ABEGÁS. Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ABEGÁS. Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado"

Transcrição

1 ABEGÁS Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado

2 ABEGÁS - Histórico Associação que representa os interesses do setor de distribuição de gás canalizado, visando garantir o suprimento e ampliação do atendimento. A ABEGÁS - Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado é uma sociedade sem fins lucrativos. Foi constituída em 02 de fevereiro de 1990 congregando, como associadas, as empresas concessionárias dos serviços de distribuição de gás canalizado dos vários Estados da Federação, acionistas e empresas participantes da indústria do gás no Brasil. Das empresas distribuidoras de gás canalizado, atualmente, 23 estão efetuando distribuição de gás "em operação" e 4 em estágio "pré-operacional" aguardam o recebimento de suprimento de gás para iniciar suas atividades operacionais. A ABEGÁS vem atuando para que ocorra a ampliação da oferta de gás natural no país, quer seja de produção nacional ou através de importação; no estímulo ao fortalecimento das empresas distribuidoras de gás canalizado em todos os Estados da Federação; no intercâmbio e na cooperação técnica e institucional entre seus associados e outras entidades, bem como na colaboração com órgãos do governo federal e dos governos estaduais na formulação de programas de desenvolvimento e fortalecimento da Indústria Brasileira do Gás Natural.

3 ABEGÁS - Objetivos a) Promover a integração dos associados, bem como assisti-los e apoiá-los em todos os seus interesses comuns a fim de lhes possibilitar maior proteção e valorização das atividades por eles desenvolvidas; b) Representar os associados no relacionamento com entidades públicas ou privadas na defesa dos seus interesses; c) Colaborar, quando necessário, com os órgãos do governo, na elaboração, proteção e execução de programas relativos ao desenvolvimento de setores direta ou indiretamente relacionados às atividades desenvolvidas pelos associados; d) Promover o intercâmbio e a cooperação técnica e institucional entre os associados, bem como entre estes e organismos congêneres, no país ou no exterior; e) Fortalecer a indústria do gás através do estímulo à criação de empresas distribuidoras de gás canalizado em todos os estados da federação; f) Defender e zelar pelos direitos e interesses dos associados, representá-los, judicial ou extrajudicialmente, junto aos poderes da República e a quaisquer entidades públicas ou privadas, podendo, inclusive, impetrar em favor desses mandados de segurança coletivo. g) Promover seminários, conferências, palestras, reuniões, cursos, congressos e outros eventos de interesse para os associados, obter patrocínios e publicidade, editar publicações técnicas e prestar informações especializadas, administrando e destinando integralmente os recursos provenientes de tais atividades à execução dos objetivos da ABEGÁS.

4 ABEGÁS - Concessionárias Fonte: ABEGÁS

5 ABEGÁS Associados Participantes

6 ABEGÁS Associados Colaboradores

7 Estrutura da ABEGÁS

8 Estrutura da ABEGÁS O Conselho Deliberativo reunir-se-á, ordinariamente, a cada mês, para acompanhar a evolução do plano operativo anual e todos os demais assuntos pertinentes a ABEGÁS, sendo o dia, hora e local designados com antecedência mínima de 10 (dez) dias corridos. O Conselho Fiscal reunir-se-á ordinariamente duas vezes por ano, sendo uma até o final do primeiro trimestre para apreciar as contas e procedimentos do Diretor Executivo referentes ao exercício anterior e a outra até o final do terceiro trimestre, para apreciar as contas e os procedimentos do Diretor Executivo referentes ao exercício em curso. A Assembléia Geral Ordinária se realizará até o final do primeiro trimestre de cada ano, com competência para deliberar sobre os seguintes assuntos referentes ao exercício encerrado: a) Relatório anual do Conselho Deliberativo; b) Balanço e as demonstrações financeiras da ABEGÁS, devidamente auditados pelo Conselho Fiscal; c) O parecer do auditor independente se houver; d) Opcionalmente, nomear os auditores independentes para o próximo exercício. A Assembléia Geral Extraordinária se realizará sempre que houver necessidade.

9 Estrutura da ABEGÁS DIRETORIA EXECUTIVA GERÊNCIA TÉCNICA MERCADO E COMPETITIVIDADE ASSUNTOS JURÍDICOS PRÁTICAS CONTÁBEIS E TRIBUTÁRIAS PRÁTICAS CONTÁBEIS E TRIBUTÁRIAS PLANO DE CONTAS PADRÃO/ DFs P & D NORMALIZAÇÃO MEDIÇÃO CAPACITAÇÃO TÉCNICA MATERIAIS E EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS CLIMATIZAÇÃO E COGERAÇÃO GNV AUTOMAÇÃO POLÍMEROS ODORAÇÃO PROTEÇÃO CATÓDICA GNC SMS PAIT

10 Ações da ABEGÁS - Regulação da Lei do Gás (Lei /09) nos Estados A ABEGÁS elaborou diretrizes específicas para a regulamentação em nível estadual, cujo objetivo é fomentar a indústria brasileira de distribuição de gás canalizado. - Investimento em capital humano A ABEGÁS mantém desde 2009 o Programa de Capacitação Profissional, desenvolvido em parceria com o SENAI - Departamento Nacional e CTGÁS. - Implementação de políticas públicas adequadas A ABEGÁS tem buscado diálogo com o governo federal para estabelecer uma agenda propositiva para o setor que incentive a expansão do gás natural na matriz energética brasileira. - Competitividade do gás natural Elaboração de estudos e ações que visam aumentar a competitividade deste insumo energético. - Incentivos para aprimorar a inovação Plano de incentivo para aporte, pesquisa e desenvolvimento. - Expansão dos segmentos Planos de ação específicos para a expansão dos segmentos já atendidos pelas distribuidoras de gás canalizado e atendimento a mercados ainda não contemplados.

