Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas"

Transcrição

1 Centro Universitário Fundação Santo André MBA Gestão de Energia Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas Prof. Eduardo Matsudo A ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DO SETOR ENERGÉTICO BRASILEIRO Santo André, 30 de março de 2011

2 Nesta aula... Entes e agentes setoriais Política energética Setor elétrico brasileiro A indústria de energia elétrica atividades GTDC FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 2

3 Ministério de Minas e Energia - MME Ministro Gabinete do Ministro Organograma do MME Decreto nº 5.267/2004 Secretaria-Executiva Consultoria Jurídica Assessoria Econômica Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético Secretaria de Energia Elétrica Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Secretaria de Geologia, Mineração, e Transformação Mineral Autarquias: - Departamento Nacional de Produção Mineral DNPM - Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL - Agência Nacional do Petróleo - ANP Sociedade de Economia Mista: - Petróleo Brasileiro S.A. - Petrobrás - Centrais Elétricas Brasileiras S.A. - Eletrobrás Empresas Públicas: - Companhia de Pesquisa de Recursos Naturais CPRM - Empresa de Pesquisa Energética - EPE Fonte: MME, 2009 FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 3

4 Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético Principais competências: - desenvolver ações de longo prazo para a implementação de políticas setoriais; - coordenar o sistema de informações energéticas; - coordenar os estudos de planejamento energético setorial; - apontar as potencialidades do setor energético para o estabelecimento de políticas de concessões e acompanhar as respectivas implementações e os contratos decorrentes; - orientar e estimular os negócios sustentáveis de energia; - coordenar ações e programas de desenvolvimento energético, especialmente nas áreas de geração de energia renovável e de eficiência energética; - promover estudos e tecnologias de energia; - coordenar ações de gestão ambiental, visando orientar os procedimentos licitatórios do setor energético e acompanhar as ações decorrentes. Fonte: MME, 2009 FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 4

5 Secretaria de Energia Elétrica Principais competências: - monitorar a expansão dos sistemas elétricos para assegurar o equilíbrio entre oferta e demanda; - monitorar o desempenho dos sistemas de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica, considerando os aspectos de continuidade e segurança; - acompanhar as ações de integração elétrica com os países vizinhos, nos termos dos acordos internacionais firmados; - participar na formulação de política tarifária e no acompanhamento da sua implementação, tendo como referência a modicidade tarifária e o equilíbrio econômico financeiro dos agentes setoriais; - coordenar as ações de comercialização de energia elétrica no território nacional e nas relações com os países vizinhos; - articular a interação entre os agentes setoriais e os órgãos de meio ambiente e de recursos hídricos, para viabilizar a expansão e funcionamento dos sistemas elétricos; - coordenar, quando couber, o processo de outorgas de concessões, autorizações e permissões de uso de bem público para serviços de energia elétrica. Fonte: MME, 2009 FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 5

6 Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Principais competências: - promover estudos das bacias sedimentares brasileiras e propor diretrizes para as licitações das áreas destinadas à exploração e produção de petróleo e gás natural; - propor a elaboração de planos plurianuais para os setores de petróleo, gás natural e combustíveis renováveis, e efetuar o posterior acompanhamento; - garantir a adequada participação dos derivados de petróleo, do gás natural e dos combustíveis renováveis, na matriz energética nacional; - gerir o funcionamento e desempenho dos setores de petróleo, gás natural e combustíveis renováveis, bem como das instituições responsáveis por estes setores; - garantir o satisfatório abastecimento de petróleo, gás natural e combustíveis renováveis e o adequado atendimento aos consumidores; - atrair investimentos e negócios para os setores nacionais de petróleo, gás natural e combustíveis renováveis; - monitorar e estimular atividades de pesquisa e desenvolvimento tecnológico, nos setores de petróleo, gás natural e combustíveis renováveis; - facilitador na interação entre o setor produtivo e os órgãos de meio ambiente. Fonte: MME, 2009 FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 6

7 Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis - ANP A ANP é uma autarquia federal, instituída em 1998, vinculada ao MME. É a responsável pela regulação, licitação e celebração de contratos de concessão, e fiscalização do setor energético de petróleo, gás natural e biocombustíveis, além das atribuições de: promover, regular e organizar estudos geológicos e geofísicos para identificação de potencial petrolífero e manter o acervo de informações e dados técnicos; realizar licitações de áreas para exploração, desenvolvimento e produção de óleo e gás, contratar os concessionários e fiscalizar o cumprimento dos contratos; calcular o valor dos royalties e participações aos municípios, estados e à União; autorizar e fiscalizar as atividades vinculadas ao petróleo e gás natural; autorizar e fiscalizar as atividades vinculadas ao biodiesel; autorizar e fiscalizar as operações das empresas que distribuem e revendem derivados de petróleo, álcool e biodiesel; estabelecer as especificações técnicas dos derivados de petróleo, gás natural e dos biocombustíveis e realizar o monitoramento da qualidade desses produtos; acompanhar a evolução dos preços dos combustíveis e comunicar aos órgãos de defesa da concorrência os indícios de infrações contra a ordem econômica. Fonte: ANP, 2009 FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 7

8 Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis - ANP A ANP é conduzida por uma diretoria colegiada composta por um diretor geral e mais 4 diretores com mandato de 4 anos, não coincidentes. A receita financeira da Agência é composta por: verbas previstas no Orçamento da União, que dependem da aprovação expressa do Congresso Nacional; uma parcela dos bônus de assinatura (pagos pelas empresas que obtêm concessões de áreas) e uma parcela das participações especiais, constantes no orçamento aprovado; recursos provenientes de convênios, doações e legados; valores de taxas e multas, além daqueles provenientes da venda de dados geológicos e geofísicos pelo Banco de Dados de Exploração e Produção (BDEP); e, o valor total do pagamento pela ocupação ou retenção de área, devido pelas concessionárias de campos de óleo ou gás. Fonte: ANP, 2009 FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 8

9 PETROBRÁS Petróleo Brasileiro S.A. A Petrobrás foi instituída em outubro de 1953 com o objetivo de executar as atividades do setor petróleo no Brasil em nome da União. A empresa atua destacadamente nas atividades de: exploração e produção (upstream): onshore/offshore - mais de 300 blocos de exploração exclusivos e/ou em parcerias; produção de 2,3 milhões barris/dia; refino de petróleo (midstream): 15 refinarias; transporte e armazenagem: 30 mil quilômetros de dutos; distribuição e comercialização de derivados de petróleo (downstream): 6 mil postos; operações com gás e geração de energia: participação em 10 plantas de cogeração e 19 termelétricas. A Petrobrás está presente em 27 países e foi classificada com a 8ª maior empresa petrolífera do mundo com ações negociadas em bolsa. Desafio: pré-sal estimativa de 5 a 8 bilhões de barris somente em Tupi - bacia de Santos. Fonte: Petrobrás, 2009 FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 9

10 Setor Elétrico Brasileiro Quadro Institucional Políticas CONGRESSO CASA CIVIL/PR CNPE MME Regulação e Fiscalização Agentes de Mercado CCEE ANEEL G T D ONS Agências estaduais, ANP, Conselho de consumidores, Órgãos de defesa do consumidor, SEAE, Cade, Conama, ANA, outros. C Agentes Institucionais CMSE EPE BNDES ELETROBRÁS Fonte: MME, 2008 FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 10

