RESOLUÇÃO n o 002, de 28 de fevereiro de 2000

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESOLUÇÃO n o 002, de 28 de fevereiro de 2000"

Transcrição

1 RESOLUÇÃO n o 002, de 28 de fevereiro de 2000 Aprova Regimento da Assessoria Jurídica da FUNREI ASJUR O Presidente do Conselho Deliberativo Superior da Fundação de Ensino Superior de São João del-rei FUNREI, no uso de suas atribuições e com base no art. 11, inciso V do Estatuto da FUNREI e no Parecer 002/2000 desse mesmo Conselho, RESOLVE: Art. 1 o Aprovar o Regimento Interno da Assessoria Jurídica, da FUNREI, que constitui anexo desta Resolução. Art. 2 o Revogar as disposições em contrário. São João del-rei, 28 de fevereiro Prof. Mario Neto Borges Presidente do Conselho Deliberativo Superior Publicada nos quadros da FUNREI, em 02/03/2000

2 2 REGIMENTO INTERNO DA ASSESSORIA JURÍDICA DA FUNREI CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1 o A Assessoria Jurídica da Fundação de Ensino Superior de São João del-rei - FUNREI, órgão executivo de assessoramento especial, diretamente subordinado ao Gabinete do Diretor Executivo, nos termos do art. 23 do Estatuto, vinculado à Advocacia Geral da União, conforme disposto no 3 o, do art. 2 o, da Lei Complementar n o 73, de 10 de fevereiro de 1993 c/c Lei 9704/99, tem como finalidade a defesa judicial e extrajudicial dos interesses da União no âmbito desta IFES bem como as atividades de consultoria e assessoramento jurídico à administração fundacional, e reger-se-á pelo presente Regimento. Parágrafo Único. São membros do Serviço Jurídico da FUNREI todos os servidores técnicoadministrativos investidos nos cargos de Procurador, Assistente Jurídico e Advogado, lotados nesta Instituição Federal de Ensino Superior. CAPÍTULO II DA ESTRUTURA BÁSICA Art. 2 o A Assessoria Jurídica tem a seguinte estrutura básica: I - Chefia; II - Procuradores; III - Secretaria. Parágrafo Único. Será criado na Assessoria Jurídica um Centro de Estudos Jurídicos, cuja finalidade, objetivo, estrutura e funcionamento serão definidos em regulamento próprio, devidamente aprovado pelo Procurador-Chefe. Art. 3 o O cargo de Procurador-Chefe será provido por livre escolha e nomeação do Diretor Executivo, respeitada a legislação em vigor. Art. 4 o A Secretaria será ocupada por servidor indicado pela Diretoria de Recursos Humanos, ouvido o Procurador-Chefe e designado pelo Diretor Executivo para as funções correspondentes. Art. 5 o O Procurador-Chefe indicará ao Diretor Executivo o servidor que o substituirá nos casos de impedimentos legais e eventuais, para expedição dos competentes atos de designação. CAPÍTULO III DAS COMPETÊNCIAS Art. 6 o Compete à Assessoria Jurídica: I - defender os interesses da FUNREI nas causas em que for autora, ré, opoente, interveniente ou assistente, perante qualquer Juízo ou Tribunal; II - exercer atividade de assessoramento, quando solicitada, em processos administrativos e de consultoria jurídica, emitindo pareceres, respondendo a consultas e prestando informações sobre aspectos de natureza jurídico-legal em assuntos da administração fundacional;

3 III - apurar a liquidez e certeza dos créditos de qualquer natureza, inerentes às atividades desenvolvidas pela FUNREI, inscrevendo-os em dívida ativa, para fins de cobrança amigável ou judicial; IV - orientar e acompanhar o cumprimento das decisões judiciais; V - interpretar a Constituição, as Leis, os Tratados, o Estatuto, o Regimento Geral, a Legislação Interna, a Legislação Administrativa e os Atos Jurídicos, no âmbito desta IFES; VI - avocar autos de processos e expedientes administrativos, em tramitação ou arquivados, quando relacionados com matéria em exame na Assessoria Jurídica; VII - propor às autoridades universitárias providências jurídicas e administrativas de interesse para a FUNREI; VIII - manter entendimentos com entidades públicas e/ou particulares, relativamente aos assuntos de natureza jurídica em que a FUNREI for interessada; IX - zelar pela observância do Estatuto, do Regimento Geral, dos Regimentos dos órgãos fundacionais e outras normas, sempre que tiver conhecimento de qualquer transgressão aos seus dispositivos; X - manter atualizados os seus arquivos relativos à legislação, jurisprudência e doutrina; XI - assessorar o Diretor Executivo em assuntos de natureza jurídica relativa aos atos a serem por ele praticados ou já efetivados, assim como os de outros órgãos internos, atendendo determinação do Diretor Executivo; XII - propor modificações neste Regimento Interno e demais atos normativos; XIII - manifestar-se, previamente, sobre os concursos públicos para provimento dos cargos da carreira jurídica; XIV - examinar, prévia e consultivamente: a) os textos de edital de licitação e concursos, bem como os respectivos contratos ou instrumentos congêneres, a serem publicados e celebrados; b) os atos pelos quais se vão reconhecer a inexigibilidade, ou decidir sobre a dispensa de licitação; XV - apresentar estatística e relatórios periódicos das atividades específicas desempenhadas; XVI -exercer as demais atividade inerentes à natureza do órgão, inclusive desenvolver a atuação jurídica preventiva no âmbito da FUNREI; XVII - preparar informações que devam ser prestadas às autoridades judiciárias em Mandados de Segurança e as respostas nos demais casos em que a Instituição for, em Juízo, autora ou ré, opoente, assistente ou interveniente; XVIII- manter controle atualizado do andamento das causas e demais processos judiciais de interesse da IFES; XIX - acompanhar as publicações de jurisprudência e outras decisões emanadas dos poderes constituídos, mantendo constante atualização da legislação. Art. 7 o Compete à Secretaria: 3

