Portfolio dos Parques Tecnológicos no Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Portfolio dos Parques Tecnológicos no Brasil"

Transcrição

1 1 Portfolio dos Parques Tecnológicos no Brasil

2 Portfolio dos Parques Tecnológicos no Brasil 2

3 Apresentação Este portfolio dos Parques Tecnológicos brasileiros foi desenvolvido no contexto do trabalho realizado pela Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (ANPROTEC), ao longo dos últimos cinco anos no sentido de organizar e fortalecer este importante mecanismo de promoção de ambientes inovadores para a criação de empresas de tecnologia e outras iniciativas de pesquisa e desenvolvimento. Recentemente, a Anprotec concluiu o trabalho Parques Tecnológicos Brasileiros - Estudo, Análise e Proposições, executado em parceria com a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), e com apoio do Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT), Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP), Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE) e Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE). Este trabalho permitiu a análise de diversas experiências nacionais e internacionais, possibilitando a geração de uma proposta taxonômica para a área, bem como o encaminhamento de proposições de elementos de políticas públicas para apoio aos Parques Tecnológicos no Brasil. Ao longo deste processo ficou evidente a importância de um levantamento mais atualizado e preciso que contribua para que os agentes públicos e privados possam compreender a dimensão dos desafios e oportunidades para consolidar os Parques Tecnológicos como instrumentos relevantes de desenvolvimento econômico, social e tecnológico do País. Este Portfolio Executivo apresenta a seguir os principais dados, gráficos, análises e informações do movimento de parques como um todo e de cada um dos projetos que responderam ao levantamento realizado pela Anprotec. 3 Portfolio dos Parques Tecnológicos no Brasil

4 Sumário Lista de Parques Tecnológicos identificados... 8 Parque Tecnológico do Nutec Parque Tecnológico de Bodocongó Porto Digital Parque Tecnológico de Eletro-Eletrônica de Pernambuco Programa Curitiba Tecnoparque Parque Tecnológico Itaipu - PTI Brasil Parque Tecnológico de Pato Branco - PTPB Movimento Petrópolis Tecnópolis PET-TEC Pólo de Biotecnologia Bio-Rio Pólo Bio-Rio Parque Tecnológico do Rio/UFRJ Parque do Rio Parque Tecnológico do Vale do Sinos - VALETEC Pólo Tecnológico do Noroeste Gaúcho - IPTEC Parque Científico e Tecnológico da PUC/RS - TECNOPUC Parque Tecnológico de Blumenau - ParqueBLU Parque Tecnológico Alfa - PARqTEC ALFA Sapiens Parque Sergipe Parque Tecnológico - SergipeTec Parque Tecnológico da Ciatec Campinas - CIATEC Parque Tecnológico de São Carlos - Science Park Parque Tecnológico UNIVAP - PqTecUniVaP Parque Tecnológico de São José dos Campos - PqTecSJCampos Parque Tecnológico de Salvador - Bahia Tecnovia Parque Científico e Tecnológico da Universidade de Brasília - PCTec Parque Tecnológico Capital Digital - PTCD Parque Tecnológico de Belo Horizonte - BH-Tec Parque Científico e Tecnológico de Itajubá - ParCTec Parque Tecnológico de Montes Claros - ParqtecMoc Parque Tecnológico de Viçosa - PqTV Parque de Ciência e Tecnologia Guamá - PCT Guamá Parque Tecnológico de Londrina Francisco Sciarra - PTL Parque Tecnológico da Ulbra Parque Científico e Tecnológico da UPF Portfolio dos Parques Tecnológicos no Brasil 4

5 Sumário Parque do Conhecimento e Inovação Tecnológica da UFRGS Parque Tecnológico de Piracicaba - Parq Tec Piracicaba Parque Tecnológico de São José do Rio Preto Parque Tecnológico de Alagoas - PTAL Parque Tecnológico de Manaus - ManausTec Parque Tecnológico Sucupira de Biotecnologia e Agronegócios - PTSBA Parque Tecnológico Metropolitano de Vitória - PTMV Parque Tecnológico Samambaia - PCT Samambaia Parque Tecnológico de Lavras - LAVRASTEC Parque Tecnológico e Científico de Campo Grande - PTCC Parque de Ciência e Tecnologia Tocantins - PCT Tocantins Parque Tecnológico do Tapajós - PCT Tapajós Parque Tecno-Científico da Unicentro -TECNICENTRO Parque Tecnológico de Maringá -Tecnoparq Parque de Inovação Tecnológica e Cultural da Gávea - PITC/GÁVEA Parque Tecnológico Socioambiental e Cultural da Gávea - PTSCG Parque Tecnológico/Científico: Parque Tecnológico do Agronegócio - AGRORIO Parque Tecnológico do CIENTEC Parque Tecnológico do Pólo de Informática de Caxias do Sul - TRINOPOLO Parque Científico e Tecnológico Regional - UNISC Parque de Inovação Tecnológica de Joinville - PITJ Parque de Inovação da Região de Joinville - TECVILLE Parque Tecnológico voltado ao Desenvolvimento Sustentável Social e Ecônomico. 66 Pólo de Pesquisa e Inovação da Unicamp Parque Tecnológico de Guarulhos - PTG Parque Tecnológico de Limeira-ParqTel Parque Tecnológico de Ribeirão Preto - PTRP Parque Tecnológico de Rio Claro- setor UNESP Parque Tecnológico de Santos Parque Eco-Tecnológico Damha São Carlos Parque Tecnológico de São Paulo - PqTSP Parque Tecnológico de Sorocaba- PTS Portfolio dos Parques Tecnológicos no Brasil

6 Evolução dos Parques Tecnológicos ao longo do tempo no território brasileiro O Levantamento realizado pela ANPROTEC indica que o Brasil possui hoje 74 Parques Tecnológicos espalhados por todas as suas regiões. Como indicado no gráfico 1, há uma distribuição relativamente equilibrada entre os estágios dos PqTs entre "operação, implantação e projeto". Verifica-se que a maior parte dos PqTs está em fase de projeto, o que se confirma também pela grande quantidade de parques iniciados a partir de 2005 (gráfico 2). Em termos de regiões, observa-se no gráfico 3 uma concentração maior nas regões Sudeste e Sul, provavelmente devido à concentração da produção técnico-científica destas regiões. A região Sudeste, em particular, apresenta uma participação relativa destacada no número de parques em fase de projeto (gráfico 4). A região Nordeste apresenta a maior parte dos seus PqTs em fase de operação (gráfico 4). Todos os parques das regiões Centro-Oeste e Norte estão em fase de implantação ou projeto. Potencial de espaço físico dos Parques Tecnológicos Em relação às áreas dos PqTs, o gráfico 5 indica que existem cerca de 43,6 milhões de m2 "reservados" para implantação dos projetos, com um potencial construtivo de cerca de 19,1 milhões de m2 e uma área já edificada na ordem de 679 mil m2. O Gráfico 6 mostra situação fundiária e de licença ambiental dos projetos, indicando que ainda existe um bom trabalho a ser realizado para total liberação do potencial de áreas que estão sendo consideradas para os projetos. Finalmente, os gráficos 7 e 8 ilustram a distribuição dos parques em função das faixas de área total e potencial construtivo. Enquanto que no item "área total" observa-se em certo equilíbrio entre o número de projetos com áreas totais inferiores a 50 mil m2 até os projetos com áreas superiores a 1 milhão de m2. No que se refere ao potencial construtivo, ainda há uma concentração nos projetos com menos de 250 mil m2 disponíveis para construção. Portfolio dos Parques Tecnológicos no Brasil 6

7 Resultados gerados pelos Parques Tecnológicos Em relação aos resultados gerados pelos PqTs brasileiros até o momento, identificou-se um número de cerca de 520 empresas em operação, gerando uma receita de aproximadamente R$ 1,68 bilhões e volumes de exportação e geração de impostos estimados na ordem de R$ 116 milhões e R$ 119 milhões, respectivamente. O gráfico 10 permite identificar a geração de postos de trabalho (26233) com uma forte concentração de profissionais de nível superior e com pós-graduação. Estes dados resultam num índice de Receita/Empregado de cerca de R$ 64 mil/empregado ou R$ 117/empregado de nível superior. No gráfico 11 é possível perceber a contração ainda marcante do número de empresas com faturamento abaixo de R$ 5 milhões. Desta forma, quando consideradas as receitas médias geradas por estas empresas, o resultado é uma curva conforme apresentada no gráfico 12. Investimentos nos Parques Tecnológicos brasileiros Finalmente, os gráficos de 13 a 15 ilustram os investimentos realizados e demandados pelos projetos de PqTs no Brasil. O gráfico 13 mostra os investimentos já realizados nos PqTs, demonstrando que cerca de metade destes investimentos foram de caráter empresarial e os investimentos públicos se distribuiram de forma relativamente equilibrada. Em relação à demanda por novos investimentos, o número estimado com relação ao setor público chega a R$ 1,86 bilhões, considerando as diversas esferas de governo e as várias formas de aplicação dos recursos. No gráfico 15 é possível observar a proporção dos valores estimados do que já foi investido e do que ainda precisa ser aplicado nos projetos de PqTs do País. É importante destacar que estes valores ainda são estimativas que precisam ser melhor detalhadas, uma vez que a própria taxonomia do tipo de investimento nos parques não obedece um mesmo padrão de projeto para projeto. 7 Portfolio dos Parques Tecnológicos no Brasil

