INSTITUTO CECY LEITE COSTA CURSO TÉCNICO EM ELETRÔNICA DISCIPLINA DE ELETROTÉCNICA PROF. ALEXSANDER FURTADO CARNEIRO.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTITUTO CECY LEITE COSTA CURSO TÉCNICO EM ELETRÔNICA DISCIPLINA DE ELETROTÉCNICA PROF. ALEXSANDER FURTADO CARNEIRO."

Transcrição

1

2 2 INSTITUTO CECY LEITE COSTA CURSO TÉCNICO EM ELETRÔNICA DISCIPLINA DE ELETROTÉCNICA PROF. ALEXSANDER FURTADO CARNEIRO Eletrotécnica

3 Dedicatória Dedico este trabalho a DEUS, pois sem ele nada nesta vida é possível. À família ELOMED. 3 Aos meus alunos. Aos professores do CECY. Aos professores Cassiano Ricardo Groth e Mauro Fonseca, pela oportunidade de ministrar esta matéria. À minha mãe, à minha irmã e à minha sobrinha. À minha ESPOSA, pois é nela que encontro carinho, compreensão e, principalmente, amor. Ao meu FILHO, pois ele é o meu bem maior, minha inspiração para viver. E dedico, principalmente, ao meu PAI (in memoriam), meu exemplo de vida e de homem, o meu maior incentivador para que eu me tornasse professor. Se não foi do jeito que ele tinha planejado, o destino me levou a me formar engenheiro e, após, me tornar, finalmente, professor. Prof. Alexsander Furtado Carneiro

4 Índice Potência elétrica Potência ativa Potência reativa Potência aparente Fator de potência Correção do fator de potência...7 Componentes elétricos Contato elétrico Contatora Relé térmico Disjuntor Fusíveis Fusíveis de efeito rápido Fusíveis de efeito lento (retardado) Dimensionamento do Fusível Botoeira Relé de tempo, ou relé temporizador...16 Projeto de instalações elétricas 19 Eletrotécnica 3.1 Previsão de carga Levantamento de cargas da residência Iluminação Pontos de tomada de uso geral Tomadas de uso específico Definição do tipo de entrada Divisão das instalações Cálculo da corrente dos circuitos Cálculo da corrente de distribuição Dimensionamento da fiação da instalação Dimensionamento da fiação segundo o critério de queda de tensão Dimensionamento da proteção Dimensionamento do dispositivo DR Dimensionamento da tubulação...31 Transformador Partes do transformador...36

5 4.2 Princípio de funcionamento Transformador ideal Transformador com perdas Teste de circuito aberto Teste de curto-circuito Rendimento do transformador Tipos de transformadores Transformador Trifásico Transformador de potencial Transformador de corrente Autotransformador...40 Geradores Princípio de funcionamento...42 Motores elétricos Motor assíncrono trifásico Campo girante Escorregamento Rendimento Categoria de conjugado Classe de isolamento Regime de serviço Fator de serviço (FS) Corrente de partida Sentido de rotação Grau de proteção dos motores (IP) Conexão dos enrolamentos Ligação em estrela Ligação em triângulo Motores monofásicos...54 Métodos de partida de motores 56 Prof. Alexsander Furtado Carneiro 7.1 Partida direta Partida com inversor de frequência Partida com soft-starter Partida estrela-triângulo...57

6 Potência elétrica Nas instalações industriais, temos presentes três formas de potência: a potência ativa, a potência reativa e a potência aparente. Essas três potências, por suas características, formam o triângulo de potências. 6 Figura 1 Triângulo das potências. 1.1 Potência ativa A potência ativa é expressa em Watts, que significa joule por segundo, ou seja, é a energia gasta por um determinado tempo para gerar trabalho (aquecimento, giro de motor, iluminação etc.). O cálculo da potência ativa monofásica é dado pela expressão abaixo: Expressão 1 Fórmula da potência ativa monofásica. Já a potência ativa trifásica é dada pela expressão abaixo: Expressão 2 Fórmula da potência ativa trifásica. Eletrotécnica 1.2 Potência reativa A potência reativa é a energia gasta para gerar os campos elétricos e magnéticos das cargas do circuito elétrico. Como exemplo, citam-se os motores que precisam de parte da energia retirada da rede para gerar o campo magnético que irá fazer o motor se movimentar. A potência reativa é expressa em VAr. O cálculo da potência reativa monofásica é dado pela expressão abaixo: Expressão 3 Fórmula da potência reativa monofásica. O cálculo da potência reativa trifásica é dado pela expressão abaixo: Expressão 4 Fórmula da potência reativa trifásica. 1.3 Potência aparente A potência aparente é a soma vetorial entre a potência ativa e reativa. Essa potência é a que a fonte de alimentação transfere para o circuito, ou seja, a potência ativa e a reativa juntas. A potência aparente é expressa em VA.

7 O cálculo da potência aparente monofásica é dado pela expressão abaixo: Expressão 5 Fórmula da potência aparente monofásica. Por sua vez, o cálculo da potência aparente trifásica é dado pela expressão abaixo: Expressão 6 Fórmula da potência aparente trifásica. A potência aparente também pode ser calculada por meio do teorema de Pitágoras, pois se colocarmos as potências alinhadas teremos o triângulo das potências, onde a potência aparente será a hipotenusa; a potência reativa, o cateto oposto; e a potência ativa, o cateto adjacente. 7 Expressão 7 Teorema de Pitágoras para o triângulo das potências. 1.4 Fator de potência O fator de potência (FP) é a relação entre a potência ativa e a potência aparente, ou seja, representa a parte da potência entregue pelo gerador a ser utilizada pela carga. Exemplo: Se uma instalação elétrica está consumindo uma potência ativa (P) de 900 kw e uma potência aparente (S) de 1000 kva, qual o seu fator de potência? Expressão 8 Fator de potência. Agora, vamos comparar as expressões do cálculo da potência ativa e da potência aparente: Expressão 9 Fator de potência. Como podemos observar (para o sistema senoidal), o fator de potência é o cosseno do ângulo formado entre a potência ativa e aparente. Quando utilizamos uma carga puramente resistiva, temos a situação em que seu fator de potência é igual a 1, ou seja, a potência aparente é igual à potência ativa. Nessa situação, toda a potência absorvida pela rede será consumida pela carga. Prof. Alexsander Furtado Carneiro Correção do fator de potência A potência reativa é muito importante para as máquinas elétricas, porém, para a rede elétrica, ela é considerada um desperdício. Exemplo: Um transformador é projetado para atender uma potência ativa de 500 kw. Considerando dois FP (0,92 e 0,50), podemos calcular qual o transformador necessário para atender à necessidade da carga.

8 FP1 0,92. FP2 0,50. 8 Eletrotécnica A diferença entre a potência calculada do FP1 e FP2 é de 456,53 kva. Para essa situação, significa que o transformador para o FP2 tem que ser 84% maior que o transformador para o FP1. No caso de um fator de potência baixo, toda a instalação deve ser dimensionada acima da potência utilizada para a carga. A resolução 456 da ANEEL define, no seu artigo 64, que o fator de potência de referência fr, indutivo ou capacitivo, terá como limite mínimo permitido, para as instalações elétricas das unidades consumidoras, o valor de fr = 0,92. O fator de potência deve ser tarifado a cada hora, ou seja, a média do fator de potência em uma hora deve ser superior a 0,92. Das 06h30min às 00h30min, o fator de potência deve ser acima de 0,92 indutivos. Das 00h30min às 06h30min, o fator de potência deve ser acima de 0,92 capacitivos. Existem diversas formas de se corrigir o fator de potência, sendo a principal delas a instalação de capacitores para inserir na instalação uma potência reativa capacitiva. Os capacitores utilizados para a correção do fator de potência possuem uma construção específica para esse fim e são vendidos pela sua potência em kvar. Para que se corrija o fator de potência de forma adequada, os capacitores devem ser instalados diretamente com a carga (carga de grande potência), ou em um conjunto de cargas. Para que não ocorram problemas com a correção em grandes indústrias, é aconselhável que seja instalado um controlador de fator de potência. A expressão abaixo demonstra a fórmula para o cálculo da potência com vistas a corrigir o fator de potência. Expressão 10 Potência do capacitor para correção. Abaixo, seguem algumas vantagens de se fazer a correção do fator de potência. Vantagens para a empresa: Redução do custo da energia elétrica; Melhoria na tensão; Aumento da vida útil das instalações e equipamentos; Redução do efeito joule; Redução da corrente reativa na rede elétrica. Vantagens para a concessionária: Diminui os custos de geração; Diminui o efeito joule; Aumenta a capacidade de geração e transmissão.

9 Exercícios: 1) O que é fator de potência? 2) Uma empresa possui um motor de 500 kva e está com uma potência ativa de 250 kw. Qual a potência reativa desse motor? Qual o seu fator de potência? E qual a potência capacitiva necessária para elevar esse fator de potência para 0,92? 9 Prof. Alexsander Furtado Carneiro

10 Componentes elétricos Nas instalações elétricas, existem componentes que são muito comuns, tais como as contatoras, relés térmicos, relés de tempo, fusíveis, disjuntores e disjuntor diferencial residual Contato elétrico O contato elétrico está presente em todos os componentes elétricos. Por isso, alguns pontos devem ser abordados. O contato elétrico possui dois terminais, que são fabricados de metal de baixa resistência elétrica e alta resistência mecânica, de modo a permitir que o mesmo seja acionado milhares de vezes. A estrutura metálica tem área de seção transversal proporcional à corrente que comandam: quanto maior a corrente, maiores os contatos. O valor da corrente também influencia na pressão entre as partes móveis do contato: maiores correntes exigem maiores pressões de contato. Os contatos elétricos são caracterizados por dois estados possíveis: Repouso: sem ocorrência de um evento associado ao contato. Acionado: sob ocorrência de um evento que aciona o contato. Os contatos são classificados pelo seu estado de repouso, ou seja, qual a situação em que se encontram normalmente em repouso (sem acionamento). Normalmente aberto (NA): O contato está aberto na situação de repouso. Normalmente fechado (NF): O contato está fechado na situação de repouso. Eletrotécnica Em alguns casos, podemos encontrar a denominação em inglês para os contatos, sendo a denominação NO para contato normalmente aberto e NC, para contato normalmente fechado. Abaixo, segue a representação gráfica utilizada em diagramas de comando dos contatos elétricos. 2.6 Contatora O contator é um dispositivo eletromecânico, ou seja, é um dispositivo que une parte mecânica com elétrica.

