DECRETO Nº 239/2015. Aprova o Regimento Interno do Conselho Municipal de Anti Drogas (COMAD) de Gramado.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DECRETO Nº 239/2015. Aprova o Regimento Interno do Conselho Municipal de Anti Drogas (COMAD) de Gramado."

Transcrição

1 DECRETO Nº 239/2015 Aprova o Regimento Interno do Conselho Municipal de Anti Drogas (COMAD) de Gramado. NESTOR TISSOT, Prefeito Municipal de Gramado, no uso de suas atribuições legais, de acordo com a Lei Orgânica do Município e a Lei Municipal nº de 29 de setembro de 2015, DECRETA: Art.1 o Fica aprovado o Regimento Interno do Conselho Municipal Antidrogas (COMAD), que faz parte integrante do presente Decreto (Anexo I). Art. 2 o Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação. Gramado, 16 de dezembro de NESTOR TISSOT Prefeito Municipal de Gramado Jeferson Willian Moschen Secretário Municipal da Saúde Ciente e de acordo. Em 16/12/2015 Registre-se e Publique-se. Em 16/12/2015 Marcos Caleffi Pons Procurador-Geral do Município Christiane Balzaretti Bordin Secretária Municipal da Administração PRO-REG-005

2 ANEXO I REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL ANTIDROGAS (COMAD) DE GRAMADO CAPÍTULO I Da Caracterização e Finalidades Art.1º O Conselho Municipal Antidrogas (COMAD), instituído pela Lei nº de 29 de Setembro de 2015, órgão normativo de deliberação coletiva, destinado a estabelecer as diretrizes da política municipal de drogas, com sede em Gramado-RS, sito a Rua Ernesto Volk, nº 300, Centro, Gramado/RS e foro na mesma cidade, regendo-se por este Regimento Interno. 1º O Conselho Municipal Antidrogas (COMAD) de Gramado terá sua organização, composição e funcionamento definidos neste Regimento Interno, e será composto por representantes do Poder Executivo e da Sociedade Civil. 2º São Órgãos do Conselho Municipal Antidrogas (COMAD) de Gramado I - Diretoria Executiva Presidente, Vice-Presidente, Secretário Geral e Secretário Executivo. II - Conselho Pleno. 3º O Conselho Pleno será composto por: I Representantes, titulares e suplentes, do Poder Executivo: a) Secretaria Municipal da Saúde; b) Secretaria Municipal de Educação; c) Secretaria Municipal de Esporte; d) Secretaria Municipal de Cidadania e Assistência Social; e) Conselho Tutelar. II Representantes, titulares e suplentes, da Sociedade Civil: a) CRERH Centro de Reabilitação Emanuel da Região das Hortênsias; b) Comunidade Terapêutica Vale a pena viver; c) Desafio Jovem; d) Movimento de Combate a Violência (MOCOVI); e) Circulo de Pais e Mestres (CPM) da Escola Senador Salgado Filho; f) Associação dos Moradores do Bairro Jardim.

3 3º Os representantes da Sociedade Civil serão indicados pelos responsáveis de cada organização não governamental, através de Ofício ao COMAD. CAPITULO II Dos Objetivos Art. 2º O COMAD de GRAMADO, no âmbito da sua competência tem por objetivos: I - auxiliar a Administração Pública na orientação, no planejamento, na fiscalização e no controle da prevenção do uso de substâncias psicoativas e na recuperação e reinserção social dos dependentes químicos do Município de Gramado; II - elaborar e manter atualizado cadastro das entidades que atuem em programas relacionados com o uso indevido de substâncias psicoativas; II - promover e apoiar a realização de eventos, palestras, estudos e pesquisas nas áreas de educação, prevenção, tratamento e recuperação da dependência de substâncias psicoativas; IV acompanhar convênios, contratos, acordos e termos de cooperação técnica firmados com entidades públicas, privadas, nacionais e internacionais, visando à implantação de seus objetivos; V - assegurar o acompanhamento, avaliação e gestão do Fundo Municipal Antidrogas (FUMAD), assim como aprovação, destinação e fiscalização dos recursos; VI - analisar e aprovar a proposta orçamentária anual referente ao FUMAD; VII - acompanhar o desenvolvimento das ações de fiscalização e repressão executadas pelo Estado e União; VIII - normatizar, acompanhar e avaliar as atividades de instituições e Entidades Municipais responsáveis pelo desenvolvimento das ações supra mencionadas, assim como dos movimentos comunitários organizados e representações das instituições Federais e Estaduais existentes no Município e dispostas a cooperar com o esforço Municipal. CAPÍTULO III Da Organização SEÇÃO I Do Conselho Pleno do COMAD de GRAMADO Art. 3º O Conselho Pleno do COMAD GRAMADO é composto por membros escolhidos na forma do disposto no 1º do Art. 1º.

4 Art. 4º O COMAD de Gramado reunir-se-á mensalmente em caráter ordinário e extraordinariamente sempre que for necessário. Art. 5º A data da reunião ordinária subsequente será definida ao final de cada reunião mensal e as reuniões extraordinárias serão convocadas pelo Presidente. Art. 6º Para cada reunião serão enviadas aos membros do Conselho Pleno, a pauta e a documentação necessária para conhecimento dos assuntos a serem apreciados. Parágrafo único. Nas reuniões ordinárias, com antecedência mínima de oito dias e para extraordinárias de 48 horas. Art. 7º Para as reuniões extraordinárias a pauta de trabalho deverá ser inserida no corpo da própria comunicação. Art. 8º Os membros do Conselho poderão encaminhar ao Presidente do Conselho, documentos para discussão em Plenário, devendo estes documentos sempre que possível, serem incluídos na pauta da primeira reunião ordinária subsequente. Art. 9º Por proposta de qualquer dos seus membros e mediante a aprovação do Conselho Pleno, poderão ser convidados técnicos e/ou profissionais da área para no Plenário, exporem assuntos pertinentes. Art. 10. Para a consecução de suas finalidades o COMAD de GRAMADO deliberará sobre a criação de comissões de caráter temporário, para exames de assuntos de sua competência específica. 1º As comissões serão criadas de acordo com as necessidades do COMAD de GRAMADO e a coordenação ficará a cargo de um membro escolhido por seus pares e que seja ligado à área de atuação. 2º Os participantes das comissões deverão ser profissionais ligados a área e o número deverá ser preferencialmente de no mínimo quatro e no máximo de vinte integrantes. 3º As atividades sugeridas pelas comissões deverão ser aprovadas pelo Conselho Pleno e pela Diretoria Executiva, para serem implementadas. 4º Os integrantes das Comissões não terão remuneração para este fim, sendo sua participação considerada como Relevante Serviço Público Comunitário. Art. 11. As reuniões do Conselho Pleno serão instaladas com a presença de metade mais um de seus membros e suas decisões tomadas pela maioria de votos, cabendo ao Presidente, além do voto comum o desempate.