CEBGAS Companhia Brasiliense de Gás

CEBGAS Companhia Brasiliense de Gás REGULAMENTO PARA CADASTRAMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE POSTOSREVENDEDORES DE COMBUSTÍVEIS PARA FORNECIMENTO DE GÁS NATURAL VEICULAR GNV, PROVENIENTE DO GÁS NATURAL LIQUEFEITO - GNL Considerando que a Companhia

Leia mais

ESTATUTO Modelo de Organização da Sociedade Civil de Interesse Público - OSCIP CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO Modelo de Organização da Sociedade Civil de Interesse Público - OSCIP CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS LEGENDA Texto em NEGRITO: Claúsulas que devem necessariamente constar do Estatuto, por força da Lei nº 9.790/99. Texto em Itálico: observações pertinentes ESTATUTO Modelo de Organização da Sociedade Civil

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSUNI Nº 28/2014

RESOLUÇÃO CONSUNI Nº 28/2014 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS RESOLUÇÃO CONSUNI Nº 28/2014 Cria o Laboratório de Análises Clínicas e Ensino em Saúde, Órgão Complementar do Instituto de Ciências Biológicas, e aprova

Leia mais

NÚCLEO DE MISSÕES E CRESCIMENTO DE IGREJA FACULDADE ADVENTISTA DE TEOLOGIA (FAT) UNASP REGULAMENTO

NÚCLEO DE MISSÕES E CRESCIMENTO DE IGREJA FACULDADE ADVENTISTA DE TEOLOGIA (FAT) UNASP REGULAMENTO Texto Aprovado CONSU Nº 2009-14 - Data: 03/09/09 PRÓ-REITORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE MISSÕES E CRESCIMENTO DE IGREJA FACULDADE ADVENTISTA DE TEOLOGIA (FAT) UNASP REGULAMENTO Conforme Regimento do UNASP Artigo

Leia mais

Fundação Banestes de Seguridade Social - BANESES. Estatuto

Fundação Banestes de Seguridade Social - BANESES. Estatuto Fundação Banestes de Seguridade Conteúdo I. Da Denominação, Sede e Foro...1 II. Dos Objetivos...2 III. Do Quadro Social...3 IV. Do Prazo de Duração...4 V. Do Patrimônio...5 VI. VII. VIII. Dos Órgãos de

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS CONTADORES ESCRIVÃES E DISTRIBUIDORES DA JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL A C E D I J U S / R S

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS CONTADORES ESCRIVÃES E DISTRIBUIDORES DA JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL A C E D I J U S / R S 1 ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS CONTADORES ESCRIVÃES E DISTRIBUIDORES DA JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL A C E D I J U S / R S CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, FINS, SEDE, DURAÇÃO E FORO: Art. 1 A associação

Leia mais

Plano de Cargos CONSTRUA CONOSCO!

Plano de Cargos CONSTRUA CONOSCO! Plano de Cargos CONSTRUA CONOSCO! ÍNDICE Introdução Diretorias Presidência Administrativa-Financeira Desenvolvimento Integração Eventos Comunicação Processo de inscrição e seleção Contato QUEM SOMOS A

Leia mais

Serviço Público Federal Ministério da Educação Universidade Federal de São Paulo Consu REGIMENTO DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS -SRI CAPÍTULO I Disposições preliminares Art. 1º - O presente Regimento

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE TI DE ASSESSORAMENTO AO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CAPÍTULO I DO COMITÊ DE TI

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE TI DE ASSESSORAMENTO AO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CAPÍTULO I DO COMITÊ DE TI REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE TI DE ASSESSORAMENTO AO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CAPÍTULO I DO COMITÊ DE TI Artigo 1º. O Comitê de TI ( Comitê ) é órgão de assessoramento vinculado diretamente ao Conselho

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ACOMPANHAMENTO DA INTEGRAÇÃO DE ASSESSORAMENTO AO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ACOMPANHAMENTO DA INTEGRAÇÃO DE ASSESSORAMENTO AO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ACOMPANHAMENTO DA INTEGRAÇÃO DE ASSESSORAMENTO AO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CAPÍTULO I DO COMITÊ DE ACOMPANHAMENTO DA INTEGRAÇÃO Artigo 1º. O Comitê de Acompanhamento da

Leia mais

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA (ServPsi)

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA (ServPsi) REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA (ServPsi) Março de 2011 CAPÍTULO I: DEFINIÇÃO E OBJETIVOS Artigo 1º - Definição O Serviço de Psicologia, adiante designado por Serviço, é uma estrutura de caráter permanente

Leia mais

CIMPOR Cimentos de Portugal, SGPS, S.A. Regulamento da Comissão de Auditoria

CIMPOR Cimentos de Portugal, SGPS, S.A. Regulamento da Comissão de Auditoria CIMPOR Cimentos de Portugal, SGPS, S.A. Regulamento da Comissão de Auditoria CIMPOR Cimentos de Portugal, SGPS, S.A. Regulamento da Comissão de Auditoria PREÂMBULO A Comissão de Auditoria da CIMPOR Cimentos

Leia mais

MANUAL DE COMPLIANCE DOCUMENTOS DE CONTROLES INTERNOS

MANUAL DE COMPLIANCE DOCUMENTOS DE CONTROLES INTERNOS 1 / 5 FINALIDADE Documentar o processo e as diretrizes da politica de FATES (Fundo de Assistência Técnica, Educacional e Social), estabelecendo responsabilidades, ambiência, regras de aprovação, destinação

Leia mais

XII Congresso Brasileiro de Fomento Comercial. 1º de maio de 2014

XII Congresso Brasileiro de Fomento Comercial. 1º de maio de 2014 XII Congresso Brasileiro de Fomento Comercial 1º de maio de 2014 Humberto Luiz Ribeiro Secretário de Comércio e Serviços (SCS) Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) Apresentação

Leia mais

[DIGITE AQUI] REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GOVERNANÇA E INDICAÇÃO DE ASSESSORAMENTO AO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

[DIGITE AQUI] REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GOVERNANÇA E INDICAÇÃO DE ASSESSORAMENTO AO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO [DIGITE AQUI] REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GOVERNANÇA E INDICAÇÃO DE ASSESSORAMENTO AO CONSELHO INFORMAÇÃO INTERNA SUMÁRIO CAPÍTULO I - DO COMITÊ DE GOVERNANÇA E INDICAÇÃO... 3 CAPÍTULO II - DA COMPOSIÇÃO

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL ANDAV CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, FORO, DURAÇÃO, OBJETIVOS.

