ESTUDO SOBRE A AGREGAÇÃO DE VALOR À APP URBANA ATRAVÉS DA GESTÃO AMBIENTAL INTEGRADA. Poliana Risso da Silva 1. Nemésio Neves Batista Salvador 2

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDO SOBRE A AGREGAÇÃO DE VALOR À APP URBANA ATRAVÉS DA GESTÃO AMBIENTAL INTEGRADA. Poliana Risso da Silva 1. Nemésio Neves Batista Salvador 2"

Transcrição

1 ESTUDO SOBRE A AGREGAÇÃO DE VALOR À APP URBANA ATRAVÉS DA GESTÃO AMBIENTAL INTEGRADA Poliana Risso da Silva 1 Nemésio Neves Batista Salvador 2 Guilherme Shoiti Ueda 3 RESUMO: Como reflexo do processo de êxodo rural e da conseqüente urbanização, ambos acelerados, ocorridos durante o século XX, o meio urbano vivenciou uma sobrecarga na infra-estrutura urbana e a ocorrência de ocupações e uso do solo irregular sobre áreas de preservação permanente (APP) urbanas, responsáveis por problemas sócio-ambientais presentes ainda na atualidade. A hipótese levantada para a ocupação desordenada em APP foi a de que estas áreas não apresentam valor ambiental agregado a elas. O artigo objetivou discutir sobre o valor dado às APP urbanas, como incidiram as transformações de valor, a inter-relação do valor agregado à forma de gestão urbana e como a Gestão Ambiental Integrada pode contribuir para a valorização das APP no meio urbano. Como método adotou-se um estudo teórico a partir de uma revisão bibliográfica sobre o processo de transformação de valor das APP urbanas e como a forma de Gestão Ambiental Integrada influencia na agregação de valor. Foram, ainda, realizadas discussões e análise crítica com profissionais envolvidos com a gestão do ambiente urbano. Os resultados obtidos apresentaram uma transformação do valor agregado às APP, de ambiental para de mercado, em paralelo aos processos de urbanização e ocupação ocorridos. O estudo ainda possibilitou a verificação da responsabilidade do modo de gestão urbana sobre a agregação de valor ambiental às APP urbanas e destacou a Gestão Ambiental Integrada como alternativa em favor das APP como áreas de preservação. Palavras-chave: APP urbana, agregação de valor, gestão ambiental integrada. 1 Mestranda Poliana Risso da Silva, Universidade Federal de São Carlos - UFSCar, Programa de Pósgraduação em Engenharia Urbana - PPGEU, 2 Prof. Dr. Némésio Neves Batista Salvador, Universidade Federal de São Carlos - UFSCar, Departamento de Engenharia Civil-DECiv, 3 Especialista Guilherme Shoiti Ueda, SENAI, MBA em Gestão de Obras,

2 1. INTRODUÇÃO: O Brasil foi palco, durante a segunda metade do século XX, de um desenvolvimento industrial acelerado, de um êxodo rural motivado pela elevada demanda por mão de obra operária nos principais centros urbanos, pela constituição de mercados fornecedores e consumidores, e principalmente, pela esperança de melhoria da qualidade de vida, vinculada a estes fatores. Para as pessoas daquela época, assim como para as de hoje, a mudança para a cidade representava a possibilidade de viver uma realidade caracterizada pela eliminação ou minimização das dificuldades do seu dia-a-dia (FERNANDES, 2000 apud FELÍCIO, 2007). Neste período, de 1950 a 2000, a população urbana passou de 18,8 milhões (36% da população total), para 138 milhões de habitantes (81% da população total), havendo um crescimento em torno de sete vezes em relação ao valor inicial. Este crescimento, segundo Menegat e Almeida (2004), transformou cidades de pequeno em médio porte e de médio em grande. A Pesquisa de Informações Municipais realizada pelo IBGE em 2001 afirma que, em 1950, apenas três cidades possuíam mais de 500 mil habitantes (Rio de Janeiro, São Paulo e Recife) e oito tinham entre 100 e 500 mil. Já em 1991, havia 25 cidades com mais de 500 mil e 162 entre 100 e 500 mil habitantes (IBGE, 2001). Dessa maneira, distingue-se um crescimento direcionado para as regiões periféricas às metrópoles e, principalmente, para as cidades de médio porte. Conforme Tucci (2002), as estatísticas demonstram que as cidades acima de um milhão de habitantes estão crescendo a uma taxa anual média de 0,9%. Em contrapartida, as cidades entre 100 e 500 mil crescem 4,8% (TUCCI, 2002). Com esta expressiva expansão urbana, a relação de oferta e procura por trabalho nas cidades sofreu um desequilíbrio. Houve elevada demanda social em oposição a uma baixa absorção de mão de obra. Segundo Santos (1978), a economia capitalista urbana não estava em condições de acolher a grande quantidade de migrantes (SANTOS, 1978). Atrelada a esta situação, a ausência de planificação política colaborou para a ocorrência de uma ocupação e uso do solo desordenados, com sobrecarga na infra-estrutura existente e segregação sócio-espacial caracterizada por desemprego crescente, falta de acesso à terra e à renda, e principalmente, pelo surgimento de periferias pobres e ilegais, com carência de infra-estrutura urbana e serviços públicos. As chamadas cidades informais são, hoje, uma realidade em quase todas as cidades brasileiras. Estimuladas por latifundiários censuráveis, as ocupações irregulares, segundo a pesquisa realizada pelo IBGE em 2001, estão presentes em 97% das cidades com mais de 500 mil habitantes, em 80% das cidades médias entre 100 e 500 mil, em 45% daquelas entre 20 e 100 mil e até mesmo em 20% das cidades com menos de 20 mil habitantes. Dessa maneira, problemas antes concentrados nas grandes metrópoles foram sendo ampliados para as demais cidades, de médio e pequeno porte. O agravante da situação é a localização destas ocupações, pois muitas são em áreas de mangues, em topos de morros e em margens de corpos d água, ou seja, em áreas ambientalmente frágeis, consideradas Áreas de Preservação Permanente (APP), expondo uma proporção substancial da população a riscos naturais e perigos ambientais induzidos por suas ações antrópicas. E ainda, por serem destituídas de regulamentos urbanísticos apropriados para ocupação, estas áreas de preservação não seguem padrões mínimos de habitabilidade. Problemas de saúde pública, mortes por desmoronamento, ausência de luz, de água e esgoto tratado, são fatos que comprovam essa deficiência. A partir destes dados foi levantada a hipótese de que a APP, se comparada às áreas urbanas com outras titulações, possui elevado número de ocupações irregulares, devido à ausência de valor ambiental agregado a ela. As margens de cursos de água, por exemplo, apresentam grande importância para o meio ambiente. Nelas se encontram as matas ciliares - agentes estabilizadores - responsáveis pela interface entre os ecossistemas aquático e terrestre, e ainda pela filtragem natural da poluição difusa, que contribui para a diminuição de erosões de ribanceiras e de assoreamentos de rios; para a conservação da qualidade e do volume das águas e, conseqüentemente, para o equilíbrio 2

