Não há escolha: o homem é obrigado a escolher-se

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Não há escolha: o homem é obrigado a escolher-se"

Transcrição

1 Não há escolha: o homem é obrigado a escolher-se Roberto Amaral Um grito de dor é sinal da dor que o provoca. Mas um canto de dor é simultaneamente a própria dor e outra coisa diferente da dor. Jean-Paul Sartre (O que é a literatura?) Introdução O intelectual não é testemunha de seu tempo, se testemunhar é certificar o acontecido. Mais que tudo, responde ao seu tempo, fala a partir de seu tempo e da sociedade em que exerce o papel de agente histórico. Condicionado por sua época, por seu modo de ser no mundo, o homem não está, porém, necessariamente comprometido com a realidade dada. Ao contrário, seu papel é sempre de intervenção. Ver-se-á que esse papel se exerce condicionado por circunstâncias que independem da vontade do homem, mas não o determinam de forma absoluta, posto que a relação homem-meio é dialética. O homem também atua sobre as circunstâncias. E é quando ele exerce, em plenitude, seu papel de sujeito. O escritor desloca-se de sua época: na simples narrativa ele já transforma a realidade, e no desempenho dessa tarefa está toda a força de sua visão de mundo. Intervir é seu destino, do qual não pode apartar-se. Para isto não é livre, embora o seja sempre para optar, tanto pelo futuro que quer construir, quanto pela conservação do statu quo. Como não é possível congelar o presente, o escritor conservador intervirá para atrasar o futuro. Na narrativa só existem passado e futuro (e o futuro está virgem); o presente, um tempo em trânsito, é alterado para que o novo possa nascer, e o passado é um conjunto de memórias nem sempre convergentes. Presente em construção, passado imutável (mas sujeito a interpretações diversas) e futuro por fazer-se. Se o passado é materialmente imutável, pode, porém, ser reescrito, re-lido, re-interpretado, ou seja, re-feito: os séculos, por exemplo, iluminaram de forma diversa a interpretação da Idade Média (e da democracia ateniense, e do Renascimento, e da Revolução francesa ), e a diversidade dessas visões, dessas e de quaisquer visões, corresponde à diversidade de visões ideológicas, do espaço epistêmico de onde fala, corresponde, enfim, à posição de classe do observador, seus compromissos com a sociedade em que vive. A História é sempre e apenas uma versão da realidade, escrita dominantemente pelos vencedores. Nesse sentido o passado é construção mutável que atende às demandas do presente. O escritor dá vida à realidade ao torná-la conhecida. O conhecimento é que torna o fato real, e real não é o fato acontecido, assim como teria ocorrido, mas o fato assim como foi registrado. E narrar é definir-se. O homem cria o mundo e este ato de criação se completa com sua própria autogeração como sujeito histórico. Por sua vez o homem só pode ser considerado como o ser(sujeito)-no mundo, um ser que possui a si mesmo, um ser fundamentalmente inserido numa objetividade; por isso estamos dizendo que o homem é acima de tudo um sujeito histórico. Que resulta da afirmação do homem como sujeito histórico? Que ele está inserido numa comunidade histórica que, se o condiciona, é ao mesmo tempo por ele modificada 1. O mundo é humano. Se o homem faz o mundo nascer e aqui está o fundamento de tudo o que 1 Cf. OLIVEIRA, Manfredo Araújo. Ética e sociabilidade. Edições Loyola. São Paulo p

2 se segue--, conhecer é interpretar a realidade, e esta interpretação é também uma construção (no sentido de que é uma intervenção na realidade), necessária e essencialmente subjetiva e ideológica. Mas essa subjetividade, tanto quanto essa ideologia, não está livre de condicionamento objetivo: a consciência do ser observador é produto de sua existência, que condiciona sua consciência, portanto, sua visão de mundo. Condiciona mas não determina, necessariamente. Como vimos afirmando acima e como veremos neste texto, ainda por diversas vezes, não estamos em face de um determinismo mecanicista. Uma das afirmações deste ensaio é que o intelectual de esquerda é aquele que se aparta dos seus interesses de classe. Ora, a simples existência do intelectual de esquerda é a demonstração cabal da possibilidade dialética de o homem vencer quaisquer condicionamentos. E não há exemplo melhor do que aquele oferecido pelas biografias de Marx e Engels (e de tantos e tantos militantes desvencilhados de seus interesses de classe), um, filho da burguesia renana, outro, herdeiro de parque industrial têxtil em Manchester. Ambos, co-autores do Manifesto comunista, e revolucionários a vida toda. Esta é a questão central - e necessariamente recorrente-- deste ensaio. Discutiremos, igualmente, a capacidade de o homem alterar as condições objetivas segundo as quais é chamado a definir-se no mundo, e o fato concreto de que sempre é possível escolher-se, definir-se, optar. Se há uma tese, ela é esta: Não há escolha: o homem sempre pode escolher; o intelectual precisa sempre escolher, sabendo, ambos, o intelectual e o homem comum, que, quando não escolhem, também estão escolhendo. São palavras de Sartre: a escolha é possível, num sentido, mas o que não é possível é não escolher, mas eu devo saber que se eu não escolho, eu escolho ainda 2. Vejamos o papel do escritor Não importa que o texto tenha o significado que lhe empresta o leitor, e desta forma podendo ter tantos significados quantas sejam as leituras. Assim como não importa se o militante não tem controle sobre o fato histórico que sua ação revolucionária desencadeou. O que importa é que ambos, todos, somos responsáveis pelo que fazemos, pelo que escrevemos, pelo que deixamos de fazer ou escrever. Embora não possa escolher o seu tempo, aquele no qual terá de realizar sua existência, é imperativo para o escritor escolher-se no tempo e no mundo dados, e, na verdade, está se escolhendo toda a vez que redige uma só palavra. Ou quando deixa de escrever. O silêncio e a passividade - como a omissão no caso do militante são, também, uma tomada de posição tão efetiva e comprometedora - e tão carregada de valor, quanto o combate ou a defesa. Escrever é definir-se, e definir-se é optar. Baudelaire definiu--se diante da revolução de 1848: combateu-a, e pelo resto da vida se fez adversário das noções de progresso e liberdade, no que, aliás, construiu uma contradição entre vida e obra, entre o intelectual e o poeta. Balzac permaneceu indiferente diante das jornadas de Foi sua forma de escolher-se, apoiando a repressão aos operários. Merleau-Ponty, co-fundador de Les Temps Modernes, silenciou diante da execução do casal Rosenberg, da invasão francesa da Indochina e da guerra da Coréia. Foi sua forma de definir-se diante da guerra-fria. E Sartre nos lembra, ele mesmo um intelectual permanentemente engajado (definido em face do fascismo, do racismo, do colonialismo, da Resistência, do imperialismo, da Guerra-fria, da guerra da Argélia, da revolução cubana, da invasão da Hungria, em face do Vietname, em face do Prêmio Nobel, em face do processo contra Debray, em face de maio de 1968), do silêncio de Flaubert e Goncourt diante da repressão à Comuna (1871) 3, para mostrar como ambos se definiram por intermédio da omissão. Omissão que numa tábua de valores tem tanto significado quanto a ação ativa (e altiva) de Zola, quando o autor de Acuso!, sem temer pelas conseqüências, optou (contra o pensamento 2 Idem. In L Existentialisme est un humanisme. Les Éditions Nagel. Paris P In Apresentação da revista Les Temps Modernes. Apud Situações II. Publicações Europa-América. Lisboa.1968, p

3 dominante, contra M. Barrès mas acompanhado de Proust, A. France, L. Blum e outros intelectuais) pela defesa da liberdade do capitão Dreyfus; como antes se havia definido Voltaire no processo Calas; como bem depois se definiria Gide diante da administração do Congo. Mas os intelectuais franceses que silenciaram também fizeram cada um sua opção, e assim também se tornaram responsáveis seja pelo massacre da Comuna, seja pela condenação de Dreyfus. Quantos intelectuais brasileiros mantiveram-se silentes diante do escravismo? Quantos se integraram ao regime do Estado Novo e quantos silenciaram a crítica ao totalitarismo? Quantos, com seu silêncio, apoiaram entre nós o avanço das idéias (e movimentos) fascistas e os interesse do Eixo? Quantos entendiam nada terem a ver com a repressão do regime militar, porque não eram nem comunistas nem subversivos? Ser é definir-se, e ao nos definirmos estamos sempre optando. E todos somos chamados a fazer nossa escolha, no dia-a-dia e nos desafios impostos pela História. Pelo passado que aprisiona o futuro ou pelo presente que prorroga o passado opção do intelectual conservador--, ou por aquele futuro cujo nascimento decorre da revolução do presente, opção do intelectual de esquerda. Quando se trata de um intelectual de esquerda, isto é, de intelectual comprometido com o progresso social, com a denúncia do statu quo e com a construção de um futuro de igualdade, diverso do passado/presente de hegemonia de uma classe --, seu papel, mais do que o de revelar a realidade (que seria atitude puramente mecanicista), é o de promover sua transformação, aproximando-a de sua visão de mundo, portanto, modificando-a. Revelar para transformar. Queremos dizer que o papel do homem não é pura gratuidade, mas obra finalística (isto é, mobilizada por um objetivo): ele atua para poder modificar, por isso é livre para escolher a forma de atuar, porque sua liberdade é sua possibilidade de eleger, definindo-se diante dos fatos, inclusive quando as circunstâncias dadas são desfavoráveis. O grande compromisso do escritor é com o futuro, com a melhoria do mundo no qual viverão outros homens, que ele não conhece, nunca conhecerá. Mas enfatize-se que a categoria intelectual não se confunde com a categoria homem de esquerda, nem com a categoria escritor. Retornaremos a este tema adiante. Que é ser intelectual? Ser intelectual é tentar exprimir a sociedade para si própria, conhecer o mundo para mudá-lo, com vistas ao progresso social. É o especialista que atua além dos limites de sua competência técnica, que se vale de sua notoriedade para fazer-se ouvir na e pela sociedade. O físico nuclear que se dedica à construção de uma bomba atômica, ou, que, com suas pesquisas, possibilita a construção daquele artefato, é um cientista; o mesmo físico quando contesta a construção da bomba e se faz ativista da erradicação dos armamentos nucleares, é um intelectual. No primeiro momento é um pesquisador a serviço da hegemonia; rebelado, transforma-se em intelectual em defesa da vida: [ ] não chamamos de intelectuais os cientistas que trabalham na fissão do átomo para aperfeiçoar os engenhos da guerra atômica: são cientistas, eis tudo. Mas, se esses mesmos cientistas, assustados com a potência destrutiva das máquinas que permitem construir, reunirem-se e assinarem um manifesto para advertir a opinião pública contra o uso da bomba atômica, transformam-se em intelectuais 4. Em seus intelectuais. Mas, evidentemente, no mesmo sentido é intelectual o cientista que, com argumentos científicos ou políticos, defende a construção da bomba, e se articula politicamente para viabilizar tal projeto. Se o cientista pode recusar a colaboração, ele é responsável pela sua decisão tanto quanto quando denuncia, tanto quanto quando colabora. No final de 1945, Einstein escreveu um Manifesto [ destinado] a ser lido em congresso de cientistas estadunidenses, marcado para janeiro de 1946 e jamais realizado. Nele o cientista denunciava o militarismo norte-americano. Depois de afirmar-se satisfeito pelo fato de a grande maioria dos cientistas estar plenamente consciente de suas responsabilidades como estudiosos e cidadãos do mundo, escreve: ( ) Se 4 Idem. Ibidem. P

