AS MUDANÇAS PROPOSTAS NO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AS MUDANÇAS PROPOSTAS NO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO"

Transcrição

1 AS MUDANÇAS PROPOSTAS NO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO NOTA TÉCNICA E POLÍTICA Gerson Teixeira 1 Alessandra Cardoso 2 Brasília, em 18 de junho de Considerações Políticas Após vários meses de consultas, debates e estudos, o Deputado Aldo Rebelo divulgou o seu Relatório ao Projeto de Lei 1876/99 e seus apensos, oferecendo Substitutivo que reforma o Código Florestal (Lei 4.771/65). O conteúdo da proposta não surpreendeu vez que confirmou posicionamentos já antecipados pelo parlamentar. O que chamou a atenção no Relatório foi o recurso a um alentado, cansativo e tortuoso esforço de erudição para tentar convencer que a flexibilização da legislação ambiental 1 ex-presidente da ABRA (Associação Brasileira de Reforma Agrária) 2 Assessora do INESC (Instituto de Estudos Socioeconômicos) 1

2 sugerida pelo Substitutivo atende a propósitos libertários, soberanos, sociais e desenvolvimentistas do país. Sob aplausos das lideranças mais conservadoras da bancada ruralista, o texto do Relator abundou em citações de clássicos do pensamento socialista, entre filósofos, historiadores, sociólogos, poetas e romancistas para, dessas fontes indefesas, extrair substrato de esquerda para respaldar a constituição de uma base minimalista para a legislação ambiental brasileira. Em caso de chancela pelo Congresso, e homologação pelo Presidente, a proposição do Deputado Aldo Rebelo estará direcionada para um único objetivo; desimpedir o terreno institucional das cautelas ambientais para a expansão do agronegócio e, associadamente, da economia mineral. Em particular, o Substitutivo visa à garantia dessas condições na grande fronteira mineral e do agronegócio do Brasil: a Amazônia. A este respeito, vale assinalar que na perspectiva dos setores produtivistas da agropecuária são três os pontos tidos como asfixiantes para a plenitude da capacidade produtiva primária do país, em especial, enfatizamos, na Amazônia. O primeiro refere-se à garantia da segurança jurídica para o empreendimento empresarial no que tange à legalização da posse da terra. Isto vem sendo buscado, na Amazônia, por meio da nova política de regularização fundiária em execução via o programa Terra Legal. A exemplo das alterações agora pretendidas na legislação ambiental, o programa de regularização fundiária previsto pela Lei /09, tem efeitos nacionais, mas fundamentalmente alcança a Amazônia. Da mesma forma, trata-se de legislação fortemente permissiva aos interesses dos ruralistas e das mineradoras. 2

3 O segundo ponto considerado como trava estrutural ao desenvolvimento dessa região, como de resto, de todo o país, está associado justamente aos efeitos restritivos imputados à legislação ambiental. Ocorre que, por exemplo, o Código Florestal já existe desde 1965, mas sempre foi desrespeitado impunemente. À medida que os avanços na democratização do país e da consciência ambiental da população não permitiram mais a continuidade do desrespeito ostensivo e impune ao Código Florestal, os ruralistas passaram a responsabilizá-lo pelos seus crimes fulminando a Lei como conspiratória contra o desenvolvimento do Brasil. O terceiro fator tido como impeditivo do projeto econômico para a Amazônia são as deficiências de infra-estrutura. O PAC tem a missão de enfrentá-las pavimentando e energizando as exportações de bens primários da região pelo Pacífico, via a articulação com as obras da IIRSA, notadamente na conexão com o Peru. Essas demandas nucleares da agenda da militância ruralista ganharam adeptos em importantes setores do governo e da sociedade, inclusive na intelectualidade de esquerda, à medida que, para além das motivações seccionais dos ruralistas, tais medidas são instrumentais do pensamento estratégico para o país, já em desenvolvimento. Ocorre que prosperou no período recente atitude pragmática do Brasil diante da divisão internacional do trabalho estabelecida, que reafirma a nossa tradição primário-exportadora enquanto fornecedores, na atualidade, de proteínas animal e vegetal no caso das commodities agrícolas. Ante essas circunstâncias, reforçada pela convicção sobre a irreversibilidade da estrutura protecionista da agricultura (vide o empacamento da Rodada Doha, desde 2001), em atitude pragmática, sem ignorar a crítica histórica a essa duvidosa vantagem comparativa do país, o Brasil tem adotado estratégia para tirar o máximo proveito deste papel no 3

4 plano global. Não é à toa o estímulo massivo dado pelo BNDES para a constituição de empresas brasileiras do agronegócio, chamadas de classe mundial, com o objetivo de disputar o mercado agrícola internacional com competidores de qualquer porte. Neste contexto, para garantir a ordem institucional perseguida, o Substitutivo de Aldo Rebelo propõe a descentralização de normas ambientais do país, extrapolando as condições jurídicas atribuídas às matérias objeto de legislação concorrente, como é o caso da legislação ambiental. Trata-se de uma tentativa de generalização do Código Ambiental de Santa Catarina visando diluir a capacidade de pressão da sociedade organizada pela preservação do meio ambiente e, de outra parte, fortalecer o lobby corporativo do agronegócio e das empresas mineradoras sobre os estados. Na direção acima, a proposta isenta segmentos produtivos de responsabilidades básicas com a preservação ambiental. Anistia delitos das grandes mineradoras e latifúndios. É rico em dispositivos artificiosos que sugerem virtuosismos onde há liberalidades perniciosas ao meio ambiente, e transfere para o domínio privado, decisões sobre condutas ambientais que são inerentes ao poder regulador do Estado, entre tantas outras anomalias a seguir comentadas. A razão política para essa flexibilização das normas ambientais guarda estreita semelhança com o caso da institucionalização dos transgênicos no Brasil. Ante a frouxidão dos controles públicos, incentivou-se a massificação do crime, valendo-se do chamado fato consumado como justificativa para a sua institucionalização. No caso do desmonte proposto para o Código Florestal, o Relator foi particularmente pródigo no uso de robustas estatísticas, sem as fontes, para argumentar sobre situações generalizadas de irregularidades 4

5 ambientais, cujos eventuais reparos resultariam em supostas instabilidades sociais e imporiam riscos até para a segurança alimentar da população brasileira - caso do arroz no Sul, por exemplo. Com o respaldo desse conveniente fato social, o Relator utilizou com esmero expedientes insubsistentes ou mesmo ardilosos para angariar apoio político à sua proposta. Apelou para discursos nacionalistas e xenófobos, pelos quais, as ONGs ambientalistas que contestam a reforma do Código Florestal estariam a serviço do protecionismo agrícola dos países ricos e, portanto, contra os interesses nacionais. Tal discurso parece de todo grotesco, até porque são os capitais externos que controlam, inclusive, a base primária do agronegócio no Brasil. Ao isentar os pequenos agricultores das reservas legais, além de visar a cooptação desses setores, alinhando-os ao agronegócio, pretendeu rachar as resistências à sua proposição, isolando e estigmatizando as entidades ambientalistas e outras entidades da sociedade engajadas nas causas do desenvolvimento sustentável. Por fim, mas não por último e conforme assinalado antes, articulou o discurso da reforma do Código Florestal com os imperativos do desenvolvimento do país. Num momento em que o país volta a experimentar um ciclo importante de crescimento após longos anos de estagnação este é um forte apelo. Inclusive, por conta desse fator, seria simplório e injusto o julgamento liminar das atitudes do Relator como uma guinada ideológica para as hostes ruralistas ou como gesto de oportunismo eleitoreiro. É provável que as motivações do parlamentar reflitam as influências do pensamento estratégico pregado pelo ex-ministro Mangabeira Unger. 5

