REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE TI DE ASSESSORAMENTO AO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CAPÍTULO I DO COMITÊ DE TI

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE TI DE ASSESSORAMENTO AO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CAPÍTULO I DO COMITÊ DE TI"

Transcrição

1 REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE TI DE ASSESSORAMENTO AO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CAPÍTULO I DO COMITÊ DE TI Artigo 1º. O Comitê de TI ( Comitê ) é órgão de assessoramento vinculado diretamente ao Conselho de Administração, regido pela legislação e regulamentação aplicável e pelo disposto no Estatuto Social da BM&FBOVESPA S.A. Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros ( Companhia ) e neste Regimento Interno ( Regimento ). Artigo 2º. O Comitê reportar-se-á ao Conselho de Administração, atuando com independência em relação à Diretoria da Companhia. Artigo 3º. O Comitê tem prazo de funcionamento de 2 anos a contar da data em que ocorrer a designação de seus membros externos pelo Conselho de Administração, podendo seu prazo de duração ser prorrogado por iguais períodos, sucessivamente, a critério do Conselho de Administração. CAPÍTULO II DA COMPOSIÇÃO DO COMITÊ Artigo 5º. O Comitê será composto por até 8 membros, sendo no mínimo, 1 e, no máximo 2 membros do Conselho de Administração, independentes ou não, e até 6 membros externos, a serem designados pelo Conselho de Administração dentre pessoas com atuação destacada no setor, todos com mandato de 2 anos, podendo ser renomeados para iguais e sucessivos mandatos caso o prazo de duração do Comitê seja prorrogado. 1º. A função de membro do Comitê é indelegável, devendo ser exercida respeitando-se os deveres de lealdade e diligência, bem como evitando-se quaisquer situações de conflito que possam afetar os interesses da Companhia e de seus acionistas. 2º. No caso de vacância de cargo de membro do Comitê, competirá ao Conselho de Administração nomear o substituto, observado o disposto no caput deste artigo.

2 Artigo 6º. Somente podem integrar o Comitê as pessoas que, além dos requisitos previstos neste Regimento, atendam às seguintes condições: (a) tenham idade superior a 25 anos; (b) possuam ilibada reputação e notórios conhecimentos do funcionamento dos mercados administrados pela Companhia e/ou por suas controladas e/ou em TI; (c) não integrem a Diretoria da Companhia ou de suas controladas; (d) não sejam cônjuges, companheiros ou parentes até segundo grau de membros da administração da Companhia ou de pessoas que possuam vínculo empregatício com a Companhia ou com suas controladas; (e) não ocupem cargos em sociedade que possa ser considerada concorrente da Companhia ou de suas controladas, e não tenham, nem representem, interesse conflitante com o da Companhia ou com o de suas controladas; e (f) possuam efetiva disponibilidade para se dedicar ao cargo de membro do Comitê independentemente de cargos que eventualmente ocupem em outras entidades como membros do Conselho de Administração e/ou como executivos. Artigo 7º. O Conselho de Administração elegerá, dentre os Conselheiros que integrarem o Comitê, um Coordenador, a quem caberá a representação, organização e coordenação de suas atividades. 1º. Compete ao Coordenador do Comitê: (a) convocar, instalar e presidir as reuniões do Comitê; (b) assegurar a eficácia e o bom desempenho do órgão; (c) uma vez definido o calendário anual das reuniões do Conselho de Administração, propor ao Comitê o calendário anual com as datas das reuniões ordinárias deste órgão; (d) representar o Comitê no seu relacionamento com o Conselho de Administração, com a Diretoria da Companhia e suas auditorias interna e externa, organismos e comitês internos, assinando, quando necessário, as correspondências, convites e relatórios a eles dirigidos, bem como realizando, quando solicitado, reportes das atividades do Comitê; (e) convocar, em nome do Comitê, eventuais participantes das reuniões, nos termos do artigo 9º abaixo; e (f) cumprir e fazer cumprir este Regimento.

3 2º. Na sua ausência ou impedimento temporário, o Coordenador deverá ser substituído por outro membro do Comitê por ele indicado, sendo que, na hipótese de a composição do Comitê contar com 2 membros do Conselho de Administração, deverá ser substituído pelo outro membro do Conselho de Administração. CAPÍTULO III DO FUNCIONAMENTO DO COMITÊ Artigo 8º. O Comitê reunir-se-á ordinariamente, no mínimo, a cada 4 meses, ou, extraordinariamente, por solicitação do Coordenador ou de qualquer de seus membros. 1º. As convocações das reuniões do Comitê ocorrerão com o simultâneo encaminhamento da pauta, com antecedência mínima de 3 (três) dias da data da reunião, exceto quanto aos assuntos que exijam apreciação urgente. 2º. A pauta das reuniões será elaborada pelo Coordenador, sendo que os demais membros poderão sugerir assuntos adicionais a serem apreciados pelo Comitê. 3º. As reuniões do Comitê serão realizadas, preferencialmente, na sede da Companhia ou, a critério do Coordenador do Comitê, em qualquer de suas filiais ou em outro local considerado adequado. 4º. As reuniões instalar-se-ão com a presença da maioria dos membros do Comitê. 5º. É permitida a participação de parte ou de todos os membros nas reuniões ordinárias e extraordinárias do Comitê por meio de sistema de conferência telefônica, videoconferência ou qualquer outro meio de comunicação que permita a identificação do membro do Comitê e a comunicação com todas as demais pessoas presentes à reunião. Nesse caso, os membros do Comitê que participarem da reunião nos termos deste parágrafo serão considerados presentes na reunião e deverão assinar a correspondente ata. 6º. Os membros do Comitê que tenham efetivo ou potencial conflito de interesse com quaisquer dos temas discutidos deverão se retirar das reuniões durante o período em que o assunto for debatido, podendo ser convidados a prestar informações.

