VENDAS - SÃO PAULO VENDAS - FILIAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VENDAS - SÃO PAULO VENDAS - FILIAIS"

Transcrição

1

2 Cores padrão CBA As cores aqui impressas são representativas das cores anodizadas originais Unidade de Anodização - SP

3 Anodizados Exemplo de aplicação Uma das obras mais antigas que utilizou perfis anodizados de alumínio em sua construção foi o prédio Empire State Building em New York. Esta obra data de 1931 e seus componentes estão em ótimo estado até hoje. É impossível falar de alumínio, sem falar da Companhia Brasileira de Alumínio. A CBA vem reforçando a cada passo a marca do seu pioneirismo desde do início de suas atividades, com a introdução de modernos métodos produtivos, constantes inovações tecnológicas, preocupação com o meio ambiente e com os recursos humanos, posicionando-se entre as maiores empresas do setor de alumínio no mundo. É essa fi losofi a que norteia há 15 anos a unidade de Anodização da CBA, localizada em Alumínio (SP), que realizou signifi cativos investimentos para concluir em 2002 mais uma etapa de modernização dessa linha, resultando num sistema totalmente automatizado de controle de parâmetros de processo, relacionado à temperatura de banho, o ponto crucial da operação. Desde a estrutura civil do prédio, rede de tubulações, remodelação dos tanques, total automatização do controle de temperatura, instalação de modernos lavadores de gases, estação de tratamento de efl uentes específi ca para a Anodização, incluindo cursos de reciclagem, segurança e qualidade sobre o tema, constituíram item dessa reestruturação, apoiada ainda pela geração própria de energia elétrica, insumo de elevado consumo no processo. E o principal: Os produtos anodizados que deixam mensalmente a fábrica passaram pela mais avançada tecnologia disponível no mercado mundial no que se refere a produtos químicos, equipamentos e tecnologia de processo. O resultado não pode ser outro: a CBA agora é uma empresa que possui a Certifi cação reconhecida pelo INMETRO, de acordo com a norma ABNT NBR Anodização para fi ns arquitetônicos, através do Instituto Falcão Bauer de Qualidade, que garante a espessura e a selagem da camada de anodização, traduzida em qualidade certifi cada que permite o desempenho adequado dos perfi s anodizados CBA. CBA. A marca do alumínio. Expansão do Parque Industrial Companhia Brasileira de alumínio - CBA Alumínio - SP 3 Usina hidrelétrica Salto do Iporanga

4 Anodização Anodizar uma peça é submetê-la a um processo eletroquímico que resulta na formação de uma camada, controlada e uniforme, de óxido na superfície do alumínio. Processo de anodização CATODO (-) Processo eletroquímico ANODO (+) RETIFICADOR ELÉTRICO TANQUE MATERIAL A SER ANODIZADO (+) ANODO ELETRÓLITO Estrutura da camada A estrutura básica da camada é formada por células hexagonais. Cada uma delas possui um poro central e no fundo de cada poro forma-se uma fina camadabarreira que separa o óxido em formação do alumínio. Corte esquemático de um feixe de células hexagonais Esquematização da vista superior da camada anôdica Linha piloto de anodização 4 Laboratório de ensaios e análises de processo

5 Formação da camada A camada-barreira camada de alumina contínua e compacta, que impede a passagem da corrente elétrica é formada a partir da oxidação da peça de alumínio, em uma solução que contenha ação dissolvente sobre a camada de alumina. Após a formação da camada-barreira, aparecem na sua superfície milhares de pontos de ataque, que são conseqüência do efeito da dissolução da película pelo eletrólito (banho ácido), que se produz no centro das células de alumina, e que constitui o começo dos poros, formando assim a camada porosa. Cada poro (ponto de ataque) pode ser considerado como uma fonte de corrente, a partir da qual vai se desenvolver um campo de potencial. Os íons que se apresentam na separação óxido-eletrólito fornecem o oxigênio que transforma a porção reatacada em óxido. Simultaneamente, a ação de dissolução do eletrólito continua se manifestando na base dos poros, tendendo a diminuir a espessura da camada-barreira que se dissolve: os poros se alargam, fazendo com que os íons penetrem mais facilmente, ocorrendo liberação de calor, que tende a favorecer a dissolução, conforme a reação: (2Al + 3O 2 > Al 2 O cal). 2 Estágios de crescimento da camada anódica Alumínio Começo dos poros Poros Camada barreira Partícula anódica no princípio de sua formação em um eletrólito com ação dissolvente sobre a película. Estados sucessivos do progresso de película anódica, a partir de um poro isolado. 5 Estação de tratamento de efl uentes da Unidade de Anodização CBA

6 Etapas do processo de anodização O processo de anodização para fins arquitetônicos atende às seguintes etapas básicas: Fluxograma dos estágios básicos de gases Enganchamento Desengraxe Decapagem Limpeza de gases Neutralização Free Al (Recuperador de ácido) Refrigeração Anodização Selagem de gases Coloração Estação de tratamento quente Circuito fechado de água industrial Desmontagem Extrudado anodizado Embalagem Lavadores de gases 6 Circuito automatizado de banhos de processo

7 Enganchamento Desengraxe Na fase inicial do Enganchamento, os perfis CBA são fixados nas gancheiras, de forma que: As áreas de contato não fiquem localizadas em pontos críticos da superfície de trabalho. O contato perfil-gancheira seja firme e não permita o deslocamento da peça durante o processo. Promova um perfeito contato elétrico entre a peça e a fonte geradora de energia. Desengraxe O Desengraxe promove a limpeza das superfícies, com solução aquosa, levemente alcalina, para eliminar possíveis óleos e graxas oriundos do processo de extrusão. Após esta etapa e após cada uma das etapas subsequentes indicadas no Fluxograma, é feita uma com água, para garantir a ausência de resíduos na superfície das peças que possam contaminar os banhos seguintes. Fosqueamento Para conferir uniformidade à superfície do metal e proporcionar um acabamento fosco acetinado característico, as peças são imersas num banho denominado Fosqueamento que permite o afl oramento de óxidos indesejáveis (Si, Mg, Mn) que possam vir a interferir no processo de anodização propriamente. Neutralização As partículas de intermetálicos ou hidróxidos que ficam na superfície do alumínio, decorrentes das reações químicas dos elementos de liga durante a fase de fosqueamento, são removidas pela ação da Neutralização, deixando as peças prontas para a Anodização. 7 Processo de lavagem Processo de desengraxe

