*OBS: Chave estrela-triângulo: tensão de partida limitada a 58% da tensão nominal.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "*OBS: Chave estrela-triângulo: tensão de partida limitada a 58% da tensão nominal."

Transcrição

1 1 Laboratório Instalações Elétricas Industriais Professor: Marcio Luiz Magri Kimpara PATIDA COMPENADOA AUTOMÁTICA Introdução Assim como a chave estrela-triângulo, a partida compensadora tem a finalidade de reduzir a corrente de partida do motor. A partida compensadora alimenta o motor com tensão reduzida em suas bobinas na partida. Essa redução é feita através da ligação de um autotransformador em série com as bobinas do motor. Após o motor ter acelerado, a tensão do autotrafo é comutada e as bobinas passam a receber tensão nominal. Tal comutação é feita automaticamente utilizando-se contatores e um relé de tempo. Existem duas derivações usuais para os TAPs do autotransformador da partida compensadora. A redução da corrente de partida depende do TAP em que estiver ligado o autotransformador: TAP da tensão - edução da corrente para 42% do seu valor de partida direta; TAP da tensão - edução da corrente para 64% do seu valor de partida direta. *OB: Chave estrela-triângulo: tensão de partida limitada a 58% da tensão nominal. Objetivos - Entender os diagramas de força e comando da partida compensadora; - Familiarização com os elementos do sistema de comando (botoeiras, dispositivos de proteção, contator, Leds de sinalização, etc..) e respectivas simbologias; - ealizar o acionamento do motor de indução trifásico utilizando a partida compensadora. Características da partida compensadora - Utilizada na partida de motores com potência superior a 15 cv (concessionária local); - A partida compensadora pode ser utilizada em motores que partem sob carga; torque de partida da carga deve ser inferior à metade do torque de partida do motor - O motor é alimentado pela derivação (TAP) de um autotransformador; - Autotransformador trifásico ligado em Estrela - Autotransformador deve ter potência superior ou igual à potência do motor; - Depois de um tempo pré-estabelecido, o autotransformador é bypassado. - Vantagens: - Desvantagens: Pode ser utilizado com qualquer motor trifásico; Necessita apenas de 3 fios no motor; O motor permanece sempre energizado, mesmo no intervalo de troca dos contatores; Corrente de partida entre 42% a 10 da nominal; Maior custo, espaço ocupado e manutenção devido à presença do autotransformador no circuito;

2 2 DIAGAMA DE FOÇA DIAGAMA DE COMANDO 0 1 Lâmpada (LED) : (amarela) - estado intermediário (motor alimentado pela derivação do autotrafo) Lâmpada (LED) : (verde) - motor em operação com condições nominais

3 3 Descrição funcionamento: Ao pressionar a botoeira 1, a contatora é energizada. Com isso tem-se o fechamento do autotransformador em estrela no circuito de força. No circuito de comando a energização de provoca o fechamento dos contatos auxiliares NA e criando caminho para a energização de. Os contatos NF e de também serão abertos para garantir que não será energizada Com a energização das bobinas e de, os contatos principais no circuito de força se fecham alimentando o autotransformador com a tensão da rede. Com isso o motor passa a receber tensão reduzida de acordo com o tap do autotrafo e começa a operar. Tudo isso ocorre quase que instantaneamente após a botoeira 1 ser pressionada. O contato auxiliar NA e de no diagrama de comando funciona como contato de selo para não desernergizar tudo após a botoeira 1 voltar para a posição de repouso. Além disso, o contato NA e de irá energizar o rele de tempo que iniciará a contagem do tempo pré-ajustado. A lâmpada sinaliza a operação do motor com tensão reduzida

4 4 O diagrama de comando permanecerá energizado conforme abaixo até que o tempo ajustado no rele se encerre. O diagrama de força também permanece como abaixo Após atingir o tempo ajustado no rele (a contar após a energização de suas bobinas), os contatos do relé são comutados provocando a interrupção na energização de. Assim, o contato NF e de retorna à posição inicial fazendo com que seja energizada

5 5 Com a energização de, o contato NF e de se abre, interrompendo também a corrente em. No circuito de força, o motor passa a receber a tensão diretamente da rede e, portanto, o valor nominal. O contato NA e de irá abrir após a desenergização de, desta forma o contato NA e de é que irá fazer o selo para manter energizada. Da mesma forma, o contato NA e de irá interromper a corrente nas bobinas do rele, fazendo com que seus contatos auxiliares retornem à posição inicial. Ainda, o contato NF e de irá se abrir com a energização de para garantir que não seja energizada. A lâmpada (verde) indica que o motor está alimentado com condições nominais de tensão Para desligar o motor, basta pressionar a botoeira 0 que, estando em série com o circuito de comando irá interromper a corrente em todas as contatoras

A Chave de partida compensadora é um dos métodos utilizados para reduzir a corrente de partida de motores trifásicos.

A Chave de partida compensadora é um dos métodos utilizados para reduzir a corrente de partida de motores trifásicos. INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Campus Araranguá Curso: Eletromecânica Disciplina: Instalações Elétricas Local: Laboratório de Eletrotécnica Professor: Giovani Batista

Leia mais

PARTIDA DIRETA PARTIDA ESTRELA-TRI PARTIDA COMPENSADORA STARTERS PARTIDA COM SOFT-STARTERS DIAGRAMA TRIFILAR DIAGRAMA DE COMANDO L3 L F1,2,3 FT1 FT1

PARTIDA DIRETA PARTIDA ESTRELA-TRI PARTIDA COMPENSADORA STARTERS PARTIDA COM SOFT-STARTERS DIAGRAMA TRIFILAR DIAGRAMA DE COMANDO L3 L F1,2,3 FT1 FT1 1 2 3 4 PARTIDA DIRETA PARTIDA ESTRELA-TRI TRIÂGULO PARTIDA COPESADORA PARTIDA CO SOFT-STARTERS STARTERS Início L1 L2 L3 L 95 96 S1 13 14 DIAGRAA TRIFILAR DIAGRAA DE COADO Chaves 1-7 L1 L2 L3 L 95 96 S1

Leia mais

CIRCUITO DE POTÊNCIA. Chaves com comando a distância

CIRCUITO DE POTÊNCIA. Chaves com comando a distância ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PEA Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Eletrotécnica Geral DISPOSITIVOS DE COMANDO Índice 1 Objetivo... 1 2... 1 2.1 Generalidades......