3 da bacia (UIEDA, 2004). Todavia, dentre as áreas de APP, esta é a mais afetada pelas ações antrópicas, principalmente sob o aspecto de extensão de área impactada. Por isso, acredita-se na justificativa de que seu valor ambiental é insuficiente para barrar o processo de ocupação desordenada em sua direção. Assim, o objetivo deste artigo foi discutir, com base em revisão bibliográfica, sobre o valor atribuído às APP, como incidiram as transformações de valor, a inter-relação do valor agregado às formas de gestão urbana e, por fim, como a Gestão Ambiental Integrada pode contribuir para a valorização das APP no meio urbano. 2. DESENVOLVIMENTO: 2.1. Metodologia: O trabalho foi desenvolvido através de um estudo teórico, o qual contou com uma revisão bibliográfica sobre o processo de transformação de valor das Áreas de Preservação Permanente (APP) no meio urbano, e sobre como a forma de gestão urbana, incluindo a Gestão Ambiental Integrada, defendida por Menegat e Almeida (2004), influenciam na agregação de valor. Além da revisão bibliográfica, para o artigo, foi realizada uma análise crítica sobre os temas expostos, em parceria com o orientador, engenheiro civil doutor, envolvido com a gestão do ambiente urbano. A pesquisa teve início com o levantamento, em literatura relacionada à APP, de referências às formas de agregação de valor. Os dados obtidos nesta primeira etapa, junto às discussões com o orientador, advertiram sobre a necessidade de se também pesquisar sobre as formas de gestão urbana. Dessa maneira, as revisões bibliográficas foram feitas sobre os dois temas, recolhendo dados, por meio de pesquisas na biblioteca comunitária da Universidade Federal de São Carlos UFSCar e em bibliotecas digitais: SciELO e periódicos CAPES. Durante a análise crítica dos temas, observou-se a inter-relação entre a transformação do valor agregado às APP urbanas e a forma de gestão vigente. A gestão ambiental integrada foi assim incluída, também como objeto de estudo, por apresentar alternativas para a transformação do valor, hoje agregado às APP urbanas, de maneira a contribuir para a sustentabilidade sócio-ambiental no meio urbano Revisão Bibliográfica e Análise dos dados: Com base nos dados obtidos através da revisão bibliográfica sobre o material teórico reunido, foi identificado um elevado reconhecimento da importância do ambiente natural para o homem, durante longo período de sua história evolutiva. Na pré-história, do paleolítico ao neolítico, os recursos naturais eram tidos como fundamentais para a sobrevivência da espécie humana: todos os métodos utilizados para este fim estavam diretamente relacionados ao ambiente natural. A dependência da espécie humana em relação à Natureza e sua importância para o equilíbrio dos ecossistemas eram situações esclarecidas para o Homem. Ontem, o homem escolhia em torno, naquele seu quinhão de Natureza, o que lhe podia ser útil para a renovação de sua vida: espécies animais, árvores, florestas, rios, feições geológicas. Esse pedaço de mundo é, da Natureza toda, o que ele pode dispor, seu subsistema útil, seu quadro vital (SANTOS e CARVALHO, 2007). Seguindo o processo evolutivo, observou-se que, a partir do neolítico, o homem passou a interferir nos ciclos ambientais com maior freqüência e, mais tarde, com o início das transações comerciais e a instauração do capitalismo a relação homem-natureza se alterou por completo. Outro 3

4 contexto se fez presente, tudo se transformou em mercadoria. Sob esta condição, a Natureza passou a ser utilizada de forma indiscriminada como objeto das ações humanas. O desenvolvimento industrial aliado à urbanização acelerada, ambos ocorridos, principalmente, a partir da segunda metade do século XIX, foram apontados como agravantes à interferência humana sobre o meio ambiente. Tal julgamento baliza-se nas referências que confirmam que na época, intervenções no meio natural eram vistas como progresso e desenvolvimento (MELLO, 2005), de modo que os processos espaciais de ocupação humana se davam sempre atrelados à presença da natureza, em especial dos corpos d água, quer sejam rios, lagos, lagoas ou mares. Mello (2005) reconhece várias justificativas para essa ligação. A proximidade à água diz respeito desde ao atendimento de necessidades básicas do homem, como o abastecimento e higiene pessoal, a funções de transporte, pesca, recreação, bem como à valorização dos aspectos estéticos e de beleza cênica. Relaciona-se também a fatores simbólicos, ritualísticos, a água é um elemento universal de conexão do homem com a natureza (MELLO, 2005). Todavia, como exposto por Bittar (2003), o espírito colonizador humano confundiu empreendedorismo com destruição, exploração com exaustão, tornando o urbano antônimo do que é natural e não do que é rural, e isto porque o urbano converteu-se no símbolo do artificialismo que expropria toda e qualquer manifestação natural (BITTAR, 2003). Assim, surgiram tensões e conflitos quanto ao uso e o valor do espaço urbano, de tal modo que, durante este período, não foram previstos os danos que as ações antrópicas poderiam gerar no futuro. De um conjunto de forças sobre as quais o homem não tinha domínio, a natureza passou a ser objeto passível de manipulação nas práticas profissionais de intervenção no espaço, em atendimento aos anseios funcionais e estéticos da sociedade (ALVES, 2007). Em um segundo momento, a natureza, especialmente a Área de Preservação Permanente, passou a ser ocupada por população de baixa renda que, por meio da autoconstrução, consolidou suas moradias, tendo como regra a desconsideração da paisagem e de seus valores estéticos, simbólicos e ecológicos (ALVES, 2007). Dessa maneira, a partir de Mello (2005), foram identificadas no Brasil, duas diretivas estruturadoras do aproveitamento das APP na organização urbana. A primeira relaciona-se à intervenção paisagística (parques, praças e áreas de lazer em geral) e a segunda à desconsideração do curso d água em virtude da consolidação de assentamentos sobre APP, cujas ocupações lindeiras viram as costas para a água, acarretando a degradação das margens, a recepção de resíduos e a implantação de edificações precárias, muitas vezes desprovidas de instalações hidráulicosanitárias (ALVES, 2003). Observa-se assim, que ambas diretivas basearam-se na descaracterização do uso das APP, pois a APP, como área legalmente intocável passou a ser encarada como um empecilho ao desenvolvimento urbano. Sob esta condição, o valor ambiental agregado às APP foi transformado rapidamente em outro tipo de valor, o valor de mercado. Dessa maneira, as APP foram inseridas no conceito de terra urbana e passaram a conter valor somente se passível de urbanização (artificialidade), logo que o valor predominante era o de compra e venda. Desse modo acredita-se que a realidade atual das APP urbanas, de degradação e abandono, é decorrente dessa transformação de valor, que prioriza o valor de mercado. No entanto, não é só este valor que está agregado a elas. Ao estabelecer um comparativo entre uma praça e uma APP urbana, sendo ambas de responsabilidade cidadã, reconhece-se uma sobreposição de valor da praça em relação à APP. Isto porque, o consciente comum não a considera parte do meio urbano e, portanto, de responsabilidade de todos. Esta comparação não objetiva reduzir o valor das praças públicas, pois estas apresentam elevado valor social, sendo locais de encontro, de convívio e de relacionamentos. No entanto, o valor ambiental da APP, elemento fundamental ao equilíbrio do ecossistema natural, não pode ser preterido. 4