6 De todo o modo, se a proposição do Relator não está movida pela adesão aos impulsos devastadores próprios da cultura do agronegócio, e sim pelo convencimento pessoal sobre a concepção desenvolvimentista pragmática, a amenização do seu ônus político pessoal não altera os efeitos substantivos da sua obra política. 2. Análise das Principais Medidas do Substitutivo A seguir, listamos e comentamos as principais medidas propostas pelo Substitutivo com algumas estimativas dos impactos correspondentes. I Medidas que garantem uma redução imediata das exigências ambientais atuais: 1) Desobrigação da manutenção de reserva legal pela pequena propriedade. Com base nos dados de minifúndios e pequenas propriedades rurais constantes das Estatísticas Cadastrais do Incra, esta medida implicaria que imóveis que acumulam área de hectares em todo o país podem ficar livres da obrigação de manterem reserva legal. Para uma simulação aproximada dos impactos dessa medida, considere-se que pelo Censo Agropecuário 2006, a agricultura familiar (que não coincide com pequena propriedade 3 ), dispõe de hectares com matas nativas declaradas como áreas de RL (reserva legal) e APP (áreas de preservação permanente), no conjunto. O Censo não disponibiliza os números específicos de APP e RL. Todavia, conforme veremos na sequência, cálculos a partir das variáveis disponibilizadas pelo Censo permitem concluir que do valor 3 O Substitutivo usa o conceito da pequena propriedade que é distinto do conceito de agricultura familiar, embora na prática os conceitos sejam muito próximos. Contudo, com os dados disponíveis sobre a pequena propriedade (Cadastro de imóveis do INCRA) não é possível identificar áreas de RL e APP. Por isto, para efeito de simulação, utilizamos os dados de agricultura familiar disponibilizados pelo Censo Agropecuário, dado que o mesmo fornece dados de APP e RL, ainda que agregados. 6

7 conjunto de APP e RL em escala nacional, em torno de 60% constituem RL, e 40%, APP. Aplicando-se essas proporções sobre os números da agricultura familiar, conclui-se que de hectares (60% de ) de matas nativas registradas pelo Censo Agropecuário estariam ameaçadas de imediato pela eventual transformação, em Lei, do Substitutivo. Na Amazônia, ainda segundo o Incra, imóveis que acumulam área de hectares, entre minifúndios e pequenas propriedades, estariam livres da obrigação de manterem reserva legal. Nesta região foram registrados pelo IBGE nos estabelecimentos da agricultura familiar, hectares de APP e RL. Aplicando a proporção anterior, tem-se que hectares de RL atualmente existentes na agricultura familiar na Amazônia estariam automática e imediatamente ameaçados. Comentamos, antes, sobre as reais motivações do Relator para tal expediente. Os pequenos produtores que sabidamente utilizam práticas muito mais próximas da responsabilidade ambiental por certo não reivindicariam tal imunidade. Contudo, incumbe ao Poder Público a subvenção desses setores pela preservação ambiental como ocorre em outros países. Isto poderá ser viabilizado, entre outros instrumentos, com, a aprovação da legislação sobre PSA (Pagamento sobre Serviços Ambientais); 2) Inclusão das APPs no cômputo das RLs. Por exemplo, se uma propriedade que tenha a obrigação legal de manter 20% da sua área como RL, tiver 10% deste imóvel com APP, a área efetiva de RL obrigatória passa a ser de 10% do imóvel. O Substitutivo estabelece como condição para utilização deste recurso a não liberação de novas áreas de mata nativa para ocupação. Ou seja, a medida visa preferencialmente reduzir a conta das áreas de RL que estão hoje ilegalmente desmatadas e ocupadas, premiando aqueles que 7

8 descumpriram a legislação ambiental. Isto não significa que aqueles mantiveram a integridade da reserva legal não teriam benefícios. Pelo contrário, conforme mostraremos adiante estes casos também seriam beneficiados de várias maneiras. À medida que é impossível sabermos o total exato das áreas de RL já desmatadas, não se pode estimar os impactos reais dessa proposta. De acordo com o IBGE, há no Brasil (posição de 2006), hectares com matas e ou florestas naturais. Nestas, estão incluídos hectares de áreas destinadas à APP e RL, em conjunto. Fazendo os cálculos requeridos com as demais variáveis apresentadas pelo IBGE chega-se à conclusão que a área de RL corresponde a cerca de 60% dessa área, em torno de hectares, e 40% seriam área de APP: hectares. Com base nesta aproximação, e apenas para fins didáticos de compreensão da medida, no limite, teríamos uma anistia das áreas de RL ilegalmente desmatadas nas reservas legais, que poderia alcançar até 20,9 milhões de hectares. Ressalve-se que estamos desconsiderando as áreas dos pequenos, desobrigadas de RL, e ressaltando, ainda, os problemas de confiabilidade dos dados declaratórios do Censo. Na Amazônia, há hectares de áreas com RL e APP. Aplicando-se os cálculos anteriores, teríamos área de RL = hectares e de APP = Repetindo a hipótese adotada antes, teríamos, então, que na Amazônia, a área anistiada variaria na faixa dos 10,3 hectares. 3) redução para 15 metros da área de preservação obrigatória às margens de cursos d água de menos de 5 metros. No atual Cód. Florestal a margem obrigatória é de 30 metros para cursos d água com menos de 10 metros. Não se dispõe de informações sobre áreas margeadas por cursos 8

9 d àgua, muito menos estas áreas estratificadas por largura dos cursos. Contudo, em que pese a aparente razoabilidade técnica da proposta, é válido supor sobre o impacto significativo desta medida em termos de redução de APP em todo o Brasil. II Medidas que levam à redução das exigências ambientais via descentralização da legislação. 1) Possibilidade de os estados reduzirem em até 50% as faixas marginais de APP. Esta redução poderá ser feita por legislação estadual concorrente fundamentada em estudos técnicos. Uma vez reduzida, esta área menor é que seria efetivamente considerada para fins do Programa de Regularização Ambiental PRA previsto pelo Substitutivo. O PRA incluiria medidas (altamente subsidiadas, como veremos) de recomposição de áreas de APPs já cortadas pela metade. Legalmente, instituído o PRA, no horizonte de 05 anos, que é o prazo dado de moratória da supressão de florestas nativas, novas áreas que hoje são de APP estariam legalmente disponíveis para ocupação. Como já dito, no Brasil os cálculos aproximados mostram a existência de hectares de APP, nos dias atuais (posição 2006). É de se supor que com esta proposta de redução, 50% desta área passariam a estar desobrigada de manutenção da vegetação nativa. Observe-se que, num primeiro momento, computa-se a APP na RL. Depois, se reduz a APP em 50%. 2) Possibilidade de os estados da Amazônia Legal aprovarem legislação, amparada em Zoneamento Ecológico-Econômico, visando a redução das áreas de RL. A redução prevista é para até 50% nas áreas de formação 9