5 Art. 12. O desempenho das funções de membro do COMAD de GRAMADO não será remunerado, não respondendo subsidiariamente, ativa e passivamente judicial e extrajudicial, sendo que os serviços prestados ao COMAD de GRAMADO serão considerados Relevante Serviço Público Comunitário. Art. 13. Compete ao Conselho Pleno: I - participar e votar nas reuniões plenárias; II - relatar matérias que lhes forem distribuídas; III - propor ou requerer esclarecimentos que lhes forem atribuídas pelo Presidente; IV - decidir sobre quaisquer assuntos que digam respeito ao COMAD de GRAMADO, inclusive ingresso de novas Instituições, desde que devidamente legalizadas. V - os membros do COMAD de GRAMADO poderão representar o Presidente desde que previamente designados em cursos, reuniões e encontros. SEÇÃO II Dos Colaboradores Art. 14. Os Colaboradores serão convidados a participar das reuniões do COMAD de GRAMADO, sem direito a voto, sendo sua participação em conformidade aos Art. 10, 11, 12 e 16 deste Regimento Interno. Art. 15. Os colaboradores do COMAD de GRAMADO poderão ser convidados a participar das comissões. SEÇÃO III Da Diretoria Executiva Art. 16. No desempenho do seu mandato cabe a Diretoria: I - reunir-se ordinariamente, mensalmente, extraordinariamente sempre que se faça necessário, cabendo ao Presidente convocar os demais membros que a compõe: II - zelar pelos interesses do COMAD de GRAMADO; III - prestar obediência ao Estatuto e fazer com que o cumpram; IV - estudar e propor ao Conselho Pleno as reformas que julgar necessárias ao Regimento Interno do COMAD de GRAMADO. Federal; Art. 17. Compete ao Presidente: I - representar o COMAD - GRAMADO em âmbito Municipal, Estadual e II - convocar e presidir reuniões; III - participar dos demais atos que forem indispensáveis ao fiel cumprimento

6 dos objetivos do COMAD - GRAMADO; IV - ter sob sua responsabilidade toda documentação legal do COMAD de GRAMADO; V - convidar como Colaboradores do COMAD de GRAMADO os representantes de Entidades do Município e outros órgãos que exerçam atividades afins a este conselho, conforme os Art. 19 e 20, deste Regimento Interno. Art.18. Compete ao Vice- presidente: I - auxiliar o Presidente no exercício de suas funções; II - substituir o Presidente temporariamente, em caso de ausência ou Impedimento. Art.19. Compete ao Secretário Geral: I - secretariar as sessões ordinárias e extraordinárias do COMAD de GRAMADO; II - providencias lavraturas de atas das sessões e dos expedientes necessário ao cumprimento das deliberações do COMAD de GRAMADO juntamente como o secretário Executivo; III - acompanhar a execução das decisões tomadas pelo COMAD - GRAMADO, mantendo seus membros informados; IV - assessorar o Presidente do COMAD de GRAMADO; V - preparar as proposições que serão levadas ao Conselho Pleno; VI - exercer outros encargos que lhe forem atribuídos pelo Conselho ou pelo Presidente, VII - apresentar ao Conselho Pleno e ao Prefeito, no final de cada ano, o relatório das atividades exercidas pelo COMAD de GRAMADO. Art. 20. Compete ao Secretário Executivo: I - substituir o Secretário Geral em casa de ausência ou impedimento; II - secretariar as sessões ordinárias e extraordinárias do COMAD de GRAMADO; III - executar as lavraturas de atas das sessões; IV - elaborar e distribuir as correspondências e demais expedientes necessários ao cumprimento das deliberações do COMAD de GRAMADO; V - receber e encaminhar ao Secretário Geral e/ou ao Presidente a correspondência destinada ao COMAD - GRAMADO; VI - assessorar o Secretário Geral para o efetivo desempenho das atividades do COMAD - GRAMADO.

7 CAPITULO IV Das eleições Art. 21. As indicações para Presidência realizar-se-ão em reunião do Conselho Pleno trinta dias antes do término do mandato da Diretoria Executiva sendo que as decisões tomadas terão a aprovação de no mínimo, metade mais um dos membros integrantes do COMAD - GRAMADO. Parágrafo Único. O COMAD de GRAMADO elegerá, na primeira reunião de cada ano entre seus pares, a Diretoria Executiva composta por: Presidente, Vice-Presidente, Secretário Geral e Secretário Executivo. Art. 22. Os membros do Conselho Pleno e seus respectivos suplentes terão mandato de dois anos podendo ser reconduzidos por um prazo mínimo de um ano. 1º No caso de perda ou desistência do mandato do titular seu suplente o substitui automaticamente até o final do biênio correspondente, na condição de membro efetivo, devendo ser designado outro suplente para a ocupação de sua vaga. 2º A ausência não justificada por três reuniões consecutivas ou seis intercaladas no período de um ano, implicará na exclusão automática do membro efetivo, cujo suplente passará a condição de titular. CAPÍTULO V Das Penalidades Art. 23. Serão consideradas faltas graves, passíveis de desligamento do COMAD de GRAMADO, a critério da Diretoria Executiva com aprovação do Conselho Pleno, os integrantes que: I - intencionalmente prejudicarem a entidade do mal uso dos bens, utensílios de posse do COMAD - GRAMADO, bem como, desrespeitarem este Regimento Interno; II - desacatarem as deliberações do Conselho Pleno, da Diretoria Executiva ou pessoalmente a qualquer membro no exercício de suas funções. CAPÍTULO VI Das Substituições Art. 24. Quando um membro do Conselho solicitar afastamento, a Entidade que o indicou deverá ser informada e solicitada a indicação de um novo membro, através de Ofício.

8 Art. 25. Quando ocorrer o desligamento de um membro da Diretoria Executiva por indicação do órgão que representa, por mudança de cidade, por doença, por vontade própria ou por infringir o Art. 23º deste Regimento Interno, deverá acontecer a substituição do mesmo, pelo Presidente aprovado pelo Conselho Pleno. Decreto. Art. 26. Este Regimento Interno entra em vigor na data da publicação do Gramado, 16 de dezembro de Presidente Vice-Presidente

Regimento da Comissão Interna de Supervisão do Plano de Carreira dos Cargos Técnico- Administrativos em Educação

Regimento da Comissão Interna de Supervisão do Plano de Carreira dos Cargos Técnico- Administrativos em Educação MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO Regimento da Comissão Interna de Supervisão do Plano de Carreira dos Cargos Técnico- Administrativos em Educação Aprovado pela Resolução

Leia mais

PORTARIA N.º 1.900, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2013.