11 V Figura 2 Contatora. A figura 2 é o desenho interno de um contator: 1) Contatos fixos; 2) Contatos móveis; 3) Parte de ferro móvel; 4) Mola; 5) Bobina; 6) Anel de sombra; 7) Parte de ferro fixa; 8) Alimentação da bobina. Quando a bobina é acionada, a parte móvel dos contatos também o é. Nesse caso, os contatos normalmente abertos são fechados e os normalmente fechados são abertos. Os contatos do contator são divididos em dois grupos: Contatos principais: normalmente abertos e suportam maior corrente; Contatos auxiliares: existem contatos normalmente aberto e normalmente fechado, e são utilizados para controle e advertência. As contatoras podem ser do tipo principal, que possuem os contatos principais, mas a maioria possui, também, um contato auxiliar normalmente aberto, chamado popularmente de contato de retenção. Já as do tipo auxiliar possuem somente contatos auxiliares. Os contatos de carga são três e numerados na seguinte ordem: 1 e 2, 3 e 4 e 5 e 6. Os números ímpares constituem a entrada e os números pares, as saídas. O contato de retenção possui a numeração 13 para entrada e 14 para a saída. A alimentação da bobina é feita pelos contatos A1 e A2. Existem várias faixas de alimentação para as contatoras. Nos esquemas elétricos, os contatos de carga são desenhados em separado da alimentação da bobina. 11 Prof. Alexsander Furtado Carneiro A A Figura 3 Representação gráfica da bobina do contator e dos seus contatos.

12 Na seleção do tipo de contatora a ser utilizada, o projetista deve levar em conta a corrente necessária, o tipo de carga (indutiva, capacitiva ou resistiva), a tensão de alimentação da bobina (24VCC, 24VAC, 110VAC, 220VAC, 380VAC), a compatibilidade com o relé de sobrecarga e a tensão de isolação. A tabela a seguir indica o emprego dos contatores, conforme a categoria. 12 Categoria de emprego AC1 AC2 AC3 AC4 Exemplos de uso Cargas fracamente indutivas ou não indutivas. Fornos de resistência. Partida de motores de anel sem frenagem por contracorrente. Partida de motores de indução do tipo gaiola. Desligamento do motor em funcionamento normal. Partida de motores de anel com frenagem por contracorrente. Partida de motores de indução do tipo gaiola. Manobras de ligação intermitente, frenagem por contracorrente e reversão. Eletrotécnica

13 Aula prática Ligação de uma lâmpada utilizando um contator Objetivo geral: Realizar a ligação de uma lâmpada comum com o auxílio de um contator. Objetivos específicos: Que o aluno aplique os conhecimentos adquiridos sobre o dispositivo contator. Materiais necessários: 1 Contator; 2 Uma lâmpada do tipo incandescente. 3 Fios de 1,5 mm e de 2,5 mm. Descrição da atividade: Observe o contator e indique qual a tensão de alimentação: V Após, insira a tensão de alimentação nos contatos A1 e A2 e anote o resultado obtido: Realize montagem do circuito abaixo de descreva os resultados obtidos: 13 A1 A Prof. Alexsander Furtado Carneiro 2.7 Relé térmico O relé térmico é um dispositivo para a proteção de sobrecarga, geralmente instalado após a contator. Sua função é evitar que o motor sofra danos com o aumento da corrente, devido a uma sobrecarga, desligando-o, antes que ocorra um defeito grave. O relé térmico é composto por pares bimetálicos (dois metais de coeficientes de dilatação diferentes, geralmente ferro e níquel) e por um mecanismo de disparo. Quando a corrente do motor atinge valores pré-estabelecidos, os pares bimetálicos abrem e, nesse momento, o circuito de disparo é acionado. Quando devidamente instalado, o relé térmico, através do disparo, faz com que o contator corte a alimentação do motor.

14 Vale lembrar que o relé térmico é preparado para suportar a corrente de partida do motor durante um determinado tempo, sendo acionado somente se esse tempo se prolongar. O relé térmico deve ser escolhido de tal forma que seja compatível com o contator e com o tempo de partida do motor. L1 L2 L v - 50Hz Circuito de Potência DM Ao circuito de comando KM1 FR U1 V1 W1 N1 N 3 Figura 4 Relé térmico e partida direta. 2.8 Disjuntor Eletrotécnica Monopolar Bipolar Tripolar Figura 5 Disjuntores. Os disjuntores são dispositivos utilizados para proteção dos circuitos elétricos contra sobrecarga e curto-circuito. Quando uma dessas situações ocorre, o disjuntor abre o circuito elétrico. O disjuntor possui três funções básicas: Proteção contra curto-circuito: Nessa função, o disjuntor abre o circuito na presença de uma corrente de curto-circuito, ou seja, impede o aumento instantâneo da corrente no circuito. Proteção contra sobrecarga: Nessa função, o disjuntor abre o circuito, quando, por um determinado tempo, temos corrente elétrica acima da corrente nominal do disjuntor. Manobra: Devido ao fato de sua instalação ser no seu início, o disjuntor é utilizado para abrir e fechar o circuito elétrico.

15 A proteção contra sobrecarga é feita por meio de pares bimetálicos, ao passo que a de curto circuito ocorre através de dispositivo eletromagnético. A seleção do disjuntor deve levar em conta o tipo de carga a ser protegida, pois existem curvas de atuação do disjuntor que podem servir para uma determinada aplicação, mas não para outra. Também deve ser considerada a corrente do circuito a ser protegido. 2.9 Fusíveis Os fusíveis são dispositivos utilizados para a proteção contra as correntes de curto- -circuito. Os fusíveis podem ser de efeito rápido, de efeito normal e de efeito lento Fusíveis de efeito rápido Os fusíveis de efeito rápido são utilizados para proteção de circuitos com semicondutores (diodo, transistores e tiristores), onde a corrente de partida do circuito é muito parecida com a corrente nominal do circuito. A principal característica desses fusíveis é a ação rápida à ultrapassagem da corrente nominal Fusíveis de efeito lento (retardado) Os fusíveis de efeito lento ou retardado devem ser utilizados para a proteção de circuitos onde a corrente de partida é muito maior que a corrente nominal e em dispositivos que suportam uma sobrecarga de corrente por um pequeno período. Um exemplo desse tipo de carga são os motores elétricos, cargas indutivas e cargas capacitivas. Eis principais representantes dessa categoria de fusíveis: NH Os fusíveis NH são utilizados em circuitos sujeitos a picos de corrente e onde existam cargas indutivas e capacitivas. Possuem duas partes: a base e o fusível propriamente dito. Esses fusíveis são construídos para valores máximos de 1000A. Prof. Alexsander Furtado Carneiro Figura 6 Fusível NH O fusível NH necessita de uma chave especial para ser retirado e instalado no suporte. Diazed Os fusíveis Diazed podem ser de ação rápida ou lenta. Os de ação rápida são usados em circuitos resistivos, e os de ação lenta, em circuitos com motores, capacitores e indutores. Esses fusíveis são construídos para valores máximos de 200A.

16 Esse tipo de fusível possui uma janela de observação que indica se ele está com o elemento fusível aberto ou fechado, para facilitar a sua inspeção visual. É formado por uma base, pelo fusível e pela parte de fixação. 16 Figura 7 Fusível Diazed Dimensionamento do Fusível Os fusíveis devem ser escolhidos conforme a corrente nominal do circuito que se pretende proteger. A escolha do fusível deve se feita de modo que qualquer anomalia na rede seja isolada na parte do circuito em que ela ocorreu. Para dimensionar o fusível, é necessário levar em conta as seguintes características: Corrente nominal do circuito Corrente de curto-circuito Tensão nominal Eletrotécnica 2.10 Botoeira A botoeira é um dispositivo de acionamento que somente permanece acionada devido a uma força mecânica aplicada. Desse modo, uma vez cessada a força, o dispositivo retorna à posição inicial. Geralmente, a botoeira vem com um contato NF e um contato NA. A botoeira é muito utilizada em quadros de comando, sendo a cor dos botões padronizada (vermelho botão NF e verde NA). Figura 8 Representação gráfica dos contatos NA e do NF. Foto da botoeira Relé de tempo, ou relé temporizador O relé de tempo, ou temporizador é um dispositivo eletrônico, e sua utilização está baseada em aplicações onde é necessário um determinado tempo de retardo. O relé de tempo possui, geralmente, um contato NA e um NF.

17 Há no seu corpo o desenho das funções que possui incorporada e a numeração do contato NA, do contato NF e do contato comum. Os contatos de alimentação seguem o padrão de A1 e A2. Quando é aplicada, uma tensão de alimentação no relé de tempo é inserida nos terminais A1 e A2. O mesmo irá permanecer sem nenhuma ação, até que seja transcorrido o tempo pré-determinado, e, após, irá realizar a comutação do contato NF para o NA. 17 Prof. Alexsander Furtado Carneiro

18 Aula prática Ligação de um contator com retenção própria 18 Objetivo geral: Realizar a ligação de uma lâmpada comum com o auxílio de um contator e de uma botoeira. Objetivos específicos: Que o aluno possa aplicar na prática os conhecimentos sobre botoeira e contator. Materiais necessários: 1 Contator; 2 Uma lâmpada do tipo incandescente; 3 Fios de 1,5 mm e de 2,5 mm; 4 Botoeira. Descrição da atividade: Realize montagem do circuito abaixo, acionando inicialmente o botão verde e, após, o botão vermelho. Em seguida, descreva os resultados obtidos. 21 B B Eletrotécnica A1 A N

19 Projeto de instalações elétricas Todo projeto de uma instalação elétrica deve seguir algumas normas. No Brasil, a norma que rege as instalações elétricas é a NBR 5410 e, no Rio Grande do Sul, as instalações elétricas são baseadas no Regulamento de Instalações Consumidoras de Baixa Tensão (RIC), elaborado pelas concessionárias de energia do estado (RGE, CEEE e AES SUL). 3.1 Previsão de carga Antes de qualquer cálculo do projeto elétrico, o seu responsável deve receber a planta baixa do local onde o mesmo será executado. Exemplo de planta (Essa planta será usada para os exemplos de cálculos) 19 Prof. Alexsander Furtado Carneiro Outro aspecto importante, no momento de realizar o projeto, é saber que equipamentos de grande consumo serão instalados nessa planta, pois tal informação auxilia no levantamento de cargas da residência. 3.2 Levantamento de cargas da residência O levantamento de cargas deve ser baseado na norma NBR 5410, que apresenta as seguintes prescrições: NOTAS 1) Os equipamentos de utilização de uma instalação podem ser alimentados diretamente (caso de equipamentos fixos de uso industrial ou análogo), através de tomadas

