APOSENTADORIA VOLUNTÁRIA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APOSENTADORIA VOLUNTÁRIA"

Transcrição

1 APOSENTADORIA VOLUNTÁRIA Cód.: APV Nº: - Versão: 2 Data: 29/01/2016 DEFINIÇÃO Benefício requerido pelo servidor, alterando sua situação de ativo para inativo, abrangido pelo Regime Próprio de Previdência Social de que trata o art. 40º, e alterações posteriores, da Constituição Federal de 1988, desde que preenchidos os requisitos exigidos por lei. REQUISITOS BÁSICOS PARTE I REGRAS PERMANENTES 1º HIPÓTESE Aplicável aos servidores que ingressaram no serviço público de 01/01/2004 à 03/02/2013, ou àqueles que não optaram pelas regras dos arts. 2º e 6º da EC nº 41/03 ou do art. 3º da EC nº 47/04. POR IDADE E TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO Art. 40º, 1º, III, a, da CF/88, com redação dada pela EC nº 41/03 REQUISITOS HOMEM MULHER Professor (*) Demais servidores Professora (*) Demais servidoras Tempo de contribuição dias (30 anos) dias (35 anos) dias (25 anos) dias (30 anos) Tempo no dias (10 anos) dias (10 anos) dias (10 anos) dias (10 anos) serviço público Tempo no dias (5 anos) dias (5 anos) dias (5 anos) dias (5 anos) cargo Idade mínima 55 anos 60 anos 50 anos 55 anos Forma de cálculo Teto do benefício Reajuste do benefício Aplicação da média aritmética simples das maiores efetuadas a partir de Julho/94 Remuneração do servidor no cargo Reajuste na mesma data em que ocorrer o reajuste do RGPS para manutenção do valor real Aplicação da média aritmética simples das maiores efetuadas a partir de Julho/94 Remuneração do servidor no cargo Reajuste na mesma data em que ocorrer o reajuste do RGPS para manutenção do valor real Aplicação da média aritmética simples das maiores efetuadas a partir de Julho/94 Remuneração da servidora no cargo Reajuste na mesma data em que ocorrer o reajuste do RGPS para manutenção do valor real Aplicação da média aritmética simples das maiores efetuadas a partir de Julho/94 Remuneração da servidora no cargo Reajuste na mesma data em que ocorrer o reajuste do RGPS para manutenção do valor real * Redutor conforme art. 40º, 5º, da CF/88, exclusivo para funções de magistério na educação infantil e no ensino fundamental e médio. 1

2 2º HIPÓTESE Aplicável aos servidores que ingressaram no serviço público de 01/01/2004 à 03/02/2013, ou àqueles que não optaram pelas regras dos arts. 2º e 6º da EC nº 41/03 ou do art. 3º da EC nº 47/04. POR IDADE Art. 40º, 1º, III, b, da CF/88 REQUISITOS HOMEM MULHER Tempo no serviço público dias (10 anos) dias (10 anos) Tempo no cargo dias (5 anos) dias (5 anos) Idade mínima 65 anos 60 anos Forma de cálculo* Aplicação da média aritmética simples das maiores efetuadas a partir de Julho/94 Teto do benefício Reajuste do benefício Remuneração do servidor no cargo Reajuste na mesma data em que ocorrer o reajuste do RGPS para manutenção do valor real Aplicação da média aritmética simples das maiores efetuadas a partir de Julho/94 Remuneração da servidora no cargo Reajuste na mesma data em que ocorrer o reajuste do RGPS para manutenção do valor real * Não se aplicou a média aritmética no cálculo dos benefícios concedidos até 19/02/2004, para os quais considerou-se a última remuneração no cargo. 2

3 3º HIPÓTESE Aplicável aos servidores que ingressaram no serviço público federal, em cargo, a partir de 04/02/2013, e a servidores admitidos antes de 04/02/2013 que optarem pelo Regime de Previdência Complementar (FUNPRESP). POR IDADE E TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO Lei nº /12 REQUISITOS HOMEM MULHER Professor (*) Demais servidores Professora (*) Demais servidoras Tempo de dias ( dias ( dias (25 anos) dias (30 contribuição anos) anos) anos) Tempo no dias (10 anos) dias (10 anos) dias (10 anos) dias (10 anos) serviço público Tempo no dias (5 anos) dias (5 anos) dias (5 anos) dias (5 anos) cargo Idade mínima 55 anos 60 anos 50 anos 55 anos Forma de Aplicação da média aritmética simples das maiores remunerações, correspondente a 80% de cálculo todo o período contributivo, desde Julho/1994, ou desde a data do início da contribuição, se posterior. Inclui-se as remunerações do RGPS e do RPPS Teto do Limite máximo estabelecido para os benefícios do RGPS benefício Benefício especial Assegurado aos servidores admitidos antes de 04/02/2013, que aderiram ao Regime de Previdência Complementar (FUNPRESP), calculado com base nas à RPPS s. Equivale à média aritmética simples das maiores remunerações anteriores à adesão à FUNPRESP, utilizadas como base para as aos RPPS s, correspondentes a 80% (oitenta por cento) de todo o período contributivo desde a competência julho de 1994 ou desde a do início da contribuição, se posterior, e o teto do benefício, multiplicada pelo fator de conversão. Fator de Divisão entre a Divisão entre a Divisão entre a Divisão entre a conversão (apenas aos quantidade de quantidade de quantidade de quantidade de admitidos mensais e 390 mensais e 455 mensais e 325 mensais e 390 antes de 04/02/2013 que optaram pela FUNPRESP) Reajuste do Na mesma data e com o mesmo índice do RGPS benefício * Redutor conforme art. 40º, 5º, da CF/88, exclusivo para funções de magistério na educação infantil e no ensino fundamental e médio. 3

4 PARTE II REGRAS DE TRANSIÇÃO 1º HIPÓTESE Aplicável aos servidores que tenham ingressado em cargo até 16/12/1998. ART. 2º DA EC Nº 41/2003 REQUISITOS HOMEM MULHER Professor (*) Demais servidores Professora (*) Demais servidoras Tempo de contribuição dias (35 anos) dias (35 anos) dias (30 anos) dias (30 anos) Tempo no cargo dias (5 anos) dias (5 anos) dias (5 anos) dias (5 anos) Idade mínima 53 anos 53 anos 48 anos 48 anos Pedágio Acréscimo de 20% no tempo que faltava em 16/12/98, para atingir o tempo total de contribuição Acréscimo de 20% no tempo que faltava em 16/12/98, para atingir o tempo total de contribuição Acréscimo de 20% no tempo que faltava em 16/12/98, para atingir o tempo total de contribuição Acréscimo de 20% no tempo que faltava em 16/12/98, para atingir o tempo total de contribuição Regra especial para magistério Forma de cálculo Teto do benefício Reajuste do benefício Acréscimo de 17% no tempo exercido até 16/12/98, desde que se aposente, exclusivamente, com tempo de exercício nas funções de magistério Aplicação da média aritmética simples das maiores efetuadas a partir de Julho/94. Posteriormente, aplica-se a tabela de redução, conforme quadros abaixo Remuneração do servidor no cargo Reajuste na mesma data em que ocorrer o reajuste do RGPS para manutenção do valor real - Aplicação da média aritmética simples das maiores efetuadas a partir de Julho/94. Posteriormente, aplica-se a tabela de redução, conforme quadros abaixo Remuneração do servidor no cargo Reajuste na mesma data em que ocorrer o reajuste do RGPS para manutenção do valor real Acréscimo de 17% no tempo exercido até 16/12/98, desde que se aposente, exclusivamente, com tempo de exercício nas funções de magistério Aplicação da média aritmética simples das maiores efetuadas a partir de Julho/94. Posteriormente, aplica-se a tabela de redução, conforme quadros abaixo Remuneração da servidora no cargo Reajuste na mesma data em que ocorrer o reajuste do RGPS para manutenção do valor real - Aplicação da média aritmética simples das maiores efetuadas a partir de Julho/94. Posteriormente, aplica-se a tabela de redução, conforme quadros abaixo Remuneração da servidora no cargo Reajuste na mesma data em que ocorrer o reajuste do RGPS para manutenção do valor real 4

5 Requisitos do art. 2º da EC nº 41/03 completados até 31/12/2005* Idade Homem Mulher % a reduzir (3,5% a.a.) % a receber ,5% 75,5% % 79% ,5% 82,5% % 86% ,5% 89,5% % 93% ,5% 96,5% % 100% Requisitos do art. 2º da EC nº 41/03 completados após 01/01/2006* Idade Homem Mulher % a reduzir (5% a.a.) % a receber % 65% % 70% % 75% % 80% % 85% % 90% % 95% % 100% * Exceto professores 2º HIPÓTESE Aplicável aos servidores que tenham ingressado no serviço público até 31/12/2003. ART. 6º DA EC Nº 41/03 REQUISITOS HOMEM MULHER Professor (*) Demais servidores Professora (*) Demais servidoras Tempo de contribuição dias (30 anos) dias (35 anos) dias (25 anos) dias (30 anos) Tempo no serviço público dias (20 anos) dias (20 anos) dias (20 anos) dias (20 anos) Tempo na carreira dias (10 anos) dias (10 anos) dias (10 anos) dias (10 anos) Tempo no cargo dias (5 anos) dias (5 anos) dias (5 anos) dias (5 anos) Idade mínima 55 anos 60 anos 50 anos 55 anos Forma de cálculo Aposentadoria integral (última Aposentadoria integral (última Aposentadoria integral (última Aposentadoria integral (última remuneração do remuneração do remuneração do remuneração do cargo ) cargo ) cargo ) cargo ) Teto do benefício Remuneração do Remuneração do Remuneração da Remuneração da servidor no cargo servidor no cargo servidora no cargo servidora no cargo Reajuste do benefício Paridade conforme lei Paridade conforme lei Paridade conforme lei Paridade conforme lei * Redutor conforme art. 40º, 5º, da CF/88, exclusivo para funções de magistério na educação infantil e no ensino fundamental e médio. 5

6 3º HIPÓTESE Aplicável aos servidores que tenham ingressado no serviço público até 16/12/1998. ART. 3º DA EC Nº 47/05 REQUISITOS HOMEM MULHER Tempo de contribuição dias (35 anos) dias (30 anos) Tempo no serviço público dias (25 anos) dias (25 anos) Tempo na carreira dias (15 anos) dias (15 anos) Tempo no cargo dias (5 anos) dias (5 anos) Forma de cálculo Aposentadoria integral (última remuneração no cargo ) Aposentadoria integral (última remuneração no cargo ) Teto do benefício Remuneração do servidor no cargo Remuneração da servidora no cargo Reajuste do benefício Paridade com a remuneração dos Paridade com a remuneração dos servidores ativos Idade mínima Soma (Tempo de contribuição + Idade mínima) = 95 servidores ativos Soma (Tempo de contribuição + Idade mínima) = 95 PARTE III DIREITO ADQUIRIDO 1º HIPÓTESE Aplicável aos servidores que completaram os requisitos para aposentadoria até 16/12/1998. REQUISITOS Tempo de serviço Cálculo dos proventos COM PROVENTOS INTEGRAIS Art. 40º, III, a e b, da CF/88, com redação original HOMEM MULHER Professor Demais servidores Professora Demais servidoras 30 (anos) anos 35 (trinta e cinco) 25 (vinte e cinco) anos anos 30 (trinta) anos Integralidade da Integralidade da Integralidade da Integralidade da remuneração remuneração remuneração remuneração percebida em percebida em percebida em percebida em atividade e reajustes atividade e reajustes atividade e reajustes atividade e reajustes com paridade com o com paridade com o com paridade com o com paridade com o do servidor ativo do servidor ativo do servidor ativo do servidor ativo 2º HIPÓTESE Aplicável aos servidores que completaram os requisitos para aposentadoria até 16/12/1998. COM PROVENTOS PROPORCIONAIS AO TEMPO DE SERVIÇO Art. 40º, III, c, da CF/88, com redação original REQUISITOS HOMEM MULHER Tempo de serviço Cálculo dos proventos 30 (trinta) anos 25 (vinte e cinco) anos Integralidade da remuneração percebida em atividade, com aplicação da proporcionalidade do tempo de serviço, sendo os reajustes com paridade com o do servidor ativo Integralidade da remuneração percebida em atividade, com aplicação da proporcionalidade do tempo de serviço, sendo os reajustes com paridade com o do servidor ativo 6