10 florestal (onde hoje são 80%) e para até 20% nas áreas de formação savânica (onde hoje são 35%). Neste caso, o texto não condiciona explicitamente a redução à não incorporação de novas áreas para exploração agropecuária. Ou seja, aprovada a redução e transcorrido o prazo de 05 anos de moratória para o desflorestamento (que poderão por ato dos governos estaduais e DF ser estendido por mais 5 anos), as áreas de RL na Amazônia Legal poderão ter sua vegetação legalmente diminuídas na proporção de 30% para áreas de florestal e 15% para áreas de sanava. No caso do bioma Amazônia, poderemos ter a liberação para desmatamento legal, de hectares. A proposta em apreço do Substitutivo aplica, para os setores da média e grande propriedade da Amazônia, o que a legislação atual prevê para os pequenos, os quais, como vimos, passariam a ser liberados de manterem RL. III Regularização ambiental. No horizonte de 05 anos a União, ou os Estados, terão Programas de Regularização Ambiental PRA, nas áreas de suas jurisdições. Estes programas se encarregarão de criar mecanismos e condições facilitadas para que os proprietários e possuidores de imóveis que não possuírem as áreas devidas (depois de todas as reduções) de APP e RL possam regularizar sua situação ambiental. Para isto deverão no caso das áreas de APP, recompor a vegetação No caso das áreas de RL, a regularização poderá ser feita por três mecanismos: 1) recomposição, no período de até 30 anos podendo intercalar espécies nativas e exóticas. A possibilidade de recomposição com espécies exótica 10

11 atende, como é sabido, ao lobby do agronegócio da Amazônia, especialmente dos setores ligados ao dendê, carvão vegetal e celulose. 2) compensação, que pode se dar por vários mecanismos: comprando Cota de Reserva Ambiental CRA; arrendando área de RL de outra propriedade ou área sob regime de Servidão Ambiental; doando ao poder público uma área localizada em unidade de conservação não regularizada; ou ainda, contribuindo para um fundo público para preservação ambiental. Enfim, poderá tomar a decisão que obviamente implicar em menor custo. 3) simplesmente permitir a regeneração da área., O X da questão: por efeito cumulativo das medidas de flexibilização previstas no Substitutivo, supõe-se que a obrigatoriedade da regularização ambiental incidirá somente sobre aquelas áreas remanescentes das medidas de flexibilização do cálculo de APP e RL. Ou seja, tomando-se o exemplo de um imóvel em área de floresta na Amazônia teríamos como área objeto da regularização aquelas restantes das reduções (resguardadas as condicionalidades já registradas): 15 metros de margem de APP, se a mesma estiver preservando cursos d água com menos de 5 metros de largura + redução de até 50% para cada faixa de área de APP + redução para até 50% da área de reserva legal. Com isto, reduzem-se as áreas de APP e RL, e ampliam-se, na mesma proporção, na maior parte dos casos, as áreas para exploração agrícola ou pecuária. Além disto, na definição do PRA e dos seus mecanismos estão embutidas possibilidades de socialização dos custos da regularização daquilo que sobrar de APP e RL (depois das flexibilizações propostas), vejamos: 11

12 1) Enquanto não criado e efetivado o programa as áreas ilegalmente desmatadas de APP e RL poderão permanecer em uso para agropecuária e, também, os detentores dos imóveis poderão suspender os compromissos assumidos junto ao poder público de regularização ambiental. 2) O programa exime áreas rurais consolidadas das medidas previstas para recuperação de APP. 3) O programa deverá disponibilizar recursos públicos para garantir os meios e estímulos necessários para a regularização. Ao proprietário desmatador caberá uma contribuição (possivelmente diminuta), proporcional ao seu dano em extensão e dano ambiental. Ou seja, parte do ônus (tão maior quanto maior o poder de barganha dos ruralistas) recairá sobre o Poder Público. Entre os estímulos previstos no PRA estão: i) suspensão das autuações e multas por infrações ambientais já havidas (até 22 de junho de 2008); ii) conversão das multas, que vierem a ser aplicadas entre a publicação da lei e a adesão do proprietário/possuidor ao programa, em serviços de preservação, melhoria e recuperação da qualidade do meio ambiente; IV Medidas adicionais Para finalizar, o substitutivo prevê estímulos adicionais para premiação também daqueles que mantiveram a integridade da reserva legal nos termos da lei atual, por meio de programas do Poder Público de pagamento por serviços ambientais. Ou seja, reduzidas as áreas obrigatórias de RL por meio das várias medidas de flexibilização já tratadas, toda a área que daí sobrar e que estiver coberta com mata nativa poderá se converter em Cota de Reserva Ambiental CRA, e ser transacionada com estímulos fiscais e creditícios. 12

13 Entre os incentivos econômicos para estimular a constituição de Cotas de Reserva Ambiental estão: crédito rural subsidiado; limite maior de financiamento; redução do Imposto de Renda-IR para investimentos que visem ampliar áreas de floresta passíveis de constituição das CRA; redução do IR referente ao ganho de capital com a comercialização das CRA; isenção do IR decorrente da sua cessão onerosa. 13

Legislação Anterior Novo Código Florestal Avanços

Legislação Anterior Novo Código Florestal Avanços A APP era computada a partir das margens de rio ou cursos d água, pelo nível mais alto do período de cheia. Várzeas eram consideradas parte dos rios ou cursos d água, porque são inundadas durante o período

Leia mais

Entendendo o Código Florestal. II Congresso Brasileiro de Reflorestamento Ambiental Novembro 23 de Outubro de 2012

Entendendo o Código Florestal. II Congresso Brasileiro de Reflorestamento Ambiental Novembro 23 de Outubro de 2012 Entendendo o Código Florestal II Congresso Brasileiro de Reflorestamento Ambiental Novembro 23 de Outubro de 2012 Tópicos abordados hoje: * Florestas no Planejamento Federal; * Lei 12.651/12 Estrutura

Leia mais

QUESTÕES-CHAVE DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL

QUESTÕES-CHAVE DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL RESUMO PARA POLÍTICA PÚBLICA NOVO CÓDIGO FLORESTAL PARTE I: DECIFRANDO O NOVO CÓDIGO FLORESTAL QUESTÕES-CHAVE DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL O novo Código Florestal dispõe sobre o uso e a proteção da vegetação

Leia mais

Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12. 4º Ecologia 28/09/2015

Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12. 4º Ecologia 28/09/2015 1 Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12 4º Ecologia 28/09/2015 Motivação para criação 2 Conservação de ecossistemas naturais é interessante! Única lei nacional que veta a ocupação urbana ou

Leia mais

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara temática de Insumos Agropecuários Brasília, 27 de maio de 2014

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara temática de Insumos Agropecuários Brasília, 27 de maio de 2014 Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara temática de Insumos Agropecuários Brasília, 27 de maio de 2014 O QUE É O CAR O Cadastro Ambiental Rural - CAR, é o registro público eletrônico de âmbito

Leia mais

Proposta para que o PAA possa apoiar a regularização ambiental

Proposta para que o PAA possa apoiar a regularização ambiental Proposta para que o PAA possa apoiar a regularização ambiental Considerando a Diretriz 2 do Plano Nacional de Segurança Alimentar: Promoção do abastecimento e estruturação de sistemas descentralizados,

Leia mais

Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal

Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal 1/33 Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal Introdução Eng. Allan Saddi Arnesen Eng. Frederico Genofre Eng. Matheus Ferreira Eng. Marcelo Pedroso Curtarelli 2/33 Conteúdo

Leia mais

Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012. Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF

Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012. Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012 Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF O Idaf por definição O IDAF, é a entidade responsável pela execução da política, florestal, bem como

Leia mais

Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA

Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA Índice O que o agricultor brasileiro deve saber sobre o Novo Código Florestal?...1 Começando a regularizar o imóvel rural...2

Leia mais

INFORMATIVO COPTEC No 4. 28 Julho de 2011. Agravamento do Quadro de Concentração da Terra no Brasil? 1. Considerações gerais

