de alguns deputados federais tem suscitado dúvidas relativamente

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

EFICÁCIA E APLICAÇÃO DAS NORMAS CONSTITUCIONAIS

EFICÁCIA E APLICAÇÃO DAS NORMAS CONSTITUCIONAIS EFICÁCIA E APLICAÇÃO DAS NORMAS CONSTITUCIONAIS 1 Eficácia é o poder que tem as normas e os atos jurídicos para a conseqüente produção de seus efeitos jurídicos próprios. No sábio entendimento do mestre

Leia mais

@ D @ LI Fei* Sub-director da Comissão da Lei Básica da RAEM do Comité Permanente da Assembleia Popular Nacional, RP da China

@ D @ LI Fei* Sub-director da Comissão da Lei Básica da RAEM do Comité Permanente da Assembleia Popular Nacional, RP da China Estudar a Fundo o Sistema da Região Administrativa Especial e Promover a Grande Prática de Um País, Dois Sistemas : Discurso no Fórum de Alto Nível sobre Um País, Dois Sistemas de 6 de Dezembro de 2011

Leia mais

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL THOMAS HOBBES LEVIATÃ ou MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL Thomas Hobbes é um contratualista teoria do contrato social; O homem natural / em estado de natureza para Hobbes não é

Leia mais

SUMÁRIO AGRADECIMENTOS... 17. INTRODUÇÃO... 21 A importância da Lei na sociedade contemporânea... 21

SUMÁRIO AGRADECIMENTOS... 17. INTRODUÇÃO... 21 A importância da Lei na sociedade contemporânea... 21 STF00094362 SUMÁRIO NOTA DO AUTOR... 15 AGRADECIMENTOS... 17 LISTA DE ABREVIATURAS UTILIZADAS... 19 INTRODUÇÃO... 21 A importância da Lei na sociedade contemporânea... 21 CAPÍTULO 1 FUNDAMENTOS TEÓRICOS

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DIREITO CONSTITUCIONAL AULA 2 CONSTITUIÇÃO E CONSTITUCIONALISMO

INTRODUÇÃO AO DIREITO CONSTITUCIONAL AULA 2 CONSTITUIÇÃO E CONSTITUCIONALISMO INTRODUÇÃO AO DIREITO CONSTITUCIONAL AULA 2 CONSTITUIÇÃO E CONSTITUCIONALISMO QUESTÃO PARA DISCUSSÃO: EXPLIQUE A DEFINIÇÃO DE CONSTITUCIONALISMO POR CANOTILHO, como uma Técnica específica de limitação

Leia mais

Direito Tributário. Aula 05. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Direito Tributário. Aula 05. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Direito Tributário Aula 05 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Direito agrário: função social da propriedade; sua evolução e história Paula Baptista Oberto A Emenda Constitucional Nº. 10 de 10/11/64 foi o grande marco desta recente ciência jurídica

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS

CÂMARA DOS DEPUTADOS CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI Nº, DE 2004 (Da Comissão de Legislação Participativa) SUG nº 84/2004 Regulamenta o art. 14 da Constituição Federal, em matéria de plebiscito, referendo e iniciativa

Leia mais

INTERVENÇÃO FEDERAL ARTIGO 34 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL

INTERVENÇÃO FEDERAL ARTIGO 34 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL INTERVENÇÃO FEDERAL ARTIGO 34 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL É o ato de intervir (tomar parte), toda vez que a ação de um Estado- Membro perturbe o sistema constitucional federativo ou provoque grave anormalidade

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA E REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR

CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA E REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA E REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR A INFLUÊNCIA DAS AUDIÊNCIAS PÚBLICAS NA FORMULÇÃO DA LEI nº 11.096/2005 PROUNI

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Direito tributário

Maratona Fiscal ISS Direito tributário Maratona Fiscal ISS Direito tributário 1. São tributos de competência municipal: (A) imposto sobre a transmissão causa mortis de bens imóveis, imposto sobre a prestação de serviço de comunicação e imposto