4 7º. As recomendações e pareceres do Comitê serão aprovados por maioria de votos dos presentes. Eventual empate deverá ser reportado ao Conselho de Administração, ao qual caberá definir o encaminhamento que entender adequado. 8º. O Comitê deve contar com um calendário anual de suas reuniões ordinárias. Artigo 9º. O Comitê poderá convocar para participar de suas reuniões Diretores e colaboradores internos e externos da Companhia, que detenham informações relevantes ou cujos assuntos, constantes da pauta, sejam pertinentes à sua área de atuação. Artigo 10. Os assuntos, recomendações e pareceres do Comitê serão consignados nas atas de suas reuniões, as quais serão assinadas pelos membros do Comitê presentes, e delas deverão constar os pontos relevantes das discussões, a relação dos presentes, menção às ausências justificadas, as possíveis irregularidades apontadas, as providências solicitadas, as recomendações apresentadas e eventuais pontos relevantes de divergência entre os membros. Parágrafo único. Os documentos de suporte das reuniões serão arquivados na sede da Companhia. CAPÍTULO IV DAS ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES DO COMITÊ Artigo 11. Compete ao Comitê: a) estudar os temas de sua competência e elaborar propostas ao Conselho de Administração da Companhia, disponibilizando material necessário ao exame pelo Conselho; b) avaliar o regimento interno disciplinador das regras operacionais para o seu funcionamento, submetendo-o, bem como as respectivas alterações, à aprovação do Conselho de Administração; c) acompanhar, analisar e discutir novas tecnologias que representem oportunidades, bem como eventuais impactos no negócio e/ou modelo de negócios da Companhia; d) assessorar na análise de viabilidade das soluções tecnológicas propostas;

5 e) acompanhar indicadores que traduzam a percepção dos clientes sobre os serviços de TI da Companhia; e f) discutir sobre matérias eventualmente submetidas ao Comitê pelo Conselho de Administração. Artigo 12. Além das responsabilidades previstas no artigo acima, o Comitê deve: (a) zelar pelos interesses da Companhia, no âmbito de suas atribuições; (b) apreciar os relatórios emitidos por órgãos reguladores sobre a Companhia, nas matérias atinentes à competência do Comitê; (c) observar a confidencialidade dos assuntos e matérias discutidos no âmbito do Comitê; e (d) proceder, no mínimo anualmente, à autoavaliação de suas atividades e identificar possibilidades de melhoria na forma de sua atuação. Parágrafo único. O membro do Comitê que participar de menos de 75% das suas reuniões, durante determinado mandato, não deverá ser indicado para reeleição. Situações especiais podem ser consideradas pelo Comitê de Governança e Indicação ao fazer suas recomendações ao Conselho. Artigo 13. Aplica-se aos membros do Comitê o disposto no Código de Conduta e no Manual das Políticas de Divulgação de Informações e de Negociação de Valores Mobiliários da Companhia, no que couber. CAPÍTULO V DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 14. Para exercício de suas funções, o Comitê poderá solicitar a contratação de especialistas externos e ter acesso a informações eventualmente necessárias para o exercício de suas atividades, a menos que confidenciais. Artigo 15. As recomendações do Comitê não são vinculantes, cabendo ao Conselho de Administração da Companhia a tomada de decisões com base nos estudos e propostas apresentados pelo Comitê.

6 Artigo 16. Toda e qualquer dúvida acerca da interpretação ou da aplicação deste Regimento será dirimida pelo Conselho de Administração da Companhia. Artigo 17. O presente documento deverá ser divulgado no site da Companhia após a sua aprovação pelo Conselho de Administração.

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE RISCOS E FINANCEIRO DE ASSESSORAMENTO AO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE RISCOS E FINANCEIRO DE ASSESSORAMENTO AO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE RISCOS E FINANCEIRO DE ASSESSORAMENTO AO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Classificação das Informações 24/9/2015 Confidencial [ ] Uso Interno [ X ] Uso Público CAPÍTULO I DO COMITÊ

Leia mais

REGIMENTO DO COMITÊ DE PRODUTOS E DE PRECIFICAÇÃO DE ASSESSORAMENTO AO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

REGIMENTO DO COMITÊ DE PRODUTOS E DE PRECIFICAÇÃO DE ASSESSORAMENTO AO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO DO COMITÊ DE PRODUTOS E DE PRECIFICAÇÃO DE ASSESSORAMENTO AO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO INFORMAÇÃO INTERNA SUMÁRIO CAPÍTULO I - DO COMITÊ DE PRODUTOS E DE PRECIFICAÇÃO... 3 CAPÍTULO II - DA COMPOSIÇÃO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS E REMUNERAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS E REMUNERAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS E REMUNERAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS E REMUNERAÇÃO DA VIA VAREJO S.A. Art. 1º. O Comitê de Recursos Humanos e Remuneração ( Comitê

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Julho/2015 REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO Art. 1º. O Comitê de Desenvolvimento

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE FINANCEIRO

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE FINANCEIRO REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE FINANCEIRO REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ FINANCEIRO DA VIA VAREJO S.A. Art. 1º. O Comitê Financeiro ( Comitê ) é órgão de assessoramento vinculado diretamente ao Conselho de

Leia mais

1.1 Os objetivos do CAE são supervisionar a qualidade e integridade dos relatórios financeiros,

1.1 Os objetivos do CAE são supervisionar a qualidade e integridade dos relatórios financeiros, REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA ESTATUTÁRIO - CAE Art. 1º. O Comitê de Auditoria Estatutário ( Comitê ou CAE ) é órgão colegiado estatutário de assessoramento e instrução vinculado diretamente

Leia mais

Internal Regulation of the Human Resources and Compensation Committee

Internal Regulation of the Human Resources and Compensation Committee Internal Regulation of the Human Resources and Compensation Committee July/2015 REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS E REMUNERAÇÃO DA COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO Art. 1º. O Comitê de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE FINANÇAS

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE FINANÇAS REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE FINANÇAS I DEFINIÇÃO Este Regimento Interno, organizado em conformidade com o Estatuto Social da Ser Educacional S.A. ( Companhia ), estabelece procedimentos a serem observados

