FUNDAÇÃO LUSÍADA UNILUS CURSO DE TECNOLOGIA EM RADIOLOGIA ANDRÉ LUIZ SILVA DE JESUS SÍNTESE DA MATÉRIA DE FÍSICA APLICADA DO 1º SEMESTRE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FUNDAÇÃO LUSÍADA UNILUS CURSO DE TECNOLOGIA EM RADIOLOGIA ANDRÉ LUIZ SILVA DE JESUS SÍNTESE DA MATÉRIA DE FÍSICA APLICADA DO 1º SEMESTRE"

Transcrição

1 FUNDAÇÃO LUSÍADA UNILUS CURSO DE TECNOLOGIA EM RADIOLOGIA ANDRÉ LUIZ SILVA DE JESUS SÍNTESE DA MATÉRIA DE FÍSICA APLICADA DO 1º SEMESTRE SANTOS 2012

2 Matéria, Energias e Interações Para a produção dos raios x e da imagem radiográfica são necessárias várias etapas. E para a compreensão delas é preciso ter o conhecimento básico sobre a matéria, energias e interações. Matéria É tudo aquilo que possui forma, dimensão e ocupa lugar no espaço, cuja sua menor parte é o átomo, que por sua vez é dividido em núcleo e eletrosfera. No núcleo temos dois tipos de partículas, fortemente ligadas, os prótons, com carga elétrica positiva (p + ) e os nêutrons (n 0 ), que como o nome já diz, é neutro, não possuindo carga, apenas massa. Na eletrosfera estão presentes os elétrons, que possuem carga negativa (e - ) e orbitam o núcleo em 7 camadas Figura 1 - Representação do átomo denominadas, da mais próxima para a mais afastada pelas as letras k, l, m, n, o, p e q e cada camada suportando um número específico de e -. Na natureza tudo tende a ser estável, e com o átomo não é diferente. Para isso, ele precisa ter sempre o mesmo número de p + e e -. Energias Energia (E) é a capacidade de realizar trabalho. Ela está presente na Física Radiológica de diversas formas descritas abaixo: Energia cinética (Ec): energia de movimento; Energia térmica (Et): radiação infravermelha (R-Iv)/ calor; Energia de ligação (El): energia que a camada exerce sobre o e - para que ele fique onde está. Ela é mais forte na camada mais próxima do núcleo e diminui quando se afasta dele; Energia potencial elétrica (Epe): energia que através de um campo elétrico oferece ainda mais Ec para o e - que estiver nele; Energia radiante (Er): energia que se propaga em forma de onda. O agente responsável pela transferência dessas energias é o e -. Interações Interação é a ação entre dois corpos direta ou indiretamente. Neste caso, as interações que interessam à Física Radiológica são do e - com a matéria. Três são os tipos de interação: Excitação: quando um e - externo com determinada Ec interage com um e - orbital e este absorve sua E que é suficiente apenas para mudar para uma camada superior à sua, causando uma instabilidade atômica. Então, para o átomo se estabilizar, esse e - volta para sua camada de origem, liberando seu excedente de E em forma de R-Iv, que por sua vez é Et, ou seja, calor.

3 Ionização: quando um e - externo com determinada Ec interage com um e - orbital e este absorve sua E que é suficiente para expulsá-lo do átomo, causando também uma instabilidade atômica. Quando isso ocorre, o e - da camada superior muda para a camada inferior, liberando seu excedente de E em forma de Radiação característica (Rc), e isso sucessivamente até que o e - da última camada (também chamada de camada de valência ) mude para a camada inferior e o átomo capture um e - livre que esteja passando perto dele, alcançando assim a estabilidade. As E capazes de excitar e ionizar o átomo são: Ec, Et, Epe e Er. Raio X: quando um e - externo com determinada Ec suficiente para atravessar toda a eletrosfera e interage com o núcleo atômico. Nessa interação o e - é freado e libera sua perda de Ec em forma de Raio X, que é uma Er e sua menor parte é o fóton. Possui as propriedades de excitar, ionizar e penetrar com as características de I e E. Campos de Força Um campo de força é uma área delimitada onde atuam forças. Em Física Radiológica dois são utilizados: o Campo Elétrico (CE) e o Campo Magnético (CM). A diferença entre eles está no seu arranjo estrutural e comportamento das partículas. CE: Sua estrutura é formada por duas placas paralelas, uma contendo cargas estáticas negativas e outra com cargas positivas. O CE é formado entre essas duas placas (gerando uma diferença de potencial medida em volts V), que aumenta ou diminui de intensidade de acordo com o aumento ou diminuição da quantidade de cargas nas placas. A E formada por esse campo é a Epe. CM: Sua estrutura é formada por uma haste de ferro envolta por um fio de cobre. O movimento dos e - através de uma corrente elétrica (medida em ampère A) passará pelo fio induzindo o CM na liga metálica. Na Física Radiológica as unidades de elétricas utilizadas são ma (miliampère 10-3 ) e kv (kilovolts 10 3 ). Ampola de Raios X Para a formação eficiente de raios x é necessário um dispositivo capaz de oferecer as condições ideais para tal. Esse dispositivo é chamado de ampola ou tubo de raios x. Figura 2 - Ampola de raios x

4 Componentes da ampola Os componentes da ampola devem ter características e propriedades específicas para a formação dos raios x com eficiência e alta durabilidade. Tubo de vidro: é o envoltório que contém todos os outros componentes da ampola. É necessário para que o ar seja retirado dentro dele (vácuo), e está envolto em uma camada de óleo que permite seu resfriamento e depois por uma carcaça de chumbo, para evitar a fuga de radiação. Placas: são elas que formarão o CE dentro da ampola. O lado positivo recebe o nome de anodo e o negativo de catodo. São elas que através da diferença de potencial (kv) fornecerão Epe (Ec) aos e - que foram liberados pelo próximo componente. Filamento: local onde ocorre as interações (excitações e ionizações) da corrente elétrica (ma) com a matéria do filamento para a produção de e - livres. Sua carga é nula. Ele deve possuir algumas propriedades com determinadas características: Ser um ótimo emissor termoiônico para liberar muitos e - com pouco calor, precisa ter alto ponto de fusão para suportar altas temperaturas e ter baixa resistividade para a produção de calor com pouca corrente. Capa focalizadora (-): componente responsável pelo direcionamento dos e - liberados pelo filamento até o alvo. Caso não existisse esse componente dentro da ampola, a formação eficiente de raios x estaria muito reduzida. Alvo (+): local onde alguns e - que foram liberados pelo filamento e direcionados pela capa focalizadora, irão interagir com sua matéria, gerando de excitações, ionizações e raios x. O vácuo dentro da ampola é necessário para que os e - liberados pelo filamento não interajam com moléculas de ar até chegarem ao alvo, aumentando assim, a probabilidade de formação de raios x. kv, ma e mas No processo de formação dos raios x, é preciso aplicar fatores elétricos para o controle de sua produção. Esses fatores são o kv, ma e mas. kv (tensão do tubo) Responsável pela diferença de potencial, ou seja, a tensão aplicada entre as placas, a voltagem que é fornecida pela rede elétrica é ampliada vezes pelo transformador, chegando à ampola, portanto em forma de kv. Quando é variado, as cargas presentes nas placas também são, variando a Epe, e consequentemente a Ec fornecida aos e - livres produzidos pelo filamento. Por isso, ele é responsável direta e proporcionalmente pela E do feixe de raios x. Quando aumentado, o kv aumenta a probabilidade que mais e - tenham Ec suficiente para interagir com a matéria do alvo, formando os raios x. Outro efeito causado pelo kv é o aumento na quantidade de e - liberados pelo filamento, fornecendo a Ec necessária para que os e - que estejam na camada de valência se libertem do átomo, aumentando consequentemente, dependendo do aumento empregado, maior