8 Anodização Processo eletroquímico que promove a formação de uma camada controlada e uniforme de óxido na superfície do alumínio, a Anodização pode ser diretamente influenciada por algumas variáveis: Temperatura interfere nas propriedades físico-químicas da camada formada, tais como porosidade, dureza, aderência, além de interferir na resistividade do eletrólito. Tensão e corrente elétrica a voltagem determina a porosidade inerente das camadas anódicas: baixas voltagens propiciam grande número de poros de tamanho muito pequeno, enquanto voltagens mais altas resultam em pequeno número de poros de tamanhos maiores. A corrente elétrica (densidade de corrente - A/dm²) é responsável pela taxa de crescimento da camada. Altas densidades de corrente proporcionam camadas com maiores taxas de crescimento, porém a geração de calor será maior entre a interface camada/eletrólito, dificultando a retirada de calor e formando camadas irregulares. Agitação do eletrólito a homogeneização da temperatura do eletrólito é obtida pela agitação moderada e uniforme do eletrólito, dispersando o calor e evitando o aquecimento localizado (superfície do perfil), que afeta adversamente as características da camada. Tempo é que determina a espessura da camada anódica - a espessura da camada anódica aumenta com o tempo de anodização; contudo essa espessura é limitada pois, enquanto a camada está sendo formada eletroliticamente, ocorre, simultaneamente, uma dissolução química parcial da mesma. O tempo requerido para obtenção da espessura do filme anódico a ser produzido, em função da densidade de corrente, é calculado por: t = m 0,3 x d t = tempo requerido em minuto m = espessura da camada requerida em microns d = densidade de corrente em A/dm² A espessura calculada é, na realidade, um mínimo nominal e haverá variação na espessura do fi lme dentro de uma mesma cargana faixa de 2microns. A espessura da camada a ser adotada depende do grau de agressividade do ambiente onde será utilizado o perfil de alumínio, conforme tabela abaixo: Agressividade Ambiente Camada Classe Média Rural/Urbano 11 à 15µ A13 Alta Marinho 16 à 20µ A18 Altíssima Industrial 21 à 25µ A23 Processo de Anodização 8 Sala dos refrigeradores

9 Coloração O sistema de coloração eletrolítica consiste de um subseqüente tratamento eletrolítico em uma solução ácida de um sal de metal, através do uso de corrente alternada, onde partículas metálicas são precipitadas no fundo dos poros, produzindo cores cuja intensidade depende do tempo de coloração e da tensão aplicada. Do ponto de vista prático, tem sido demonstrado que a coloração é obtida pela deposição de partículas de metal no fundo dos poros da camada de óxido durante a fase negativa da senóide da corrente alternada. A intensidade da cor é função da difração da luz na camada de óxido, que contém partículas de metal em seus poros. Quanto maior o tempo de coloração, maior será a deposição de metal nos poros da camada de óxido e, conseqüentemente, a intensidade da cor será mais escura, devido à menor refl exão da luz. Esta é a razão porque os vários metais usados (Sn 2+, Ni 2+ e Co 2+ ) proporcionam quase que a mesma faixa de cores, que vai do bronze claro ao preto. Como exceção, citamos o cobre, o qual tem sua própria tonalidade intrínseca (vermelha) e que proporciona cores que vão do rosa ao grená à preta. Utilizamos sais de estanho por apresentar melhor poder de penetração, o que permite conseguir a mesma tonalidade em perfis que apresentam canaletas profundas. Sob as condições convencionais de operação, o íon Sn² +, responsável pela coloração, não é muito estável. Pela simples exposição à luz e ao ar, é transformado em Sn 4+, que se precipita como hidróxido insolúvel no fundo do tanque, tornando-se, assim, inútil para o processo de coloração. Dessa forma, é essencial adicionar agentes estabilizadores, além de evitar ao máximo a introdução de oxigênio no banho, por agitação inadequada do mesmo. Esquema das várias etapas de preenchimento dos poros com suas respectivas tonalidades A B C D E F A - Champanhe Claro B - Champanhe C - Bronze Claro D - Bronze Médio E - Bronze Escuro F - Preto Perfi s anodizados 9 Saída de tanque da coloração

10 Selagem a frio A selagem é uma das etapas mais críticas do Processo de Anodização e foco indispensável das análises de Certificação de Qualidade. Caracteriza-se pelo fechamento dos poros da camada anodizada e é necessária para neutralizar a absorção de agentes externos, assegurando o desempenho de todas as fases anteriores e proporcionando completa proteção ao metal base: evita desbotamento da cor pela ação da luz solar e garante total resistência a fotooxidação. Enquanto o processo tradicional de selagem com água quente (80 à 100 C) envolve hidratação da camada anódica para formar a boemita, gerando um aumento do seu volume específi co e impermeabilizando totalmente os poros, a selagem a frio é normalmente descrita como um processo de impregnação a frio. Constitui-se na conversão química envolvendo a formação de um fl uoreto de alumínio complexo. A função do níquel é promover e acelerar o processo natural de envelhecimento. Baixos teores de níquel e fluoreto resultam numa desaceleração da reação. Estudos sugerem a seguinte relação dos principais produtos da reação formada: Alumínio Camada anódica sem selado. Alumínio Formação do gel nas paredes dos poros. Al(OH)F 2 : Ni(OH) 2 : 3Al(OH) 2. Esses estudos consideram que há a possibilidade de uma quantidade significativa de alumínio, dissolvido na reação da selagem a frio, produzir o fechamento inicial do poro com Al 2 O 3.H 2 O, seguido por reações com o fluoreto e o níquel e com o vapor d água, para promover hidratação posterior do filme e preenchimento dos poros com os produtos da reação, resultando numa melhor qualidade de selagem. Alumínio Gel em processo de solidifi cação formando uma estrutura boemita. camada intermediária Micrografia eletrônica de uma camada anódica, mostrando os poros e a camada-barreira. Alumínio Recristalização formando a boemita, completando o processo de selagem. A selagem continua em processo de cura ao fi nal das etapas descritas acima. Área da desmontagem das cargas de perfi s 10 Área de montagem das cargas

11 Logística A Companhia Brasileira de Alumínio CBA tem produção completamente integrada na sua fábrica em Alumínio, interior de São Paulo, onde a bauxita é recebida diretamente de suas minas em Poços de Caldas (MG) e Cataguases (MG) e, após diversos processamentos, resulta em produtos fundidos e transformados. Essa capacidade de produção faz com que a CBA otimize tempo e custos, evitando também problemas decorrentes de manuseio, transferência, transporte e armazenamento. Com 11 usinas hidrelétricas próprias, gerando 60% da energia necessária para sua produção anual, a CBA diminui riscos de queda na produção e minimiza o impacto dos custos referentes a energia gerada pelo Estado. Nas 13 Filiais espalhadas em pontos estratégicos do Brasil, a CBA possui um estoque dos principais produtos anodizados para atender a demanda em pronta entrega e sem exigência de quantidade mínima. Armazenados corretamente e orientados de acordo com as linhas de uso do mercado brasileiro, os produtos são embalados um a um, para evitar atrito, e posteriormente em fardos de papel crepon. Além dos estoques das filiais, a CBA possui um Depósito Centralizador de Abastecimento que se localiza na fábrica e que funciona como um pulmão para o abastecimento das filiais e eventuais pedidos de clientes. Filial de distribuição 11

