CAPÍTULO 1 VIAGEM AO ACONCÁGUA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CAPÍTULO 1 VIAGEM AO ACONCÁGUA"

Transcrição

1 CAPÍTULO 1 VIAGEM AO ACONCÁGUA A aproximação "Fui à floresta porque queria viver plenamente e sugar a essência da vida. Abandonar tudo o que não fosse vida, e não, ao morrer, descobrir que não vivi." David Thoreau Após passar a virada de ano para com amigos, em casa, dormi por duas horas antes de embarcar para a viagem mais espetacular que já havia realizado: escalar o Monte Aconcágua, a maior montanha do ocidente, com 6962 metros de altitude. Uma das montanhas mais perigosas do mundo. O cume, de tão alto, chega a fazer sombra na cordilheira dos Andes, atingindo várias outras montanhas. A ideia de subir o Aconcágua surgiu um ano antes quando, em janeiro de 2005, em viagem pelo Chile, fui visitar a vizinha e bela cidade argentina de Mendoza. No caminho, passamos pela entrada do parque provincial e espantou-me a visão do Aconcágua, também conhecido como Sentinela de Pedra, e o fascínio que ele exerceu sobre mim foi imediato. Fiquei encantado e atraído pela montanha e por doze meses essa ideia não saiu da minha mente: era só questão de tempo. Eu estava decidido a subir o Aconcágua. Meses depois, embarquei rumo a Santiago do Chile no voo das 8 da manhã no dia 1º de janeiro de De lá, seguiria para Mendoza, a cidade mais próxima do parque onde fica situado o Monte Aconcágua a dispor de aeroporto internacional. No voo que me levou do Rio a Santiago, a ansiedade e a empolgação eram imensas. A emoção tomou conta quando o piloto anunciou o procedimento de descida em Santiago e a proximidade com a montanha. À direita da aeronave era possível avistar o Cerro Aconcágua, a maior montanha do ocidente e de todo o hemisfério Sul. Todo o avião se moveu curioso para o lado direito e eu, já preparado, estava estrategicamente posicionado junto à janela do lado direito com a máquina fotográfica pronta para dar início à primeira sessão de fotos que guardariam para sempre aquela imagem única e espetacular. Todos se emocionam ao olhar a grande montanha. As razões são ímpares, individuais e, por isso, muito diferentes. Enxerguei bem a minha frente o desafio misturado ao respeito. O cume daquela montanha não estava tão abaixo do avião, o que naturalmente obrigou-me a refletir sobre ser mesmo possível respirar a partir de certa altitude e, também, a pensar nas condições que eu enfrentaria durante a subida. A visão do maciço de pedra revelou-se colossal e monumental, com o Aconcágua coberto de gelo. A preparação no Rio de Janeiro - tinha acontecido no plano do que foi possível realizar. Incluiu subidas à Pedra da Gávea mais de uma vez por semana, corridas na praia e pedaladas - na ciclovia - no sentido Barra-Recreio-Barra. Sabia, entretanto, que a aclimatação à altitude e o estado psicológico seriam mais decisivos na montanha do que um excelente condicionamento físico - não que não ajude!

2 Embarquei nessa aventura com 4 outros conhecidos de escalada, sendo que um deles é meu grande amigo, desde os tempos de faculdade até hoje, o Alexandre. Os dias que se seguiram foram marcantes e inesquecíveis. Eu havia convencido Alexandre da viagem e assim fomos rumo à maior montanha do ocidente. O que cada um buscava pertencia a cada um. Qual a motivação? Muitas vezes, não se têm claro no início, mas em algum momento da viagem, tudo vai ficando claro. Você vai ficando claro a você mesmo. A entrada no parque foi e não poderia ser diferente - emocionante. Eu e os amigos que me acompanhava Alexandre, meu amigo há anos; Plic, montanhista do Rio de Janeiro; Everton, montanhista do Rio Grande do Sul e Rosier Alexandre, famoso montanhista do nordeste - estávamos com mochilas pesadíssimas e enormes. Tudo isso serviu para chamar a atenção dos turistas que iam até a entrada do parque e pediam para tirar fotos conosco. Depois de um ano de sonhos com a montanha, lá estava eu com os dois pés na realidade. Da entrada do parque até o primeiro acampamento - chamado de Confluência - são 6 km de caminhada. A entrada fica a 2800 metros de altitude e Confluência fica a 3300m. Muitos sob essa altitude - já começam a sentir o efeito do ar rarefeito, mas essa primeira caminhada até Confluência é a mais tranquila que os montanhistas podem esperar. Até chegar à base do Aconcágua, em Plaza de Mulas metros de altitude - que é o acampamento base, são 36 quilômetros (sim, isso mesmo) de caminhada em terreno irregular no meio da cordilheira dos Andes. Muitos desistem ao chegar ao acampamento base, outros apenas vão justamente com a intenção de chegar apenas até o acampamento base. Por si só, já é um desafio imenso. Entrei no parque dominado por duplo sentimento: além de esperançoso, estava preocupado. No dia anterior comecei a sentir os sintomas de forte alergia. À noite estava com 37,5 graus. Ingeri antigripais, bebi muita água e fui dormir o mais cedo possível para enfrentar a caminhada de aproximação até Confluência. Entretanto, a verdade é que entrei no parque movido por muita vontade, mas a realidade tem seus próprios planos e não nos deixa fazer o que bem queremos. Tentei não lutar contra o que se apresentava. Era como era e assim eu deveria estar na montanha, em minha opinião. Definitivamente eu não estava curado e senti muito os efeitos da alergia respiratória durante a caminhada. Porém, vencida a distância, a altitude e o peso enorme da mochila, cheguei a Confluência após 3 horas e 30 minutos de ascensão, em bom estado e até melhor do que alguns que lá chegavam. Depois de chegar ao primeiro acampamento, o procedimento foi arrumar logo a barraca. Depois, eu e os amigos fomos jantar. O clima em Confluência é agradável. Varia dos 25 graus durante o dia e chega aos 5 graus negativos à noite. Ameno, bem tranquilo ainda. Não estou sendo irônico, como você verá adiante. O fato de sentir muitas dores nas costas - em consequência do peso -, experimentar o cansaço imenso e ainda assim ter que montar barraca e realizar outras tarefas que fazem parte da rotina do acampamento, empurraram-me à reflexão profunda. Eu estava na mesma montanha que vários outros montanhistas de diversas partes do mundo, mas cada um vivia a própria experiência de maneira muito particular. Cada um buscava algo diferente, por razões também diferentes. Há tantas motivações quanto alpinistas, pensei comigo mesmo.