5 quantidade de interações com o alvo e maior probabilidade de formação de raios x, aumentando assim, além da E (qualidade) a I (quantidade) do feixe de raios x. Ainda no filamento, o kv também é responsável pelo aumento na quantidade de excitações, aumentando assim o calor gerado pelo mesmo. O kv é diretamente proporcional à E e I do feixe de raios x. ma (corrente elétrica do filamento) O ma representa a corrente elétrica que passa pelo filamento. Fornecida em forma de A pela rede elétrica, ao passar pelo transformador a corrente é diminuída em vezes. Quando é variado, também variamos a quantidade de corrente que passa pelo filamento, aumentando ou diminuindo a quantidade de interações, ou seja, excitações e ionizações, dessa corrente elétrica com o filamento, variando, portanto, a quantidade de e - livres que podem interagir com o alvo para a formação de raios x. O ma é diretamente proporcional à I do feixe de raios x. mas (corrente de tubo) O mas é o produto do tempo (s) multiplicado pelo ma. É referente à corrente que eletrônica que sai do filamento em direção ao alvo em uma determinada unidade de tempo. Ele, portanto, determina a dose que o paciente irá receber, ou seja, qual será a I por s que os e - terão para interagir com o alvo, aumentando a probabilidade de todas elas ocorram no alvo. O mas é diretamente proporcional à dose recebida pelo paciente. Interações dos raios x com a matéria Depois da formação dos raios x através das interações ocorridas entre os e - e a matéria do alvo na ampola, eles são direcionados em direção ao paciente com suas propriedades de excitar, ionizar e penetrar a matéria com as características de E e I. No paciente também ocorrerão interações, mais agora do fóton de raios x com a matéria do paciente. Figura 3 - Representação do Efeito Compton

6 Efeito Fotoelétrico (EFE) Ocorre quando o fóton contém E suficiente para interagir com o e - orbital e sendo totalmente absorvida por ele que é expulso do átomo, gerando ionização e emissão de Rc, não havendo, portanto, nenhum espalhamento. Esse efeito predomina na faixa de E do fóton até 100 KeV. É responsável pela tonalidade branca (radiopaca) na radiografia. Efeito Compton (EC) Ocorre quando o fóton contém mais E do que presente no EFE, ou seja, com E suficiente para interagir com o e -, tendo uma parte absorvida por ele e a outra parte sendo espalhada. Esse efeito predomina na faixa de E do fotón entre 100 KeV e 10 MeV. É responsável pelas tonalidades de cinza na radiografia. Efeito Thompson (ET) Ocorre quando o fóton contém mais E do que o presente no EC, ou seja, com E suficiente para atravessar toda eletrosfera, interagindo com um e - orbital apenas o fazendo vibrar, sendo assim seu espalhamento é total. É responsável pela tonalidade preta (radiotransparente) na radiografia. Esse efeito predomina na faixa de E do fóton acima de 10 MeV, ocorrendo, portanto, a produção de pares, ou seja um elétron com carga negativa (e - ) e um pósitron, que é um elétron com carga positiva (e + ).

FÍSICA RADIOLOGICA. Prof. Emerson Siraqui

FÍSICA RADIOLOGICA. Prof. Emerson Siraqui FÍSICA RADIOLOGICA Prof. Emerson Siraqui RADIAÇÃO ELETROMAGNÉTICA Para concluirmos o que é radiações de forma bem simples é um transporte de energia que se propaga a partir de uma fonte em todas direções.

Leia mais

RAIOS-X. aspectos gerais J.R. Kaschny (2013)

RAIOS-X. aspectos gerais J.R. Kaschny (2013) RAIOS-X aspectos gerais J.R. Kaschny (2013) Introdução Os raios X são emissões eletromagnéticas de natureza semelhante à luz visível. Seu comprimento de onda vai de 0,05 Å até dezenas de angstrons, descobertos

Leia mais

RÁPIDA INTRODUÇÃO À FÍSICA DAS RADIAÇÕES Simone Coutinho Cardoso & Marta Feijó Barroso UNIDADE 2. Radiação: o que é, de onde vem

RÁPIDA INTRODUÇÃO À FÍSICA DAS RADIAÇÕES Simone Coutinho Cardoso & Marta Feijó Barroso UNIDADE 2. Radiação: o que é, de onde vem Radiação: o que é, de onde vem RÁPIDA INTRODUÇÃO À FÍSICA DAS RADIAÇÕES Simone Coutinho Cardoso & Marta Feijó Barroso UNIDADE 2 Objetivos: discutir o que é radiação, como caracterizá-la em função de sua

Leia mais

FÍSICA APLICADA A RADIOLOGIA. Proº. Lillian Lemos E-mail: lillianlemos@yahoo.com.br

FÍSICA APLICADA A RADIOLOGIA. Proº. Lillian Lemos E-mail: lillianlemos@yahoo.com.br FÍSICA APLICADA A RADIOLOGIA Proº. Lillian Lemos E-mail: lillianlemos@yahoo.com.br ESTADOS DA MATÉRIA Três tipos: -Estado Fundamental -Estado Excitado -Estado Ionizado ESTADOS DA MATÉRIA Estado Fundamental:

Leia mais

ESTRUTURA DO ÁTOMO. 3. (G1 - cftmg 2016) Sobre as propriedades do íon sulfeto ( ) verdadeiro ou (F) para falso.