PORTARIA N.º 1.900, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2013. REVOGADA PELA PORTARIA N.º 465, DE 03 DE MARÇO DE 2016 PUBLICADA NO DJE DE 03.03.2016 EDIÇÃO 5694 PÁG. 76. http://diario.tjrr.jus.br/dpj/dpj-20160303.pdf PORTARIA N.º 1.900, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2013.

Leia mais

NÚCLEO DE MISSÕES E CRESCIMENTO DE IGREJA FACULDADE ADVENTISTA DE TEOLOGIA (FAT) UNASP REGULAMENTO

NÚCLEO DE MISSÕES E CRESCIMENTO DE IGREJA FACULDADE ADVENTISTA DE TEOLOGIA (FAT) UNASP REGULAMENTO Texto Aprovado CONSU Nº 2009-14 - Data: 03/09/09 PRÓ-REITORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE MISSÕES E CRESCIMENTO DE IGREJA FACULDADE ADVENTISTA DE TEOLOGIA (FAT) UNASP REGULAMENTO Conforme Regimento do UNASP Artigo

Leia mais

ESTATUTO Modelo de Organização da Sociedade Civil de Interesse Público - OSCIP CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO Modelo de Organização da Sociedade Civil de Interesse Público - OSCIP CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS LEGENDA Texto em NEGRITO: Claúsulas que devem necessariamente constar do Estatuto, por força da Lei nº 9.790/99. Texto em Itálico: observações pertinentes ESTATUTO Modelo de Organização da Sociedade Civil

Leia mais

Regulamento do Núcleo de Apoio à Pesquisa do Curso de Medicina da UNIFENAS-BH

Regulamento do Núcleo de Apoio à Pesquisa do Curso de Medicina da UNIFENAS-BH Regulamento do Núcleo de Apoio à Pesquisa do Curso de Medicina da UNIFENAS-BH CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO Art. 1º O Núcleo de Apoio à Pesquisa do Curso de Medicina da UNIFENAS-BH (NAPMED-BH) foi criado

Leia mais

REGIMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA NA EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL DA UNIVERSIDADE DE UBERABA (Aprovado pelo CEEA / UNIUBE em 28/03/2012) Capítulo I Do Comitê

REGIMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA NA EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL DA UNIVERSIDADE DE UBERABA (Aprovado pelo CEEA / UNIUBE em 28/03/2012) Capítulo I Do Comitê REGIMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA NA EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL DA UNIVERSIDADE DE UBERABA (Aprovado pelo CEEA / UNIUBE em 28/03/2012) Capítulo I Do Comitê Art. 1º - O Comitê de Ética na Experimentação Animal (CEEA)

Leia mais

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA. Regimento Interno do Comitê de Gestão de Riscos

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA. Regimento Interno do Comitê de Gestão de Riscos 1/7 TÍTULO CLASSIFICAÇÃO REFERENCIAL NORMATIVO ASSUNTO ELABORADOR Regimento Interno do Comitê de Gestão de Risco Documentos Institucionais Resolução CGPC nº 13/2004 Estabelece a composição e atribuições

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA EM SERES HUMANOS DA FACULDADE CATÓLICA DO TOCANTINS CEPh/FACTO

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA EM SERES HUMANOS DA FACULDADE CATÓLICA DO TOCANTINS CEPh/FACTO REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA EM SERES HUMANOS DA FACULDADE CATÓLICA DO TOCANTINS CEPh/FACTO A FACTO, em cumprimento a Resolução nº. 196, do Conselho Nacional de Saúde (CNS/MS), expedida

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DO CURSO DE MEDICINA DO CARIRI DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CEP/MEDCARIRI/UFC

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DO CURSO DE MEDICINA DO CARIRI DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CEP/MEDCARIRI/UFC REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DO CURSO DE MEDICINA DO CARIRI DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CEP/MEDCARIRI/UFC O objetivo principal da pesquisa médica em seres humanos é melhorar os

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Comitê Estadual de Educação em Direitos Humanos do Rio Grande do Norte NATUREZA E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO Comitê Estadual de Educação em Direitos Humanos do Rio Grande do Norte NATUREZA E FINALIDADE REGIMENTO INTERNO Comitê Estadual de Educação em Direitos Humanos do Rio Grande do Norte NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º O Comitê Estadual de Educação em Direitos Humanos do Rio Grande do Norte, instância

Leia mais

Art. 1º - Aprovar, no Centro de Ensino Superior Riograndense - CESURG MARAU, o Regulamento da Empreender Júnior, cujo inteiro teor se aplica a seguir:

Art. 1º - Aprovar, no Centro de Ensino Superior Riograndense - CESURG MARAU, o Regulamento da Empreender Júnior, cujo inteiro teor se aplica a seguir: RESOLUÇÃO Nº 002/2016 Regulamenta a Empreender Júnior, Empresa Júnior do Centro de Ensino Superior Riograndense CESURG MARAU 1, e dá outras providências. O Diretor Presidente do Centro de Ensino Superior

Leia mais

DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO

DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO OUTUBRO DE 2010 2 RESOLUÇÃO Nº 01/2010 DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO. Casa dos Conselhos Rua Três de Maio, nº 1060 Pelotas,RS Telefone (53) E- mail -

REGIMENTO INTERNO. Casa dos Conselhos Rua Três de Maio, nº 1060 Pelotas,RS Telefone (53) E- mail - REGIMENTO INTERNO REGIMENTO INTERNO Capitulo I - DA CONSTITUIÇÃO E SEDE: Art.1- O Fórum dos Conselhos Municipais de Pelotas, adiante designado apenas Fórum, foi criado em 1995 a partir de um trabalho de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA FUNDAÇÃO DE DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS MARGARIDA MARIA ALVES

REGIMENTO INTERNO DA FUNDAÇÃO DE DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS MARGARIDA MARIA ALVES REGIMENTO INTERNO DA FUNDAÇÃO DE DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS MARGARIDA MARIA ALVES Art. 1º - A FUNDAÇÃO DE DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS MARGARIDA MARIA ALVES, FDDHMMA, instituída pela Arquidiocese da Paraíba,

Leia mais

Art. 2º São competências do Conselho Municipal de Esporte e Lazer:

Art. 2º São competências do Conselho Municipal de Esporte e Lazer: REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER CAPÍTULO I DO CONSELHO E SUAS ATRIBUIÇÕES Art. 1º O Conselho Municipal de Esporte e Lazer de Carlos Barbosa é um órgão colegiado de caráter, consultivo,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ONOFRE LOPES

