Manual de desmontagem, montagem e análise de falhas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual de desmontagem, montagem e análise de falhas"

Transcrição

1 Manual de desmontagem, montagem e análise de falhas Rolamentos de roda Bombas d água Tensores e polias Atuadores hidráulicos, cilindros mestre e escravo Semi-eixos, coifas e juntas homocinéticas Componentes de direção e suspensão Cruzetas

2 Um laboratório de P&D a 350 km/h A Fórmula Um propicia um ambiente único para a SKF alcançar os limites da tecnologia no desenvolvimento de produtos automotivos. Em 2014, completamos 66 anos de parceria técnica com a Ferrari e é a mais longa colaboração ininterrupta nessa modalidade esportiva. Desde o início do acordo, em 1947, foram 221 vitórias e 31 campeonatos mundiais conquistados pela equipe. A SKF fornece à Ferrari cerca de 150 componentes, o que significa praticamente todos os rolamentos de um carro de Fórmula Um. Posteriormente, a SKF transfere a tecnologia desenvolvida para a indústria automotiva em geral. Ou seja, as lições aprendidas são aplicadas aos produtos que oferecemos às montadoras e ao mercado global de reposição.

3 ÍNDICE Rolamentos de roda pág. 7 Bombas d água pág. 15 Tensores e polias pág. 19 Atuadores hidráulicos, cilindros mestre e escravo pág. 35 Semi-eixos, coifas e juntas homocinéticas pág. 45 Componentes de direção e suspensão pág. 55 Cruzetas pág. 61

4 A Install Confidence A A A Rolamentos de roda Revisão a cada: km Substituição a cada: km B Bombas d água Revisão do sistema de arrefecimento a cada: km Substituição do líquido de arrefecimento: 1 vez por ano C Tensores e Polias D Atuadores hidráulicos, cilindros mestre e escravo Revisão do sistema de sincronismo: km Substituição do sistema de sincronismo: seguir orientações do fabricante do veículo Revisão do sistema de embreagem a cada: km Substituição do fluido de freio: cada 1 ano

5 E Revisão da homocinética a cada: km Substituição km Semi-eixos, coifas e juntas homocinéticas F Componentes de direção e suspensão Revisão da suspensão cada: km Substituição: km G Cruzetas Revisão do sistema cada: km Relubrificar a cada: km (uso urbano) F F F F B C C C D E F A E C

6 Graxa automotiva Graxa SKF GS-265 A Automotiva Especificações Técnicas Agente engrossante (sabão) Lítio Percentagem de sabão 8% Óleo base mineral Viscosidade cinemática do óleo-básico a 40 C, cst 208,6 Consistência (NLGI) 2 Ponto de gota, C 188 Coloração âmbar Textura manteigosa Faixa de temperatura de operação, C -10 a 110 Características A graxa GS-265 A foi criada especialmente para a lubrificação de cubos de rodas de automóveis, caminhões e ônibus. A alta viscosidade do seu óleo-básico garante a formação de uma película lubrificante de elevada resistência, que protege os rolamentos do desgaste prematuro e inibe a corrosão. O sabão de lítio empregado em sua fórmula proporciona excelente estabilidade mecânica e longa duração em serviço. Aplicações Cubos de rodas de automóveis, cami nhões e ônibus; Articulações de suspensão dianteira; Rolamentos pequenos e grandes com carga normal e rotações moderadas, não superiores a metade do limite do catálogo. Embalagem Disponível em embalagens de 1 kg e 500 g. Balde de 10 kg. Balde de 20 kg. Bisnaga com 50 g.

7 Rolamentos de roda

8 Roda dianteira Deformação na superfície de encosto do rolamento. Rolamento de duas carreiras de esferas HBU Introdução O rolamento é um item de segurança. Sua eventual quebra pode provocar o travamento de roda e um consequente acidente com prejuízos materiais e principalmente físicos. Como medida de segurança, recomendamos a subtituição destes rolamentos a cada km. Inspeção dos rolamentos de rodas (duas carreiras de esferas). A inspeção periódica é fundamental e devemos realizá-la a cada km da seguinte forma: Suspender o veículo e inspecionar as rodas. Girar manualmente a roda e com uma das mãos na mola ou na torre, observar se há vibrações. Se positivo, este rolamento estará danificado e deve ser substituído. Atenção: há necessidade de se saber com certeza se é o rolamento que está danificado, pois para este tipo de rolamento, não é possível a desmontagem sem danificá-lo. Eventuais oxidações no alojamento do rolamento da coluna deverão ser removidas com auxílio de uma lixa d água de grana 300 ou 400 embebida em querosene, diesel ou aguarráz. Caso contrário, se formará uma consequente ovalização do anel externo do rolamento, seguido de desgaste pontual com ruído, com possível aparecimento de descascamento na pista, reduzindo drasticamente a vida do novo rolamento. Montagem do rolamento na coluna Outra maneira de inspecionar o rolamento é com o uso do estetoscópio eletrônico da SKF. Montar um dos anéis elásticos, quando houver dois. Apoiar o rolamento da coluna, com esta já posicionada na prensa. Observar o perfeito alinhamento do rolamento, com ferramenta apropriada que apóie somente no anel externo ou nos dois anéis ao mesmo tempo, prensando-o até que encoste no seu assento (ou no anel elástico) da coluna. Desmontagem Desmontar todas as peças necessárias para a retirada do suporte do amortecedor (coluna). Retirar o anel elástico e com uso de uma prensa remover o cubo e o rolamento da coluna. Atenção: recomendamos a substituição do cubo. Em caso de reutilização do cubo, observar se não há oxidação no diâmetro ou rebarba na face de encosto do rolamento. Montagem do cubo no rolamento + coluna Manter o cubo na mesa da prensa com seu eixo para cima; Apoiar o conjunto rolamento + coluna, de forma alinhada e com uma ferramenta apropriada que apóie somente no anel interno, pressioná-lo até o seu perfeito assento. Em seguida montar o anel elástico. 8 Install Confidence

9 Montagem de rolamentos com ABS ABS Sistema anti-bloqueio: Quando os freios são aplicados em uma situação de emergência, o sensor de velocidade da roda mais próxima do rolamento distribui um sinal para o ECU, que por sua vez envia um sinal ao HCU com um comando para ativar as válvulas no HCU. Isto permite que o fluído de freio acione os travões do carro, o que reduz a velocidade com a roda. Uma vez que é um processo de circuito fechado, o sensor envia novo um sinal de velocidade para o novo ECU que evita bloqueio das rodas, tudo em uma frequência de décimos de segundo. Atenção: para resetar o sistema de ABS, há a necessidade de procedimentos diferentes, de acordo com a concepção do sistema empregado, desde um simples botão no adômetro do painel, até uso de scanner na central. Montagem da coluna na suspensão Remontar a coluna à suspensão fixando todas as peças anteriormente desmontadas do conjunto. Apertar a porca de fixação com o torque entre 23 e 26 kgfm com um torquímetro. Montar a roda e abaixar o veículo no solo. Atenção: não esquecer de apertar as porcas da roda de forma definitiva. HCU Sensor ECU Para os rolamentos que possuem sensores ABS integrados (placa na cor marrom). Deve-se montá-lo com essa placa voltada para o lado do sensor ABS na torre (lado da homocinética). Caso contrário, a luz do ABS no painel permanecerá acesa e com o ABS inativo. Roda traseira Desmontagem Rolamentos de rolos cônicos Placa sem ABS cor prateada. Placa magnética ABS cor marrom. Introdução O rolamento de roda é item de segurança. Sua eventual quebra pode provocar o travamento da roda e um consequente acidente envolvendo prejuízos materiais e/ou danos físico. Como medida de segurança, recomendamos a substituição destes rolamentos a cada km. Inspeção dos rolamentos de roda Placa marrom ao lado do sensor ABS. Sensor conectado no veículo checar sua distância 0,5 a 0,9 mm HBU 3. Tipos ABS Ativo Rolamento dotado de plug e sensor interno. Rolamento de sensor integrado, com cabo de conexão à ECU Suspender o veículo, girar manualmente a roda e colocar a mão sobre a parte rígida (mola). Caso seja perceptível uma vibração, este rolamento estará danificado internamente e deverá ser substituído. A presença de folga muito grande na roda também é sinal de que os rolamentos estão danificados. Para esta verificação, também pode-se utilizar o Estetoscópio Eletrônico da SKF. 9

10 Verificação de desgaste da ponta de eixo Movimentar com tombamento a roda no eixo vertical e comparar o movimento com o eixo horizontal, se o movimento do eixo vertical for maior que o da horizontal, esta ponta de eixo deve ser substituída, sob o risco de danificar o novo par de rolamentos de forma prematura. Lavar todos os componentes com querosene ou similar e secar com panos (evite o uso de estopas, pois deixam fiapos); inspecionar os assentos das capas no tambor e checar se há rebarbas que impeçam o perfeito assentamento das novas capas, retirando-as se necessário. Rolamentos de rolos cônicos VW, Ford (Escort...93) e GM Procedimentos de montagem 1. Para evitar contaminação com poeira ou possíveis impurezas, o rolamento somente deverá ser retirado da embalagem no momento da montagem. Os rolamentos não devem ser lavados. Para o manuseio dos rolamentos é importante manter mãos e ferramentas limpas, assim como o local de operação (bancada); 2. Montar as capas do rolamento interno e externo com auxílio de prensa ou martelo. Para essa montagem deve-se utilizar uma ferramenta especial, por exemplo: tubo com tampa de face plana ou similar, com o objetivo de guiar a capa dentro do tambor até que fique rigidamente assentada no encosto (já sem rebarba) do alojamento do tambor. Após montadas as capas, deve-se preencher com graxa o espaço entre elas no tambor; Atenção: jamais utilize ferramentas pontiagudas para esta operação e nunca golpeie diretamente com um martelo na capa, bem como utilizar um cone para guiá-la. Remoção do tambor 1. Desmontar a tampa (calota) com cuidado, retirar a cupilha, trava (aranha), porca e arruela; 2. Retirar o tambor de freio e junto com o tambor sairão os rolamentos. Remover todo o resíduo de impurezas do tambor; 3. Evitar o uso de estopa, que pode soltar fiapos e contaminar os rolamentos; 4. Extrair as capas do tambor; Atenção: esta operação pode gerar rebarba, a qual deve ser removida, antes da montagem das novas capas; 5. Lavar todos os componentes com querosene ou similar e secar com panos limpos que não soltem fiapos; Lubrificação Preencher completamente o cone com graxa SKF GS 265 A, específica para rolamentos automotivos, preenchendo todo o espaço entre a pista, gaiola e roletes; se for utilizada a bisnaga de 50 g do Kit SKF, esta deve ser cortada na sua extremidade com uma pequena abertura e pressionada entre os roletes até que a graxa saia pela parte superior do cone e por toda sua extensão. 10 Install Confidence

11 Outra forma de lubrificar é com uma porção de graxa SKF GS 265 A em uma das mãos, já bem limpa, bater de forma suave o cone com seu diâmetro maior contra a palma da outra mão, até que a graxa saia na parte superior do cone. Atenção: nunca aplique graxa grafitada, pois provocaria grande desgaste prematuro nos rolamentos. Soltar a porca até obter a folga correta; na falta de especificação do fabricante, voltar a porca a partir deste ponto de 1/6 a 1/4 de volta (60 a 90 ). Como regra prática de inspeção da folga residual, verificar pequena liberdade da arruela de encosto, de forma que, com o auxílio de uma chave de fenda, seguido de seu giro manual, deve-se movimentar a arruela para qualquer posição facilmente (a arruela não pode descer sozinha, porque isto possibilitaria uma folga excessiva). Esta será a folga ideal de trabalho. Em seguida coloca-se a trava e a cupilha, seguido da tampa (calota). Montagem de rolamento Aplica-se graxa na pista da capa do rolamento interno, monta-se o cone e acrescenta-se mais um pouco de graxa entre o cone do rolamento interno e o retentor a ser montado, para lubrificar e evitar a penetração de umidade, e por fim, monte o retentor com uma ferramenta que apóie em toda a sua face. Atenção: o retentor deve ser substituído sempre que removido. Cuidado: Não alterar a posição da porca durante a montagem da trava (quando houver) e cupilha. Atenção: trava e cupilha podem fazer parte do kit SKF, o qual permite um serviço de qualidade, sem reaproveitamentode peças. Montagem do tambor Montar o tambor sobre a ponta de eixo, seguido do cone do rolamento externo já lubrificado, colocar a arruela e porca de fixação. Análise de falhas Regulagem da folga residual Eliminar a folga apertando-se a porca, sempre com o tambor em movimento simultâneo, para não danificar as pistas internas; cessar o aperto quando verificar resistência ao giro manual do tambor. 1 Problema apresentado: Danificação na pista do anel externo. Causa provável: Esforço direcionado no anel interno durante a montagem. Solução: Aplicar esforço no anel externo, com ferramenta adequada. 11

12 2 6 Problema apresentado: Quebra na tentativa de montagem do anel externo com marca de desalinhamento. Causa provável: Desalinhamento do rolamento em relação ao seu alojamento no momento da prensagem. Solução: Observar o perfeito alinhamento entre rolamento e o seu alojamento no momento da prensagem. 3 Problema apresentado: Amassamento na placa de vedação. Causa provável: Placa de vedação danificada por impacto, possivelmente provocado por uso de ferramenta inadequada durante o processo de montagem. Solução: Utilizar ferramenta adequada. 7 Problema apresentado: Ruído por danificação / descascamento na pista do anel externo podendo resultar na trinca desse anel. Causa provável: Deformação (caroço) seguido de oxidação no alojamento do rolamento na torre. Solução: Retirar a oxidação através de lixamento da superfície do alojamento com lixa de grana 300 ou 400. Problema apresentado: Descascamentos generalizados na pista do cone gerados por marcas equidistantes. Causa provável: Aperto da porca de fixação com o tambor parado sem o seu giro simultâneo ou impacto durante o uso do veículo (ex: buracos na pista ou choques por acidente). Solução: Girar simultâneamente o tambor durante aperto da porca. 4 8 Problema apresentado: Ruído gerado por oxidação. Causa provável: Falta de uso da tampa (calota) permitindo a entrada de contaminantes no cubo. Solução: Uso da calota. Problema apresentado: Ruído por descascamento na pista do cone. Causa provável: Ponta de eixo desalinhada. Solução: Substituir a ponta de eixo. 5 Problema apresentado: Descascamento da pista do cone juntamente com oxidação no furo. Causa provável: Ponta de eixo desgastada. Solução: Substituir a ponta de eixo. 12 Install Confidence

13 9 11 Problema apresentado: Ruído originado por oxidação seguido de desgaste no cabo / furo do rolamento. Causa provável: Deformação do cubo devido ao fim de sua vida útil ou reutilização do cubo desgastado. Solução: Substituição do cubo sempre que apresentar oxidações no anel interno do rolamento desmontado. 10 Problema apresentado: Descascamento parcial da pista do cone fora da zona de normal trabalho provocando ruído. Causa provável: Falta/ausência de torque na porca de fixação da homocinética. Solução: Torquear a porca de fixação conforme a especificação do fabricante do veículo, (na falta aplicar de 23 a 26 kgfm). Cor prateada Cor marrom Problema apresentado: Luz do ABS permanece acesa após a instalação do rolamento. Causa provável: Montagem do rolamento com a placa ABS de cor marrom voltada para a parte oposta ao sensor ou aproximação do rolamento a um campo magnético. Solução: Montagem do rolamento em sua posição correta (lado ABS junto ao lado do sensor). Evitar contato do rolamento a um campo magnético. 13