5 As APP foram criadas por lei em 1965, pelo Código Florestal, como forma de proteger o meio ambiente e os cursos de água. Este reconheceu que as áreas, então utilizadas para atender à função de moradia humana, cumpriam, principalmente, Função ambiental de preservar os recursos hídricos, a paisagem, a estabilidade geológica, a biodiversidade, o fluxo gênico de fauna e flora e, proteger o solo e assegurar o bem-estar das populações estando cobertas ou não, por vegetação (BRASIL, 1965). O esquecimento da importância ambiental das APP pode ser atribuído ao maior distanciamento das APP em relação ao cotidiano urbano, se comparadas às praças públicas; ao fato de as APP não fazerem parte das áreas de projeto dos loteamentos urbanos na maioria dos casos; ou, ainda, à ineficiência da legislação e do cumprimento desta sobre a preservação ecológica de áreas ambientalmente frágeis. Contudo, está claro que esta situação contribuiu para o surgimento dos principais problemas relacionados aos cursos d água na cidade: a intensificação das enchentes, a transmissão de doenças e a escassez de água para o abastecimento. Isso porque, as APP, geralmente públicas e ociosas, e ainda, sem valor ambiental agregado, tornaram-se suscetíveis à abertura de avenidas, à ocupação ilegal e à favelização, sendo estes os maiores responsáveis pela degradação ambiental urbana. Todavia, ao invés da sociedade assimilar a importância destas áreas, ela desenvolveu uma imagem negativa e equivocada dos rios urbanos, de modo que estes são atualmente lembrados somente em épocas de chuvas, como causadores de enchentes, sendo, portanto, uma ameaça ao cidadão urbano. Em geral, o poder público só dá atenção à existência dos fundos de vale, tratando-o como um mal a ser suprimido, quando o curso d água é alcançado pela deterioração urbana e atingido por enchentes, exala mau cheiro ou é foco de epidemias (SILVA, 1999). Assim, não raro, medidas paliativas, como canalização e tamponamento de rios, são tomadas com o único intuito de esconder - e não resolver - os reais problemas como dejetos, mau cheiro e doenças presentes nos fundos de vale. Constata-se, portanto, que no geral, os rios têm apresentado mais valor por seu papel utilitário (abastecimento, geração de energia, processos produtivos, carreamento de esgotos e transporte), reduzindo-se a máquinas hidráulicas e suas margens a corredores de circulação, como definido por Bartalini (2006), do que por seu valor paisagístico e de equilíbrio do ecossistema. No imaginário popular, os rios são considerados locais próprios para ocorrências de usos não socialmente aceitos e para depósito de lixos e entulhos, onde se procria animais peçonhentos e vetores de doenças (FELÍCIO, 2007). Como consequência, mesmo nas raras cidades cujas implantações vislumbram os rios como elementos da composição da paisagem urbana, de um parque, de uma área de lazer ou como locais de convivência e integração social, normalmente apenas um dos rios é integrado ao desenho urbano, enquanto os outros são dispostos na parte dos "fundos" da cidade. Quando o rio é valorizado e inserido no meio urbano, ele pode trazer inúmeros benefícios para a qualidade sócio-ambiental da cidade, estimulando a identidade da população com o local, tornando-se referência espacial e simbólica, e um espaço multifuncional de recreação, lazer, ponto de encontro e interação social (ALVES, 2003). No entanto, o êxito em valorizar e considerar a condição ambiental, no processo de planejamento urbano, dependerá de uma ação conjunta da administração pública e da participação popular, pois neste cenário, de descaso e alienação sócio-ambiental por parte da sociedade civil, os instrumentos legais não são capazes, de promover e assegurar um uso mais coerente e harmônico dessas áreas, tanto relacionado ao desempenho hídrico quanto ao social (FELÍCIO, 2007). 5

6 Dessa maneira, para que seja possível uma participação popular consciente, integrada e efetiva nas tomadas de decisão e implementação de programas, devem ser modificadas a forma de governo e a gestão pública atual. Através de pesquisa em bibliografia relacionada ao tema, foi destacada a Gestão Ambiental Integrada como alternativa a uma nova forma de gestão, por apresentar um gerenciamento urbano-social-ambiental vinculado à condição de sustentabilidade. O processo de Gestão Ambiental Integrada é baseado na articulação de quatro esferas: a esfera de conhecimento ambiental, de educação e cultura, de gestão social-ambiental pública e de participação popular, sendo todas, parte de um trabalho conjunto. Cada esfera deve considerar, na realização de seus programas e atividades, os pressupostos das demais, de sorte a reorganizar suas próprias funções e capacitar-se progressivamente para construir relações necessárias e orgânicas entre elas (MENEGAT e ALMEIDA, 2004). A esfera do conhecimento ambiental atua no sentido de entender e diagnosticar o sistema urbano-social-ambiental e suas relações locais e globais com o sistema natural. Para sua composição, inclui-se o conhecimento existente nas instituições em que os cidadãos vivem e trabalham, como: escolas, associações de moradores, paróquias, sindicatos, empresas locais. Dessa maneira, o conhecimento ambiental é complementado e, ao mesmo tempo, torna-se mais próximo da sociedade. A esfera de educação e informação assume, também, um papel importante no processo de gestão ambiental integrada por ser capaz de agregar aos cidadãos a capacidade de reconhecimento, desde cedo, de sua territorialidade local, de sua importância regional e sistêmica, assim como a competência de desenvolver o pensamento e a inteligência necessários à compreensão dos programas de gestão ambiental e da condição da vida urbana. A esfera de gestão urbana-social-ambiental pública se volta à capacitação técnica de órgãos necessários à gestão ambiental, de maneira que estes sejam aptos a desenvolver programas estratégicos e integrados com a sociedade e a economia, tendo como premissa as demais esferas de integração. A relevância dessa esfera está no fato de poder realizar programas mais completos e de âmbito e duração maiores, deixando de serem somente campanhas setoriais, como definido por Menegat e Almeida, (2004). A quarta esfera, responsável pela conformação do modelo de gestão ambiental integrada, é a de participação popular. Esta esfera assume grande importância para o bom funcionamento do processo, pois somente com uma participação ativa da comunidade na gestão do sistema urbanosocial-ambiental há visibilidade de um sistema de governo democrático, humanista e culturalmente mais tolerante (MENEGAT E ALMEIDA, 2004). Isto porque, o conhecimento técnico dos órgãos administrativos não é suficiente para o entendimento de cidade, suas relações, implicações e necessidades. Assim, a visão plena de cidade só é efetivada através de uma atitude social participativa, na qual atuem o cidadão, os grupos sociais, as instituições e o governo. A gestão ambiental integrada age com o pressuposto de que para estabelecer uma harmonia entre o meio urbano e o natural, há necessidade de uma visão sistêmica por parte de toda a sociedade, pois ao entender a relação de dependência entre esses meios e reconhecer o homem como parte do ecossistema natural, surge a possibilidade de uma mudança de paradigmas e de uma ação mais participativa. A visão não sistêmica ou fragmentada de cidade, presente no modo de gestão urbana atual, promove o isolamento dos cidadãos e dos grupos sociais e gera, ainda, uma distorção sobre as reais causas dos impactos ambientais no meio urbano. Por este motivo a gestão ambiental integrada defende a participação popular como uma das esferas fundamentais, pois entende a consciência ambiental cidadã como um fator imperativo à sustentabilidade ambiental e urbana. A participação democrática da sociedade no aproveitamento e manejo dos recursos naturais, assim como no processo de decisão para a escolha de novos estilos de vida e construção de futuros possíveis, sob os princípios da sustentabilidade ecológica, equidade social, diversidade étnica, autonomia política e cultural, fariam parte desta consciência 6