ESTRUTURA DO ÁTOMO. 3. (G1 - cftmg 2016) Sobre as propriedades do íon sulfeto ( ) verdadeiro ou (F) para falso. 1. (Udesc 2014) O enunciado Em um mesmo átomo, não podem existir dois elétrons com o mesmo conjunto de números quânticos refere-se a(ao): a) Princípio da Exclusão de Pauli. b) Princípio da Conservação

Leia mais

A Natureza Elétrica da Matéria

A Natureza Elétrica da Matéria A Natureza Elétrica da Matéria Você já parou para pensar que toda matéria na natureza é eletricamente neutra? Pelo menos no planeta Terra podemos afirmar isso! Talvez tenha sido essa observação que levou

Leia mais

Aula II - Tabela Periódica

Aula II - Tabela Periódica Aula II - Tabela Periódica Tutora: Marcia Mattos Pintos Rio Grande, 16 agosto de 2014. Revisão Átomo: Unidade fundamental da matéria; Partes do átomo: núcleo e eletrosfera. Carga Elétrica das partículas

Leia mais

QUANTIZAÇÃO DA ELETRICIDADE, DA LUZ E DA ENERGIA

QUANTIZAÇÃO DA ELETRICIDADE, DA LUZ E DA ENERGIA QUANTIZAÇÃO DA ELETRICIDADE, DA LUZ E DA ENERGIA 1 A DESCOBERTA DO ELÉTRON P ~ 10-3 atm gás ionizado - PLASMA P ~ 10-6 atm RAIOS INVISÍVEIS RAIOS CATÓDICOS Experiência J.J. Thomson - RELAÇÃO (e/m) 2 QUANTIZAÇÃO

Leia mais

Metais. Grande número de entidades iguais mantidas coesas em um retículo cristalino.

Metais. Grande número de entidades iguais mantidas coesas em um retículo cristalino. Ligações Metálicas Grande número de entidades iguais mantidas coesas em um retículo cristalino. Metais Não pode ser explicado pela teoria das ligações covalentes o arranjo dos metais não segue o padrão

Leia mais

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 4 FÍSICA DO ARCO ARCO ELÉTRICO

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 4 FÍSICA DO ARCO ARCO ELÉTRICO 22 CAPÍTULO 4 FÍSICA DO ARCO ARCO ELÉTRICO 23 FÍSICA DO ARCO ELÉTRICO DEFINIÇÃO Um arco elétrico pode ser definido como um feixe de descargas elétricas formadas entre dois eletrodos e mantidas pela formação

Leia mais

Propriedades Elétricas do Materiais

Propriedades Elétricas do Materiais Propriedades Elétricas do Materiais Por que estudar propriedades elétricas dos materiais? Apreciação das propriedades elétricas de materiais é muitas vezes importante, quando na seleção de materiais e

Leia mais

OLIMPÍADA PIAUIENSE DE QUÍMICA - 2014 Modalidade EF

OLIMPÍADA PIAUIENSE DE QUÍMICA - 2014 Modalidade EF OLIMPÍADA PIAUIENSE DE QUÍMICA - 2014 Modalidade EF INSTRUÇÕES 1 Esta prova contém oito questões no total, sendo duas questões abertas e seis questões de múltipla escolha. 2 Antes de iniciar a prova, confira

Leia mais

ESTRUTURA ELETRÔNICA DOS ÁTOMOS

ESTRUTURA ELETRÔNICA DOS ÁTOMOS ESTRUTURA ELETRÔNICA DOS ÁTOMOS MECÂNICA QUÂNTICA E OS ORBITAIS ATÔMICOS 1926 Físico austríaco Erwin Schrödinger Equação de onda de Schrödinger Incorpora tanto o comportamento ondulatório como o de partícula

Leia mais

RESOLUÇÃO DE EXERCÍCIOS PROPOSTOS AULA 01 TURMA ANUAL. 05. Item A

RESOLUÇÃO DE EXERCÍCIOS PROPOSTOS AULA 01 TURMA ANUAL. 05. Item A RESOLUÇÃO DE EXERCÍCIOS PROPOSTOS 01. Item B AULA 01 TURMA ANUAL I Correto. Ao passar para um nível mais interno o elétron emite energia na forma de luz. II Falso. Rutherford não propôs um átomo maciço,

Leia mais

Resposta Questão 2. a) O N O b) Linear

Resposta Questão 2. a) O N O b) Linear GABARITO DA PROVA DO PROCESSO DE SELEÇÃO PARA O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO 1 SEMESTRE DE 2016 FÍSICA E QUÍMICA DE MATERIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI Resposta Questão 1. A amônia apresenta

Leia mais

Principais modelos atômicos. Modelo Atômico de Thomson (1898)

Principais modelos atômicos. Modelo Atômico de Thomson (1898) Principais modelos atômicos Modelo Atômico de Thomson (1898) Com a descoberta dos prótons e elétrons, Thomson propôs um modelo de átomo no qual os elétrons e os prótons, estariam uniformemente distribuídos,

Leia mais

Evolução dos Modelos Atômicos

Evolução dos Modelos Atômicos Evolução dos Modelos Atômicos 1. (Puc - RS) O átomo, na visão de Thomson, é constituído de a) níveis e subníveis de energia. b) cargas positivas e negativas. c) núcleo e eletrosfera. d) grandes espaços

Leia mais

ELETROSTÁTICA wagnumbers.com.br O UNIVERSO PODE SER CARACTERIZADO POR GRANDEZAS FUNDAMENTAIS: MATÉRIA / MASSA, ENERGIA, ESPAÇO,

ELETROSTÁTICA wagnumbers.com.br O UNIVERSO PODE SER CARACTERIZADO POR GRANDEZAS FUNDAMENTAIS: MATÉRIA / MASSA, ENERGIA, ESPAÇO, ELETROSTÁTICA wagnumbers.com.br O UNIVERSO PODE SER CARACTERIZADO POR GRANDEZAS FUNDAMENTAIS: MATÉRIA / MASSA, ENERGIA, ESPAÇO, E TEMPO. A MATÉRIA É CONSTITUÍDA POR PARTÍCULAS MUITO PEQUENAS CHAMADAS DE

Leia mais

Evolução dos Modelos Atômicos A DESCOBERTA DO ÁTOMO

Evolução dos Modelos Atômicos A DESCOBERTA DO ÁTOMO Evolução dos Modelos Atômicos A DESCOBERTA DO ÁTOMO A DESCOBERTA DAS PARTÍCULAS SUBATÔMICAS Após Dalton ter apresentado sua teoria atômica, em 1808, na qual sugeria que os átomos eram indivisíveis, maciços

Leia mais

CARGAS ELÉTRICAS. Por Jonathan T. Quartuccio

CARGAS ELÉTRICAS. Por Jonathan T. Quartuccio CARGAS ELÉTRICAS Por Jonathan T. Quartuccio Há muito tempo o homem vem estudando fenômenos relacionados a eletricidade. Na Grécia antiga, o fenômeno de atração entre corpos já era observado quando se atritava