4 o governo seguir este curso fatídico [a militarização da ciência], nós, cientistas, devemos nos recusar a nos submeter a suas exigências imorais, ainda que elas contem com o apoio da máquina legal. Existe uma lei não escrita, aquela da nossa própria consciência, que deve ser ouvida muito mais do que qualquer lei escrita em Washington. E existem, é claro, mesmo para nós, as armas fundamentais: a não-cooperação e a greve 5. O escritor, o intelectual, o operário, o funcionário público que redige despachos, o juiz que sentencia, o administrador que decide, o homem comum, enfim, cada sujeito está se definindo a todo momento, porque sua existência, isto é, sua forma de postar-se no mundo e viver seu projeto, é que modela sua consciência. Sartre afirma que a existência precede e determina a essência e com isso quer dizer que o homem primeiro existe, se encontra, surge no mundo, e só depois se define 6. Mas que significa essa afirmação senão que o homem não tem nem essência nem anterioridade? Podemos resumir assim: o homem se faz e é o que fizer de si próprio: sem passado, é um projeto de futuro e este futuro é sua existência, que se objetiva em um mundo concreto, palpável, histórico. O indivíduo age sob determinadas circunstâncias, como nos disse antes Marx, mas não se reduz a mero joguete das forças coletivas. Há sempre margem de ação, mesmo porque o homem é sujeito do processo histórico. Nessa obra seminal que é Fenomenologia do espírito [Die Phaenomenologie des Geistes](1808), na verdade a primeira elaboração de um julgamento a respeito da história, Hegel, em quem seguidamente Marx e Sartre vão se alimentar, já compreendia o homem como criador de si mesmo num processo histórico em que a força motriz é o trabalho humano ou a atuação prática do homem vivendo em sociedade 7. Hegel, na verdade, é o primeiro pensador a sustentar teoricamente a noção de que as idéias são filhas do tempo, aprisionando o trabalho do intelectual ao momento histórico. Marx, nos Manuscritos econômico-filosóficos, obra de 1844, observaria que A grandeza da Fenomenologia hegeliana ( ) consiste em que Hegel compreenda a autogeração do homem como processo [e] compreenda a essência do trabalho e conceba o homem objetivado, ( ) como o resultado do seu próprio trabalho 8. É através do trabalho, presente em toda e qualquer sociedade humana, que, como assinala Marx e antes dele assinalaram Locke e Rousseau e Ricardo, de quem, relembre-se, o pensamento econômico marxista é herdeiro-- o homem intervém e interage com a natureza; o trabalho transforma-se em condição necessária da existência (e sobrevivência) do homem 9. Mas, acima de tudo, o trabalho criou o homem; isto significa dizer que o homem criou o homem: o trabalho é a atividade que contém a humanidade do homem. Mas o homem é livre para definir-se, e porque é livre, é responsável pelo que decide. Qual o papel do intelectual de esquerda? Que é ser de esquerda hoje, frente à crise do marxismo, o fracasso das experiências européias de implantação de sociedades socialistas, frente aos avanços do capitalismo e do neoliberalismo? Que é ser de esquerda hoje, frente à transformação dos partidos socialistas em partidos socialdemocratas? Que é ser de esquerda, hoje, frente às novas perspectivas do socialismo e ao fenômeno da chegada ao governo de partidos e grupamentos de esquerda nas últimas décadas, em diversos países, inclusive no Brasil? Que é ser de esquerda em face da 5 MÉSZAROS, István. O poder da ideologia. S. Paulo. Boitempo Editorial p In L Existentialisme est un humanisme. Ed. cit. P Apud BOTTOMORE, T.B. e RUBEL, Maximilien. Sociologia e filosofia social de Karl Marx. Rio de Janeiro. Zahar Editores p MARX, Manuscritos econômico-filosóficos in Marx Manuscritos econômico-filosóficos e outros textos escolhidos. Col. Os pensadores. São Paulo. Ed. Abril Cultural p Este tema é caro a Marx e recorrente em sua obra. 4

5 nova configuração de classes sociais, com as alterações da participação do trabalho na produção, em face do definhamento do proletariado? [esse definhamento n~ao causa, mas conseqüncia] Ser de esquerda é simplesmente isso: lutar pelas mudanças 10, pelas conquistas sociais, pela igualdade e contra a exclusão, pela liberdade e pela participação democrática, em síntese, pelo movimento transformador, em contraposição à defesa do statu quo e do imobilismo, projetos do pensamento de direita. Ser de esquerda é revoltar-se contra as iniqüidades sociais, contra a exploração do homem pelo homem, ser de esquerda é estar historicamente comprometido com a construção do futuro. E ser intelectual de esquerda é lutar, juntamente com as demais forças sociais, visando a mudar o mundo, melhorando-o; é lutar pela instauração de uma sociedade de iguais, juridicamente, politicamente e socialmente; é lutar contra as mais comuns formas de discriminação 11. É defender a Paz (não como princípio, nem como valor moral, não uma Paz etérea, metafísica, indefinida, mas a Paz concreta, objetiva, pontuada, histórica, contemporânea, em lugares definidos e em momentos definidos) e combater a guerra imperialista, a guerra de conquista e defender as guerras de libertação nacional e o direito de o invadido fazer guerra ao invasor; é combater toda a sorte de imperialismo, e intervencionismo e defender a autodeterminação dos povos; é lutar contra a fome, é escolher-se pela construção de uma nova ordem internacional desfiliada do unilateralismo derivado do regime de unipotência/onipotente. É defender o desarmamento e a erradicação de todos os arsenais atômicos, começando pelos arsenais das grandes potências nucleares, é defender o meio-ambiente e o Protocolo de Kioto, é condenar o neocolonialismo e o racismo. Ser intelectual de esquerda no Brasil de hoje é lutar contra o projeto liberal neoconservador de destruir o Estado social, é lutar pelas mudanças econômicas e sociais que beneficiem a maioria, pela democracia participativa, pela emancipação econômica e política do país, pela instauração de uma nova sociedade, fundada na igualdade de todos, na liberdade de todos, na democracia ao alcance de todos, na riqueza nacional acessível a todos. É lutar pelo emprego, pela distribuição de renda e contra a exclusão. O intelectual de esquerda é o que transcende da condenação moral para a condenação e a denúncia através de fatos, de atos, mediante sua intervenção na realidade; o intelectual de esquerda se investe de um mandato que a sociedade formalmente não outorgou, e, na expressão de Sartre, se dedica a combater a ressurreição perpétua no povo das ideologias que 10 Não por mudanças quaisquer, mas por aquelas que significam melhoria das condições de vida das grandes massas, aquelas mudanças que apontam para o progresso social. A simples ruptura da ordem, como o golpe militar contra Allende, tanto quanto as mudanças ocorridas no Brasil após o golpe militar de 1964, não apontavam para o progressão social, senão exatamente para reprimi-lo. 11 BOBBIO, Noberto. In Direita e esquerda. Unesp. São Paulo P. 20. E conclui (pp. 23-4): Nenhuma pessoa de esquerda (sinistrorso) pode deixar de admitir que a esquerda de hoje não é mais a de ontem. Mas, enquanto existirem homens cujo empenho político seja movido por um profundo sentimento de insatisfação e de sofrimento perante as iniqüidades das sociedades contemporâneas hoje talvez menos ofensivas do que em épocas passadas, mas bem mais visíveis eles carregarão consigo os ideais que há mais de um século têm distinguido todas as esquerdas da História. 5

6 o paralisam 12. O intelectual contemporâneo nasce após uma era, e desempenha seu papel antes do nascimento de outra. Urge compreendê-lo ainda que as ferramentas de interpretação sejam reflexas de um outro mundo. O homem é suas ações Não é o fato de ser operário que faz de José da Silva um revolucionário, mas, sim, sua maneira de ser operário, pois o homem não é mais do que aquilo que faz, ou seja, suas ações, e essas ações é que lhe dão vida e a esta vida criada as ações emprestam valor e historicidade. Com isso queremos significar que a intervenção do homem não se dá no vazio, mas em um mundo concreto. Ele faz a História, mas a faz, insistimos, de acordo com as circunstâncias. Isto quer dizer que o homem que faz a História é o mesmo que por ela é feito. É o tema que desenvolveremos na seqüência. Porque, como observa Sartre, o homem é pura e simplesmente seu próprio projeto e só existe na medida em que se realiza, realizando esse projeto. Em resumo, o homem nada mais é do que o conjunto de seus atos, nada mais do que sua vida. 13. Ou, nas palavras anteriores de Marx-Engels: Assim como os homens manifestam sua vida, assim são 14. Repetindo: o homem é o que ele faz; o escritor é o que ele escreve, e pelo que escreve (ou deixa de escrever) é o único responsável. Do militante social cobram-se ações. Mas nem um escreve nos céus nem outro age no limbo. Atuam em função de seu tempo e de seu mundo, de acordo com as circunstâncias históricas que determinam sua maneira de ser, pois o homem é sua existência. A pedra lascada e a pedra polida, o moinho de vento e a máquina a vapor, como a escravidão e o trabalho livre, produziram homens diversos entre si; há um homem forjado pelo feudalismo e um homem forjado pelo capitalismo. Nem por isso o homem deixa de exercer seu papel como agente do processo histórico. A história não é uma vasta coleção de biografias; se o fato histórico nele compreendidas as condições desfavoráveis e o acaso-- condiciona a ação do homem, este sempre dispõe de margem de manobra, e, assim, a um tempo atende à sua necessidade histórica e à sua capacidade de intervir. Para Plékhanov 15, a possibilidade de uma influência social do individuo, condicionada pela organização da sociedade, abre a porta à influência do que chama de os acasos sobre o destino dos povos. Já Sartre observaria que a vida histórica é plena de acasos, de encontros. O amanhã é incerto, somos nosso próprio risco, o mundo é nosso perigo 16. A vida do homem, a luta pela existência, é a representação de sua maneira de ser de forma tão exata como o reflexo de um espelho 17. Essa maneira de ser resulta de seu comportamento - de 12 SARTRE, Jean-Paul. Em defesa dos intelectuais. Editora Ática. São Paulo P Idem. Idem. p IN La ideologia alemana. Ediciones Pueblos Unidos. Montevidéu, 1959, p PLÉKHANOV, Georges. L individu dans l Histoire, in Oeuvres philosophiques. Éditions du Progrès. Moscou. Tome II p SARTRE (Saint-Genet, comedien et martyr. Paris, Gallimard, 1952, p. 347, citado por SIRINELLI, Jean-François. Deux intelectuells dans le siècle. Sartre et Aron. Paris Fayard pp ). 17 Si en toda la ideología los hombres y sus relaciones aparecen invertidos como en la cámara oscura, este fenómeno responde a su proceso histórico de vida, como la inversión de los objetos al proyectarse sobre la retina responde a su proceso de vida directamente físico. Marx-Engels, idem. P