7 3º HIPÓTESE Aplicável aos servidores que completaram os requisitos para aposentadoria até 16/12/1998. POR IDADE, COM PROVENTOS PROPORCIONAIS AO TEMPO DE SERVIÇO Art. 40º, III, d, da CF/88, com redação original REQUISITOS HOMEM MULHER Idade 65 (sessenta e cinco) anos 60 (sessenta) anos Cálculo dos proventos Integralidade da remuneração percebida em atividade, com aplicação da proporcionalidade do tempo de serviço, sendo os reajustes com paridade com o do servidor ativo Integralidade da remuneração percebida em atividade, com aplicação da proporcionalidade do tempo de serviço, sendo os reajustes com paridade com o do servidor ativo 4º HIPÓTESE Aplicável aos servidores que preencheram todas as condições de elegibilidade estabelecidas até 31/12/2003. PROVENTOS INTEGRAIS Art. 40º, III, a, da CF/88, com redação dada pela EC nº 20/98 REQUISITOS HOMEM MULHER Professor (*) Demais servidores Professora (*) Demais servidoras Tempo de contribuição dias (30 anos) dias (35 anos) dias (25 anos) dias (30 anos) Tempo no serviço público dias (20 anos) dias (20 anos) dias (20 anos) dias (20 anos) Tempo na carreira dias (10 anos) dias (10 anos) dias (10 anos) dias (10 anos) Tempo no cargo dias (5 anos) dias (5 anos) dias (5 anos) dias (5 anos) Idade mínima 55 anos 60 anos 50 anos 55 anos Forma de cálculo Aposentadoria integral (última Aposentadoria integral (última Aposentadoria integral (última Aposentadoria integral (última remuneração do remuneração do remuneração do remuneração do cargo ) cargo ) cargo ) cargo ) Teto do benefício Remuneração do Remuneração do Remuneração da Remuneração da servidor no cargo servidor no cargo servidora no cargo servidora no cargo Reajuste do Paridade com a Paridade com a Paridade com a Paridade com a benefício remuneração dos remuneração dos remuneração dos remuneração dos servidores ativos servidores ativos servidores ativos servidores ativos * Redutor conforme art. 40º, 5º, da CF/88, exclusivo para funções de magistério na educação infantil e no ensino fundamental e médio. 7

8 5º HIPÓTESE Regra de transição Aplicável aos servidores com direito adquirido no período de 16/12/1998 a 31/12/2003. POR IDADE, COM PROVENTOS PROPORCIONAIS Art. 40º, III, b, da CF/88, com redação dada pela EC nº 20/98 REQUISITOS HOMEM MULHER Tempo no serviço público dias (10 anos) dias (10 anos) Tempo no cargo dias (5 anos) dias (5 anos) Idade mínima 65 anos 60 anos Forma de cálculo Teto do benefício Reajuste do benefício Proventos proporcionais ao tempo de contribuição, calculados sobre a última remuneração no cargo Remuneração do servidor no cargo Paridade com a remuneração dos servidores ativos Proventos proporcionais ao tempo de contribuição, calculados sobre a última remuneração no cargo Remuneração da servidora no cargo Paridade com a remuneração dos servidores ativos 6º HIPÓTESE Regra de transição Aplicável aos servidores com direito adquirido no período de 16/12/1998 a 31/12/2003. PROVENTOS PROPORCIONAIS Art. 8º, 1º, da EC nº 20/98 REQUISITOS HOMEM MULHER Tempo de contribuição (30 anos) dias (25 anos) Tempo no cargo dias (5 anos) dias (5 anos) Idade mínima 53 anos 48 anos Pedágio Forma de cálculo Reajuste do benefício Acréscimo de 40% no tempo que faltava em 16/12/98, para atingir o tempo total de contribuição Proventos proporcionais equivalentes a 70% do valor máximo que o servidor poderia obter, acrescido de 5% por ano de contribuição que supere o tempo de contribuição acima mais o pedágio Paridade com a remuneração dos servidores ativos Acréscimo de 40% no tempo que faltava em 16/12/98, para atingir o tempo total de contribuição Proventos proporcionais equivalentes a 70% do valor máximo que a servidora poderia obter, acrescido de 5% por ano de contribuição que supere o tempo de contribuição acima mais o pedágio Paridade com a remuneração dos servidores ativos 8

9 7º HIPÓTESE Regra de transição Aplicável aos servidores com direito adquirido no período de 16/12/1998 a 31/12/2003. PROVENTOS INTEGRAIS Art. 8º, caput, da EC nº 20/98 REQUISITOS HOMEM MULHER Professor (*) Demais servidores Professora (*) Demais servidoras Tempo de contribuição dias (35 anos) dias (35 anos) dias (30 anos) dias (30 anos) Tempo no cargo dias (5 anos) dias (5 anos) dias (5 anos) dias (5 anos) Idade mínima 53 anos 53 anos 48 anos 48 anos Pedágio Acréscimo de 20% no tempo que faltava em 16/12/98, para atingir o tempo total de contribuição Acréscimo de 20% no tempo que faltava em 16/12/98, para atingir o tempo total de contribuição Acréscimo de 20% no tempo que faltava em 16/12/98, para atingir o tempo total de contribuição Acréscimo de 20% no tempo que faltava em 16/12/98, para atingir o tempo total de contribuição Regra especial para magistério Forma de cálculo Reajuste do benefício Acréscimo de 17% no tempo exercido até 16/12/98, desde que se aposente, exclusivamente, com tempo de exercício nas funções de magistério Proventos integrais correspondentes à última remuneração do cargo Paridade com a remuneração dos servidores ativos - Proventos integrais correspondentes à última remuneração do cargo Paridade com a remuneração dos Acréscimo de 17% no tempo exercido até 16/12/98, desde que se aposente, exclusivamente, com tempo de exercício nas funções de magistério Proventos integrais correspondentes à última remuneração do cargo Paridade com a remuneração dos servidores ativos - Proventos integrais correspondentes à última remuneração do cargo Paridade com a remuneração dos servidores ativos servidores ativos * Redutor conforme art. 40º, 5º, da CF/88, exclusivo para funções de magistério na educação infantil e no ensino fundamental e médio. 9

10 DOCUMENTAÇÃO 1. Cópia, autenticada por tabelião ou com registro de conferência com o original por servidor público identificado, de documento oficial que identifique o servidor e comprove sua idade; 2. Cópia, autenticada por tabelião ou com registro de conferência com o original por servidor público identificado, do CPF ou de documento oficial que contenha o CPF; 3. Declaração de Bens e Rendas: Formulário DAP 171 Autorização de Acesso aos Dados de Bens e Rendas das Declarações de Ajuste Anual do Imposto de Renda Pessoa Física Anexo II ou Formulário DAP 170 Declaração de Bens e Rendas Anexo I; 4. Carteira de Trabalho e Previdência Social CTPS, para servidores admitidos até 11/12/1990; 5. Certidão(ões) de Tempo de Contribuição de outros regimes de contribuição, expedida(s) por órgão(ãos) ou entidade(s) competentes, caso haja tempo de contribuição averbado; 6. Cópia, autenticada por tabelião ou com registro de conferência com o original por servidor público identificado, do diploma registrado no MEC, referente ao título apresentado pelo servidor (doutorado, mestrado, especialização ou aperfeiçoamento); 7. Formulário DAP 020 Declaração de Acumulação de Cargos, Empregos, Funções e Proventos e documentação pertinente explicitada no próprio formulário. FORMULÁRIO DAP 021U Aposentadoria Requerimento; DAP 021 Aposentadoria Rotina (uso exclusivo do DAP); DAP 020 Declaração de Acumulação de Cargos, Empregos, Funções e Proventos; DAP 170 Declaração de Bens e Rendas Anexo I; DAP 171 Autorização de Acesso aos Dados de Bens e Rendas das Declarações de Ajuste Anual do Imposto de Renda Pessoa Física Anexo II. INFORMAÇÕES GERAIS Regras e fundamentos legais 1. Aos servidores titulares de cargos s da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, incluídas suas autarquias e fundações, é assegurado regime de previdência de caráter contributivo e solidário, mediante contribuição do respectivo ente público, dos servidores ativos e inativos e dos pensionistas, observados critérios que preservem o equilíbrio financeiro e atuarial e o disposto no artigo 40º da Constituição da República Federativa do Brasil. (Art. 40º da CF/88, com a redação dada pela EC nº 41/03) 2. Os servidores abrangidos pelo regime de previdência de que trata o item anterior serão aposentados voluntariamente, desde que cumprido tempo mínimo de 10 (dez) anos de exercício no serviço público e 5 (cinco) anos no cargo em que se dará a aposentadoria, observadas as seguintes condições: (Art. 40º, 1º, inciso III, da CF/88, com a redação dada pela EC nº 20/98) 10

11 a) 60 (sessenta) anos de idade e 35 (trinta e cinco) de contribuição, se homem, e 55 (cinqüenta e cinco) anos de idade e 30 (trinta) de contribuição, se mulher; (Art. 40º, 1º, inciso III, alínea a da CF/88, com redação dada pela EC nº 20/98) b) 65 (sessenta e cinco) anos de idade, se homem, e 60 (sessenta) anos de idade, se mulher, com proventos proporcionais ao tempo de contribuição. (Art. 40º, 1º, inciso III, alínea b da CF/88, com redação dada pela EC nº 20/98) 3. Os requisitos de idade e de tempo de contribuição serão reduzidos em 5 (cinco) anos, em relação ao disposto na alínea a do item anterior, para o professor que comprove exclusivamente tempo de exercício das funções de magistério na educação infantil e no ensino fundamental e médio. (Art. 40º, 5º, da CF/88, com a redação dada pela EC nº 20/98) 4. É assegurada a concessão, a qualquer tempo, de aposentadoria aos servidores públicos, que, até a data de publicação da Emenda Constitucional nº 41/03, tenham cumprido todos os requisitos para obtenção desses benefícios, com base nos critérios da legislação então vigente. (Art. 3º da EC nº 41/03) 5. O servidor de que trata o art. 3º da EC nº 41/03 que opte por permanecer em atividade tendo completado as exigências para aposentadoria voluntária e que conte com, no mínimo, 25 (vinte e cinco) anos de contribuição, se mulher, ou 30 (trinta) anos de contribuição, se homem, fará jus a um abono de permanência equivalente ao valor da sua contribuição previdenciária até completar as exigências para aposentadoria compulsória contidas no art. 40º, 1º, II, da Constituição Federal, ou seja, aos 75 (setenta e cinco) anos de idade, com proventos proporcionais ao tempo de contribuição. (Art. 3º, 1º, da EC nº 41/03 e Lei Complementar nº 152/2015) 6. Ressalvado o direito de opção à aposentadoria pelas normas estabelecidas pelo art. 40º da CF/88 ou pelas regras estabelecidas pelo art. 2º da EC nº 41/03, o servidor da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, incluídas suas autarquias e fundações, que tenha ingressado no serviço público até a data de publicação da EC nº 41/03, 31/12/2003, poderá aposentar-se com proventos integrais, que corresponderão à totalidade da remuneração do servidor no cargo em que se der a aposentadoria, na forma da lei, quando, observadas as reduções de idade e tempo de contribuição contidas no 5º do art. 40º da CF/88, vier a preencher, cumulativamente, as seguintes condições: (Art. 6º da EC nº 41/03) a) 60 (sessenta) anos de idade, se homem, e 55 (cinqüenta e cinco) anos de idade, se mulher; b) 35 (trinta e cinco) anos de contribuição, se homem, e 30 (trinta) anos de contribuição, se mulher; c) 20 (vinte) anos de exercício no serviço público; e d) 10 (dez) anos de carreira e 5 (cinco) anos de exercício no cargo em que se der a aposentadoria. 7. É vedada a adoção de requisitos e critérios diferenciados para a concessão de aposentadoria aos abrangidos pelo regime de que trata o art. 40º da CF/88, ressalvados, nos termos definidos em leis complementares, os casos de servidores: (Art. 40, 4º, da CF/88, com a redação dada pela EC nº 47/05) I Portadores de deficiência. (incluído pela EC nº 47/05) II Que exerçam atividades de risco; (incluído pela EC nº 47/05) 11