Leia mais

Distribuição Eletrônica Tabela Periódica

Distribuição Eletrônica Tabela Periódica Química Geral e Inorgânica QGI0001 Eng a. de Produção e Sistemas Prof a. Dr a. Carla Dalmolin Distribuição Eletrônica Tabela Periódica Orbitais e Números Quânticos N o Quântico Principal Camada Subcamada

Leia mais

MÁQUINAS HIDRÁULICAS AULA 15 TURBINAS A VAPOR PROF.: KAIO DUTRA

MÁQUINAS HIDRÁULICAS AULA 15 TURBINAS A VAPOR PROF.: KAIO DUTRA MÁQUINAS HIDRÁULICAS AULA 15 TURBINAS A VAPOR PROF.: KAIO DUTRA Usinas Termoelétricas As turbinas a vapor são máquinas que utilizam a elevada energia cinética da massa de vapor expandido em trabalho de

Leia mais

Modelos atômicos. Modelo de Bohr

Modelos atômicos. Modelo de Bohr Modelos atômicos Modelo de Bohr O modelo de Bohr apresenta limitações significativas, não servindo para explicar vários dos fenômenos nos quais estão envolvidos elétrons. As deficiências do modelo de Bohr

Leia mais

Ligações Iônicas. Tipos de Ligações

Ligações Iônicas. Tipos de Ligações Ligações Iônicas Tipos de Ligações Existem diversos tipos de ligações para se considerar quando analisar a composição química de um composto. Uma ligação pode ser definida como uma força que prende grupos

Leia mais

TP064 - CIÊNCIA DOS MATERIAIS PARA EP. FABIANO OSCAR DROZDA

TP064 - CIÊNCIA DOS MATERIAIS PARA EP. FABIANO OSCAR DROZDA TP064 - CIÊNCIA DOS MATERIAIS PARA EP FABIANO OSCAR DROZDA fabiano.drozda@ufpr.br 1 AULA 02 ESTRUTURA ATÔMICA e LIGAÇÃO ATÔMICA CAPÍTULO 02 CALLISTER 5 a Ed. 2 ESTRUTURA ATÔMICA Modelo atômico de Bohr

Leia mais

Atomística (I parte):

Atomística (I parte): Atomística (I parte): O estudo histórico do átomo Histórico do Átomo: Modelo dos gregos - Atomismo; Modelo de 1808 - Dalton Modelo de 1898 Thompson Modelo de 1911 Rutherford Modelo de 1913 Bohr Modelo

Leia mais

Título: Professor: Turma: 2ª Lista de Física II Tadeu 3ª Ano

Título: Professor: Turma: 2ª Lista de Física II Tadeu 3ª Ano Título: Professor: Turma: 2ª Lista de Física II Tadeu 3ª Ano Questão 1 Três esferas metálicas iguais estão carregadas eletricamente e localizadas no vácuo. Inicialmente, as esferas A e B possuem, cada

Leia mais

TRANSISTOR DE JUNÇÃO BIPOLAR - I Prof. Edgar Zuim

TRANSISTOR DE JUNÇÃO BIPOLAR - I Prof. Edgar Zuim TRANSISTOR DE JUNÇÃO BIPOLAR - I Prof. Edgar Zuim O transistor de junção bipolar é um dispositivo semicondutor de três terminais, formado por três camadas consistindo de: duas camadas de material tipo

Leia mais

mais vapores do vinho. É, portanto, uma mistura homogênea.

mais vapores do vinho. É, portanto, uma mistura homogênea. Resolução das atividades complementares Química p. I. Falsa. As amostras A e B contêm a mesma substância (naftalina). Essas amostras se fundem, portanto, na mesma temperatura. II. Falsa. A temperatura

Leia mais

Tema de Física Eletrostática Força elétrica e campo elétrico Prof. Alex S. Vieira

Tema de Física Eletrostática Força elétrica e campo elétrico Prof. Alex S. Vieira Tema de Física Eletrostática Força elétrica e campo elétrico 1) Se, após o contato e posterior separação, F 2 é o módulo da força coulombiana entre X e Y, podese afirmar corretamente que o quociente F

Leia mais

Termômetros de Radiação. Prof. Valner Brusamarello

Termômetros de Radiação. Prof. Valner Brusamarello Termômetros de Radiação Prof. Valner Brusamarello Termômetros de Radiação Todos os corpos na natureza são formados por moléculas, formadas por átomos. Todas as partículas são em essência cargas elétricas.

Leia mais

Leupico a matéria é discreta ou contínua? - átomos

Leupico a matéria é discreta ou contínua? - átomos Estrutura Atômica A descoberta da estrutura atômica Os gregos antigos foram os primeiros a postular que a matéria é constituída de elementos indivisíveis. Thales água Anaxímenes ar Heráclito fogo Empédocles

Leia mais

FÍSICA - 2 o ANO MÓDULO 08 ELETRIZAÇÃO E FORÇA ELÉTRICA REVISÃO

FÍSICA - 2 o ANO MÓDULO 08 ELETRIZAÇÃO E FORÇA ELÉTRICA REVISÃO FÍSICA - 2 o ANO MÓDULO 08 ELETRIZAÇÃO E FORÇA ELÉTRICA REVISÃO Fixação 1) (CESGRANRIO) No modelo mais elementar do átomo de hidrogênio (modelo de Bohr), o elétron gira em órbita circular em torno do próton

Leia mais

www.professormazzei.com - ATOMÍSTICA Folha 04 João Roberto Mazzei

www.professormazzei.com - ATOMÍSTICA Folha 04 João Roberto Mazzei Questão 01 Rutherford idealizou um modelo atômico com duas regiões distintas. Esse modelo pode ser comparado a um estádio de futebol com a bola no centro: a proporção entre o tamanho do estádio em relação

Leia mais

Resolução da Prova de Química Vestibular Inverno UPF 2003 Prof. Emiliano Chemello

Resolução da Prova de Química Vestibular Inverno UPF 2003 Prof. Emiliano Chemello Resolução da Prova de Química Vestibular Inverno UPF 2003 Professor Emiliano Chemello www.quimica.net/emiliano emiliano@quimica.net Questões Resoluções Os óxidos básicos (Oxigênio ligado a um metal de

Leia mais

Colégio Saint Exupéry

Colégio Saint Exupéry Colégio Saint Exupéry Apostila QUÍMICA No nosso dia-a-dia o ato de classificar as coisas é algo corriqueiro. Em um faqueiro colocamos em um mesmo espaço as facas, em outro os garfos, etc. Agrupar coisas

Leia mais

PLANO DE ENSINO ANUAL 2014

PLANO DE ENSINO ANUAL 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃOAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA CEDUC - CENTRO DE EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO GERAL DA EDUCAÇÃO BÁSICA COLÉGIO DE APLICAÇÃO PLANO DE ENSINO ANUAL 2014 DISCIPLINA SÉRIE TURMA ANO LETIVO

Leia mais

Propriedades Elétricas (cap. 42 Fundamentos de Física Halliday, Resnick, Walker, vol. 4 6ª. Ed.)