Leia mais

Administração de Macau pelas suas Gentes e Alto Grau de Autonomia

Administração de Macau pelas suas Gentes e Alto Grau de Autonomia Sistema Político Administração de Macau pelas suas Gentes e Alto Grau de Autonomia A 20 de Dezembro de 1999 Macau passa a Região Administrativa Especial da República Popular da China, sendo simultaneamente

Leia mais

2.6.2. Entidades fundacionais as fundações públicas 2.6.2.1. Conceito

2.6.2. Entidades fundacionais as fundações públicas 2.6.2.1. Conceito Esses consórcios, a fim de poder assumir obrigações e exercer seus direitos perante terceiros, precisam de personalidade jurídica, assim, a citada lei dispôs que eles serão pessoas jurídicas de direito

Leia mais

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Curso: Especialização em Psicopedagogia Módulo: Noções Fundamentais de Direito

Leia mais

A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice ÍNDICE

A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice ÍNDICE Estrada Dona Castorina, 124 Jardim Botânico Rio de Janeiro RJ CEP: 22460-320 Tel.: 21 35964006 A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL O Partido Político "Z", que possui apenas três representantes na Câmara dos Deputados, por entender presente a violação de regras da CRFB, o procura para que, na

Leia mais

Manual de Direito Previdenciário

Manual de Direito Previdenciário Manual de Direito Previdenciário Manual de Direito Previdenciário Benefícios Fábio Alexandre Coelho Luciana Maria Assad Vinícius Alexandre Coelho 4ª edição Revista e atualizada até julho/2015 Rua Machado

Leia mais

FIXAÇÃO DO NÚMERO DE VEREADORES PELOS MUNICÍPIOS MÁRCIO SILVA FERNANDES

FIXAÇÃO DO NÚMERO DE VEREADORES PELOS MUNICÍPIOS MÁRCIO SILVA FERNANDES FIXAÇÃO DO NÚMERO DE VEREADORES PELOS MUNICÍPIOS MÁRCIO SILVA FERNANDES Consultor Legislativo da Área I Direito Constitucional, Eleitoral, Municipal, Administrativo, Processo Legislativo e Poder Judiciário

Leia mais

número 4 junho de 2005 A autonomia do Banco Central

número 4 junho de 2005 A autonomia do Banco Central número 4 junho de 2005 A autonomia do Banco Central A autonomia do Banco Central Amanutenção da política de elevadas taxas de juros reais conduzida pelo Copom - Comitê de Política Monetária - reacendeu

Leia mais

Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS

Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS 1 1. CONCEITO BÁSICO DE DIREITO Somente podemos compreender o Direito, em função da sociedade. Se fosse possível ao indivíduo

Leia mais

Direito Administrativo 4º semestre Professora Ilza Facundes. Introdução ao. Direito Administrativo

Direito Administrativo 4º semestre Professora Ilza Facundes. Introdução ao. Direito Administrativo 4º semestre Professora Ilza Facundes Introdução ao Direito Administrativo NOÇÕES GERAIS O estudo do Direito Administrativo, no Brasil, torna- se um pouco penoso pela falta de um código, uma legislação

Leia mais

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL. (Do Deputado Robério Negreiros) ~1.. ::J ".,,.",

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL. (Do Deputado Robério Negreiros) ~1.. ::J .,,., CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL EMENDA N 1 /2015 (MODIFICATIVA) (Do Deputado Robério Negreiros) Ao Projeto de Lei no 145 de 2015 que "Dispõe sobre a publicação mensal, em diário oficial e outros

Leia mais

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO PARECER Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 368, de 2012, da Senadora Ana Amélia, que altera a Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012, para dispor

Leia mais

AULA 04 CLASSIFICAÇÃO DAS CONSTITUIÇÕES

AULA 04 CLASSIFICAÇÃO DAS CONSTITUIÇÕES AULA 04 CLASSIFICAÇÃO DAS CONSTITUIÇÕES 1. Introdução. Diversas são as formas e critérios de classificação uma Constituição. O domínio de tais formas e critérios mostra-se como fundamental à compreensão