3 Ao escrever o diário solitariamente em minha barraca, ouvia bem distante - o solo de guitarra que algum rádio reproduzia. Pensei em como era bom demais estar ali. Um lugar inóspito. No meio dos Andes. Cercado de pessoas de todos os lugares do mundo e de paisagens indescritíveis. E além de tudo, um soft rock como música de fundo. O dia clareou, mas geralmente as pessoas só saem da barraca depois que o sol bate diretamente sobre o acampamento. Sol nos Andes é vida. O tempo muito frio faz com que o sol transforme-se em energia para que as pessoas consigam movimentar-se e seguir adiante. Assim que o sol de fato surgiu e o café-da-manhã foi impiedosamente ingerido, realizei caminhada rumo à parede Sul do Aconcágua. Trata-se de uma caminhada de aclimatação. Para se chegar à parede Sul do Aconcágua, deve-se caminhar por cerca de 3 horas até chegar à altitude de 4300 metros. Depois, retornar a 3300 para dormir. Esse procedimento é padrão: trabalhar alto e dormir baixo. Isso facilita a aclimatação, pois o corpo já começa a produzir hemácias para suportar o ambiente com menor quantidade de oxigênio. Assim, quando você se elevar novamente, já estará preparado, ou seja, aclimatado. Em teoria. A visão da parede Sul do Aconcágua é fascinante e assustadora. Nessa face morreram, em 1998, os alpinistas brasileiros que tinham como líder da expedição o famoso escalador Mozart Catão. No jipe que me levou do hotel até a entrada do parque nacional alguns dias antes, encontrei um argentino que falava português. Ele havia morado no Rio de Janeiro e estava muito contente em conversar e praticar o português. Relatou que no momento do acidente com a equipe brasileira em 98, ele estava na montanha e traduzia a conversa entre os brasileiros que estavam no acampamento-base da face sul - Plaza Francia - e os alpinistas presos e feridos na montanha. Emocionava-se ao lembrar e narrar o fato. O diálogo entre os brasileiros presos e feridos e os do acampamento-base era travado em português e os guardas argentinos pediam para eles falarem em espanhol para que soubessem com clareza o que acontecia. Ele então traduzia simultaneamente o que se passava, até que o silêncio tomasse conta da situação. Já não havia mais sobreviventes. A história desse episódio está muito bem narrada no - livro Montanha em fúria, que traz na capa a colossal imagem da face sul do Aconcágua. Permaneci em silêncio. Era a tradução do meu respeito ao ouvir o relato e testemunhar os olhos dele lacrimejarem. Ao voltar da face sul, algo começava a provocar preocupação e prejuízos: a água de Confluência estava repleta de magnésio. Isso tornava o sabor muito ruim e enjoativo para mim. O sabor é algo que você pode ignorar, mas o enjoo não. Ao voltar da caminhada da parede sul, tomei boa quantidade da água, que - associada à altitude e ao esforço da caminhada - caiu da pior forma possível. A água provocou vômitos. Perdi líquidos preciosos, fundamentais e que me manteriam hidratado. A água é fator crítico de sucesso no processo de aclimatação. Você precisa submetido àquela altitude - beber 5 litros de água por dia na montanha. Ali eu começava a sofrer com a aclimatação. A rejeição à água faria piorar bastante a minha condição física na montanha. No dia seguinte, 7 de janeiro, parti para o acampamento-base. Talvez eu devesse ter ficado mais um dia em Confluência. E não ficaria sozinho, pois um dos brasileiros que me acompanhava, Plic, lá permaneceu, pois não se sentia bem. Mas eu amanheci me sentindo

4 melhor e decidi ir. Plaza de Mulas fica repleto de barracas de várias empresas que oferecem serviços de refeição e até acreditem - acesso à Internet. É o último acampamento com características da civilização. A subida para Plaza de Mulas levou 10 horas. Foi, até hoje em minha vida, o maior esforço físico já feito, principalmente nas duas horas finais. Após 6 horas de caminhada, que incluíram passagens por terrenos irregulares e pela famosa Playa Ancha, região em que se caminha por horas e parece somente terminar no horizonte. Mais adiante, outro inimigo: o vento. Ele está sempre contra, fenômeno estranho ali, traz muita poeira que sufoca os pulmões, a boca e irrita os olhos. Por tudo isso, transforma a caminhada em via-crúcis. No trajeto até Plaza de Mulas você já começa a encontrar trechos de gelo entre terras secas. Quanto mais se aproxima do Aconcágua, mais o gelo começa a tomar conta da paisagem. A partir dos 4 mil metros não havia mais vegetação ou qualquer espécie de vida. Simples: nessa altitude não há tanto oxigênio para tal. Ali, nesse momento, o Aconcágua deixa claro porque é uma das montanhas que mais provoca mortes no mundo. Falta - em metros - tão pouco para se chegar à Plaza de Mulas, mas em minutos faltam muitos. Não existe alternativa a não ser caminhar muito, muito devagar para vencer a Costa Brava. Quando cheguei à base da Costa Brava, sentei em uma pedra e observei um grupo subir bem lentamente. Aproveitei para ingerir água, tomar um pouco de carboidrato e ir descansar. Um pouco mais recuado havia uma casa abandonada, com telhado quebrado. Era o antigo refúgio que, hoje, não possui mais função, mas que ainda produz sombra para quem quiser descansar um pouco por ali. Levantei-me e segui bem lentamente. Passei pela Costa Brava e quando atingi o cume, não pude acreditar no que os olhos viam: havia uma descida e outra longa subida! Cheguei a fechar os olhos e pensar que não podia ser possível, mas não existia outra opção, tinha que seguir em frente. Por vezes seguir em frente mais do que um desafio físico, é um desafio mental e emocional. Seja na montanha ou fora dela. Infelizmente, poucos dias depois desse momento, soube da morte de um montanhista que, exausto, abrigou-se no antigo refúgio - a casa quebrada - e ali morreu. O sol não demoraria muito a se pôr. Eu tinha que chegar à Plaza de Mulas e ainda montar barraca para estar e ficar seguro. Segui em frente e 1 hora depois chegava ao acampamento-base. Na hora de dormir, a dor de cabeça fez questão de acompanhar-me por toda a noite, fato comum quando se está em altitude elevada. A aspirina - e a linda visão que eu possuía de dentro da minha barraca - aliviava bastante o problema. O dia seguinte foi dedicado ao descanso, embora descansar não seja exatamente o objetivo de quem chegou até aqui. A barraca - durante o dia - transforma-se em estufa. A temperatura sobe muito quando os raios de sol batem ali. A temperatura - por mais que houvesse gelo do lado de fora, dentro da barraca, devido ao efeito estufa, era muito quente. Permaneci em Plaza de Mulas mais do que o planejado. Conversei com dois alemães que haviam descido do acampamento Nido de Condores metros de altitude - e que disseram não ter conseguido atingir o cume devido ao mau tempo lá em cima. Ventos de até 90 km/h e

5 que se mantiveram assim por dois dias, impediam a progressão. O estado físico dos alemães era lamentável e esse é um estado que você tem que se acostumar a ver. Os alpinistas descem dos acampamentos avançados - acima do acampamento-base com a aparência muito ruim. A aparência está mais magra, abatida, pele seca e queimada pelo frio. Alguns com edema periférico, outros com edemas pulmonares ou até mesmo algo pior. Congelamentos são comuns e, infelizmente, alguns corpos são descidos também, o que faz arrefecer o ânimo e a motivação de quem ainda planeja subir. Esse é o Aconcágua e o preço que ele cobra de muitos que almejam conquistá-lo. Eu continuava com problemas de aclimatação devido, principalmente, à água, que àquela altura - não conseguia tomar. Ingeri - diversas vezes - antiácidos para diminuir o enjoo. Cada corpo reage de maneira diferente à altitude e o mesmo corpo pode reagir de maneira diferente à mesma altitude em momentos diferentes. É como dizem ser: uma loteria. Existe o exame que é feito pelos médicos de serviço em Plaza de Mulas para medir o quanto o sangue está oxigenado. Utiliza-se - para isso - o oxímetro. Às pessoas devidamente habituadas em qualquer altitude, o valor obtido deve estar próximo de 100%. No acampamento-base do Aconcágua, recomenda-se que esteja em pelo menos 80%. Se estiver abaixo dos 70% os médicos podem sugerir que se retorne aos acampamentos anteriores o mais rápido possível, podendo inclusive usar de força para removê-lo. Eu fiz o exame e o meu oxímetro registrou 76%. Nível baixo. O índice registrado era desaconselhável para subidas em altitudes maiores. Isso me incomodava bastante, pois muitas vezes - pessoas de condicionamento físico inferior ao seu podem responder melhor. Aqui não vale a lógica. Não há regra e diversos fatores influenciam na aclimatação. A verdade é que eu começava a ficar moralmente abatido pelas dores de cabeça e enjoos. Mil vezes a dor de cabeça do que o enjoo, que impede a alimentação e a ingestão de bebidas, além da sensação de mal-estar acentuada. Só mesmo quem vive essa experiência de sentir enjoo por dias consecutivos, e ainda assim ter que seguir sempre em frente, sabe o quanto é difícil. O que te leva adiante não são as pernas. É algo mais. É o propósito que te levou até ali. Quando não há um propósito, obstáculos se tornam o fim. Tanto assim que a última noite em Plaza de Mulas quase foi a minha última na montanha. Após sentir-me razoavelmente bem durante o dia, piorei à noite e falei para mim mesmo: cheguei ao limite. Não poderia forçar mais o corpo. Seria perigoso e a montanha já havia ensinado boas lições. Além disso, tinha sido generosa ao brindar-me com momentos grandiosos e fantásticos. Negociei comigo mesmo a desistência e fui dormir. Na manhã seguinte, tendo dormido com a decisão racional de desistir e retornar em 2007, pois aquele, infelizmente, não seria o meu ano, fiz o quê? Dei sequência à subida. Na montanha Todo resquício de civilização ficaria para trás. Acima dos 5000 metros o corpo humano deteriora-se rapidamente e eu teria que ser muito cuidadoso.

