A RESPONSABILIDADE CIVIL DAS EMPRESAS DE COMÉRCIO ELETRÔNICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A RESPONSABILIDADE CIVIL DAS EMPRESAS DE COMÉRCIO ELETRÔNICO"

Transcrição

1 A RESPONSABILIDADE CIVIL DAS EMPRESAS DE COMÉRCIO ELETRÔNICO Vinícius Barbosa Scolanzi 1 Patrícia Irina Loose 2 RESUMO A Internet tem sido usada, a cada dia com mais freqüência, nas relações de compra e oferta de produtos e serviços. Assim, o número de consumidores lesados ao fazer compras on-line tem aumentado significativamente e, portanto, esse campo merece toda atenção. Este trabalho destina-se ao estudo da responsabilidade civil dos comerciantes eletrônicos, mais precisamente do site e-commerce MercadoLivre que tem sido alvo de denúncias de consumidores que foram lesados ao adquirirem produtos através do mesmo para, depois, expandir os resultados obtidos com essa investigação a outras empresas que atuam no mesmo ramo. A princípio, foi pertinente traçar breves considerações sobre a Internet e o e-commerce e fazer uma análise sobre a responsabilidade civil no âmbito mercantil. Posteriormente, a possibilidade de se imputar ao MercadoLivre a responsabilização por danos a terceiros suscitou a necessidade de se estudar, especificamente, as relações comerciais as quais ele possui participação, bem como todas as variáveis que com ela se relacionam. Por fim, o trabalho permitiu considerar que, no tocante à responsabilidade civil, é possível imputar às empresas de e- commerce o dever de reparar danos causados a consumidores devido às práticas de comércio as quais elas atuam como fornecedoras, aplicando os dispositivos encontrados no Código Brasileiro de Defesa do Consumidor. Palavras-chave: E-commerce; Internet; Direito do Consumidor; responsabilidade civil. ABSTRACT Internet has been used, every day with more frequency, in the relationships of purchase and offer of products and services. So, the number of consumers harmed when they buy things "on-line" has been increasing significantly and, therefore, that field deserves all attention. This article aims to study the "electronic" merchants' civil responsibility, more precisely of the MercadoLivre s e-commerce web site, that has been targed of accusations of consumers that were harmed when they acquired products through this one, for later to expand the results obtained with that investigation to other companies that act in the same area. At first it was pertinent to trace brief considerations about the Internet and the e-commerce and to do an analysis about the civil responsibility in the mercantile ambit. Later, the possibility to impute MercadoLivre the responsibility for damages caused consumers suscitaded the necessity of studying, specifically, the commercial relationships which he possesses participation, as well as all the variables it has a relation to. Finally, this article allowed considering that, concerning the civil responsibility, it is possible to impute to the e-commerce companies the duty of repairing damages caused to consumers as a result of the trade practices which they act as suppliers, applying the devices found in the Brazilian s Consumer s Defense Code. Key-words: E-commerce; Internet: Consumer s right; civil responsibility. 1 Bacharelando em Direito pela Faculdade Estácio de Sá de Ourinhos. Endereço eletrônico: 2 Professora da Faculdade Estácio de Sá de Ourinhos (SP). 1

2 INTRODUÇÃO A Internet tem revolucionado o mundo dos negócios. Devido à comodidade que ela proporciona por possibilitar compras sem que os consumidores saiam de casa, as compras on-line estão se tornando íntimas da população. Tendo em vista este tipo de comércio, como não há uma relação direta entre o consumidor e o fornecedor dos produtos ou serviços ofertados na rede e, às vezes, nem há garantias que este de fato existe, aquele freqüentemente é lesado e não tem condições de reclamar por seus direitos. Desse modo, esse tipo de comércio é o palco ideal para a prática de fraudes e estelionatos, pois o fornecedor tem a chance de permanecer às obscuras por meio de dados e informações falsas passadas para o consumidor. Por este motivo, o presente trabalho destina-se a estudar a responsabilidade civil dos comerciantes eletrônicos em sua atividade mercantil, mais especificamente a responsabilidade civil do MercadoLivre para, posteriormente, ampliar o resultado deste estudo às outras empresas que atuam como fornecedores de produtos e serviços na Internet. 1. A INTERNET E O E-COMMERCE 1.1 Definição de Internet Entende-se por Internet um grande grupo de computadores interligados em rede de modo a permitir que seus usuários, em qualquer lugar do planeta, intercomuniquem-se e troquem idéias, dados, arquivos, informações etc. Para isto, basta estar na frente de um computador conectado a um provedor 3. Lévy (2000, p. 255) imputa à Internet a seguinte definição: O nome Internet vem de iternetworking (ligação entre redes). Embora seja geralmente pensada como sendo uma rede, a Internet na verdade é o conjunto de todas as redes e gateways que usam protocolos TCP/IP. Note-se que a Internet é o conjunto de meios físicos (linhas digitais de alta capacidade, computadores, roteadores etc.) e programas (protocolo TCP/IP) usados para o transporte de informação. A Web (WWW) é apenas um dos diversos serviços disponíveis através 3 Provedor é a central que propicia o acesso dos computadores à Internet. 2

3 da Internet, e as duas palavras não significam a mesma coisa. Fazendo uma comparação simplificada, a Internet seria o equivalente à rede telefônica, com seus cabos, sistemas de discagem e encaminhamento de chamadas. A Web seria similar a usar um telefone para comunicações de voz, embora o mesmo sistema também possa ser usado para transmissões de fax ou dados. 1.2 A Internet na atualidade Atualmente, a Internet possui cerca de 40 mil redes 4 que interliga mais de 600 milhões de usuários 5 e é mais de 300 mil vezes maior que sua genitora, a ARPANet. Em se tratando de Brasil, 14% da população têm acesso à rede 6 e, de acordo com Franco Junior (2003, p. 13), em 2000, o Brasil já se havia tornado o segundo país do mundo em número de provedores de acesso à Internet e já mostrava a maior taxa de crescimento mundial em número de usuários acessando-a. Devido a sua magnitude e a rapidez com que proporciona comunicação instantânea entre os usuários da rede, ela se tornou um dos principais meios de comunicação e prestação de serviços do mundo. Porém, ela pode ser considerada perigosa, já que ainda não há leis que limitam o acesso e nem os atos praticados pelos internautas. Segundo Scorzelli (1997, p. 17), não há órgão de controle desta fantástica rede de computadores chamada Internet. A Internet é por isso, considerada, anárquica, por não estar submetida a governos, leis ou polícia. 1.3 E-commerce Há definições suficientemente complexas para caracterizar o e-commerce. Franco Junior (2003, p. 25) profere que o e-commerce é a parte visível do e-business. É por meio dele que as transações de compra e venda de produtos e serviços acontece. Mas o que é e- Business? Como funciona? O que mais ele engloba se o e-commerce é apenas uma parte dele? Enfim, para fins desta pesquisa não é necessário uma definição tão exata e complicada de e-commerce, muito menos é preciso ter o conhecimento de todos esses outros conceitos que ela abrange. Basta saber do que se trata o e-commerce. 4 Disponível em Acesso em 18 de maio de Acessível em Acesso em 18 de maio de Acessível em Acesso em 18 de maio de

4 O termo e-commerce nada mais é do que uma denominação técnica para comércio eletrônico, ou seja, para o comércio estabelecido através da Internet. A IBM, uma das pioneiras no uso do e-commerce, o define da seguinte maneira: O e-commerce, numa definição objetiva, é a capacidade de comprar e vender produtos e serviços pela Internet. Indo um pouco mais a fundo, o conceito abrange também a exposição de bens e serviços on-line, a colocação de pedidos, a emissão de faturas, o atendimento ao cliente e o manuseio de pagamentos e das transações. 7 Em suma, é essa a idéia que deve ser aplicada à palavra e-commerce neste trabalho. 1.4 A evolução do e-commerce no Brasil O comércio eletrônico, muito embora extremamente significativo, é jovem. Há apenas cinco anos era simplesmente uma criança que tentava dar seus primeiros passos, porém, uma criança muito esperta e astuta. Segundo dados do site e-commerceorg, os indicadores de crescimento não poderiam ser melhores: em seus primeiros anos de vida, 2001, o e-commerce lucrava anualmente 549 milhões de Reais, que passaram para 850 milhões em 2002, milhões em 2003, milhões em 2004 e milhões em Para 2006, a previsão é um faturamento de milhões de Reais, ou seja, 56% a mais do que no ano anterior 8. O número de consumidores que se habilitam a essa prática também aumenta arduamente; em 2003 eram milhões, contra milhões em 2004 e milhões em 2005; ou seja, entre 2003 e 2005 houve um crescimento de pouco mais de 90% no número de consumidores on-line 9. Em suma, pode-se considerar que o crescimento apresentado pelo comércio eletrônico no Brasil é extremamente elevado, cerca de 355% entre 2001 e 2005 e, se a previsão para o faturamento em 2006 estiver correta, entre 2001 e 2006 essa taxa subira para 610%. Tais números relacionados com as taxas também colossais de crescimento do número de compradores podem ser indicativos de que, num futuro iminente, o e-commerce derrube o comércio tradicional e, assim, é necessário desde já que a população seja educada sobre o assunto para evitar danos futuros ao realizarem compras através da Internet. 7 Disponível em: Acesso em 19 de maio de Dados todos retirados de 9 Dados todos retirados de 4

5 2. SOBRE O CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR 2.1 Definição de consumidor O Código de Defesa do Consumidor foi bastante abrangente em suas definições de consumidor, fornecedor, produto e serviço. Em seu artigo segundo, define-se consumidor como sendo toda pessoa física ou jurídica que adquire ou utiliza produto ou serviço como destinatário final 10 (compreendendo como destinatário final aquele que retira o produto do mercado e o consome, sem utilizá-lo para gerar lucros). O Código inclui ainda, na categoria de consumidor, a coletividade de pessoas, determináveis ou indetermináveis, que tenham interferido nas relações de consumo. Segundo Bulgarelli 11 (apud, GRINOVER et al, 2005, p.38), no CDC, o consumidor pode ser acatado como aquele que se encontra numa situação de usar ou consumir, estabelecendo-se, por isso, uma relação atual ou potencial, fática sem dúvida, porém a quem se deve dar uma valorização jurídica. Dessa forma, aquele que adquire um bem com o intuito de aplicá-lo em qualquer meio de produção que seja, não é considerado consumidor e, logo, não encontra respaldo no Código de Defesa do Consumidor. 2.2 Conceito de fornecedor Em relação ao conceito de fornecedor, situado no artigo terceiro do diploma em questão, o legislador foi mais abarcante ainda, considerando como fornecedor não apenas a pessoa física ou jurídica que se relaciona diretamente com o consumidor, como também todos aqueles que contribuíram para que o produto ou serviço chegasse ao consumidor. Dessa forma, produtores, construtores, fabricantes, importadores e inclusive comerciantes são considerados fornecedores, basta que pratiquem atividade comercial de forma habitual e com geração de lucros que constituem renda. Nas palavras do artigo terceiro: Fornecedor é toda pessoa física ou jurídica, pública ou privada, nacional ou estrangeira, bem como os entes despersonalizados, que desenvolvem atividade de 10 BRASIL. Código de Defesa do Consumidor. Lei nº 8.078, de 11 de setembro de Disponível em: Acesso em 4 de junho de BULGARELLI, Waldírio. Tutela do consumidor na jurisprudência de lege ferenda, in Revista de direito mercantil, Nova Série, ano XVII, nº 49,