11 Setor Elétrico Brasileiro - instâncias Políticas: decisão sobre prioridades/destinação de recursos, estabelecimento de fundamentos/regras gerais. Definição do que é legal. Regulação e Fiscalização: definição e fiscalização do cumprimento de regras específicas, estabelecendo, dentro da legalidade, a fronteira do permitido e do não permitido para as concessões, além de definir penalidades. Agentes de Mercado: Sem fins lucrativos: organizar o funcionamento de determinada atividade, buscando o bem comum de acordo com o seu regimento interno ou atribuições. Com fins lucrativos: maximização do lucro e minimização de penalidades procurando influenciar quando/onde possível e interessar, regido por lógica capitalista. Agentes Institucionais: Apoio técnico/financeiro e operacionalização de tarefas específicas. FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 11

12 Conselho Nacional de Política Energética - CNPE Criado em 1997, o CNPE é um órgão de assessoramento do Presidente da República, responsável por homologar as políticas energéticas do País, visando: - promover o aproveitamento racional dos recursos energéticos do País; - assegurar o suprimento de insumos energéticos ás áreas mais remotas ou de difícil acesso do País; - rever periodicamente as matrizes energéticas aplicadas às diversas regiões do País, considerando as fontes convencionais e alternativas e as tecnologias disponíveis; - estabelecer diretrizes para programas específicos, como os de uso do gás natural, do álcool, de outras biomassas, do carvão e da energia termonuclear; - estabelecer diretrizes para a importação e exportação, visando atender às necessidades internas de petróleo e derivados, gás natural e condensado, e assegurar o adequado funcionamento do Sistema Nacional de Estoques de Combustíveis e o cumprimento do Plano Anual de Estoques Estratégicos de Combustíveis. O CNPE, presidido pelo Ministro de Minas e Energia, é composto por 9 ministros e 3 representantes da sociedade civil. Fonte: MME, 2008 FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 12

13 Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico - CMSE O CMSE foi criado em 2004, com a função de acompanhar e avaliar permanentemente a continuidade e a segurança do suprimento eletroenergético no País. O CMSE é presidido pelo Ministro de Minas e Energia e composto por quatro representantes do MME e os titulares da ANEEL, ANP, CCEE, EPE e ONS. O CMSE possui as seguintes atribuições: - acompanhar o desenvolvimento das atividades de geração, transmissão, distribuição, comercialização, importação e exportação de energia elétrica, gás natural e petróleo e seus derivados; - avaliar as condições de abastecimento e de atendimento dos recursos eletroenergéticos em horizontes pré-determinados; - realizar periodicamente análise integrada de segurança de abastecimento e atendimento ao mercado de eletroenergéticos; - identificar dificuldades e obstáculos de caráter técnico, ambiental, comercial, institucional e outros que possam afetar a regularidade, a segurança e a expansão dos setores de energia elétrica, gás natural e petróleo e seus derivados; e - elaborar propostas de ajustes, soluções e recomendações de ações preventivas ou saneadoras de situações observadas, encaminhando-as, quando for o caso, ao Conselho Nacional de Política Energética - CNPE. Fonte: MME, 2008 FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 13

14 Empresa de Pesquisa Energética - EPE Criada em 2004, sucedendo a CCPE, a EPE tem o objetivo de efetuar estudos, pesquisas e projeções da matriz energética brasileira em subsídio ao planejamento do setor energético, destacando: - determinar os aproveitamentos ótimos dos potenciais hidráulicos; - o desenvolvimento dos planos de expansão da geração e transmissão de energia elétrica de curto, médio e longo prazos; - definir cenários de demanda e oferta de petróleo, seus derivados e produtos petroquímicos; - o impacto social, viabilidade técnico-econômica e sócio-ambiental para os empreendimentos de energia elétrica e de fontes renováveis; - o desenvolvimento da indústria de gás natural no Brasil e o incremento na utilização do carvão mineral nacional; - avaliar e incrementar a utilização de energia proveniente de fontes renováveis; - subsidiar planos e programas de desenvolvimento energético ambientalmente sustentável, inclusive de eficiência energética; - aos programas de modernização/capacitação da indústria nacional, visando ampliar a participação desta no fornecimento dos bens e equipamentos para a expansão do setor. Fonte: MME, 2008 FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 14

15 ELETROBRÁS Centrais Elétricas Brasileiras S.A. A Eletrobrás foi criada em 1962 para ser a holding do Setor Elétrico Brasileiro. Atualmente controla: 6 subsidiárias: Chesf, Furnas, Eletrosul, Eletronorte, CGTEE e Eletronuclear. Possui ainda a metade do capital de Itaipu Binacional. A capacidade instalada total corresponde a 39,6% do País. Controla cerca de 66% do sistema de transmissão nacional; 6 distribuidoras: Eletroacre (AC), Ceal (AL), Cepisa (PI), Ceron (RO), Manaus Energia (AM) e Boa Vista Energia (RR); Centro de Pesquisas de Energia Elétrica (Cepel); Eletrobrás Participações S.A. (Eletropar). Destaque-se ainda que a Eletrobrás dá suporte a programas estratégicos do governo, como o Programa de Incentivo às Fontes Alternativas de Energia Elétrica (Proinfa), o programa Luz Para Todos e o Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica (Procel). Fonte: Eletrobrás, 2009 FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 15

16 BNDES Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Fundado em 1952, o BNDES é uma empresa pública federal, com personalidade jurídica de direito privado e patrimônio próprio, vinculado ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior; Foco no desenvolvimento através de financiamentos de grandes empreendimentos industriais e da infraestrutura, atuando também nos investimentos sociais e de pequeno porte; Na infraestrutura energética, destaque-se: a expansão e a modernização do setor elétrico; a diversificação da matriz energética nacional; o desenvolvimento do mercado de gás natural; a promoção de energias renováveis; o aumento da oferta de biocombustíveis. Fonte: BNDES, 2009 FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 16

17 BNDES Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Estrutura de investimentos na infraestrutura - Brasil Segmento Investimento R$ bi (2006) Var. % Contribuição aa. R$ bi (06) % Infraestrutura total 124,6 231,7 13,2 107,1 100 Energia elétrica 40,9 101,0 19,8 60,1 56,1 Comunicações 58,3 56,0-0,8-2,3-2,1 Saneamento 13,4 48,0 29,0 34,6 32,3 Ferrovias 9,1 19,9 16,9 10,8 10,1 Portos 2,9 6,8 18,7 3,9 3,6 Fonte: BNDES, citado em Castro, Rosental & Bueno FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 17

18 BNDES Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Expectativa de investimentos na infraestrutura de energia elétrica por atividade Brasil Período Atividade R$ bi (06) % Geração 58 57,4% Distribuição 26 25,7% Transmissão 17 16,8% Total ,0% Fonte: BNDES, citado em Castro, Rosental & Bueno FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 18

19 Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL A ANEEL é uma autarquia sob regime especial, de direito público e autonomia patrimonial, administrativa e financeira, vinculada ao MME. Foi instituída em 1996, sucedendo ao Departamento Nacional de Águas e Energia Elétrica DNAEE, com as seguintes atribuições: regular e fiscalizar a geração, a transmissão, a distribuição e a comercialização da energia elétrica, atendendo reclamações de agentes e consumidores com equilibrio entre as partes e em beneficio da sociedade; mediar os conflitos de interesses entre os agentes do setor elétrico e entre estes e os consumidores; conceder, permitir e autorizar instalações e serviços de energia; garantir tarifas justas; zelar pela qualidade do serviço; exigir investimentos; estimular a competição entre os operadores e assegurar a universalização dos serviços. Fonte: ANEEL, 2009 FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 19