6 Desmontei o acampamento, dei início à preparação da ascensão para o acampamento chamado Canadá. Logo na subida, ao sair de Plaza de Mulas, nos deparamos com glaciares que podem causar ferimentos caso o montanhista perca o equilíbrio. E tinha mais: havia pessoas que em fila - subiam lenta e cuidadosamente. Era a constatação de que aquele momento era o momento propício de tentar a subida. Canadá fica a 5000 metros de altitude e a chegada a esse acampamento foi, creio, o pior momento de toda a expedição. Ao chegar a 4900, faltavam apenas 100 metros de desnível. Comecei a sentir não somente o cansaço, mas a forte sensação de que iria apagar, desmaiar. Senti-me tonto e experimentei a sensação de sono que até ali não havia experimentado - sintoma claro de hipoglicemia, pois o café-da-manhã havia sido bem fraco. Avisei a Alexandre, que me acompanhava logo atrás. Ele continuou a me estimular a subir. Eu avisei que poderia apagar a qualquer momento e que caso isso acontecesse, como e de que maneira ele pretenderia agir? Ele não conseguiu formular resposta satisfatória. Preferiu reiterar o estímulo. De fato, àquela altura, descer tudo que eu já havia subido também não seria a opção mais inteligente. Segui em frente. Passei por pessoas sentadas e prostradas. Testemunhei - no caminho a queda e a recuperação de uma mulher que seguia graças ao amparo do parceiro que a auxiliava a subir. Esse meu estado, aliado ao estado não muito melhor do amigo que me acompanhava, fez com que nossa ascensão demorasse bastante. Ao chegar ao acampamento, a visão belíssima dos Andes anestesiava o que presenciara poucos minutos antes. No exato momento em que pisei nos 5000 metros de altitude do acampamento, vi descer o corpo - carregado por 6 pessoas - de um espanhol de 30 anos, que morrera vítima do brutal esforço. Um silêncio impressionante dominou o acampamento. Enquanto isso, ainda com a mochila nas costas eu acompanhava o que ainda era possível ver daquele corpo que era descido do Aconcágua. Realidade fria, dura e para muitos intransponível. O clima no acampamento foi de tristeza, mas ao mesmo tempo, de naturalidade. Todos ali sabiam dos riscos que corriam. Mais: todos assinaram o documento expedido pelo governo argentino no qual confirmam estarem cientes dos riscos envolvidos, que inclui o pior deles: o de morrer. Inevitável o surgimento de questões existenciais. Teria o espanhol vivido uma vida que tenha valido a pena? - perguntei a mim mesmo. Creio que questionamentos como estes surgem em situações limite como estas. E talvez devessem nos ocorrer com mais frequência. Montei a barraca. Em seguida, era hora do jantar. Enquanto comia, a morte do jovem espanhol dava o tom amargo ao alimento. A imagem era forte e não saía da cabeça. Aquela chegada ao Canadá tinha sido duríssima. Senti-me grogue nos primeiros momentos. O raciocínio estivera confuso. Sensações comuns ali. Muitos que me acompanhavam tiveram ou sentiram aqueles sintomas em outros momentos. Um dia é você que está muito mal e que necessita de ajuda. No outro, você estará melhor e alguém precisará da sua ajuda. Na montanha é assim, mas não só nela pensei comigo mesmo. Adormeci. Claro que antes disso o pensamento foi tomado pela morte do jovem espanhol. Pensava se ele teria tido noiva, esposa ou namorada que aguardava notícias dele. Família, pais

7 e irmãos que preocupados aguardavam informações. Será que ele não soubera perceber qual era o real limite do corpo? Pois era exatamente isso que eu me questionava. Qual, então, seria o limite? Quando se sabe? Como se sabe? O dia seguinte foi dedicado ao descanso. Eu já me sentia melhor. A partir de Canadá não existe mais nenhum dos confortos existentes nos acampamentos anteriores, como água disponível. Agora tudo seria ainda mais inóspito e desafiador. Água potável só era possível depois de muito esforço. Era necessário caminhar até o glaciar e recolher o gelo. Depois, fazer a viagem de volta à barraca e derreter parte desse gelo no fogareiro. Vale destacar que é necessário quase uma hora para que se consiga produzir 1 litro de água e que, para se produzir um litro de água, você vai precisar de muito gelo e neve. Um processo desgastante, mas vital. Repito e peço atenção ao sentido literal da palavra, VITAL. Canadá estava a 5 mil metros de altitude. Dessa condição em diante, dizem que você não pode permanecer por muito tempo, pois o corpo humano deteriora-se rapidamente; há - nesse momento - o autoconsumo do corpo pelo próprio corpo. O sol se pôs e todos foram para as respectivas barracas. Era hora de dormir, pois no dia seguinte, faríamos porteio para Nido de Condores, um acampamento mais avançado ainda - próximo dos 6000 metros - de onde muitos fazem o ataque ao cume. Fazer porteio significa levar equipamentos e suprimentos para esse acampamento, deixar lá, voltar para o acampamento anterior e dormir. No dia seguinte ao porteio, é chegado o momento de levantar o acampamento por completo e se mover definitivamente para o acampamento superior. Trata-se de uma tática para diminuir o peso de transporte e ao mesmo tempo auxiliar na aclimatação. O caminho até Nido pareceu-me mais tranquilo do que o caminho até Canadá. Ainda assim, é bem difícil quando não se está bem aclimatado. Ao chegar a Nido, deixei equipamentos dentro da bolsa preta que já estava lá, pois em Plaza de Mulas contratei um porteador para levar de lá equipamentos de neve, combustíveis e alimentos para o local. Por esse porteador paguei 120 dólares, despesa compartilhada com outros dois amigos. Ao concluir o que tinha que ser feito em Nido, desci mais uma vez ao Canadá. O objetivo era o de passar a noite nos 5000 metros e - no dia seguinte seguir definitivamente para Nido de Condores. Assim são feitos os grandes avanços na montanha. Trabalha-se alto e dorme-se baixo. É como se você desse um passo atrás para depois dar dois à frente. Essa estratégia faz com que a ascensão ocorra de forma mais demorada, porém bem mais segura para a saúde do montanhista. A estratégia de porteio deve ser bem analisada para que os suprimentos que são transportados de um local para o outro e os que ficam sejam exatamente o que se vai precisar. Essa preocupação logística é fundamental para o bom andamento do projeto de ataque ao cume. Caso você erre, por exemplo, o cálculo de quantos litros de benzina ou quantos botijões de gás propano vai precisar nos acampamentos superiores, sua expedição estará comprometida e quem sabe, sua própria vida. Ficar sem combustível a partir dos 5000 metros no Aconcágua significa que você estará incapaz de produzir água.