6 produção, montagem, criação, construção, transformação, importação, exportação, distribuição ou comercialização de produtos ou prestação de serviços Conceito de bem e serviço: Para fins de comércio, considera-se bem qualquer bem, móvel ou imóvel, material ou imaterial 13 ; serviço consiste em qualquer atividade fornecida no mercado de consumo, mediante remuneração, inclusive as de natureza bancária, de crédito e securitária, salvo as decorrentes de relações de caráter trabalhista Definição de relações de comércio Compreendem relações de comércio todos e quaisquer atos de compra e venda de produtos ou serviços bem como a oferta destes. Desse modo, a publicidade também é considerada relação de comércio e, logo, também é regrada pelo Código Brasileiro de Defesa do Consumidor. 3. RESPONSABILIDADE CIVIL 3.1 Noção básica A sociedade não está livre de conflitos; muito pelo contrário, conflitos são inerentes à vida em conjunto. Os seres humanos são diferentes e, assim, pensam e agem de forma distinta uns dos outros e isto, quase sempre, resulta em litígios os quais o ordenamento jurídico de determinado local deve absorver. Araldi (2006) pontua que: A vida em sociedade impõe regras de conduta aos seres humanos. No convívio diário, nas relações sociais, no exercício das atividades profissionais, no 12 BRASIL. Código de Defesa do Consumidor. Lei nº 8.078, de 11 de setembro de Disponível em: Acesso em 10 de junho de BRASIL. Código de Defesa do Consumidor. Lei nº 8.078, de 11 de setembro de Disponível em: Acesso em 10 de junho de BRASIL. Código de Defesa do Consumidor. Lei nº 8.078, de 11 de setembro de Disponível em: Acesso em 10 de junho de

7 desempenho e execução do trabalho, na mercancia, enfim, em toda e qualquer forma de relacionamento, as pessoas estão constantemente sujeitas a cometer ou sofrer ações potencialmente danosas. Não por outra razão, os sistemas jurídicos prevêem formas de reparação a serem empreendidas pelo causador do dano em favor daquele que foi lesado. Os legisladores brasileiros, atentos aos riscos da vida em sociedade descritos no texto de Araldi, criaram dispositivos legais destinados a imputar ao indivíduo que causou dano a outro, a obrigação de reparar tal lesão. Nisto consiste a Responsabilidade Civil, que basicamente consiste no dever (imputado ao agente causador do dano) de se reparar a lesão causada a outrem através de indenização, ou seja, através da liquidação do dano ou de sua compensação. O Código Civil vigente disserta sobre esse tema em seus artigos 186 e seguintes da parte geral, e nos artigos 927 e seguintes da sua parte especial, sob o título Da responsabilidade civil. 3.2 Responsabilidade objetiva e subjetiva A responsabilidade civil se subdivide em duas vertentes: a responsabilidade objetiva e a subjetiva. Esta, também denominada de teoria da culpa, fundamenta toda a responsabilidade na culpa; não havendo culpa, não há obrigação de indenizar. A responsabilidade objetiva (abalizada na teoria do risco), ao contrário, não se fundamenta na culpa, pois esta é presumida devido ao fato de, em muitos casos, ser extremamente difícil para o lesado provar a culpa do agente. Para ela, basta haver um nexo de causalidade entre a conduta do agente que supostamente causou o dano e o fato que ocasionou o dano ao lesado para se presumir a culpa do primeiro e, dessa forma, para que haja o dever de indenizar. Segundo Gonçalves (2002, p. 10): A responsabilidade civil desloca-se da noção de culpa para a idéia de risco, ora encarada como risco-proveito, que se funda no princípio segundo o qual é reparável o dano causado a outrem em conseqüência de uma atividade realizada em benefício do responsável (ubi emolumentum, ibi onus, isto é, quem aufere os cômodos (lucros) deve suportar os incômodos ou riscos), ora mais genericamente, como risco criado, a que se subordina todo aquele que, sem indagação de culpa, expuser alguém a suportá-lo, em razão de uma atividade perigosa, ora, ainda, como risco profissional, decorrente da atividade ou profissão do lesado, como ocorre nos acidentes do trabalho. O Código Civil de 2002 acata como regra a responsabilidade civil subjetiva, ao colocar a culpa ou dolo como pressupostos da responsabilidade civil, mas ele não deixa de 7

8 lado a modalidade objetiva, pois pontua, em seu artigo 927, parágrafo único, que haverá obrigação de reparar o dano, independentemente de culpa, nos casos especificados em lei, ou quando a atividade normalmente desenvolvida pelo autor do dano implicar, por sua natureza, risco para os direitos de outrem RESPONSABILIDADE CIVIL NO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR 4.1 A responsabilidade civil objetiva e solidária como regra O Código Brasileiro de Defesa do Consumidor (CDC), fundamentado na teoria do risco, adota como regra a responsabilidade civil objetiva e solidária. Esta teoria, no que diz respeito ao CDC, promulga que todo aquele que exerce atividade mercantil cria o risco de dano a terceiros e, se concretizado tal dano, deve repará-lo independentemente da existência de culpa. O fornecedor obtém proveito (lucro) através de sua atividade (lícita) e, em contrapartida, deve arcar com os riscos da atividade. Além dessa teoria, o CDC atenta ao fato de o consumidor ser a parte mais fraca das relações de comércio (e não o fornecedor, como se figurava antes da Revolução Industrial). Assim, há mais um motivo para se utilizar a responsabilidade objetiva. Dessa forma, tendo em vista a vulnerabilidade e hipossuficiência do consumidor (ou seja, a falta de conhecimentos técnicos sobre os produtos a venda e de condições monetárias para travar disputa jurídica com as empresas fornecedoras) e a teoria do risco, o CDC passou a utilizar a inversão do ônus da prova, ou seja, o acusado deve provar sua inocência ao invés de o consumidor provar a culpa de quem o lesionou. A adoção da responsabilidade civil objetiva pelo CDC é evidente em seu artigo doze ( o fabricante, o produtor, o construtor, nacional ou estrangeiro, e o importador respondem, independentemente da existência de culpa, pela reparação dos danos causados aos consumidores 16 ); e a responsabilidade solidária dos fornecedores é explícita no parágrafo 15 BRASIL. Código Civil. Lei nº , de 10 de janeiro de Disponível em: Acesso em 29 de agosto de BRASIL. Código de Defesa do Consumidor. Lei nº 8.078, de 11 de setembro de Disponível em: Acesso em 5 de setembro de

9 único do artigo sétimo ( tendo mais de um autor a ofensa, todos responderão solidariamente pela reparação dos danos previstos nas normas de consumo 17 ). Deve-se frisar, porém, que o CDC não abandonou a responsabilidade civil subjetiva, pois disciplina que, em relação aos profissionais liberais, a responsabilidade será apurada através da verificação de culpa; ao menos, que a atividade exercida pelo profissional liberal for de caráter finalista, isto é, se os resultados do serviço prestado dependem só dele. Um outro fato relevante a ser citado é a caracterização de fornecedor como sendo pessoa que exerce atividade (logo de caráter habitual) de produção, montagem, fabricação etc. Destarte, um contrato de compra e venda celebrado entre pessoas (sem que nenhuma possa ser considerada fornecedora) é regido pelo Código Civil. 4.2 Diferença entre vício e defeito O Código de Defesa do Consumidor diferencia vício de defeito da seguinte forma: vício consiste em simples inadequação do produto ou serviço para os fins a que se destinam; assim, o vício se limita à esfera do produto ou serviço, não atinge diretamente o consumidor. Em contrapartida, defeito se refere à insegurança do produto ou serviço (trata-se de vício agravado). Ele ultrapassa a esfera material e pode atingir a integridade do consumidor (acidentes de consumo). Esta divisão fica clara pelo fato de o CDC tratar sobre a responsabilidade relacionada ao defeito do produto e do serviço separadamente à responsabilidade pelo vício do produto e do serviço. 4.3 Responsabilidade pelo fato do produto e do serviço O Código em questão regra a responsabilidade relacionada ao defeito ou seja, à insegurança que o produto ou serviço apresenta e a acidentes de consumo em seu capítulo quarto, seção três. Ele trata, em seu artigo doze, sobre a responsabilidade dos fornecedores reais (fabricantes, construtores e produtores); dos fornecedores presumidos (importadores) e dos fornecedores aparentes (aqueles que colocam o nome ou a marca no produto final como, por exemplo, os franqueadores) em relação ao produto. Sempre que alguém for lesado devido 17 BRASIL. Código de Defesa do Consumidor. Lei nº 8.078, de 11 de setembro de Disponível em: Acesso em 5 de setembro de