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ONOFRE LOPES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE PESQUISA COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ONOFRE LOPES CEP/HUOL REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS RESOLUÇÃO N o 14/2013, DE 02 DE JULHO DE 2013 Reedita, com alterações, a Resolução n o 03/2006, de 29 de junho de 2006, que aprovou o Regimento do Centro de Microscopia da UFMG. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

PROPOSIÇÕES COMPARADAS REGIMENTO INTERNO - CERHI-RJ

PROPOSIÇÕES COMPARADAS REGIMENTO INTERNO - CERHI-RJ PROPOSTA CTIL/CERHI O Conselho Estadual de Recursos Hídricos do Estado do Rio de Janeiro, no uso de suas atribuições que lhe são conferidas pelo art. 44 da Lei Estadual n 3.239, de 02 de agosto de 1999,

Leia mais

REGIMENTO DO COMITÊ GESTOR DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA IFFARROUPILHA

REGIMENTO DO COMITÊ GESTOR DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA IFFARROUPILHA REGIMENTO DO COMITÊ GESTOR DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA IFFARROUPILHA CAPÍTULO I DAS ATRIBUIÇÕES Art. 1 o São atribuições do Comitê Gestor de Segurança da Informação: I.

Leia mais

Regulamento Interno do Departamento de Sistemas de Informação. Escola Superior de Ciências Empresariais Instituto Politécnico de Setúbal

Regulamento Interno do Departamento de Sistemas de Informação. Escola Superior de Ciências Empresariais Instituto Politécnico de Setúbal Regulamento Interno do Departamento de Sistemas de Informação Escola Superior de Ciências Empresariais Instituto Politécnico de Setúbal CAPÍTULO I Disposições Gerais (Artigo 1º) Definição O Departamento

Leia mais

Regimento do Comitê Financeiro. Grupo NEOENERGIA

Regimento do Comitê Financeiro. Grupo NEOENERGIA Regimento do Comitê Financeiro Grupo NEOENERGIA Regimento do Comitê Financeiro do Grupo NEOENERGIA constituído por decisão do Conselho de Administração da NEOENERGIA S.A O presente Regimento foi aprovado

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM PERMANENTE DOS CURSOS TÉCNICOS DO IFPE RECIFE, 2014 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA

Leia mais

I - DA DEFINIÇÃO E OBJETIVOS II - DA COMPOSIÇÃO, DIREITOS E DEVERES DOS MEMBROS

I - DA DEFINIÇÃO E OBJETIVOS II - DA COMPOSIÇÃO, DIREITOS E DEVERES DOS MEMBROS REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO PERMANENTE DE ACOMPANHAMENTO DE AÇÕES JUDICIAIS RELEVANTES - COPAJURE DO CONSELHO NACIONAL DOS DIRIGENTES DE REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL - CONAPREV I - DA DEFINIÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSUNI Nº 28/2014

RESOLUÇÃO CONSUNI Nº 28/2014 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS RESOLUÇÃO CONSUNI Nº 28/2014 Cria o Laboratório de Análises Clínicas e Ensino em Saúde, Órgão Complementar do Instituto de Ciências Biológicas, e aprova

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA DE MEDICINA ESPORTIVA Capítulo I da Liga e seus fins Art. 1º A Liga de Medicina Esportiva é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob a supervisão da da Universidade

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI. Conselho Universitário - CONSU

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI. Conselho Universitário - CONSU MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI Conselho Universitário - CONSU RESOLUÇÃO N.º XXX CONSU, DE XXX DE XXX DE 2014. RESOLVE: Estabelece o Regimento Interno e

Leia mais

Capítulo I DO PROGRAMA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL

Capítulo I DO PROGRAMA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL LEI Nº 2.598 DE 21 DE MAIO DE 2015. Dispõe sobre o Programa Municipal de Habitação de Interesse Social PMHIS, cria o Fundo Municipal e Habitação de Interesse Social FMHIS, revoga a Lei Municipal n 2.235,

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS EI Nº 1421/2011 DATA: 15 de fevereiro de 2011 SÚMULA: Cria o Conselho Gestor do Telecentro Comunitário do Município de Sinop/MT e dá outras providências. JUAREZ COSTA, PREFEITO MUNICIPAL DE SINOP, ESTADO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Conselho Municipal dos Direitos Da Mulher CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO, ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS.

REGIMENTO INTERNO Conselho Municipal dos Direitos Da Mulher CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO, ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS. REGIMENTO INTERNO Conselho Municipal dos Direitos Da Mulher CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO, ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS. Art. 1 - O Conselho Municipal dos Direitos da Mulher CMDM de Rio do Sul, criado através

Leia mais

Câmara Municipal de Castro

Câmara Municipal de Castro PROJETO DE LEI N 179/2013 (LEI Nº...) SUMULA: Altera a Lei nº 1.538/2006, que institui a Guarda Municipal e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE CASTRO, LEI CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CMAS Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social EDITAL 01/2016

CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CMAS Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social EDITAL 01/2016 CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CMAS Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social EDITAL 01/2016 Edital de convocação de Assembleia Geral de Entidades de Assistência Social de Diamantina para

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM JUIZ DE FORA, JULHO DE 2014 REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

Leia mais

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 05/2012

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 05/2012 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS Campus Universitário Viçosa, MG 36570-000 Telefone: (31) 3899-2127 - Fax: (31) 3899-1229 - E-mail: soc@ufv.br RESOLUÇÃO

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa DECRETO Nº 52.567, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015. (publicado no DOE n.º 183, de 24 de setembro de 2015) Dispõe sobre o

Leia mais

COMISSÃO DE DIREITO SECURITÁRIO

COMISSÃO DE DIREITO SECURITÁRIO COMISSÃO DE DIREITO SECURITÁRIO Regimento Interno Art. 1 º A Comissão de Direito Securitário é composta de: I Membros Efetivos, dentre eles o Presidente, o Vice-Presidente, Secretário e Membros Consultores;

Leia mais

ESTADO DE RONDÔNIA MUNICÍPIO DE PRIMAVERA DE RONDÔNIA PODER EXECUTIVO LEI ORDINÁRIA N 759/GP/2015

ESTADO DE RONDÔNIA MUNICÍPIO DE PRIMAVERA DE RONDÔNIA PODER EXECUTIVO LEI ORDINÁRIA N 759/GP/2015 LEI ORDINÁRIA N 759/GP/2015 Autoriza o Serviço Autônomo de Água e Esgoto SAAE a debitar nas contas de água de seus usuários doações de valores em favor da APAE Associação de Pais e Alunos Excepcionais

Leia mais

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO DA FACULDADE FAMETRO. TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I - Da Natureza e das Finalidades

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO DA FACULDADE FAMETRO. TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I - Da Natureza e das Finalidades REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO DA FACULDADE FAMETRO TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I - Da Natureza e das Finalidades Art. 1º - O Colegiado de Curso é órgão normativo, deliberativo,