INFORMATIVO COPTEC No 4. 28 Julho de 2011. Agravamento do Quadro de Concentração da Terra no Brasil? 1. Considerações gerais INFORMATIVO COPTEC No 4. 28 Julho de 2011 O Informativo Coptec de final de julho apresenta a análise desenvolvida por Gerson Teixeira alertando sobre o a tendência à reconcentração de terras em algumas

Leia mais

ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE CONSOLIDADAS:

ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE CONSOLIDADAS: O mais importante Do novo Código Florestal Engª Agrônoma Carla Beck- FAEP/DTE As propriedades rurais ocupadas até 22 de julho de 2008, terão que cumprir as seguintes regras estabelecidas pelo novo Código

Leia mais

Novo Código Florestal Lei 12.651/12. Rodrigo Justus de Brito Advogado e Engº Agroº Especialista em Legislação Ambiental

Novo Código Florestal Lei 12.651/12. Rodrigo Justus de Brito Advogado e Engº Agroº Especialista em Legislação Ambiental Novo Código Florestal Lei 12.651/12 Rodrigo Justus de Brito Advogado e Engº Agroº Especialista em Legislação Ambiental Fevereiro - 2013 ROTEIRO 1. HISTORICO DO CODIGO FLORESTAL a. EVOLUCAO DOS CONCEITOS

Leia mais

Lei 12.651/2012. Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen

Lei 12.651/2012. Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen Lei 12.651/2012 Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen Considerações Padrão Legal X Padrão de Qualidade Capacitação para aplicação da lei Análise individual

Leia mais

USO DA TERRA NO BRASIL 851 milhões de hectares

USO DA TERRA NO BRASIL 851 milhões de hectares USO DA TERRA NO BRASIL 851 milhões de hectares URBANIZAÇÃO E OUTROS USOS 4% AGRICULTURA 7% VEGETAÇÃO NATURAL (FLORESTAIS E OUTROS) 65% PASTAGENS 23% FONTES: MMA/IBGE-PAM(2010)/INPE/CENSO AGROPECUÁRIO 2006

Leia mais

Prazos estabelecidos pelo Novo Código Florestal. Prazos para o Poder Público

Prazos estabelecidos pelo Novo Código Florestal. Prazos para o Poder Público Prazos estabelecidos pelo Novo Código Florestal Prazos para o Poder Público Artigo Obrigação Prazo 11, 5º 13, 2º 29 47 59 59, 1º 78-A 82 Conclusão do Zoneamento Ecológico- Econômico da Zona Costeira ZEEZOC

Leia mais

REFLEXOS NO REGISTRO DE IMÓVEIS DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL

REFLEXOS NO REGISTRO DE IMÓVEIS DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL REFLEXOS NO REGISTRO DE IMÓVEIS DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL Maria Aparecida Bianchin Pacheco Registradora de Imóveis de Poxoréu-MT Recentemente a Câmara Federal disponibilizou o texto contendo a redação final

Leia mais

Cadastro Ambiental Rural - CAR. Objetivos. Dúvidas mais frequentes. Áreas de Preservação Permanente - APP

Cadastro Ambiental Rural - CAR. Objetivos. Dúvidas mais frequentes. Áreas de Preservação Permanente - APP Orientações básicas Cadastro Ambiental Rural - CAR O CAR é o registro público eletrônico das informações ambientais dos imóveis rurais. Objetivos Promover a identificação e integração das informações

Leia mais

Código Florestal a serviço do latifúndio e do agronegócio

Código Florestal a serviço do latifúndio e do agronegócio Código Florestal a serviço do latifúndio e do agronegócio 10 de novembro de 2011 Por Djoni Roos* A cobertura vegetal brasileira vem desde muito tempo sendo destruída. Desde a invasão portuguesa no século

Leia mais

CARTILHA CADASTRO AMBIENTAL RURAL

CARTILHA CADASTRO AMBIENTAL RURAL CARTILHA CADASTRO AMBIENTAL RURAL O QUE É O CADASTRO AMBIENTAL RURAL CAR? Criado pela Lei Federal nº 12.651/2012, que institui o NOVO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO, registro público eletrônico de âmbito

Leia mais

ecoturismo ou turismo. As faixas de APP que o proprietário será obrigado a recompor serão definidas de acordo com o tamanho da propriedade.

ecoturismo ou turismo. As faixas de APP que o proprietário será obrigado a recompor serão definidas de acordo com o tamanho da propriedade. São as áreas protegidas da propriedade. Elas não podem ser desmatadas e por isso são consideradas Áreas de Preservação Permanente (APPs). São as faixas nas margens de rios, lagoas, nascentes, encostas

Leia mais

Mais informações e a lista completa de signatários estão disponíveis no site da iniciativa, em www.dialogoflorestal.org.br.

Mais informações e a lista completa de signatários estão disponíveis no site da iniciativa, em www.dialogoflorestal.org.br. APRESENTAÇÃO Este documento apresenta em detalhes as propostas consolidadas pelo Diálogo Florestal como contribuição ao debate sobre a revisão do Código Florestal Brasileiro, em curso no Congresso Nacional.

Leia mais

O QUE É O CAR? Lei 12.651/2012 Novo Código Florestal

O QUE É O CAR? Lei 12.651/2012 Novo Código Florestal 1 MARCO LEGAL MARCO LEGAL O QUE É O CAR? Lei 12.651/2012 Novo Código Florestal Cadastro Ambiental Rural CAR: Âmbito Nacional Natureza declaratória Obrigatório para todas as propriedades e posses Base de

Leia mais

CÓDIGO FLORESTAL: ANÁLISE DOS PRINCIPAIS PROBLEMAS DO NOVO RELATÓRIO ALDO REBELO 1

CÓDIGO FLORESTAL: ANÁLISE DOS PRINCIPAIS PROBLEMAS DO NOVO RELATÓRIO ALDO REBELO 1 CÓDIGO FLORESTAL: ANÁLISE DOS PRINCIPAIS PROBLEMAS DO NOVO RELATÓRIO ALDO REBELO 1 Na noite da última quarta-feira, dia 11 de maio, pela Câmara dos Deputados de um projeto de lei que revoga o atual Código

Leia mais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Através da Política de Valorização do Ativo Ambiental Florestal e do Zoneamento Ecológico

Leia mais

Novo Código Florestal Orientações Gerais ao Produtor Rural

Novo Código Florestal Orientações Gerais ao Produtor Rural Outubro 2012 Novo Código Florestal Orientações Gerais ao Produtor Rural Mediante a publicação da lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012; da lei nº 12.727, de 17 de outubro de 2012; e do Decreto nº 7.830,

Leia mais

São Paulo, 17 de maio de 2012 SBPC -047/Dir. Excelentíssima Senhora Presidenta DILMA ROUSSEFF Presidencia da República Federativa do Brasil

São Paulo, 17 de maio de 2012 SBPC -047/Dir. Excelentíssima Senhora Presidenta DILMA ROUSSEFF Presidencia da República Federativa do Brasil São Paulo, 17 de maio de 2012 SBPC -047/Dir. Excelentíssima Senhora Presidenta DILMA ROUSSEFF Presidencia da República Federativa do Brasil Senhora Presidenta, A Sociedade Brasileira para o Progresso da

Leia mais

Recuperação e Recomposição de Mata Ciliar e Reserva Legal

Recuperação e Recomposição de Mata Ciliar e Reserva Legal Recuperação e Recomposição de Mata Ciliar e Reserva Legal Novo Código Florestal (Lei 12651) Eng Agrônomo Ricardo Moraes Witzel, Msc Concepção de Propriedade Sustentável A discussão do novo código florestal