12 III Cujas atividades sejam exercidas sob condições especiais que prejudiquem a saúde ou a integridade física. (incluído pela EC nº 47/05) 8. A aposentadoria voluntária vigorará a partir da data da publicação do respectivo ato. (Art. 188º da Lei nº 8.112/90) 9. Ao ex-combatente que tenha efetivamente participado de operações bélicas, durante a Segunda Guerra Mundial, nos termos da Lei nº 5.315/67, será concedida aposentadoria com provento integral, aos 25 (vinte e cinco) anos de serviço. (Art. 195º da Lei nº 8.112/90) 10. Ressalvado o direito de opção à aposentadoria pelas normas estabelecidas pelo art. 40º da CF/88 ou pelas regras estabelecidas pelos art. 2º e 6º da EC nº 41/03, o servidor da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, incluídas suas autarquias e fundações, que tenha ingressado no serviço público até 16/12/1998 poderá aposentar-se com proventos integrais, desde que preencha, cumulativamente, as seguintes condições: (Art. 3º da EC nº 47/05) a) trinta e cinco anos de contribuição, se homem, e trinta anos de contribuição, se mulher; b) vinte e cinco anos de exercício no serviço público, quinze anos de carreira e cinco anos no cargo em que se der a aposentadoria; c) idade mínima resultante da redução, relativamente aos limites do art. 40º, 1º, inciso III, de um ano de idade para cada ano de contribuição que exceder a condição prevista na alínea a. 11. O professor que comprove, exclusivamente, tempo de exercício das funções de magistério na educação infantil e no ensino fundamental e médio terá os requisitos de idade e de tempo de contribuição reduzidos em cinco anos. Considera-se como tempo de exercício na função de magistério a atividade docente de professor exercida exclusivamente em sala de aula, vedada a contagem de tempo relativo a qualquer outra atividade docente. (Art. 51º da Orientação Normativa SPS/MPS nº 3/14) 12. O servidor que, na data do ato que o colocou em disponibilidade, contava com tempo de serviço para aposentadoria voluntária, poderá requerê-la como base no art. 40º, inciso III, da CF/88, a qual deverá ser concedida pelo órgão ou entidade responsável pelo pagamento de seus proventos. (Orientação Normativa SEAP nº 74/91) 13. Não há que se falar em carência nos regimes próprios de previdência dos servidores públicos, porquanto a exigência constitucional para a aposentadoria estatutária é o mínimo de tempo de contribuição, que não se confunde com o tempo mínimo de recolhimento de. (Item 5, alínea vi, da Nota Técnica CGNOR/DENOP/SEGEP/MP nº 369/2012) Aposentadoria especial de magistério ensino infantil, fundamental e/ou médio 14. Será concedida aposentadoria especial ao professor, desde que comprove tempo de exercício exclusivamente nas funções de magistério na educação infantil e no ensino fundamental e médio, e desde que preencha os seguintes requisitos: I - tempo mínimo de dez anos de exercício na Administração Pública Federal direta, suas autarquias e fundações, empresa pública ou sociedade de economia mista da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios; II - tempo mínimo de cinco anos de exercício no cargo em que se der a aposentadoria; e 12

13 III - cinquenta e cinco anos de idade e trinta anos de tempo de contribuição, se homem, e cinquenta anos de idade e vinte e cinco anos de tempo de contribuição, se mulher. (Art. 3º da Orientação Normativa SRH/MP nº 8/2010) 15. São consideradas funções de magistério aquelas exercidas por professor no desempenho de atividades educativas, em estabelecimento de educação básica, constituída pela educação infantil, pelo ensino fundamental e pelo ensino médio, em seus diversos níveis e modalidades, incluídos, além do exercício de docência, os de direção de unidade escolar e os de coordenação e assessoramento pedagógico, conforme critérios e definições estabelecidos em normas próprias de cada ente federativo. (Art. 3º, único, da Orientação Normativa SRH/MP nº 8/2010) 16. Para fins de aposentadoria especial de professor, somente é permitida a contagem de exercício em funções de magistério, desenvolvidas em sala de aula. (Item 7 do Acórdão TCU- Segunda Câmara nº 1058/13) 17. Não é possível a concessão de aposentadoria especial prevista no art. 40º, 5º, da CF/1988, a servidor detentor do cargo de Técnico em Assuntos Educacionais. (Item 12 da Nota Técnica CGEXT/DENOP/SEGEP/MP nº 124/2014) Aposentadoria especial por tempo trabalhado em condições especiais 18. Aplicam-se ao servidor público, no que couber, as regras do regime geral da previdência social sobre aposentadoria especial de que trata o art. 40º, 4º, inciso III, da CF/1988, até a edição de lei específica. (Súmula Vinculante STF nº 33/2014) 19. A Administração Pública da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios deve analisar todos os pedidos de aposentadoria especial apresentados pelos servidores cujas atividades sejam exercidas sob condições especiais que prejudiquem a saúde ou a integridade física, independentemente da existência de prévia decisão judicial. (Item 87, alínea b, da Nota Técnica CGNAL/DRPSP/SPPS/MPS nº 02/2014) 20. Não é cabível a conversão de tempo comum em especial no âmbito dos RPPS, em razão da vedação de contagem de tempo de contribuição fictício, estabelecida no art. 40º, 10º, da CF/1988, conforme manifestação reiterada do STF. A soma de tempo decorrente da conversão agrega um percentual ao efetivamente exercido, gerando um tempo total maior do que aquele em que houve a atividade, que, por ser fictício está constitucionalmente vedado para concessão de aposentadoria nas regras previstas para os RPPS. (Item 87, alínea g, da Nota Técnica CGNAL/DRPSP/SPPS/MPS nº 02/2014) 21. A aposentadoria especial só pode ser concedida ao servidor público se este contar com o tempo mínimo exigido de 25 (vinte e cinco) anos integralmente prestado sob condições prejudiciais à saúde ou à integridade física. (Item 87, alínea h, da Nota Técnica CGNAL/DRPSP/SPPS/MPS nº 02/2014) 22. Até que lei complementar federal discipline o disposto no art. 40º, 4º, inciso III, da CF/1988, a concessão de aposentadoria especial ao servidor público federal com fundamento no art. 57º da Lei nº 8213/1991, por força da Súmula Vinculante STF nº 33 ou por ordem concedida em mandado de injunção, será devida desde que cumpridos os requisitos de que trata a Orientação Normativa SEGEP/MP nº 16/2013, alterada pela Orientação Normativa SEGEP/MP nº 5/2014, notadamente a comprovação do exercício de atividades em condições especiais no serviço público, conforme a legislação em vigor à época do exercício das atribuições do cargo ou emprego público. (Art. 2º da Orientação Normativa SEGEP/MP nº 16/2013, com redação dada pela Orientação Normativa SEGEP/MP nº 5/2014) 13

14 23. O reconhecimento de tempo de serviço público prestado sob condições especiais, prejudiciais à saúde ou à integridade física, dependerá de comprovação do exercício das atribuições do cargo ou emprego público nessas condições, de modo permanente, não ocasional ou intermitente. (Art. 10º, 1º, da Orientação Normativa SEGEP/MP nº 16/2013) 24. O tempo de serviço decorrente da contagem em dobro de licença-prêmio e da desaverbação utilizada para a concessão do benefício de aposentadoria não serão considerados para fins de concessão da aposentadoria especial. (Art. 6º da Orientação Normativa SEGEP/MP nº 16/2013) 25. O lançamento de dados e a elaboração do ato concessório de aposentadoria especial no sistema de gestão de pessoas do Poder Executivo Federal deverão ser padronizadas nos órgãos e entidades integrantes do SIPEC, que utilizarão sempre a justificativa sistêmica aposentadoria especial com fundamento no art. 57º, da Lei nº 8213/1991, aplicável por força da Súmula Vinculante STF nº 33 ou por ordem concedida em mandado de injunção. (Art. 7º da Orientação Normativa SEGEP/MP nº 16/2013, com redação dada pela Orientação Normativa SEGEP/MP nº 5/2014) 26. Na concessão de aposentadoria especial ao servidor aplicam-se as regras gerais de cálculo e reajustamento dos proventos previstas no art. 40º, 2º, 3º, 8º, 14º, 15º, 16º e 17º, da CF/1988, na redação da EC nº 41/2003. O cálculo dos proventos está disciplinado pelo art. 1º da Lei nº /2004. (Item 87, alínea j, da Nota Técnica CGNAL/DRPSP/SPPS/MPS nº 02/2014) Proventos 27. Os servidores inativos da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, incluídas suas autarquias e fundações, em gozo de benefícios na data de publicação da Emenda Constitucional nº 41/03, bem como os alcançados pelo disposto no seu art. 3º, contribuirão para o custeio do regime de previdência de caráter contributivo e solidário, com percentual igual ao estabelecido para os servidores titulares de cargos s. (Art. 4º da EC nº 41/2003) 28. A contribuição previdenciária a que se refere o art. 4º da EC nº 41/03 incidirá apenas sobre a parcela dos proventos que supere: (Art. 4º, único, da EC nº 41/03) a) 50% (cinqüenta por cento) do limite máximo estabelecido para os benefícios do regime geral de previdência social, para os servidores inativos dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios; b) 60% (sessenta por cento) do limite máximo estabelecido para os benefícios do regime geral de previdência social, para os servidores inativos da União. 29. Os proventos de aposentadoria, por ocasião de sua concessão, não poderão exceder a remuneração do respectivo servidor, no cargo em que se deu a aposentadoria. (Art. 40º, 2º, da CF/88, com a redação dada pela EC nº 20/98) 30. Para o cálculo dos proventos de aposentadoria, por ocasião da sua concessão, serão consideradas as remunerações utilizadas como base para as do servidor aos regimes de previdência de que tratam o artigo 40º e o artigo 201º da Constituição da República Federativa do Brasil, na forma da lei. (Art. 40º, 3º, da CF/88, com a redação dada pela EC nº 41/03) 14

15 31. Todos os valores de remuneração considerados para o cálculo dos proventos da aposentadoria serão devidamente atualizados, na forma da lei. (Art. 40º, 17º, da CF/88, incluído pela EC nº 41/03) 32. Os proventos da aposentadoria a ser concedida aos servidores públicos, em termos integrais ou proporcionais ao tempo de contribuição já exercido até a data de publicação da Emenda Constitucional nº 41/03, serão calculados de acordo com a legislação em vigor à época em que foram atendidos os requisitos nela estabelecidos para a concessão desse benefício ou nas condições da legislação vigente. (Art. 3º, 2º, da EC nº 41/03) 33. Observado o disposto no art. 37º, XI, da CF/88, os proventos de aposentadoria dos servidores públicos titulares de cargo pagos pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios, incluídas suas autarquias e fundações, em fruição na data de publicação da EC nº 41/03, 31/12/2003, bem como os proventos de aposentadoria dos servidores, serão revistos na mesma proporção e na mesma data, sempre que se modificar a remuneração dos servidores em atividade, sendo também estendidos aos aposentados quaisquer benefícios ou vantagens posteriormente concedidos aos servidores em atividade, inclusive quando decorrentes da transformação ou reclassificação do cargo ou função em que se deu a aposentadoria. na forma da lei. (Art. 7º da EC nº 41/03) 34. Até que seja fixado o valor do subsídio de que trata o art. 37º, XI, da CF/88, será considerado, para os fins do limite fixado naquele inciso, o valor da maior remuneração atribuída por lei na data de publicação da EC nº 41/03, 31/12/2003, a Ministro do Supremo Tribunal Federal, a título de vencimento, de representação mensal e da parcela recebida em razão de tempo de serviço, aplicando-se como limite, nos Municípios, o subsídio do Prefeito, e nos Estados e no Distrito Federal, o subsídio mensal do Governador no âmbito do Poder Executivo, o subsídio dos Deputados Estaduais e Distritais no âmbito do Poder Legislativo e o subsídio dos Desembargadores do Tribunal de Justiça, limitado a noventa inteiros e vinte e cinco centésimos por cento da maior remuneração mensal de Ministro do Supremo Tribunal Federal a que se refere este item, no âmbito do Poder Judiciário, aplicável este limite aos membros do Ministério Público, aos Procuradores e aos Defensores Públicos. (Art. 8º da EC nº 41/03) 35. Aplica-se o disposto no art. 17º do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias/88, sobre a imediata redução aos limites constitucionais, aos vencimentos, remunerações e subsídios dos ocupantes de cargos, funções e empregos públicos da administração direta, autárquica e fundacional, dos membros de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, dos detentores de mandato eletivo e dos demais agentes políticos e os proventos, pensões ou outra espécie remuneratória percebidos cumulativamente ou não, incluídas as vantagens pessoais ou de qualquer outra natureza. (Art. 9º da EC nº 41/03) 36. A partir de 20/02/2004, data da publicação da Medida Provisória nº 167/04, convertida na Lei nº /04, no cálculo dos proventos de aposentadoria dos servidores titulares de cargo de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, incluídas suas autarquias e fundações, será considerada a média aritmética simples das maiores remunerações, utilizadas como base para as do servidor aos regimes de previdência a que esteve vinculado, correspondentes a 80% (oitenta por cento) de todo o período contributivo desde a competência de julho de 1994 ou desde a do início da contribuição, se posterior àquela competência. (Art. 1º da MP nº 167/04, convertida na Lei nº /04) 37. As remunerações consideradas no cálculo do valor inicial dos proventos terão os seus valores atualizados mês a mês de acordo com a variação integral do índice fixado para a atualização dos salários-de-contribuição considerados no cálculo dos benefícios do regime geral da previdência social. (Art. 1º, 1º, da Lei nº /04) 15