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS DE ASSESSORAMENTO

REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS DE ASSESSORAMENTO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS DE ASSESSORAMENTO O Conselho de Administração da BM&FBOVESPA (respectivamente o Conselho e a Companhia ) será assessorado por quatro comitês permanentes: Auditoria; Governança

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ TÉCNICO ESTATUTÁRIO DE GOVERNANÇA E CONFORMIDADE

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ TÉCNICO ESTATUTÁRIO DE GOVERNANÇA E CONFORMIDADE REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ TÉCNICO ESTATUTÁRIO DE GOVERNANÇA E CONFORMIDADE 1. Finalidade O Comitê Técnico Estatutário de Governança e Conformidade ( Comitê ) é um órgão estatutário de caráter permanente,

Leia mais

COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS REGIMENTO INTERNO

COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS REGIMENTO INTERNO COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS REGIMENTO INTERNO Aprovado na Reunião do Conselho de Administração realizada em 8 de maio de 2015 COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS REGIMENTO INTERNO 1. Regimento. O presente Regimento

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GESTÃO DE PESSOAS

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GESTÃO DE PESSOAS REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GESTÃO DE PESSOAS APROVADO EM RCA DE 27/07/2016 CAPÍTULO I DO COMITÊ DE GESTÃO DE PESSOAS Art. 1º. O Comitê de Gestão de Pessoas ( Comitê ) é um órgão não estatutário, subordinado

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE FINANÇAS DA CIELO S.A. ( Regimento )

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE FINANÇAS DA CIELO S.A. ( Regimento ) REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE FINANÇAS DA CIELO S.A. ( Regimento ) I DEFINIÇÃO Este Regimento Interno, organizado em conformidade com o Capítulo VI do Estatuto Social da Cielo S.A. ( Companhia ), estabelece

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE PESSOAS DA CIELO S.A. ( Regimento )

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE PESSOAS DA CIELO S.A. ( Regimento ) REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE PESSOAS DA CIELO S.A. ( Regimento ) I DEFINIÇÃO Este Regimento Interno, organizado em conformidade com o Capítulo VI do Estatuto Social da Cielo S.A. ( Companhia ), estabelece

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE REMUNERAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE REMUNERAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE REMUNERAÇÃO Capítulo I - Objeto Art. 1º O presente Regimento Interno disciplina o funcionamento do Comitê de Remuneração, observadas as disposições do Estatuto Social, as

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ FINANCEIRO

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ FINANCEIRO REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ FINANCEIRO 1. Finalidade e Escopo O Conselho de Administração da Petróleo Brasileiro S.A. ("Petrobras" ou "Companhia"), no uso de suas atribuições, aprovou o Regimento Interno

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA Artigo 1 : O Comitê de Auditoria ( Comitê ) é órgão estatuário de assessoramento vinculado diretamente ao Conselho de Administração, de caráter permanente. O seu

Leia mais

Acordo de Acionistas. da CPFL Energia S.A. de Assessoramento do. Conselho da de Draft Administração. Atual Denominação Social. II Participações S.A.

Acordo de Acionistas. da CPFL Energia S.A. de Assessoramento do. Conselho da de Draft Administração. Atual Denominação Social. II Participações S.A. Acordo de Acionistas Regimento da Interno CPFL dos Energia Comitês S.A. de Assessoramento do Atual Denominação Social Conselho da de Draft Administração II Participações S.A. da CPFL Energia S.A. 1 Sumário

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS DE ASSESSORAMENTO

REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS DE ASSESSORAMENTO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS DE ASSESSORAMENTO O Conselho de Administração da BM&FBOVESPA (respectivamente o Conselho e a Companhia ) será assessorado por quatro comitês permanentes: Auditoria; Governança

Leia mais

Regimento do Comitê Financeiro. Grupo NEOENERGIA

Regimento do Comitê Financeiro. Grupo NEOENERGIA Regimento do Comitê Financeiro Grupo NEOENERGIA Regimento do Comitê Financeiro do Grupo NEOENERGIA constituído por decisão do Conselho de Administração da NEOENERGIA S.A O presente Regimento foi aprovado

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA DIRETORIA DO INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA

REGIMENTO INTERNO DA DIRETORIA DO INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA REGIMENTO INTERNO DA DIRETORIA DO INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA SUMÁRIO Capítulo I Objeto do Regimento Interno... 3 Capítulo II Missão da Diretoria... 3 Capítulo III Competência... 3 Capítulo

Leia mais

Regimento do Comitê de Remuneração e Sucessão GRUPO NEOENERGIA

Regimento do Comitê de Remuneração e Sucessão GRUPO NEOENERGIA Regimento do Comitê de Remuneração e Sucessão GRUPO NEOENERGIA Minuta de 18.04.2004 Regimento do Comitê de Remuneração e Sucessão do GRUPO NEOENERGIA, o qual é constituído pela NEOENERGIA S.A. e por suas

Leia mais

Artigo 3º. O Comitê de Auditoria reportar-se-á ao Conselho de Administração, atuando com independência com relação à Diretoria da Companhia.

Artigo 3º. O Comitê de Auditoria reportar-se-á ao Conselho de Administração, atuando com independência com relação à Diretoria da Companhia. REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA ESTATUTÁRIO HYPERMARCAS S.A. COMITÊ DE AUDITORIA ESTATUTÁRIO Artigo 1º. O presente Regimento Interno (o Regimento ) estabelece as regras de funcionamento do Comitê

Leia mais

Anexo I REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GESTÃO DE PESSOAS E GOVERNANÇA CORPORATIVA

Anexo I REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GESTÃO DE PESSOAS E GOVERNANÇA CORPORATIVA Anexo I REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GESTÃO DE PESSOAS E GOVERNANÇA CORPORATIVA Artigo 1 : O Comitê de Gestão de Pessoas e Governança Corporativa ( Comitê ) é um órgão de apoio ao Conselho de Administração