8 Lista de Parques Tecnológicos identificados Portfolio dos Parques Tecnológicos no Brasil 8

9 9 Portfolio dos Parques Tecnológicos no Brasil

10 Portfolio dos Parques Tecnológicos no Brasil 10

11 11 Portfolio dos Parques Tecnológicos no Brasil

12 Parque Tecnológico do Nutec Sigla: Partec Endereço: Rua Professor Rômulo Proênça s/n CEP: Cidade: Fortaleza - CE DDD: 085 Telefone: Fax: Nome e cargo do responsável pelo Parque Tecnológico/Científico: Heliane Cápua Dalapicula, coordenadora NUTEC PARTEC Instituição gestora do Parque Fundação Núcleo de Tecnologia Industrial do Ceará (Nutec) Estágio do Parque: em operação desde: 01/10/1998 Área física total: m2 Potencial construtivo de edificações do Parque 800 m2 Total de área de edificações já construída no Parque 580 m2 Propósito/Missão do Parque Auxiliar potenciais empreendedores com iniciativa de desenvolver as próprias atividades, proporcionando-lhes apoio tecnológico, material, infra-estrutura e assessoria quanto à geração ou desenvolvimento de novas tecnologias e/ou produtos, gerando retorno econômico, científico, tecnológico e social ao estado e ao país. Principal diferencial que distingue o Parque É um ambiente que favorece a criação e o desenvolvimento de empresas e produtos, em especial os inovadores e intensivos em conhecimentos. Esse ambiente oferece às empresas emergentes e às equipes de pesquisa, por custos inferiores aos do mercado, elementos como área física e infra-estrutura, vizinhos comprometidos à inovação, serviços de apoio e serviços de promoção da sinergia intra e extra empreendimentos. O parque situa-se dentro do campus universitário, vinculado ao instituto de tecnologia estadual e à Secretaria de Ciência e Tecnologia do Ceará, bem como fica próximo ao centro de pesquisa da Embrapa agroindústria tropical. Localiza-se a 20 km do distrito industrial de Maracanaú. Diversidade de áreas de atuação. e estado): Potencializar o processo de criação, atração e fortalecimento de empresas inovadoras locais, regionais, proporcionando, especialmente, o desenvolvimento de setores econômicos com vocação e potencial de crescimento. Papel do Parque Tecnológico para o desenvolvimento do País: Promover a integração com universidades e centros de pesquisa, facilitado o acesso a informações e recursos de fomento do sistema nacional de ciência e tecnologia, além de fortalecer o posicionamento estratégico e mercadológico das empresas instaladas no parque junto ao mercado nacional e internacional. Universidade Federal do Ceará (UFC); Universidade Estadual do Ceará (Uece); Universidade Vale do Acaraú (UVA); Universidade do Carriri (Urca); Universidade de Fortaleza (Unifor); Instituto Centro De Ensino Tecnológico (Centec); Centro Federal de Educação Tecnológica do Ceará (Cefet-Ce); Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa-Ce). Automação Industrial, Eletroeletrônica, Energia, Instrumentação, Metal-mecânica, Química Industrial, Alimentos, Agronegócio, Biotecnologia, Cosméticos, Domissanitários, Ecologia /Meio Ambiente, Fármacos Fototerápicos, Têxtil, Tecnologia de Produtos para a construção civil, Novos Materiais, Produtos e processos cerâmicos, Rochas de revestimentos; Principais Projetos Ancora de C&T&I do Parque Laboratório de Análises para Certificação de Produtos do Caju; Laboratório de Microbiologia; Laboratório de Físico-Químico; Laboratório de Microscopialaboratórios de Mecânica, Elétrica e Energia; Química Ambiental; Saneantes, Domissanitários e Cosméticos; Têxtil; Biocombustível; Tecnologia da Informação; Progex; Tintas; Nutec Partec Biotecnologia Agronegócios Meio Ambiente Energia Petróleo e Derivados Principais Empresas ou Organizações Âncora já existentes no Parque TEC-BIO Tecnologias Bioenergéticas Ltda; Raciotec Racional Tecnologia em Produtos Orgânicos Ltda; URUBIO Urucum Ind. Com. e Exportação ME; TAE Indústria de Equipamentos Eletrônicos Ltda. - ME; Sabor Tropical; Kaiyou Comércio e Indústria de Produtos Orgânicos & Consultoria Ltda. Plantagri - Consultoria Empresarial; EBB- Empresa Brasileira de Bioenergia Indústria,e Comércio Ltda. Destaque os serviços disponibilizados pelo Parque Tecnológico às Empresas: Sala de reunião, sala de treinamento, área para demonstração dos produtos das empresas incubadas, secretaria e instalações laboratoriais, biblioteca, estacionamento; SERVIÇOS COMUNS: vigilância - internet - limpeza - Acesso a laboratórios especializados no Nutec. Consultorias e assessorias específicas, cursos. Marca NUTEC. Portifólio dos Parques Tecnológicos no Brasil 12

13 Parque Tecnológico de Bodocongó Sigla: PaqTcPB Endereço: Rua Emiliano Rosendo Silva, 115, Bodocongó CEP: Cidade: Campina Grande - PB DDD: 83 Telefone: Fax: Nome e cargo do responsável pelo Parque Tecnológico/Científico: Francilene Procópio Garcia Instituição gestora do Parque Fundação Parque Tecnológico da Paraíba Estágio do Parque: em operação desde: 01/03/1993 Área física total destinada ao Parque m 2 Potencial construtivo de edificações do Parque m2 Total de área de edificações já construída no Parque m 2 Propósito/Missão do Parque Criado em 1993, o Parque Tecnológico encontra-se localizado no Pólo Tecnológico de Bodocongó, onde encontra-se as Universidades Federal de Campina Grande e Estadual da Paraíba, entre outros institutos de P&D, está voltado para o avanço científico, tecnológico e a promoção do empreendedorismo inovador do Estado da Paraíba. / Missão: Promover o empreendedorismo inovador no Estado da Paraíba, apoiando a criação e crescimento de empresas de base tecnológica e de empreendimentos sociais, através da apropriação dos conhecimentos e tecnologias geradas nas Instituições de P&D e da inserção de produtos, serviços e processos no mercado - inclusive no exterior - contribuindo para o desenvolvimento do país. Principal diferencial que distingue o Parque Ao longo dos anos, a instituição tem sido uma espécie de pilar, para dar suporte a projetos e programas do setor de Ciência, Tecnologia e Informação no Estado. Grande parte da sua história de prestígio, reconhecimento e competência é fruto dos resultados alcançados na sua atuação e das parcerias firmadas com várias instituições. e estado): Desde a sua criação o Parque Tecnologico, apresenta-se como instrumento aglutinador de competencias para o cumprimento de sua missão e vem se consolidando como um ambiente hospedeiro de ações em prol da promoção de empreendimentos no Estado, com o apoio de todas as instituições assentadas em seu conselho - alinhamento institucional; atua também como um modelo de negócios que prima pela promoção das empresas apoiadas, fortalecendo sempre suas capacidades e nunca concorrendo com elas - alinhamento empresarial. Atua sempre em conjunto com o APL, seja no caso de setores mais densos em tecnologia (TIC s por exemplo), seja no caso de setores indutores de desenvolvimento regional (agonegócio por exemplo onde atua diretamente com empreendimentos do setor) - alinhamento empresarial. Suas tem alcançado visibilidade junto ao governo municipal e estadual, facilitando a negociação de projetos de interesse em prol da consolidação do pólo tecnológico de Bodocongó e de ações espalhadas pelo estado e região nos setores de agronegócios, exploração de recursos minerais, entre outros. Papel do Parque Tecnológico para o desenvolvimento do País: Através de diversas ações de C,T e I, o Parque tem contribuido para a consolidação de mecanismos importantes para a cadeia geração de conhecimentos, transferência de tecnologia, criação de empreendimentos inovadores - confirmando e reforçando o seu relacionamento com universidades, institutos, entidades representativas, agencias de fomento e segmentos empresariais, por exemplo: o Parque tem liderado a Rede de NIT s, importantes instrumentos de apoio ao desenvolvimento tecnológico. As ações do Parque desde a sua criação tem alcançado boa projeção e visibilidade, sendo destaque em mídia nacional e internacional, especialmente na área de TIC s e agronegócios. Essas ações, somadas a Programas como Farol Digital e outros instrumentos que facilitam o acesso a mercados (nacional e internacional) tem facilitado o crescimento e desenvolvimento das empresas, ampliando a participação do setor de tecnologia no mercado internacional e na geração de divisas para o país. Universidade Federal de Campina Grande - UFCG, Universidade Federal da Paraíba - UFPB, Universidade Estadual da Paraíba - UEPB, Escola Técnica Federal da Paraíba - Unidades de João Pessoa, Campina Grande e Cajazeiras, Escola Técnica Redentorista - ETER, Escola Agrotécnica Federal de Sousa, Fundação de Apoio a Pesquisa do Estado da Paraíba - Fapesq, IEL/PB, Centro de- Tecnologia do Couro e Calçado - CTCC, entre outros institutos de P&D. As principais áreas de competência dos parceiros do Parque Tecnológico de Bodocongó são Processamento de Energia - As atividades de pesquisa dessa área de concentração são desenvolvidas principalmente em Laboratórios da UFCG:Proteção e Simulação de Sistemas de Potência, Alta Tensão, Eletrônica Industrial e Acionamento de Máquinas, Núcleo de Energia; na área de Processamento da Informação temos P&D sendo desenvolvidos nos Laboratórios de: Instrumentação e Controle, Automação e Processamento de Sinais; Interfaces Homem-Máquina, Comunicações, Eletromagnetismo e Microondas Aplicados e de Redes de Petri; em informatica as competencias são em : Redes de Computadores e Sistemas Distribuidos, Engenharia de Software e TIC s; outras áreas de competencia são: Estrutura - Processamento e Propriedades de Materiais, Engenharia Bioquímica, Fuidodinâmica e Imagem, Eletroquímica e Eletroanalítica, Transferência em Meios Porosos e Sistemas Particulados, Processamento e Armazenamento de Produtos Agrícolas, Dessalinização, Biocombustíveis - Petroleo e Gás Natural. de Universidades, Centros de Pesquisa públicos ou provados, Incubadoras, instituto de tecnologia, etc): Incubadora Tecnológica de Campina Grande - ITCG: Em seus mais de 20 anos de existência, cerca de 70 empresas já foram beneficiadas com o programa de incubação. Além de incubar empreendimentos, a Fundação PaqTcPB atua em parceria com empresas graduadas e associadas; NIT O Núcleo de Inovação Tecnológica atua como a instância gestora da política de inovação; Central de Projetos - Programa vinculado ao grupo de ações do NIT, é responsável pela busca e identificação de oportunidades de fomento nacionais e internacionais através de editais nas áreas de ciência, tecnologia, inovação, agronegócios; LIHM - Laboratório de Testes de Usabilidade - Especializado em testes de usabilidade de produtos, e itens como demandas de mercado, prestação de serviços à indústria, capacitação pessoal e consultorias; CEPIS - Centro de Produção Industrial Sustentável orientado para ações nas áreas de eficiência energética e otimização de processo para indústrias, sendo um centro de referência em Produção Mais Limpa (P+L) para região Nordeste do Brasil; TecOut Center Centro pioneiro no Brasil voltado para a internacionalização de software, que prepara as empresas brasileiras do setor para penetrar no mercado chinês; Repari - Criada em 2003, a Rede Paraibana de Incubadoras foi proposta e estruturada por dirigentes de parques e incubadoras do Estado e por instituições parceiras. Seu objetivo é promover a tividades de inovação tecnológica; intercâmbio do conhecimento; apoio ao desenvolvimento de incubadoras, parques tecnológicos e pólos; alem desses Projetos âncora a Fundação Parque Tecnológico da Paraíba será a instituição gestora do Programa Primeira Empresa da Finep - PRIME que apoiará até 120 novas empresas inovadoras e é integrante da Rede Paraibana de CVT s, composta por 15 Centros Vocacionais. Agronegócios; Eletrônica; Tecnologia da Informação; Software; Petróleo e derivados Principais Empresas ou Organizações Âncora já existentes no Parque Temos um grupo de empresas transnacionais que demandam serviços de empresas locais e desenvolvem projetos em parceria com laboratórios de instituições de P&D como a Nokia (moblidade), HP (Grid Computing e BDIM - Business Development Impact Management), Accenture (Sistemas Software) e Gebra (Automação Industrial), alem de empresas nacionais como a Petrobras, CHESF, CPM Braxis, Eletrobras que são clientes nacionais relevantes. Destaque os serviços disponibilizados pelo Parque Tecnológico às Empresas: Infraestutura física para instalação das empresas, recentemente foi desapropriada pelo governo estadual uma área com 18 galpões de 50m x 10m, publicado em Diario Oficial o Decreto de 17 de setembro de 2008, para as empresas incubadas - 20 módulos de 30 m2; Laboratório de Interface Homem Maquina Testes de Usabilidade de Software; Biblioteca; Estacionamento próprio; Segurança; Aceso a Internet; Auditório equipado com recursos audiovisuais para capacitação; Sala Digital com estrutura para geração/recepção de conteúdo na modalidade EaD; Serviços de secretaria, limpeza. Exemplos de outros serviços genéricos tipicamente de interesse de todas as empresas: Orientação empresarial com Plano de Negócios; Divulgação do empreendimento; Apoio a participação em rodas de negócios, feiras, eventos e treinamentos; Fornecimento de Informações mercadológicas; Cooperação com universidades centros de pesquisas e escolas técnicas; Construção e contratação de consórcios e parcerias estratégicas entre empresas e instituições de P&D; Acompanhamento da trajetória das empresas durante a fase de residência. Como serviços específicos temos: Implantação de ambientes inovadores/empreendedores na universidade (por segmento de um setor, por exemplo); Organização de missões à eventos e feiras; Realização de feiras e workshops; Auxílio para propostas multi-empresas e parcerias PAQTCPB/Empresa; Auxílio na busca de orientação jurídica e contábil; Auxílio nos processos de Compras Governamentais ; Treinamento/aperfeiçoamento de empresários (por setor); Informações sobre oportunidade de negócios e investidores (por setor); Apoia elaboração de projetos para captação de recursos. 13 Portifólio dos Parques Tecnológicos no Brasil