7 sua inserção político-social--, isto é, da forma mediante a qual responde às exigências impostas pelo mundo e necessárias à sua sobrevivência. Trata-se das relações homem-sociedade na acepção mais ampla, não apenas no que se refere ao que é produzido, mas, igualmente, ao modo de produção empregado. A maneira de ser dos indivíduos, todavia, resulta primariamente das condições em que [eles] tiram a subsistência e garantem a sobrevivência, como espécie e como animal político. Essa ordem de raciocínio assegura o primado da existência sobre a representação que a consciência (dela) tem: o ser molda a consciência. A consciência é o ser consciente, desde que o ser dos homens é seu processo da vida real.[ nota remetendo ao meu livro] Horkheimer, em texto anterior à obra filosófica de Sartre (seu Teoria tradicional e teoria crítica [ Tradizionelle und kritische Theorie ] foi publicado pela primeira vez em 1937) destaca o papel do modo de existência (coletiva) do homem: A ação conjunta dos homens na sociedade é o modo de existência de sua razão; assim utilizam suas forças e confirmam sua essência. 18. O desenvolvimento da consciência no homem está condicionado ao seu papel na sociedade, embora não dependa, exclusivamente, de sua inserção numa dada classe. A consciência se forma no processo social. Não é a essência operário frente à essência patrão que determina a luta de classes, mas a acumulação da mais-valia (ou a exploração do trabalho pelo capital) que enseja a consciência de classe. O ser é o produto dialético da relação social. Escolha e consciência são uma só coisa: é preciso ser consciente para escolher, mas é necessário escolher para ser consciente. Não existe isenção para o intelectual, senão comprometimento. O intelectual engajado é um ator da História e agente de um projeto de mundo. Não há imparcialidade. Há participação e responsabilidade, inclusive pelo que não fizemos, pelo que não dissemos, pelo que não fazemos, pelo que não dizemos. Os intelectuais alemães que se calaram diante do nascimento e consolidação do nazismo são também responsáveis pelo holocausto, assim como os que, como Heidegger, aderiram ao Führer. Há, igualmente, as escolhas, e correspondentes responsabilidades, coletivas. Sabidamente, o Partido Comunista Alemão, sem ignorar a construção do nazismo, optou por jogar toda a sua energia revolucionária no combate à socialdemocracia. Já antes, o Partido Comunista Italiano não soubera ver na ascensão de Mussolini a possibilidade de uma ditadura fascista, embora a combatesse. Karl Popper, numa crítica aos marxistas alemães radicais, acusa-os de haverem visto no fascismo apenas uma forma de apressar a revolução inevitável, razão pela qual não teriam lutado contra ela, quando o nazismo tomou o poder: Como a revolução certamente viria, o fascismo só poderia corresponder a um dos meios de provocá-la; e tanto mais isso era verdade, dada a circunstância de que a revolução vinha com grande atraso. A Rússia já a havia realizado, a despeito de suas más condições 18 HORKHEIMER, Max. Teoria tradicional e teoria crítica, in Benjamin, Horkheimer, Adorno, Habermas, Textos escolhidos. Abril Cultural. São Paulo, 1980, escreve (p. 125): Os homens não são apenas um resultado da história em sua indumentária e apresentação, em sua figura e seu modo de sentir, mas também a maneira como vêem e ouvem é inseparável do processo de vida social tal como este se desenvolveu através dos séculos. Os fatos que os sentidos nos fornecem são pré-formados de modo duplo: pelo caráter histórico do objeto percebido e pelo caráter histórico do órgão perceptivo. Nem um nem outro são meramente naturais, mas enformados pela atividade humana, sendo que o indivíduo se autopercebe, no momento da percepção, como perceptivo e passivo. E conclui (p. 128): A ação conjunta dos homens na sociedade é o modo de existência de sua razão; assim utilizam suas forças e confirmam sua essência. 7

8 econômicas. Somente as vãs esperanças geradas pela democracia estavam detendo a revolução nos países mais adiantados. Dessa forma, a destruição da democracia pelos fascistas só poderia facilitar a revolução, levando os trabalhadores à desilusão última com respeito aos métodos democráticos. Dessa maneira, a ala radical do marxismo julgou que havia descoberto a essência e o verdadeiro papel histórico do fascismo. O fascismo seria, fundamentalmente, o último bastião da burguesia. Assim pensando, os comunistas não lutaram quando o fascismo se apossou do poder. (Ninguém esperava que os social-democratas lutassem.) Com efeito, os comunistas estavam seguros de que a revolução proletária viria e que o interlúdio fascista, necessário para apressá-la, não poderia prolongar-se por mais que uns poucos meses. Dessa forma, não cabia aos comunistas qualquer ação. Eles eram inofensivos. Nunca houve um perigo comunista a ameaçar a conquista do poder pelo fascismo. 19. Mas da crítica não se livram os liberais. Umberto Eco nos dirá que foi o fascismo italiano que convenceu muitos líderes liberais europeus de que o novo regime estava realizando interessantes reformas sociais, capazes de fornecer uma alternativa modernamente revolucionária à ameaça comunista 20. Esses conceitos se aplicam igualmente ao homem comum. Os judeus dos campos de concentração foram chamados a optar entre a passividade e a revolta, a colaboração e a resistência. Os intelectuais marxistas que silenciaram suas críticas aos erros do socialismo oficial são também responsáveis pelos tijolos que ergueram o muro de Berlim e contribuíram tanto para as invasões de Praga e Budapeste quanto, no extremo oposto, para a dissolução da União Soviética e conseqüente ascensão da Pax americana. Quando nos opomos e denunciamos os crimes praticados pelos Estados Unidos contra o povo cubano, a pretexto de combater um governo que lhe é resistente, estamos nos definindo, e optando, tanto quanto estão se definindo e optando os que silenciam. A opção aí é pelo agressor. A passividade também é definição. Assim, entre nós, os intelectuais que apoiaram a ditadura foram tão responsáveis pela tortura dos inimigos do regime quanto os que se omitiram na denúncia de seus crimes: o silêncio, anos e anos sem levantar a pena contra a tortura e os assassinatos, selou o compromisso de cada um com a repressão. Niomar Moniz e Roberto Marinho, com seu Correio da Manhã e seu O Globo, optaram diante da ditadura militar, conscientes ambos, uma dos riscos, outro dos benefícios, quanto ao que nenhum dos dois estava errado, como demonstrou a história. Houve empresários que financiaram a Operação Bandeirantes, centro civil e militar de repressão e tortura e morte; e houve empresários como Fernando Gasparian, que financiou o semanário Opinião, trincheira de resistência política à ditadura. Todos nos definimos diante da agressão norte-americana ao Vietname, e é nessa medida que por ela fomos responsáveis, cada um a seu modo: há os que optaram pelas vítimas da invasão, dos bombardeios e do napalm, há os que condenaram a guerra em si, por repúdio moral, e há os que optaram pelos agressores, porque nada fizeram para evitar o genocídio. E havia o que fazer? Bertrand Russell respondeu com o seu Tribunal Internacional dos Crimes de Guerra no Vietname, instalado em Estocolmo em Sempre há o que fazer. Esta é a questão. Não há isenção em face do massacre de palestinos, réprobos em sua terra, povo sem Estado, agredido por um Estado militar-guerreiro, apoiado pela maior potência econômica e militar do planeta. Todos somos responsáveis pela fome na África. Todos optamos, e somos responsáveis pelo que fazemos, pelo que deixamos de fazer, pelo que escrevemos, pelo que silenciamos. São responsáveis pela invasão do Iraque tanto os intelectuais norte-americanos que a defenderam, quanto os que nada fizeram para impedi-la; tanto os que silenciaram diante de sua consumação, quanto os que silenciam diante da ocupação. Como se diferencia o intelectual de esquerda? 19 POPPER, Karl(Open Society and Its Enemies, volume ii, pp , apud MAGEE, Brian. As idéias de Popper. São Paulo. Editora Cultrix, 1979, pp ). 20 ECO, Umberto, Cinco escritos morais. Rio de Janeiro. Editora Record p. 37 8

9 Vimos anteriormente a impossibilidade de uma negação universal, intemporal, anistórica da Guerra ou a defesa inespecífica da Paz. Na cobertura da guerra ao Iraque as tropas invasoras são identificadas pela imprensa internacional (e, portanto, pela imprensa brasileira) como agentes da democracia e da liberdade, e os iraquianos, que resistem à invasão, são identificados ora como rebeldes, ora como terroristas 21 e sempre como inimigos da democracia, uma democracia ocidental sobre cuja imposição pelas armas estrangeiras ninguém lhes perguntou se era de seu interesse, de sua cultura, de sua vontade. O mundo ocidental, que justamente deplora as vítimas dos atos de sabotagem--, e todas as vítimas civis devem ser deploradas, conquanto nem todas se possam dizer inocentes -- não conta as vítimas produzidas pelas tropas de ocupação. Muito menos considera que os exércitos invasores, sejam tropas angloamericanas sejam tropas israelenses, praticam terrorismo de Estado, para lembrar a expressão grafada por Eric Hobsbawm. A questão não se reduz à pura recusa moral e denúncia política do ato de guerra que é a ação do homem-bomba (talvez o mais desesperado dos atos de guerra e ao mesmo tempo revelação do escandaloso desnível de força dos oponentes), mas simplesmente que essa recusa dos liberais e dos pacifistas também ignore as motivações do agressor (e o fato moral em si que é a agressão ou a invasão ou a anexação de territórios) e as circunstâncias dramáticas que levam à formação de um guerrilheiro suicida (os camicases japoneses eram heróis em seu país e, apesar de temidos, respeitados pelos adversários que viam no gesto extremo uma demonstração de coragem e desprendimento) ou de um povo suicida, de uma coletividade que decide imolar-se assestando pedras contra tanques de guerra de um exército poderosíssimo. O intelectual de esquerda denuncia a vileza do atentado de 11 de setembro nos Estados Unidos. Todos os intelectuais norte-americanos e todos os intelectuais de todo o mundo não muçulmano também o denunciam. Quantos porém silenciaram e silenciam diante dos crimes cometidos no Afeganistão, em Guantânamo e no Iraque? Quantos liberais norte-americanos condenaram a invasão do Vietname antes de os féretros de seus marines começarem a chegar aos milhares? Quais os que condenaram essa guerra ainda quando a vitória parecia sorrir para o invasor? Quantos dos que justamente se indignaram com os atentados de 11 de setembro se haviam omitido diante do ataque terrorista às instalações de fábrica de remédios do Sudão, e tantos e tantos outros atentados que escrevem o prontuário de crimes cometidos contra o direito internacional? A responsabilidade do intelectual (de qualquer intelectual) ser privilegiado em face dos demais, decorrente do nível de informação superior que sua situação de classe possibilita -- é inumeráveis vezes maior que a do homem comum, porque, como resultado de seu papel destacado na sociedade, sua tomada de posição exerce forte influência sobre a opinião pública e a vida política. O intelectual de esquerda é o que consegue evitar que essa responsabilidade se transforme em culpa. O intelectual, Gramsci e Sartre Na acepção vulgar, o vocábulo intelectual designa ora aquele que possui formação superior à média, ora o escritor engajado. Houaiss, registra-o como (i) aquele que vive predominantemente do intelecto, dedicando-se a atividades que requerem um emprego intelectual considerável, (ii) aquele que demonstra gosto e interesse pronunciados pelas coisas da cultura, da literatura, das artes etc. e (iii) aquele que domina um campo de conhecimento intelectual ou que tem muita 21 Essa semântica não é nova. Pelas mesmas razões, eram chamados de terroristas os maquis e os que na França atuaram na Resistência; também terroristas eram os que lutaram pela fundação de Israel e são os que lutam hoje pelo Estado palestino; eram para o governo francês os argelinos que lutavam pela independência de seu país. Terroristas eram os que entre nós optaram pela luta armada como meio de enfrentar a ditadura militar. 9