Leia mais

Regimento Interno da Diretoria da BM&FBOVESPA

Regimento Interno da Diretoria da BM&FBOVESPA Regimento Interno da Diretoria da BM&FBOVESPA REGIMENTO INTERNO DA DIRETORIA DA BM&FBOVESPA 1. Objeto O presente Regimento Interno ( Regimento ) tem o escopo de disciplinar o funcionamento do Diretoria

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE 1. Finalidade e Escopo O Conselho de Administração da Petróleo Brasileiro S.A. ("Petrobras" ou "Companhia"), no uso de suas atribuições,

Leia mais

DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S.A. NIRE nº CNPJ/MF nº / Companhia Aberta REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA

DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S.A. NIRE nº CNPJ/MF nº / Companhia Aberta REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S.A. NIRE nº 35.300.172.507 CNPJ/MF nº 61.486.650/0001-83 Companhia Aberta REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA Este Regimento Interno dispõe sobre os procedimentos quanto ao

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE REMUNERAÇÃO E SUCESSÃO

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE REMUNERAÇÃO E SUCESSÃO REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE REMUNERAÇÃO E SUCESSÃO 1. Finalidade e Escopo O Conselho de Administração ( Conselho ou CA ) da Petróleo Brasileiro S.A. ("Petrobras" ou "Companhia"), no uso de suas atribuições,

Leia mais

Parágrafo Quarto - No caso de vacância de qualquer cargo de membro do Comitê, o Conselho de Administração nomeará substituto.

Parágrafo Quarto - No caso de vacância de qualquer cargo de membro do Comitê, o Conselho de Administração nomeará substituto. Capítulo I - Do Propósito Art. 1 o ) O Comitê de Auditoria, doravante denominado Comitê, órgão estatutário de caráter permanente e com poderes deliberativos, tem por objetivo assessorar o Conselho de Administração

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE GOVERNANÇA E ÉTICA APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOCONSELHO CONSULTIVO DO OBSERVATÓRIO DE ANÁLISE POLÍTICA EM SAÚDE

REGIMENTO INTERNO DOCONSELHO CONSULTIVO DO OBSERVATÓRIO DE ANÁLISE POLÍTICA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO DOCONSELHO CONSULTIVO DO OBSERVATÓRIO DE ANÁLISE POLÍTICA EM SAÚDE TÍTULO I Disposições Gerais Da Composição e da Finalidade Art.1º O Conselho Consultivo é um órgão colegiado de assessoramento

Leia mais

Regimento Interno do Conselho Consultivo

Regimento Interno do Conselho Consultivo Regimento Interno do Conselho Consultivo 2 3 Regimento Interno do Conselho Consultivo REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO CONSULTIVO CAPÍTULO I DO OBJETIVO Art. 1º - Este Regimento Interno tem por objetivo estabelecer

Leia mais

Regimento Interno do Comitê de Auditoria Capítulo I Da Natureza. Capítulo II Da Composição

Regimento Interno do Comitê de Auditoria Capítulo I Da Natureza. Capítulo II Da Composição Regimento Interno do Comitê de Auditoria Capítulo I Da Natureza Art. 1º - Este Regimento Interno estabelece as regras de funcionamento do Comitê de Auditoria (Comitê ou CAE Comitê de Auditoria Estatutário)

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE PESSOAS E REMUNERAÇÃO DA BR MALLS PARTICIPAÇÕES S.A. CAPÍTULO I OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE PESSOAS E REMUNERAÇÃO DA BR MALLS PARTICIPAÇÕES S.A. CAPÍTULO I OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE PESSOAS E REMUNERAÇÃO DA BR MALLS PARTICIPAÇÕES S.A. CAPÍTULO I OBJETIVOS Artigo 1º. Este Regimento Interno ( Regimento ) tem por escopo disciplinar o funcionamento do Comitê

Leia mais

TIM PARTICIPAÇÕES S.A. REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA ESTATUTÁRIO CAPÍTULO I DO COMITÊ DE AUDITORIA ESTATUÁRIO

TIM PARTICIPAÇÕES S.A. REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA ESTATUTÁRIO CAPÍTULO I DO COMITÊ DE AUDITORIA ESTATUÁRIO TIM PARTICIPAÇÕES S.A. REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA ESTATUTÁRIO CAPÍTULO I DO COMITÊ DE AUDITORIA ESTATUÁRIO Art. 1º. O Comitê de Auditoria Estatutário ( CAE ) é o órgão colegiado de assessoramento

Leia mais

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO DA FACULDADE FAMETRO. TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I - Da Natureza e das Finalidades

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO DA FACULDADE FAMETRO. TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I - Da Natureza e das Finalidades REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO DA FACULDADE FAMETRO TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I - Da Natureza e das Finalidades Art. 1º - O Colegiado de Curso é órgão normativo, deliberativo,

Leia mais

REGIMENTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DA DESENVOLVE SP AGÊNCIA DE FOMENTO DO ESTADO DE SÃO PAULO S.A.

REGIMENTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DA DESENVOLVE SP AGÊNCIA DE FOMENTO DO ESTADO DE SÃO PAULO S.A. REGIMENTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DA DESENVOLVE SP AGÊNCIA DE FOMENTO DO ESTADO DE SÃO PAULO S.A. 1 Este regimento, elaborado com base nas melhores práticas de governança corporativa e em atendimento ao

Leia mais

Regimento Interno da Comissão de Direito Marítimo e Portuário da Ordem dos Advogados do Brasil Seção São Paulo OAB/SP

Regimento Interno da Comissão de Direito Marítimo e Portuário da Ordem dos Advogados do Brasil Seção São Paulo OAB/SP Regimento Interno da Comissão de Direito Marítimo e Portuário da Ordem dos Advogados do Brasil Seção São Paulo OAB/SP Art. 1º - A Comissão de Direito Marítimo e Portuário é composta de: I - Membros Efetivos,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE 1. Finalidade e Escopo O Conselho de Administração da Petróleo Brasileiro S.A. ("Petrobras" ou "Companhia"), no uso de suas atribuições,

