1º Ten Al MARCOS ROBERTO DAMO ZÖHLER A IMPORTÂNCIA DA AUDITORIA PRÉVIA NA AGILIDADE DAS COMISSÕES DE LISURA E CONTAS MÉDCIAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1º Ten Al MARCOS ROBERTO DAMO ZÖHLER A IMPORTÂNCIA DA AUDITORIA PRÉVIA NA AGILIDADE DAS COMISSÕES DE LISURA E CONTAS MÉDCIAS"

Transcrição

1 1º Ten Al MARCOS ROBERTO DAMO ZÖHLER A IMPORTÂNCIA DA AUDITORIA PRÉVIA NA AGILIDADE DAS COMISSÕES DE LISURA E CONTAS MÉDCIAS RIO DE JANEIRO 2010

2 1º Ten Al MARCOS ROBERTO DAMO ZOHLER A IMPORTÂNCIA DA AUDITORIA PRÉVIA NA AGILIDADE DAS COMISSÕES DE LISURA E CONTAS MÉDICAS Trabalho de conclusão de curso apresentado à escola de saúde de exército com requisito parcial para aprovação no Curso de Formação de Oficiais do Serviço de Saúde, especialização em Aplicações Complementares às Ciências Militares Orientador: 1 o Ten QCO VANESSA DOS REIS NUNES RIO DE JANEIRO 2010

3 D163i Damo-Zöhler, Marcos Roberto A importância da Auditoria Prévia nos procedimentos eletivos na agilidade das Comissões de Lisura e Contas Médicas / Marcos Roberto Damo Zöhler. - Rio de Janeiro, f. : il. color. ; 30 cm Orientador: Vanessa dos Reis Nunes Trabalho de Conclusão de Curso (especialização) Escola de Saúde do Exército, Programa de Pós-Graduação em Aplicações Complementares às Ciências Militares, Referências: f Brasil - Exército. 2. Auditoria Médica. 3.Auditoria Prévia. I. Nunes, Vanessa dos Reis. II. Escola de Saúde do Exército. III. Título. CDD

4 1º Ten Al MARCOS ROBERTO DAMO ZOHLER A IMPORTÂNCIA DA AUDITORIA PRÉVIA NA AGILIDADE DAS COMISSÕES DE LISURA E CONTAS MÉDICAS COMISSÃO DE AVALIAÇÃO VANESSA DOS REIS NUNES - 1 o Ten QCO EsSEx Orientador DARCILENE AUXILIADORA DUARTE 1 o Ten QCO EsSEx Coorientador Dr. MARCIO MACEDO SOARES Avaliador RIO DE JANEIRO 2010

5 AGRADECIMENTOS Somos frutos de nossos esforços, nossas abdicações e em inúmeras ocasiões privamos as pessoas que nos amam de nosso convívio. Portanto, as vitórias nunca serão épicos solitários, carregamos o suor dos nossos, e a lacuna deixada no tempo que necessitamos estar afastados. Agradeço ao ser supremo pelo dom de viver e entender a vida com suas peculiaridade e com a possibilidade de errar na medida certa permitindo as condições para corrigir, à minha família que me ensinou a importância incondicional da educação pelo esforço de meus pais, Roque e Mariasinha e meus irmãos, Marcio e Raquel, que honram o sangue que carrego, e que me ensinaram sobre nossos laços fortes, estando presente sempre quando deles precisei. Minha filha, Amanda, minha melhor parcela, luz que iluminou meu caminho nos momentos de escuridão. Letícia, amada e conceito de companheira, que me ensinou amar, me fez sentir especial quando minha auto confiança esmorecia e dividiu voluntariamente os fardos pesados. A Família Militar que me acolheu na figura de todos os amigos, ou seja irmãos, pois detemos ligação fraternal, e seus pilares sobre os quais construí minha vida profissional, por eles saberei honrar a confiança em mim depositada. Por fim, àqueles que colocaram as pedras no meu caminho, quanto mais altas, pontiagudas, maior o gosto da vitória. Pouco lembro deles, nomes ou fisionomias, porém sinto a passagem importante e necessária em minha vida pelo simples fato que amo muito todos aqueles meus entes.

6 Ao falhar na preparação, você está preparado para fracassar. (Sun - Tzu)

7 RESUMO Objetivo: Revisar a legislação pertinente às Comissões de Auditoria e Contas Médicas, auditoria médica e identificar a importância da auditoria prévia, visando procedimentos eletivos encaminhados a OMS. Revisar conceitos sobre o assunto e publicações no meio civil. Métodos: Pesquisa bibliográfica, através de publicações sobre o tema em questão, na rede mundial de computadores, acervo literários em bibliotecas e publicações utilizadas pelo Exército Brasileiro. Resultados: A auditoria de contas médicas, através da auditoria prévia, adquire mais agilidade e melhor otimização de recursos financeiros e humanos, evitando possíveis atrasos devido a discussão a cerca de valores destinados aos procedimentos médicos, demostrando resultados positivos na economia do FUSEx. Conclusão: A determinação prévia do custo de procedimentos eletivos, permite melhor alocação de recursos, tornando-se um instrumento importante frente a necessidade de destinar exames para melhores custos, sem confrontar a legislação pertinente. Não obstante, os procedimentos adotados pela auditoria prévia não ferem a legislação vigente. Além disso, possibilitam a identificação de prestadores com excelência na execução dos procedimentos solicitados. Palavras-Chaves: Auditoria Médica. FUSEx. Exército Brasileiro.

8 ABSTRACT Objective: To review the legislation regarding the Audit and Accounts, Medical, medical audit and identify the importance of due diligence, seeking elective procedures referred to WHO. Review concepts and publications on the subject among civil. Methods: Bibliographic search through publications on the topic in question, the global network of computers, literary collection in libraries and publications used by the Brazilian Army. Results: The audit of medical bills, through due diligence, get faster and better optimization of financial and human resources, avoiding possible delays due to discussion about values for medical procedures, demonstrating positive results in the economics of FUSEX. Conclusion: A prior determination of the cost of elective procedures, allow better allocation of resources, becoming an important tool against the need for better tests to allocate costs, without opposing the legislation. Nevertheless, the procedures adopted by the previous audit did not hurt the law. Additionally, they allow the identification of providers with excellence in implementing the procedures requested..key Words: Medical Audit. FUSEX. Brazilian army.

9 LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS CEM CFM CLCM CREMERJ DGP EB EsSEx FUSEx GE ICEFEx INPS IR MBE MS OCS OMS PSA SIRE SUS UTI Código de Ética Médica Conselho Federal de Medicina Comissão de Lisura e Contas Médicas Conselho Regional de Medicina do Rio de Janeiro Departamento Geral do Pessoal Exército Brasileiro Escola de Saúde do Exército Fundo de Saúde do Exército Guia de Encaminhamento Inspetoria de Contabilidade de Finanças do Exército Instituto Nacional de Previdência Social Instrução Regulatória Medicina Baseada em Evidências Ministério da Saúde Organização Civil de Saúde Organização Militar de Saúde Prestador de Saúde Autônomo Sistema de Registro de Encaminhamento Sistema Único de Saúde Unidade de Terapia Intensiva

10 SUMÁRIO 1 INTRODUÇAO REFERENCIAL TEÓRICO METODOLOGIA CIENTÍFICA TIPO DE PESQUISA MÉTODO UTILIZADO PARA A COLETA DE DADOS OBJETIVO DESENVOLVIMENTO CONCEITOS HISTÓRICO PROCESSO DE AUDITORIA CONCLUSÃO REFERÊNCIAS... 26