16 38. A base de cálculo dos proventos será a remuneração do servidor no cargo nas competências a partir de julho de 1994 em que não tenha havido contribuição para regime próprio. (Art. 1º, 2º, da Lei nº /04) 39. Os valores das remunerações a serem utilizadas no cálculo dos proventos de aposentadoria serão comprovados mediante documento fornecido pelos órgãos e entidades gestoras dos regimes de previdência aos quais o servidor esteve vinculado ou por outro documento público, na forma do regulamento. (Art. 1º, 3º, da Lei nº /04) 40. Para os fins do cálculo dos proventos de aposentadoria, as remunerações consideradas no cálculo da aposentadoria, atualizadas na forma do 1º do art. 1º da Lei nº /04, não poderão ser: (Art. 1º, 4º, incisos I e II, da Lei nº /04) a) Inferiores ao valor do salário mínimo; b) Superiores ao limite máximo do salário-de-contribuição, quanto aos meses em que o servidor esteve vinculado ao regime geral de previdência social. 41. Os proventos, calculados de acordo com o acima descrito, por ocasião de sua concessão, não poderão ser inferiores ao valor do salário-mínimo nem exceder a remuneração do respectivo servidor no cargo em que se deu a aposentadoria. (Art. 40, 2º, da CF/88, com a redação dada pela EC nº 20/98 e Art. 1º, 5º, da Lei nº /04) 42. É vedada a percepção simultânea de proventos de aposentadoria com a remuneração de cargo, emprego ou função pública, ressalvados os cargos acumuláveis na forma da CF/88, os cargos eletivos e os cargos em comissão declarados em lei de livre nomeação e exoneração. (Art. 37º, 10º, da CF/88, incluído pela EC nº 20/98) 43. Ressalvadas as aposentadorias decorrentes dos cargos acumuláveis na forma da CF/88, é vedada a percepção de mais de uma aposentadoria à conta do regime de previdência previsto no art. 40º da CF/88. (Art. 40º, 6º, da CF/88, com a redação dada pela EC nº 20/98) 44. É assegurado o reajustamento dos benefícios para preservar-lhes, em caráter permanente, o valor real, conforme critérios estabelecidos em lei. (Art. 40º, 8º, da CF/88, com a redação dada pela EC nº 41/03) 45. O provento da aposentadoria será calculado com observância do disposto no 3o do art. 41º da Lei nº 8.112/90, e revisto na mesma data e proporção, sempre que se modificar a remuneração dos servidores em atividade. (Art. 189º da Lei nº 8.112/90) 46. São estendidos aos inativos quaisquer benefícios ou vantagens posteriormente concedidas aos servidores em atividade, inclusive quando decorrentes de transformação ou reclassificação do cargo ou função em que se deu a aposentadoria. (Art. 189º, único, da Lei nº 8.112/90) 47. Aplica-se o limite fixado no art. 37º, XI, da CF/88 à soma total dos proventos de inatividade, inclusive quando decorrentes da acumulação de cargos ou empregos públicos, bem como de outras atividades sujeitas a contribuição para o regime geral de previdência social, e ao montante resultante da adição de proventos de inatividade com remuneração de cargo acumulável na forma da CF/88, cargo em comissão declarado em lei de livre nomeação e exoneração, e de cargo eletivo. (Art. 40º, 11º, da CF/88, incluído pela EC nº 20/98) 16

17 48. Incidirá contribuição sobre os proventos de aposentadorias concedidas pelo regime de que trata o art. 40º da CF/88 que superem o limite máximo estabelecido para os benefícios do regime geral de previdência social, com percentual igual ao estabelecido para os servidores titulares de cargos s. (Art. 40º, 18º, da CF/88, incluído pela EC nº 41/03) 49. Quando proporcional ao tempo de serviço, o provento não será inferior a 1/3 (um terço) da remuneração da atividade. (Art. 191º da Lei nº 8.112/90) 50. Ao servidor aposentado será paga a gratificação natalina, até o dia 20 (vinte) do mês de dezembro, em valor equivalente ao respectivo provento, deduzido o adiantamento recebido. (Art. 194º da Lei nº 8.112/90) 51. Aplica-se ao valor dos proventos de aposentadorias concedidas com base no art. 3º da EC nº 47/05 o disposto no art. 7º da EC nº 41/03 (revisão na mesma proporção e na mesma data, sempre que se modificar a remuneração dos servidores em atividade, sendo também estendidos aos aposentados e aos pensionistas quaisquer benefícios ou vantagens posteriormente concedidos aos servidores em atividade, inclusive quando decorrentes da transformação ou reclassificação do cargo ou função em que se deu a aposentadoria ou que serviu de referência para a concessão da pensão, na forma da lei). (Art. 3º, único, da EC nº 47/05) 52. Os vencimentos, a remuneração, as vantagens e os adicionais, bem como os proventos de aposentadoria que estejam sendo percebidos em desacordo com a Constituição serão imediatamente reduzidos aos limites dela decorrentes, não se admitindo, neste caso, invocação de direito adquirido ou percepção de excesso a qualquer título. (Art. 17º do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias/88) 53. Entende-se que o marco temporal para a produção de efeitos financeiros decorrentes da revisão de fundamentação de aposentadoria compulsória para voluntária é a data da publicação do ato de revisão. (Item 15 da Nota Técnica CGNOR/DENOP/SEGEP/MP nº 147/14) 54. Aplica-se ao servidor que cumpriu todos os requisitos para a aposentadoria com a vantagem do art. 193º da Lei n 8.112/90, a vantagem da opção r elativa ao cargo em comissão ou da função de direção, chefia ou assessoramento de maior valor, cumulativamente com a vantagem dos quintos ou décimos, enquanto vigentes e eficazes esses dispositivos. (Orientação Normativa SRH nº 10/99) 55. Todos os benefícios que compõem a estrutura remuneratória do servidor deverão ser proporcionalizados quando do cálculo dos proventos de aposentadorias proporcionais, excetuando-se o adicional por tempo de serviço; a vantagem pessoal decorrente dos quintos ; a vantagem prevista no art. 193º da Lei nº 8.112/90; e a vantagem do art. 180º da Lei nº 1.711/52. (Item 6 da Nota Técnica COGES/DENOP/SRH/MP nº 100/2009) 56. O marco temporal para a produção de efeitos financeiros decorrentes da revisão de fundamentação de aposentadoria compulsória para voluntária é a data de publicação do ato de revisão. (Item 15 da Nota Técnica CGNOR/DENOP/SEGEP/MP nº 147/2014) Tempo de serviço e de contribuição 57. O tempo de contribuição federal, estadual ou municipal será contado para efeito de aposentadoria e o tempo de serviço correspondente para efeito de disponibilidade. (Art. 40º, 9º, da CF/88, incluído pela EC nº 20/98) 17

18 58. Não há óbice em relação à possibilidade de computar-se o tempo de contribuição do RGPS para fins de concessão de aposentadoria perante o RPPS. (Item 14 do Parecer JPA/CONJUR/MP nº /2010) 59. A lei não poderá estabelecer qualquer forma de contagem de tempo de contribuição fictício. (Art. 40º, 10º, da CF/88, incluído pela EC nº 20/98) 60. O tempo de serviço considerado pela legislação vigente para efeito de aposentadoria será contado como tempo de contribuição, excluído o fictício. (Art. 1º da Instrução Normativa SEAP nº 5/99) 61. Considera-se tempo de contribuição fictício todo aquele considerado em lei como tempo de serviço público para fins de concessão de aposentadoria sem que haja, por parte do servidor, a prestação de serviço e a correspondente contribuição social, cumulativamente, dentre outros os seguintes casos: (Art. 2º, único, da Instrução Normativa SEAP nº 05/99) a) tempo contado em dobro da licença-prêmio por assiduidade não gozada; b) tempo contado em dobro do serviço prestado às Forças Armadas em operações de guerra, de acordo com o disposto no art. 103º, 2º, da Lei nº 8.112/90; c) acréscimo de 1/3 (um terço) a que se refere o art. 137º, inciso VI, da Lei nº 6.880/80, ao tempo de serviço militar para cada período consecutivo ou não de 2 (dois) anos de serviço passados pelo militar nas guarnições especiais da Categoria A, a partir da vigência da Lei nº 5.774/71; d) acréscimo ao tempo de serviço exercido em atividades perigosas, insalubres ou penosas, com fundamento no art. 9º da Lei nº 5.890/73, no art. 57º da Lei nº 8.213/91 e no art. 64º do Decreto nº 2.172/97; e) período a que se refere o art. 7º do Decreto-lei nº 465/69, em que o servidor foi colocado à disposição de instituições federais de ensino, para exercer o magistério em regime de dedicação exclusiva; f) tempo em que o candidato, inclusive servidor público, esteve participando de curso de formação relativo à segunda etapa do concurso público, sem que tenha havido contribuição para qualquer regime de previdência. g) tempo em que o servidor esteve exonerado, demitido, despedido ou dispensado de seu cargo ou emprego, nas hipóteses previstas na Lei nº 8.878/94, sem contribuição para nenhum regime de previdência; h) tempo em que o servidor esteve aposentado, sem contribuição para nenhum regime de previdência; 62. É vedado, a partir de 17/12/98, o cômputo de qualquer tempo de contribuição fictício, para efeito de concessão de aposentadoria, exceto para o servidor que reuniu, até 16/12/98, os requisitos para aposentadoria integral ou proporcional, desde que se aposente pelas regras então vigentes. (Art.4º da Instrução Normativa SEAP nº 05/99) 63. O tempo de contribuição deve ser anterior à aposentação e, por essa mesma razão, deve ser averbado enquanto o servidor encontrava-se em atividade, uma vez que a aposentadoria é concedida observado o cumprimento dos requisitos legais, no momento do pedido. (Item 4 da Nota Técnica CGNOR/DENOP/SEGEP/MP nº 127/2012) 18