ESTATUTO SOCIAL ANDAV CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, FORO, DURAÇÃO, OBJETIVOS. ESTATUTO SOCIAL ANDAV CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, FORO, DURAÇÃO, OBJETIVOS. Artigo 1 A ANDAV Associação Nacional dos Distribuidores de Insumos Agrícolas e Veterinários, associação, de âmbito nacional em caráter

Leia mais

REGIMENTO DA REVISTA DIÁLOGO EDUCACIONAL

REGIMENTO DA REVISTA DIÁLOGO EDUCACIONAL REGIMENTO DA REVISTA DIÁLOGO EDUCACIONAL Capítulo I Da Revista e sua Sede Art. 1º - A Revista Diálogo Educacional, criada em 2000, é uma publicação periódica do da Pontifícia Universidade Católica do Paraná.

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 002, de 28 de fevereiro de 2000

RESOLUÇÃO n o 002, de 28 de fevereiro de 2000 RESOLUÇÃO n o 002, de 28 de fevereiro de 2000 Aprova Regimento da Assessoria Jurídica da FUNREI ASJUR O Presidente do Conselho Deliberativo Superior da Fundação de Ensino Superior de São João del-rei FUNREI,

Leia mais

Auditoria e o Fator de Sucesso. Luciano Medeiros

Auditoria e o Fator de Sucesso. Luciano Medeiros Auditoria e o Fator de Sucesso Luciano Medeiros O Mercado de Auditoria No Brasil há cerca de 360 auditores PJ registrados na CVM; Há, também, por volta de 70 auditores PF com registro na CVM; Por outro

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº CONSU, DE 07 DE AGOSTO DE 2009.

RESOLUÇÃO Nº CONSU, DE 07 DE AGOSTO DE 2009. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI CONSU RESOLUÇÃO Nº. 16 - CONSU, DE 07 DE AGOSTO DE 2009. Aprova o Regimento interno da Diretoria de Relações Internacionais

Leia mais

Agenda MEI de Inovação e Manufatura Avançada

Agenda MEI de Inovação e Manufatura Avançada 10 Diálogos da MEI Agenda MEI de Inovação e Gilberto Peralta - GE Salvador, 04 de abril de 2016 A Economia Digital revolucionará o cotidiano das pessoas e das empresas, transformando nosso dia-a-dia Internet

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA A DEFESA DO CONSUMIDOR DECO

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA A DEFESA DO CONSUMIDOR DECO ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA A DEFESA DO CONSUMIDOR DECO 9 de outubro de 2014 ESTATUTOS CAPITULO I Nome, sede, âmbito e objeto Artigo 1º. A Associação, denominada Associação Portuguesa para

Leia mais

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ATRICON Nº XX/2013

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ATRICON Nº XX/2013 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ATRICON Nº XX/2013 Altera o Estatuto da Associação dos Membros dos Tribunais de Contas do Brasil, visando, entre outras providências, a ampliação da sua fonte de financiamento Resumo:

Leia mais

FRENTE PARLAMENTAR MISTA EM DEFESA DO COMÉRCIO, SERVIÇO E EMPREENDEDORISMO

FRENTE PARLAMENTAR MISTA EM DEFESA DO COMÉRCIO, SERVIÇO E EMPREENDEDORISMO ESTATUTO DA FRENTE PARLAMENTAR MISTA EM DEFESA DO COMÉRCIO,. I. DA CARACTERIZAÇÃO, DA DURAÇÃO E DA SEDE Art. 1º. A Frente Parlamentar Mista em Defesa do Comércio, Serviço e Empreendedorismo, constituída

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA... 2 3. DEFINIÇÕES... 2 4. TIPOLOGIAS DE RISCO... 2 5. RESPONSABILIDADES... 3 5.1 CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO... 3 5.2 COMITÊ DE RISCOS

Leia mais

DECRETO Nº 239/2015. Aprova o Regimento Interno do Conselho Municipal de Anti Drogas (COMAD) de Gramado.

DECRETO Nº 239/2015. Aprova o Regimento Interno do Conselho Municipal de Anti Drogas (COMAD) de Gramado. DECRETO Nº 239/2015 Aprova o Regimento Interno do Conselho Municipal de Anti Drogas (COMAD) de Gramado. NESTOR TISSOT, Prefeito Municipal de Gramado, no uso de suas atribuições legais, de acordo com a

Leia mais

GOVERNANÇA NA FUNDAÇÃO BANCO DO BRASIL 1. INTRODUÇÃO

GOVERNANÇA NA FUNDAÇÃO BANCO DO BRASIL 1. INTRODUÇÃO GOVERNANÇA NA FUNDAÇÃO BANCO DO BRASIL 1. INTRODUÇÃO 1.1 As disposições contidas a seguir foram extraídas de documentos e de deliberações que regulam a atuação da Fundação Banco do Brasil, cuja consulta,