14 Porto Digital Sigla: PD Endereço: Rua do Apolo, n 181, Bairro do Recife CEP: Cidade: Recife - PE DDD: 81 Telefone: Fax: Nome e cargo do responsável pelo Parque Tecnológico/Científico: Francisco Saboya Albuquerque Neto (Diretor Presidente) Instituição gestora do Parque Núcleo de Gestão do Porto Digital (NGPD) Estágio do Parque: em operação desde 20/04/2001 Área física total destinada ao Parque m2 Potencial construtivo de edificações do Parque m2 Total de área de edificações já construída no Parque m2 Propósito/Missão do Parque Estruturar, gerir e fazer crescer no Estado de Pernambuco um ambiente de negócios de classe mundial, baseado nas tecnologias da informação e comunicação, através da integração e cooperação entre governos, academia, iniciativa privada e organizações do terceiro setor. Principal diferencial que distingue o Parque Governança qualificada como OS; Agente de integração entre governo, academia e mercado; Profissionais qualificados; Parceiros de P&D&I reconhecidos internacionalmente; Empresas líderes de mercado; Agente de fomento à requalificação urbana integrada com o desenvolvimento urbano e Fomento à inovação. e estado): O parque funciona como elemento de implementação de política pública para o desenvolvimento da economia digital do Estado e é um produto de centros de excelência de formação de capital humano em TI. Visa povoar a região onde é situado e alavancar o PIB de TIC do Estado de 3,6% para 10%. Papel do Parque Tecnológico para o desenvolvimento do País: Grande implementador de projetos apoiados pelas leis federais contribuindo para o desenvolvimento nacional, promotor da imagem da TIC produzida no país por meio das conquistas de suas empresas e IETS parceiras e foco de atração de investimentos internacionais devido À expertise de seu capital humano. Das 28 IETS de TI do Estado, o Porto participa de uma rede de relacionamento com 13 delas, dentre as quais estão a UFPE e a UPE. Além disso, é parceiro dos seguintes centros de pesquisa: C.E.S.A.R, ITEP, Brazil Test Center Motorola, Dell, Instituto Samsung, Laboratório Cenas. Instituto Nokia e FITec. Os parceiros do parque desenvolvem trabalhos nas seguintes áreas: Engenharia e Linguagem de Computação, Teoria da Computação, Arquitetura de Computadores, Banco de Dados, Inteligência Artificial, Mídia e Interação e Redes de Computadores e Sistemas Distribuídos. Incubadoras, instituto de tecnologia, etc): Destacam-se os laboratórios CIN/UFPE, DSC/ UPE e o de testes do SoftexRecife, a incubadora e o centro de estudos do C.E.S.A.R e do ITEP, além dos centros de pesquisa e desenvolvimento Brazil Test Center Motorola, Dell, Instituto Samsung, Laboratório Cenas e Instituto Nokia. Destaque os 5 Principais Setores de Atuação das Empresas do Parque Tecnologia da Informação Software Serviços de Consultoria Design Serviços de conhecimento Principais Empresas ou Organizações Âncora já existentes no Parque Os players do parque são: Assesspro PE/PB, o centro de estudos C.E.S.A.R, a Sectma (Secretaria Estadual de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente de Pernambuco), o SoftexRecife, além das empresas Procenge, Provider, Pitang, IBM, Microsoft e dos centros de pesquisa Dell, Samsung e Motorola. Destaque os serviços disponibilizados pelo Parque Tecnológico às Empresas: Orienta e apóia elaboração de projetos para financiamento e políticas de RSE; viabiliza o acesso a fontes de capital de risco e cursos de qualificação, oferece incubadora, espaços qualificados com infra-estrutura de telecom e instrumentos de comunicação e integração, e promove ações cooperadas. Portifólio dos Parques Tecnológicos no Brasil 14

15 Parque Tecnológico de Eletro-Eletrônica de Pernambuco Sigla: Parqtel Endereço: Rua Poeta Carlos Drummond de Andrade Cep: Cidade: Recife - PE DDD: 81 Telefone: Fax: Nome e cargo do responsável pelo Parque Tecnológico/Científico: Presidente da Entidade Instituição gestora do Parque Associação das Empresas do Parque Tecnológico de Eletro-Eletrônica de Pernambuco Estágio do Parque: Em implantação Área física total destinada ao Parque m 2 Potencial construtivo de edificações do Parque m 2 Total de área de edificações já construída no Parque m 2 Propósito/Missão do Parque O PARQTEL é um empreendimento público-privado, sustentável, voltado para criar um ambiente gerador de sinergia e inovação nas empresas de base tecnológica nos campos da eletroeletrônica, criando e articulando competências, infraestrutura e estímulos da política pública, visando aumentar a competitividade do Estado de Pernambuco nesse setor da economia e do conhecimento Principal diferencial que distingue o Parque Alguns diferenciais competitivos do Parqtel -Vantagem geográfica: Mercados da União Européia,Logística para região NE; -Existência de base de empresas inovadoras-presença de grupos de pesquisa consolidados- Apoio do Governo do Estado para investimento - Complemantariedade com o Porto Digital- 05 empresas instaladas empregando atualmente 500 funcionários e estado): -Maximizar interações entre as empresas localizadas no Parque e o ambiente universitário e tecnológico; -Identificar fontes e captar recursos para as empresas fazerem pesquisas e desenvolvimento (P&D); -Aumentar a competitividade das empresas e dos produtos frente à concorrência globalizada, em termos de qualidade e de custo, pela inovação de produtos e processos; -Compartilhar experiências e instalações (ferramentaria, laboratórios, centro de treinamento...); -Oferecer às empresas uma infra-estrutura de apoio, como: restaurante, laboratórios, segurança; -Estimular a formação de pequenas cadeias produtivas; -Trabalhar marketing, imagem, comercialização (explorar a marca Parqtel) e Promover negócios e eventos (feiras, exposições); -Contribuir para o crescimento e aperfeiçoamento do setor eletroeletrônico em Pernambuco; -Gerar conhecimento, emprego e renda para a população do entorno; -Resgatar o ambiente e o desenvolvimento local. Papel do Parque Tecnológico para o desenvolvimento do País: -Contribuir para a redução do déficit da balança comecial de eletro-eletrônica do País;- Reduzir a dependência Tecnologica externa do setor de eletro-eletrônica;- Melhorar o pefil da produção da industria eletrônica Brasileira. - Universidade Federal de Pernambuco - UFPE;- Universidade de Perenambuco - UPE;- Centro de Tecnologias Estratégicas do Nordeste - CETENE;- Cesar - Centro de Ciências Avançadas do Recife. - Universidade Federal de Pernambuco - UFPE - Eletrôeletronica, mecânica, Fotônica e Eng. da computação; - Universidade de Perenambuco - UPE - Eletro-eletrônica, informática e Eng. da computação;- Centro de Tecnologias Estratégicas do Nordeste - CETENE - Micro eletronica e Nano-tecnologia;- Cesar - Centro de Ciências Avançadas do Recife - Tecnologia de informação e comunicação. Incubadoras, instituto de tecnologia, etc): O processo de implantação do Parqtel foi descontinuado entres os anos de 1999 a 2005, sendo retomado através de estudo de readequação realizado pela UFPE, encomendado pelo FINEP; Em 2008 foi assinado contrato entre a FINEP e Governo do Estado de Pernmabuco para implantação de projeto estruturante, tendo como meta a implantação do Núcleo de Gestão, laboratórios de eletronica e de design, auditorios, etc;até o momento alguns projetos forem desenvolvidos em parceria entre empresas instaladas e UFPE voltados para a área de mobilidade urbana e fotônica; Energia Eletrônica e Eletrônica Tecnologia da Informação Telecomunicações Software Tecnologia médica Principais Empresas ou Organizações Âncora já existentes no Parque - Serttel Ltda - Tecnologias para Mobilidade e Segurança;- TRON - Controles Elétricos;- Penta - Automação Industrial;- Almec - Sistemas de Iluminação Pública;- Neivas - Fabricante de Quadros Distribuidores de Comandos;- JPW - Automação Industrial. Destaque os serviços disponibilizados pelo Parque Tecnológico às Empresas: - Apoio a apresentação de projetos de subvenção para pesquisa;- Reivindicação de junto a orgãos municipais e estaduais: Lixo, segurança, ruas e jardins;- Representação dos assciados em eventos ou reuniãoes reallizadas pelo Governo do Estado. 15 Portifólio dos Parques Tecnológicos no Brasil

16 Programa Curitiba Tecnoparque Sigla: TECNOPARQUE Endereço: Parque Urbano com quatro áreas delimitadas, criado por lei municipal n.64 de 18/12/2007 (em anexo) CEP: Cidade: CURITIBA - PR DDD: 041 Telefone: Fax: Nome e cargo do responsável pelo Parque Tecnológico/Científico: ALEXANDRE MODESTO CORDEIRO Instituição gestora do Parque AGÊNCIA CURITIBA DE DESENVOLVIMENTO S/A Estágio do Parque: em operação desde 17/04/2008 Área física total destinada ao Parque núcleo empresarial: m2 (demais áreas: mapas em anexo) m 2 Potencial construtivo de edificações do Parque Incentivos construtivos através da Lei dos Pólos (lei municipal nº m 2 Total de área de edificações já construída no Parque Curitiba Office Park m2 para abril/ m2 previsão para o término; TECNOPUC - m 2 Propósito/Missão do Parque geração e atração de novas empresas de tecnologia, estímulo para as empresas de Curitiba e região investirem em pesquisa e inovação. Principal diferencial que distingue o Parque o grande número de ativos tecnológicos presentes nos limites do parque e a parceria entre estas instituições, incluindo o comitê para análise das empresas interessadas - COFOM, conselho estratégico e os projetos tecnológicos específicos de cada um ativos, como exemplo o Tecnopuc (projeto da PUC-PR - universidade parceira do programa e membro do CO- FOM). e estado): incentivar a inovação e a interação entre os ativos tecnológicos e as empresas do Parque. Papel do Parque Tecnológico para o desenvolvimento do País: Criar em Curitiba e região um Sistema Regional de inovação. Universidade Federal do Paraná - UFPR, Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR, Universidade Católica do Paraná - PUC-PR. tecnologia da informação, fármacos e cosméticos, biotecnologia, software, engenharia biomédica, nanotecnologia, biocombustíveis. Incubadoras, instituto de tecnologia, etc): Parque de Software, LAC- TEC, CITS, TECPAR - incubadora INTEC, Incubadoras Tecnológicas da UTFPR e UFPR, PUC-PR - Tecnopuc. Biotecnologia Novos Materiais Tecnologia da Informação Telecomunicações Software Principais Empresas ou Organizações Âncora já existentes no Parque FIEP, Sebrae, Positivo Informática, Atos Origin, BRQ soluções, Cinq Technologies, Premier, M2SYS, Dataprom, Hospital Herasto Gaertner. Destaque os serviços disponibilizados pelo Parque Tecnológico às Empresas: parcerias estratégicas, catálogo digital dos ativos tecnológicos, portal de inovação, mecanismos de fomento a inovação, busca de financiamentos e apoio a projetos de inovação, propriedade intelectual, promoção. Portifólio dos Parques Tecnológicos no Brasil 16