7 ambiental cidadã. Esta visão ambiental do meio urbano suscita a constituição de uma cidadania para os desiguais, com ênfase nos direitos sociais, e no impacto da degradação das condições de vida decorrentes da degradação socioambiental, notadamente nos grandes centros urbanos (SANCHES, 2000). No entanto, não basta somente a participação popular nas tomadas de decisão para que a gestão ambiental urbana funcione, e as APP urbanas voltem a agregar valor ambiental perante a sociedade. A educação, a informação e o conhecimento ambiental são essenciais para impedir que a gestão ambiental integrada assuma um caráter assistencialista, de causas particulares. O conhecimento é assim, fundamental para promover a realização de ações embasadas em um entendimento completo de cidade e meio ambiente. 3. CONCLUSÃO: O desenvolvimento industrial e urbano no Brasil do século XIX contribuiu para o intenso êxodo rural que, por sua vez, tem sido apontado como principal responsável pela sobrecarga na infra-estrutura urbana e pela fragmentação social, levando ao processo de favelização e à ocorrência de ocupações irregulares em áreas de preservação permanente. Há, no entanto, o entendimento de que esta irregularidade ocorreu, principalmente, pelo fato de as áreas de preservação não possuírem valor ambiental agregado para a sociedade civil e órgãos públicos relacionados. Isto ocorre porque o valor da terra, no atual contexto, está associado ao mercado e às possibilidades de uso para atendimento das necessidades urbanas, sendo a APP, como área legalmente intocável, considerada entrave ao modo de vida urbana. O estudo teórico realizado permitiu a visualização de como o modelo de gestão urbana capitalista tradicional contribui para a inconsciência ambiental e alienação política da sociedade. Foram identificadas falhas na forma de planejamento urbano, decorrentes, sobretudo, do atributo exclusivamente técnico, realizado a partir de um centralismo excessivo em sua gestão. Dessa maneira, a gestão ambiental integrada foi apontada como alternativa ao modo de gestão tradicional, pois seu modelo defende, principalmente, a participação popular nas tomadas de decisão. O centralismo verificado na forma de gestão atual promove o distanciamento da sociedade em relação ao conhecimento da problemática ambiental e urbana e às decisões de políticas públicas, justificando o perfil de alienação da população. O artigo, portanto, defende que para a dissolução dos problemas sócio-ambientais relacionados à APP urbana há necessidade de implementação de uma gestão baseada na articulação de quatro esferas fundamentais: a esfera do conhecimento ambiental, a da gestão urbana-socialambiental pública, a da educação e informação e a da participação popular. A adoção deste modelo de gestão promoveria o gerenciamento das cidades através de uma visão sistêmica, acompanhada de uma consciência social e ambiental advinda das esferas do conhecimento e educação, com participação de toda a sociedade. Este posicionamento em favor da gestão ambiental integrada nas cidades ocorre, sobretudo, pelo entendimento de que somente num ambiente efetivamente democrático e participativo, amparado por amplo conhecimento social e ambiental, há possibilidade de se produzir o bem comum, valorizando o todo que engloba o meio urbano e consolidando assim, um modelo de gestão urbana sustentável. 4. AGRADECIMENTOS: A CAPES, pela bolsa concedida à mestranda do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Urbana - PPGEU da Universidade Federal de São Carlos- UFSCar, Poliana Risso da Silva. 7

8 5. REFERÊNCIAS: ALVES, A. Regularização Fundiária ou Manutenção das Áreas de Preservação Permanente: a experiência do Programa Habitar Brasil Bid. UnB PPG/FAU, Dissertação de Mestrado, Planejamento Urbano, ALVES, M. P.. A recuperação de rios degradados e sua reinserção na paisagem urbana: a experiência do rio Emscher na Alemanha. São Paulo, BARTALINI, V. A trama capilar das águas na visão cotidiana da paisagem. São Paulo, BITTAR, E. C. B. Filosofia e Meio Ambiente. Publicado em: 19/11/2003. Acesso em: 20/01/2009. BRASIL. Código Florestal. Lei nº. 4771, 15 de Agosto de FELÍCIO, B.C., Ocupação Antrópica nas Áreas de Preservação Permanente APPs Urbanas: estudo das áreas lindeiras aos córregos dos Bagres, Cubatão e Espraiado em Franca/SP, UFSCar, São Carlos, SP, FERNANDES, A. C. Desenvolvimento Urbano e Regional. Notas de Aula. Departamento de Engenharia Civil. Universidade Federal de São Carlos, IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de Informações Municipais. IBGE. Rio de Janeiro, Disponível em: Acesso 15/09/2008. MELLO, S. S. Ocupações Urbanas em Margens de Cursos Dágua articulação entre os enfoques ambiental e urbanístico. Artigo apresentado no International Congresso n Environmental Planning and Management Environmental Challenges of Urbanization. Brasília, setembro de MENEGAT, R.; ALMEIDA, G. Sustentabilidade, democracia e gestão ambiental e urbana. Porto Alegre: edufrgs, 2004, v., p SANCHES, S. S. S. - Cidadania ambiental: novos direitos no Brasil São Paulo: Humanitas, SANTOS, C. R.; CARVALHO, C.S. Proposta Para A Gestão Integrada Das Áreas De Preservação Permanente Em Margens De Rios Inseridos Em Áreas Urbanas. APPURBANA, Seminário Nacional sobre o Tratamento de Áreas de Preservação Permanente em Meio Urbano e Restrições ao Parcelamento do Solo, FAU USP, SP, SANTOS, M. Pobreza Urbana. São Paulo, Hucitec, SILVA, G. H. P. O que fazer com os fundos de vale. Dicas: desenvolvimento urbano, nº 127. São Paulo: Instituto Pólis SP TUCCI, C. E. M. Gerenciamento da Drenagem Urbana. Revista Brasileira de Recursos Hídricos, volume 7, nº UIEDA, W. Flora e Fauna: Um Dossiê Ambiental. Editora: UNESP, SP,

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE AUDIÊNCIA PÚBLICA - ESTUDOS TÉCNICOS MACRODRENAGEM E APP S EM ÁREAS URBANA CONSOLIDADA PROPOSTA DE CONDICIONANTES E RESTRIÇÕES

Leia mais

PARQUE LINEAR EM BATAGUASSU/MS COMO PAISAGEM, PLANEJAMENTO E CONTROLE URBANOS

PARQUE LINEAR EM BATAGUASSU/MS COMO PAISAGEM, PLANEJAMENTO E CONTROLE URBANOS 493 PARQUE LINEAR EM BATAGUASSU/MS COMO PAISAGEM, PLANEJAMENTO E CONTROLE URBANOS Brysa Yanara de Mendonça Thomazini 1, Sibila Corral de Arêa Leão Honda 2 1 Discente do curso de Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

Proposta para a gestão integrada das áreas de preservação permanente em margens de rios inseridos em áreas urbanas.

Proposta para a gestão integrada das áreas de preservação permanente em margens de rios inseridos em áreas urbanas. Proposta para a gestão integrada das áreas de preservação permanente em margens de rios inseridos em áreas urbanas. Cláudia Regina dos Santos Gerente de Projetos da Secretaria Nacional de Programas Urbanos

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DRENAGEM NA BACIA DO RIO VERRUGA EM VITÓRIA DA CONQUISTA

AVALIAÇÃO DE DRENAGEM NA BACIA DO RIO VERRUGA EM VITÓRIA DA CONQUISTA Porto Alegre/RS 23 a 26/11/2015 AVALIAÇÃO DE DRENAGEM NA BACIA DO RIO VERRUGA EM VITÓRIA DA CONQUISTA UERITON DA COSTA FIGUEIREDO FILHO (*), ORLEANE SOUZA DE BRITO 2, LEONARDO GOMES MARTINS 3, ENDEL DE

Leia mais

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza Legislação Territorial Agenda 21 Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza O que é Agenda 21? Agenda 21 é um conjunto de resoluções tomadas Eco-92, que

Leia mais

Plano de zoneamento ambiental e urbanístico das Áreas de Preservação Permanente em perímetro urbano no município de Estrela

Plano de zoneamento ambiental e urbanístico das Áreas de Preservação Permanente em perímetro urbano no município de Estrela Plano de zoneamento ambiental e urbanístico das Áreas de Preservação Permanente em perímetro urbano no município de Estrela Município de Estrela SMMASB SEPLADE Defesa Civil Introdução A crescente urbanização

Leia mais

ÁREA DO MEIO AMBIENTE E HABITAÇÃO E URBANISMO

ÁREA DO MEIO AMBIENTE E HABITAÇÃO E URBANISMO PLANO GERAL DE ATUAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO PARA O ANO DE 2008 ÁREA DO MEIO AMBIENTE E HABITAÇÃO E URBANISMO Controle e uso do solo urbano e rural: parcelamento irregular/clandestino

Leia mais

EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO

EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO A AGÊNCIA PERNAMBUCANA DE ÁGUAS E CLIMA APAC, de acordo com o Plano Hidroambiental da Bacia do Rio Capibaribe, está recebendo manifestações

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO.