Leia mais

O GOVERNO. Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa

O GOVERNO. Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa O GOVERNO Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa «O Governo é o órgão de condução da política geral do país e o órgão superior da Administração Pública.» 1 Pela própria ideia que se retira

Leia mais

EFA- TÉCNICO DE CONTABILIDADE UFCD 567 NOÇÕES DE FISCALIDADE

EFA- TÉCNICO DE CONTABILIDADE UFCD 567 NOÇÕES DE FISCALIDADE EFA- TÉCNICO DE CONTABILIDADE UFCD 567 NOÇÕES DE FISCALIDADE INTERPRETAÇÃO E APLICAÇÃO DA LEI FISCAL Trabalho realizado: -Patrícia Alves; -Joaquim Mira; -Maria Antónia; -Ana Maltêz; 22 de Maio de 2014

Leia mais

Sugestão Legislativa nº 35, de 2003

Sugestão Legislativa nº 35, de 2003 COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA Sugestão Legislativa nº 35, de 2003 Dispõe sobre a criação do passe livre para idosos maiores de 65 anos, no uso do transporte rodoviário municipal, intermunicipal,

Leia mais

PRINCÍPIO DE ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA

PRINCÍPIO DE ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade.

INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade. INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade. Jaileno Miranda Conceição¹ RESUMO O Direito Administrativo é um ramo do Direito Público composto por órgãos, agentes, e pessoas jurídicas administrativas,

Leia mais

O PRINCÍPIO DA ORDEM ECONÔMICA CONSTITUCIONAL E A FUNÇÃO SÓCIO-AMBIENTAL DA PROPRIEDADE PRIVADA URBANA.

O PRINCÍPIO DA ORDEM ECONÔMICA CONSTITUCIONAL E A FUNÇÃO SÓCIO-AMBIENTAL DA PROPRIEDADE PRIVADA URBANA. O PRINCÍPIO DA ORDEM ECONÔMICA CONSTITUCIONAL E A FUNÇÃO SÓCIO-AMBIENTAL DA PROPRIEDADE PRIVADA URBANA. TEREZA EMÍLIA LIJMA DE PAULA Fortaleza - CE 01. OBJETIVOS Outubro, 2007 4.1 OBJETIVO GERAL: Apresentar

Leia mais

Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental nº 378 Distrito Federal

Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental nº 378 Distrito Federal Excelentíssimo Senhor Ministro Edson Fachin, DD. Ministro do Supremo Tribunal Federal Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental nº 378 Distrito Federal UNIÃO NACIONAL DOS ESTUDANTES, associação

Leia mais

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO VEJA RIO+20 1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO Abstract: A declaração final da ECO-92 acenou para

Leia mais

Autarquia. Administração Indireta. Figura sujeita a polemicas doutrinárias e de jurisprudência. Ausente na estrutura do Executivo Federal

Autarquia. Administração Indireta. Figura sujeita a polemicas doutrinárias e de jurisprudência. Ausente na estrutura do Executivo Federal Administração Direta Fundação Publica Direito Público Consórcio Público Direito Público Fundação Publica Direito Privado Empresa Pública Consórcio Público Direito Privado Sociedade Economia Mista Subsidiária

Leia mais

INSTRUMENTOS DE TRATAMENTO DE CONFLITOS DAS RELAÇÕES DE TRABALHO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL

INSTRUMENTOS DE TRATAMENTO DE CONFLITOS DAS RELAÇÕES DE TRABALHO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 INSTRUMENTOS DE TRATAMENTO DE CONFLITOS DAS RELAÇÕES DE TRABALHO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL Marcela Tapajós e Silva Painel

Leia mais

II A realização dos direitos fundamentais nas cidades

II A realização dos direitos fundamentais nas cidades DIREITO À CIDADE UM EXEMPLO FRANCÊS Por Adriana Vacare Tezine, Promotora de Justiça (MP/SP) e Mestranda em Direito Urbanístico na PUC/SP I Introdução A determinação do governo francês de proibir veículos