17 Parque Tecnológico Itaipu - PTI Brasil Sigla: PTI Endereço: Av. Tancredo Neves, 6731 CEP: Cidade: Foz do Iguaçu - PR DDD: 45 Telefone: Fax: Nome e cargo do responsável pelo Parque Tecnológico/Científico: Juan Carlos Sotuyo Instituição gestora do Parque Fundação Parque Tecnológico Itaipu - PTI Brasil Estágio do Parque: em operação desde 09/12/2003 Área física total destinada ao Parque m2 Potencial construtivo de edificações do Parque m², não sendo necessária Licença Ambiental para reformas. m2 Total de área de edificações já construída no Parque m2 Propósito/Missão do Parque Compreender e transformar a realidade da região trinacional do Iguassu, articulando e fomentando ações voltadas ao desenvolvimento econômico, científico e tecnológico, com respeito ao ser humano e foco em soluções voltadas à água, energia e turismo. VISÃO O PTI é modelo de parque cientifico e tecnológico que alia a inovação e a sinergia de seus atores na geração de conhecimento, tecnologia e desenvolvimento. Valores: atuar de acordo com a Ética e a Moral, seguindo os preceitos: Respeito ao ser humano, Respeito ao meio ambiente, Imparcialidade, Transparência, Qualidade, Cooperação, Comprometimento, Solidariedade. Principal diferencial que distingue o Parque O Parque Tecnológico Itaipu se distingue dos Parque tradicionais, por desenvolver também ações sociais que impactam diretamente as comunidades da sua área de influência, tanto do Brasil, quanto da região de fronteira do lado argentino e do lado paraguaio. Tem como principais ações: * Promover o empreendedorismo. Promover inovação, pesquisa e desenvolvimento científico e tecnológico. Criar condições para a formação e capacitação de recursos humanos. Atender às demandas de tecnologia e de serviços especializados da mantenedora Itaipu Binacional. Atuar prioritariamente nos temas água, energia, turismo e inclusão social. Fomentar e articular ações multidisciplinares através de parceiros. Promover o compartilhamento dos recursos de infra-estrutura. Desenvolver ações que conjuntamente sejam sustentáveis. Criar condições para que todos possam competir. Promover o software livre. Praticar gestão efetiva e inovadora. e estado): O Parque Tecnológico Itaipu vem se consolidando como referência para o Setor Elétrico Brasileiro, para diversos órgãos governamentais, universidades e entidades da iniciativa privada. O mais importante, no entanto, é o seu reconhecimento como entidade de suporte para desenvolvimento da região e para efetiva integração da Argentina, Brasil e Paraguai. O PTI vem cumprindo o importante papel ao qual se propôs, como um modelo exemplar de habitat de inovação sustentável, indutor do desenvolvimento da região trinacional e integrador de ações em prol do desenvolvimento sustentável. A Itaipu é, sem dúvida, a grande promotora e âncora deste empreendimento, que modificando a sua missão, possibilita ações concretas de desenvolvimento regional.em função do tempo transcorrido entre o início das atividades e os resultados alcançados, pode-se dizer que o Parque Tecnológico Itaipu está em franca consolidação. O grande desafio é demonstrar os resultados, não do ponto de vista de retorno financeiro e sim do ponto de vista da sustentabilidade. Para isso, é preciso definir, medir e acompanhar os indicadores de desenvolvimento sustentável (base: IBGE, 2004), sobre as dimensões ambiental, social, econômica e institucional. Assim como a medição e acompanhamento dos indicadores de inovação. Papel do Parque Tecnológico para o desenvolvimento do País: A existência do Parque Tecnológico Itaipu foi fator determinante para que o Governo Federal instale, em Foz do Iguaçu, a Universidade Federal da Integração Latino-Americana Unila. Essa universidade ocupará uma área da Itaipu, próxima ao Parque. Deve começar seu funcionamento no segundo semestre de 2009, inicialmente num espaço do Parque PTI, até que a sua sede própria esteja disponível. Em cinco anos, a Unila deverá contar com 10 mil estudantes e 500 professores, metade brasileiros e metade dos demais países latino-americanos, agregando uma importante massa crítica às ações do Parque Tecnológico Itaipu e consolidando a liderança brasileira no âmbito do Mercosul e na América Latina. Prefeitura Municipal de Foz do Iguaçu: cooperação em projetos de educação e inclusão social; apoio à implementação de distritos industriais e atração de indústrias; Agência de Desenvolvimento do Extremo Oeste do Paraná ADEOP: cooperação em projetos de desenvolvimento regional; Instituto de Tecnologia Aplicada e Inovação ITAI: cooperação em projetos conjuntos de desenvolvimento tecnológico, empreendedorismo e programas de geração de trabalho, emprego e renda; Instituto Pólo Internacional Iguassu (ONG trinacional): cooperação em projetos conjuntos de integração trinacional; programas de formação profissionalizante para jovens; Universidade Estadual do Oeste do Paraná UNIOESTE: cooperação para desenvolvimento de cursos de graduação, instalação de laboratórios didáticos; assessoria em cooperação internacional e programa de gerenciamento de resíduos; Secretaria de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior do Paraná SETI: cooperação para programas de integração e apoio financeiro para projetos de desenvolvimento; Conselho de Desenvolvimento e Integração Sul CO- DESUL: cooperação em programas de integração universitária com Argentina e Paraguai; treinamento para gestão de projetos; Escritório de Representação do Ministério das Relações Exteriores no Paraná EREPAR: cooperação para negociação de projetos de cooperação internacional; Faculdade de Artes do Paraná FAP: cooperação em projetos para formação de jovens; Escola de Música e Belas Artes do Paraná: cooperação em projetos para formação de jovens; Associação Comercial e Industrial de Foz do Iguaçu ACIFI: cooperação para apoio aos setores produtivos; Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE: cooperação para desenvolvimento de programas de treinamento e apoio ao empreendedorismo; Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial SENAI: cooperação em programas de treinamento e formação profissionalizante; Agência Paranaense de Propriedade Industrial APPI: cooperação em programas de apoio nas áreas de patentes e marcas; Núcleo de Inovação Tecnológica do Paraná NITPAR: cooperação para implementação de programas de transferência de tecnologia e de políticas de patentes; Receita Federal do Brasil Delegacia de Foz do Iguaçu: cooperação para desenvolvimento de softs especialistas e destinação de doações de bens apreendidos. projetos de educação e inclusão social; apoio à implementação de distritos industriais e atração de indústrias; projetos de desenvolvimento regional; projetos conjuntos de desenvolvimento tecnológico, empreendedorismo e programas de geração de trabalho, emprego e renda; projetos conjuntos de integração trinacional; programas de formação profissionalizante para jovens; desenvolvimento de cursos de graduação, instalação de laboratórios didáticos; assessoria em cooperação internacional e programa de gerenciamento de resíduos; programas de integração e apoio financeiro para projetos de desenvolvimento; programas de integração universitária com Argentina e Paraguai; treinamento para gestão de projetos; cooperação para negociação de projetos de cooperação internacional; projetos para formação de jovens; apoio aos setores produtivos; desenvolvimento de programas de treinamento e apoio ao empreendedorismo; programas de treinamento e formação profissionalizante; programas de apoio nas áreas de patentes e marcas; implementação de programas de transferência de tecnologia e de políticas de patentes; desenvolvimento de softs especialistas e destinação de doações de bens apreendidos. de Universidades, Centros de Pesquisa públicos ou provados, Incubadoras, instituto de tecnologia, etc): Universidade Estadual do Oeste do Paraná - Cursos de Engenharias e Ciências Exatas, Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR - Cursos de gradução e pós, por EAD, Universidade Federal do Paraná - Cursos de graduação e pós, por EAD, Universidade Federal de Santa Catarina - Cursos de graduação e pós, por EAD, Escola Técnica da Univ. Federal do Paraná - Cursos de segundo grau profissionalizantes, Incubadora Empresarial Santos Dumont* Espaço de Desenvolvimento Empresarial - EDE, Laboratório de Circuitos (1998), Laboratório de Máquinas (1999), Laboratório de educação Matemática - LEM (2000), Laboratório de Física (2000), Laboratório de Bioinformática LABI (2002), Laboratório de Materiais - LAMAT (Química ), Laboratório de Simulações de Sistemas de Potências SIMULAB (2002), Laboratório de Metalografia (2005),Laboratório de Metrologia (2006), Desenvolvimento de Tecnologia Aplicada à Educação DETAE (2006), Laboratório de Automação e Controle, Laboratório de Alta Tensão (2006), Laboratório de Instalações Elétricas (2006), Laboratório do Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica PRO- CEL (2006), Laboratório de Computação Gráfica, Laboratório de Usinagem (2007), Laboratório de Comunicação de Dados (2007), Laboratório de Matemática Richard Hamming (2007). Meio ambiente, Serviços de Turismo, Energia, Tecnologia da Informação, Software Principais Empresas ou Organizações Âncora já existentes no Parque Não há empresas âncoras no espaço físico do Parque Tecnológico Itaipu, com exceção da entidade instituidora do Parque, a própria Itaipu Binacional, que demanda diversos serviços das empresas incubadas no Parque. Destaque os serviços disponibilizados pelo Parque Tecnológico às Empresas: Recepção, Limpeza, Segurança, Apoio de Marketing e Divulgação, Apoio Jurídico, Consultoria Técnica Especializada, Capacitação Empresarial, Ponto Atendimento Sebrae, Apoio na Captação de Recursos. 17 Portifólio dos Parques Tecnológicos no Brasil

18 Parque Tecnológico de Pato Branco - PTPB Sigla: PTPB Endereço: Via do Conhecimento, KM 1 CEP: Cidade: Pato Branco - PR DDD: 46 Telefone: Fax: Nome e cargo do responsável pelo Parque Tecnológico/Científico: André Hamera - Diretor Executivo Instituição gestora do Parque Pato Branco Tecnópole Estágio do Parque : em operação desde 01/03/1998 Área física total destinada ao Parque m2 Potencial construtivo de edificações do Parque m2 Total de área de edificações já construída no Parque m2 Propósito/Missão do Parque Transformar Pato Branco em um grande centro de inovação, gerando bens e serviços tecnológicos, num projeto integrado de desenvolvimento, em que os parceiros com ações executadas em áreas de conhecimento, empresariamento e qualidade de vida, transformarão Pato Branco bem como todo o Sudoeste do Paraná. Num processo de desenvolvimento tecnológico consolidando a região, trazendo irradiações para outras áreas como economia, educação e saúde, inserindo a região em um contexto generalizado de inovação. Principal diferencial que distingue o Parque Transformar Pato Branco em um grande centro de inovação, gerando bens e serviços tecnológicos.1.o Projeto Parque Tecnológico de Pato Branco tem nas academias locais, um dos principais agentes no processo de transformação sócio-econômico, por se tratar do verdadeiro embrião disseminador da pesquisa e do conhecimento, e, na geração de mão de obra especializada.2.com a constituição do Pólo Tecnológico, em parceria com Governo Federal Estadual e Municipal, Pato Branco entra definitivamente no rol das cidades com potencial de atração de novos empreendimentos de base tecnológica. 3.A existência de Lei de incentivo tecnológico (Lei estadual), juntamente com as Leis de incentivos a Industrialização Municipal, perfazem grande diferencial na instalação de empresa de TIC,e, conseqüente geração de empregos. 4.Uma parceria entre o Governo do Estado do Paraná, FINEP, COPEL, LACTEC e o Município de Pato Branco viabilizou uma unidade avançada (LACTEC) e a implantação do primeiro condomínio industrial do Brasil dentro da sua modalidade.5.inúmeros laboratórios para o atendimento as empresa de base tecnológico disponibilizados pelo Condomínio Empresarial e UTFPR. e estado): Através do Sistema Regional de Inovação (SRI) do Sudoeste do Paraná, iniciativa do Sebrae/PR, Agência de Desenvolvimento Regional, Fiep e Municípios Parceiros, com o apoio da Rede Paranaense de Incubadoras e Parques Tecnológicos (Reparte), tem como foco a potencialização dos ativos econômicos da região, focados na criação de ambiente de inovação e uma rede de relacionamento entre instituições, entidades e empresas prestadoras de serviços, no sentido de interligação do Parque Tecnológico de Pato Branco com as demais micro região objetivando o acesso ao conhecimento que envolve inicialmente os ativos econômicos de quatro municípios da região. Pato Branco tem um parque tecnológico sendo estruturado em software, biotecnologia e eletroeletrônicos. Em Francisco Beltrão, o forte é a indústria de alimentos. Em Dois Vizinhos, o vestuário e software. Em Chopinzinho, a riqueza natural e a extração de pedras ametistas. Papel do Parque Tecnológico para o desenvolvimento do País: A proposta do Parque Tecnológico de Pato Branco em relação ao desenvolvimento do pais, esta baseado na articulação universidade/empresa/ poder público, através de focos distintos: 1 -No apoiamento do surgimento e desenvolvimento de pequenas empresas inovadoras em tecnologias de ponta, tais como biotecnologia, tecnologias da informação e comunicação. 2- Tornar-se referência em laboratórios de P&D de empresas inovadoras em atendimento ao processo de desenvolvimento local e regional, transformando toda a região do Sudoeste do Estado do Paraná em destaque na produção de TI. 3- Estrategicamente é criar mecanismos de desenvolvimento tecnológico que venham contribuir para a inserção do Paraná no mapa de desenvolvimento tecnológico de em atendimento a padrões internacional, consolidando a região com geração de emprego e renda a partir da articulação entre, ensino, pesquisa e a economia, valorizando a integração da tecnologia com o trabalho e o desenvolvimento urbano, focado na qualidade de vida da população local e regional, através de um processo de inovação permanente. UTFPR - Universidade Tecnológica Federal do Paraná; Faculdade Mater Dei; FADEP - Faculdade de Pato Branco; IAPAR; Agência de Desenvolvimento Regional; LACTEC. Tecnologia da Informação e Comunicação; Biotecnologia; Agronegócios; Alimentos; Eletroeletrônica; Energia Renovável; Gestão Tecnológica e Empresarial; Arquitetura; Design; Engenharia de Produção Civil e Eletromecânica; Textil; Metalmecânica; Ambiental. Incubadoras, instituto de tecnologia, etc): PROEM - Programa de Empreendedorismo e Inovação (Hotel Tecnológico, Incubadora IUT e Aceleradora de Negócios); POLITEC; Laboratório de Compatibilidade Eletromagnética; CENBAPAR - Centro de Biotecnologia do Sudoeste do Paraná; Laboratório de Energias Renováveis; Laboratório de Solos e Água; Núcleos de Prática Jurídica; Empresas Júniores; Sistema Regional de Inovação; Laboratórios de Informática; Prototipadoras; Injetoras de Plástico; Mestrados em Agronomia e Engenharia Elétrica; Escritórios modelo; Centro de Excelência em Leite. Agronegócios Energia Eletrônica Tecnologia da Informação Software Principais Empresas ou Organizações Âncora já existentes no Parque Inobram Automações Ltda; InoBram Automações Ltda / Softfocus Sistemas;SOFTFOCUS Projetos Para Crescer /CPM Braxis; CPM Braxis AS /Realm Chatral; Realm Chatral AS/ Visum Sistemas Eletrônicos Ltda / HIB; Hosonic Industrial do Brasil Ltda / Viasoft Informática Ltda /SAG Informática Ltda / Xpert Tecnologia em Automação/CTS Centro de Tecnologia em Software Ltda/ Sponte Desenvolvedora de Soft. Ltda / WD Tron Ltda. Destaque os serviços disponibilizados pelo Parque Tecnológico às Empresas: Laboratórios; Consultoria Empresarial e Técnica; Análises Químicas e Físicas; Certificações; Assessoria Jurídica e Contábil. Portifólio dos Parques Tecnológicos no Brasil 18