12 EDIÇÃO SETEMBRO / 2002 VENDAS - SÃO PAULO Cabos de alumínio: (0xx11) Construção Civil: (0xx11) Distribuição: (0xx11) Embalagens: (0xx11) Exportação: (0xx11) Transportes: (0xx11) ESCRITÓRIO CENTRAL Praça Ramos de Azevedo, 254-4º andar São Paulo - SP - CEP Fone (0xx11) (pabx) Fax (0xx11) / (vendas) FÁBRICA Rua Moraes do Rego, 347 Alumínio - SP - CEP Fone (0xx11) Fax (0xx11) /5947 GERÊNCIA DE FILIAIS (0xx11) VENDAS - FILIAIS BELÉM - PA Rod. BR km 05 - nº Bairro Coqueiro Ananindeua - CEP Fone (0xx91) Fax (0xx91) CAMPINAS - SP Rua Manuel Francisco Monteiro, 366 Parque Industrial - CEP Fone (0xx19) Fax (0xx19) CAXIAS DO SUL - RS Rua Antônio Montemezzo, Floresta Caxias do Sul - CEP Fone (0xx54) / Fax (0xx54) CONTAGEM - MG Av. Dr. Antônio Chagas Diniz, Industrial Contagem - CEP Fone (0xx31) Fax (0xx31) CURITIBA - PR Rua Isaac Guelmman, Novo Mundo Curitiba - CEP Fone (0xx41) Fax (0xx41) ESTEIO - RS Rodovia BR nº Industrial Esteio - CEP Fone (0xx51) Fax (0xx51) FORTALEZA - CE Av. Francisco Sá, Barra do Ceará Fortaleza - CEP Fone/Fax (0xx85) GASPAR - SC Rua Anfi lóquio Nunes Pires, Bairro Figueira Gaspar - CEP Fone:(0xx47) Fax (0xx47) RECIFE - PE Av. Marechal Mascarenhas de Moraes, Imbiribeira Recife - CEP Fone (0xx81) Fax (0xx81) RIBEIRÃO PRETO - SP Av. Mogiana, Vila Carvalho Ribeirão Preto - CEP Fone (0xx16) Fax (0xx16) RIO DE JANEIRO - RJ Av. Brasil, Parada de Lucas Rio de Janeiro - CEP Fone (0xx21) Fax (0xx21) SALVADOR - BA Rua Secundária s/ nº - Bairro Campinas de Pirajá Est. Velha de Campinas km 3,5 Salvador - CEP Fone/Fax (0xx71) SÃO PAULO - SP Av. Henry Ford, 234 / Moóca São Paulo - CEP Fone (0xx11) Fax (0xx11)

Já sabemos que o tratamento de superfície tem, principalmente, a finalidade de proteger peças ou materiais da corrosão e de outros tipos de desgaste.

Já sabemos que o tratamento de superfície tem, principalmente, a finalidade de proteger peças ou materiais da corrosão e de outros tipos de desgaste. Recobrimento metálico Um problema Já sabemos que o tratamento de superfície tem, principalmente, a finalidade de proteger peças ou materiais da corrosão e de outros tipos de desgaste. Essa proteção pode

Leia mais

MECANISMOS DA CORROSÃO. Professor Ruy Alexandre Generoso

MECANISMOS DA CORROSÃO. Professor Ruy Alexandre Generoso MECANISMOS DA CORROSÃO Professor Ruy Alexandre Generoso MECANISMOS DA CORROSÃO De acordo com o meio corrosivo e o material, podem ser apresentados diferentes mecanismos. Os principais são: MECANISMO QUÍMICO

Leia mais

Ecozink ML. Descrição:

Ecozink ML. Descrição: Ecozink ML Descrição: Ecozink ML é um processo isento de complexantes ou quelantes, indicado para banhos de zinco alcalino sem cianeto. Ecozink ML opera com dois aditivos que proporciona grande eficiência

Leia mais

Transformadores Secos. Motores Automação Energia Tintas

Transformadores Secos. Motores Automação Energia Tintas Motores Automação Energia Tintas www.weg.net Em um Transformador Seco WEG, há mais de 40 anos de experiência na fabricação de motores elétricos, mais de 25 anos na fabricação de transformadores e toda

Leia mais

Introdução. Princípios da corrosão: reações de oxiredução potencial de eletrodo - sistema redox em equilíbrio - Diagrama de Pourbaix

Introdução. Princípios da corrosão: reações de oxiredução potencial de eletrodo - sistema redox em equilíbrio - Diagrama de Pourbaix Introdução Princípios da corrosão: reações de oxiredução potencial de eletrodo - sistema redox em equilíbrio - Diagrama de Pourbaix Introdução Conceitos de oxidação e redução 1 - Ganho ou perda de oxigênio

Leia mais

Montagem de placas eletrônicas sob atmosfera inerte. menores custos. www.airliquide.com

Montagem de placas eletrônicas sob atmosfera inerte. menores custos. www.airliquide.com Montagem de placas eletrônicas sob atmosfera inerte Nada de chumbo. maior qualidade, menores custos. www.airliquide.com Por que usar ALIX Maior qualidade e produtividade Menores custos e melhor desempenho

Leia mais

Película Scotchcal MR Série D

Película Scotchcal MR Série D Película Scotchcal MR Série D Dados Técnicos Novembro/2005 Substitui: Julho/2005 Revisão 01 Barras pretas nas margens indicam as alterações Descrição Descrição e usos As Películas Scotchcal MR Série D

Leia mais

FATORES QUE PODEM IMPLICAR EM FALHAS PREMATURAS DE PINTURA INTERNA in situ DE DUTOS 2006

FATORES QUE PODEM IMPLICAR EM FALHAS PREMATURAS DE PINTURA INTERNA in situ DE DUTOS 2006 FATORES QUE PODEM IMPLICAR EM FALHAS PREMATURAS DE PINTURA INTERNA in situ DE DUTOS 2006 Joaquim Pereira Quintela PETROBRAS/CENPES Victor Solymossy PETROBRAS/CENPES INTRODUÇÃO Vantagens do emprego de revestimentos

Leia mais

MECANISMOS BÁSICOS DE CORROSÃO

MECANISMOS BÁSICOS DE CORROSÃO Centro Universitário de Brasília Disciplina: Química Tecnológica Geral Professor: Edil Reis MECANISMOS BÁSICOS DE CORROSÃO No estudo dos processos corrosivos devem ser sempre consideradas as variáveis

Leia mais

ESTUDO SOBRE DESTINAÇÃO ADEQUADA AOS RESÍDUOS LÍQUIDOS, SÓLIDOS E GASOSOS GERADOS NO PROCESSO DE GALVANOPLASTIA DA INDÚSTRIA I. T.

ESTUDO SOBRE DESTINAÇÃO ADEQUADA AOS RESÍDUOS LÍQUIDOS, SÓLIDOS E GASOSOS GERADOS NO PROCESSO DE GALVANOPLASTIA DA INDÚSTRIA I. T. ESTUDO SOBRE DESTINAÇÃO ADEQUADA AOS RESÍDUOS LÍQUIDOS, SÓLIDOS E GASOSOS GERADOS NO PROCESSO DE GALVANOPLASTIA DA INDÚSTRIA I. T. Jaqueline Aparecida Toigo IC-Fecilcam, Engenharia de Produção Agroindustrial,

Leia mais

SOLUÇÕES EM ALUMÍNIO 2015 PERFILO Localizada em Veranópolis, na Serra Gaúcha, próximo ao maior pólo moveleiro do país, a Perfilo é a mais nova empresa do Grupo Rometal. A empresa possui 12.000 m 2 de

Leia mais

EMBALAGENS PARA ESTERILIZAÇÃO.