20 de corrente de uso específico ou através de tomadas de corrente de uso não específico (tomadas de uso geral). 2) As caixas de derivação utilizadas para a ligação de equipamentos de utilização são consideradas, para os efeitos desta Norma, como tomadas de uso específico. 3) Os flats e as unidades de apart-hotéis e similares devem ser considerados como unidades residenciais. A carga dos equipamentos deve ser calculada através da potência aparente = tensão nominal x corrente nominal. Nos casos em que for dada a potência ativa, devem ser considerados o rendimento e o fator de potência Iluminação 20 Eletrotécnica A norma NBR 5410 estabelece os seguintes pontos para as instalações residenciais: c) Em cada cômodo ou dependência de unidades residenciais e nas acomodações de hotéis, motéis e similares deve ser previsto pelo menos um ponto de luz fixo no teto, com potência mínima de 100 VA, comandado por interruptor de parede. NOTA Nas acomodações de hotéis, motéis e similares pode-se substituir o ponto de luz fixo no teto por tomada de corrente, com potência mínima de 100 VA, comandada por interruptor de parede. d) em unidades residenciais, como alternativa, para a determinação das cargas de iluminação, pode ser adotado o seguinte critério: - em cômodos ou dependências com área igual ou inferior a 6 m² deve ser prevista uma carga mínima de 100 VA; - em cômodo ou dependências com área superior a 6 m² deve ser prevista uma carga mínima de 100 VA para os primeiros 6 m², acrescida de 60VA para cada aumento de 4 m² inteiros. NOTA Os valores apurados correspondem à potência destinada à iluminação para efeito de dimensionamento dos circuitos, e não necessariamente à potência nominal das lâmpadas. Iniciando o projeto da planta exemplo, fazemos o levantamento de iluminação para cada dependência da residência. Dependência Largura Comprimento Área Potência de iluminação Área de Serviço 3,40 1,75 5, Cozinha 3,05 3,75 11, Dormitório 2 3,40 3,15 10, Copa 3,05 3,10 9, Sala 3,05 3,25 9, Banheiro 2,30 1,80 4, Dormitório 1 3,40 3,25 11, Hall 1,80 1,00 1, Tabela 1 A tabela acima apresenta o resultado obtido para cada cômodo da residência Pontos de tomada de uso geral Seguindo a NBR 5410, temos as seguintes recomendações: a) nas unidades residenciais e nas acomodações de hotéis, motéis e similares, o núme-

21 ro de pontos de tomadas e de uso geral deve ser fixado de acordo com o seguinte: em banheiros, pelo menos um ponto de tomada junto ao lavatório, desde que observadas as restrições de 9.1; em cozinhas, copas, copas-cozinhas, áreas de serviço, lavanderias e locais análogos, no mínimo um ponto de tomada a cada 3,5 m, ou fração de perímetro, sendo que, acima de cada bancada com largura igual ou superior a 0,30 m, deve ser previsto pelo menos um ponto de tomada; em halls, corredores, subsolos, garagens, sótãos e varandas, pelo menos uma tomada; NOTA No caso de varandas, quando não for possível a instalação da tomada no próprio local, esta deverá ser instalada próxima ao seu acesso; nos demais cômodos ou dependências, se a área for igual ou inferior a 6 m², pelo menos um ponto de tomada; se a área for superior a 6 m², pelo menos uma tomada para cada 5 m, ou fração de perímetro espaçados tão uniformemente quanto possível. Com relação à potência, a norma indica que: b) nas unidades residenciais e nas acomodações de hotéis, motéis e similares, às tomadas de uso geral devem ser atribuídas as seguintes potências: em banheiros, cozinhas, copas, copas-cozinhas, área de serviço, lavanderias e locais análogos, no mínimo 600 VA por tomada, até três tomadas, e 100 VA, por tomada, para as excedentes, considerando cada um desses ambientes separadamente; nos demais cômodos ou dependências, no mínimo 100 VA por tomada; c) em halls de escadaria, salas de manutenção e sala de localização de equipamentos, tais como casas de máquinas, salas de bombas, barriletes e locais análogos, deverá ser previsto no mínimo um ponto de tomada. d) aos circuitos terminais que sirvam às tomadas de uso geral nos locais indicados na alínea c) deve ser atribuída uma potência de no mínimo 1000 VA. Seguindo o projeto da planta exemplo, vamos determinar a quantidade de pontos de tomadas de uso geral em cada cômodo. Cômodo L C Área Perímetro Potência de iluminação Nº de tomadas de uso geral Potência de tomadas de uso geral Área de Serviço 3,40 1,75 5,95 10, Cozinha 3,05 3,75 11,44 13, Dormitório 2 3,40 3,15 10,71 13, Copa 3,05 3,10 9,46 12, Sala 3,05 3,25 9,91 12, Banheiro 2,30 1,80 4,14 8, Dormitório 1 3,40 3,25 11,05 13, Hall 1,80 1,00 1,80 5, Tabela 2 A tabela acima apresenta o número de tomadas para cada cômodo, bem como a potência que lhes é atribuída. Observação: As células grifadas na tabela se referem à alínea b) da norma NBR Prof. Alexsander Furtado Carneiro Tomadas de uso específico Seguem abaixo as recomendações da norma para tomadas de uso específico: a) às tomadas de uso específico deve ser atribuída uma potência igual à potência

22 nominal do equipamento a ser alimentado; a) quando não for conhecida a potência nominal do equipamento a ser alimentado, deve-se atribuir à tomada de corrente uma potência igual à potência nominal do equipamento mais potente com possibilidade de ser ligado, ou a potência determinada a partir da corrente nominal da tomada e da tensão do respectivo circuito; b) as tomadas de uso específico devem ser instaladas, no máximo, a 1,5 m do local previsto para o equipamento a ser alimentado. Para a nossa planta de exemplo, iremos considerar as seguintes tomadas de uso específico: Uma torneira elétrica na cozinha de 5000 W; Uma geladeira na cozinha de 500 W; 22 Um chuveiro no banheiro de 5600 W; Uma máquina de lavar roupa na área de serviço de 1000 W. Reunindo os dados de potência, temos a tabela abaixo: Eletrotécnica Cômodo L C A P Potência de iluminação Nº de tomadas de uso geral Potência de tomadas de uso geral Nº de tomadas de uso específico Potência de tomadas de uso específico Área de Serviço 3,40 1,75 5,95 10, Cozinha 3,05 3,75 11,44 13, Dormitório 2 3,40 3,15 10,71 13, Copa 3,05 3,10 9,46 12, Sala 3,05 3,25 9,91 12, Banheiro 2,30 1,80 4,14 8, Dormitório 1 3,40 3,25 11,05 13, Hall 1,80 1,00 1,80 5, Tabela Definição do tipo de entrada Depois de realizado o levantamento de todas as potências da residência, observamos que as potências de iluminação e de tomadas de uso geral estão apresentadas na sua potência aparente, sendo necessária a sua transformação para potência ativa. Para isso, vamos definir que o FP para iluminação é igual a 1 e para tomadas de uso geral, igual a 0,8. Obtidos todos os valores de potência, definimos a carga total do projeto. O Regulamento de Instalações Consumidoras (RIC) da RGE, concessionária de energia de Passo Fundo, informa que serão atendidas em tensão secundária as instalações com carga instalada de até 75 kw.

23 Para atendimento de prédios de múltiplas unidades consumidoras residenciais e/ou mistos com demanda total superior a 115 kva, deverá ser prevista uma área do condomínio para o(s) posto(s) de transformação de uso exclusivo, conforme RIC de MT. O RIC define três tipos de fornecimento, conforme o número de fases: Tipo A monofásico dois condutores (uma fase e o neutro). Tipo B bifásico três condutores (duas fases e o neutro). Tipo C trifásico quatro condutores (três fases e o neutro). Conforme o RIC, em Passo Fundo, a tensão de alimentação trifásica é 380/220. Como a potência calculada é de W, para essa instalação o tipo de entrada será B2 (carga instalada abaixo de 25 kw). Dessa forma, o próprio RIC definiu o disjuntor de proteção da entrada (disjuntor termomagnético de 50 A), o condutor de entrada (10mm²), eletroduto de entrada (aço 20mm² e PVC 25mm²) e por final o limite de potência que pode ser ligada (motor de máquina de solda de 3CV monofásico e 5CV bifásico) Divisão das instalações Agora que temos o tipo de entrada do nosso projeto de exemplo, devemos iniciar a divisão da instalação. Para tanto, vamos seguir o que é indicado na norma NBR Qualquer instalação deve ser dividida, de acordo com as necessidades, em vários circuitos, devendo cada circuito ser concebido de forma a poder ser seccionado sem risco de realimentação inadvertida, através de outro circuito Qualquer instalação deve ser dividida em tantos circuitos quantos forem necessários, de forma a proporcionar facilidade de inspeção, ensaios e manutenção, bem como evitar que, por ocasião de um defeito em um circuito, toda uma área fique desprovida de alimentação (por exemplo, circuitos de iluminação) Circuitos de distribuição distintos devem ser previstos para partes das instalações que necessitem de controle específico, de tal forma que estes circuitos não sejam afetados pelas falhas de outros (por exemplo: minuteiras, circuitos de supervisão predial, etc.) Em função da ocupação do local e da distribuição de circuitos efetuada, deve-se prever a possibilidade de ampliações futuras, com a utilização de circuitos terminais futuros. Tal necessidade, conforme mencionado em , deverá se refletir, ainda, na taxa de ocupação dos condutos elétricos e quadros de distribuição Os circuitos terminais devem ser individualizados pela função dos equipamentos de utilização que alimentam. Em particular, devem ser previstos circuitos terminais distintos para iluminação e tomadas de corrente Em unidades residenciais e acomodações (quartos ou apartamentos) de hotéis, motéis e similares, devem ser previstos circuitos independentes para cada equipamento com corrente nominal superior a 10 A Nas instalações alimentadas com duas ou três fases, as cargas devem ser distribuídas entre as fases, de modo a obter-se o maior equilíbrio possível Quando houver alimentação a partir de vários sistemas (subestação, gerador, etc.), o conjunto de circuitos alimentados por cada sistema constitui uma instalação. Cada uma delas deve ser claramente diferenciada das outras, observando-se que: a) um quadro de distribuição só deve possuir componentes pertencentes a uma única instalação, com exceção de circuitos de sinalização e comando e de conjuntos de manobra especialmente projetados para efetuar o intercâmbio das fontes de alimentação; b) os condutos fechados só devem conter condutores de uma única instalação; c) nos condutos abertos, bem como nas linhas constituídas por cabos fi xados diretamente em paredes ou tetos, podem ser instalados condutores de instalações diferentes, desde que adequadamente identifi cados. Prof. Alexsander Furtado Carneiro