20 Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL A diretoria da ANEEL é constituída por 1 Diretor-geral e mais 4 Diretores, que operam em regime de colegiado, com mandato de 4 anos não coincidentes. A receita financeira da Agência provém de: - recursos da cobrança da taxa de fiscalização de serviços de energia elétrica; - produto da venda de publicações, material técnico, dados e informações, emolumentos administrativos e taxa de inscrição de concurso público; - rendimentos de operações financeiras que a ANEEL realizar; - recursos provenientes de convênios, acordos ou contratos celebrados com entidades, organismos ou empresas; - doações, legados, subvenções e outros recursos que lhe foram destinados; - valores apurados na venda ou aluguel de bens móveis ou imóveis; - valores de multas aplicadas nos termos contratuais e do serviço de energia elétrica. Visando descentralizar algumas atividades, a ANEEL realiza convênios com algumas autarquias reguladoras estaduais, tais como a Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo ARSESP. Fonte: ANEEL, FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 20

21 Câmara de Comercialização de Energia Elétrica - CCEE A CCEE é uma associação civil, de direito privado, e sem fins lucrativos, constituída em 2004, sucedendo ao Mercado Atacadista de Energia MAE. A CCEE é regulada e fiscalizada pela ANEEL, e possui as responsabilidades de administrar, contabilizar e liquidar os contratos de energia elétrica no Sistema Interligado Nacional SIN, destacando: Implantação e divulgação das Regras de Comercialização e dos Procedimentos de Comercialização; Administração do Ambiente de Contratação Regulada (ACR) e Ambiente de Contratação Livre (ACL); Medição e registro da energia verificada através do Sistema de Coleta de Dados de Energia (SCDE); Registro dos contratos firmados entre os Agentes da CCEE; Realização de Leilões de Compra e Venda de Energia Elétrica; Apuração das infrações e penalidades por variações de contratação de energia; Apuração do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD); Contabilização e liquidação das transações realizadas no mercado de curto prazo; Monitoramento das condutas e ações empreendidas pelos Agentes da CCEE. Fonte: MME, 2008 FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 21

22 Câmara de Comercialização de Energia Elétrica - CCEE Participantes da CCEE 3 grupos: Agentes da Categoria Geração Classe de Geradores Concessionários de Serviço Público >= 50 MW instalados Classe de Produtores Independentes >= 50 MW instalados Classe de Autoprodutores >= 50 MW instalados e despachados pelo ONS Agentes da Categoria Distribuição Classe de Distribuidores >= 500 GWh/ano e aqueles com < 500 GWh/ano, mas que não adquirirem a totalidade da energia de supridor com tarifa regulada Agentes da Categoria Comercialização Classe de Agentes Importadores e Exportadores >= 50 MW intercambiados Classe de Comercializadores >= 500 GWh/ano Classe de Consumidores Livres Fonte: MME, 2008 FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 22

23 Câmara de Comercialização de Energia Elétrica - CCEE Conselho de Administração: composto por 5 titulares com mandato de 4 anos e direito a uma única recondução: 1 indicado pelo MME, 1 eleito pelos agentes, 1 eleito pelos geradores, 1 eleito pelos distribuidores e 1 eleito pelos comercializadores. A parte executiva é comandada por 1 superintendente eleito pelo Conselho, com mandato de 2 anos e com uma única recondução permitida. O Conselho Fiscal é composto por 3 titulares e 3 suplentes que representam os grupos de agentes participantes, com mandato de 2 anos e uma única recondução. A Assembléia Geral é composta pelos agentes participantes com a seguinte distribuição dos votos: total de votos, sendo distribuídos igualmente entre todos os agentes e o restante rateado na proporção do volume comercializado nos 12 últimos meses. O custo de funcionamento da CCEE é coberto pelas contribuições de seus Agentes, rateados proporcionalmente à quantidade de votos de cada um, acrescido por eventuais emolumentos. Fonte: MME, CCEE, FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 23

24 Operador Nacional do Sistema Elétrico - ONS O ONS é uma entidade de direito privado, e sem fins lucrativos. Foi criado em 1998 com a função de coordenar e controlar a operação dos ativos de geração e transmissão no Sistema Interligado Nacional SIN. O ONS é regulado e fiscalizado pela ANEEL, e possui as seguintes atribuições: planejamento e a programação da operação e o despacho centralizado da geração, com vistas à otimização do Sistema Interligado Nacional - SIN; supervisão e a coordenação dos centros de operação de sistemas elétricos, a supervisão e o controle da operação do SIN e das interligações internacionais; contratação e a administração de serviços de transmissão de energia elétrica e as respectivas condições de acesso, bem como dos serviços ancilares; proposição ao Poder Concedente das ampliações de instalações da Rede Básica, bem como de reforços do SIN, a serem considerados no planejamento da expansão; Fonte: MME, 2008 FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 24

25 Operador Nacional do Sistema Elétrico - ONS proposição de regras para a operação das instalações de transmissão da Rede Básica do SIN, mediante processo público e transparente; divulgação dos indicadores de desempenho dos despachos realizados, a serem auditados semestralmente pela ANEEL. Membros Associados do ONS: Categoria produção: geradores com usinas despachadas centralizadamente e agentes importadores e exportadores Categoria transmissão: agentes de transmissão Categoria consumo: agentes de distribuição integrantes do SIN e consumidores livres com ativos conectados a Rede Básica Fonte: MME, 2008 FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 25

26 Operador Nacional do Sistema Elétrico - ONS Conselho de Administração: composto por 15 titulares e respectivos suplentes com mandato de 2 anos e direito a uma única recondução: 1 indicado pelo MME, 4 eleitos pelos transmissores, 5 eleitos pelos geradores e 5 eleitos pelos distribuidores. A parte executiva é comandada por 5 diretores, sendo 3 indicados pelo MME, incluindo o diretor geral, e 2 indicados pelos agentes, com mandato de 4 anos e com uma única recondução permitida. O Conselho Fiscal é composto por 3 titulares e 3 suplentes que representam os grupos de agentes participantes, com mandato de 2 anos e uma única recondução. A Assembléia Geral é composta pelos agentes participantes com a seguinte distribuição dos votos: total de votos, sendo votos para os agentes da categoria transmissão, para a categoria produção e para a categoria consumo. A receita financeira do ONS é composta principalmente por parte dos encargos de uso dos sistemas de transmissão e contribuição proporcional aos votos dos membros associados. Fonte: MME, ONS, FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 26

27 A indústria de energia elétrica Fonte: Cury & Pessine, FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 27

28 Fundamentos do modelo setorial vigente O principal instrumento para modicidade tarifária é o leilão para a contratação de energia pelas distribuidoras, com o critério de menor tarifa; Por sua vez, a segurança de suprimento é baseada nos seguintes princípios: Garantir a segurança do suprimento; Criar um marco regulatório estável. A construção eficiente de novos empreendimentos é viabilizada por meio das seguintes medidas: Leilões específicos para contratação de novos empreendimentos de geração de energia; Celebração de contratos bilaterais de longo prazo entre as distribuidoras e os vencedores dos leilões, com garantia de repasse dos custos de aquisição às tarifas dos consumidores; Licença ambiental prévia de empreendimentos hidrelétricos candidatos. Fonte: MME, citado por ONS, FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 28