EMBALAGENS PARA ESTERILIZAÇÃO. EMBALAGENS PARA ESTERILIZAÇÃO. Márcia Cristina O Pereira Enfermeira encarregada da central de material esterilizado HMSL. Especialista em CC, CME, RA USP Mestrado em saúde do adulto - USP FINALIDADE DA

Leia mais

Prova Experimental Física, Química, Biologia

Prova Experimental Física, Química, Biologia Prova Experimental Física, Química, Biologia Complete os espaços: Nomes dos estudantes: Número do Grupo: País: BRAZIL Assinaturas: A proposta deste experimento é extrair DNA de trigo germinado e, posteriormente,

Leia mais

TECNOLOGIA DE SUPERFÍCIE TECNOLOGIA DE SUPERFÍCIES

TECNOLOGIA DE SUPERFÍCIE TECNOLOGIA DE SUPERFÍCIES TECNOLOGIA DE SUPERFÍCIES Sorocaba - SP Porto Alegre - RS Betim - MG Recife - PE R. de Janeiro - RJ A CASCADURA Simões Filho - BA Fundada em 1950, na cidade de São Paulo. Atualmente, possui 06 fábricas

Leia mais

Película Scotchcal MR Série D

Película Scotchcal MR Série D Película Scotchcal MR Série D Dados Técnicos Abril/2008 Substitui: Julho/2006 Revisão 03 Barras pretas nas margens indicam as alterações Descrição Descrição e usos As Películas Scotchcal MR Série D são

Leia mais

Prêmio AEA 2015 Projetos de Meio Ambiente. Eliminação do Processo de Fosfatização

Prêmio AEA 2015 Projetos de Meio Ambiente. Eliminação do Processo de Fosfatização Prêmio AEA 2015 Projetos de Meio Ambiente Eliminação do Processo de Fosfatização Ana Carolina Catoira, Adalberto Luksaitis, Maurilio Pereira, Emerson Molina e Pedro Feitosa ZF do Brasil Resumo Uma nova

Leia mais

Aluminas hidratadas e calcinadas Desenvolvidas com o mais rigoroso controle de processo e qualidade

Aluminas hidratadas e calcinadas Desenvolvidas com o mais rigoroso controle de processo e qualidade Aluminas hidratadas e calcinadas Desenvolvidas com o mais rigoroso controle de processo e qualidade A Fórmula da Produtividade As aluminas hidratadas Alcoa são empregadas na produção de policloreto de

Leia mais

ESTÚDIO DE ARQUITETURA: SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL MARINA CUNHA BARBOSA ELEMENTOS DE FACHADA

ESTÚDIO DE ARQUITETURA: SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL MARINA CUNHA BARBOSA ELEMENTOS DE FACHADA ELEMENTOS DE FACHADA Belo Horizonte, 08 de maio de 2014 1- FACHADAS EM ALUMÍNIO E VIDRO 1.1 ALUMÍNIO A grande questão da utilização do alumínio em fachadas cortina é a definição do tipo de revestimento

Leia mais

CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO. Prof. Ruy Alexandre Generoso

CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO. Prof. Ruy Alexandre Generoso CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO Prof. Ruy Alexandre Generoso É um dos materiais mais importantes de engenharia usado em construções. É usado nos mais variados tipos de construções tais como: barragens,

Leia mais

SurTec 704 Processo de Zinco Alcalino sem Cianeto

SurTec 704 Processo de Zinco Alcalino sem Cianeto SurTec 704 Processo de Zinco Alcalino sem Cianeto 1- DESCRIÇÃO Adequado para banhos parados ou rotativos. Excelente dispersão de camada entre alta e baixa densidade de corrente com variações na ordem de

Leia mais

Componente B Catalisador AL 1006 Componente B (12256557) - (1,5L)

Componente B Catalisador AL 1006 Componente B (12256557) - (1,5L) WEGNILICA CVE 804 DESCRIÇÃO DO PRODUTO: Promotor de aderência bicomponente, formulado a partir de resinas vinílicas com excelente aderência sobre metais ferrosos e não ferrosos. RECOMENDAÇÕES DE USO: Indicado

Leia mais

Prisma Plus Sistema P

Prisma Plus Sistema P Distribuição elétrica baixa tensão Prisma Plus Sistema P Painéis até 4000 A Prisma Plus: uma oferta pensada para maior profissionalismo Painéis Prisma Plus Sistema P: painéis evolutivos adaptados a todas

Leia mais

MANUSEIO E ARMAZENAMENTO DE ÓLEO DIESEL B ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS

MANUSEIO E ARMAZENAMENTO DE ÓLEO DIESEL B ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS MANUSEIO E ARMAZENAMENTO DE ÓLEO DIESEL B ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS Com a criação do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel, em 2004, e a aprovação da Lei nº 11.097, de 13 de janeiro de 2005,

Leia mais

DURABILIDADE DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO

DURABILIDADE DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO Objetivo Assegurar que a estrutura satisfaça, durante o seu tempo de vida, os requisitos de utilização, resistência e estabilidade, sem perda significativa de utilidade nem excesso de manutenção não prevista

Leia mais

METALURGIA DO PÓ METALURGIA DO PÓ

METALURGIA DO PÓ METALURGIA DO PÓ METALURGIA DO PÓ Prof. M.Sc.: Anael Krelling 1 O MERCADO DA METALURGIA DO PÓ Ligas de Ferro com grande precisão e elevada qualidade estrutural Materiais de difícil processamento, com alta densidade e microestrutura

Leia mais

BT 0011 BOLETIM TÉCNICO RESINA PC 26_ENDURECEDOR G 226_ CARGA EF 35/P

BT 0011 BOLETIM TÉCNICO RESINA PC 26_ENDURECEDOR G 226_ CARGA EF 35/P BT 0011 BOLETIM TÉCNICO RESINA PC 26_ENDURECEDOR G 226_ CARGA EF 35/P Elaborador: Verificadores: Aprovador: Resina PC 26_Endurecedor G 226_Carga EF 35/P Resina

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Módulo IV Aula 04 Isolamento térmico AQUECIMENTO DE TUBULAÇÕES Motivos Manter em condições de escoamento líquidos de alta viscosidade ou materiais que sejam sólidos

Leia mais

CENTRAL HIDRELÉTRICA DE ITAIPU ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ESP 002/07 SISTEMA DE PRODUÇÃO, PURIFICAÇÃO, COMPRESSÃO E ARMAZENAMENTO DE HIDROGÊNIO

CENTRAL HIDRELÉTRICA DE ITAIPU ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ESP 002/07 SISTEMA DE PRODUÇÃO, PURIFICAÇÃO, COMPRESSÃO E ARMAZENAMENTO DE HIDROGÊNIO BRASIL PARAGUAI CENTRAL HIDRELÉTRICA DE ITAIPU ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ESP 002/07 SISTEMA DE PRODUÇÃO, PURIFICAÇÃO, COMPRESSÃO E ARMAZENAMENTO DE HIDROGÊNIO 2 1 No DESCRIÇÕES APROV. DATA REVISÕES Elab. :

Leia mais

RECOMENDAÇÕES DE USO: Utilizado para pintura de pisos industriais, oficinas, áreas que solicitem sanitização do ambiente. Uso interno e externo.