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO Art.º 202º da Constituição da República Portuguesa «1. Os tribunais são órgãos de soberania com competência para Administrar a justiça em nome do povo. (...)» A lei

Leia mais

PATRÍCIA SABOYA GOMES

PATRÍCIA SABOYA GOMES PARECER N, DE 2005 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, em caráter de decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 299, de 2004, que autoriza o Poder Executivo a criar o Programa Nacional de Inclusão

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO IV DA ORGANIZAÇÃO DOS PODERES CAPÍTULO I DO PODER LEGISLATIVO Seção II Das Atribuições do Congresso Nacional Art. 49. É da competência exclusiva

Leia mais

6 Considerações finais

6 Considerações finais 6 Considerações finais O percurso desta dissertação girou em torno da proposta de situar a questão da iniciativa popular legislativa nas dinâmicas da Assembleia Nacional Constituinte e da Constituição

Leia mais

PARECER CREMEC N.º 06/2014 14/03/2014

PARECER CREMEC N.º 06/2014 14/03/2014 PARECER CREMEC N.º 06/2014 14/03/2014 PROCESSO-CONSULTA PROTOCOLO CREMEC Nº 6566/08 ASSUNTO: RESPONSABILIDADE MÉDICA PARECERISTA: CÂMARA TÉCNICA DE AUDITORIA DO CREMEC EMENTA O ato médico é responsabilidade

Leia mais

A RAZOABILIDADE ENQUANTO ELEMENTO CONSTITUTIVO DA HERMENÊUTICA JURÍDICA

A RAZOABILIDADE ENQUANTO ELEMENTO CONSTITUTIVO DA HERMENÊUTICA JURÍDICA A RAZOABILIDADE ENQUANTO ELEMENTO CONSTITUTIVO DA HERMENÊUTICA JURÍDICA D OLIVEIRA, Marcele Camargo 1 ; D OLIVEIRA, Mariane Camargo 2 ; CAMARGO, Maria Aparecida Santana 3 Palavras-Chave: Interpretação.

Leia mais

Objetivos da aula: Emile Durkheim. Ciências Sociais. Emile Durlheim e o estatuto da cientificidade da sociologia. Profa. Cristiane Gandolfi

Objetivos da aula: Emile Durkheim. Ciências Sociais. Emile Durlheim e o estatuto da cientificidade da sociologia. Profa. Cristiane Gandolfi Ciências Sociais Profa. Cristiane Gandolfi Emile Durlheim e o estatuto da cientificidade da sociologia Objetivos da aula: Compreender o pensamento de Emile Durkheim e sua interface com o reconhecimento

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010.

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição de certidões judiciais e dá outras providências. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

Gestão Democrática da Educação

Gestão Democrática da Educação Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Departamento de Articulação e Desenvolvimento dos Sistemas de Ensino Coordenação Geral de Articulação e Fortalecimento Institucional dos Sistemas de

Leia mais

PARECER Nº, DE 2012. RELATORA: Senadora MARIA DO CARMO ALVES

PARECER Nº, DE 2012. RELATORA: Senadora MARIA DO CARMO ALVES PARECER Nº, DE 2012 Da COMISSÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTE, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 504, de 2011, do Senador Humberto Costa, que altera o parágrafo único do art.

Leia mais

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA LIBERDADE ANTIGA E LIBERADE MODERNA LINHARES 2011 EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH

Leia mais

Natanael Gomes Bittencourt Acadêmico do 10º semestre de Direito das Faculdades Jorge Amado

Natanael Gomes Bittencourt Acadêmico do 10º semestre de Direito das Faculdades Jorge Amado ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Natanael Gomes Bittencourt Acadêmico do 10º semestre de Direito das Faculdades Jorge Amado Resumo: A Administração Pública se liga ao interesse público e às necessidades sociais,

Leia mais

Código Florestal e Pacto Federativo 11/02/2011. Reginaldo Minaré

Código Florestal e Pacto Federativo 11/02/2011. Reginaldo Minaré Código Florestal e Pacto Federativo 11/02/2011 Reginaldo Minaré Diferente do Estado unitário, que se caracteriza pela existência de um poder central que é o núcleo do poder político, o Estado federal é