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL, INDUSTRIAL E DE SERVIÇOS DE NOVO HAMBURGO, CAMPO BOM E ESTÂNCIA VELHA CAPÍTULO I

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL, INDUSTRIAL E DE SERVIÇOS DE NOVO HAMBURGO, CAMPO BOM E ESTÂNCIA VELHA CAPÍTULO I 1 ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL, INDUSTRIAL E DE SERVIÇOS DE NOVO HAMBURGO, CAMPO BOM E ESTÂNCIA VELHA CAPÍTULO I Da Denominação, Constituição, Sede e Fins Art. 1º - Denomina-se Associação Comercial,

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS CONTADORES ESCRIVÃES E DISTRIBUIDORES DA JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL A C E D I J U S / R S

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS CONTADORES ESCRIVÃES E DISTRIBUIDORES DA JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL A C E D I J U S / R S 1 ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS CONTADORES ESCRIVÃES E DISTRIBUIDORES DA JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL A C E D I J U S / R S CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, FINS, SEDE, DURAÇÃO E FORO: Art. 1 A associação

Leia mais

ESTATUTO DO DIRETÓRIO CENTRAL DOS ESTUDANTES DA HORUS FACULDADES CAPITULO I

ESTATUTO DO DIRETÓRIO CENTRAL DOS ESTUDANTES DA HORUS FACULDADES CAPITULO I ESTATUTO DO DIRETÓRIO CENTRAL DOS ESTUDANTES DA HORUS FACULDADES CAPITULO I Art. 1º - Fica criado o DIRETÓRIO CENTRAL DOS ESTUDANTES DCE, órgão exclusivo de representação dos os acadêmicos da HORUS FACULDADES,

Leia mais

COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DO OBJETO E SUAS FINALIDADES CAPÍTULO II DA COMPOSIÇÃO

COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DO OBJETO E SUAS FINALIDADES CAPÍTULO II DA COMPOSIÇÃO M A T E R N I D A D E - E S C O L A COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DO OBJETO E SUAS FINALIDADES ARTIGO 1 0 O COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DA MATERNIDADE ESCOLA DA UNIVERSIDADE

Leia mais

FUNDAÇÃO DE AURÉLIO AMARO DINIZ

FUNDAÇÃO DE AURÉLIO AMARO DINIZ FUNDAÇÃO DE AURÉLIO AMARO DINIZ ESTATUTOS: DA FUNDAÇÃO DE AURÉLIO AMARO DINIZ Da Denominação, Natureza e Fins CAPITULO I Artigo 1º - 1 A Fundação Aurélio Amaro Diniz é uma Fundação de Solidariedade Social,

Leia mais

MINISTERIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 128, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2011.

MINISTERIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 128, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2011. Dispõe sobre a instituição e definição das atribuições do Comitê de Extensão Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba. O Presidente do DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E

Leia mais

Regimento Interno Da Comissão de Apoio ao Advogado em Início de Carreira. Ordem dos Advogados do Brasil Secção Ceará

Regimento Interno Da Comissão de Apoio ao Advogado em Início de Carreira. Ordem dos Advogados do Brasil Secção Ceará Regimento Interno Da Comissão de Apoio ao Advogado em Início de Carreira Ordem dos Advogados do Brasil Secção Ceará TÍTULO I DA COMISSÃO DE APOIO AO ADVOGADO EM INÍCIO DE CARREIRA CAPÍTULO I DISPOSIÇÃO

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Curitiba COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA NA EDUCAÇÃO REGULAMENTO INTERNO -

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Curitiba COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA NA EDUCAÇÃO REGULAMENTO INTERNO - Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Curitiba COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA NA EDUCAÇÃO REGULAMENTO INTERNO - CAPÍTULO I Da Natureza, das Finalidades e dos Objetivos Art.

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 002, de 28 de fevereiro de 2000

RESOLUÇÃO n o 002, de 28 de fevereiro de 2000 RESOLUÇÃO n o 002, de 28 de fevereiro de 2000 Aprova Regimento da Assessoria Jurídica da FUNREI ASJUR O Presidente do Conselho Deliberativo Superior da Fundação de Ensino Superior de São João del-rei FUNREI,

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VILA FLOR

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VILA FLOR REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VILA FLOR PREÂMBULO A Lei n.º 75/2013, de 12 de Setembro, diploma que estabelece, entre outros, o regime jurídico das autarquias locais, veio atribuir, no

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013 A Presidente do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas atribuições regimentais, considerando

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE REMUNERAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE REMUNERAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE REMUNERAÇÃO Capítulo I - Objeto Art. 1º O presente Regimento Interno disciplina o funcionamento do Comitê de Remuneração, observadas as disposições do Estatuto Social, as

Leia mais

Art. 1º - O Conselho Técnico de Vela é de caráter consultivo, normativo e fiscalizador.

Art. 1º - O Conselho Técnico de Vela é de caráter consultivo, normativo e fiscalizador. Regimento Interno do Conselho Técnico de Vela CAPÍTULO I DO CONSELHO E SUAS ATRIBUIÇÕES Art. 1º - O Conselho Técnico de Vela é de caráter consultivo, normativo e fiscalizador. Art. 2º - O Conselho Técnico

Leia mais

CÂMARA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EFLCH - UNIFESP REGULAMENTO

CÂMARA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EFLCH - UNIFESP REGULAMENTO Regulamento aprovado pelo Conselho de Pós- Graduação e Pesquisa da UNIFESP (24 de junho de 2015) e pela Congregação da EFLCH (06 de agosto de 2015). CÂMARA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EFLCH - UNIFESP REGULAMENTO

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSUP Nº 51, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2015.