8 Depois de pernoitar em Canadá, no dia seguinte, subi a Nido de Condores. Senti-me bem na subida, o que me deixou confiante. Em determinado trecho de caminhada, Plic e eu, em segundo plano, registramos a subida. Fiz a ascensão em ritmo lento para me poupar. Quando cheguei a Nido estava muito melhor do que no dia anterior. Montar a barraca foi muito complicado devido à ventania que castigava a montanha. Passava das 6h da tarde e o vento soprava rapidamente. Era difícil até ficar em pé com facilidade. A noite avançava e com ela a temperatura baixava rapidamente. Dormiria ali em Nido e no dia seguinte decidiria quando seria o dia de ataque ao cume. Eu fiquei sozinho na barraca a maior parte da expedição. Alguns gostam; outros, não abrem mão de companhia. Em um ambiente assim, você pode se sentir bastante sozinho. Mas sempre fui uma boa companhia para mim mesmo e a solidão não costuma me incomodar. Nido de Condores é um acampamento de onde se tem uma visão da Cordilheira dos Andes privilegiada. De Nido já é possível ver o cume do Aconcágua. De dentro da barraca registrei essa visão. Parece tão perto, e de fato não é distante. Muitos tentam o ataque ao cume dali mesmo e conseguem sucesso. O problema é que a percepção do olhar faz tornar próximo. Quando se faz a ascensão, de fato, o pouco oxigênio faz as distâncias se multiplicarem por 10. O cume tão perto e tão longe ao mesmo tempo estava ali a - indubitavelmente -desafiar a lógica. A noite, enfim, chegou e impediu que as pessoas ficassem do lado de fora das barracas. Fazia muito frio. A imagem belíssima do pôr-do-sol anestesiava qualquer dor muscular e servia para afastar qualquer pessimismo. Eu sentia muita gratidão por ter a possibilidade de realizar, ver e vivenciar tudo aquilo. Agradecia por estar ali. Pensava em quantas pessoas no mundo nunca chegariam a um lugar como aquele e se seria possível descrever - seja em palavras ou imagens - o que eu via e vivia naqueles dias. Estar em Nido ao lado de vários dos equipamentos e materiais que vieram de Plaza de Mulas transportados pelo porteador contratado, fez-me sentir como um rei. Entrei na barraca feliz. Encontrei roupas limpas, entre elas as de primeira pele. A roupa de primeira pele fica em contato direto com a pele. É fundamental para retirar o suor e servir de proteção. O suor não pode ficar em contato com a pele, pois naquela temperatura chega a congelar. O fenômeno faz com que o montanhista, se estiver com roupas inadequadas, fique vestido por uma fina camada de gelo. Perigoso. Tomei um banho improvisado com lenços umedecidos de bebê, levados para lá justamente para isso: higiene. Após tomar um banho com os lencinhos, vesti roupas limpas, entrei no saco de dormir, liguei o mp3 player e ouvi música por um tempo. Fui pegar na bolsa uns doces para comer. Qual não foi minha surpresa ao ver vários deles estourados e em adiantado processo de vazamento. A explicação é simples: quanto mais você sobe, menos pressão atmosférica existe. Manipular a água para torná-la potável era tarefa demorada. E esse processo remetia a reflexões importantes: muitas coisas, atos e objetos que valorizamos na vida cotidiana perdem o sentido. Toda a água que eu produzia, era um subproduto do gelo que coletava nos arredores. Porém esse gelo possui poeira, terra da montanha. Ao final do processo de

9 derretimento, existiam resíduos de terra na água, que na ausência do filtro, era impossível retirar. Durante dias bebi a água proveniente do gelo derretido. A bebida não possui mineral e reservava sempre a terra no final do recipiente. Derretia o gelo, passava paro o cantil e - quando acontecia de ser o cantil transparente - lá estavam os resíduos de terra. O psicológico nessas horas age a favor. A presença de terra na água se transformava - para nós que ali estávamos e que dependíamos daquele líquido precioso em todos os minerais. E assim foi. Pensava em minha casa e na minha rotina de acordar, ir à geladeira e beber água. Coisas simples como ter a cadeira pra sentar, o travesseiro ou, o melhor de tudo, ter água potável para beber. Tudo isso começou a possuir valor inestimável. São coisas simples, mas fundamentais, como o ar. Na montanha faltava água e ar. Apesar disso, e talvez até por isso, era tudo muito único e especial. O contentamento de estar ali, não obstante o risco que corria, fazia de mim alguém diferente. E mais: a cada experiência e altitude vencida, algo pode mudar ainda mais em você. Vai depender do quanto você está atento ao que acontece a sua volta e, principalmente, atento a você mesmo. Momento a momento. Era claro para mim que a forma como nós reagimos ao que se apresenta é mais importante do que o que se apresenta. O tempo pode passar, mas se você não está fazendo nada com o seu tempo, o tempo nada fará com você. Você está ausente, apenas fingindo estar presente. A montanha age diferentemente nas pessoas, assim como a vida. Alguns podem obter grandes aprendizados somente com a chegada ao acampamento-base; outras - preocupadas com o cume e talvez desatentas a si mesmas - podem trazer mais fotografias do que aprendizados. Havia o rumor em Nido de que a janela de tempo bom duraria apenas um dia. Caso isso fosse verdade, eu tinha apenas o dia seguinte para descansar e preparar a logística para subir até o acampamento Berlim. De lá, tentaria o ataque ao cume. Sentia-me bem melhor do que em Canadá e Plaza de Mulas, e isso me fazia confiante. Tudo que eu precisava era de uma boa noite de sono. Enquanto estava deitado, ouvia músicas no MP3 player. Aproveitei para pensar em situações e fatos que fugiam completamente ao Aconcágua. Futebol, escalada em rocha nas vias do bairro Urca zona sul do Rio de Janeiro -, negócios e até no planejamento de aulas. Em algum momento fui interrompido por uma sacolejada forte em minha barraca. Pensei que alguém pudesse ter se desequilibrado e caído em cima da barraca e levantado rapidamente. Retirei o MP3 e pude constatar que ventos fortes se aproximavam. Na altitude próxima de 6000 metros os ventos são bem mais que fortes: são fortíssimos. Olhei o relógio e vi que era meia-noite. Ajeitei-me no saco de dormir e cochilei. Acordei por volta das 2 horas com o barulho do vento. O vento estava muito mais forte e a barraca balançava fortemente. Fazia bastante frio e o fato de estar sozinho na barraca, ainda mais em barraca bem ventilada como a que eu estava - aumentava sobremaneira a sensação de frio dentro dela. Mas ainda era possível suportar. O que me preocupava eram os ventos. Àquela altura já me questionava se a barraca não estava com alguma amarra solta. Balançava demais.

10 Chegava a ser aterrador. Comecei a me preocupar, pois não me lembrava se a barraca havia sido perfeitamente montada... Não sabia ao certo se era dúvida ou receio. Fotografei por acaso a barraca depois de montada. Isso serviu e muito - para que eu pudesse ter certeza - durante a tempestade - se, de fato, ela estava firme. O vento não deu trégua durante toda a noite. Não consegui dormir. Certa hora, peguei o termômetro para medir a temperatura. A sensação de frio estava acima do normal. O termômetro confirmou o que eu já pressentia: exatos 22 graus negativos, dentro da barraca. Achei fantástico. Tudo ali dentro estava petrificado. Imaginei que fora da barraca - com os ventos fortes como estavam naquele momento - a sensação térmica deveria ser algo perto dos 50 graus negativos. A noite pareceu eterna. Não consegui dormir. O barulho produzido pelo vento aliado ao frio formavam a dupla que transformou aquela noite em horror. O receio de a barraca voar pelos ares, literalmente, obrigou-me a esperar o pior. Peguei o saco de emergência - vestimenta de alumínio que retém o calor do corpo e que ajuda a evitar a hipotermia-, lanterna de cabeça, luvas e casaco de pena de ganso. Concentrei tudo o que podia junto ao corpo, dentro do saco de dormir. Eu esperava que ocorresse algo parecido com a cena do filme O mágico de Oz, quando a casa de Dorothy voa. Literalmente. Enquanto a barraca não voava, peguei o diário e comecei a registrar o que acontecia e, também, quais foram os procedimentos tomados. Eu estava tranquilo, apesar de tudo. Tinha certeza de possuir bons equipamentos. Sabia que o receio de que tudo voasse poderia ser efeito do pouco oxigênio que por efeito poderia, àquela altura, confundir e comprometer a minha capacidade de avaliação sobre a realidade da situação. Mas, na dúvida, estava preparado para o pior. Por mais que a situação no entorno esteja à beira do descontrole, nunca se deve perder o controle sobre si mesmo. Quando você perde o controle de si mesmo, fica - por consequência - subjugado ao acaso e tudo o mais fica também sem controle, por mais simples ou complicada que seja a situação. No Aconcágua, isso pode significar a morte. A noite avançava e eu anotava no diário tudo que se passava. Ria de mim mesmo. Só quem é montanhista ou praticante de esporte ligado à natureza pode compreender que mesmo sob a tempestade, é bom estar ali. A força da natureza fascina na mesma proporção que impõe respeito. Eu estava na seguinte situação: era um pequeno ponto no meio da montanha colossal, no interior da corrente de ventos fortíssimos, com temperaturas muito baixas e pouco oxigênio disponível. Soava óbvio o nome daquele lugar: Nido de Condores - Ninho de Condores. O dia felizmente amanheceu. Finalmente era possível acompanhar tudo a minha volta. Aos poucos tudo ficava claro. Não saí da barraca imediatamente. Ao contrário. No lugar disso, permaneci por bom tempo dentro dela. A tarefa agora era a de esquentar a água para tomar um cappuccino. Durante esse tempo, ouvi conversas do lado de fora e a confirmação que o tempo iria piorar e de que todos ali teriam a oportunidade de atacar o cume naquela noite, antes da virada do tempo. Atacar o cume naquela noite era algo fadado ao fracasso para