14

15 Bombas d água

16 Manutenção em bomba d água SKF A bomba d água fica posicionada normalmente junto ao bloco do motor e é acionada por correia de sincronismo ou por correia auxiliar. Sua função é gerar pressão para impulsionar a solução de arrefecimento, para que circule pelas galerias do bloco do motor, bem como do radiador. Para uma vida útil maior do motor de seu veículo, a bomba deve ser instalada corretamente, sendo necessária também uma rigorosa inspeção e limpeza do sistema: mangueiras, radiador, interruptor (cebolão), válvula termostática e a tampa do tanque de expansão. 7. Remover todas as mangueiras rachadas ou esponjosas sempre que necessário e inspecionar as abraçadeiras / grampos; A solução de arrefecimento deve ser trocada a cada km ou a cada um ano, caso contrário, o sistema e seus componentes se oxidarão e se danificarão de forma prematura. Por isso recomende sempre a Manutenção Preventiva a cada km nos veículos de seus clientes. 8. Inspecionar a tampa do tanque de expansão (válvula) quanto ao seu perfeito funcionamento, no caso de oxidações e / ou incrustações, fazer a substituição; se visualmente estiver ok, testar com o Barômetro, sendo que a tampa deverá obedecer os valores de abertura especificado pelo fabricante. Desmontagem 1. Esperar o motor esfriar; 2. Drenar toda a solução do sistema de arrefecimento; 3. Limpar toda a galeria do bloco do motor, bem como o radiador, sendo necessário o uso de aditivo especial de limpeza (utilizando a bomba velha). Caso ocorra vazamento no radiador, o mesmo deverá ser substituído. Esta operação é para que a impureza residual não danifique o selo da bomba d água de forma prematura; 4. Remover a bomba d água antiga de acordo com as instruções do fabricante do veículo; 5. Limpar a cavidade do rotor no bloco do motor e toda a superfície de contato da junta; 6. Inspecionar todas as mangueiras e conexões do sistema de arrefecimento, se estiverem danificadas, substituí-las; 9. Teste de estanqueidade: Acione uma bomba de pressão equipada com um manômetro pressurizando o sistema até 7,0 lb/pol². Observe o manômetro, se a pressão cair, há vazamento no sistema; 10. Limpar e testar a válvula termostática, caso esteja danificada, fazer sua substituição; 11. Limpar cuidadosamente os resíduos de material da junta por toda a superfície de montagem do bloco do motor; Obs.: Nas bombas que usam ventilador, verificar se a hélice não possui trinca, empenamento ou desbalanceamento, em qualquer destes casos, troque a hélice. Qualquer defeito no ventilador pode causar graves problemas. 16 Install Confidence

17 Procedimentos de montagem 1. Montar a bomba d água: Caso a vedação seja com anel O-ring ou papelão volumóide, não se deve usar qualquer outro vedante auxiliar. (Jamais aplicar óleo, graxa ou cola nestas superfícies). Atenção: apertar os parafusos em forma de cruz para evitar o empeno da face; 2. Girar a polia da bomba para certificar-se de que a mesma está livre, jamais bata na polia, pois isso irá provocar quebra do selo mecânico; 3. Montar nova correia cuidadosamente e verificar sua correta tensão. Recomendação: quando a bomba for acionada por correia dentada, sugerimos instalar também um novo tensor e uma nova correia; 4. Montar as mangueiras certificando-se que as abraçadeiras / grampos estão em perfeito estado. Substituir aquelas que apresentarem suspeita de rachadura e ajustar todas as abraçadeiras corretamente; 5. Reinstalar a válvula termostática e o interruptor do ventilador (cebolão), bem como o tanque de expansão (reservatório); 6. Preparar a solução de arrefecimento: água destilada e desmineralizada (água de bateria) mais aditivo (inorgânico) à base de etileno glicol (de qualidade comprovada conforme ABNT NBR 13705), na proporção indicada pelo fabricante do veículo. Essa mistura deve ser preparada fora do carro, em seguida coloque-a no motor através do tanque de expansão. Atenção: nos veículos fabricados a partir de 2000, geralmente são aplicados aditivos orgânicos de longa duração, portanto, para esses veículos é importante aplicar somente aditivos orgânicos, caso contrário existirá risco de reação química danificando o selo mecânico da bomba d água; 7. Verificar o ph desta solução. Deverá ser 7,5 a 8,5. Atenção: esta verificação deverá ser feita com um medidor de escala de ph; Escala de ph 8. Sangrar o sistema, ou seja, eliminar totalmente a presença do ar, evitando assim o super aquecimento do motor e a cavitação no corpo da bomba; 9. Verificar o nível correto da solução de arrefecimento no tanque de expansão (reservatório), em seguida recolocar sua tampa; 10. Ligar o motor e observar o acionamento do ventilador obedecendo o indicador de temperatura no painel. Caso isto não ocorra, verificar: o nível da solução, a sangria e a correta ligação do interruptor (cebolão). Problema apresentado: Forte oxidação generalizada seguido pelo vazamento. Causa provável: Líquido de arrefecimento com ph incorreto (ácido / alcalino). Solução: Verificar o ph da solução que deverá estar entre 7,5 e 8,5. 2 Exemplo de um selo com danificação das faces dos anéis de cerâmica e grafite. Problema apresentado: Vazamento do líquido de arrefecimento através do dreno da bomba. Causa provável: O selo mecânico foi extremamente danificado devido à ação do líquido de arrefecimento oxidado e contaminado. Solução: Limpeza do sistema de arrefecimento e substituição da solução usando ph de 7,5 a 8,5. 3 Problema apresentado: Vazamento devido ao anel de cerâmica quebrado. Causa provável: O anel de cerâmica quebrou devido ao choque térmico, cuja causa foi a introdução de um líquido frio em um circuito quente. Solução: Acrescentar mistura sempre com motor frio. 4 Análise de Falhas 1 17

18 Problema apresentado: Severo desgaste na pista do eixo da bomba d água com posterior travamento e danificação de rotor e correia. Causa provável: Danificação da pista de rolamento, causado por excessiva carga radial aplicada no eixo, originada pelo ajuste incorreto da tensão da correia durante o processo de montagem. Solução: Observar o correto procedimento de tensionamento da correia, conforme especificações do fabricante do veículo. 8 5 Problema apresentado: Vazamento de cor escura pelo furo do dreno. Causa provável: Líquido de arrefecimento contendo aditivo não especificado (inorgânico), gerando cristais e / ou calcáreos micro abrasivos. Solução: Aplicar aditivo especificado no manual do proprietário. Problema apresentado: Quebra da carcaça da bomba d água, na posição do furo de montagem. Causa provável: Não foram seguidos os procedimentos corretos de montagem. Solução: Deve-se apertar levemente todos os parafusos (em forma alternada), a seguir apertá-los definitivamente com o torque de acordo com a especificação do fabricante do veículo. 9 Danificação foi causada por tensão excessiva da correia, como indicado pela danificação dos dentes. 6 A danificação do rolamento é uma indicação da ocorrência de carga radial excessiva aplicada no rolamento. Problema apresentado: Bomba d água com ruído e vazamento. Causa provável: Excessiva quantidade de depósitos calcáreos no sistema de arrefecimento, ocasionado pela proporção incorreta (pobre) de aditivo. Tal fato levou a danificação do selo mecânico, gerando o ruído e o vazamento. Solução: Limpeza do sistema de arrefecimento e substituição da solução usando ph de 7,5 a 8,5 seguindo procedimento indicado no manual do fabricante do veículo. Problema apresentado: A bomba d água está travada e não está girando; aparente danificação do rolamento. Causa provável: O rotor entrou em contato com o corpo da bomba d água, devido à carga radial excessiva provocada pela tensão exagerada da correia. Solução: Aplicar o correto tensionamento na correia. 7 Problema apresentado: Desgaste das partes metálicas provocado por cavitação. Causa provável: Presença de ar no sistema. As bolhas de ar são projetadas contra as superfícies metálicas com consequente retirada de material. Solução: Sangrar totalmente o sistema de arrefecimento. 18 Install Confidence

19 Tensores e polias

20 Tensor de correia sincronizadora VKM Marca traseira de referência O produto VKM é aplicado no sistema de sincronismo dos motores AP 1.6, 1.8 e 2.0, 8 válvulas que equipam os veículos como: VW Gol, Passat, Parati, Voyage, Saveiro, Santana, Satana Quantum e Polo; Ford Escort, Verona, Pampa, Belina, Versalles e Royale. Procedimentos de desmontagem e posicionamento de sincronismo 1. Soltar e retirar a tampa superior de proteção da engrenagem do comando de válvulas; 8. Após efetuar o passo n 7 e 7a, verifique se a marca traseira da engrenagem do comando de válvulas está coincidindo com a referência da tampa de válvulas (foto 4); 9. Verificar alinhamento da marca de referência da polia árvore intermediária está coincidindo com a marca V da polia de acessórios (foto 5); 2. Retirar as velas (para evitar contra golpes); 3. Soltar e retirar a polia da bomba d água; 4. Soltar e retirar a polia do virabrequim; 5. Soltar e retirar a correia auxiliar que aciona a bomba d água e alternador; 6. Soltar e retirar a proteção inferior do sistema de sincronismo; 7. Movimentar o motor manualmente até que a marca OT coincida com a seta da carcaça da caixa seca (foto 3) PMS; 10. Com a utilização de uma ferramenta de tensionamento ou de um alicate de bico, soltar a porca de fixação do tensor e retirar a correia de sincronismo (dentada). Atenção: não movimentar virabrequim, pois o motor está sem a correia de sincronismo e com isso há risco do pistão bater nas válvulas; 11. Limpar rigorosamente a caixa de sincronismo, deixando-a sem qualquer presença de impurezas ou resíduo da correia antiga e contaminação de óleo; Procedimentos de montagem 1. Instalar o novo tensor; 2. Instalar a nova correia começando pela engrenagem do virabrequim no sentido anti-horário; 3. Com uma ferramenta adequada, deslocar no sentido horário o tensor a fim de tensionar a correia. Apertar a porca de fixação com 30 Nm ou 3,0 kgfm; 7a Nessa condição, a marca de sincronismo da engrenagem do comando de válvulas deve coincidir com a referência na face superior do cabeçote (foto 4); 20 Install Confidence

21 4. Girar manualmente o motor por duas voltas e conferir o sistema de sincronismo, caso as marcas não coincidam, refazer os passos 7, 8 e 9 do processo de desmontagem; 5. Se tudo estiver ok, reinstalar todas as peças anteriomente desmontadas; 6. Ligar o motor e observar seu perfeito funcionamento. Em caso de ruído anormal, refazer o serviço. Marca PMS no volante Tensor de correia sincronizadora VKM H Aplicado nos motores Fiat 1.0 e 1.5 8V (Palio, Uno, Elba, Prêmio, Fiorino e Strada). Procedimentos de desmontagem Verificação do sincronismo: 1. Remova a tampa traseira do comando válvulas e as velas (para evitar contra golpes). Gire manualmente o motor até que a marca de referência do eixo de comando coincida com a marca na carcaça do cabeçote (foto 1). Nesta condição, o ressalto da ferramenta de fasagem irá coincidir com o rasgo existente na parte traseira do eixo de comando (foto 2). Em seguida instalar a ferramenta de fasagem e retirar a correia. Referência para PMS do câmbio Marca de pino da proteção Ponto na engrenagem de comando 3. Remover a proteção do volante, posicionar e fixar a ferramenta especial de travamento do eixo virabrequim. A seguir, solte a porca de fixação da árvore de manivelas (roda fônica), retirando-a em seguida. (foto 5); Referência para o sincronismo do comando 4. Soltar a porca de fixação do polia da correia dentada e retirálo. Limpar detalhadamente a caixa de sincronismo. Pino guia Ferramenta de fasagem instalada no comando 6 Arruela de fixação 4 mm 2. Colocar o primeiro cilindro na posição PMS com auxílio de um relógio comparador. Girar o motor manualmente e observar a referência existente no volante do motor, de forma a coincidir com o 0 (zero grau) gravado em baixo relevo na carcaça do câmbio (foto 3). Se o sincronismo estiver ok, também deverá coincidir as marcas: pino da proteção com um ponto na engrenagem de comando (foto 4); Arruela de fixação 2 mm 21

22 Procedimentos de montagem 1. Instalar a polia da correia dentada; 2. Montar a nova correia seguindo o sentido horário, com início pela engrenagem do virabrequim (observar a parte mais folgada junto a nova polia). Atenção: observar o correto posicionamento das arruelas de fixação (foto 6) e checar se o tensor gira livremente; 3. Tensionar a correia dentada com ferramenta especial para tensionamento. Trata-se de uma alavanca graduada com contrapeso móvel. Deve ser instalada de forma que o contrapeso fique a 100 mm do ponto 0 da escala da alavanca; 4. Retirar a ferramenta de fixação do virabrequim, bem como a de fasagem do eixo de comando. Ainda com a ferramenta de tensionamento instalada, dê dois giros manuais com cuidado no sentido anti-horário; 5. Permanecer com a ferramenta de tensionamento e apertar a porca de fixação da polia com o torque de 30 Nm ou 3,0 kgfm; 6. Conferir o sincronismo do motor girando-o manualmente e observar as marcas de referência (foto 3 e 4); 7. Confirmado o perfeito sincronismo, reinstalar todas as peças desmontadas anteriormente e apertar a porca da engrenagem do eixo do virabrequim com torque de 180 Nm ou 18 kgfm; 8. Ligar o motor. Em caso de ruído estranho, refazer as operações; 3. Para posicionar o 1 cilindro em PMS é necessário o uso de um relógio comparador com suporte para ser instalado no lugar da vela de ignição (foto 2). Alinhar simultaneamente as marcas existentes na polia do virabrequim em relação à referência existente na capa da correia dentada do sensor de rotação; 4. Retirar a correia auxiliar e os equipamentos necessários para a realização desse trabalho; 5. Retirar a proteção inferior do volante e travar a árvore de manivelas com uma ferramenta específica (foto 3); Tensor de correia sincronizadora VKM O produto VKM é aplicado no sistema de sincronismo do rotor Fiat V que equipa os veículos como: Brava, Doblò, Marea, Marea Weekend, Palio, Palio Weekend, Siena e Strada. Procedimentos de desmontagem 1. Retirar as bobinas, as tampas traseiras dos eixos de comando de válvulas e velas (para evitar contra golpes); 2. Girar o motor manualmente até encaixar perfeitamente os rasgos existentes na parte traseira dos eixos comando de válvulas nos ressaltos das ferramentas de alinhamento (foto 1); 6. Soltar a porca de fixação do virabrequim e retirar a roda fônica; 7. Retirar a tampa de proteção da correia dentada; 8. Soltar a porca de fixação, remover a correia, tensor e polia; 9. Utilizando uma ferramenta de travamento (foto 4), afrouxar os parafusos das engrenagens do comando. Observar a existência de uma folga entre os rasgos e as chavetas das mesmas. Com as engrenagens livres, girá-las manualmente no sentido horário até o final de curso da folga; Ferramentas de fasagem instaladas nos comandos 10. Limpar detalhadamente, evitando a presença de qualquer resíduo na caixa do sistema de sincronismo. Procedimentos de Montagem 1. Inspeção de componentes: Verificar se não há deformação no encaixe da cabeça do prisioneiro. Em caso afirmativo, substituir a placa; Instalar o novo tensor. Atenção: o prisioneiro deve percorrer todo o rasgo do oblongo da placa de fixação do tensor e ficar a 90 graus em relação à mesma placa (foto 5); 22 Install Confidence