19 64. Tempo de empresa pública e sociedade de economia mista será considerado como tempo de serviço publico para fins de aposentação, para cumprimento dos requisitos estabelecidos nos incisos do art. 6º da EC 41, de 2003, e art. 3º da EC 47, de 2005, todavia, não será considerado para outros benefícios estabelecidos pela Lei nº 8.112, de (Item 34 da Nota Técnica CGNOR/DENOP/SEGEP/MP nº 28/14) 65. Se a certidão de tempo de contribuição não possibilita obter informação sobre o vínculo gerado entre o atual servidor e o órgão público (servidor, comissionado, recibado, etc) a época da prestação do serviço, deverá o órgão averbante, para fins de análise se o tempo se enquadra como de serviço público, se apoiar em outras documentações, como declaração do órgão que informe a condição do servidor naquela entidade. (Item 35 da Nota Técnica CGNOR/DENOP/SEGEP/MP nº 28/14) 66. O tempo de exercício de cargo em comissão, sem a concomitância com vínculo, será considerado como exercício no serviço público, para fins previdenciários, somente para cumprimento dos requisitos estabelecidos nos incisos do art. 6º da EC 41, de 2003, e do art. 3º da EC 47, de 2005 (Item 36 da Nota Técnica CGNOR/DENOP/SEGEP/MP nº 28/14) 67. As regras de transição previstas no art. 2º da EC nº 41/2003, e no art. 3º da EC nº 47/2005, não se aplicam aos ex-militares que ingressam em cargo após a EC nº 20/1998. Em relação à regra de transição prevista no art. 6º da EC nº 41/2003, o marco temporal é o dia 31/12/2003. (Item 13 da Nota Técnica CGNOR/DENOP/SEGEP/MP nº 101/2014) 68. Quanto à contagem de tempo para aposentadoria, após a concessão do abono de permanência, cabe esclarecer que a referida contagem continua a ocorrer normalmente, tendo em vista que o recolhimento da contribuição previdenciária continua a ocorrer. (Item 4 do Despacho SRH ao processo nº / ) 69. O tempo em que o servidor ficou afastado ou licenciado para estudo não deve ser computado para aposentadoria especial. (Item 2 do Ofício-Circular CGGP/SAA/SE/MEC nº 12/15) 70. Os períodos de licença-prêmio, adquiridos na forma da Lei nº 8.112/90, poderão ser usufruídos ou contados em dobro para efeito de aposentadoria ou convertidos em pecúnia no caso de falecimento do servidor, observada a legislação em vigor até 15/10/1996. (Art. 7º da Lei nº 9.527/97) 71. Os tempos fictos decorrentes da contagem em dobro da licença-prêmio utilizado para fins de aposentadoria, somente poderão ser utilizados como tempo de contribuição, não se admitindo a sua utilização para fins de tempo de cargo e carreira, que deverão ser de fato. (Item 10 da Nota Técnica COGES/DENOP/SRH/MP nº 732/2009) 72. É possível ao servidor que contribui para o plano de seguridade durante o período de licença para trato de assuntos particulares a concessão de aposentadoria voluntária, caso tenha implementado os requisitos necessários para tal finalidade. (Item nº 11 da Nota Técnica CGNOR/DENOP/SRH/MP nº 10/2011) 73. O que impossibilita, atualmente, o recolhimento retroativo das ao PSS é a ausência de regulamentação dos procedimentos para tal recolhimento, o que, como é dito, é de competência da Secretaria da Receita Federal. (Item 13 da Nota Informativa CGNOR/DENOP/SEGEP/MP nº 618/2012) 19

20 74. O servidor poderá computar o tempo de serviço prestado em atividade vinculada ao Regime Geral de Previdência Social RGPS, desde que não tenha havido concomitância de atividades, para concessão de aposentadoria perante o Regime Próprio, devendo, porém, a aposentadoria reger-se pelas regras atuais. (Itens 8 e 16 da Nota Informativa CGNOR/DENOP/SRH/MP nº 315/2011) 75. Para fins de contagem do tempo de contribuição do servidor público estatutário, não importa se a União faz o recolhimento da contribuição mês a mês e diretamente, no caso de servidor federal que recebe sua remuneração normalmente, ou de forma indireta, na hipótese de pagamento de remuneração por força de decisão judicial, mas, sim que seja dada a oportunidade à União de, uma vez ocorrido o fato gerador da contribuição previdenciária (pagamento do precatório), descontar e recolhê-la. (Item 5, alínea ii, da Nota Técnica CGNOR/DENOP/SEGEP/MP nº 369/2012) Regimes jurídicos e previdência complementar 76. Além do disposto no art. 40º da CF/88, o regime de previdência dos servidores públicos titulares de cargo observará, no que couber, os requisitos e critérios fixados para o regime geral de previdência social. (Art. 40º, 12º, da CF/88, incluído pela EC nº 20/98) 77. Ao servidor ocupante, exclusivamente, de cargo em comissão declarado em lei de livre nomeação e exoneração bem como de outro cargo temporário ou de emprego público, aplica-se o regime geral de previdência social. (Art. 40º, 13º, da CF/88, incluído pela EC nº 20/98) 78. O servidor ocupante exclusivamente de cargo em comissão declarado em lei de livre nomeação e exoneração, bem como de outro cargo temporário ou de emprego público, é segurado obrigatório do Regime Geral de Previdência Social, na qualidade de empregado, vedada a inclusão desse servidor no regime próprio de previdência do servidor público. (Art. 25º da Instrução Normativa SEAP nº 5/99) 79. A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, desde que instituam regime de previdência complementar para os seus respectivos servidores titulares de cargo, poderão fixar, para o valor das aposentadorias e pensões a serem concedidas pelo regime de previdência de que trata o art. 40º da CF/88, o limite máximo estabelecido para os benefícios do regime geral de previdência social. (Art. 40º, 14º, da CF/88, incluído pela EC nº 20/98) 80. O regime de previdência complementar de que trata o 14º do art. 40º da CF/88 será instituído por lei de iniciativa do Poder Executivo, observado o disposto no art. 202º e seus parágrafos da CF/88, no que couber, por intermédio de entidades fechadas de previdência complementar, de natureza pública, que oferecerão aos respectivos participantes planos de benefícios na modalidade de contribuição definida. (Art. 40º, 15º, da CF/88, com a redação dada pela EC nº 41/2003) 81. Somente mediante sua prévia e expressa opção, o disposto nos 14º e 15º poderá ser aplicado ao servidor que tiver ingressado no serviço público até a data da publicação do ato de instituição do correspondente regime de previdência complementar. (Art. 40º, 16º, da CF/88, incluído pela EC nº 20/98) 82. Fica vedada a existência de mais de um regime próprio de previdência social para os servidores titulares de cargos s, e de mais de uma unidade gestora do respectivo regime em cada ente estatal, ressalvado o disposto no art. 142º, 3º, inciso X, da CF/88. (Art. 40º, 20º, da CF/88, incluído pela EC nº 41/03) 20

TABELAS EXPLICATIVAS DAS DIFERENTES NORMAS E POSSIBILIDADES DE APOSENTADORIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RPPS

TABELAS EXPLICATIVAS DAS DIFERENTES NORMAS E POSSIBILIDADES DE APOSENTADORIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RPPS TABELAS EXPLICATIVAS DAS DIFERENTES NORMAS E POSSIBILIDADES DE DOS SERVIDORES PÚBLICOS REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RPPS INGRESSO NO SERVIÇO PÚBLICO ATÉ 19 DE DEZEMBRO DE 2003 Professora por tempo

Leia mais

REFORMA DA PREVIDÊNCIA

REFORMA DA PREVIDÊNCIA MPS Ministério da Previdência Social SPS Secretaria de Previdência Social REFORMA DA PREVIDÊNCIA Regra Atual, PEC n.º 40/03, Substitutivo da Comissão Especial de Reforma da Previdência, Cenários e Projeções

Leia mais

MANUAL DE APOSENTADORIA DEFINIÇÕES / INFORMAÇÕES

MANUAL DE APOSENTADORIA DEFINIÇÕES / INFORMAÇÕES MANUAL DE APOSENTADORIA DEFINIÇÕES / INFORMAÇÕES A PREVIDÊNCIA SOCIAL É uma forma de seguro coletivo de caráter contributivo em que todos contribuem com uma parcela de seu salário e de filiação obrigatória.

Leia mais

SENADO FEDERAL COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA

SENADO FEDERAL COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA SENADO FEDERAL COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA PARECER Nº, DE 2003 Redação, para o segundo turno, da Proposta de Emenda à Constituição nº 67, de 2003 (nº 40, de 2003, na Câmara dos Deputados).

Leia mais

RPPS II ENCONTRO MUNICIPAL DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES E APOSENTADOS DE SÃO BERNARDO DO CAMPO

RPPS II ENCONTRO MUNICIPAL DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES E APOSENTADOS DE SÃO BERNARDO DO CAMPO Benefícios Previdenciários rios no RPPS II ENCONTRO MUNICIPAL DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES E APOSENTADOS DE SÃO BERNARDO DO CAMPO Setembro 2013 Delúbio Gomes Pereira Silva ESTRUTURA DO SISTEMA PREVIDENCIÁRIO

Leia mais

PIRAPREV INSTITUTO DE PREVIDENCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE PIRACAIA

PIRAPREV INSTITUTO DE PREVIDENCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE PIRACAIA PIRAPREV INSTITUTO DE PREVIDENCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE PIRACAIA Piracaia, 24 de Julho de 2.015 APOSENTADORIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS REQUISITO Geral Magistério SEXO HOMEM MULHER HOMEM

Leia mais

SALÁRIO DE CONTRIBUIÇÃO, SALÁRIO DE BENEFÍCIO E RENDA MENSAL INICIAL CONCEITOS Professor: Anderson Castelucio CONCEITOS DE SALÁRIO DE CONTRIBUIÇÃO Art. 214. Entende-se por salário-de-contribuição: I -

Leia mais

Federal e dispositivos da Emenda Constitucional nº 20, de 15 de dezembro de 1998, e dá outras providências.

Federal e dispositivos da Emenda Constitucional nº 20, de 15 de dezembro de 1998, e dá outras providências. 40862 Sexta-feira 12 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Dezembro de 2003 O SR. PRESIDENTE (José Sarney) Encerrada a votação: Votaram SIM 27 Srs. Senadores; e NÃO, 48. Não houve abstenção. Total: 75 votos. As emendas

Leia mais

Regras de aposentadoria constantes da redação original da CF/88 foram alteradas pelas Emendas Constitucionais: - 20/98-41/03-47/05

Regras de aposentadoria constantes da redação original da CF/88 foram alteradas pelas Emendas Constitucionais: - 20/98-41/03-47/05 Agosto 2014 Regras de aposentadoria constantes da redação original da CF/88 foram alteradas pelas Emendas Constitucionais: - 20/98-41/03-47/05 1) voluntária, por tempo de serviço, com proventos integrais;

Leia mais

APOSENTADORIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO

APOSENTADORIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO CONTRIBUIÇÃO CONTRIBUIÇÃO Legislação Artigo 201, 7º, I, da CF Artigo 52 a 56 Lei 8213/91 Artigo 56 a 63 Decreto 3048/99 Artigo 234 a 245, da IN 77/2015 CONTRIBUIÇÃO Conceito É o benefício devido ao segurado

Leia mais

SUBSTITUTIVO ADOTADO PELA COMISSÃO. Art. 1º A Constituição Federal passa a vigorar com as seguintes alterações: Art

SUBSTITUTIVO ADOTADO PELA COMISSÃO. Art. 1º A Constituição Federal passa a vigorar com as seguintes alterações: Art COMISSÃO ESPECIAL DESTINADA A APRECIAR E PROFERIR PARECER À PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 40-A, DE 2003, QUE "MODIFICA OS ARTS. 37, 40, 42, 48, 96, 142 E 149 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL, O ART. 8º DA

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA ADMINISTRAÇÃO E DO PATRIMÔNIO INSTRUÇÃO NORMATIVA SEAP Nº 05, DE 28 DE ABRIL DE 1999.