Leia mais

AMAZÔNIA: NOVOS MECANISMOS LEGAIS PARA REDUÇÃO DO DESMATAMENTO 1

AMAZÔNIA: NOVOS MECANISMOS LEGAIS PARA REDUÇÃO DO DESMATAMENTO 1 AMAZÔNIA: NOVOS MECANISMOS LEGAIS PARA REDUÇÃO DO DESMATAMENTO 1 Carlos Felipe de Andrade Abirached², Lívia Marques Borges³ ² Advogado, especialista em Direito Ambiental. Mestrando em Política e Gestão

Leia mais

Sra. CRISTINA MARIA DO AMARAL AZEVEDO Coordenadora de Biodiversidade e Recursos Naturais da SMA/SP

Sra. CRISTINA MARIA DO AMARAL AZEVEDO Coordenadora de Biodiversidade e Recursos Naturais da SMA/SP São Paulo, 08 de abril de 2015 Sra. PATRÍCIA FAGA IGLECIAS LEMOS Secretária de Meio Ambiente do Estado de São Paulo SMA/SP Presidente do Conselho Estadual de Meio Ambiente de São Paulo Consema Sra. CRISTINA

Leia mais

ALCANCE TERRITORIAL DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E A CONSOLIDAÇÃO DO USO AGROPECUÁRIO DE TERRAS NO BRASIL

ALCANCE TERRITORIAL DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E A CONSOLIDAÇÃO DO USO AGROPECUÁRIO DE TERRAS NO BRASIL Po por Ana_Cotta ALCANCE TERRITORIAL DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E A CONSOLIDAÇÃO DO USO AGROPECUÁRIO DE TERRAS NO BRASIL Alcance territorial da legislação ambiental e a consolidação do uso agropecuário de

Leia mais

POLÍTICA FLORESTAL E O NOVO CÓDIGO

POLÍTICA FLORESTAL E O NOVO CÓDIGO POLÍTICA FLORESTAL E O NOVO CÓDIGO (Lei Federal n. 12.651/12) PROF. DR. RAFAEL COSTA FREIRIA E-MAIL: RAFAELFREIRIA@COM4.COM.BR DISCIPLINA: DIREITO AMBIENTAL Fundamentos e Temas de Trabalho na Questão Florestal

Leia mais

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código?

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Dr. Sergius Gandolfi IV Simpósio sobre RAD - Ibt 16/11/2011-14h- Capital (SP) Biólogo, Laboratório de Ecologia

Leia mais

Histórico. Decreto 7.029/2009 (Decreto Mais Ambiente) Lei Federal 12.651/2012 Decreto 7.830/2012

Histórico. Decreto 7.029/2009 (Decreto Mais Ambiente) Lei Federal 12.651/2012 Decreto 7.830/2012 Histórico Decreto 7.029/2009 (Decreto Mais Ambiente) Lei Federal 12.651/2012 Decreto 7.830/2012 É criado o Cadastro Ambiental Rural - CAR, no âmbito do Sistema Nacional de Informação sobre Meio Ambiente

Leia mais

Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente

Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente Ricardo D. Gomes da Costa 1 Marcelo Araujo 2 A rápida destruição de ambientes naturais, juntamente com a redução

Leia mais

Dispositivos da Lei. Destaques. Áreas de Preservação Permanente (APPs)

Dispositivos da Lei. Destaques. Áreas de Preservação Permanente (APPs) Cursos d água naturais perenes e intermitentes excluídos os efêmeros: art. 4º, inciso I. A proteção vale para os cursos d água naturais. Variados cursos d água, como resultantes de retificações, canalizações

Leia mais

CHECK LIST DE PRÉ CADASTRO AMBIENTAL RURAL PRÉ CAR

CHECK LIST DE PRÉ CADASTRO AMBIENTAL RURAL PRÉ CAR CHECK LIST DE PRÉ CADASTRO AMBIENTAL RURAL PRÉ CAR 1. MÓDULO DE IDENTIFICAÇÃO DO IMÓVEL Nome do Imóvel: Município: Imóvel em Zona: [ ] Rural [ ] Expansão Urbana [ ] Urbana Referência de acesso: Endereço

Leia mais

Iniciativa Verde. Pontos para aplicação do novo Código Florestal, Lei 12.651/12

Iniciativa Verde. Pontos para aplicação do novo Código Florestal, Lei 12.651/12 Iniciativa Verde Pontos para aplicação do novo Código Florestal, Lei 12.651/12 Roberto Ulisses Resende São Paulo, março de 2013 Introdução Esta é a primeira versão do documento elaborado pela Iniciativa

Leia mais

NOTA TÉCNICA DA CONTAG SOBRE O PROJETO DE LEI Nº 4059, DE 2012.

NOTA TÉCNICA DA CONTAG SOBRE O PROJETO DE LEI Nº 4059, DE 2012. NOTA TÉCNICA DA CONTAG SOBRE O PROJETO DE LEI Nº 4059, DE 2012. (Da Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural) Regulamenta o art. 190, da Constituição Federal, altera o art.

Leia mais

A AGRICULTURA EM MACHADINHO D OESTE & O CÓDIGO FLORESTAL EVARISTO DE MIRANDA

A AGRICULTURA EM MACHADINHO D OESTE & O CÓDIGO FLORESTAL EVARISTO DE MIRANDA A AGRICULTURA EM MACHADINHO D OESTE & O CÓDIGO FLORESTAL EVARISTO DE MIRANDA Coordenador do Grupo de Inteligência Territorial Estratégica GITE da Embrapa TULIO BARBOSA Mineiro de Guidoval TULIO BARBOSA

Leia mais

Cadastro Ambiental Rural

Cadastro Ambiental Rural Cadastro Ambiental Rural E suas possíveis contribuições para a gestão de bacias hidrográficas Botucatu 28/06/2013 Caroline Vigo Cogueto Centro de Monitoramento Coordenadoria de Biodiversidade e Recursos

Leia mais

Senado Federal. Senador. Brasília DF

Senado Federal. Senador. Brasília DF Senado Federal Senador Brasília DF Apresentação O Cadastro Ambiental Rural CAR é um instrumento de reconhecimento e regularização das propriedades rurais. Foi criado pelo novo Código Florestal Brasileiro,

Leia mais

Dados do Cadastrante: Nome: CPF: Data de Nascimento: / / Nome da mãe: Meios de contato: E-mail: Telefone residencial:

Dados do Cadastrante: Nome: CPF: Data de Nascimento: / / Nome da mãe: Meios de contato: E-mail: Telefone residencial: 1. ETAPA CADASTRANTE Dados do Cadastrante: Nome: CPF: Data de Nascimento: / / Nome da mãe: Meios de contato: E-mail: Telefone residencial: Endereço do Cadastrante: Logradouro Número: Complemento: Bairro:

Leia mais

I - Comparação entre o Código Florestal atual e o Substitutivo ao PL 1876/99 e apensados, de Relatoria do Deputado Aldo Rebelo.