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM RECUPERAÇÃO DE IMAGEM Quero que saibam que os dias que se seguiram não foram fáceis para mim. Porém, quando tornei a sair consciente, expus ao professor tudo o que estava acontecendo comigo, e como eu

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento Eu e umas amigas íamos viajar. Um dia antes dessa viagem convidei minhas amigas para dormir na minha casa. Nós íamos para uma floresta que aparentava ser a floresta do Slender-Man mas ninguém acreditava

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo II

11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo II Capítulo II Mark Ford 11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo Dois Como uma nota de $10 me deixou mais rico do que todos os meus amigos Das centenas de estratégias de construção de riqueza que

Leia mais

Dicas para investir em Imóveis

Dicas para investir em Imóveis Dicas para investir em Imóveis Aqui exploraremos dicas de como investir quando investir e porque investir em imóveis. Hoje estamos vivendo numa crise política, alta taxa de desemprego, dólar nas alturas,

Leia mais

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE.

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE. OS 4 PASSOS PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA HIGHSTAKESLIFESTYLE. Hey :) Gabriel Goffi aqui. Criei esse PDF para você que assistiu e gostou do vídeo ter sempre por perto

Leia mais

Dormia e me remexia na cama, o coração apertado, a respiração ofegante. Pensava:

Dormia e me remexia na cama, o coração apertado, a respiração ofegante. Pensava: Não há como entender a ansiedade sem mostrar o que se passa na cabeça de uma pessoa ansiosa. Este texto será uma viagem dentro da cabeça de um ansioso. E só para constar: ansiedade não é esperar por um

Leia mais

HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com

HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com TRECHO: A VOLTA POR CIMA Após me formar aos vinte e seis anos de idade em engenharia civil, e já com uma

Leia mais

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido.

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Assim que ela entrou, eu era qual um menino, tão alegre. bilhete, eu não estaria aqui. Demorei a vida toda para encontrá-lo. Se não fosse o

Leia mais

10 simples passos que irão mudar a forma como você tira fotos

10 simples passos que irão mudar a forma como você tira fotos VERSÃO FOTOGRAFIA 10 simples passos que irão mudar a forma como você tira fotos Existem várias formas de alterar o resultado final de uma foto, seja através do ISO, da velocidade do obturador, da abertura

Leia mais

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR *

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * PSICODRAMA DA ÉTICA Local no. 107 - Adm. Regional do Ipiranga Diretora: Débora Oliveira Diogo Público: Servidor Coordenadora: Marisa Greeb São Paulo 21/03/2001 I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * Local...:

Leia mais

DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos

DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br Eu queria testar a metodologia criativa com alunos que eu não conhecesse. Teria de

Leia mais

Não é o outro que nos

Não é o outro que nos 16º Plano de aula 1-Citação as semana: Não é o outro que nos decepciona, nós que nos decepcionamos por esperar alguma coisa do outro. 2-Meditação da semana: Floresta 3-História da semana: O piquenique

Leia mais

FUGA de Beatriz Berbert

FUGA de Beatriz Berbert FUGA de Beatriz Berbert Copyright Beatriz Berbert Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 FUGA FADE IN: CENA 1 PISCINA DO CONDOMÍNIO ENTARDECER Menina caminha sobre a borda

Leia mais

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER Atividades Lição 5 NOME: N º : CLASSE: ESCOLA É LUGAR DE APRENDER 1. CANTE A MÚSICA, IDENTIFICANDO AS PALAVRAS. A PALAVRA PIRULITO APARECE DUAS VEZES. ONDE ESTÃO? PINTE-AS.. PIRULITO QUE BATE BATE PIRULITO

Leia mais

Nada de telefone celular antes do sexto ano

Nada de telefone celular antes do sexto ano L e i n º1 Nada de telefone celular antes do sexto ano Nossos vizinhos da frente estão passando uma semana em um cruzeiro, então me pediram para buscar o jornal e a correspondência todos os dias, enquanto

Leia mais

Data: Tradução e adaptação brasileira, 2001, Casa do Psicólogo Livraria e Editora Ltda. BHS é um logotipo da Psychological Corporation.

Data: Tradução e adaptação brasileira, 2001, Casa do Psicólogo Livraria e Editora Ltda. BHS é um logotipo da Psychological Corporation. Nome: stado ivil: Idade: Sexo: Ocupação: _ scolaridade: ste questionário consiste em 20 afirmações. Por favor, leia as afirmações cuidadosamente, uma por uma. Se a afirmação descreve a sua atitude na última

Leia mais

Estudo x trabalho: aprenda a vencer a rotina de atividades rumo ao sucesso

Estudo x trabalho: aprenda a vencer a rotina de atividades rumo ao sucesso Estudo x trabalho: aprenda a vencer a rotina de atividades rumo ao sucesso Sumário introdução 03 Capítulo 5 16 Capítulo 1 Pense no futuro! 04 Aproveite os fins de semana Capítulo 6 18 Capítulo 2 07 É preciso

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

Dedico este livro a todas as MMM S* da minha vida. Eu ainda tenho a minha, e é a MMM. Amo-te Mãe!

Dedico este livro a todas as MMM S* da minha vida. Eu ainda tenho a minha, e é a MMM. Amo-te Mãe! Dedico este livro a todas as MMM S* da minha vida. Eu ainda tenho a minha, e é a MMM. Amo-te Mãe! *MELHOR MÃE DO MUNDO Coaching para Mães Disponíveis, www.emotionalcoaching.pt 1 Nota da Autora Olá, Coaching

Leia mais

Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro

Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro Histórias do Velho Testamento 3 a 6 anos Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro O Velho Testamento está cheio de histórias que Deus nos deu, espantosas e verdadeiras.

Leia mais

VERSÃO DEMO DO MÉTODO DE GUITARRA: CURE SEU IMPROVISO: MODOS GREGOS POR ROBERTO TORAO

VERSÃO DEMO DO MÉTODO DE GUITARRA: CURE SEU IMPROVISO: MODOS GREGOS POR ROBERTO TORAO VERSÃO DEMO DO MÉTODO DE GUITARRA: CURE SEU IMPROVISO: MODOS GREGOS POR ROBERTO TORAO CURE SEU IMPROVISO - MODOS GREGOS. Primeiramente, muito obrigado por apoiar meu trabalho e depois do grande sucesso

Leia mais

O livro. Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia

O livro. Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia O livro Vanderney Lopes da Gama 1 Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia enfurnado em seu apartamento moderno na zona sul do Rio de Janeiro em busca de criar ou

Leia mais

Indice. Bullying O acaso... 11

Indice. Bullying O acaso... 11 Indice Bullying O acaso... 11 Brincadeira de mau gosto. Chega! A história... 21 O dia seguinte... 47 A paixão... 53 O reencontro... 61 O bullying... 69 9 Agosto/2010 O acaso Terça-feira. O sol fazia um

Leia mais

ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME

ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME CENA 1. HOSPITAL. QUARTO DE. INTERIOR. NOITE Fernanda está dormindo. Seus pulsos estão enfaixados. Uma enfermeira entra,

Leia mais

Em um campo inabitado, cheio de flores, em

Em um campo inabitado, cheio de flores, em Para onde foi o meu dinheiro? A fábula das abelhas. Em um campo inabitado, cheio de flores, em uma terra distante, havia uma colméia diferente das demais. Tudo nessa colméia era muito bem organizado, limpo

Leia mais

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO.