RESOLUÇÃO CONSUP Nº 51, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2015. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO CONSUP Nº 51, DE 23 DE DEZEMBRO

Leia mais

REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO E S C O L A D E E N G E N H A R I A K E N N E D Y, F A C U L D A D E S K E N N E D Y E F A C U L D A D E S D E C I Ê N C I A S J U R Í D I C A S P R O F E S S

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO DE CIÊNCIAS Educar pela Pesquisa CAPÍTULO 1 DA ORGANIZAÇÃO GERAL

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO DE CIÊNCIAS Educar pela Pesquisa CAPÍTULO 1 DA ORGANIZAÇÃO GERAL REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO DE CIÊNCIAS Educar pela Pesquisa CAPÍTULO 1 DA ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 - O curso de Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE BANCAS DA ESCOLA PAULISTA DE POLÍTICA, ECONOMIA E NEGÓCIOS (EPPEN)/UNIFESP

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE BANCAS DA ESCOLA PAULISTA DE POLÍTICA, ECONOMIA E NEGÓCIOS (EPPEN)/UNIFESP REGULAMENTO DA COMISSÃO DE BANCAS DA ESCOLA PAULISTA DE POLÍTICA, ECONOMIA E NEGÓCIOS (EPPEN)/UNIFESP Dispõe sobre as atribuições Comissão de Bancas Examinadoras da EPPEN/UNIFESP, sua composição e condução

Leia mais

ESTATUTO CDL JOVEM SALVADOR. Capítulo I Da Constituição e Finalidade

ESTATUTO CDL JOVEM SALVADOR. Capítulo I Da Constituição e Finalidade ESTATUTO CDL JOVEM SALVADOR Capítulo I Da Constituição e Finalidade Art. 1º- A Câmara de Dirigentes Lojistas Jovem de Salvador é um departamento oriundo e órgão estrutural da Câmara de Dirigentes Lojistas

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE TURISMO DE JUIZ DE FORA - COMTUR CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO DO REGIMENTO INTERNO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE TURISMO DE JUIZ DE FORA - COMTUR CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO DO REGIMENTO INTERNO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE TURISMO DE JUIZ DE FORA - COMTUR CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO DO REGIMENTO INTERNO Art.1º O presente Regimento Interno foi estabelecido pelos membros do Conselho

Leia mais

Associação Educativa Evangélica FACULDADE RAÍZES Plantando Conhecimento para a Vida

Associação Educativa Evangélica FACULDADE RAÍZES Plantando Conhecimento para a Vida REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE CAPÍTULO I DAS CONSIDRAÇÕES PRELIMINARES Art.1º O presente Regulamento disciplina as atribuições e o funcionamento do Núcleo Docente Estruturante (NDE) do Curso

Leia mais

COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA COM SERES HUMANOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS CEP/UNIFAL-MG

COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA COM SERES HUMANOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS CEP/UNIFAL-MG 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700, Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA COM

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 46/2011, de 03 de novembro de 2011.

RESOLUÇÃO Nº 46/2011, de 03 de novembro de 2011. RESOLUÇÃO Nº 46/2011, de 03 de novembro de 2011. O Presidente do Conselho Superior do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO DOS LIONS DE PORTUGAL (Despacho da Presidência Conselho de Ministros de 23.10.2014)

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO DOS LIONS DE PORTUGAL (Despacho da Presidência Conselho de Ministros de 23.10.2014) ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO DOS LIONS DE PORTUGAL (Despacho da Presidência Conselho de Ministros de 23.10.2014) CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA E FINS Artigo Primeiro A Fundação dos Lions de Portugal é uma

Leia mais

CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO REGULAMENTO INTERNO. Regulamento Interno CPA Comissão Própria de Avaliação

CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO REGULAMENTO INTERNO. Regulamento Interno CPA Comissão Própria de Avaliação CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO REGULAMENTO INTERNO MANTENEDORA ACRTS Associação Cultural de Renovação Tecnológica Sorocabana CNPJ: 45.718.988/0001-67 MANTIDA Faculdade de Engenharia de Sorocaba FACENS

Leia mais

Senado Federal Subsecretaria de Informações DECRETO Nº 2.794, DE 1º DE OUTUBRO DE 1998

Senado Federal Subsecretaria de Informações DECRETO Nº 2.794, DE 1º DE OUTUBRO DE 1998 Senado Federal Subsecretaria de Informações DECRETO Nº 2.794, DE 1º DE OUTUBRO DE 1998 Institui a Política Nacional de Capacitação dos Servidores para a Administração Pública Federal direta, autárquica

Leia mais

Regulamento do Centro de Investigação em Estudos da Criança CIEC

Regulamento do Centro de Investigação em Estudos da Criança CIEC Regulamento do Centro de Investigação em Estudos da Criança CIEC CAPÍTULO I ÂMBITO E OBJETIVOS Artigo 1.º Âmbito O Centro de Investigação em Estudos da Criança (CIEC), adiante designado por Centro, é uma

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA FINALIDADE E COMPETÊNCIA DO CONSELHO

REGIMENTO INTERNO DA FINALIDADE E COMPETÊNCIA DO CONSELHO REGIMENTO INTERNO DA FINALIDADE E COMPETÊNCIA DO CONSELHO Art. 1º - O Conselho Municipal de Acompanhamento e Controle Social do Fundo de Manutenção Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO DO SISTEMA CONFEA/CREA - CIE-MG ESTATUTO CAPÍTULO I. Natureza, Finalidade e Composição

COLÉGIO ESTADUAL DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO DO SISTEMA CONFEA/CREA - CIE-MG ESTATUTO CAPÍTULO I. Natureza, Finalidade e Composição COLÉGIO ESTADUAL DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO DO SISTEMA CONFEA/CREA - CIE-MG ESTATUTO CAPÍTULO I Natureza, Finalidade e Composição Art. 1º - O Colégio Estadual de Instituições de Ensino do CREA-MG (CIE-MG)

Leia mais

Estado de Alagoas Prefeitura Municipal de São Miguel dos Campos Gabinete do Prefeito

Estado de Alagoas Prefeitura Municipal de São Miguel dos Campos Gabinete do Prefeito Projeto de Lei nº, de de de 2016. Institui o Fórum Municipal de Educação de São Miguel dos Campos e adota outras providências. O Prefeito do Município de São Miguel dos Campos, Estado de Alagoas, no uso

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 327/2014 DE 23 DE JUNHO DE 2014

LEI MUNICIPAL Nº 327/2014 DE 23 DE JUNHO DE 2014 LEI MUNICIPAL Nº 327/2014 DE 23 DE JUNHO DE 2014 Cria o Conselho de Desenvolvimento Rural Sustentável do Município de Lagoa do Tocantins e dá outras providências A Prefeita Municipal MINERVA DICLÉIA VIEIRA

Leia mais

Regimento Interno Conselho de Consumidores Bandeirante Energia S.A.