RECOMENDAÇÕES DE USO: Utilizado para pintura de pisos industriais, oficinas, áreas que solicitem sanitização do ambiente. Uso interno e externo. WEGPOXI ANA 301 DESCRIÇÃO DO PRODUTO: Tinta epoxi poliamina bicomponente, de alto teor de sólidos, com pigmentação especial, de secagem rápida. Revestimento aplicável em uma única demão em alta espessura

Leia mais

Orientações e Procedimentos para o Manuseio e Armazenagem de Óleo Diesel B

Orientações e Procedimentos para o Manuseio e Armazenagem de Óleo Diesel B Setembro, 2010. Orientações e Procedimentos para o Manuseio e Armazenagem de Óleo Diesel B Com a criação do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel, em 2004, e a aprovação da Lei 11.097, de 13

Leia mais

APLICAÇÃO DA PROTEÇÃO CATÓDICA NA PREVENÇÃO DE CORROSÃO DE ADUTORAS E RESERVATÓRIOS METÁLICOS

APLICAÇÃO DA PROTEÇÃO CATÓDICA NA PREVENÇÃO DE CORROSÃO DE ADUTORAS E RESERVATÓRIOS METÁLICOS Título APLICAÇÃO DA PROTEÇÃO CATÓDICA NA PREVENÇÃO DE CORROSÃO DE ADUTORAS E RESERVATÓRIOS METÁLICOS Autores Eng o. Luiz Rodrigues Leite Jr. - Engenheiro II. Engenheiro Eletricista Eng o. Nilton Franco

Leia mais

Laminados. de alumínio

Laminados. de alumínio Laminados de alumínio COMPANHIA BRASILEIRA DE ALUMÍNIO Vista aérea da fábrica Alumínio SP Fundada em 9 na cidade de Alumínio (SP), a CBA, empresa do Grupo Votorantim, é uma das maiores indústrias do mundo

Leia mais

- Bibliografia Recomendada

- Bibliografia Recomendada 1 7 a aula - ELETRODOS REVESTIDOS - Bibliografia Recomendada 1) Soldagem Processos e Metalurgia Capítulo 2b 2) Normas da AWS A5.1-81, A5.5-81 e demais normas 3) Catálogo de fabricantes de eletrodos revestidos

Leia mais

Proteja a qualidade do seu leite Tanques resfriadores DeLaval

Proteja a qualidade do seu leite Tanques resfriadores DeLaval DeLaval Brasil Rodovia Campinas Mogi-Mirim - KM 133,10 - S/N Bairro Roseira - Jaguariúna/SP - CEP: 13820-000 Telefone: (19) 3514-8201 comunicacao@delaval.com www.delaval.com.br Sua revenda DeLaval Proteja

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO QUÍMICA CADERNO DE QUESTÕES 2014/2015

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO QUÍMICA CADERNO DE QUESTÕES 2014/2015 Informações de Tabela Periódica CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO QUÍMICA CADERNO DE QUESTÕES 2014/2015 Folha de Dados Elemento H C N O F Al Cl Zn Sn I Massa atômica (u) 1,00 12,0 14,0

Leia mais

INSTALAÇÃO DE UNIDADES DE DESFLUORETAÇÃO PARA AS ÁGUAS DE CAPTAÇÃO SUBTERRÂNEA NAS LOCALIDADES SANTA MARIA E TIBAGÍ DAE SÃO CAETANO DO SUL

INSTALAÇÃO DE UNIDADES DE DESFLUORETAÇÃO PARA AS ÁGUAS DE CAPTAÇÃO SUBTERRÂNEA NAS LOCALIDADES SANTA MARIA E TIBAGÍ DAE SÃO CAETANO DO SUL INSTALAÇÃO DE UNIDADES DE DESFLUORETAÇÃO PARA AS ÁGUAS DE CAPTAÇÃO SUBTERRÂNEA NAS LOCALIDADES SANTA MARIA E TIBAGÍ DAE SÃO CAETANO DO SUL 1 SÍNTESE DO TRABALHO A SER APRESENTADO A existência de dois poços

Leia mais

ELETROQUÍMICA (Parte II)

ELETROQUÍMICA (Parte II) ELETROQUÍMICA (Parte II) I ELETRÓLISE A eletrólise é um processo de oxirredução não espontâneo, em que a passagem da corrente elétrica em uma solução eletrolítica (solução com íons), produz reações químicas.

Leia mais

TRATAMENTO DA ÁGUA PARA GERADORES DE VAPOR

TRATAMENTO DA ÁGUA PARA GERADORES DE VAPOR Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 INTRODUÇÃO: A água nunca está em estado puro, livre de

Leia mais

CATÁLOGO INSTITUCIONAL SET. 2008 CATÁLOGO INSTITUCIONAL MEGAFORT INDUSTRIAL HIDRÁULICA LTDA. CILINDROS HIDRÁULICOS

CATÁLOGO INSTITUCIONAL SET. 2008 CATÁLOGO INSTITUCIONAL MEGAFORT INDUSTRIAL HIDRÁULICA LTDA. CILINDROS HIDRÁULICOS CATÁLOGO INSTITUCIONAL SET. 2008 CATÁLOGO INSTITUCIONAL MEGAFORT INDUSTRIAL HIDRÁULICA LTDA. CILINDROS HIDRÁULICOS Em processo de certificação ISO-9001/2000 A EMPRESA Estamos apresentando a MEGAFORT INDUSTRIAL

Leia mais

PLASTEEL MASSA 4:1 PLASTEEL MASSA

PLASTEEL MASSA 4:1 PLASTEEL MASSA PLASTEEL MASSA 4:1 PLASTEEL MASSA 4:1 é um composto epóxi bi-componente com carga metálica, característica de massa na cor preta, pode ser aplicado com espátula, cura a frio, substituindo de maneira muito

Leia mais

Tratamento de água para indústria de refrigerantes

Tratamento de água para indústria de refrigerantes Tratamento de água para indústria de refrigerantes Dra. Sonia Maria Costa Celestino Engenheira Química - Pesquisadora em Ciência e Tecnologia de Alimentos Embrapa Cerrados Tel.: (61) 3388-9957 email: sonia.costa@cpac.embrapa.br

Leia mais

Revestimento epóxi autonivelante, argamassado e pintura de alta espessura para pisos

Revestimento epóxi autonivelante, argamassado e pintura de alta espessura para pisos Ficha de Produto Edição: 10/01/2014 Identificação n : 02 08 01 02 013 0 000002 Sikafloor -264 Sikafloor -264 Revestimento epóxi autonivelante, argamassado e pintura de alta espessura para pisos Descrição

Leia mais

Gerador de nitrogênio. Sistemas de geração de gases, membranas e PSA

Gerador de nitrogênio. Sistemas de geração de gases, membranas e PSA Gerador de nitrogênio Sistemas de geração de gases, membranas e PSA Aplicações de nitrogênio Comidas e bebidas O nitrogênio é um gás ideal para armazenar (fumigação) e transportar alimentos e bebidas.