4 I - atender ao expediente e preparar a correspondência; 4 II - organizar e manter em funcionamento o serviço de protocolo e arquivo; III - executar os serviços de digitação, mecanografia e providenciar a reprografia de documentos e papéis; IV -prover e controlar a utilização dos materiais de consumo necessários aos serviços; V - supervisionar os serviços de manutenção, limpeza e segurança; VI - zelar pela guarda e conservação dos equipamentos e materiais permanentes alocados na Assessoria Jurídica; VII - fornecer subsídios para a elaboração de relatórios das atividades da Assessoria Jurídica; VIII - preparar a freqüência do pessoal lotado na Assessoria Jurídica; IX- atender e encaminhar a quem de direito as pessoas que se dirigem à Assessoria Jurídica; X - exercer atividades outras inerentes à natureza do serviço, quando lhe forem cometidas pela Assessoria Jurídica. CAPÍTULO IV DAS ATRIBUIÇÕES Art. 8 o São atribuições do Procurador Chefe: I - planejar, orientar, dirigir, coordenar e controlar as atividades executadas na Assessoria Jurídica; II - aprovar ou não, com a devida justificativa, os pareceres emitidos pelos membros da Assessoria Jurídica; III - despachar diretamente com o Diretor Executivo; IV - dirigir-se a qualquer das autoridades da Universidade, especialmente para obter subsídios necessários à defesa dos interesses da Instituição; V- delegar ou subdelegar competências; VI - aprovar, anualmente, a escala de férias do pessoal em exercício na Assessoria Jurídica; VII - opinar sobre a lotação e planejar o redimensionamento do quadro da Assessoria Jurídica; VIII - exercer a gestão administrativa; IX - reunir, ordinariamente, em periodicidade mensal, ou extraordinariamente, quando necessário, os membros do Serviço Jurídico ou do quadro administrativo da Assessoria Jurídica; X - propor treinamento e/ou requalificação para os membros do Serviço Jurídico ou do quadro administrativo da Assessoria Jurídica; XI - apresentar estatísticas e relatórios periódicos das atividades específicas desempenhadas; XII - assistir ao Diretor Executivo no controle interno da legalidade dos atos da Administração;

5 XIII - sugerir ao Diretor Executivo medidas de caráter jurídico reclamadas pelo interesse público; XIV - desempenhar outras atribuições inerentes à natureza da sua função, sempre que lhe forem cometidas pela Diretoria Executiva. XV - adotar todas as medidas e providências necessárias para o exercício do poder disciplinar no âmbito de sua competência. Art. 9 o São atribuições dos membros do Serviço Jurídico da Assessoria Jurídica: I - praticar todos os atos de competência da Assessoria Jurídica, que não forem privativos do Procurador-Chefe; II - comparecer em juízo e efetivar todos os atos de natureza processual; III - emitir pareceres e redigir petições, bem como aprovar convênios, acordos, ajustes e quaisquer outros documentos de natureza jurídica; IV - requisitar, por intermédio da Diretoria Executiva, informações e documentos necessários à defesa dos interesses da FUNREI; V - acompanhar, pela leitura do órgão oficial de divulgação a jurisprudência jurídicoadministrativa, bem como a publicação dos atos judiciais proferidos nas causas de interesse da Instituição; VI - receber citações, intimações e notificações; VII - apresentar estatística e relatórios periódicos das atividades específicas desempenhadas; VIII - desempenhar outras atribuições inerentes à natureza do cargo ocupado, sempre que lhe forem cometidas pelo Procurador Chefe. 5 CAPÍTULO V DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 10 Os integrantes do Serviço Jurídico poderão ter exercício em outra subunidade da FUNREI, atendendo aos interesses Institucionais, sem prejuízo das prerrogativas do cargo e nos termos da legislação pertinente. Parágrafo Único. Os servidores que exercerem suas atividade fora da Assessoria Jurídica, deverão apresentar estatística e relatórios periódicos de todas as suas atividades específicas desempenhadas. Art. 11 Os membros do Serviço Jurídico são livres e independentes nas suas opiniões e convicções de natureza técnico-jurídica, nos termos da Lei nº 8.906/94. Parágrafo Único. No caso de divergência em matéria de natureza técnico-jurídica, entre a convicção do Procurador-Chefe e membros do Serviço Jurídico cujo processo lhes tenha sido distribuído, os pareceres divergentes deverão ser juntados aos Autos, com a devida fundamentação, para análise e apreciação superior. Art. 12 A Assessoria Jurídica pode solicitar, por intermédio do Diretor Executivo, que o órgão incumbido do cumprimento de medidas judiciais ou decorrentes de parecer aprovado ou homologado pelo Diretor Executivo, informe a maneira como foram elas cumpridas.

6 6 Art. 13 O pedido de pronunciamento da Assessoria Jurídica, para dirimir dúvidas de natureza jurídica ou administrativa, far-se-á por intermédio do Diretor Executivo, devendo ser devidamente justificado. Art. 14 Os pedidos de informações, diligências e requisições formalizados e originados na Assessoria Jurídica são prioritários e deverão ser atendidos pelos órgãos da Instituição no prazo determinado. Art. 15 Anualmente, deverá ser elaborada previsão para treinamento e/ou aperfeiçoamento profissional do pessoal técnico e administrativo lotado na Assessoria Jurídica, incluindo a participação em cursos, seminários, congressos e eventos congêneres, a ser submetido à apreciação e aprovação da Diretoria Executiva. Parágrafo Único. A participação nos eventos referidos neste artigo importará, necessariamente, em apresentação de relatório. Art. 16 Os casos omissos e as dúvidas suscitadas na aplicação do presente Regimento, serão resolvidos pelo Procurador-Chefe, nos termos deste. CAPÍTULO VI DAS DISPOSIÇÕES FINAIS E TRANSITÓRIAS Art. 17 Este regimento entra em vigor na data de sua aprovação pelo Órgão competente, revogadas as disposições em contrário. São João del-rei, 28 de fevereiro de 2000

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA PORTARIA Nº 754, DE 3 DE OUTUBRO DE 2006

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA PORTARIA Nº 754, DE 3 DE OUTUBRO DE 2006 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA PORTARIA Nº 754, DE 3 DE OUTUBRO DE 2006 O MINISTRO DE ESTADO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da

Leia mais

Ato Normativo nº 556/2008-PGJ, de 15/10/2008 (Pt. n 125.501/08)

Ato Normativo nº 556/2008-PGJ, de 15/10/2008 (Pt. n 125.501/08) Ato Normativo nº 556/2008-PGJ, de 15/10/2008 (Pt. n 125.501/08) Dispõe sobre a organização e as atribuições da Assessoria Policial Militar no Ministério Público do Estado de São Paulo O PROCURADOR-GERAL

Leia mais

NÚCLEO DE MISSÕES E CRESCIMENTO DE IGREJA FACULDADE ADVENTISTA DE TEOLOGIA (FAT) UNASP REGULAMENTO

NÚCLEO DE MISSÕES E CRESCIMENTO DE IGREJA FACULDADE ADVENTISTA DE TEOLOGIA (FAT) UNASP REGULAMENTO Texto Aprovado CONSU Nº 2009-14 - Data: 03/09/09 PRÓ-REITORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE MISSÕES E CRESCIMENTO DE IGREJA FACULDADE ADVENTISTA DE TEOLOGIA (FAT) UNASP REGULAMENTO Conforme Regimento do UNASP Artigo

