Recuperação de Exames em Sistemas de Informação Hospitalar com Suporte a Busca de Imagens Baseada em Conteúdo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Recuperação de Exames em Sistemas de Informação Hospitalar com Suporte a Busca de Imagens Baseada em Conteúdo"

Transcrição

1 Recuperação de Exames em Sistemas de Informação Hospitalar com Suporte a Busca de Imagens Baseada em Conteúdo Myrian R. B. Araujo 1, Caetano Traina Jr 2, Agma Traina 3, Paulo M. A. Marques 4 1,2, 3 Grupo de Bases de Dados e Imagens (GBDI), Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC ), Universidade de São Paulo (USP), Brasil 4 Centro de Ciências das Imagens e Física Médica do Hospital das Clínicas (CCIFM-HC), Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP), Universidade de São Paulo (USP), Brasil Resumo - Este artigo ilustra como manter imagens médicas em uma base de dado relacional, satisfazendo os mecanismos de armazenamento de um PACS (Picture Archivind and Communication System). Incluindo habilidade de responder consultas por similaridade baseada no conteúdo da imagem, obtendo uma rápida recuperação das imagens baseada em uma estrutura de índice. Um conceito importante é a definição da função distância baseada nas características que foram extraídas das imagens quando as imagens foram armazenadas na base. Uma extensão da linguagem SQL possibilita a construção de um interpretador que intercepta os comandos estendidos e os traduzem para SQL padrão, permitindo obter vantagens em qualquer servidor de banco de dados relacional. Experimentos realizados com a implementação de um protótipo usando estes conceitos, responderam consultas com tempo até 20 vezes mais rápido, quando comparado com os servidores relacionais existentes. Além disso, este sistema é o primeiro a integrar recuperação baseada em conteúdo com uma base de dados relacional em uma arquitetura aberta podendo ser integrado em qualquer base de dados operacional ou administrativa de um HIS (Hospital Information Systems). Palavras-chave: Sistemas de Informação Hospitalar, Recuperação de imagens baseada em conteúdo. Abstract - This paper shows how to support medical images in a relational database, so it can fulfill the requirem ents to be used as the storage mechanism of a PACS (Picture Archivind and Communication System). This support includes the ability to answer sim ilarity queries based on the image content, providing fast image retrieval based on indexing structures. The main concept allowing this support is the definition of distance functions based on features, which are extracted from the images as they are stored in the database. An extension to the SQL language enables the construction of an interpreter that intercepts the extended commands and translate them to standard SQL, allowing to take advantage of any relational database server. We describe experiments made with a prototype implemented using these concepts, which allowed answering queries up to 20 times faster than using only existing relational servers. In addition, this is the first system to integrate content-based image retrieval with a relational database in an open architecture that can be integrated to existing operational or administrative databases of one HIS (Hospital Information Systems). Key-words: Hospital Inform ation Systems, Content-based Retrieval of Images. Introdução Bases de dados relacionais armazenam grande quantidade de informações em tabelas compostas por atributos de vários tipos, o emprego destas bases conduz a sistemas de informação flexíveis, expansíveis e de fácil manutenibilidade. Infelizmente, bases de dados relacionais não suportam imagens adequadamente. Imagens são armazenadas, nestes sistemas, como dados do tipo Binary Large Objects - Blobs, permitindo que as mesmas sejam recuperadas por meio de atributos textuais ou numéricos a elas associadas. Porém, isto não é suficiente para um grande número de sistemas que lidam com imagens, por exemplo, aplicações médicas como HIS (Hospital Information Systems) que manipulam vários tipos de imagens provenientes de exames como raios x, tomografia, ressonância magnética, etc., ou seja, sistemas de informação radiológica. Para análises médicas é mais importante recuperar imagens que são similares a uma dada imagem. Isto ocorre

2 quando um médico necessita comparar casos anteriores ou para verificar o diagnóstico. Então, as imagens devem ser eficientemente armazenadas e recuperadas por técnicas adequadas baseada no conteúdo da imagem. Para satisfazer as necessidades de sistemas de recuperação baseado no conteúdo da imagem, uma extensão da linguagem SQL (Structured Query Language) foi desenvolvida [1]. Esta extensão foi projetada para ser naturalm ente integrada em aplicações que executam operações que já existem e acessam dados tradicionais como sistemas de prontuário m édico eletrônico, sistemas de cadastro de paciente, sistemas administrativos entre outros. Assim, o SQL padrão deve ser estendido para perm itir a construção e/ou ampliação de aplicações que já acessam dados tradicionais (textos e números) para permitir que estas possam suportar dados como imagens. Por esta razão, é impossível adotar sistemas como o QBIC [2] que não permite a interação com outras aplicações já em operação em um HIS. Um enfoque usualmente dado para aplicações que lidam com grandes conjuntos de imagens é arm azena-las em um repositório comum. Um exemplo é o sistema PACS (Picture Archiving and Communication System) baseado no form ato DICOM (Digital Imaging and Communications in Medicine) [3] usado em muitos hospitais com grande aceitabilidade [4]. Nestes sistemas, as im agens são etiquetadas no form ato DICOM e armazenadas no núcleo de armazenamento do sistema. As imagens provenientes de diferentes tipos de exames e/ou diferentes equipamentos são armazenadas juntas e classificadas por conjuntos individualmente etiquetados para cada imagem. Este enfoque é adequado para distribuir imagens, porque para cada arquivo que contém uma imagem tem-se a identificação de sua aquisição, dados do paciente e outros dados pertinentes. Então a informação nunca é perdida. Porém, este enfoque não é adequado para executar operação de recuperação de imagens, pois para cada requisição de um subconjunto de imagens é necessária uma leitura seqüencial de todo o conjunto imagem. Geralm ente um software de aplicação médica é projetado para processar imagens originárias de um equipamento específico ou de tipos de exam es, então a solicitação de procurar por um conjunto de imagens para ser processada por uma aplicação específica é uma operação muito comum. No entanto, a leitura de grandes conjuntos de todas as características das imagens armazenadas é uma operação custosa. Então o PACS extrai valores de etiquetas específicas para cada im agem quando estas estão sendo armazenadas no sistema, dentro de tabelas de diretórios. Quando uma consulta solicita imagens baseadas nos valores das etiquetas, os diretórios são usados para selecionar as imagens solicitadas, acelerando o processo de respostas da consulta. Porém, a escolha de qual etiqueta que deve ser mantida nos diretórios é ineficiente, tornando todo o sistema inflexível, difícil de melhorar ou expandir, e difícil de efetuar manutenção. Além disso, operações de seleção de imagens usando técnicas de recuperação baseada em conteúdo são operações ortogonais em relação as operações de seleção de imagens usando o método baseado em etiquetas, resultando na duplicação de esforços, reduzindo assim a eficiência e a flexibilidade do sistema [5]. Este artigo mostra como melhorar os gerenciadores de bases de dados relacionais para suportar imagens. O sistema proposto pode ser usado com o base de mecanismos de armazenam ento de um PACS através da extensão do SQL padrão. Adicionando ao sistema resultante não somente as propriedades desejadas de flexibilidade, expansibilidade e alta m anutenibilidade fornecida pelo sistema relacional; mas também a consistência da distribuição de imagens presente no PACS e no formato DICOM e o suporte eficiente para operações de recuperação de imagens baseada em conteúdo, tendo-se também o cuidado de projetar a extensão SQL de forma a m inim izar as m odificações da linguagem e ao mesmo tempo maximizando o poder para expressar condições de recuperação de imagens. Os sistemas PACS foram construídos para centralizar o armazenamento de imagens, fornecendo uma forma de recupera-las baseada em protocolos bem definidos, e para distribuí-los para client workstation. Estes sistemas não são projetados para serem integrados como outros sistemas existentes, então não é natural incorporar-los em outras aplicações que já existem em um centro médico. Por outro lado, estes sistemas são usualmente construídos usando sistemas de base de dados relacionais, o que facilita a integração com diferentes sistemas que usam a linguagem de acesso relacional padrão, o SQL. Como os SGBD (Sistema de Gerenciam ento de Bancos de Dados) não dão suporte a operação de recuperação de imagem baseada no conteúdo da imagem, foi desenvolvida a camada CIRCE (Content-based Image Retrieval Core Engine), que monitora o fluxo de comunicação entre as aplicações e o servidor da base de dados. Esta comunicação é realizada por meio da versão estendida do SQL padrão. Esta extensão foi desenvolvida de modo a possibilitar a