Leia mais

Telhas de Alumínio em Aviários

Telhas de Alumínio em Aviários I N F O R M A T I V O T É C N I C O Telhas de Alumínio em Aviários AF 38/1025 Apresentação Telha Recomendada Durabilidade do Material Certificados Refletividade Emissividade Importância da Escolha Correta

Leia mais

INFORMATIVO TÉCNICO BRASAGEM DOS PASSADORES DE COMPRESSORES 1 - INTRODUÇÃO 2 - BRASAGEM OXIACETILÊNICA

INFORMATIVO TÉCNICO BRASAGEM DOS PASSADORES DE COMPRESSORES 1 - INTRODUÇÃO 2 - BRASAGEM OXIACETILÊNICA 1 - INTRODUÇÃO A brasagem de tubos é uma etapa que faz parte do procedimento de instalação de compressores em novos produtos ou do procedimento de troca de compressores quando da manutenção de um sistema

Leia mais

O Conceito de Corrosão Engenharia SACOR, setembro/1999

O Conceito de Corrosão Engenharia SACOR, setembro/1999 O Conceito de Corrosão Engenharia SACOR, setembro/1999 A corrosão é a deterioração de metais e ligas por ação química do meio ambiente. Sendo este meio a água do mar ou o solo, metais e ligas que nele

Leia mais

Elastopor R 465 Sistema de dois componentes para fabricação de espuma rígida de poliuretano com células fechadas Sistema livre de CFC (contém HCFC)

Elastopor R 465 Sistema de dois componentes para fabricação de espuma rígida de poliuretano com células fechadas Sistema livre de CFC (contém HCFC) Elastopor R 465 Sistema de dois componentes para fabricação de espuma rígida de poliuretano com células fechadas Sistema livre de CFC (contém HCFC) Informação técnica Denominação do sistema Componente

Leia mais

TRATAMENTO DE ÁGUAS OLEOSAS NAS INDÚSTRIAS

TRATAMENTO DE ÁGUAS OLEOSAS NAS INDÚSTRIAS TRATAMENTO DE ÁGUAS OLEOSAS NAS INDÚSTRIAS Frente às exigências cada vez mais rigorosas dos órgãos reguladores ambientais, o enquadramento da água oleosa gerada em diversas atividades industriais constitui-se

Leia mais

SENSORES INDUTIVOS. Standard NAMUR

SENSORES INDUTIVOS. Standard NAMUR SENSORES INDUTIVOS Standard Linha Standard Características Técnicas PS1-6,5-25-N-L PS2-6,5-25-N-L PS1-8GI25-N-L PS2-8GI25-N-L (Normal DIN 19324) 6,5 / 8 Corrente Contínua Namur Cabo Desenho 1 2 3 4 Distância

Leia mais

EMBALAGENS: Componente A Wegpoxi ERP 305 Balde (18,75 L) Componente B Wegpoxi 3018 componente B 10003168 (1,25 L)

EMBALAGENS: Componente A Wegpoxi ERP 305 Balde (18,75 L) Componente B Wegpoxi 3018 componente B 10003168 (1,25 L) WEGPOXI ERP 305 DESCRIÇÃO DO PRODUTO: Primer epóxi poliamina de alto teor de sólidos por vo lume e alta espessura, bicomponente. Formulado com pigmentos anticorrosivos atóxicos. Produto de secagem rápida

Leia mais

SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO

SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO Juntas com excelentes propriedades mecânicometalúrgicas Altas taxas de deposição Esquema básico do processo 1 Vantagens do processo Pode-se usar chanfros com menor área de metal

Leia mais

"A vantagem do alumínio"

A vantagem do alumínio "A vantagem do alumínio" Comparativo entre os Evaporadores para Amônia fabricados com tubos de alumínio e os Evaporadores fabricados com tubos de aço galvanizado Os evaporadores usados em sistemas de amônia

Leia mais

PRODUTO: SILICATO DE SÓDIO ALCALINO FISPQ - FICHA DE INFOMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS ÍNDICE 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

PRODUTO: SILICATO DE SÓDIO ALCALINO FISPQ - FICHA DE INFOMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS ÍNDICE 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA ÍNDICE 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 2. INFORMAÇÕES SOBRE A COMPOSIÇÃO QUÍMICA 3. IDENTIFICAÇÃO DE PERIGOS 4. MEDIDAS DE PRIMEIROS SOCORROS 5. MEDIDAS DE COMBATE A INCÊNDIO 6. MEDIDAS DE CONTROLE

Leia mais

TESTES DE CORROSÃO Domingos J C Spinelli SurTec do Brasil Ltda Abril/2000

TESTES DE CORROSÃO Domingos J C Spinelli SurTec do Brasil Ltda Abril/2000 TESTES DE CORROSÃO Domingos J C Spinelli SurTec do Brasil Ltda Abril/2000 1 O Teste de corrosão é a interpretação dos resultados que pode ser um dos mais controvertidos assuntos na indústria de galvanoplastia.

Leia mais

MANUSEIO DE ÓLEO DIESEL B ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS

MANUSEIO DE ÓLEO DIESEL B ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS MANUSEIO E ARMAZENAMENTO DE ÓLEO DIESEL B ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS Com a criação do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel, em 2004, e a aprovação da Lei 11.097, de 13 de janeiro de 2005,

Leia mais

pro-part Ficha técnica Aplicações recomendadas Materiais Suportes

pro-part Ficha técnica Aplicações recomendadas Materiais Suportes Ficha técnica pro-part Perfil decorativo para revestimentos cerâmicos; alternativa à tradicional faixa cerâmica decorativa. Adequados para o remate de esquinas e transições entre ladrilhos cerâmicos. pro-part

Leia mais

LACKTHANE N 2677. B O L E T I M T É C N I C O T i n t a L í q u i d a DESCRIÇÃO DO PRODUTO:

LACKTHANE N 2677. B O L E T I M T É C N I C O T i n t a L í q u i d a DESCRIÇÃO DO PRODUTO: LACKTHANE N 2677 DESCRIÇÃO DO PRODUTO: Tinta de acabamento poliuretano acrílico alifático brilhante bicomponente, de altos sólidos por volume. Produto desenvolvido para compor um sistema de proteção anticorrosiva,

Leia mais

BR 280 - KM 47 - GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com

BR 280 - KM 47 - GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com TÉCNICA DA NITRETAÇÃO A PLASMA BR 280 KM 47 GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com A Nitrion do Brasil, presente no mercado brasileiro desde 2002,

Leia mais

Soldabilidade de Metais. Soldagem II

Soldabilidade de Metais. Soldagem II Soldabilidade de Metais Soldagem II Soldagem de Ligas Metálicas A American Welding Society (AWS) define soldabilidade como a capacidade de um material ser soldado nas condições de fabricação impostas por

Leia mais

Manual do produto coletor solar. MC Evolution MC Evolution Pro. Coletor solar MC Evolution 1

Manual do produto coletor solar. MC Evolution MC Evolution Pro. Coletor solar MC Evolution 1 Manual do produto coletor solar MC MC Pro Coletor solar MC 1 Índice 1. Indicações / Recomendações de segurança... 4 1.1 Perigo no caso de trabalhos sobre telhado... 4 1.2 Instalação... 4 1.3 Perigo de

Leia mais

PROCESSOS DE SOLDAGEM

PROCESSOS DE SOLDAGEM PROCESSOS DE SOLDAGEM ARCO ELÉTRICO COM ELETRODO REVESTIDO Prof. Marcio Gomes 1 Soldagem a arco elétrico É um processo de soldagem por fusão em que a fonte de calor é gerada por um arco elétrico formado

Leia mais

Sua solução - todos os dias

Sua solução - todos os dias Sua solução - todos os dias A produção de um leite de qualidade depende de diversos fatores, entre eles a higiene da ordenha e do tanque, a manutenção dos equipamentos, a disponibilidade de um ambiente

Leia mais

Vergalhão Galvanizado: Vantagens, Aplicações e Desempenho em Estruturas de Concreto Armado. Luiza Abdala 1, Daniele Albagli 2

Vergalhão Galvanizado: Vantagens, Aplicações e Desempenho em Estruturas de Concreto Armado. Luiza Abdala 1, Daniele Albagli 2 Resumo Vergalhão Galvanizado: Vantagens, Aplicações e Desempenho em Estruturas de Concreto Armado. Luiza Abdala 1, Daniele Albagli 2 1 Votorantim Metais / Desenvolvimento de Mercado / luiza.abdala@vmetais.com.br

Leia mais

Materiais / Materiais I

Materiais / Materiais I Materiais / Materiais I Guia para o Trabalho Laboratorial n.º 4 CORROSÃO GALVÂNICA E PROTECÇÃO 1. Introdução A corrosão de um material corresponde à sua destruição ou deterioração por ataque químico em

Leia mais

PRODUTOS PRÉ-PINTADO GALVALUME. A evolução do aço zincado. Composição do Revestimento. Estrutura. Resistência à corrosão.