Leia mais

CAPÍTULO II DA ESTRUTURA DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

CAPÍTULO II DA ESTRUTURA DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES, que dispõe sobre a estruturação e operacionalização do Núcleo de Prática Jurídica - NUPRAJUR

Leia mais

REGIMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA NA EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL DA UNIVERSIDADE DE UBERABA (Aprovado pelo CEEA / UNIUBE em 28/03/2012) Capítulo I Do Comitê

REGIMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA NA EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL DA UNIVERSIDADE DE UBERABA (Aprovado pelo CEEA / UNIUBE em 28/03/2012) Capítulo I Do Comitê REGIMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA NA EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL DA UNIVERSIDADE DE UBERABA (Aprovado pelo CEEA / UNIUBE em 28/03/2012) Capítulo I Do Comitê Art. 1º - O Comitê de Ética na Experimentação Animal (CEEA)

Leia mais

REGIMENTO DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS CAPÍTULO I FINALIDADE E COMPETÊNCIA

REGIMENTO DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS CAPÍTULO I FINALIDADE E COMPETÊNCIA REGIMENTO DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS CAPÍTULO I FINALIDADE E COMPETÊNCIA Art. 1º - A Secretaria de Relações Institucionais SERIN, criada pela Lei nº 10.549, de 28 de dezembro de 2006, tem

Leia mais

TÍTULO I DA ADMINISTRAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

TÍTULO I DA ADMINISTRAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL TÍTULO I DA ADMINISTRAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Art. 1º O Ministério Público Federal tem a seguinte estrutura administrativa: I - Procuradoria-Geral da República; II - Procuradorias Regionais da

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI. Conselho Universitário - CONSU

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI. Conselho Universitário - CONSU MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI Conselho Universitário - CONSU RESOLUÇÃO N.º XXX CONSU, DE XXX DE XXX DE 2014. RESOLVE: Estabelece o Regimento Interno e

Leia mais

REGIMENTO DO COMITÊ GESTOR DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA IFFARROUPILHA

REGIMENTO DO COMITÊ GESTOR DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA IFFARROUPILHA REGIMENTO DO COMITÊ GESTOR DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA IFFARROUPILHA CAPÍTULO I DAS ATRIBUIÇÕES Art. 1 o São atribuições do Comitê Gestor de Segurança da Informação: I.

Leia mais

ATO Nº 1, DE 28 FEVEREIRO DE TÍTULO I DA PROCURADORIA JURÍDICA TÍTULO II DA ESTRUTURA

ATO Nº 1, DE 28 FEVEREIRO DE TÍTULO I DA PROCURADORIA JURÍDICA TÍTULO II DA ESTRUTURA ATO Nº 1, DE 28 FEVEREIRO DE 2003. Disciplina os serviços internos da Procuradoria Jurídica da Fundação Universidade de Brasília, define competências e dá outras providências. O PROCURADOR-GERAL DA FUNDAÇÃO

Leia mais

Planejar, coordenar e orientar as atividades relacionadas às áreas: Financeira

Planejar, coordenar e orientar as atividades relacionadas às áreas: Financeira Diretoria Administrativo-Financeira Planejar, coordenar e orientar as atividades relacionadas às áreas: Administrativa Gestão de pessoas Financeira Planejar, coordenar e orientar as atividades relacionadas

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Curitiba COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA NA EDUCAÇÃO REGULAMENTO INTERNO -

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Curitiba COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA NA EDUCAÇÃO REGULAMENTO INTERNO - Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Curitiba COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA NA EDUCAÇÃO REGULAMENTO INTERNO - CAPÍTULO I Da Natureza, das Finalidades e dos Objetivos Art.

Leia mais

Regimento da Comissão Interna de Supervisão do Plano de Carreira dos Cargos Técnico- Administrativos em Educação

Regimento da Comissão Interna de Supervisão do Plano de Carreira dos Cargos Técnico- Administrativos em Educação MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO Regimento da Comissão Interna de Supervisão do Plano de Carreira dos Cargos Técnico- Administrativos em Educação Aprovado pela Resolução

Leia mais

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE GOIANIA LTDA FACULDADE PADRÃO SUMÁRIO REGULAMENTO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DOS CURSOS 2 CAPÍTULO I 2

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE GOIANIA LTDA FACULDADE PADRÃO SUMÁRIO REGULAMENTO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DOS CURSOS 2 CAPÍTULO I 2 SUMÁRIO REGULAMENTO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DOS CURSOS 2 CAPÍTULO I 2 DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS 2 CAPITULO II 2 DO COLEGIADO DOS CURSOS 2 CAPITULO III 3 MANDATOS DO COLEGIADO DO CURSO 3 CAPÍTULO

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013 A Presidente do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas atribuições regimentais, considerando

Leia mais

RESOLUÇÃO MPC-MG Nº 001, DE 11 DE MAIO DE 2011

RESOLUÇÃO MPC-MG Nº 001, DE 11 DE MAIO DE 2011 RESOLUÇÃO MPC-MG Nº 001, DE 11 DE MAIO DE 2011 Revogada pela RMPC 2/11 O Procurador-Geral do Ministério Público de Contas, com fundamento direto nos artigos 32 e 119 da Lei Complementar nº 102, de 17 de

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA Escritório de Assistência Jurídica EAJ CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA Escritório de Assistência Jurídica EAJ CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA Escritório de Assistência Jurídica EAJ Dispõe sobre a estruturação e operacionalização do Núcleo de Prática Jurídica (Escritório de Assistência Jurídica EAJ).

Leia mais

ESTATUTO Modelo de Organização da Sociedade Civil de Interesse Público - OSCIP CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO Modelo de Organização da Sociedade Civil de Interesse Público - OSCIP CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS LEGENDA Texto em NEGRITO: Claúsulas que devem necessariamente constar do Estatuto, por força da Lei nº 9.790/99. Texto em Itálico: observações pertinentes ESTATUTO Modelo de Organização da Sociedade Civil

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 139/2009/CONEPE Aprova alteração nas Normas Específicas do Estágio

Leia mais

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 05/2012

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 05/2012 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS Campus Universitário Viçosa, MG 36570-000 Telefone: (31) 3899-2127 - Fax: (31) 3899-1229 - E-mail: soc@ufv.br RESOLUÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº CONSU, DE 07 DE AGOSTO DE 2009.