Leia mais

Partida do Motor de Indução Trifásico

Partida do Motor de Indução Trifásico Partida do Motor de Indução Trifásico 1.Introdução Os motores elétricos durante solicitam da rede de alimentação uma corrente elevada na partida. Essa corrente é da ordem de 6 a 10 vezes a sua corrente

Leia mais

DISPOSITIVOS DE COMANDO - CONTATORES

DISPOSITIVOS DE COMANDO - CONTATORES 11 DISPOSITIVOS DE COMANDO - CONTATORES 11.1 INTRODUÇÃO Freqüentemente os projetos e as instalações de engenharia elétrica de potência apresentam um ou mais equipamentos elétricos, instalados ao longo

Leia mais

Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda.

Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda. Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda. Confiança e economia na qualidade da energia. Recomendações para a aplicação de capacitores em sistemas de potência Antes de iniciar a instalação,

Leia mais

PROGRAMAÇÃO EM LINGUAGEM LADDER LINGUAGEM DE RELÉS

PROGRAMAÇÃO EM LINGUAGEM LADDER LINGUAGEM DE RELÉS 1 PROGRAMAÇÃO EM LINGUAGEM LADDER LINGUAGEM DE RELÉS INTRODUÇÃO O processamento interno do CLP é digital e pode-se, assim, aplicar os conceitos de lógica digital para compreen8 der as técnicas e as linguagens

Leia mais

LINEAR-HCS RUA SÃO JORGE, 267 - TELEFONE: 6823-8800 Revisado em 24/10/2006 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250 www.linear-hcs.com.

LINEAR-HCS RUA SÃO JORGE, 267 - TELEFONE: 6823-8800 Revisado em 24/10/2006 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250 www.linear-hcs.com. LINEAR-HCS RUA SÃO JORGE, 267 - TELEFONE: 6823-8800 Revisado em 24/10/2006 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250 www.linear-hcs.com.br CENTRAL ELETRÔNICA TRIFÁSICA DE CONTROLE DE PORTÃO rev2 CARACTERÍSTICAS

Leia mais

Manual do instalador Box Output DC Rev. 0.01.000. Figura 01 Apresentação do Box Output DC.

Manual do instalador Box Output DC Rev. 0.01.000. Figura 01 Apresentação do Box Output DC. Pág. 1/10 Apresentação Equipamento para acionamento de cargas em corrente contínua. Comunicação com outros dispositivos por rede CAN. 6 entradas digitais para acionamento local ou remoto. 6 entradas/saídas

Leia mais

Contatores Contatores são dispositivos de manobra mecânica, eletromagneticamente, construídos para uma elevada freguência de operação.

Contatores Contatores são dispositivos de manobra mecânica, eletromagneticamente, construídos para uma elevada freguência de operação. Contatores Contatores são dispositivos de manobra mecânica, eletromagneticamente, construídos para uma elevada freguência de operação. De acordo com a potência (carga), o contator é um dispositivo de comando

Leia mais

Manual do instalador Box Output AC Rev. 0.01.000. Figura 01 Apresentação do Box Output AC.

Manual do instalador Box Output AC Rev. 0.01.000. Figura 01 Apresentação do Box Output AC. Pág. 1/10 Apresentação Equipamento para acionamento de cargas em corrente alternada 110/220V. Comunicação com outros dispositivos por rede CAN. 6 entradas digitais para acionamento local ou remoto. 6 entradas/saídas

Leia mais

I. Contator... 5. II. Carga Trifásica em Estrela e Triângulo... 11. III. Motor Monofásico... 15. IV. Ligação Subsequente Automática de Motores...

I. Contator... 5. II. Carga Trifásica em Estrela e Triângulo... 11. III. Motor Monofásico... 15. IV. Ligação Subsequente Automática de Motores... COMANDOS ELÉTRICOS 3 SUMÁRIO I. Contator... 5 II. Carga Trifásica em Estrela e Triângulo... 11 III. Motor Monofásico... 15 IV. Ligação Subsequente Automática de Motores... 19 V. Inversão do Sentido de

Leia mais

Transformadores trifásicos

Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Por que precisamos usar transformadores trifásicos Os sistemas de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica

Leia mais

Comandos Elétricos. Prof. Carlos T. Matsumi

Comandos Elétricos. Prof. Carlos T. Matsumi Comandos Elétricos Comandos Elétricos ACIONAMENTO CONVENCIONAL Conhecido como partidas convencionais de motores, utilizam se de dispositivos eletromecânicos para o acionamento (partida) do motor (ex. contatores

Leia mais

PRÁTICA 2 - PARTIDA ESTRELA-TRIÂNGULO DO MOTOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO

PRÁTICA 2 - PARTIDA ESTRELA-TRIÂNGULO DO MOTOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO Comandos Industriais Professor: Marcio Luiz Magri Kimpara Introdução PÁTICA - PATIDA ETELA-TIÂNGULO DO MOTO DE INDUÇÃO TIFÁICO A chave estrela-triângulo é um dispositivo auxiliar de partida de motores

Leia mais

ÍNDICE CONTATOR. 1. Objetivo 2. 2. Introdução Teórica 2. 2.1. Contator 2. 2.2. Contatos 3. 2.3. Botoeira ou Botoeira botão liga e desliga 3

ÍNDICE CONTATOR. 1. Objetivo 2. 2. Introdução Teórica 2. 2.1. Contator 2. 2.2. Contatos 3. 2.3. Botoeira ou Botoeira botão liga e desliga 3 COMANDOS ELÉTRICOS ÍNDICE CONTATOR 1. Objetivo 2 2. Introdução Teórica 2 2.1. Contator 2 2.2. Contatos 3 2.3. Botoeira ou Botoeira botão liga e desliga 3 2.4. Relé Bimetálico 4 3. Material Utilizado 5

Leia mais

Profª Danielle Casillo

Profª Danielle Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Automação e Controle Aula 08 Linguagem Laddercont... Profª Danielle Casillo Funções Lógicas em Ladder A. Função NãoE (NAND) Consiste

Leia mais

COMANDOS ELÉTRICOS Este material não é destinado a comercialização.