3 armazenagem de imagens como um novo tipo de dado (o tipo image) permitindo a indexação e recuperação das imagens baseadas em seus conteúdos através de operadores de similaridade. Resumidamente, a Tabela 1 salienta os pontos principais em alguns dos sistemas com suporte a imagens. Vale ressaltar que o trabalho aqui descrito faz parte de um projeto maior do qual participam os grupos de pesquisa: GBDI (Grupo de Bases de Dados e Imagens) do ICMC -U SP (Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação) e o CCIFM-HC (Centro de Ciências das Imagens e Física Médica do Hospital das Clínicas) da FMRP- USP (Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto). Tabela 1 Sistemas com suporte a imagens Sistemas PACS QBIC CIRCE Metodologia Imagens Recuperação Arquitetur a Imagens são Baseado no Fechada armazenada form ato s juntas e DICOM etiquetadas Dados extraídos das imagens Tipo imagem usado como um tipo nativo no SGBD Imagem baseada em conteúdo Imagem baseada em conteúdo Fechada Aberta A recuperação de imagens baseada no conteúdo das mesmas é um processo que requer muito tempo de processam ento. Então geralmente as com parações entre as imagens são feitas por meio de um conjunto de características (extraídas das imagens que descrevem a imagem) e não através da própria imagem. Tais características podem ser fornecidas por especialistas. Porém, usando-se algoritm os autom áticos com a finalidade de obter tais características melhores resultados são alcançados, eliminado-se a subjetividade do processo, permitindo também o processamento de um a grande quantidade de dados. Um extrator é um algoritmo de processam ento de imagem que, aplicado sobre uma im agem, extrai um conjunto numérico de valores, usados para descrever a im agem. Um vetor de característica é um subconjunto de valores extraídos por um ou mais extratores sobre uma imagem. Vetores de característica podem ser usados para comparar pares de imagens, permitindo uma filtragem preliminar sobre o conjunto de imagens. Se uma nova imagem é armazenada na base de dados, um ou mais extratores obtém os vetores de características desta imagem, os quais são armazenados como atributos numéricos junto com a imagem. Quando as imagens precisam ser recuperadas, o m ecanismo de busca tenta encontrar as imagens mais similares, comparando as com as imagens solicitadas na consulta. Isto é feito usando-se o vetor de característica das imagens armazenadas e das imagens fornecidas para a consulta. Para suportar recuperação de imagens baseada na similaridade do conteúdo da imagem, é necessário definir o que significa similaridade. Isto é feito por meio da DF() (Distance Function). Uma função de distância métrica sobre duas imagens, ou seja, DF() é um algoritmo que compara os vetores de característica das duas imagens satisfazendo propriedades algébricas bem definidas (não negatividade, simétria e desigualdade triangular) em um domínio m étrico, e retorna um valor não negativo que é m enor quanto mais similar as imagens são. Como a DF() é construída usando vetores de característica, estes podem ter um a ou m ais DF() associadas para um dado conjunto de imagens. Por exemplo, uma DF() baseada no histograma [6], histograma métrico [7], no número de ocorrências do objeto [8], etc. Cada DF() usa um vetor de característica. Os operadores de comparação de sim ilaridade mais utilizados para recuperar imagens são os operadores: k-nearest neighbor e range. Dada uma imagem referência Ref i, o operador k-nearest neighbor retorna as k imagens m ais similares à imagem Ref i, e o operador range retorna as im agens m ais sim ilares a Ref i segundo um raio de abrangência dado. Para suportar este tipo de consultas, a extensão do SQL criada permitiu a definição dos seguintes conceitos: a definição de um tipo de dados imagem como um tipo nativo; a definição de vetores de características e a DF() correspondente; condições de sim ilaridade baseada nos operadores k-nearest neighbor e range; e a criação de estruturas de índices baseada nos vetores de característica e na DF(). Um dos principais conceitos é o fato de considerar imagens como outro tipo de dado nativo suportado pelo SGBD. Portanto as imagens são armazenadas como atributos em qualquer relação que as requer onde cada relação pode ter qualquer número de atributos do tipo image. Por exemplo, considere um registro de paciente que armazene em um a relação chamada Paciente atributos pertinente ao paciente e entre estes dois atributos

4 do tipo imagem: o atributo Foto e o atributo RaiosxPulmão. Imagens são declaradas usando o novo tipo de dado image no comando de criação da tabela. A arquitetura geral do CIRCE é ilustrada na Figura 1. Esta figura mostra três bases de dados: a base ADB (Application Database), IPV (Images and Parameter Values) e IDD (Image Data Definition) - apesar de todas serem fisicam ente constituídas da mesma base de dados. A base ADB corresponde a bases de dados de aplicações já existentes, tal como a base de dado adm inistrativa do hospital ou o tradicional sistema de cadastramento de registros de pacientes. As aplicações existentes não suportam imagens, então os atributos armazenados nas relações da base ADB são somente numéricos e/ou textos. A ADB pode ser consultada usando ou a SQL padrão ou a SQL estendida. No entanto, quando uma aplicação perm ite o suporte a imagens, esta aplicação deve usar o SQL estendido através do CIRCE. Figura 1 Arquitetura CIRCE Se um comando query (consulta) usa som ente atributos que não são do tipo image, o comando é m andado diretamente para o ADB. Se um atributo do tipo image está envolvido no comando query, CIRCE usa as bases de dados IPV e IDD, junto com as estruturas de indexação métrica e os parâmetros extraídos das imagens, para modificar o comando query, efetivamente implementando a recuperação de imagens baseada no conteúdo das mesmas. A estrutura de indexação usada é a Slim-tree [9], a estrutura de acesso m étrico m ais eficiente atualm ente. As bases de dados IPV e IDD mantêm informações sobre cada atributo imagem definido na aplicação. Para cada atributo uma nova relação é criada na base IPV, contendo dois atributos: um atributo blob armazenado realmente a imagem, e um identificador da imagem (ImId) criado autom aticamente pelo sistema. O identificador é um código numérico, único para cada imagem na base de dados, indiferente da relação ou atributo onde ele é armazenado. Todo comando create table envolvendo atributo imagem é modificado, colocando-se um tipo num érico no lugar do tipo de dado image, em seguida este comando modificado é enviado para o ADB. A correspondente relação da base de dados IPV é chamada após a concatenação da tabela e nomes dos atributos do atributo imagem original. Desta forma, as ocorrências destes atributos em com andos query são interceptadas pelo CIRCE e transformadas adequadamente. Por exemplo, a tabela Paciente com dois atributos do tipo image gera duas relações na base IPV. As relações Paciente_Foto e Paciente_RaiosxPulmão, cada relação com dois atributos: a imagem e o ImId. A comparação de duas imagens requer a definição de um a DF(). Isto é feito através de um único comando no SQL estendido: o comando create metric. Esta é a parte da DDL (Data Definition Language) do SQL. Cada DF() é associada com pelo menos um atributo imagem, e um atributo im agem pode ter qualquer número de DF(). Atributos imagem que não têm uma DF() não podem ser usados em condições de busca, então estes só são armazenados e recuperados na forma usual. No entanto, se uma ou mais DF() é(são) definida(s), esta(s) pode(m) ser usada(s) nas condições de busca baseada no conteúdo da imagem e nos m étodos de indexação m étricos. Uma DF() associa um ou mais extratores e um subconjunto de características recuperadas por eles. Consideram-se somente as características numéricas ou vetores de números. Quando a DF() é definida para um atributo imagem, a relação correspondente na base IPV é modificada para adicionar elementos do vetor de característica como atributos numéricos. A base IDD é o esquema para atributos imagem, e armazena informações sobre os extratores e seus parâmetros. Assim a base de dados guia o sistema para armazenar e recuperar atributos na base IPV. Quando uma relação envolvendo atributos do tipo image é armazenada, cada imagem é processada pelo conjunto de extratores no módulo XP (Parameter Extractors), seguindo as definições de recuperação da base IDD. Após esta operação, seu ImId é criado e armazenado, junto com a imagem e o vetor de característica, na base IPV. A relação original é armazenada na ADB, trocandose as imagens pelos correspondentes identificadores ImId. Índices podem ser criados para cada imagem usando a DF() definida para eles. Se uma nova imagem é armazenada em um atributo que