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. Patrícia Pinheiro da Cunha 1, Magda Beatriz de Almeida Matteucci

Leia mais

Urbanização Brasileira

Urbanização Brasileira Urbanização Brasileira O Brasil é um país com mais de 190 milhões de habitantes. A cada 100 pessoas que vivem no Brasil, 84 moram nas cidades e 16 no campo. A população urbana brasileira teve seu maior

Leia mais

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a 1. INTRODUÇÃO Muitas e intensas transformações ambientais são resultantes das relações entre o homem e o meio em que ele vive, as quais se desenvolvem num processo histórico. Como reflexos dos desequilíbrios

Leia mais

Plano de Bairro de Canabrava

Plano de Bairro de Canabrava Plano de Bairro de Canabrava PROGRAMA CATA AÇÃO Coordenador Geral: Antonio Bunchaft Coordenador Local: Moises Leão Gil PLANO DE BAIRRO DE CANABRAVA Equipe Técnica: Ronaldo Silveira Lyrio - Coordenação

Leia mais

APP s Urbanas e o Plano Diretor de Curitiba

APP s Urbanas e o Plano Diretor de Curitiba FRENTE MOBILIZA CURITIBA 1ª Oficina Meio Ambiente e Plano Diretor APP s Urbanas e o Plano Diretor de Curitiba Incidência e Regularização Fundiária de APP s Urbanas na Lei 12.651/12 Prof. Dr. José Gustavo

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PRESERVAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO MACHADO

EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PRESERVAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO MACHADO EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PRESERVAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO MACHADO FÁBIO VIEIRA MARTINS Pós-graduando em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP fabio.vieirageo@hotmail.com

Leia mais

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil PLANEJAMENTO URBANO O planejamento urbano é o processo de

Leia mais

Arborização no contexto do planejamento urbano

Arborização no contexto do planejamento urbano Arborização no contexto do planejamento urbano Eng. Florestal Edinilson dos Santos Prefeitura de Belo Horizonte Dr. Edinilson dos Santos Araçuaí - MG, 20 de maio de 2015 Prefeitura Municipal de Belo Horizonte

Leia mais

6º Seminário Estadual Áreas Contaminadas e Saúde:

6º Seminário Estadual Áreas Contaminadas e Saúde: O ESTATUTO DA CIDADE: lei 10.257 de 10/07/2001 Regulamenta os arts. 182 e 183 da Constituição Federal, estabelece diretrizes gerais da política urbana e dá outras providências. Art. 182. A política de

Leia mais

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS OBJETIVO Esta chamada tem por objetivo financiar projetos relacionados a ações de gestão e avaliação

Leia mais

FETREMIS-FACULDADE DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DA REGIÃO MISSIONÁRIA SIRLÉIA APARECIDA DE REZENDE SILVA

FETREMIS-FACULDADE DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DA REGIÃO MISSIONÁRIA SIRLÉIA APARECIDA DE REZENDE SILVA FETREMIS-FACULDADE DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DA REGIÃO MISSIONÁRIA SIRLÉIA APARECIDA DE REZENDE SILVA CONSCIENTIZAÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL Contagem-MG 2013 2 FETREMIS - FACULDADE DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente

Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente Ricardo D. Gomes da Costa 1 Marcelo Araujo 2 A rápida destruição de ambientes naturais, juntamente com a redução

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 5-CEPE/UNICENTRO, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2010. Aprova o Curso de Especialização em Educação, Meio Ambiente e Desenvolvimento, modalidade modular, a ser ministrado no Campus CEDETEG, da UNICENTRO.

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO CÓRREGO LAGOINHA, UBERLÂNDIA - MG

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO CÓRREGO LAGOINHA, UBERLÂNDIA - MG UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA 4ª Semana do Servidor e 5ª Semana Acadêmica 2008 UFU 30 anos DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO CÓRREGO LAGOINHA, UBERLÂNDIA - MG Edgard Jerônimo da Silva Júnior¹ Universidade

Leia mais

Ações Integradas em Microbacias Hidrográficas

Ações Integradas em Microbacias Hidrográficas Ações Integradas em Microbacias Hidrográficas Valdemir Antonio Rodrigues Luiza Zulian Pinheiro Guilherme Toledo Bacchim 4º Simpósio Internacional de Microbacias - FCA-UNESP - FEPAF- 2013. 11p. 1º Paisagem

Leia mais

ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL

ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL EDMILSON COSTA TEIXEIRA LabGest GEARH / UFES (edmilson@npd.ufes.br) DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL? [COMISSÃO

Leia mais

INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO

INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO Thalyta Lopes Rego Mestranda em Geografia, Universidade Federal de Goiás Instituto de

Leia mais

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP)

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP) Lei 4771 versão em vigor II área de preservação permanente: área protegida nos termos dos arts. 2 o e 3 o desta Lei, coberta ou não por vegetação nativa, com a função ambiental de preservar os recursos

Leia mais

A Experiência do Instituto Ecoar para a Cidadania e da Associação Ecoar Florestal na conservação da sociobiodiversidade no Estado de São Paulo 1

A Experiência do Instituto Ecoar para a Cidadania e da Associação Ecoar Florestal na conservação da sociobiodiversidade no Estado de São Paulo 1 A Experiência do Instituto Ecoar para a Cidadania e da Associação Ecoar Florestal na conservação da sociobiodiversidade no Estado de São Paulo 1 Gabriela Priolli de Oliveira 2 João Carlos Seiki Nagamura

Leia mais

ANÁLISES DA DINÂMICA FLUVIAL DO RIO IMBOAÇU SÃO GONÇALO RJ BRASIL: REFLEXÕES SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

ANÁLISES DA DINÂMICA FLUVIAL DO RIO IMBOAÇU SÃO GONÇALO RJ BRASIL: REFLEXÕES SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL 1 ANÁLISES DA DINÂMICA FLUVIAL DO RIO IMBOAÇU SÃO GONÇALO RJ BRASIL: REFLEXÕES SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Beray Armond 1(*), Núbia; Borba Morelli 1, Rafaela de Cássia; Saraiva 1, Felipe; Brandão, Rafael

Leia mais

Direito à Moradia e a Questão Ambiental. Suyá Quintslr

Direito à Moradia e a Questão Ambiental. Suyá Quintslr Direito à Moradia e a Questão Ambiental Suyá Quintslr Roteiro da aula 1. A questão ambiental : do surgimento do preservacionismo no período moderno à problemática ambiental na atualidade 2. A ambientalização

Leia mais

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( )

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR NOME / RAZÃO SOCIAL *: End.: rua/av *: n *: Bairro *: CEP *: Município *: Telefone *: ( ) FAX *: ( ) e-mail: CNPJ (CGC/MF n.º) *: CGC/TE n. *: CPF/CIC n. *: End. P/ correspondência:

Leia mais

MUDANÇAS DA ORDEM URBANA DAS METRÓPOLES LIVROS COMPARATIVOS Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia

MUDANÇAS DA ORDEM URBANA DAS METRÓPOLES LIVROS COMPARATIVOS Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia MUDANÇAS DA ORDEM URBANA DAS METRÓPOLES LIVROS COMPARATIVOS Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Capítulo 6 Organização Social do Território e formas de provisão de moradia Seminário

Leia mais

TERRITÓRIO, SAÚDE E SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL NAS NASCENTES DO RIO MUNDAÚ - GARANHUNS - PE

TERRITÓRIO, SAÚDE E SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL NAS NASCENTES DO RIO MUNDAÚ - GARANHUNS - PE 0 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO E MEIO AMBIENTE FACULDADE DE CIÊNCIAS, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DE GARANHUNS COORDENAÇÃO