10 à comercialização de um produto defeituoso ou em decorrência de acidentes de consumo envolvendo um produto, o fornecedor deste é obrigado a reparar o dano. Este artigo também conceitua produto defeituoso (parágrafo primeiro) como sendo os que não oferecem a segurança que deles legitimamente se espera, levando-se em consideração as circunstâncias relevantes 18, como a sua apresentação, ou seja, a forma como foi colocado no mercado; os riscos que dele se espera e a época em que foi colocado em circulação, isto é, o risco que corre o fornecedor ao descobrir um defeito no produto após a sua colocação no mercado (teoria dos riscos de desenvolvimento). É pertinente salientar que, conforme o parágrafo segundo do artigo doze, a inovação tecnológica não concretiza defeito, ou seja, um produto de qualidade inferior não é considerado defeituoso pelo fato de outro com melhor qualidade ser apresentado ao mercado. A responsabilidade objetiva do comerciante é abordada no artigo treze, sendo ele responsável pelo fato do produto e do serviço quando os fornecedores que contribuíram para a chegada do produto até ele não puderem ser localizados ou não forem identificados no produto, ou quando ele não acondicionar os produtos perecíveis de maneira apropriada. O CDC pontua, ainda, que quem ressarcir o prejuízo ao consumidor prejudicado pode exercer direito de regresso contra os outros responsáveis pelo evento e que se houver mais de um autor, todos respondem solidariamente. Em seguida, o artigo quatorze fundamenta a responsabilidade dos fornecedores em relação à prestação de serviço. Sem fugir à regra, a responsabilidade aplicada é a objetiva. O fornecedor tem a obrigação de indenizar o consumidor sempre que o serviço, sobre o qual ele tem responsabilidade, apresentar algum defeito. O serviço, da mesma forma que o produto, é considerado defeituoso: Quando não fornece a segurança que dele o consumidor pode esperar, levando-se em consideração as circunstâncias relevantes, entre as quais: o modo de seu fornecimento; o resultado e os riscos que razoavelmente dele se esperam; e a época em que foi fornecido BRASIL. Código de Defesa do Consumidor. Lei nº 8.078, de 11 de setembro de Disponível em: Acesso em 6 de setembro de BRASIL. Código de Defesa do Consumidor. Lei nº 8.078, de 11 de setembro de Disponível em: Acesso em 6 de setembro de

11 Novamente, o CDC adverte sobre o fato de a evolução tecnológica não caracterizar defeito. No parágrafo segundo do artigo quatorze, ele pontua que o serviço não é considerado defeituoso pela adoção de novas técnicas. 20 É importante, também, a dimensão dada para consumidor pelo artigo dezessete, ao dizer que, para efeitos da responsabilidade civil pelo fato do produto e do serviço, equiparamse a consumidores todas as vítimas dos danos causados durante o consumo. 4.4 Responsabilidade pelo vício do produto e do serviço Como foi visto anteriormente, vício se refere à mera inadequação do produto ou do serviço para os fins a que se destina. Tais vícios, em relação a produtos, são divididos em vícios de qualidade - aqueles que tornam o produto inadequado, impróprio ou lhe diminuam o valor; e vícios de quantidade - aqueles referentes a disparidades do conteúdo do produto em relação a sua rotulagem, mensagem publicitária etc., respeitadas as variações da sua natureza. A responsabilidade em relação ao vício do produto é estudada nos artigos dezoito e dezenove do Código Brasileiro de Defesa do Consumidor. O artigo dezoito rege que todos os fornecedores inclusive os comerciantes são responsáveis solidariamente pelos vícios de quantidade e qualidade do produto, e prevê, em seu parágrafo primeiro, sanções a que podem ser submetidos os fornecedores diante de um produto viciado caso o vício não seja sanado num período de trinta dias, ou em período estipulado pelas partes, não podendo ser inferior a sete e superior a cento e oitenta dias (parágrafo segundo). Os parágrafos seguintes do referido artigo regram outras medidas as quais o consumidor pode acatar para restituir os prejuízos causados pelo produto viciado; e o parágrafo sexto apresenta os produtos que são absolutamente impróprios ao uso e consumo. Sobre os vícios de quantidade, o caput do artigo dezenove regra a responsabilidade dos fornecedores da mesma forma que a responsabilidade referente aos vícios de qualidade. Seus incisos e parágrafos apresentam sanções aos quais podem ser submetidos os fornecedores à escolhe do consumidor lesado, para que a este seja restituído o dano sofrido. O fornecedor de serviços é responsável pelas atividades que exerce, ficando obrigado a reparar todo e qualquer dano que sua atividade provocar ao consumidor. Sendo o dano referente a vícios (no caso de serviços vícios de qualidade), assim como nos casos de vícios 20 BRASIL. Código de Defesa do Consumidor. Lei nº 8.078, de 11 de setembro de Disponível em: Acesso em 6 de setembro de

12 de produtos, o consumidor pode exigir qualquer uma das sanções dispostas nos incisos e parágrafos do artigo vinte do CDC para sanar seu prejuízo. 4.5 Excludente de responsabilidade Alguns artifícios de exclusão de responsabilidade dos fornecedores, como por exemplo a estipulação contratual de cláusula que impossibilite, exonere ou atenue a obrigação de indenizar 21 (artigo vinte e cinco), são estritamente vedados pelo CDC. Além disso, este postula que a ignorância do fornecedor em relação à inadequação de produtos e serviços não caracteriza excludente de responsabilidade. Em contrapartida, o CDC indica algumas situações em que o fornecedor não é responsável pelos danos causados ao consumidor: se ele comprovar que não colocou o produto no mercado (por exemplo: se um lote de mercadoria for roubado e colocado em circulação por terceiros); se o defeito não existe ou se o culpado pelo dano é exclusivamente o consumidor ou terceiro. Há de se observar que a culpa exclusiva do consumidor ou terceiro exclui totalmente a responsabilidade do fornecedor, mas a culpa concorrente entre o consumidor e fornecedor somente atenua a responsabilidade deste. Além desses casos, há exclusão de responsabilidade por causa fortuita ou de força maior. Embora não esteja previsto no CDC, a doutrina e a Jurisprudência a acatam como excludente de responsabilidade quando o fato referente à causa fortuita ocorre após a colocação do produto no mercado ou após a execução do serviço. 5. O MERCADOLIVRE 5.1 O que é MercadoLivre Fundada no Brasil em 2 de agosto de 1999 sob o nome MercadoLivre Atividades de Internet Ltda., a empresa de comércio eletrônico MercadoLivre constitui o maior complexo de e-commerce da América Latina, com mais de 15,5 milhões de usuários. Além de presente na nação brasileira, encontra-se presente também na Argentina, Colômbia, Chile, Equador, México, Peru, Uruguai e Venezuela e possui parceria com grandes empresas como Google, 21 BRASIL. Código de Defesa do Consumidor. Lei nº 8.078, de 11 de setembro de Disponível em: Acesso em 6 de setembro de

13 MSN, Yahoo, AOL, ICQ, UOL, Terra, Cidade Internet, CanTV, Starmedia, Grupo Clarin, BOL, Organizações Globo, Inktomi, Kazaa, IG, Grupo Abril, HPG, Grupo Televisa, Virtualia e Data Full, entre outras. O MercadoLivre consiste em uma plataforma virtual de comércio. Ele permite que seus usuários devidamente cadastrados comprem e vendam os mais diversos tipos de produtos pagando uma taxa sobre o valor destes, referente aos serviços prestados pelo site. Ele conta, também, com um sistema de avaliação de seus usuários o qual, assim que consumada uma venda entre eles, o consumidor qualifica a sua relação com usuário fornecedor e este avalia aquele. Segundo o próprio MercadoLivre, sua comunidade de compra e venda possui 90% dos usuários pessoas físicas ou pessoas jurídicas de pequeno e médio porte, mas grandes empresas também usam a plataforma disponível no site para venderem produtos O cadastro no MercadoLivre Para utilizar o MercadoLivre, basta cadastrar-se preenchendo um formulário no qual deverá ser inserido o nome e sobrenome do futuro usuário, bem como o seu e telefone fixo. Além disso, deve-se escolher um apelido pelo qual o novo usuário será identificado pelos outros indivíduos que utilizam o site e, por fim, deve-se escolher a sua senha secreta de acesso. Os dados dos usuários são confidenciais de modo que somente depois de concretizado um negócio entre dois usuários é que o consumidor terá acesso aos dados do vendedor. Percebe-se que este cadastro pode ser facilmente falsificado, pois não exige outros dados pessoais que sejam mais difíceis de serem burlados, e isto muito contribui para que ocorram lesões aos usuários consumidores. 5.3 Das relações de comércio As relações comerciais estabelecidas através do MercadoLivre possuem grande complexidade e, por isto, são difíceis de serem estudadas genericamente. Sabe-se que o usuário vendedor pode optar por vender um produto através do sistema de Leilão, no qual o 22 Disponível em: Acesso em 21 de outubro de

14 vendedor estipula um lance mínimo, um prazo em que poderão ser dados outros lances e, ao final deste prazo, arremata o produto aquele que pagou mais; ou através da Compra Imediata, modo pelo qual o usuário vendedor estipula um preço ao seu produto e negocia com os usuários compradores (em ambos os casos, o MercadoLivre cobra uma taxa do usuário vendedor pela concretização da venda do produto anunciado no site). Estes são os dois tipos mais comuns de comércio no site em questão. Também é possível comprar no MercadoLivre através do Mercado Pago, um sistema PayPal, que permite maior segurança aos seus usuários ao comprar e vender produtos. Neste sistema, o MercadoLivre atua como guardião da quantia paga pelo usuário consumidor durante quatorze dias e age como intermediador da relação informando ao fornecedor que a outra parte já efetuou o pagamento e protegendo o consumidor caso ele não receba o produto ou caso o produto não seja compatível com o ofertado. Para fazer uso desse modo de negociação, o MercadoLivre cobra do usuário consumidor taxas que variam de 2.99% a 9.99% do valor do produto. 5.4 Casos concretos de lesões a consumidores Há vários casos relacionados a lesões de caráter consumerista ocorridas através do site MercadoLivre vinculados na mídia. Dentre todos, alguns serão elencados neste trabalho com a finalidade de dar uma dimensão fática aos crimes cometidos através da empresa em questão e, assim, concretizar a idéia de que o MercadoLivre não constitui plataforma de e-commerce suficientemente segura. Alguns casos mostram, ainda, que o entendimento jurisdicional atual tem revelado o dever de indenizar do MercadoLivre Casos ainda não solucionados No dia 26 de outubro de 2006, o usuário Francisco ofereceu reclamação ao site Reclameaqui por não ter recebido o produto comprado do usuário vendedor BILBOARD (uma câmera digital SAMSUNG modelo A 503), através do site de vendas MercadoLivre. No relato, Francisco afirma que tentou várias vezes registrar o negócio no campo oferecido pelo site relacionado às TRANSAÇÕES SUSPEITAS, porém não obteve sucesso, pois, segundo o MercadoLivre, "o produto inserido não corresponde ao número do nosso registro". O usuário lesado afirma, ainda, que tentou entrar em contato com o vendedor e com o MercadoLivre 14