Leia mais

Associação Fundo Jovem Tsedaká

Associação Fundo Jovem Tsedaká Associação Fundo Jovem Tsedaká O Fundo Jovem é uma organização sem fins lucrativos, focada em dar acesso ao ensino superior a estudantes provenientes de famílias de baixa renda. Além disso mobiliza jovens

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE EXPANSÃO

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE EXPANSÃO REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE EXPANSÃO REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE EXPANSÃO DA VIA VAREJO S.A. Art. 1º. O Comitê de Expansão ( Comitê ) é órgão de assessoramento vinculado diretamente ao Conselho de

Leia mais

Regimento do Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional

Regimento do Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional Regimento do Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional Capítulo I Natureza e Objetivos Artigo 1 - O Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional (PROFMAT) tem como objetivo proporcionar

Leia mais

ESTATUTO FENEC CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E DURAÇÃO

ESTATUTO FENEC CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E DURAÇÃO ESTATUTO FENEC CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E DURAÇÃO Artigo 1º - A Federação Nacional dos Estudantes de Engenharia Civil, doravante denominada FENEC, fundada em 10 de Abril de 2015, na cidade de Gramado,

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DO GRUPO MRV

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DO GRUPO MRV POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DO GRUPO MRV SUMÁRIO 1 Objetivo... 2 2 Abrangência... 2 3 Conceitos... 2 4 Tipologias de Risco... 3 5 Responsabilidades... 4 5.1 Conselho de Administração... 4 5.2 Comitê de

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS FÓRUM PERMANENTE DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL REGIMENTO INTERNO DO FORPAE DEZEMBRO/2014 MACEIÓ/AL

INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS FÓRUM PERMANENTE DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL REGIMENTO INTERNO DO FORPAE DEZEMBRO/2014 MACEIÓ/AL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS FÓRUM PERMANENTE DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL REGIMENTO INTERNO DO FORPAE DEZEMBRO/2014 MACEIÓ/AL ÍNDICE TÍTULO I DA DENOMINAÇÃO E FINS TÍTULO II DOS MEMBROS TÍTULO III DO FUNCIONAMENTO

Leia mais

MODELAGENS. Modelagem Estratégica

MODELAGENS. Modelagem Estratégica Material adicional: MODELAGENS livro Modelagem de Negócio... Modelagem Estratégica A modelagem estratégica destina-se à compreensão do cenário empresarial desde o entendimento da razão de ser da organização

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR LEI Nº 6.878, DE 31 DE OUTUBRO DE 2007. Alterada pelo Decreto nº 14.132, de 13 de junho de 2011. INSTITUI O CONSELHO ESTADUAL DE POLÍTICA ENERGÉTICA CEPE E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR DO Faço

Leia mais

FRENTE PARLAMENTAR MISTA EM DEFESA E DESENVOLVIMENTO DA PROFISSÃO DE BOMBEIRO CIVIL

FRENTE PARLAMENTAR MISTA EM DEFESA E DESENVOLVIMENTO DA PROFISSÃO DE BOMBEIRO CIVIL C â m a r a d o s D e p u t a d o s FRENTE PARLAMENTAR MISTA EM DEFESA E DESENVOLVIMENTO DA PROFISSÃO DE BOMBEIRO CIVIL ESTATUTO CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º A FRENTE PARLAMENTAR MISTA EM DEFESA E DESENVOLVIMENTO

Leia mais

PROJETO DE LEI. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

PROJETO DE LEI. O CONGRESSO NACIONAL decreta: PROJETO DE LEI Autoriza o Poder Executivo a instituir Serviço Social Autônomo denominado Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial - ABDI, e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

Leia mais

ANEXO III DESCRIÇÃO DOS CARGOS CARGO: PROCURADOR DO MUNICÍPIO DE NÍVEL III

ANEXO III DESCRIÇÃO DOS CARGOS CARGO: PROCURADOR DO MUNICÍPIO DE NÍVEL III ANEXO III DESCRIÇÃO DOS CARGOS CARGO: PROCURADOR DO MUNICÍPIO DE NÍVEL III - Exercer a representação judicial da administração direta e indireta do Município em primeira instância, atuando em todas as

Leia mais

Regimento Interno do Campus Bento Gonçalves do IFRS

Regimento Interno do Campus Bento Gonçalves do IFRS Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Bento Gonçalves Regimento Interno do Campus Bento

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL - PRSA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL - PRSA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL - PRSA A presente política foi elaborada pela PLANNER e é documento complementar ao procedimento interno, sendo proibida sua reprodução total ou parcial, de

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental de Responsabilidade Socioambiental IB Corretora de Câmbio, Títulos e Valores Mobiliários Ltda Página 1 Sumário 1. Introdução... 2 2. Objetivo... 2 3. Abrangência... 2 4. Princípios... 2 4.1 Transparência...

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS FACULDADE DE MEDICINA REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE SAÚDE PÚBLICA (NUSP) CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS FACULDADE DE MEDICINA REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE SAÚDE PÚBLICA (NUSP) CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS FACULDADE DE MEDICINA REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE SAÚDE PÚBLICA (NUSP) CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares Art. 1º. O presente Regimento tem por finalidade disciplinar

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA FUNDAÇÃO DE DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS MARGARIDA MARIA ALVES

REGIMENTO INTERNO DA FUNDAÇÃO DE DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS MARGARIDA MARIA ALVES REGIMENTO INTERNO DA FUNDAÇÃO DE DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS MARGARIDA MARIA ALVES Art. 1º - A FUNDAÇÃO DE DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS MARGARIDA MARIA ALVES, FDDHMMA, instituída pela Arquidiocese da Paraíba,

Leia mais

Cartilha da Ouvidoria

Cartilha da Ouvidoria Cartilha da Ouvidoria Esta cartilha objetiva informar sobre a atuação da Ouvidoria da REAL GRANDEZA e, especialmente, orientar o público que se relaciona com a Entidade participantes, assistidos, beneficiários