29 Fundamentos do atual modelo setorial O ACR inclui ainda a energia de Itaipu, os contratos bilaterais firmados antes de 16/03/2004, a energia proveniente de geração distribuída e o Proinfa. Fonte: CCEE, 2009 FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 29

30 Atividade: geração de energia elétrica A atividade de geração consiste na produção de eletricidade, seja hídrica, térmica ou a partir de qualquer fonte; inclui autoprodução, PIE e energia de cogeração; o agente de geração refere-se ao titular de concessão ou autorização para fins de geração de energia elétrica; Produtor Independente x Serviço Público Prazo de maturação e financiamentos; Economias de escala reduzidas; Distância dos centros de carga; Questão sócio-ambiental valorada; Incentivos às PCH's (>=1MW e <=30MW*), geração distribuída e alternativas energéticas consumidores especiais. * Depende das características do reservatório e encontra-se em tramitação a ampliação para 50 MW. FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 30

31 MW Atividade: geração de energia elétrica Oferta de potência por fonte - % e GW Fonte: MME, HIDRO+Itaipu Total Fonte: BEN, FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 31

32 Atividade: geração de energia elétrica Tipo de usina hídrica Operando Construindo Número de usinas térmicas por combustível UHE PCH CGH Total Tipo de usina térmica Operando Construindo Fóssil Biomassa Outros 22 3 Total Óleo Diesel 596 Bagaço de cana 252 Gás natural 85 Resíduos de madeira 27 Óleo combustível 20 Licor negro 13 Gás de alto forno 11 Carvão mineral 8 Outros 29 Fonte: Análise, FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 32

33 Atividade: geração de energia elétrica Capacidade Instalada Brasileira Capacidade Instalada de 2001 a 2010 Capacidade Instalada até 31/12/2010 Ano Potência (MW) TIPO Quantidade Potência (MW) % ,7 CGH ,12 0, ,9 EOL ,89 0, ,1 PCH ,31 3, ,5 SOL 4 0,09 0, ,5 UHE ,19 68, ,5 UTE ,90 25, ,4 UTN ,00 1, ,8 SUBTOTAL ,49 100, , ,49 4,6% a.a. Fonte: ANEEL, FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 33

34 Atividade: transmissão de energia elétrica Monopólio natural; Cerca de 97% da energia produzida no País está interconectada; A transmissão é fundamental para a integração dos sistemas de geração hídrica; Receita Anual Permitida RAP deve cobrir amortização dos investimentos, custos de operação e manutenção e demais encargos; Receita de Reforços autorizados; Planejamento Determinativo: Compete ao MME, em conjunto com o ONS e com a EPE, indicar o conjunto de empreendimentos (ampliações e reforços); Compete à ANEEL verificar as instalações recomendadas pelo planejamento e executar os atos de outorga: leilões de transmissão; resoluções autorizativas. Fonte: ANEEL, FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 34

35 Atividade: transmissão de energia elétrica Fonte: ONS, FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 35

36 Atividade: transmissão de energia elétrica Rede Básica do Sistema Interligado Nacional SIN (Res. ANEEL n 67/2004): Linhas de transmissão, barramentos, transformadores de potência e equipamentos de subestação em tensão igual ou superior a 230 kv; e Transformadores de potência com tensão primária igual ou superior a 230 kv e tensões secundária e terciária inferiores a 230 kv, bem como as respectivas conexões e demais equipamentos ligados ao terciário, a partir de 01/07/2004. FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 36

37 Atividade: transmissão de energia elétrica Demais Instalações de Transmissão DIT (Res. ANEEL n 67/2004): Linhas de transmissão, barramentos, transformadores de potência e equipamentos de subestação, em qualquer tensão, quando de uso de centrais geradoras, em caráter exclusivo ou compartilhado, ou de consumidores livres, em caráter exclusivo; Interligações internacionais e equipamentos associados, em qualquer tensão, quando de uso exclusivo para importação e/ou exportação de energia elétrica; e Linhas de transmissão, barramentos, transformadores de potência e equipamentos de subestação, em tensão inferior a 230 kv, localizados ou não em subestações integrantes da Rede Básica. FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 37

38 Atividade: distribuição de energia elétrica Agente de distribuição: agente titular de concessão ou permissão de serviços e instalações de distribuição para fornecer energia elétrica de forma regulada, exclusivamente para consumidores finais cativos. Monopólio natural; Área de concessão delimitada; Atividade bastante regulada; Livre acesso mediante pedágio - TUSD; 63 distribuidoras, sendo 70% privadas; Precisam estar 100% do mercado próprio contratados. Fonte: MME, FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 38

COGERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E REGULATÓRIOS

COGERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E REGULATÓRIOS COGERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E REGULATÓRIOS Compreenda a regulamentação referente à cogeração de energia e discuta possíveis mudanças as no setor Gabriel Barja São Paulo, outubro de 2006 Viabilidade Viabilidade

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 Índice Conceito de Energia Renovável Energias Renováveis no Brasil Aspectos Gerais de Projetos Eólicos, a Biomassa e PCHs Outorga de Autorização de Projetos Incentivos

Leia mais

VISÃO GERAL DAS OPERAÇÕES NA CCEE Versão 2010

VISÃO GERAL DAS OPERAÇÕES NA CCEE Versão 2010 VISÃO GERAL DAS OPERAÇÕES NA CCEE Versão 2010 Índice CCEE 1. Introdução 4 2. O Modelo Operacional do Setor Elétrico Brasileiro 4 2.1. Histórico 4 2.2. Objetivos do Novo Modelo 10 2.3. Instituições do Setor

Leia mais

2 O Novo Modelo e os Leilões de Energia

2 O Novo Modelo e os Leilões de Energia 2 O Novo Modelo e os Leilões de Energia 2.1. Breve Histórico da Reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro No início da década de 90, o setor elétrico brasileiro apresentava uma estrutura predominantemente

Leia mais

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa MME Secretaria de Planejamento Energético Brasília Março de 2010 Roteiro 1. Cenário da Expansão 2. Características 3. Políticas Energéticas 4. Leilões

Leia mais

O Novo Modelo do Setor Elétrico

O Novo Modelo do Setor Elétrico www.mme.gov.br O Novo Modelo do Setor Elétrico Ministério de Minas e Energia Ministério de Minas e Energia O NOVO MODELO DO SETOR ELÉTRICO A energia elétrica tem papel fundamental e estratégico para a

Leia mais

Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas

Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas Centro Universitário Fundação Santo André MBA Gestão de Energia Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas Prof. Eduardo Matsudo REGULAÇÃO Santo André, 20 de abril de 2011 Conceitos Básicos: microeconomia/economia

Leia mais

Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação

Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação Élbia Melo 12/02/2010 Agenda O Setor Elétrico Brasileiro Comercialização

Leia mais

Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa!

Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa! Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa! Programa de Comunicação Social e Educação Ambiental Sonora-MS Outubro/2012 ONDE ESTAMOS?