PRODUTOS PRÉ-PINTADO GALVALUME. A evolução do aço zincado. Composição do Revestimento. Estrutura. Resistência à corrosão. PRODUTOS GALVALUME A evolução do aço zincado A liga AL-Zn do Galvalume CSN é a melhor solução para proteger o aço contra a corrosão, o que sempre representou um grande desa?o. Ela pode ser utilizada em

Leia mais

SÉRIE: 2º ano EM Exercícios de recuperação final DATA / / DISCIPLINA: QUÍMICA PROFESSOR: FLÁVIO QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA

SÉRIE: 2º ano EM Exercícios de recuperação final DATA / / DISCIPLINA: QUÍMICA PROFESSOR: FLÁVIO QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA SÉRIE: 2º ano EM Exercícios de recuperação final DATA / / DISCIPLINA: QUÍMICA PROFESSOR: FLÁVIO QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA QUESTÃO 01 Em uma determinada transformação foi constatado que poderia ser representada

Leia mais

Baterias de Chumbo. A A bateria de chumbo-ácido cido foi inventada por. período que remonta aos primórdios rdios das células galvânicas.

Baterias de Chumbo. A A bateria de chumbo-ácido cido foi inventada por. período que remonta aos primórdios rdios das células galvânicas. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB CENTRO DE CIENCIAS EXATAS E DA NATUREZA-CCEN DEPARTAMENTO DE QUIMICA Disciplina: FísicoF sico-química II Professora: Claudia Braga BATERIAS DE CHUMBO ALUNO: RONALDO

Leia mais

Revestimentos de Alto Desempenho - RAD

Revestimentos de Alto Desempenho - RAD Revestimentos de Alto Desempenho - RAD O mercado de revestimentos para pisos de concreto se desenvolveu mais expressivamente no Brasil na década de 1980. Foi nesse momento que os revestimentos autonivelantes

Leia mais

(AÇO SEM MANCHAS) Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

(AÇO SEM MANCHAS) Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho AÇO INOXIDÁVEL OU AÇO INOX STAINLESS STEEL (AÇO SEM MANCHAS) Conceito Aço inox é o termo empregado para identificar uma família de aços contendo no mínimo 10,5% de cromo. Este cromo está presente homogênea

Leia mais

Tubos. Especificações técnicas de fabricação

Tubos. Especificações técnicas de fabricação A Empresa Perfipar Uma completa estrutura, com mais de 500 colaboradores e capacidade de processar 80 mil toneladas de aço por ano, essa é a Perfipar. Uma empresa fundada no Paraná, que está em constante

Leia mais

BT 0013 BOLETIM TÉCNICO RESINA FLOOR REPAIR PLUS_ ENDURECEDOR FLOOR REPAIR PLUS_ SÍLICA F-036

BT 0013 BOLETIM TÉCNICO RESINA FLOOR REPAIR PLUS_ ENDURECEDOR FLOOR REPAIR PLUS_ SÍLICA F-036 BT 0013 BOLETIM TÉCNICO RESINA FLOOR REPAIR PLUS_ ENDURECEDOR FLOOR REPAIR PLUS_ SÍLICA F-036 Elaborador: Verificadores: Aprovador: Resina Floor Repair Plus_Endurecedor

Leia mais

QUESTÕES DE QUÍMICA DA UNICAMP PROVA DE 2014.

QUESTÕES DE QUÍMICA DA UNICAMP PROVA DE 2014. QUESTÕES DE QUÍMICA DA UNICAMP PROVA DE 2014. 1- Prazeres, benefícios, malefícios, lucros cercam o mundo dos refrigerantes. Recentemente, um grande fabricante nacional anunciou que havia reduzido em 13

Leia mais

Manual de Instruções

Manual de Instruções Manual de Instruções 2 ATENÇÃO Leia o Manual de Operação com atenção, para que o relógio opere de forma adequada e eficiente por um longo período de tempo. O relógio de ponto deve ser instalado em um ambiente

Leia mais

CORROSÃO E PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES ENTERRADAS E TANQUES EM PLANTAS INDUSTRIAIS

CORROSÃO E PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES ENTERRADAS E TANQUES EM PLANTAS INDUSTRIAIS CORROSÃO E PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES ENTERRADAS E TANQUES EM PLANTAS INDUSTRIAIS Eng o Luiz Paulo Gomes Diretor da IEC-Instalações e Engenharia de Corrosão Ltda LPgomes@iecengenharia.com.br 21 2159

Leia mais

Prof André Montillo www.montillo.com.br

Prof André Montillo www.montillo.com.br Prof André Montillo www.montillo.com.br Definição: É a deterioração de um material, geralmente metálico, por ação eletroquímica ou química do meio ambiente, associada ou não a esforços mecânicos. Isto

Leia mais

Tratamento de Água. Numa estação de tratamento de água, o processo ocorre em etapas:

Tratamento de Água. Numa estação de tratamento de água, o processo ocorre em etapas: Tratamento de Água Definição Tratamento de Água é um conjunto de procedimentos físicos e químicos que são aplicados na água para que esta fique em condições adequadas para o consumo, ou seja, para que

Leia mais

Componente A Wegpoxi ERP 322 Balde (20 L) Componente B Catalisador EP ERP 322 11725363 (20 L)

Componente A Wegpoxi ERP 322 Balde (20 L) Componente B Catalisador EP ERP 322 11725363 (20 L) WEGPOXI ERP 322 DESCRIÇÃO DO PRODUTO: Primer epóxi poliamida bicomponente, de alto teor de sólidos e com pigmentação anticorrosiva a base de fosfato de zinco, com secagem rápida e boa aplicabilidade. Possui

Leia mais

Informativo Técnico - Tomadas

Informativo Técnico - Tomadas Informativo Técnico - Tomadas - CXV 3+2 - CXV 6+2 - CXV +2 16A - 630 V Dimensões compatíveis com as tomadas existentes nos mercados nacional e internacional. Conexão específica para o devido aterramento.

Leia mais

BOLETIM DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS Revisão 006 Julho/2011

BOLETIM DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS Revisão 006 Julho/2011 1 - PRODUTO: Acrílico Standard mais rendimento Natrielli. 2 - DESCRIÇÃO: É uma tinta acrílica de alto rendimento apresenta um excelente acabamento em superfícies externas e internas de alvenaria, reboco,

Leia mais

SIENA / GRAND SIENA TETRAFUEL

SIENA / GRAND SIENA TETRAFUEL SIENA / GRAND SIENA TETRAFUEL Página 1 FIAT CHRYSLER AUTOMOBILES 13/08/2015 DESCRIÇÃO DO SISTEMA GNV COMPONENTES DO SISTEMA GNV 1. Cilindro GNV 2. Suporte do Cilindro de GNV 3. Linha de Alta Pressão: Tubo

Leia mais

Rebrilhar Catalisador Ureia-Formol

Rebrilhar Catalisador Ureia-Formol 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome comercial do Produto: Nome da Empresa: Rebrilhar Resinas e Vernizes Ltda. Endereço: Rua Luiz de Moraes Rego, nº. 505 Jardim do Bosque Leme/SP Telefones: 19-35186900

Leia mais

Aula 12 : Corrosão Definição Tipos de Corrosão. Prevenção a Corrosão.