19 Movimento Petrópolis Tecnópolis PET-TEC Sigla: PET-TEC Endereço: Av. D. Pedro I nº 275 Centro CEP: Cidade: Petrópolis - RJ DDD: 24 Telefone: Nome e cargo do responsável pelo Parque Tecnológico/Científico: Ana Hofmann - Gerente Executiva Instituição gestora do Parque O Petrópolis Tecnópolis é gerido por um conselho gestor que é composto pelas seguintes instituições:ctxml - Centro de Inovação da Microsoft e C2ES - Centro de Competência em Engenharia de Software; FIRJAN - Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro; FUNPAT - Fundação Parque de alta Tecnologia de Petrópolis; G.E.T. - Grupo de Empresas de Tecnologia de Petrópolis; LNCC - Laboratório Nacional de Computação Científica; Prefeitura Municipal de Petropolis; SEBRAE/RJ - Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado do Rio de Janeiro; Universidade Católica de Petrópolis; APL de Biotecnologia e APL de Telecom. Estágio do Parque: em operação desde 22/10/1999 Propósito/Missão do Parque O Petrópolis Tecnópolis é um movimento que visa o desenvolvimento social e econômico da região serrana do estado do Rio de Janeiro através do crescimento e da atração de empresas e instituições de base tecnológica para a formação de uma tecnópolis. Tem por meta contribuir para a geração de riqueza e o desenvolvimento regional sustentável, através da atração, fixação e apoio ao crescimento de instituições e empresas de base tecnológica. Principal diferencial que distingue o Parque O Petrópolis Tecnópolis é diferente da maioria dos parques tecnológicos não limita suas atividades as empresas localizadas em um espaço físico determinado e sim se baseia no conceito de Tecnópole, que foca em uma unidade territorial, neste caso a região serrana, com abundante capital humano e social contendo estruturas, organizações e pessoas ativamente engajadas em gerar o desenvolvimento social e econômico desta região através da ciência, tecnologia e inovação e cuja interação proporciona a alta concentração de empresas baseadas em tecnologia e no conhecimento profissional e empreendedores altamente qualificados. e estado): O Petrópolis Tecnópolis tem o papel de importante fomentador de emprego e renda na a cidade de Petrópolis através do apoio para o crescimento principalmente das micro e pequenas empresas de base tecnológica já instaladas na cidade, nos últimos anos vem se destacando na atração de empresas de maior porte tendo como conseqüência um aumento significativo na participação do setor de tecnologia no PIB da cidade e na geração de empregos diretos e indiretos. Através do seu apoio a funding para as empresas locais foram conquistados mais de R$ 16 milhões nos últimos 03 anos, em recursos não reembolsáveis como investimento direto nas empresas. O Pet-Tec atua também na formação de mão-de-obra local através da articulação com instituições de ensino e pesquisa promovendo cursos, treinamentos e certificações de acordo com a demanda das empresas. Papel do Parque Tecnológico para o desenvolvimento do País: O Pet-Tec exerce importante papel para o desenvolvimento do país ao apoiar o surgimento de novas empresas criando um ambiente propício para desenvolvimento de inovações tecnológicas que tem atingido o setor tradicional da indústria Brasileira oferecendo soluções inovadoras quando considerado o panorama internacional de concorrência. O Movimento tem também promovido a qualificação da mãode-obra nas mais novas tecnologias e trazido ao país profissionais de altíssimo nível que nos visitam pela primeira vez e deixam aqui seu conhecimento. Principais Universidades e/ou Centros de Pesquisa parceiros do Parque Laboratório Nacional de Computação Científica - LNCC, Instituto Superior de Tecnologia - IST, Universidade Católica de Petrópolis - UCP, FAETEC-CPTI, Faculdade Arthur Sá Earp Neto - FASE, Universidade Estácio de Sá, Universidade Federal do Rio de Janeiro UFRJ. Desenvolvimento de software, redes de telecomunicações, processamento de alto desempenho e cloud computing. Incubadoras, instituto de tecnologia, etc): O Movimento conta com o apoio do Laboratório Nacional de Computação Científica que possui uma incubadora, um NIT e também projetos de pesquisa compartilhados com as empresas locais. Neste ano lançamos a primeira fábrica Universitária de software em parceria com a Universidade Estácio de Sá ( esta fábrica abrirá 100 postos de trabalho de desenvolvimento de Software no ano de 2009), Uma rede metropolitana de alta velocidade está sendo construída em parceria com a RNP e atenderá as empresas do setor e ainda contamos com o centro de pesquisa privado criado pelo consorcio de empresas VIR- TUS que trabalha com pesquisa sob demanda e atende a todo o mercado Brasileiro. Biotecnologia Tecnologia da Informação Telecomunicações Software Mídia e audiovisual Destaque os serviços disponibilizados pelo Parque Tecnológico às Empresas: Apoio comercial, apoio na qualificação e contratação de mão-de-obra, elaboração de projetos para busca de funding, articulação entre empresas para desenvolvimento de projetos colaborativos, identificação de local físico para instalação de novas empresas e articulação com a prefeitura para o uso de incentivos fiscais e benefícios econômicos. Além da realização de projetos de melhoria da infra-estrutura de telecomunicações em benefício das empresas. 19 Portifólio dos Parques Tecnológicos no Brasil

20 Pólo de Biotecnologia Bio-Rio Pólo Bio-Rio Sigla: BIO-RIO Endereço: Av. Carlos Chagas Filho, 791 CEP: Cidade: Rio de Janeiro - RJ DDD: 21 Telefone: Fax: Nome e cargo do responsável pelo Parque Tecnológico/Científico: Márcio Fortes - Presidente Instituição gestora do Parque Fundação Bio-Rio Estágio do Parque:em operação desde 06/12/1995 Área física total destinada ao Parque m2 Potencial construtivo de edificações do Parque m2 Total de área de edificações já construída no Parque m2 Propósito/Missão do Parque Promover o empreendimentos e empreendedorismo nos campos da Biotecnologia e Biodiversidade em geral, integrando as comunidades cientifica, tecnológica, empresarial e demais parceiros e órgãos de fomento, promovendo o desenvolvimento técnico, econômico e social do Rio de Janeiro, produzindo resultados inovadores para a sociedade brasileira. (limitado a 300 caracteres com espaços) Principal diferencial que distingue o Parque Primeiro Parque Tecnológico da América Latina no segmento de Biotecnologia. e estado): O Brasil vem desenvolvendo ações isoladas e de desta- que para o segmento da biotecnologia desde a década de 50. Especificamente o Rio de Janeiro, tem uma excelente base de pesquisa e algumas empresas se propõem a explorar comercialmente o mais avançado conhecimento disponível na área de biotecnologia. O Pólo Bio-Rio tem contribuído para este avanço através de suas empresas residentes que como sistemas locais de inovação tecnológica, permitem a transferência de tecnologia entre as universidades parceiras e o setor produtivo. Muitas delas têm sido premiadas, obtendo destaque no cenário estadual e nacional. Papel do Parque Tecnológico para o desenvolvimento do País: Detentor de cerca de 20% de toda a biodiversidade do planeta, o Brasil se prepara para ser o líder mundial na indústria de biotecnologia, em um período entre 10 e 15 anos. Atualmente a biotecnologia integra a base produtiva de diversos setores da economia brasileira, com um mercado para produtos biotecnológicos que atinge 3% do PIB nacional e também uma parte das exportações brasileiras já contam com a interação dos processos e produtos biotecnológicos. O Pólo Bio-Rio foi o primeiro Parque Tecnológico do segmento de Biotecnologia da América Latina e é uma das referências nacionais do segmento. UFRJ/ UERJ/ PUC-RJ/ FIOCRUZ/ USP/ UNICAMP/ UENF/ UFRRJ. Biotecnologia/ Meio Ambiente/ Fármacos/ Biodiversidade. Incubadoras, instituto de tecnologia, etc): Incubadora Bio- Rio ( fonte de graduação de empresas para o Parque), parcerias de projetos com CENPES/ Petrobrás e FIOCRUZ. Biotecnologia Agronegócios Meio ambiente Petróleo e derivados Químico-farmacêutica Principais Empresas ou Organizações Âncora já existentes no Parque Cryopraxis/ Usina Verde/ ANVISA/ Bioderm. Destaque os serviços disponibilizados pelo Parque Tecnológico às Empresas: Serviço de comunicação via telefone e fax, Restaurante, Agência bancária, Serviços de recepção, Segurança, Limpeza, Coleta de lixo. Além da infra-estrutura básica e serviços oferecidos pela Fundação BIO- RIO as empresas residentes contam com: energia elétrica, esgoto, rede de dados/internet, equipamentos de laboratório de uso compartilhado e Isenção de IPTU. Oferece serviços de Administração de Projetos, Importações para pesquisa, Desenvolvimento de Negócios, Serviço de Inteligência Competitiva, Consultoria e Treinamentos. Portifólio dos Parques Tecnológicos no Brasil 20