10 cultura geral; erudito, pensador, sábio 22. Nenhuma conotação política. Embora D Alembert, um dos philosophes iluministas, redator da Enciclopédia, já tivesse escrito em 1753 o seu Essai sur le gens de lettres, deve-se ao russo Bogorykin, na metade do século XIX, o emprego do termo inteligencija, que rapidamente passa a ter curso em toda a Europa traduzido como designativo de classe culta, categoria de pessoas que, independentemente de sua atividade profissional, possuem instrução ou formação superior. O primeiro registro da palavra intelectuel chega-nos, na França, e já politizado, marcando a partir daí toda a trajetória do vocábulo, com o Manifeste des intellectuels, liderado por Zola, exigindo a revisão do processo contra o capitão Dreyfus. Publicado por Clemenceau no Aurore de 14 de janeiro de 1898, transforma-se logo, o Manifesto, em divisor de águas entre conservadores e progressistas 23. Desde então deixa de significar, tão-só, uma condição social ou profissional, ou um nível de informação ou cultura, para sugerir ação polêmica derivada de alinhamento ideológico. Se aquele fato histórico, a edição do Manifesto, contribuiria para comprometer o ser intelectual com posições progressistas, Marx e Engels considerariam os intelectuais divididos entre progressistas e conservadores, estes constituindo a porção majoritária. Como não via na classe operária condições de produzir seus próprios intelectuais, Lênin, assim, como Plékhanov, indicava como um dos papéis revolucionários do militante marxista servir como intelectual para os trabalhadores. Para Max Weber o intelectual vive dividido entre a dedicação ao objeto de suas reflexões e a necessidade de definir-se em face dos problemas de seu tempo. Gramsci critica, nos esforços por fixar a acepção de intelectual, o erro metodológico de procurar um critério de distinção no que é intrínseco às atividades intelectuais, em vez de buscá-lo no conjunto do sistema de relações no qual estas atividades (e, portanto, os grupos que as personificam) se encontram no conjunto geral das relações sociais. Na verdade, o operário ou proletário, por exemplo, não se caracteriza especificamente pelo trabalho manual ou instrumental, mas por este trabalho em determinadas condições e em determinadas relações sociais (sem falar no fato de que não existe trabalho puramente físico, e de que mesmo a expressão de Taylor, do gorila amestrado, é uma metáfora para indicar um limite numa certa direção: em qualquer trabalho físico, mesmo no mais mecânico e degradado, existe um mínimo de qualificação técnica, isto é, um mínimo de atividade intelectual criadora). E já se observou que o empresário, pela sua própria função, deve possuir em certa medida algumas qualificações de caráter intelectual, embora sua figura social seja determinada não por elas, mas pelas relações sociais gerais que caracterizam efetivamente a posição do empresário na indústria 24. Em resumo: se todos os homens são intelectuais, nem todos têm na sociedade a função de intelectuais, sejam operários, empresários ou, digamos, filósofos. Todo grupo social cria para si, organicamente, uma ou mais camadas de intelectuais que lhe dão homogeneidade e consciência da própria função, não apenas no campo econômico, mas também no social e político: o empresário capitalista cria consigo o técnico da indústria, o cientista da economia política, o organizador de uma nova cultura, de um novo direito, etc. 25. De outra parte, Todo grupo social essencial, contudo, emergindo na história a partir da estrutura econômica anterior e como expressão do desenvolvimento desta estrutura encontrou -pelo menos na história que se desenrolou até nossos dias-- categorias intelectuais preexistentes, as quais apareciam, aliás, como representantes de uma continuidade histórica que não foi interrompida nem mesmo pelas mais complicadas e radicais modificações das formas sociais e 22 HOUAISS, Antônio. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro. Editora Objetiva BOBBIO, Noberto; METTEUCCI, Nicola & PASQUINO, Gianfranco. Dicionário de política. Brasília. Editora Universidade de Brasília. 5ª edição Pp GRAMSCI, Antonio. Cadernos do Cárcere. Rio de Janeiro. Civilização Brasileira Vol.2. P Idem. Idem. P

11 políticas. [ ] A categoria dos eclesiásticos pode ser considerada como a categoria intelectual organicamente ligada à aristocracia fundiária; era juridicamente equiparada à aristocracia, com a qual dividia o exercício da propriedade feudal da terra e o uso dos privilégios estatais ligados à propriedade 26. Consabidamente, Gramsci não divide os intelectuais, do ponto-de-vista funcional, entre progressistas e conservadores, mas entre orgânicos --progressistas ou não e tradicionais : a burguesia tem seus intelectuais orgânicos assim como há intelectuais tradicionais (por exemplo padres ou professores) ligados às lutas do proletariado 27. Os intelectuais orgânicos são o elemento pensante e organizador de uma classe social particular. Distinguem-se menos por suas profissões, que pode ser qualquer trabalho característico de sua classe, do que por seu papel em dirigir as idéias e aspirações da classe à qual pertencem organicamente. Observa ainda Gramsci que os intelectuais orgânicos cujo surgimento deriva da emergência de uma nova classe (emergência que exige e elabora aquele surgimento) são, na maioria dos casos, especializações de aspectos parciais da atividade primitiva do tipo social novo que a nova classe deu à luz 28. Intelectuais tradicionais são os profissionais tradicionais, literatos, cientistas e assim por diante, que, tendo sido no passado intelectuais orgânicos de outras classes, ocupam, com o desaparecimento delas, um papel como de independência e autonomia, cuja posição nos interstícios da sociedade possui uma certa aura interclasse derivada de relações de classe passadas e presentes e diz respeito a varias formações históricas de classe. Se, de um lado, entre um grupo e outro, funciona o partido político, procedendo a uma soldagem entre os intelectuais orgânicos de um dado grupo, o dominante, e intelectuais tradicionais, o papel desses intelectuais, sejam orgânicos, sejam tradicionais, é também de partido político, dando forma homogênea à consciência da classe a que estão organicamente ligados (ou, no caso dos intelectuais tradicionais, às classes a que dão sua adesão) e, desse modo, preparam a hegemonia dessa classe sobre o conjunto dos seus aliados. São, em suma, agentes de consolidação de uma vontade coletiva, de um bloco histórico 29. Sartre dirá que os philosophes podiam ser considerados intelectuais orgânicos porque representavam os interesses da classe de que eram originários pelo que Keynes seria um paradigma de sua representação moderna, pela direita e porá de manifesto a contradição representada, em face de sua classe, pelo intelectual de esquerda. Escreve: Os filósofos aparecem assim como intelectuais orgânicos, no sentido que Gramsci dá à palavra: nascidos da classe burguesa, encarregam-se de exprimir o espírito objetivo dessa classe 31, já o intelectual moderno, se ele se origina das classes trabalhadoras, só pôde ter sucesso pela única razão de que num sistema de seleção complexo e jamais justo eliminou a maior parte de seus 26 Ibidem. 27 COUTINHO, Carlos Nelson. Gramsci, um estudo sobre seu pensamento político. Rio de Janeiro. Civilização Brasileira P. 175, nota GRAMSCI. Ob. Cit. P COUTINHO. Ob. Cit.Pp Quanto à luta de classes como tal, meu patriotismo local e pessoal, como os de qualquer um, exceto uns poucos desagradáveis entusiastas, liga-se a meu próprio ambiente. Posso ser influenciado pelo que me parece ser a justiça e o bom senso, mas a guerra de classes vai me encontrar do lado da burguesia educada (KEYNES, John Maynard. Am I a Liberal?, 1925 in Essays in Persuasion. P. 324). 31 IN Em defesa dos intelectuais. Ed. Cit. P

12 camaradas 32. Os filósofos modernos são homens da classe-média, uma contradição social contra a qual nada podem. A negação da origem de classe Herdeiro dos philosophes das Luzes, o papel do intelectual de esquerda não é mais explicar o mundo, mas transformá-lo. Isso quer dizer que o intelectual, ao tomar consciência de si e do mundo, e do ser no mundo, tem que dar as costas a seus próprios interesses, pessoais, burgueses e de classe. Ou seja, o intelectual de esquerda se desfilia de sua origem de classe, rompe com os interesses da classe dominante, se investe nas funções de mandatário e portavoz dos oprimidos, entra em contradição com o establishment. Quanto mais outsider, mais livre será, e melhor exercerá seu papel de intelectual de esquerda, isto é, de aríete da muralha do sistema; quanto mais livre e independente, mais outsider; e a medida de sua liberdade é contada pelo seu distanciamento do establishment, distanciamento cada vez mais difícil nos países pobres, de alta concentração de renda, nos quais o pequeno círculo do poder compreende também os intelectuais, os cientistas, os jornalistas, a universidade, professores, juristas, magistrados, imbricados todos numa malha de interdependência que confunde sociedade civil e Estado. Certamente nessa característica histórica radica a explicação para a sistemática adesão dos nossos intelectuais aos interesses das elites brasileiras, descomprometidas com o povo, a nação e o país. Daí a adesão majoritária ao pensamento dominante, conservador, a absorção como sua da ideologia das metrópoles dominantes; daí o passivismo, o sentimento de inferioridade, o modismo ideológico, o embasbacamento em face do que vem de fora - utensílios, novidades, idéias, modo de ser e pensar. Daí a ausência de auto-estima. Daí, certamente, a adesão ao neoliberalismo, ao discurso oficial e único, à política de desnacionalização do país, da concentração interna de receita, renda, poder, cultura, ciência e tecnologia. Em síntese: da introjeção, como nacional, dos interesses forâneos. Em nossas sociedades, ao contrário, o intelectual de esquerda recusa-se a representar seu interesse de classe. Isso ocorre porque ele, o intelectual, é necessariamente um produto da classe dominante, e nesses termos não pode ser engendrado pelos excluídos 33. Por isso, mesmo quando assume o ponto-de-vista das massas populares para entender a sociedade, o intelectual não consegue resolver as contradições que o constituem. Recusa sua classe sem conseguir livrar-se inteiramente dela e sem jamais conseguir integrar-se ao proletariado; será sempre suspeito às classes trabalhadoras e um traidor para as classes dominantes. O intelectual pequeno-burguês poderá, até, fazer-se teórico da classe trabalhadora, jamais um seu intelectual 32 Idem. P Escreve Sartre: [ ] as classes desfavorecidas, como tais, não produzem intelectuais, pois é justamente a acumulação do capital que permite às classes dominantes criar e fazer crescer um capital técnico. Certo, acontece (10% na França) de o sistema recrutar alguns técnicos do saber prático nas classes exploradas; mas, se a origem desse técnico é popular, nem por isso deixam de logo ser integrados às classes médias, por seu trabalho, seu salário e seu nível de vida. Em outros termos, as classes desfavorecidas não produzem representantes orgânicos da inteligência objetiva que é a delas. Enquanto a revolução não for feita, um intelectual orgânico do proletariado é uma contradição in adjecto ; demais, nascendo nas classes que, por sua própria situação, reivindicam o universal, ele não seria, se pudesse existir, esse monstro que descrevemos e que se define por sua consciência infeliz (Idem. Ibidem. P. 43). 12

13 orgânico. Pode recusar sua classe, mas jamais consegue livrar-se dela por completo. Não basta ao intelectual de esquerda condenar a injustiça; cumpre-lhe agir concretamente, combatendo a sociedade de classe que secreta a injustiça. Quando o intelectual, em face de uma questão concreta, responde com uma regra moral de pretensa vigência universal, não está simplesmente se omitindo. Está tomando partido por uma das partes. Quando diz que é contra a Guerra, toda e qualquer guerra, está pondo num mesmo plano a guerra do invasor e a guerra do invadido, a guerra do colonizador e as guerras de independência. Quando o intelectual é, ao mesmo tempo, contra a violência do invasor e a do invadido, e em nome de um sistema de valores, condena igualmente a ambas, porque condena a violência em si, na verdade ele está tomando o partido do agressor. Para ser contra a categoria Guerra, isto é, para ser a favor da Paz, é preciso que o intelectual antes se defina diante de cada uma das guerras e guerrinhas particulares que se espalham no mundo à sombra da Pax americana. O homem é suas opções O ofício de escritor é uma função social e o intelectual, um militante. Escrever é um meio de ação. Como na ciência: não há separação entre ciência pura ou fundamental, de um lado, e ciência aplicada, de outro; não há descontinuidade valorativa entre os estudos sobre a fissão nuclear e a fabricação do artefato bélico. Todo cientista, quando chamado a envolver-se com armas de destruição em massa, é igualmente chamado a escolher-se. Enquanto muitos cientistas alemães, Heisenberg à frente 34, colocaram acima da fidelidade à pátria em guerra seus compromissos com a humanidade, tentando impedir a construção de bombas atômicas, sob os riscos óbvios da repressão totalitária, seus colegas físicos nas democracias dos países Aliados, muitos deles emigrados judeus, concentravam todos os esforços na produção da nova arma, e assim tornaram-se moralmente também responsáveis pelo massacre das populações civis de Hiroshima e Nagasaki, ainda que para seus gestos pudessem argüir o abono da luta moral contra o fascismo, que também perseguia o artefato atômico. Tanto sob o fascismo quanto na democracia, os cientistas e os intelectuais tiveram oportunidade de escolha. E escolheram. Porque não há a indiferença moral da técnica, nem da ciência. Assim, Sakarov se definiu (optou) quando assumiu a responsabilidade de pai da bomba H soviética. Na mesma medida se definiria mais tarde, assumindo a defesa dos direitos humanos em seu país, contra o silêncio de seus colegas. Isso ficou didaticamente claro para os brasileiros na resistência ao regime militar: Gustavo Corção, Nelson Rodrigues e David Nasser, exemplos de um lado, e Alceu Amoroso Lima, Antonio Callado e Carlos Heitor Cony, exemplos de outro lado, exerceram, na mesma medida, seus papéis de militantes sociais, intelectuais contemporâneos. Os primeiros defendendo o regime militar e os outros denunciando o terrorismo cultural, a revolução dos caranguejos e a tortura. Naquela época, aliás, os campos estavam claramente dispostos, cobrando opção. De um lado a ditadura militar, de outro a resistência civil. Tratava-se de escolher-se, optando entre combater a ditadura ou a ela aliar-se, neste caso defendendo-a ou silenciando diante de seus crimes. O mesmo se colocara para os intelectuais franceses sob a ocupação: resistir (de mil formas, incluindo a subversão, a sabotagem e a ação armada) ou colaborar (de mil formas, incluindo o silêncio e a omissão). O homem sempre se escolhe Filhos de classe média-alta em Paris, Raymond Aron e Jean-Paul Sartre nasceram no mesmo ano (1905), foram colegas de khâgne (escola preparatória ao ingresso na escola normal superior), colegas na Escola Normal Superior da rua d Ulm (centro de formação de intelectuais) entre 1924 e 1928, e ambos estudaram na Alemanha (1933). Lá, Sartre dedicar-se-ia à fenomenologia de Edmundo Husserl, às teorias existencialistas de Heidegger e Karl Jaspers e à 34 Cf. CORNWELL, John. Os cientistas de Hitler. Imago. Rio, pp. 24-5, citando Powers, Thomas, Heisenberg s War: The Secret History of the German Bomb. Boston, 1993, p