15 através de , mas ambos não respondem. A questão ainda não foi solucionada e o MercadoLivre ainda não respondeu à reclamação. 23 O usuário Hedwander denunciou, no dia 23 de outubro de 2006, a lesão que sofreu ao comprar no MercadoLivre. O denunciante foi prejudicado ao comprar da usuária vendedora MARA_DELA, através do sistema Mercado Pago, uma câmera digital Olympus que nunca recebeu. Segundo ele, houve tentativa de se estabelecer contato com a vendedora através de e- mails e telefones, porém ninguém respondeu; ele afirma, ainda, que o MercadoLivre também não responde os s a ele direcionados. Dois dias após a denúncia ter sido vinculada no site Reclameaqui, o MercadoLivre se pronunciou sobre o caso, porém este ainda não foi solucionado. 24 Em 25 de outubro de 2006, a usuária Marilene postou, no site Reclameaqui, queixa referente a uma compra feita através do MercadoLivre. Segundo ela, a mesma reclamação foi apresentada ao próprio site de e-commerce e, também, à Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática - DRCI-RJ. A usuária foi lesada ao comprar, através do sistema de Leilão, um Windows Xp Sp2 Professional Brasil Botável (com um cd-rom do Office e o frete relacionado à entrega dos produtos inclusos no preço total do negócio) do vendedor RAULVIEIRAML(106) que, de acordo com o descrito na denúncia, enviou a ela produtos falsificados ao invés dos originais. A consumidora afirma, ainda, que os telefones fornecidos pelo MercadoLivre referentes ao usuário vendedor não pertencem a ele, e que o fornecido também já foi modificado. O MercadoLivre pronunciou-se sobre o assunto dizendo que não poderia fazer nada sobre o assunto e o caso ainda não foi resolvido. 25 Outros casos podem ser visualizados nos sites e Casos já apreciados pelo Judiciário 23 Reclamação disponível em: Acesso em 01 de novembro de Reclamação disponível em: Acesso em 01 de novembro de Reclamação disponível em: Acesso em 01 de novembro de

16 Foi publicada, em 24 de agosto de 2005, no site Forumdoconsumidor, uma matéria que trata sobre condenação indenizatória imputada ao site MercadoLivre devido a não entrega de produto vendido. Segundo o texto da notícia: O site de vendas Mercado Livre terá de ressarcir uma consumidora por não cumprir a promessa de entregar o produto que ela comprou. A decisão é do juiz da 33ª Vara Cível de Belo Horizonte, José Antônio Braga. O juiz julgou o pedido parcialmente procedente e condenou o site a indenizar a consumidora em R$ 205 por danos materiais. Cabe recurso. [...] Para o juiz, se há falhas e o serviço se torna defeituoso, não fornecendo a segurança necessária e esperada pelos clientes, a empresa deve responder pelos danos causados, mormente em se tratando de serviço eletrônico. Os danos morais foram julgados improcedentes. 26 O MercadoLivre foi, também, em outro caso, condenado em segunda instância a pagar indenizações por produtos não entregues. Em acórdão proferido pela 1ª Turma Recursal dos Juizados Especiais Cíveis e Criminais do Distrito Federal, a empresa ficou obrigada a pagar ao usuário lesado uma indenização de R$ 640,00 por danos materiais e R$ 1.000,00 referentes a danos morais. O site também foi condenado a pagar as custas processuais e dos honorários advocatícios, num valor de R$ 200, A responsabilidade civil Tendo em vista uma negociação padrão (aquela que não utiliza dispositivos como o Mercado Pago), o MercadoLivre, muito embora não atue diretamente no negócio, é fornecedor de serviços tanto ao usuário vendedor (pois deste ele cobra uma taxa sobre o valor do produto vendido referentes aos serviços prestados pelo site) como ao consumidor, pois as taxas de serviços imputadas ao primeiro, normalmente, são repassadas a este no preço do produto e, ainda, o negócio só pode ser realizado se houver a vontade do último. Porém, esta idéia de enquadrar o MercadoLivre somente como prestador de serviços está mudando. A referida empresa deve também ser considerada fornecedora dos produtos ofertados através de seu site de e-commerce, uma vez que ela age como vitrine para o usuário vendedor expor seus produtos e angaria lucros com as vendas. Dessa forma, o 26 Notícia completa disponível em: Acesso em 01 de novembro de Acórdão disponível em: Acesso em 01 de novembro de

17 MercadoLivre compõe o pólo fornecedor concomitantemente com o usuário vendedor e deve responder, solidariamente, pelas lesões ocorridas através do seu site, de acordo com as regras dissertadas no Código Brasileiro de Defesa do Consumidor. Um outro argumento relevante para se imputar responsabilidade civil ao MercadoLivre é a fragilidade do consumidor frente às relações de consumo. Como já proferido, o consumidor figura o pólo frágil das relações comerciais: ele é vulnerável por não ter capacidade técnica de conhecer profundamente o produto ofertado, além de não possuir condições de avaliar a veracidade do que lhe é passado pelo usuário vendedor, muito menos de descobrir se este, de fato, existe e se é confiável pois o cadastro de usuários do MercadoLivre, bem como seu sistema de avaliação, é frágil e pode ser facilmente burlado por usuários mal intencionados. Além disso, o consumidor (pessoa física ou pessoa jurídica de pequeno porte) é hipossuficiente, ou seja, ele não possui condições monetárias de competir em pé de igualdade com seu fornecedor em futura ação jurídica. É devido a isso que o CDC prima por conceder ao consumidor muito mais vantagens e muito mais proteção do que ao fornecedor, dando ao primeiro a possibilidade de recorrer a qualquer um dos que contribuíram para que o produto chegasse as suas mãos quando se sentir lesado em relação ao bem adquirido. Faz-se mister, ainda, pontuar um outro motivo para se imputar responsabilidade civil ao MercadoLivreque no tocante às relações nele estabelecidas, argumento este referente ao fato de grande parte das lesões cujos consumidores são pacientes ocorrer devido a fragilidade do cadastro de usuários necessário para atuar em relações mercantis dentro do site. 5.7 Dos Termos e Condições Gerais do MercadoLivre Atividades de Internet Ltda. O texto referente aos Termos e Condições Gerais de uso do site MercadoLivre 28 possui um tópico exclusivo referente às responsabilidades do site frente às relações de consumo estabelecidas através dele. Nesse tópico, é alertado aos usuários que o site não se responsabiliza pela existência e por qualquer característica dos produtos ofertados e tão pouco oferece garantia referente a vícios e defeitos nas negociações estabelecidas entre usuários, além de frisar que cada Usuário conhece e aceita ser o único responsável pelos produtos que anuncia ou pelas ofertas que realiza. 28 Texto disponível em: Acesso em 01 de novembro de

18 Segundo, ainda, o referido tópico, o MercadoLivre não é o proprietário dos produtos oferecidos, não guarda a posse deles e não realiza as ofertas de venda. Tampouco intervém na entrega dos produtos cuja negociação se iniciem no site ; e: MercadoLivre não será responsável pelo efetivo cumprimento das obrigações assumidas pelos Usuários. O Usuário reconhece e aceita que ao realizar negociações com outros Usuários ou terceiros faz por sua conta e risco. Em nenhum caso MercadoLivre será responsável pelo lucro cessante ou por qualquer outro dano e/ou prejuízo que o Usuário possa sofrer devido às negociações realizadas ou não realizadas através do MercadoLivre. Enfim, o MercadoLivre espalha no texto referente aos seus Termos e Condições Gerais de uso, vários alertas dirigidos aos usuários de que não se responsabiliza por eventuais danos decorrentes das atividades exercidas nas fronteiras do site. Tendo em vista os regulamentos previstos no Código de Defesa do Consumidor e encarando tais termos de uso como sendo um contrato ao qual todos os usuários estão vinculados, pode-se encarar tais cláusulas como nulas, pois o Código acima citado pontua, em seu artigo vinte e cinco, que é vedada a estipulação de cláusula contratual impossibilite, exonere ou atenue a obrigação de indenizar. 29 Dessa forma, tais avisos não vinculam os usuários do site e, assim, estes podem pleitear ação junto ao poder competente para serem ressarcidos de eventuais lesões sofridas através do MercadoLivre. CONSIDERAÇÕES FINAIS Tendo em vista todas as informações expostas neste estudo, pode-se considerar que, no tocante à responsabilidade civil, é possível imputar ao MercadoLivre as regras disciplinadas no Código Brasileiro de Defesa do Consumidor, pois o site é figurado como fornecedor dos produtos comercializados através de sua plataforma de e-commerce. Dessa forma, qualquer pessoa lesada, ao adquirir bens através do MercadoLivre, tem amparo legal para ajuizar ação cível diante do poder judiciário e pedir ao site o ressarcimento pelos danos sofridos. Esta posição que situa o MercadoLivre como fornecedor encontra sustento na Teoria do risco e nas qualidades do consumidor ante as relações de consumo, sejam estas a 29 BRASIL. Código de Defesa do Consumidor. Lei nº 8.078, de 11 de setembro de Disponível em: Acesso em 01 de novembro de

19 vulnerabilidade e a hipossuficiência pois, ao analisar estes três tópicos em conjunto, o Código de Defesa do Consumidor define que, numa relação de comércio, quem se coloca em posição de risco é o fornecedor, logo, é este quem deve privar pela efetiva concretização da venda, sem prejuízo a nenhuma das partes. Faz-se mister relatar, por fim, que as idéias alcançadas com este estudo tangem não somente o MercadoLivre, mas podem ser estendidas a todas as outras entidades de e- commerce existentes, uma vez que o MercadoLivre constitui uma das plataformas de comércio eletrônico mais complexas em atividade. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ARALDI, Udelson Josue. Responsabilidade civil objetiva: alcance do disposto no parágrafo único do art. 927 do novo Código Civil. Jus Navigandi, Teresina, ano 10, n. 1070, 6 jun Disponível em: <http://jus2.uol.com.br/doutrina/texto.asp?id=8474>. Acesso em 29 ago FRANCO JÚNIOR, Carlos F. E-business: tecnologia de informação e negócios na Internet. São Paulo: Atlas, p ; GAMA, Hélio Saghetto. Curso de direito do consumidor. 2.ed. Rio de Janeiro: Forense, GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito das obrigações: parte especial (responsabilidade civil). 2.ed. São Paulo: Saraiva, p. (Coleção Sinopses Jurídicas). GRINOVER, Ada Pellegrini et all. Código brasileiro de defesa do consumidor: comentado pelos autores do anteprojeto. 8.ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, p LÉVY, Pierre. Cibercultura. Tradução: Carlos Irineu da Costa. 2. ed. São Paulo: p. SCORZELLI, Patrícia. Comunidade cibernética e o direito. Rio de Janeiro: Lumen Juris, p