24 Voltando a nossa planta de exemplo e seguindo as recomendações da norma, iremos dividir a instalação em seis circuitos, assim distribuídos: Circuito 1 Iluminação social Circuito 2 Iluminação de serviço Circuito 3 Pontos de tomadas de uso geral Circuito 4 Pontos de tomadas de uso geral Circuito 5 Torneira elétrica e geladeira Circuito 6 Chuveiro elétrico Circuito 7 Máquina de lavar 24 Nº do CKT Descrição do circuito Potência de iluminação Nº de tomadas de uso geral Potência de tomadas de uso geral Nº de tomadas de uso específico Potência de tomadas de uso específico Potência Total Fase (S e R) 1 Iluminação social S 2 Iluminação de serviço R 3 Uso geral - direito S 4 Uso geral - esquerdo R 5 Torneira elétrica e geladeira R 6 Chuveiro S 7 Máquina de lavar R Eletrotécnica Tabela 4 Na planilha acima, temos a divisão dos circuitos, discriminadas as potências de cada circuito e assinalada a fase em que o mesmo será atribuído. A soma de potências na Fase S é de 9160 W e na Fase, de R 9440 W, sendo uma diferença de aproximadamente 3%. Portanto, o projeto está bem equilibrado, haja vista que os circuitos estão divididos de igual forma, pois ambos possuem um circuito de iluminação, tomadas de uso geral e tomadas de uso específico. 3.5 Cálculo da corrente dos circuitos Já sabemos a potência de cada circuito. A partir de agora, iremos calcular a sua corrente, que será utilizada para o dimensionamento da fiação e das proteções contra sobrecarga e corrente de curto-circuito. Outra informação importante é que o dimensionamento da fiação deve ser realizado com base na potência aparente. A tabela abaixo apresenta as correntes para cada circuito. Nº do CKT Descrição do circuito Potência total Fase (S e R) Corrente (A) 1 Iluminação social 520 S 2,36 2 Iluminação de serviço 460 R 2,09 3 Uso geral direito 3800 S 17,27 4 Uso geral - esquerdo 3100 R 14,09 5 Torneira elétrica e geladeira 5500 R 25,00 6 Chuveiro 5600 S 25,45 7 Máquina de lavar 1000 R 4,55 Tabela 5

25 3.6 Cálculo da corrente de distribuição Para o cálculo da corrente de entrada, deve ser utilizado o fator de demanda. O RIC utilizado no estado do Rio Grande do Sul traz o anexo D para os diversos tipos de demanda a ser considerada na hora do projeto do circuito. Para fins de estudo, iremos utilizar o fator de demanda para iluminação e tomadas de uso geral. Para tanto, a potência a ser considerada é de 6500 W. 25 Prof. Alexsander Furtado Carneiro Figura 9 Anexo D (RIC da RGE, CEEE e AES SUL). Observando o RIC, podemos ver que o nosso projeto se enquadra na faixa de fator

26 demanda de 0, Dimensionamento da fiação da instalação Nessa fase do projeto, algumas informações devem ser definidas, antes que possamos realizar o dimensionamento da fiação. Segue abaixo a relação de itens que devem ser definidos: O tipo de instalação (no nosso exemplo, o tipo de instalação elétrica será a A1 Eletroduto embutido na parede); A localização do quadro de comando; Quantos circuitos irão passar por cada eletroduto. Com essas definições, podemos realizar o dimensionamento da fiação do circuito. A norma NBR 5410 traz, na tabela, 28 tipos padrão de instalações que podem ser realizadas. O dimensionamento da fiação utiliza duas importantes informações: a primeira é a corrente e a segunda, a distância da corrente até o quadro de comando para cálculo da queda de tensão. A norma exige que tenhamos no máximo 7% para o ramal de alimentação e 5% para os ramais internos. Antes de tudo, iremos realizar o dimensionamento, seguindo o critério da corrente. No nosso circuito, já temos os valores de corrente que estão presentes na tabela 5 e o tipo de linha que iremos utilizar (A1). Eletrotécnica

27 27 Tabela - Capacidades de condução de corrente, em ampères, para os métodos de referência A1, A2, B1, B2, C e D tabela 36 da NBR 5410 A NBR traz, também, fatores de correção, conforme o tipo de isolação do condutor, lembrando que a norma estabelece o condutor mínimo para iluminação e de tomadas de uso geral, sendo 1,5mm e 2,5mm, respectivamente. Nº do CKT Descrição do circuito Potência Total Fase (S e R) Corrente (A) Fiação 1 Iluminação social 520 S 2, Iluminação de serviço 460 R 2,09 1,5 3 Uso geral - direito 3800 S 17, Uso geral - esquerdo 3100 R 14, Torneira elétrica e geladeira 5500 R 25, Chuveiro 5600 S 25, Máquina de lavar 1000 R 4,55 2,5 Prof. Alexsander Furtado Carneiro 3.8 Dimensionamento da fiação segundo o critério de queda de tensão A queda de tensão provocada pela passagem de corrente elétrica nos condutores dos circuitos de uma instalação deve estar dentro de determinados limites máximos, a fim de não prejudicar o funcionamento dos equipamentos de utilização ligados aos circuitos terminais. Uma tensão inferior ao valor nominal é capaz de provocar redução de iluminância em

28 circuitos de iluminação, redução de torque ou impossibilidade de partida de motores, podendo, ainda, reduzir a vida útil dos equipamentos. Existe um método simplificado feito para calcular a queda de tensão em circuitos com pequenas cargas. Esse método pode ser aplicado a circuitos terminais de instalações de casas e apartamentos, nos quais se tem diversas cargas (lâmpadas e tomadas) distribuídas. O método tem por base o emprego das tabelas Watts metros referentes, respectivamente, às tensões 110 V e 220 V. O valor Σ(P(Watts) l(metros)) representa: P: Potência da carga, em watts; l: Distância, em metros, da carga ao quadro que a alimenta. 28 Soma dos produtos potências (Watts) x distâncias (m) V = 110 Volts (V) Circuito a dois condutores. Soma dos produtos potências (Watts) x distâncias (m) V = 220 Volts (V) Eletrotécnica 3.9 Dimensionamento da proteção A seleção do disjuntor, termomagnético ou DR, para proteção contra sobrecarga, ocorre a partir da curva de característica de disparo do disjuntor. Os disjuntores de curva B são apropriados para proteção de circuitos que alimentam cargas com características predominantemente resistivas, como lâmpadas incandescentes, chuveiros, torneiras e aquecedores elétricos, além dos circuitos de tomadas de uso geral. Os disjuntores de curva C são apropriados para proteção de circuitos que alimentam, especificamente, cargas de natureza indutiva que apresentam picos de corrente no momento de ligação, como micro-ondas, geladeiras, máquinas de lavar, ar condicionado, motores para bombas, além de tomadas das áreas de serviço. Os disjuntores de curva D são apropriados para proteção de circuitos que alimentam cargas altamente indutivas que apresentam elevados picos de corrente no momento de liga-

29 ção, como grandes motores, transformadores, além de circuitos com cargas de características semelhantes a essas. Características nominais do disjuntor termomagnético: Número de polos; tensão nominal; frequência; capacidade de ruptura (ka); corrente nominal (A); faixa de ajuste do disparador magnético (caso opcional); faixa de ajuste do disparador térmico (caso opcional). 29 Linha de disjuntores NEMA GE Um dispositivo de proteção contra correntes de sobrecarga funciona corretamente se: Sua corrente nominal, ou de ajuste for igual ou superior à corrente de projeto do circuito, porém inferior à capacidade de condução de corrente dos condutores do circuito. OBS: Geralmente, a corrente de projeto utiliza 80% da capacidade da corrente nominal do disjuntor. Prof. Alexsander Furtado Carneiro

30 Na tabela abaixo, a última coluna apresenta o disjuntor escolhido para cada circuito. Nº do CKT Descrição do circuito Potência Total Fase (S e R) Corrente (A) Fiação Corrente máxima dos condutores Disjuntor 30 1 Iluminação social 520 S 2, , Iluminação de serviço 460 R 2,09 1,5 14, Uso geral - direito 3800 S 17, , Uso geral - esquerdo 3100 R 14, , Torneira elétrica e geladeira 5500 R 25, Chuveiro 5600 S 25, Máquina de lavar 1000 R 4,55 2,5 19, Dimensionamento do dispositivo DR A utilização de proteção diferencial residual (disjuntor ou interruptor) de alta sensibilidade em circuitos terminais que sirvam a: Tomadas de corrente em cozinhas, copas-cozinhas, lavanderias, áreas de serviço, garagens e, no geral, a todo local interno molhado em uso normal ou sujeito a lavagens; Tomadas de corrente em áreas externas; Tomadas de corrente que, embora instaladas em áreas internas, possam alimentar equipamentos de uso em áreas externas; Pontos situados em locais contendo banheira ou chuveiro. NOTA: os circuitos não relacionados nas recomendações e exigências acima poderão ser protegidos apenas por disjuntores termomagnéticos (DTM). Eletrotécnica Dimensionar o dispositivo DR é determinar o valor da corrente nominal e da corrente diferencial-residual nominal de atuação de tal forma que se garanta a proteção das pessoas contra choques elétricos que possam colocar sua vida em risco. Corrente diferencial - residual nominal de atuação Corrente nominal A NBR 5410 estabelece que o valor maximo para esta corrente é de 30mA (trinta mili ampères). De um modo geral, as correntes nominais típicas disponiveis no mercado seja para Disjuntores DR ou Interruptores DR são: 25, 40, 63, 80 e 100A. O dispositivo DR deve ser escolhido conforme o disjuntor de proteção do circuito.