Leia mais

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO Luiz Eduardo Barata Secretário-Executivo CÂMARA DOS DEPUTADOS Brasília, 22 de setembro de 2015 Energia

Leia mais

Concessões de Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica: Perguntas e Respostas

Concessões de Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica: Perguntas e Respostas Concessões de Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica: Perguntas e Respostas Perguntas mais frequentes sobre o marco institucional das Concessões Vincendas de Energia Elétrica Setembro

Leia mais

Dinâmica Empresarial e Mecanismo de Formação de Preço Seminário Internacional de Integração Energética Brasil Colômbia

Dinâmica Empresarial e Mecanismo de Formação de Preço Seminário Internacional de Integração Energética Brasil Colômbia Dinâmica Empresarial e Mecanismo de Formação de Preço Seminário Internacional de Integração Energética Brasil Colômbia Antônio Carlos Fraga Machado Presidente do Conselho de Administração da CCEE 15 de

Leia mais

Arbitragem: contratos de energia elétrica

Arbitragem: contratos de energia elétrica Arbitragem: contratos de energia elétrica 23/10/2015 Seminário Arbitragem e Poder Público Solange David Vice-presidente do Conselho de Administração Agenda 1. Comercialização de energia elétrica Câmara

Leia mais

3 Comercialização de energia elétrica

3 Comercialização de energia elétrica 3 Comercialização de energia elétrica As relações comerciais 4 entre os Agentes participantes da CCEE são regidas predominantemente por contratos de compra e venda de energia, e todos os contratos celebrados

Leia mais

4 O mercado brasileiro de energia elétrica

4 O mercado brasileiro de energia elétrica 4 O mercado brasileiro de energia elétrica A matriz energética brasileira é altamente diversificada em função de sua vasta extensão. Nos últimos dez anos, é crescente a participação de fontes não renováveis,

Leia mais

Entenda a Indústria. energia elétrica

Entenda a Indústria. energia elétrica ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DISTRIBUIDORES DE ENERGIA ELÉTRICA Entenda a Indústria de Energia Elétrica Módulo 6 O mercado de energia elétrica Entenda a Indústria de Energia Elétrica Módulo 6 5 A geração e

Leia mais

A Estrutura do Mercado de Energia Elétrica

A Estrutura do Mercado de Energia Elétrica 2º Encontro de Negócios de Energia Promoção: FIESP/CIESP A Estrutura do Mercado de Energia Elétrica 05 de setembro de 2001 São Paulo-SP José Mário Miranda Abdo Diretor-Geral Sumário I - Aspectos Institucionais

Leia mais

O Novo Modelo do Setor Elétrico, a ANEEL e a Geração Distribuída

O Novo Modelo do Setor Elétrico, a ANEEL e a Geração Distribuída Geração Distribuída 2002 INEE O Novo Modelo do Setor Elétrico, a ANEEL e a Geração Distribuída Junho de 2002 - São Paulo - SP Paulo Pedrosa Diretor Ouvidor Sumário I II III o modelo competitivo o papel

Leia mais

As PCHs no contexto energético futuro no Brasil

As PCHs no contexto energético futuro no Brasil As PCHs no contexto energético futuro no Brasil Campinas, 29 de Outubro de 2013. Charles Lenzi Agenda de Hoje Conjuntura Atual Desafios da Competitividade Nossas propostas Conclusões A ABRAGEL Associação

Leia mais

Simpósio Brasileiro sobre Pequenas e Médias Centrais Hidrelétrica. Comercialização 1/20. DCM Diretoria Comercial

Simpósio Brasileiro sobre Pequenas e Médias Centrais Hidrelétrica. Comercialização 1/20. DCM Diretoria Comercial Legislação de Geração de Energia Elétrica Comercialização 1/20 AGENDA: 1. Geração de serviço público, produtores independentes e autoprodução de energia elétrica; 2. Incentivos para a autoprodução de energia

Leia mais

! "# " " $%&'())* ++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

! #   $%&'())* ++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++ TÍTULO I DO OBJETO.... 5 TÍTULO II DAS INSTITUIÇÕES GOVERNAMENTAIS.... 5 CAPÍTULO I - DO PODER CONCEDENTE.... 5 CAPÍTULO II - DA AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA.... 7 Seção I - Das atribuições e da

Leia mais

Leilões de Energia. Eng. José Jurhosa Junior ANEEL

Leilões de Energia. Eng. José Jurhosa Junior ANEEL Leilões de Energia Eng. José Jurhosa Junior ANEEL Cidade do México, D.F. Jan/ 2013 Conteúdo Visão geral Leilões e contratos Processo e sistemáticas 2 Modelo Setor Elétrico Brasileiro Ambiente de contratação

Leia mais

LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA LTE

LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA LTE LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA LTE Aula 1 Conhecendo o Setor Elétrico Brasileiro Aula 1: Conhecendo o Setor Elétrico Brasileiro Prof. Fabiano F. Andrade 2011 Tópicos da Aula Histórico do Ambiente Regulatório

Leia mais

DESAFIOS DO SETOR ENERGÉTICO NO RIO GRANDE DO SUL

DESAFIOS DO SETOR ENERGÉTICO NO RIO GRANDE DO SUL DESAFIOS DO SETOR ENERGÉTICO NO RIO GRANDE DO SUL Humberto César Busnello A SITUAÇÃO ENERGÉTICA DO RIO GRANDE DO SUL TEM QUE SER VISTA NO CONTEXTO DO MODELO DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO, ESPECIALMENTE

Leia mais

A ENERGIA ALTERNATIVA RENOVÁVEL NO BRASIL

A ENERGIA ALTERNATIVA RENOVÁVEL NO BRASIL Ministério de Minas de Energia ORGANIZAÇÃO RENOVE UNEP Risoe Centre on Energy (B-REED Programme) A ENERGIA ALTERNATIVA RENOVÁVEL NO BRASIL Programas de Energias Renováveis no Brasil: Perspectivas para

Leia mais

VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética

VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética Copel Distribuição S.A Vlademir Daleffe 25/03/2015 1 VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH 1. Composição tarifária

Leia mais

Workshop Andrade & Canellas 2010 Mercado de Energia Práticas e Expectativa. A Visão dos Geradores

Workshop Andrade & Canellas 2010 Mercado de Energia Práticas e Expectativa. A Visão dos Geradores Workshop Andrade & Canellas 2010 Mercado de Energia Práticas e Expectativa A Visão dos Geradores Edson Luiz da Silva Diretor de Regulação A Apine Perfil dos Sócios Geradores privados de energia elétrica

Leia mais

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável Gilberto Hollauer Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético Abril de 2015 1 Sumário Política Energética

Leia mais

Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica

Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica Reunião Técnica da ABINEE Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica 19 de novembrode 2013 Alexandre Viana Gerência

Leia mais

Assinatura Digital. Contratos de Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente Regulado - CCEARs

Assinatura Digital. Contratos de Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente Regulado - CCEARs Assinatura Digital Contratos de Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente Regulado - CCEARs Agenda O papel da CCEE Visão geral da comercialização de energia elétrica no Brasil Processo de Assinatura

Leia mais

Panorama do Mercado Livre de Energia Elétrica

Panorama do Mercado Livre de Energia Elétrica Panorama do Mercado Livre de Energia Elétrica Aspectos Regulatórios Luiz Fernando Leone Vianna 08.08.2011 A Apine Perfil dos Sócios geradores privados de energia elétrica concessionárias de geração estaduais

Leia mais

Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil. V Conferência Anual da RELOP

Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil. V Conferência Anual da RELOP Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil V Conferência Anual da RELOP Lisboa, 01.Jun.2012 Agenda O Acionista Grupo Galvão 03 A Empresa Galvão Energia 04 A evolução das fontes

Leia mais

Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas

Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas Centro Universitário Fundação Santo André MBA Gestão de Energia Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas Prof. Eduardo Matsudo Trabalho de Avaliação Santo André, 30 de março de 2011 Trabalho de

Leia mais

Diversificação da Matriz Elétrica Nacional. João Mello A&C Energia

Diversificação da Matriz Elétrica Nacional. João Mello A&C Energia Diversificação da Matriz Elétrica Nacional João Mello A&C Energia Agenda 1. O Momento Atual 2. O Efeito Tarifário 3. As Perspectivas com Novas Fontes 4. Considerações Finais Agenda 1. O Momento Atual 2.