Leia mais

Auditoria de Meio Ambiente da SAE/DS sobre CCSA

Auditoria de Meio Ambiente da SAE/DS sobre CCSA 1 / 8 1 OBJETIVO: Este procedimento visa sistematizar a realização de auditorias de Meio Ambiente por parte da SANTO ANTÔNIO ENERGIA SAE / Diretoria de Sustentabilidade DS, sobre as obras executadas no

Leia mais

1º Termo Aditivo ao Edital de Licitação de Tomada de Preço nº 01/2015 do CRFa 3ª

1º Termo Aditivo ao Edital de Licitação de Tomada de Preço nº 01/2015 do CRFa 3ª 1º Termo Aditivo ao Edital de Licitação de Tomada de Preço nº 01/2015 do CRFa 3ª Fica aditado o Edital de Licitação na modalidade de Tomada de Preço n. 01/2015, do CRFa 3ª, para constar que: 1. O item

Leia mais

Minuta Circular Normativa

Minuta Circular Normativa Minuta Circular Normativa 1. INTRODUÇÃO 1.1. Objetivo a) Estabelecer princípios e diretrizes para orientar as ações de natureza socioambiental nos negócios da Desenbahia e no seu relacionamento com clientes

Leia mais

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 05/2012

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 05/2012 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS Campus Universitário Viçosa, MG 36570-000 Telefone: (31) 3899-2127 - Fax: (31) 3899-1229 - E-mail: soc@ufv.br RESOLUÇÃO

Leia mais

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA. Regimento Interno do Comitê de Gestão de Riscos

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA. Regimento Interno do Comitê de Gestão de Riscos 1/7 TÍTULO CLASSIFICAÇÃO REFERENCIAL NORMATIVO ASSUNTO ELABORADOR Regimento Interno do Comitê de Gestão de Risco Documentos Institucionais Resolução CGPC nº 13/2004 Estabelece a composição e atribuições

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL, INDUSTRIAL E DE SERVIÇOS DE NOVO HAMBURGO, CAMPO BOM E ESTÂNCIA VELHA CAPÍTULO I

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL, INDUSTRIAL E DE SERVIÇOS DE NOVO HAMBURGO, CAMPO BOM E ESTÂNCIA VELHA CAPÍTULO I 1 ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL, INDUSTRIAL E DE SERVIÇOS DE NOVO HAMBURGO, CAMPO BOM E ESTÂNCIA VELHA CAPÍTULO I Da Denominação, Constituição, Sede e Fins Art. 1º - Denomina-se Associação Comercial,

Leia mais

NESC/UFG NÚCLEO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA

NESC/UFG NÚCLEO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA REGIMENTO CAPÍTULO I DA PERSONALIDADE, AUTONOMIA E SEDE Art. 1º O Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva é uma entidade de trabalho interdisciplinar, sem fins lucrativos, com finalidades científicas na área

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO II SEMESTRE DE 2016

RELATÓRIO DE GESTÃO II SEMESTRE DE 2016 RELATÓRIO DE GESTÃO II SEMESTRE DE 2016 O SINDIFISCO/RS, neste segundo semestre de 2016, lançou-se à atividade de trabalhar de forma planejada, fazendo uso de instrumentos de gestão encontrados nas diversas

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENFERMAGEM

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENFERMAGEM DEPARTAMENTO CIENTÍFICO DE HISTÓRIA DA ENFERMAGEM REGIMENTO INTERNO (Aprovado em 07 de fevereiro de 2010) CAPÍTULO I Disposições Gerais Art. 1º Este Regimento normatiza a organização e funcionamento do

Leia mais

PLANO DE ADMINISTRAÇÃO Fonte de Recurso (R$ 1,00)

PLANO DE ADMINISTRAÇÃO Fonte de Recurso (R$ 1,00) Rio de Janeiro, 23 de outubro de 2015. PLANO DE ADMINISTRAÇÃO - 2016 O exercício financeiro de 2015 foi um ano de reestruturação administrativa e austeridade financeira, marcado pela recessão econômica

Leia mais

A PETROBRAS E A GOVERNANÇA CORPORATIVA. Desenvolvimento de Sistemas de Gestão. Comunicação Institucional

A PETROBRAS E A GOVERNANÇA CORPORATIVA. Desenvolvimento de Sistemas de Gestão. Comunicação Institucional A PETROBRAS E A GOVERNANÇA CORPORATIVA Desenvolvimento de Sistemas de Gestão Comunicação Institucional A Petrobras já integra o grupo das grandes companhias que adotam as melhores práticas de governança

Leia mais

RELATÓRIO DA REDE DE ENFRENTAMENTO AO TRÁFICO DE PESSOAS

RELATÓRIO DA REDE DE ENFRENTAMENTO AO TRÁFICO DE PESSOAS RELATÓRIO DA REDE DE ENFRENTAMENTO AO TRÁFICO DE PESSOAS Nome do Responsável: Leila Maria dos Santos Silva Cargo do Responsável: Coordenadora Estadual de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas e Trabalho

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Regimento Interno da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós- Graduação PROPE, anexo a esta Resolução.