31 Corrente nominal do disjuntor (A) 10, 15, 20, 25 30, 40 50, , 100 Corrente nominal mínima do IDR (A) A tabela abaixo mostra qual DR vai ser utilizado na planta exemplo. Nº do CKT Descrição do circuito Potência Total Fase (S e R) Corrente (A) Fiação Corrente máxima dos condutores Disjuntor DR 31 1 Iluminação social 520 S 2, , Iluminação de serviço 460 R 2,09 1,5 14, Uso geral - direito 3800 S 17, , Uso geral - esquerdo 3100 R 14, , Torneira elétrica e geladeira 5500 R 25, Chuveiro 5600 S 25, Máquina de lavar 1000 R 4,55 2,5 19, Dimensionamento da tubulação De acordo com o manual da PRYSMIAN, para instalações elétricas residenciais, é obrigatório que os condutores não ocupem mais que 40% da área útil dos eletrodutos. Para dimensionar os eletrodutos, basta saber o número de condutores no eletroduto e a maior seção destes. 60% 40% Condutores Diâmetro interno Esse procedimento descrito no manual da PRYSMIAN pode ser utilizado para instalações simples, nas quais o comprimento do trecho de eletrodutos esteja dentro dos limites de comprimento máximo. Prof. Alexsander Furtado Carneiro

32 Tabela para dimensionamento dos eletrodutos de PVC. 32 Eletrotécnica Exemplo: Em um trecho do eletroduto, estão inseridos seis condutores, sendo a maior seção dos condutores de 4 mm2. De acordo com a tabela acima, o tamanho nominal do eletroduto é de 20 mm2. Sendo assim, é necessária a planta com a representação gráfica da fiação com as seções dos condutores indicados. De acordo com a NBR-5410, a taxa máxima de ocupação em relação à área de seção transversal dos eletrodutos não deve ser superior a: a) 53% no caso de um condutor (fio ou cabo); b) 31% no caso de dois condutores (fios ou cabos); c) 40% no caso de três ou mais condutores (fios ou cabos). Eletrodutos de PVC rígido roscável classe A (NBR 6150).

33 33 Prof. Alexsander Furtado Carneiro A figura acima mostra o projeto da planta exemplo pronto.

34 EXERCÍCIOS 1) Dimensionar os condutores para um circuito terminal (F-F) de um chuveiro elétrico, dados: Pn =4500 W; V = 220 V; condutores de isolação PVC; eletroduto de PVC embutido em alvenaria método B1; temperatura ambiente de 30 distância 20m. Dimensionar pelos três métodos. 34 Eletrotécnica 2) Considerando o circuito terminal do exercício anterior e supondo que ele esteja instalado em um eletroduto, no qual, em certo trecho, também estejam mais três circuitos monofásicos (F-N), determine a nova bitola do condutor do circuito que alimenta o chuveiro.

35 3) Dimensionar o circuito terminal de um apartamento cujas cargas estão representadas na figura (instalação em eletroduto de PVC embutido em alvenaria; temperatura ambiente 30 o C; isolação PVC; tensão 127 V). Utilizar fator de potência ) Dimensionar os condutores de neutro e proteção dos exercícios 1, 2 e 3. 5) Dimensionar os eletrodutos dos exercícios 1, 2, e 3. 6) Dimensionar o dispositivo de proteção para o circuito abaixo, sabendo que ele é constituído de condutores unipolares de cobre com isolação de PVC e está instalado em eletroduto de PVC embutido em alvenaria. Prof. Alexsander Furtado Carneiro

36 Transformador É um equipamento que transfere energia entre seus enrolamentos, provocando a variação de valores de tensão e corrente, mas mantendo constantes os valores de potência e de frequência Partes do transformador O transformador é composto, basicamente, de três partes: Enrolamento primário (enrolamento que recebe a tensão); Enrolamento secundário (enrolamento que fornece a tensão); Núcleo (parte de ferromagnético em que o fluxo magnético percorre). Enrolamento Primário Enrolamento Secundário Vp a.c Np Ns carga Eletrotécnica 4.2 Princípio de funcionamento No transformador, vemos alguns conceitos importantes do eletromagnetismo, dentre eles a experiência de Oersted, que foi realizada em uma audiência pública em 1820, durante a qual ele fez passar uma corrente elétrica por um fio. Próxima do condutor estava uma bússola. Desde que não seja perturbada, qualquer bússola orienta-se para o Norte. Oerted verificou que, quando a corrente elétrica atravessava o fio, a bússola desviava-se, passando a orientar-se de uma forma perpendicular ao fio. Outro conceito importante é a Lei de Faraday, na qual todo condutor mergulhado em um campo magnético variável terá em seus terminais uma fem (força eletromotriz) induzida. Portanto, se aplicarmos, no enrolamento primário do transformador, uma tensão alternada, observaremos o aparecimento de uma corrente elétrica, denominada corrente de excitação. Essa corrente se cria no enrolamento primário um fluxo (Đm), que circulará pelo núcleo de ferro, passando pelo enrolamento secundário. Se a corrente de excitação for alternada, o fluxo produzido também será alternado, o que provocará o aparecimento de uma fem (força eletromotriz) induzida no enrolamento secundário. Nesse ponto, foi considerado o transformador ideal, isto é, sem perdas, e o secundário está em aberto (sem carga).

37 4.3 Transformador ideal 37 O transformador ideal traz algumas relações que são úteis para o estudo de transformadores. A principal delas é que a potência de entrada é igual à potência de saída. Com isso, chegamos a uma outra relação: Igualmente importante é a relação do número de voltas das bobinas do primário e do secundário: Exercício: Um transformador possui uma potência nominal de 1 kva e tensão no primário de 220 V. No seu enrolamento primário, ele possui 500 espiras e no secundário, 250 espiras. Qual a corrente no primário, no secundário e qual a tensão de saída? Prof. Alexsander Furtado Carneiro

38 4.4 Transformador com perdas No transformador, quando consideramos as perdas, temos os seguintes parâmetros: G, que considera as perdas de potência no núcleo por histerese e correntes parasitas; B, que é uma suscetância indutiva que considera o armazenamento de energia; R, que é a resistência equivalente que considera as resistências de ambos os enrolamentos, vista no secundário; X, que é a reatância equivalente que considera as perdas por dispersões magnéticas em ambos os enrolamentos, vista no secundário. i 1 R X i 2 38 i E i c V 1 ai 2 G i M i 2 av 2 Figura 10 Modelo de transformador com perdas. Os parâmetros acima relacionados são determinados por dois testes com o transformador. 4.5 Teste de circuito aberto Nesse teste, deve-se deixar o secundário vazio, medir a tensão no secundário, tensão no primário, corrente no primário e potência no primário. Como nesse caso a potência nos enrolamentos é muito baixa, podemos desconsiderá- -la, e a potência medida será somente as perdas no núcleo. Eletrotécnica 4.6 Teste de curto-circuito Nesse teste, deve-se colocar o secundário em curto-circuito, medir a corrente no secundário, tensão no primário, corrente no primário e potência no primário. O teste de curto-circuito consiste em alimentar o primário com uma fonte de tensão variável e elevar a tensão até que o secundário atinja a corrente nominal. Como a tensão no primário será muito baixa, a densidade de fluxo também será baixa. Nesse caso, podemos desconsiderar as perdas no núcleo.

39 Exercício: O primário de um transformador tem capacidade nominal de 10 A e 1000 V. Em circuito aberto, os instrumentos conectados no primário indicaram 0,42 A e 100 W. Já o voltímetro colocado no secundário indicou 500 V. Em curto circuito, obteve-se 400 W e 125 V no primário. Determine os parâmetros do transformador Rendimento do transformador Considerando as perdas do transformador, podemos determinar o seu rendimento, ou seja, quanto da potência de entrada realmente é entregue à carga. 4.8 Tipos de transformadores Transformador Trifásico Prof. Alexsander Furtado Carneiro Os transformadores trifásicos são utilizados para a redução ou elevação da tensão do sistema trifásico. Sua construção é semelhante à do transformador monofásico. Porém, em vez de termos um único par de enrolamentos (enrolamento primário e enrolamento secundário), no transformador trifásico temos três pares de enrolamentos. A ligação do transformador trifásico pode ser de duas maneiras:

40 40 Na ligação em estrela, existe a possibilidade de utilização de um condutor neutro. Temos a tensão de fase menor que a tensão de linha, e a corrente de linha é igual à corrente de fase. Na ligação em triângulo, a tensão de linha é igual à tensão de fase e a corrente de fase é menor que a corrente de linha. É possível a ligação de três transformadores monofásicos para fazer a transformação de um sistema trifásico, porém os três transformadores devem ser iguais nas suas características. Eletrotécnica Transformador de potencial É um transformador utilizado para a redução de tensão alta e média para valores de baixa tensão. Sua principal utilização é para a medição (concessionária de energia) e proteção. Os transformadores de potencial são projetados para uma tensão secundária nominal de 115 V, embora possam ser encontrados transformadores de potencial com outros valores de saída Transformador de corrente Quando o enrolamento primário do transformador de corrente é atravessado por uma corrente, no primário irá aparecer uma corrente menor, porém com uma relação conhecida. Esse tipo de transformador é utilizado em aparelhos de medida e de proteção Autotransformador Possui apenas um enrolamento, considerando que o enrolamento secundário deriva do enrolamento primário.