5 pode ser indexado, o vetor de característica é usado para indexar a imagem. Quando um atributo imagem é indexado, uma Slim-tree deve ser criada para cada métrica definida para este atributo. Isto possibilita a recuperação de im agens baseadas em m ais de um critério de similaridade, permitindo ao usuário escolher qual é o critério necessário para responder cada consulta. Cada Slim-tree armazena o ImId e o vetor de característica extraído para cada imagem. Permitindo a execução de procedimentos de busca de k-nearest neighbors e range usando os vetores de características como entrada e retornando o conjunto de ImId que responde a consulta. Por m eio destes identificadores (ImId) a base IPV é utilizada para recuperar as imagens reais que, são passadas como resposta da requisição solicitada. base não estava preparada para que as consultas fossem realizadas utilizando-se a DF()). Porém, mais importante que a expressiva redução do tem po requerido no processamento total, é o fato de que as operações de consulta podem ser desempenhadas usando-se a extensão da linguagem de consulta que foi desenvolvida. Resultados CIRCE foi implementado usando a linguagem C++ utilizando o ambiente de programação C++Builder da Borland, rodando no sistema operacional MS-Windows NT acessando um servidor de banco de dados Oracle. A máquina servidor utilizada foi um IBM NteInfinity com 256 MBytes de memória e discos SCSI, com um processador Pentium III 800 Mhz. A máquina cliente foi um Pentiun III 750 Mhz com 256 MBytes de memória, conectada ao servidor através de um link Ethernet 100 Mhz. Para a medida de desempenho obtida, foi modificada uma aplicação existente que busca um conjunto de doença específica. A versão original recupera todo o conjunto de tomografias da cabeça com o auxílio do servidor Oracle usando SQL padrão, e então pré-processa cada imagem usando filtros baseados em histogramas. Usandose um conjunto de 5049 tomografias da cabeça (~2gBytes de disco), o total de tempo obtido na resposta foi aproxim adamente de quatro horas. Na versão modificada, uma DF() foi criada utilizandose a arquitetura CIRCE, usando-se o extrator histograma métrico. A fase de pré-processamento da aplicação foi removida, recuperando-se as imagens através de comandos SQL modificado, usando-se o operador de similaridade range query para recuperar as imagens e o histograma métrico como filtro inicial. Trabalhando no mesmo conjunto de tomografias, o tempo total obtido para a resposta caiu para 10 minutos, selecionando-se ainda as mesmas imagens anteriores. O tempo de resposta da consulta foi até 20 vezes m ais rápido. Vale observar que o tempo para extrair o histograma métrico e para criar a estrutura de índice Slim-tree tomou 25 minutos (uma vez que a Figura 2 Recuperação de atributos do tipo image Para suportar o desenvolvimento de aplicações que usam o SQL estendido, foi desenvolvida uma nova versão da ferramenta ISQL (Interactive-SQL) a ferramenta IISQL (Imageenabled Interactive-SQL). Com o a ISQL, a ferramenta IISQL apresenta uma janela onde o usuário pode digitar comandos da linguagem SQL estendida, e a outra janela onde os atributos textuais e numéricos são mostrados como resultado de uma consulta. Porém, a ferramenta IISQL adiciona a interface ISQL uma nova janela, onde os atributos do tipo image de uma relação selecionada podem ser visualizados. A Figura 2 ilustra um a tela da ferramenta IISQL mostrando uma consulta simples sobre a relação patient. Discussão e Conclusões Este artigo descreveu como uma poderosa extensão pode ser feita com poucas modificações na linguagem relacional padrão SQL. Um protótipo foi implem entado e conectado a uma base de dado relacional usado em um centro radiológico em um grande hospital. A abordagem adota no sistema CIRCE oferece o suporte à recuperação baseada em conteúdo de imagens em uma arquitetura aberta. Pois perm ite utilizar qualquer gerenciador relacional comercial que ofereça o suporte à armazenagem de imagens como cam pos longos, e

6 não exige alterações nos esquemas dos aplicativos já existentes num ambiente hospitalar, habilita o suporte à imagens com um mínimo de impacto na estrutura já existente. Resultados preliminares obtidos constatam também que o tempo de resposta é bom, tendo até agora se mostrado sistematicamente melhor do que o obtido por sistemas de arquitetura fechada. Agradecimentos Os autores agradecem à FAPESP e ao CNPq o suporte financeiro para a realização deste trabalho. Referências [1] Araujo, M. R. B., Traina, A., Traina, C. J., (2002), Extending SQ L to Support Image Contentbased Retrieval, in IASTED ISDB, Tokyo, Japan. [2] Flickner, M., Sawhney, H., Niblack, W., Ashley, J., Huang, Q., Dom, B., Gorkani, M., Hafner, J., Lee, D., Petkovic, D., Steele, D., Yanker (1995), Query by Image and Video Content: The QBIC System, IEEE Computer, vol. 28, p [3] Horiil, S.C. (1994), DICOM: An introduction to the standard, Disponível na URL: COMIntro.html. [4] Cao, X., Huang, H. K. (2000), Current Status and Future Advances of Digital Radiography and PACS, IEEE EMBMag, vol. 9, p [5] Araujo, M. R. B., Traina, C. J., Traina, A., Bueno, J. M., Razente, H. L. (2002), Extending Relational Databases to Support Content-based Retrieval of Medical Images, in IEEE CBMS, Maribor, Slovenia, p [6] Brunelli, R., Mich, O. (1999), On the Use of Histograms for Image Retrieval, IEEE ICMCS, Florence, p [7] Traina, A., Traina, C. Jr., Bueno, J. M., Marques, P. M. A. (2002), The Metric Histogram: A New and Efficient Approach for Content-based Image Retrieval, in IFIP VDB, Brisbane, Australia. [8] Comunello, E.,Wangenheim, A. V., Barreto, J.M., Borges, P.S., Wille, P.R., Bittencourt, P.C., Krechel, D., Faber, K. (1999), CT Scans with Neurocysticercosis in Epileptics Patients: A Computer-Based Method for Detection and Quantification, in 12th IEEE CBMS'00, Stamford, CO, p [9] Traina, C. Jr., Traina, A., Faloutsos, C., Seeger, B. (2002), Fast Indexing and Visualization of Metric Datasets Using Slim-trees, IEEE TKDE, vol. 14, p Contato 1,2, 3 Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Universidade de São Paulo ICMC/USP Av. do Trabalhador São-Carlense, CEP São Carlos (SP) [mrenata caetano 4 Centro de Ciências das Im agens e Física Médica FMRP/USP Rua Marechal Deodoro, Ribeirão Preto (SP)