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Dos Produtos e Serviços Gratuitos e a Aplicação do CDC Sumário: 1. Considerações Iniciais; 2. Do Consumidor; 3. Do Fornecedor; 4. Dos Serviços Gratuitos; 5. Conclusão; 6. Bibliografia

Leia mais

RELAÇÃO DE CONSUMO DIREITO DO CONSUMIDOR

RELAÇÃO DE CONSUMO DIREITO DO CONSUMIDOR DIREITO DO CONSUMIDOR RELAÇÃO DE CONSUMO APLICABILIDADE O presente código estabelece normas de proteção e defesa do consumidor, de ordem pública e interesse social, nos termos dos arts. 5, inciso XXXII,

Leia mais

A configuração da relação de consumo

A configuração da relação de consumo BuscaLegis.ccj.ufsc.br A configuração da relação de consumo Samuel Borges Gomes 1. Introdução O Código de Defesa do Consumidor (CDC) foi sem dúvida um marco na legislação brasileira no sentido de legitimação

Leia mais

CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. Prof. Alexandre LIPP João PONTO 1: BASE CONSTITUCIONAL DO CDC. b) TEORIAS, INÍCIO DOS PRINCÍPIOS NO CDC

CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. Prof. Alexandre LIPP João PONTO 1: BASE CONSTITUCIONAL DO CDC. b) TEORIAS, INÍCIO DOS PRINCÍPIOS NO CDC 1 CDC PONTO 1: BASE CONSTITUCIONAL DO CDC PONTO 2: a) DISTINÇÃO CONSUMIDOR E FORNECEDOR b) TEORIAS, INÍCIO DOS PRINCÍPIOS NO CDC 1) A BASE CONSTITUCIONAL DA DEFESA DO CONSUMIDOR: ART. 5º, XXXII 1, CF (Dir.

Leia mais

Contrato de Prestação de Serviços. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Contrato de Prestação de Serviços. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Contrato de Prestação de Serviços Contrato de Prestação de Serviços Visão Geral dos Contratos: Formação dos Contratos;e Inadimplemento Contratual. Formação dos Contratos Validade do Negócio Jurídico: Agente

Leia mais

TERMO DE ADESÃO PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE INTERMEDIAÇÃO

TERMO DE ADESÃO PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE INTERMEDIAÇÃO TERMO DE ADESÃO PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE INTERMEDIAÇÃO São partes deste Instrumento, VAIVOLTA.COM SERVIÇOS DE INTERNET SA, inscrita no CNPJ/MF sob o nº 15.529.518/0001-94, com sede na Rua Frei Caneca,

Leia mais

COIFFEUR BRASIL. Termo e Condições de Uso v.1. Publicação dia 03 de Junho de 2015.

COIFFEUR BRASIL. Termo e Condições de Uso v.1. Publicação dia 03 de Junho de 2015. COIFFEUR BRASIL Termo e Condições de Uso v.1 Publicação dia 03 de Junho de 2015. Qualquer pessoa que se utilize dos serviços denominados Coiffeur Brasil (registrada sob CNPJ 20.402.266/0001 78 e localizada

Leia mais

4. O QUANDO QUISER não possui qualquer responsabilidade pelo CONTEÚDO existente no SITE do ANUNCIANTE;

4. O QUANDO QUISER não possui qualquer responsabilidade pelo CONTEÚDO existente no SITE do ANUNCIANTE; TERMO DE USO DO QUANDO QUISER O presente TERMO DE USO regula as condições gerais de uso dos serviços oferecidos pelo QUANDO QUISER (www.quandoquiser.com.br), da empresa N. O. S. SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO

Leia mais

SITES DE COMPRAS COLETIVAS: UMA NOVA MODALIDADE DE RELAÇÃO DE CONSUMO E A FORMA DE RESPONSABILIZAÇÃO DAS EMPRESAS

SITES DE COMPRAS COLETIVAS: UMA NOVA MODALIDADE DE RELAÇÃO DE CONSUMO E A FORMA DE RESPONSABILIZAÇÃO DAS EMPRESAS 192 SITES DE COMPRAS COLETIVAS: UMA NOVA MODALIDADE DE RELAÇÃO DE CONSUMO E A FORMA DE RESPONSABILIZAÇÃO DAS EMPRESAS SHOPPING SITES OF COLLECTIVE: A NEW TYPE OF RELATIONSHIP OF CONSUMPTION AND WAY OF

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR » Cacildo Baptista Palhares Júnior Advogado em Araçatuba (SP) Questões comentadas de direito do consumidor da prova objetiva do concurso de 2010 para Defensor da Bahia Com referência ao CDC, julgue os

Leia mais

O fornecimento de senhas e caracteres de acesso à terceiros, causa negativa em indenização

O fornecimento de senhas e caracteres de acesso à terceiros, causa negativa em indenização O fornecimento de senhas e caracteres de acesso à terceiros, causa negativa em indenização Contribuição de Dr. Rodrigo Vieira 17 de dezembro de 2008 Advocacia Bueno e Costanze O fornecimento de senhas

Leia mais

h) TERMO DE ADESÃO Documento formal ao qual a EMPRESA CREDENCIADA adere ao PROGRAMA MAXXIMO FIDELIDADE nas condições do presente contrato.

h) TERMO DE ADESÃO Documento formal ao qual a EMPRESA CREDENCIADA adere ao PROGRAMA MAXXIMO FIDELIDADE nas condições do presente contrato. CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE GESTÃO DE PROGRAMA DE FIDELIDADE inscrita no CNPJ/MF sob o n. 09.016.557/0001-95, com sede na Rua Dr. Sodré 122 Sala 53, Vila Nova Conceição, São Paulo SP - CEP: 04535-110,

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DO SÍTIO NO COMÉRCIO ELETRÔNICO NACIONAL

RESPONSABILIDADE CIVIL DO SÍTIO NO COMÉRCIO ELETRÔNICO NACIONAL 1 RESPONSABILIDADE CIVIL DO SÍTIO NO COMÉRCIO ELETRÔNICO NACIONAL FABRICIO, M. A. F. Resumo: O presente trabalho tem por finalidade um estudo sobre a responsabilidade civil do sítio no comércio eletrônico,

Leia mais

AS RESPONSABILIDADES NAS TRANSAÇÕES REALIZADAS ATRAVÉS DO E- COMMERCE ROFIS ELIAS FILHO ADVOGADO

AS RESPONSABILIDADES NAS TRANSAÇÕES REALIZADAS ATRAVÉS DO E- COMMERCE ROFIS ELIAS FILHO ADVOGADO AS RESPONSABILIDADES NAS TRANSAÇÕES REALIZADAS ATRAVÉS DO E- COMMERCE ROFIS ELIAS FILHO ADVOGADO Copyleft é livre o uso desta apresentação para fins não comerciais, desde que a fonte e a autoria sejam

Leia mais

FUTURAINVEST DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. CARTILHA DO CONSUMIDOR

FUTURAINVEST DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. CARTILHA DO CONSUMIDOR FUTURAINVEST DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. CARTILHA DO CONSUMIDOR 1 Sumário 1 - A origem do Código de Defesa do Consumidor...3 2 - Código de Defesa do Consumidor... 3 3 - Direitos

Leia mais

Direito do Consumidor: Responsabilidade Civil e o Dever de Indenizar

Direito do Consumidor: Responsabilidade Civil e o Dever de Indenizar Direito do Consumidor: Responsabilidade Civil e o Dever de Indenizar Formação de Servidores do PROCON RJ - 2012 RESUMO Finalidade da Responsabilidade Civil Segurança Jurídica Sistema de Garantias Tutela

Leia mais

Aspectos da responsabilidade civil no Código de Defesa do Consumidor e excludentes

Aspectos da responsabilidade civil no Código de Defesa do Consumidor e excludentes Aspectos da responsabilidade civil no Código de Defesa do Consumidor e excludentes Michele Oliveira Teixeira advogada e professora do Centro Universitário Franciscano em Santa Maria (RS) Simone Stabel

Leia mais

3.2. O USUÁRIO poderá alterar sua senha a qualquer momento, assim como criar uma nova chave em substituição a uma chave já existente;

3.2. O USUÁRIO poderá alterar sua senha a qualquer momento, assim como criar uma nova chave em substituição a uma chave já existente; 1. CONTRATO Os termos abaixo se aplicam aos serviços oferecidos pela Sistemas On Line Ltda., doravante designada S_LINE, e a maiores de 18 anos ou menores com permissão dos pais ou responsáveis, doravante

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS Atividade de intermediação de negócios imobiliários relativos à compra e venda e locação Moira de Toledo Alkessuani Mercado Imobiliário Importância

Leia mais

OAB 1ª Fase Direito Civil Responsabilidade Civil Duarte Júnior

OAB 1ª Fase Direito Civil Responsabilidade Civil Duarte Júnior OAB 1ª Fase Direito Civil Responsabilidade Civil Duarte Júnior 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. RESPONSABILIDADE CIVIL É A OBRIGAÇÃO QUE INCUMBE A ALGUÉM DE

Leia mais

Sentença. 1. Relatório. Relatório dispensado (artigo 38 da Lei 9.099/95). 2. Fundamentação

Sentença. 1. Relatório. Relatório dispensado (artigo 38 da Lei 9.099/95). 2. Fundamentação Processo : 2013.01.1.151018-6 Classe : Procedimento do Juizado Especial Cível Assunto : Contratos de Consumo Requerente : CELSO VIEIRA DA ROCHA JUNIOR Requerido : EMPRESA EBAZAR Sentença 1. Relatório Relatório

Leia mais

TERMOS DE CONDIÇÕES E USO. O Grupo Orguel o convida para ser um usuário deste Site e conhecer os Termos e Condições que conduzem a sua utilização.