Leia mais

VISÃO GERAL DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO. Histórico

VISÃO GERAL DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO. Histórico VISÃO GERAL DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO Histórico A Constituição Federal brasileira prevê que a exploração dos serviços e instalações de energia elétrica pode ser realizada diretamente pelo Governo Federal

Leia mais

Aspectos Econômico- Financeiros do Setor Elétrico Visão do Regulador

Aspectos Econômico- Financeiros do Setor Elétrico Visão do Regulador XVIII ENCONSEL Aspectos Econômico- Financeiros do Setor Elétrico Visão do Regulador Canela-RS Novembro de 2002 José Mário Miranda Abdo Diretor-Geral Aspectos Econômico-financeiros do Setor Elétrico Visão

Leia mais

Gerenciamento de Energia

Gerenciamento de Energia Gerenciamento de Energia Mapa do Cenário Brasileiro Capacidade total de quase 88.500MW; Geração de 82.000MW; Transmissão de 80.000Km maiores que 230kV; mais de 530 usinas e subestações; 47 milhões de consumidores.

Leia mais

FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO ADMINISTRADOS PELA ELETROBRÁS 2009

FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO ADMINISTRADOS PELA ELETROBRÁS 2009 4.7 - FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO A Centrais Elétricas Brasileiras S.A. - Eletrobrás é a responsável pela gestão de recursos setoriais que atendem às diversas áreas do Setor Elétrico, representados pelos

Leia mais

INFORMAÇÕES AO MERCADO

INFORMAÇÕES AO MERCADO Panorama 2014 1 índice Panorama 2014 Governança do setor elétrico brasileiro A comercialização de energia A CCEE A CCEE Principais atividades Conta-ACR A CCEE em números Quem pode se associar à CCEE? DADOS

Leia mais

ANEEL: 13 anos de atuação no mercado elétrico brasileiro

ANEEL: 13 anos de atuação no mercado elétrico brasileiro Seminário - ABDIB ANEEL: 13 anos de atuação no mercado elétrico brasileiro Romeu Donizete Rufino Diretor da ANEEL 8 de dezembro de 2010 São Paulo - SP 1997 1998 1999 2000 2001 2002 Início das atividades,

Leia mais

ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO

ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO 1. APRESENTAÇÃO O Grupo Genergia, em total sinergia com o pensamento mundial, aliando

Leia mais

Seminário Internacional Portugal Brasil Visão Geral das Operações da CCEE. Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração

Seminário Internacional Portugal Brasil Visão Geral das Operações da CCEE. Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração Seminário Internacional Portugal Brasil Visão Geral das Operações da CCEE Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração Fevereiro de 2012 Visão Geral das Operações da CCEE Mercado

Leia mais

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares Ciências Militares no Século XXI Situação Atual e Desafios Futuros Geopolítica dos Recursos Naturais Fontes Alternativas

Leia mais

CONDIÇÕES DE MERCADO, REGULAÇÃO E OPERAÇÃO DE USINAS SOLARES

CONDIÇÕES DE MERCADO, REGULAÇÃO E OPERAÇÃO DE USINAS SOLARES CONDIÇÕES DE MERCADO, REGULAÇÃO E OPERAÇÃO DE USINAS SOLARES Fábio Sales Dias São Paulo, 14 de agosto de 2012 RESUMO Aspectos Regulatórios e Institucionais Aspectos de Mercado Competitividade Aspectos

Leia mais

Uma introdução ao setor elétrico

Uma introdução ao setor elétrico Uma introdução ao setor elétrico No Brasil, as hidrelétricas respondem por aproximadamente 80% da eletricidade. Isso significa que, se por um lado, o país conta com a fonte mais barata para produção de

Leia mais

Simpósio sobre Estratégias de Gestão de Comercialização de Energia e Eficiência Energética SIBGECE3

Simpósio sobre Estratégias de Gestão de Comercialização de Energia e Eficiência Energética SIBGECE3 Simpósio sobre Estratégias de Gestão de Comercialização de Energia e Eficiência Energética SIBGECE3 Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - 28 a 30nov12 Comercialização de Energia Elétrica

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 2.655, DE 2 DE JULHO DE 1998. Regulamenta o Mercado Atacadista de Energia Elétrica, define as regras de organização do Operador

Leia mais

Mercado de Energia Elétrica

Mercado de Energia Elétrica Centro Universitário Fundação Santo André MBA Gestão de Energia Mercado de Energia Elétrica Prof. Eduardo Matsudo AULA 07 Santo André, 13 de junho de 2011 Gestor de Energia - Mercado Objetivos ótica da

Leia mais

V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa

V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa Aspetos regulatórios da energia renovável no Brasil Fernando Colli Munhoz Assessor Sup. de Regulação

Leia mais

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional Módulo 1 Introdução Revisão 0 1 2 3 4 5 6 Motivo da Revisão Primeira versão aprovada

Leia mais

Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente

Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente Ipea Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada Gesmar Rosa dos Santos Antenor Lopes Conteúdo Características gerais da Oferta Interna

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL. RESOLUÇÃO No 281, DE 01 DE OUTUBRO DE 1999. (*)

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL. RESOLUÇÃO No 281, DE 01 DE OUTUBRO DE 1999. (*) AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO No 281, DE 01 DE OUTUBRO DE 1999. (*) (*) Vide alterações e inclusões no final do texto Estabelece as condições gerais de contratação do acesso, compreendendo

Leia mais

O SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA: ASPECTOS FÍSICOS E REGULAMENTAÇÃO pág. 1 PROGRAMA DETALHADO DOS MÓDULOS - 2014

O SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA: ASPECTOS FÍSICOS E REGULAMENTAÇÃO pág. 1 PROGRAMA DETALHADO DOS MÓDULOS - 2014 pág. 1 PROGRAMA DETALHADO DOS MÓDULOS - 2014 Módulo 1 - INTRODUÇÃO AO SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA. 1.1 Considerações iniciais sobre a indústria de energia elétrica. Características do produto. 1.2 Conceitos

Leia mais

XVII ENERJ. A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios

XVII ENERJ. A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios XVII ENERJ A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios 27 de novembro de 2015 1 Considerações Iniciais Cenário

Leia mais

Riscos e Garantias para a Comercialização de Energia de PCHs Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas

Riscos e Garantias para a Comercialização de Energia de PCHs Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas Riscos e Garantias para a Comercialização de Energia de PCHs Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas Luciano Macedo Freire Conselho de Administração 07 de abril

Leia mais

Ricardo Lima Conselheiro de Administração

Ricardo Lima Conselheiro de Administração XVII Simpósio Jurídico ABCE Riscos e Tendências do Ambiente de Contratação Livre Ricardo Lima Conselheiro de Administração 19 de setembro de 2011 Estrutura Legal da Comercialização Visão Geral das Operações

Leia mais

Painel: Implicações técnicas da regulação do fornecimento de energia elétrica para edificações residenciais e comerciais.