Art. 1º Aprovar o Regimento Interno da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós- Graduação PROPE, anexo a esta Resolução. RESOLUÇÃO N o 015, de 1º de junho de 2009. Aprova Regimento Interno da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação PROPE. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI

Leia mais

FUNDAÇÃO ITAÚ SOCIAL CNPJ /

FUNDAÇÃO ITAÚ SOCIAL CNPJ / FUNDAÇÃO ITAÚ SOCIAL CNPJ 59.573.030/0001-30 ESTATUTO SOCIAL I INSTITUIÇÃO, DENOMINAÇÃO, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º - A pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, instituída por Itaúsa Investimentos

Leia mais

Enterprise Risk Management (ERM) Gestão de Riscos Corporativos Pesquisa sobre o estágio atual em empresas brasileiras

Enterprise Risk Management (ERM) Gestão de Riscos Corporativos Pesquisa sobre o estágio atual em empresas brasileiras KPMG Risk & Compliance Enterprise Risk Management (ERM) Gestão de Riscos Corporativos Pesquisa sobre o estágio atual em empresas brasileiras Conteúdo 1. Contexto geral 6. Estrutura e funcionamento do Conselho

Leia mais

ESTATUTO DA FRENTE PARLAMENTAR EM DEFESA DO SISTEMA NACIONAL DE AUDITORIA DO SUS- SNA

ESTATUTO DA FRENTE PARLAMENTAR EM DEFESA DO SISTEMA NACIONAL DE AUDITORIA DO SUS- SNA ESTATUTO DA FRENTE PARLAMENTAR EM DEFESA DO SISTEMA NACIONAL DE AUDITORIA DO SUS- SNA Art.1 - A FRENTE PARLAMENTAR EM DEFESA DO SISTEMA NACIONAL DE AUDITORIA DO SUS- SNA, constituída de acordo com o Ato

Leia mais

REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DO FUNDO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA, EDUCACIONAL E SOCIAL - FATES OBJETIVO

REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DO FUNDO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA, EDUCACIONAL E SOCIAL - FATES OBJETIVO REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DO FUNDO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA, EDUCACIONAL E SOCIAL - FATES OBJETIVO Art. 1º - O FATES Fundo de Assistência Técnica, Educacional e Social tem como objetivo prestar assistências

Leia mais

INTRODUÇÃO 3 RELACIONAMENTOS 4. Relações com as patrocinadoras 4. Relações com os participantes 4. Relações com órgãos reguladores e fiscalizadores 5

INTRODUÇÃO 3 RELACIONAMENTOS 4. Relações com as patrocinadoras 4. Relações com os participantes 4. Relações com órgãos reguladores e fiscalizadores 5 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 3 RELACIONAMENTOS 4 Relações com as patrocinadoras 4 Relações com os participantes 4 Relações com órgãos reguladores e fiscalizadores 5 Relações com gestores de investimentos 5 Relações

Leia mais

FUNDAÇÃO DE AURÉLIO AMARO DINIZ

FUNDAÇÃO DE AURÉLIO AMARO DINIZ FUNDAÇÃO DE AURÉLIO AMARO DINIZ ESTATUTOS: DA FUNDAÇÃO DE AURÉLIO AMARO DINIZ Da Denominação, Natureza e Fins CAPITULO I Artigo 1º - 1 A Fundação Aurélio Amaro Diniz é uma Fundação de Solidariedade Social,

Leia mais

Estatuto Social da Associação Águas do Nordeste ANE. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E DURAÇÃO

Estatuto Social da Associação Águas do Nordeste ANE. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E DURAÇÃO Estatuto Social da Associação Águas do Nordeste ANE Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E DURAÇÃO Artigo 1º. A Associação Águas do Nordeste, denominada abreviadamente de ANE, é uma associação civil, sem fins

Leia mais

DO CENTRO ACADÊMICO DE ECONOMIA CAPÍTULO I

DO CENTRO ACADÊMICO DE ECONOMIA CAPÍTULO I DO CENTRO ACADÊMICO DE ECONOMIA CAPÍTULO I Da Entidade Art. 1º O Centro Acadêmico de Economia (CAE) fundado em 05-12-2013, constitui-se em sociedade civil sem fins lucrativos, apartidária, e é o órgão

Leia mais

Rev.: 02 Elaborado por: GT Política de Comunicação da Previnorte Aprovado por: DEX/RD nº 052/17 de 26/06/2017 Página 1 de 7

Rev.: 02 Elaborado por: GT Política de Comunicação da Previnorte Aprovado por: DEX/RD nº 052/17 de 26/06/2017 Página 1 de 7 Aprovado por: DEX/RD nº 052/17 de 26/06/2017 Página 1 de 7 1. Objetivos Orientar, coordenar e desenvolver as ações de comunicação organizacional da Previnorte, alinhadas aos planos e políticas institucionais,

Leia mais

Conselho Local de Ação Social de Figueira de Castelo Rodrigo

Conselho Local de Ação Social de Figueira de Castelo Rodrigo REDE SOCIAL Conselho Local de Ação Social de Figueira de Castelo Rodrigo Regulamento Interno [9/04/2014] REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO CONCELHO DE FIGUEIRA DE CASTELO RODRIGO

Leia mais

Regulamento do Núcleo de Apoio à Pesquisa do Curso de Medicina da UNIFENAS-BH

Regulamento do Núcleo de Apoio à Pesquisa do Curso de Medicina da UNIFENAS-BH Regulamento do Núcleo de Apoio à Pesquisa do Curso de Medicina da UNIFENAS-BH CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO Art. 1º O Núcleo de Apoio à Pesquisa do Curso de Medicina da UNIFENAS-BH (NAPMED-BH) foi criado

Leia mais

Código de Ética da ABTT

Código de Ética da ABTT Código de Ética da ABTT Prezados (as) Associados (as), A ABTT, ao longo de sua existência, tem conduzido suas atividades na crença de que para seu associado desenvolver-se e ter sucesso, é imprescindível

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA CENTRO ACADÊMICO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA CENTRO ACADÊMICO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA CENTRO ACADÊMICO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO Art. 1º O Centro Acadêmico da Universidade Estadual de Londrina, CAUEL, é entidade máxima

Leia mais

Ouvidoria - Geral da União. Objetivo 6. Produzir informações estratégicas para subsidiar as tomadas de decisões do Presidente da República.