TERMOS DE CONDIÇÕES E USO. O Grupo Orguel o convida para ser um usuário deste Site e conhecer os Termos e Condições que conduzem a sua utilização. TERMOS DE CONDIÇÕES E USO O Grupo Orguel o convida para ser um usuário deste Site e conhecer os Termos e Condições que conduzem a sua utilização. O presente Site destina-se a disponibilizar mais uma forma

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.442, DE 5 DE JANEIRO DE 2007. Mensagem de veto Dispõe sobre o transporte rodoviário de cargas por conta de terceiros e mediante

Leia mais

Contrato de Comodato de Equipamentos

Contrato de Comodato de Equipamentos Contrato de Comodato de Equipamentos ELITEINFOR com sede na Cidade de Lagoa Grande / PE, na Rua Joaquim Nabuco, 175, Centro, CEP: 56395-000, inscrita no CNPJ sob n.º 13.636.627/0001-85, doravante denominado

Leia mais

Módulo Operações na Logística. Objetivos. Questões

Módulo Operações na Logística. Objetivos. Questões Módulo Operações na Logística 1. O Direito, a lei e a Logística 2. Os Direitos do Consumidor 3. Atividade Empresarial e a Logística 4. As Obrigações Tributárias Prof. Mardônio da Silva Girão Objetivos

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE COMPRA DE PRODUTOS PELA KSR AUTOMOTIVE INDÚSTRIA DO BRASIL LTDA.

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE COMPRA DE PRODUTOS PELA KSR AUTOMOTIVE INDÚSTRIA DO BRASIL LTDA. TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE COMPRA DE PRODUTOS PELA KSR AUTOMOTIVE INDÚSTRIA DO BRASIL LTDA. 1 ÍNDICE GERAL 1 OBJETO 3 2 SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO E PROPOSTA COMERCIAL 3 3 PEDIDO DE COMPRA E AUTORIZAÇÃO

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br O Uso do Cheque na Compra e Venda Gilmar Roberto Duarte Ferreira* Introdução Pretende-se, nestas parcas linhas, abordar eventual prática abusiva, consoante desrespeito à norma instituída,

Leia mais

TERMO DE USO TERMOS DE USO DO CLIENTE

TERMO DE USO TERMOS DE USO DO CLIENTE TERMO DE USO TERMOS DE USO DO CLIENTE A) APLICABILIDADE 1. Os presentes termos de uso são aplicáveis aos Usuários da INTERNET POOL COMÉRCIO ELETRONICO LTDA, inscrita no CNPJ/MF sob o nº 09.491.113/0001-01,

Leia mais

Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais Para Reflexão Ao indivíduo é dado agir, em sentido amplo, da forma como melhor lhe indicar o próprio discernimento, em juízo de vontade que extrapola

Leia mais

CONTRATO DE LICENÇA DE USO DE SOFTWARE

CONTRATO DE LICENÇA DE USO DE SOFTWARE CONTRATO DE LICENÇA DE USO DE SOFTWARE Ao aceitar eletronicamente este contrato, depois de aceito todas as condições do contrato, o cliente estará automaticamente aderindo e concordando com todos os termos

Leia mais

1. TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS PARA ASSINATURA DO SITE VAGAS EM COMUNICAÇÃO

1. TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS PARA ASSINATURA DO SITE VAGAS EM COMUNICAÇÃO 1. TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS PARA ASSINATURA DO SITE VAGAS EM COMUNICAÇÃO 1. DAS PARTES 1.1. De um lado, a CONTRATADA site VAGAS EM COMUNICAÇÃO de propriedade da Aoki Mídia e Comunicação, registrada sob

Leia mais

Registrado no 1º Cartório de Registro de Títulos e Documentos da Cidade de Ponta Grossa Estado do Paraná, sob o nº 143.698

Registrado no 1º Cartório de Registro de Títulos e Documentos da Cidade de Ponta Grossa Estado do Paraná, sob o nº 143.698 CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PARA OPERAR, MANTER E ADMINISTRAR CARTEIRA DE COBRANÇA NA REDE MUNDIAL DE COMPUTADORES EM SITE DE PROPRIEDADE DA REGULARIZA IMOVEIS E COBRANÇAS LTDA Registrado no 1º Cartório

Leia mais

h) CADASTRO Documento formal ao qual a EMPRESA CREDENCIADA adere ao PROGRAMA MAXXIMO FIDELIDADE nas condições do presente contrato.

h) CADASTRO Documento formal ao qual a EMPRESA CREDENCIADA adere ao PROGRAMA MAXXIMO FIDELIDADE nas condições do presente contrato. CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE GESTÃO DE PROGRAMA DE FIDELIDADE inscrita no CNPJ/MF sob o n. 09.016.557/0001-95, com sede na Rua Dr. Sodré 122 Sala 53, Vila Nova Conceição, São Paulo SP - CEP: 04535-110,

Leia mais

TERMO E CONDIÇÕES GERAIS DE USO DA PLATAFORMA HELLO FARM

TERMO E CONDIÇÕES GERAIS DE USO DA PLATAFORMA HELLO FARM TERMO E CONDIÇÕES GERAIS DE USO DA PLATAFORMA HELLO FARM J HELLO FARM SERVIÇOS DE TECNOLOGIA LTDA., inscrita no CNPJ/MF sob o nº 23.694.884/0001-27, doravante denominada simplesmente como Hello Farm, adota

Leia mais

CONTRATO DE AQUISIÇÃO DE SOFTWARE E PARTICIPAÇÃO AO PROGRAMA DE RECOMENDAÇÃO REMUNERADA SKYDOO (PRRS)

CONTRATO DE AQUISIÇÃO DE SOFTWARE E PARTICIPAÇÃO AO PROGRAMA DE RECOMENDAÇÃO REMUNERADA SKYDOO (PRRS) Entre si fazem, de um lado "SKYDOO", e, de outro lado, a pessoa física no cadastro eletrônico do site (WWW.skydoo.b22.us), doravante denominada "Contratante", "Divulgador Independente", "Membro", "Participante",

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE EMAIL

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE EMAIL CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE EMAIL De um lado, M&T Logística e Tecnologia Ltda, sediada na cidade de Belo Horizonte/MG na, denominada CONTRATADA e de outro lado, pessoa física ou jurídica, neste denominada

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS VIA INTERNET E OUTRAS AVENÇAS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS VIA INTERNET E OUTRAS AVENÇAS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS VIA INTERNET E OUTRAS AVENÇAS Cláusula 1: De um lado, a contratada A.E. TREINAMENTO, entidade de direito privado, inscrito nocnpj sob nº09.653.195/0001-43, com sede a

Leia mais

Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais

Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais Nós, Hilti (Brasil) Comercial Ltda. (coletivamente, referido como Hilti, "nós", "nosso" ou "a gente") nessa Política

Leia mais

SEGURO-GARANTIA CONDIÇÕES GERAIS

SEGURO-GARANTIA CONDIÇÕES GERAIS SEGURO-GARANTIA CONDIÇÕES GERAIS 1. INFORMAÇÕES PRELIMINARES... 2 2. APRESENTAÇÃO... 2 3. ESTRUTURA DO CONTRATO DE SEGURO... 2 4. OBJETIVO DO SEGURO... 3 5. DEFINIÇÕES... 3 6. FORMA DE CONTRATAÇÃO... 4

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE GARANTIA

POLÍTICA NACIONAL DE GARANTIA POLÍTICA NACIONAL DE GARANTIA 1 Conteúdo Introdução... 3 Objetivo... 3 Esclarecimentos... 3 O que é considerado garantia... 4 O que são considerados itens de manutenção... 4 O que são considerados materiais

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS [PREENCHER], empresa estabelecida em [preencher cidade, estado, logradouro], inscrita no CNPJ sob o número [preencher], neste ato representada na forma de seu contrato

Leia mais

RESPONSABILIDADE MÉDICA EMPRESARIAL E DA EQUIPE CIRÚRGICA POR ERRO ANESTÉSICO

RESPONSABILIDADE MÉDICA EMPRESARIAL E DA EQUIPE CIRÚRGICA POR ERRO ANESTÉSICO RESPONSABILIDADE MÉDICA EMPRESARIAL E DA EQUIPE CIRÚRGICA POR ERRO ANESTÉSICO TOMÁS LIMA DE CARVALHO Em julgamento proferido no dia 22 de setembro de 2009, a Quarta Turma do Superior Tribunal de Justiça

Leia mais

REGULAMENTO BANCO DE PREÇOS

REGULAMENTO BANCO DE PREÇOS REGULAMENTO BANCO DE PREÇOS O BANCO DO BRASIL S.A., sociedade de economia mista, com sede em Brasília, Distrito Federal, sito no SBS, Quadra 4, Lote 32, Bloco C, inscrito no CNPJ sob o n.º 00.000.000/0001-91,

Leia mais

PROVA ORAL PONTO II DISCIPLINA: DIREITO CIVIL QUESTÃO 1

PROVA ORAL PONTO II DISCIPLINA: DIREITO CIVIL QUESTÃO 1 DISCIPLINA: DIREITO CIVIL QUESTÃO 1 Discorra sobre a utilização da usucapião como instrumento de defesa em ações petitórias e possessórias. DISCIPLINA: DIREITO CIVIL QUESTÃO 2 Considere que um indivíduo,

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL NO DIREITO AMBIENTAL

RESPONSABILIDADE CIVIL NO DIREITO AMBIENTAL RESPONSABILIDADE CIVIL NO DIREITO AMBIENTAL O ordenamento jurídico pátrio, em matéria ambiental, adota a teoria da responsabilidade civil objetiva, prevista tanto no art. 14, parágrafo 1º da Lei 6.938/81

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA PROJETO DE LEI N o 5.423, DE 2009 Acrescenta dispositivo à Consolidação das Leis do Trabalho, aprovada pelo Decreto-lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, estabelecendo

Leia mais

Defesa do consumidor: responsabilidade do fornecedor por vício e por defeito do produto ou serviço

Defesa do consumidor: responsabilidade do fornecedor por vício e por defeito do produto ou serviço Defesa do consumidor: responsabilidade do fornecedor por vício e por defeito do produto ou serviço Por André Motoharu Yoshino Formado em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP).

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL E AS RELAÇÕES DE CONSUMO

RESPONSABILIDADE CIVIL E AS RELAÇÕES DE CONSUMO RESPONSABILIDADE CIVIL E AS RELAÇÕES DE CONSUMO Material didático destinado à sistematização do conteúdo da disciplina Direito Civil IVI Publicação no semestre 2014.1 no curso de Direito. Autor: Vital

Leia mais

Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades Administrador Administrador é a pessoa a quem se comete a direção ou gerência de qualquer negócio ou serviço, seja de caráter público ou privado,

Leia mais

DA RESPONSABILIDADE CIVIL DO MÉDICO por Jackson Domenico e Ana Ribeiro - RESPONSABILIDADE CIVIL OBJETIVA E SUBJETIVA

DA RESPONSABILIDADE CIVIL DO MÉDICO por Jackson Domenico e Ana Ribeiro - RESPONSABILIDADE CIVIL OBJETIVA E SUBJETIVA DA RESPONSABILIDADE CIVIL DO MÉDICO por Jackson Domenico e Ana Ribeiro - RESPONSABILIDADE CIVIL OBJETIVA E SUBJETIVA A responsabilidade civil tem como objetivo a reparação do dano causado ao paciente que

Leia mais

Amercian Express, Diners, Hipercard, Aura e Elo.