Propriedades Elétricas (cap. 42 Fundamentos de Física Halliday, Resnick, Walker, vol. 4 6ª. Ed.) Unidade stado Sólido Propriedades létricas (cap. 4 Fundamentos de Física Halliday, Resnick, Walker, vol. 4 6ª. d.) Metais Semicondutores Classificar os sólidos, do ponto de vista elétrico, de acordo com

Leia mais

Química. Resolução das atividades complementares. Q33 Distribuição eletrônica

Química. Resolução das atividades complementares. Q33 Distribuição eletrônica Resolução das atividades complementares 3 Química Q33 Distribuição eletrônica p. 6 1 (Uniube-MG) Um átomo cuja configuração eletrônica é 1s 2 2s 2 2p 6 3s 2 3p 6 4s 2 tem como número atômico: a) 10 c)

Leia mais

Exercícios de Eletrostática Lista 1

Exercícios de Eletrostática Lista 1 Exercícios de Eletrostática Lista 1 1. Se tivermos um balão de borracha com uma carga positiva distribuída sobre sua superfície, podemos afirmar que (A) na região externa ao balão o campo elétrico é nulo.

Leia mais

aplicada à força sentida por uma carga q 0, devida à N cargas q 1 q 2 q n

aplicada à força sentida por uma carga q 0, devida à N cargas q 1 q 2 q n Eletricidade O Campo eléctrico Consideremos a equação aplicada à força sentida por uma carga q 0, devida à N cargas q 1 q 2 q n onde é a distância desde a carga até o ponto do espaço onde se encontra a

Leia mais

9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL -2015

9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL -2015 COLÉGIO NOSSA SENHORA DE LOURDES trimestral Disciplina: Professor (a): QUÍMICA LUIS FERNANDO Roteiro de estudos para recuperação 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL -2015 Conteúdo: Referência para estudo: Sites

Leia mais

Propriedades térmicas em Materiais

Propriedades térmicas em Materiais FACULDADE SUDOESTE PAULISTA Ciência e Tecnologia de Materiais Prof. Msc. Patrícia Correa Propriedades térmicas em Materiais Noções importantes para entendermos os mecanismos de transporte através dos materiais

Leia mais

CONFIGURAÇÕES ELETRÔNICAS E PERIODICIDADE QUÍMICA

CONFIGURAÇÕES ELETRÔNICAS E PERIODICIDADE QUÍMICA CONFIGURAÇÕES ELETRÔNICAS E PERIODICIDADE QUÍMICA A tabela periódica é o guia para a ordem na qual os orbitais são preenchidos. Ela está estruturada de forma que os elementos com o mesmo padrão de configurações

Leia mais

COLÉGIO RESSURREIÇÃO NOSSA SENHORA LISTA DE EXERCÍCIOS DE REVISÃO ESPELHOS PLANOS PROF.: DUDUNEGÃO

COLÉGIO RESSURREIÇÃO NOSSA SENHORA LISTA DE EXERCÍCIOS DE REVISÃO ESPELHOS PLANOS PROF.: DUDUNEGÃO COLÉGIO RESSURREIÇÃO NOSSA SENHORA LISTA DE EXERCÍCIOS DE REVISÃO ESPELHOS PLANOS PROF.: DUDUNEGÃO 01. Duas cargas puntiformes encontram-se no vácuo a uma distância de 10cm uma da outra. As cargas valem

Leia mais

Lista de exercícios de Física / 2 Bimestre Unidades 1, 2 e 3

Lista de exercícios de Física / 2 Bimestre Unidades 1, 2 e 3 Nota Lista de exercícios de Física / 2 Bimestre Unidades 1, 2 e 3 Data: 18 de maio de 2012 Curso: Ensino Médio 3 ano A Professora: Luciana M.A. Teixeira Nome: Nº Instruções gerais Para a resolução desta

Leia mais

Exercícios sobre Força de Coulomb

Exercícios sobre Força de Coulomb Exercícios sobre Força de Coulomb 1-Duas cargas elétricas iguais de 10 6 C se repelem no vácuo com uma força de 0,1 N. Sabendo que a constante elétrica do vácuo é de 9 10 9 N m /C, qual a distância entre

Leia mais

Teoria Atômica da Matéria

Teoria Atômica da Matéria Teoria Atômica da Matéria Breve Histórico Leucipo e Demócrito ( 400 a.c.) descontinuidade da matéria (átomo). Alquimia ( 300 a.c. 500 d.c.) civilizações árabes e gregas. Paracelsus ( 500 d.c.) Iatroquímica.

Leia mais

Questão 01: Algumas peças de motocicletas, bicicletas e automóveis são cromadas. Uma peça automotiva recebeu um banho de cromo, cujo processo

Questão 01: Algumas peças de motocicletas, bicicletas e automóveis são cromadas. Uma peça automotiva recebeu um banho de cromo, cujo processo QUÍMICA Ítalo Lemos Questão 01: Algumas peças de motocicletas, bicicletas e automóveis são cromadas. Uma peça automotiva recebeu um banho de cromo, cujo processo denominado cromagem consiste na deposição

Leia mais

Tabela Periódica (localização e propriedades)

Tabela Periódica (localização e propriedades) Tabela Periódica (localização e propriedades Questão 01 Três átomos cujos números atômicos são 8, 11 e 17 estão classificados na tabela periódica, respectivamente, como a um gás nobre, um metal alcalino

Leia mais

A transferência de calor ocorre até o instante em que os corpos atingem a mesma temperatura (equilíbrio térmico).

A transferência de calor ocorre até o instante em que os corpos atingem a mesma temperatura (equilíbrio térmico). REVISÃO ENEM Calorimetria CONCEITO FÍSICO DE CALOR Calor é a energia transferida de um corpo a outro, devido à desigualdade de temperaturas existente entre eles. Essa transferência sempre ocorre do corpo

Leia mais

I O átomo é constituído por duas regiões distintas: o núcleo e a eletrosfera.