PARQUE TECNOLÓGICO DE RIBEIRÃO PRETO

PARQUE TECNOLÓGICO DE RIBEIRÃO PRETO PARQUE TECNOLÓGICO DE RIBEIRÃO PRETO SUMÁRIO EXECUTIVO O Parque Tecnológico de Ribeirão Preto é um empreendimento imobiliário e tecnológico com características especificamente projetadas, incluindo serviços

Leia mais

X Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização de Tecnologia. Redes de Propriedade Intelectual no Brasil

X Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização de Tecnologia. Redes de Propriedade Intelectual no Brasil Rede Temática de Propriedade Intelectual, Cooperação,Negociação e Comercialização de Tecnologia X Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização de Tecnologia Redes de Propriedade Intelectual no

Leia mais

Plano Plurianual 2012-2015

Plano Plurianual 2012-2015 12. Paraná Inovador PROGRAMA: 12 Órgão Responsável: Contextualização: Paraná Inovador Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI As ações em Ciência, Tecnologia e Inovação visam

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

PAINEL2: IMPORTÂNCIA DOSPARQUES TECNOLÓGICOS EINCUBADORAS PARA

PAINEL2: IMPORTÂNCIA DOSPARQUES TECNOLÓGICOS EINCUBADORAS PARA PAINEL2: IMPORTÂNCIA DOSPARQUES TECNOLÓGICOS EINCUBADORAS PARA ODESENVOLVIMENTOREGIONAL FÓRUMNACIONALCONSECTI PALMAS 31.03.2011 O modelo para promoção do empreendedorismo (inovador) em apoio ao desenvolvimento

Leia mais

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia ANEXO XIII XXXIII REUNIÓN ESPECIALIZADA DE CIENCIA Y TECNOLOGÍA DEL MERCOSUR Asunción, Paraguay 1, 2 y 3 de junio de 2005 Gran Hotel del Paraguay Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia Anexo XIII Projeto:

Leia mais

Investe São Paulo. Campinas, 17 de março de 2015

Investe São Paulo. Campinas, 17 de março de 2015 Investe São Paulo Campinas, 17 de março de 2015 Missão Ser a porta de entrada para novos investimentos e a expansão dos negócios existentes, gerando inovação tecnológica, emprego e renda. Promover a competitividade

Leia mais

REGIME: Sociedade por ações de capital fechado, economia mista e com personalidade jurídica de direito privado

REGIME: Sociedade por ações de capital fechado, economia mista e com personalidade jurídica de direito privado Autorização Legislativa - Lei nº 12.439 de 18 de outubro de 2007 Assembleia de Fundação em 14/12/2007 REGIME: Sociedade por ações de capital fechado, economia mista e com personalidade jurídica de direito

Leia mais

PARQUES TECNOLÓGICS NO BRASIL: ESTUDO, ANÁLISE E PROPOSIÇÕES. Associação Nacional das Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores

PARQUES TECNOLÓGICS NO BRASIL: ESTUDO, ANÁLISE E PROPOSIÇÕES. Associação Nacional das Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores PARQUES TECNOLÓGICS NO BRASIL: ESTUDO, ANÁLISE E PROPOSIÇÕES Associação Nacional das Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores ANPROTEC o Fundação: 30/10/1987 o Tem o papel de criar mecanismos

Leia mais

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia Sessão Plenária 5: Programas Nacionais de Estímulo e Apoio às Incubadoras de Empresas e Parques Tecnológicos Ana Lúcia Vitale Torkomian Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ LUÍS MÁRIO LUCHETTA DIRETOR PRESIDENTE GESTÃO 2005/2008 HISTÓRICO

Leia mais

Profa. Dra. Cristina Castro Lucas de Souza Depieri

Profa. Dra. Cristina Castro Lucas de Souza Depieri Inovação e Tecnológia na Gestão Pública Profa. Dra. Cristina Castro Lucas de Souza Depieri Doutorado em Administração (UnB) Mestrado em Contabilidade e Controladoria (UFMG) Graduação em Ciências Contábeis

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial

Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial Ronaldo Mota Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação Comissão Especial Pré-Sal / Fundo Social Câmara dos Deputados 6 de

Leia mais

Apresentação. Portfolio dos Parques Tecnológicos no Brasil

Apresentação. Portfolio dos Parques Tecnológicos no Brasil Apresentação Este portfolio dos Parques Tecnológicos brasileiros foi desenvolvido no contexto do trabalho realizado pela Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (ANPROTEC),

Leia mais

SELEÇÃO PÚBLICA INCUBADORA TECNOLÓGICA DE CAMPINA GRANDE ITCG/FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓOGICO DA PARAÍBA 01/2013

SELEÇÃO PÚBLICA INCUBADORA TECNOLÓGICA DE CAMPINA GRANDE ITCG/FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓOGICO DA PARAÍBA 01/2013 SELEÇÃO PÚBLICA INCUBADORA TECNOLÓGICA DE CAMPINA GRANDE ITCG/FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓOGICO DA PARAÍBA 01/2013 PROGRAMA DE INCUBAÇÃO DE EMPRESAS INOVADORAS A Diretora Geral da Fundação Parque Tecnológico

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE APOIO ÀS INCUBADORAS DE EMPRESAS E PARQUES TECNOLÓGICOS P N I. Ministério da Ciência e Tecnologia

PROGRAMA NACIONAL DE APOIO ÀS INCUBADORAS DE EMPRESAS E PARQUES TECNOLÓGICOS P N I. Ministério da Ciência e Tecnologia PROGRAMA NACIONAL DE APOIO ÀS INCUBADORAS DE EMPRESAS E PARQUES TECNOLÓGICOS P N I 10/11/2008 Ministério da Ciência e Tecnologia Configuração da Política de Estado Gestão Compartilhada MCT/MDIC/MEC/MS/MAPA/MF/M

Leia mais

Fluxo de Criação e Consolidação de Empreendimentos Inovadores

Fluxo de Criação e Consolidação de Empreendimentos Inovadores Fluxo de Criação e Consolidação de Empreendimentos Inovadores Oportunidade Criação da Empresa Ensino Spinoffs Pesquisa Laboratórios Startups Pré-Incubações Hotel de Projetos Incubação da Empresa Aceleradora

Leia mais

VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013

VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013 Comentários de Peter Hansen sobre interação Universidade- Empresa no Brasil e Experiências Práticas. VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013 Apresentação Prof. Peter

Leia mais

- ATENÇÃO PESQUISADORES -

- ATENÇÃO PESQUISADORES - - ATENÇÃO PESQUISADORES - Informamos abaixo os últimos editais para fomento à pesquisa divulgados pela FAPESB e CNPQ, para conhecimento e possível envio de propostas de projetos: Órgão Responsável: FAPESP

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX

POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX Março de 2009 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...4 1.1 Objetivos...4 1.2 Público alvo deste documento...4 2 GLOSSÁRIO...5 3 POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX...7 3.1 Em relação aos ambientes

Leia mais

APLs como Estratégia de Desenvolvimento: Inovação e conhecimento. CNI e o Projeto de APLs Petróleo e Gás

APLs como Estratégia de Desenvolvimento: Inovação e conhecimento. CNI e o Projeto de APLs Petróleo e Gás APLs como Estratégia de Desenvolvimento: Inovação e conhecimento CNI e o Projeto de APLs Petróleo e Gás Dezembro 2013 Tópicos Cenário P&G Rede de Núcleos de P&G - CNI e Federações Desenvolvimento de APLs

Leia mais

Núcleo de Gestão do Porto Digital. Plano Bi-anual 2001-2002

Núcleo de Gestão do Porto Digital. Plano Bi-anual 2001-2002 Núcleo de Gestão do Porto Digital Plano Bi-anual 2001-2002 Identidade Missão A estruturação e gestão sustentável de um ambiente de negócios capaz de criar e consolidar empreendimentos de classe mundial

Leia mais

Aurélio Molina. Diretor de Inovação e Competitividade Empresarial

Aurélio Molina. Diretor de Inovação e Competitividade Empresarial Aurélio Molina Diretor de Inovação e Competitividade Empresarial Outubro de 2009 Século XIX quando a terra era grande... Século XXI... Hoje a terra é pequena... Criar um ambiente de desenvolvimento de

Leia mais

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ 2009 Índice Introdução...3 O que é Base Tecnológica?...3 O que é o Programa de Incubação?...3 Para quem é o Programa de Incubação?...4 Para que serve o

Leia mais

OBJETIVO CARACTERIZAÇÃO

OBJETIVO CARACTERIZAÇÃO OBJETIVO Incrementar a economia digital do Estado de Alagoas e seus benefícios para a economia local, através de ações para qualificação, aumento de competitividade e integração das empresas e organizações

Leia mais

AGENDA. Impacto na Região Linhas Estratégicas

AGENDA. Impacto na Região Linhas Estratégicas AGENDA Como Surgiu Situação Atual Variáveis Importantes Governança Conquistas Impacto na Região Linhas Estratégicas Rodrigo Fernandes Coordenador Executivo da COMTEC Como Surgiu A T.I. surgiu para prover

Leia mais

MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA MACRO-METAS DO PROGRAMA LINHA DO TEMPO

MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA MACRO-METAS DO PROGRAMA LINHA DO TEMPO MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA 1- FORTALECER O SETOR DE SOFTWARE E SERVIÇOS DE TI, NA CONCEPÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS AVANÇADAS; 2- CRIAR EMPREGOS QUALIFICADOS NO PAÍS; 3- CRIAR E FORTALECER EMPRESAS

Leia mais

SENAI. Historia Criado em 1942, para apoiar o lançamento da indústria brasileira. Necessidade de mão-de-obra qualificada.

SENAI. Historia Criado em 1942, para apoiar o lançamento da indústria brasileira. Necessidade de mão-de-obra qualificada. SENAI Missão Promover a educação profissional e tecnológica, a inovação e a transferência de tecnologias industriais, contribuindo para elevar a competitividade da indústria brasileira. Historia Criado

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIAS INTELIGENTES E FEIRA TECNOLÓGICA EDIÇÃO 2015

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIAS INTELIGENTES E FEIRA TECNOLÓGICA EDIÇÃO 2015 CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIAS INTELIGENTES E FEIRA TECNOLÓGICA EDIÇÃO 2015 SUMÁRIO EXECUTIVO Data do Evento: 19 a 21 de outubro de 2015 Local: Hotel Bourbon Cataratas Convention & Spa / Foz do

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 1.049, DE 19 DE JUNHO DE 2008 (Lei Paulista de Inovação)

LEI COMPLEMENTAR Nº 1.049, DE 19 DE JUNHO DE 2008 (Lei Paulista de Inovação) LEI COMPLEMENTAR Nº 1.049, DE 19 DE JUNHO DE 2008 (Lei Paulista de Inovação) Dante Martinelli Coordenador de Ciência, Tecnologia e Inovação da Secretaria de Desenvolvimento do Estado de São Paulo A Lei

Leia mais

3.260.292 habitantes Taxa crescimento População: 2% (8 anos) IDH: 0,824 26 municípios

3.260.292 habitantes Taxa crescimento População: 2% (8 anos) IDH: 0,824 26 municípios Números Curitiba 1.828.092 habitantes TaxaCrescimentoPopulação: 1,8% (8 anos) TaxaCrescimentoAnualPIB: 3,8% (5 anos) PIB 2008 (estimado): R$ 39,2 bi (US$ 20 bi) 5º PIB do Brasil PIB per Capita: R$ 21.447

Leia mais

Os Desafios do Estado na implementação dos Parques Tecnológicos

Os Desafios do Estado na implementação dos Parques Tecnológicos Os Desafios do Estado na implementação dos Parques Tecnológicos Marcos Cintra Subsecretário de Ciência e Tecnologia Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia Outubro/2013 Brasil 7ª