Amercian Express, Diners, Hipercard, Aura e Elo. TERMO DE CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE PRODUTOS PELA INTERNET Magazine Luiza S/A, pessoa jurídica de direito privado, com sede na cidade de Franca/SP, Rua Voluntários da Franca, nº 1465, inscrita no CNPJ

Leia mais

Termo de Uso A AGENDA SUSTENTABILIDADE única e exclusiva proprietária do domínio www.agenda SUSTENTABILIDADE.com.br, doravante denominado AGENDA SUSTENTABILIDADE, estabelece o presente TERMO DE USO para

Leia mais

Fit+ Termo e Condições de Uso v.1. Publicação dia 16 de Setembro de 2015.

Fit+ Termo e Condições de Uso v.1. Publicação dia 16 de Setembro de 2015. Fit+ Termo e Condições de Uso v.1 Publicação dia 16 de Setembro de 2015. Qualquer pessoa que se utilize dos serviços denominados Fit+ (registrada sob CNPJ 23.128.926/0001-62 e localizada à Rua Cassilândia,387,

Leia mais

ROJETO DE LEI Nº, de 2015. (Do Sr. Deputado Marcos Rotta)

ROJETO DE LEI Nº, de 2015. (Do Sr. Deputado Marcos Rotta) ROJETO DE LEI Nº, de 2015 (Do Sr. Deputado Marcos Rotta) Dispõe sobre segurança, danos materiais, furtos e indenizações, correspondentes a veículos nos estacionamento de estabelecimentos comerciais, shoppings

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO COMARCA DE FERNANDÓPOLIS FORO DISTRITAL DE OUROESTE JUIZADO ESPECIAL CÍVEL E CRIMINAL

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO COMARCA DE FERNANDÓPOLIS FORO DISTRITAL DE OUROESTE JUIZADO ESPECIAL CÍVEL E CRIMINAL fls. 1 CONCLUSÃO Aos 12 de julho de 2013, faço os presentes autos conclusos ao MM. Juiz de Direito Dr. LUIZ GUSTAVO ROCHA MALHEIROS. Eu (Daniela Dacyszyn Leme Macedo), Escrivã Judicial II Substituta, digitei.

Leia mais

CONTRATUAL Obrigação de meio X Obrigação de Resultado. EXTRACONTRATUAL (ex. direito de vizinhança, passagem, águas, etc)

CONTRATUAL Obrigação de meio X Obrigação de Resultado. EXTRACONTRATUAL (ex. direito de vizinhança, passagem, águas, etc) Artigo 186, do Código Civil: Aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou imprudência, violar direito e causar dano a outrem, ainda que exclusivamente moral, comete ato ilícito. CONTRATUAL

Leia mais

Para os profissionais da segurança pública nos estados da Bahia e Sergipe

Para os profissionais da segurança pública nos estados da Bahia e Sergipe Abril 2010 - Ano 2-2ª Edição Para os profissionais da segurança pública nos estados da Bahia e Sergipe O Guia de Compras & Serviços é uma publicação do Página de Polícia, voltado para o universos dos profissionais

Leia mais

Aula de 09/03/15. Tanto a patente quanto o registro podem ser comercializados/transmitidos.

Aula de 09/03/15. Tanto a patente quanto o registro podem ser comercializados/transmitidos. Aula de 09/03/15 7. Propriedade Industrial Bens imateriais protegidos pelo direito industrial: patente de invenção, patente de modelo de utilidade, registro de desenho industrial e registro de marca. Tanto

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR JULIANA PULLINO ARTIGO: O CONSUMIDOR DESTINATÁRIO FINAL OU STRICTO SENSU: CONCEITO E PROTEÇÃO LEGAL

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR JULIANA PULLINO ARTIGO: O CONSUMIDOR DESTINATÁRIO FINAL OU STRICTO SENSU: CONCEITO E PROTEÇÃO LEGAL JULIANA PULLINO ARTIGO: O CONSUMIDOR DESTINATÁRIO FINAL OU STRICTO SENSU: CONCEITO E PROTEÇÃO LEGAL Professora Doutora: Mirella D Angelo MESTRADO EM DIREITO UNIMES 2013 O CONSUMIDOR DESTINATÁRIO FINAL

Leia mais

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil 7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil Tópicos Especiais em Direito Civil Introdução A Responsabilidade Civil surge em face de um descumprimento obrigacional pela desobediência de uma regra estabelecida

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA I. Aplicabilidade Estas Condições Gerais serão aplicáveis a todas as vendas efetuadas pela Nefab e suas afiliadas (VENDEDOR) aos seus clientes (COMPRADOR). Desvios destas Condições

Leia mais

MOBICONDO TERMOS DO SERVIÇO

MOBICONDO TERMOS DO SERVIÇO MOBICONDO TERMOS DO SERVIÇO FBT Tecnologia LTDA - ME., inscrita no CNPJ sob no 20.167.162/0001-26, com sede na Av Ipiranga 7464, 9º Andar Sala 914, Porto Alegre - RS, única e exclusiva proprietária do

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2004

PROJETO DE LEI Nº, DE 2004 PROJETO DE LEI Nº, DE 2004 (Do Sr. Sandro Mabel) Dispõe sobre o contrato de prestação de serviço a terceiros e as relações de trabalho dele decorrentes. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei regula

Leia mais

O COMÉRCIO ELETRÔNICO E O CÓDIGO DE DEFESA E PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR

O COMÉRCIO ELETRÔNICO E O CÓDIGO DE DEFESA E PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR O COMÉRCIO ELETRÔNICO E O CÓDIGO DE DEFESA E PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR OSMAR LOPES JUNIOR O COMÉRCIO ELETRÔNICO E O CÓDIGO DE DEFESA E PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR Introdução Não é preciso dizer o quanto a internet

Leia mais

Sumário NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 15 NOTA PRÉVIA... 19 PREFÁCIO... 21 APRESENTAÇÃO... 23

Sumário NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 15 NOTA PRÉVIA... 19 PREFÁCIO... 21 APRESENTAÇÃO... 23 Sumário NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 15 NOTA PRÉVIA... 19 PREFÁCIO... 21 APRESENTAÇÃO... 23 CAPÍTULO I... 25 1. Novos riscos, novos danos... 25 2. O Estado como responsável por danos indenizáveis... 26 3.

Leia mais

REPRESENTAÇÃO COMERCIAL

REPRESENTAÇÃO COMERCIAL REPRESENTAÇÃO COMERCIAL I- LEGISLAÇÃO APLICÁVEL: O Código Civil brasileiro traça as diretrizes gerais sobre contratos de agência e distribuição em seus artigos 710 a 721. A representação comercial no Código

Leia mais

CONTRATO DE LICENÇA DE USO MENSAL E PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

CONTRATO DE LICENÇA DE USO MENSAL E PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CONTRATO DE LICENÇA DE USO MENSAL E PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS JLR SERVIÇOS DE ATENDIMENTO E ORGANIZAÇÃO DE DOCUMENTOS LTDA, com sede a Rua Dona Elisa Fláquer, nº 70-13 º andar - sala 134, Centro - Santo André

Leia mais

REGRAS DO SITE. Finalidade do documento. Propriedade do site quemvecompra.com.br. Características gerais do serviço. Usuário

REGRAS DO SITE. Finalidade do documento. Propriedade do site quemvecompra.com.br. Características gerais do serviço. Usuário Finalidade do documento REGRAS DO SITE O presente documento tem por objeto estabelecer as Condições Gerais de Uso do site da QVC Quemvecompra.com.br (http://www.quemvecompra.com.br). Propriedade do site

Leia mais

PROGRAMA DE BONIFICAÇÃO TERMOS E CONDIÇÕES. A SANRE BEAUTY oferece a seus clientes um programa de bonificação, que funciona da seguinte maneira:

PROGRAMA DE BONIFICAÇÃO TERMOS E CONDIÇÕES. A SANRE BEAUTY oferece a seus clientes um programa de bonificação, que funciona da seguinte maneira: PROGRAMA DE BONIFICAÇÃO TERMOS E CONDIÇÕES Este site e seu conteúdo (o Site ) é de propriedade exclusiva da SANRE COMERCIO E IMPORTAÇÃO LTDA, sociedade empresária limitada com CNPJ:20.502.109/0001-34,

Leia mais

Termos e Condições Gerais de Vendas

Termos e Condições Gerais de Vendas Termos e Condições Gerais de Vendas 1º Escopo da aplicação (1) As condições a seguir são aplicáveis a todos os fornecimentos e serviços (por exemplo, instalações, projetos) da BrasALPLA. Estas condições

Leia mais

www.baviniferreira.com.br

www.baviniferreira.com.br www.baviniferreira.com.br 1. Aspecto Legal e a Responsabilidade Civil O que é a Responsabilidade Civil? A responsabilidade civil nada mais é senão o dever de reparar o dano. Em princípio, surge a responsabilidade

Leia mais

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Introdução 5 INTRODUÇÃO A seguir, são descritos os comportamentos e princípios gerais de atuação esperados dos Colaboradores da Endesa

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO

DIREITO ADMINISTRATIVO DIREITO ADMINISTRATIVO RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO Atualizado até 13/10/2015 RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO NOÇÕES INTRODUTÓRIAS Quando se fala em responsabilidade, quer-se dizer que alguém deverá

Leia mais

DA RESPOSABILIDADE CIVIL DO ESTADO (PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS)

DA RESPOSABILIDADE CIVIL DO ESTADO (PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS) DA RESPOSABILIDADE CIVIL DO ESTADO (PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS) Toda lesão de direito deve ser reparada. A lesão pode decorrer de ato ou omissão de uma pessoa física ou jurídica. Quando o autor da lesão

Leia mais

CLÁUSULA SEGUNDA Este contrato entrará em vigor por prazo indeterminado após sua publicação e registro em Ofício de Notas competente.