I O átomo é constituído por duas regiões distintas: o núcleo e a eletrosfera. Atividade extra Questão 1 Cecierj - 2013 Como não é possível ver os átomos, Dalton, Thomson e Rutherford elaboraram modelos para ilustrá-los, em função de resultados obtidos em experiências realizadas

Leia mais

FÍSICA APLICADA À RADIOLOGIA

FÍSICA APLICADA À RADIOLOGIA FÍSICA APLICADA À RADIOLOGIA Sumário Histórico...01 Descoberta dos Raios-X...03 Tubo de Raios-X...04 Esquema do Tubo de Raios-X...08 A natureza da radiação Ionizante...09 Estrutura da matéria...10 Formação

Leia mais

Circuito Elétrico - I

Circuito Elétrico - I 1 1. Um resistor de 32 ohms é ligado em paralelo a outro resistor de 20 ohms e o conjunto é ligado a uma fonte de tensão de 12VDC. a) Qual é a resistência da ligação em paralelo? b) Qual é a corrente total

Leia mais

Profª.. Carla da Silva Meireles

Profª.. Carla da Silva Meireles Estrutura eletrônica dos átomos Profª.. Carla da Silva Meireles O que fazem os elétrons? Como eles se mantém em órbita? As leis da física eram insatisfatórias para descrever movimento de partículas tão

Leia mais

Aula 2: Estrutura Atômica

Aula 2: Estrutura Atômica Aula 2: Estrutura Atômica Histórico u Grécia Antiga: Alquimistas (400 a.c.) - Matéria consiste de partículas distintas indivisíveis (átomos) - Ausência de evidências experimentais u Teoria Atômica dos

Leia mais

Módulo 08 - Mecanismos de Troca de Calor

Módulo 08 - Mecanismos de Troca de Calor Módulo 08 - Mecanismos de Troca de Calor CONCEITOS FUNDAMENTAIS Vamos iniciar este capítulo conceituando o que significa calor, que tecnicamente tem um significado muito diferente do que usamos no cotidiano.

Leia mais

A radioatividade e a idade da Terra

A radioatividade e a idade da Terra A radioatividade e a idade da Terra Luiz Fernando Mackedanz luiz.mackedanz@unipampa.edu.br Centro de Ciências Naturais e Tecnológicas Universidade Federal do Pampa, Caçapava do Sul, RS, Brasil L. F. Mackedanz

Leia mais

RESPOSTA: C. a) só a I. b) só a II. c) só a III. d) mais de uma. e) N.d.a. RESPOSTA: C

RESPOSTA: C. a) só a I. b) só a II. c) só a III. d) mais de uma. e) N.d.a. RESPOSTA: C 1. (ITA - 1969) Usando L para comprimento, T para tempo e M para massa, as dimensões de energia e quantidade de movimento linear correspondem a: Energia Quantidade de Movimento a) M L T -1... M 2 L T -2

Leia mais

Física IV - 4320402 Escola Politécnica - 2012 GABARITO DA PR 5 de fevereiro de 2013

Física IV - 4320402 Escola Politécnica - 2012 GABARITO DA PR 5 de fevereiro de 2013 Física IV - 43040 Escola Politécnica - 0 GABARITO DA PR 5 de fevereiro de 03 Questão No circuito abaixo o gerador de corrente alternada com freqüência angular ω = 500 rd/s fornece uma tensão eficaz (quadrática

Leia mais

LISTA ELETROSTÁTICA 3ª SÉRIE

LISTA ELETROSTÁTICA 3ª SÉRIE 1. (Pucrj 013) Duas cargas pontuais q1 3,0 μc e q 6,0 μc são colocadas a uma distância de 1,0 m entre si. Calcule a distância, em metros, entre a carga q 1 e a posição, situada entre as cargas, onde o

Leia mais

TEORIA DOS ORBITAIS MOLECULARES -TOM

TEORIA DOS ORBITAIS MOLECULARES -TOM TEORIA DOS ORBITAIS MOLECULARES -TOM TOM - Importância - Elucidar alguns aspectos da ligação não explicados pelas estruturas de Lewis, pela teoria da RPENV e pela hibridização. - Exemplo: Por que o O 2

Leia mais

Exercícios da apostila. Aulas 17 a 27

Exercícios da apostila. Aulas 17 a 27 Exercícios da apostila Aulas 17 a 27 17 - Transmissão de Calor 1) Cada material possui um coeficiente de condutibilidade térmica K (cal/s cm ºC). Materiais bons condutores de calor, como os metais possuem

Leia mais

Proposta de Resolução do Exame Nacional de Física e Química A 11.º ano, 2015, 2.ª Fase, versão 1

Proposta de Resolução do Exame Nacional de Física e Química A 11.º ano, 2015, 2.ª Fase, versão 1 Proposta de Resolução do Exame Nacional de Física e Química A 11.º ano, 2015, 2.ª Fase, versão 1, 18 de julho de 2015 Exame Final Nacional do Ensino Secundário, Prova Escrita de Física e Química A, 11.º

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO NUCLEAR LUIZ FERNANDO DE C. CONTI

INSTRUMENTAÇÃO NUCLEAR LUIZ FERNANDO DE C. CONTI INSTRUMENTAÇÃO NUCLEAR LUIZ FERNANDO DE C. CONTI 2002 ii ÍNDICE 1 - INTERAÇÃO DA RADIAÇÃO COM A MATÉRIA... 1 1.1 - INTERAÇÃO DE PARTÍCULAS ALFA... 1 1.2 - INTERAÇÃO DE PARTÍCULAS BETA... 5 1.3 -INTERAÇÃO

Leia mais

Apostila de Física 26 Resistores

Apostila de Física 26 Resistores Apostila de Física 26 Resistores 1.0 Definições Efeito térmico ou efeito joule: Transformação de energia elétrica em energia térmica. Choque dos elétrons livres contra os átomos dos condutores. Causa elevação

Leia mais

EXERCÍCIOS CONFIGURAÇÃO ELETRÔNICA E PROPRIEDADES ATÔMICAS E TENDÊNCIAS PERIÓDICAS

EXERCÍCIOS CONFIGURAÇÃO ELETRÔNICA E PROPRIEDADES ATÔMICAS E TENDÊNCIAS PERIÓDICAS EXERCÍCIOS CONFIGURAÇÃO ELETRÔNICA E PROPRIEDADES ATÔMICAS E TENDÊNCIAS PERIÓDICAS Questão 1 O cloreto de tionila, SOCl 2, é um importante agente de coloração e um importante agente oxidande em química

Leia mais

V = R. I R = L / A. CLASSIFICACAO MATERIAL [.m] Metais

V = R. I R = L / A. CLASSIFICACAO MATERIAL [.m] Metais LEI DE OHM A Lei de Ohm diz que a corrente elétrica que passa por um material é diretamente proporcional a tensão V nele aplicado, e esta constante de proporcionalidade chama-se resistência elétrica. De

Leia mais

3 Reações Proibidas por Spin

3 Reações Proibidas por Spin 3 Reações Proibidas por Spin Em reações químicas, elétrons ligantes são redistribuídos quando ligações químicas são quebradas e formadas. Quando alguns dos elétrons dos reagentes ou dos produtos são desemparelhados,