23 5 Posição de máximo tensionamento 8 2. Instalar o tensor e a polia auxiliar; 3. Instalar, no sentido horário, a nova correia começando pela engrenagem do virabrequim; 4. Tensionar a correia dentada do ponto máximo do tensor, utilizando uma ferramenta específica, que deve ser colocada no lugar do parafuso existente acima do tensor (foto 6); Posição normal de trabalho Posição de mínimo tensionamento 9. Conferir as marcas de sincronismo dos passos anteriores e se tudo estiver ok, reinstalar as peças anteriormente desmontadas; 10. Ligar o motor e observar seu perfeito funcionamento. Em caso de ruído anormal, refazer o serviço. Atenção: Após a troca da correia dentada se o motor ficar oscilando (balançando) fazer o procedimento de soltar a polia admissão e girar no sentido horário para compensar a folga da engrenagem de comando. Tensor de correia sincronizadora VKM Ferramenta de tensionamento Posição de máximo tensionamento 5. Com a ferramenta de travamento, apertar as engrenagens do comando com torque de 110 Nm ou 11 kgfm (foto 4); 6. Recolocar a polia do virabrequim com torque de 180 Nm ou 18 kgfm; 7. Remover as ferramentas de sincronismo, de tensionamento e a ferramenta de fixação da árvore de manivelas; 8. Dar pelo menos dois giros manuais do motor e utilizar novamente a ferramenta para tensionamento da correia agindo sobre o tensor levando a sua marca de referência até a posição de trabalho (marca na face do tensor). No caso de divergências, repetir as operações anteriores; O produto VKM é aplicado no sistema de sincronismo dos motores VW AT 1.0 de 16 V que equipam os veículos Gol, Parati e Polo / Polo Sedan. Processo de desmontagem 1. Retirar os acessórios como: tampa de proteção do coletor, proteção plástica superior de sincronismo correia poli-v e velas (para evitar contra golpes); 2. Com auxílio de uma ferramenta especial, travar a polia do virabrequim e soltar seu parafuso de fixação. Retirar a polia do virabrequim; 3. Retirar a proteção plástica inferior da correia; 4. Movimentar o motor manualmente até que as engrenagens do comando estejam na posição de sincronismo (cavidades existentes nas engrenagens do comando de válvulas foto 1). Após posicionar o comando, com o auxílio de uma ferramenta especial, travá-las nessa posição (foto 2). Quando a correia estiver em perfeito sincronismo, o volante do motor estará na marca de zero grau (0 ) (foto 3); 23

24 Marcas de referência das engrenagens de comando 5 Tensionar no sentido horário (sentido da flecha) e apertar o parafuso de fixação com 20 Nm ou 2 kgfm Ferramenta para travar as engrenagens de comando 4. Retirar a ferramenta de travamento das engrenagens dos eixos de comando. Dar dois giros manuais completos no motor, logo após conferir atenciosamente a posição do tensor e as marcas de sincronismo. O tensor deve estar na posição de trabalho, caso não esteja, reajuste-o novamente e aperte com um torque de 20 Nm ou 2 kgfm; Posição de máximo tensionamento Marca de 0º (zero grau) no volante do motor 6 5. Soltar a porca do tensor utilizando uma chave allen 6 mm, afrouxando-o. Retirar a correia. Atenção: cuidado para não movimentar o motor bruscamente, pois o mesmo estará sem a correia de sincronismo, havendo possibilidade de colisão entre os pistões e as válvulas; 6. Limpar detalhadamente a caixa do sistema de sincronismo, evitando a presença de qualquer resíduo; Posição normal de trabalho 5. Se estiver tudo ok, reinstalar os acesórios retirados como: tampa plástica inferior e superior, montar a polia do virabrequim (com torque de 120 Nm ou 12 kgfm), correia poli-v e velas; 6. Após todas as peças auxiliares montadas, verificar o torque de aperto de todas as porcas e parafusos, ligar o veículo e certificar se não há ruído estranho. Em caso positivo, refazer todo o processo. Tensor de correia sincronizadora VKM Procedimentos de montagem 1. Instalar o novo tensor e a nova polia auxiliar; 2. Já com o sistema todo em sincronismo, comece a instalação da nova correia pela engrenagem do virabrequim no sentido anti-horário, tendo o cuidado para não movimentar o motor e perder o sincronismo. Atenção: cuidado para não dobrar ou vincar a correia, sob o risco de dano permanente; 3. Com auxílio de uma chave allen 6 mm, tensione o novo tensor no sentido horário até sua posição de máximo tensionamento e aperte de forma provisória; O produto VKM é aplicado no sistema de sincronismo dos motores 1.8 e V que equipam os veículos GM: Monza, Kadett, Ipanema e Vectra. Procedimentos de desmontagem 1. Retirar os acessórios como: tampa de proteção superior e inferior, correia do alternador, correia da direção hidráulica, correia do ar condicionado (se houver) e velas (para evitar contra golpes); 2. Retirar a polia do virabrequim e a capa plástica protetora da correia; 3. Girar manualmente o motor, de modo que a marca de referência existente na engrenagem do virabrequim fique alinhada com a marca de referência existente na carcaça da bomba de óleo (foto 1); 24 Install Confidence

25 1 4 Marca de sincronismo 4. A marca existente na engrenagem do comando de válvulas deverá alinhar-se com a marca de referência existente na tampa traseira da engrenagem de comando (foto 2); 5 Marca de sincronismo 5. Soltar e retirar a bomba d água; 6. Soltar e retirar a correia e o tensor. Atenção: não movimentar o virabrequim, pois o motor está sem a correia de sincronismo e com isso há risco de colisão entre pistões e válvulas; 7. Limpar detalhadamente evitando a presença de qualquer resíduo na caixa do sistema de sincronismo; Procedimentos de montagem 1. Limpar as faces de apoio da bomba d água e motor e substituir o O-ring e a bomba d água, visando a manutenção preventiva (foto 3); 6. Girar manualmente o motor, até completar no mínimo duas voltas, para equalizar a tensão na correia; 7. Importante: Aferir a correta tensão da correia colocando e retirando o pino de aferição manualmente. Caso haja dificuldade nesta operação, reposicionar a bomba d água até que o perfeito alinhamento dos furos A e B (foto 4). Caso ok, aperte a bomba d água de forma definitiva; 8. Recolocar todos os acessórios anteriormente desmontados. Atenção: Introduzir nova solução de arrefecimento, utilizando água destilada e desmineralizada e aditivo à base de etilenoglicol de qualidade comprovada na proporção indicada pelo fabricante do veículo. Tensor de correia sincronizadora VKM L 2. Fazer uma pré-montagem da bomba d água; 3. Instalar o tensor aplicando um torque de 25 Nm ou 2,5 kgfm nos parafusos de fixação; 4. Instalar a nova correia, começando pela engrenagem do virabrequim no sentido anti-horário, mantendo o perfeito sincronismo; 5. Tensionamento: Efetuar o posicionamento da bomba d água (foto 6), de modo que o pino de aferição do tensor (foto 5) possa ser retirado manualmente sem dificuldade. Atenção: a fácil retirada do pino representa o perfeito alinhamento entre os furos A e B da foto 4; O produto VKM L é aplicado no sistema de sincronismo do motores V, V, V, V e V. Esses motores equipam os veículos Fiat com motor GM V Dobló, Idea, Palio, Siena e Stilo, e veículos GM Agile, Astra, Blazer, Celta, Classic, Corsa, Ipanema, Kadett, Meriva, Montana, Monza, Prisma, S-10, Vectra e Zafira. Procedimentos de desmontagem 1. Retirar os acessórios como: tampa de proteção superior e inferior, correia de alternador, correia da direção hidráulica, correia de ar condicionado (quando houver foto 1) e as velas de ignição para evitar contra golpes (foto 2). 25

26 1 Foto 1 2 Procedimentos de montagem 1. Verificar o correto posicionamento da bomba d água e os outros pontos de sincronismo engrenagem do comando de válvula e virabrequim. 2. Instalar o novo tensor. 3. Instalar a nova correia dentada a partir da engrenagem do virabrequim no sentido anti-horário (manter a correia esticada do lado oposto do tensor). 4. Após a instalação da nova correia, com auxílio da chave allen de 6 mm atuar no tensor no sentido anti-horário até a marca máxima de tensão, fixar o tensor, girar manualmente o motor (no sentido horário) até completar no mínimo duas voltas completas. 5 Tensor em repouso Foto 2. Retirar 2 a polia do virabrequim e a capa plástica protetora da correia. 3. Girar manualmente o motor pelo virabrequim, de modo que a marca de referência existente na engrenagem do virabrequim fique alinhada com a marca da referência existente na carcaça da bomba de óleo (foto 3). 6 Tensor no ponto máximo de tensionamento 3 4. Com o virabrequim já alinhado com a marca da bomba de óleo Foto a 3 marca existente na engrenagem do comando de válvula, deverá ficar alinhada com a marca de referência existente na tampa traseira da engrenagem de comando (Foto 4) Após as duas voltas, conferir se os pontos de sincronismo do comando de válvula e virabrequim estão corretos, soltar o tensor e posicionar o mesmo na marca normal de trabalho (foto 7) e torquear o parafuso de fixação com 25,0 Nm ou 2.5 kgfm. Tensor no ponto normal de trabalho 7 Foto 4 5. Com auxílio de uma chave allen de 6 mm e uma chave fixa soltar o tensor, retirar a correia com cuidado para não movimentar o sistema, para não perder o sincronismo do virabrequim e comando de válvula. 6. Retirar o tensor. 7. Limpar detalhadamente a caixa do sistema de sincronismo, verificar possível vazamento de óleo, caso positivo, eliminá-lo, pois o produto derivado de petróleo em contato com a correia irá diminuir a vida útil da mesma. 6. Reinstalar os acessórios retirados anteriormente. 7. Ligar o veículo e observar se há algum ruído. 26 Install Confidence

27 VKM L Marca sincronismo comando de válvula Bomba d água Tensor Acionar o tensor no sentido anti-horário Marca sincronismo virabrequim 27

28 Tensor de correia sincronizadora VKM O produto VKM 4617 é aplicado no sistema de sincronismo dos motores Renault D4D V e D4F V, esses motores equipam os veículos Renault Clio, Twingo e Peugeot 206. Procedimentos de desmontagem 1. Retirar os acessórios como: correia de alternador, correia da direção hidráulica, correia de ar condicionado (quando houver foto 1), as velas de ignição para evitar contra golpes e a tampa de proteção superior. 2. Soltar o polia do virabrequim e retirar a capa de proteção. 3. Movimentar o motor manualmente no sentido de rotação do motor até que a marca da engrenagem de comando alinha-se com a marca existente na parte superior da capa (figura 1), dessa forma a referência existente na engrenagem do virabrequim irá alinhar-se com a marca da capa na parte inferior (verificar esquema na página 29). 1 Sentido correto de tensionamento 4. Retirar a ferramenta de travamento do virabrequim, girar o motor em 6 voltas manualmente no sentido horário até alinhar os pontos de sincronismo novamente. 5. Desapertar a porca e ajustar o tensionador na marca de trabalho (marca normal) e torquear o tensor com 30 Nm. 6. Reinstalar a capa de proteção. 7. Reinstalar a polia do virabrequim com 40 Nm ou Reinstalar o com acessórios retirados. Indicador de manutenção O Peugeot 206 possui um indicador de manutenção, quando faltarem menos de 1000 km ou o prazo de revisão do veículo expira, esse indicador se acende por 5 segundos toda vez que o veículo é ligado. Após troca da correia dentada Reset Peugeot Com a chave desligada (ignição), pressione o botão (a) do painel e mantenha-o pressionado. 2. Sem soltar o botão ligue a chave de ignição, em seguida começará uma contagem regressiva de 10 segundos, quando o display marcar 0, o indicador de manutenção apagará. 3. Solte o botão (a), desligue a chave de ignição Engrenagem de comando Alinhar referência da engrenagem de comando e a marca da capa superior. Display contagem regressiva 4. Soltar o tensionador e com o auxílio de uma chave allen de 6 mm volte-o na posição de mínima tensão (trava o tensor com o pino de aprox. 1 mm de diâmetro). 5. Com o tensionador travado, retirar a correia e após a correia retire o tensionador velho. 6. Limpar detalhadamente a caixa do sistema de sincronismo, verificar possível vazamento de óleo, caso positivo, eliminá-lo, pois o produto derivado de petróleo em contato com a correia irá diminuir a vida útil da mesma. Procedimentos de montagem 1. Instalar o novo tensionador (não retirar o pino que trava o mesmo). 2. Instalar a nova correia no sentido anti-horário iniciando pela engrenagem do virabrequim, bomba d água, engrenagem de comando e tensionador. Atenção: obedecer o sentido das setas e as marcas da correia deverá alinhar-se com as marcas de sincronismo. 3. Após a instalação da correia, destravar o tensionador e com o auxílio de uma chave allen 6 mm tensionar o mesmo no sentido anti-horário (sentido da indicação do tensionador foto 2) até que a posição de máxima tensão torqueie a porca com 20 Nm provisoriamente. 28 Install Confidence Botão (a)

29 VKM 4617 Engrenagem de comando Alinhar referência da engrenagem de comando e a marca da capa superior Tensionar o VKM 4617 no sentido anti-horário Bomba d água VKPC Engrenagem de virabrequim Alinhar a referêancia da engrenagem do virabrequim com a marca da capa inferior 29