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO. Roteiro de Telenovela Brasileira Central de Produção CAPÍTULO 007 O BEM OU O MAL? Uma novela de MHS. PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO. AGENOR ALBERTO FERNANDO GABRIELE JORGE MARIA CLARA MARIA CAMILLA MARÍLIA

Leia mais

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias Lucas Zanella Collin Carter & A Civilização Sem Memórias Sumário O primeiro aviso...5 Se você pensa que esse livro é uma obra de ficção como outra qualquer, você está enganado, isso não é uma ficção. Não

Leia mais

Olá, que bom que você está aqui no Relaxamento Presente.

Olá, que bom que você está aqui no Relaxamento Presente. Olá, que bom que você está aqui no Relaxamento Presente. Um dos grandes dilemas que os pais enfrentam atualmente é em relação à educação dos filhos, e se perguntam constantemente: "Como fazer meu filho

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

SEU GUIA DEFINITIVO PARA PLANEJAR E EXECUTAR DE UMA VEZ POR TODAS SEU SONHO ENGAVETADO

SEU GUIA DEFINITIVO PARA PLANEJAR E EXECUTAR DE UMA VEZ POR TODAS SEU SONHO ENGAVETADO FAÇA ACONTECER AGORA MISSÃO ESPECIAL SEU GUIA DEFINITIVO PARA PLANEJAR E EXECUTAR DE UMA VEZ POR TODAS SEU SONHO ENGAVETADO RENATA WERNER COACHING PARA MULHERES Página 1 Q ue Maravilha Começar algo novo

Leia mais

A Cura de Naamã - O Comandante do Exército da Síria

A Cura de Naamã - O Comandante do Exército da Síria A Cura de Naamã - O Comandante do Exército da Síria Samaria: Era a Capital do Reino de Israel O Reino do Norte, era formado pelas 10 tribos de Israel, 10 filhos de Jacó. Samaria ficava a 67 KM de Jerusalém,

Leia mais

FOTO-AVENTURA. Nikon D600. 85mm. f/16. 10. ISO 100. 10 zoom - FOTOGRAFIA PRÁTICA

FOTO-AVENTURA. Nikon D600. 85mm. f/16. 10. ISO 100. 10 zoom - FOTOGRAFIA PRÁTICA FOTO-AVENTURA Nikon D600. 85mm. f/16. 10. ISO 100 10 zoom - FOTOGRAFIA PRÁTICA Nova Zelândia CADA QUILÓMETRO É UMA POTENCIAL FOTOGRAFIA IR AO OUTRO LADO DO MUNDO APENAS PARA FOTOGRAFAR NÃO É PARA QUALQUER

Leia mais

Autor (a): Januária Alves

Autor (a): Januária Alves Nome do livro: Crescer não é perigoso Editora: Gaivota Autor (a): Januária Alves Ilustrações: Nireuda Maria Joana COMEÇO DO LIVRO Sempre no fim da tarde ela ouvia no volume máximo uma musica, pois queria

Leia mais

MINHA HISTÓRIA NO NOVOTEL

MINHA HISTÓRIA NO NOVOTEL MINHA HISTÓRIA NO NOVOTEL Lembro-me que haviam me convocado para uma entrevista de trabalho no NOVOTEL. Lembro-me de estar ansioso e ter passado a noite anterior preparando a minha entrevista. Como iria

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

Tenho um espelho mágico no porão e vou usá-lo.

Tenho um espelho mágico no porão e vou usá-lo. Capítulo um Meu espelho mágico deve estar quebrado Tenho um espelho mágico no porão e vou usá-lo. Jonah está com as mãos paradas em frente ao espelho. Está pronta? Ah, sim! Com certeza estou pronta. Faz

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL AUGUSTO AIRES DA MATA MACHADO. MATÉRIA: LÍNGUA PORTUGUESA. PROF.: MARCÉLIA ALVES RANULFO ASSUNTO: PRODUÇÃO DE TEXTO.

ESCOLA ESTADUAL AUGUSTO AIRES DA MATA MACHADO. MATÉRIA: LÍNGUA PORTUGUESA. PROF.: MARCÉLIA ALVES RANULFO ASSUNTO: PRODUÇÃO DE TEXTO. PROF.: MARCÉLIA ALVES RANULFO ALUNO: Victor Maykon Oliveira Silva TURMA: 6º ANO A ÁGUA A água é muito importante para nossa vida. Não devemos desperdiçar. Se você soubesse como ela é boa! Mata a sede de

Leia mais

9º Plano de aula. 1-Citação as semana: Não aponte um defeito,aponte uma solução. 2-Meditação da semana:

9º Plano de aula. 1-Citação as semana: Não aponte um defeito,aponte uma solução. 2-Meditação da semana: 9º Plano de aula 1-Citação as semana: Não aponte um defeito,aponte uma solução. 2-Meditação da semana: Enraizando e criando raiz (CD-Visualização Criativa faixa 2) 3-História da semana: Persistência X

Leia mais

É PROIBIDO O USO COMERCIAL DESSA OBRA SEM A AUTORIZAÇÃO DO AUTOR

É PROIBIDO O USO COMERCIAL DESSA OBRA SEM A AUTORIZAÇÃO DO AUTOR É PROIBIDO O USO COMERCIAL DESSA OBRA SEM A AUTORIZAÇÃO DO AUTOR Introdução: Aqui nesse pequeno e-book nós vamos relacionar cinco super dicas que vão deixar você bem mais perto de realizar o seu sonho

Leia mais

Insígnia Mundial do Meio Ambiente IMMA

Insígnia Mundial do Meio Ambiente IMMA Ficha técnica no. 2.1 Atividade Principal 2.1 SENTINDO A NATUREZA Objetivo da 2 Os escoteiros estão trabalhando por um mundo onde o habitat natural seja suficiente para suportar as espécies nativas. Objetivos

Leia mais

1 USE SUA RAZÃO E DEIXE AS EMOÇÕES POR ÚLTIMO

1 USE SUA RAZÃO E DEIXE AS EMOÇÕES POR ÚLTIMO BEM VINDO AO GUIA DE 10 PASSOS DE COMO MELHORAR MUITO A SUA VIDA FINANCEIRA! APROVEITE! 1 USE SUA RAZÃO E DEIXE AS EMOÇÕES POR ÚLTIMO Quando se trata do nosso dinheiro, a emoção sempre tende a ser um problema.

Leia mais

MERGULHO de Betina Toledo e Thuany Motta

MERGULHO de Betina Toledo e Thuany Motta MERGULHO de Betina Toledo e Thuany Motta Copyright Betina Toledo e Thuany Motta Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 MERGULHO FADE IN: CENA 1 PRAIA DIA Fotografia de

Leia mais

REGÊNCIA DO ALÉM CONTADOR (VOICE OVER)

REGÊNCIA DO ALÉM CONTADOR (VOICE OVER) REGÊNCIA DO ALÉM FADE IN SEQUÊNCIA # 01: CENA 01: EXT. IMAGENS DA CIDADE DE ARARAS DIA. Imagem do Obelisco da praça central da cidade, da igreja Matriz, Centro Cultural, rodoviária, Lago Municipal e cemitério.

Leia mais

O que fazer em meio às turbulências

O que fazer em meio às turbulências O que fazer em meio às turbulências VERSÍCULO BÍBLICO Façam todo o possível para viver em paz com todos. Romanos 12:18 OBJETIVOS O QUÊ? (GG): As crianças assistirão a um programa de auditório chamado Geração

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Cristina Soares Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Quando decidi realizar meu processo de coaching, eu estava passando por um momento de busca na minha vida.

Leia mais

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação.