Projeto de Instalações Elétricas Residenciais

Projeto de Instalações Elétricas Residenciais Projeto de Instalações Elétricas Residenciais Me. Hader Aguiar Dias Azzini hader_azzini@hotmail.com Campinas - ES 2014 Introdução Em geral, o projeto elétrico compreende quatro partes: Memória (justificativa

Leia mais

1. PROJETO ELÉTRICO RESIDENCIAL

1. PROJETO ELÉTRICO RESIDENCIAL 1. PROJETO ELÉTRICO RESIDENCIAL Um Projeto Elétrico é a previsão escrita da instalação, com todos os seus detalhes, localização dos pontos de utilização da energia elétrica, comandos, trajeto dos condutores,

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A

Instalações Elétricas Prediais A Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 9 Divisão da Instalação em Circuitos Porto Alegre - 2012 Tópicos Quadros de distribuição Disjuntores Divisão da instalação elétrica

Leia mais

7 - CORRENTES DE FALTA

7 - CORRENTES DE FALTA 36 7 - CORRENTES DE FALTA Toda instalação elétrica está sujeita a defeitos que proporcionam altas correntes elétricas, as denominadas correntes de falta. Sempre da ocorrência de uma falta, os dispositivos

Leia mais

13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ

13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ Instalações Elétricas Professor Luiz Henrique Alves Pazzini 104 13.1 - Introdução 13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ Existem três configurações básicas para alimentação de motores que operam em condições

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A

Instalações Elétricas Prediais A Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 8 Previsão de Cargas Porto Alegre - 2012 Tópicos Cargas dos pontos de utilização Previsão de cargas conforme a norma Exemplo

Leia mais

1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT

1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT 1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT SUMÁRIO Grandezas 01 1.1 Classificação das Grandezas 01 1.2 Grandezas Elétricas 01 2 Átomo (Estrutura Atômica) 01 2.1 Divisão do Átomo 01 3 Equilíbrio

Leia mais

EDI-34 Instalações Elétricas

EDI-34 Instalações Elétricas EDI-34 Instalações Elétricas Plano de Disciplina 2º semestre de 2015 1. Identificação Sigla e título: EDI-34 Instalações Elétricas Curso de Engenharia Civil-Aeronáutica Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Leia mais

Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá

Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá Instalações Elétricas de Baixa Tensão Porto Alegre, Maio de 2010 Revisão: B Esta Norma estabelece as condições a que devem satisfazer as instalações

Leia mais

APOSTILA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

APOSTILA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS APOSTILA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Engenharia Elétrica - UniFOA 7 Período Professor Paulo André Dias Jácome Engenheiro Eletricista CREA-RJ 168734/D Bibliografia: Básica: - Instalações Elétricas Hélio Creder

Leia mais

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PEA - Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Eletrotécnica Geral Lista de Exercícios 2 1. Condutores e Dispositivos de Proteção 2. Fornecimento

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 27 PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 QUESTÃO 41 De acordo com a NBR 5410, em algumas situações é recomendada a omissão da proteção contra sobrecargas. Dentre estas situações estão, EXCETO: a) Circuitos de comando.

Leia mais

Comandos Elétricos Colégio Técnico de Campinas COTUCA/UNICAMP Prof. Romeu Corradi Júnior WWW.corradi.junior.nom.br

Comandos Elétricos Colégio Técnico de Campinas COTUCA/UNICAMP Prof. Romeu Corradi Júnior WWW.corradi.junior.nom.br Comandos Elétricos Colégio Técnico de Campinas COTUCA/UNICAMP Prof. Romeu Corradi Júnior WWW.corradi.junior.nom.br 1. INTRODUÇÃO A representação dos circuitos de comando de motores elétricos é feita normalmente

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 07/05/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Quadro de Distribuição Circuitos Terminais Circuitos Terminais Quadro de Distribuição Quadro de Distribuição

Leia mais

Interruptores Seccionadores SDW Correntes Nominais de 40 a 70 A Versões bipolar, tripolar e tetrapolar

Interruptores Seccionadores SDW Correntes Nominais de 40 a 70 A Versões bipolar, tripolar e tetrapolar Minidisjuntores MBW Correntes nominais de 2 a 70 A Curvas de disparo B e C Versões monopolar, bipolar, tripolar e tetrapolar Interruptores Diferenciais Residuais DRs RBW Sensibilidade de ou 0mA Correntes

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 12 INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 12.1 INTRODUÇÃO Neste capítulo apresenta-se os conceitos e as principais etapas para a realização de projetos de instalações elétricas prediais de baixa tensão (até 1000 V), monofásicos

Leia mais

REGULAMENTO CENTRO DE EVENTOS FIERGS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

REGULAMENTO CENTRO DE EVENTOS FIERGS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS No caso das instalações elétricas existentes nos espaços não comportarem a carga elétrica a ser ligada pelo evento, é necessário que a Contratante apresente os documentos e respeite as condições mínimas

Leia mais

Para que o sistema de proteção atinja a finalidade a que se propõe ele deve obedecer aos seguintes requisitos básicos:

Para que o sistema de proteção atinja a finalidade a que se propõe ele deve obedecer aos seguintes requisitos básicos: 5 Proteção e Coordenação de Instalações Industriais Para que o sistema de proteção atinja a finalidade a que se propõe ele deve obedecer aos seguintes requisitos básicos: 1 Seletividade É a capacidade

Leia mais

APRESENTAÇÃO... 13. Unidade 1: Revisão de eletricidade básica. 1.1 Primeiras palavras... 17. 1.2 Problematizando o tema... 17

APRESENTAÇÃO... 13. Unidade 1: Revisão de eletricidade básica. 1.1 Primeiras palavras... 17. 1.2 Problematizando o tema... 17 ........... Sumário APRESENTAÇÃO.... 13 Unidade 1: Revisão de eletricidade básica 1.1 Primeiras palavras.... 17 1.2 Problematizando o tema... 17 1.3 Texto básico para estudos.... 17 1.3.1 Tensão Contínua

Leia mais

Comandos Elétricos. Prof. Carlos T. Matsumi

Comandos Elétricos. Prof. Carlos T. Matsumi Comandos Elétricos Comandos Elétricos ACIONAMENTO CONVENCIONAL Conhecido como partidas convencionais de motores, utilizam se de dispositivos eletromecânicos para o acionamento (partida) do motor (ex. contatores

Leia mais

Questão 3: Três capacitores são associados em paralelo. Sabendo-se que suas capacitâncias são 50μF,100μF e 200μF, o resultado da associação é:

Questão 3: Três capacitores são associados em paralelo. Sabendo-se que suas capacitâncias são 50μF,100μF e 200μF, o resultado da associação é: Questão 1: A tensão E no circuito abaixo vale: a) 0,5 V b) 1,0 V c) 2,0 V d) 5,0 V e) 10,0 V Questão 2: A resistência equivalente entre os pontos A e B na associação abaixo é de: a) 5 Ohms b) 10 Ohms c)

Leia mais

PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO. 1 Introdução

PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO. 1 Introdução PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO 1 Introdução As instalações elétricas de baixa tensão são regidas no Brasil pela norma NBR 5410 (também conhecida por NB-3). Esta norma aplica-se às instalações

Leia mais

** OBS. Z=R+jωl e o seu módulo: Z R XL R l

** OBS. Z=R+jωl e o seu módulo: Z R XL R l Análise da Corrente de Curto - Circuito A Análise da corrente de curto circuito em sistemas de baixa tensão é necessária para dimensionar corretamente a proteção do equipamento (disjuntor de proteção)

Leia mais

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples CONCURSO DE ADMISSÃ ÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 2009 1 a QUESTÃO Valor: 1,0 3m 02 g 3m 3m 4m 3m e 6m 4m 6m 6m d 4m 4m 02 02 02 4m 02 S g f 4m S S f e 4m c S d WS ab

Leia mais

DICAS. Instalações elétricas residenciais. 8ª Edição

DICAS. Instalações elétricas residenciais. 8ª Edição DICAS Instalações elétricas residenciais 8ª Edição DICAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RES CONCEITOS BÁSICOS DE ELETRICIDADE Nos condutores existem partículas invisíveis chamadas de elétrons livres que, assim

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 14/05/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Dimensionamento dos Condutores FASE Ampacidade Queda de Tensão Seção Mínima Dimensionamento dos Condutores

Leia mais

PIEP - Notas de Aula Dimensionamento de Condutores, Eletrodutos e Proteção

PIEP - Notas de Aula Dimensionamento de Condutores, Eletrodutos e Proteção INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA CAMPUS JOÃO PESSOA CURSO TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA DUSPIPLINA: PIEP PROF.: KALINA MEDEIROS PIEP - Notas de Aula Dimensionamento de Condutores,

Leia mais

Concurso Público Nível Médio

Concurso Público Nível Médio Concurso Público Nível Médio Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais Código da Vaga: CRC-03 Caderno de Prova Aplicação: 10/02/2010 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 1. Ao receber este caderno, confira

Leia mais

DICAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RES

DICAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RES DICAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RES z CNCEITS BÁSICS DE ELETRICIDADE Nos condutores existem partículas invisíveis chamadas de elétrons livres que, assim como os planetas ao redor do sol, giram ao redor

Leia mais

PROJETO ELÉTRICO. 1) Preencher o quadro de Dimensionamento (item 6) considerando os números indicados pela Norma Técnica (item 3 da apostila);

PROJETO ELÉTRICO. 1) Preencher o quadro de Dimensionamento (item 6) considerando os números indicados pela Norma Técnica (item 3 da apostila); PROJETO ELÉTRICO Prof. Marco Pádua ROTEIRO: ) Preencher o quadro de Dimensionamento (item 6) considerando os números indicados pela Norma Técnica (item da apostila); ) Calcular a Potencia ativa total,

Leia mais

I. Contator... 5. II. Carga Trifásica em Estrela e Triângulo... 11. III. Motor Monofásico... 15. IV. Ligação Subsequente Automática de Motores...

I. Contator... 5. II. Carga Trifásica em Estrela e Triângulo... 11. III. Motor Monofásico... 15. IV. Ligação Subsequente Automática de Motores... COMANDOS ELÉTRICOS 3 SUMÁRIO I. Contator... 5 II. Carga Trifásica em Estrela e Triângulo... 11 III. Motor Monofásico... 15 IV. Ligação Subsequente Automática de Motores... 19 V. Inversão do Sentido de

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE)

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) Concurso Público - NÍVEL SUPERIOR CARGO: Tecnologista da Carreira de Desenvolvimento Tecnológico Classe: Tecnologista Junior Padrão I TEMA: CADERNO DE PROVAS

Leia mais

Transformadores Para Instrumentos. Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng.

Transformadores Para Instrumentos. Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng. Transformadores Para Instrumentos Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng. Sumário 1. Tipos de Transformadores. 2. Transformadores de Corrente - TCs. 3. Transformadores de Potencial TPs. 4. Ligação

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 9 Instalações para motores elétricos.

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 9 Instalações para motores elétricos. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 9 Instalações para motores elétricos. Prof. JORGE LUIZ MORETTI

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos Instalação de Banco de Capacitores em Baixa Tensão Processo Realizar Novas Ligações Atividade Executar Ligações BT Código Edição Data SM04.14-01.008 2ª Folha 1 DE 9 26/10/2009 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RESIDENCIAL / COMERCIAL / PREDIAL

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RESIDENCIAL / COMERCIAL / PREDIAL INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RESIDENCIAL / COMERCIAL / PREDIAL ÍNDICE APRESENTAÇÃO............................................ 2 INTRODUÇÃO.............................................. 3 TENSÃO E CORRENTE ELÉTRICA...................................