COMANDOS ELÉTRICOS Este material não é destinado a comercialização. COMANDOS ELÉTRICOS Está apostila é usada nas aulas ministradas na matéria de comandos no curso de pósmédio mecatrônica, não se tratando de um material voltado para a qualificação. Há ainda um complemento

Leia mais

2. DISPOSITIVOS DE COMANDO E CHAVES DE PARTIDA

2. DISPOSITIVOS DE COMANDO E CHAVES DE PARTIDA 2. DISPOSITIVOS DE COMANDO E CHAVES DE PARTIDA A instalação de máquinas diversas requer uma grande gama de dispositivos que possibilitem o perfeito funcionamento, de preferência o mais automatizado possível,

Leia mais

HUMITECH 1. DESCRIÇÃO

HUMITECH 1. DESCRIÇÃO PARA RESFRIAMENTO EVAPORATIVO TEMPER UMIDADE 1. DESCRIÇÃO Controlador microprocessado de alta performance, o Humitech aplica-se em conjunto a sistemas de resfriamento evaporativo para conforto térmico

Leia mais

20 m. 20 m. 12. Seja L a indutância de uma linha de transmissão e C a capacitância entre esta linha e a terra, conforme modelo abaixo:

20 m. 20 m. 12. Seja L a indutância de uma linha de transmissão e C a capacitância entre esta linha e a terra, conforme modelo abaixo: ENGENHEIRO ELETRICISTA 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Um sistema de proteção contra descargas atmosféricas do tipo Franklin foi concebido para prover a segurança de uma edificação

Leia mais

13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ

13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ Instalações Elétricas Professor Luiz Henrique Alves Pazzini 104 13.1 - Introdução 13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ Existem três configurações básicas para alimentação de motores que operam em condições

Leia mais

Central de Alarme de Oito Zonas

Central de Alarme de Oito Zonas Central de Alarme de Oito Zonas R02 ÍNDICE CARACTERÍSTICAS GERAIS:... 3 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS:... 3 CONHECENDO A CENTRAL:... 4 COMO A CENTRAL FUNCIONA:... 4 COMO APAGAR A MEMÓRIA DA CENTRAL:... 4 COMO

Leia mais

Quando comparado com uma chave mecânica, uma chave eletrônica apresenta vantagens e desvantagens.

Quando comparado com uma chave mecânica, uma chave eletrônica apresenta vantagens e desvantagens. Chave eletrônica Introdução O transistor, em sua aplicação mais simples, é usado como uma chave eletrônica, ou seja, pode ser usado para acionar cargas elétricas. A principal diferença entre o transistor

Leia mais

ACIONAMENTOS ELETRÔNICOS (INVERSOR DE FREQUÊNCIA)

ACIONAMENTOS ELETRÔNICOS (INVERSOR DE FREQUÊNCIA) ACIONAMENTOS ELETRÔNICOS (INVERSOR DE FREQUÊNCIA) 1. Introdução 1.1 Inversor de Frequência A necessidade de aumento de produção e diminuição de custos faz surgir uma grande infinidade de equipamentos desenvolvidos

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAMENTO DIGITAL

SISTEMA DE MONITORAMENTO DIGITAL SISTEMA DE MONITORAMENTO DIGITAL Módulos para automação Características gerais - Processamento independente - Possui alerta sonoro e luminoso de falta de conexão - Não precisa ser configurado (Plug and

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Botoeira / Acionador Manual Resetável - Acionamento Direto de Gás, Controle de Acesso em Áreas Sujeitas a Presença de Gáses, Combate e Alarme de Gás Código: AFAM5 O Acionador Manual / Botoeira Convencional

Leia mais

FACILITY TOP HÍBRIDA. Manual Técnico MANUAL TÉCNICO AUTOMATIZADOR PARA PORTÕES DESLIZANTES MONDIALE. P19165 - Rev. 1

FACILITY TOP HÍBRIDA. Manual Técnico MANUAL TÉCNICO AUTOMATIZADOR PARA PORTÕES DESLIZANTES MONDIALE. P19165 - Rev. 1 MANUAL TÉCNICO AUTOMATIZADOR PARA PORTÕES DESLIZANTES P19165 - Rev. 1 MONDIALE 1 ÍNDICE DIAGRAMA DE CONEXÕES...4 Principais características... 5 Funções do led SN...5 Entrada PARA Trava...6 botões (+)

Leia mais

LEIA TODO O CONTEÚDO DESTE MANUAL ANTES DE INICIAR A INSTALAÇÃO

LEIA TODO O CONTEÚDO DESTE MANUAL ANTES DE INICIAR A INSTALAÇÃO MONITOR DE PORTA ABERTA MPA-10 com fio MANUAL DE INSTALAÇÃO LEIA TODO O CONTEÚDO DESTE MANUAL ANTES DE INICIAR A INSTALAÇÃO DESCRIÇÃO O MPA-10 é um alarme que sinaliza a situação de porta aberta, gerando

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 27 PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 QUESTÃO 41 De acordo com a NBR 5410, em algumas situações é recomendada a omissão da proteção contra sobrecargas. Dentre estas situações estão, EXCETO: a) Circuitos de comando.