11 1 INTRODUÇÃO Enfrentamos desafios históricos na administração de planos de saúde, em virtude da modificação sócio-econômica, principalmente do aumento da expectativa de vida, fruto do avanço tecnológico da medicina e de suas áreas afins. O destino de recursos para manutenção dos sistemas de saúde necessitam de otimização, por conseguinte, reduzindo-se gastos dispensáveis, inclusive possíveis falhas nos processos de pagamentos. Em curso de evolução contínua, ocorre tempo hábil para adaptação às novas problemáticas impostas, porém, a cerca dos gastos com a Saúde e, além disso, com a expectativa de vida do brasileiro, a velocidade de modificação foi de forma muito acelerada, impossibilitando manobras controladoras de maneira imediata. Assim como no Brasil, o Exército Brasileiro (EB), através do Fundo de Saúde do Exército (FUSEx) teve de se adequar à atual conjuntura. A partir de então, os administradores dos planos de saúde e instituições vinculadas ao SUS, lançaram medidas de controle da destinação de recursos, com o mesmo vigor com qual foram surpreendidos pela demanda dos mesmos. Com o EB não poderia ser diferente, surgiam as Comissões responsáveis pela verificação da lisura nos processos de pagamento das empresas destinadas à execução de tais serviços: COMISSÕES DE LISURA E CONTAS MÉDICAS (CLCM). Associado ao controle dos procedimentos, houve a instituição de Sistema de Registro de Encaminhamento (SIRE), possibilitando controle central dos procedimentos encaminhados para Organizações Civis de Saúde (OCS), com melhor alocação de recursos e possibilitando maior controle dos gastos em saúde. Ordem atual: Auditorias Médicas. Entre seus campos de atuação, a auditoria prévia possui papel importante na condução de todo o caminho do procedimento solicitado, pois representa a fase inicial de todo o percurso do paciente. Além disso, algumas variáveis estão diretamente associadas na capacitação de profissionais destinados a este serviço e, pela sua importância, deve ser melhor explorado. Dentre elas, a valorização individual, uma vez que

12 cada indivíduo único e subjetivo, participa da construção e desenvolvimento do coletivo (PATRÍCIO, 2004). Gastos crescentes em saúde, incoerências plotadas na revisão das contas médicas, e em procedimentos realizados sem necessidade, formam o cerne das problemáticas em auditora médica. Tais correções desoneram os sistemas de saúde orientando os profissionais para otimização dos procedimentos solicitados visando a resolução do problema do paciente. Agilidade das Comissões de Lisura e Contas Médicas está relacionada à melhor exploração dos instrumentos legais, contornando as barreiras impostas para melhor otimização de recursos. Exames ou procedimentos eletivos, portanto com previsibilidade, ainda produzem trabalho dispendioso às CLCM, além de obrigar o profissional auditor contestar a lisura contábil do processo, dispendendo tempo demasiado, em muitas ocasiões, necessitando do afastamento de profissionais especializados do atendimento aos pacientes, a fim de resolver tais problemas. O intuito de agilizar todo o processo e otimizar utilização de profissionais especialistas, além de determinar quais prestadores possuem condição técnica e financeira mais atrativa ao FUSEx, seja pelas visitas periódicos às OCS e prestadores, ou pelo apoio direito ao questionamento dos gastos em saúde, associado aos interesses dos paciente, sempre mostrou um grande desafio. Porém, a redução de custos pode estar associado com perda da qualidade do serviço prestado, a qual não passa despercebido pelo paciente. Não obstante, a pauta de redução dos custos encontra impedimentos legais constante no CEM, referente ao ato médico e a liberdade para decisões sem interferência de terceiros ou planos de saúde. A importância da exploração do assunto, torna-se imprescindível para identificar todos os possíveis instrumentos cerceados pela legislação vigente, com a intenção de facilitar o trabalho das CLCM, reduzindo tempo para pagamento e atritos dispensáveis entre prestadores e componentes do processo de lisura e pagamento. Além disso, associado a reestruturação do FUSEx, cresce a responsabilidade de alocar os recursos existentes, ainda mais, pelo crescente

13 volume de procedimentos realizados em instituições civis de saúde (OCS), na qual reside os maiores problemas a cerca da atuação da auditoria médica, pois os procedimentos eletivos tem a característica da previsibilidade de custos. A auditoria prévia caracteriza-se como instrumento legal, importante temporalmente no caminho que segue o paciente encaminhado às OCS, ainda pouco explorado.

14 2 REFERENCIAL TEÓRICO A legislação sobre auditoria médica âmbito EB, deve seguir balizado pelo Conselho Federal de Medicina (CFM), portanto, vale-se das resoluções deste órgão controlador de classe, associadas às publicações legislativas com referência ao tema em questão. O parecer 1614-CFM, do ano de 2001 versa especificamente sobre a atuação legal do médico auditor, além do código de ética médico, em seus artigos 9 o, 81 o, 118 o, 119 o, 120 o, 121 o. Na legislação do EB, encontramos portarias que regulamentam o serviço de auditoria, cito 759-DGP de 20 de dezembro de 2002, institui as CLCM. Não obstante, as obras científicas escassas, pouco exploradas, impedem o melhor desenvolvimento acadêmico sobre auditoria médica, momento crucial na formação dos profissionais. Alguns Militares, vislumbrando tal deficiência, produziram manual com o intuito de sanar algumas dúvidas, adotado como referencial a cerca do assunto: MANUAL DE AUDITORIA E CONTAS MÉDICAS, confeccionado por Militares do Hospital Geral de Juiz de Fora, publicado no ano de As publicações em meio civil e trabalhos científicos configuram com pouca relevância sobre auditoria prévia. Destaca-se a publicação: A Auditoria Médica como nova Especialidade, de WALTER NEY JUNQUEIRA, publicado no ano de 2001.

15 3 METODOLOGIA 3.1 TIPO DE PESQUISA Pesquisa bibliográfica. 3.2 MÉTODO UTILIZADO PARA A COLETA DE DADOS A coleta de dados foi realizada através dos sites de busca na rede mundial de computadores, sites do EB, instituições correlacionadas e da biblioteca da Escola de Saúde do Exército (EsSEx). Foram analisadas publicações em revistas, conclusões de cursos e periódicos, legislações federais e do EB e artigos científicos. A coleta de material, também, foi realizada por meio de consulta a biblioteca do CREMERJ. 4 OBJETIVO Destacar alguns conceitos sobre Auditoria de Contas Médicas; Revisar Legislação Militar vigente a cerca do assunto; Analisar trabalhos científicos sobre economia de gastos após instituição de auditoria prévia; Salientar a importância das auditorias prévias na agilidade do processo de lisura; Relatar passos do processo de conferência dos procedimentos em auditoria; Identificar perfil dos médicos auditores.

16 5 DESENVOLVIMENTO 5.1 CONCEITOS Nos Estados Unidos da América a profissão de auditor médico encontra-se consolidada, com a designação de utilization review, com tradução: revisão de utilização, o qual cumpre função na integralidade típico de especialidades. A etimologia da palavra Auditor: Dicionário A. L. Sá significa examinar ou examinando contas/balanço, do dicionário Aurélio Auditore significa ouvidor/ perito contador. (JUNQUEIRA, 2001) Os princípios que norteiam a atividade (PATRICIO, 2004): Independência: defesa da atividade e não de empresas; Soberania: sem influências de terceiros; Imparcialidade: atividade norteado pela legislação; Objetividade: amparo legal das glosas; Atualização técnica: permanente atualização como médico; Cautela / Zelo profissional: atitude pautada pela ética médica; Sigilo e descrição: informações sobre o paciente. Afim de definir alguns termos utilizados neste trabalho, transcrevem-se conceitos da literatura atual (Folhas 03 e 04 das Instruções Reguladoras para a Assistência Médico-Hospitalar aos Beneficiários do Fundo de Saúde do Exército - IR 30-38, 28 de fevereiro de 2008): Auditoria médica - é a atividade da OMS que, por meio de atos médicos, destina-se a controlar e avaliar os recursos e procedimentos adotados, visando sua adequabilidade, correção, qualidade, eficácia e economicidade dos serviços prestados, em consonância com o Código de Ética Médica e a Resolução nº 1.614/2001, do Conselho Federal de Medicina; Auditoria prévia - é a auditoria realizada de forma preliminar, analisando as solicitações de procedimentos e exames feitas pelos profissionais de saúde habilitados, a fim de