30 Tensor de correia sincronizadora VKM 4797 O produto VKM 4797 é aplicado no sistema de sincronismo do Honda Civic equipado com motores Civic 1.7 e 1.7 Vtec equipados com motores D17A, D17A8, D17A5 e D17A9. Procedimentos de desmontagem 1. Retirar os componentes elétricos e mecânicos como: sensor de temperatura do ar, bobinas de ignição, proteções e acessórios; 2. Girar o motor manualmente pelo virabrequim até que a marca UP da engrenagem do comando de válvula fique voltada para cima (foto 1); 1 9. Girar o virabrequim até a marca de engrenagem coincida com a referência gravada no motor (seta gravada na carcaça do motor) (foto 4). 4 Procedimentos de montagem 1. Instalar o novo tensor inicialmente livre de torque e com o pino de trava; 2. Instalar a nova correia no sentido anti-horário começando pela engrenagem do virabrequim, passando pelo tensor, bomba d água e terminando no comando de válvula; 3. Colocar a mola tensionadora da correia em sua haste (foto 5); 5 3. Retirar a mola do tensor com ferramenta adequada (gancho para molas) (foto 2). Depois soltar o parafuso de fixação do tensor; 2 4. Retirar a correia de sincronismo; 5. Retirar o tensor antigo (usado); 6. Inspecionar as engrenagens do comando de válvulas, a engrenagem do virabrequim e a bomba d água; 7. Limpar a caixa de sincronismo com muito rigor, evitando a presença de qualquer resíduo de óleo ou contaminantes; 8. Girar o comando de válvula até que a marca gravada na parte traseira da engrenagem coincida com a superfície do cabeçote (foto 3); 4. Conferir os pontos de referências de sincronismo: marca traseira da engrenagem do comando de válvula e engrenagem do virabrequim; 5. Girar o motor manualmente 10 vezes no sentido anti-horário, verificando as marcas de sincronismo do motor; 6. Fixar o tensor com torque de 35 Nm ou 3,5 kgfm; 7. Retirar o pino de travamento do tensor; 8. Se tudo estiver ok, reinstalar as peças anteriormente desmontadas e testar o motor. Em caso de ruído estranho, refazer os procedimentos de montagem. Atenção: Torquear o parafuso de fixação com 3,5 kgfm somente após toda montagem e retirar o pino de travamento do tensor após fazer todo o procedimento de montagem e com o tensor torqueado 3 Foto 3 30 Install Confidence

31 VKM 4797 UP Engrenagem de comando Alinhar a referência da engrenagem do comando com a marca da capa inferior Bomba d água VKPC Tensor VKM 4797 Engrenagem de comando Alinhar a referência de sincronismo da engrenagem do virabrequim 31

32 Análise de Falhas 4 1 Problema apresentado: Indicador de tensão do tensor quebrado. Causa provável: Regulagem incorreta da tensão durante a montagem ocasionado pelo contato indevido entre o ponteiro e o limitador (batente). Solução: Observar o correto procedimento de montagem de acordo com o manual de montagem do fabricante do veículo, na sua falta verificar o manual de montagem SKF. 2 Problema apresentado: Indicador de tensão quebrado. Causa provável: O indicador de tensão entrou em contato com o limitador de posição mínima. Como resultado, ocorreu a quebra desse indicador de tensão, devido à regulagem incorreta do produto. Solução: Regular corretamente a tensão da correia. Problema apresentado: Amassamento / deformações na polia. Causa provável: Danificação durante a montagem causada por uso de ferramenta não indicada ou manuseio inadequado do produto. Solução: Cuidados no procedimento de montagem e manuseio do produto. 5 Problema apresentado: Presença de óleo no sistema de sincronismo. Causa provável: Vazamento de óleo através dos retentores do sistema de sincronismo, entrando em contato com a correia e tensor. Solução: Verificar as condições dos retentores do sistema de sincronismo e substituir aqueles que estiverem em más condições. Polia 6 Tensor hidráulico 3 Problema apresentado: Motor totalmente danificado (Audi 1.8 T 20 V). Causa provável: Quebra da polia e suas consequências, devido a falta de substituição do tensor hidráulico, já com vazamento. Solução: Durante a manutenção do sistema é imprescindível a troca da polia e do tensor hidráulico. Problema apresentado: Deslocamento da correia em relação a polia. Causa provável: Assento irregular de um dos componentes do sistema de sincronismo ou desgaste dos dentes da engrenagem de comando / virabrequim. Solução: Verificar perfeito assentamento de todos os componentes do sistema de sincronismo e eventual desgaste dos dentes da engrenagem de comando / virabrequim. 7 Problema apresentado: Barulho com frequência de batidas seguido da quebra do ponteiro móvel. Causa provável: Regulagem incorreta da tensão da correia. Solução: Regular a correta tensão da correia através do ajuste da bomba d água conforme indicação do manual de montagem do fabricante do veículo. Na sua falta, verificar o manual de montagem SKF. 32 Install Confidence

33 8 11 Problema apresentado: Ruído (chiado). Causa provável: Tensão excessiva na correia, seguido de seu deslocamento. Solução: Tensionar e inspecionar o correto procedimento conforme indicação do manual de montagem do fabricante do veículo. Na sua falta, verificar o manual de montagem SKF. Problema apresentado: Superaquecimento da face da polia podendo travar. Causa provável: Inversão das arruelas de montagem. Solução: Instalar as arruelas de montagem na seguinte posição: de 2 mm entre a polia e o motor e de 4 mm entre a polia e a tampa de proteção, conforme indicado no manual de montagem do fabricante do veículo. Na sua falta, verificar o manual de montagem SKF. 12 Problema apresentado: Prensença de marcas de fios de rosca no furo do tensor. Causa provável: Torque insuficiente ou parafuso de fixação empenado. Solução: Aplicar o torque correto no parafuso e substituí-lo quando necessário. 10 Problema apresentado: Travamento abrupto seguido de superaquecimento. Causa provável: Excesso de tensão Solução: Tensionar e inspecionar o correto procedimento conforme indicação do manual de montagem do fabricante do veículo. Na sua falta verificar o manual de montagem SKF. 13 Problema apresentado: Correia com desgaste lateral acentuado com possibilidade de quebra. Causa provável: Danificação no alojamento da cabeça do prisioneiro (placa de fixação motor Fiat V). Solução: Troca da placa de fixação. Problema apresentado: Marca de escorregamento da correia no tensor, provocando superaquecimento na polia do tensor. Causa provável: Tensor ajustado no sentido incorreto (sentido contrário da seta). Solução: Respeitar e fazer o tensionamento do tensor no sentido correto da indicação (seta) gravado na face do tensor. 33

34 34 Install Confidence

35 Atuadores hidráulicos, cilindros mestre e escravo

36 Atuador Hidráulico de Embreagem VKCH 3102 Produto aplicado nos veículos GM com câmbio F-17 (identificação do câmbio pode ser localizado na tampa lateral); Astra / Zafira Meriva Vectra Montana Novo Corsa É de extrema importância seguir as recomendações de manuseio, desmontagem e fixação do motor ou câmbio utilizando ferramentas adequadas, a fim de executar o serviço com segurança, agilidade e precisão. Procedimentos de desmontagem 1. Levantar o veículo; 2. Retirar o agregado (quadro) da suspensão; 3. Soltar o engate rápido da tubulação do atuador; 4. Soltar / Retirar o câmbio ou motor; 5. Soltar / Retirar o atuador danificado; 6. Limpar toda a caixa seca do câmbio, retirar o O-ring. Recomendações para instalação do atuador VKCH 3102 Salientamos alguns cuidados necessários na substituição desse atuador, para não ocorrer danos internos, por exemplo: vazamento na base, vazamento no corpo (eixo piloto) ou até mesmo a ocorrência de desmontagem de todo o conjunto do atuador. Trava de segurança deverá ser retirada após a montagem do atuador na caixa seca do câmbio. Na extremidade do corpo metálico central, existe um anel de alumínio que faz o travamento de todo o conjunto do atuador. Esse anel é muito sensível, caso esse anel de alumínio se solte, imediatamente o atuador se desmontará impossibilitando a execução da montagem. Evitar desalinhamento ao montar o atuador sobre o eixo piloto. Anel de alumínio Procedimentos de montagem 1. Sempre substituir o anel O-ring localizado entre o atuador e a base do câmbio, a não substituição deste anel poderá causar vazamento na base do atuador. Atenção: esse anel O-ring já acompanha o produto SKF (foto1); O-ring: montar com vaselina. Jamais usar graxa. 1 Atenção: jamais acione o atuador manualmente sem a trava de segurança (trava vermelha), esse movimento poderá deslocar a vedação interna provocando vazamento na base. 2. Instalar o atuador e apertar os 3 parafusos de fixação com torque de 10 Nm ou 1 kgfm. Importante salientar que o torque nos parafusos de fixação seja feito de forma gradativa, para que não deforme a base do atuador; 36 Install Confidence

37 Atenção: Retirar a trava de segurança após a montagem do atuador na caixa seca do câmbio. Parafuso de fixação, torque de aperto 10 Nm ou 1 kgfm 3. Conectar o novo atuador à tubulação do sistema através do engate rápido (pressionar o engate até perceber o Click ). Atenção: antes de conectar o novo atuador à tubulação, verificar se a vedação da conexão do atuador velho não permaneceu no alojamento da tubulação; 2 7. Recolocar o agregado (quadro), a suspensão e testar o veículo. Desmontagem e montagem do cilindro mestre e cilindro escravo (Sem parafuso sangrador) Este procedimento de sangria é válido para o sistema semihidráulico de embreagem que não possuem parafusos de sangria. Os veículos que possuem este sistema são: Chrysler Dakota 2.5 L / 3.9 L, Ford F , F , F (99...); F-250 / F-350 e F todos fabricados a partir de Empurrar a haste do cilindro escravo para dentro e retirar o fixador plástico (foto 1); 1 3 Vedação do engate rápido. Certificar-se que a vedação do engate rápido usado tenha sido removida. 2. Inclinar o cilindro em aproximadamente 45 e preencher toda a câmara do cilindro escravo com fluído para eliminar o ar do cilindro. Aplicar fluído DOT 4 ou DOT 5 de qualidade comprovada (fotos 2 e 3); Retirar a trava de segurança do atuador (foto 2) e instalar o câmbio no motor; 5. Escoar totalmente o sistema. Atenção: nunca misturar os fluídos. Aplicar somente fluído DOT 4 ou DOT 5 de qualidade comprovada; 6. Sangrar o sistema hidráulica de embreagem, conforme o procedimento abaixo: Procedimento para sangria do sistema de embreagem a) Acionar o pedal de embreagem até o fim do curso e mantê-lo pressionado. Atenção: pisar de forma contínua, sem bombar ; b) Abrir o sangrador e mantê-lo aberto até a saída do fluído, em seguida feche-o; Atenção: substituir todo o volume de fluído do sistema. c) Soltar o pedal e deixá-lo voltar totalmente até o ponto inicial (repouso). Jamais exercer movimentos parciais e bruscos no pedal de embreagem; d) Repetir os passos anteriores se necessário, até que não haja mais ar no sistema. Atenção: o pedal oferecerá resistência quando o sistema estiver ok; 3. Com o cilindro mestre já todo cheio de fluído, conectar a tubulação do reservatório (A) para o cilindro mestre e também a tubulação (B) do cilindro mestre para cilindro escravo. Atenção: não esquecer de substituir os anéis O-rings; 4. Com a tubulação do reservatório e a do cilindro escravo já conectada no cilindro mestre, preencher agora o reservatório até o fluído sair na extremidade da tubulação do cilindro escravo (B), em seguida tampar a extremidade; 5. Para preencher o cilindro mestre de fluído repita o 1 e 2 passos; 6. Já com o cilindro escravo todo preenchido de fluído, conectar a tubulação do cilindro mestre ao cilindro escravo, agora com o circuito todo preenchido de fluído; 7. Com o circuito todo ligado, deixar o cilindro escravo na posição vertical e mais baixo que o cilindro mestre, acionar a haste do cilindro escravo para cima e para baixo (aprox. 10 a 15 vezes), executar movimentos lentos e contínuos, dessa forma, todas as bolhas de ar que restaram no circuito sairão pelo reservatório; 8. Verificar se o sistema está ok. Com o sistema todo interligado, preenchido de fluído e com a haste recuada, recolocar o fixador plástico do cilindro escravo e acionar a haste do cilindro mestre. Se o sistema estiver ok, a haste não movimentará mais que 2 mm, caso contrário, repetir o 7 passo novamente; 37

38 9. Agora com o circuito todo preenchido de fluído e testado, podemos instalá-lo no veículo (Verificar sistema hidráulico pág. 44). Atenção: instalar o sistema hidráulico todo interligado. Sistema de embreagem hidráulico em geral Introdução Aplicar no circuito somente DOT 4 ou DOT 5 de qualidade comprovada. Substituir por novo todo o fluído do sistema; Nos veículos GM S-10 / Blazer motores MWM e Ford Ranger 2.3, quando se tratar de embreagem auto-ajustável, esta deverá ser reposicionada na posição original (nova), sempre que se substituir o atuador. Caso não seja feito, a consequência será: pedal duro e patinação de embreagem; No caso da S-10 ou Blazer 4 cil. gasolina ou 6 cil. até 2000, ao se substituir o cilindro mestre, trocar também o atuador se o veículo apresentar um atuador de corpo metálico. Caso não seja feito, a consequência será: dificuldade no engate após um período; Nos cilindros sem parafuso sangrador e com fixador plástico, este deverá ser retirado para o preenchimento da câmara do cilindro e posteriormente recolocado. Além de fixar a haste ao cilindro durante o transporte, este fixador é fundamental para evitar o contato metálico entre a extremidade da haste e a alavanca (garfo) de acionamento do rolamento de embreagem. Ele irá romper-se naturalmente durante o seu primeiro acionamento. Caso não seja feito, a consequência será: ar no sistema; Atenção: em caso de suspeitas de vazamento no atuador, antes de enviá-lo para análise, recomendamos que um teste, fora do veículo, seja realizado: conectar o cilindro mestre ao atuador, pressionar a haste de 6 a 8 vezes. No caso de não vazamento, o atuador irá travar em função da elevada pressão interna, no caso de vazamento, enviá-lo a SKF. Cilindro mestre Procedimentos de Desmontagem 1. Desconectar a haste do pedal de embreagem e o interruptor de segurança, se houver; 2. Remover o cilindro mestre, desconectando-o cuidadosamente do painel frontal e observar sua posição original; 3. Remover o pino elástico da conexão da tubulação x cilindro mestre com auxílio de um punção de 3 mm de diâmetro; 4. Escoar totalmente o sistema de resíduos de fluído antigo. Procedimentos de montagem 1. Instalar novo cilindro mestre no painel de fogo e observar o perfeito alinhamento da haste; 2. Instalar o tubo no novo cilindro mestre, não esquecendo de substituir o anel O-ring e o pino elástico novos que acompanham o produto. Retirar a tampa do reservatório com diafragma e preencher todo o sistema com novo fluído DOT 4 e DOT 5 de qualidade comprovada; 3a. Sangria do cilindro mestre: Com um punção sem ponta, pressionar o mecanismo interno do engate rápido da tubulação, mantendo-o nesta posição, de forma a liberar o fluído, até que seu fluxo seja uniforme (sem bolhas de ar); neste momento liberar o punção interrompendo o fluxo do fluído; 3b. Sangria do atuador: Manter pressionado o pedal, soltar lentamente o parafuso sangrador e observar a eliminação total do ar através do fluxo contínuo (sem fluxo de ar). Apertar este parafuso com 1,0 kgfm e liberar o pedal da embreagem. Havendo dificuldade para engatar, repetir esta operação por três vezes; 4. Recolocar a tampa do reservatório com diafragma não esquecendo de completar o seu nível. Atuador hidráulico Procedimentos de desmontagem 1. O acesso ao atuador requer a desmontagem e posterior montagem do sistema de transmissão. Consulte o manual do fabricante do veículo; 2. Limpar a tubulação, desconectar o tubo do atuador hidráulico pelo engate rápido; 3. Retirar a transmissão; 4. Desmontar o atuador de transmissão. Procedimentos de montagem 1. Instalar o novo atuador hidráulico e observar a limpeza do conjunto e sua correta fixação, com torque de aperto nos parafusos de 1,0 kgfm; 2. Observar o perfeito alinhamento da alavanca de acionamento; 3. Substituir sempre todo o fluído do sistema por um novo, utilizando DOT 4 ou DOT 5 de qualidade comprovada. Jamais reaproveite o fluído usado na sangria. Não utilize fluído de transmissão, óleo de motor, óleo de direção hidráulica ou óleo mineral para esta operação, pois danificam o pistão de acionamento devido ao ataque químico nos componentes de borracha; 4. Manter pressionado o pedal ( sem bombar ), soltar lentamente o parafuso sangrador e observar a eliminação total do ar através do fluxo contínuo do fluído (sem bolhas de ar). Apertar este parafuso com 0,5 kgfm e liberar o pedal da embreagem. Havendo dificuldade para engatar, repetir esta operação; 5. Verificar e completar o reservatório, toda vez que se sangrar o sistema. Cilindro escravo Procedimentos de desmontagem 1. Desconectar o cilindro escravo da transmissão; 2. Desconectar a tubulação com auxílio de um punção de 3 mm sobre o pino elástico e drenar todo o fluído do sistema. Procedimentos de montagem 1. Substituir o cilindro escravo por novo, assegurando-se de que a haste esteja bem alojada na alavanca de acionamento do rolamento de embreagem. Caso esse cilindro possua parafuso sangrador, não corte ou remova o fixador plástico que retém a haste, pois além de fixar a haste do cilindro durante o transporte, mantém a haste na posição de montagem. O fixador plástico se romperá no primeiro acionamento; 2. Reconectar a tubulação ao cilindro. Substituir o pino elástico e o anel O-ring, que acompanha o produto; 3. Sangria do sistema: Manter pressionado o pedal ( sem bombar ), soltar o parafuso sangrador e observar a eliminação das bolhas de ar; repetir esta operação por várias vezes, até a ausência total do ar do sistema e perfeito engate das marchas. 38 Install Confidence