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO PROJETO DE LEI N o 2.586, DE 2015 Altera o art. 52 da Lei nº 11.101, de 9 de fevereiro de 2005, para permitir que o juiz tenha mais discricionariedade

Leia mais

TRAMITAÇÃO DO PROJETO DE LEI DA LEI ORÇAMENTÁRIA ANUAL LOA: AUMENTO DA DESPESA TOTAL FIXADA PELO EXECUTIVO

TRAMITAÇÃO DO PROJETO DE LEI DA LEI ORÇAMENTÁRIA ANUAL LOA: AUMENTO DA DESPESA TOTAL FIXADA PELO EXECUTIVO TRAMITAÇÃO DO PROJETO DE LEI DA LEI ORÇAMENTÁRIA ANUAL LOA: AUMENTO DA DESPESA TOTAL FIXADA PELO EXECUTIVO Prezados amigos concursandos! Desejo a todos que estão se preparando para o concurso do TCU um

Leia mais

GESTÃO PÚBLICA PRINCIPIOS GERAIS

GESTÃO PÚBLICA PRINCIPIOS GERAIS 1 GESTÃO PÚBLICA PRINCIPIOS GERAIS Prof.MSc. José Ricardo Leal Lozano 1. Administração Pública x Privada Afinal, o que difere a administração pública da administração de empresas privadas? O que impede

Leia mais

Curso Política e Cidadania - Básico SENADOR RODRIGO ROLLEMBERG - PSB/DF. Básico volume

Curso Política e Cidadania - Básico SENADOR RODRIGO ROLLEMBERG - PSB/DF. Básico volume Curso Política e Cidadania - Básico 51 SENADOR RODRIGO ROLLEMBERG - PSB/DF Básico volume Gabinete do Senador Rodrigo Rollemberg 2 Curso Política e Cidadania - Básico CURSO POLÍTICA E CIDADANIA VOL.5 PODERES

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999. Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas.

LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999. Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas. LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999 Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

POLÍCIA CIVIL DO RJ- FEC www.beabadoconcurso.com.br Todos os direitos reservados. - 1 -

POLÍCIA CIVIL DO RJ- FEC www.beabadoconcurso.com.br Todos os direitos reservados. - 1 - f POLÍCIA CIVIL DO RJ- FEC www.beabadoconcurso.com.br Todos os direitos reservados. - 1 - DIREITO ADMINISTRATIVO SÚMARIO UNIDADE 1. Direito Administrativo: conceito, fontes, princípios. Conceito de Estado,

Leia mais

Terminais Alfandegados à Luz do Direito Administrativo

Terminais Alfandegados à Luz do Direito Administrativo Terminais Alfandegados à Luz do Direito Administrativo LEONARDO COSTA SCHÜLER Consultor Legislativo da Área VIII Administração Pública ABRIL/2013 Leonardo Costa Schüler 2 SUMÁRIO O presente trabalho aborda

Leia mais

O JUDICIÁRIO BRASILEIRO E A FIDELIDADE PARTIDÁRIA:

O JUDICIÁRIO BRASILEIRO E A FIDELIDADE PARTIDÁRIA: O JUDICIÁRIO BRASILEIRO E A FIDELIDADE PARTIDÁRIA: RETORNO À EMENDA N 1/69? Por Francisco de Guimaraens 1 Introdução O presente ensaio tem por finalidade analisar criticamente os principais aspectos jurídicos

Leia mais

1. (FCC/TRT3/Analista/2009) São exemplos de atuação concreta da Administração Pública fundada no poder de polícia em sentido estrito:

1. (FCC/TRT3/Analista/2009) São exemplos de atuação concreta da Administração Pública fundada no poder de polícia em sentido estrito: 1. (FCC/TRT3/Analista/2009) São exemplos de atuação concreta da Administração Pública fundada no poder de polícia em sentido estrito: (A) desapropriação de terras improdutivas. (B) penhora de bens em execução

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 7.645, DE 2014. Altera o art. 18 do Decreto-Lei nº 667, de 2 de julho de 1969, que extingue a pena de prisão disciplinar para as polícias

Leia mais

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO HISTÓRIA DO LEGISLATIVO Maurício Barbosa Paranaguá Seção de Projetos Especiais Goiânia - 2015 Origem do Poder Legislativo Assinatura da Magna Carta inglesa em 1215 Considerada a primeira Constituição dos

Leia mais

Palavras-chaves: Impeachment, Presidente da Republica, Infrações Político- administrativas.