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A

Instalações Elétricas Prediais A Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 7 Simbologia de Projetos Elétricos Porto Alegre - 2012 Tópicos Projeto de instalações elétricas prediais Simbologia para instalações

Leia mais

DLB MAQ CE - Comandos elétricos DLB MAQCE - COMANDOS ELÉTRICOS LIVRO DE TEORIA E PRÁTICA

DLB MAQ CE - Comandos elétricos DLB MAQCE - COMANDOS ELÉTRICOS LIVRO DE TEORIA E PRÁTICA DLB MAQCE - COMANDOS ELÉTRICOS LIVRO DE TEORIA E PRÁTICA 1 Apresentação O livro Comandos Elétricos tem como objetivo dar subsídios teóricos e facilitar as atividades práticas propostas na Bancada Didática

Leia mais

Padrão de Entrada. prof.arbex@gmail.com

Padrão de Entrada. prof.arbex@gmail.com Padrão de Entrada Professor Cristiano prof.arbex@gmail.com Introdução O objetivo deste material é orientar os projetistas no que se refere ao projeto e dimensionamento do padrão de entrada, de acordo com

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RESIDENCIAIS Julho de 2003

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RESIDENCIAIS Julho de 2003 INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RESIDENCIAIS Julho de 2003 Esta edição foi baseada nos Manuais de Instalações Elétricas Residenciais - 3 volumes, 1996 ELEKTRO / PIRELLI complementada, atualizada e ilustrada com

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 2014 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 A figura acima apresenta o circuito equivalente monofásico de um motor de indução trifásico

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE ELETROMECÂNICA APOSTILA DE COMANDOS ELÉTRICOS (COMPILADO - 1)

CURSO TÉCNICO DE ELETROMECÂNICA APOSTILA DE COMANDOS ELÉTRICOS (COMPILADO - 1) Centro Federal de Educação Tecnológica da Bahia CURSO TÉCNICO DE ELETROMECÂNICA APOSTILA DE COMANDOS ELÉTRICOS (COMPILADO - 1) PROF. WESLEY DE ALMEIDA SOUTO wesley@cefetba.br 03/ 2004 1. INTRODUÇÃO A representação

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM MÉDIA TENSÃO 13.8KV CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA RUA OSVALDO PRIMO CAXILÉ, S/N ITAPIPOCA - CE 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

. analogamente. Np Ns. a = Ns

. analogamente. Np Ns. a = Ns - Transformadores O transformador é um equipamento elétrico formado por bobinas isoladas eletricamente em torno de um núcleo comum. A bobina que recebe energia de uma fonte ca é chamada de primário. A

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 02/02/2014

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 02/02/2014 Questão 1 Conhecimentos Específicos Técnico em Eletrotécnica Um forno elétrico industrial de 100 kw/440v trifásico é acionado diariamente por cerca de 5 horas e 12 minutos. O consumo mensal (30 dias) de

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público PR CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 ÁREA / SUBÁREA: ELETROTÉCNICA GABARITO MÁQUINAS ELÉTRICAS

Leia mais

Transformadores trifásicos

Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Por que precisamos usar transformadores trifásicos Os sistemas de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO CURSO DE FORMAÇÃO

CONCURSO DE ADMISSÃO CURSO DE FORMAÇÃO CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 20 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 Seja um circuito RLC série alimentado por uma fonte de tensão e sem energia inicialmente armazenada.

Leia mais

ÍNDICE CONTATOR. 1. Objetivo 2. 2. Introdução Teórica 2. 2.1. Contator 2. 2.2. Contatos 3. 2.3. Botoeira ou Botoeira botão liga e desliga 3

ÍNDICE CONTATOR. 1. Objetivo 2. 2. Introdução Teórica 2. 2.1. Contator 2. 2.2. Contatos 3. 2.3. Botoeira ou Botoeira botão liga e desliga 3 COMANDOS ELÉTRICOS ÍNDICE CONTATOR 1. Objetivo 2 2. Introdução Teórica 2 2.1. Contator 2 2.2. Contatos 3 2.3. Botoeira ou Botoeira botão liga e desliga 3 2.4. Relé Bimetálico 4 3. Material Utilizado 5

Leia mais

A solução ideal para instalações residenciais e terciárias

A solução ideal para instalações residenciais e terciárias NOVOS Disjuntores RX 3 A solução ideal para instalações residenciais e terciárias Ambiente Residencial - área úmida Ambiente Residencial Soho - Pequeno Escritório ou Home Office Ambiente Residencial -

Leia mais

Os fusíveis NH e Diazed são dotados de características de limitação de corrente. Assim, para

Os fusíveis NH e Diazed são dotados de características de limitação de corrente. Assim, para 5 Proteção e Coordenação Dimensionamento da Proteção 36 Fusível NH Zonasde Atuação 224 A Fusível NH Zonasde Atuação 355 A 5 Proteção e Coordenação Dimensionamento da Proteção 37 5 Proteção e Coordenação

Leia mais

PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS

PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS PEA - Eletrotécnica Geral 1 PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS OBJETIVOS Estudar: Constituição de uma instalação elétrica Tipos de instalações elétricas Funcionamento de circuitos típicos Representação de

Leia mais

DIMENSIONAMENTO OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS:

DIMENSIONAMENTO OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: DIMENSIONAMENTO OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: Chamamos de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR 5410 relativos à escolha

Leia mais

RELÉS CONTATORES - BOTOEIRAS

RELÉS CONTATORES - BOTOEIRAS RELÉS CONTATORES - BOTOEIRAS Análise de Circuitos Contatores/Relés Aula 02 Prof. Luiz Fernando Laguardia Campos 3 Modulo Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina Cora Coralina Sobrecarga

Leia mais

Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda.

Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda. Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda. Confiança e economia na qualidade da energia. Recomendações para a aplicação de capacitores em sistemas de potência Antes de iniciar a instalação,

Leia mais

É PERMITIDO O USO DE CALCULADORA PADRÃO (NÃO MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA FORMAÇÃO PARA INGRESSO NO CORPO AUXILIAR

É PERMITIDO O USO DE CALCULADORA PADRÃO (NÃO MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA FORMAÇÃO PARA INGRESSO NO CORPO AUXILIAR MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA Prova : Amarela (PROCESSO SELETIVO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO PARA INGRESSO NO CORPO AUXILIAR DE PRAÇAS DA MARINHA /PSCAP/2011) É PERMITIDO O USO

Leia mais

ENGEMATEC CAPACITORES

ENGEMATEC CAPACITORES ENGEMATEC CAPACITORES CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA Confiança e economia na qualidade da energia. Equipamentos Elétricos e Elêtronicos de Potência Ltda 2 MODELOS DOS CAPACITORES TRIFÁSICOS PADRONIZADOS

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RESIDENCIAIS Julho de 2003

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RESIDENCIAIS Julho de 2003 INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RESIDENCIAIS Julho de 2003 Esta edição foi baseada nos Manuais de Instalações Elétricas Residenciais - 3 volumes, 1996 ELEKTRO / PIRELLI complementada, atualizada e ilustrada com

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural

Disciplina: Eletrificação Rural UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS RIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 6 Condutores elétricos - dimensionamento e instalação.

Leia mais

Tipos de linhas. Sumário Linhas Elétricas Dimensionamento. Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas

Tipos de linhas. Sumário Linhas Elétricas Dimensionamento. Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Tipos de linhas Sumário Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Instalação dos condutores Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Os cabos multipolares só deve conter os condutores de um

Leia mais

Automação. Industrial.

Automação. Industrial. Automação Industrial. Apostila 1 Acionamentos e Simbologia. Prof. Alexandre Landim Automação Industrial. Introdução: Na Automação Industrial, bem como automação de processos e sistemas em geral, além do

Leia mais

PROJETO DE UMA INSTALAÇÃO DE UTILIZAÇÃO

PROJETO DE UMA INSTALAÇÃO DE UTILIZAÇÃO PROJETO DE UMA INSTALAÇÃO DE UTILIZAÇÃO (RESUMO) Instalações tipo C são instalações abastecidas a partir da rede pública de baixa tensão. Estas instalações são certificadas pela Certiel Associação Certificadora

Leia mais

20 m. 20 m. 12. Seja L a indutância de uma linha de transmissão e C a capacitância entre esta linha e a terra, conforme modelo abaixo:

20 m. 20 m. 12. Seja L a indutância de uma linha de transmissão e C a capacitância entre esta linha e a terra, conforme modelo abaixo: ENGENHEIRO ELETRICISTA 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Um sistema de proteção contra descargas atmosféricas do tipo Franklin foi concebido para prover a segurança de uma edificação

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Considerando que um transformador monofásico será submetido aos ensaios de curto-circuito e a vazio para determinação dos parâmetros do seu circuito equivalente, o qual deverá

Leia mais

Instalações Elétricas Industriais

Instalações Elétricas Industriais Instalações Elétricas Industriais ENG 1480 Professor: Rodrigo Mendonça de Carvalho Instalações Elétricas Industriais CAPÍTULO 01 INTRODUÇÃO Flexibilidade: admitir mudanças nas localizações dos equipamentos,

Leia mais

2. DISPOSITIVOS DE COMANDO E CHAVES DE PARTIDA

2. DISPOSITIVOS DE COMANDO E CHAVES DE PARTIDA 2. DISPOSITIVOS DE COMANDO E CHAVES DE PARTIDA A instalação de máquinas diversas requer uma grande gama de dispositivos que possibilitem o perfeito funcionamento, de preferência o mais automatizado possível,

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE ENTRADA CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO SOLAR DAS LARANJEIRAS

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE ENTRADA CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO SOLAR DAS LARANJEIRAS LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE ENTRADA DO CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO SOLAR DAS LARANJEIRAS 1 INDICE 1 OBJETIVO 2 NORMAS APLICÁVEIS 3 GENERALIDADES 4 METODOLOGIA 5 MEDIÇÕES DE GRANDEZAS

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Relés de Sobrecarga Térmico Linha RW

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Relés de Sobrecarga Térmico Linha RW Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Relés de Sobrecarga Térmico Linha RW Relés de Sobrecarga Térmico RW Informações Gerais - Local para identificação - Tecla Reset + Multifunção