Painel: Implicações técnicas da regulação do fornecimento de energia elétrica para edificações residenciais e comerciais. Painel: Implicações técnicas da regulação do fornecimento de energia elétrica para edificações residenciais e comerciais. Daniel José Justi Bego Especialista em Regulação Superintendência de Regulação

Leia mais

00NY - Transferência de Recursos para a Conta de Desenvolvimento Energético (Lei nº 10.438, de 26 de abril de 2002)

00NY - Transferência de Recursos para a Conta de Desenvolvimento Energético (Lei nº 10.438, de 26 de abril de 2002) Programa 2033 - Energia Elétrica Número de Ações 20 Tipo: Operações Especiais 00NY - Transferência de Recursos para a Conta de Desenvolvimento Energético (Lei nº 10.438, de 26 de abril de 2002) Unidade

Leia mais

Monitoramento da Qualidade do Serviço no Brasil Visão do Órgão Regulador

Monitoramento da Qualidade do Serviço no Brasil Visão do Órgão Regulador Monitoramento da Qualidade do Serviço no Brasil Visão do Órgão Regulador 4º Congreso Internacional de Supervisión del Servicio Eléctrico Romeu Donizete Rufino Diretor-Geral da ANEEL 27 de novembro de 2014

Leia mais

O Novo Ciclo do Mercado Livre de Energia Elétrica

O Novo Ciclo do Mercado Livre de Energia Elétrica O Novo Ciclo do Mercado Livre de Energia Elétrica PAINEL 2 ENTRE DOIS MUNDOS: O REGULADO E O LIVRE Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE Belo Horizonte 16 de outubro de 2008 Entre dois mundos: o regulado

Leia mais

Breve Panorama do Gás Natural no Brasil

Breve Panorama do Gás Natural no Brasil Breve Panorama do Gás Natural no Brasil WAGNER MARQUES TAVARES Consultor Legislativo da Área XII Recursos Minerais, Hídricos e Energéticos NOVEMBRO/2009 Wagner Marques Tavares Consultor Legislativo 2 SUMÁRIO

Leia mais

As empresas Eletrobras

As empresas Eletrobras Perfil da empresa As empresas Eletrobras atuam na geração, transmissão e distribuição de energia elétrica no território brasileiro. São apresentadas nesta seção as organizações que compõem o conjunto empresarial,

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO N 233, DE 29 DE JULHO DE 1999

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO N 233, DE 29 DE JULHO DE 1999 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO N 233, DE 29 DE JULHO DE 1999 Estabelece os Valores Normativos que limitam o repasse, para as tarifas de fornecimento, dos preços livremente negociados

Leia mais

9,2 (+) O&M (Fixo e Variável)

9,2 (+) O&M (Fixo e Variável) Setembro de 2012 Edição Especial 1 OPINIÃO IMPACTO TARIFÁRIO DA RENOVAÇÃO DAS CONCESSÕES Os benefícios para os consumidores provêm da redução de três componentes tarifários: 1. Custo de geração; 2. Custo

Leia mais

A Evolução do Mercado Livre de Energia

A Evolução do Mercado Livre de Energia A Evolução do Mercado Livre de Energia 4º ENASE Antonio Carlos Fraga Machado Presidente do Conselho de Administração 13 de setembro de 2007 Agenda Evolução do Mercado Livre de Energia O Mercado de Energia

Leia mais

Nota Técnica nº 47/2015-CEL/ANEEL. Em 7 de dezembro de 2015. Processo nº: 48500.004029/2015-41

Nota Técnica nº 47/2015-CEL/ANEEL. Em 7 de dezembro de 2015. Processo nº: 48500.004029/2015-41 Nota Técnica nº 47/2015-CEL/ANEEL Em 7 de dezembro de 2015. Processo nº: 48500.004029/2015-41 Assunto: Instauração de Audiência Pública, exclusivamente por intercâmbio documental, para subsidiar o processo

Leia mais

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL GESEL / SINERGIA / EDF A OPÇÃO NUCLEAR PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento

Leia mais

Em resumo, tarifa de energia elétrica dos consumidores cativos é, de forma um pouco mais detalhada, constituída por:

Em resumo, tarifa de energia elétrica dos consumidores cativos é, de forma um pouco mais detalhada, constituída por: A Tarifa de Energia O que é a tarifa de energia? Simplificadamente, a tarifa de energia é o preço cobrado por unidade de energia (R$/kWh). Em essência, é de se esperar que o preço da energia elétrica seja

Leia mais

A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica

A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica Elbia Melo 1 No ano de 2012, o Brasil figurou no cenário internacional

Leia mais

Perspectivas da Contratação de Energia no Mercado Livre

Perspectivas da Contratação de Energia no Mercado Livre Perspectivas da Contratação de Energia no Mercado Livre 19 de Agosto de 2008 ABRACEEL www.abraceel.com.br Venda de Energia Leilão de Energia de Reserva Mercado Livre de Fontes Incentivadas CCEE O Papel

Leia mais

O Pacote do Governo e o Impacto para o Mercado Livre de Energia Elétrica. Cristopher Alexander Vlavianos, Presidente Comerc Energia

O Pacote do Governo e o Impacto para o Mercado Livre de Energia Elétrica. Cristopher Alexander Vlavianos, Presidente Comerc Energia O Pacote do Governo e o Impacto para o Mercado Livre de Energia Elétrica Cristopher Alexander Vlavianos, Presidente Comerc Energia 10 de Dezembro de 2012 Linha do Tempo do Mercado Livre no Brasil 1995

Leia mais

ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES

ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES FONTES DE ENERGIA Hídrica Eólica Biomassa Solar POTENCIAL HÍDRICO Fonte: Eletrobras, 2011. APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO

Leia mais

Mercado de Energia: O Futuro dos Ambientes de Contratação Livre e Regulado Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração da CCEE

Mercado de Energia: O Futuro dos Ambientes de Contratação Livre e Regulado Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração da CCEE Richard Lee Hochstetler Instituto Acende Brasil Mercado de Energia: O Futuro dos Ambientes de Contratação Livre e Regulado Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração da CCEE MERCADO DE ENERGIA:

Leia mais

Unidade de Medida: Unidade de Medida:

Unidade de Medida: Unidade de Medida: Programa 2033 - Energia Elétrica Número de Ações 15 Tipo: Projeto 1379 - Atendimento das Demandas por Energia Elétrica em Localidades Isoladas Não-Supridas pela Rede Elétrica Convencional Unidade Responsável:

Leia mais

COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA. PROJETO DE LEI N o 3.986, DE 2008 I - RELATÓRIO

COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA. PROJETO DE LEI N o 3.986, DE 2008 I - RELATÓRIO COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA PROJETO DE LEI N o 3.986, DE 2008 Altera dispositivos da Lei nº 9.427, de 26 de dezembro de 1996, e da Lei nº 10.848, de 15 de março de 2004, para promover a geração e o consumo

Leia mais

GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA HIDRELÉTRICA-SISTEMA ELÉTRICO

GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA HIDRELÉTRICA-SISTEMA ELÉTRICO GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA HIDRELÉTRICA-SISTEMA ELÉTRICO HIDRELÉTRICAS Definição Originada a partir da energia solar, responsável pela evaporação da água; A água que precipita é armazenada na forma de

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S 1 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. - ELETROBRÁS TOMADA DE PREÇOS N 01/2010 ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 2 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA...3 3. CONTEXTO...4