14 filosofia de Max Scheller; e Raymond Aron se entregaria apaixonadamente à leitura de Hegel, Marx e Max Weber 35. Seriam ainda colegas de Resistência, um na Inglaterra, outro na França, demarcando a evolução radicalmente divergente que cada um a partir daí viveria. Aron, em Londres, escreverá na revista La France libre. Ao estourar a guerra, Sartre (como muitos colegas de geração) é convocado pelo exército, vai servir como meteorologista em Lorena, onde, em 1940, cai prisioneiro dos alemães e é internado no campo de concentração de Trier, na Alemanha, de onde escapará um ano mais tarde para, na primavera de 1941, reencontrar-se em Paris, e organizar o grupo de resistência Socialismo e liberdade com a finalidade de lutar contra a ocupação e os colaboracionistas. Dois anos depois encena a peça As moscas, uma metáfora sobre a França ocupada e uma exortação à luta contra os alemães. Instalada a Guerra-fria, Sartre se aproxima dos comunistas e se torna deles um compagnon de route ( simpatizante diríamos, no jargão brasileiro do Partidão) 36. Uns e outros são o objeto da ácida crítica de Aron em um de seus ensaios mais célebres, l Opium des intellectuels. Estarão separados em seguida nos anos pelas guerras coloniais, pela guerra do Vietname e pela irrupção estudantil de Sartre morre em 1980 em meio à crise do marxismo, e Aron em 1983, festejado pela ascensão do liberalismo, de que se tornara a mais importante expressão francesa. Sartre transita do apoliticismo dos primeiros anos da École para transformar-se no mais importante pensador e ativista da esquerda francesa no século passado. Raymond Aron, que já chega politizado à École, seria o mais festejado pensador da direita francesa. Sartre, o intelectual outsider, estilingue à mão a desmistificar todos os valores do humanismo capitalista. Aron, o intelectual orgânico por excelência, pilar do pensamento conservador, o humanista das elites francesas, dedicaria sua vida intelectual a pensar a História em curso. Sartre, a fazê-la. Ambos exerceram, em toda a amplitude, o papel de intelectuais engajados. A resistência brasileira Os reacionários brasileiros de todas as cores, agindo ou silenciando, defendiam o regime militar de 64, e muitos lutaram mesmo pela sua implantação; todos os progressistas o combatiam, e se o combatiam, eram progressistas: os socialistas, os comunistas, os liberais, os trabalhistas, os que faziam oposição parlamentar e os que assumiram a luta armada. Mas, derrotada a ditadura, reorganizada a vida constitucional do país, retomado o modelo de democracia representativa, restabelecidas as liberdades civis, o intelectual passou a ser chamado a definir-se a cada momento, em face de cada eleição, de cada governo, de cada decisão. Definir-se diante do ensino público e do ensino privado, do crescimento e da distribuição ou da concentração de renda, definir-se entre os interesses do capital financeiro e os interesses da sociedade, entre a recessão e o crescimento, definir-se em face da fixação do valor do salário-mínimo, e assim por diante, pois é preciso definir-se diante de tarefas imediatas, no dia a dia de um mundo fundamentado na exploração do homem pelo homem, no desemprego, na fome e na exclusão das grandes massas. Um mundo de opressão, condicionando a vida de todos e construindo os papéis de opressores e oprimidos. 35 Aron: Alors que je lisais passionnément Hegel, Marx e Max Weber, j'ai conçu le projet qui est resté le mien, penser l Histoire en train de se faire in SIRINELLI, Jean-François. Deux intelectuells dans le siècle. Sartre et Aron. Ob. Cit. p Sartre chegou a filiar-se ao PCF em 1952, mas dele se desligaria em 1956, como resposta à invasão da Hungria. Escreveria então O fantasma de Stálin, no qual denuncia os desvios do marxismo pelo sistema soviético. Cf. Le Fantôme de Staline in Les Temps Modernes. nºs , novembro-dezembro, 1956, janeiro- 1957, posteriormente incluído em Situations VII problèmes du marxisme, 2. Éditions Gallimard. Paris,

15 Assim, muitos resistentes da luta contra a ditadura, cessada essa, fizeram novo caminho de definições. Simbólica é a opção do sociólogo Fernando Henrique Cardoso (simbólica da opção de tantos outros intelectuais de esquerda, mais ou menos insignes, como Giannotti e Serra), transitando da esquerda para a direita, e desta forma realizando seu projeto de intelectual pequeno-burguês. Originário da esquerda, convivendo na área de influência intelectual do Partido Comunista ou a ele mesmo filiado, Fernando Henrique conclui sua trajetória política como exemplar intelectual orgânico da direita, pondo-se a serviço da hegemonia de classe, fazendo o caminho inverso de Alceu Amoroso Lima, Hélder Câmara e San Thiago Dantas, que transitaram da direita para posições progressistas. Já Antônio Houaiss transitou da resistência democrática desde o Estado Novo ao projeto de construção de uma sociedade socialista. Aliás, seu papel como intelectual de esquerda, comprometido com a revolução socialista, carregou sempre esse caráter de contradição com seus interesses de classe. Como Caio Prado Júnior ao optar pelo marxismo e filiar-se ao Partido Comunista Brasileiro. Mas ao contrário de Francisco Campos, Eugênio Gudin e Octávio Gouvêa de Bulhões, exemplares paradigmáticos de intelectuais orgânicos da direita, que jamais entraram em conflito com seus interesses de classe, ou com os interesses da classe que adotou, como é o caso de Roberto Campos. Ao contrário, fizeram-se seus representantes. Raquel de Queirós, ao optar pela militância de direita, supera o conflito da juventude e entra em harmonia com sua origem e interesses de classe. Defenderia a conspiração de que emergiu o regime castrense, e silenciaria em face de seus crimes, como a prisão, a tortura e o assassinato dos adversários. Todos se definiram. Liberdade é escolha O homem escolhe o ser e escolhe a situação, porque deriva de sua liberdade fazer com que uma situação exista, modificando-a. O elemento transformador do sofrimento do operário em mobilização para a revolução é o fato de essa revolução ser possível, isto é, ser possível ao operário optar por ela, ainda que ela não se realize. Em outras palavras, o êxito não é condição absoluta de liberdade, até porque mesmo o suicídio é escolha, é execução e afirmação do ser. Por este ser que lhe é dado, a liberdade participa da contingência universal do ser e, daí, do que Sartre chama de absurdité 37, absurdo no sentido de contrário à razão, ou seja, algo fora de propósito. A escolha é absurda não porque careça de razão, senão porque inexiste possibilidade de não haver, e se o homem escolhe (mais precisamente, é condenado a escolher, isto é, a exercer sua liberdade), ele é responsável pela sua escolha, porque, mesmo quando não escolhe, está se escolhendo 38. O homem é responsável por si, como autocriação que é; o ser autocriado determina sua própria existência e nela se escolhe. O processo contínuo de escolha é o processo contínuo de fazer-se. A escolha é possível ainda que nas condições as mais extremas e desfavoráveis. Neste sentido podemos afirmar que mesmo o cativo, o prisioneiro - e relembramos nossas observações a propósito da diversidade de comportamentos à disposição do judeu encarcerado nos campos de concentração nazistas é livre para escolher, pois lhe é dado optar entre resignar-se à prisão e lutar para evadir-se; para ser livre não é necessário que a evasão seja possível, porque a liberdade está em escolher lutar pela evasão. Mesmo no gueto de Varsóvia houve os que se escolheram revolucionários e os que se escolheram colaboracionistas e os que se escolheram 37 FERREIRA, Vergílio. Da fenomenologia a Sartre in SARTRE, O existencialismo é um humanismo. Lisboa. S/d. 2º edição, traduz por absurdidade. 38 SARTRE, Jean-Paul. L être et le néant (Essai d ontologie phénoménologique). Paris. Librarie Gallimard Cf. Nomeadamente a Quarta parte, Capítulo 1, Ser e fazer: a liberdade. 15

16 conformistas 39. O homem é livre O homem é livre, por isso escolhe (a liberdade é eleição, repetimos) e jamais está pronto (o homem é o futuro do homem, e este futuro está livre), porque lhe é imposto o dever de optar, de definir-se, de escolher, escolhendo-se a cada momento, e cada escolha é um instante de sua construção; mas não é livre para não escolher, nem para escolher as condições em que essa escolha se dá, porque o homem não é livre para deixar de ser livre. Retornamos à absurdité sartriana. Sartre dirá que o homem é um invento de si mesmo, e Marx mostrou os limites históricos condicionando o papel do indivíduo: Os homens fazem sua própria história, mas não a fazem como querem; não a fazem sob circunstâncias de sua escolha e sim sob aquelas com que se defrontam diretamente, legadas e transmitidas pelo passado 40. Não se conclua daí, porém, qualquer sorte de determinismo, pois, se não escolhe as condições em que é chamado a escolher-se, determinadas pelo processo histórico, como assinala Marx, cabe ao indivíduo escolher-se nas circunstâncias dadas. Cabe-lhe, inclusive, intervir no processo histórico, cumprindo com seu papel de sujeito, e alterar as circunstâncias, construindo alternativas favoráveis, embora sempre possa escolher, mesmo quando as circunstâncias são desfavoráveis 41. O mundo é produto do homem Marx, em passagem conhecida, lembrava que o papel do intelectual não é mais, tão-só, o de compreender o mundo, mas o de transformá-lo 42. O grande trabalho do homem é melhorar-se (por isso ele é um invento incompleto, um processo permanente de criação) e melhorar o mundo, onde está o reino de sua vida. Como o homem, o mundo está sempre por fazer-se. Qual o significado da afirmação: o homem atua (portanto, faz História) de acordo com o tempo e o mundo em que vive? Que seu papel é alterar as circunstâncias. Melhorar-se permanentemente e melhorar o mundo, 39 Sugestão de leitura: MARK, Bernard. O levante do gueto de Varsóvia. Rio. S/d. Editorial Vitória Limitada. 40 MARX, Karl. O 18 brumário de Luís Bonaparte e Cartas a Kugelmann. Paz e Terra. Rio de Janeiro P A história mundial seria na verdade muito fácil de fazer-se se a luta fosse empreendida apenas em condições nas quais as possibilidades fossem infalivelmente favoráveis. Seria, por outro lado, coisa muito mística se os acidentes não desempenhassem papel algum. Esses acidentes mesmos caem naturalmente no curso geral do desenvolvimento e são compensados outra vez por novos acidentes. Mas a aceleração e a demora são muito dependentes de tais acidentes, que incluem o acidente do caráter daqueles que de início ficam à frente do movimento. Carta de 17 de abril de 1871 de Karl Marx a Kugelmann, in O 18 brumário de Luís Bonaparte e Cartas a Kugelmann. Ed. Cit. P Marx, 11ª Tese contra Feuerbach: Os filósofos se limitaram a interpretar o mundo diferentemente, cabe transformá-lo, in Teses contra Feuerbach apud Marx Manuscritos econômico-filosófios e outros textos escolhidos. Editora Abril. Col. Os pensadores. S. Paulo p