39 Revisão final do sistema Acionar o pedal de embreagem engatando a 1ª e a Ré diversas vezes, verificando se não há dificuldade de engate. Caso afirmativo, repetir o processo de sangria. Cilindro mestre e atuador hidráulico de embreagem VKCH e VKCH É de extrema importância seguir as recomendações de manuseio, desmontagem e fixação do motor ou câmbio utilizando ferramentas adequadas, a fim de executar o serviço com segurança, agilidade e precisão. Desmontagem Cilindro Mestre VKCH Soltar e remover o painel de acabamento inferior da coluna de direção; 2. Soltar e remover os cinco parafusos e o painel de reforço; 3. Desconectar o conector elétrico do interruptor CPP de posição do pedal de embreagem; Atenção: cuidado para não derramar fluído de freio nas superfícies pintadas e de plástico, pois o fluído é prejudicial a estas superfícies. Caso ocorra algum acidente lavar a peça imediatamente com água; Montagem Cilindro Mestre VKCH Para esta aplicação do cilindro mestre, devemos fazer a sangria fora do veículo (antes da sua instalação no mesmo), uma vez que a sua posição de trabalho inclinada facilita a retenção de ar no sistema hidráulico de embreagem. Com isso recomendamos fazer a sangria desse cilindro conforme procedimento de Sangria. Atenção: jamais lave ou limpe os componentes do sistema de embreagem hidráulico com solventes derivados de petróleo, pois os componentes de borracha que compõem o atuador, cilindro mestre e cilindro escravo se expandem, provocando assim o travamento dos mesmos, causando um endurecimento no pedal e patinação da embreagem. Procedimento de sangria Cilindro Mestre 1. Instalar o reservatório e a tubulação do atuador no novo cilindro mestre; 2. Com o cilindro mestre inclinado em 45, preencher o reservatório com fluído DOT 4 ou superior de qualidade comprovada e com a haste voltada para baixo; 3. Conectar a tubulação principal ao cilindro mestre. Com uma ferramenta apropriada, empurrar a válvula de retenção localizada na extremidade da tubulação (foto 1. engate rápido). Importante: manter sempre a válvula voltada para baixo; 1 Engate rápido Fiação elétrica a ser retirada. 4. Desconectar a haste do cilindro mestre da embreagem do pedal; 5. Remover o interruptor CPP: 1. Dobras as liguetas de travamento e puxar a presilha para frente. 2. Girar e remover o interruptor CPP da haste do cilindro mestre da embreagem. 6. Soltar o reservatório do fluído; 7. Soltar e remover o protetor de respingos interno do páralama; 8. Soltar a presilha da linha hidráulica ao retentor da estrutura. Destravar e remover o conjunto do cilindro mestre da embreagem. Pressionar o cilindro mestre da embreagem contra o painel de fogo e girar 45 em qualquer sentido. Para removê-lo, puxá-lo para trás; 9. Remover o reservatório, a linha hidráulica e o cilindro mestre de embreagem como um conjunto. Válvula do engate O-ring 4. Deixar escorrer o fluído pela válvula do engate rápido até que não haja mais ar no sistema hidráulico de embreagem, retire a ferramenta da válvula do engate rápido. Não deixe faltar fluído no reservatório, pois isso criará novas bolhas de ar no sistema hidráulico. Verifique as condições do anel O-ring e do engate rápido e mantenha-os sempre limpos. 5. Verificar se há ar no sistema hidráulico: para fazer esta verificação é necessário acionar o cilindro, sendo que o êmbolo não poderá se movimentar mais que 2mm; 6. Após fazer os passos anteriores com sucesso, colocar a tampa do reservatório e o sistema estará pronto para ser reinstalado no veículo (verificar sistema hidráulico página 44). Atenção: para o sistema instalado no veículo, é possível fazer a seguinte verificação: mantendo o cilindro mestre na posição inicial (inclinado), (passo 2) acionar manualmente o cilindro com movimentos leves e contínuos, observar as bolhas de ar saindo no reservatório. Repetir esse método de acionamento por várias vezes até que não saia mais ar pelo reservatório. Jamais deixe faltar fluído no reservatório. 39

40 Atuador VKCH Novo atuador Procedimentos de desmontagem 1. Com uma ferramenta especial, desconectar a linha hidráulica do atuador (foto 1); Engate rápido a ser retirado Para retirar a tubulação principal, empurrar o plástico branco para dentro da conexão do atuador (foto 2); Ferramenta especial para retirar a tubulação do atuador Reinstalar e apertar o câmbio; 3. Reinstalar o cardan traseiro e o dianteiro quando houver; 4. Sangrar o atuador pelo parafuso sangrador conforme o procedimento a seguir: a Pisar no pedal de embreagem, mantendo-o pressionado; b Abrir o parafuso sangrador do atuador e deixar o fluído sair. Repetir este processo até que não saia mais ar do sistema. Verificar sistema de embreagem na página 44. Recomendações para instalação do atuador VKCH 4896 Para sistema VALEO: Veículos Fiat motor 1.8 até 2005 Utilizar o atuador hidráulico e todos os componentes que estão no saco plástico que acompanha o atuador. 3. Soltar e remover o cardan traseiro e o dianteiro quando houver; 4. Soltar e remover o câmbio; 5. Soltar e remover o atuador antigo; Guardapó Retirar o atuador velho e limpar a caixa seca antes de instalar o novo atuador. 3 Adaptador O-ring 6 x 2 6. Limpar toda a caixa seca. Procedimentos de Montagem 1. Instalar e apertar o novo atuador com torque de 1,0 kgfm; O-ring 6 x 1,4 Grampo compatível com o sistema VALEO Para sistema LUK: Veículos Fiat motor 1.8 a partir de Install Confidence

41 Aplicar Atuador Guardapó O-ring 6 x 2 Reaproveitar Adaptador Grampo para sistema LUK Procedimentos de instalação para Sistemas VALEO e LUK 1. Limpar a face de contato do câmbio com o atuador e assegurar seu perfeito assentamento. Efetuar a limpeza da superfície do eixo piloto, para evitar a danificação do lábio do retentor do atuador. 2. Efetuar a instalação do adaptador no atuador. Aplicar o silicone Ultra Black (Loctite 5900) conforme foto 1. Garantir a perfeita centralização do atuador na carcaça do câmbio e encostar os 2 parafusos de forma alternada e gradativa até o final de curso. Aplicar o torque final de 1,0 kgfm. Deve-se também tomar os devidos cuidados para não danificar o lábio do retentor traseiro do atuador, evitando-se o vazamento do óleo de câmbio. 4. Efetuar a sangria do sistema de embreagem, utilizando somente fluído DOT 4 ou DOT 5 de qualidade comprovada, substituindo todo o volume do sistema hidráulico e seguindo as orientações abaixo: a) Acionar o pedal de embreagem até o fim de curso e mantenha-o pressionado, sem bombar. b) Abrir o sangrador e mantê-lo aberto até a saída do fluído, em seguida fechar. c) Soltar o pedal e deixá-lo voltar totalmente até o ponto inicial (repouso). Jamais exercer movimentos parciais e bruscos no pedal de embreagem. d) Repetir os passos anteriores se necessário até que não haja mais ar no sistema. O pedal oferecerá resistência quando o sistema estiver ok. Recomendações para instalação do atuador VKCH 4750 Nos casos em que os dois furos da caixa seca apresentarem diâmetros de 17 mm, alargá-los para diâmetros de 21 à 24 mm (foto 1) para passagem do CSC, pode-se utilizar uma lima redonda ou uma broca de aço rápido. 1 1 Utilizar este adaptador (foto 2) quando a tubulação do engate do atuador for de 11 mm. 3. Para o sistema VALEO, efetuar a instalação dos anéis O-rings 6 x 2 e 6 x 1,4 no flexível, conforme foto 2. Em seguida, conectar o flexível ao adaptador utilizando o grampo de fixação que acompanha o produto, conforme foto 3. Atenção: Para o sistema LUK, deve-se utilizar somente o anel O-ring 6 x 2 que acompanha o produto (foto 2) e reaproveitar o grampo de fixação que está no veículo. 2 O-ring 6x2 O-ring 6x Para uma perfeita sangria do sistema de embreagem semihidráulico e hidráulico. Seguir as recomendações do fabricante do veículo, na ausência destas, recomendamos seguir os passos abaixo: Antes de começar a sangria verifique o nível de fluído do reservatório. Nunca reutilize fluído retirado do sistema hidráulico ou qualquer fluído de origem mineral, pois esse tipo irá danificar os componentes. Sempre utilize fluído novo DOT 4 ou DOT 5 de qualidade comprovada. Grampo compatível com o sistema VALEO 41

42 1. Solte o sangrador do atuador deixe o fluído descer por gravidade, até que não se perceba a presença de bolhas de ar, apertando o parafuso em seguida. 2. Acione o pedal até o final e mantenha-o pressionado. 3. Abra novamente o sangrador e mantenha-o aberto até a saída do fluído já sem bolhas de ar, após isso, aperte-o. 4. Solte o pedal e deixe-o voltar na sua posição de repouso (ponto inicial). Jamais exerça movimentos rápidos e/ou parciais no pedal de embreagem (nunca bombear o pedal). 5. Caso o veículo ainda apresente dificuldade no engate das marchas, refaça os passos 2, 3 e 4. Análise de falhas 1 4 Problema apresentado: Vazamento do corpo do atuador seguido da ruptura da vedação interna (pistão). Causa provável: Procedimento de sangria incorreto (movimentos rápidos, bombar, e / ou acionamento parcial do pedal). Solução: Fazer a sangria correta do sistema conforme instruções da bula que acompanha o produto (nunca bombar o pedal). 5 Problema apresentado: Diafragma da tampa do reservatório deformada (mole e inchada). Causa provável: Uso de um fluído inadequado (base mineral) ou mistura de fluído novo com o velho. Solução: Utilizar fluído DOT 4 ou DOT 5 de qualidade comprovada (sintético) e não misturar fluído novo com o velho. 2 Problema apresentado: Vazamento na base do atuador. Causa provável: Não substituição do anel O-ring localizado na caixa seca do câmbio. Solução: Sempre substituir o anel O-ring usado. O novo anel é fornecido juntamente com o atuador SKF. 6 Problema apresentado: Coifa do atuador deformada (mole e inchada). Causa provável: Uso de um fluído inadequado (base mineral) ou mistura de fluído novo com o velho. Solução: Utilizar fluído DOT 4 ou DOT 5 de qualidade comprovada (sintético) e não misturar fluído novo com o velho. 3 Problema apresentado: Vazamento na base do atuador. Causa provável: Manuseio incorreto do atuador sem a trava de segurança gerando o deslocamento do vedador interno. Solução: Nunca manusear o atuador sem a trava de segurança antes de sua montagem na caixa seca do câmbio. 7 Problema apresentado: Corpo e coifa deformados, enforcado. Causa provável: Não reposicionamento do platô durante processo de instalação ou platô com defeito. Solução: A cada troca do atuador hidráulico, é necessário reposicionar o platô da embreagem na posição de nova ou trocar o platô. Problema apresentado: Vazamento no corpo do atuador. Causa provável: Uso de um fluído inadequado (base mineral) ou mistura de fluído novo com o velho. Solução: Utilizar fluído DOT 4 ou DOT 5 de qualidade comprovada (sintético) e não misturar fluído novo com o velho. 42 Install Confidence

43 8 9 Problema apresentado: Vazamento no corpo do atuador ou dificuldade no momento da sangria como: pedal duro, obstrução na tubulação de fluído. Causa provável: Presença da antiga vedação de borracha do engate rápido na conexão. Solução: Certifique-se de que a vedação de borracha do engate rápido do antigo atuador não ficou dentro da conexão. Problema apresentado: Vazamento na base do atuador. Causa provável: Assento irregular no câmbio devido à não desmontagem total entre motor e câmbio. Solução: Desacoplar totalmente motor e câmbio para uma perfeita montagem do atuador. 43

44 Sistema de embreagem (sem parafuso sangrador) Sistema de embreagem VKCH Reservatório Tubulação principal Cilindro mestre (pedal) Haste Folga até 2 mm Engate rápido da tubulação Parafuso sangrador Tubulação Atuador 44 Install Confidence

45 Semi-eixos, coifas e juntas homocinéticas

46 Descrição dos componentes: Semi-eixo e juntas homocinéticas Juntas homocinéticas Tipos de Fixação O semi-eixo é um dispositivo mecânico que transfere torque para as rodas, permitindo seu giro em velocidade constante com as flutuações de movimento (solavancos e esterçagem). Esta peça também está sujeita à forças de torção e tensões de cisalhamento. Em alguns casos podemos montar o anel ABS passivo no sino da junta homocinética. Semi-eixo T1. Trava interna: Ranhura na posição interior, na extremidade do eixo. Pode ser de difícil remoção. Juntas homocinéticas Fixa T2. Trava externa: Trava no anel fixado no lado externo. É de fácil remoção. T3. Trava intermediária: Anel fixado na posição mediana. Dependendo da forma da ranhura, pode ser de difícil remoção. Juntas homocinéticas Deslizante 46 Install Confidence