SECRETARIA DE ESTADO DA ADMINISTRAÇÃO E DO PATRIMÔNIO INSTRUÇÃO NORMATIVA SEAP Nº 05, DE 28 DE ABRIL DE 1999. SECRETARIA DE ESTADO DA ADMINISTRAÇÃO E DO PATRIMÔNIO INSTRUÇÃO NORMATIVA SEAP Nº 05, DE 28 DE ABRIL DE 1999. Estabelece orientação aos órgãos setoriais e seccionais do Sistema de Pessoal Civil da Administração

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO PARECER Nº 14.267

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO PARECER Nº 14.267 PARECER Nº 14.267 Emenda Constitucional n. 41/03. Professor. Aposentadoria proporcional. Valor dos proventos. Fixação de reajustes. O presente expediente administrativo EA n 008568-1900/04-0 teve origem

Leia mais

PEC PARALELA. Sandra Cristina Filgueiras de Almeida Consultora Legislativa da Área XXI Previdência e Direito Previdenciário ESTUDO ESTUDO

PEC PARALELA. Sandra Cristina Filgueiras de Almeida Consultora Legislativa da Área XXI Previdência e Direito Previdenciário ESTUDO ESTUDO ESTUDO ESTUDO PEC PARALELA Sandra Cristina Filgueiras de Almeida Consultora Legislativa da Área XXI Previdência e Direito Previdenciário ESTUDO OUTUBRO/2004 Câmara dos Deputados Praça 3 Poderes Consultoria

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 40, DE (Do Poder Executivo)

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 40, DE (Do Poder Executivo) PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 40, DE 2003 (Do Poder Executivo) Modifica os artigos 37, 40, 42, 48, 96, 142 e 149 da Constituição Federal, o artigo 8º da Emenda Constitucional nº 20, de 15 de dezembro

Leia mais

AVERBAÇÃO POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO

AVERBAÇÃO POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO AVERBAÇÃO POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIÇÃO DOCUMENTAÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES DEFINIÇÃO É o registro do tempo de serviço/contribuição

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO 1. Requerimento do servidor. 2. Mapa do tempo de contribuição.

DOCUMENTAÇÃO 1. Requerimento do servidor. 2. Mapa do tempo de contribuição. DEFINIÇÃO É um incentivo pago ao servidor que já preencheu todos os requisitos para se Aposentar, mas opta por permanecer na ativa. Deferido o abono, o servidor continua recolhendo a contribuição previdenciária,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 8 Brastra (4376 bytes) Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 41, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2003 As MESAS da CÂMARA DOS DEPUTADOS e do SENADO

Leia mais

BOLETIM DE SERVIÇO FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS NORMA OPERACIONAL Nº 001-DIREH, DE 08 DE JUNHO DE 2005.

BOLETIM DE SERVIÇO FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS NORMA OPERACIONAL Nº 001-DIREH, DE 08 DE JUNHO DE 2005. PÁG: 33 FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS NORMA OPERACIONAL Nº 001-DIREH, DE 08 DE JUNHO DE 2005. Dispõe sobre o Abono de Permanência instituído pela Emenda Constitucional nº 41/2003.

Leia mais

REDENOMINA A CARREIRA GUARDA PENITENCIÁRIA, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

REDENOMINA A CARREIRA GUARDA PENITENCIÁRIA, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI Nº 14.582, 21 de dezembro de 2009. REDENOMINA A CARREIRA GUARDA PENITENCIÁRIA, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR DO ESTADO DO CEARÁ. Faço saber que a Assembleia Legislativa decretou e eu sanciono

Leia mais

EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 41, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2003

EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 41, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2003 EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 41, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2003 Modifica os arts. 37, 40, 42, 48, 96, 149 e 201 da Constituição Federal, revoga o inciso IX do 3º do art. 142 da Constituição Federal e dispositivos

Leia mais

SALÁRIO DE CONTRIBUIÇÃO

SALÁRIO DE CONTRIBUIÇÃO CÁLCULOS SALÁRIO DE CONTRIBUIÇÃO CONCEITO: é o valor que serve de base de cálculo para incidência das alíquotas das contribuições previdenciárias (fonte de custeio) e para o cálculo do salário benefício.

Leia mais

Direito Previdenciário e Infortunístico

Direito Previdenciário e Infortunístico Direito Previdenciário e Infortunístico (o presente texto representa apenas anotações para exposição do autor sem validade para citação) 8º tema Previdência Social para os Servidores Públicos. Desde 1990,

Leia mais

CARTILHA SOBRE A REFORMA DA PREVIDÊNCIA

CARTILHA SOBRE A REFORMA DA PREVIDÊNCIA CARTILHA SOBRE A REFORMA DA PREVIDÊNCIA O servidor público e as alterações do seu regime previdenciário Flavio Alexandre Acosta Ramos Jose Luis Wagner Luciana Rambo Novembro de 2008 1 1. Introdução Desde

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 11/2004

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 11/2004 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 11/2004 Ver também IN 01/05 Revogada pela IN 7/09 Altera a Instrução Normativa n. 12/2002, que dispõe sobre a remessa de processos de aposentadoria, reforma e pensão da Administração

Leia mais

EMENDA CONSTITUCIONAL N o 41, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2003

EMENDA CONSTITUCIONAL N o 41, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2003 EMENDA CONSTITUCIONAL N o 41, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2003 c Publicada no DOU 31-12-2003. Modifica os arts. 37, 40, 42, 48, 96, 149 e 201 da Constituição Federal, revoga o inciso IX do 3º do art. 142 da Constituição

Leia mais

APOSENTADORIA VOLUNTÁRIA

APOSENTADORIA VOLUNTÁRIA APOSENTADORIA VOLUNTÁRIA Cód.: APV Nº: - Versão: 4 Data: 10/07/2017 DEFINIÇÃO Benefício requerido pelo servidor, alterando sua situação de ativo para inativo, abrangido pelo Regime Próprio de Previdência

Leia mais

PREVIDÊNCIA SOCIAL E(M) CRISE: uma análise jurídica das inter-relações entre a crise econômica e os regimes de previdência social

PREVIDÊNCIA SOCIAL E(M) CRISE: uma análise jurídica das inter-relações entre a crise econômica e os regimes de previdência social PREVIDÊNCIA SOCIAL E(M) CRISE: uma análise jurídica das inter-relações entre a crise econômica e os regimes de previdência social LUCIANO MARTINEZ martinezluciano@uol.com.br Fanpage: facebook.com/professorlucianomartinez

Leia mais

2 As aposentadorias no regime próprio de previdência social do servidor

2 As aposentadorias no regime próprio de previdência social do servidor A Previdência Social dos Servidores Públicos Regime Próprio A Previdência e Regime Social de dos Previdência Servidores Públicos Complementar Regime Próprio e Regime de Previdência Complementar Módulo

Leia mais

DECRETO Nº 33.871, DE 23 DE AGOSTO DE 2012.

DECRETO Nº 33.871, DE 23 DE AGOSTO DE 2012. Sistema Integrado de Normas Jurídicas do Distrito Federal SINJ-DF DECRETO Nº 33.871, DE 23 DE AGOSTO DE 2012. Dispõe sobre o pagamento da Gratificação por Encargo de Curso ou Concurso aos servidores públicos

Leia mais

REVOGADA PELA PORTARIA Nº 7.796, DE (D.O.U ) PORTARIA Nº 4.882, DE 16 DE DEZEMBRO DE 1998 (D.O.U

REVOGADA PELA PORTARIA Nº 7.796, DE (D.O.U ) PORTARIA Nº 4.882, DE 16 DE DEZEMBRO DE 1998 (D.O.U REVOGADA PELA PORTARIA Nº 7.796, DE 28.08.2000 (D.O.U. 29.08.2000) PORTARIA Nº 4.882, DE 16 DE DEZEMBRO DE 1998 (D.O.U. - 17.12.98) O MINISTRO DE ESTADO DA PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL, no uso da atribuição

Leia mais

Substitutivo ao Projeto de Lei nº 2.355/2011

Substitutivo ao Projeto de Lei nº 2.355/2011 Substitutivo ao Projeto de Lei nº 2.355/2011 Dispõe sobre aperfeiçoamentos na política remuneratória das carreiras do Grupo de Atividades da Educação Básica e das carreiras do pessoal civil da Polícia

Leia mais

Sistema Integrado de Normas Jurídicas do Distrito Federal SINJ-DF

Sistema Integrado de Normas Jurídicas do Distrito Federal SINJ-DF Sistema Integrado de Normas Jurídicas do Distrito Federal SINJ-DF DECRETO Nº 33.564, DE 09 DE MARÇO DE 2012. Regulamenta as hipóteses de impedimento para a posse e exercício na administração pública direta

Leia mais

GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM JUNDIAÍ APOSENTADORIAS X ALTERAÇÕES

GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM JUNDIAÍ APOSENTADORIAS X ALTERAÇÕES GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM JUNDIAÍ APOSENTADORIAS X ALTERAÇÕES 1 MODALIDADES APOSENTADORIA POR IDADE (urbana, rural e mista) APOSENTADORIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO (comum, especial e mista) LC142 (por

Leia mais

DECRETO Nº 3739-12/11/2008

DECRETO Nº 3739-12/11/2008 DECRETO Nº 3739-12/11/2008 Publicado no Diário Oficial Nº 7848 de 12/11/2008 Súmula: Dispõe sobre o regulamento da promoção para os servidores ativos, das Carreiras do Quadro Próprio do Poder Executivo-QPPE...

Leia mais

EMENDA CONSTITUCIONAL N o 20, DE 15 DEZEMBRO DE 1998

EMENDA CONSTITUCIONAL N o 20, DE 15 DEZEMBRO DE 1998 EMENDA CONSTITUCIONAL N o 20, DE 15 DEZEMBRO DE 1998 (Publicada no D.O.U. de 16/12/1998) Modifica o sistema de previdência social, estabelece normas de transição e dá outras providências. AS MESAS DA CÂMARA

Leia mais

Lei Complementar Nº 12, de 23 de junho de 1999 (D.O.E. de 28/06/99) A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO CEARÁ

Lei Complementar Nº 12, de 23 de junho de 1999 (D.O.E. de 28/06/99) A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO CEARÁ Lei Complementar Nº 12, de 23 de junho de 1999 (D.O.E. de 28/06/99) Dispõe sobre a instituição do Sistema Único de Previdência social dos Servidores Públicos Civis e Militares, dos Agentes Públicos e dos

Leia mais

MENSAGEM Nº 072 /2013. Senhor Presidente, Senhores Vereadores,

MENSAGEM Nº 072 /2013. Senhor Presidente, Senhores Vereadores, MENSAGEM Nº 072 /2013 Senhor Presidente, Senhores Vereadores, Submeto à análise de Vossas Excelências e à superior deliberação desse Poder Legislativo o anexo Projeto de Lei que FIXA os níveis salariais

Leia mais

ADICIONAL DE INSALUBRIDADE

ADICIONAL DE INSALUBRIDADE ADICIONAL DE INSALUBRIDADE Cód.: AIN Nº: 5 Versão: 8 Data: 16/02/2016 DEFINIÇÃO É uma vantagem pecuniária, de caráter transitório, concedida como uma forma de compensação ao servidor que trabalhe permanente

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 116/2011/CGNOR/DENOP/SRH/MP. Assunto: Averbação de tempo de serviço SUMÁRIO EXECUTIVO

NOTA TÉCNICA Nº 116/2011/CGNOR/DENOP/SRH/MP. Assunto: Averbação de tempo de serviço SUMÁRIO EXECUTIVO Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Recursos Humanos Departamento de Normas e Procedimentos Judiciais Coordenação-Geral de Elaboração, Sistematização e Aplicação das Normas NOTA

Leia mais

Previni. 1 - REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RGPS: os autônomos e Todos os trabalhadores da área privada são seus segurados;

Previni. 1 - REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RGPS: os autônomos e Todos os trabalhadores da área privada são seus segurados; Previdência Previdência Social :: Histórico:: Regimes de Previdência Social:: Das Patrocinadoras:: Dos Segurados:: Dos Dependentes:: Dos Benefícios Concedidos:: Do Valor da Contribuição:: Onde Requerer

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DE ATOS DE PESSOAL INSPETORIA DE ATOS DE PESSOAL DIVISÃO 2

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DE ATOS DE PESSOAL INSPETORIA DE ATOS DE PESSOAL DIVISÃO 2 TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DE ATOS DE PESSOAL INSPETORIA DE ATOS DE PESSOAL DIVISÃO 2 PROCESSO Nº: APE- 09/00688823 UNIDADE GESTORA: INTERESSADO: RESPONSÁVEL:

Leia mais

CONVERGÊNCIA DE REGIMES PREVIDENCIÁRIOS. DÉCIO BRUNO LOPES Vice Presidente de ssuntos da Seguridade Social MAIO/2016

CONVERGÊNCIA DE REGIMES PREVIDENCIÁRIOS. DÉCIO BRUNO LOPES Vice Presidente de ssuntos da Seguridade Social MAIO/2016 CONVERGÊNCIA DE REGIMES PREVIDENCIÁRIOS DÉCIO BRUNO LOPES Vice Presidente de ssuntos da Seguridade Social MAIO/2016 . CONVERGÊNCIA DE REGIMES PREVIDENCIÁRIOS REPORTANDO-SE À ÉPOCA DOS INSTITUTOS DE APOSENTADORIA

Leia mais

Nota Legislativa: Nova fórmula do Fator Previdenciário Emenda Vetada e MP 676/15

Nota Legislativa: Nova fórmula do Fator Previdenciário Emenda Vetada e MP 676/15 Após anúncio do veto da emenda 45, do deputado Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP), incluída na MP 664/14, o Poder Executivo editou e foi publicado no Diário Oficial da União desta quinta-feira (18), a Medida

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE LEI N. 2.270, DE 31 DE MARÇO DE 2010 Institui vantagens e altera a Lei Complementar n. 84, de 28 de fevereiro de 2000, que trata do Plano de Carreira, Cargos e Remuneração para os servidores públicos da

Leia mais

Medida Provisória editada pelo Governo para a nova carreira da Previdência, da Saúde e do Trabalho (MP 301) Perguntas e resposta.