17 num processo permanente e irreversível de melhoria individual e coletiva. Esse processo contínuo, todavia, não se realiza por si só, não se move por energia própria, impulsionado seja pelo acaso, seja por leis históricas autônomas da vontade humana. Ao contrário, o mundo é um produto do homem, o ser que recusa a submissão de sua vida às forças do destino. Por isso, o homem livre, isto é, aquele que assumiu sua liberdade, é responsável por si e pela humanidade 43, em face da História, script que lhe cabe escrever, produzir, elaborar, criar e encenar. Essa é sua forma de viver sua época. O homem é responsável por si próprio. Quando faz tal afirmação, Sartre não quer dizer, apenas, que o homem é responsável pela sua estrita individualidade, mas que é responsável por todos os homens 44. Quando o homem escolhe a si próprio, ele escolhe todos os homens: Quando dizemos que o homem se escolhe a si, queremos dizer que cada um de nós se escolhe a si próprio; mas com isso queremos também dizer que, ao escolher-se a si próprio, ele escolhe todos os homens 45, porque o ato individual envolve toda a humanidade, porque o que escolhemos é sempre o bem, e nada pode ser bom para nós sem que o seja para todos. Sua fonte é o imperativo categórico kantiano, segundo o qual meu ato só será útil a mim se o for igualmente para toda a humanidade Para Sartre o homem é plenamente responsável. Com isso ele quer afirmar que o homem não é responsável, apenas, pela sua estrita individualidade, mas que é responsável por todos os homens, porque o que escolhemos é sempre o bem, e rien ne peut être bon pour nous sans l être pour tous (L existencialisme est un humanisme. Idem. Pp.25-6.). Sua fonte é o imperativo categórico kantiano, segundo o qual meu ato só será útil a mim se o for igualmente para toda a humanidade: O imperativo categórico é portanto só um único, que é este: Age apenas segundo uma máxima tal que possas ao mesmo tempo querer que ela se torne lei universal. O imperativo universal do dever, é ainda Kant, pode exprimir-se ainda como Age como se a máxima da tua ação se devesse tornar, pela tua vontade, em lei universal da natureza (KANT, Immanuel. Fundamentação da metafísica dos costumes in Textos selecionados, II. Col. Os pensadores. São Paulo, Abril S.A. Cultural. Pp ). 44 IN L existencialisme est un humanisme (Ed. Cit.), p Idem. P O imperativo categórico é portanto só um único, que é este: Age apenas segundo uma máxima tal que possas ao mesmo tempo querer que ela se torne lei universal. Ora, se deste único imperativo se podem derivar, como do seu princípio, todos os imperativos do dever, embora deixemos por decidir se aquilo a que se chama dever não será em geral um conceito vazio, podemos pelo menos indicar o que pensamos por isso e o que é que este conceito quer dizer. Uma vez que a universalidade das leis, segundo a qual certos efeitos se produzem, constitui aquilo a que se chama propriamente natureza no sentido mais lato da palavra (quanto à forma), quer dizer, a realidade das coisas, enquanto é determinada por leis universais, o imperativo universal do dever poderia também exprimir-se assim: 17

18 Somos chamados a nos inventarmos todo o dia, a cada dia. O homem nasce proletário independentemente de sua escolha; mas não nasce intelectual. Pequeno burguês, porém, pode optar, entre ser intelectual ou empresário. Intelectual, pode comprometer-se com os interesses de sua classe, pode afastar-se desses interesses e pode optar por servir a outra classe. Ninguém nasce proletário com consciência de classe ou intelectual ou de esquerda ou de direita, ninguém nasce revolucionário ou conformista, não se nasce covarde ou herói, vítima ou torturador, honesto ou corrupto. O homem é o que, nas circunstâncias de sua vida, escolhe ser, e por essa escolha, é solitariamente responsável. Diante da ditadura, tanto os operários quanto os intelectuais tiveram condições de escolha, escolhendo entre a passividade e a luta, como têm agora, optando, entre mudança e continuidade. Só que a margem de escolha se elasteceu. Desapareceram os catecismos ideológicos, as cartilhas, e os manuais doutrinários não funcionam mais, feneceram as certezas absolutas, caducou o maniqueísmo do a favor ou contra facilitatório das decisões. Não há mais o Partido decidindo pelo militante. E não há mais decisões em bloco. A tomada de posição é tarefa de todo momento e de cada indivíduo, e na maioria dos casos o intelectual é chamado a decidir no abandono de sua solidão. Não basta a condição de classe para definir o papel do agente histórico; não basta ser operário/trabalhador/assalariado ou ser intelectual ou ser burguês. O operário, condicionado por sua origem, condicionado por seu salário, condicionado pelo emprego flexível e pela ameaça constante de desemprego, pela formalidade apontando diariamente para a informalidade, condicionado pela exploração do capital, condicionado finalmente pela sua condição de vida, isto é, pela sua maneira de ser no mundo, pode definir-se, ao optar, seja por resignar-se, seja pela revolução. No Brasil, temos operários na CUT e na Força Sindical. Já tivemos operários no Partido Comunista (quando este foi revolucionário), nos Círculos Operários Católicos, de direita, e ao mesmo tempo nas ante-salas do Ministério do Trabalho como meros pelegos, prontos para a cooptação. Sabemos, e Frantz Fanon 47 o disse, que o colonizado pode expressar a vontade do colonizador, e Paulo Freire lembrava que o oprimido pode reproduzir o opressor. Sabemos que o discriminado pode reproduzir os valores do discriminador. Ao definir-se, isto é, ao escolher-se em face da realidade, ao optar entre a cooptação pelo capital ou a simples resignação em face do imperativo da opressão, de um lado, e, de outro, pela revolta, pelo conflito, pela luta, o operário - qualquer que seja o conceito segundo o estágio de desenvolvimento do capitalismo--, está definindo o futuro do proletariado. Neste momento o homem escolhe e é responsável por sua escolha. E não tem opção, senão escolher-se, transformando o grito de dor num canto de dor, que a denuncia. Denuncia este mundo e propõe outro mundo, porque, sempre, outro mundo é possível construir. Exatamente por esta razão, o homem é construtor de seu destino e o único responsável pelo papel que desempenhará na história. Finalmente: o homem é o único responsável pelo homem. (2005) Age como se a máxima da tua ação se devesse tornar, pela tua vontade, em lei universal da natureza. (KANT, Immanuel. Fundamentação da metafísica dos costumes in Textos selecionados, II. Col. Os pensadores. São Paulo Abril. Cultural. PP ) 47 FANON, Franz. Os condenados da terra. Editora Civilização Brasileira. Rio

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho Direitos Autorais: Faculdades Signorelli "O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém, desviamo-nos dele. A cobiça envenenou a alma dos homens,

Leia mais

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO 1 - INTRODUÇÃO Séc. XIX consolidação da burguesia: ascensão do proletariado urbano (classe operária) avanço do liberalismo.

Leia mais

Palestina - em defesa da nação oprimida

Palestina - em defesa da nação oprimida Palestina - em defesa da nação oprimida Que o Hamas entregue armas à população! Derrotar a ofensiva sionista com o levante das massas palestinas! Unidade dos explorados do Oriente Médio para enfrentar

Leia mais

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Diálogos - Revista do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História ISSN: 1415-9945 rev-dialogos@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil Perosa Junior, Edson José Como mudar

Leia mais

Guerra fria (o espaço mundial)

Guerra fria (o espaço mundial) Guerra fria (o espaço mundial) Com a queda dos impérios coloniais, duas grandes potências se originavam deixando o mundo com uma nova ordem tanto na parte política quanto na econômica, era os Estados Unidos

Leia mais

A ideologia alemã. Karl Marx e Friedrich Engels

A ideologia alemã. Karl Marx e Friedrich Engels A ideologia alemã Karl Marx e Friedrich Engels Percurso Karl Marx (1817-1883) Filho de advogado iluminista Formou-se em Direito, Filosofia e História pela Universidade de Berlim; não seguiu carreira acadêmica

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: GRAMSCI; SOCIEDADE CIVIL; HEGEMONIA A SOCIEDADE CIVIL EM GRAMSCI

PALAVRAS-CHAVE: GRAMSCI; SOCIEDADE CIVIL; HEGEMONIA A SOCIEDADE CIVIL EM GRAMSCI PALAVRAS-CHAVE: GRAMSCI; SOCIEDADE CIVIL; HEGEMONIA A SOCIEDADE CIVIL EM GRAMSCI Introdução O pensamento político moderno, de Hobbes a Hegel, caracteriza-se pela tendência a considerar o Estado ou sociedade

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 9 o ano 2 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : Sobre a Revolução Russa de 1917, leia o texto a seguir e responda às questões 1 e 2. A reivindicação básica dos pobres da cidade

Leia mais

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA DOLOROSA: O NAZISMO ALEMÃO A ascensão dos nazistas ao poder na Alemanha colocou em ação a política de expansão territorial do país e o preparou para a Segunda Guerra Mundial. O saldo

Leia mais

IDEOLOGIA, EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO HUMANA EM MARX, LUKÁCS E MÉSZÁROS

IDEOLOGIA, EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO HUMANA EM MARX, LUKÁCS E MÉSZÁROS IDEOLOGIA, EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO HUMANA EM MARX, LUKÁCS E MÉSZÁROS Maria Teresa Buonomo de Pinho * O objetivo deste artigo é examinar o caráter de ideologia da práxis educativa e o papel relativo que

Leia mais

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL THOMAS HOBBES LEVIATÃ ou MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL Thomas Hobbes é um contratualista teoria do contrato social; O homem natural / em estado de natureza para Hobbes não é

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN. b) Cite duas características do Estado Novo. Resposta: Ditadura, censura, nacionalismo, etc.

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN. b) Cite duas características do Estado Novo. Resposta: Ditadura, censura, nacionalismo, etc. 2ª série Ens. Médio EXERCÍCIOS DE MONITORIA HISTÓRIA - OBJETIVA Professora: Higor David Lopes Prucoli 1. (Fuvest 1987) Como se expressa a ação do governo na economia brasileira no período do Estado Novo?

Leia mais

Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais

Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais INTRODUÇÃO À sociologia Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais introdução à S Maura Pardini Bicudo Véras O CIO LO GIA Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais Direção editorial Claudiano

Leia mais

A Revolução Francesa (1789-1799)

A Revolução Francesa (1789-1799) A Revolução Francesa (1789-1799) Origens da Revolução Francesa Crise Econômica A agricultura, ainda submetida ao feudalismo, entrava em colapso. As velhas técnicas de produção e a servidão no campo criavam

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda DISCIPLINA: Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA: 06/02/2012. CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br QUESTÕES DE VESTIBULAR e-mail: especifico@especifico.com.br Av. Rio Claro nº 615 Centro

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE EDUCAÇÃO PESQUISA OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO REDE MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO DE GOIÂNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE EDUCAÇÃO PESQUISA OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO REDE MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO DE GOIÂNIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE EDUCAÇÃO PESQUISA OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO REDE MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO DE GOIÂNIA ESCOLA MUNICIPAL JALLES MACHADO DE SIQUEIRA PROFESSORA BOLSISTA ROSA CRISTINA

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 21 Discurso na cerimónia de instalação

Leia mais

Acesso aos Arquivos da Ditadura: Nem Perdão, nem Talião: Justiça!