RESOLUÇÃO Nº CONSU, DE 07 DE AGOSTO DE 2009. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI CONSU RESOLUÇÃO Nº. 16 - CONSU, DE 07 DE AGOSTO DE 2009. Aprova o Regimento interno da Diretoria de Relações Internacionais

Leia mais

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA. Regimento Interno do Comitê de Gestão de Riscos

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA. Regimento Interno do Comitê de Gestão de Riscos 1/7 TÍTULO CLASSIFICAÇÃO REFERENCIAL NORMATIVO ASSUNTO ELABORADOR Regimento Interno do Comitê de Gestão de Risco Documentos Institucionais Resolução CGPC nº 13/2004 Estabelece a composição e atribuições

Leia mais

Função em Confiança ANALISTA TÉCNICO

Função em Confiança ANALISTA TÉCNICO Função em Confiança ANALISTA TÉCNICO Nível Anterior 15 Nível Atual 19 Requisitos: Diploma de Graduação reconhecido pelo MEC e inscrição no Conselho da Profissão, Descrição da Função: Prestar orientações

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 46/2011, de 03 de novembro de 2011.

RESOLUÇÃO Nº 46/2011, de 03 de novembro de 2011. RESOLUÇÃO Nº 46/2011, de 03 de novembro de 2011. O Presidente do Conselho Superior do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

RESOLUÇÃO. Santa Rosa, RS, 24 de abril de 2014.

RESOLUÇÃO. Santa Rosa, RS, 24 de abril de 2014. RESOLUÇÃO CAS Nº 04/2014 DISPÕE A CRIAÇÃO E REGULAMENTAÇÃO DO NÚCLEO DE PRÁTICAS CONTÁBEIS VINCULADO AO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DAS FACULDADES INTEGRADAS MACHADO DE ASSIS FEMA. O CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais,

O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, RESOLUÇÃO GPGJ n o 1.744 DE 22 DE MAIO DE 2012. Institui, no âmbito da Coordenação Setorial de Meio Ambiente do 6 o Centro de Apoio Operacional às Promotorias de Justiça de Tutela Coletiva do Ministério

Leia mais

PORTARIA N.º 1.900, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2013.

PORTARIA N.º 1.900, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2013. REVOGADA PELA PORTARIA N.º 465, DE 03 DE MARÇO DE 2016 PUBLICADA NO DJE DE 03.03.2016 EDIÇÃO 5694 PÁG. 76. http://diario.tjrr.jus.br/dpj/dpj-20160303.pdf PORTARIA N.º 1.900, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2013.

Leia mais

Fundação de Amparo à Pesquisa e Extensão Universitária

Fundação de Amparo à Pesquisa e Extensão Universitária REGIMENTO INTERNO RESOLUÇÃO Nº 002/2010-CC. Aprova o Regimento Geral da Fundação de Amparo à Pesquisa e Extensão Universitária O Presidente do Conselho Curador da Fundação de Amparo à Pesquisa e Extensão

Leia mais

Fundação Banestes de Seguridade Social - BANESES. Estatuto

Fundação Banestes de Seguridade Social - BANESES. Estatuto Fundação Banestes de Seguridade Conteúdo I. Da Denominação, Sede e Foro...1 II. Dos Objetivos...2 III. Do Quadro Social...3 IV. Do Prazo de Duração...4 V. Do Patrimônio...5 VI. VII. VIII. Dos Órgãos de

Leia mais

MINISTERIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 128, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2011.

MINISTERIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 128, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2011. Dispõe sobre a instituição e definição das atribuições do Comitê de Extensão Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba. O Presidente do DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM JUIZ DE FORA, JULHO DE 2014 REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

Leia mais

2009, que criou o Departamento de Monitoramento e Fiscalização do Sistema

2009, que criou o Departamento de Monitoramento e Fiscalização do Sistema &00t06dfu> t-sracã&zczcaí Ze&táipa RESOLUÇÃO 214, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2015 Dispõe sobre a organização e o funcionamento dos Grupos de Monitoramento e Fiscalização (GMF) nos Tribunais de Justiça dos Estados,

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS REGULAMENTO DO PROGRAMA BOLSA DE COMPLEMENTAÇÃO EDUCACIONAL CAPÍTULO I NATUREZA E FINALIDADE

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS REGULAMENTO DO PROGRAMA BOLSA DE COMPLEMENTAÇÃO EDUCACIONAL CAPÍTULO I NATUREZA E FINALIDADE CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS REGULAMENTO DO PROGRAMA BOLSA DE COMPLEMENTAÇÃO EDUCACIONAL CAPÍTULO I NATUREZA E FINALIDADE Art.1º- O presente Regulamento destina-se a fixar diretrizes

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Dispõe sobre a estruturação e operacionalização do Núcleo de Prática Jurídica e do Estágio Supervisionado no Curso de Direito da Faculdade

Leia mais

PORTARIA SG/MPF Nº 382, DE 5 DE MAIO DE 2015

PORTARIA SG/MPF Nº 382, DE 5 DE MAIO DE 2015 PORTARIA SG/MPF Nº 382, DE 5 DE MAIO DE 2015 Aprova o Regimento Interno Administrativo do Ministério Público Federal. O SECRETÁRIO-GERAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, no uso da atribuição conferida pelo

Leia mais

Ministério da Justiça Conselho Administrativo de Defesa Econômica CADE PARTE I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO, ORGANIZAÇÃO E COMPETÊNCIA DO CADE...

Ministério da Justiça Conselho Administrativo de Defesa Econômica CADE PARTE I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO, ORGANIZAÇÃO E COMPETÊNCIA DO CADE... PARTE I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO, ORGANIZAÇÃO E COMPETÊNCIA DO CADE... 4 TÍTULO I DO TRIBUNAL ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA... 4 CAPÍTULO I DA COMPOSIÇÃO E DA ORGANIZAÇÃO... 4 CAPÍTULO II DO PLENÁRIO

Leia mais

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 1/2008

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 1/2008 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS Campus Universitário Viçosa, MG 36570-000 Telefone: (31) 3899-2127 - Fax: (31) 3899-1229 - E-mail: soc@ufv.br RESOLUÇÃO

Leia mais

O Papel da Procuradoria Federal na Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis MARCELO MENDONÇA PROCURADOR-GERAL SUBSTITUTO

O Papel da Procuradoria Federal na Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis MARCELO MENDONÇA PROCURADOR-GERAL SUBSTITUTO O Papel da Procuradoria Federal na Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis MARCELO MENDONÇA PROCURADOR-GERAL SUBSTITUTO Lei nº 2.123, de 01/12/1953 Art. 2º - Os atuais cargos ou funções

Leia mais

PORTARIA Nº 7, DE 21 DE JANEIRO DE O CORREGEDOR NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, resolve:

PORTARIA Nº 7, DE 21 DE JANEIRO DE O CORREGEDOR NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, resolve: PORTARIA Nº 7, DE 21 DE JANEIRO DE 2016 O CORREGEDOR NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, resolve: Retificar a Portaria CNMP-CN nº 6, de 12 de janeiro de

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 104, DE 18 DE ABRIL DE 2006.