Medida Provisória editada pelo Governo para a nova carreira da Previdência, da Saúde e do Trabalho (MP 301) Perguntas e resposta. Medida Provisória editada pelo Governo para a nova carreira da Previdência, da Saúde e do Trabalho (MP 301) Perguntas e resposta. JULHO DE 2006 Medida Provisória editada pelo Governo para a nova carreira

Leia mais

CARTILHA DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE BELO HORIZONTE RPPS

CARTILHA DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE BELO HORIZONTE RPPS PREFEITURA MUNICIPAL DE BELO HORIZONTE SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E INFORMAÇÃO SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE GESTÃO PREVIDENCIÁRIA CARTILHA DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL

Leia mais

GUIA PARA O ODONTÓLOGO SERVIDOR PÚBLICO, APOSENTADORIA ESPECIAL.

GUIA PARA O ODONTÓLOGO SERVIDOR PÚBLICO, APOSENTADORIA ESPECIAL. GUIA PARA O ODONTÓLOGO SERVIDOR PÚBLICO, APOSENTADORIA ESPECIAL. O QUE É A APOSENTADORIA ESPECIAL? A aposentadoria especial é um benefício previdenciário concedido ao segurado exposto permanentemente a

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 031/2011, DE 05 DE AGOSTO DE 2011

RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 031/2011, DE 05 DE AGOSTO DE 2011 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS Conselho Superior Rua Ciomara Amaral de Paula, 167 Bairro Medicina 37550-000 - Pouso Alegre/MG Fone: (35)

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Pró-Reitoria de Recursos Humanos Departamento de Administração de Pessoal

Universidade Federal de Minas Gerais Pró-Reitoria de Recursos Humanos Departamento de Administração de Pessoal GRATIFICAÇÃO POR ENCARGO DE CURSO OU CONCURSO Cód.: GEC Nº: - Versão: 01 Data: 01/04/2016 DEFINIÇÃO É a gratificação devida ao servidor em razão de desempenho de atividades relacionadas à instrutoria,

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL MPS/MF Nº 02, DE 06 DE JANEIRO DE 2012 - DOU DE 09/01/2012

PORTARIA INTERMINISTERIAL MPS/MF Nº 02, DE 06 DE JANEIRO DE 2012 - DOU DE 09/01/2012 PORTARIA INTERMINISTERIAL MPS/MF Nº 02, DE 06 DE JANEIRO DE 2012 - DOU DE 09/01/2012 Dispõe sobre o reajuste dos benefícios pagos pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e dos demais valores constantes

Leia mais

Brasília Posição: Julho/2007. Brasília

Brasília Posição: Julho/2007. Brasília Brasília Posição: Julho/2007 60 Brasília Posição: Julho/2007 09. M INISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIM ENTO - M APA * Carreira de Fiscal Federal Agropecuário Cargo: Fiscal Federal Agropecuário

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL MPS/MF Nº 407, DE 14 DE JULHO DE 2011 - DOU DE 15/07/2011 - REVOGADA

PORTARIA INTERMINISTERIAL MPS/MF Nº 407, DE 14 DE JULHO DE 2011 - DOU DE 15/07/2011 - REVOGADA PORTARIA INTERMINISTERIAL MPS/MF Nº 407, DE 14 DE JULHO DE 2011 - DOU DE 15/07/2011 - REVOGADA Revogada pela PORTARIA INTERMINISTERIAL MPS/MF Nº 02, DE 06/01/2012 Republicada no DOU 19/07/2011 Dispõe sobre

Leia mais

CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 112/2015 DE 30 DE DEZEMBRO DE 2015

CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 112/2015 DE 30 DE DEZEMBRO DE 2015 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - Secretaria Geral CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 112/2015 DE 30 DE DEZEMBRO DE 2015 (Resolução referendada pelo Consuni em sua 150ª reunião

Leia mais

PARECER: Fel_004/2010 Data: 30/06/2010

PARECER: Fel_004/2010 Data: 30/06/2010 PARECER: Fel_004/2010 Data: 30/06/2010 ASSUNTO: Manutenção e perda da qualidade de segurado. CONSULENTE: MUNICÍPIO DE FELIXLÂNDIA MG INTERESSADO(A): IPREMFEL RELATÓRIO O Instituto de Previdência Municipal

Leia mais

Aprovado pela Portaria nº 155 de 29/03/2011 DOU 31/03/2011

Aprovado pela Portaria nº 155 de 29/03/2011 DOU 31/03/2011 Aprovado pela Portaria nº 155 de 29/03/2011 DOU 31/03/2011 Artigo 18 Ao Participante que tiver completado 50 (cinqüenta) anos de idade após ter cumprido a carência de 120 (cento e vinte) meses de contribuições

Leia mais

APOSENTADORIA ESPECIAL (enquadramento tempo de serviço)

APOSENTADORIA ESPECIAL (enquadramento tempo de serviço) (enquadramento tempo de serviço) LEI 9.032 28/04/95 MP 1523/96 (Dec. 2172, 05/03/97) 01/01/2004 * ATIVIDADE: (penosa, perigosa ou insalubre) formulário SB-40 * AGENTE NOCIVO: formulário SB-40 + laudo (ruído)

Leia mais

PORTARIA Nº 142, DE 11 DE ABRIL DE 2007 (DOU DE 12.04.2007)

PORTARIA Nº 142, DE 11 DE ABRIL DE 2007 (DOU DE 12.04.2007) PORTARIA Nº 142, DE 11 DE ABRIL DE 2007 (DOU DE 12.04.2007) O MINISTRO DE ESTADO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição Federal,

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 155, DE 2010

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 155, DE 2010 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 155, DE 2010 Regulamenta o pagamento de adicional de insalubridade e a concessão de aposentadoria especial ao trabalhador que exerça as atividades de coleta de

Leia mais

Inclusão Manual de dados via Formulário SAGRES Captura Pessoal 2012

Inclusão Manual de dados via Formulário SAGRES Captura Pessoal 2012 Inclusão Manual de dados via Formulário SAGRES Captura Pessoal 2012 Para os jurisdicionados que não geram arquivo layout para serem importados no SAGRES, as informações devem ser incluídas de forma manual

Leia mais

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 253, de 2005

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 253, de 2005 1 Regulamenta os 12 e 13 do art. 201 e o 9º do art. Regulamenta os 12 e 13 do art. 201 da 195 da Constituição Federal, para dispor sobre o Constituição Federal, para dispor sobre o sistema sistema especial

Leia mais

A Aposentadoria dos Professores das IFES Ontem, hoje e amanhã Prof. Eduardo Rolim de Oliveira Vice-Presidente do PROIFES-Federação

A Aposentadoria dos Professores das IFES Ontem, hoje e amanhã Prof. Eduardo Rolim de Oliveira Vice-Presidente do PROIFES-Federação A Aposentadoria dos Professores das IFES Ontem, hoje e amanhã Prof. Eduardo Rolim de Oliveira Vice-Presidente do PROIFES-Federação Formas de aposentadoria Invalidez Com proventos proporcionais ao tempo

Leia mais

Conselho da Justiça Federal

Conselho da Justiça Federal RESOLUÇÃO N o 213, DE 30 DE SETEMBRO DE 1999 Dispõe sobre a concessão do auxílio-transporte aos servidores do Conselho da Justiça Federal Justiça Federal de Primeiro e Segundo Graus. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

Perguntas e respostas sobre a instituição do Regime de Previdência Complementar para os servidores públicos da União

Perguntas e respostas sobre a instituição do Regime de Previdência Complementar para os servidores públicos da União Perguntas e respostas sobre a instituição do Regime de Previdência Complementar para os servidores públicos da União 1) O que é o Regime de Previdência Complementar? É um dos regimes que integram o Sistema

Leia mais

XXXII COLÓQUIO NACIONAL DA ATAM

XXXII COLÓQUIO NACIONAL DA ATAM XXXII COLÓQUIO NACIONAL DA ATAM A MOBILIDADE INTERNA E A MOBILIDADE ESPECIAL. A CESSAÇÃO DO CONTRATO DE TRABALHO POR MÚTUO ACORDO A SUA UTILIZAÇÃO NO CONTEXTO AUTÁRQUICO Lagoa, 30 de outubro de 2012 José

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GABINETE DO SECRETÁRIO

PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GABINETE DO SECRETÁRIO EDITAL N 006/2011 Processo Seletivo Simplificado para preenchimento de cargos em caráter temporário, para compor a Rede Municipal de Saúde, com fulcro na Lei n 4.302/1994 alterada pela Lei nº 6.690/2005,

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 161, DE

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 161, DE SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 161, DE 2009 Altera a Lei nº 8.212, de 24 de julho de 1991, que dispõe sobre a Organização da Seguridade Social, institui o Plano de Custeio e dá outras providências,

Leia mais

(DECRETO-LEI N.º 157/2005, DE 20 DE SETEMBRO)

(DECRETO-LEI N.º 157/2005, DE 20 DE SETEMBRO) REGIME ESPECIAL DE PRÉ- -APOSENTAÇÃO E DE APOSENTAÇÃO DO PESSOAL COM FUNÇÕES POLICIAIS DA POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA E DO PESSOAL DO CORPO DA GUARDA PRISIONAL (DECRETO-LEI N.º 157/2005, DE 20 DE SETEMBRO)

Leia mais

Regimes Próprios de Previdência Social

Regimes Próprios de Previdência Social Ministério da Previdência Social Secretaria de Políticas de Previdência Social Regimes Próprios de Previdência Social Consolidação da Legislação Federal Atualizada até 2 de maio de 2012 SUMÁRIO Capítulo

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUPLEMENTO ESPECIAL DE PENSÃO

GUIA PRÁTICO SUPLEMENTO ESPECIAL DE PENSÃO GUIA PRÁTICO SUPLEMENTO ESPECIAL DE PENSÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/9 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Suplemento Especial de Pensão (7017-A v4.13) PROPRIEDADE

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR 243/2001. LUIZ DE FAVERI, Prefeito do Município de Artur Nogueira, Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, TÍTULO I

LEI COMPLEMENTAR 243/2001. LUIZ DE FAVERI, Prefeito do Município de Artur Nogueira, Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, TÍTULO I 1 LEI COMPLEMENTAR 243/2001 DISPÕE SOBRE A LEI ORGÂNICA DA PREVIDÊNCIA DO MUNICÍPIO DE ARTUR NOGUEIRA - LOPMAN, INSTITUINDO O ESTATUTO DO FUNDO DE PREVIDÊNCIA E BENEFÍCIOS DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO

Leia mais

DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO SUL-3

DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO SUL-3 DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO SUL-3 INSCRIÇÕES PARA CEL EDITAL 2015 O Dirigente Regional de Ensino da Diretoria de Ensino Região Sul-3, em atendimento às disposições da Resolução SE 03, de 28/01/2011, Resolução

Leia mais

INSTRUÇÃO CONJUNTA Nº. 2, DE XXX DE XXXXXXXXXX DE 2016.