I - Comparação entre o Código Florestal atual e o Substitutivo ao PL 1876/99 e apensados, de Relatoria do Deputado Aldo Rebelo. 1 I - Comparação entre o Código Florestal atual e o Substitutivo ao PL 1876/99 e apensados, de Relatoria do Deputado Aldo Rebelo. O substitutivo de relatoria do Deputado Aldo Rebelo, aprovado pela Comissão

Leia mais

1RWDV7pFQLFDV GR %DQFR&HQWUDOGR%UDVLO

1RWDV7pFQLFDV GR %DQFR&HQWUDOGR%UDVLO ,661Ã 1RWDV7pFQLFDV GR %DQFR&HQWUDOGR%UDVLO 1~PHUR 1RYHPEURGH O sistema financeiro e o crédito rural Moyses Kessel ISSN 1519-7212 CGC 00 038 166/0001-05 Notas Técnicas do Brasília n 6 nov 2001 P 1-10 Banco

Leia mais

Soja não é fator relevante de desmatamento no Bioma Amazônia

Soja não é fator relevante de desmatamento no Bioma Amazônia Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais Nº 77/2014 abril Informativo digital sobre temas da cadeia produtiva da soja Soja não é fator relevante de desmatamento no Bioma Amazônia De acordo

Leia mais

http://www4.planalto.gov.br/legislacao/resenha-diaria/2012/maio-resenhadiaria#content

http://www4.planalto.gov.br/legislacao/resenha-diaria/2012/maio-resenhadiaria#content http://www4.planalto.gov.br/legislacao/resenha-diaria/2012/maio-resenhadiaria#content Lei nº 12.651, de 25.5.2012 - Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa; altera as Leis n os 6.938, de 31 de agosto

Leia mais

Rodrigo Justus de Brito Advogado e Engº Agroº Especialista em Legislação Ambiental. Fevereiro - 2013

Rodrigo Justus de Brito Advogado e Engº Agroº Especialista em Legislação Ambiental. Fevereiro - 2013 Rodrigo Justus de Brito Advogado e Engº Agroº Especialista em Legislação Ambiental Fevereiro - 2013 ROTEIRO 1. HISTORICO DO CODIGO FLORESTAL a. EVOLUCAO DOS CONCEITOS DE APP e RESERVA LEGAL b. PROCESSO

Leia mais

03 de Dezembro de 2015

03 de Dezembro de 2015 Página 1 de 9 Marco Legal pertinente à área florestal no Brasil (1965 ao presente) Data de publicação Ato ou Lei Função 1 1965 Código Florestal Brasileiro Define diretrizes gerais para o uso e conservação

Leia mais

VERDADES E MENTIRAS SOBRE O PROJETO DE LEI QUE ALTERA O CÓDIGO FLORESTAL

VERDADES E MENTIRAS SOBRE O PROJETO DE LEI QUE ALTERA O CÓDIGO FLORESTAL VERDADES E MENTIRAS SOBRE O PROJETO DE LEI QUE ALTERA O CÓDIGO FLORESTAL 1. Por que o código florestal precisa ser mudado? O Código Florestal de 1965 é uma boa legislação. Aliás, caso fosse exigido o cumprimento

Leia mais

O QUE É O CAR? Lei 12.651/2012 Novo Código Florestal

O QUE É O CAR? Lei 12.651/2012 Novo Código Florestal 1 MARCO LEGAL MARCO LEGAL O QUE É O CAR? Lei 12.651/2012 Novo Código Florestal Cadastro Ambiental Rural CAR: Âmbito Nacional Natureza declaratória Obrigatório para todas as propriedades e posses Base de

Leia mais

COOPERATIVISMO: COMPROMISSO COM A SUSTENTABILIDADE

COOPERATIVISMO: COMPROMISSO COM A SUSTENTABILIDADE COOPERATIVISMO: COMPROMISSO COM A SUSTENTABILIDADE O Sistema OCB, formado pela Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (Sescoop) e Confederação

Leia mais

Divisão de. Avaliação e Perícia

Divisão de. Avaliação e Perícia Divisão de Avaliação e Perícia índice 3 5 6 a scot consultoria serviços de avaliação e perícia avaliação de imóveis rurais SUgestão de divisão de propriedades rurais Laudo de comprovação de produtividade

Leia mais

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL. PROJETO DE LEI N o 1.587, DE 2011 (Apenso PL nº 7.

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL. PROJETO DE LEI N o 1.587, DE 2011 (Apenso PL nº 7. COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL PROJETO DE LEI N o 1.587, DE 2011 (Apenso PL nº 7.468, de 2014) Altera o inciso I do art. 3º da Lei nº 11.326, de 24 de julho de

Leia mais

Programa Municípios Verdes. Incentivos à produção rural sustentável

Programa Municípios Verdes. Incentivos à produção rural sustentável Programa Municípios Verdes Incentivos à produção rural sustentável Programa Municípios Verdes Criado em 2011, inspirado na experiência de Paragominas, atualmente em 100 municípios Tem como base pactos

Leia mais

Adequação Ambiental /CAR: Programa Soja Pus. Cristiane Sassagima Neves Engenheira Florestal Analista de Projetos Aprosoja 2015

Adequação Ambiental /CAR: Programa Soja Pus. Cristiane Sassagima Neves Engenheira Florestal Analista de Projetos Aprosoja 2015 Adequação Ambiental /CAR: Programa Soja Pus Cristiane Sassagima Neves Engenheira Florestal Analista de Projetos Aprosoja 2015 MISSÃO Garantir a competitividade e a sustentabilidade dos produtores de soja

Leia mais

COTAS DE RESERVA AMBIENTAL. O que são, como cria-las e como negocia-las

COTAS DE RESERVA AMBIENTAL. O que são, como cria-las e como negocia-las COTAS DE RESERVA AMBIENTAL O que são, como cria-las e como negocia-las COTAS DE RESERVA AMBIENTAL O que são, como cria-las e como negocia-las! 3 Olá! Você já ouviu falar das Cotas de Reserva Ambiental

Leia mais

DESAFIOS À EXPANSÃO DA AGROPECUÁRIA BRASILEIRA

DESAFIOS À EXPANSÃO DA AGROPECUÁRIA BRASILEIRA DESAFIOS À EXPANSÃO DA AGROPECUÁRIA BRASILEIRA Restrições Ambientais à Expansão Sustentável da Agropecuária Brasileira Assuero Doca Veronez Presidente da Comissão Nacional do Meio Ambiente da CNA assuero@mdnet.com.br

Leia mais

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA Declaração de trabalho, serviços e especificações A Contratada deverá executar o trabalho e realizar os serviços a seguir, indicados de acordo com as especificações e normas

Leia mais

CONQUISTAS AOS AGRICULTORES NO CÓDIGO FLORESTAL

CONQUISTAS AOS AGRICULTORES NO CÓDIGO FLORESTAL CONQUISTAS AOS AGRICULTORES NO CÓDIGO FLORESTAL 1. DISPENSA AOS PROPRIETÁRIOS DE ÁREAS CONSOLIDADAS DE RECOMPOSIÇÃO DA RESERVA LEGAL Art. 61 a. Área rural consolidada: é a área de imóvel rural com ocupação

Leia mais

SERVIÇOS AMBIENTAIS. Fórum Permanente Sociedade e Desenvolvimento LEICI/FCA/Unicamp Erika Bechara 07.Outubro.2014

SERVIÇOS AMBIENTAIS. Fórum Permanente Sociedade e Desenvolvimento LEICI/FCA/Unicamp Erika Bechara 07.Outubro.2014 SERVIÇOS AMBIENTAIS 1 Fórum Permanente Sociedade e Desenvolvimento LEICI/FCA/Unicamp Erika Bechara 07.Outubro.2014 O USO DE INSTRUMENTOS ECONÔMICOS EM PROL DO MEIO AMBIENTE Instrumentos da política ambiental:

Leia mais

COTAS DE RESERVA AMBIENTAL

COTAS DE RESERVA AMBIENTAL ASA Paragominas Agência de Serviços Ambientais de Paragominas COTAS DE RESERVA AMBIENTAL O que são, como criá-las e como negociá-las ASA Paragominas Agência de Serviços Ambientais de Paragominas COTAS

Leia mais

INTRODUÇÃO: NOVO CÓDIGO FLORESTAL, UM MOMENTO DECISIVO PARA O BRASIL

INTRODUÇÃO: NOVO CÓDIGO FLORESTAL, UM MOMENTO DECISIVO PARA O BRASIL RESUMO PARA POLÍTICA PÚBLICA NOVO CÓDIGO FLORESTAL PARTE II: CAMINHOS E DESAFIOS PARA A REGULARIZAÇÃO AMBIENTAL INTRODUÇÃO: NOVO CÓDIGO FLORESTAL, UM MOMENTO DECISIVO PARA O BRASIL A aprovação do novo

Leia mais

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR O QUE ÉO CAR O Cadastro Ambiental Rural - CAR, é o registro público eletrônico de âmbito nacional, obrigatório para todos os imóveis rurais, com a finalidade

Leia mais

ACT entre OCB e MMA CAR REGULARIZAÇÃO AMBIENTAL. Brasilia, 13 maio de 2013.