Regimento Interno Conselho de Consumidores Bandeirante Energia S.A. Regimento Interno Conselho de Consumidores Bandeirante Energia S.A. 1. Da Natureza e Objetivo 1.1. O Conselho de Consumidores da área de concessão da Bandeirante Energia S.A. é um órgão sem personalidade

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE PROTEÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE FRONTEIRA

REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE PROTEÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE FRONTEIRA REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE PROTEÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE FRONTEIRA Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º 1. A Lei de Proteção de Crianças e Jovens em Perigo, nº 147/99, de 1 de Setembro, regula

Leia mais

Regimento Interno da Comissão de Direito Marítimo e Portuário da Ordem dos Advogados do Brasil Seção São Paulo OAB/SP

Regimento Interno da Comissão de Direito Marítimo e Portuário da Ordem dos Advogados do Brasil Seção São Paulo OAB/SP Regimento Interno da Comissão de Direito Marítimo e Portuário da Ordem dos Advogados do Brasil Seção São Paulo OAB/SP Art. 1º - A Comissão de Direito Marítimo e Portuário é composta de: I - Membros Efetivos,

Leia mais

Estatuto Social da Associação Águas do Nordeste ANE. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E DURAÇÃO

Estatuto Social da Associação Águas do Nordeste ANE. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E DURAÇÃO Estatuto Social da Associação Águas do Nordeste ANE Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E DURAÇÃO Artigo 1º. A Associação Águas do Nordeste, denominada abreviadamente de ANE, é uma associação civil, sem fins

Leia mais

REDE DE CONTROLE DA GESTÃO PÚBLICA PARANÁ. Regimento Interno TÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E DOS OBJETIVOS

REDE DE CONTROLE DA GESTÃO PÚBLICA PARANÁ. Regimento Interno TÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E DOS OBJETIVOS TÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E DOS OBJETIVOS Art. 1º. A Rede de Controle da Gestão Pública, constituída como espaço colegiado e permanente no âmbito do Estado do Paraná, formada por órgãos/instituições integrantes

Leia mais

GOVERNANÇA NA FUNDAÇÃO BANCO DO BRASIL 1. INTRODUÇÃO

GOVERNANÇA NA FUNDAÇÃO BANCO DO BRASIL 1. INTRODUÇÃO GOVERNANÇA NA FUNDAÇÃO BANCO DO BRASIL 1. INTRODUÇÃO 1.1 As disposições contidas a seguir foram extraídas de documentos e de deliberações que regulam a atuação da Fundação Banco do Brasil, cuja consulta,

Leia mais

Regimento do Comitê de Remuneração e Sucessão GRUPO NEOENERGIA

Regimento do Comitê de Remuneração e Sucessão GRUPO NEOENERGIA Regimento do Comitê de Remuneração e Sucessão GRUPO NEOENERGIA Minuta de 18.04.2004 Regimento do Comitê de Remuneração e Sucessão do GRUPO NEOENERGIA, o qual é constituído pela NEOENERGIA S.A. e por suas

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS REGULAMENTO DO PROGRAMA BOLSA DE COMPLEMENTAÇÃO EDUCACIONAL CAPÍTULO I NATUREZA E FINALIDADE

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS REGULAMENTO DO PROGRAMA BOLSA DE COMPLEMENTAÇÃO EDUCACIONAL CAPÍTULO I NATUREZA E FINALIDADE CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS REGULAMENTO DO PROGRAMA BOLSA DE COMPLEMENTAÇÃO EDUCACIONAL CAPÍTULO I NATUREZA E FINALIDADE Art.1º- O presente Regulamento destina-se a fixar diretrizes

Leia mais

Estatuto da Frente Parlamentar do Cooperativismo

Estatuto da Frente Parlamentar do Cooperativismo Estatuto da Frente Parlamentar do Cooperativismo CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, DURAÇÃO, SEDE E FINALIDADE Art. 1º. A Frente Parlamentar do Cooperativismo, Frencoop, é uma entidade civil, de interesse

Leia mais

REGIMENTO DA CONFERÊNCIA DE MINISTROS DA JUVENTUDE E DESPORTO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA

REGIMENTO DA CONFERÊNCIA DE MINISTROS DA JUVENTUDE E DESPORTO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA REGIMENTO DA CONFERÊNCIA DE MINISTROS DA JUVENTUDE E DESPORTO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Aprovado na VII Reunião da Conferência de Ministros da Juventude e do Desporto da Comunidade

Leia mais

Prefeitura Municipal de Valente-BA. A Prefeitura Municipal de Valente, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

Prefeitura Municipal de Valente-BA. A Prefeitura Municipal de Valente, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. ANO. 2013 DIÁRIO DO MUNICÍPIO DE VALENTE - BAHIA 1 A Prefeitura Municipal de Valente, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. LEI N.º 598, DE. Valente - Bahia Gestor: Ismael

Leia mais

GRUPO SOLIDARIEDADE DA ASSOCIAÇÃO DOS ECONOMIÁRIOS APOSENTADOS DO PARANÁ

GRUPO SOLIDARIEDADE DA ASSOCIAÇÃO DOS ECONOMIÁRIOS APOSENTADOS DO PARANÁ GRUPO SOLIDARIEDADE DA ASSOCIAÇÃO DOS ECONOMIÁRIOS APOSENTADOS DO PARANÁ DA DEFINIÇÃO MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS Art. 1 - O GRUPO SOLIDARIEDADE DA ASSOCIAÇÃO DOS ECONOMIÁRIOS APOSENTADOS DO PARANÁ

Leia mais

CAPÍTULO II DA ESTRUTURA DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

CAPÍTULO II DA ESTRUTURA DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES, que dispõe sobre a estruturação e operacionalização do Núcleo de Prática Jurídica - NUPRAJUR

Leia mais

FEDERAÇÃO NACIONAL DOS SERVIDORES DO JUDICIÁRIO NOS ESTADOS Fundada em: 26 de março de 1989 CNPJ: 32.766.859/0001-00 ESTATUTO DA FENAJUD

FEDERAÇÃO NACIONAL DOS SERVIDORES DO JUDICIÁRIO NOS ESTADOS Fundada em: 26 de março de 1989 CNPJ: 32.766.859/0001-00 ESTATUTO DA FENAJUD ESTATUTO DA FENAJUD Aprovado pelo VI CONSEJU Congresso Nacional dos Servidores do Poder Judiciário nos Estados, em Salvador/BA, de 02 a 05 de Novembro de 2006. CAPITULO I Da Federação e seus objetivos

Leia mais

CONSIDERANDO a necessidade de unificar os Estatutos do Conselho Escolar de ambas as escolas;

CONSIDERANDO a necessidade de unificar os Estatutos do Conselho Escolar de ambas as escolas; RESOLUÇÃO/UEPB/CONSEPE/077/2015. Aprova o Estatuto do Conselho Escolar da Escola Agrotécnica do Cajueiro no Campus IV da UEPB, e dá outras providências. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO (CONSEPE)

Leia mais

DECRETO N.º 4.490, DE 08 DE SETEMBRO DE 2015.