Leia mais

SUPERVISOR ELETRÔNICO PARA POSTOS DE SEGURANÇA RCP-2000 MANUAL DE INSTALAÇÃO / OPERAÇÃO REV. 08/01

SUPERVISOR ELETRÔNICO PARA POSTOS DE SEGURANÇA RCP-2000 MANUAL DE INSTALAÇÃO / OPERAÇÃO REV. 08/01 SUPERVISOR ELETRÔNICO PARA POSTOS DE SEGURANÇA RCP-2000 MANUAL DE INSTALAÇÃO / OPERAÇÃO REV. 08/01 SUMÁRIO CONTROLADOR DE PORTARIA RCP-2000...1 A) O EQUIPAMENTO RCP-2000... 1 A.1 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS...

Leia mais

INTERLOCK. INTERTRAVAMENTO Para Portões Automáticos Fechaduras Magnéticas e Elétricas. Manual de instalação e configuração

INTERLOCK. INTERTRAVAMENTO Para Portões Automáticos Fechaduras Magnéticas e Elétricas. Manual de instalação e configuração INTERLOCK INTERTRAVAMENTO Para Portões Automáticos Fechaduras Magnéticas e Elétricas Manual de instalação e configuração 2 INTERLOCK Intertravamento de Portões MOREY Índice 1. Instalação do módulo INTERLOCK...

Leia mais

Sistemas de Accionamento Electromecânico

Sistemas de Accionamento Electromecânico Sistemas de Accionamento Electromecânico Comando e protecção de motores Introdução SISTEMAS de ACCIONAMENTO ELECTROMECÂNICO, O que são? Sistemas capazes de converter energia eléctrica em energia mecânica

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Temporizador Automático / Relógio Programador de Horário Para Acionamento Automático de Sirenes e Outros Equipamentos Código: AFKITPROG 2 O REGISTRADOR ELETRÔNICO DE PONTO REP O Relógio Acionador Automático

Leia mais

Motores Síncronos ADRIELLE C SANTANA

Motores Síncronos ADRIELLE C SANTANA Motores Síncronos ADRIELLE C SANTANA Motores Síncronos Possuem velocidade fixa e são utilizados para grandes cargas, (em função do seu alto custo que faz com que ele não seja viável para aparelhos menores)

Leia mais

CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS

CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS 2.1 INTRODUÇÃO O objetivo do presente trabalho é estudar o funcionamento em regime permanente e em regime dinâmico da Máquina Assíncrona Trifásica

Leia mais

Laboratório de Circuitos Elétricos

Laboratório de Circuitos Elétricos Laboratório de Circuitos Elétricos 3ª série Mesa Laboratório de Física Prof. Reinaldo / Monaliza Data / / Objetivos Observar o funcionamento dos circuitos elétricos em série e em paralelo, fazendo medidas

Leia mais

Chaves de Partida Manobra e Proteção de Motores Elétricos. Motores Automação Energia Tintas

Chaves de Partida Manobra e Proteção de Motores Elétricos. Motores Automação Energia Tintas Manobra e Proteção de Motores Elétricos Motores Automação Eneria Tintas Destinadas à manobra e proteção de motores elétricos trifásicos e monofásicos. De acordo com a aplicação a WEG disponibiliza uma

Leia mais

CONTROLADOR ELETRÔNICO DE AR CONDICIONADO. GL-T540 Painel de Controle

CONTROLADOR ELETRÔNICO DE AR CONDICIONADO. GL-T540 Painel de Controle CONTROLADOR ELETRÔNICO DE AR CONDICIONADO GL-T540 Painel de Controle MANUAL PARA OPERADOR Maio 2005 Rev. BI Versão Software: 1.1 SUMMARIO 1) INTRODUÇÃO... 03 1.1) Introdução... 03 1.2) Painel de Controle...

Leia mais

Relés de Nível. Manual de Instalação. Relé de Nível Inferior (RNAI) Relé de Nível Superior (RNAS) C205726 - REV 1

Relés de Nível. Manual de Instalação. Relé de Nível Inferior (RNAI) Relé de Nível Superior (RNAS) C205726 - REV 1 Relés de Nível Relé de Nível Inferior (RNAI) Relé de Nível Superior (RNAS) Manual de Instalação C205726 - REV 1 1) Apresentação Relés de Nível RNAI e RNAS Este manual descreve as características de funcionamento,

Leia mais

Comandos Elétricos Colégio Técnico de Campinas COTUCA/UNICAMP Prof. Romeu Corradi Júnior WWW.corradi.junior.nom.br

Comandos Elétricos Colégio Técnico de Campinas COTUCA/UNICAMP Prof. Romeu Corradi Júnior WWW.corradi.junior.nom.br Comandos Elétricos Colégio Técnico de Campinas COTUCA/UNICAMP Prof. Romeu Corradi Júnior WWW.corradi.junior.nom.br 1. INTRODUÇÃO A representação dos circuitos de comando de motores elétricos é feita normalmente

Leia mais

EDI-34 Instalações Elétricas

EDI-34 Instalações Elétricas EDI-34 Instalações Elétricas Plano de Disciplina 2º semestre de 2015 1. Identificação Sigla e título: EDI-34 Instalações Elétricas Curso de Engenharia Civil-Aeronáutica Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CANCELA PARA AUTOMAÇÃO DO SISTEMA GEST Controle de Revisões Elaborador: Luiz Coelho Alves da Silva Neto Validador: Adriano José Cunha de Aguiar Aprovador: Camilo Magalhães de Sales

Leia mais

Manual do instalador Box Input Rev. 0.01.000. Figura 01 Apresentação do Box Input.