Aula 12 : Corrosão Definição Tipos de Corrosão. Prevenção a Corrosão. Aula 12 : Corrosão Definição Tipos de Corrosão Prevenção a Corrosão. o Definição Corrosão é definida como um ataque destrutivo e não intencional de um metal; esse ataque é eletroquímico e, normalmente,

Leia mais

FISPQ Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico FOSFATO DE NÍQUEL SOLUÇÃO

FISPQ Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico FOSFATO DE NÍQUEL SOLUÇÃO Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Nome da Empresa/Fornecedor: Resimapi Produtos Químicos Ltda Endereço: Av. Osaka, 800 Arujá São Paulo Telefone da Empresa: (0XX11)

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. ph (Solução 0,2%) Aproximadamente 2,00. Ponto de Ebulição 110ºC Densidade 1,150 ( 20ºC ) Completamente solúvel em água.

RELATÓRIO TÉCNICO. ph (Solução 0,2%) Aproximadamente 2,00. Ponto de Ebulição 110ºC Densidade 1,150 ( 20ºC ) Completamente solúvel em água. RELATÓRIO TÉCNICO I - DADOS GERAIS: Nome do Produto: ÁCIDO MURIÁTICO Composição: Água e Ácido Clorídrico Estado Físico: Líquido Cuidados para conservação: Conservar o produto na embalagem original. Proteger

Leia mais

EMBALAGENS: Componente A Lackpoxi N 2288 Aluminio 10002969 Balde (20 L) Componente B Lackpoxi N 2288 componente B 10003000 (20 L)

EMBALAGENS: Componente A Lackpoxi N 2288 Aluminio 10002969 Balde (20 L) Componente B Lackpoxi N 2288 componente B 10003000 (20 L) LACKPOXI N 2288 DESCRIÇÃO DO PRODUTO: Primer epóxi poliamina bicomponente, pigmentado com alumínio. Tolerante a superfícies tratadas com limpeza manual ou mecânica. Revestimento anticorrosivo com alta

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 ESTUDO E DETERMINAÇÃO DE UM SISTEMA DE AQUECIMENTO DE MISTURA ÁGUA/ÓLEO PARA AVALIAÇÃO AUTOMÁTICA DE MEDIDORES DE VAZÃO

Leia mais

TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS

TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS Tratamentos térmicos dos aços 1 TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS Os tratamentos térmicos empregados em metais ou ligas metálicas, são definidos como qualquer conjunto de operações de aquecimento e resfriamento,

Leia mais

Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Química Disciplina: Físico-Química II Professora: Claudia

Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Química Disciplina: Físico-Química II Professora: Claudia Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Química Disciplina: Físico-Química II Professora: Claudia Aluno: Julys Pablo Atayde Fernandes Células a Combustível:

Leia mais

ADITIVOS. Reforçar ou introduzir certas características. Em pequenas quantidades (< 5%). Pode ou não ser lançado diretamente na betoneira

ADITIVOS. Reforçar ou introduzir certas características. Em pequenas quantidades (< 5%). Pode ou não ser lançado diretamente na betoneira ADITIVOS 1. OBJETIVO Reforçar ou introduzir certas características 2. UTILIZAÇÃO Em pequenas quantidades (< 5%). Pode ou não ser lançado diretamente na betoneira 3. FUNÇÕES BÁSICAS DOS ADITIVOS CONCRETO

Leia mais

BT 0014 BOLETIM TÉCNICO RESINA PC 6NF_ENDURECEDOR G 130 BLUE

BT 0014 BOLETIM TÉCNICO RESINA PC 6NF_ENDURECEDOR G 130 BLUE BT 0014 BOLETIM TÉCNICO RESINA PC 6NF_ENDURECEDOR G 130 BLUE Elaborador: Verificadores: Aprovador: Resina PC 6NF_Endurecedor G 130 Blue Resina para aplicação

Leia mais

Ensaio por raios X. Na aula anterior você conheceu os raios X e os. Nossa aula. Geometria da exposição

Ensaio por raios X. Na aula anterior você conheceu os raios X e os. Nossa aula. Geometria da exposição A U A UL LA Ensaio por raios X Introdução Na aula anterior você conheceu os raios X e os raios gama, que são radiações eletromagnéticas, e algumas de suas propriedades. Nesta aula, estudaremos mais detalhadamente

Leia mais

Nome do produto: BIOAGLOPAR PET

Nome do produto: BIOAGLOPAR PET Data da última revisão: 17/04/2014 Pagina 1/5 1. Identificação do produto e da empresa Nome do produto: Bioaglopar PET NCM: 3209.10.20 - Código interno de identificação do produto: 1.3.2.004 - Nome da

Leia mais

Ficha Técnica de Produto

Ficha Técnica de Produto Ficha Técnica de Produto GLENIUM 3400 NV Aditivo hiperplastificante. GLENIUM 3400 NV é um aditivo com alto índice de redução de água, pronto para o uso. O GLENIUM 3400 NV é uma nova geração de aditivos

Leia mais

Grupo 09 Centrais de testes e limpeza

Grupo 09 Centrais de testes e limpeza Grupo 09 Centrais de testes e limpeza Fornecedor: Tipo Descrição Página CPR Central de teste para circuitos de refrigeração 01 Descrição 01-01 CPC Central de teste para circuitos de refrigeração 02 Descrição

Leia mais

EMBALAGENS: Componente A Wegpoxi ADA 314 Balde (19 L) Componente B Wegpoxi 3015 componente B 10003158 (1 L)

EMBALAGENS: Componente A Wegpoxi ADA 314 Balde (19 L) Componente B Wegpoxi 3015 componente B 10003158 (1 L) WEGPOXI ADA 314 DESCRIÇÃO DO PRODUTO: Revestimento epoxi poliamida bicomponente, com função antiderrapante. Alta dureza, resistente a água, óleos, sais. Proporciona uma película de alta textura e consequentemente

Leia mais

Experiência 11. SÍNTESE DO ALÚMEN DE ALUMÍNIO E POTÁSSIO

Experiência 11. SÍNTESE DO ALÚMEN DE ALUMÍNIO E POTÁSSIO Experiência 11. SÍNTESE DO ALÚMEN DE ALUMÍNIO E POTÁSSIO 1. Objetivos Ao final desta atividade experimental deseja-se que o aluno seja capaz de: - Elaborar processos para a transformação de materiais,

Leia mais

17 ÁGUA DE RESFRIAMENTO

17 ÁGUA DE RESFRIAMENTO 215 17 ÁGUA DE RESFRIAMENTO A remoção de calor indesejável na operação de um processo industrial algumas vezes é necessário. Entre os meios utilizados a água é tida como eficaz na absorção e no afastamento

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ PRODUTO: SULFATO FÉRRICO ALUMINOSO 1/5 1. IDENTIFICACÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Empresa: Endereço: Telefone de emergência: e-mail: SULFATO FÉRRICO ALUMINOSO Sasil Comercial e Industrial

Leia mais