Leia mais

Subchefia de Assuntos Parlamentares SUPAR

Subchefia de Assuntos Parlamentares SUPAR Quadro comparativo Medida Provisória nº 688, de 18 de agosto de 2015. Repactuação do Risco Hidrológico de Geração de Energia Elétrica Publicada em 18 de agosto de 2015 (DOU EXTRA). Dispõe sobre a repactuação

Leia mais

Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema

Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema Duas importantes medidas foram anunciadas no fim de março pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para tornar mais

Leia mais

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017)

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017) Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017) PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA JANEIRO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017)

Leia mais

LEILÃO A-3/2015: TOPOLOGIA, PREMISSAS E CRITÉRIOS PARA O CÁLCULO DA CAPACIDADE DE ESCOAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA PELA REDE BÁSICA, DIT E ICG

LEILÃO A-3/2015: TOPOLOGIA, PREMISSAS E CRITÉRIOS PARA O CÁLCULO DA CAPACIDADE DE ESCOAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA PELA REDE BÁSICA, DIT E ICG LEILÃO A-3/2015: TOPOLOGIA, PREMISSAS E CRITÉRIOS PARA O CÁLCULO DA CAPACIDADE DE ESCOAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA PELA REDE BÁSICA, Empresa de Pesquisa Energética Av. Rio Branco, 001 - Centro 20090-003

Leia mais

Metering system for billing in the National Interconnected System Sistema de Medição para Faturamento no Sistema Interligado Nacional Neyl Hamilton

Metering system for billing in the National Interconnected System Sistema de Medição para Faturamento no Sistema Interligado Nacional Neyl Hamilton Metering system for billing in the National Interconnected System Sistema de Medição para Faturamento no Sistema Interligado Nacional Neyl Hamilton M. Soares Medição para Faturamento no Sistema Interligado

Leia mais

Mesa Redonda - Perspectivas de Suprimento e Preços da Energia Elétrica para a Indústria

Mesa Redonda - Perspectivas de Suprimento e Preços da Energia Elétrica para a Indústria Mesa Redonda - Perspectivas de Suprimento e Preços da Energia Elétrica para a Indústria Sílvio Roberto Areco Gomes ABRAGE São Paulo 05 de junho de 2008 ROTEIRO A ABRAGE Situação Atual do Armazenamento

Leia mais

São Paulo, 28 de abril de 2006. Ref.: Contribuição à Consulta Pública Plano Decenal de Energia Elétrica PDEE 2006/2015

São Paulo, 28 de abril de 2006. Ref.: Contribuição à Consulta Pública Plano Decenal de Energia Elétrica PDEE 2006/2015 São Paulo, 28 de abril de 2006 CT/301/2006 Excelentíssimo Senhor Silas Rondeau Ministério de Minas e Energia Brasília DF CC: Ministério de Minas e Energia Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES RELATIVAS AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA 014/2006

CONTRIBUIÇÕES RELATIVAS AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA 014/2006 CONTRIBUIÇÕES RELATIVAS AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA 014/2006 Outubro/2006 Página 1 CONTRIBUIÇÕES RELATIVAS AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA 014/2006...1 1 OBJETIVO...3 2 REALIZAÇÃO DO INVESTIMENTO

Leia mais

MODELO COMPUTACIONAL PARA GESTÃO DE RISCOS NA COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

MODELO COMPUTACIONAL PARA GESTÃO DE RISCOS NA COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA MODELO COMPUTACIONAL PARA GESTÃO DE RISCOS NA COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA TONELLI, Anderson Vitor Pereira Universidade Federal de Itajubá. Dissertação de Mestrado Integrante do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

TECNOLOGIA E INOVAÇÃO NO SISTEMA ELETROBRÁS

TECNOLOGIA E INOVAÇÃO NO SISTEMA ELETROBRÁS TECNOLOGIA E INOVAÇÃO NO SISTEMA ELETROBRÁS Ubirajara Rocha Meira Diretor de Tecnologia 12ª Feira Internacional da Indústria Elétrica e Eletrônica Belo Horizonte MG 19-22 AGOSTO 2008 Sumário O Sistema

Leia mais

G A R A N T I A D E O F E R T A, V I S Ã O I N O V A D O R A E OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTOS ENERGIA NO

G A R A N T I A D E O F E R T A, V I S Ã O I N O V A D O R A E OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTOS ENERGIA NO G A R A N T I A D E O F E R T A, V I S Ã O I N O V A D O R A E OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTOS ENERGIA NO Sumário 1 2 3 4 Matriz diversificada Investimentos Panorama setorial Hidrelétricas Petróleo e gás

Leia mais

ETENE. Energias Renováveis

ETENE. Energias Renováveis Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste ETENE Fonte: http://www.noticiasagronegocios.com.br/portal/outros/1390-america-latina-reforca-lideranca-mundial-em-energias-renovaveis- 1. Conceito

Leia mais

Modelo Institucional do Setor Elétrico

Modelo Institucional do Setor Elétrico Ministério de Minas e Energia Modelo Institucional do Setor Elétrico Brasília, 11 de dezembro de 2003. 2 Modelo Institucional do Setor Elétrico SUMÁRIO 1 Resumo Executivo... 7 1.1 Objetivos...7 1.2 Tópicos

Leia mais

Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica

Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica Conceitos Básicos: Os consumidores de energia elétrica pagam um valor correspondente à quantidade de energia elétrica consumida, no mês anterior, estabelecida

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL GE Distributed Power Jose Renato Bruzadin Sales Manager Brazil T +55 11 2504-8829 M+55 11 99196-4809 Jose.bruzadini@ge.com São Paulo, 11 de Julho de 2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: GE Distributed Power AGÊNCIA

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SIN

CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SIN 2 CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SIN 2.1 VOCAÇÃO À HIDROELETRICIDADE O sistema de produção e transmissão de energia elétrica do Brasil Sistema Interligado Nacional (SIN) pode ser classificado

Leia mais

Considerações da ABRAGE sobre o Vencimento das Concessões de. Brasília, 06 de julho de 2011

Considerações da ABRAGE sobre o Vencimento das Concessões de. Brasília, 06 de julho de 2011 Audiência Pública no Senado Federal Considerações da ABRAGE sobre o Vencimento das Concessões de Usinas Hidrelétricas Brasília, 06 de julho de 2011 A ABRAGE Associação civil sem fins lucrativos; Instituída

Leia mais

A Regulação da Conexão ao Sistema

A Regulação da Conexão ao Sistema Painel 2: Aspectos Regulatórios em Pauta para Fontes Alternativas A Regulação da Conexão ao Sistema João Mello - Presidente Fontes Alternativas Conexão A conexão de fontes alternativas possuem características

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 11.097, DE 13 DE JANEIRO DE 2005. Mensagem de veto Conversão da MPv nº 214, de 2004 Dispõe sobre a introdução do biodiesel

Leia mais

Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida

Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida Secretário de Infraestrutura Energia Renovável em Pernambuco Desenvolvimento Técnico,

Leia mais

PROVA OBJETIVA. 8 O sistema de transmissão destina-se ao transporte de blocos. 9 O arranjo do tipo barra em anel requer o uso de apenas um

PROVA OBJETIVA. 8 O sistema de transmissão destina-se ao transporte de blocos. 9 O arranjo do tipo barra em anel requer o uso de apenas um De acordo com o comando a que cada um dos itens a seguir se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com o

Leia mais