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Introdução Criar um filho é uma tarefa extremamente complexa. Além de amor,

Leia mais

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ Entrevista com DJ Meu nome é Raul Aguilera, minha profissão é disc-jóquei, ou DJ, como é mais conhecida. Quando comecei a tocar, em festinhas da escola e em casa, essas festas eram chamadas de "brincadeiras

Leia mais

Neurociência e Saúde Mental

Neurociência e Saúde Mental 1 DICAS PARA MELHORAR O SONO Dormir bem pode fazer toda a diferença para ir bem em uma prova, ser mais criativo no trabalho e manter uma boa memória. O sono é essencial para manter uma rotina saudável,

Leia mais

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri. Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.com Página 1 1. HISTÓRIA SUNAMITA 2. TEXTO BÍBLICO II Reis 4 3.

Leia mais

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Apresentaremos 4 lições, que mostram algum personagem Bíblico, onde as ações praticadas ao longo de sua trajetória abençoaram a vida de muitas

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

By Dr. Silvia Hartmann

By Dr. Silvia Hartmann The Emo trance Primer Portuguese By Dr. Silvia Hartmann Dra. Silvia Hartmann escreve: À medida em que nós estamos realizando novas e excitantes pesquisas; estudando aplicações especializadas e partindo

Leia mais

O mar de Copacabana estava estranhamente calmo, ao contrário

O mar de Copacabana estava estranhamente calmo, ao contrário epílogo O mar de Copacabana estava estranhamente calmo, ao contrário do rebuliço que batia em seu peito. Quase um ano havia se passado. O verão começava novamente hoje, ao pôr do sol, mas Line sabia que,

Leia mais

ulher não fala muito Mulher pensa alto

ulher não fala muito Mulher pensa alto ulher não fala muito Mulher pensa alto bla bla PROF. GRETZ Mulher não fala muito. Mulher pensa alto. Reflexões bem humoradas para uma ótima vida a dois Florianópolis 2014 1. Silêncio 7 2. Percepção 13

Leia mais

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 Humberto Cordeiro Carvalho admitido pela companhia em 1 de julho de 1981. Eu nasci em 25 de maio de 55 em Campos do Goytacazes. FORMAÇÃO Segundo grau Escola

Leia mais

BOLA NA CESTA. Roteiro para curta-metragem de Marcele Linhares

BOLA NA CESTA. Roteiro para curta-metragem de Marcele Linhares BOLA NA CESTA Roteiro para curta-metragem de Marcele Linhares 25/04/2012 SINOPSE Essa é a história de Marlon Almeida. Um adolescente que tem um pai envolvido com a criminalidade. Sua salvação está no esporte.

Leia mais

ROTEIRO: O LUGAR ONDE EU VIVO

ROTEIRO: O LUGAR ONDE EU VIVO ROTEIRO: O LUGAR ONDE EU VIVO Ideia: Produção realizada a partir de um fato marcante e em algumas situações ocorre a mesclagem entre narrações e demonstrações de cenas. Personagens: A filha da doméstica

Leia mais

Para início de conversa 9. Família, a Cia. Ltda. 13. Urca, onde moro; Rio, onde vivo 35. Cardápio de lembranças 53

Para início de conversa 9. Família, a Cia. Ltda. 13. Urca, onde moro; Rio, onde vivo 35. Cardápio de lembranças 53 Rio de Janeiro Sumário Para início de conversa 9 Família, a Cia. Ltda. 13 Urca, onde moro; Rio, onde vivo 35 Cardápio de lembranças 53 O que o homem não vê, a mulher sente 75 Relacionamentos: as Cias.

Leia mais

Sinopse I. Idosos Institucionalizados

Sinopse I. Idosos Institucionalizados II 1 Indicadores Entrevistados Sinopse I. Idosos Institucionalizados Privação Até agora temos vivido, a partir de agora não sei Inclui médico, enfermeiro, e tudo o que for preciso de higiene somos nós

Leia mais

por ano para trocar o sangue. Page leu todos os livros do Aleister Crowley. Em 1977, eles já tinham se tornado a banda definitiva de iniciação.

por ano para trocar o sangue. Page leu todos os livros do Aleister Crowley. Em 1977, eles já tinham se tornado a banda definitiva de iniciação. O Led Zeppelin sempre foi complicado. Esse era o problema inicial deles. Os shows deles sempre tinham violência masculina. Isso foi um desvio nos anos 1970, que foi uma época muito estranha. Era uma anarquia

Leia mais

Alô, alô. www.bibliotecapedrobandeira.com.br

Alô, alô. www.bibliotecapedrobandeira.com.br Alô, alô Quero falar com o Marcelo. Momento. Alô. Quem é? Marcelo. Escuta aqui. Eu só vou falar uma vez. A Adriana é minha. Vê se tira o bico de cima dela. Adriana? Que Adriana? Não se faça de cretino.

Leia mais

PERDOAR E PEDIR PERDÃO, UM GRANDE DESAFIO. Fome e Sede

PERDOAR E PEDIR PERDÃO, UM GRANDE DESAFIO. Fome e Sede PERDOAR E PEDIR PERDÃO, UM GRANDE DESAFIO HISTÓRIA BÍBLICA: Mateus 18:23-34 Nesta lição, as crianças vão ouvir a Parábola do Servo Que Não Perdoou. Certo rei reuniu todas as pessoas que lhe deviam dinheiro.

Leia mais

Titulo - VENENO. Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas).

Titulo - VENENO. Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas). Titulo - VENENO Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas). Corta para dentro de um apartamento (O apartamento é bem mobiliado. Estofados

Leia mais

A DIVERSIDADE NA ESCOLA

A DIVERSIDADE NA ESCOLA Tema: A ESCOLA APRENDENDO COM AS DIFERENÇAS. A DIVERSIDADE NA ESCOLA Quando entrei numa escola, na 1ª série, aos 6 anos, tinha uma alegria verdadeira com a visão perfeita, não sabia ler nem escrever, mas

Leia mais

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento.

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento. 10 Maneiras de se Casar com a Pessoa Errada O amor cego não é uma forma de escolher um parceiro. Veja algumas ferramentas práticas para manter os seus olhos bem abertos. por Rabino Dov Heller, Mestre em

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

FIM DE SEMANA. Roteiro de Curta-Metragem de Dayane da Silva de Sousa

FIM DE SEMANA. Roteiro de Curta-Metragem de Dayane da Silva de Sousa FIM DE SEMANA Roteiro de Curta-Metragem de Dayane da Silva de Sousa CENA 1 EXTERIOR / REUNIÃO FAMILIAR (VÍDEOS) LOCUTOR Depois de uma longa semana de serviço, cansaço, demoradas viagens de ônibus lotados...

Leia mais

DANIEL EM BABILÔNIA Lição 69. 1. Objetivos: Ensinar que devemos cuidar de nossos corpos e recusar coisas que podem prejudicar nossos corpos

DANIEL EM BABILÔNIA Lição 69. 1. Objetivos: Ensinar que devemos cuidar de nossos corpos e recusar coisas que podem prejudicar nossos corpos DANIEL EM BABILÔNIA Lição 69 1 1. Objetivos: Ensinar que devemos cuidar de nossos corpos e recusar coisas que podem prejudicar nossos corpos 2. Lição Bíblica: Daniel 1-2 (Base bíblica para a história e

Leia mais

Roteiro para curta-metragem. Nathália da Silva Santos 6º ano Escola Municipalizada Paineira TEMPESTADE NO COPO

Roteiro para curta-metragem. Nathália da Silva Santos 6º ano Escola Municipalizada Paineira TEMPESTADE NO COPO Roteiro para curta-metragem Nathália da Silva Santos 6º ano Escola Municipalizada Paineira TEMPESTADE NO COPO SINOPSE Sérgio e Gusthavo se tornam inimigos depois de um mal entendido entre eles. Sérgio

Leia mais

Anexo II - Guião (Versão 1)

Anexo II - Guião (Versão 1) Anexo II - Guião (Versão 1) ( ) nº do item na matriz Treino História do Coelho (i) [Imagem 1] Era uma vez um coelhinho que estava a passear no bosque com o pai coelho. Entretanto, o coelhinho começou a

Leia mais

Assim nasce uma empresa.