INSTRUÇÃO CONJUNTA Nº. 2, DE XXX DE XXXXXXXXXX DE 2016. INSTRUÇÃO CONJUNTA Nº. 2, DE XXX DE XXXXXXXXXX DE 2016. Estabelece as regras a serem observadas pelas sociedades seguradoras e entidades fechadas de previdência complementar para transferência de riscos

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 13/2004

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 13/2004 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 13/2004 Ver também IN 01/05; IN 5/08 Dispõe sobre a remessa de processos de aposentadoria e pensão dos servidores civis da Administração Pública Estadual considerando a Emenda Constitucional

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GABINETE DO SECRETÁRIO EDITAL Nº. 002/2010

PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GABINETE DO SECRETÁRIO EDITAL Nº. 002/2010 Processo Seletivo Simplificado para preenchimento de cargos em caráter temporário, com fulcro na Lei Municipal nº 6.690/2005 que alterou o art. 4º, da Lei Municipal nº 4.302/1994 e no Decreto 5727/2008,

Leia mais

LEI Nº 6.111, DE 9 DE DEZEMBRO DE 2005..

LEI Nº 6.111, DE 9 DE DEZEMBRO DE 2005.. LEI Nº 6.111, DE 9 DE DEZEMBRO DE 2005.. Autoria: Prefeito Municipal. ALTERA O ANEXO DE METAS FISCAIS DA LEI Nº 6.081, DE 4 DE JULHO DE 2005, QUE DISPÕE SOBRE AS DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS PARA O EXERCÍCIO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA INSTITUIÇÃO DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL - RPPS NOS MUNICÍPIOS

A IMPORTÂNCIA DA INSTITUIÇÃO DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL - RPPS NOS MUNICÍPIOS www.assimpasc.org.br A IMPORTÂNCIA DA INSTITUIÇÃO DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL - RPPS NOS MUNICÍPIOS Santa Catarina 2011 Prezado Leitor, A previdência social constitui atualmente tema de relevada

Leia mais

Regulamento do Estatuto do Funcionário Parlamentar Estudante

Regulamento do Estatuto do Funcionário Parlamentar Estudante Regulamento do Estatuto do Funcionário Parlamentar Estudante publicado no Diário da Assembleia da República, II Série E, n.º 32, de 18 de maio de 2012 com as alterações introduzidas pelo Despacho da Presidente

Leia mais

Assunto: Contagem da licença-prêmio em dobro como tempo de serviço, tempo no cargo e carreira, para fins de aposentação.

Assunto: Contagem da licença-prêmio em dobro como tempo de serviço, tempo no cargo e carreira, para fins de aposentação. MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Gestão Pública Departamento de Normas e Procedimentos Judiciais de Pessoal Coordenação-Geral de Elaboração, Orientação e Consolidação das Normas

Leia mais

Art. 1º Estabelecer orientações para a implementação no âmbito do Projeto Bolsa- Formação dos ciclos especiais de capacitação:

Art. 1º Estabelecer orientações para a implementação no âmbito do Projeto Bolsa- Formação dos ciclos especiais de capacitação: PORTARIA MJ Nº 183, DE 9 DE FEVEREIRO DE 2010 Regulamenta os arts. 9º, 10 e 15 do Decreto nº 6.490, de 19 de junho de 2008, alterados pelo Decreto nº 7.081, de 26 de janeiro de 2010, e dá outras providências.

Leia mais

DIREITO DO TRABALHO LC 150 - ESQUEMATIZADA Prof. Antonio Daud Jr (www.facebook.com/adaudjr)

DIREITO DO TRABALHO LC 150 - ESQUEMATIZADA Prof. Antonio Daud Jr (www.facebook.com/adaudjr) Questão 1 FCC/TRT23 Técnico Judiciário - Área Administrativa - 2016 (FCC_TRT23_TÉCNICO_JUDICIÁRIO_ÁREA_ADMINISTRATIVA_2016) De acordo com a Lei Complementar no 150 de 2015, no tocante às férias do empregado

Leia mais

Adendo ao livro MANUAL DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO Autor: Hugo Medeiros de Goes

Adendo ao livro MANUAL DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO Autor: Hugo Medeiros de Goes Adendo ao livro MANUAL DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO Autor: Hugo Medeiros de Goes 1. ERRATA Página 180 No primeiro parágrafo do item 2.10.1 (Beneficiários): Onde se lê: Os beneficiários da pensão por morte

Leia mais

PARECER Nº, DE 2016. RELATOR: Senador JOSÉ PIMENTEL I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2016. RELATOR: Senador JOSÉ PIMENTEL I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2016 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, à Proposta de Emenda à Constituição nº 18, de 2009, do Senador Paulo Paim e outros, que altera o 8º do art. 201 da Constituição Federal,

Leia mais

PREVIDÊNCIA SOCIAL DO SERVIDOR PÚBLICO REFORMA E PERSPECTIVAS LEANDRO MACÊDO

PREVIDÊNCIA SOCIAL DO SERVIDOR PÚBLICO REFORMA E PERSPECTIVAS LEANDRO MACÊDO PREVIDÊNCIA SOCIAL DO SERVIDOR PÚBLICO REFORMA E PERSPECTIVAS LEANDRO MACÊDO 1 REGIME PRÓPRIO: ABRANGÊNCIA DOS MEMBROS DA MAGISTRATURA Art. 40. Aos servidores titulares de cargos efetivos da União, dos

Leia mais

PENSÃO CIVIL. OBSERVAÇÃO: Deverão ser utilizados ainda os formulários abaixo, quando for o caso:

PENSÃO CIVIL. OBSERVAÇÃO: Deverão ser utilizados ainda os formulários abaixo, quando for o caso: PENSÃO CIVIL Cód.: PES Nº: 86 Versão: 14 Data: 08/10/2015 DEFINIÇÃO Benefício pago mensalmente aos dependentes do servidor público federal falecido, com vigência a partir da data do óbito, em valor correspondente

Leia mais

DE RECURSOS HUMANOS MARCOS CANDIDO ANALISTA ADMINISTRATIVO

DE RECURSOS HUMANOS MARCOS CANDIDO ANALISTA ADMINISTRATIVO CENTRO DE RECURSOS HUMANOS MARCOS CANDIDO ANALISTA ADMINISTRATIVO APOSENTADORIA BOAS VINDAS... MSG APOSENTADORIA Objetivo do treinamento Fortalecer o conhecimento das formas mais empregadas de aposentadoria

Leia mais

DECRETO Nº 14.482, DE 26 DE MAIO DE 2011. Regulamenta a concessão da gratificação pela prestação de serviço extraordinário e do adicional noturno.

DECRETO Nº 14.482, DE 26 DE MAIO DE 2011. Regulamenta a concessão da gratificação pela prestação de serviço extraordinário e do adicional noturno. DECRETO Nº 14.482, DE 26 DE MAIO DE 2011 Regulamenta a concessão da gratificação pela prestação de serviço extraordinário e do adicional noturno. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PIAUÍ, no uso das atribuições

Leia mais

Auxílio Doença 01/09/2015

Auxílio Doença 01/09/2015 Auxílio Doença Lei 8213/91 Art. 60. O auxílio-doença será devido ao segurado empregado a contar do décimo sexto dia do afastamento da atividade, e, no caso dos demais segurados, a contar da data do início

Leia mais

C.F de 1988, art. 40; Emenda Constitucional nº 20, de 15 de dezembro de de 1998; Emenda Constitucional n 41, de19 de dezembro de 2003; Emenda

C.F de 1988, art. 40; Emenda Constitucional nº 20, de 15 de dezembro de de 1998; Emenda Constitucional n 41, de19 de dezembro de 2003; Emenda Regime Próprio de Previdência Social Legislação Básica C.F de 1988, art. 40; Emenda Constitucional nº 20, de 15 de dezembro de de 1998; Emenda Constitucional n 41, de19 de dezembro de 2003; Emenda Constitucional

Leia mais

INFORMAÇÕES PARA FINS DE DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA EXERCÍCIO 2015 (ANO-CALENDÁRIO 2014) PAGAMENTOS DAS AÇÕES DO NÍVEIS DEVIDOS PELA PETROS

INFORMAÇÕES PARA FINS DE DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA EXERCÍCIO 2015 (ANO-CALENDÁRIO 2014) PAGAMENTOS DAS AÇÕES DO NÍVEIS DEVIDOS PELA PETROS INFORMAÇÕES PARA FINS DE DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA EXERCÍCIO 2015 (ANO-CALENDÁRIO 2014) PAGAMENTOS DAS AÇÕES DO NÍVEIS DEVIDOS PELA PETROS As instruções abaixo se referem aos créditos recebidos por

Leia mais

Carência para o recebimento do benefício pensão por morte?

Carência para o recebimento do benefício pensão por morte? 1 Carência para o recebimento do benefício pensão por morte? A MP 664 de dezembro de 2014 previu uma carência de 24 meses para a obtenção do benefício pensão por morte. Depois de muita discussão no Congresso

Leia mais

DISPÕE SOBRE O PLANO DE CARREIRA DO MAGISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

DISPÕE SOBRE O PLANO DE CARREIRA DO MAGISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Lei 1.614-24/01/1990 Início Anterior Próxima LEI Nº 1614, DE 24 DE JANEIRO DE 1990. DISPÕE SOBRE O PLANO DE CARREIRA DO MAGISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.016.678 - RS (2007/0300820-1) RELATOR : MINISTRO NAPOLEÃO NUNES MAIA FILHO RECORRENTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS PROCURADOR : AYRES LOURENÇO DE ALMEIDA FILHO E OUTRO(S)

Leia mais

Considerando a Lei nº. 14.653, de 22 de dezembro de 2011, que instituiu o regime de Previdência Complementar do Estado de São Paulo;

Considerando a Lei nº. 14.653, de 22 de dezembro de 2011, que instituiu o regime de Previdência Complementar do Estado de São Paulo; Instrução SP-PREVCOM / TJ nº 04/2013. Considerando a Lei nº. 14.653, de 22 de dezembro de 2011, que instituiu o regime de Previdência Complementar do Estado de São Paulo; A Fundação de Previdência Complementar

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 463, DE 10 DE JUNHO DE 1986

LEI COMPLEMENTAR Nº 463, DE 10 DE JUNHO DE 1986 LEI COMPLEMENTAR Nº 463, DE 10 DE JUNHO DE 1986 Institui na Secretaria de Estado da Educação a série de classes de Secretário de Escola e dá providências correlatas O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO:

Leia mais

Prefeitura Municipal de Mangaratiba

Prefeitura Municipal de Mangaratiba Legislações referentes à Lei n 47/97: 62/98, 152/99(Ref. ao anexo), 204/00, 227/00(Ref. ao anexo), 240/00(Ref. ao anexo), 372/02(Ref. ao anexo) e Decretos n 1003/05 e 1014/05). LEI N.º 047, DE 30 DE DEZEMBRO

Leia mais

LICENÇA POR ACIDENTE EM SERVIÇO

LICENÇA POR ACIDENTE EM SERVIÇO LICENÇA POR ACIDENTE EM SERVIÇO DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES PROCEDIMENTO FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES DEFINIÇÃO Licença concedida em decorrência de dano físico ou

Leia mais

APOSENTADORIA DO SERVIDOR PÚBLICO

APOSENTADORIA DO SERVIDOR PÚBLICO «DESCONTO PREVIDENCIÁRIO INFOMATIVO FÓRUM DAS SEÇÕES SINDICAIS DO ANDES SN DAS IEES PARANAENSES» APOSENTADORIA DO SERVIDOR PÚBLICO PRINCIPAIS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS EC. Ns. 41/2003 E 47/2005 - quebra

Leia mais

Políticas Corporativas

Políticas Corporativas 1 IDENTIFICAÇÃO Título: POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS ADMINISTRADORES Restrições para Uso: Livre Acesso Controle Reservado Confidencial Controlada Não Controlada Em Revisão 2 - RESPONSÁVEIS Etapa Área Responsável

Leia mais