DECRETO N.º 4.490, DE 08 DE SETEMBRO DE 2015. DECRETO N.º 4.490, DE 08 DE SETEMBRO DE 2015. Aprova o Regimento Interno do Conselho Municipal do Meio Ambiente - COMDEMA, e dá outras providências. O Prefeito Municipal de São Luiz Gonzaga, no uso de

Leia mais

FÓRUM DAS INSTITUIÇÕES DE ATENDIMENTO À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE EM REGIME DE ABRIGO NO MUNICIPIO DE BELO HORIZONTE FÓRUM DE ABRIGOS REGIMENTO INTERNO

FÓRUM DAS INSTITUIÇÕES DE ATENDIMENTO À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE EM REGIME DE ABRIGO NO MUNICIPIO DE BELO HORIZONTE FÓRUM DE ABRIGOS REGIMENTO INTERNO FÓRUM DAS INSTITUIÇÕES DE ATENDIMENTO À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE EM REGIME DE ABRIGO NO MUNICIPIO DE BELO HORIZONTE FÓRUM DE ABRIGOS REGIMENTO INTERNO TITULO I Da natureza e das diretrizes Art.1º O Fórum

Leia mais

Considerando a Lei Municipal nº 495, de 27 de novembro de 1991, que criou o Fundo de Aposentadoria e Pensões FAPEN, resolve:

Considerando a Lei Municipal nº 495, de 27 de novembro de 1991, que criou o Fundo de Aposentadoria e Pensões FAPEN, resolve: L E I Nº 1 2 7 8 Cria o Comitê de Investimentos COMIN, do Fundo de Aposentadoria e Pensões - FAPEN do Município de Renascença, Estado do Paraná, implanta o seu Regimento Interno e Disciplina a Hierarquia

Leia mais

UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Faculdade de Ciências Médicas Conselho Executivo

UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Faculdade de Ciências Médicas Conselho Executivo Conselho de Faculdade da da Universidade Nova de Lisboa REGIMENTO Artigo 1º Composição 1. O Conselho de Faculdade da FCM é constituído por treze membros, sendo oito docentes e investigadores, um estudante,

Leia mais

Ato Normativo nº 556/2008-PGJ, de 15/10/2008 (Pt. n 125.501/08)

Ato Normativo nº 556/2008-PGJ, de 15/10/2008 (Pt. n 125.501/08) Ato Normativo nº 556/2008-PGJ, de 15/10/2008 (Pt. n 125.501/08) Dispõe sobre a organização e as atribuições da Assessoria Policial Militar no Ministério Público do Estado de São Paulo O PROCURADOR-GERAL

Leia mais

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE GOIANIA LTDA FACULDADE PADRÃO SUMÁRIO REGULAMENTO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DOS CURSOS 2 CAPÍTULO I 2

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE GOIANIA LTDA FACULDADE PADRÃO SUMÁRIO REGULAMENTO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DOS CURSOS 2 CAPÍTULO I 2 SUMÁRIO REGULAMENTO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DOS CURSOS 2 CAPÍTULO I 2 DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS 2 CAPITULO II 2 DO COLEGIADO DOS CURSOS 2 CAPITULO III 3 MANDATOS DO COLEGIADO DO CURSO 3 CAPÍTULO

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PNEUMOLOGIA DA ESCOLA PAULISTA DE MEDICINA - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PNEUMOLOGIA DA ESCOLA PAULISTA DE MEDICINA - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PNEUMOLOGIA DA ESCOLA PAULISTA DE MEDICINA - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO Aprovado em Reunião ordinária da CEPG em 03 de setembro de 2013 Capítulo I Disposição

Leia mais

COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS REGIMENTO INTERNO

COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS REGIMENTO INTERNO COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS REGIMENTO INTERNO Aprovado na Reunião do Conselho de Administração realizada em 8 de maio de 2015 COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS REGIMENTO INTERNO 1. Regimento. O presente Regimento

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE CÂMPUS DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CÂMPUS AVARÉ CAPÍTULO I

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE CÂMPUS DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CÂMPUS AVARÉ CAPÍTULO I REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE CÂMPUS DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CÂMPUS AVARÉ CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE DO CONCAM Art. 1º O Instituto Federal de Educação,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE PESQUISA

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE PESQUISA REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE PESQUISA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1. Este Regimento dispõe sobre a composição, competências e funcionamento do Conselho de Pesquisa (CoPq), órgão colegiado

Leia mais

Professor Jaime Arturo Ramírez Presidente do Conselho Universitário

Professor Jaime Arturo Ramírez Presidente do Conselho Universitário RESOLUÇÃO N o 02/2015, DE 31 DE MARÇO DE 2015 Estabelece o Regimento do Centro Esportivo Universitário, reeditando, com alterações, a Resolução n o 13/1993, de 02 de setembro de 1993. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE RIBAS DO RIO PARDO, Estado de Mato Grosso do Sul, faz saber que o Plenário Aprovou a seguinte Lei.

O PREFEITO MUNICIPAL DE RIBAS DO RIO PARDO, Estado de Mato Grosso do Sul, faz saber que o Plenário Aprovou a seguinte Lei. LEI MUNICIPAL Nº. 932/2010 Dispõe sobre o Sistema Municipal de Habitação de Interesse Social, institui a Coordenadoria Municipal de Habitação de Interesse Social e dá outras providencias. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE CLASSE

REGULAMENTO DO CONSELHO DE CLASSE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, SOCIAIS E AGRÁRIAS COLÉGIO AGRÍCOLA VIDAL DE NEGREIROS REGULAMENTO DO

Leia mais

FUNDAÇÃO GAMMON DE ENSINO FACULDADES GAMMON

FUNDAÇÃO GAMMON DE ENSINO FACULDADES GAMMON PROPOSTA DE REFORMULAÇÃO DO REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE (NDE) DAS, DE 9 DE JUNHO DE 2015. Dispõe sobre a reformulação do Regulamento do Núcleo Docente Estruturante (TCC) das Faculdades Gammon.

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ TÉCNICO ESTATUTÁRIO DE GOVERNANÇA E CONFORMIDADE

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ TÉCNICO ESTATUTÁRIO DE GOVERNANÇA E CONFORMIDADE REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ TÉCNICO ESTATUTÁRIO DE GOVERNANÇA E CONFORMIDADE 1. Finalidade O Comitê Técnico Estatutário de Governança e Conformidade ( Comitê ) é um órgão estatutário de caráter permanente,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE PSICOLOGIA. Seção I Do Colegiado e seus fins

REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE PSICOLOGIA. Seção I Do Colegiado e seus fins REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE PSICOLOGIA Seção I Do Colegiado e seus fins Art. 01. O Colegiado do Curso de Graduação em Psicologia do IMS/UFBA é regido por este Regimento, observadas as

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA PORTARIA Nº 754, DE 3 DE OUTUBRO DE 2006

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA PORTARIA Nº 754, DE 3 DE OUTUBRO DE 2006 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA PORTARIA Nº 754, DE 3 DE OUTUBRO DE 2006 O MINISTRO DE ESTADO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da

Leia mais