Leia mais

Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática

Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática Seminário: Caminhos para a Inovação Debate: A Atividade de CT&I e a Estratégia Nacional de Ciência Tecnologia e Inovação (ENCTI) Infraestrutura

Leia mais

A Softex e as Estratégias para a Indústria de Software Brasileira no Mercado Globalizado

A Softex e as Estratégias para a Indústria de Software Brasileira no Mercado Globalizado A Softex e as Estratégias para a Indústria de Software Brasileira no Mercado Globalizado Alexandre J. Beltrão Moura Vice-presidente alex@nac.softex.br Coimbra, 07 de Abril de 2004 Apresentação de Hoje

Leia mais

ABDI A 2004 11.080) O

ABDI A 2004 11.080) O Atualizada em 28 de julho de 2010 Atualizado em 28 de julho de 2010 1 ABDI ABDI A Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial foi instituída em dezembro de 2004 com a missão de promover a execução

Leia mais

Fomento à Inovação e Negócios em Ciências da Vida em Belo Horizonte

Fomento à Inovação e Negócios em Ciências da Vida em Belo Horizonte Fomento à Inovação e Negócios em Ciências da Vida em Belo Horizonte Atração de Investimentos, Promoção Comercial e Projeção Internacional Eduardo Bernis Secretaria Municipal de Desenvolvimento Belo Horizonte

Leia mais

Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo

Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo Ubirajara Sampaio de Campos Subsecretário de Petróleo e Gás Secretaria de Energia do Estado de São Paulo Santos Offshore 09 Abril 2014 Indústria

Leia mais

Apresentações de Ações das Instituições do GTP APL. Fomento à Inovação nas Pequenas Empresas

Apresentações de Ações das Instituições do GTP APL. Fomento à Inovação nas Pequenas Empresas Apresentações de Ações das Instituições do GTP APL Fomento à Inovação nas Pequenas Empresas FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Rochester Gomes da Costa Departamento de Capital Semente 29 de outubro

Leia mais

Histórico e Antecedentes

Histórico e Antecedentes Histórico e Antecedentes PORTO DIGITAL. PARQUE TECNOLÓGICO TIC E EC. RECIFE PE SÃO PAULO CIDADE DA INOVAÇÃO / 10ª Semana Nacional de Ciência e Tecnologia / 21 de outubro de 2013 1. Uma visão geral do Porto

Leia mais

PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES

PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES Organizador Patrocínio Apoio PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 O Turismo é uma das maiores fontes de

Leia mais

II WORKSHOP TEMAS DIVERSOS DA PROPRIEDADE INTELECTUAL

II WORKSHOP TEMAS DIVERSOS DA PROPRIEDADE INTELECTUAL II WORKSHOP TEMAS DIVERSOS DA PROPRIEDADE INTELECTUAL OBJETIVO: disseminar a cultura da proteção do conhecimento nas Instituições paranaenses de P, D e I. CARGA HORÁRIA: 3:45 horas REALIZAÇÃO: SECRETARIA

Leia mais

Ciência, Tecnologia e Indústria para um novo Brasil

Ciência, Tecnologia e Indústria para um novo Brasil ANAIS DA 65ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC RECIFE, PE JULHO/2013 Ciência, Tecnologia e Indústria para um novo Brasil Glauco Arbix Somente a inovação será capaz de reverter o quadro de estagnação da economia brasileira,

Leia mais

Metas prioritárias do governo

Metas prioritárias do governo Metas prioritárias do governo Planejar e implantar parques tecnológicos em três municípios do estado com infraestrutura de redes de fibra ótica Parque de Ciência e Tecnologia Guamá Belém - PA Parque de

Leia mais

XIX Workshop Anprotec. Sapiens Parque

XIX Workshop Anprotec. Sapiens Parque XIX Workshop Anprotec $ustentabilidade dos Parques Tecnológicos: Sustentabilidade financeira e competitividade do território 24 e 25 de outubro de 2011 Porto Alegre/RS Sapiens Parque PARQUE COPYRIGHT TECNOLÓGICO

Leia mais

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A ESTRATÉGIA DO SENAI PARA APOIAR A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA BRASILEIRA

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A ESTRATÉGIA DO SENAI PARA APOIAR A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA BRASILEIRA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A ESTRATÉGIA DO SENAI PARA APOIAR A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA BRASILEIRA Inovação é o que distingue um líder de um seguidor. Steven Paul Jobs Grandes ideias mudam o mundo. Missão

Leia mais

PROGRAMA RS TECNÓPOLE. Outubro de 2013.

PROGRAMA RS TECNÓPOLE. Outubro de 2013. PROGRAMA Outubro de 2013. Programa Estadual que visa o desenvolvimento regional através do desenvolvimento científico, tecnológico e de inovação em todas as regiões do Estado do Rio Grande do Sul, objetivando

Leia mais

Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria Relações Empresariais e Comunitárias Agência de Inovação

Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria Relações Empresariais e Comunitárias Agência de Inovação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria Relações Empresariais e Comunitárias Agência de Inovação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria Relações Empresariais e Comunitárias

Leia mais

São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios

São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios A importância da economia paulista transcende as fronteiras brasileiras. O Estado é uma das regiões mais desenvolvidas de toda a América

Leia mais

Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos

Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos Disseminar a cultura empreendedora e inovadora em Santa Maria Ações de disseminação da Cultura Empreendedora Ações de trabalho conjunto entre Universidades e Comunidade Divulgação do trabalho pelo CEI

Leia mais

Sistema Indústria. 28 Áreas de atuação 730 Unidades de Operação 4 Milhões de matrícula/ano (2014), mais de 57 milhões de alunos capacitados

Sistema Indústria. 28 Áreas de atuação 730 Unidades de Operação 4 Milhões de matrícula/ano (2014), mais de 57 milhões de alunos capacitados Sistema Indústria CNI 27 Federações de Indústrias 1.136 Sindicatos Associados 622.874 Indústrias SENAI SESI IEL 28 Áreas de atuação 730 Unidades de Operação 4 Milhões de matrícula/ano (2014), mais de 57

Leia mais

CONSELHO TEMÁTICO DA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA

CONSELHO TEMÁTICO DA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA ASSUNTOS TRATADOS Cartilha sobre produtos e serviços bancários para Micro e Pequenos Empresários Apresentação dos cases de sucesso e fracasso no setor da Construção Civil Notícias sobre o Fórum Permanente

Leia mais

FAZENDO NEGÓCIOS NO RIO GRANDE DO SUL

FAZENDO NEGÓCIOS NO RIO GRANDE DO SUL FAZENDO NEGÓCIOS NO RIO GRANDE DO SUL 2 Sumário»» Parceria Estratégica com o Japão»» Parques Tecnológicos»» Cases de Sucesso de Empresas Estrangeiras no RS PARCERIA ESTRATÉGICA COM O JAPÃO 4 Japão» 3ª

Leia mais

Inovação e Competitividade! João Alberto De Negri! Secretario Executivo MCTI!

Inovação e Competitividade! João Alberto De Negri! Secretario Executivo MCTI! Inovação e Competitividade! João Alberto De Negri! Secretario Executivo MCTI! 1 É preciso elevar a produtividade da economia brasileira (Fonte: BID ECLAC, Índice 1980=100) Produtividade na Ásia (média

Leia mais

Inovação, Regulação e Certificação. I CIMES 1º Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde

Inovação, Regulação e Certificação. I CIMES 1º Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde Inovação, Regulação e Certificação I CIMES 1º Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde São Paulo 11/04/2012 ABDI Criada pelo Governo Federal em 2004 Objetivo Objetivos Desenvolver ações

Leia mais

POLOS DE INOVAÇÃO Institutos Federais Brasília, junho de 2013

POLOS DE INOVAÇÃO Institutos Federais Brasília, junho de 2013 Ministério da Educação POLOS DE INOVAÇÃO Institutos Federais Brasília, junho de 2013 ATIVIDADE ECONÔMICA (organizações empresariais e comunitárias) IMPACTOS: PD&I Aumento da competitividade industrial

Leia mais

Inovação Tecnológica e Transferência de Tecnologia SENAI-BA / CIMATEC

Inovação Tecnológica e Transferência de Tecnologia SENAI-BA / CIMATEC Núcleo de Inovação Tecnológica - NIT Inovação Tecnológica e Transferência de Tecnologia SENAI-BA / CIMATEC Profª. Maria do Carmo Oliveira Ribeiro, MSc. Coord. Núcleo de Inovação Tecnológica NIT SENAI-BA

Leia mais

Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT

Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT Objetivos Avanço da ciência brasileira em tecnologia, inovação e competitividade, através da expansão da mobilidade internacional:

Leia mais

PROPOSTA. Plano de Trabalho do Comitê Temático de APLs de Base Mineral 2011/ 2012.

PROPOSTA. Plano de Trabalho do Comitê Temático de APLs de Base Mineral 2011/ 2012. PROPOSTA Plano de Trabalho do Comitê Temático de APLs de Base Mineral 2011/ 2012. 1 Apresentação No campo da Política Nacional de Apoio aos Arranjos Produtivos Locais (APLs), o Grupo de Trabalho Permanente

Leia mais

DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA 52, 102, CEP

DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA 52, 102, CEP DADOS JURÍDICOS O Instituto SAVIESA DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA é uma associação, pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com sede no município de Vitória, Estado do Espírito Santo, à Rua

Leia mais

PRODUÇÃO GESSO NO BRASIL de 1999 a 2006 em 10 3 ton. Ano 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006. Gesso 960 1.080 1.240 1.400 1.680 1.920 2.123 2.

PRODUÇÃO GESSO NO BRASIL de 1999 a 2006 em 10 3 ton. Ano 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006. Gesso 960 1.080 1.240 1.400 1.680 1.920 2.123 2. PRODUÇÃO GESSO NO BRASIL de 1999 a 2006 em 10 3 ton. Ano 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 Gesso 960 1.080 1.240 1.400 1.680 1.920 2.123 2.130 Premoldado 396 420 480 590 730 782 928 1.120 Acartonado**

Leia mais

SELEÇÃO PÚBLICA INCUBADORA TECNOLÓGICA DE CAMPINA GRANDE ITCG/FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLOGICO DA PARAÍBA 01/2014

SELEÇÃO PÚBLICA INCUBADORA TECNOLÓGICA DE CAMPINA GRANDE ITCG/FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLOGICO DA PARAÍBA 01/2014 SELEÇÃO PÚBLICA INCUBADORA TECNOLÓGICA DE CAMPINA GRANDE ITCG/FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLOGICO DA PARAÍBA 01/2014 PROGRAMA DE INCUBAÇÃO DE EMPRESAS INOVADORAS 1. APRESENTAÇÃO A Fundação Parque Tecnológico da

Leia mais

Exportação de Software e Serviços de TICs. Panorama e Oportunidades

Exportação de Software e Serviços de TICs. Panorama e Oportunidades Exportação de Software e Serviços de TICs Panorama e Oportunidades Brasília, Novembro de 2008 André Limp Gestor de Projetos - Tecnologia MERCADOS DESENVOLVIDOS Sistema financeiro Seguradoras Gestão de

Leia mais

Atuação das Instituições GTP- APL. Sebrae. Brasília, 04 de dezembro de 2013

Atuação das Instituições GTP- APL. Sebrae. Brasília, 04 de dezembro de 2013 Atuação das Instituições GTP- APL Sebrae Brasília, 04 de dezembro de 2013 Unidade Central 27 Unidades Estaduais 613 Pontos de Atendimento 6.554 Empregados 9.864 Consultores credenciados 2.000 Parcerias

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA PARA INCUBAÇÃO DE EMPREENDIMENTOS DA ECONOMIA CRIATIVA NO PORTO DIGITAL (CP 01/2012)

CHAMADA PÚBLICA PARA INCUBAÇÃO DE EMPREENDIMENTOS DA ECONOMIA CRIATIVA NO PORTO DIGITAL (CP 01/2012) CHAMADA PÚBLICA PARA INCUBAÇÃO DE EMPREENDIMENTOS DA ECONOMIA CRIATIVA NO PORTO DIGITAL (CP 01/2012) 1. APRESENTAÇÃO O Núcleo de Gestão do Porto Digital (NGPD), com o apoio da Secretaria de Ciência, Tecnologia

Leia mais

PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO

PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO O Governo do Estado de Santa Catarina apresenta o Programa Catarinense de Inovação (PCI). O PCI promoverá ações que permitam ao Estado

Leia mais

Missão. Visão. Transformar o Brasil por meio da Inovação.