ACT entre OCB e MMA CAR REGULARIZAÇÃO AMBIENTAL. Brasilia, 13 maio de 2013. entre OCB e MMA CAR REGULARIZAÇÃO AMBIENTAL Brasilia, 13 maio de 2013. Fato motivador Lei 12.651/2012 Desoneração da regularização ambiental das propriedades, através da metodologia do cadastro ambiental

Leia mais

Análise técnica dos pontos críticos

Análise técnica dos pontos críticos CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO Lei Nº 4.771/65 Foto: Ricardo Ribeiro Lei Nº 12.651/12 MP Nº 571/12 Análise técnica dos pontos críticos Material desenvolvido por: Código Florestal Brasileiro: Versão 01 / Reprodução

Leia mais

Cadastro Ambiental Rural: CAR E OS IMÓVEIS ABAIXO DE 4 MÓDULOS FISCAIS

Cadastro Ambiental Rural: CAR E OS IMÓVEIS ABAIXO DE 4 MÓDULOS FISCAIS Cadastro Ambiental Rural: CAR E OS IMÓVEIS ABAIXO DE 4 MÓDULOS FISCAIS O que é Módulo Fiscal / agricultura familiar Classificação dos imóveis até 4 módulos fiscais Como e onde consultar os módulos fiscais

Leia mais

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO Enio Resende de Souza EMATER - MG INTRODUÇÃO Os ecossistemas naturais e os agrossistemas existentes nas propriedades

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 004/2012/GT PROJETOS DE LEI E LEGISLAÇÃO AMBIENTAL/COMITE DE MEIO AMBIENTE CMA

NOTA TÉCNICA Nº 004/2012/GT PROJETOS DE LEI E LEGISLAÇÃO AMBIENTAL/COMITE DE MEIO AMBIENTE CMA NOTA TÉCNICA Nº 004/2012/GT PROJETOS DE LEI E LEGISLAÇÃO AMBIENTAL/COMITE DE MEIO AMBIENTE CMA São Paulo, 17 de outubro de 2012. 1. Referência A presente Nota Técnica nº 004/2012/GT tem por objetivo proceder

Leia mais

PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ TERMO DE REFERÊNCIA

PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ TERMO DE REFERÊNCIA PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ Acordo de Doação Nº TF016192 TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA INDIVIDUAL DE LONGO

Leia mais

Desafios e oportunidades associadas ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) 7ª CONSEGURO setembro 2015

Desafios e oportunidades associadas ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) 7ª CONSEGURO setembro 2015 Desafios e oportunidades associadas ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) 7ª CONSEGURO setembro 2015 Meta brasileira de redução das emissões até 2020 36,1% a 38,9% das 3.236 MM de tonco2eq de emissões projetadas

Leia mais

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: ASPECTOS LEGAIS AMBIENTAIS RELEVANTES

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: ASPECTOS LEGAIS AMBIENTAIS RELEVANTES NOVO CÓDIGO FLORESTAL: ASPECTOS LEGAIS AMBIENTAIS RELEVANTES 25 de Setembro de 2012 ESPAÇOS TERRITORIAIS ESPECIALMENTE PROTEGIDOS Cabe ao Poder Público definir, em todas as unidades da Federação, espaços

Leia mais

CAPITULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPITULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02/2014, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2014. PUBLICADA NO DOE/PA Nº 32594, DE 28/02/2014, CADERNO 5 PÁGINAS 6-8 Data: 26 de fevereiro de 2014. Define procedimentos administrativos para a

Leia mais

COTAS DE RESERVA AMBIENTAL. O que são e como criá-las

COTAS DE RESERVA AMBIENTAL. O que são e como criá-las COTAS DE RESERVA AMBIENTAL O que são e como criá-las COTAS DE RESERVA AMBIENTAL O que são e como criá-las! Olá! Você já ouviu falar das Cotas de Reserva Ambiental (CRAs)? O que são Cotas de Reserva Ambiental?

Leia mais

Novo Código Florestal Cadastro Ambiental Rural -CAR

Novo Código Florestal Cadastro Ambiental Rural -CAR Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Novo Código Florestal Cadastro Ambiental Rural -CAR João Carlos Dé Carli Assessor Técnico da Comissão Nacional do Meio Ambiente Confederação da Agricultura

Leia mais

Linhas de Financiamento Setor Florestal. 1º Encontro Paulista de Biodiversidade São Paulo, 18 de novembro de 2009 Eduardo Canepa Raul Andrade

Linhas de Financiamento Setor Florestal. 1º Encontro Paulista de Biodiversidade São Paulo, 18 de novembro de 2009 Eduardo Canepa Raul Andrade Linhas de Financiamento Setor Florestal 1º Encontro Paulista de Biodiversidade São Paulo, 18 de novembro de 2009 Eduardo Canepa Raul Andrade Política Ambiental do BNDES O BNDES entende que investimentos

Leia mais

O PL DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL FEDERAL: Gustavo Trindade Brasília, 15 de agosto de 2011

O PL DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL FEDERAL: Gustavo Trindade Brasília, 15 de agosto de 2011 O PL DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL FEDERAL: Gustavo Trindade Brasília, 15 de agosto de 2011 BREVE HISTÓRICO DA LEGISLAÇÃO FLORESTAL 1934 CÓDIGO FLORESTAL - DECRETO Nº 23.793, DE 23 DE JANEIRO DE 1934 Classificou

Leia mais

Boletim CSMG. CSMG Advogados Associados 28/05/2012 Codigo Florestal

Boletim CSMG. CSMG Advogados Associados 28/05/2012 Codigo Florestal Boletim CSMG CSMG Advogados Associados 28/05/2012 Codigo Florestal Após anos de debate, indas e vindas e muita discussão política, foi publicada no Diário Oficial da União de 25 de Maio de 2012 a Lei nº

Leia mais

Sistema de Cadastro Ambiental Rural. Diretoria de Uso Sustentável da Biodiversidade e Florestas

Sistema de Cadastro Ambiental Rural. Diretoria de Uso Sustentável da Biodiversidade e Florestas Sistema de Cadastro Ambiental Rural Diretoria de Uso Sustentável da Biodiversidade e Florestas CAR - Lei 12.651/2012: Cadastro Ambiental Rural Lei 12.651/2012 É criado o Cadastro Ambiental Rural - CAR,

Leia mais

DISPOSIÇÕES PERMANENTES

DISPOSIÇÕES PERMANENTES Revista RG Móvel - Edição 31 DISPOSIÇÕES PERMANENTES CADASTRO AMBIENTAL RURAL (CAR): O novo Código Florestal determina a criação do CAR (Cadastro Ambiental Rural) e torna obrigatório o registro para todos