Manual do instalador Box Input Rev. 0.01.000. Figura 01 Apresentação do Box Input. Pág. 1/10 Apresentação Equipamento para detecção de acionamentos e monitoração de sensores. Comunicação com outros dispositivos por rede CAN. Possui seis entradas digitais optoacopladas com indicação de

Leia mais

Instrumentação. Automação Básica

Instrumentação. Automação Básica Instrumentação Automação Básica Automação Básica e Circuitos de Intertravamento e Alarmes SENAI ES, 1999 Trabalho realizado em parceria SENAI / CST (Companhia Siderúrgica de Tubarão) Coordenação Geral

Leia mais

IECETEC. Acionamentos elétricos AULA 15 INVERSOR DE FREQUÊNCIA (AULA PRÁTICA)

IECETEC. Acionamentos elétricos AULA 15 INVERSOR DE FREQUÊNCIA (AULA PRÁTICA) AULA 15 INVERSOR DE FREQUÊNCIA (AULA PRÁTICA) FOLHA DE ROTEIRO - 02 DISCIPLINA: INVERSOR DE FREQUÊNCIA ALUNO EXPERIMENTO AULA DE CAMPO TIPO DE ATIVIDADE AULA PRÁTICA DEMONSTRAÇÃO NOME DA ATIVIDADE INSTALAÇÃO

Leia mais

Manual ELT 35i Sistema de Backup Celular

Manual ELT 35i Sistema de Backup Celular Manual ELT 35i Sistema de Backup Celular O equipamento de backup celular foi concebido para gerar uma linha física com características semelhantes à telefonia fixa: Tensão de linha disponível, 48Vcc +/-

Leia mais

TEMPORIZADORES ELETRÔNICOS COM RETARDO NA ENERGIZAÇÃO

TEMPORIZADORES ELETRÔNICOS COM RETARDO NA ENERGIZAÇÃO TEMPORIZADORES ELETRÔNICOS COM RETARDO NA ENERGIZAÇÃO DTE INTRODUÇÃO Os temporizadores eletrônicos com função RETAR- DO NA ENERGIZAÇÃO são aparelhos projetados para aplicações industriais onde qualidade,

Leia mais

ATENÇÃO! Etapa da seqüência. ativados

ATENÇÃO! Etapa da seqüência. ativados ATENÇÃO! ESTA UNIDADE POSSUI UMA PLACA DE CONTROLE E INSTALADA. PEÇA HOSHIKAZI NÚMERO 2A0836-02. A placa E inclui dispositivos de segurança com luzes LED e alarmes sonoros. O LED vermelho indica a voltagem

Leia mais

TÍTULO: PROGRAMAÇÃO DE CLP PARA UMA MÁQUINA DE SECÇÃO SEGMENTOS ORGÂNICOS

TÍTULO: PROGRAMAÇÃO DE CLP PARA UMA MÁQUINA DE SECÇÃO SEGMENTOS ORGÂNICOS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: PROGRAMAÇÃO DE CLP PARA UMA MÁQUINA DE SECÇÃO SEGMENTOS ORGÂNICOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA:

Leia mais

RELÉS CONTATORES - BOTOEIRAS

RELÉS CONTATORES - BOTOEIRAS RELÉS CONTATORES - BOTOEIRAS Análise de Circuitos Contatores/Relés Aula 02 Prof. Luiz Fernando Laguardia Campos 3 Modulo Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina Cora Coralina Sobrecarga

Leia mais

1 contato NA Montagem em trilho 35 mm Largura do módulo 17.5 mm. 3000 1000 fluorescente com reator eletrônico W 1000 350 CFL W 600 300 LED 230 V W

1 contato NA Montagem em trilho 35 mm Largura do módulo 17.5 mm. 3000 1000 fluorescente com reator eletrônico W 1000 350 CFL W 600 300 LED 230 V W Série - Relé de impulso eletrônico e modular monoestável 10-16 A SÉRIE Características.81.91.81 - Relé de impulso eletrônico silencioso Montagem em trilho 35 mm - 1 contato.91 - Relé de impulso eletrônico

Leia mais

DLB MAQ CE - Comandos elétricos DLB MAQCE - COMANDOS ELÉTRICOS LIVRO DE TEORIA E PRÁTICA

DLB MAQ CE - Comandos elétricos DLB MAQCE - COMANDOS ELÉTRICOS LIVRO DE TEORIA E PRÁTICA DLB MAQCE - COMANDOS ELÉTRICOS LIVRO DE TEORIA E PRÁTICA 1 Apresentação O livro Comandos Elétricos tem como objetivo dar subsídios teóricos e facilitar as atividades práticas propostas na Bancada Didática

Leia mais

CARACTERÍSTICAS E MODOS DE FUNCIONAMENTO MODOS DE OPERAÇÃO DOS BOTÕES PROTEÇÃO ANTIESMAGAMENTO MODO FAIL

CARACTERÍSTICAS E MODOS DE FUNCIONAMENTO MODOS DE OPERAÇÃO DOS BOTÕES PROTEÇÃO ANTIESMAGAMENTO MODO FAIL CARACTERÍSTICAS E MODOS DE FUNCIONAMENTO Os módulos da linha TOTALSAFE PRO foram desenvolvidos para agregar além de conforto, segurança total na automação dos vidros elétricos. Essa linha de produtos oferece

Leia mais

clubedotecnico.com Curso de comandos elétricos

clubedotecnico.com Curso de comandos elétricos clubedotecnico.com Curso de comandos elétricos Conteúdo do Curso: Finalidade dos comandos Elétricos Proteção contra correntes de curto circuito Proteção contra correntes de sobrecarga Dispositivos de Manobras

Leia mais

Eletrotécnica. Comandos Elétricos

Eletrotécnica. Comandos Elétricos Eletrotécnica Comandos Elétricos Teoria e Aplicações Escola Técnica de Brasília - ETB Prof. Roberto Leal Ligação de Motores 1 Motor Elétrico Transformar energia elétrica em energia mecânica Motores de

Leia mais

0932 INF 01/12. Pág. 1 de 8

0932 INF 01/12. Pág. 1 de 8 Pág. 1 de 8 LABORÓRIO Laboratóro de ensaios da TÜV RHEINLAND DO BRASIL Técnico responsável Gerente Técnico do Laboratório Laboratório...: TÜV Rheinland do Brasil Ltda. Endereço...: Rua dos Comerciários,