Missão. Visão. Transformar o Brasil por meio da Inovação. A Finep -A FINEP Agência Brasileira da Inovação -é uma empresa pública vinculada ao MCTI (Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação) criada em 24 de julho de 1967. -Seu objetivo é atuar em toda a cadeia

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

Sessão 2. Marcos Aberto Martinelli. Secretário Municipal de Desenvolvimento Sustentável, Ciência e Tecnologia

Sessão 2. Marcos Aberto Martinelli. Secretário Municipal de Desenvolvimento Sustentável, Ciência e Tecnologia Sessão 2 Marcos Aberto Martinelli Secretário Municipal de Desenvolvimento Sustentável, Ciência e Tecnologia América Latina precisa melhorar produtividade, diz Banco Mundial Brasil Econômico - Por AFP 14/09/10

Leia mais

8. Excelência no Ensino Superior

8. Excelência no Ensino Superior 8. Excelência no Ensino Superior PROGRAMA: 08 Órgão Responsável: Contextualização: Excelência no Ensino Superior Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI O Programa busca,

Leia mais

1 Disseminar a cultura de empreender e inovar, fortalecendo as ações do Comitê de Empreendedorismo e Inovação (CEI)

1 Disseminar a cultura de empreender e inovar, fortalecendo as ações do Comitê de Empreendedorismo e Inovação (CEI) Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos Visão: "Que em 2020 Santa Maria e região sejam referência pela capacidade de empreender,

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

EDITAL PARA ADMISSÃO DE EMPREENDIMENTOS INCUBADOS. Apoio:

EDITAL PARA ADMISSÃO DE EMPREENDIMENTOS INCUBADOS. Apoio: EDITAL PARA ADMISSÃO DE EMPREENDIMENTOS INCUBADOS Apoio: Recife, 2015 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. OBJETIVOS... 3 3. PUBLICO ALVO... 3 4. ATORES... 3 5. ESPAÇO FÍSICO... 4 6. SERVIÇOS OFERECIDOS...

Leia mais

PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias. 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF

PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias. 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF Dezembro de 2013 OBJETIVO Promover a competitividade das micro e pequenas empresas

Leia mais

VI FIPEN CONVÊNIO PETROBRAS SEBRAE

VI FIPEN CONVÊNIO PETROBRAS SEBRAE VI FIPEN CONVÊNIO PETROBRAS SEBRAE PETROBRAS - REGAP Contagem 19 de outubro de 2011 Iniciativas de Qualificação - PROMINP PROMINP O PROMINP (Programa de Mobilização da Indústria Nacional do Petróleo e

Leia mais

A Engenharia e o Desenvolvimento Regional. Palestrante: Prof. Dr. Ivaldo Leão Ferreira Professor Adjunto II VEM/EEIMVR/UFF

A Engenharia e o Desenvolvimento Regional. Palestrante: Prof. Dr. Ivaldo Leão Ferreira Professor Adjunto II VEM/EEIMVR/UFF A Engenharia e o Desenvolvimento Regional A Engenharia e o Desenvolvimento Regional Resumo A importância da qualidade e diversidade na formação do corpo de engenheiros regionais e a integração da indústria

Leia mais

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Elaborada pela Diretoria de Extensão e pela Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa

Leia mais

Campus Cabo Frio. Projeto: Incubadora de Empresas criação de emprego e renda.

Campus Cabo Frio. Projeto: Incubadora de Empresas criação de emprego e renda. Campus Cabo Frio Trabalho de Microeconomia Prof.: Marco Antônio T 316 / ADM Grupo: Luiz Carlos Mattos de Azevedo - 032270070 Arildo Júnior - 032270186 Angélica Maurício - 032270410 Elias Sawan - 032270194

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

FIESP - DECOMTEC INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

FIESP - DECOMTEC INOVAÇÃO TECNOLÓGICA FIESP - DECOMTEC INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Programa de Inovação Tecnologica FIESP CIESP - SENAI Sede Fiesp 2013 Chave para a competitividade das empresas e o desenvolvimento do país Determinante para o aumento

Leia mais

10 anos do Parque Tecnológico da UFRJ XV Encontro da Rede de Incubadoras, Parques e Polos Tecnológicos do Estado do Rio de Janeiro ReINC

10 anos do Parque Tecnológico da UFRJ XV Encontro da Rede de Incubadoras, Parques e Polos Tecnológicos do Estado do Rio de Janeiro ReINC 10 anos do Parque Tecnológico da UFRJ XV Encontro da Rede de Incubadoras, Parques e Polos Tecnológicos do Estado do Rio de Janeiro ReINC Data: 17 e 18 de setembro de 2013 Local: Parque Tecnológico da UFRJ

Leia mais

FATORES CRÍTICOS DE SUCESSO DE UMA INCUBADORA DE EMPRESAS: Um Estudo nas Incubadoras do Estado do Tocantins.

FATORES CRÍTICOS DE SUCESSO DE UMA INCUBADORA DE EMPRESAS: Um Estudo nas Incubadoras do Estado do Tocantins. FATORES CRÍTICOS DE SUCESSO DE UMA INCUBADORA DE EMPRESAS: Um Estudo nas Incubadoras do Estado do Tocantins. Maria das Graças Bastos de Sousa 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo Querido

Leia mais

MPE Micro e Pequenas Empresas - É POSSÍVEL INOVAR?

MPE Micro e Pequenas Empresas - É POSSÍVEL INOVAR? MPE Micro e Pequenas Empresas - É POSSÍVEL INOVAR? São Paulo 16 de abril de 2013 Missão do SEBRAE Promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável dos pequenos negócios e fomentar o empreendedorismo

Leia mais

Programa Inovar Seed Forum e Forum de Anjos como Politica Pública de Promoção do Empreendedorismo Inovador

Programa Inovar Seed Forum e Forum de Anjos como Politica Pública de Promoção do Empreendedorismo Inovador Programa Inovar Seed Forum e Forum de Anjos como Politica Pública de Promoção do Empreendedorismo Inovador Rochester Gomes da Costa Chefe do Departamento de Empreendedorismo Inovador Area de Investimentos

Leia mais

Estado de São Paulo. Polo de Investimentos e Inovação para a Saúde. Juan Quirós Presidente

Estado de São Paulo. Polo de Investimentos e Inovação para a Saúde. Juan Quirós Presidente Estado de São Paulo Polo de Investimentos e Inovação para a Saúde Juan Quirós Presidente 12 de agosto de 2015 Investimento Estrangeiro na Saúde Abertura ao investimento do capital estrangeiro: Oportunidades

Leia mais

DESENVOLVIMENTO REGIONAL E A INDÚSTRIA

DESENVOLVIMENTO REGIONAL E A INDÚSTRIA DESENVOLVIMENTO REGIONAL E A INDÚSTRIA Regionalismo e Cooperação Intermunicipal o caso do Grande ABC Paulista Fausto Cestari Filho Características do Grande ABC Primeiro povoado brasileiro fora do litoral

Leia mais

Desafios para implantação de Incubadora de Empresas no Amazonas

Desafios para implantação de Incubadora de Empresas no Amazonas Desafios para implantação de Incubadora de Empresas no Amazonas Experiência da Fucapi Incubadora de Tecnologia Euler G. M. de Souza Dimas J. Lasmar Agenda Incubação de Empresas Incubadoras no Amazonas

Leia mais

Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil

Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil Thayne Garcia, Assessora-Chefe de Comércio e Investimentos (tgarcia@casacivil.rj.gov.br) Luciana Benamor, Assessora de Comércio e Investimentos

Leia mais

Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior Construindo o Brasil do Futuro

Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior Construindo o Brasil do Futuro Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior Construindo o Brasil do Futuro Mario Sergio Salerno Diretor de Estudos Setoriais do IPEA 1 de julho de 2005 Uma nova trajetória de desenvolvimento

Leia mais

O potencial do Rio Grande do Sul na indústria de Petróleo, Gás, Naval e Offshore. Comitê de Competitividade em Petróleo, Gás, Naval e Offshore

O potencial do Rio Grande do Sul na indústria de Petróleo, Gás, Naval e Offshore. Comitê de Competitividade em Petróleo, Gás, Naval e Offshore O potencial do Rio Grande do Sul na indústria de Petróleo, Gás, Naval e Offshore Comitê de Competitividade em Petróleo, Gás, Naval e Offshore Porto Alegre, 27 de julho de 2011 Panorama Brasileiro Novo

Leia mais

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS EIXO III - CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

Instituto Nacional de Tecnologia em União e Revestimento de Materiais

Instituto Nacional de Tecnologia em União e Revestimento de Materiais Instituto Nacional de Tecnologia em União e Revestimento de Materiais Apoio Institucional Apoio Financeiro Nossos Desafios 2011 Cadeia Produtiva Complexa Setores Industriais Construção e Engenharia Aero-espacial

Leia mais

Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS

Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS José E Cassiolato Coordenador da RedeSist, IE-UFRJ Marcelo G P de Matos Pesquisador da RedeSist,

Leia mais

SERVIÇOS E MEDIDAS UTILIZADOS PELO SEBRAE PARA A PROMOÇÃO DA INOVAÇÃO E DA CRIATIVIDADE NO AMBIENTE DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO BRASIL

SERVIÇOS E MEDIDAS UTILIZADOS PELO SEBRAE PARA A PROMOÇÃO DA INOVAÇÃO E DA CRIATIVIDADE NO AMBIENTE DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO BRASIL SERVIÇOS E MEDIDAS UTILIZADOS PELO SEBRAE PARA A PROMOÇÃO DA INOVAÇÃO E DA CRIATIVIDADE NO AMBIENTE DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO BRASIL Paulo Íris Ferreira SEMINÁRIO SOBRE PROPRIEDADE INDUSTRIAL E PEQUENAS

Leia mais

V Fórum de Gestores ABENGE

V Fórum de Gestores ABENGE V Fórum de Gestores ABENGE Mesa Redonda 01 Ecossistemas de Inovação e a Educação em Engenharia Eduardo Giugliani, Dr. Prof. Titular da Faculdade de Engenharia, PUCRS Coordenador de Projetos Estratégicos

Leia mais

Apresentações Técnicas. ciclo de seminários NOVOS MODELOS ORGANIZACIONAIS

Apresentações Técnicas. ciclo de seminários NOVOS MODELOS ORGANIZACIONAIS Apresentações Técnicas ciclo de seminários NOVOS MODELOS ORGANIZACIONAIS Seminário IV Novos Modelos Organizacionais de Ciência e Tecnologia Apresentações Técnicas São Paulo, 2007 APRESENTAÇÃO A área de

Leia mais

ASSESSORIA ADJUNTA DE. Gerência de Propriedade Intelectual Gerência de Inovação

ASSESSORIA ADJUNTA DE. Gerência de Propriedade Intelectual Gerência de Inovação ASSESSORIA ADJUNTA DE INOVAÇÃO Gerência de Propriedade Intelectual Gerência de Inovação Estruturar o ambiente de inovação - Como ampliar o papel das universidades (instituições de pesquisa) no desenvolvimento

Leia mais

Parque Científico e Tecnológico da PUCRS Ambiente de Inovação e Pesquisa, tendo por base a cooperação entre Universidade, Empresas e Governo, com vistas ao desenvolvimento social e econômico da região.

Leia mais