Leia mais

REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO E S C O L A D E E N G E N H A R I A K E N N E D Y, F A C U L D A D E S K E N N E D Y E F A C U L D A D E S D E C I Ê N C I A S J U R Í D I C A S P R O F E S S

Leia mais

DELIBERAÇÃO CRF-RJ nº706 / 2010

DELIBERAÇÃO CRF-RJ nº706 / 2010 DELIBERAÇÃO CRF-RJ nº706 / 2010 Aprova o Regulamento das Câmaras Técnicas do CRF-RJ e dá outras providências. O ESTADO DO RIO DE JANEIRO / CRF-RJ, no uso de suas atribuições legais e em conformidade com

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO DO SISTEMA CONFEA/CREA - CIE-MG ESTATUTO CAPÍTULO I. Natureza, Finalidade e Composição

COLÉGIO ESTADUAL DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO DO SISTEMA CONFEA/CREA - CIE-MG ESTATUTO CAPÍTULO I. Natureza, Finalidade e Composição COLÉGIO ESTADUAL DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO DO SISTEMA CONFEA/CREA - CIE-MG ESTATUTO CAPÍTULO I Natureza, Finalidade e Composição Art. 1º - O Colégio Estadual de Instituições de Ensino do CREA-MG (CIE-MG)

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA ESTATUTÁRIO DA SENIOR SOLUTION S.A.

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA ESTATUTÁRIO DA SENIOR SOLUTION S.A. REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA ESTATUTÁRIO DA SENIOR SOLUTION S.A. Este Regimento Interno dispõe sobre os procedimentos quanto ao funcionamento do Comitê de Auditoria Estatutário ("CAE") da Senior

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS DA FUNDAÇÃO CODESC DE SEGURIDADE SOCIAL - FUSESC

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS DA FUNDAÇÃO CODESC DE SEGURIDADE SOCIAL - FUSESC REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS DA FUNDAÇÃO CODESC DE SEGURIDADE SOCIAL - FUSESC 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...03 CAPÍTULOI Da composição do Comitê de Investimentos...03 CAPÍTULO II Dos requisitos

Leia mais

REGULAMENTO NOS, SGPS, S.A.

REGULAMENTO NOS, SGPS, S.A. REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA E FINANÇAS NOS, SGPS, S.A. 1/5 O presente instrumento regulamenta o exercício de competências e deveres, e o funcionamento, da Comissão de Auditoria e Finanças da NOS

Leia mais

CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO REGULAMENTO INTERNO. Regulamento Interno CPA Comissão Própria de Avaliação

CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO REGULAMENTO INTERNO. Regulamento Interno CPA Comissão Própria de Avaliação CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO REGULAMENTO INTERNO MANTENEDORA ACRTS Associação Cultural de Renovação Tecnológica Sorocabana CNPJ: 45.718.988/0001-67 MANTIDA Faculdade de Engenharia de Sorocaba FACENS

Leia mais

COMISSÃO DE DIREITO SECURITÁRIO

COMISSÃO DE DIREITO SECURITÁRIO COMISSÃO DE DIREITO SECURITÁRIO Regimento Interno Art. 1 º A Comissão de Direito Securitário é composta de: I Membros Efetivos, dentre eles o Presidente, o Vice-Presidente, Secretário e Membros Consultores;

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL RECKITTPREV RECKITT BENCKISER SOCIEDADE PREVIDENCIÁRIA CAPÍTULO I - DISPOSIÇÃO PRELIMINAR

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL RECKITTPREV RECKITT BENCKISER SOCIEDADE PREVIDENCIÁRIA CAPÍTULO I - DISPOSIÇÃO PRELIMINAR REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL RECKITTPREV RECKITT BENCKISER SOCIEDADE PREVIDENCIÁRIA CAPÍTULO DISPOSIÇÃO PRELIMINAR Art. 1º Este Regimento Interno do Conselho Fiscal da RECKITTPREV ( Regimento )

Leia mais

Art. 2º São competências do Conselho Municipal de Esporte e Lazer:

Art. 2º São competências do Conselho Municipal de Esporte e Lazer: REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER CAPÍTULO I DO CONSELHO E SUAS ATRIBUIÇÕES Art. 1º O Conselho Municipal de Esporte e Lazer de Carlos Barbosa é um órgão colegiado de caráter, consultivo,

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM ENGENHARIA QUÍMICA CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPOSIÇÃO

REGULAMENTO GERAL DO COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM ENGENHARIA QUÍMICA CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPOSIÇÃO REGULAMENTO GERAL DO COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM ENGENHARIA QUÍMICA CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPOSIÇÃO Art. 1 o O Colegiado do Curso de Engenharia Química, doravante denominado Colegiado, é um

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE PESSOAS E REMUNERAÇÃO CAPÍTULO I DO COMITÊ DE PESSOAS E REMUNERAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE PESSOAS E REMUNERAÇÃO CAPÍTULO I DO COMITÊ DE PESSOAS E REMUNERAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE PESSOAS E REMUNERAÇÃO CAPÍTULO I DO COMITÊ DE PESSOAS E REMUNERAÇÃO 1. O Comitê de Pessoas e Remuneração (o "Comitê") é um órgão colegiado de assessoramento e instrução,

Leia mais

I - DA DEFINIÇÃO E OBJETIVOS II - DA COMPOSIÇÃO, DIREITOS E DEVERES DOS MEMBROS

I - DA DEFINIÇÃO E OBJETIVOS II - DA COMPOSIÇÃO, DIREITOS E DEVERES DOS MEMBROS REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO PERMANENTE DE ACOMPANHAMENTO DE AÇÕES JUDICIAIS RELEVANTES - COPAJURE DO CONSELHO NACIONAL DOS DIRIGENTES DE REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL - CONAPREV I - DA DEFINIÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM JUIZ DE FORA, JULHO DE 2014 REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

Leia mais

DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA PETROBRAS

DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA PETROBRAS DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA PETROBRAS O objetivo deste documento é estabelecer diretrizes para o modelo de governança corporativa da Petrobras, visando à atuação ativa do Conselho de Administração

Leia mais

Art. 2º- O Comitê Gestor será composto por 4 (quatro) membros titulares e seus respectivos suplentes. Sendo:

Art. 2º- O Comitê Gestor será composto por 4 (quatro) membros titulares e seus respectivos suplentes. Sendo: Regimento Interno Regimento Interno do Comitê Gestor de Investimento do Plano de Suplementação de Aposentadoria e Pensão da Bandeirante Energia S.A. PSAP/Bandeirante 26/2/2015 CAPÍTULO I - DA FINALIDADE

Leia mais

Regimento Interno Conselho de Consumidores Bandeirante Energia S.A.