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 104, DE 18 DE ABRIL DE 2006. Situação: Vigente Portaria Nº 104, DE 18 DE ABRIL DE 2006 Publicado no Diário Oficial da União de 19/04/2006, Seção 1, Página 10 Ementa: Aprova o Regimento Interno dos Laboratórios Nacionais Agropecuários.

Leia mais

COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA COM SERES HUMANOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS CEP/UNIFAL-MG

COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA COM SERES HUMANOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS CEP/UNIFAL-MG 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700, Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA COM

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PELOTAS GABINETE DO PREFEITO. REGULAMENTO DO ESTÁGIO PROBATÓRIO (Anexo ao Decreto nº 4.550, 14 de agosto de 2003)

PREFEITURA MUNICIPAL DE PELOTAS GABINETE DO PREFEITO. REGULAMENTO DO ESTÁGIO PROBATÓRIO (Anexo ao Decreto nº 4.550, 14 de agosto de 2003) PREFEITURA MUNICIPAL DE PELOTAS GABINETE DO PREFEITO REGULAMENTO DO ESTÁGIO PROBATÓRIO (Anexo ao Decreto nº 4.550, 14 de agosto de 2003) Art.1º - O presente regulamento disciplina os procedimentos a serem

Leia mais

Estatuto da Frente Parlamentar do Cooperativismo

Estatuto da Frente Parlamentar do Cooperativismo Estatuto da Frente Parlamentar do Cooperativismo CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, DURAÇÃO, SEDE E FINALIDADE Art. 1º. A Frente Parlamentar do Cooperativismo, Frencoop, é uma entidade civil, de interesse

Leia mais

EDITAL 21/2015 PARA ELEIÇÃO DE REPRESENTAÇÃO DISCENTE NA CONGREGAÇÃO DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE BARUERI PADRE DANILO JOSÉ DE OLIVEIRA OHL.

EDITAL 21/2015 PARA ELEIÇÃO DE REPRESENTAÇÃO DISCENTE NA CONGREGAÇÃO DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE BARUERI PADRE DANILO JOSÉ DE OLIVEIRA OHL. EDITAL 21/2015 PARA ELEIÇÃO DE REPRESENTAÇÃO DISCENTE NA CONGREGAÇÃO DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE BARUERI PADRE DANILO JOSÉ DE OLIVEIRA OHL. A Comissão Eleitoral da Fatec Barueri, tendo em vista a instalação

Leia mais

DECRETO Nº 239/2015. Aprova o Regimento Interno do Conselho Municipal de Anti Drogas (COMAD) de Gramado.

DECRETO Nº 239/2015. Aprova o Regimento Interno do Conselho Municipal de Anti Drogas (COMAD) de Gramado. DECRETO Nº 239/2015 Aprova o Regimento Interno do Conselho Municipal de Anti Drogas (COMAD) de Gramado. NESTOR TISSOT, Prefeito Municipal de Gramado, no uso de suas atribuições legais, de acordo com a

Leia mais

PORTARIA Nº 524, DE 15 DE AGOSTO DE 2002

PORTARIA Nº 524, DE 15 DE AGOSTO DE 2002 PORTARIA Nº 524, DE 15 DE AGOSTO DE 2002 Dispõe sobre a regulamentação da Gratificação de Desempenho de Atividade do Ciclo de Gestão - GCG. O SECRETÁRIO EXECUTIVO DO MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO

Leia mais

FACITEC - Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas IESST Instituto de Ensino Superior Social e Tecnológico

FACITEC - Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas IESST Instituto de Ensino Superior Social e Tecnológico FACITEC - Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas IESST Instituto de Ensino Superior Social e Tecnológico Credenciada pela portaria: MEC 292, de 15.02.2001 DOU Nº 35-E, de 19.02.2001, Seção 1 RESOLUÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS RESOLUÇÃO N o 14/2013, DE 02 DE JULHO DE 2013 Reedita, com alterações, a Resolução n o 03/2006, de 29 de junho de 2006, que aprovou o Regimento do Centro de Microscopia da UFMG. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO SEÇÃO JUDICIÁRIA DO DISTRITO FEDERAL

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO SEÇÃO JUDICIÁRIA DO DISTRITO FEDERAL DECISÃO /2015 20ª VARA FEDERAL PROCESSO nº 28278-06.2015.4.01.3400 AUTOR : UNIÃO DOS ADVOGADOS PÚBLICOS FEDERAIS DO BRASIL RÉ : UNIÃO FEDERAL DECISÃO A UNIÃO DOS ADVOGADOS PÚBLICOS DO BRASIL ajuizou a

Leia mais

Câmara Municipal de Castro

Câmara Municipal de Castro PROJETO DE LEI N 179/2013 (LEI Nº...) SUMULA: Altera a Lei nº 1.538/2006, que institui a Guarda Municipal e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE CASTRO, LEI CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

Art. 1º A força de trabalho militar na Administração Central do Ministério da Defesa é composta de:

Art. 1º A força de trabalho militar na Administração Central do Ministério da Defesa é composta de: MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA Nº 2.323/MD, DE 31 DE AGOSTO DE 2012 Disciplina a composição da força de trabalho militar na Administração Central do Ministério da Defesa e

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DO INSTITUTO FEDERAL DO NORTE DE MINAS GERAIS - IFNMG CAPÍTULO I DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

REGIMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DO INSTITUTO FEDERAL DO NORTE DE MINAS GERAIS - IFNMG CAPÍTULO I DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA REGIMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DO - IFNMG CAPÍTULO I DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Art. 1º O Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT) é o órgão responsável por gerir a política de propriedade

Leia mais

CONSÓR C I O INTER M U N I C I P A L DE SAÚDE DA BAIXADA FLUMINE N S E CISBAF REGIMENTO INTERNO

CONSÓR C I O INTER M U N I C I P A L DE SAÚDE DA BAIXADA FLUMINE N S E CISBAF REGIMENTO INTERNO CONSÓR C I O INTER M U N I C I P A L DE SAÚDE DA BAIXADA FLUMINE N S E CISBAF REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I - DA INSTITUIÇÃO E ABRANGÊNCIA Art. 1º - O presente Regimento Interno regulamenta as atividades

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 064/2011, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 064/2011, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG RESOLUÇÃO Nº 064/2011, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho Universitário da UNIFAL-MG, no uso de suas atribuições regimentais e estatutárias,

Leia mais

PROPOSIÇÕES COMPARADAS REGIMENTO INTERNO - CERHI-RJ

PROPOSIÇÕES COMPARADAS REGIMENTO INTERNO - CERHI-RJ PROPOSTA CTIL/CERHI O Conselho Estadual de Recursos Hídricos do Estado do Rio de Janeiro, no uso de suas atribuições que lhe são conferidas pelo art. 44 da Lei Estadual n 3.239, de 02 de agosto de 1999,

Leia mais

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO PROCURADORIA-GERAL FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL JUNTO À UTFPR

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO PROCURADORIA-GERAL FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL JUNTO À UTFPR ORDEM DE SERVIÇO CONJUNTA Nº 01/GR/PF-UTFPR, de 02 de DEZEMBRO DE 2013. O REITOR DA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ (UTFPR) E A PROCURADORA-CHEFE DA PROCURADORIA FEDERAL (PF) JUNTO À UTFPR,

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa DECRETO Nº 52.567, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015. (publicado no DOE n.º 183, de 24 de setembro de 2015) Dispõe sobre o

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ TÉCNICO ESTATUTÁRIO DE GOVERNANÇA E CONFORMIDADE

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ TÉCNICO ESTATUTÁRIO DE GOVERNANÇA E CONFORMIDADE REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ TÉCNICO ESTATUTÁRIO DE GOVERNANÇA E CONFORMIDADE 1. Finalidade O Comitê Técnico Estatutário de Governança e Conformidade ( Comitê ) é um órgão estatutário de caráter permanente,

Leia mais

CÂMARA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EFLCH - UNIFESP REGULAMENTO

CÂMARA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EFLCH - UNIFESP REGULAMENTO Regulamento aprovado pelo Conselho de Pós- Graduação e Pesquisa da UNIFESP (24 de junho de 2015) e pela Congregação da EFLCH (06 de agosto de 2015). CÂMARA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EFLCH - UNIFESP REGULAMENTO

Leia mais

Regulamento do Núcleo de Apoio à Pesquisa do Curso de Medicina da UNIFENAS-BH

Regulamento do Núcleo de Apoio à Pesquisa do Curso de Medicina da UNIFENAS-BH Regulamento do Núcleo de Apoio à Pesquisa do Curso de Medicina da UNIFENAS-BH CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO Art. 1º O Núcleo de Apoio à Pesquisa do Curso de Medicina da UNIFENAS-BH (NAPMED-BH) foi criado

Leia mais

Dispõe sobre autorização de afastamento do País de servidores e empregados do Ministério da Fazenda e suas entidades vinculadas.

Dispõe sobre autorização de afastamento do País de servidores e empregados do Ministério da Fazenda e suas entidades vinculadas. PORTARIA MF Nº 160, DE 6 DE MAIO DE 2016 DOU de 09.05.2016 Dispõe sobre autorização de afastamento do País de servidores e empregados do Ministério da Fazenda e suas entidades vinculadas. O MINISTRO DE

Leia mais

I PREFEITURA MUNICIPAL DE SELVÍRIA (Ij?^^ f ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL = = = H SELVÍRIA - MS

I PREFEITURA MUNICIPAL DE SELVÍRIA (Ij?^^ f ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL = = = H SELVÍRIA - MS I PREFEITURA MUNICIPAL DE SELVÍRIA (Ij?^^ f ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL = = = H SELVÍRIA - MS LEI COMPLEMENTAR N 920, de 12 de dezembro de 2013. "Dispõe sobre a criação de cargos efetivo e dá outras providências".

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSUNI Nº 28/2014

RESOLUÇÃO CONSUNI Nº 28/2014 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS RESOLUÇÃO CONSUNI Nº 28/2014 Cria o Laboratório de Análises Clínicas e Ensino em Saúde, Órgão Complementar do Instituto de Ciências Biológicas, e aprova

Leia mais

FACULDADE DE TEOLOGIA - FAT

FACULDADE DE TEOLOGIA - FAT VOTO CONSU 2012-16 DE 26/04/2012 CENTRO UNIVERSITÁRIO ADVENTISTA DE SÃO PAULO - UNASP FACULDADE DE TEOLOGIA - FAT REGIMENTO 2012 2 SUMÁRIO TÍTULO I DA FACULDADE, SEUS FINS E OBJETIVOS... 3 TÍTULO II DA

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ONOFRE LOPES

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ONOFRE LOPES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE PESQUISA COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ONOFRE LOPES CEP/HUOL REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA

Leia mais

DECRET0 Nº 2.207, DE 22 DE ABRIL DE 2008

DECRET0 Nº 2.207, DE 22 DE ABRIL DE 2008 DECRET0 Nº 2.207, DE 22 DE ABRIL DE 2008 Dispõe sobre a Estrutura Regimental da Secretaria Municipal de Esporte e Lazer. Publicado no Jornal Correio Paranaense Em, 24.04.2008 O Prefeito Municipal de São

Leia mais

Art. 2º São competências do Conselho Municipal de Esporte e Lazer:

Art. 2º São competências do Conselho Municipal de Esporte e Lazer: REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER CAPÍTULO I DO CONSELHO E SUAS ATRIBUIÇÕES Art. 1º O Conselho Municipal de Esporte e Lazer de Carlos Barbosa é um órgão colegiado de caráter, consultivo,

Leia mais

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO DA FACULDADE FAMETRO. TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I - Da Natureza e das Finalidades

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO DA FACULDADE FAMETRO. TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I - Da Natureza e das Finalidades REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO DA FACULDADE FAMETRO TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I - Da Natureza e das Finalidades Art. 1º - O Colegiado de Curso é órgão normativo, deliberativo,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA CONSELHO ESTADUAL DE CULTURA REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA CONSELHO ESTADUAL DE CULTURA REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS FINALIDADES 1 GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA CONSELHO ESTADUAL DE CULTURA REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Art. 1 O Conselho Estadual de Cultura do Rio de Janeiro constitui-se

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM PERMANENTE DOS CURSOS TÉCNICOS DO IFPE RECIFE, 2014 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 101, DE 04 DE JULHO DE 2014.

PROJETO DE LEI Nº 101, DE 04 DE JULHO DE 2014. Extingue a unidade Departamento dos Conselhos Municipais compreendida na estrutura do órgão Gabinete do Prefeito; cria a unidade Coordenação dos Conselhos Municipais no órgão Gabinete do Prefeito; altera

Leia mais

LEI Nº 3.726, DE 20 DE MARÇO DE 1984 Retificada em 24/3/1984

LEI Nº 3.726, DE 20 DE MARÇO DE 1984 Retificada em 24/3/1984 LEI Nº 3.726, DE 20 DE MARÇO DE 1984 Retificada em 24/3/1984 Regulamenta as Caixas Escolares das escolas municipais de Belo Horizonte e dá outras providências. O Povo do Município de Belo Horizonte, por

Leia mais

Profa. Dra. Gioconda Santos e Souza Martínez Presidenta do Conselho Universitário/UFRR

Profa. Dra. Gioconda Santos e Souza Martínez Presidenta do Conselho Universitário/UFRR Resolução nº 010/2015-CUni MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA CONSELHO UNIVERSITÁRIO Av. Capitão Ena Garcez nº 2413, Bairro Aeroporto, CEP: 69.310-000 - Boa Vista/RR Fone (095)3621-3108

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DO CURSO DE MEDICINA DO CARIRI DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CEP/MEDCARIRI/UFC

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DO CURSO DE MEDICINA DO CARIRI DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CEP/MEDCARIRI/UFC REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DO CURSO DE MEDICINA DO CARIRI DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CEP/MEDCARIRI/UFC O objetivo principal da pesquisa médica em seres humanos é melhorar os

Leia mais

por instituição de ensino reconhecida pelo Ministério da Educação, ou outro documento com mesmo valor legal; 3 (três) anos, no mínimo, de experiência

por instituição de ensino reconhecida pelo Ministério da Educação, ou outro documento com mesmo valor legal; 3 (três) anos, no mínimo, de experiência AGÊNCIA DE PROMOÇÃO DE EXPORTAÇÕES DO BRASIL - APEX-BRASIL EDITAL No- 1, DE 31 DE AGOSTO DE 2006 PROCESSO SELETIVO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS E FORMAÇÃO DE CADASTRORESERVA EM EMPREGOS DE NÍVEL SUPERIOR

Leia mais

Professor Jaime Arturo Ramírez Presidente do Conselho Universitário

Professor Jaime Arturo Ramírez Presidente do Conselho Universitário RESOLUÇÃO N o 02/2015, DE 31 DE MARÇO DE 2015 Estabelece o Regimento do Centro Esportivo Universitário, reeditando, com alterações, a Resolução n o 13/1993, de 02 de setembro de 1993. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

DECISÃO Nº 265/2009 D E C I D E. aprovar o Regimento Interno do Instituto de Informática, como segue:

DECISÃO Nº 265/2009 D E C I D E. aprovar o Regimento Interno do Instituto de Informática, como segue: CONSUN Conselho Universitário DECISÃO Nº 265/2009 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO, em sessão de 17/7/2009, tendo em vista o constante no processo nº 23078.004276/99-63, de acordo com o Parecer nº 213/2009 da

Leia mais

ESTATUTO DA UNESP. TÍTULO I Da Universidade e seus Fins

ESTATUTO DA UNESP. TÍTULO I Da Universidade e seus Fins ESTATUTO DA UNESP TÍTULO I Da Universidade e seus Fins Artigo 1 o A Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (Unesp), criada pela Lei n o 952, de 30 de janeiro de 1976, é autarquia de regime

Leia mais

Art. 1º - Aprovar, no Centro de Ensino Superior Riograndense - CESURG MARAU, o Regulamento da Empreender Júnior, cujo inteiro teor se aplica a seguir:

Art. 1º - Aprovar, no Centro de Ensino Superior Riograndense - CESURG MARAU, o Regulamento da Empreender Júnior, cujo inteiro teor se aplica a seguir: RESOLUÇÃO Nº 002/2016 Regulamenta a Empreender Júnior, Empresa Júnior do Centro de Ensino Superior Riograndense CESURG MARAU 1, e dá outras providências. O Diretor Presidente do Centro de Ensino Superior

Leia mais

MANUAL DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

MANUAL DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU MANUAL DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU APRESENTAÇÃO A disputa por uma vaga no mercado de trabalho está cada vez mais intensa, tornando os cursos de Pós-Graduação Lato Sensu indispensáveis. Fazê-los em uma

Leia mais

IN 01/2009 AUDITORIA INTERNA

IN 01/2009 AUDITORIA INTERNA IN 01/2009 AUDITORIA INTERNA Instrução Normativa do Conselho Nacional do Brasil da SSVP Nº 001/2009, de 24/01/2009. Assunto: Criação de Auditoria Interna Rio de Janeiro/RJ, 24 de janeiro de 2009. Livro

Leia mais

LEI Nº 712/2007. O PREFEITO MUNICIPAL DE SERRINHA, ESTADO DA AHIA, faz saber que o plenário aprovou e eu sanciono e mando publicar a seguinte lei:

LEI Nº 712/2007. O PREFEITO MUNICIPAL DE SERRINHA, ESTADO DA AHIA, faz saber que o plenário aprovou e eu sanciono e mando publicar a seguinte lei: LEI Nº 712/2007 Dispõe sobre o Estatuto da Guarda Civil Municipal de Serrinha, e dá outras providencias. O PREFEITO MUNICIPAL DE SERRINHA, ESTADO DA AHIA, faz saber que o plenário aprovou e eu sanciono

Leia mais

RESOLUÇÃO nº 015/98 DA CONGREGAÇÃO DA ESCOLA DE FARMÁCIA E ODONTOLOGIA DE ALFENAS

RESOLUÇÃO nº 015/98 DA CONGREGAÇÃO DA ESCOLA DE FARMÁCIA E ODONTOLOGIA DE ALFENAS RESOLUÇÃO nº 015/98 DA CONGREGAÇÃO DA ESCOLA DE FARMÁCIA E ODONTOLOGIA DE ALFENAS A Congregação da Escola de Farmácia e Odontologia de Alfenas, no uso de suas atribuições regimentais e tendo em vista o

Leia mais

Regimento Interno da Comissão de Direito Marítimo e Portuário da Ordem dos Advogados do Brasil Seção São Paulo OAB/SP

Regimento Interno da Comissão de Direito Marítimo e Portuário da Ordem dos Advogados do Brasil Seção São Paulo OAB/SP Regimento Interno da Comissão de Direito Marítimo e Portuário da Ordem dos Advogados do Brasil Seção São Paulo OAB/SP Art. 1º - A Comissão de Direito Marítimo e Portuário é composta de: I - Membros Efetivos,

Leia mais

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO DOS LIONS DE PORTUGAL (Despacho da Presidência Conselho de Ministros de 23.10.2014)

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO DOS LIONS DE PORTUGAL (Despacho da Presidência Conselho de Ministros de 23.10.2014) ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO DOS LIONS DE PORTUGAL (Despacho da Presidência Conselho de Ministros de 23.10.2014) CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA E FINS Artigo Primeiro A Fundação dos Lions de Portugal é uma

Leia mais

Ministério da Educação. Universidade Federal de São Paulo ANEXO I REGIMENTO INTERNO DA COORDENADORIA DA REDE DE BIBLIOTECAS DA UNIFESP TÍTULO I

Ministério da Educação. Universidade Federal de São Paulo ANEXO I REGIMENTO INTERNO DA COORDENADORIA DA REDE DE BIBLIOTECAS DA UNIFESP TÍTULO I ANEXO I REGIMENTO INTERNO DA COORDENADORIA DA REDE DE BIBLIOTECAS DA UNIFESP TÍTULO I DEFINIÇÃO E FINALIDADE Art. 1º A Coordenadoria da Rede de Bibliotecas da UNIFESP (CRBU) é um órgão vinculado à Reitoria,

Leia mais

Capítulo I DO PROGRAMA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL

Capítulo I DO PROGRAMA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL LEI Nº 2.598 DE 21 DE MAIO DE 2015. Dispõe sobre o Programa Municipal de Habitação de Interesse Social PMHIS, cria o Fundo Municipal e Habitação de Interesse Social FMHIS, revoga a Lei Municipal n 2.235,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 084/2015 CONSU/IFAC.

RESOLUÇÃO Nº 084/2015 CONSU/IFAC. RESOLUÇÃO Nº 084/2015 CONSU/IFAC. Dispõe sobre o Regulamento das Atribuições da Coordenação Técnico Pedagógica COTEP do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Acre IFAC. O PRESIDENTE SUBSTITUTO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA FUNDAÇÃO DE DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS MARGARIDA MARIA ALVES

REGIMENTO INTERNO DA FUNDAÇÃO DE DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS MARGARIDA MARIA ALVES REGIMENTO INTERNO DA FUNDAÇÃO DE DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS MARGARIDA MARIA ALVES Art. 1º - A FUNDAÇÃO DE DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS MARGARIDA MARIA ALVES, FDDHMMA, instituída pela Arquidiocese da Paraíba,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA EM SERES HUMANOS DA FACULDADE CATÓLICA DO TOCANTINS CEPh/FACTO

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA EM SERES HUMANOS DA FACULDADE CATÓLICA DO TOCANTINS CEPh/FACTO REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA EM SERES HUMANOS DA FACULDADE CATÓLICA DO TOCANTINS CEPh/FACTO A FACTO, em cumprimento a Resolução nº. 196, do Conselho Nacional de Saúde (CNS/MS), expedida

Leia mais

RDC ANVISA Nº17, DE 28/03/2013

RDC ANVISA Nº17, DE 28/03/2013 RDC ANVISA Nº17, DE 28/03/2013 Estabelece os critérios relativos à Autorização de Funcionamento (AFE) e de Autorização Especial (AE) de farmácias e drogarias. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Faculdade de Direito

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Faculdade de Direito REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CAMPUS CAMPINAS CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1º O Núcleo de Prática Jurídica - NPJ, subordinado

Leia mais

NORMA DE ELABORAÇÃO DE INSTRUMENTOS NORMATIVOS - NOR 101

NORMA DE ELABORAÇÃO DE INSTRUMENTOS NORMATIVOS - NOR 101 ASSUNTO: Elaboração de Instrumentos Normativos MANUAL DE ORGANIZAÇÃO APROVAÇÃO: Deliberação DIREX nº 25, de 12/05/2016 COD. VIGÊNCIA: 100 12/05/2016 NORMA DE ELABORAÇÃO DE INSTRUMENTOS 1/10 SUMÁRIO 1 FINALIDADE...

Leia mais

BOLETIM DE PESSOAL E SERVIÇO - V.8 Nº 52 Brasília - DF, 27 de dezembro de 2013. SUMÁRIO

BOLETIM DE PESSOAL E SERVIÇO - V.8 Nº 52 Brasília - DF, 27 de dezembro de 2013. SUMÁRIO BOLETIM DE PESSOAL E SERVIÇO - V.8 Nº 52 Brasília - DF, 27 de dezembro de 2013. SUMÁRIO I - DIRETORIA 1 II - ÓRGÃOS DE ASSISTÊNCIA DIRETA E IMEDIATA À DIRETORIA DA ANAC a) Gabinete b) Assessoria Parlamentar

Leia mais

- REGIMENTO INTERNO. Secretaria de Comunicação. Leis Nº 6.529/05 e Nº 6.551/06, Decretos Nº /06 e Nº

- REGIMENTO INTERNO. Secretaria de Comunicação. Leis Nº 6.529/05 e Nº 6.551/06, Decretos Nº /06 e Nº - REGIMENTO INTERNO Secretaria de Comunicação Leis Nº 6.529/05 e Nº 6.551/06, Decretos Nº 12.659/06 e Nº 15.052 I - Secretaria Executiva: - assessorar o Secretário Municipal no exercício de suas atribuições;

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos o MEDIDA PROVISÓRIA N 2.157-5, DE 24 DE AGOSTO DE 2001. Cria a Agência de Desenvolvimento da Amazônia - ADA, extingue a Superintendência

Leia mais

Altera o Estatuto do Distrito Estadual de Fernando de Noronha, aprovado pelo Decreto nº , de 12 de março de 2003, e dá outras providências.

Altera o Estatuto do Distrito Estadual de Fernando de Noronha, aprovado pelo Decreto nº , de 12 de março de 2003, e dá outras providências. DECRETO Nº 26.266, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2003. Altera o Estatuto do Distrito Estadual de Fernando de Noronha, aprovado pelo Decreto nº 25.297, de 12 de março de 2003, e dá outras providências. O GOVERNADOR

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 617 DE 27 DE NOVEMBRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 617 DE 27 DE NOVEMBRO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 617 DE 27 DE NOVEMBRO DE 2015 Ementa: Dispõe as atribuições e competênciasdo farmacêutico nos Hemocentros Nacional e Regionais bem como em serviços de hemoterapia e/ou bancos de sangue. O

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA ORGANIZAÇÃO GERAL ROCA 21-63 REGULAMENTO DO INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA 2011 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA

Leia mais

RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº 48/2015, DE 9 DE NOVEMBRO DE 2015. TÍTULO I Projeto de Pesquisa - Caracterização

RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº 48/2015, DE 9 DE NOVEMBRO DE 2015. TÍTULO I Projeto de Pesquisa - Caracterização MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO SUPERIOR Avenida Rio Branco, 50 Santa Lúcia 29056-255 Vitória ES 27 3227-5564 3235-1741 ramal 2003 RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº

Leia mais