Palavras-chaves: Impeachment, Presidente da Republica, Infrações Político- administrativas. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA IMPEACHMENT Fernando França Caron Especialista em Direito Constitucional pela Faculdade Damásio de Jesus Docente do Curso de Direito da UNILAGO RESUMO A Constituição Federal de

Leia mais

Marcel Brasil F. Capiberibe. Subprocurador do Ministério Público Especial Junto ao Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul

Marcel Brasil F. Capiberibe. Subprocurador do Ministério Público Especial Junto ao Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul Critérios institucionais diferençados entre as funções do Ministério Público junto à justiça ordinária e as atribuições funcionais do Ministério Público especial junto ao Tribunal de Contas Marcel Brasil

Leia mais

RECESSO FORENSE NO PODER JUDICIÁRIO - SITUAÇÃO DEFINIDA PELO CNJ CAUSA POLÊMICA ENTRE O SENADO E A CÂMARA NA APRECIAÇÃO AO PLC N. 06/2007.

RECESSO FORENSE NO PODER JUDICIÁRIO - SITUAÇÃO DEFINIDA PELO CNJ CAUSA POLÊMICA ENTRE O SENADO E A CÂMARA NA APRECIAÇÃO AO PLC N. 06/2007. RECESSO FORENSE NO PODER JUDICIÁRIO - SITUAÇÃO DEFINIDA PELO CNJ CAUSA POLÊMICA ENTRE O SENADO E A CÂMARA NA APRECIAÇÃO AO PLC N. 06/2007. Glauce de Oliveira Barros O chamado recesso forense, tratado no

Leia mais

Painel: LIMITES DA AUTONOMIA E DO CONTROLE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

Painel: LIMITES DA AUTONOMIA E DO CONTROLE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Gestão Encontro do 1º Ciclo de Debates Direito e Gestão Pública Núcleo Regional de São Paulo São Paulo-SP 23.10.09 Painel: LIMITES DA AUTONOMIA

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA JUVENTUDE. Município de Soure

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA JUVENTUDE. Município de Soure REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA JUVENTUDE Município de Soure 2014 1 Nota justificativa É hoje inquestionável a transversalidade das políticas públicas dirigidas à juventude. São inegáveis as vantagens

Leia mais

SABER DIREITO FORMULÁRIO

SABER DIREITO FORMULÁRIO Programa Saber Direito TV Justiça Outubro de 2010 Curso: Poder Constituinte Professor: André Alencar SABER DIREITO FORMULÁRIO TÍTULO DO CURSO PODER CONSTITUINTE PROFESSOR ANDRÉ ALENCAR TÍTULO Máximo de

Leia mais

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL. MENSAGEM N o 479, DE 2008

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL. MENSAGEM N o 479, DE 2008 COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL MENSAGEM N o 479, DE 2008 Submete à consideração do Congresso Nacional o texto do Tratado de Extradição entre a República Federativa do Brasil e o Governo

Leia mais

Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos

Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos DESAFIOS E PERSPECTIVAS PARA O DIÁLOGO SOCIAL NO BRASIL: O MODELO SINDICAL BRASILEIRO E A REFORMA SINDICAL Zilmara Davi de Alencar * Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos

Leia mais

Palavras chave: Direito Constitucional. Princípio da dignidade da pessoa humana.