Leia mais

MICROFONE E ALTIFALANTE

MICROFONE E ALTIFALANTE MICROFONE E ALTIFALANTE Um microfone é um transdutor que transforma energia mecânica (onda sonora) em energia elétrica (sinal elétrico de corrente alternada). O altifalante é um transdutor que transforma

Leia mais

NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA

NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA Prof. Carlos R. A. Lima CAPÍTULO 4 MODELOS ATÔMICOS E VELHA TEORIA QUÂNTICA Edição de janeiro de 2009 CAPÍTULO 4 MODELOS ATÔMICOS E VELHA TEORIA QUÂNTICA ÍNDICE 4.1- Primórdios

Leia mais

+++++++ - - - - - - -

+++++++ - - - - - - - www.pascal.com.br Prof. Edson Osni Ramos 3. (UEPG - 99) ε = 2 - - - - - - - d = 0,2 cm = 0,002 m Entre as placas do capacitor não há corrente elétrico (existe um dielétrico). Nesse caso, o capacitor está

Leia mais

Analogia com a polarização elétrica

Analogia com a polarização elétrica Analogia com a polarização elétrica Polarização orientação de dipolos elétricos, devido à ação de um campo elétrico. Magnetização - orientação de dipolos magnéticos, devido à ação de um campo magnético.

Leia mais

Estas aminas são bases de Lewis já que sobram elétrons no átomo de nitrogênio e como tal podem reagir com ácidos.

Estas aminas são bases de Lewis já que sobram elétrons no átomo de nitrogênio e como tal podem reagir com ácidos. 01. Os compostos mostrados são respectivamente amina primária, amina secundária e amina terciária. O composto III, por não apresentar ligações (pontes) de hidrogênio, é o menos solúvel em água, tornando

Leia mais

Transposição das Teorias Modernas e Contemporâneas

Transposição das Teorias Modernas e Contemporâneas Laboratório de Pesquisa em Ensino de Física Transposição das Teorias Modernas e Contemporâneas Texto REA 2.2.1.1 TXT: Vendo através da pele: A descoberta dos raios X Há pouco mais de 100 anos atrás, não

Leia mais

Eletrônica: conceitos básicos

Eletrônica: conceitos básicos Eletrônica: conceitos básicos A UU L AL A Você já sabe que sem eletricidade não há automação. Ela está presente no acionamento (motores elétricos), no sensoriamento e mesmo nas bombas hidráulicas e nos

Leia mais

Utilização de Resíduos de Metal como material para a absorção de radiação eletromagnética

Utilização de Resíduos de Metal como material para a absorção de radiação eletromagnética Utilização de Resíduos de Metal como material para a absorção de radiação eletromagnética Abstrato A radiação eletromagnética está aumentando junto com o desenvolvimento da tecnologia, principalmente eletro-domésticos

Leia mais

Apostila 1 Física. Capítulo 3. A Natureza das Ondas. Página 302. Gnomo

Apostila 1 Física. Capítulo 3. A Natureza das Ondas. Página 302. Gnomo Apostila 1 Física Capítulo 3 Página 302 A Natureza das Ondas Classificação quanto a natureza Ondas Mecânicas São ondas relacionadas à oscilação das partículas do meio. Portanto, exige a presença de meio

Leia mais

Np X U. 03) (ITA-SP) Considere as seguintes equações relativas a processos nucleares:

Np X U. 03) (ITA-SP) Considere as seguintes equações relativas a processos nucleares: 01) (Uesb-BA) A radioatividade emitida por determinadas amostras de substâncias provém: a) da energia térmica liberada em sua combustão. b) de alterações em núcleos de átomos que as formam. c) de rupturas

Leia mais

SUBSTÂNCIAS, MISTURAS E SEPARAÇÃO DE MISTURAS

SUBSTÂNCIAS, MISTURAS E SEPARAÇÃO DE MISTURAS NOTAS DE AULA (QUÍMICA) SUBSTÂNCIAS, MISTURAS E SEPARAÇÃO DE MISTURAS PROFESSOR: ITALLO CEZAR 1 INTRODUÇÃO A química é a ciência da matéria e suas transformações, isto é, estuda a matéria. O conceito da

Leia mais

INSTRUÇÕES. O tempo disponível para a realização das duas provas e o preenchimento da Folha de Respostas é de 5 (cinco) horas no total.

INSTRUÇÕES. O tempo disponível para a realização das duas provas e o preenchimento da Folha de Respostas é de 5 (cinco) horas no total. INSTRUÇÕES Para a realização desta prova, você recebeu este Caderno de Questões. 1. Caderno de Questões Verifique se este Caderno de Questões contém a prova de Conhecimentos Específicos referente ao cargo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE -UFS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA- CCET DEPARTAMENTO DE QUÍMICA - DQI PROF.: ANTONIO REINALDO CESTARI

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE -UFS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA- CCET DEPARTAMENTO DE QUÍMICA - DQI PROF.: ANTONIO REINALDO CESTARI UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE -UFS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA- CCET DEPARTAMENTO DE QUÍMICA - DQI PROF.: ANTONIO REINALDO CESTARI Teoria atômica - Exemplos numéricos 1) A freqüência da radiação

Leia mais

Carga elétrica, condutores e isolantes, unidades de medida, v, i, potência e energia

Carga elétrica, condutores e isolantes, unidades de medida, v, i, potência e energia Carga elétrica, condutores e isolantes, unidades de medida, v, i, potência e energia 1) Uma minúscula esfera de metal que contém 1,075.10²² átomos está com uma falta de elétrons de 3,12.10 18 elétrons.

Leia mais

MATEMÁTICA. Questões de 01 a 06

MATEMÁTICA. Questões de 01 a 06 MATEMÁTICA Questões de 01 a 06 MAT PÁG. 1 01. O custo total da fabricação de determinado artigo depende do custo de produção, que é de R$ 45,00 por unidade fabricada, mais um custo fixo de R$ 2.000,00.

Leia mais

MASSA ATÔMICA, MOLECULAR, MOLAR, NÚMERO DE AVOGADRO E VOLUME MOLAR.