Leia mais

Manutenção Elétrica. Entre os elementos de processamento de sinais podemos citar:

Manutenção Elétrica. Entre os elementos de processamento de sinais podemos citar: Manutenção Elétrica Elementos de Processamento de Sinais Os componentes de processamento de sinais elétricos são aqueles que analisam as informações emitidas ao circuito pelos elementos de entrada, combinando-as

Leia mais

LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL. EXPERIÊNCIA TRANSFORMADORES E MOTORES Código: TRM RELATÓRIO -

LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL. EXPERIÊNCIA TRANSFORMADORES E MOTORES Código: TRM RELATÓRIO - LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL EXPERIÊNCIA TRANSFORMADORES E MOTORES Código: TRM RELATÓRIO - NOTA... Grupo:............. Professor:... Data:..... Objetivo:............. 1. Transformador 1.1 Transformador

Leia mais

CARACTERÍSTICAS E MODOS DE FUNCIONAMENTO MODOS DE OPERAÇÃO DOS BOTÕES PROTEÇÃO ANTIESMAGAMENTO ALÍVIO DE PRESSÃO INTERNA

CARACTERÍSTICAS E MODOS DE FUNCIONAMENTO MODOS DE OPERAÇÃO DOS BOTÕES PROTEÇÃO ANTIESMAGAMENTO ALÍVIO DE PRESSÃO INTERNA CARACTERÍSTICAS E MODOS DE FUNCIONAMENTO Os módulos da linha TOTALSAFE PRO foram desenvolvidos para agregar além de conforto, segurança total na automação dos vidros elétricos. Essa linha de produtos oferece

Leia mais

TECHFONE PORTEIRO ELETRÔNICO

TECHFONE PORTEIRO ELETRÔNICO IMPORTANTE: TECHFONE PORTEIRO ELETRÔNICO GUIA DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO A PARTIR DA VERSÃO TEC7 A MAXCOM reserva-se o direito de alterar este guia sem prévio aviso. Alterações feitas serão inseridas

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Mini Sirene Eletrônica Audiovisual Um Toque Iluminação a LED - Para Pequenas e Médias Áreas - Código: AFMSF A sirene audiovisual de alarme código AFMSF é um equipamento que deve ser instalado no teto ou

Leia mais

ST 160 ST 160 0 # Manual de Referência e Instalação

ST 160 ST 160 0 # Manual de Referência e Instalação ST 160 ST 160 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 # Manual de Referência e Instalação Descrições 1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 # 3 2 Número Descrição 1 Indicador de modo 2 Antena 3 Matriz do Teclado 4 Parafuso Especificações

Leia mais

CURSO DE COMANDOS ELÉTRICOS

CURSO DE COMANDOS ELÉTRICOS FUMEP Fundação Municipal de Ensino de Piracicaba EEP Escola de Engenharia de Piracicaba COTIP Colégio Técnico Industrial de Piracicaba CURSO DE COMANDOS ELÉTRICOS Prof. Marcelo Eurípedes da Silva Piracicaba,

Leia mais

Tipos de linhas. Sumário Linhas Elétricas Dimensionamento. Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas

Tipos de linhas. Sumário Linhas Elétricas Dimensionamento. Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Tipos de linhas Sumário Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Instalação dos condutores Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Os cabos multipolares só deve conter os condutores de um

Leia mais

Os fusíveis NH e Diazed são dotados de características de limitação de corrente. Assim, para

Os fusíveis NH e Diazed são dotados de características de limitação de corrente. Assim, para 5 Proteção e Coordenação Dimensionamento da Proteção 36 Fusível NH Zonasde Atuação 224 A Fusível NH Zonasde Atuação 355 A 5 Proteção e Coordenação Dimensionamento da Proteção 37 5 Proteção e Coordenação

Leia mais

ISOTRANS IND. DE TRANSFORMADORES LTDA.

ISOTRANS IND. DE TRANSFORMADORES LTDA. ISOTRANS IND. DE TRANSFORMADORES LTDA. TRANSFORMADORES MONOFÁSICOS DE ISOLAÇÃO COM BLINDAGEM APLICAÇÃO Os transformadores monofásicos de isolação com blindagens, magnética e eletrostática, foram desenvolvidos

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia

Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia 1 Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Eletrônica Laboratório de Informática Industrial 3ª AULA - Programação Convencional de CLP - Parte I Objetivos: Analisar

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO QTA-GMG

MANUAL DE INSTALAÇÃO QTA-GMG MANUAL DE INSTALAÇÃO QTA-GMG 1º verificar o nível de água do radiador, e ligue os cabos da bateria. 2º verificar o nível do óleo do motor 3º Ligação da rede ao painel.. Dentro do painel, na parte superior

Leia mais

DESCRIÇÃO DO FUNCIONAMENTO Basicamente o ANTRON II-s recebe sinais provenientes da atuação de contatos elétricos externos, associados a equipamentos

DESCRIÇÃO DO FUNCIONAMENTO Basicamente o ANTRON II-s recebe sinais provenientes da atuação de contatos elétricos externos, associados a equipamentos DESCRIÇÃO DO FUNCIONAMENTO Basicamente o ANTRON II-s recebe sinais provenientes da atuação de contatos elétricos externos, associados a equipamentos ou sistemas que se queiram supervisionar, via contatos

Leia mais

PROGRAMAÇÃO BÁSICA DE CLP

PROGRAMAÇÃO BÁSICA DE CLP PROGRAMAÇÃO BÁSICA DE CLP Partindo de um conhecimento de comandos elétricos e lógica de diagramas, faremos abaixo uma revisão para introdução à CLP. Como saber se devemos usar contatos abertos ou fechados