Leia mais

Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades

Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades Associação Brasileira de Recursos Hídricos Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades Vladimir Caramori CTEC/UFAL Fortaleza, novembro de 2010 Gestão das águas urbanas Tema complexo reconhecido

Leia mais

Percepção de rios por estudantes do 5º ano do bairro Cajuru - Curitiba, Paraná

Percepção de rios por estudantes do 5º ano do bairro Cajuru - Curitiba, Paraná Percepção de rios por estudantes do 5º ano do bairro Cajuru - Curitiba, Paraná Claudia Daniela Cavichiolo 1, Tales Felgueiras das Neves 2, Araci Asinelli da Luz 3, Marlene Schussler D'Aroz 4 1 Acadêmica

Leia mais

NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III 05/11/2015

NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III 05/11/2015 CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III LEGISLAÇÃO AMBIENTAL NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, conhecida como Política

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

CADASTRO AMBIENTAL RURAL E AS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE

CADASTRO AMBIENTAL RURAL E AS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE CADASTRO AMBIENTAL RURAL E AS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O que são as APP e quais as suas funções Diferença entre APP e Reserva Legal Os diversos tipos de APP Sobre nascentes e olho d água diferenças

Leia mais

Tema 6: Proteção do Direito à Moradia nos Conflitos Fundiários Urbanos

Tema 6: Proteção do Direito à Moradia nos Conflitos Fundiários Urbanos Tema 6: Proteção do Direito à Moradia nos Conflitos Fundiários Urbanos CONFLITOS FUNDIÁRIOS URBANOS: O DILEMA DO DIREITO A MORADIA EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO AMBIENTAL Ana Maria Filgueira Ramalho aramalho@hotlink.com.br,

Leia mais

MEIO AMBIENTE CARTA AMBIENTAL DE GOIÂNIA

MEIO AMBIENTE CARTA AMBIENTAL DE GOIÂNIA CARTA AMBIENTAL DE GOIÂNIA Documento referendado pela plenária da I Conferência Municipal de Meio Ambiente de Goiânia. O momento mais importante de qualquer reflexão sobre os problemas de uma cidade é

Leia mais

18º Encontro Nacional da ANAMMA

18º Encontro Nacional da ANAMMA 18º Encontro Nacional da ANAMMA Os efeitos do PL de parcelamento do solo no meio ambiente e a gestão de APPs urbanas Cynthia Cardoso Goiânia, agosto/2008 Planejamento? Na perspectiva de planejamento qual

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANETE (APP s)

A IMPORTÂNCIA DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANETE (APP s) A IMPORTÂNCIA DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANETE (APP s) Richard Antonio Souza Mesquita Tocantins - FACTO Murilo Ribeiro Brito Tocantins FACTO Adelzon Aires Marinho Tocantins FACTO Prof: Dr. Cid Tacaoca

Leia mais

Nota técnica Março/2014

Nota técnica Março/2014 Nota técnica Março/2014 Sistemas de Saneamento no Brasil - Desafios do Século XXI João Sergio Cordeiro O Brasil, no final do ano de 2013, possuía população de mais de 200 milhões de habitantes distribuídos

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE USO DA TERRA EM ÁREAS PROTEGIDAS (APPs, RLs E APAs) E MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS

DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE USO DA TERRA EM ÁREAS PROTEGIDAS (APPs, RLs E APAs) E MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE USO DA TERRA EM ÁREAS PROTEGIDAS (APPs, RLs E APAs) E MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS Alice Nardoni Marteli, Edson Luís Piroli Unesp Campus de Ourinhos Geografia alicenmart@gmail.com;

Leia mais

VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura

VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura Planejamento da Propriedade Agrícola (APP e RL) Eng o. F tal. Msc. João Carlos Teixeira Mendes Dept o. Ciências Florestais ESALQ/USP Estação Experimental

Leia mais

Dispositivos da Lei. Destaques. Áreas de Preservação Permanente (APPs)

Dispositivos da Lei. Destaques. Áreas de Preservação Permanente (APPs) Cursos d água naturais perenes e intermitentes excluídos os efêmeros: art. 4º, inciso I. A proteção vale para os cursos d água naturais. Variados cursos d água, como resultantes de retificações, canalizações

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR LUZ, Janes Socorro da 1, MENDONÇA, Gustavo Henrique 2, SEABRA, Aline 3, SOUZA, Bruno Augusto de. 4 Palavras-chave: Educação

Leia mais

Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 11 A mobilidade no Brasil Eudes Santana Araujo (*)

Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 11 A mobilidade no Brasil Eudes Santana Araujo (*) Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 11 A mobilidade no Brasil Eudes Santana Araujo (*) Sabe-se que, as mazelas vividas pela sociedade brasileira, têm suas raízes na forma que se deu

Leia mais

É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade humana.

É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade humana. 7. IMPACTOS AMBIENTAIS E MEDIDAS MITIGADORAS RECOMENDADAS 7.1. AVALIAÇÃO GERAL O que é Impacto Ambiental? É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade

Leia mais

RESUMO ESPANDIDO. O Novo Código Florestal: aspectos legais e evolução.

RESUMO ESPANDIDO. O Novo Código Florestal: aspectos legais e evolução. RESUMO ESPANDIDO O Novo Código Florestal: aspectos legais e evolução. Alcione Adame 1 INTRODUÇÃO Ao contrário do que a mídia a muita gente pensa a lei 12.651/12, conhecida como Novo Código Florestal, não

Leia mais

UM PANORAMA DOS PROGRAMAS HABITACIONAIS NO MUNICÍPIO DE JUIZ DE FORA

UM PANORAMA DOS PROGRAMAS HABITACIONAIS NO MUNICÍPIO DE JUIZ DE FORA UM PANORAMA DOS PROGRAMAS HABITACIONAIS NO MUNICÍPIO DE JUIZ DE FORA Autora: Cláudia V. Cesar 1 Universidade Federal de Juiz de Fora Resumo: Este artigo apresenta um breve panorama dos programas habitacionais

Leia mais

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES CICLO DE PALESTRAS E DEBATES PLC PROGRAMA Nº 30/11 NOVO PRODUTOR CÓDIGO FLORESTAL DE ÁGUA Ã NO GUARIROBA Á COMISSÃO DE AGRICULTURA E REFORMA AGRÁRIA DO SENADO FEDERAL Devanir Garcia dos Santos Gerente

Leia mais

NOSSO PLANETA. O planeta Terra se caracteriza por uma história evolutiva complexa:

NOSSO PLANETA. O planeta Terra se caracteriza por uma história evolutiva complexa: NOSSO PLANETA O planeta Terra se caracteriza por uma história evolutiva complexa: Interações entre atmosfera, terra sólida, oceanos e a biosfera resultaram no desenvolvimento de uma grande e complexa variedade

Leia mais

As Áreas de Proteção Permanente (APP) e o Novo Código Florestal de Santa Catarina

As Áreas de Proteção Permanente (APP) e o Novo Código Florestal de Santa Catarina As Áreas de Proteção Permanente (APP) e o Novo Código Florestal de Santa Catarina Ana Monteiro Barros Hardman de Castro Geógrafa ana_hcastro@yahoo.com.br Jaqueline Passos Ferreira Peluzo Geógrafa LABGIS-NIMA

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA. II Seminário Estadual de Saneamento Ambiental

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA. II Seminário Estadual de Saneamento Ambiental MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA II Seminário Estadual de Saneamento Ambiental Regularização fundiária em áreas de preservação permanente APPs em zona urbana: uma proposta de gestão ALEXANDRE

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Unidade de Conservação Área geograficamente estabelecida para se alcançar um objetivo específico de conservação por meio do uso controlado dos recursos biológicos

Leia mais

Posicionamento sobre proposta de novo Código Florestal

Posicionamento sobre proposta de novo Código Florestal Posicionamento sobre proposta de novo Código Florestal A Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental, Seção São Paulo, entidade sem fins lucrativos de âmbito nacional que preconiza a defesa

Leia mais

SEGURANÇA ALIMENTAR, SUSTENTABILIDADE, EDUCAÇÃO AMBIENTAL: REFLEXÕES A CERCA DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR.