Acesso aos Arquivos da Ditadura: Nem Perdão, nem Talião: Justiça! Acesso aos Arquivos da Ditadura: Nem Perdão, nem Talião: Justiça! Tânia Miranda * A memória histórica constitui uma das mais fortes e sutis formas de dominação. A institucionalização da memória oficial

Leia mais

Principais Sociólogos

Principais Sociólogos Principais Sociólogos 1. (Uncisal 2012) O modo de vestir determina a identidade de grupos sociais, simboliza o poder e comunica o status dos indivíduos. Seu caráter institucional assume grande importância

Leia mais

O IMPERIALISMO EM CHARGES. Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com. 1ª Edição (2011)

O IMPERIALISMO EM CHARGES. Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com. 1ª Edição (2011) O IMPERIALISMO EM CHARGES 1ª Edição (2011) Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com Imperialismo é a ação das grandes potências mundiais (Inglaterra, França, Alemanha, Itália, EUA, Rússia

Leia mais

DÉCADA DE 70. Eventos marcantes: Guerra do Vietnã Watergate Crise do Petróleo Revolução Iraniana

DÉCADA DE 70. Eventos marcantes: Guerra do Vietnã Watergate Crise do Petróleo Revolução Iraniana Eventos marcantes: Guerra do Vietnã Watergate Crise do Petróleo Revolução Iraniana GUERRA DO VIETNÃ Após o fim da Guerra da Indochina (1954), Vietnã é dividido na altura do paralelo 17: Norte: república

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM com a Independência dos E.U.A. e a Revolução Francesa, a Declaração Universal dos Direitos do Homem é um documento extraordinário que precisa ser mais conhecido

Leia mais

Sessão Extraordinária da Assembleia Municipal de Odivelas

Sessão Extraordinária da Assembleia Municipal de Odivelas Sessão Extraordinária da Assembleia Municipal de Odivelas Sessão Solene Comemorativa da Implantação da República 05.10.2010 A Revolução Republicana de 1910 Ao assinalarmos cem anos sobre a Revolução Republicana

Leia mais

O Cebrapaz é uma expressão organizada do sentimento da sociedade brasileira contra as guerras e em solidariedade aos povos em luta no mundo.

O Cebrapaz é uma expressão organizada do sentimento da sociedade brasileira contra as guerras e em solidariedade aos povos em luta no mundo. O Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz (Cebrapaz) aprovou na Assembleia Nacional encerrada sábado (9), uma Declaração em que renova as convicções dos ativistas brasileiros pela

Leia mais

Juristas Leigos - Direito Humanos Fundamentais. Direitos Humanos Fundamentais

Juristas Leigos - Direito Humanos Fundamentais. Direitos Humanos Fundamentais Direitos Humanos Fundamentais 1 PRIMEIRAS NOÇÕES SOBRE OS DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS 1. Introdução Para uma introdução ao estudo do Direito ou mesmo às primeiras noções de uma Teoria Geral do Estado

Leia mais

1. O pensamento marxista e o contexto contemporâneo

1. O pensamento marxista e o contexto contemporâneo Prof. Dr. Elydio dos Santos Neto AS CONTRIBUIÇÕES DE ANTONIO GRAMSCI PARA COMPREENDER A ESCOLA E O PROFESSOR NA ESTRUTURA DA SOCIEDADE CAPITALISTA 1. O pensamento marxista e o contexto contemporâneo No

Leia mais

Até então o confronto direto entre os aliados não havia acontecido.

Até então o confronto direto entre os aliados não havia acontecido. Confronto entre os aliados, vencedores da 2ª Guerra: Inglaterra, França, EUA e União Soviética. Acordo pós-guerra definiria a área de influência da URSS, onde estavam suas tropas (leste europeu). Conferência

Leia mais

Carta pela Paz no Mundo

Carta pela Paz no Mundo Carta pela Paz no Mundo Marcus De Mario Esta carta é ao mesmo tempo um apelo à razão e à emoção, procurando falar às mentes e aos corações de todos os homens e mulheres da humanidade, da criança ao idoso,

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

TEORIA SOCIAL CRÍTICA: DO QUE SE TRATA?

TEORIA SOCIAL CRÍTICA: DO QUE SE TRATA? TEORIA SOCIAL CRÍTICA: DO QUE SE TRATA? 1 Ivo Tonet* 1. Introdução Costuma-se associar o termo teoria crítica à Escola de Frankfurt. Contudo, no presente texto, nosso objetivo não é discorrer sobre a teoria

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 106 Discurso na cerimónia de entrega

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Formação do bacharel em direito Valdir Caíres Mendes Filho Introdução O objetivo deste trabalho é compreender as raízes da formação do bacharel em Direito durante o século XIX. Será

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

Exercícios de Iluminismo e Independência dos EUA

Exercícios de Iluminismo e Independência dos EUA Exercícios de Iluminismo e Independência dos EUA 1. (Enem) É verdade que nas democracias o povo parece fazer o que quer, mas a liberdade política não consiste nisso. Deve-se ter sempre presente em mente

Leia mais

Categorias Sociológicas

Categorias Sociológicas Categorias Sociológicas Fato Social DURKHEIM, E.; AS REGRAS DO MÉTODO SOCIOLÓGICO.São Paulo, Abril, Os Pensadores, 1973 p. 389-90. O que é fato social O objeto de estudo da Sociologia é o fato social.

Leia mais

TODOS COLÉGIOS SIMULADO 2ª SÉRIE

TODOS COLÉGIOS SIMULADO 2ª SÉRIE TODOS COLÉGIOS SIMULADO 2ª SÉRIE 1.Analise as afirmativas abaixo referentes ao Iluminismo: 01 - Muitas das idéias propostas pelos filósofos iluministas são, hoje, elementos essenciais da identidade da

Leia mais

www. Lifeworld.com.br

www. Lifeworld.com.br 1 Artigos da Constituição Mundial A Constituição Mundial é composta de 61º Artigos, sendo do 1º ao 30º Artigo dos Direitos Humanos de 1948, e do 31º ao 61º Artigos estabelecidos em 2015. Dos 30 Artigos

Leia mais

que se viver com dignidade, o que requer a satisfação das necessidades fundamentais. O trabalho é um direito e um dever de todo cidadão.

que se viver com dignidade, o que requer a satisfação das necessidades fundamentais. O trabalho é um direito e um dever de todo cidadão. Osdireitosdohomemedocidadãonocotidiano (OscarNiemeyer,1990) "Suor, sangue e pobreza marcaram a história desta América Latina tão desarticulada e oprimida. Agora urge reajustá-la num monobloco intocável,

Leia mais

Acerca da Luta Armada

Acerca da Luta Armada VALOR E VIOLÊNCIA Acerca da Luta Armada Conferência Pronunciada no Anfiteatro de História da USP em 2011 Wilson do Nascimento Barbosa Professor Titular de História Econômica na USP Boa noite! Direi em

Leia mais

ATUDALIDADES - Conflitos na Atualidade

ATUDALIDADES - Conflitos na Atualidade ATUDALIDADES - Conflitos na Atualidade Origem dos povos ORIENTE MÉDIO: Conflitos árabes-israelenses: 1948 Independência de Israel 1949 Guerras da Independência 1956 Crise de Suez 1964 Criação da OLP` 1967

Leia mais

Roteiro de Estudos. 3 trimestre - 2015

Roteiro de Estudos. 3 trimestre - 2015 Roteiro de Estudos 3 trimestre - 2015 Disciplina: Geografia Professor: Eduardo 3ª série O que devo saber: Crescimento populacional no Brasil e no mundo. Sociedade e economia. Povos em movimento e migrações

Leia mais

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série 1 - DEFINIÇÃO Direitos e deveres civis, sociais e políticos usufruir dos direitos e o cumprimento das obrigações constituem-se no exercício da

Leia mais

KARL MARX (1818-1883)

KARL MARX (1818-1883) KARL MARX (1818-1883) 1861 Biografia Nasceu em Trier, Alemanha. Pais judeus convertidos. Na adolescência militante antireligioso; A crítica da religião é o fundamento de toda crítica. Tese de doutorado

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS BR/1998/PI/H/4 REV. DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Brasília 1998 Representação

Leia mais

Democracia ou Socialismo? Resumo

Democracia ou Socialismo? Resumo 1 Democracia ou Socialismo? Estudantes de graduação do 6 o. período do curso de História da UFV 1 Gustavo Bianch, Paulo Santana, Bolívar Dias Jr., Carlos Henrique de Oliveira, Luiz Fernando Lopes, João

Leia mais

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições.

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Revolução de 1930 Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Responsável pelo fim da chamada Política café com leite Política café com leite

Leia mais

UNICAMP REVOLUÇÃO FRANCESA HISTÓRIA GEAL

UNICAMP REVOLUÇÃO FRANCESA HISTÓRIA GEAL 1. (Unicamp 94) Num panfleto publicado em 1789, um dos líderes da Revolução Francesa afirmava: "Devemos formular três perguntas: - O que é Terceiro Estado? Tudo. - O que tem ele sido em nosso sistema político?

Leia mais

Guerras tribais ou conflitos étnicos?

Guerras tribais ou conflitos étnicos? Guerras tribais ou conflitos étnicos? O continente africano padece das conseqüências de um longo e interminável processo de exploração que espoliou a maior parte de suas nações, determinando, na maioria

Leia mais

VIII COLÓQUIO INTERNACIONAL DE MARX E ENGELS

VIII COLÓQUIO INTERNACIONAL DE MARX E ENGELS 1 VIII COLÓQUIO INTERNACIONAL DE MARX E ENGELS OS FUNDAMENTOS MARXISTAS E GRAMSCIANOS À LUZ DA PROFISSIONALIZAÇÃO DO ENSINO MÉDIO DO INSTITUTO FEDERAL DE SÃO PAULO Problematização Juliana Gimenes Gianelli

Leia mais

Considerando ser essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações,

Considerando ser essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações, A Declaração Universal dos Direitos Humanos é um dos documentos básicos das Nações Unidas e foi assinada em 1948. Nela, são enumerados os direitos que todos os seres humanos possuem. Preâmbulo Considerando

Leia mais

Uma introdução ao Totalitarismo

Uma introdução ao Totalitarismo Uma introdução ao Totalitarismo Esse trabalho se propõe a fazer uma breve introdução da obra: Origens do Totalitarismo de Hannah Arendt. O livro é dividido em três partes: Antissemitismo, Imperialismo

Leia mais

SÉRIE 9ª ETAPA 3ª. ENSINO Fundamental. Marta Moura

SÉRIE 9ª ETAPA 3ª. ENSINO Fundamental. Marta Moura Revisão História SÉRIE 9ª ENSINO Fundamental ETAPA 3ª Marta Moura 1. A geração explosiva dos anos 60, conhecidos como anos rebeldes, protestava contra as guerras, a corrida armamentista, o racismo, o poder

Leia mais

TEMA 6 O AVANÇO DOS ALIADOS. Os combates decisivos entre as tropas do Eixo e as forças aliadas foram travados em território soviético.

TEMA 6 O AVANÇO DOS ALIADOS. Os combates decisivos entre as tropas do Eixo e as forças aliadas foram travados em território soviético. TEMA 6 O AVANÇO DOS ALIADOS Os combates decisivos entre as tropas do Eixo e as forças aliadas foram travados em território soviético. A operação Barbarossa A operação Barbarossa era a invasão da União

Leia mais

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO.