Ouvidoria - Geral da União. Objetivo 6. Produzir informações estratégicas para subsidiar as tomadas de decisões do Presidente da República. Ouvidoria - Geral da União Objetivo 6. Produzir informações estratégicas para subsidiar as tomadas de decisões do Presidente da República. Produzir dados quantitativos e qualitativos acerca da satisfação

Leia mais

COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO DE MINAS GERAIS

COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO DE MINAS GERAIS SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. LEGISLAÇÃO... 3 3. ABRAGÊNCIA... 4 4. DEFINIÇÕES... 4 4.1... 4 4.2 CONFORMIDADE... 5 4.3 INTEGRIDADE... 5 5. DIRETRIZES GERAIS... 5 6. RESPONSABILIDADES... 6 6.1 ADMINISTRAÇÃO/DIRETORIA...

Leia mais

Instituto de Pesquisa e Apoio ao Desenvolvimento Social ESTATUTO

Instituto de Pesquisa e Apoio ao Desenvolvimento Social ESTATUTO ESTATUTO CAPÍTULO I NOME, SEDE, DURAÇÃO E FINS Artigo 1º O INSTITUTO DE PESQUISA E APOIO AO DESENVOLVIMENTO SOCIAL, também conhecido pela sigla IPADS, constituído em 17 de junho de 2000, é uma entidade

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA DO SISTEMA CREDISIS

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA DO SISTEMA CREDISIS POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA DO SISTEMA CREDISIS Versão: Março/2018 Sumário 1. OBJETIVO... 3 2. ESTRUTURA DAS DIRETRIZES... 3 3. REPRESENTATIVIDADE E PARTICIPAÇÃO... 3 3.1. Assembleia Geral... 3

Leia mais

Norma Permanente. Página 1 de 8. Assunto: Engajamento com Partes Interessadas Código da Norma: NAD-42

Norma Permanente. Página 1 de 8. Assunto: Engajamento com Partes Interessadas Código da Norma: NAD-42 Página 1 de 8 Índice Resumo: Estabelece as diretrizes para o engajamento com partes interessadas. 1. OBJETIVO 2. ABRANGÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 3.1. PARTE INTERESSADA 3.2. ENGAJAMENTO DE PARTES INTERESSADAS

Leia mais

REGIMENTO COLÉGIO DE GESTORES DE COMUNICAÇÃO DAS UNIVERSIDADES FEDERAIS TITULO I DA FINALIDADE E OBJETIVOS

REGIMENTO COLÉGIO DE GESTORES DE COMUNICAÇÃO DAS UNIVERSIDADES FEDERAIS TITULO I DA FINALIDADE E OBJETIVOS REGIMENTO COLÉGIO DE GESTORES DE COMUNICAÇÃO DAS UNIVERSIDADES FEDERAIS TITULO I DA FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 1º O presente Regimento do Colégio de Gestores de Comunicação das Universidades Federais

Leia mais

ESTATUTO DO DIRETÓRIO CENTRAL DOS ESTUDANTES DA HORUS FACULDADES CAPITULO I

ESTATUTO DO DIRETÓRIO CENTRAL DOS ESTUDANTES DA HORUS FACULDADES CAPITULO I ESTATUTO DO DIRETÓRIO CENTRAL DOS ESTUDANTES DA HORUS FACULDADES CAPITULO I Art. 1º - Fica criado o DIRETÓRIO CENTRAL DOS ESTUDANTES DCE, órgão exclusivo de representação dos os acadêmicos da HORUS FACULDADES,

Leia mais

Gestão Pública Democrática

Gestão Pública Democrática Gestão Pública Democrática Apoio Parceria Coordenação Técnica Iniciativa Gestão Pública Democrática Conceito de gestão Tem origem na palavra latina gestione que se refere ao ato de gerir, gerenciar e administrar.

Leia mais

20/11/2013. Regimento Interno CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPITULO II - INSTANCIAS DE GOVERNANÇA CAPITULO III DO CORPO DIRETIVO

20/11/2013. Regimento Interno CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPITULO II - INSTANCIAS DE GOVERNANÇA CAPITULO III DO CORPO DIRETIVO PROF. ÉRICO VALVERDE Regimento Interno CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPITULO II - INSTANCIAS DE GOVERNANÇA CAPITULO III DO CORPO DIRETIVO 1 Regimento Interno CAPITULO IV DO CONTRATO DE ADESÃO COM

Leia mais

Diretriz Nacional de Comunicação. Sistema Unimed

Diretriz Nacional de Comunicação. Sistema Unimed Diretriz Nacional de Comunicação Sistema Unimed Diretriz de Comunicação Definição Política ou Diretriz de Comunicação é um processo articulado de definição de valores, objetivos, diretrizes, normas e estruturas,

Leia mais

ALTERAÇÃO NÚMERO 02 E CONSOLIDAÇÃO DO ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DOS DIRIGENTES DE RECURSOS HUMANOS DE BENTO GONÇALVES ADRH-BG.

ALTERAÇÃO NÚMERO 02 E CONSOLIDAÇÃO DO ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DOS DIRIGENTES DE RECURSOS HUMANOS DE BENTO GONÇALVES ADRH-BG. ALTERAÇÃO NÚMERO 02 E CONSOLIDAÇÃO DO ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DOS DIRIGENTES DE RECURSOS HUMANOS DE BENTO GONÇALVES ADRH-BG. ADRH-BG A ASSOCIAÇÃO DOS DIRIGENTES DE RECURSOS HUMANOS DE BENTO GONÇALVES

Leia mais

REGULAMENTO COMISSÃO DE AUDITORIA CAIXA ECONÓMICA MONTEPIO GERAL, CAIXA ECONÓMICA BANCÁRIA, S.A.