AJUSTADORES AUTOMÁTICOS DE FREIO JUNHO 2012

AJUSTADORES AUTOMÁTICOS DE FREIO JUNHO 2012 AJUSTADORES AUTOMÁTICOS DE FREIO JUNHO 2012 Conheça o funcionamento, diagnóstico e reparo do ajustador de freio automático, um componente primordial para segurança, aplicado em veículos pesados. Que a

Leia mais

Embalagem Breve histórico: Nytron é uma empresa líder no mercado de reposição de polias e tensionadores; Produzindo 306 itens para reposição; Abastece todo mercado nacional,através dos mais importantes

Leia mais

PROCEDIMENTO DE MONTAGEM PASSO A PASSO

PROCEDIMENTO DE MONTAGEM PASSO A PASSO 3189P RETENTOR APLICADO NO CUBO DE RODA TRASEIRO DO EIXO MÉRITOR 1) Após desmontagem e limpeza do cubo, verificar o estado do alojamento do mesmo. 5) O retentor deverá ser aplicado até o encosto final

Leia mais

Manual Técnico de Correias Dentadas Veículos Nacionais e Veículos Franceses

Manual Técnico de Correias Dentadas Veículos Nacionais e Veículos Franceses 1 Manual Técnico de Correias Dentadas Veículos Nacionais e Veículos Franceses www.contitech.com.br/aam Apresentação Carta ao leitor Amigo reparador: Mais uma vez a Continental ContiTech vem até você para

Leia mais

Carolina Vilanova. 26/12/13 www.omecanico.com.br/modules/revista.php?action=printout&recid=423. Desmontagem e dicas da caixa VW

Carolina Vilanova. 26/12/13 www.omecanico.com.br/modules/revista.php?action=printout&recid=423. Desmontagem e dicas da caixa VW Desmontagem e dicas da caixa VW Vamos apresentar nessa reportagem as características, dicas de manutenção, desmontagem e montagem da caixa de câmbio MQ200, que em suas várias aplicações, equipa a maioria

Leia mais

A manutenção preventiva é de suma importância para prolongar a vida útil da máquina e suas partes. Abaixo, algumas dicas de manutenção preventiva:

A manutenção preventiva é de suma importância para prolongar a vida útil da máquina e suas partes. Abaixo, algumas dicas de manutenção preventiva: Manutenção Preventiva e Corretiva de Rosqueadeiras Manual de Manutenção: Preventivo / Corretivo Preventivo: Toda máquina exige cuidados e manutenção preventiva. Sugerimos aos nossos clientes que treinem

Leia mais

Cadastre-se! para receber as próximas edições do RAVENEWS! CREDENCIAMENTO. suporte@ravenferramentas.com.br

Cadastre-se! para receber as próximas edições do RAVENEWS! CREDENCIAMENTO. suporte@ravenferramentas.com.br Ravenews nº 11 - Ano 03 - Dezembro de 2002 - O sucesso de sua oficina começa aqui! Substituição da correia dentada do motor Renault 1.6 16V Pág.2 Sustentação de motores em veículos Brava e Marea Pág.4

Leia mais

JUNTAS HOMOCINÉTICAS Índice Montadora / Veículo 6-7 Aplicação 8-12. JUNTA DESLIZANTE E SEMIEIXO Índice Montadora / Veículo 14 Aplicação 15-17

JUNTAS HOMOCINÉTICAS Índice Montadora / Veículo 6-7 Aplicação 8-12. JUNTA DESLIZANTE E SEMIEIXO Índice Montadora / Veículo 14 Aplicação 15-17 JUNTAS HOMOCINÉTICAS Índice Montadora / Veículo 6-7 Aplicação 8-12 JUNTA DESLIZANTE E SEMIEIXO Índice Montadora / Veículo 14 Aplicação 15-17 BRAÇOS DE SUSPENSÃO Índice Montadora / Veículo 19 Aplicação

Leia mais

DESMONTAGEM E MONTAGEM DE MOTOR DE VECTRA. RETIRADO DO FORUM DO VECTRA.

DESMONTAGEM E MONTAGEM DE MOTOR DE VECTRA. RETIRADO DO FORUM DO VECTRA. Dimensionamento de Turbocompressores. DESMONTAGEM E MONTAGEM DE MOTOR DE VECTRA. RETIRADO DO FORUM DO VECTRA. Meu VCD já vinha apresentando o problema de fumacear na partida há algum tempo (o problema

Leia mais

CSR/Instruções de inspeção para técnicos

CSR/Instruções de inspeção para técnicos INSTRUÇÕES DE INSPEÇÃO Escavadeiras CSR/Instruções de inspeção para técnicos Esta instrução é um recurso técnico informal. Para obter especificações e procedimentos corretos, refira-se sempre às instruções

Leia mais

6 Manutenção de Tratores Agrícolas

6 Manutenção de Tratores Agrícolas 6 Manutenção de Tratores Agrícolas 6.1 Introdução Desenvolvimento tecnológico do país Modernização da agricultura Abertura de novas fronteiras agrícolas Aumento no uso de MIA Aumento da produtividade Maiores

Leia mais

Caderno Técnico (Como Resolver 01) Diagnóstico e solução sobre embreagens

Caderno Técnico (Como Resolver 01) Diagnóstico e solução sobre embreagens Caderno Técnico (Como Resolver 01) Diagnóstico e solução sobre embreagens 1 dificuldade de engate, pouco tempo após a troca da embreagem Veículos de maior incidência: KOMBI e FUSCA análise técnica: Trata-se

Leia mais

C ADASTRO G RATUITO. Imobilizadores. Substituição da correia dentada do motor Fire (Palio) Ferramentas especiais Raven. King Tony

C ADASTRO G RATUITO. Imobilizadores. Substituição da correia dentada do motor Fire (Palio) Ferramentas especiais Raven. King Tony Ravenews nº 10 - Ano 03 - Junho de 2002 - O sucesso de sua oficina começa aqui! pag. 2 pag. 4 Imobilizadores Substituição da correia dentada do motor Fire (Palio) C ADASTRO! G RATUITO Cadastre-se para

Leia mais

NOVOS LANÇAMENTOS. A melhor solução em ferramentas automotivas. Kit A043 Kit PMS Pálio 1.6-16v

NOVOS LANÇAMENTOS. A melhor solução em ferramentas automotivas. Kit A043 Kit PMS Pálio 1.6-16v NOVOS LANÇAMENTOS A melhor solução em ferramentas automotivas Kit A043 Kit PMS Pálio 1.6-16v Kit 01 Ferramenta para PMS do motor Audi 3.0 V6-30V Kit A042 Kit PMS Pálio 1.0 e 1.5 Kit A078 Conjunto PMS Renault

Leia mais

Mancais de rolamento I

Mancais de rolamento I A UU L AL A Mancais de rolamento I Um mecânico de manutenção, ao iniciar a desmontagem de um conjunto mecânico, constatou a existência de uma série de rolamentos. Examinando os rolamentos, verificou que

Leia mais

Seção 12 Conjunto do motor

Seção 12 Conjunto do motor Seção 12 Conjunto do motor Página CONJUNTO DO MOTOR... 164 Instalação do virabrequim... 164 Instale o pistão e a biela... 164 Instalação do eixo de cames... 164 Instalação da bomba de óleo... 165 Instalação

Leia mais

7. CABEÇOTE/VÁLVULAS INFORMAÇÕES DE SERVIÇO 7-1 NX-4 FALCON

7. CABEÇOTE/VÁLVULAS INFORMAÇÕES DE SERVIÇO 7-1 NX-4 FALCON NX-4 FALCON 7. CABEÇOTE/VÁLVULAS INFORMAÇÕES DE SERVIÇO 7-1 DIAGNOSE DE DEFEITOS 7-3 COMPRESSÃO DO CILINDRO 7-4 REMOÇÃO DA TAMPA DO CABEÇOTE 7-5 DESMONTAGEM DA TAMPA DO 7-6 CABEÇOTE REMOÇÃO DA ÁRVORE DE

Leia mais

DIAGNÓSTICOS E CORREÇÕES DE SISTEMA DE FREIOS HIDRÁULICOS. 9ª Edição

DIAGNÓSTICOS E CORREÇÕES DE SISTEMA DE FREIOS HIDRÁULICOS. 9ª Edição DIAGNÓSTICOS E CORREÇÕES DE SISTEMA DE FREIOS HIDRÁULICOS 9ª Edição POLÍTICA DE QUALIDADE Nosso compromisso é melhorar continuamente a qualidade de nossos produtos e serviços, atendendo ou superando os

Leia mais

Manual de instalação, operação e manutenção. Bomba centrífuga CS

Manual de instalação, operação e manutenção. Bomba centrífuga CS Manual de instalação, operação e manutenção Bomba centrífuga CS .Segurança. Informação Importante.2 Sinais de Aviso Este manual salienta os procedimentos incorretos e outras informações importantes. Os

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO Nº 11/08 DICAS PARA O TÉCNICO REPARADOR AUDI 01J MULTITRONIC ENGATE À FRENTE DEMORADO VIBRAÇÃO NA RETOMADA OU SAÍDA

BOLETIM INFORMATIVO Nº 11/08 DICAS PARA O TÉCNICO REPARADOR AUDI 01J MULTITRONIC ENGATE À FRENTE DEMORADO VIBRAÇÃO NA RETOMADA OU SAÍDA BOLETIM INFORMATIVO Nº 11/08 DICAS PARA O TÉCNICO REPARADOR AUDI 01J MULTITRONIC ENGATE À FRENTE DEMORADO VIBRAÇÃO NA RETOMADA OU SAÍDA RECLAMAÇÃO: Alguns veículos AUDI A4 e A6 equipados com a transmissão

Leia mais

CATÁLOGO TÉCNICO COMPRESSOR - MSV 6/50 - DENTAL SPLIT - 1 ESTÁGIO - 120 psig

CATÁLOGO TÉCNICO COMPRESSOR - MSV 6/50 - DENTAL SPLIT - 1 ESTÁGIO - 120 psig SCHULZ: INÍCIO DE FABRICAÇÃO - ABRIL/005 CATÁLOGO TÉCNICO COMPRESSOR - MSV 6/ - DENTAL SPLIT - 1 ESTÁGIO - 10 psig CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS ISENTO DE ÓLEO L C DESLOCAMENTO TEÓRICO pés /min PRESSÃO MÁX.

Leia mais

APOSTILA DE MANUTENÇÃO - Compactador RAM 70 (Honda) -

APOSTILA DE MANUTENÇÃO - Compactador RAM 70 (Honda) - APOSTILA DE MANUTENÇÃO 1- OBJETIVO. Apresentar os passos necessários para a manutenção do compactador RAM70 com motor Honda GX120. 2- PASSOS DE DESMONTAGEM / MONTAGEM. Retirar filtro de ar. Retirar mangueira

Leia mais

Seção 9 Cilindros e protetores/reservatórios do cárter

Seção 9 Cilindros e protetores/reservatórios do cárter Seção 9 Cilindros e protetores/reservatórios do cárter Página CILINDROS... 150 Inspeção e medição... 150 Retificação de cilindros... 150 Acabamento... 151 Limpeza... 151 MANCAIS DE MOTOR... 152 Mancal

Leia mais

General Motors do Brasil Ltda. Assunto: Motor completo. Catálogo Eletrônico de Peças Edição: Maio 2004 Data de Impressão: 29/7/2006

General Motors do Brasil Ltda. Assunto: Motor completo. Catálogo Eletrônico de Peças Edição: Maio 2004 Data de Impressão: 29/7/2006 Clube Calibra Brasil www.clubecalibra.com.br Assunto: Motor completo Assunto: Motor completo 1 1994/1995 W AS/M-14004973 MOTOR conjunto 90500556 1 1 1994/1995 W AP/M-14004974 MOTOR conjunto 90501783

Leia mais

SISTEMA I MOTION. FOX - I Motion

SISTEMA I MOTION. FOX - I Motion SISTEMA I MOTION FOX - I Motion Professor SCOPINO Técnico e Administrador da Auto Mecânica Scopino Professor do Umec Universo do Mecânico Ex-Professor do Senai Diretor do Sindirepa-SP Consultor do Jornal

Leia mais

Linha de Empilhadeiras LEG25 e LED30

Linha de Empilhadeiras LEG25 e LED30 Linha de Empilhadeiras LEG25 e LED30 Manual de peças Empilhadeira ÍNDICE 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 Montagem Da Transmissão Transmissão

Leia mais

Em caso de não encontrar, ligue ( 0xx11 ) 2018-0501

Em caso de não encontrar, ligue ( 0xx11 ) 2018-0501 DSL0067 BUCHA BRAÇO TENSOR TOPIC DSL0058 Bucha Barra Estabilizadora topic DSL0083 Bucha Jumelo Traseiro topic DSL0001 ROLAMENTO GUIA DSL0008 Junta do Carter topic DSL0009 Fechadura Porta Deslizante topic

Leia mais

Manual de instruções. Rampa de alinhamento

Manual de instruções. Rampa de alinhamento Manual de instruções Rampa de alinhamento Apresentação Primeiramente queremos lhe dar os parabéns pela escolha de um equipamento com nossa marca. Somos uma empresa instalada no ramo de máquinas para auto

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES E OPERAÇÃO. DPE Desmontadora de Pneus Elétrica

MANUAL DE INSTRUÇÕES E OPERAÇÃO. DPE Desmontadora de Pneus Elétrica MANUAL DE INSTRUÇÕES E OPERAÇÃO DPE Desmontadora de Pneus Elétrica 01 - Cabeçote Fixador 02 Garras 03 Bicos de Pato Deslocador 04 Haste Móvel 05 Braço Deslocador 06 Trava da Haste Móvel 07 Mola 08 Bico

Leia mais

Transmissão FSO 1305. Manual de Serviços

Transmissão FSO 1305. Manual de Serviços Transmissão FSO 1305 Manual de Serviços Índice Introdução...4 Designações e especificações...5 Lubrificação...6 Operação...7 Fluxo de potência...8 Aplicação de colas e selantes...9 Recomendações de torque...10

Leia mais

PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS DA PRODUÇÃO

PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS DA PRODUÇÃO Pág.: 1 de 10 Identificação do equipamento ELEVADOR DE PASSAGEIROS E CARGAS Com Relação às Torres: Prumo; Espessura da parede do tubo; Resistência e nivelamento da base; Estaiamento; Aterramento elétrico

Leia mais

Bomba injetora: todo cuidado é pouco

Bomba injetora: todo cuidado é pouco Bomba injetora: todo cuidado é pouco Bomba injetora: todo cuidado é pouco Veja como identificar os problemas da bomba injetora e retirá-la corretamente em casos de manutenção Carolina Vilanova A bomba

Leia mais

PULVERIZADOR MOTORIZADO PARA TRANSPORTAR NAS COSTAS

PULVERIZADOR MOTORIZADO PARA TRANSPORTAR NAS COSTAS PULVERIZADOR MOTORIZADO PARA TRANSPORTAR NAS COSTAS Manual do Operador COMPONENTES e ACESSÓRIOS Tampa do tanque de produtos químicos Bocal Lança Tanque de produtos químicos Vela de ignição Acionador de