Leia mais

O Código Florestal e a contribuição dos trabalhadores de pesquisa e desenvolvimento

O Código Florestal e a contribuição dos trabalhadores de pesquisa e desenvolvimento O Código Florestal e a contribuição dos trabalhadores de pesquisa e desenvolvimento agropecuário Vicente Almeida Presidente do SINPAF O que é o SINPAF? É o Sindicato Nacional que representa os trabalhadores

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL DE INTERFACE COM AS FLORESTAS PLANTADAS EM MS. Política Ambiental para o Setor Florestal

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL DE INTERFACE COM AS FLORESTAS PLANTADAS EM MS. Política Ambiental para o Setor Florestal LEGISLAÇÃO AMBIENTAL DE INTERFACE COM AS FLORESTAS PLANTADAS EM MS Principais Objetivos da Política Ambiental de MS para o Setor Florestal Reduzir a pressão sobre a vegetação nativa, especialmente aquela

Leia mais

A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice ÍNDICE

A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice ÍNDICE Estrada Dona Castorina, 124 Jardim Botânico Rio de Janeiro RJ CEP: 22460-320 Tel.: 21 35964006 A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice

Leia mais

Tema: Reserva Legal. Familiar/MMA

Tema: Reserva Legal. Familiar/MMA Tema: Reserva Legal Norma atual Proposta 1 Proposta Agricultura Proposta Movimento MAPA/ruralistas Familiar/MMA Socioambientalista Recuperação de RL: exige a Reconhecimento de Não aceitar anistia para

Leia mais

DESONERAÇÃO DE RESERVA LEGAL EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO FEDERAIS. Junho/2011

DESONERAÇÃO DE RESERVA LEGAL EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO FEDERAIS. Junho/2011 DESONERAÇÃO DE RESERVA LEGAL EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO FEDERAIS Junho/2011 CONTEXTO Das 310 Ucs Federais, 251 são domínio público DOMÍNIO TERRAS EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO FEDERAIS DOMÍNIO TERRAS PÚBLICAS

Leia mais

Faço saber que a Assembleia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Faço saber que a Assembleia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES LEI Nº 2.713, DE 9 DE MAIO DE 2013. Publicada no Diário Oficial nº 3.876 Institui o Programa de Adequação Ambiental de Propriedade e Atividade Rural TO-LEGAL, e adota outras providências. O Governador

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SEDAM.

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SEDAM. GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SEDAM. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 DE 30 DE MAIO DE 2011 Normatiza a atividade de silvicultura econômica com espécies nativas

Leia mais

O SETOR FLORESTAL SÉCULO XXI

O SETOR FLORESTAL SÉCULO XXI O SETOR FLORESTAL SÉCULO XXI PONTOS FORTES AMBIENTAIS Maior área florestal do mundo com 477 milhões de ha Estoque de carbono nas florestas da ordem de 50 bilhões de t C 150 milhões de ha com terras indígenas

Leia mais

Forum de Discussão Ambiental entre as Secretarias Municipais e o Comitê Guandu

Forum de Discussão Ambiental entre as Secretarias Municipais e o Comitê Guandu Forum de Discussão Ambiental entre as Secretarias Municipais e o Comitê Guandu 13/05/2013 CAR - Cadastro Ambiental Rural - O Cadastro Ambiental Rural é um registro eletrônico, obrigatório para todos os

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Decreto nº 53.939, de 6 de janeiro de 2009 Dispõe sobre a manutenção, recomposição, condução da regeneração natural, compensação e composição da área de Reserva Legal de

Leia mais

GERALDO ALCKMIN, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, Decreta:

GERALDO ALCKMIN, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, Decreta: 1/6 DECRETO Nº 60.521, DE 05 DE JUNHO DE 2014 Institui o Programa de Incentivos à Recuperação de Matas Ciliares e à Recomposição de Vegetação nas Bacias Formadoras de Mananciais de Água, institui a unidade

Leia mais

O que mudou no novo Sistema de Cadastro Ambiental Rural de Minas Gerais?

O que mudou no novo Sistema de Cadastro Ambiental Rural de Minas Gerais? O que mudou no novo Sistema de Cadastro Ambiental Rural de Minas Gerais? O Governo do Estado de Minas Gerais, por meio da conjugação de esforços entre Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento

Leia mais

Retrocesso na Proteção Ambiental. Dispositivos. Lei nº 12.651/2012

Retrocesso na Proteção Ambiental. Dispositivos. Lei nº 12.651/2012 Retrocesso na Proteção Ambiental Dispositivos Lei nº 12.651/2012 Áreas de Preservação Permanente (APPs) Dispositivos da Lei Áreas de Preservação Permanente (APPs) TOPOS DE MORRO E MONTANHAS Topos de Morro:

Leia mais

DECRETO FEDERAL N 1.282, DE 19 DE OUTUBRO DE 1994 Regulamenta os arts. 15, 19, 20 e 21 da Lei n 4.771, de 15 de setembro de 1965, e dá outras

DECRETO FEDERAL N 1.282, DE 19 DE OUTUBRO DE 1994 Regulamenta os arts. 15, 19, 20 e 21 da Lei n 4.771, de 15 de setembro de 1965, e dá outras DECRETO FEDERAL N 1.282, DE 19 DE OUTUBRO DE 1994 Regulamenta os arts. 15, 19, 20 e 21 da Lei n 4.771, de 15 de setembro de 1965, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições

Leia mais

TEXTO EM VIGOR EM VERDE

TEXTO EM VIGOR EM VERDE BUREAUX JURÍDICOS ASSOCIADOS Porto Alegre-RS Brasília-DF São Paulo-SP Belo Horizonte-MG Ricardo Alfonsin Advogados Ricardo Barbosa Alfonsin OAB/RS 9.275 Breno Moreira Mussi OAB/RS 5.791 Arilei Ribeiro

Leia mais

COTA DE RESERVA AMBIENTAL

COTA DE RESERVA AMBIENTAL COTA DE RESERVA AMBIENTAL Maio, 2013 ÍNDICE A Biofílica O Novo Código Florestal Mercado de CRA ÍNDICE Biofílica Atuação Áreas de Atuação Governança, Time e Parceiros O Novo Código Florestal Mercado de

Leia mais

SUMÁRIO LEI N.º 12.651, DE 25 DE MAIO DE 2012 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

SUMÁRIO LEI N.º 12.651, DE 25 DE MAIO DE 2012 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS SUMÁRIO COMO ENTENDER O CÓDIGO Art. 1.º (VETADO) LEI N.º 12.651, DE 25 DE MAIO DE 2012 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1.º-A 1-A.1 Do Estado socioambiental de Direito e o princípio do desenvolvimento

Leia mais

PRINCIPAIS REGRAS SOBRE

PRINCIPAIS REGRAS SOBRE PRINCIPAIS REGRAS SOBRE ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE - APP ÁREA DE RESERVA LEGAL - RL CADASTRO AMBIENTAL RURAL - CAR PROGRAMA DE REGULARIZAÇÃO AMBIENTAL - PRA Material desenvolvido e publicado em decorrência

Leia mais

O Novo Código Florestal

O Novo Código Florestal Madeira 2012 O Novo Código Florestal Prof. Sebastião Renato Valverde SIF/DEF/UFV Vitória, ES Novo Código Florestal Disposições Permanentes.Poucas alterações nos parâmetros de APPs e RL Disposições transitórias.voltam-se

Leia mais

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Aspectos relacionados com a Legislação Florestal / Mineração LEI FEDERAL 12651/12 Engª Amb. Adriana Maira Rocha Goulart Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais