Enterprise Risk Management (ERM) Gestão de Riscos Corporativos Pesquisa sobre o estágio atual em empresas brasileiras

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Enterprise Risk Management (ERM) Gestão de Riscos Corporativos Pesquisa sobre o estágio atual em empresas brasileiras"

Transcrição

1 KPMG Risk & Compliance Enterprise Risk Management (ERM) Gestão de Riscos Corporativos Pesquisa sobre o estágio atual em empresas brasileiras

2 Conteúdo 1. Contexto geral 6. Estrutura e funcionamento do Conselho de Administração e do Comitê de Auditoria 2. Principais descobertas (key findings) 5. Estrutura de gerenciamento de riscos corporativos nas empresas (COSO ERM) 3. Descrição do público pesquisado 4. Visão geral sobre o Gerenciamento de Riscos Corporativos ERM 2

3 Conteúdo 1. Contexto geral 6. Estrutura e funcionamento do Conselho de Administração e do Comitê de Auditoria 2. Principais descobertas (key findings) 5. Estrutura de gerenciamento de riscos corporativos nas empresas (COSO ERM) 3. Descrição do público pesquisado 4. Visão geral sobre o Gerenciamento de Riscos Corporativos ERM 3

4 Introdução Contexto geral A percepção sobre a importância do gerenciamento de riscos mudou e isto vai além do setor financeiro que, recentemente, em nível internacional, enfrentou sérios problemas. Eventos como o de grandes organizações brasileiras que tiveram perdas financeiras em razão de operações com derivativos demonstraram que falhas no gerenciamento de riscos corporativos podem ser extremamente prejudiciais, não só pelos aspectos de desempenho financeiro, mas para as próprias carreiras de executivos envolvidos e para a continuidade das organizações. Entretanto, embora o gerenciamento de riscos esteja ganhando maior visibilidade e relevância dentro das organizações, ele continua como uma função em transição. Para avaliar o estágio corrente do gerenciamento de riscos nas empresas brasileiras, no segundo semestre de 2010, a KPMG Risk Advisory Services Ltda. realizou uma pesquisa para investigar as práticas de gerenciamento de riscos corporativos nas empresas e o papel do Conselho de Administração e do Comitê de Auditoria neste contexto. Foram pesquisados executivos seniores de empresas (presidentes, diretores e/ou gerentes financeiros, diretores e/ou gerentes de riscos, diretores e/ou gerentes de Auditoria Interna), membros de Conselho de Administração e do Comitê de Auditoria. 4

5 Conteúdo 1. Contexto geral 6. Estrutura e funcionamento do Conselho de Administração e do Comitê de Auditoria 2. Principais descobertas (key findings) 5. Estrutura de gerenciamento de riscos corporativos nas empresas (COSO ERM) 3. Descrição do público pesquisado 4. Visão geral sobre o Gerenciamento de Riscos Corporativos ERM 5

6 Principais descobertas (key findings) Na visão dos respondentes: Os três maiores benefícios do gerenciamento de riscos para as empresas são: Proteger e reforçar a capacidade de geração de valor da organização 19%. Apoiar a organização no alcance de seus objetivos estratégicos 17%. Prevenção a perdas 16%. No que tange aos investimentos, em até três anos, em gerenciamento de riscos, os itens com maior relevância são: Desenvolvimento de processos de gerenciamento de riscos corporativos. Implementação de normas e procedimentos sobre gerenciamento de riscos corporativos. Monitoramento dos relatórios sobre gerenciamento de riscos corporativos. 6

7 Principais descobertas (key findings) (cont.) Os três itens considerados mais importantes para o sucesso do gerenciamento de riscos nas empresas são: Cultura forte e sensibilização de riscos em toda a organização 23%. Apoio da Alta Administração executivos - 17%. Alinhamento da gestão de riscos com o planejamento e a execução da estratégia corporativa - 15%. A maioria das empresas (54%) afirmou que o gerenciamento de riscos não foi implementado em sua organização. Outro aspecto relevante é que quando indagados sobre a eficácia do ambiente de controles internos de sua organização, 47% responderam que há espaço para muitas melhorias e 38% responderam que há espaço para algumas melhorias. A maioria das organizações (69%) afirma que não há uma contínua preocupação por parte da alta administração com o gerenciamento de riscos corporativos. 7

8 Principais descobertas (key findings) (cont.) Quando indagados sobre a utilização de indicadores de desempenho que auxiliam no direcionamento de ações operacionais e estratégicas para identificar deficiências e/ou falhas de processos e controles, a maioria (47%) afirma que não há indicadores ou há indicadores pouco efetivos. Mais da metade dos respondentes (57%) disseram existir em suas organizações um Comitê de apoio ao Conselho de Administração (Comitê de Riscos ou Comitê de Auditoria e Riscos ou, ainda, um Comitê de Auditoria) que supervisiona os trabalhos de Gerenciamento de Riscos Corporativos. 8

9 Conteúdo 1. Contexto geral 6. Estrutura e funcionamento do Conselho de Administração e do Comitê de Auditoria 2. Principais descobertas (key findings) 5. Estrutura de gerenciamento de riscos corporativos nas empresas (COSO ERM) 3. Descrição do público pesquisado 4. Visão geral sobre o Gerenciamento de Riscos Corporativos ERM 9

10 Descrição do público pesquisado O questionário completo considerou 34 questões. Um total de 67 empresas de diversos setores responderam. Setor Percentual de respondentes Comunicação 12% Bancário 10% Produtos de Consumo 9% Automotores e Indústrias diversificadas 7% Infraestrutura e Governo 7% Petróleo e Gás 7% Seguros 7% Serviços 7% Comida e Bebida 4% Mídia 4% Setor Percentual de respondentes Químico 4% Siderúrgico 4% Agronegócio 3% Farmacêutico 3% Mineração 3% Software 3% Varejo 3% Fundo de Pensão 1% Geração de Energia 1% Saúde 1% 10

11 Descrição do público pesquisado (cont.) 21% Diretores 46% Gerentes 33% Membros de Conselho ou Comitê de Auditoria 11

12 Conteúdo 1. Contexto geral 6. Estrutura e funcionamento do Conselho de Administração e do Comitê de Auditoria 2. Principais descobertas (key findings) 5. Estrutura de gerenciamento de riscos corporativos nas empresas (COSO ERM) 3. Descrição do público pesquisado 4. Visão geral sobre o Gerenciamento de Riscos Corporativos ERM 12

13 Visão geral sobre o Gerenciamento de Riscos Corporativos - ERM 1) O que sua empresa considera serem os objetivos e benefícios mais importantes do gerenciamento de riscos? 5% 9% 4% 2% 19% Proteger e reforçar a capacidade de geração de valor da organização Apoiar a Organização no atingimento de seus objetivos estratégicos Prevenção a perdas 13% 15% 16% 17% Assegurar conformidade com questões regulatórias Proteger e reforçar a reputação da organização Assegurar alocação eficiente de recursos e capital Transparência e relatórios claros aos investidores Maximizar a lucratividade das unidades de negócio Minimizar a volatilidade dos ganhos 13

14 Visão geral sobre o Gerenciamento de Riscos Corporativos ERM (cont.) 2) Com qual efetividade você considera que sua empresa gerencia os seguintes aspectos de riscos? Muito alta Alta Média Baixa Muito baixa Não aplicável / Não sabe 14

15 Visão geral sobre o Gerenciamento de Riscos Corporativos ERM (cont.) 3) Qual o grau de relevância que você espera nos investimentos da sua empresa, em até três anos, nos seguintes aspectos de gerenciamento de riscos? 50% 45% 40% 35% 30% 25% 20% 15% 10% 5% 0% Treinamento do CA e riscos em avaliação de riscos Treinamento de executivos em gerenciamento de riscos corporativos Desenvolvimento de processos de gerenciamento de riscos corporativos Sistema específico com dados e relatórios gerenciais sobre riscos corporativos Implementação de Normas e Procedimentos sobre Gerenciamento de Riscos Corporativos Qualificação dos profissionais de Auditoria Interna para apoiar o Gerenciamento dos Riscos Monitoramento dos relatórios sobre Gerenciamento de Riscos Corporativos Muito alta Alta Média Baixa Muito Baixa Não aplicável / Não sabe Não respondeu 15

16 Visão geral sobre o Gerenciamento de Riscos Corporativos ERM (cont.) 4) O que você considera ser mais importante para o sucesso do gerenciamento de riscos em sua empresa? 6% 5% 3% 4% 3% 1% 23% Cultura forte e sensibilização de riscos em toda a organização Apoio da alta administração - executivos Alinhamento da gestão de riscos com o planejamento e execução da estratégia corporativa Sistemas bem definidos e processos para monitorar riscos em andamento 9% 14% 15% 17% Estrutura treinada e sistematizada para gerenciamento de riscos corporativos (ERM) Responsabilidades pelos riscos claramente definidas Apetite para risco claramente definido Processo formal para identificar e comunicar novos eventos de riscos Sistemas de TI que suportem a consolidação e análise dos dados de gerenciamento de riscos Alinhamento da gestão de riscos com os processos de auditoria interna Cadastramento de erros/falhas estratégicas e operacionais do passado 16

17 Visão geral sobre o Gerenciamento de Riscos Corporativos ERM (cont.) 5) Com qual sucesso você considera que a avaliação de riscos em sua organização adiciona valor para os seguintes itens? 50% 45% 40% 35% 30% 25% 20% 15% 10% 5% 0% Melhora o relacionamento com órgãos regulatórios e agências de ratings Melhora a relação com os investidores Aumenta valor para os acionistas Melhora a rentabilidade das unidades de negócios Melhora a reputação corporativa Redução da volatilidade de ganhos Melhora o processo de tomada de decisões estratégicas Melhora o relacionamento com clientes Muito alta Alta Média Baixa Muito Baixa Não aplicável / Não sabe 17

18 Conteúdo 1. Contexto geral 6. Estrutura e funcionamento do Conselho de Administração e do Comitê de Auditoria 2. Principais descobertas (key findings) 5. Estrutura de gerenciamento de riscos corporativos nas empresas (COSO ERM) 3. Descrição do público pesquisado 4. Visão geral sobre o Gerenciamento de Riscos Corporativos ERM 18

19 Estrutura de gerenciamento de riscos corporativos nas empresas (COSO ERM) 1) O gerenciamento de riscos corporativos já foi implementado na sua organização? 38% 16% 2% 44% Sim Possuímos ações isoladas sobre riscos Não Não respondeu 19

20 Estrutura de gerenciamento de riscos corporativos nas empresas (COSO ERM) (cont.) 2) O ambiente de controles internos em sua organização é eficaz? 8% 7% Sim, mas há espaço para muitas melhorias 38% 47% Sim, mas há espaço para algumas melhorias Sim Não 20

21 Estrutura de gerenciamento de riscos corporativos nas empresas (COSO ERM) (cont.) 3) Há uma filosofia de gestão de riscos da sua organização, por meio da qual todos os funcionários entendem de maneira clara o que se espera deles? A Alta Administração demonstra contínua preocupação com o gerenciamento de riscos corporativos? 15% 11% 20% 5% 49% Sim, mas há espaço para muitas melhorias Não Sim, mas há espaço para algumas melhorias Sim Não respondeu 21

22 Estrutura de gerenciamento de riscos corporativos nas empresas (COSO ERM) (cont.) 4) Durante a crise econômica global de 2008 e 2009, uma análise sobre o seu efeito no Brasil, no mercado em que a sua empresa atua e nos resultados da sua empresa fez parte dos estudos sobre gerenciamento de riscos na sua organização? 5% 33% 13% 49% Sim Não Não saberia responder Não respondeu 22

23 Estrutura de gerenciamento de riscos corporativos nas empresas (COSO ERM) (cont.) 5) Há na sua organização uma análise sobre o apetite a risco (exposição ao risco que a organização está disposta a aceitar para atingir suas metas e seus objetivos e criar valor, estando diretamente relacionada à estratégia da organização)? 7% 7% Sim 34% 52% Não Não saberia responder Não respondeu 23

24 Estrutura de gerenciamento de riscos corporativos nas empresas (COSO ERM) (cont.) 6) Você poderia afirmar que na sua organização há práticas, valores e atitudes frequentes relacionadas a riscos? 10% 5% 2% Sim Não 83% Não respondeu Não saberia responder 24

25 Estrutura de gerenciamento de riscos corporativos nas empresas (COSO ERM) (cont.) 7) Além da existência do Código de Conduta Ética, você afirmaria que na sua organização há um compromisso sério com integridade e valores éticos (existe um posicionamento da Alta Administração, como modelo de ética para seus colaboradores, clientes, fornecedores, investidores e público em geral)? 5% 5% 3% Sim Não 87% Não respondeu Não saberia responder 25

26 Estrutura de gerenciamento de riscos corporativos nas empresas (COSO ERM) (cont.) 9) Você poderia afirmar que na sua organização o Conselho de Administração/ Comitê de Auditoria possui membros independentes, atuando de forma integrada com os auditores internos e externos, a fim de possibilitar avaliações e julgamentos imparciais sobre as questões mais significativas da organização? 7% 30% 11% 52% Sim Não Não saberia responder Não respondeu 27

27 Estrutura de gerenciamento de riscos corporativos nas empresas (COSO ERM) (cont.) 10) O perfil da Alta Administração perante os riscos, os princípios contábeis adotados e as decisões operacionais na organização são sempre éticos e respeitam os limites estabelecidos pelo Conselho de Administração? 8% 7% Sim 85% Não saberia responder Não respondeu 28

28 Estrutura de gerenciamento de riscos corporativos nas empresas (COSO ERM) (cont.) 16) O processo de avaliação geral de riscos de sua empresa é dinâmico e integrado ao processo de planejamento estratégico de sua organização? 5% 26% 14% 55% Sim Não Não saberia responder Não respondeu 34

29 Estrutura de gerenciamento de riscos corporativos nas empresas (COSO ERM) (cont.) 17) Existem reuniões formais da Alta Administração para produzir respostas formais ao riscos relevantes? 7% 13% 33% 47% Sim Não Não saberia responder Não respondeu 35

30 Estrutura de gerenciamento de riscos corporativos nas empresas (COSO ERM) (cont.) 18) Há um trabalho da Alta Administração em relação aos gerentes responsáveis pelos departamentos, pelas funções e pelas unidades de negócios, orientando-os a avaliar os riscos e mostrando suas atribuições e responsabilidades no gerenciamento dos riscos? 5% Sim. O trabalho da Alta Administração é efetivo 13% 33% Não 23% 26% Sim, mas o trabalho da Alta Administração é pouco efetivo Não saberia responder Não respondeu 36

31 Estrutura de gerenciamento de riscos corporativos nas empresas (COSO ERM) (cont.) 19) A sua organização utiliza indicadores de desempenho efetivos que auxiliam no direcionamento de ações operacionais e estratégicas para identificar deficiências e/ou falhas de processos e controles? 5% 2% Sim. Os indicadores são efetivos 34% 13% 46% Sim, mas os indicadores são pouco efetivos Não Não respondeu Não saberia responder 37

32 Estrutura de gerenciamento de riscos corporativos nas empresas (COSO ERM) (cont.) 20) As práticas utilizadas por sua organização para capturar e comunicar as informações pertinentes aos funcionários, em formato e prazo, são efetivas? Média 5% 5% 3% 10% 15% 20% 42% Alta Baixa Muito alta Muito baixa Não respondeu Não aplicável / Não sabe 38

33 Conteúdo 1. Contexto geral 6. Estrutura e funcionamento do Conselho de Administração e do Comitê de Auditoria 2. Principais descobertas (key findings) 5. Estrutura de gerenciamento de riscos corporativos nas empresas (COSO ERM) 3. Descrição do público pesquisado 4. Visão geral sobre o Gerenciamento de Riscos Corporativos ERM 39

34 Estrutura e funcionamento do Conselho de Administração e do Comitê de Auditoria 1) Quantos membros do Conselho de Administração (CA) da sua organização possuem conhecimento prático sobre o gerenciamento de riscos corporativos? Mais de 2 membros 12% 12% 38% 1 membro 15% Não aplicável ou não há CA implementado 23% 2 membros Nenhum membro 40

35 Estrutura e funcionamento do Conselho de Administração e do Comitê de Auditoria (cont.) 2) Com que frequência são discutidos formalmente os riscos estratégicos nas reuniões do Conselho de Administração? 12% 11% 13% 8% 4% 26% 26% Trimestralmente Anualmente Semestralmente Não respondeu Não saberia informar Não são discutidos riscos estratégicos Mensalmente 41

36 Estrutura e funcionamento do Conselho de Administração e do Comitê de Auditoria (cont.) 3) Existe um Comitê de apoio ao Conselho de Administração (Comitê de Riscos ou Comitê de Auditoria e Riscos ou, ainda, um Comitê de Auditoria) que supervisiona os trabalhos de gerenciamento de riscos corporativos na sua organização? 17% 1% Não existe 18% 22% 42% Sim Comitê de Auditoria Sim Comitê de Auditoria e Riscos Sim - Comitê de Riscos Não saberia informar 42

37 Estrutura e funcionamento do Conselho de Administração e do Comitê de Auditoria (cont.) 5) Qual a frequência das reuniões do Comitê de Auditoria? 7% 2% 21% 27% 43% Não respondeu Mensal Trimestral Bimestral Semestral 44

38 Estrutura e funcionamento do Conselho de Administração e do Comitê de Auditoria (cont.) 6) O Comitê de Auditoria tem um especialista em gerenciamento de riscos capaz de monitorar os riscos corporativos a que a empresa está exposta? 27% 12% 32% Sim Não 29% Não respondeu Não saberia informar 45

39 Estrutura e funcionamento do Conselho de Administração e do Comitê de Auditoria (cont.) 7) Avalie, segundo a sua opinião, o quão efetivo é o papel do Comitê de Auditoria no monitoramento de riscos corporativos. 8% 8% 6% Média 22% 29% 27% Alta Não aplicável/ Não sabe Muito alta Baixa Muito baixa 46

40 Estrutura e funcionamento do Conselho de Administração e do Comitê de Auditoria (cont.) 8) Segundo o Guia de Orientação para Gerenciamento de Riscos Corporativos do IBGC, o Conselho de Administração é responsável por definir o grau de apetite ao risco da organização e estabelecer as políticas quanto às responsabilidades da diretoria em avaliar a quais riscos a organização pode ficar exposta, desenvolver procedimentos para geri-los e definir as respectivas faixas de tolerância a riscos. Em sua opinião, o quão efetivo é o papel do Conselho de Administração em sua organização? Média 8% 7% 6% 27% Não aplicável/ Não sabe Alta 13% Não respondeu Muito alta 19% 20% Baixa Muito baixa 47

41 Contato Sandro Silva Sócio Risk & Compliance KPMG Rua Dr. Renato Paes de Barros, 33 São Paulo Tel:

Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC

Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC SUMÁRIO SUMÁRIO... 1 INTRODUÇÃO... 2 OBJETIVOS... 3 CONCEITOS...

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Agosto de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Continuação do Domínio de Processos PO (PO4, PO5

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Corporativos

Gerenciamento de Riscos Corporativos Gerenciamento de Riscos Corporativos Cristiano Correa de Barros Superintendência de Gestão de Finanças Corporativas Apresentador: Jorge Luiz Carvalho Brandão Belo Horizonte, maio/06 1 Gerenciamento de

Leia mais

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL Informação Pública 13/5/2016 ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 REFERÊNCIA... 3 4 CONCEITOS... 3 5 DIRETRIZES... 4 6 RESPONSABILIDADES... 7 7 INFORMAÇÕES DE CONTROLE... 10 13/5/2016 Informação

Leia mais

Risk University.

Risk University. Risk University www.kpmg.com.br Risk University Quem somos Programa de capacitação executiva modelado para fornecer aos profissionais de áreas como riscos, auditoria, controles e compliance uma plataforma

Leia mais

Implementação da Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA)

Implementação da Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA) Implementação da Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA) 20 de julho de 2015 Ref: Resolução BC nº 4327/14 1. ABRANGÊNCIA Esta política orienta o comportamento da Tática S/A D.T.V.M., que pautado

Leia mais

Desenvolvimento de um Conjunto de Processos de Governança de Tecnologia de Informação para uma Instituição de Ensino Superior

Desenvolvimento de um Conjunto de Processos de Governança de Tecnologia de Informação para uma Instituição de Ensino Superior Desenvolvimento de um Conjunto de Processos de Governança de Tecnologia de Informação para uma Instituição de Ensino Superior Ângela F. Brodbeck (Escola de Administração) Jussara I. Musse (Centro de Processamento

Leia mais

Risco de Liquidez. Um Investimentos S/A CTVM. Fev/2010 Atualização Set/ 13 Atualização Fev/14. Resolução nº 4090/12

Risco de Liquidez. Um Investimentos S/A CTVM. Fev/2010 Atualização Set/ 13 Atualização Fev/14. Resolução nº 4090/12 Risco de Liquidez Resolução nº 4090/12 Fev/2010 Atualização Set/ 13 Atualização Fev/14 Um Investimentos S/A CTVM Objetivo Estabelecer as diretrizes para o gerenciamento dos riscos de liquidez a assegurar

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA BRASKEM

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA BRASKEM ANEXO À PD.CA/BAK-37/2010 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA BRASKEM Aprovada pelo Conselho de Administração da Braskem S.A. em 29 de Novembro de 2010 1 XX/XX/10 RAE Inventimentos LE Braskem Revisão Data da

Leia mais

OBJETIVO PÚBLICO-ALVO PROGRAMA

OBJETIVO PÚBLICO-ALVO PROGRAMA Curso de Auditoria Interna, Controle Interno e Gestão de Riscos carga-horária: 16 horas OBJETIVO Fornecer aos participantes o conhecimento básico e bases técnicas e práticas fundamentais para que possam

Leia mais

José Geraldo Loureiro Rodrigues

José Geraldo Loureiro Rodrigues Governança Aplicada Autodiagnóstico de Maturidade em Governança de TI José Geraldo Loureiro Rodrigues Diretor de Sistemas e Informação Controladoria-Geral da União Analisar-se se-á os três níveis: n Governança

Leia mais

BM&FBOVESPA. Política de Controles Internos. Diretoria de Controles Internos, Compliance e Risco Corporativo. Última Revisão: março de 2013.

BM&FBOVESPA. Política de Controles Internos. Diretoria de Controles Internos, Compliance e Risco Corporativo. Última Revisão: março de 2013. BM&FBOVESPA Diretoria de Controles Internos, Compliance e Risco Corporativo Página 1 Última Revisão: março de 2013 Uso interno Índice 1. OBJETIVO... 3 2. ABRANGÊNCIA... 3 3. REFERÊNCIA... 3 4. CONCEITOS...

Leia mais

ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A.

ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. CNPJ 60.872.504/0001-23 Companhia Aberta NIRE 35300010230 RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO GESTÃO INTEGRADA DE RISCO OPERACIONAL, CONTROLES INTERNOS E COMPLIANCE Objetivo Este documento

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Normativo Interno Nº Páginas 12 (Doze) Caráter Data da Aprovação Promotor: Aprovado por: Política de Responsabilidade Socioambiental 30/09/2.015 Departamento

Leia mais

7 CONGRESSO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA. Eduarda La Rocque O Papel do Conselho na Gestão de Riscos

7 CONGRESSO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA. Eduarda La Rocque O Papel do Conselho na Gestão de Riscos 7 CONGRESSO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA Eduarda La Rocque O Papel do Conselho na Gestão de Riscos 1 Introdução Sub-Comitê de Gestão de Riscos (nov 2004) Motivação: O fortalecimento do Conselho

Leia mais

POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS

POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS Informação Pública 13/5/2016 ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 PRINCÍPIOS... 3 4 REFERÊNCIAS... 4 5 CONCEITOS... 4 6 PRERROGATIVAS... 4 7 DIRETRIZES... 5 8 RESPONSABILIDADES...

Leia mais

Auditoria e o Fator de Sucesso. Luciano Medeiros

Auditoria e o Fator de Sucesso. Luciano Medeiros Auditoria e o Fator de Sucesso Luciano Medeiros O Mercado de Auditoria No Brasil há cerca de 360 auditores PJ registrados na CVM; Há, também, por volta de 70 auditores PF com registro na CVM; Por outro

Leia mais

Critério I - Compromissos com o Desenvolvimento Sustentável

Critério I - Compromissos com o Desenvolvimento Sustentável Os trechos em destaque encontram-se no Glossário. Dimensão Geral Critério I - Compromissos com o Desenvolvimento Sustentável Indicador 1 - Compromisso Fundamental 1. A empresa, por meio de sua alta administração,

Leia mais

Riscos e Controles Internos

Riscos e Controles Internos Riscos e Controles Internos Ouvidoria: 0800-724-4010 ouvidoria@spinelli.com.br 1 Índice 1. Introdução 3 2. Objetivo 3 3. Estrutura de gerenciamento do risco operacional 4 4. Agentes da Estrutura de GRO

Leia mais

Política de Auditoria Interna

Política de Auditoria Interna Política de Auditoria Interna 22 de outubro 2013 Define a missão, a independência, a objetividade, as responsabilidades e regulamenta a função da auditoria interna. ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. PÚBLICO ALVO...

Leia mais

RIV-02 Data da publicação: 02/jun/2017

RIV-02 Data da publicação: 02/jun/2017 Resumo Descreve os componentes do SCI Sistema de Controles Internos da Riviera Investimentos e estabelece as responsabilidades e procedimentos para a sua gestão. Sumário 1. Objetivo...2 2. Público-alvo...2

Leia mais

Corporativa e Compliance

Corporativa e Compliance Lei 13.303 Lei 13.303 - Aspectos de Governança Corporativa e Compliance Aspectos de Governança 25a CONVECON Corporativa e Eliete Martins Compliance Sócia- Diretora Governança Corporativa - KPMG 25a CONVECON

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Novembro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Finalizar o conteúdo da Disciplina Governança de

Leia mais

Segurança e Auditoria de Sistemas

Segurança e Auditoria de Sistemas Segurança e Auditoria de Sistemas ABNT NBR ISO/IEC 27002 0. Introdução 1 Roteiro Definição Justificativa Fontes de Requisitos Análise/Avaliação de Riscos Seleção de Controles Ponto de Partida Fatores Críticos

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL CREDITÁ S.A. Crédito, Financiamento e Investimento

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL CREDITÁ S.A. Crédito, Financiamento e Investimento POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL CREDITÁ S.A. Crédito, Financiamento e Investimento SUMÁRIO 1. Propósito 2. Abrangência 3. Política 3.1 Princípios Fundamentais 3.2 Diretrizes Socioambientais

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Capital

Estrutura de Gerenciamento de Capital Estrutura de Gerenciamento de Capital 1. DEFINIÇÃO DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL A Resolução nº 3.988/11 do Conselho Monetário Nacional, definiu o gerenciamento de capital como o processo contínuo de: I

Leia mais

Política de Gestão de Riscos AES Brasil

Política de Gestão de Riscos AES Brasil Política de Gestão de Riscos AES Brasil 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes gerais para a Gestão de Riscos do Grupo AES no Brasil, visando conceituar e documentar os princípios de Gestão de Riscos e atividades

Leia mais

3) Qual é o foco da Governança de TI?

3) Qual é o foco da Governança de TI? 1) O que é Governança em TI? Governança de TI é um conjunto de práticas, padrões e relacionamentos estruturados, assumidos por executivos, gestores, técnicos e usuários de TI de uma organização, com a

Leia mais

POLÍTICA CORPORATIVA Responsabilidade Socioambiental

POLÍTICA CORPORATIVA Responsabilidade Socioambiental POLÍTICA - Versão: 1.0 POLÍTICA CORPORATIVA Área Reponsável: DIRETORIA DE CONTROLADORIA E COMPLIANCE 1. OBJETIVO A Política Corporativa de ( Política ) define um conjunto de princípios, diretrizes e responsabilidades

Leia mais

Integração na Coleta de dados de Segurança Operacional Gerência Executiva de Segurança Operacional

Integração na Coleta de dados de Segurança Operacional Gerência Executiva de Segurança Operacional Integração na Coleta de dados de Segurança Operacional Gerência Executiva de Segurança Operacional O QUE SOMOS? Nome: Alexsandro Silva Função: Gerente de Qualidade Operacional Atividades: Responsável pelo

Leia mais

Os processos de segurança da informação devem assegurar a integridade, a disponibilidade e a confidencialidade dos ativos de informação da Apex.

Os processos de segurança da informação devem assegurar a integridade, a disponibilidade e a confidencialidade dos ativos de informação da Apex. 1 POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Disposições Gerais Os sistemas de informação, a infraestrutura tecnológica, os arquivos de dados e as informações internas ou externas, são considerados importantes

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Setembro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Conclusão do Domínio de Processos PO (PO7 e PO8)

Leia mais

A Nova Auditoria. Rogerio Zanchi. Gerente de Auditoria Interna. Grupo Votorantim

A Nova Auditoria. Rogerio Zanchi. Gerente de Auditoria Interna. Grupo Votorantim A Nova Auditoria Rogerio Zanchi Gerente de Auditoria Interna Grupo Votorantim Precisamos mudar, mas por quê? Fatores Motivadores da Transformação Conservador ou Obsoleto? Atuação e Abordagem Pessoal Sinergia

Leia mais

GIR - Gestão Integrada de Riscos

GIR - Gestão Integrada de Riscos GIR - Gestão Integrada de Riscos Alinhado ao COSO ERM 2017, Res. 4.557/2017 CMN, ISO 31000:2009 e ISO 9000:2015 Marcos Assi MSc, CRISC, ISFS Fone: +55 11 2387-4837 Cel: +55 11 98147-0450 E-mail: marcos.assi@massiconsultoria.com.br

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DO BANCO DA AMAZÔNIA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DO BANCO DA AMAZÔNIA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DO BANCO DA AMAZÔNIA A Socioambiental (PRSA) substitui a Política Corporativa pela Sustentabilidade (2011), e incorpora a contribuição das partes interessadas

Leia mais

Por Carolina de Moura 1

Por Carolina de Moura 1 O desenvolvimento sistemático para a gestão de risco na empresa envolve um processo evolutivo. Nos últimos anos tenho testemunhado um forte interesse entre organizações, e as suas partes interessadas,

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Mercado

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Mercado Estrutura de Gerenciamento de Risco de Mercado 1. DEFINIÇÃO DE RISCO DE MERCADO Em conformidade com as disposições da Resolução nº 3.464/07, do Conselho Monetário Nacional, define-se como risco de mercado

Leia mais

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO NORTE INVESTIMENTOS ADMINISTRADORA DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL Versão 1.0 Vigência Agosto / 2016 Classificação das Informações [ X ] Uso Interno [ ] Uso Público Conteúdo

Leia mais

FIP GESTORA DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE RISCO. São Paulo, Junho de SP v1

FIP GESTORA DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE RISCO. São Paulo, Junho de SP v1 FIP GESTORA DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE RISCO São Paulo, Junho de 2016 SP - 17811769v1 POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS 1. Introdução A FIP Gestora conta com os procedimentos referentes a gestão de riscos

Leia mais

Auditoria de Meio Ambiente da SAE/DS sobre CCSA

Auditoria de Meio Ambiente da SAE/DS sobre CCSA 1 / 8 1 OBJETIVO: Este procedimento visa sistematizar a realização de auditorias de Meio Ambiente por parte da SANTO ANTÔNIO ENERGIA SAE / Diretoria de Sustentabilidade DS, sobre as obras executadas no

Leia mais

Avaliação de Riscos de Controle Interno e COSO. Prof. Jerônimo Antunes

Avaliação de Riscos de Controle Interno e COSO. Prof. Jerônimo Antunes Prof. Jerônimo Antunes 1 1. Controles Internos - Definição Conjunto de procedimentos adotados pelo Conselho de Administração, Direção e outros membros da organização, com o objetivo de proporcionar um

Leia mais

Auditoria Operacional e Contábil Prof. André Corrêa

Auditoria Operacional e Contábil Prof. André Corrêa Diretoria de Educação Continuada MBA - GESTÃO FINANCEIRA Auditoria Operacional e Contábil Prof. André Corrêa PRINCIPAIS OBJETIVOS DESTA AULA: 1. Estudar as normas de auditoria, sendo elas: profissionais,

Leia mais

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI Versão: outubro/2016 1. OBJETIVO Em concordância com as diretrizes da Política de Gerenciamento de Riscos dos Fundos e Carteiras

Leia mais

Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016

Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016 Política de Controles Internos Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016 OBJETIVO Garantir a aplicação dos princípios e boas práticas da Governança Corporativa, e que

Leia mais

Normas ISO:

Normas ISO: Universidade Católica de Pelotas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina de Qualidade de Software Normas ISO: 12207 15504 Prof. Luthiano Venecian 1 ISO 12207 Conceito Processos Fundamentais

Leia mais

Q U E R O - Q U E R O F I N A N C I A D O R A S /A

Q U E R O - Q U E R O F I N A N C I A D O R A S /A Q U E R O - Q U E R O F I N A N C I A D O R A S /A GESTÃO DE RISCOS S A N T O C R I S T O, R S G E S T Ã O D E R I S C O S DEFINIÇÃO DA ESTRUTURA DE GERENCI AMENTO DE RISCOS OPE RACIONAIS, DE CRÉDITO E

Leia mais

A empresa quantifica aspectos socioambientais nas projeções financeiras de:

A empresa quantifica aspectos socioambientais nas projeções financeiras de: Os trechos em destaque encontram-se no Glossário. Dimensão Econômica Critério I - Estratégia Indicador 1 - Planejamento Estratégico 1. Assinale os objetivos que estão formalmente contemplados no planejamento

Leia mais

BM&FBOVESPA. Política de Gestão de Riscos Corporativos. Diretoria de Controles Internos, Compliance e Risco Corporativo. Última Revisão: março de 2013

BM&FBOVESPA. Política de Gestão de Riscos Corporativos. Diretoria de Controles Internos, Compliance e Risco Corporativo. Última Revisão: março de 2013 BM&FBOVESPA Diretoria de Controles Internos, Compliance e Risco Corporativo Página 1 Última Revisão: março de 2013 Uso interno Índice 1. OBJETIVO... 3 2. ABRANGÊNCIA... 3 3. REFERÊNCIA... 3 4. CONCEITOS...

Leia mais

POLÍTICA ENGAJAMENTO DE STAKEHOLDERS ÍNDICE. 1. Objetivo...2. 2. Abrangência...2. 3. Definições...2. 4. Diretrizes...3. 5. Materialidade...

POLÍTICA ENGAJAMENTO DE STAKEHOLDERS ÍNDICE. 1. Objetivo...2. 2. Abrangência...2. 3. Definições...2. 4. Diretrizes...3. 5. Materialidade... ENGAJAMENTO DE STAKEHOLDERS Folha 1/8 ÍNDICE 1. Objetivo...2 2. Abrangência...2 3. Definições...2 4. Diretrizes...3 5. Materialidade...7 Folha 2/8 1. Objetivos 1. Estabelecer as diretrizes que devem orientar

Leia mais

POLÍTICA GESTÃO DE RISCOS CORPORATIVOS

POLÍTICA GESTÃO DE RISCOS CORPORATIVOS POLÍTICA GESTÃO DE RISCOS CORPORATIVOS Página 1 / 7 Revisão 00 Elaborado em: 14/03/2017 Válido até: 14/03/2018 1. OBJETIVO O processo de Gestão de Riscos Corporativos tem como objetivo garantir a identificação

Leia mais

Linhas de defesa - papéis das áreas de gestão de riscos, controles internos e auditoria interna

Linhas de defesa - papéis das áreas de gestão de riscos, controles internos e auditoria interna Linhas de defesa - papéis das áreas de gestão de riscos, controles internos e auditoria interna Riscos e Controles Controles internos (da gestão) Processo conduzido para atingir objetivos Meio para um

Leia mais

REALIZAR MAIS Sustentabilidade

REALIZAR MAIS Sustentabilidade REALIZAR MAIS Sustentabilidade Grupo Banco Espírito Santo Índice Cultura de cidadania empresarial no modelo de : uma visão integrada para a sustentabilidade ADN Realizar Mais: pioneirismo e profundidade

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO Pág.: 1/14 3/ OBJETIVO Política de Gestão de Risco Assegurar o atingimento dos objetivos e das estratégias de negócio, identificando e comunicando tempestivamente a necessidade

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DE RISCOS

MANUAL DE GESTÃO DE RISCOS MANUAL DE GESTÃO DE RISCOS DA JUNHO 2016 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1. Objetivo... 3 2. POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 2.1. Diretrizes... 3 3. RISCO DE MERCADO... 4 4. RISCO DE LIQUIDEZ... 5 4.1. Introdução...

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Capital

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Capital Estrutura de Gerenciamento de Risco de Capital BANCO CARGILL 1/7 O documento à seguir trata da estrutura de risco de capital, bem como seus principais processos e procedimentos. OBJETIVO O objetivo desta

Leia mais

Sustentabilidade nas instituições financeiras Uma visão sobre a gestão de riscos socioambientais

Sustentabilidade nas instituições financeiras Uma visão sobre a gestão de riscos socioambientais Sustentabilidade nas instituições financeiras Uma visão sobre a gestão de riscos socioambientais Como as instituições financeiras devem tratar a gestão de riscos socioambientais? O crescente processo de

Leia mais

Auditoria Contínua Uma visão do IIA Global. Oswaldo Basile, CIA, CCSA, QAR. CEO Trusty Consultores Presidente IIA Brasil

Auditoria Contínua Uma visão do IIA Global. Oswaldo Basile, CIA, CCSA, QAR. CEO Trusty Consultores Presidente IIA Brasil Auditoria Contínua Uma visão do IIA Global Oswaldo Basile, CIA, CCSA, QAR. CEO Trusty Consultores Presidente IIA Brasil Normas Internacionais para a Prática Profissional - NIPP Elementos - NIPP Definição

Leia mais

WORKSHOP SOBRE CONTROLOS INTERNOS Abril/2016

WORKSHOP SOBRE CONTROLOS INTERNOS Abril/2016 WORKSHOP SOBRE CONTROLOS INTERNOS Abril/2016 Organizações de todos os tipos e tamanhos enfrentam influências e fatores internos e externos que tornam incerto se e quando elas atingirão seus objetivos.

Leia mais

Gestão de riscos corporativos Como proteger e aumentar o valor

Gestão de riscos corporativos Como proteger e aumentar o valor Gestão de riscos corporativos Como proteger e aumentar o valor Advisory www.kpmg.com.br Gestão de riscos corporativos Como proteger e aumentar o valor Nos mercados de hoje, as empresas são submetidas a

Leia mais

Tipos de Indicadores. Conceito. O que medir... 25/08/2016

Tipos de Indicadores. Conceito. O que medir... 25/08/2016 Tipos de Indicadores 1 Conceito Características mensuráveis de processos, produtos ou serviços, utilizadas pela organização para acompanhar, avaliar e melhorar o seu desempenho ; OS INDICADORES NECESSITAM

Leia mais

RELATÓRIO DA ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO RISCO OPERACIONAL

RELATÓRIO DA ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO DA ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO RISCO OPERACIONAL EXERCÍCIO 2015 A Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Empregados, Aposentados e Pensionistas da Companhia Estadual de Energia Elétrica e

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versão 3.0 Setembro 2016 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Conceitos... 3 3 Referências... 4 4 Princípios... 4 5 Diretrizes... 6 5.1 Identificação dos riscos...

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Agosto de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Modelo de Maturidade de Processos Domínio de Processos:

Leia mais

Sumário. 1. Política de Sustentabilidade da Rede D Or São Luiz Objetivos Abrangência Diretrizes...2

Sumário. 1. Política de Sustentabilidade da Rede D Or São Luiz Objetivos Abrangência Diretrizes...2 Rede D Or São Luiz Sumário 1. Política de Sustentabilidade da Rede D Or São Luiz...2 1.1. Objetivos...2 1.2. Abrangência...2 1.3. Diretrizes...2 Diretriz Econômica...2 Diretriz Social...3 Diretriz Ambiental...4

Leia mais

Políticas Corporativas

Políticas Corporativas 1 IDENTIFICAÇÃO Título: Restrições para Uso: POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Acesso Controle Livre Reservado Confidencial Controlada Não Controlada Em Revisão 2 - RESPONSÁVEIS Etapa Área Responsável

Leia mais

Estrutura de gerenciamento do risco de mercado

Estrutura de gerenciamento do risco de mercado 1. Sistema Sicoob Estrutura de gerenciamento do risco de mercado A estrutura de gerenciamento do risco de mercado das cooperativas do Sicoob é composta da seguinte forma: 2. Principais competências dos

Leia mais

RELATÓRIO DA ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO RISCO OPERACIONAL

RELATÓRIO DA ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO DA ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO RISCO OPERACIONAL EXERCÍCIO 2016 A Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Empregados, Aposentados e Pensionistas da Companhia Estadual de Energia Elétrica e

Leia mais

POLÍTICA DE CONTINUIDADE DE NEGÓCIOS

POLÍTICA DE CONTINUIDADE DE NEGÓCIOS Política de Continuidade de Ne POLÍTICA DE CONTINUIDADE DE NEGÓCIOS 11/08/2017 INFORMAÇÃO PÚBLICA SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 REFERÊNCIAS... 3 4 CONCEITOS... 3 5 DIRETRIZES... 4 6 RESPONSABILIDADES...

Leia mais

PLATAFORMA GLOBAL DE DEFESA DA PROFISSÃO

PLATAFORMA GLOBAL DE DEFESA DA PROFISSÃO PLATAFORMA GLOBAL DE DEFESA DA PROFISSÃO SOBRE O INSTITUTO DE AUDITORES INTERNOS The Institute of Internal Auditors (IIA) é a voz global da profissão de auditoria interna, autoridade reconhecida e principal

Leia mais

Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo - SABESP

Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo - SABESP RELATÓRIO ANUAL RESUMIDO DO COMITÊ DE AUDITORIA - 2016 Aos Conselheiros de Administração da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo 1. APRESENTAÇÃO O Comitê de Auditoria (Comitê) da Companhia

Leia mais

2014 RJ Gestão de riscos como geração de valor e defesa contra crises

2014 RJ Gestão de riscos como geração de valor e defesa contra crises 2014 RJ Gestão de riscos como geração de valor e defesa contra crises Visão do Financiador e Investidor Institucional Renê Sanda Membro do Conselho de Administração da CPFL e do FGC Comunidade de Conselheiros

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS CORPORATIVOS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS CORPORATIVOS Classificação das Informações 24/9/2015 Confidencial [ ] Uso Interno [ X ] Uso Público ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 REFERÊNCIA... 3 4 CONCEITOS... 3 5 DIRETRIZES... 5 6 RESPONSABILIDADES...

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Risco De Crédito

Estrutura de Gerenciamento de Risco De Crédito Estrutura de Gerenciamento de Risco De Crédito 1. DEFINIÇÃO E TIPOS DE RISCO DE CRÉDITO A Resolução nº 3.721/09, do Conselho Monetário Nacional, definiu Risco de Crédito como a possibilidade de ocorrência

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Unidade VI Planejamento Estratégico de TI. Luiz Leão

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Unidade VI Planejamento Estratégico de TI. Luiz Leão Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo Programático 6.1 Governança de tecnologia da Informação 6.2 Planejamento e Controle da TI 6.3 O Papel Estratégico da TI para os Negócios 6.4

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS ASPECTOS GERAIS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS ASPECTOS GERAIS 1. OBJETIVO Definir a Política de Gerenciamento do Capital - PGC para as empresas que compõem o conglomerado Fator, em cumprimento às disposições da Resolução do CMN Nº 3988/2011. 2. CANCELAMENTO / SUBSTITUIÇÃO

Leia mais

Política de segurança da informação Normas

Política de segurança da informação Normas Política de Segurança das Informações Prof. Luiz A. Nascimento Auditoria e Segurança de Sistemas Anhanguera Taboão da Serra Normas 2 BS 7799 (elaborada pela British Standards Institution). ABNT NBR ISO/IEC

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DAS ORGANIZAÇÕES (ASPECTO AMBIENTAL)

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DAS ORGANIZAÇÕES (ASPECTO AMBIENTAL) PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DAS ORGANIZAÇÕES (ASPECTO AMBIENTAL) EVOLUÇÃO DA ORGANIZAÇÃO ONTEM (MERCADO FECHADO E PROTEGIDO): CUSTOS + LUCRO = PREÇO DE VENDA A PROTEÇÃO AMBIENTAL é vista como um fator de

Leia mais

Gestão de Controles Internos COSO e as 3 Linhas de Defesa

Gestão de Controles Internos COSO e as 3 Linhas de Defesa Gestão de Controles Internos COSO e as 3 Linhas de Defesa Rodrigo Fontenelle, CGAP,CCSA,CRMA CGE TOP Agenda Base Normativa. Por quê precisamos falar sobre isso? COSO O Modelo das 3 Linhas de Defesa Enfoque

Leia mais

PLANEJAMENTO E EXECUÇÃO DA ESTRATÉGIA NO VITÓRIA APART HOSPITAL. Estudo de Caso

PLANEJAMENTO E EXECUÇÃO DA ESTRATÉGIA NO VITÓRIA APART HOSPITAL. Estudo de Caso PLANEJAMENTO E EXECUÇÃO DA ESTRATÉGIA NO VITÓRIA APART HOSPITAL Estudo de Caso Sobre o Vitória Apart Hospital Institucional Desde a sua fundação, em 2001, o Vitória Apart Hospital atua com o objetivo de

Leia mais

Pesquisa de Auditoria Interna

Pesquisa de Auditoria Interna Pesquisa de Auditoria Interna - IARCS 1 Pesquisa de Auditoria Interna IARCS kpmg.com/br 2 Pesquisa de Auditoria Interna - IARCS PREFÁCIO A Auditoria Interna tem sido considerada nas companhias como sua

Leia mais

O objetivo era maquiar suas contas a fim de que o país preenchesse os requisitos para ingressar na Zona do Euro, a moeda única europeia.

O objetivo era maquiar suas contas a fim de que o país preenchesse os requisitos para ingressar na Zona do Euro, a moeda única europeia. RISCO OPERACIONAL RISCO OPERACIONAL Em 2009, a situação da Grécia se complicou. Autoridades revisaram os relatórios financeiros e revelaram uma falsificação generalizada dos dados sobre o deficit e a dívida

Leia mais

PROINTER Projeto Integrador aula 7 Prof. Me. Érico Pagotto

PROINTER Projeto Integrador aula 7 Prof. Me. Érico Pagotto PROINTER Projeto Integrador aula 7 Prof. Me. Érico Pagotto Gerenciamento de Riscos em Projetos Conceitos, ferramentas e técnicas para gerenciamento de ricos em projetos Utilização dos métodos propostos

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCOS BANCO ABN AMRO S.A. Setembro de 2013

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCOS BANCO ABN AMRO S.A. Setembro de 2013 RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCOS BANCO ABN AMRO S.A. Setembro de 2013 SP Rua Leopoldo Couto de Magalhães Júnior, 700, 4º andar Itaim Bibi São Paulo SP CEP: 04542000 Tel: (11) 30737400 Fax: (11) 30737404

Leia mais

4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO

4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO 4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO A planilha de atendimento às metas do projeto é apresentada na sequência. Metas Proporcionar os elementos necessários para que seja definido o processo

Leia mais

Gerenciamento por Categorias ao Alcance de Todos

Gerenciamento por Categorias ao Alcance de Todos Gerenciamento por Categorias ao Alcance de Todos Uma solução prática p/ a sua realidade Palestrantes: Margarida R. Valente (Johnson&Johnson) Paula M. Oliveira (Colgate Palmolive) Agradecimentos Comitê

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS E CONTROLES INTERNOS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS E CONTROLES INTERNOS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS E CONTROLES INTERNOS ÍNDICE 1. Objetivo... 3 2. Metodologias Adotadas... 4 2.1. Metodologia para Estruturar o Processo... 4 2.2. Metodologia para Definir como Identificar os

Leia mais

Indicadores de Desempenho

Indicadores de Desempenho Indicadores de Desempenho 1 Conceito Características mensuráveis de processos, produtos ou serviços, utilizadas pela organização para acompanhar, avaliar e melhorar o seu desempenho. OS INDICADORES NECESSITAM

Leia mais

RISCO DE CRÉDITO Estrutura Organizacional Gerenciamento de Riscos Banco Fidis S.A.

RISCO DE CRÉDITO Estrutura Organizacional Gerenciamento de Riscos Banco Fidis S.A. RISCO DE CRÉDITO Estrutura Organizacional A estrutura para gestão de riscos do Banco Fidis deverá ser composta de Comitê de Cobrança e Risco, que é o órgão com responsabilidade de gerir o Risco de Crédito,

Leia mais

Seminário Nacional NTU Lei Anticorrupção e Programa de Compliance. Lélis Marcos Teixeira

Seminário Nacional NTU Lei Anticorrupção e Programa de Compliance. Lélis Marcos Teixeira Seminário Nacional NTU - 2014 Lei Anticorrupção e Programa de Compliance Lélis Marcos Teixeira 28/agosto/2014 Iniciativas FETRANSPOR Lei 12.846/2013 Agenda Abertura Histórico Iniciativas Dúvidas Encerramento

Leia mais

POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS

POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS JUNHO DE 2016 Sumário POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS... 3 1 Objetivo... 3 2 Abrangência... 3 3 Princípios Norteadores... 3 4 Diretrizes... 4 5 Responsabilidades... 4 6 Endereço

Leia mais

onvergência dos Processos

onvergência dos Processos onvergência dos Processos de Gestão de Riscos, Auditoria Interna, Controles Internos e Compliance Situação Atual Convergência Funções e Atividades (Situação Atual) Acionistas Processo de informação e divulgação

Leia mais

EUS CTIS END USER SUPPORT. case eus ctis

EUS CTIS END USER SUPPORT. case eus ctis 01 EUS CTIS END USER SUPPORT case eus ctis 01 TELESSERVIÇOS/TELEMARKETING Prestação de telesserviços (telemarketing) no atendimento e suporte operacional e tecnológico aos produtos, serviços e sistemas

Leia mais

Políticas Organizacionais

Políticas Organizacionais Políticas Organizacionais Versão 1.4 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 11/10/2012 1.0 Revisão das políticas EPG 26/11/2012 1.1 Revisão do Item de customização EPG 24/10/2013 1.2 Revisão

Leia mais

Morgan Stanley Administradora de Carteiras S.A. Estrutura de Gestão de Risco Política

Morgan Stanley Administradora de Carteiras S.A. Estrutura de Gestão de Risco Política Morgan Stanley Administradora de Carteiras S.A. Estrutura de Gestão de Risco Política Data Efetiva 12 de Agosto de 2016 Departmento Responsável Aprovado por Informação de Contato Diretoria de Riscos Gerente

Leia mais

MENOS DE 10% DAS ESTRATÉGIAS EFETIVAMENTE SÃO EFICIENTEMENTES EXECUTADAS. NA MAIORIA DAS FALHAS O PROBLEMA NÃO É ESTRATÉGIA RUIM, É EXECUÇÃO RUIM

MENOS DE 10% DAS ESTRATÉGIAS EFETIVAMENTE SÃO EFICIENTEMENTES EXECUTADAS. NA MAIORIA DAS FALHAS O PROBLEMA NÃO É ESTRATÉGIA RUIM, É EXECUÇÃO RUIM Revista Fortune 2006 MENOS DE 10% DAS ESTRATÉGIAS EFETIVAMENTE SÃO EFICIENTEMENTES EXECUTADAS. NA MAIORIA DAS FALHAS O PROBLEMA NÃO É ESTRATÉGIA RUIM, É EXECUÇÃO RUIM LEGISLAÇÃO Comitê Basiléia: O risco

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Risco de Crédito Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Conforme a resolução 3.721 do Banco Central do Brasil, define-se risco de crédito como a possibilidade de ocorrência de perdas associadas

Leia mais

Título do Slide Máximo de 2 linhas

Título do Slide Máximo de 2 linhas Título do Slide 13ª Seminário Internacional de Gerenciamento de Projetos Visibilidade ponta a ponta dos Projetos de Software da DATAPREV Denise Cascardo Luz Silva 17/09/13 AGENDA Título do Slide A DATAPREV

Leia mais

As visões de Negócio. Analista de Negócio 3.0. Segundo Módulo: Parte 2

As visões de Negócio. Analista de Negócio 3.0. Segundo Módulo: Parte 2 Segundo Módulo: Parte 2 As visões de Negócio 1 Quais são visões de Negócio? Para conhecer o negócio o Analista de precisa ter: - Visão da Estratégia - Visão de Processos (Operação) - Visão de Valor da

Leia mais

Política de Gestão de Riscos Junho 2016

Política de Gestão de Riscos Junho 2016 Política de Gestão de Riscos Junho 2016 Elaboração: Risco Aprovação: Comex Classificação do Documento: Público ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. ABRANGÊNCIA... 3 3. IDENTIFICAÇÃO E DESCRIÇÃO DOS RISCOS... 3 4.

Leia mais

Governança aplicada à Gestão de Pessoas

Governança aplicada à Gestão de Pessoas Governança de pessoal: aperfeiçoando o desempenho da administração pública Governança aplicada à Gestão de Pessoas Ministro substituto Marcos Bemquerer Brasília DF, 15 de maio de 2013 TCU Diálogo Público

Leia mais