Regimento Interno Conselho de Consumidores Bandeirante Energia S.A. Regimento Interno Conselho de Consumidores Bandeirante Energia S.A. 1. Da Natureza e Objetivo 1.1. O Conselho de Consumidores da área de concessão da Bandeirante Energia S.A. é um órgão sem personalidade

Leia mais

REGIMENTO INTERNO. Casa dos Conselhos Rua Três de Maio, nº 1060 Pelotas,RS Telefone (53) E- mail -

REGIMENTO INTERNO. Casa dos Conselhos Rua Três de Maio, nº 1060 Pelotas,RS Telefone (53) E- mail - REGIMENTO INTERNO REGIMENTO INTERNO Capitulo I - DA CONSTITUIÇÃO E SEDE: Art.1- O Fórum dos Conselhos Municipais de Pelotas, adiante designado apenas Fórum, foi criado em 1995 a partir de um trabalho de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Comitê Estadual de Educação em Direitos Humanos do Rio Grande do Norte NATUREZA E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO Comitê Estadual de Educação em Direitos Humanos do Rio Grande do Norte NATUREZA E FINALIDADE REGIMENTO INTERNO Comitê Estadual de Educação em Direitos Humanos do Rio Grande do Norte NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º O Comitê Estadual de Educação em Direitos Humanos do Rio Grande do Norte, instância

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA E RISCOS

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA E RISCOS REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA E RISCOS 1. Objeto e Finalidade 1.1 O Conselho de Administração ( Conselho ou CAE ) da Centrais Elétricas Brasileiras S.A. - Eletrobras ("Eletrobras" ou "Companhia"),

Leia mais

Capítulo I - Denominação, Sede, Objeto e Duração

Capítulo I - Denominação, Sede, Objeto e Duração REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE JOVENS ADVOGADOS DA ASSOCIAÇÃO DOS ADVOGADOS DE SÃO PAULO -- AASP Capítulo I - Denominação, Sede, Objeto e Duração Artigo 1º - A Comissão de Jovens Advogados da Associação

Leia mais

ANEXO III REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA ESTATUTÁRIO CAPÍTULO I DEFINIÇÕES

ANEXO III REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA ESTATUTÁRIO CAPÍTULO I DEFINIÇÕES ANEXO III REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA ESTATUTÁRIO CAPÍTULO I DEFINIÇÕES Artigo 1º - Para todos os fins e efeitos deste Regimento, as seguintes expressões e termos definidos iniciados em letra

Leia mais

MANUAL DE 20 COMPLIANCE

MANUAL DE 20 COMPLIANCE MANUAL DE 20 COMPLIANCE 1.... 2 1.1. Missão de... 2 1.2. Comitê de e Processos... 3 2 - Organograma de Risco e... 6 3 Funcionamento dos Comitês e Participantes... 6 1/8 1. COMPLIANCE tem como definição,

Leia mais

25/08/2016 Guilherme Alano Criação das diretrizes do Comitê de Compliance.

25/08/2016 Guilherme Alano Criação das diretrizes do Comitê de Compliance. Diretrizes do Comitê de Compliance Par Mais Alterado em: Responsável: Modificações: 25/08/2016 Guilherme Alano Criação das diretrizes do Comitê de Compliance. 21/03/2017 Karoline Silva Atualização da Ata

Leia mais

COMISSÃO DE ATENÇÃO INTEGRAL AO USUÁRIO EM SITUAÇÃO DE VIOLÊNCIA DO IMIP (CV)

COMISSÃO DE ATENÇÃO INTEGRAL AO USUÁRIO EM SITUAÇÃO DE VIOLÊNCIA DO IMIP (CV) COMISSÃO DE ATENÇÃO INTEGRAL AO USUÁRIO EM SITUAÇÃO DE VIOLÊNCIA DO (CV) CAPÍTULO I DA FINALIDADE DA CV - Art. 1º - A CV -, tem por finalidade: Adotar uma política institucional de atenção aos usuários

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL Capítulo I Objeto Art. 1º O presente Regimento Interno disciplina o funcionamento do Conselho Fiscal, observadas as disposições do Estatuto Social, da legislação em

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERALDE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA SUL-RIO-GRANDENSE IFSul COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERALDE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA SUL-RIO-GRANDENSE IFSul COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERALDE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA SUL-RIO-GRANDENSE IFSul COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA REGULAMENTO PRÓPRIO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1. O

Leia mais

Artigo 5º - A COORDENADORIA EXECUTIVA será composta pelos Vice-Presidentes e Coordenadores Regionais, sob a Coordenação do Presidente.

Artigo 5º - A COORDENADORIA EXECUTIVA será composta pelos Vice-Presidentes e Coordenadores Regionais, sob a Coordenação do Presidente. REGULAMENTO DO FÓRUM PAULISTA DE SECRETÁRIOS E DIRIGENTES PÚBLICOS DE MOBILIDADE URBANA Artigo 1º - O FÓRUM ESTADUAL PAULISTA DE SECRETÁRIOS E DIRIGENTES PÚBLICOS DE TRANSPORTE URBANO E TRÂNSITO passa

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE CLASSE

REGULAMENTO DO CONSELHO DE CLASSE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, SOCIAIS E AGRÁRIAS COLÉGIO AGRÍCOLA VIDAL DE NEGREIROS REGULAMENTO DO

Leia mais

Art. 1º. A Comissão da Mulher Advogada será composta de: II As Assessorias Regionais e Coordenadorias serão compostas de:

Art. 1º. A Comissão da Mulher Advogada será composta de: II As Assessorias Regionais e Coordenadorias serão compostas de: Regimento Interno da Comissão da Mulher Advogada da Ordem dos Advogados do Brasil, Seção São Paulo. Art. 1º. A Comissão da Mulher Advogada será composta de: I - Uma Diretoria, integrada por até 09 (nove)

Leia mais

MINISTERIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 128, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2011.

MINISTERIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 128, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2011. Dispõe sobre a instituição e definição das atribuições do Comitê de Extensão Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba. O Presidente do DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DA PORTUCEL

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DA PORTUCEL REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DA PORTUCEL 1º (Composição) O Conselho Fiscal é composto por três membros efetivos, um dos quais será o Presidente, e dois suplentes, eleitos em Assembleia Geral,

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO-CPA

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO-CPA REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO-CPA Versão 1 BARRETOS-SP 1 ÍNDICE REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA/FACISB 3 TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 3 TÍTULO II DA NATUREZA E

Leia mais

RESOLUÇÃO CEP 11/ de março de 2015

RESOLUÇÃO CEP 11/ de março de 2015 RESOLUÇÃO CEP 11/2015 25 de março de 2015 Aprova o Regulamento da Comissão Própria de Avaliação. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA DA FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO, no uso de suas atribuições regimentais,

Leia mais

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE GOIANIA LTDA FACULDADE PADRÃO SUMÁRIO REGULAMENTO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DOS CURSOS 2 CAPÍTULO I 2

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE GOIANIA LTDA FACULDADE PADRÃO SUMÁRIO REGULAMENTO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DOS CURSOS 2 CAPÍTULO I 2 SUMÁRIO REGULAMENTO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DOS CURSOS 2 CAPÍTULO I 2 DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS 2 CAPITULO II 2 DO COLEGIADO DOS CURSOS 2 CAPITULO III 3 MANDATOS DO COLEGIADO DO CURSO 3 CAPÍTULO

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM PERMANENTE DOS CURSOS TÉCNICOS DO IFPE RECIFE, 2014 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO BANCO DO BRASIL - Alteração do artigo 23. Srs. Acionistas, Visando alcançar:

ESTATUTO SOCIAL DO BANCO DO BRASIL - Alteração do artigo 23. Srs. Acionistas, Visando alcançar: ESTATUTO SOCIAL DO BANCO DO BRASIL - Alteração do artigo 23 Srs. Acionistas, Visando alcançar: a) maior equilíbrio na vinculação de Unidades Estratégicas aos membros do Conselho Diretor; b) maior flexibilidade

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL CAPÍTULO I DA CONCEITUAÇÃO E DA FINALIDADE Art. 1º. O Conselho Fiscal é o órgão de fiscalização dos atos dos administradores da ATIVOS S.A. Companhia Securitizadora

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A.

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A. REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A. Fevereiro 2012 REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO EDP Energias de Portugal, S.A. ARTIGO 1.º (Âmbito)

Leia mais

Art. 1º - O Conselho Técnico de Vela é de caráter consultivo, normativo e fiscalizador.

Art. 1º - O Conselho Técnico de Vela é de caráter consultivo, normativo e fiscalizador. Regimento Interno do Conselho Técnico de Vela CAPÍTULO I DO CONSELHO E SUAS ATRIBUIÇÕES Art. 1º - O Conselho Técnico de Vela é de caráter consultivo, normativo e fiscalizador. Art. 2º - O Conselho Técnico

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE PESQUISA

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE PESQUISA REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE PESQUISA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1. Este Regimento dispõe sobre a composição, competências e funcionamento do Conselho de Pesquisa (CoPq), órgão colegiado

Leia mais

Art. 1º. Aprovar o Regulamento relativo à Comissão Própria de Avaliação (CPA) da Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Cascavel.

Art. 1º. Aprovar o Regulamento relativo à Comissão Própria de Avaliação (CPA) da Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Cascavel. Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Cascavel Av. Tito Muffato, 2317 Bairro Santa Cruz 85806-080 Cascavel PR Fone: (45) 3036-3636 30363806 http://www.univel.br cpe@univel.br RESOLUÇÃO Nº 01 DE JULHO

Leia mais

REGULAMENTO COLEGIADO DE CURSO

REGULAMENTO COLEGIADO DE CURSO REGULAMENTO COLEGIADO DE CURSO MANTIDA PELA INSTITUIÇÃO PAULISTA DE ENSINO E CULTURA - IPEC TUPÃ SP 2016 LICENCIATURA EM PEDAGOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ELEIÇÃO SEÇÃO I DA NATUREZA E COMPOSIÇÃO

Leia mais

DECRETO Nº , DE 13 DE MARÇO DE

DECRETO Nº , DE 13 DE MARÇO DE DECRETO Nº 22.787, DE 13 DE MARÇO DE 2002 1 Dispõe sobre a regulamentação do Conselho de Recursos Hídricos do Distrito Federal e dá outras providências. O GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL, no uso das atribuições

Leia mais

GOL LINHAS AÉREAS INTELIGENTES S.A. ( Companhia ) C.N.P.J. n.º / N.I.R.E

GOL LINHAS AÉREAS INTELIGENTES S.A. ( Companhia ) C.N.P.J. n.º / N.I.R.E GOL LINHAS AÉREAS INTELIGENTES S.A. ( Companhia ) C.N.P.J. n.º 06.164.253/0001-87 N.I.R.E. 35.300.314.441 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 12 DE AGOSTO DE 2013 I. Data, Horário

Leia mais

USINA HIDRELÉTRICA SINOP (UHE SINOP) PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL (PGA) Regimento do Fórum de Acompanhamento Social (FAS)

USINA HIDRELÉTRICA SINOP (UHE SINOP) PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL (PGA) Regimento do Fórum de Acompanhamento Social (FAS) USINA HIDRELÉTRICA SINOP (UHE SINOP) PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL (PGA) Regimento do Fórum de Acompanhamento Social (FAS) SETEMBRO DE 2014 Sumário Apresentação... 3 Regimento... 4 Capítulo I - Da Denominação,

Leia mais

NÚCLEO ESTADUAL DE REGULAMENTAÇÃO DA ANS Regimento Interno

NÚCLEO ESTADUAL DE REGULAMENTAÇÃO DA ANS Regimento Interno NÚCLEO ESTADUAL DE REGULAMENTAÇÃO DA ANS Regimento Interno 1. DAS ATRIBUIÇÕES 1.1. O Núcleo Estadual de Regulamentação da ANS tem por atribuições: a) padronizar ações, modelos e processos que envolvam

Leia mais

DECRETO Nº 239/2015. Aprova o Regimento Interno do Conselho Municipal de Anti Drogas (COMAD) de Gramado.