Sistema de Recuperação de Imagens Similares em um Hospital Universitário

Sistema de Recuperação de Imagens Similares em um Hospital Universitário Sistema de Recuperação de Imagens Similares em um Hospital Universitário Natália Abdala Rosa 1,6, Roberto Figueira Santos Filho 2, Josiane M. Bueno 3, Agma J. M. Traina 4, Caetano Traina Junior 5 1,2,3,4,5

Leia mais

Extensão do SGBD PostgreSQL para suportar recuperação de imagens por conteúdo

Extensão do SGBD PostgreSQL para suportar recuperação de imagens por conteúdo Extensão do SGBD PostgreSQL para suportar recuperação de imagens por conteúdo Ernani Viriato de Melo V Jornada Científica 24/10/2006 Tópicos Abordados Motivação Imagens e Características PostgreSQL-IE:

Leia mais

Proposta de um Padrão de Metadados Para Imagens Médicas

Proposta de um Padrão de Metadados Para Imagens Médicas Proposta de um Padrão de Metadados Para Imagens Médicas Fabio Massao Hasegawa 1,2, João Paulo Aires 1,3 1 UTFPR - Universidade Tecnológica Federal do Paraná - Campus Ponta Grossa Av. Monteiro Lobato, Km

Leia mais

Projeto FlexiGrid IWA. Sistema de Armazenamento e Comunicação de Imagens

Projeto FlexiGrid IWA. Sistema de Armazenamento e Comunicação de Imagens Projeto FlexiGrid IWA Sistema de Armazenamento e Comunicação de Imagens Aristófanes C. Silva Danilo Launde Lúcio Dias Roteiro PACS Definição Infra-Estrutura Camadas Problemas Soluções DICOM IWA Histórico

Leia mais

Implantação de PACS com Suporte à Recuperação de Imagens Baseada em Conteúdo em Hospital Universitário

Implantação de PACS com Suporte à Recuperação de Imagens Baseada em Conteúdo em Hospital Universitário X CONGRESSO BRASILEIRO DE INFORMÁTICA EM SAÚDE Implantação de PACS com Suporte à Recuperação de Imagens Baseada em Conteúdo em Hospital Universitário Autores: Edilson Carlos Caritá Enzo Seraphim Marcelo

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

Uma Proposta de Recuperação de Imagens Mamográficas Baseada em Conteúdo

Uma Proposta de Recuperação de Imagens Mamográficas Baseada em Conteúdo Uma Proposta de Recuperação de Imagens Mamográficas Baseada em Conteúdo H. E. R. Gato 1,3, F. L. S. Nunes 2 e H. Schiabel 1 1 USP- Depto. de Engenharia Elétrica, São Carlos, Brasil 2 Centro Universitário

Leia mais

Roteiro. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Conceitos e Arquiteturas de Sistemas de Banco de Dados. BCC321 - Banco de Dados I

Roteiro. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Conceitos e Arquiteturas de Sistemas de Banco de Dados. BCC321 - Banco de Dados I Roteiro Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados Luiz Henrique de Campos Merschmann Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto luizhenrique@iceb.ufop.br www.decom.ufop.br/luiz

Leia mais

Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s

Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s Curso de Gestão em SI Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s Rodrigo da Silva Gomes (Extraído do material do prof. Ronaldo Melo - UFSC) Banco de Dados (BD) BD fazem parte do nosso dia-a-dia!

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

O Software Face Match

O Software Face Match Apêndice A O Software Face Match A.1 - Desenvolvimento do software para a extração de características de imagens de faces humanas: Face Match. Para dar suporte à proposta do trabalho de mestrado iniciou-se

Leia mais

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias 2 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias Modelo de dados: Conjunto de conceitos

Leia mais

Banco de Dados. Uma coleção de dados relacionados [ELMASRI/NAVATHE]

Banco de Dados. Uma coleção de dados relacionados [ELMASRI/NAVATHE] 1/6 Banco de Dados O que é um Banco de Dados? Uma coleção de dados relacionados [ELMASRI/NAVATHE] Conjunto de dados integrados que tem por objetivo atender a uma comunidade específica [HEUSER] Um conjunto

Leia mais

Modelos de Dados e Arquitetura de um SGBD. Introdução 1º Bimestre Prof. Patrícia Lucas

Modelos de Dados e Arquitetura de um SGBD. Introdução 1º Bimestre Prof. Patrícia Lucas Modelos de Dados e Arquitetura de um SGBD Introdução 1º Bimestre Prof. Patrícia Lucas Abstração Modelo de Dados Conjunto de conceitos que podem ser utilizados para descrever a estrutura lógica e física

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Recuperação de imagens médicas em bases de dados distribuídas

Recuperação de imagens médicas em bases de dados distribuídas Recuperação de imagens médicas em bases de dados distribuídas Vágner Nepumuceno Guimarães Orient.: Paulo Eduardo Ambrósio Introdução O avanço tecnológico vem influenciando cada vez mais na área médica.

Leia mais

SQL APOSTILA INTRODUÇÃO A LINGUAGEM SQL

SQL APOSTILA INTRODUÇÃO A LINGUAGEM SQL SQL APOSTILA INTRODUÇÃO Uma linguagem de consulta é a linguagem por meio da qual os usuários obtêm informações do banco de dados. Essas linguagens são, tipicamente, de nível mais alto que as linguagens

Leia mais

Recuperação de Imagens Médicas por Conteúdo em um Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados de Código Livre

Recuperação de Imagens Médicas por Conteúdo em um Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados de Código Livre Recuperação de Imagens Médicas por Conteúdo em um Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados de Código Livre Humberto Razente, Maria Camila N. Barioni, Agma J. M. Traina, Caetano Traina Jr. GBDI Grupo

Leia mais

Interface DICOM para Captura e Transmissão de Imagens Médicas

Interface DICOM para Captura e Transmissão de Imagens Médicas Interface DICOM para Captura e Transmissão de Imagens Médicas Diego Ferreira dos Santos 1, Eduardo Tavares Costa 2, Marco Antônio Gutierrez 3 1,2 Departamento de Engenharia Biomédica (DEB),Faculdade de

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM MÉTODO PARA REFINAMENTO DE RESPOSTAS BASEADO EM RELEVANCE FEEDBACK PARA REFINAR CONSULTAS POR SIMILARIDADE

DESENVOLVIMENTO DE UM MÉTODO PARA REFINAMENTO DE RESPOSTAS BASEADO EM RELEVANCE FEEDBACK PARA REFINAR CONSULTAS POR SIMILARIDADE CONVÊNIOS CNPq/UFU & FAPEMIG/UFU Universidade Federal de Uberlândia Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação DIRETORIA DE PESQUISA COMISSÃO INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA 2008 UFU 30 anos DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Sistemas de Banco de Dados Aspectos Gerais de Banco de Dados

Sistemas de Banco de Dados Aspectos Gerais de Banco de Dados Sistemas de Banco de Dados Aspectos Gerais de Banco de Dados 1. Conceitos Básicos No contexto de sistemas de banco de dados as palavras dado e informação possuem o mesmo significado, representando uma

Leia mais

Organizaçãoe Recuperação de Informação GSI521. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU

Organizaçãoe Recuperação de Informação GSI521. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Organizaçãoe Recuperação de Informação GSI521 Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Introdução Organização e Recuperação de Informação(GSI521) Tópicos Recuperação de informação (RI); Breve histórico; O

Leia mais

O que são Bancos de Dados?

O que são Bancos de Dados? SQL Básico Liojes de Oliveira Carneiro professor.liojes@gmail.com www.professor-liojes.blogspot.com O que são Bancos de Dados? É o software que armazena, organiza, controla, trata e distribui os dados

Leia mais

Fundamentos de Banco de Dados

Fundamentos de Banco de Dados Fundamentos de Banco de Dados SISTEMAS BASEADOS NO PROCESSAMENTO DE ARQUIVOS Sistema A Funcionário Pagamento Cargo Sistema B Funcionário Projeto SISTEMAS GERENCIADORES DE BANCO DE DADOS (SGBD) Sistema

Leia mais

Revisão de Banco de Dados

Revisão de Banco de Dados Revisão de Banco de Dados Fabiano Baldo 1 Sistema de Processamento de Arquivos Antes da concepção dos BDs o registro das informações eram feitos através de arquivos. Desvantagens: Redundância e Inconsistência

Leia mais

Administração de Banco de Dados

Administração de Banco de Dados Administração de Banco de Dados Professora conteudista: Cida Atum Sumário Administração de Banco de Dados Unidade I 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS...1 1.1 Histórico...1 1.2 Definições...2 1.3 Importância

Leia mais

1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD

1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD Introdução 1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD A importância da informação para a tomada de decisões nas organizações tem impulsionado o desenvolvimento dos sistemas de processamento de informações.

Leia mais

Introdução Banco de Dados

Introdução Banco de Dados Introdução Banco de Dados Vitor Valerio de Souza Campos Adaptado de Vania Bogorny Por que estudar BD? Os Bancos de Dados fazem parte do nosso dia-a-dia: operação bancária reserva de hotel matrícula em

Leia mais

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server Noções de 1 Considerações Iniciais Basicamente existem dois tipos de usuários do SQL Server: Implementadores Administradores 2 1 Implementadores Utilizam o SQL Server para criar e alterar base de dados

Leia mais

Implantação de PACS com Suporte à Recuperação de Imagens Baseada em Conteúdo em Hospital Universitário

Implantação de PACS com Suporte à Recuperação de Imagens Baseada em Conteúdo em Hospital Universitário Implantação de PACS com Suporte à Recuperação de Imagens Baseada em Conteúdo em Hospital Universitário Edilson Carlos Caritá 1, Enzo Seraphim 2, Marcelo Ossamu Honda 1, Paulo Mazzoncini de Azevedo Marques

Leia mais

BIRAM: Sistema para Recuperação de Imagens por Conteúdo

BIRAM: Sistema para Recuperação de Imagens por Conteúdo BIRAM: Sistema para Recuperação de Imagens por Conteúdo Ramón n A. Moreno e Sérgio S S. Furuie Instituto do Coração (InCor) de São Paulo - HCFMUSP Introdução Sistemas de Recuperação de Imagens Baseado

Leia mais

Uso de parâmetro de percepção para melhoria de qualidade de resultados de buscas por conteúdo de imagens

Uso de parâmetro de percepção para melhoria de qualidade de resultados de buscas por conteúdo de imagens Uso de parâmetro de percepção para melhoria de qualidade de resultados de buscas por conteúdo de imagens Carolina Massae Kita 1, Daniel dos Santos Kaster 1 1 Departamento de Computação Universidade Estadual

Leia mais

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd.

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd. Apresentação Este curso tem como objetivo, oferecer uma noção geral sobre a construção de sistemas de banco de dados. Para isto, é necessário estudar modelos para a construção de projetos lógicos de bancos

Leia mais

Introdução. Banco de dados. Por que usar BD? Por que estudar BD? Exemplo de um BD. Conceitos básicos

Introdução. Banco de dados. Por que usar BD? Por que estudar BD? Exemplo de um BD. Conceitos básicos Introdução Banco de Dados Por que usar BD? Vitor Valerio de Souza Campos Adaptado de Vania Bogorny 4 Por que estudar BD? Exemplo de um BD Os Bancos de Dados fazem parte do nosso dia-a-dia: operação bancária

Leia mais

José Benedito Lopes Junior ¹, Marcello Erick Bonfim 2

José Benedito Lopes Junior ¹, Marcello Erick Bonfim 2 ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 Definição de uma tecnologia de implementação e do repositório de dados para a criação da ferramenta

Leia mais

O Termo SIG é aplicado para sistemas que realizam o tratamento computacional de dados geográficos

O Termo SIG é aplicado para sistemas que realizam o tratamento computacional de dados geográficos Prof. Herondino O Termo SIG é aplicado para sistemas que realizam o tratamento computacional de dados geográficos Inserir e integrar, numa única base de dados informações espaciais provenientes de: meio

Leia mais

Sistema de Busca, Recuperação e Visualização de Imagens Médicas: Laudo Web

Sistema de Busca, Recuperação e Visualização de Imagens Médicas: Laudo Web Sistema de Busca, Recuperação e Visualização de Imagens Médicas: Laudo Web Edilson Carlos Caritá 1,2, André Luiz Mendes Matos 1, Paulo Mazzoncini de Azevedo Marques 1 1 Centro de Ciências das Imagens e

Leia mais

Banco de Dados Conceito de Arquitetura

Banco de Dados Conceito de Arquitetura Banco de Dados Conceito de Arquitetura Wireless-Optical Broadband Acess Network APRESENTAÇÃO Graduado SI Engenharia de Software Gerenciamento de Projetos Mecatrônica Mestrando CONCEITO DE BD MODELO DE

Leia mais

2. Conceitos e Arquitetura de Bancos de Dados

2. Conceitos e Arquitetura de Bancos de Dados Bancos de Dados 2. Conceitos e Arquitetura de Bancos de Dados 1 Arquitetura Moderna de SGBD SGBD antigos eram monolíticos e rígidos, voltados para funcionamento em ambientes centralizados (mainframes e

Leia mais

Introdução. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos

Introdução. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos Conceitos Básicos Introdução Banco de Dados I Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Departamento de Computação DECOM Dados

Leia mais

Laboratório de Banco de Dados

Laboratório de Banco de Dados Universidade Federal de Mato Grosso-UFMT Sistemas de Informação Laboratório de Banco de Dados Prof. Clóvis Júnior Laboratório de Banco de Dados Conteúdo Administração de Usuários de Papéis; Linguagens

Leia mais

Automação de Locais Distantes

Automação de Locais Distantes Automação de Locais Distantes Adaptação do texto Improving Automation at Remote Sites da GE Fanuc/ Water por Peter Sowmy e Márcia Campos, Gerentes de Contas da. Nova tecnologia reduz custos no tratamento

Leia mais

Fundamentos dos Sistemas de Informação Organização de Dados e Informações

Fundamentos dos Sistemas de Informação Organização de Dados e Informações Fundamentos dos Sistemas de Informação Organização de Dados e Informações http://professor.fimes.edu.br/milena milenaresende@fimes.edu.br Sistema de Gerenciamento de Bases de Dados (DBMS) A implementação

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB PARA VISUALIZAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DOS DADOS CLIMATOLÓGICOS DO CPTEC/INPE

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB PARA VISUALIZAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DOS DADOS CLIMATOLÓGICOS DO CPTEC/INPE DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB PARA VISUALIZAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DOS DADOS CLIMATOLÓGICOS DO CPTEC/INPE Luciana Maria de Castro Mira¹, Bianca Antunes de S. R. Alves 2, Ana Paula Tavares 3, Luíz Henrique

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I. de Computadores

Organização e Arquitetura de Computadores I. de Computadores Universidade Federal de Campina Grande Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Organização e Arquitetura de Computadores I Organização Básica B de Computadores

Leia mais

Programação Concorrente Processos e Threads

Programação Concorrente Processos e Threads Programação Concorrente Processos e Threads Prof. Eduardo Alchieri Processos O conceito mais central em qualquer sistema operacional é o processo Uma abstração de um programa em execução Um programa por

Leia mais

Banco de Dados. 13 - Arquiteturas para SGBDs

Banco de Dados. 13 - Arquiteturas para SGBDs Banco de Dados 13 - Arquiteturas para SGBDs 1 Tópicos Caracterização de SGBDs SGBDs Centralizados SGBDs Cliente-Servidor SGBDs Distribuídos Homogêneos Multi-SGBDs Heterogêneos SGBDs Paralelos SGBDs e a

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS. 1. Conceitos básicos de BD, SBD e SGBD BANCO DE DADOS I

CONCEITOS BÁSICOS. 1. Conceitos básicos de BD, SBD e SGBD BANCO DE DADOS I CONCEITOS BÁSICOS 1. Conceitos básicos de BD, SBD e SGBD A importância da informação para a tomada de decisões nas organizações tem impulsionado o desenvolvimento dos sistemas de processamento de informações.

Leia mais

Banco de Dados. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Profa. Flávia Cristina Bernardini

Banco de Dados. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Profa. Flávia Cristina Bernardini Banco de Dados Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados Profa. Flávia Cristina Bernardini Relembrando... Vantagens da Utilização de SGBD Redundância controlada Consistência dos dados armazenados

Leia mais

Banco de Dados. Prof. Antonio

Banco de Dados. Prof. Antonio Banco de Dados Prof. Antonio SQL - Structured Query Language O que é SQL? A linguagem SQL (Structure query Language - Linguagem de Consulta Estruturada) é a linguagem padrão ANSI (American National Standards

Leia mais

Relatório do Trabalho Final da Disciplina de Engenharia de Software de Componentes

Relatório do Trabalho Final da Disciplina de Engenharia de Software de Componentes Relatório do Trabalho Final da Disciplina de Engenharia de Software de Componentes 1. Proposta de trabalho final: Thiago Coelho Prado Configuração em tempo de compilação de um servidor de imagens médicas

Leia mais

Revisão: Introdução. - Integração com o AutoManager; 1 Atualização de versão do banco de dados PostgreSQL

Revisão: Introdução. - Integração com o AutoManager; 1 Atualização de versão do banco de dados PostgreSQL Urano Indústria de Balanças e Equipamentos Eletrônicos Ltda. Rua Irmão Pedro 709 Vila Rosa Canoas RS Fone: (51) 3462.8700 Fax: (51) 3477.4441 Características do Software Urano Integra 2.2 Data: 12/05/2014

Leia mais

Bancos de Dados. Conceitos F undamentais em S is temas de B ancos de Dados e s uas Aplicações

Bancos de Dados. Conceitos F undamentais em S is temas de B ancos de Dados e s uas Aplicações Conceitos F undamentais em S is temas de B ancos de Dados e s uas Aplicações Tópicos Conceitos Básicos Bancos de Dados Sistemas de Bancos de Dados Sistemas de Gerenciamento de Bancos de Dados Abstração

Leia mais

Introdução ao SQL. O que é SQL?

Introdução ao SQL. O que é SQL? Introdução ao SQL 1 O que é SQL? Inicialmente chamada de Sequel, SQL (Structured Query Language), é a linguagem padrão utilizada para comunicar-se com um banco de dados relacional. A versão original foi

Leia mais

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido Arquitetura Roteiro Arquitetura Tipos de Arquitetura Centralizado Descentralizado Hibrido Questionário 2 Arquitetura Figura 1: Planta baixa de uma casa 3 Arquitetura Engenharia de Software A arquitetura

Leia mais

Disciplina de Banco de Dados Introdução

Disciplina de Banco de Dados Introdução Disciplina de Banco de Dados Introdução Prof. Elisa Maria Pivetta CAFW - UFSM Banco de Dados: Conceitos A empresa JJ. Gomes tem uma lista com mais ou menos 4.000 nomes de clientes bem como seus dados pessoais.

Leia mais

DICOM-Database: Uma ferramenta de suporte à extração e publicação de imagens médicas DICOM através da Internet

DICOM-Database: Uma ferramenta de suporte à extração e publicação de imagens médicas DICOM através da Internet DICOM-Database: Uma ferramenta de suporte à extração e publicação de imagens médicas DICOM através da Internet Renato Rangel Guimarães 1, Jacob Scharcanski 2 1 Universidade Católica de Pelotas (UCPel)-

Leia mais

FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS. Bancos de Dados Conceitos Fundamentais

FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS. Bancos de Dados Conceitos Fundamentais FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS Bancos de Dados Conceitos Fundamentais Tópicos Conceitos Básicos Bancos de Dados Sistemas de Bancos de Dados Sistemas de Gerenciamento de Bancos

Leia mais

LINEAR EQUIPAMENTOS RUA SÃO JORGE, 269 - TELEFONE: 6823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP 09530-250

LINEAR EQUIPAMENTOS RUA SÃO JORGE, 269 - TELEFONE: 6823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP 09530-250 LINEAR EQUIPAMENTOS RUA SÃO JORGE, 269 - TELEFONE: 6823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP 09530-250 Recomendações Iniciais SOFTWARE HCS 2005 - VERSÃO 4.2 (Compatível com Guarita Vr4.03 e Vr4.04) Para

Leia mais

Sistema Online de Gerenciamento de Dados Clínicos Utilizando RIA (Rich Internet Applications)

Sistema Online de Gerenciamento de Dados Clínicos Utilizando RIA (Rich Internet Applications) Sistema Online de Gerenciamento de Dados Clínicos Utilizando RIA (Rich Internet Applications) ANTUNES, M. S.¹, SILVA, R. E. S. 2 (orientadora) ¹ Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas RS (FATEC-PEL) Rua

Leia mais

Prof. Omero, pág. 63. Banco de Dados InterBase.

Prof. Omero, pág. 63. Banco de Dados InterBase. Prof. Omero, pág. 63 O que é o InterBase? O InterBase é um SGBDR - Sistema Gerenciador de Banco de Dados Cliente/Servidor Relacional 1 que está baseado no padrão SQL ANSI-9, de alta performance, independente

Leia mais

Nathalie Portugal Vargas

Nathalie Portugal Vargas Nathalie Portugal Vargas 1 Introdução Trabalhos Relacionados Recuperação da Informação com redes ART1 Mineração de Dados com Redes SOM RNA na extração da Informação Filtragem de Informação com Redes Hopfield

Leia mais

CAROLINA MASSAE KITA USO DE PARÂMETRO DE PERCEPÇÃO PARA MELHORIA DE QUALIDADE DE RESULTADOS DE BUSCAS POR CONTEÚDO DE IMAGENS

CAROLINA MASSAE KITA USO DE PARÂMETRO DE PERCEPÇÃO PARA MELHORIA DE QUALIDADE DE RESULTADOS DE BUSCAS POR CONTEÚDO DE IMAGENS CAROLINA MASSAE KITA USO DE PARÂMETRO DE PERCEPÇÃO PARA MELHORIA DE QUALIDADE DE RESULTADOS DE BUSCAS POR CONTEÚDO DE IMAGENS LONDRINA PR 2013 CAROLINA MASSAE KITA USO DE PARÂMETRO DE PERCEPÇÃO PARA MELHORIA

Leia mais

Aula 02 Modelagem de Dados. Banco de Dados. Aula 02 Modelagem de Dados. Superior /2011 Redes Computadores - Disciplina: Banco de Dados -

Aula 02 Modelagem de Dados. Banco de Dados. Aula 02 Modelagem de Dados. Superior /2011 Redes Computadores - Disciplina: Banco de Dados - Banco de Dados Aula 02 Modelagem de Dados Roteiro Definição Evolução Projeto de BD Abstração Esquema e Instância Definição É uma representação, normalmente gráfica, de estruturas de dados reais. Auxilia

Leia mais

Prof. Antonio Almeida de Barros Jr. Prof. Antonio Almeida de Barros Junior

Prof. Antonio Almeida de Barros Jr. Prof. Antonio Almeida de Barros Junior Prof. Antonio Almeida de Barros Jr. Introdução Dados Informações Banco de Dados Conceitos Básicos em Bancos de Dados Definição BD - Banco de Dados SGBD - Sistema de Gerenciamento de BD Programa de Aplicação

Leia mais

Configurando o DDNS Management System

Configurando o DDNS Management System Configurando o DDNS Management System Solução 1: Com o desenvolvimento de sistemas de vigilância, cada vez mais usuários querem usar a conexão ADSL para realizar vigilância de vídeo através da rede. Porém

Leia mais

CMS Cyclops Medical Station. Manual de Instalação

CMS Cyclops Medical Station. Manual de Instalação CMS Cyclops Medical Station Manual de Instalação CMS Cyclops Medical Station Manual de Instalação http://www.telemedicina.ufsc.br/cms/ mailto: cms@telemedicina.ufsc.br INE (telefone) +55 048 3331 9498

Leia mais

Hoje é inegável que a sobrevivência das organizações depende de dados precisos e atualizados.

Hoje é inegável que a sobrevivência das organizações depende de dados precisos e atualizados. BANCO DE DADOS Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Ciência da Computação Prof. Alexandre Veloso de Matos alexandre.matos@udesc.br INTRODUÇÃO Hoje é

Leia mais

Conceitos de Banco de Dados

Conceitos de Banco de Dados Conceitos de Banco de Dados Autor: Luiz Antonio Junior 1 INTRODUÇÃO Objetivos Introduzir conceitos básicos de Modelo de dados Introduzir conceitos básicos de Banco de dados Capacitar o aluno a construir

Leia mais

Figura 01 Kernel de um Sistema Operacional

Figura 01 Kernel de um Sistema Operacional 01 INTRODUÇÃO 1.5 ESTRUTURA DOS SISTEMAS OPERACIONAIS O Sistema Operacional é formado por um Conjunto de rotinas (denominado de núcleo do sistema ou kernel) que oferece serviços aos usuários e suas aplicações

Leia mais

INTRODUÇÃO BANCO DE DADOS. Prof. Msc. Hélio Esperidião

INTRODUÇÃO BANCO DE DADOS. Prof. Msc. Hélio Esperidião INTRODUÇÃO BANCO DE DADOS Prof. Msc. Hélio Esperidião BANCO DE DADOS Podemos entender por banco de dados qualquer sistema que reúna e mantenha organizada uma série de informações relacionadas a um determinado

Leia mais

Arquitetura de Banco de Dados

Arquitetura de Banco de Dados Arquitetura de Banco de Dados Daniela Barreiro Claro MAT A60 DCC/IM/UFBA Arquitetura de Banco de dados Final de 1972, ANSI/X3/SPARC estabeleceram o relatório final do STUDY GROUP Objetivos do Study Group

Leia mais

Banco de Dados 1 Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante

Banco de Dados 1 Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante Banco de Dados 1 Programação sucinta do curso:. Conceitos fundamentais de Banco de Dados.. Arquitetura dos Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados (SGBD ou DBMS).. Características típicas de um SGBD..

Leia mais

FAT32 ou NTFS, qual o melhor?

FAT32 ou NTFS, qual o melhor? FAT32 ou NTFS, qual o melhor? Entenda quais as principais diferenças entre eles e qual a melhor escolha O que é um sistema de arquivos? O conceito mais importante sobre este assunto, sem sombra de dúvidas,

Leia mais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Prof. Marcos Francisco Pereira da Silva Especialista em Engenharia de Software Jogos Digitais - Computação Gráfica 1 Agenda Vantagens de usar a abordagem

Leia mais

Fábrica de Software 29/04/2015

Fábrica de Software 29/04/2015 Fábrica de Software 29/04/2015 Crise do Software Fábrica de Software Analogias costumam ser usadas para tentar entender melhor algo ou alguma coisa. A idéia é simples: compara-se o conceito que não se

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

5 Mecanismo de seleção de componentes

5 Mecanismo de seleção de componentes Mecanismo de seleção de componentes 50 5 Mecanismo de seleção de componentes O Kaluana Original, apresentado em detalhes no capítulo 3 deste trabalho, é um middleware que facilita a construção de aplicações

Leia mais

14/08/2008. Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan

14/08/2008. Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 2 Introdução a SQL 2 Leitura Obrigatória ELMASRI,

Leia mais

Software automatizado para controle de consultas da clínica de fisioterapia

Software automatizado para controle de consultas da clínica de fisioterapia Software automatizado para controle de consultas da clínica de fisioterapia Jeverson Siqueira 1, Wallace Caldeira 1, Jorge Aikes Junior 1 1 Ciência da Computacão Faculdades Anglo Americano de Foz do Iguaçu

Leia mais

Comandos de Manipulação

Comandos de Manipulação SQL - Avançado Inserção de dados; Atualização de dados; Remoção de dados; Projeção; Seleção; Junções; Operadores: aritméticos, de comparação,de agregação e lógicos; Outros comandos relacionados. SQL SQL

Leia mais

Desenvolvendo uma Arquitetura de Componentes Orientada a Serviço SCA

Desenvolvendo uma Arquitetura de Componentes Orientada a Serviço SCA Desenvolvendo uma Arquitetura de Componentes Orientada a Serviço SCA RESUMO Ricardo Della Libera Marzochi A introdução ao Service Component Architecture (SCA) diz respeito ao estudo dos principais fundamentos

Leia mais

CONECTIVIDADE INOVADORA. MULTI-SITE E MULTI-FORNECEDORES. UMA ÚNICA LISTA DE TRABALHO GLOBAL. Vue Connect. Enterprise IMAGE/ARTWORK AREA

CONECTIVIDADE INOVADORA. MULTI-SITE E MULTI-FORNECEDORES. UMA ÚNICA LISTA DE TRABALHO GLOBAL. Vue Connect. Enterprise IMAGE/ARTWORK AREA Vue Connect Enterprise Workflow MULTI-SITE E MULTI-FORNECEDORES. UMA ÚNICA LISTA DE TRABALHO GLOBAL. Para empresas que possuem diversas unidades, uma ampla gama de instalações, fluxo de trabalho departamental

Leia mais

SGD - Sistema de Gestão de Documentos

SGD - Sistema de Gestão de Documentos Agosto/2012 SGD - Sistema de Gestão de Documentos Manual do Módulo Documentos Características Orientações de utilização do Módulo Documentos. Apresentação das funcionalidades. Telas explicativas e passo

Leia mais

7 Utilização do Mobile Social Gateway

7 Utilização do Mobile Social Gateway 7 Utilização do Mobile Social Gateway Existem três atores envolvidos na arquitetura do Mobile Social Gateway: desenvolvedor do framework MoSoGw: é o responsável pelo desenvolvimento de novas features,

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE DE HELP DESK. Frederico Calazans Barbosa UBC - Universidade Braz Cubas Mogi das Cruzes/ SP

SISTEMA DE CONTROLE DE HELP DESK. Frederico Calazans Barbosa UBC - Universidade Braz Cubas Mogi das Cruzes/ SP SISTEMA DE CONTROLE DE HELP DESK Frederico Calazans Barbosa UBC - Universidade Braz Cubas Mogi das Cruzes/ SP Antonio Carlos da Cunha Migliano UBC - Universidade Braz Cubas Mogi das Cruzes/ SP RESUMO Este

Leia mais

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE Um estudo sobre os aspectos de desenvolvimento e distribuição do SIE Fernando Pires Barbosa¹, Equipe Técnica do SIE¹ ¹Centro de Processamento de Dados, Universidade Federal de Santa Maria fernando.barbosa@cpd.ufsm.br

Leia mais

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 3 Implementação do SMD 93

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 3 Implementação do SMD 93 Capítulo 3 Implementação do SMD 93 CAPÍTULO 3 IMPLEMENTAÇÃO DO SMD Este capítulo reserva-se à apresentação da implementação do SMD tomando como partida o desenvolvimento do Projeto Preliminar que consta

Leia mais

Maior Tranqüilidade - Todos esses benefícios, protegendo seus bens materiais e as pessoas que por ali circulam.

Maior Tranqüilidade - Todos esses benefícios, protegendo seus bens materiais e as pessoas que por ali circulam. 1 - APRESENTAÇÃO Este descritivo tem como objetivo, apresentar o Sistema de Identificação de Visitantes enfocando suas funcionalidades e condições técnicas necessárias de implantação. Vantagens do Sistema

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

Indexação e Recuperação de Imagens por Conteúdo. Cleigiane Lemos Josivan Reis Wendeson Oliveira

Indexação e Recuperação de Imagens por Conteúdo. Cleigiane Lemos Josivan Reis Wendeson Oliveira Indexação e Recuperação de Imagens por Conteúdo Cleigiane Lemos Josivan Reis Wendeson Oliveira 1 Content-based Image Retrieval (CBIR) 2 Roteiro Introdução Arquitetura Extração de Características Indexação

Leia mais

Manual do Usuário. Sistema/Ferramenta: Spider-ACQ. Versão do Sistema/Ferramenta: 1.0. www.spider.ufpa.br

Manual do Usuário. Sistema/Ferramenta: Spider-ACQ. Versão do Sistema/Ferramenta: 1.0. www.spider.ufpa.br Manual do Usuário Sistema/Ferramenta: Spider-ACQ Versão do Sistema/Ferramenta: 1.0 www.spider.ufpa.br Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 27/05/2011 1.0 Criação da seção de instalação/configuração

Leia mais

3 SCS: Sistema de Componentes de Software

3 SCS: Sistema de Componentes de Software 3 SCS: Sistema de Componentes de Software O mecanismo para acompanhamento das chamadas remotas se baseia em informações coletadas durante a execução da aplicação. Para a coleta dessas informações é necessário

Leia mais

BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE. C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03)

BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE. C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03) MBA em Gestão de TI MÓDULO: BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03) PROFESSOR: Edison Andrade Martins Morais prof@edison.eti.br http://www.edison.eti.br

Leia mais

SISTEMA GERENCIADOR DE BANCO DE DADOS

SISTEMA GERENCIADOR DE BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Ciência da Computação Prof. Alexandre Veloso de Matos alexandre.matos@udesc.br SISTEMA GERENCIADOR

Leia mais

Criação de Consultas e Relatórios no Access CRIAÇÃO DE CONSULTAS E RELATÓRIOS NO ACCESS

Criação de Consultas e Relatórios no Access CRIAÇÃO DE CONSULTAS E RELATÓRIOS NO ACCESS Criação de Consultas e Relatórios no Access CRIAÇÃO DE CONSULTAS E RELATÓRIOS NO ACCESS Sumário Conceitos / Autores chave... 3 1. Introdução... 4 2. Consultas... 5 3. Relatórios... 8 4. Conclusões... 11

Leia mais

GBC043 Sistemas de Banco de Dados. Introdução. Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/sbd UFU/FACOM

GBC043 Sistemas de Banco de Dados. Introdução. Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/sbd UFU/FACOM GBC043 Sistemas de Banco de Dados Introdução Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/sbd UFU/FACOM Página 2 Definição BD Def. Banco de Dados é uma coleção de itens de dados

Leia mais

Sumário 1. SOBRE O NFGoiana DESKTOP... 3 1.1. Apresentação... 3 1.2. Informações do sistema... 3 1.3. Acessando o NFGoiana Desktop... 3 1.4.

Sumário 1. SOBRE O NFGoiana DESKTOP... 3 1.1. Apresentação... 3 1.2. Informações do sistema... 3 1.3. Acessando o NFGoiana Desktop... 3 1.4. 1 Sumário 1. SOBRE O NFGoiana DESKTOP... 3 1.1. Apresentação... 3 1.2. Informações do sistema... 3 1.3. Acessando o NFGoiana Desktop... 3 1.4. Interface do sistema... 4 1.4.1. Janela Principal... 4 1.5.

Leia mais

Bases de Dados II 6638: BSc in Information Systems and Technologies. Cap. 1 Arquitectura de Sistemas de Bases de Dados. Module Introduction

Bases de Dados II 6638: BSc in Information Systems and Technologies. Cap. 1 Arquitectura de Sistemas de Bases de Dados. Module Introduction Bases de Dados II 6638: BSc in Information Systems and Technologies Cap. 1 Module Introduction Objectivos O propósito e a origem da arquitectura de base de dados a três níveis. O conteúdo dos níveis externo,

Leia mais