Leia mais

BAIXA TENSÃO Uso Geral

BAIXA TENSÃO Uso Geral Dimensionamento OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONA- MENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: Chamamos de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR 5410/2004 relativos à escolha

Leia mais

Motores de Indução ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA

Motores de Indução ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA Motores CA Os motores CA são classificados em: -> Motores Síncronos; -> Motores Assíncronos (Motor de Indução) O motor de indução é o motor CA mais usado, por causa de sua

Leia mais

MÁQUINAS 1 CAPÍTULO 9

MÁQUINAS 1 CAPÍTULO 9 MÁQUA 1 CAÍTULO 9 TRAFORMADOR O transformador é um componente utilizado para converter o valor da amplitude da tensão de uma corrente alternada. O transformador é uma máquina elétrica que transfere energia

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Acerca de equipamentos que utilizam sistemas de controle para o seu funcionamento, julgue o item abaixo. CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 5 As modernas máquinas de lavar roupa, em que é possível controlar desde

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO 9: Acionamento de Motores Assíncronos Trifásicos e Monofásicos Objetivo: Verificar alguns tipos de acionamento de motores elétricos de indução trifásicos e monofásicos. Teoria: Os motores elétricos,

Leia mais

Instalações Elétricas Residenciais. Garanta uma instalação elétrica segura

Instalações Elétricas Residenciais. Garanta uma instalação elétrica segura Instalações Elétricas Residenciais Garanta uma instalação elétrica segura O MESMO CONHECIMENTO, UM NOVO NOME. Graças aos nossos cabos, transportamos energia e comunicação pelo mundo inteiro. A partir de

Leia mais

clubedotecnico.com Curso de comandos elétricos

clubedotecnico.com Curso de comandos elétricos clubedotecnico.com Curso de comandos elétricos Conteúdo do Curso: Finalidade dos comandos Elétricos Proteção contra correntes de curto circuito Proteção contra correntes de sobrecarga Dispositivos de Manobras

Leia mais

MOTORES DE INDUÇÃO MONOFÁSICOS CAPÍTULO 05

MOTORES DE INDUÇÃO MONOFÁSICOS CAPÍTULO 05 MOTORES DE INDUÇÃO MONOFÁSICOS CAPÍTULO 05 2 5.1 Introdução Os motores elétricos pertencem a dois grandes grupos: os de corrente contínua e os de corrente alternada. Os motores de indução se enquadram

Leia mais

Tabelas de Dimensionamento

Tabelas de Dimensionamento Com o objetivo de oferecer um instrumento prático para auxiliar no trabalho de projetistas, instaladores e demais envolvidos com a seleção e dimensionamento dos em uma instalação elétrica de baixa tensão,

Leia mais

Instrumentação Industrial e Medidas Eléctricas - IPT - DEE Carlos Ferreira

Instrumentação Industrial e Medidas Eléctricas - IPT - DEE Carlos Ferreira Sensores Amedição das grandezas físicas é uma necessidade. Para essa função são utilizados sensores estes convertem a grandeza a medir noutra. No caso da instrumentação a variável de saída é normalmente

Leia mais

CIRCUITO DE POTÊNCIA. Chaves com comando a distância

CIRCUITO DE POTÊNCIA. Chaves com comando a distância ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PEA Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Eletrotécnica Geral DISPOSITIVOS DE COMANDO Índice 1 Objetivo... 1 2... 1 2.1 Generalidades......

Leia mais

Instalações Elétricas Industriais. Prof. Carlos T. Matsumi

Instalações Elétricas Industriais. Prof. Carlos T. Matsumi Instalações Elétricas Industriais Divisão de Sistemas de Alimentação Faixa de Tensão Elétrica (IE) orrente Alternada - A orrente ontínua- Extra Baixa Tensão: Tensão Inferior à 50 V (A) e 120 V () Baixa

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Eletricidade, Máquinas e Medidas Elétricas: 1.1. Princípios da Eletrodinâmica: Tensão Elétrica, Corrente Elétrica, Resistores Elétricos, Potência Elétrica e Leis de OHM; 1.2. Circuitos

Leia mais

Sumário. Instalações Elétricas II

Sumário. Instalações Elétricas II Sumário 1 Introdução... 3 1.1 Definições... 3 1.2 Partes componentes de um projeto elétrico... 3 2 Modalidade de ligações... 3 3 Ramais... 4 4 Etapas de um projeto... 5 4.1 Determinação da carga estimada...

Leia mais

TLA-Capacitores 1 NORMA PARA INSTALAÇÃO DE BANCO DE CAPACITORES EM BAIXA TENSÃO ÍNDICE PÁG.

TLA-Capacitores 1 NORMA PARA INSTALAÇÃO DE BANCO DE CAPACITORES EM BAIXA TENSÃO ÍNDICE PÁG. ÍNDICE 1. OBJETIVO...2 2. RESPONSABILIDADES...2 3. CONCEITUAÇÃO...2 3.1 CAPACITOR...2 3.2 CARGAS NÃO LINEARES...2 3.3 BANCO CAPACITIVO...2 3.4 CARGA INSTALADA...2 3.5 POTÊNCIA ATIVA...2 3.6 POTÊNCIA...2

Leia mais

Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas

Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas Filippe Pereira Dolgoff Engenheiro de Aplicação Produtos e Sistema de Baixa Tensão ABB 1 INTRODUÇÃO Um sistema elétrico

Leia mais

RELAÇÕES DE CORRENTE ALTERNADA

RELAÇÕES DE CORRENTE ALTERNADA RELAÇÕES DE CORRENTE ALTERNADA A tensão alternada senoidal é a qual utilizamos em nossos lares, na indústria e no comércio. Dentre as vantagens, destacamos: Facilidade de geração em larga escala; Facilidade

Leia mais

DISPOSITIVOS DE COMANDO - CONTATORES

DISPOSITIVOS DE COMANDO - CONTATORES 11 DISPOSITIVOS DE COMANDO - CONTATORES 11.1 INTRODUÇÃO Freqüentemente os projetos e as instalações de engenharia elétrica de potência apresentam um ou mais equipamentos elétricos, instalados ao longo

Leia mais

PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES

PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES 9 PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES 9.1 INTRODUÇÃO O aumento da temperatura nos condutores de uma instalação elétrica, devido a circulação de corrente (efeito Joule), projetada para o funcionamento normal,

Leia mais

- Para se aumentar a quantidade de líquido (W), para o mesmo copo de chopp, deve-se reduzir a quantidade de espuma (VAr). Desta forma, melhora-se a

- Para se aumentar a quantidade de líquido (W), para o mesmo copo de chopp, deve-se reduzir a quantidade de espuma (VAr). Desta forma, melhora-se a 6. FATOR DE POTÊNCIA O fator de potência é uma relação entre potência ativa e potência reativa, conseqüentemente energia ativa e reativa. Ele indica a eficiência com a qual a energia está sendo usada.

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS (Perfil 4) «21. As Normas Regulamentares trazem especificações para diversas áreas técnicas a NR-10trata especialmente de qual área? a) Instalaçõeselétricasprediais.

Leia mais

ENGENHEIRO ELETRICISTA

ENGENHEIRO ELETRICISTA ENGENHEIRO ELETRICISTA QUESTÃO 01 O projeto de uma S.E. consumidora prevê dois transformadores, operando em paralelo, com as seguintes características: 500kVA, 13800//220/127V, Z = 5% sob 13.8KV; I n =

Leia mais

Proteção Diferencial. GE Energy Services Industrial Solutions. imagination at work

Proteção Diferencial. GE Energy Services Industrial Solutions. imagination at work GE Consumer & Industrial GE Energy Services Industrial Solutions Proteção Diferencial DR - Interruptor Diferencial Residual DDR - Disjuntor com Proteção Diferencial DOC (Diff-o-Click) - Blocos Diferenciais

Leia mais

PADRÃO DE ENTRADA DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO

PADRÃO DE ENTRADA DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO PADRÃO DE ENTRADA DE E N E R G I A E L É T R I C A E M INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO www.celesc.com.br PADRÃO DE ENTRADA DE E N E R G I A E L É T R I C A E M INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RESIDENCIAIS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RESIDENCIAIS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RESIDENCIAIS GARANTA UMA INSTALAÇÃO ELÉTRICA SEGURA ÍNDICE APRESENTAÇÃO............................................ 2 INTRODUÇÃO.............................................. 3 TENSÃO

Leia mais

PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS

PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS Projetar uma instalação elétrica de uma edificação consiste em: Quantificar e determinar os tipos e localizar os pontos de utilização de energia elétrica; Dimensionar,

Leia mais

BAIXA TENSÃO Uso Geral

BAIXA TENSÃO Uso Geral Dimensionamento OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONA- MENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: Chamamos de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR 5410/2004 relativos à escolha

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Capítulo 4 Parte 2 Condutores elétricos: 1. semestre de 2011 Abraham Ortega Número de condutores isolados no interior de um eletroduto Eletroduto é um elemento de linha elétrica fechada,

Leia mais

3 - Sistemas em Corrente Alternada. 1 Considerações sobre Potência e Energia. Carlos Marcelo Pedroso. 18 de março de 2010

3 - Sistemas em Corrente Alternada. 1 Considerações sobre Potência e Energia. Carlos Marcelo Pedroso. 18 de março de 2010 3 - Sistemas em Corrente Alternada Carlos Marcelo Pedroso 18 de março de 2010 1 Considerações sobre Potência e Energia A potência fornecida a uma carga à qual está aplicada um tensão instantânea u e por

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DIMENSIONAMENTOS. 16/08/2009 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA Colbert São Paulo

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DIMENSIONAMENTOS. 16/08/2009 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA Colbert São Paulo INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DIMENSIONAMENTOS 16/08/2009 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA Colbert São Paulo 2 Conteúdo Introdução... 7 Etapas do Projeto Elétrico... 8 Normas Relacionadas... 9 Previsão

Leia mais

Enumere as grandezas físicas com suas respectivas unidades e assinale a sequência correta da coluna da direita, de cima para baixo.

Enumere as grandezas físicas com suas respectivas unidades e assinale a sequência correta da coluna da direita, de cima para baixo. Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Eletromecânica Os condutores devem apresentar características de: A. alta condutibilidade, baixa elasticidade, grande peso. B. baixa elasticidade, pequeno

Leia mais