Assim nasce uma empresa. Assim nasce uma empresa. Uma história para você que tem, ou pensa em, um dia, ter seu próprio negócio. 1 "Non nobis, Domine, non nobis, sed nomini Tuo da gloriam" (Sl 115,1) 2 Sem o ar Torna-te aquilo

Leia mais

DICAS COMBATE AO DESPERDÍCIO DE ENERGIA ELÉTRICA NO LAR COMBATE AO DESPERDÍCIO DE ENERGIA ELÉTRICA NO LAR

DICAS COMBATE AO DESPERDÍCIO DE ENERGIA ELÉTRICA NO LAR COMBATE AO DESPERDÍCIO DE ENERGIA ELÉTRICA NO LAR DICAS COMBATE AO DESPERDÍCIO DE COMBATE AO DESPERDÍCIO DE ENERGIA ELÉTRICA NO LAR ENERGIA ELÉTRICA NO LAR O consumo de energia elétrica vem aumentando no Brasil em virtude do desenvolvimento econômico

Leia mais

36. DÚVIDAS NA ESCOLHA DE UMA NOVA RESIDÊNCIA. DECIDIR É DIFÍCIL. UMA LUTA DA CONVENIÊNCIA COM O CORAÇÃO

36. DÚVIDAS NA ESCOLHA DE UMA NOVA RESIDÊNCIA. DECIDIR É DIFÍCIL. UMA LUTA DA CONVENIÊNCIA COM O CORAÇÃO 36. DÚVIDAS NA ESCOLHA DE UMA NOVA RESIDÊNCIA. DECIDIR É DIFÍCIL. UMA LUTA DA CONVENIÊNCIA COM O CORAÇÃO AQUI TEM UM FATO INUSITADO. QUE PASSA DESPERCEBIDO PELA MAIORIA DAS PESSOAS, NÃO TREINADAS NA ARTE

Leia mais

MOVIMENTO FAMILIAR CRISTÃO Equipe Dia/mês/ano Reunião nº Ano: Tema: QUEM MEXEU NO MEU QUEIJO Acolhida Oração Inicial

MOVIMENTO FAMILIAR CRISTÃO Equipe Dia/mês/ano Reunião nº Ano: Tema: QUEM MEXEU NO MEU QUEIJO Acolhida Oração Inicial MOVIMENTO FAMILIAR CRISTÃO Equipe Dia/mês/ano Reunião nº Ano: Local: Tema: QUEM MEXEU NO MEU QUEIJO Acolhida Oração Inicial Esta é uma história de mudança que ocorre em um labirinto em que quatro personagens

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

Um planeta. chamado Albinum

Um planeta. chamado Albinum Um planeta chamado Albinum 1 Kalum tinha apenas 9 anos. Era um menino sonhador, inteligente e inconformado. Vivia num planeta longínquo chamado Albinum. Era um planeta muito frio, todo coberto de neve.

Leia mais

Os dois foram entrando e ROSE foi contando mais um pouco da história e EDUARDO anotando tudo no caderno.

Os dois foram entrando e ROSE foi contando mais um pouco da história e EDUARDO anotando tudo no caderno. Meu lugar,minha história. Cena 01- Exterior- Na rua /Dia Eduardo desce do ônibus com sua mala. Vai em direção a Rose que está parada. Olá, meu nome é Rose sou a guia o ajudara no seu projeto de história.

Leia mais

Palavras do autor. Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura.

Palavras do autor. Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura. Palavras do autor Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura. Durante três anos, tornei-me um leitor voraz de histórias juvenis da literatura nacional, mergulhei

Leia mais

PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL

PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL Panorama Social Viviani Bovo - Brasil 1 RELATÓRIO FINAL PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL PANORAMA SOCIAL Viviani Bovo Campinas - Brasil Panorama Social Viviani Bovo - Brasil 2 Relatório para Certificação

Leia mais

10 segredos para falar inglês

10 segredos para falar inglês 10 segredos para falar inglês ÍNDICE PREFÁCIO 1. APENAS COMECE 2. ESQUEÇA O TEMPO 3. UM POUCO TODO DIA 4. NÃO PRECISA AMAR 5. NÃO EXISTE MÁGICA 6. TODO MUNDO COMEÇA DO ZERO 7. VIVA A LÍNGUA 8. NÃO TRADUZA

Leia mais

8 Passos para o Recrutamento Eficaz. Por Tiago Simões

8 Passos para o Recrutamento Eficaz. Por Tiago Simões 8 Passos para o Recrutamento Eficaz Por Tiago Simões Uma das coisas que aprendi na indústria de marketing de rede é que se você não tem um sistema de trabalho que comprovadamente funcione, muito provavelmente

Leia mais

História Para as Crianças. A menina que caçoou

História Para as Crianças. A menina que caçoou História Para as Crianças A menina que caçoou Bom dia crianças, feliz sábado! Uma vez, do outro lado do mundo, em um lugar chamado Austrália vivia uma menina. Ela não era tão alta como algumas meninas

Leia mais

Agrupamento de Escolas Pioneiras da Aviação Portuguesa EB1/JI Vasco Martins Rebolo

Agrupamento de Escolas Pioneiras da Aviação Portuguesa EB1/JI Vasco Martins Rebolo Era uma vez a família Rebolo, muito simpática e feliz que vivia na Amadora. Essa família era constituída por quatro pessoas, os pais Miguel e Natália e os seus dois filhos Diana e Nuno. Estávamos nas férias

Leia mais

Patrícia Engel Secco Ilustrações Christian Held

Patrícia Engel Secco Ilustrações Christian Held Patrícia Engel Secco Ilustrações Christian Held Projeto Gráfico Ilustra Online Revisão Trisco Comunicação Uma história de amor pelo nosso planeta. Coordenação Editorial Ler é Fundamental Produções e Projetos

Leia mais

!!!!! Castelo neuschwanstein/neuschwanenstein em Fussen. host family que recebeu minha irmã em 2010/2011 em Augsburg

!!!!! Castelo neuschwanstein/neuschwanenstein em Fussen. host family que recebeu minha irmã em 2010/2011 em Augsburg Alemanha Eu cheguei na Alemanha no dia 14 de Agosto de 2014, e desde então moro em Potsdam, a capital de Brandeburgo e 30 minutos de Berlim A minha host family me buscou no aeroporto e desde o primeiro

Leia mais

Mostrei minha obra-prima à gente grande, perguntando se meu desenho lhes dava medo.

Mostrei minha obra-prima à gente grande, perguntando se meu desenho lhes dava medo. I Uma vez, quando eu tinha seis anos, vi uma figura magnífica num livro sobre a floresta virgem, chamado Histórias vividas. Representava uma jiboia engolindo uma fera. Esta é a cópia do desenho. O livro

Leia mais

APÊNDICE A - Músicas

APÊNDICE A - Músicas APÊNDICE A - Músicas Músicas 1 GUT GUT SEM PARAR Adaptação ao meio líquido Bebeu a água da piscina toda Fui ver quem era, era o João Ele bebia a água da piscina Ele fazia gut gut gut gut gut sem parar

Leia mais

Lembro-me do segredo que ela prometeu me contar. - Olha, eu vou contar, mas é segredo! Não conte para ninguém. Se você contar eu vou ficar de mal.

Lembro-me do segredo que ela prometeu me contar. - Olha, eu vou contar, mas é segredo! Não conte para ninguém. Se você contar eu vou ficar de mal. -...eu nem te conto! - Conta, vai, conta! - Está bem! Mas você promete não contar para mais ninguém? - Prometo. Juro que não conto! Se eu contar quero morrer sequinha na mesma hora... - Não precisa exagerar!

Leia mais

Produtividade e qualidade de vida - Cresça 10x mais rápido

Produtividade e qualidade de vida - Cresça 10x mais rápido Produtividade e qualidade de vida - Cresça 10x mais rápido Você já pensou alguma vez que é possível crescer 10 vezes em várias áreas de sua vida e ainda por cima melhorar consideravelmente sua qualidade

Leia mais

Tudo tem um tempo. Uma hora para nascer e uma hora para morrer.

Tudo tem um tempo. Uma hora para nascer e uma hora para morrer. CAPITULO 3 Ele não é o Homem que eu pensei que era. Ele é como é. Não se julga um Homem pela sua aparência.. Tudo tem um tempo. Uma hora para nascer e uma hora para morrer. Eu costumava saber como encontrar

Leia mais