SEGURANÇA ALIMENTAR, SUSTENTABILIDADE, EDUCAÇÃO AMBIENTAL: REFLEXÕES A CERCA DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR. SEGURANÇA ALIMENTAR, SUSTENTABILIDADE, EDUCAÇÃO AMBIENTAL: REFLEXÕES A CERCA DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR. Jonas da Silva Santos Universidade do Estado da Bahia UNEB DEDC XV jonasnhsilva@hotmail.com jonas.ss@inec.org.br

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP

LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP LICENCIAMENTO AMBIENTAL Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP Engª Adriana Maira Rocha Goulart Gerente Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE EM ÁREAS URBANAS

ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE EM ÁREAS URBANAS ESTUDO ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE EM ÁREAS URBANAS Roseli Senna Ganem Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional

Leia mais

Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Habitação

Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Habitação Ministério das Cidades SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE MEJORAMIENTO DE BARRIOS México - 29 e 30 novembro/2004 Programa Habitar Brasil/BID Governo Federal Processo de Urbanização Brasileiro Crescimento da

Leia mais

CAPÍTULO 13 VULNERABILIDADE URBANA

CAPÍTULO 13 VULNERABILIDADE URBANA CAPÍTULO 13 VULNERABILIDADE URBANA. É possível homem e natureza estarem ocupando o mesmo lugar, apesar de atravancar o progresso? A comodidade da vida nas cidades urbanas é mais vantajosa do que a própria

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL Conteúdo Programático 1) Gestão Ambiental e Desenvolvimento Sustentável: Conceitos Básicos (12 h) - Principais questões ambientais no Brasil e no mundo. - Conceitos

Leia mais

Diagnóstico da Área de Preservação Permanente (APP) do Açude Grande no Município de Cajazeiras PB.

Diagnóstico da Área de Preservação Permanente (APP) do Açude Grande no Município de Cajazeiras PB. Diagnóstico da Área de Preservação Permanente (APP) do Açude Grande no Município de Cajazeiras PB. Itallo Harlan Reinaldo Alves Gomes (1) ; Jessily Medeiros Quaresma (2) ; Francisco José (3) ; Laedy Cecília

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA MICROBACIA SANGA ITÁ, MUNICÍPIO DE QUATRO PONTES, PARANÁ

AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA MICROBACIA SANGA ITÁ, MUNICÍPIO DE QUATRO PONTES, PARANÁ AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA MICROBACIA SANGA ITÁ, MUNICÍPIO DE QUATRO PONTES, PARANÁ Mônica A. Muller, Aline Uhlein, Deise D. Castagnara, Diego A. V. Gambaro, Pedro C. S. da Silva (Orientador/UNIOESTE),

Leia mais

IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA

IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA Daniel Schull Brandão 1 ; Fabiana Raquel Muhl 2, Anderson Rhoden 3, Neuri Antonio Feldmann 4 Palavras-Chave:

Leia mais

EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI

EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI 1. Coloque V para verdadeiro e F para falso: EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI ( ) a população economicamente ativa compreende a parcela da população que está trabalhando ou procurando emprego.

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP. vi.unicamp2010@gmail.com

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP. vi.unicamp2010@gmail.com UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP e-mail: vi.unicamp2010@gmail.com ANÁLISE DOS CONFLITOS ENTRE ÁREAS DE USO E OCUPAÇÃO DOS SOLOS E ÁREAS DE CONSERVAÇÃO NO MUNICÍPIO DE ILHA COMPRIDA (SP). Viviane

Leia mais

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA Restrições x Oportunidades Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável SDS Dr. Gilney Amorim Viana ASPECTOS REGULATÓRIOS RELEVANTES Código Florestal:

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DE CAPITAL SOCIAL PARA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA SUSTENTÁVEL

CONSTITUIÇÃO DE CAPITAL SOCIAL PARA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA SUSTENTÁVEL UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE DIREITO PROGRAMA PÓLOS DE CIDADANIA CONSTITUIÇÃO DE CAPITAL SOCIAL PARA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA SUSTENTÁVEL MIRACY BARBOSA DE SOUSA GUSTIN MARIANNA VIEIRA

Leia mais

PREFEITURA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO, CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO

PREFEITURA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO, CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO PROGRAMA DE METAS Gestão 2013/2016 APRESENTAÇÃO... 2 I - VISÃO DO MUNICÍPIO... 3 II COMPROMISSO... 3 III PRINCÍPIOS DE GESTÃO... 3 IV DIRETRIZES ESTRATÉGIAS... 4 PROGRAMA DE METAS DESENVOLVIMENTO URBANO...

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM.

RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM. RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM. Andréa Viviana Waichman* João Tito Borges** INTRODUÇÃO Nas últimas décadas

Leia mais

A URBANIZAÇÃO SOB O CAPITALISMO E SEUS PROBLEMAS. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério

A URBANIZAÇÃO SOB O CAPITALISMO E SEUS PROBLEMAS. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério A URBANIZAÇÃO SOB O CAPITALISMO E SEUS PROBLEMAS 1 Industrialização e urbanização A industrialização dá o tom da urbanização contemporânea; Teve seu início próxima as áreas de matériasprimas e água; Ela

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE FACULDADE DE CIÊNCIAS, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DE GARANHUNS FACETEG

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE FACULDADE DE CIÊNCIAS, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DE GARANHUNS FACETEG UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE FACULDADE DE CIÊNCIAS, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DE GARANHUNS FACETEG RECICLAGEM E CIDADANIA: UMA VISÃO SOCIO AMBIENTAL DOS CATADORES DE RESIDUOS SOLIDOS NO MUNICIPIO DE GARANHUNS

Leia mais

Utilização sustentável dos recursos naturais

Utilização sustentável dos recursos naturais Utilização sustentável dos recursos naturais O conceito de desenvolvimento sustentável, segundo a declaração da Conferência da ONU sobre o Meio Ambiente e desenvolvimento do Rio de Janeiro, em 1992, diz

Leia mais

Tendo considerado o relatório do Secretário-Geral sobre a revista elaborar Carta Mundial da Natureza,

Tendo considerado o relatório do Secretário-Geral sobre a revista elaborar Carta Mundial da Natureza, Carta Mundial para a Natureza A Assembleia Geral, Tendo considerado o relatório do Secretário-Geral sobre a revista elaborar Carta Mundial da Natureza, Recordando que, na sua resolução 35/7 de 30 de outubro

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL:

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: AÇÃO TRANSFORMADORA IV Seminário Internacional de Engenharia de Saúde Pública Belo Horizonte Março de 2013 Quem sou eu? A que grupos pertenço? Marcia Faria Westphal Faculdade

Leia mais

Limnologia Brasileira e sua necessidade de inserção social

Limnologia Brasileira e sua necessidade de inserção social Boletim ABLimno 41(1), 19-23, 2015 Limnologia Brasileira e sua necessidade de inserção social Francisco de Assis Esteves Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ, Núcleo em Ecologia e Desenvolvimento

Leia mais

Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12. 4º Ecologia 28/09/2015

Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12. 4º Ecologia 28/09/2015 1 Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12 4º Ecologia 28/09/2015 Motivação para criação 2 Conservação de ecossistemas naturais é interessante! Única lei nacional que veta a ocupação urbana ou

Leia mais

PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ.

PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ. PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ. WALDELI ROZANE SILVA DE MESQUITA Secretaria Executiva de Ciência Tecnologia e Meio Ambiente, Núcleo de Hidrometeorologia

Leia mais

Exercícios Processo de Urbanização no Brasil

Exercícios Processo de Urbanização no Brasil Exercícios Processo de Urbanização no Brasil 1. Nota intitulada Urbano ou rural? foi destaque na coluna Radar, na revista Veja. Ela apresenta o caso extremo de União da Serra (RS), município de 1900 habitantes,

Leia mais

TRATADO DAS FLORESTAS DEFINIÇÕES PARA EFEITO DESTE TRATADO

TRATADO DAS FLORESTAS DEFINIÇÕES PARA EFEITO DESTE TRATADO [16] TRATADO DAS FLORESTAS DEFINIÇÕES PARA EFEITO DESTE TRATADO Florestas Naturais são ecossistemas dominados por árvores ou arbustos, em forma original ou quase original, através de regeneração natural.

Leia mais

REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA EXPERIÊNCIAS E PROBLEMAS

REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA EXPERIÊNCIAS E PROBLEMAS APRESENTAÇÃO REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA EXPERIÊNCIAS E PROBLEMAS 60º FÓRUM NACIONAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL Associação Brasileira de Cohabs e Agentes Públicos de Habitação Fórum Nacional de Secretários

Leia mais

Endereço: Rua Max de Vasconcelos, n 270, Parque Leopoldina Campos dos Goytacazes RJ Telefone: (22) 9829-6934 mail: ramonfisicacefet@yahoo.com.

Endereço: Rua Max de Vasconcelos, n 270, Parque Leopoldina Campos dos Goytacazes RJ Telefone: (22) 9829-6934 mail: ramonfisicacefet@yahoo.com. IDENTIFICAÇÃO DOS PONTOS DE ACÚMULO DE RDC (RESÍDUO DE DEMOLIÇÃO E CONSTRUÇÃO) EM ÁREAS DE RISCO AMBIENTAL NA CIDADE DE CAMPOS DOS GOYTACAZES: AVALIAÇÃO DOS RISCOS E PROPOSIÇÃO DE MEDIDAS MITIGADORAS.

Leia mais

Urbanização no Brasil

Urbanização no Brasil Urbanização no Brasil Urbanização é o aumento proporcional da população urbana em relação à população rural. Segundo esse conceito, só ocorre urbanização quando o crescimento da população urbana é superior

Leia mais

Recuperação e Recomposição de Mata Ciliar e Reserva Legal

Recuperação e Recomposição de Mata Ciliar e Reserva Legal Recuperação e Recomposição de Mata Ciliar e Reserva Legal Novo Código Florestal (Lei 12651) Eng Agrônomo Ricardo Moraes Witzel, Msc Concepção de Propriedade Sustentável A discussão do novo código florestal

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS E A ECOLOGIA DA PAISAGEM Por Antônio Francisco Evangelista de Souza

RECURSOS HÍDRICOS E A ECOLOGIA DA PAISAGEM Por Antônio Francisco Evangelista de Souza RECURSOS HÍDRICOS E A ECOLOGIA DA PAISAGEM Por Antônio Francisco Evangelista de Souza Introdução: A cidade é uma estrutura espacial, onde todos os elementos estão em constante interação. Em conseqüência

Leia mais

ANÁLISE E MAPEAMENTO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÍPIO DE ALFENAS MG.

ANÁLISE E MAPEAMENTO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÍPIO DE ALFENAS MG. VI Seminário Latino Americano de Geografia Física II Seminário Ibero Americano de Geografia Física Universidade de Coimbra, Maio de 2010 ANÁLISE E MAPEAMENTO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO

Leia mais

Análise da Paisagem. Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo

Análise da Paisagem. Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo Análise da Paisagem Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo (análise do meio físico como subsídio para o planejamento territorial) Desastres naturais ocorridos no mundo e seus respectivos

Leia mais

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO UNIDADES DE CONSERVAÇÃO espaço territorial e seus recursos ambientais, incluindo as águas jurisdicionais, com características naturais relevantes, legalmente instituído pelo Poder Público com objetivo

Leia mais

ODS 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares.

ODS 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares. ODS 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares. 1.1 Até 2030, erradicar a pobreza extrema para todas as pessoas em todos os lugares, atualmente medida como pessoas vivendo com

Leia mais

Planejamento Urbano no Brasil, Estatuto da Cidade e o GIS

Planejamento Urbano no Brasil, Estatuto da Cidade e o GIS ALÍCIA FERNANDINO RODRIGUES aliciarodrigues@terra.com.br Título: Planejamento Urbano no Brasil, Estatuto da Cidade e o GIS GRUPO 1 : Planos Diretores e Sustentabilidade urbano-ambiental Planejamento Urbano

Leia mais

A Ocupação do Sítio Urbano de São Paulo: implicações de ordem socioeconômica, espacial e ambiental. Plano de Aula

A Ocupação do Sítio Urbano de São Paulo: implicações de ordem socioeconômica, espacial e ambiental. Plano de Aula A Ocupação do Sítio Urbano de São Paulo: implicações de ordem socioeconômica, espacial e ambiental. Plano de Aula Urbanização em São Paulo Brasil Crise no Campo Estrutura Fundiária Mecanização Questões

Leia mais

SAÚDE AMBIENTAL E DESASTRES. Mara Lúcia Oliveira Saúde e Ambiente

SAÚDE AMBIENTAL E DESASTRES. Mara Lúcia Oliveira Saúde e Ambiente SAÚDE AMBIENTAL E DESASTRES Mara Lúcia Oliveira Saúde e Ambiente PROBLEMAS AMBIENTAIS LOCAIS Contaminação atmosférica (industrial e doméstica) Contaminação acústica Contaminação dos mananciais Abastecimento

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM VARGEM DAS FLORES: SOMANDO CIÊNCIA E ARTE DE ENSINAR

EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM VARGEM DAS FLORES: SOMANDO CIÊNCIA E ARTE DE ENSINAR EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM VARGEM DAS FLORES: SOMANDO CIÊNCIA E ARTE DE ENSINAR Sônia Santos Baumgratz (1) Diretora Técnica da ECODINÂMICA. Supervisora do Programa de Proteção Ambiental de Vargem das Flores,

Leia mais

Engenharia de Avaliações Aplicada às Áreas de Preservação Permanente (APP)

Engenharia de Avaliações Aplicada às Áreas de Preservação Permanente (APP) Engenharia de Avaliações Aplicada Às Áreas de Preservação Permanente (APP). Engenharia de Avaliações Aplicada às Áreas de Preservação Permanente (APP) 1. Fundamento Legal das APPs: Constituição Federal

Leia mais

REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR

REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR LUIZ, Cintya Fonseca; AMARAL, Anelize Queiroz & PAGNO, Sônia Fátima Universidade Estadual do Oeste do Paraná/Unioeste. cintya_fonseca@hotmail.com;

Leia mais

E CONFLITOS. Painel: Habitação Popular e Mercados Informais (Regularização Fundiária) / Outros Temas de Interesse Geral

E CONFLITOS. Painel: Habitação Popular e Mercados Informais (Regularização Fundiária) / Outros Temas de Interesse Geral REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NA CIDADE DE PIRACICABA - SP: AÇÕES A E CONFLITOS Painel: Habitação Popular e Mercados Informais (Regularização Fundiária) / Outros Temas de Interesse Geral Engª Civil Silvia Maria

Leia mais

2º SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SAUDE & AMBIENTE DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÔMICO E CONFLITOS TERRITORIAIS

2º SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SAUDE & AMBIENTE DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÔMICO E CONFLITOS TERRITORIAIS 2º SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SAUDE & AMBIENTE 19 a 22 de OUTUBRO de 2014, BELO HORIZONTE /MG DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÔMICO E CONFLITOS TERRITORIAIS CONFLITOS SOCIOAMBIENTAIS EM COMUNIDADES DO ENTORNO DO

Leia mais