REGULAMENTO COMISSÃO DE AUDITORIA CAIXA ECONÓMICA MONTEPIO GERAL, CAIXA ECONÓMICA BANCÁRIA, S.A. REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA DA CAIXA ECONÓMICA MONTEPIO GERAL, CAIXA ECONÓMICA BANCÁRIA, S.A. ÍNDICE Artigo 1º.- Objetivo do Regulamento... 3 Artigo 2º. - Missão... 3 Artigo 3º.- Composição...

Leia mais

Conselho Municipal de Habitação

Conselho Municipal de Habitação Conselho Municipal de Habitação O que é o Conselho Municipal de Habitação? Canal institucional de participação da população na gestão habitacional da cidade. Caráter deliberativo, fiscalizador e consultivo.

Leia mais

Mercado Gerenciamento de Empresas

Mercado Gerenciamento de Empresas Mercado Gerenciamento de Empresas Prof. Cícero Wilrison Eng Mecânico e de Segurança do Trabalho É a relação entre a oferta e a procura de produtos e serviços. De acordo com a Oferta e a Procura O mercado

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE FINANCEIRO

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE FINANCEIRO REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE FINANCEIRO REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ FINANCEIRO DA VIA VAREJO S.A. Art. 1º. O Comitê Financeiro ( Comitê ) é órgão de assessoramento vinculado diretamente ao Conselho de

Leia mais

COMITÊ DE OPERAÇÕES REGIMENTO INTERNO

COMITÊ DE OPERAÇÕES REGIMENTO INTERNO COMITÊ DE OPERAÇÕES REGIMENTO INTERNO Aprovado na Reunião do Conselho de Administração realizada em 17 de agosto de 2018 COMITÊ DE OPERAÇÕES REGIMENTO INTERNO 1. Regimento. O presente Regimento Interno

Leia mais

DECRETO Nº DE 25 DE MARÇO DE 2010

DECRETO Nº DE 25 DE MARÇO DE 2010 DECRETO Nº 12.024 DE 25 DE MARÇO DE 2010 Regulamenta o Fundo Estadual de Recursos Hídricos da Bahia - FERHBA, em face do disposto na Lei Estadual nº 11.612, de 08 de outubro de 2009, e dá outras providências.

Leia mais

Título I Da Fundação e seus fins CAPÍTULO I

Título I Da Fundação e seus fins CAPÍTULO I PETROS Documento onde constam as diretrizes que devem ser seguidas pela Entidade, com relação a aspectos jurídicos, administrativos, financeiros, etc. Qualquer alteração de Estatuto deve ser aprovada pela

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Curitiba COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA NA EDUCAÇÃO REGULAMENTO INTERNO -

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Curitiba COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA NA EDUCAÇÃO REGULAMENTO INTERNO - Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Curitiba COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA NA EDUCAÇÃO REGULAMENTO INTERNO - CAPÍTULO I Da Natureza, das Finalidades e dos Objetivos Art.

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Julho/2015 REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO Art. 1º. O Comitê de Desenvolvimento

Leia mais

CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE, OBJETO, PRINCÍPIOS E VALORES. Art. 1º 1. GRACE GRUPO DE REFLEXÃO E APOIO À CIDADANIA EMPRESARIAL

CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE, OBJETO, PRINCÍPIOS E VALORES. Art. 1º 1. GRACE GRUPO DE REFLEXÃO E APOIO À CIDADANIA EMPRESARIAL CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE, OBJETO, PRINCÍPIOS E VALORES Art. 1º 1. GRACE GRUPO DE REFLEXÃO E APOIO À CIDADANIA EMPRESARIAL ASSOCIAÇÃO, adiante designada por GRACE, é uma associação sem fins

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL

DIREITO CONSTITUCIONAL DIREITO CONSTITUCIONAL Poder Legislativo Tribunal de Contas da União e Fiscalização Contábil, Financeira e Profª. Liz Rodrigues - Fiscalização do Poder Executivo: é a outra função típica do Poder Legislativo.

Leia mais

Apresentação. Objetivo Geral

Apresentação. Objetivo Geral Escritório de Projetos de Captação de Recursos FEDERAÇÃO CATARINENSE DE MUNICÍPIOS Março/2018 Apresentação A Federação Catarinense de Municípios FECAM, há 37 anos tem a missão de fomentar o desenvolvimento

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL. Artigo 3º. São requisitos para a admissão de associados:

ESTATUTO SOCIAL. Artigo 3º. São requisitos para a admissão de associados: ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I. DOS OBJETIVOS Artigo 1º. O Centro de Referência em Informação Ambiental com sede e foro na cidade de Campinas na Avenida Romeu Tórtima 388, Cidade Universitária, é uma associação

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA 1 REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA DA VIA VAREJO S.A. Art. 1º. O Comitê de Auditoria ( Comitê ou Comitê de Auditoria ) é órgão estatutário de assessoramento

Leia mais

Sumário. Expediente. Panorama...4. Estatísticas e Mercado...5. Relatório ABEGÁS - Mercado e Distribuição Ano V - Nº 37 - Janeiro/11

Sumário. Expediente. Panorama...4. Estatísticas e Mercado...5. Relatório ABEGÁS - Mercado e Distribuição Ano V - Nº 37 - Janeiro/11 Sumário Panorama...4...5 Expediente Diretoria Executiva ABEGÁS - Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado Presidente: Armando Laudorio Vice-Presidente: Gerson Salomão Maranhão

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DO BANCO DA AMAZÔNIA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DO BANCO DA AMAZÔNIA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DO BANCO DA AMAZÔNIA A Socioambiental (PRSA) substitui a Política Corporativa pela Sustentabilidade (2011), e incorpora a contribuição das partes interessadas

Leia mais