17 desencadear o processo de autorização mediante emissão da correspondente guia de encaminhamento; Auditoria concorrente - é a auditoria feita enquanto o paciente estiver hospitalizado ou sendo atendido de forma ambulatorial, enfocando os custos e a adequação dos serviços prestados; Auditoria a posteriori - é a auditoria feita após a alta do paciente ou término de seu atendimento, utilizando-se da análise dos documentos e relatórios diversos, incluindo os provenientes das auditorias concorrente e prévia, bem como das contas médicas propriamente ditas, a fim de identificar sua conformidade; (IR 30-38)

18 5.2 HISTÓRICO A preocupação com contas médicas tem início em 1910, através da associação médica americana (PREGER et al, 2005). No brasil, após a unificação das caixas de assistência médica, surge o INPS, seguido da universalização da assistência médica. Posteriormente através, do decreto de lei 73/66, a assistência em saúde poderia ser realizada pela iniciativa privada, recebendo devida remuneração pelos serviços. Paralelamente a evolução da assistência em saúde, surgiu devido a demanda e aos elevados custos operacionais, a necessidade de suplementar os serviços, desde aquela época, em ascensão (PAES & MAIA 2005). Na década de 70, devido possíveis irregularidades o MS estabeleceu controle formal e técnico dos serviços, através da ordem INPS, de 26 de dezembro de Uma década após, os sistemas privados visaram a necessidade de instituir controle sobre os gastos com a saúde (MENDES, 1996). A partir de então, o auditor médico passou a estabelecer equilíbrio entre os serviços prestados e custos de operação. Para fornecer maior arsenal legal e resolver empasses, surgiram pareceres: I. Parecer nº 02/94 do CFM referente ao fornecimento do prontuário para auditoria; II. Parecer nº 03/94 do CFM reporta-se à visita a pacientes hospitalizados, no leito hospitalar, por auditores; III. Parecer nº 21/94 do CFM relaciona-se com o encaminhamento de prontuários médicos para a auditoria do SUS; IV. Parecer nº 01/96 do CFM refere-se ao impedimento ético de interferência na escolha terapêutica do médico assistente; V. Parecer nº 18/96 do CFM dispõe sobre as atividades de fiscalização das ações e serviços de saúde e sobre a autonomia e limitações do médico auditor, responsável pela fiscalização das questões assistenciais;

19 VI. Parecer nº 20/96 do CFM refere-se ao direito do paciente aos meios diagnósticos e à autonomia profissional do médico; VII. Resolução nº 1466 de setembro de 1996 do CFM - relaciona as atividades do médico auditor; VIII. Parecer nº 17/97 do CFM reporta-se à interferência direta do auditor nas atividades médicas; IX. Parecer nº 11/99 do CFM define autorização de exames pelo médico auditor, mudança ou solicitação de procedimentos, exame de pacientes e outras funções do auditor. A quantidade de publicações, geralmente, denota o desenvolvimento de determinada especialidade médica, porém, devido a auditora de contas médicas compreender o ramo recente da medicina, suas publicações são escassas, concentrando-se, a maioria no sudeste do Brasil, particularmente em São Paulo - SP (BESERRA, 2009). Com a intensificação dos trabalhos em auditoria, houve a necessidade de legislação mais especifica, além dos artigos destinados ao assunto no CODIGO DE ÉTICA MEDICA (artigos 79, 81, 118, 119, 120, 121), originada do CFM, com a resolução 1614/2001. No âmbito do EB, não obstante, algumas publicações surgiram visando elucidar e dirimir dúvidas a cerca do assunto.

20 5.3 PROCESSO DE AUDITORIA No campo operacional do médico auditor, podemos dividir a atuação do em três níveis (PAES & MAIA, 2005): I - ANTERIOR AO ATO MÉDICO: Identificar a diferença orçamentária de procedimentos semelhantes com o mesmo objetivo, visto a indicação do médico assistente, profissional que solicita procedimento. Tal análise deve passar pelo crivo de especialista na área. II - ATO MÉDICO: Auditoria realizada em ambiente de OCS, visualizando o atendimento realizado aos pacientes em procedimentos ou internados. III LISURA TÉCNICA E CONTÁBIL: Instância que vislumbra possíveis falhas nos processos prévios. O presente trabalho refere-se aos procedimentos em saúde realizados em estabelecimentos ou profissionais, devidamente credenciados, fora do ambiente EB e de suas OMS, cerne da discussão. Deve ser guiada pelo balizamento de sua legislação, através das CLCM. Tais comissões estão normatizadas pela portaria 759-DGP de 20 de dezembro de 2002: Art. 20. A Comissão de Lisura de Contas Médicas destina-se a efetuar revisão técnica, ética e contábil das contas hospitalares e ambulatoriais, procedentes de prestadores contratados / credenciados pelo Sistema de Saúde do Exército, para evitar possíveis distorções, controlar a qualidade dos serviços e, sobretudo, zelar pelo criterioso emprego dos recursos financeiros (port 759-dgp 20 dez 2002) Tal Comissão necessita de nomeação pelo direto da OMS, composta por, no mínimo, 03 (três) oficiais, além de auxiliares. A partir da solicitação do procedimento pelo médico assistente, a auditoria prévia examina a requisição e autoriza o procedimento, caso não realizado na OMS. De posse da autorização o paciente encaminha-se ao FUSEx da OMS. Neste momento avalia-se o direito à realizar o procedimento, solicitando autorização via internet direito para o DGP, através do SIRE. Após registrado, o

21 encaminhamento fornecido ao paciente para a OCS que preferir. Realizado procedimento, a OCS prestadora do serviço, ou o profissional: PSA, envia a primeira cópia do encaminhamento, juntamente com a fatura referente aos atendimentos realizados no mês que antecede. Tal caminho, após este evento passa pela CLCM, sendo procedido à auditoria contábil e técnica, a GE está apta para a auditoria, podendo modificar o valor original, conforme analise do médico auditor. Os problemas encontrados nas faturas apresentadas pelo prestador, devem ser informados, visto que a maioria refere-se a diferenças em valor cobrado, recebe a denominação de GLOSA. legislação vigente: A respeito das atividades referentes as CLCM, encontramos na Art. 6º A Uat (unidade de atenção) deve definir, por meio de triagem, se o atendimento será realizado na própria UAt, em outra UAt, em OCS ou por PSA. 2º No prosseguimento do atendimento, a UAt deverá promover o adequado acompanhamento do paciente e das despesas decorrentes, por intermédio de auditorias prévia, concorrente e a posteriori, nos termos das normas específicas e orientações do Departamento-Geral do Pessoal (DGP). (IR 30-38) Portanto, a importância de inciar o processo de atendimento às necessidades do médico assistente, na forma de reduzir o ônus à união, quando inevitável, e encaminhar às OMS assim que possível, passa pelo crivo de controle do médico auditor. Além disso, os estabelecimentos e profissionais credenciados ao FUSEx da OMS, devem manter os serviços dentro dos padrões de qualidade, também dos requisitos administrativos para sua vinculação junto aos órgãos de administração direta da União. Afim de assegurar a perfeita condição de atendimento à Família Militar por estes profissionais, a Auditoria concorrente deve ser praticada, no andamento do atendimento ao beneficiário. Em virtude da previsibilidade dos procedimentos eletivos, não serem realizadas em algumas OMS, maior controle pode ser realizado com estes encaminhamentos. Com o intuito de abranger maior possibilidade de profissionais credenciados, as seções do FUSEx das OMS estão impossibilitadas de negar o credenciamento, de acordo com orientação das ICEFEx. Para tanto, deve publicar

22 anualmente, em jornal de grande circulação a disponibilidade para novos prestadores de serviços. Tais procedimentos evitam o benefício de terceiros, porém ao passo que os profissionais especialistas realizam suas visitas periódicas aos estabelecimentos, visualizam as condições de atendimento, consequentemente, a qualidade dos exames realizados. Entretanto, existe a possibilidade, no momento da autorização dos exames pela auditoria prévia, destinar procedimentos aos profissionais com capacidade para executá-las de forma a atingir melhor custo-benefício. Em relação ao custo, facilmente determinado entre aqueles que demonstram excelência na qualidade dos exames. Na atuação do serviço de auditoria deve ser respeitada a legislação a cerca do ato médico, ou seja o médico auditor não pode arbitrar pela conduta técnica do assistente, no entanto, pode determinar qual melhor prestador, aquele que possibilita melhor eficiência com menores custos. A atividade de auditoria prévia encontra amparo nos seguintes artigos do CEM, permite inclusive a visita in loco, dos procedimentos realizados pelo paciente (Parecer CFM 1614/2001): I. artigo 6: sobre sigilo médico e comunicação a quem de direito sobre suas atitudes; II. artigo 7: visitação do estabelecimento prestador de serviço, in loco; III. artigo 8: Alteração de tratamento quando convenientes ao paciente, que deve ser informado ao médico assistente; IV. artigo 9: Comunicar ao médico assistente sobre incoerências na prestação do serviço; V. artigo 12 Proibido ao médico auditor intermediar contratado e contratante a cerca de benefícios mútuos que limitam o exercício da medicina; O gerenciamento de custos mostra a importância para a saúde pública e para os planos de saúde da atividade do médico e otimização de recursos. Nos últimos 20 anos os recursos destinados à saúde onera o estado em torno de U$ 70,00 80,00/habitante, correspondendo à 1,5% - 2,5% do PIB brasileiro. O ingresso de planos de saúde complementando os gastos adiciona em torno de U$

23 200,00/habitante. (JUNQUEIRA, 2001) No mesmo assunto, a respeito dos gastos evitáveis, a estatística evidencia que 80% dos exames não hospitalizados, de acordo com a Sociedade Brasileira de Clinica Médica. Há 10 anos cada paciente era contemplado com 3,5 exames por paciente para elucidar diagnóstico. Atualmente esse número praticamente dobrou para 06 exames por paciente. O advento da Medicina Baseada em Evidências (MBE), trouxe maior controle na conduta dos profissionais, com a importância das condutas baseadas em fatos concretos, minimizando as decisões profissionais pautadas somente pela experiência profissional. As correntes filosóficas da Auditoria Médica utilizam a MBE para nortear as condutas referentes a exames, na tentativa de reduzir solicitação de exames desnecessários. Portanto, quando se trata de gerenciamento em saúde no centro de todos os processos estão os exames e procedimentos de alto custo, além dos medicamentos destinados a tratamento de doenças com elevado impacto social. Outra estratégia utilizada por planos de saúde voltados para maioria da população, portanto com menor poder aquisitivo, consiste na triagem pelo médico generalista da necessidade de encaminhar os pacientes para profissionais especializados, os quais solicitam exames de alto custo, exclusivamente. Fica claro que os esforços devem ser destinados à otimização de custos sem afetar a resolubilidade e para agilizar o processamento da auditoria médica, devem ser evitadas as GLOSAS, na maioria das vezes com o simples acerto prévio dos valores. O EB não visa o beneficiamento de profissionais sem considerar seus custos e benefícios, por isso determinar o encaminhamento para aquele que ofertar valor inferior sem sofrer a perda de qualidade configura um método salutar. A atuação do médico, no entanto, ultrapassa capacidade puramente técnica (PREGER et al, 2005), tão pouco a redução de custo do procedimento pelas incoerências encontradas, evidenciada tal preocupação através do recrutamento de profissionais experientes. Dentre os escassos estudos sobre o assunto, destaca-se a tentativa de mostrar o perfil do médico auditor no estado do RS, com os seguintes resultados: 83,8% do sexo masculino, com faixa de idade

24 preponderante de 41 a 50 anos, formados em média há 21,96 +/- 7,68 anos, com tempo de atuação em auditoria médica de 7,24 +/- 6,62 anos, e 88,7% possuem títulos universitários e/ou cursos de especialização médica nas mais diversas áreas de atuação. Percentual de 60% encontram-se satisfeitos como pessoa e como profissional, estando bem fisicamente. No grupo entrevistado, não existem médicos com menos de 33 anos de idade nem formados há menos de 7 anos.

25 6 CONCLUSÃO A prática da Medicina passa por provações. Neste cenário, os profissionais ou planos de saúde pautados pela ética médica e exercício pleno da medicina sobressaem-se. A medicina tecnológica obteve avanço substancial nos últimos anos, seduzindo os profissionais com as possibilidades de diagnóstico com inúmeros procedimentos, atualmente, de custo elevado. Entretanto, a clínica com sinais e sintomas bem definidos possibilitam o diagnóstico sem necessidade de exames complementares em grande parcela das patologias. Um exemplo clássico é o que ocorre nas infecções do trato urinário, onde a clínica, somente, indica o tratamento, reservando exames para pacientes sem melhora após intervenção terapêutica, ou com algumas complicações associadas. É possível perceber que muitos profissionais adotam a solicitação de exames para agilizar a consulta e aumentar a produtividade. (PENA, 2008) Em âmbito do EB, esse fator pode ser facilmente corrigido pela orientação aos gestores sobre a importância do tempo de exame clínico, além da valorização do médico generalista, através de exames abrangentes, somando visão superficial de diversas especialidades. Após detalhada consulta, perdurando a dificuldade no diagnóstico, o encaminhamento ao especialista se torna imperativo, evitando consultas desnecessários à outros profissionais, reduzindo assim a pressão sobre a agenda. Sobre auditoria prévia, fica visível a necessidade de prevenir erros, otimizar recursos, avaliar o serviço prestado, sem, por conseguinte, ferir a legislação. Deve-se determinar os profissionais com condições adequadas de prestar serviços com custos otimizados na equipe multidisciplinar de auditora. Visto que, pode-se utilizar os especialistas no trabalho in loco, maximizando o controle dos procedimentos. Em estudo realizado sobre terapia intensiva inexiste correlação clínica ou prognóstica com a solicitação de exames, tendo a média de 11,5 exames / paciente durante a internação (MACHADO, 2006). A inclusão de diretrizes para a solicitação de exames em UTI da Nova Zelândia revelou um decréscimo de

26 16,6% no total de exames e de 21,9% na solicitação de gasometrias arteriais (MEHARI, 1997). Os países desenvolvidos possuem a preocupação com o destino adequado dos recursos, mesmo aqueles sem planos de saúde e abrangentes como o SUS/Brasil, ou como o FUSEx/SAMMED no EB. Em virtude da especialidade em auditoria configurar ramo recente da medicina, a utilização de profissionais com larga experiência profissional para chefiar tais processos permite menor possibilidade de equívocos. Portanto, essa preocupação deve ser avaliada de todas as formas, tanto sob a luz da legislação, como a ética médica. Afim de alocar os recursos referentes a saúde da melhor forma.

Texto CURSO DE COOPERATIVISMO AUDITORIA EM SAÚDE

Texto CURSO DE COOPERATIVISMO AUDITORIA EM SAÚDE Texto CURSO DE COOPERATIVISMO AUDITORIA EM SAÚDE Etimologia Termo Auditoria deriva: Palavra inglesa audit que significa examinar, corrigir, certificar. Do latim auditore O que ouve; ouvinte. Definição

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

RESOLUÇÃO CFO-20/2001

RESOLUÇÃO CFO-20/2001 16 de agosto de 2001 RESOLUÇÃO CFO-20/2001 Normatiza Perícias e Auditorias Odontológicas em Sede Administrativa. O Conselho Federal de Odontologia, no uso de suas atribuições que lhe confere a Lei nº 4.324,

Leia mais

RESOLUÇÃO CFO-20 /2001

RESOLUÇÃO CFO-20 /2001 RESOLUÇÃO CFO-20 /2001 Normatiza Perícias e Auditorias Odontológicas em Sede Administrativa. O Conselho Federal de Odontologia, no uso de suas atribuições que lhe confere a Lei nº 4.324, de 14 de abril

Leia mais

Funcionamento das comissões hospitalares metropolitanas que funcionam sob a gestão do Imip RELATOR: Cons. Mauro Luiz de Britto Ribeiro

Funcionamento das comissões hospitalares metropolitanas que funcionam sob a gestão do Imip RELATOR: Cons. Mauro Luiz de Britto Ribeiro PARECER CFM nº 4/13 INTERESSADO: CRM-PE ASSUNTO: Funcionamento das comissões hospitalares metropolitanas que funcionam sob a gestão do Imip RELATOR: Cons. Mauro Luiz de Britto Ribeiro EMENTA: Em obediência

Leia mais

IV FÓRUM ÉTICO LEGAL EM ANÁLISES CLÍNICAS

IV FÓRUM ÉTICO LEGAL EM ANÁLISES CLÍNICAS IV FÓRUM ÉTICO LEGAL EM ANÁLISES CLÍNICAS Brasília, 08 de junho de 2010. Cumprimento de Contratos das Operadoras com os Laboratórios Clínicos. DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO SETORIAL - DIDES Gerência de

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 1191/2015, de 28-04-2015.

LEI MUNICIPAL Nº 1191/2015, de 28-04-2015. LEI MUNICIPAL Nº 1191/2015, de 28-04-2015. DISPÕE SOBRE O SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DO MUNICÍPIO DE MORMAÇO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LUÍS CARLOS MACHADO PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA ABRAMGE-RS Dr. Francisco Santa Helena Presidente da ABRAMGE-RS Sistema ABRAMGE 3.36 milhões de internações; 281.1 milhões de exames e procedimentos ambulatoriais; 16.8

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DO PARANÁ

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DO PARANÁ PARECER Nº 2488/2015 ASSUNTO: CONVÊNIO DETERMINA FIM DE INTERNAÇÃO DE PACIENTE PSIQUIÁTRICO SEM CONDIÇÕES DE ALTA PARECERISTA: CONS. DR. MARCO ANTONIO S. M. RIBEIRO BESSA EMENTA: Prazo de Internação de

Leia mais

Prontuário médico? ou Prontuário do paciente?

Prontuário médico? ou Prontuário do paciente? Prontuário médico? ou Prontuário do paciente? CONCEITO Prontuário do Paciente é o conjunto de documentos padronizados e ordenados, destinados ao registro dos cuidados profissionais, prestados ao paciente

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO

REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO APRESENTAÇÃO A Casa de Saúde São José foi fundada em 1923 e tem como missão Servir à Vida, promovendo Saúde. É uma instituição filantrópica, sem fins lucrativos, católica,

Leia mais

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO Art. 1º - Corpo Clínico é o conjunto de médicos que se propõe a assumir solidariamente a responsabilidade de prestar atendimento aos usuários que

Leia mais

LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007

LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007 LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007 Súmula: Dispõe sobre o Sistema de Controle Interno Municipal, nos termos do artigo 31 da Constituição Federal e do artigo 59 da Lei Complementar n 101/2000 e cria a

Leia mais

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. Regulamenta as atribuições da Secretaria de Controle Interno do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região e dá outras providências. A PRESIDENTE DO, no uso de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO Art. 1º A Diretoria Executiva, subordinada ao Presidente da Fundação, é responsável pelas atividades

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO I. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para atuação privativa do Enfermeiro em Aconselhamento Genético, no âmbito da equipe

Leia mais

5º Cabe ao Cmt Mil A a fixação, dentro do limite estabelecido no 4º deste artigo, do acréscimo a que faz jus o militar. (NR)

5º Cabe ao Cmt Mil A a fixação, dentro do limite estabelecido no 4º deste artigo, do acréscimo a que faz jus o militar. (NR) 5º Cabe ao Cmt Mil A a fixação, dentro do limite estabelecido no 4º deste artigo, do acréscimo a que faz jus o militar. (NR)... Art. 2º Estabelecer que esta portaria entre em vigor na data de sua publicação.

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 Aprova a NBC T 11.8 Supervisão e Controle de Qualidade. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) Aprova as normas técnicas concernentes à digitalização e uso dos sistemas informatizados para a guarda e manuseio dos documentos

Leia mais

Tema: Perícia Médica do Instituto Nacional do Seguro Social

Tema: Perícia Médica do Instituto Nacional do Seguro Social Novo Código de Ética Médico e Saúde do Trabalhador Tema: Perícia Médica do Instituto Nacional do Seguro Social Realização: DIESAT Apoio: Fundacentro São Paulo, 22 jun 2010 Os dilemas, os sensos, os consensos,

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA RESOLUÇÃO CFM Nº 1.982/2012 (publicada no D.O.U. de 27 de fevereiro de 2012, Seção I, p. 186-7) Dispõe sobre os critérios de protocolo e avaliação para o reconhecimento de

Leia mais

VII - tenha a seleção e o relacionamento dos militares designados para a matrícula a cargo do DGP, ouvido o CIE; e

VII - tenha a seleção e o relacionamento dos militares designados para a matrícula a cargo do DGP, ouvido o CIE; e VII - tenha a seleção e o relacionamento dos militares designados para a matrícula a cargo do DGP, ouvido o CIE; e VIII - tenha a orientação técnico-pedagógica do DECEx. Art. 3º Determinar que a presente

Leia mais

Fundação Professor Francisco Pulido Valente CÓDIGO DE CONDUTA

Fundação Professor Francisco Pulido Valente CÓDIGO DE CONDUTA Fundação Professor Francisco Pulido Valente CÓDIGO DE CONDUTA Dezembro de 2012 INTRODUÇÃO As fundações são instituições privadas sem fins lucrativos que visam contribuir para o bem comum, para o desenvolvimento

Leia mais

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 AUDITORIA NA SAÚDE Na saúde, historicamente, as práticas, as estruturas e os instrumentos de controle, avaliação e auditoria das ações estiveram,

Leia mais

Controle Interno do Tribunal de Contas da União

Controle Interno do Tribunal de Contas da União Controle Interno do Tribunal de Contas da União Resumo: o presente artigo trata de estudo do controle interno no Tribunal de Contas da União, de maneira expositiva. Tem por objetivo contribuir para o Seminário

Leia mais

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros.

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros. 3 - Introdução 4 - Quais são as métricas para alcançar uma boa ÍNDICE As Métricas Fundamentais da Gestão Hospitalar gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos 11 - Indicadores operacionais 14 - Indicadores

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA REGULAÇÃO E DA CONTRATUALIZAÇÃO EM SAÚDE SUPLEMENTAR. Comissão Nacional de Convênios e Credenciamentos (CNCC)

A IMPORTÂNCIA DA REGULAÇÃO E DA CONTRATUALIZAÇÃO EM SAÚDE SUPLEMENTAR. Comissão Nacional de Convênios e Credenciamentos (CNCC) 1 A IMPORTÂNCIA DA REGULAÇÃO E DA CONTRATUALIZAÇÃO EM SAÚDE SUPLEMENTAR 2 CONCEITOS 3 SAÚDE SUPLEMENTAR: atividade que envolve a operação de planos privados de assistência à saúde sob regulação do Poder

Leia mais

Avaliação dos planos de saúde no estado de São Paulo

Avaliação dos planos de saúde no estado de São Paulo Artigo original Avaliação dos pl de saúde no estado de São Paulo Jorge Carlos Machado-Curi I, Tomás Patricio Smith-Howard II, Jarbas Simas III, Marcos Eurípedes Pimenta IV, Paulo Manuel Pêgo-Fernandes

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM N.º 1716/2004. (Publicada no D.O.U. de 19 Fev 2004, Seção I, pg. 205) (Modificada pela Resolução CFM nº 1773/2005)

RESOLUÇÃO CFM N.º 1716/2004. (Publicada no D.O.U. de 19 Fev 2004, Seção I, pg. 205) (Modificada pela Resolução CFM nº 1773/2005) RESOLUÇÃO CFM N.º 1716/2004 (Publicada no D.O.U. de 19 Fev 2004, Seção I, pg. 205) (Modificada pela Resolução CFM nº 1773/2005) O Conselho Federal de Medicina, no uso das atribuições que lhe confere a

Leia mais

Regimento Interno da Unidade de Auditoria Interna

Regimento Interno da Unidade de Auditoria Interna CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA - UAUDI Regimento Interno da Unidade de Auditoria Interna Rio de Janeiro 2015 CAPÍTULO I DA MISSÃO E DO ESCOPO

Leia mais

MANIFESTO DOS TERAPEUTAS OCUPACIONAIS À REDE DE HOSPITAIS PÚBLICOS FEDERAIS DO RIO DE JANEIRO

MANIFESTO DOS TERAPEUTAS OCUPACIONAIS À REDE DE HOSPITAIS PÚBLICOS FEDERAIS DO RIO DE JANEIRO MANIFESTO DOS TERAPEUTAS OCUPACIONAIS À REDE DE HOSPITAIS PÚBLICOS FEDERAIS DO RIO DE JANEIRO O Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão editou a portaria n 292 no dia 4 de julho de 2012 que autoriza

Leia mais

Observa-se que nas três primeiras questões (n 91, 92 e 93), a ênfase do examinador recaiu nas seguintes Resoluções:

Observa-se que nas três primeiras questões (n 91, 92 e 93), a ênfase do examinador recaiu nas seguintes Resoluções: Comentário Prova Auditor Fiscal SEFAZ-RJ 2011 Parte 1 Olá meus amigos! Irei, a partir deste toque, comentar as questões de Auditoria constantes da prova mais recente para Auditor Fiscal (Secretaria de

Leia mais

PARECER CRM/MS N 1/2015 PROCESSO CONSULTA CRM-MS 17/ 2014 INTERESSADO:

PARECER CRM/MS N 1/2015 PROCESSO CONSULTA CRM-MS 17/ 2014 INTERESSADO: PARECER CRM/MS N 1/2015 PROCESSO CONSULTA CRM-MS 17/ 2014 INTERESSADO: Dr. R.R.C. ASSUNTO: Solicitação de parecer sobre conflitos existentes nas autorizações de materiais pela Auditoria Médica. PARECERISTA:

Leia mais

SISTEMA BRASILEIRO DE IDENTIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE ORIGEM

SISTEMA BRASILEIRO DE IDENTIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE ORIGEM SISTEMA BRASILEIRO DE IDENTIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE ORIGEM Luiz Carlos de Oliveira Secretário de Defesa Agropecuária Ministério Da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Instrução normativa n o 21 de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 Ementa: Regulamenta o registro, a guarda e o manuseio de informações resultantes da prática da assistência farmacêutica nos serviços de saúde. O Conselho Federal

Leia mais

Briefing Auditoria Médica ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA BENEFICENTE ESPÍRITO SANTENSE

Briefing Auditoria Médica ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA BENEFICENTE ESPÍRITO SANTENSE Paginas: 1/1 ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA BENEFICENTE ESPÍRITO SANTENSE CONTRATAÇÃO DE EMPRESAS ESPECIALIZADAS NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE AUDITORIA MÉDICA NAS DEPENDÊNCIAS DO HOSPITAL JAYME SANTOS NEVES 1 OBJETO

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ EDIFÍCIO ODOVAL DOS SANTOS - CNPJ. 76.290.691/0001-77 www.santaceciliadopavao.pr.gov.br LEI Nº. 720/2013

ESTADO DO PARANÁ EDIFÍCIO ODOVAL DOS SANTOS - CNPJ. 76.290.691/0001-77 www.santaceciliadopavao.pr.gov.br LEI Nº. 720/2013 LEI Nº. 720/2013 SÚMULA: ALTERA A LEI Nº. 593/2010 QUE INSTITUIU O FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE (FMS) E INCLUI O CAPÍTULO IX COM OS ARTIGOS 12º E 13º E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Faço saber que a Câmara Municipal

Leia mais

Art. 1º Aprovar as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19).

Art. 1º Aprovar as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19). PORTARIA Nº 483, DE 20 DE SETEMBRO DE 2001. Aprova as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19). O COMANDANTE DO EXÉRCITO, no uso da competência que lhe é conferida

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS)

REGIMENTO INTERNO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS) REGIMENTO INTERNO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º A Unidade de Auditoria

Leia mais

BOLETIM ADMINISTRATIVO Nº 020 DE 12 a 16/05/14

BOLETIM ADMINISTRATIVO Nº 020 DE 12 a 16/05/14 Leia-se:...Art. 1º DELEGAR COMPETÊNCIA e as responsabilidades decorrentes ao Superintendente Regional do DNIT nos estados de Goiás e Distrito Federal para Lavrar o Termo Aditivo de Prorrogação de prazo,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CENTRO DE PESQUISA CLÍNICA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS

REGIMENTO INTERNO CENTRO DE PESQUISA CLÍNICA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS REGIMENTO INTERNO CENTRO DE PESQUISA CLÍNICA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS CAPÍTULO I DAS FINALIDADES E OBJETIVOS Artigo 1º - O Centro de Pesquisas Clínicas (CPC)

Leia mais

Disciplina Auditoria Concurso para auditor-fiscal da Receita Federal do Brasil 2014

Disciplina Auditoria Concurso para auditor-fiscal da Receita Federal do Brasil 2014 Disciplina Auditoria Concurso para auditor-fiscal da Receita Federal do Brasil 2014 Estimados amigos concurseiros! É sabido que foi publicado o Edital ESAF nº 18, de 07 de março de 2014, do concurso para

Leia mais

FISCO. Saúde. Liberação. de Procedimentos. Seriados GUIA DE PROCEDIMENTOS ANS 41.766-1

FISCO. Saúde. Liberação. de Procedimentos. Seriados GUIA DE PROCEDIMENTOS ANS 41.766-1 FISCO Saúde ANS 41.766-1 Liberação de Procedimentos Seriados GUIA DE PROCEDIMENTOS Prezados Associados, Para facilitar a comunicação e dirimir as principais dúvidas sobre a utilização dos nossos serviços,

Leia mais

A indicação de afastamento do trabalho e de aposentadoria tornou-se

A indicação de afastamento do trabalho e de aposentadoria tornou-se EDITORIAL DO CFM Sex, 08 de Maio de 2009 Ato Médico Pericial: Implicações Éticas e Legais A indicação de afastamento do trabalho e de aposentadoria tornou-se tarefa de peritos e de juntas médico-periciais

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos 1 de 9 17/10/2013 13:46 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.165, DE 29 DE ABRIL DE 2010. Regulamenta o inciso I do art. 48 da Lei n o 6.450, de 14 de outubro

Leia mais

Saiba tudo sobre o seu Plano de Saúde. Veja aqui as principais dúvidas e respostas sobre o CorreiosSaúde:

Saiba tudo sobre o seu Plano de Saúde. Veja aqui as principais dúvidas e respostas sobre o CorreiosSaúde: Saiba tudo sobre o seu Plano de Saúde Veja aqui as principais dúvidas e respostas sobre o CorreiosSaúde: Pergunta: O Plano de Saúde dos Correios mudou? A PostalSaúde é um novo Plano? Resposta: Não. O Plano

Leia mais

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR?

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? Descubra os benefícios que podem ser encontrados ao se adaptar as novas tendências de mercado ebook GRÁTIS Como o investimento em TI pode

Leia mais

9 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO

9 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO 9 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO Ao sistema de controle interno, consoante o previsto nos arts. 70 e 74 da Constituição Federal, incumbe a fiscalização contábil, financeira, orçamentária, operacional e patrimonial,

Leia mais

LEI Nº 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001

LEI Nº 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001 LEI Nº 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001 Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço

Leia mais

RESOLUÇÃO CRM-PR N.º 191/2013.

RESOLUÇÃO CRM-PR N.º 191/2013. RESOLUÇÃO CRM-PR N.º 191/2013. Dispõe sobre a obrigatoriedade dos Contratos firmados entre as Operadoras de Planos de Saúde e os Médicos seguirem as Normativas da ANS Agência Nacional de Saúde Suplementar.

Leia mais

Auditoria de Sistemas. UNIPAC Ipatinga Segurança e Auditoria de Sistemas Prof. Thiago Lopes Lima

Auditoria de Sistemas. UNIPAC Ipatinga Segurança e Auditoria de Sistemas Prof. Thiago Lopes Lima Auditoria de Sistemas UNIPAC Ipatinga Segurança e Auditoria de Sistemas Prof. Thiago Lopes Lima Auditoria É uma atividade que engloba o exame das operações, processos, sistemas e responsabilidades gerenciais

Leia mais

I SEMINÁRIO NACIONAL DO PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE II

I SEMINÁRIO NACIONAL DO PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE II Ministério da Educação Secretaria de Ensino Superior Diretoria de Hospitais Univ ersitários e Residências em Saúde A articulação da Graduação em Saúde, dos Hospitais de Ensino e das Residências em Saúde

Leia mais

Dr. Lueiz Amorim Canêdo DIRETOR DE AUDITORIA MÉDICA

Dr. Lueiz Amorim Canêdo DIRETOR DE AUDITORIA MÉDICA Dr. Lueiz Amorim Canêdo DIRETOR DE AUDITORIA MÉDICA DIRETORIA DE AUDITORIA Art. 52 A Diretoria de Auditoria Médica compete, entre outras, as seguintes atribuições: I coordenar as ações do departamento

Leia mais

www.santahelenasuade.com.brmecanismos de

www.santahelenasuade.com.brmecanismos de 1 www.santahelenasuade.com.brmecanismos de Regulação 2 A CONTRATADA colocará à disposição dos beneficiários do Plano Privado de Assistência à Saúde, a que alude o Contrato, para a cobertura assistencial

Leia mais

Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina - Resolução: 1626 de 23/10/2001

Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina - Resolução: 1626 de 23/10/2001 Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina - Resolução: 1626 de 23/10/2001 Ementa: Dispõe sobre as instruções para Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina. Fonte: CFM O Conselho Federal de Medicina,

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

Conselho Regional de Medicina do Estado da Bahia CREMEB III Fórum de Publicidade Médica 24 de agosto de 2012 Conselho Regional de Medicina do Estado da Bahia CREMEB Comissão de Divulgação de Assuntos Médicos

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências

Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências Decreto Nº 94.406 / 1987 (Regulamentação da Lei nº 7.498 / 1986) Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências O Presidente da

Leia mais

PARECER CREMEC N.º 06/2014 14/03/2014

PARECER CREMEC N.º 06/2014 14/03/2014 PARECER CREMEC N.º 06/2014 14/03/2014 PROCESSO-CONSULTA PROTOCOLO CREMEC Nº 6566/08 ASSUNTO: RESPONSABILIDADE MÉDICA PARECERISTA: CÂMARA TÉCNICA DE AUDITORIA DO CREMEC EMENTA O ato médico é responsabilidade

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR Regulamento do Programa de Assistência Domiciliar aprovado pelo Conselho REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMILICIAR CAPITULO I DEFINIÇÕES GERAIS

Leia mais

* Portaria SAS/MS nº 356 de 22 de setembro de 2000

* Portaria SAS/MS nº 356 de 22 de setembro de 2000 * Portaria SAS/MS nº 356 de 22 de setembro de 2000 O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a Portaria GM/MS nº 569, de 1º de julho de 2000, que institui o Programa

Leia mais

4. Padrão Mínimo de Qualidade dos Sistemas Integrados de Administração Financeira e Controle

4. Padrão Mínimo de Qualidade dos Sistemas Integrados de Administração Financeira e Controle 4. Padrão Mínimo de Qualidade dos Sistemas Integrados de Administração Financeira e Controle Luís Eduardo Vieira Superintendência de Gestão Técnica SGT Financeira e Controle. Introdução A transparência

Leia mais

Código de Ética do IBCO

Código de Ética do IBCO Código de Ética do IBCO Qua, 14 de Novembro de 2007 21:00 O papel do consultor de organização, no desempenho de suas atividades, é o de assistir aos clientes na melhoria do seu desempenho, tanto nos aspectos

Leia mais

PORTARIA Nº 2.304, DE 4 DE OUTUBRO DE 2012. Institui o Programa de Mamografia Móvel no âmbito do Sistema Único de Saúde

PORTARIA Nº 2.304, DE 4 DE OUTUBRO DE 2012. Institui o Programa de Mamografia Móvel no âmbito do Sistema Único de Saúde PORTARIA Nº 2.304, DE 4 DE OUTUBRO DE 2012 (SUS). Institui o Programa de Mamografia Móvel no âmbito do Sistema Único de Saúde O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe conferem os incisos

Leia mais

EMENTA: Auditoria Hospitalar Relação Contratual entre Hospitais e Operadoras de Saúde CONSULTA

EMENTA: Auditoria Hospitalar Relação Contratual entre Hospitais e Operadoras de Saúde CONSULTA PARECER Nº 2442/2014 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N. º 157/2010 PROTOCOLO N. º 20097/2010 ASSUNTO: AUDITORIA HOSPITALAR RELAÇÃO CONTRATUAL ENTRE HOSPITAIS E OPERADORAS DE SAÚDE PARECERISTA: CONS.º DONIZETTI

Leia mais

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08 1 www.romulopassos.com.br / www.questoesnasaude.com.br GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS Professor Rômulo Passos Aula 08 Legislação do SUS Completo e Gratuito Página 1 2 www.romulopassos.com.br

Leia mais

CPI da OPME 6.Abr. 2015. Dr. Eudes de Freitas Aquino Presidente da Unimed do Brasil

CPI da OPME 6.Abr. 2015. Dr. Eudes de Freitas Aquino Presidente da Unimed do Brasil CPI da OPME 6.Abr. 2015 Dr. Eudes de Freitas Aquino Presidente da Unimed do Brasil SISTEMA UNIMED 351 Cooperativas contribuindo com a interiorização dos médicos da medicina de qualidade no Brasil. SISTEMA

Leia mais

Código de Ética e Conduta

Código de Ética e Conduta Código de Ética e Conduta Introdução A Eucatex, através deste Código de Ética e Conduta, coloca à disposição de seus colaboradores, fornecedores e comunidade, um guia de orientação para tomada de decisões

Leia mais

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002.

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a Portaria GM/MS nº 866, de 09 de maio de 2002, que cria os mecanismos para organização

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES 1 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL 1.1. Perfil Comum: Farmacêutico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva.

Leia mais

Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante

Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante POR QUE CRIAR CIHDOTTs? 6294 hospitais no país Necessidade de descentralização Equipes localizadas dentro do hospital notificante

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 03/13 PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE ORIENTAÇÕES GERAIS PARA ELABORAÇÃO - 2014 Introdução: O Planejamento é uma tecnologia de gestão que visa articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas

Leia mais

5.2. Programa de Mobilização e Desmobilização da Mão de Obra. Revisão 00 NOV/2013

5.2. Programa de Mobilização e Desmobilização da Mão de Obra. Revisão 00 NOV/2013 PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.2 Programa de Mobilização e Desmobilização da Mão de Obra CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já realizadas... 2 2. Justificativa... 6 3. Objetivos... 8 4. Área de abrangência...