CLÁUSULA SEGUNDA Este contrato entrará em vigor por prazo indeterminado após sua publicação e registro em Ofício de Notas competente. Pelo presente instrumento particular, a COMPANHIA DE ÁGUAS E ESGOTOS DO RIO GRANDE DO NORTE (CAERN), inscrita no CNPJ n.º 08.334.385/0001-35, com sede na Avenida Sen. Salgado Filho, n 1555, bairro Tirol,

Leia mais

PRESCRIÇÃO SEGURO-SAÚDE

PRESCRIÇÃO SEGURO-SAÚDE BuscaLegis.ccj.ufsc.br PRESCRIÇÃO SEGURO-SAÚDE Autor: Valcir Edson Mayer Advogado e Professor OAB/SC 17.150 Rua General Osório, n.º 311 - Salas 202 e 205 Centro Coml. Diplomata - Centro - Timbó/SC CEP

Leia mais

CÓDIGO CIVIL. Livro III. Dos Fatos Jurídicos TÍTULO III. Dos Atos Ilícitos

CÓDIGO CIVIL. Livro III. Dos Fatos Jurídicos TÍTULO III. Dos Atos Ilícitos CÓDIGO CIVIL Livro III Dos Fatos Jurídicos TÍTULO III Dos Atos Ilícitos Art. 186. Aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou imprudência, violar direito e causar dano a outrem, ainda que

Leia mais

É importante que o objetivo deste programa esteja claro: Divulgar a ShopBela Cosméticos e seus produtos. Os resultados do uso deste programa são:

É importante que o objetivo deste programa esteja claro: Divulgar a ShopBela Cosméticos e seus produtos. Os resultados do uso deste programa são: 1. INSCRIÇÃO NESTE PROGRAMA Para iniciar o processo de inscrição, deverá concluir o preenchimento do formulário de cadastro do Sistema de Afiliados em nosso web site. Após uma breve avaliação, a conta

Leia mais

A Visão do Desembargador Sergio Cavalieri Filho Sobre a Responsabilidade Civil nos 10 Anos do Código Civil na Construção da Doutrina e Jurisprudência

A Visão do Desembargador Sergio Cavalieri Filho Sobre a Responsabilidade Civil nos 10 Anos do Código Civil na Construção da Doutrina e Jurisprudência 222 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 13 10 Anos do Código Civil - Aplicação, Acertos, Desacertos e Novos Rumos Volume 2 A Visão do Desembargador Sergio Cavalieri Filho Sobre a Responsabilidade Civil

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos ADVERTÊNCIA Informamos que os textos das normas constantes deste material são digitados ou digitalizados, não sendo, portanto, textos oficiais. São reproduções digitais de textos publicados na internet

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE HOSPEDAGEM DE "SITE"

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE HOSPEDAGEM DE SITE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE HOSPEDAGEM DE "SITE" De um lado, PSS / Digital Factory Serviços de Internet, sediada na cidade de São Paulo na Rua Antonio das Chagas nº 748, Brooklin, denominada CONTRATADA

Leia mais

REDE VITAL HELP CONTRATO DE CREDENCIAMENTO E ADESÃO DE ESTABELECIMENTO

REDE VITAL HELP CONTRATO DE CREDENCIAMENTO E ADESÃO DE ESTABELECIMENTO REDE VITAL HELP CONTRATO DE CREDENCIAMENTO E ADESÃO DE ESTABELECIMENTO Por este instrumento particular, a Empresa devidamente qualificada na respectiva Proposta de Adesão e Credenciamento de Estabelecimentos

Leia mais

1) RESPONSABILIDADE CIVIL NO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR

1) RESPONSABILIDADE CIVIL NO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR 1) RESPONSABILIDADE CIVIL NO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR Lei nº 8.078, de 11.09.90 O conceito de consumidor vem estampado no art. 2º e o de fornecedor no art. 3º, ambos do CDC. Consumidor é a pessoa

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE USO DO SITE E CONTRATAÇÃO DOS SERVIÇOS AO ALUNO IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTES:

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE USO DO SITE E CONTRATAÇÃO DOS SERVIÇOS AO ALUNO IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTES: TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE USO DO SITE E CONTRATAÇÃO DOS SERVIÇOS AO ALUNO (ANEXO POLÍTICA DE PRIVACIDADE E POLÍTICA DE TROCA E DEVOLUÇÃO) IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTES: Pelo presente instrumento,

Leia mais

MUNICÍPIO DE SENGÉS CNPJ/MF 76.911.676/0001-07 TRAVESSA SENADOR SOUZA NAVES N. 95 SENGÉS PARANÁ

MUNICÍPIO DE SENGÉS CNPJ/MF 76.911.676/0001-07 TRAVESSA SENADOR SOUZA NAVES N. 95 SENGÉS PARANÁ DECRETO Nº 600/2014 Súmula:- Regulamenta a aquisição de Bens Permanentes, de Consumo e Serviços destinados a Administração Direta, Indireta e Fundacional do Município de Sengés, através de Pregão, tendo

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

RESPONSABILIDADE CIVIL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA RESPONSABILIDADE CIVIL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 1 Suponha se que Maria estivesse conduzindo o seu veículo quando sofreu um acidente de trânsito causado por um ônibus da concessionária do serviço público

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO fls. 1 SENTENÇA Processo Digital nº: 1013078-84.2013.8.26.0100 Classe - Assunto Procedimento Sumário - Indenização por Dano Moral Requerente: Francisco Antônio Almeida Martines Requerido: Francisco de

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015 Disciplina: Direito Civil II Departamento II: Direito Privado Docente Responsável: Prof. Dr. Clineu Ferreira Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo: Anual 2º Ano Objetivos:

Leia mais

24/09/2010 (Assessoria empresarial) CONTRATO DE TRANSPORTE

24/09/2010 (Assessoria empresarial) CONTRATO DE TRANSPORTE 24/09/2010 (Assessoria empresarial) CONTRATO DE TRANSPORTE Contrato de transporte, segundo estabelece o artigo 730 do Código Civil, pode ser conceituado como aquele em que alguém se obriga, mediante retribuição,

Leia mais

EXTRATO DE CONTRATO PARA REPRESENTAÇÃO DE SEGUROS CUMULADO COM CORRESPONDENTE DE MICROSSEGURO

EXTRATO DE CONTRATO PARA REPRESENTAÇÃO DE SEGUROS CUMULADO COM CORRESPONDENTE DE MICROSSEGURO EXTRATO DE CONTRATO PARA REPRESENTAÇÃO DE SEGUROS CUMULADO COM CORRESPONDENTE DE MICROSSEGURO TOKIO MARINE SEGURADORA S.A., inscrita no CNPJ sob o número 33.164.021/0001-00 pessoa jurídica de direito privado

Leia mais

Prezado usuário, ao se cadastrar no SITE www.e-closet.com.br você está de acordo com presente Contrato de Adesão.

Prezado usuário, ao se cadastrar no SITE www.e-closet.com.br você está de acordo com presente Contrato de Adesão. E-CLOSET Prezado usuário, ao se cadastrar no SITE www.e-closet.com.br você está de acordo com presente Contrato de Adesão. O presente CONTRATO DE ADESÃO ao site E-CLOSET, empresa com razão social INTERNET

Leia mais

Dispõe sobre o transporte rodoviário de cargas por conta de terceiros e mediante remuneração e revoga a Lei nº 6.813, de 10 de julho de 1980.

Dispõe sobre o transporte rodoviário de cargas por conta de terceiros e mediante remuneração e revoga a Lei nº 6.813, de 10 de julho de 1980. LEI Nº 11.442, de 05/01/2007 Dispõe sobre o transporte rodoviário de cargas por conta de terceiros e mediante remuneração e revoga a Lei nº 6.813, de 10 de julho de 1980. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço

Leia mais

VENDA DIRETA EXTRAJUDICIAL ONLINE (Registro nº 15.010 VD) RIPPER ESCARIFICADOR PARA TRATOR DE ESTEIRA

VENDA DIRETA EXTRAJUDICIAL ONLINE (Registro nº 15.010 VD) RIPPER ESCARIFICADOR PARA TRATOR DE ESTEIRA VENDA DIRETA EXTRAJUDICIAL ONLINE (Registro nº 15.010 VD) RIPPER ESCARIFICADOR PARA TRATOR DE ESTEIRA ** Vendas nesta modalidade poderão ser encerradas a qualquer momento mediante confirmação de lance

Leia mais

REGULAMENTO DO AUTO-ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO

REGULAMENTO DO AUTO-ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO REGULAMENTO DO AUTO-ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO O presente instrumento estabelece as normas regulamentares do AUTO-ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO, destinado ao atendimento de Pessoas Jurídicas de direito público,

Leia mais

Compra e recebimento de Crédito de ICMS para pagamento de conta de Energia Elétrica

Compra e recebimento de Crédito de ICMS para pagamento de conta de Energia Elétrica Compra e recebimento de Crédito de ICMS para pagamento de conta de Energia Elétrica Engº Francisco Antônio Ramos de Oliveira Gerente de Negócios faro@cpfl.com.br 14 9148 5978 São Paulo, 16 de junho de

Leia mais

SUPLEMENTO DE OPERAÇÃO ELETRÔNICA

SUPLEMENTO DE OPERAÇÃO ELETRÔNICA A ActivTrades Plc é autorizada e regulada pela Financial Conduct Authority SUPLEMENTO DE OPERAÇÃO ELETRÔNICA Estes termos suplementares devem ser lidos em conjunto com o Contrato de Cliente da ActivTrades.

Leia mais

Contrato e Termos de Uso

Contrato e Termos de Uso Contrato e Termos de Uso Por favor, leia atentamente as condições abaixo descritas para que você possa usufruir dos serviços prestados pelo site e lembre-se que ao utilizá-los, você estará declarando ter

Leia mais

Banco de Tokyo-Mitsubishi UFJ Brasil S/A

Banco de Tokyo-Mitsubishi UFJ Brasil S/A 1. PARTES CONVÊNIO PARA UTILIZAÇÃO DO SISTEMA INTERNET BANKING O presente Convênio disciplina o uso do Sistema INTERNET BANKING ( INTERNET BANKING ) disponível na home page (www.br.bk.mufg.jp) de propriedade

Leia mais

2.4 Ao cadastrar-se, a Instituição receberá uma senha de utilização do software.

2.4 Ao cadastrar-se, a Instituição receberá uma senha de utilização do software. CONTRATO DE CESSÃO DE USO DO SOFTWARE JOGO DA ECONOMIA BRASILEIRA ÀS INSTITUIÇÕES DE ENSINO E AFINS, RELACIONADAS A ATIVIDADE ECONÔMICA OU FINANCEIRA, PELO CONSELHO REGIONAL DE ECONOMIA DO PARANÁ Este

Leia mais