Leia mais

Contatos em AgNi, para comutação de cargas resistivas ou levemente indutivas, como cargas de motores. 2000 fluorescente compacta (CFL) W

Contatos em AgNi, para comutação de cargas resistivas ou levemente indutivas, como cargas de motores. 2000 fluorescente compacta (CFL) W Características 22.32.0.xxx.1xx0 Série 22 - Contator modular 25 A 22.32.0.xxx.4xx0 Contator modular de 25A - 2 contatos Largura do módulo, 17.5 mm Contatos NA com abertura 3mm com dupla abertura Energização

Leia mais

PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES

PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES 9 PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES 9.1 INTRODUÇÃO O aumento da temperatura nos condutores de uma instalação elétrica, devido a circulação de corrente (efeito Joule), projetada para o funcionamento normal,

Leia mais

PROGRAMAÇÃO FÁCIL DO. Micro Master. Midi Master

PROGRAMAÇÃO FÁCIL DO. Micro Master. Midi Master 1 PROGRAMAÇÃO FÁCIL DO Micro Master E Midi Master Preparado por ASI 1 PS 2 1. PARAMETRIZAÇÃO BÁSICA INICIAL...3 1.1 AJUSTES INICIAIS DO APARELHO...3 1.2 AJUSTE DE TEMPOS DE ACELERAÇÃO E DESACELERAÇÃO...3

Leia mais

LogixPro Laboratório simulador de porta de garagem utilizando lógica de reles (LADDER)

LogixPro Laboratório simulador de porta de garagem utilizando lógica de reles (LADDER) LogixPro Laboratório simulador de porta de garagem utilizando lógica de reles (LADDER) Simulação do ProSim-II de uma Porta de Garagem A partir do menu Simulations na parte superior da janela escolha a

Leia mais

Contatos em AgNi, para comutação de cargas resistivas ou levemente indutivas, como cargas de motores. 2000 fluorescente compacta (CFL) W

Contatos em AgNi, para comutação de cargas resistivas ou levemente indutivas, como cargas de motores. 2000 fluorescente compacta (CFL) W Série - Contator modular 25-40 - 63 A SÉRIE Características.32.0.xxx.1xx0.32.0.xxx.4xx0 Contator modular de 25A - 2 contatos Largura do módulo, 17.5 mm Contatos NA com abertura 3mm com dupla abertura Energização

Leia mais

Relé Auxiliar RCA 116

Relé Auxiliar RCA 116 Relé Auxiliar RCA 116 Aplicação, Estrutura e Funcionamento. Aplicação O Relé Auxiliar RCA 116 é especialmente apropriado para uso em instalações de comando manual, controles automáticos e supervisão. O

Leia mais

MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL FÊNIX-20L

MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL FÊNIX-20L MANUAL TÉCNICO SUMÁRIO CARACTERÍSTICAS GERAIS... 3 PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS... 3 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS... 3 PAINEL... 4 FUNÇÕES DO PAINEL... 4 FUNÇÕES INTERNAS PLACA DE CONTROLE... 6 FUNÇÕES INTERNAS

Leia mais

CARACTERÍSTICAS E MODOS DE FUNCIONAMENTO MODOS DE OPERAÇÃO DOS BOTÕES PROTEÇÃO ANTIESMAGAMENTO ALÍVIO DE PRESSÃO INTERNA

CARACTERÍSTICAS E MODOS DE FUNCIONAMENTO MODOS DE OPERAÇÃO DOS BOTÕES PROTEÇÃO ANTIESMAGAMENTO ALÍVIO DE PRESSÃO INTERNA CARACTERÍSTICAS E MODOS DE FUNCIONAMENTO Os módulos da linha TOTALSAFE PRO foram desenvolvidos para agregar além de conforto, segurança total na automação dos vidros elétricos. Essa linha de produtos oferece

Leia mais

ELETRICISTA INSTALADOR INDUSTRIAL

ELETRICISTA INSTALADOR INDUSTRIAL ELETRICISTA INSTALADOR INDUSTRIAL Qualificação SENAI - PR, 2004 0004BA0104104 Elaboração Técnica Revisão Técnica Edmir Carvelli Laércio Facina e Cláudio Alves Batista Equipe de editoração Coordenação do

Leia mais

Exercícios Leis de Kirchhoff

Exercícios Leis de Kirchhoff Exercícios Leis de Kirchhoff 1-Sobre o esquema a seguir, sabe-se que i 1 = 2A;U AB = 6V; R 2 = 2 Ω e R 3 = 10 Ω. Então, a tensão entre C e D, em volts, vale: a) 10 b) 20 c) 30 d) 40 e) 50 Os valores medidos

Leia mais

Automação. Industrial.

Automação. Industrial. Automação Industrial. Apostila 1 Acionamentos e Simbologia. Prof. Alexandre Landim Automação Industrial. Introdução: Na Automação Industrial, bem como automação de processos e sistemas em geral, além do

Leia mais

T-530. Características. Características técnicas TELE ALARME MICROPROCESSADO. Aplicação

T-530. Características. Características técnicas TELE ALARME MICROPROCESSADO. Aplicação 12 T-530 TELE ALARME MICROPROCESSADO Aplicação Equipamento desenvolvido a fim de realizar automaticamente discagens telefônicas para aviso de alarme. Podendo ser implementado praticamente à todos os sistema

Leia mais

S IBRATEC MANUAL DE INSTRUÇÕES AOB294I-5K1 AMPERÍMETRO COM SAÍDA DE CONTROLE

S IBRATEC MANUAL DE INSTRUÇÕES AOB294I-5K1 AMPERÍMETRO COM SAÍDA DE CONTROLE www.sibratec.ind.br MANUAL DE INSTRUÇÕES AOB294I-5K1 AMPERÍMETRO COM SAÍDA DE CONTROLE 1 - INTRODUÇÃO Os medidores de grandezas elétricas da família AOB fazem parte de uma nova geração de medidores inteligentes