DECRETO Nº 239/2015. Aprova o Regimento Interno do Conselho Municipal de Anti Drogas (COMAD) de Gramado. DECRETO Nº 239/2015 Aprova o Regimento Interno do Conselho Municipal de Anti Drogas (COMAD) de Gramado. NESTOR TISSOT, Prefeito Municipal de Gramado, no uso de suas atribuições legais, de acordo com a

Leia mais

COMISSÃO DE HUMANIZAÇÃO DA DIRETORIA CLÍNICA DO HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

COMISSÃO DE HUMANIZAÇÃO DA DIRETORIA CLÍNICA DO HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO 1 COMISSÃO DE HUMANIZAÇÃO DA DIRETORIA CLÍNICA DO HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I NATUREZA E OBJETIVOS Art. 1º - A Comissão de Humanização

Leia mais

UNIVERSIDADE PARA O DESENVOLVIMENTO DO ALTO VALE DO ITAJAI. UNIDAVI REGIMENTO DA CÂMARA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO

UNIVERSIDADE PARA O DESENVOLVIMENTO DO ALTO VALE DO ITAJAI. UNIDAVI REGIMENTO DA CÂMARA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO UNIVERSIDADE PARA O DESENVOLVIMENTO DO ALTO VALE DO ITAJAI. UNIDAVI REGIMENTO DA CÂMARA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO CAPÍTULO I Da natureza, finalidade e composição Art. 1º. A Câmara de Pesquisa,

Leia mais

Regimento Interno do Conselho Fiscal

Regimento Interno do Conselho Fiscal Regimento Interno do Conselho Fiscal 2 3 Regimento Interno do Conselho Fiscal REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL CAPÍTULO I DO OBJETIVO Art. 1º - Este Regimento Interno tem por objetivo estabelecer normas

Leia mais

Regimento do Comitê de Auditoria CAUD. Grupo NEOENERGIA

Regimento do Comitê de Auditoria CAUD. Grupo NEOENERGIA Regimento do Comitê de Auditoria CAUD Grupo NEOENERGIA Regimento do Comitê de Auditoria do Grupo NEOENERGIA constituído por decisão do Conselho de Administração da NEOENERGIA S/A. * com data de 29 de agosto

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSUP Nº 51, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2015.

RESOLUÇÃO CONSUP Nº 51, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2015. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO CONSUP Nº 51, DE 23 DE DEZEMBRO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1.295/2017 Publicada no D.O.E , p. 24

RESOLUÇÃO Nº 1.295/2017 Publicada no D.O.E , p. 24 UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA (UNEB) CONSELHO UNIVERSITÁRIO (CONSU) RESOLUÇÃO Nº 1.295/2017 Publicada no D.O.E. 16-08-2017, p. 24 Aprova a criação do Comitê Institucional de Pós-Graduação (CIPÓS) da

Leia mais

ASSOCIAÇÃO UNIFICADA PAULISTA DE ENSINO RENOVADO OBJETIVO ASSUPERO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO RIO GRANDE DO NORTE - IESRN

ASSOCIAÇÃO UNIFICADA PAULISTA DE ENSINO RENOVADO OBJETIVO ASSUPERO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO RIO GRANDE DO NORTE - IESRN ASSOCIAÇÃO UNIFICADA PAULISTA DE ENSINO RENOVADO OBJETIVO ASSUPERO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO RIO GRANDE DO NORTE - IESRN COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INTERNA CPA REGULAMENTO INTERNO CPA/IESRN A

Leia mais

POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A.

POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A. POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A. 23.1.2015 1. OBJETIVO 1.1 A presente Política de Transações com Partes Relacionadas da BB Seguridade Participações S.A. (

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU (CONPPG) TÍTULO I - DO OBJETIVO DO REGIMENTO

REGIMENTO DO CONSELHO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU (CONPPG) TÍTULO I - DO OBJETIVO DO REGIMENTO REGIMENTO DO CONSELHO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU (CONPPG) TÍTULO I - DO OBJETIVO DO REGIMENTO Art. 1º. Este Regimento estabelece a constituição, a competência e o funcionamento do Conselho

Leia mais

REGIMENTO TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGIMENTO TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS COMISSÃO PROPRIA DE AVALIAÇÃO COMISSÃO CENTRAL Avenida Prof.

Leia mais

MARISA LOJAS S.A. NIRE CNPJ/MF n / Companhia Aberta

MARISA LOJAS S.A. NIRE CNPJ/MF n / Companhia Aberta MARISA LOJAS S.A. NIRE 35.300.374.801 CNPJ/MF n 61.189.288/0001-89 Companhia Aberta ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 11 DE AGOSTO DE 2014 Data, Hora e Local: Aos 11 de agosto de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO Capítulo I Dos Objetivos Gerais Artigo 1º: O presente Regimento Interno

Leia mais

DECRETO Nº DE 25 DE MARÇO DE 2010

DECRETO Nº DE 25 DE MARÇO DE 2010 DECRETO Nº 12.024 DE 25 DE MARÇO DE 2010 Regulamenta o Fundo Estadual de Recursos Hídricos da Bahia - FERHBA, em face do disposto na Lei Estadual nº 11.612, de 08 de outubro de 2009, e dá outras providências.

Leia mais