Leia mais

Componentes do Ponto de Distribuição

Componentes do Ponto de Distribuição Componentes do Ponto de Distribuição Ferramenta(s) Especial(ais) Placa de Alinhamento, Árvore de Comando de Válvulas 303-D039 ou similar Remoção CUIDADO: durante os procedimentos de reparo, a limpeza é

Leia mais

Projeto de retífica motor MPLM 301 Javali CBT

Projeto de retífica motor MPLM 301 Javali CBT Projeto de retífica motor MPLM 301 Javali CBT Análise de falas e comparativo com motores Bloco de cilindros: O bloco de cilindros do Javali é do tipo construtivo Bloco Cilíndrico, onde o cilindro é usinado

Leia mais

Manual do Usuário. Produto LUBE-SEAL. Versão: LUBE-SEAL Manual V1.0 Data: 13/10/2006 Escrito por: Marcelo da Silveira Petter Prada dos Santos

Manual do Usuário. Produto LUBE-SEAL. Versão: LUBE-SEAL Manual V1.0 Data: 13/10/2006 Escrito por: Marcelo da Silveira Petter Prada dos Santos Manual do Usuário Produto Versão: Manual V1.0 Data: 13/10/2006 Escrito por: Marcelo da Silveira Petter Prada dos Santos SUMÁRIO SUMÁRIO 2 1. TERMOS E CONVENÇÕES 4 2. INFORMAÇÕES GERAIS 5 2.1. Dados do

Leia mais

Manual de instruções. Máquina de desmontar e montar pneus MDE-600

Manual de instruções. Máquina de desmontar e montar pneus MDE-600 Manual de instruções Máquina de desmontar e montar pneus MDE-600 Apresentação Primeiramente queremos lhe dar os parabéns pela escolha de um equipamento com nossa marca. Somos uma empresa instalada no ramo

Leia mais

-MANUAL DE INSTRUÇÕES; -LISTA DE PEÇAS. PALETEIRA MÜLLER 3T

-MANUAL DE INSTRUÇÕES; -LISTA DE PEÇAS. PALETEIRA MÜLLER 3T -MANUAL DE INSTRUÇÕES; -LISTA DE PEÇAS. PALETEIRA MÜLLER 3T NOTA: O operador deve LER o Manual de Instruções antes de utilizar a Paleteira Müller 3T. Obrigado por ter escolhido e utilizar a Paleteira Müller

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO BOMBAS DE ENGRENAGENS INTERNAS SÉRIE FBEI

MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO BOMBAS DE ENGRENAGENS INTERNAS SÉRIE FBEI MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO BOMBAS DE ENGRENAGENS INTERNAS SÉRIE FBEI CÓD: MAN001-10 REVISÃO: 00 27/09/2010 ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 1. PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO...6 2. IDENTIFICAÇÃO DO EQUIPAMENTO...6

Leia mais

X20 30 36 AC GEARLESS

X20 30 36 AC GEARLESS 3141 pt - 02.1999 / a Este manual deve ser entregue ao usuário final X20 30 36 AC GEARLESS Manual de instalação e manutenção Com o objetivo de obter o máximo de desempenho de sua nova máquina GEARLESS,

Leia mais

PLANO DE MANUTENÇÃO. incl. Planos A + B + B1 execução. rotinas + procedimentos FROTA SIM - SISTEMA INTEGRADO DE MANUTENÇÃO

PLANO DE MANUTENÇÃO. incl. Planos A + B + B1 execução. rotinas + procedimentos FROTA SIM - SISTEMA INTEGRADO DE MANUTENÇÃO PLANO DE MANUTENÇÃO C incl. Planos A + B + B1 execução rotinas + procedimentos FROTA OPERAÇÃO URBANA 1) Principais objetivos : Avaliação anual (aproxim.) do estado mecânico do veículo Acertos mecânicos

Leia mais

MANUAL TÉCNICO ELÉTRICO MUNDI ÔNIBUS RODOVIÁRIO APLICAÇÕES INSTALAÇÃO MANUTENÇÃO

MANUAL TÉCNICO ELÉTRICO MUNDI ÔNIBUS RODOVIÁRIO APLICAÇÕES INSTALAÇÃO MANUTENÇÃO MANUAL TÉCNICO ELÉTRICO MUNDI ÔNIBUS RODOVIÁRIO APLICAÇÕES INSTALAÇÃO MANUTENÇÃO 2 IMPORTANTE A BRAPAX e seus Distribuidores Autorizados advertem que a seleção imprópria, falha ou uso incorreto dos produtos

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO

MANUAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO MANUAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO KIT DE IGNIÇÃO IGNIFLEX EDIÇÃO 05/2014 AVISOS IMPORTANTES LEIA O MANUAL COMPLETO ANTES DE INICIAR A INSTALAÇÃO! É OBRIGATÓRIA A UTILIZAÇÃO DE VELAS RESISTIVAS PARA

Leia mais

MANUTENÇÃO EM MANCAIS E ROLAMENTOS Atrito É o contato existente entre duas superfícies sólidas que executam movimentos relativos. O atrito provoca calor e desgaste entre as partes móveis. O atrito depende

Leia mais

Seção 9 PISTÕES - ANÉIS - BIELAS

Seção 9 PISTÕES - ANÉIS - BIELAS Seção 9 PISTÕES - ANÉIS - BIELAS Índice da seção Página Bielas Montagem da biela no pistão... 4 Verificação Instalação... 7 Remoção Torque... 8 Pistões Montagem do pistão na biela... 4 Verificação do desgaste

Leia mais

Troca e Reforma da Bomba D'água do Motor Willys BF-161

Troca e Reforma da Bomba D'água do Motor Willys BF-161 Página 1 de 11 Troca e Reforma da Bomba D'água do Motor Willys BF-161........ A bomba d'água do motor 6 cilindros Willys tem uma durabilidade de aprox. 50.000km e os problemas mais comuns são o vazamento

Leia mais

- Cilindro Pneumático ISO

- Cilindro Pneumático ISO de Instalação, Operação e Manutenção Janeiro 2000 - ISO Série P1E (Tubo Perfilado) 32 a 100 mm Índice Introdução... 1 Características Técnicas... 1 Características Construtivas... 1 Instalação... 2 Manutenção...

Leia mais

COMO MEDIR A PRESSÃO DO ÓLEO

COMO MEDIR A PRESSÃO DO ÓLEO Página 1 de 6 COMO MEDIR A PRESSÃO DO ÓLEO MOTOR WILLYS 6 CILINDROS BF-161 Com uma simples medição da pressão do óleo você pode avaliar o estado geral do seu motor Willys seja ele novo ou usado e evitar

Leia mais

Manual de Operação. Lixadeira pneumática de alta velocidade 5"- TESM5P

Manual de Operação. Lixadeira pneumática de alta velocidade 5- TESM5P Manual de Operação Lixadeira pneumática de alta velocidade 5"- TESM5P . DADOS TÉCNICOS LIXADEIRA ORBITAL Modelo: Velocidade sem carga: Pressão de ar: Entrada de ar: Disco de lixa: Consumo de ar: TESM5P

Leia mais

MANUAL DE SERVIÇO TÉCNICO

MANUAL DE SERVIÇO TÉCNICO MANUAL DE SERVIÇO TÉCNICO BOMBAS PARA USO GERAL SÉRIES 32 E 432 TAMANHOS C - F - FH SEÇÃO TSM 310.1 PÁGINA 1 DE 7 ASSUNTO D CONTEÚDO Introdução........................ 1 Informações especiais.................

Leia mais

INTRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS. MODELO FE 45 CAPACIDADE DE PERFURAÇÃO Ø 45 mm PROFUNDIDADE DE CORTE TIPO DE ENCAIXE CM 2 MEDIDAS DE SEGURANÇA

INTRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS. MODELO FE 45 CAPACIDADE DE PERFURAÇÃO Ø 45 mm PROFUNDIDADE DE CORTE TIPO DE ENCAIXE CM 2 MEDIDAS DE SEGURANÇA 1 INTRODUÇÃO As Furadeiras de Base Magnética Merax caracterizam-se por serem robustas, porém leves e de fácil transporte. Utilizam qualquer tipo de broca, preferencialmente as brocas anulares. Trabalham

Leia mais

Aspectos de Segurança - Discos de Corte e Desbaste

Aspectos de Segurança - Discos de Corte e Desbaste Aspectos de Segurança - Discos de Corte e Desbaste Os discos de corte e desbaste são produzidos e controlados com rigor, sendo submetidos a testes internos que objetivam a reprodução da qualidade lote

Leia mais

Manual PORTA PLACAS. Rev 00-12/07/2012 pág - 1 de 21

Manual PORTA PLACAS. Rev 00-12/07/2012 pág - 1 de 21 Rev 00-12/07/2012 pág - 1 de 21 Manual PORTA PLACAS Rev 00-12/07/2012 pág - 2 de 21 Índice CERTIFICADO ISO 9001:2008 DESENHO DE OPERAÇÃO MANUAL DE OPERAÇÃO DESENHO DE CONJUNTO TABELAS DIMENSIONAIS Histórico

Leia mais

PV-2200 MANUAL DE INSTRUÇÃO

PV-2200 MANUAL DE INSTRUÇÃO Pág.:1 MÁQUINA: MODELO: NÚMERO DE SÉRIE: ANO DE FABRICAÇÃO: O presente manual contém instruções para instalação e operação. Todas as instruções nele contidas devem ser rigorosamente seguidas do que dependem

Leia mais

Manual de Montagem e Manutenção de Cancelas PPA. Cancela com acionamento mecânico por sistema biela Modelo Rekta

Manual de Montagem e Manutenção de Cancelas PPA. Cancela com acionamento mecânico por sistema biela Modelo Rekta Manual de Montagem e Manutenção de Cancelas PPA Cancela com acionamento mecânico por sistema biela Modelo Rekta 1.1- Motor e Redutor Peça única conjugada conforme ilustra a Figura a seguir. MOTOR ½ HP

Leia mais

REBITADEIRA HIDROPNEUMÁTICA RF06

REBITADEIRA HIDROPNEUMÁTICA RF06 m a n u a l REBITADEIRA HIDROPNEUMÁTICA RF06 1 2 ÍNDICE Rebitadeira Hidropneumática RF06... 04 Características da ferramenta... 04 Recomendações... 05 Especificações de regulagem... 06 Manutenção... 12

Leia mais

Injeção Eletrônica Mangueira de Filtro de Ar Obs.: Mangueira macia para aplicação

Injeção Eletrônica Mangueira de Filtro de Ar Obs.: Mangueira macia para aplicação Mangueira de Filtro de Ar Obs.: Mangueira macia para aplicação FT -1300 FT - 1301 Cód. Orig. 55.180.198/ 46.475.700 Aplicação: Uno 01/03, Palio 01/03, Siena 01/03 1.o 8v Cód. Orig. 93.396.087 Aplicação:

Leia mais

GUIA DE LOCALIZAÇÃO DE PEÇAS PARA GVE

GUIA DE LOCALIZAÇÃO DE PEÇAS PARA GVE ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA ADMINISTRAÇÃO DIRETORIA DE GESTÃO PATRIMÔNIAL GERÊNCIA DE BENS MÓVEIS GUIA DE LOCALIZAÇÃO DE PEÇAS PARA GVE G E 2007 1 2 ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA

Leia mais

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE ALAGOAS - DETRAN/AL QUESTÕES SOBRE MECÂNICA

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE ALAGOAS - DETRAN/AL QUESTÕES SOBRE MECÂNICA A quilometragem percorrida pelo veículo é indicada pelo: 1 velocímetro. 2 hodômetro. 3 manômetro. 4 conta-giros. O termômetro é utilizado para indicar a temperatura: 1 do motor. 2 do combustível. 3 no

Leia mais

CATÁLOGO TÉCNICO COMPRESSOR - MSA 8.1/25 - WTA 8.1/25-1 ESTÁGIO - 116 psig CSA 8.5/25-1 ESTÁGIO - 120 psig

CATÁLOGO TÉCNICO COMPRESSOR - MSA 8.1/25 - WTA 8.1/25-1 ESTÁGIO - 116 psig CSA 8.5/25-1 ESTÁGIO - 120 psig CT MSA./2 WTA./2 CSA./2 CATÁLOGO TÉCNICO COMPRESSOR MSA./2 WTA./2 ESTÁGIO psig CSA./2 ESTÁGIO psig TÉRMINO DE COMERCIALIZAÇÃO ABRIL/ (PRODUTO 0% IMPORTADO) MSA./2 TÉRMINO DE FABRICAÇÃO NOVEMBRO/ WAYNE

Leia mais

www.ztlbrasil.com.br TENSORES

www.ztlbrasil.com.br TENSORES Índice Produto 4 Índice Montadora / Veículo 6-8 Aplicação 9-24 Dicas De Montagem 27-29 Pág 2 ÍNDICE PRODUTO PRODUTO 11003 15;20;21 11005 13;15 11006 20 11007 14;15;19;21 11011 22 11013 9 13001 22 13003

Leia mais

Instruções para Implementadores Volvo Truck Corporation

Instruções para Implementadores Volvo Truck Corporation Instruções para Implementadores Volvo Truck Corporation Características Construtivas Tomada de Força VM Contents Generalidades, página 2 Tomada de força montada na caixa de mudanças, página 2 Tomada de

Leia mais

BOMBA DE VACUO MANUAL KA-056

BOMBA DE VACUO MANUAL KA-056 Certificado de Garantia. Modelo Controle Kitest Equipamentos Automotivos KA-056 Nº Manual do Usuário A Kitest Equipamentos Automotivos garante o equipamento adquirido contra possíveis defeitos de fabricação

Leia mais

Chimonek. Ferramentas Especiais para Conserto de Veículos

Chimonek. Ferramentas Especiais para Conserto de Veículos Chimonek Ferramentas Especiais para Conserto de Veículos 07/2012 VW Pag. 01 10 001 10 002 10 003 Chave "T" 8mm p/ o acoplamento do câmbio VW 1200 e1600 Chave sextavada de 22mm para a porca do amortecedor

Leia mais

ELEMENTOS DE VEDAÇÃO. Treinamento. Antenor Vicente

ELEMENTOS DE VEDAÇÃO. Treinamento. Antenor Vicente ELEMENTOS DE VEDAÇÃO Treinamento Antenor Vicente VEDAÇÃO PROCESSO USADO PARA IMPEDIR A PASSAGEM, DE MANEIRA ESTÁTICA OU DINÂMICA DE LÍQUIDOS, GASES E SÓLIDOS DE UM MEIO PARA OUTRO JUNTAS JUNTA É TODO MATERIAL

Leia mais

Catalogo_2011.indd 1 1/11/2010 21:00:00

Catalogo_2011.indd 1 1/11/2010 21:00:00 Catalogo_2011.indd 1 1/11/2010 21:00:00 HB-100 HB-101 HB-102 Alicate para abraçadeira das mangueiras de água do radiador. Ferramenta para regular tensão da correia dentada da linha Volkswagem: Volks AP

Leia mais

Manual Do Usuário BVM - 8000. Certificado de Garantia. Modelo Controle BVM-8000 Nº. PLANATC Tecnologia Eletrônica Automotiva Ltda

Manual Do Usuário BVM - 8000. Certificado de Garantia. Modelo Controle BVM-8000 Nº. PLANATC Tecnologia Eletrônica Automotiva Ltda Certificado de Garantia. Modelo Controle BVM-8000 Nº Manual Do Usuário A Planatc Tecnologia Eletrônica Automotiva Ltda garante o equipamento adquirido contra possíveis defeitos de fabricação pelo período

Leia mais

Sumário Serra Fita FAM

Sumário Serra Fita FAM Sumário Serra Fita FAM 1 Componentes... 1 Painel de controle... 1 Sensores de segurança... 2 Especificações... 2 Instalação... 3 Condições Gerais do Local... 3 Rede Elétrica... 3 Instalação da Tomada...