Leia mais

Boletim Te cnico. Tema: BT015 Ajuste de TAPs de transformadores UV. Sistema de Gestão Integrado ISO 9001 ISO 14001 OHSAS 18001

Boletim Te cnico. Tema: BT015 Ajuste de TAPs de transformadores UV. Sistema de Gestão Integrado ISO 9001 ISO 14001 OHSAS 18001 Boletim Te cnico Tema: BT015 Ajuste de TAPs de transformadores UV O presente boletim tem por finalidade instruir profissionais devidamente treinados e habilitados quanto aos procedimentos de ajuste de

Leia mais

BOTÃO DE TOQUE POR PROXIMIDADE

BOTÃO DE TOQUE POR PROXIMIDADE BOTÃO DE TOQUE POR PROXIMIDADE MANUAL DE INSTALAÇÃO ATENÇÃO! LEIA TODAS AS INSTRUÇÕES DO MANUAL ANTES DE INSTALAR E OPERAR ESTE EQUIPAMENTO Parabéns, você adquiriu um produto com o selo Qualidade Máxima

Leia mais

Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá

Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá Automação Industrial Porto Alegre, Maio de 2014 Revisão: A Prof Vander Campos Conhecer os princípios básicos do inversor de frequência; Saber interpretar

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE ELETROMECÂNICA APOSTILA DE COMANDOS ELÉTRICOS (COMPILADO - 1)

CURSO TÉCNICO DE ELETROMECÂNICA APOSTILA DE COMANDOS ELÉTRICOS (COMPILADO - 1) Centro Federal de Educação Tecnológica da Bahia CURSO TÉCNICO DE ELETROMECÂNICA APOSTILA DE COMANDOS ELÉTRICOS (COMPILADO - 1) PROF. WESLEY DE ALMEIDA SOUTO wesley@cefetba.br 03/ 2004 1. INTRODUÇÃO A representação

Leia mais

Aula prática 01 Partida direta de motor monofásico

Aula prática 01 Partida direta de motor monofásico Curso de Tecnologia em Manutenção Industrial Disciplina de Instalações Elétricas Industriais Parte Prática Turma: ET32K N12. Professor Clovis Aula prática 01 Partida direta de motor monofásico OBJETIVO:

Leia mais

RÁDIO PARA SISTEMAS DE TRANSPORTES

RÁDIO PARA SISTEMAS DE TRANSPORTES RÁDIO PARA SISTEMAS DE TRANSPORTES Atenção e Cuidado Os seguintes símbolos podem ser encontrados no produto ou toda a documentação. Consulte o manual do usuário para obter informações adicionais quando

Leia mais

TECNOLOGIA EM SEGURANÇA SOLUÇÕES EM ELETRÔNICA

TECNOLOGIA EM SEGURANÇA SOLUÇÕES EM ELETRÔNICA TECNOLOGIA EM SEGURANÇA SOLUÇÕES EM ELETRÔNICA 3. CARACTERÍSTICAS 3.1 Central de alarme microprocessada com 1 setor; 3.2 Acompanha dois transmissores (mod. TSN); 3.3 Freqüência de transmissão: 433MHz;

Leia mais

Parte V Linguagem de Programação

Parte V Linguagem de Programação www.spei.br Sociedade Paranaense de Ensino e Informática Parte V Linguagem de Programação 2 1 Linguagens de Programação de CLPs As linguagens de programação permitem aos usuários se comunicar com o CLP

Leia mais

Chaves de Partida Manobra e Proteção de Motores Elétricos. Motores Energia Automação Tintas

Chaves de Partida Manobra e Proteção de Motores Elétricos. Motores Energia Automação Tintas Chaves de Partida Manobra e Proteção de Motores Elétricos Motores Eneria Automação Tintas Chaves de Partida Destinadas à manobra e proteção de motores elétricos trifásicos e monofásicos. De acordo com

Leia mais

VERIFICAÇÃO FINAL DOCUMENTAÇÃO

VERIFICAÇÃO FINAL DOCUMENTAÇÃO VERIFICAÇÃO FINAL DOCUMENTAÇÃO Inspeção visual e documentação............................................................284 Ensaios de campo em instalações...........................................................285

Leia mais

Eletrônica de Potência e Acionamentos Elétricos. Alan Kardek Rêgo Segundo Cristiano Lúcio Cardoso Rodrigues

Eletrônica de Potência e Acionamentos Elétricos. Alan Kardek Rêgo Segundo Cristiano Lúcio Cardoso Rodrigues Eletrônica de Potência e Acionamentos Elétricos Alan Kardek Rêgo Segundo Cristiano Lúcio Cardoso Rodrigues Ouro Preto - MG 2015 Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria

Leia mais

Comutador USB KVM Comutador USB KVM com áudio, 2 portas Comutador USB KVM com áudio, 4 portas Manual

Comutador USB KVM Comutador USB KVM com áudio, 2 portas Comutador USB KVM com áudio, 4 portas Manual Comutador USB KVM Comutador USB KVM com áudio, 2 portas Comutador USB KVM com áudio, 4 portas Manual DS-11403 (2 portas) DS-12402 (4 portas) NOTA Este equipamento foi testado e está em conformidade com

Leia mais

Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL. Introdução

Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL. Introdução Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL Esta aula apresenta o princípio de funcionamento dos motores elétricos de corrente contínua, o papel do comutador, as características e relações

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 001/2011 SENAI-DR-RN/CTGÁS-ER PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. CARGO: INSTRUTOR DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLOGIAS I Nível O

PROCESSO SELETIVO 001/2011 SENAI-DR-RN/CTGÁS-ER PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. CARGO: INSTRUTOR DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLOGIAS I Nível O 2 PROCESSO SELETIVO 001/2011 SENAI-DR-RN/CTGÁS-ER PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CARGO: INSTRUTOR DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLOGIAS I Nível O CÓDIGO DO CARGO/VAGA: V0013 1) Considere um transformador

Leia mais