Palavras chave: Direito Constitucional. Princípio da dignidade da pessoa humana. 99 Princípio da Dignidade da Pessoa Humana Idália de Oliveira Ricardo de Assis Oliveira Talúbia Maiara Carvalho Oliveira Graduandos pela Faculdade de Educação, Administração e Tecnologia de Ibaiti. Palavras

Leia mais

Controle da constitucionalidade: França e Brasil

Controle da constitucionalidade: França e Brasil Fonte: Dr. Carlos Roberto Siqueira Castro Seção: Artigo Versão: Online Controle da constitucionalidade: França e Brasil Publicado 3 horas atrás Crédito @fotolia/jotajornalismo Por Maria Augusta Carvalho

Leia mais

OS PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E A DEFESA DOS INTERESSES DA UNIÃO

OS PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E A DEFESA DOS INTERESSES DA UNIÃO OS PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E A DEFESA DOS INTERESSES DA UNIÃO Artigo jurídico apresentado por MARCELO THIMOTI DA SILVA, professor, especialista em Direito Administrativo, Constitucional

Leia mais

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado,

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado, Declaração sobre o Direito e o Dever dos Indivíduos, Grupos e Instituições de Promover e Proteger os Direitos Humanos e as Liberdades Fundamentais Universalmente Reconhecidos 1 A Assembléia Geral, Reafirmando

Leia mais

Lei n.º 133/99 de 28 de Agosto

Lei n.º 133/99 de 28 de Agosto Mediação Familiar Lei n.º 133/99 de 28 de Agosto Altera a Organização Tutelar de Menores, nomeadamente através da introdução de novos artigos de que destacamos aquele que se refere à mediação Artigo 147.º

Leia mais

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador CYRO MIRANDA

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador CYRO MIRANDA PARECER Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, em caráter terminativo, sobre o Projeto de Lei da Câmara nº 31, de 2010 (Projeto de Lei nº 3.512, de 2008, na origem), da Deputada Professora Raquel

Leia mais

A CRÍTICA AO ATO DE SUPERIOR E A LIBERDADE DE EXPRESSÃO

A CRÍTICA AO ATO DE SUPERIOR E A LIBERDADE DE EXPRESSÃO UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MILITAR DIREITO PENAL MILITAR PARTE ESPECIAL MARCELO VITUZZO PERCIANI A CRÍTICA AO ATO DE SUPERIOR E A LIBERDADE DE EXPRESSÃO Marcelo Vituzzo Perciani

Leia mais

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Eixo temático 2: Formação de Professores e Cultura Digital Vicentina Oliveira Santos Lima 1 A grande importância do pensamento de Rousseau na

Leia mais

REQUERIMENTO N o, DE 2015

REQUERIMENTO N o, DE 2015 REQUERIMENTO N o, DE 2015 (Da Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio) Requer a criação e constituição de Comissão Especial destinada a proferir parecer ao Projeto de Lei Complementar

Leia mais

A LEI 9.656/98 E O CDC

A LEI 9.656/98 E O CDC A LEI 9.656/98 E O CDC Daniela Maria Paludo 1 A Lei 9656/98 foi elaborada a partir de inúmeras discussões entre entidades de defesa do consumidor, representantes dos planos de seguro saúde, corporações

Leia mais

*PROJETO DE LEI N.º 2.431, DE 2015 (Da Sra. Luizianne Lins)

*PROJETO DE LEI N.º 2.431, DE 2015 (Da Sra. Luizianne Lins) CÂMARA DOS DEPUTADOS *PROJETO DE LEI N.º 2.431, DE 2015 (Da Sra. Luizianne Lins) Dispõe sobre o patrimônio público digital institucional inserido na rede mundial de computadores e dá outras providências.

Leia mais

Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras

Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras CONVENÇÃO DE NOVA YORK Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras Decreto nº 4.311, de 23/07/2002 Promulga a Convenção sobre o Reconhecimento e a Execução

Leia mais

37. Garantias do preso (Art. 104 GG)

37. Garantias do preso (Art. 104 GG) 37. Garantias do preso (Art. 104 GG) GRUNDGESETZ Art. 104 (Garantias do preso) 1 (1) A liberdade da pessoa só pode ser cerceada com base em uma lei formal e tão somente com a observância das formas nela

Leia mais