Leia mais

NORMAS REGIONAIS PARA O ENCAMINHAMENTO DE BENEFICIÁRIOS DO SAMMED/FUSEx NO ÂMBITO DA 10ª REGIÃO MILITAR

NORMAS REGIONAIS PARA O ENCAMINHAMENTO DE BENEFICIÁRIOS DO SAMMED/FUSEx NO ÂMBITO DA 10ª REGIÃO MILITAR MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO COMANDO MILITAR DO NORDESTE COMANDO DA 10 a REGIÃO MILITAR REGIÃO MARTIM SOARES MORENO NORMAS REGIONAIS PARA O ENCAMINHAMENTO DE BENEFICIÁRIOS DO SAMMED/FUSEx NO

Leia mais

RECOMENDAÇÃO Nº 02/2012 CGMP

RECOMENDAÇÃO Nº 02/2012 CGMP MINISTÉRIO PÚBLICO DA PARAÍBA PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA CORREGEDORIA-GERAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RECOMENDAÇÃO Nº 02/2012 CGMP Recomenda aos Promotores de Justiça com atuação na área da proteção ao

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MÉDICOS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MÉDICOS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MÉDICOS Contrato que entre si fazem, na melhor forma de direito, de um lado( nome da operadora), com sede na rua..., n o...,bairro..., em(nome da cidade), (Estado), inscrita

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO CFM

MINUTA DE RESOLUÇÃO CFM MINUTA DE RESOLUÇÃO CFM Dispõe sobre a normatização do funcionamento dos prontos-socorros hospitalares, assim como do dimensionamento da equipe médica e do sistema de trabalho. O Conselho Federal de Medicina,

Leia mais

A experiência do Escritório de Direitos Humanos Advocacia Universitária (EDH)

A experiência do Escritório de Direitos Humanos Advocacia Universitária (EDH) A experiência do Escritório de Direitos Humanos Advocacia Universitária (EDH) Joana Zylbersztajn 1 Introdução O Centro de Direitos Humanos surgiu em 1998, por iniciativa de professores e estudantes da

Leia mais

O Jornal O Imparcial, em sua edição do dia 07 de fevereiro do corrente, publicou uma matéria sobre as críticas do Conselheiro Henrique Liberato

O Jornal O Imparcial, em sua edição do dia 07 de fevereiro do corrente, publicou uma matéria sobre as críticas do Conselheiro Henrique Liberato O Jornal O Imparcial, em sua edição do dia 07 de fevereiro do corrente, publicou uma matéria sobre as críticas do Conselheiro Henrique Liberato Salvador, da Delegacia Regional de P. Prudente do Conselho

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA VETERINÁRIA

<!ID1060354-0> CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA VETERINÁRIA CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA VETERINÁRIA RESOLUÇÃO Nº 879, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2008 Dispõe sobre o uso de animais no ensino e na pesquisa e regulamenta as Comissões de Ética no Uso de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 A PRESIDENTE EM EXERCÍCIO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA, no uso de suas atribuições legais e CONSIDERANDO que as entidades da Administração Pública Federal indireta

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociologia da saúde 30 h. Módulo IV Epidemiologia e Estatística vital 30 h

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociologia da saúde 30 h. Módulo IV Epidemiologia e Estatística vital 30 h CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL Módulos Disciplinas Carga Horária Módulo I Sociologia da saúde 30 h Módulo II Economia da saúde 30 h Módulo III Legislação em saúde 30 h

Leia mais

CNPJ/MF nº 29.978.814/0001-87. Comitê de Auditoria Estatutário. Regimento Interno. Capítulo I Introdução

CNPJ/MF nº 29.978.814/0001-87. Comitê de Auditoria Estatutário. Regimento Interno. Capítulo I Introdução PÁGINA 1 DE 7 DO PÁGINA 1 DE 7 DO CNPJ/MF nº 29.978.814/0001-87 Comitê de Auditoria Estatutário Regimento Interno Capítulo I Introdução Artigo 1º. O Comitê de Auditoria Estatutário ( Comitê ou CAE ) da

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS AGENTES FISCAIS DE RENDAS DO ESTADO DE SÃO PAULO AFRESP. APRESENTAÇÃO

ASSOCIAÇÃO DOS AGENTES FISCAIS DE RENDAS DO ESTADO DE SÃO PAULO AFRESP. APRESENTAÇÃO ASSOCIAÇÃO DOS AGENTES FISCAIS DE RENDAS DO ESTADO DE SÃO PAULO AFRESP. Portaria AFRESP nº 82/2012. APRESENTAÇÃO A Auditoria Interna - AI tem como missão examinar mediante ações preventivas de orientação,

Leia mais

Auditoria em Saúde ASSESSORANDO A GESTÃO

Auditoria em Saúde ASSESSORANDO A GESTÃO Auditoria em Saúde ASSESSORANDO A GESTÃO 1 Tânia Regina Fávero Enfermeira Licenciatura em Enfermagem pela UNICAMP/SP MBA em Gestão de Planos de Saúde Docente em cursos na ABRAMGE/SP Docente em cursos na

Leia mais

Cobrança de Procedimentos por pacote e diárias compactadas

Cobrança de Procedimentos por pacote e diárias compactadas TEMA 4 DO PRÉ CONGRESSO CONBRASS 2012 Atualização na formatação de preços dos procedimentos por pacote e tabelas de diárias compactadas - Dra.Giuseppina Pellegrini "A vida não se abala com a nossa ignorância,

Leia mais

Regimento como elaborar

Regimento como elaborar PGQ - Programa Gestão com Qualidade d Sistema 4 - Oficina Melhores Práticas Oficina i 1 Regimento como elaborar Facilitador Dr.Sérgio Luz sergiol@webcorensp.org.br Apresentação PGQ Programa Gestão com

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 07/13 RELATÓRIO ANUAL DE GESTÃO - RAG ORIENTAÇÕES GERAIS Introdução O Planejamento é um instrumento de gestão, que busca gerar e articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas de

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 PARECER CONSULTA CRM-MT Nº 33/2011 INTERESSADA: Dra V. da C. R. F. Perita Médica Precidenciária/SST/MOB

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL No-10, DE 11 DE JULHO DE 2013

PORTARIA INTERMINISTERIAL No-10, DE 11 DE JULHO DE 2013 PORTARIA INTERMINISTERIAL No-10, DE 11 DE JULHO DE 2013 Regulamenta o Decreto nº 7.385, de 8 de dezembro de 2010, que instituiu o Sistema Universidade Aberta do Sistema Único de Saúde (UNA-SUS). Os MINISTROS

Leia mais

ASSUNTO: Peculiaridades do transporte de pacientes pelo SAMU 192. RELATOR: Cons. Luiz Augusto Rogério Vasconcellos

ASSUNTO: Peculiaridades do transporte de pacientes pelo SAMU 192. RELATOR: Cons. Luiz Augusto Rogério Vasconcellos EXPEDIENTE CONSULTA N.º 209.644/11 PARECER CREMEB Nº 21/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 21/05/2013) ASSUNTO: Peculiaridades do transporte de pacientes pelo SAMU 192. RELATOR: Cons. Luiz Augusto Rogério

Leia mais

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Universidade de Cuiabá - UNIC Núcleo de Disciplinas Integradas Disciplina: Formação Integral em Saúde SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Profª Andressa Menegaz SUS - Conceito Ações e

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252)

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) Aprova as normas técnicas concernentes à digitalização e uso dos sistemas informatizados para a guarda e manuseio dos documentos

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE 1 ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE (D.O 01 revisão 05, de 22 de março de 2011) 2 SUMÁRIO PARTE I INTRODUÇÃO

Leia mais

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação s Possíveis Achados 1 As características da unidade de controle interno atendem aos preceitos normativos e jurisprudenciais? Ato que criou

Leia mais