Leia mais

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS CT 1 MSV 1 MAX/20 MSV 20 MAX/AD MSV 20 MAX/20 MSV 2 MAX/20 MSV 26 MAX/20 MSV 26 MAX/20 MSV 1 MAX/0V MSV 20 MAX/0V MSV 2 MAX/0V WTV 20 G/AD WTV 20 G/0V WTV 20 G/20 WTV 20 G/20 WV 26 G/20 SCHULZ: INÍCIO

Leia mais

TF-830 MOTOCICLETA. Leia cuidadosamente antes do uso

TF-830 MOTOCICLETA. Leia cuidadosamente antes do uso TF-830 MOTOCICLETA Leia cuidadosamente antes do uso Leia este manual cuidadosamente antes de usar este produto. O manual o informará como operar e montar o produto de uma forma correta para que nenhuma

Leia mais

Sumário. FS 6209 Manual de Serviços

Sumário. FS 6209 Manual de Serviços FS 6209 Sumário Seção A Visão geral da transmissão FS6209 Transmissão Eaton Synchromesh 9 velocidades Descrição do modelo 1 Identificação da transmissão 1 Descrição Geral 2 Características 2 O Sistema

Leia mais

Válvulas Termostáticas. Índice. Guia de Consulta. Ícones: www.mmcofap.com.br

Válvulas Termostáticas. Índice. Guia de Consulta. Ícones: www.mmcofap.com.br Índice Conteúdo Página Conteúdo Página Introdução 02 Cross Reference 14 MMVT205.91K - Chevrolet 05 MMVT208.82K - Fiat 05 MMVT208.85K - Fiat 05 MMVT208.87 - Fiat 05 MMVT210.82 - Fiat 05 MMVT210.82K - Fiat

Leia mais

Manual de Instalação DOCOL Monocomando

Manual de Instalação DOCOL Monocomando Manual de Instalação DOCOL Monocomando ECLIPSE PARA BANHEIRA/ CHUVEIRO AP PARA CHUVEIRO AP PARA CHUVEIRO BP HAMPTON MONET PARA BANHEIRA/ CHUVEIRO AP PARA CHUVEIRO AP PARA CHUVEIRO BP BICA ALTA LAVATORIO

Leia mais

www.celfer.com.br celfer@celfer.com.br

www.celfer.com.br celfer@celfer.com.br www.celfer.com.br celfer@celfer.com.br CELFER FERRAMENTAS ESPECIAIS A empresa CELFER iniciou suas atividades apenas com a aquisição de uma máquina instalada em um pequeno salão de aluguel. Ao decorrer

Leia mais

MODELOS: ART 2045, ART 2053, ART 2055 e ART 2058

MODELOS: ART 2045, ART 2053, ART 2055 e ART 2058 MODELOS: ART 2045, ART 2053, ART 2055 e ART 2058 ADVERTÊNCIAS PRÉVIAS A capacidade de carga e altura está determinada da seguinte forma : *Quando a altura de levantamento está abaixo de 3300 mm(incluindo

Leia mais

Manual de Instruções. Estação de Solda HK-936B

Manual de Instruções. Estação de Solda HK-936B Manual de Instruções Estação de Solda HK-936B Para sua segurança, leia este Manual de Instruções atenciosamente antes da operação deste equipamento. Mantenha-o sempre ao seu alcance para consultas futuras.

Leia mais

Acoplamento. Uma pessoa, ao girar o volante de seu automóvel, Conceito. Classificação

Acoplamento. Uma pessoa, ao girar o volante de seu automóvel, Conceito. Classificação A U A UL LA Acoplamento Introdução Uma pessoa, ao girar o volante de seu automóvel, percebeu um estranho ruído na roda. Preocupada, procurou um mecânico. Ao analisar o problema, o mecânico concluiu que

Leia mais

PLACAS PARA TORNOS E CENTROS DE TORNEAMENTO

PLACAS PARA TORNOS E CENTROS DE TORNEAMENTO PLACAS PARA TORNOS E CENTROS DE TORNEAMENTO Sumário 1. Informações gerais 3 2. Características técnicas das Placas Pneumáticas PPU 3 3. Instruções de montagem, operação e manutenção 7 3.1. Montagem 7 3.1.1.

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO WCV EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS AL. DOS ANAPURUS, 1939 MOEMA - SÃO PAULO BRASIL

MANUAL DE OPERAÇÃO WCV EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS AL. DOS ANAPURUS, 1939 MOEMA - SÃO PAULO BRASIL MANUAL DE OPERAÇÃO WCV EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS AL. DOS ANAPURUS, 1939 MOEMA - SÃO PAULO BRASIL TEL/FAX (11) 5535-7200 / 5531-5945 / 5531-8784 / 5535-0038 Visite nosso site: http://www.wcv.com.br e-mail:

Leia mais

Índice. 1. Advertência. 2. Características técnicas. 3. Aplicações. 4. Estrutura. 5. Instruções de uso e operação. 6. Manutenção.

Índice. 1. Advertência. 2. Características técnicas. 3. Aplicações. 4. Estrutura. 5. Instruções de uso e operação. 6. Manutenção. MODELO: BYG AR 1533 Índice 1. Advertência. 2. Características técnicas. 3. Aplicações. 4. Estrutura. 5. Instruções de uso e operação. 6. Manutenção. 7. Diagrama elétrico. 8. Diagrama hidráulico. 9. Peças

Leia mais

Os comissários podem solicitar a qualquer momento que sejam feitas as verificações necessárias em qualquer veiculo inscrito no evento.

Os comissários podem solicitar a qualquer momento que sejam feitas as verificações necessárias em qualquer veiculo inscrito no evento. REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA ADAPTADO TURBO 1-REGULAMENTAÇÃO Todos os veículos inscritos deveram passar por vistoria prévia. Os competidores deverão provar ao comissário técnicos e desportivos do evento,

Leia mais

Manual de Instruções e Lista de Peças. Máquina Caseadeira de Ponto Fixo 635D

Manual de Instruções e Lista de Peças. Máquina Caseadeira de Ponto Fixo 635D Manual de Instruções e Lista de Peças Máquina Caseadeira de Ponto Fixo 635D Singer é uma marca registrada da The Singer Company Limited ou suas afiliadas. 2009 Copyright The Singer Company Limited Índice

Leia mais

Motocicleta Elétrica para Crianças TF-840

Motocicleta Elétrica para Crianças TF-840 Motocicleta Elétrica para Crianças TF-840 Manual para Instalação e Operação Design de simulação de motocicleta Funções para frente e para trás Função de reprodução de música na parte frontal O produto

Leia mais

Manual de Montagem, Operação, Manutenção e Reparo. Engate de Container

Manual de Montagem, Operação, Manutenção e Reparo. Engate de Container Manual de Montagem, Operação, Manutenção e Reparo Engate de Container Março / 2005 O Engate de Container tem como função principal, promover o acoplamento de implementos rodoviários com containers para

Leia mais

metalclean plus METALCLEAN PLUS MANUAL DE INSTRUÇÕES O NOVO CONCEITO EM LIMPEZA DE RADIADORES

metalclean plus METALCLEAN PLUS MANUAL DE INSTRUÇÕES O NOVO CONCEITO EM LIMPEZA DE RADIADORES METALCLEAN PLUS MANUAL DE INSTRUÇÕES 1 passo Abra o capô do veículo, localize o radiador, o bloco do motor e o vaso expansor (depósito de água). O NOVO CONCEITO EM LIMPEZA DE RADIADORES metalclean plus

Leia mais

EMTV MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DESDE 1956

EMTV MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DESDE 1956 EMTV Elevador de manutenção telescópico vertical MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO ZELOSO DESDE 1956 PREFÁCIO APLICAÇÃO: Este manual contém informações para a operação e manutenção, bem como uma lista ilustrada

Leia mais

CATÁLOGO TÉCNICO COMPRESSOR - MSW 40 FORT/ART - MSW 40 FORT/425 - W 8400 (40/AD)

CATÁLOGO TÉCNICO COMPRESSOR - MSW 40 FORT/ART - MSW 40 FORT/425 - W 8400 (40/AD) CT 5 MSW 40 FORT/ART MSW 40 FORT/5 W 400 (40/AD) W 41 H W 41 HC W 411 HLC CATÁLOGO TÉCNICO COMPRESSOR MSW 40 FORT/ART MSW 40 FORT/5 W 400 (40/AD) W 41 H W 41 HC 2 ESTÁGIOS 5 psig W 411 HLC 2 ESTÁGIOS 100

Leia mais

Manual de Instruções e Lista de Peças

Manual de Instruções e Lista de Peças Manual de Instruções e Lista de Peças Linha Overloque de Alta Velocidade 321C- 131M-04 132M-015 133M-04 /TF 134M-04 241M-24 / 25 243M-24 / TF 244M-24 251M-35 251M-55 251H-56 Singer é uma marca registrada

Leia mais

OVERLOCK / INTERLOCK SS7703 / 7705DG.

OVERLOCK / INTERLOCK SS7703 / 7705DG. MANUAL DE INSTRUÇÕES MÁQUINA DE COSTURA INDUSTRIAL OVERLOCK / INTERLOCK SS7703 / 7705DG. DIRECT-DRIVE MANUAL DE INSTRUÇÕES Para obter o máximo das muitas funções desta máquina e operá-la com segurança,

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO PARA PROCESSADOR DE ALIMENTOS U MF1 300

MANUAL DE OPERAÇÃO PARA PROCESSADOR DE ALIMENTOS U MF1 300 MANUAL DE OPERAÇÃO PARA PROCESSADOR DE ALIMENTOS U MF1 300 1. INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA Precauções MANUAL OPERAÇÃO PARA PROCESSADOR DE ALIMENTOS U MF1 300 - O processador de alimentos deve ser manipulado

Leia mais

ZJ20U93 Montagem e Operacional

ZJ20U93 Montagem e Operacional www.zoje.com.br ZJ20U93 Montagem e Operacional ÍNDICE 1. Aplicação...2 2. Operação segura...2 3. Cuidados antes da operação...2 4. Lubrificação...2 5. Seleção da agulha e do fio...3 6. A Inserção da agulha...3

Leia mais

MÁQUINA DE SOLDA MIG/MAG-400

MÁQUINA DE SOLDA MIG/MAG-400 *Imagens meramente ilustrativas MÁQUINA DE SOLDA MIG/MAG-400 Manual de Instruções www.v8brasil.com.br 1. DADOS TÉCNICOS MÁQUINA DE SOLDA MIG/MAG-400 Modelo Tensão nominal Frequência Corrente nominal Diâmetro

Leia mais

Manual de Montagem, Operação e Manutenção. Aparelho de Levantamento. Série B200

Manual de Montagem, Operação e Manutenção. Aparelho de Levantamento. Série B200 Manual de Montagem, Operação e Manutenção Aparelho de Levantamento Série B200 Português Índice Página 1 Aplicação e características gerais 1 Aplicação e características gerais 3 1.1 Aplicação 3 1.2 Características

Leia mais

Instruções para Instalação de Motores Elétricos

Instruções para Instalação de Motores Elétricos Instruções para Instalação de Motores Elétricos LEIA ATENTAMENTE ESTE MANUAL ANTES DE INICIAR A INSTALAÇÃO DO MOTOR VERIFICAÇÃO NA RECEPÇÃO - Verifique se ocorreram danos durante o transporte. - Verifique

Leia mais

Manual de Instalação, Operação e Manutenção Válvulas Gaveta, Globo e Retenção Informações Gerais Precauções e Recomendações Manuseio e Armazenamento

Manual de Instalação, Operação e Manutenção Válvulas Gaveta, Globo e Retenção Informações Gerais Precauções e Recomendações Manuseio e Armazenamento Informações Gerais Para garantir a qualidade e a vida útil de uma válvula é necessário verificar a instalação, aplicação, bem como o seu material de acordo com o fluido que será utilizado e uma manutenção

Leia mais

Eaton Embreagens para serviço pesado CLSM0200 fevereiro 2010

Eaton Embreagens para serviço pesado CLSM0200 fevereiro 2010 Manual de serviço Eaton Embreagens para serviço pesado CLSM000 fevereiro 00 Embreagem de 95 mm para serviço pesado Easy-Pedal Value Clutch UltraShift DM para serviço pesado Embreagem USP com atuador eletrônico

Leia mais

APLICAÇÃO DA FERRAMENTA PARA RETIFICAR ASSENTO DA ESFERA EM BOMBAS DENSO Produtos relacionados: 323.02.13 Óleo de corte 323.01.941 Ferramenta para retificar assento da esfera em bombas Denso 410.03.19

Leia mais

Eixos e correntes. Como o mecânico de manutenção deverá proceder para reparar os defeitos citados acima?

Eixos e correntes. Como o mecânico de manutenção deverá proceder para reparar os defeitos citados acima? Eixos e correntes A UU L AL A Uma máquina em processo de manutenção preventiva apresentava vários eixos e algumas correntes, além de mancais que necessitavam de reparos. Entre os eixos, um cônico e um

Leia mais

TERMINAL DE DIREÇÃO FOTO CÓDIGO DESCRIÇÃO APLICAÇÃO REFERÊNCIA PREÇOS. Terminal de direção Ø 11,6 / 102MM - direita/esquerda

TERMINAL DE DIREÇÃO FOTO CÓDIGO DESCRIÇÃO APLICAÇÃO REFERÊNCIA PREÇOS. Terminal de direção Ø 11,6 / 102MM - direita/esquerda TERMINAL DE DIREÇÃO 33.008 Ø 11,6 / 102MM - direita/esquerda BELINA 70/89 - CORCEL 68/86 DEL REY 81/91 - PAMPA 82/97 N 206/ N 2020 PD 3864 33.016 Ø 11,7 / 67,5MM - direita/esquerda ESCORT - VERONA 83/92

Leia mais

Thebe Bombas Hidráulicas Ltda.

Thebe Bombas Hidráulicas Ltda. Manual de Montagem com Motores a Combustão Bomba P-11/3 e P-11/4 (Multiestágio) 18 10 12 10 12 10 12 10 7 9 6 2 1 17 8 16 15 14 11 13 11 13 11 13 11 5 4 3 Descrição de Peças 1 Arruela traseira P-11 2 Paraf.

Leia mais