MASSA ATÔMICA, MOLECULAR, MOLAR, NÚMERO DE AVOGADRO E VOLUME MOLAR. MASSA ATÔMICA, MOLECULAR, MOLAR, NÚMERO DE AVOGADRO E VOLUME MOLAR. UNIDADE DE MASSA ATÔMICA Em 1961, na Conferência da União Internacional de Química Pura e Aplicada estabeleceu-se: DEFINIÇÃO DE MASSA

Leia mais

DISPOSITIVOS OPTOELETRÔNICOS Leds e Fotodiodos

DISPOSITIVOS OPTOELETRÔNICOS Leds e Fotodiodos DISPOSITIVOS OPTOELETRÔNICOS Leds e Fotodiodos OBJETIVOS: Analisar o funcionamento de um acoplador optoeletrônico e a performance dos dispositivos emissores de luz (leds). INTRODUÇÃO TEÓRICA A optoeletrônica

Leia mais

Física 2 - Termodinâmica

Física 2 - Termodinâmica Física 2 - Termodinâmica Calor e Temperatura Criostatos de He 3-272.85 C Termodinâmica Energia Térmica Temperatura, Calor, Entropia... Máquinas Térmicas : Refrigeradores, ar-condicionados,... Física Térmica

Leia mais

Capítulo 2 Estrutura Atômica

Capítulo 2 Estrutura Atômica Capítulo 2 Estrutura Atômica Teoria atômica da matéria John Dalton: Cada elemento é composto de átomos. Todos os átomos de um elemento são idênticos. Nas reações químicas, os átomos não são alterados.

Leia mais

Ar de combustão. Água condensada. Balanço da energia. Câmara de mistura. Convecção. Combustível. Curva de aquecimento

Ar de combustão. Água condensada. Balanço da energia. Câmara de mistura. Convecção. Combustível. Curva de aquecimento Ar de combustão O ar de combustão contém 21% de oxigênio, que é necessário para qualquer combustão. Além disso, 78% de nitrogênio está incorporado no ar. São requeridos aproximadamente 10 metros cúbicos

Leia mais

MÓDULO 2 ÓPTICA E ONDAS Ronaldo Filho e Rhafael Roger

MÓDULO 2 ÓPTICA E ONDAS Ronaldo Filho e Rhafael Roger ELEMENTOS DOS ESPELHOS Os elementos geométricos que caracterizam um espelho esférico são: CAPÍTULO 03 ESPELHOS ESFÉRICOS Seccionando-se uma esfera por um plano, ela ficará dividida em duas partes ou Calotas

Leia mais

Comprovar na prática, através das experiências, a veracidade das duas leis de Ohm.

Comprovar na prática, através das experiências, a veracidade das duas leis de Ohm. Disciplina: Experiência: Eletricidade e Magnetismo Leis de Ohm Objetivo Comprovar na prática, através das experiências, a veracidade das duas leis de Ohm. Introdução Teórica Georg Simon Ohm (1857 1854)

Leia mais

48 Mergulhando no núcleo do átomo

48 Mergulhando no núcleo do átomo A U A UL LA Mergulhando no núcleo do átomo Outro dia, Maristela chegou atrasada ao trabalho. Também, não é para menos: estudar de noite e trabalhar de dia não é nada fácil! Ela estava muito cansada e,

Leia mais

INF01 118 Técnicas Digitais para Computação. Conceitos Básicos de Circuitos Elétricos. Aula 2

INF01 118 Técnicas Digitais para Computação. Conceitos Básicos de Circuitos Elétricos. Aula 2 INF01 118 Técnicas Digitais para Computação Conceitos Básicos de Circuitos Elétricos Aula 2 1. Grandezas Elétricas 1.1 Carga A grandeza fundamental em circuitos elétricos é a carga elétrica Q. As cargas

Leia mais

Aula 15 Campo Elétrico

Aula 15 Campo Elétrico 1. (Fatec 2010) Leia o texto a seguir. Técnica permite reciclagem de placas de circuito impresso e recuperação de metais Circuitos eletrônicos de computadores, telefones celulares e outros equipamentos

Leia mais

Turma: Terça-feira ( ) Quarta-feira diurno ( ) Quarta-feira noturno ( ) Quinta-feira ( ) Sexta-feira ( ) Nome do aluno ID Assinatura

Turma: Terça-feira ( ) Quarta-feira diurno ( ) Quarta-feira noturno ( ) Quinta-feira ( ) Sexta-feira ( ) Nome do aluno ID Assinatura 005 Lista de exercícios que deve ser entregue no dia da prova (conteúdo: propriedades da matéria, unidades de medidas, estrutura atômica, propriedades eletrônicas e tabela periódica Química para Engenharia

Leia mais

Faculdade Pitágoras de Londrina Disciplina: Química Geral Prof. Me. Thiago Orcelli. Aluno:

Faculdade Pitágoras de Londrina Disciplina: Química Geral Prof. Me. Thiago Orcelli. Aluno: 1 Faculdade Pitágoras de Londrina Disciplina:. Aluno: Turma: Exercícios de Fixação englobando conteúdos das Aulas 1-4. Orientação: Escolha um livro de Química Geral disponível na biblioteca e resolva os

Leia mais

1.2. Os alunos colocaram sobrecargas sobre o paralelepípedo, para averiguar se a intensidade da força de atrito depende:

1.2. Os alunos colocaram sobrecargas sobre o paralelepípedo, para averiguar se a intensidade da força de atrito depende: Escola Secundária de Lagoa Física e Química A 11º Ano Turma A Paula Melo Silva Ficha de Trabalho 24 Global 1. Numa segunda série de ensaios, os alunos colocaram sobrecargas sobre o paralelepípedo e abandonaram

Leia mais

Distribuição Eletrônica- Aula Cursinho TRIU- 21/05/12. Elétrons. K (n=1) L(n=2) M(n=3) N(n=4) O(n=4) P(n=5) Q(n=6) 2 8 18 32 32 18 8

Distribuição Eletrônica- Aula Cursinho TRIU- 21/05/12. Elétrons. K (n=1) L(n=2) M(n=3) N(n=4) O(n=4) P(n=5) Q(n=6) 2 8 18 32 32 18 8 Cursinho pré-vestibular- TRIU Prof: Luciana Assis Terra Distribuição Eletrônica- Aula Cursinho TRIU- 21/05/12 Átomo Núcleo Eletrosfera Elétrons Eletrosfera Camadas (níveis) Subcamadas (subníveis) Obs:

Leia mais

Previsão das cargas iônicas O número de elétrons que um átomo perde está relacionado com a sua posição na tabela periódica.

Previsão das cargas iônicas O número de elétrons que um átomo perde está relacionado com a sua posição na tabela periódica. Aula 4 Formação de cátions e ânions Ligações químicas Ións e compostos iônicos Em geral: átomos metálicos tendem a perder elétrons para se transformarem em cátions; íons não-metálicos tendem a ganhar elétrons

Leia mais

PROVA COMENTADA PELOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO Vestibular ITA 2016 QUÍMICA

PROVA COMENTADA PELOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO Vestibular ITA 2016 QUÍMICA 01. Alternativa: A 02. Alternativa: E 03. Alternativa: SEM RESPOSTA 04. Alternativa: E PROVA COMENTADA PELOS 05. Alternativa: C 06. A soma do n ọ de prótons com o n ọ de nêutrons é definido como número

Leia mais