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO. APRESENTAÇÃO Aula 08 3B REVOLUÇÃO FRANCESA Prof. Alexandre Cardoso REVOLUÇÃO FRANCESA Marco inicial da Idade Contemporânea ( de 1789 até os dias atuais) 1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra

Leia mais

Do Congresso de Viena à Primavera dos Povos

Do Congresso de Viena à Primavera dos Povos Do Congresso de Viena à Primavera dos Povos Liberalismo Conceitos Importantes A palavra liberal é um adjetivo derivado do latim liberale, termo que se designava o homem livre na antiguidade romana. Uma

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA ENSINO MÉDIO ÁREA CURRICULAR: CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS DISCIPLINA: HISTÓRIA SÉRIE 1.ª CH 68 ANO 2012 COMPETÊNCIAS:. Compreender

Leia mais

O ANTIGO REGIME FRANCÊS ANCIEN REGIM

O ANTIGO REGIME FRANCÊS ANCIEN REGIM O ANTIGO REGIME FRANCÊS ANCIEN REGIM Organização social que vigorou na França, principalmente na época em que os reis eram absolutistas, ou seja, de meados do século XVII até a Revolução Francesa. Tal

Leia mais

Resenha. De forma sintética e competente, faz uma reconstituição histórica desde os processos de colonização que marcaram as sociedades latino-

Resenha. De forma sintética e competente, faz uma reconstituição histórica desde os processos de colonização que marcaram as sociedades latino- Revista Latino-americana de Estudos do Trabalho, Ano 17, nº 28, 2012, 229-233 Resenha O Continente do Labor, de Ricardo Antunes (São Paulo, Boitempo, 2011) Graça Druck A iniciativa de Ricardo Antunes de

Leia mais

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos Eixo III: Programa de trabalho para a direção do SISMMAC Continuar avançando na reorganização do magistério municipal com trabalho de base, organização por local de trabalho, formação política e independência

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO 1. Na teoria contratualista, o surgimento do Estado e a noção de contrato social supõem que os indivíduos abrem mão de direitos (naturais)

Leia mais

Declaração Universal dos. Direitos Humanos

Declaração Universal dos. Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos Ilustrações gentilmente cedidas pelo Fórum Nacional de Educação em Direitos Humanos Apresentação Esta é mais uma publicação da Declaração Universal dos Direitos

Leia mais

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS 11) China, Japão e Índia são três dos principais países asiáticos. Sobre sua História, cultura e relações com o Ocidente, analise as afirmações a seguir. l A China passou por um forte processo de modernização

Leia mais

2 Por que a Alemanha nazista rompeu com o Pacto Germano Soviético no ano de 1941? Explique.

2 Por que a Alemanha nazista rompeu com o Pacto Germano Soviético no ano de 1941? Explique. 2 Lista exercícios 2ª Guerra Mundial 1 Os Estados Unidos entraram fundamentalmente na Segunda Guerra Mundial no ano de 1941. Quais foram os principais fatores que causaram a entrada dos Estados Unidos

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000 DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000 DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros

Leia mais

Exercícios de Guerra Fria: Guerra da Coreia ao Vietnã

Exercícios de Guerra Fria: Guerra da Coreia ao Vietnã Exercícios de Guerra Fria: Guerra da Coreia ao Vietnã 1. As mudanças no panorama internacional representadas pela vitória socialista de Mao-Tsé-tung na China, pela eclosão da Guerra da Coréia e pelas crescentes

Leia mais

Disputa pela hegemonia mundial entre Estados Unidos e URSS após a II Guerra Mundial. É uma intensa guerra econômica, diplomática e tecnológica pela conquista de zonas de influência. Ela divide o mundo

Leia mais

Leituras rebeldes: a presença de Maria Helena Souza Patto na História da Psicologia e da Educação

Leituras rebeldes: a presença de Maria Helena Souza Patto na História da Psicologia e da Educação Mnemosine Vol.8, nº2, p. 331-336 (2012) Biografia Leituras rebeldes: a presença de Maria Helena Souza Patto na História da Psicologia e da Educação Marcelo de Abreu Maciel Roger Chartier é um historiador

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

CONFLITO EM GAZA: ENTENDA A GUERRA ENTRE ISRAEL E OS PALESTINOS

CONFLITO EM GAZA: ENTENDA A GUERRA ENTRE ISRAEL E OS PALESTINOS CONFLITO EM GAZA: ENTENDA A GUERRA ENTRE ISRAEL E OS PALESTINOS Um assunto que volta e meia ocupa as manchetes de jornais do mundo inteiro há décadas é a questão sobre o conflito entre israelenses e palestinos

Leia mais

O Estado moderno: da gestão patrimonialista à gestão democrática

O Estado moderno: da gestão patrimonialista à gestão democrática O Estado moderno: da gestão patrimonialista à gestão democrática Neusa Chaves Batista 1 1. Introdução O modelo de gestão para a escola pública requerido na atualidade encontra-se expresso no ordenamento

Leia mais

História B Aula 21. Os Agitados Anos da

História B Aula 21. Os Agitados Anos da História B Aula 21 Os Agitados Anos da Década de 1930 Salazarismo Português Monarquia portuguesa foi derrubada em 1910 por grupos liberais e republicanos. 1ª Guerra - participação modesta ao lado da ING

Leia mais

Liberdade e democracia: agenda socialista ou liberal?

Liberdade e democracia: agenda socialista ou liberal? Liberdade e democracia: agenda socialista ou liberal? Introdução: Maria Mello de Malta 1 Em toda parte parece se defender a liberdade e a democracia. Fazem-se passeatas, manifestações políticas e até guerras

Leia mais

Rever ou não rever. Eis a questão? O debate atual sobre a lei de anistia de 1979.

Rever ou não rever. Eis a questão? O debate atual sobre a lei de anistia de 1979. Rever ou não rever. Eis a questão? O debate atual sobre a lei de anistia de 1979. Comunicação apresentada no I Seminário Nacional Práticas Sociais, Narrativas Visuais e Relações de Poder, Universidade

Leia mais

MARX, Karl Contribuição à Crítica da Economia Política

MARX, Karl Contribuição à Crítica da Economia Política ////////////////////////// Ficha de Leitura * ////////////////////////// MARX, Karl Contribuição à Crítica da Economia Política Introdução [À Crítica da Economia Política] Prefácio [Para a Crítica da Economia

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 9 o ano 3 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : 1. Leia o texto sobre a Guerra Fria e responda. O termo tornou-se perfeito para se entender o momento político internacional, pois

Leia mais

HISTÓRIA COMENTÁRIO DA PROVA

HISTÓRIA COMENTÁRIO DA PROVA COMENTÁRIO DA PROVA De uma forma geral, a prova foi boa com questões claras e bem articuladas. Louvável a intenção de cobrar reflexões sobre a históriografia, bem como a de revisitar o passado a partir

Leia mais

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815)

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815) NAPOLEÃO BONAPARTE 1 Profª Adriana Moraes Destaca-se política e militarmente no Período Jacobino. DIRETÓRIO Conquistas militares e diplomáticas na Europa defesa do novo governo contra golpes. Golpe 18

Leia mais

Gustavo Noronha Silva. Fichamento: Rousseau: da servidão à liberdade

Gustavo Noronha Silva. Fichamento: Rousseau: da servidão à liberdade Gustavo Noronha Silva Fichamento: Rousseau: da servidão à liberdade Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES maio / 2003 Gustavo Noronha Silva Fichamento: Rousseau: da servidão à liberdade Trabalho

Leia mais

AULA: 17 Assíncrona. TEMA: Cidadania e Movimentos Sociais DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES HISTÓRIA

AULA: 17 Assíncrona. TEMA: Cidadania e Movimentos Sociais DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES HISTÓRIA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA AULA: 17 Assíncrona TEMA: Cidadania e Movimentos Sociais 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Conteúdos: China: dominação

Leia mais

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Conteúdo: Independência dos Estados Unidos

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Conteúdo: Independência dos Estados Unidos Conteúdo: Independência dos Estados Unidos Habilidades: Compreender o processo de independência Norte Americana dentro do contexto das ideias iluministas. Yankee Doodle 1 Causas Altos impostos cobrados

Leia mais

TEORIA SOCIAL CLÁSSICA E MODERNIDADE: REFLEXÃO À LUZ DE KARL MARX RESUMO

TEORIA SOCIAL CLÁSSICA E MODERNIDADE: REFLEXÃO À LUZ DE KARL MARX RESUMO TEORIA SOCIAL CLÁSSICA E MODERNIDADE: REFLEXÃO À LUZ DE KARL MARX Iara Barbosa de Sousa 1 RESUMO A presente reflexão tem enfoque no debate acerca de um clássico autor nas Ciências Sociais e sua relação

Leia mais

Imperialismo dos EUA na América latina

Imperialismo dos EUA na América latina Imperialismo dos EUA na América latina 1) Histórico EUA: A. As treze colônias, colonizadas efetivamente a partir do século XVII, ficaram independentes em 1776 formando um só país. B. Foram fatores a emancipação

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 2F

CADERNO DE EXERCÍCIOS 2F CADERNO DE EXERCÍCIOS 2F Ensino Fundamental Ciências Humanas Questão Conteúdo Habilidade da Matriz da EJA/FB 1 Movimento operário e sindicalismo no Brasil H43 2 Urbanização nas regiões brasileiras H8,

Leia mais

CLASSES SOCIAIS E LUTA DE CLASSES

CLASSES SOCIAIS E LUTA DE CLASSES Secretaria Nacional de Formação Política do Partido Comunista Brasileiro Introdução CURSO DE INICIAÇÃO PARTIDÁRIA CLASSES SOCIAIS E LUTA DE CLASSES A definição de classe social fornecida por Lênin deixa

Leia mais

Aula 10.1. Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos

Aula 10.1. Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos Aula 10.1 Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos 1ª QUESTÃO (1,0) Em seu discurso de despedida do Senado, em dezembro de 1994, o presidente Fernando Henrique Cardoso anunciou o fim da Era Vargas,

Leia mais

Como ensinamos o Holocausto? Essas linhas mestras foram traduzidas pelo Ministério da Educação português

Como ensinamos o Holocausto? Essas linhas mestras foram traduzidas pelo Ministério da Educação português Como ensinamos o Holocausto? Essas linhas mestras foram traduzidas pelo Ministério da Educação português O Holocausto O Holocausto foi o extermínio de, aproximadamente, seis milhões de judeus pelos nazis

Leia mais

CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA. Em cena: A realidade do sonho

CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA. Em cena: A realidade do sonho CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA Em cena: A realidade do sonho Uma mapa imaginário ( página 123) A sociologia foi uma criação da sociedade urbana. Com a advento da industrialização as grandes

Leia mais

Descolonização e Lutas de Independência no Século XX

Descolonização e Lutas de Independência no Século XX Descolonização e Lutas de Independência no Século XX A Independência da Índia (1947) - Antecedentes: Partido do Congresso (hindu) Liga Muçulmana Longa luta contra a Metrópole inglesa - Desobediência pacífica

Leia mais

SOCIEDADE, POLÍTICA E CULTURA EM GRAMSCI

SOCIEDADE, POLÍTICA E CULTURA EM GRAMSCI SOCIEDADE, POLÍTICA E CULTURA EM GRAMSCI Luiz Etevaldo da Silva 1 RESUMO Este artigo tece considerações sobre como o filósofo italiano Antonio Gramsci pensa as relações da sociedade com a política e a

Leia mais

Sumário. David Justino e Sílvia de Almeida

Sumário. David Justino e Sílvia de Almeida Sumário 3. Para uma -pologia da formação das nações e dos nacionalismos 3.3. A unificação da Alemanha e as origens do nacionalismo alemão 3.4 A unificação italiana e o Rissorgimento 3.5 Crise dos impérios

Leia mais

Introdução à Sociologia Clássica 1

Introdução à Sociologia Clássica 1 Introdução à Sociologia Clássica 1 Eleandro Moi 2 A sociologia constitui um projeto intelectual tenso e contraditório. Para alguns ela representa uma poderosa arma a serviço dos interesses dominantes,

Leia mais

A EDUCAÇÃO E SUA DIMENSÃO POLÍTICA A PARTIR DE ALGUNS ESCRITOS DE ANTONIO GRAMSCI

A EDUCAÇÃO E SUA DIMENSÃO POLÍTICA A PARTIR DE ALGUNS ESCRITOS DE ANTONIO GRAMSCI A EDUCAÇÃO E SUA DIMENSÃO POLÍTICA A PARTIR DE ALGUNS ESCRITOS DE ANTONIO GRAMSCI Resumo AREND, Catia Alire Rodrigues UTP catiarend@yahoo.com.br Eixo Temático: Políticas Públicas, Avaliação e Gestão da

Leia mais

Preâmbulo. Considerando essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações,

Preâmbulo. Considerando essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações, DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembleia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Preâmbulo DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS

O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

DEMOCRACIA, ESTADO SOCIAL, E REFORMA GERENCIAL

DEMOCRACIA, ESTADO SOCIAL, E REFORMA GERENCIAL DEMOCRACIA, ESTADO SOCIAL, E REFORMA GERENCIAL Luiz Carlos Bresser-Pereira Intervenção no VI Fórum da Reforma do Estado. Rio de Janeiro, 1º. de outubro de 2007. Sumário. A democracia permitiu que os trabalhadores

Leia mais